SUMÁRIO. EAD- INSTITUTO CONSCIÊNCIAGO. Rua 96, nº 57, Setor Sul-Goiânia-GO -Telefones: ou

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. EAD- INSTITUTO CONSCIÊNCIAGO. Rua 96, nº 57, Setor Sul-Goiânia-GO -Telefones: 3224-8931 ou 3224-7241"

Transcrição

1

2

3 SUMÁRIO 1 - ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS... 4 Conceito de Organização... 5 Princípios da Organização... 6 Tipos de Organização... 8 Recursos organizacionais A abordagem sistêmica nas organizações empresariais PROCESSO ADMINISTRATIVO Administração: Conceito e Aplicação Funções empresariais O Processo administrativo ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Tipos de estruturas organizacionais Departamentalização nas estruturas organizativas Sistema de autoridade Gráficos de Organização ORGANIZAÇÕES COMERCIAIS Constituição da empresa Os tipos de firmas e as formas de sociedade comercial Classificação das empresas TÉCNICAS COMERCIAIS Organização comercial da empresa Estudo do mercado: os processos de compra e venda Propaganda, publicidade e promoção de vendas O comercio e o mercado imobiliário Comunicação empresarial Processo de Marketing Composição e estruturação da força de vendas Supervisão e controle de vendas AUXILIARES DO COMERCIO Companhias de seguros Estabelecimentos Financeiros Bolsas Ações das S/As Outros serviços do comércio MERCADORIAS E TÍTULOS Operações sobre mercadorias Operações sobre títulos REFERÊNCIAS

4 1 ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS 4

5 CONCEITO DE ORGANIZAÇÃO Organização é o processo administrativo por meio do qual se estrutura um todo, um determinado sistema, seja ele empresa, instituição, entidade. E a organização que possibilita a criação (estruturação) de um organismo econômico (empresa), dotando-o de recursos materiais (equipamentos) e recursos humanos (pessoas). Este é, portanto, o conceito de organização, do ponto de vista da administração. Não se deve esquecer que, de um ponto de vista mais amplo, a organização deve estar presente onde quer que o homem esteja: no lar, na escola, no clube etc. Por outro lado, a vida moderna exige, cada vez mais, a adoção dos princípios e normas da administração e da organização para a sobrevivência das empresas. Objetivos da organização O principal objetivo da organização é obter o máximo rendimento de toda e qualquer atividade, tanto pela estruturação como pela indicação dos melhores métodos para a realização dos serviços. Vistos por este ângulo, os objetivos de uma empresa ou instituição determinam seus conceitos de sucesso. A organização tem objetivos específicos. A sociedade moderna solicita cada vez mais o exercício da organização, por isso é necessário que ela tenha e alcance objetivos socialmente úteis. Idalberto Chiavenato, em Introdução a Teoria Geral da Administração, dá-nos um bom exemplo da estreita ligação entre objetivos e sucesso: Há várias empresas que nos querem vender seus automóveis e sabonetes, e a mais bem-sucedida é aquela que nos consegue transformar em seus clientes, e obter lucro. Assim, receita de vendas e lucro são duas das possíveis medidas de sucesso que se pode imaginar para um tipo específico de organização - as empresas. Da mesma forma, pode-se dizer que um governo é bem-sucedido quando a população de seu país desfruta de boas condições de vida - quando, por exemplo, não ha doenças 5

6 e analfabetismo. Também é interessante que um país tenha equilíbrio em suas relações comerciais; dessa forma, pode-se dizer que a qualidade de vida da população e o estado da balança comercial são duas possíveis medidas de sucesso que podem caracterizar um outro tipo de organização - os países. Vimos dois exemplos nos quais os objetivos são diferentes. No primeiro, a preocupação é com o lucro, em razão da natureza da organização. No segundo, a preocupação maior é quanto à qualidade de vida da população e ao estado da balança comercial. Para realizar seus objetivos, as organizações devem preocupar-se, também, com os recursos disponíveis, pois não adianta lançar-se em grandes empreendimentos se não ha recursos. A organização pode ser de pequeno ou grande porte. Uma oficina, uma lanchonete, ainda que de limitadas proporções, podem ser exemplos de organização de pequeno porte. Um hospital, um órgão público, como um ministério, são exemplos de organização de grande porte. PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO Os princípios da organização são quatro: A. Divisão do trabalho B. Cooperação C. Imitação D. Coordenação A. Divisão do trabalho À medida que as instituições foram crescendo, aumentou também o nível de complexidade das tarefas e dos serviços. Dessa forma, surgiu a necessidade da divisão do trabalho, com vistas a melhorar a qualidade e a capacidade das instituições. 6

7 A divisão do trabalho é o princípio por meio do qual as tarefas são distribuídas entre as pessoas em razão de sua especialização ou da decomposição de um serviço em várias fases. A necessidade da divisão do trabalho advém, principalmente, do fato de haver diferenças individuais que favorecem determinados tipos de trabalhos, bem como da impossibilidade de uma mesma pessoa realizar duas coisas ao mesmo tempo. Para uma empresa ou instituição funcionar eficientemente, é necessário ocorrer a distribuição de tarefas e responsabilidades. Quando a empresa age dessa forma, está criando seus departamentos e seções, portanto, o modelo de instituição que conhecemos modernamente adota a divisão do trabalho. B. Cooperação Cooperação é outro princípio da organização. É impossível uma organização funcionar sem o princípio de cooperação. É ele que impulsiona as pessoas a contribuírem para que as tarefas e os serviços sejam realizados. A cooperação é o princípio de organização por meio do qual as tarefas são distribuídas entre as pessoas de forma espontânea, a partir do interesse que elas têm em colaborar umas com as outras. C. Imitação Este princípio gera bons resultados na empresa, pois tem como base a demonstração. As pessoas assistem a demonstrações dos procedimentos que são esperados delas. A imitação é o princípio por meio do qual os serviços são demonstrados pelos encarregados aos seus subordinados para que saibam como proceder para realizar determinada tarefa. Não fosse o princípio da imitação, toda experiência profissional acumulada seria em vão e se estaria constantemente recomeçando. 7

8 D. Coordenação A coordenação tem como finalidade harmonizar todo funcionamento da empresa. A coordenação deve estar presente em todos os serviços da empresa, bem como durante o desempenho do administrador, por meio de planejamento, organização, direção e controle das atividades administrativas. A coordenação é o princípio da organização mediante o qual as ações da empresa são integradas de forma a comporem um todo harmonioso. TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Organização informal É um processo de organização em que os objetivos não são definidos de forma rígida e expressa, e que não dispõe de um conjunto de regras e procedimentos escritos determinantes de sua ação. Um time de futebol amador, um grupo de música, cinema, teatro, sem fins lucrativos, são exemplos de organizações informais. Organização formal É um processo de organização estruturado de acordo com normas e regulamentos escritos rígidos (manual) nos quais é estabelecida uma hierarquia de autoridade, e as responsabilidades são claramente definidas. As universidades, os hospitais, os clubes são exemplos de organizações formais. As organizações formais compõem-se de indivíduos que estão juntos para atingir objetivos específicos, com maiores rendimentos e menores dificuldades. 8

9 Organização formal e burocracia Para coordenar suas atividades e alcançar seus objetivos, as organizações formais utilizam-se da burocracia, uma hierarquia, rigidamente estabelecida, de autoridade e de responsabilidade. A burocracia é identificada por cinco características: especialização, hierarquia de autoridade, tratamento impessoal, qualificações técnicas e indicação por mérito, regras e regulamentos escritos. De forma breve e sucinta, vamos ver cada uma dessas características. 1. Especialização É a divisão do trabalho realizada de forma que cada pessoa se ocupe de uma tarefa previamente definida e a ela confiada. Assim, por exemplo, cada operário de uma linha de montagem pode ser encarregado de apertar um parafuso, colocar uma boneca na caixa etc. Charles Chaplin, conhecido cineasta, realiza no filme Os Tempos Modernos uma crítica especialização, que comumente leva o homem ao tédio, pois o trabalho é executado de forma alienada, mecânica, sem nenhum significado para a vida das pessoas. Essa crítica é hoje generalizada. Muitas pessoas se indagam se a excessiva especialização não prejudica também a própria eficiência da organização, uma vez que as pessoas, não se sentindo satisfeitas, podem deixar de produzir eficientemente. 2. Hierarquia de autoridade É a divisão de responsabilidades. Cada posição dentro da hierarquia burocrática compreende direitos, deveres e responsabilidades. 3. Tratamento impessoal Significa que os trabalhadores devem ser tratados de acordo com a posição que ocupam e por aquilo que realizam, ou seja, o tratamento não pode ser em função da pessoa. Em todas as organizações, as comunicações devem visar ao interesse da organização e não dos indivíduos. 4. Qualificações técnicas e indicação por mérito Para cada cargo, deve ser selecionado o candidato que apresentar melhor qualificação para a posição. 9

10 5. Regras e regulamentos escritos Nas organizações formais, todos os comportamentos dos indivíduos estão prescritos em regulamentos formais, escritos. Os regulamentos dizem respeito não só ao comportamento dos indivíduos, mas também a vida da instituição. Para finalizar, podemos afirmar que, por mais rígida que seja a burocracia, sempre são estabelecidas relações informais. Essas relações, embora teoricamente desaconselhadas, são geralmente importantes na vida da organização. Nem sempre a organização formal é inteiramente eficaz em seus procedimentos, pela excessiva rigidez burocrática. Na pratica, alcançamos mais rapidamente nossos objetivos, em algumas situações, quando agimos um pouco mais informalmente, isto é, com maior flexibilidade. É importante que haja lugar para troca de experiências e idéias. RECURSOS ORGANIZACIONAIS Para realizar seus objetivos, as organizações devem preocupar-se também com os recursos disponíveis, pois não adianta se lançar em grandes empreendimentos se não há recursos. Os recursos empresariais são os meios de que dispõem as empresas para poderem funcionar e alcançar seus objetivos. Eles podem ser de propriedade da empresa (fazendo parte de seu patrimônio), alugados ou arrendados. Os principais recursos empresariais são: recursos físicos ou materiais, recursos financeiros, recursos humanos, recursos mercadológicos, recursos administrativos. 1. Recursos físicos ou materiais são todas as coisas físicas e materiais de que dispõe uma empresa. Edifícios, instalações, equipamentos, matérias-primas etc. constituem os recursos físicos de uma empresa. Normalmente, a gestão dos recursos físicos ou materiais cabe a administração da produção da empresa. 2. Recursos financeiros correspondem ao fator de produção denominado capital. 10

11 Abrangem, porém, muito mais que o capital, pois envolvem a totalidade dos recursos financeiros da empresa, como o faturamento, o fluxo de caixa, os investimentos, as contas a receber etc. A gestão dos recursos financeiros cabe a administração financeira da empresa. 3. Recursos humanos correspondem ao fator de produção denominado trabalho. Sua abrangência, porém, é bem maior pois enquanto o trabalho focaliza apenas a mão de obra, os recursos humanos envolvem todas as pessoas na empresa, do presidente ao operário. A gestão dos recursos humanos cabe a administração de recursos humanos. 4. Recursos mercadológicos também chamados recursos comerciais, envolvem os meios mediante os quais a empresa faz fluir seus produtos ou serviços até o consumidor final. Pesquisa de mercado, vendas, promoção, propaganda e canais de distribuição são exemplos de recursos mercadológicos. A gestão dos recursos mercadológicos cabe a administração mercadológica ou administração de marketing. 5. Recursos administrativos correspondem ao fator de produção denominado empresa. Envolvem os meios de coordenação interna de todos os demais recursos empresariais, assegurando-lhes a integração necessária para o seu desempenho global. A gestão dos recursos administrativos cabe a administração geral. A ABORDAGEM SISTÊMICA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS A Teoria Geral dos Sistemas ensina-nos que um sistema é um todo organizado e unido, composto por duas ou mais partes interdependentes, delimitado por fronteiras identificáveis do seu macrossistema ambiental. O Sistema Solar, o corpo humano, um ecossistema ou uma organização são exemplos de interação dinâmica interdependente que caracterizam um sistema. Um sistema é composto por subsistemas ou componentes e está integrado num macrossistema. O todo formado por um sistema é superior a mera soma das partes que o constituem. Chama-se a esse conceito holismo, que resulta das sinergias estabelecidas entre os vários subsistemas. 11

12 É preciso distinguir dois tipos de sistemas. Um sistema fechado não tem qualquer relação com o respectivo ambiente, enquanto um sistema aberto estabelece uma interrelação com aquilo que o rodeia. A maior parte, se não a totalidade, dos sistemas sociais corresponde a este segundo tipo. A descrição de sistema aberto é exatamente aplicável a uma organização empresarial. Uma empresa é um sistema criado pelo homem e mantém uma dinâmica interação com seu meio ambiente. Influi sobre o meio ambiente e recebe influências dele. E um sistema integrado por diversas partes relacionadas entre si, que trabalham em harmonia umas com as outras, com a finalidade de alcançar uma série de objetivos, tanto da organização quanto de seus participantes. É fácil observar que esses conceitos correspondem à realidade das organizações. O que a aplicação dessa visão sistêmica trouxe de novo a Teoria da Gestão foi o fornecimento de um quadro global, no qual podem ser integrados quase todos os conhecimentos colhidos anteriormente, considerando agora também o ambiente no qual a organização se insere. Esta é a grande novidade, pois, até esse momento, as teorias de gestão que tinham sido propostas viam a empresa como um sistema fechado. Os principais subsistemas que compõem o sistema empresarial são: Subsistema de Objetivos e Valores: há em cada organização um subsistema de objetivos e valores. Sendo a empresa um subsistema da sociedade onde se insere, é natural que uma boa parte dos seus valores sejam determinados pelo contexto em que se insere. Esse subsistema inclui a cultura e os objetivos globais, de grupo ou individuais. Subsistema Técnico: é o subsistema que integra o conhecimento necessário ao desempenho do papel produtivo da empresa, bem como a tecnologia envolvida. Subsistema Psicossocial: compreende os fatores que influenciam o comportamento individual, como a motivação, as dinâmicas de grupo, a liderança, a comunicação ou as relações interpessoais. Subsistema de Estrutura: inclui os meios de divisão e coordenação da organização, estabelecendo as relações formais de autoridade, comunicação e trabalho. 12

13 Subsistema de Gestão: envolve os outros quatro, estabelecendo os objetivos, planejando, desenhando a estrutura e implementando sistemas de controle. Figura 1: O sistema organizacional Assim, a organização deve ser vista como um sistema aberto, composto por um conjunto de subsistemas (ou processos) que trabalham coordenadamente como um único sistema global, para atingir os objetivos do negócio. As funções, os departamentos ou os serviços são subsistemas, cuja única razão de ser é contribuir para o processo-base da organização. A abordagem sistêmica estuda a empresa como um sistema (processos), focalizando a gestão na simplificação dos processos pelos quais os produtos são criados e na eliminação das tarefas que não tem valor agregado, permitindo que esta responda, de uma forma adequada, a crescente exigência por parte do cliente. 13

14 2 PROCESSO ADMINISTRATIVO 14

15 ADMINISTRAÇÃO: CONCEITO E APLICAÇÃO A palavra administração origina-se do latim ad na direção de, no sentido de... e minister obediência, subordinação. Administrar significa, portanto, realizar tarefas mediante uma relação entre autoridade e responsabilidade, isto é, comando e obediência. Administrar é a arte e a ciência de preparar, organizar e dirigir os esforços humanos, aplicando-os a direção das forcas e a utilização dos materiais para benefício humano. Apesar dos diferentes tratamentos da Administração pelo tempo, ela permanece como forma de aprimorar os meios para atingir os melhores fins. Seja por meio da arte, seja da racionalização, seja do uso de ambas, a Administração propõe o desenvolvimento da melhor forma de agir para obter os resultados esperados. Segundo Stoner (1999, p.4): A Administração é o processo de planejar, organizar, liderar e controlar os esforços realizados pelos membros da organização e o uso de todos os outros recursos organizacionais para alcançar os objetivos estabelecidos. O conceito de administração está, dessa forma, estreitamente relacionado ao próprio conceito de organização, pois não se pode pensar em empresas, organismos e instituições que não utilizem processos administrativos, uma vez que é por meio deles que se estruturam as organizações, levando-as a realizar seus objetivos. Na verdade, como diz Idalberto Chiavenato na obra Introdução a Teoria da Administração: O objeto de estudo da administração sempre foi a organização, inicialmente entendida como um conjunto de cargos e tarefas, mais além como um conjunto de órgãos e funções, desdobrando-se, posteriormente, em uma complexa gama até chegar a concepção de sistema. As mais recentes teorias administrativas têm por objetivo o estudo da organização como um sistema composto de subsistemas que interagem entre si e com o ambiente externo. 15

16 A administração não é uma atividade mecânica, varia de empresa para empresa. Logo, o administrador terá de reavaliar seu papel, suas atividades, suas funções, cada vez que necessitar exercer cargos administrativos. O sucesso de um administrador esta correlacionado mais as características de sua personalidade, ao seu modo de agir e de resolver problemas do que propriamente ao conhecimento adquirido sobre administração. Por isso, Idalberto Chiavenato destaca três aspectos importantes para que o administrador possa executar eficazmente o processo administrativo: a habilidade técnica, a humana e a conceitual. Vamos analisá-las. 1. Habilidade técnica consiste em utilizar conhecimentos, métodos, técnicas e equipamentos necessários à realização de suas tarefas específicas, por meio de sua instrução, experiência e educação. 2. Habilidade humana consiste na capacidade e no discernimento para trabalhar com pessoas, compreender suas atitudes e motivações e aplicar uma liderança eficaz. 3. Habilidade conceitual consiste na compreensão global das complexidades da organização e no ajustamento do comportamento da pessoa na organização. Essa habilidade permite que a pessoa se comporte de acordo com os objetivos da organização. A necessidade de usar mais uma habilidade do que outra varia à medida que se sobe na escala hierárquica, de posições de supervisão a posições de alta direção. Assim, quando se exercem cargos mais elevados na organização, diminui a necessidade de habilidades técnicas e aumenta a necessidade de habilidade conceitual. A atividade administrativa pode ser exercida por profissionais de qualquer área: engenheiros, médicos, economistas, professores etc. Numa estrutura organizacional, qualquer profissional competente pode ser designado para ocupar cargos de supervisão, chefia, direção. A partir do momento em que for promovido, precisa, então, dedicar-se as responsabilidades que lhe exigirão conhecimentos e posturas novas e diferentes. Um bom administrador deve observar alguns fatores dos quais depende o sucesso 16

17 de seu trabalho. Estes são os seguintes: filosofia, objetivos, aptidões humanas, recursos ambientais, normas e estrutura. Conheça, de forma breve, essas características. 1. A filosofia da administração compreende a orientação que o administrador imprime ao seu trabalho. Mesmo quando ela não é expressa existe de forma implícita, norteando o trabalho do administrador, está presente nas respostas que o administrador dá a certas questões. 2. Os objetivos são diferentes para a organização, para os empregados e para a comunidade. A organização, por exemplo, interessam a produção de bens ou serviços e o lucro que essa atividade possa proporcionar-ihe. Já aos empregados interessam, sobretudo, a sobrevivência e a realização pessoal. Para a comunidade, interessam os bens e os serviços, e a qualidade deles. Cabe ao administrador conciliar os objetivos dos vários grupos sociais. 3. As aptidões humanas são um fator fundamental para o desenvolvimento das empresas e instituições, pois delas depende, em grande parte, a realização dos planos estabelecidos pela organização. É importante o cuidado constante com o aperfeiçoamento dos trabalhadores, bem como a busca de sua satisfação pessoal. 4. Os recursos ambientais dizem respeito a instalações, equipamentos e demais recursos e serviços de apoio necessários ao alcance dos objetivos da organização, dos empregados e da comunidade. 5. As normas referem-se à seqüência em que as tarefas devem ser desenvolvidas, ou seja, cada atividade, cada trabalho deve ser executado mediante determinados passos previamente estabelecidos. É função do administrador promover pesquisas para verificar, em cada caso, qual a seqüência de etapas que conduz de forma mais eficiente aos objetivos. 6. A estrutura organizacional consiste em determinada distribuição das funções e responsabilidades administrativas dentro da organização. Por exemplo, a estrutura organizacional de uma universidade vai indicar as várias faculdades e institutos de que se compõe essa organização de Ensino Superior e, dentro de cada unidade, vai indicar os departamentos que a compõem, e assim por diante. 17

18 Pode-se concluir que a administração, nos dias de hoje, é uma área de conhecimento humano imprescindível para o desenvolvimento da sociedade. Não se trata, entretanto, de uma atividade simples, ao contrário, é complexa e plena de desafios. Cada organização lida com problemas específicos, portanto o administrador deve estar preparado para antecipar e solucionar problemas, planejar a aplicação de recursos e desenvolver estratégias. FUNÇÕES EMPRESARIAIS Para atingir o objetivo estabelecido pela empresa, o administrador deve estar apto a utilizar os recursos humanos, materiais e financeiros numa ação ordenada das chamadas funções empresariais. Funções técnicas Referem-se às atividades de transformação de matérias-primas em produtos acabados, estando intimamente ligadas ao negócio em si. Uma imobiliária, por exemplo, tem por obrigação conhecer as diversas particularidades envolvidas na compra, na locação e na venda de imóveis. Funções comerciais Abrangem todas as etapas direcionadas à compreensão das necessidades/desejos do mercado, envolvendo, também, a análise da concorrência. Destinam-se a oferecer aquilo que os clientes almejam a preços competitivos. Funções financeiras Representam a habilidade de atrair recursos monetários e aplicá-los onde dêem maior retorno. É a gestão do capital. Funções de segurança 18

19 Estão ligadas a proteção do patrimônio, incluindo pessoas, máquinas, equipamentos, instalações prediais etc. Funções contábeis Tem a finalidade específica de, mediante demonstrativos formalizados, apresentar a situação do negócio. Compreendem inventários, balancetes, balanços etc. Funções administrativas Relacionam-se à estipulação de programas de ação empresarial, gerenciando os recursos a disposição. Abrangem todo o processo de definição de objetivos e metas, culminando com a determinação das responsabilidades, níveis de autoridade, liderança e instrumentos de acompanhamento e controle. O PROCESSO ADMINISTRATIVO As diversas funções do administrador, quando visualizadas como um todo para o alcance dos objetivos da empresa, constituem o processo administrativo. Este processo possui caráter extremamente dinâmico e contínuo, envolvendo as seguintes funções: A. Planejamento B. Organização C. Direção D. Controle Vamos abordar cada uma delas de forma prática e resumida. A. Planejamento O planejamento, na área administrativa, é a ação de especificar os objetivos a serem atingidos pela organização e determinar as formas de concretizá-los. 19

20 A função básica do planejamento reside na importância de se definir linhas de atuação, sejam estas individuais, sejam coletivas, consoante os desempenhos capazes de gerar resultados positivos a um todo. Variáveis externas Como qualquer função no mundo dos negócios, o planejamento sofre influências de variáveis internas e externas. Vamos exemplificar com fatores atuantes no mercado imobiliário. a economia interfere diretamente na oferta e procura de bens imóveis; a tecnologia fornece condições inovadoras no ato de vender e na captação da informação; o governo cria taxas e impostos; a legislação impõe normas de procedimentos administrativos; o modismo provoca mutações nos comportamentos de consumo; os aspectos sociais ditam posturas coletivas; a demografia demonstra os níveis de crescimento populacional e o fluxo desta provoca transformações nos limites das cidades. Variáveis Internas O conhecimento da realidade interna da organização, isto é, sua situação no que se refere à condição do mercado, subsidia o processo decisório acerca do que se pretende atingir e qual o impacto do alcance de determinados objetivos nos negócios. Partindo do exposto, pode-se concluir o seguinte. O planejamento existe em função da própria razão de existência da empresa. O planejamento responde as indagações: o que fazer? onde fazer? como fazer? quanto fazer? quando fazer? quem vai fazer? e para quem fazer? O planejamento deve abranger toda a organização. 20

21 Pressupostos do Planejamento O planejamento busca as ações a seguir. Eficiência: fazer as coisas com bom desempenho; está baseada em métodos, meios e procedimentos. Eficácia: fazer as coisas corretas, atingindo os resultados propostos. Efetividade: apresentar resultados positivos permanentes, generalizados por toda a empresa. Traduz-se pelas respostas eficientes e eficazes. Economicidade: nortear o trabalho com ausência de desperdício de recursos; está baseada na relação custo, benefício e viabilidade. Estrutura do planejamento ser esta. A estrutura do planejamento em uma organização, quanto a sua abrangência, pode Estratégico Compreende as decisões que englobam a empresa como um todo. Está voltado para o estabelecimento de metas, objetivos e políticas da organização. Tende a ser mais complexo, exigindo um período relativamente longo para sua plena concretização. Tático Compreende a procura por resultados eficientes e eficazes direcionados para um departamento da organização. É projetado para media prazo, muitas das vezes para um exercício anual. Operacional Representa o próprio ato de fazer. Pode ser visualizado em setores, seções e até nos funcionários. É projetado para curto prazo, podendo envolver cada tarefa ou atividade isoladamente. Normalmente objetiva metas, programas, normas e procedimentos Período do Planejamento Quanto ao período o planejamento pode ser. 21

22 Em longo prazo Abrange períodos acima de cinco anos. Em médio prazo Abrange períodos de dois a cinco anos. Em curto prazo Abrange período de ate um ano. B. Organização É a ação de estruturar a empresa por meio da reunião de pessoas e da aquisição dos equipamentos necessários a consecução dos objetivos. Fazem parte da estrutura organizacional as normas de trabalho, o pessoal, os materiais e os equipamentos. Como atividade básica da administração, serve para estruturar todos os recursos, humanos ou não, visando ao alcance dos objetivos predeterminados. Quando a função administrativa é estabelecida de forma adequada, oportuniza: a organização das funções e responsabilidades; a identificação das tarefas necessárias; a clareza de informações e feedback aos empregados; a oferta dos recursos e dos materiais para realização das tarefas; a avaliação de dos desempenhos compatíveis com os objetivos; o agrupamento de pessoas para realização de tarefas inter-relacionadas; um sistema de motivação eficiente. C. Direção É a ação de fazer funcionar a organização, mediante coordenação de todo o trabalho e de seu acompanhamento. O papel da direção é acionar e dinamizar a empresa. Temos aqui a correção de desvios, o treinamento de pessoal, a reposição de materiais e a substituição ou o remanejamento de empregados, por exemplo. 22

23 Esta função integra a forma pela qual as atividades das pessoas que trabalham na empresa vão ser desenvolvidas para que os objetivos propostos no planejamento sejam alcançados. A direção, como função administrativa, também interpreta os planos organizacionais, que podem ser globais, departamentais ou operacionais, dando os devidos encaminhamentos para sua plena execução. Assim, lida com as relações interpessoais em todos os níveis organizacionais, envolvendo todos os administradores e seus respectivos subordinados. Princípios da administração aplicados a direção. contas. Unidade de comando deve haver um superior a quem os subordinados prestam Delegação deve haver designação de tarefas, de autoridade e de responsabilidades. Para que este princípio tenha os resultados esperados, convém: Delegar a tarefa inteira, aumenta-se o nível de motivação e responsabilidade, além de facilitar o controle do desempenho. - Delegar a tarefa inteira, confiando na competência da pessoa e evitando interferências constantes; - Delegar a tarefa certa para a pessoa certa; - Delegar a tarefa junto com a responsabilidade e a autoridade para executá-la. Amplitude de controle deve haver um limite quanto ao número de posições que podem ser eficientemente supervisionadas por um único indivíduo. Principio da coordenação ou das relações funcionais deve haver uma ação globalizada e convergente, que harmonize e capitaliza todos os esforços individuais em benefício do objetivo comum. D. Controle É a ação que consiste na verificação sistemática do andamento das operações funcionais no intuito de localizar erros e/ou distorções em um instante que ainda possibilita 23

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

Organização em Enfermagem

Organização em Enfermagem Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Básica Disciplina Administração em Enfermagem I Organização em Enfermagem Prof. Thiago C. Nascimento Objetivos: Discorrer

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

Organogramas. Há um grande número de técnicas de representação. Estrutural, circular ou radial, funcional, estruturalfuncional,

Organogramas. Há um grande número de técnicas de representação. Estrutural, circular ou radial, funcional, estruturalfuncional, Organogramas Introdução e conceito Gráfico que representa a estrutura formal da organização num determinado momento Deve ser usado como instrumento de trabalho Requisitos: Fácil leitura Permitir boa interpretação

Leia mais

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás 2 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA As empresas não são amorfas. Nem estáticas. Elas tem uma constituição, um organismo que vive e palpita, que cresce e se desenvolve

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I DATA:

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Professor Djair Picchiai Campus São Paulo Março 2010 AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Todo diretor, gerente, chefe e encarregado exercem estas sete funções administrativas, a saber:

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organização, Processo e Estruturas 1 Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista os objectivos que a empresa como um todo se propõe atingir. 2

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Processo administrativo. Auto: Ader Fernando Alves de Pádua

Processo administrativo. Auto: Ader Fernando Alves de Pádua Processo administrativo Auto: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo apresentara os quatro tipos de fundamentos do processo administrativo tais como Planejamento, Organização, Direção e

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Funções administrativas Revisão de véspera Técnico INSS Planejamento Organização Direção Controle 1 2 Funções administrativas Planejamento: Planejamento é a função administrativa que estabelece os objetivos

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa.

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. DEPARTAMENTALIZAÇÃO CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. Ou Departamentalização é o agrupamento, de acordo com um critério específico de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

Novas Formas de Organização do Trabalho

Novas Formas de Organização do Trabalho Novas Formas de Organização do Trabalho Nesse cenário tecnológico, os trabalhadores são organizados em um novo conceito de divisão do trabalho que compreende: a) Novas tecnologias de produção; b) Novos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 15 - Sugestões que podem melhorar a coordenação organizacional O objetivo final da coordenação é obter a sinergia organizacional. Não existem regras mágicas

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Tipos de Organização Professor: Roberto César CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA ORGANIZAÇÃO FORMAL A organização consiste em um conjunto de posições funcionais e hierárquicas orientado

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE)

FORMAÇÃO: ADMINISTRAÇÃO PADRÃO DE RESPOSTA ( 2 a FASE) Questão n o 1 a) Na visão de Chiavenato, há pelo menos 10 ações que podem colaborar para a criação de um ambiente de criatividade na organização, duas das quais o candidato deve citar e descrever (evidentemente

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais