CARREIRA DE ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR (ACE) Olá, pessoal, tudo bem? É sempre uma grande satisfação estar aqui com vocês!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARREIRA DE ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR (ACE) Olá, pessoal, tudo bem? É sempre uma grande satisfação estar aqui com vocês!"

Transcrição

1 CARREIRA DE ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR (ACE) Olá, pessoal, tudo bem? É sempre uma grande satisfação estar aqui com vocês! Meu nome é Ricardo Vale e, atualmente, exerço o cargo de Analista de Comércio Exterior do MDIC. Sou também professor de Comércio Internacional e Direito Internacional Público aqui no site do Ponto dos Concursos e em cursos presenciais por todo o Brasil. Hoje nossa conversa será sobre a carreira de Analista de Comércio Exterior (ACE), que integra o chamado Ciclo de Gestão do Poder Executivo Federal. O objetivo é apresentar-lhes a carreira de ACE, a qual tem (e terá cada dia mais!) um importante papel no desenvolvimento econômico do País. - O comércio exterior brasileiro: Pra começar a nossa conversa, vamos a alguns números interessantes! Em 2010, o PIB do Brasil fechou em cerca de US$ 2,089 trilhões. Por sua vez, nesse mesmo ano, a corrente de comércio do Brasil (exportações + importações) atingiu a cifra de US$ 383,6 bilhões. A partir desses números, verificamos que a relação do comércio exterior com o PIB no Brasil é, atualmente, apenas 18%. Comparando esses dados com os de outros países, tem-se que a relação corrente de comércio / PIB é acima de 30% em 5 (cinco) das 7 (sete) maiores economias mundiais. Moral da história: há muito espaço para incremento do comércio exterior brasileiro, com o aumento tanto das exportações quanto das importações! E com o incremento do comércio exterior, nada mais natural do que a expansão da carreira de ACE. Nesse contexto, surgem algumas perguntas! Qual estratégia de inserção no cenário internacional deverá ser adotada pelo Brasil? Como promover o crescimento e o desenvolvimento econômico do país? Qual grau de liberalização comercial deverá ser adotado pelo governo?

2 São essas as grandes perguntas que o ACE deverá estar preparado para responder na sua tarefa de formulação de políticas públicas em matéria de comércio exterior! - A Carreira: A carreira de ACE foi criada pela Lei nº 9.620/98 com o objetivo de profissionalizar a gestão governamental sobre o comércio exterior, permitindo ao País fazer frente aos desafios do cenário internacional. Juntamente com as carreiras de Gestor Governamental, Analista de Planejamento e Orçamento (APO), Analista de Finanças e Controle (AFC), Analista do IPEA, integra o Ciclo de Gestão do Poder Executivo Federal. - Quantitativo de servidores e Lotação: Atualmente, há previsão legal para 280 cargos de Analistas de Comércio Exterior, sendo que, destes, estão ocupados por servidores efetivos cerca de 240 cargos. Há, portanto, algumas vagas aguardando provimento em um próximo concurso. Cabe destacar também que o Conselho de Ministros da CAMEX (Câmara de Comércio Exterior) já aprovou um pleito para ampliação do quantitativo de cargos da carreira. Nossa expectativa é que isso deva ocorrer nos próximos anos! O Decreto nº 2908/98 regula a distribuição dos cargos de ACE da seguinte forma: - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC): 245 (duzentos e quarenta e cinco) cargos; - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA): 15 (quinze) cargos; - Ministério da Fazenda (MF): 10 (dez) cargos - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG): 5 (cinco) cargos - Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA): 5 (cinco) cargos. Como vocês podem ver, a grande maioria dos ACE s está lotada no MDIC, mais especificamente na Secretaria de Comércio Exterior (SECEX). Contudo, há alguns Analistas lotados em outras Secretarias do MDIC Secretaria de Desenvolvimento da Produção (SDP), Secretaria de Comércio e Serviços (SCS), Secretaria de Inovação (SI) e, ainda, na Secretaria Executiva da CAMEX e Secretaria Executiva do CZPE (Conselho Nacional das Zonas de Processamento de Exportação)

3 - Atribuições: As atribuições do ACE vão depender muito do lugar em que ele estiver lotado. Assim, falar sobre o dia-a-dia de um Analista de Comércio Exterior não é algo muito simples (pode variar muito!). Um ACE lotado na Assessoria Internacional ou na Secretaria Executiva do MDIC poderá viver viajando pelo mundo afora, organizando missões empresariais; um ACE lotado no DEPLA pode ter uma rotina menos atribulada, fazendo a análise de dados estatísticos. Dessa forma, é melhor falarmos um pouco de cada Secretaria do MDIC e, depois, mais especificamente, sobre a SECEX (onde estão lotados a maioria dos ACE s!). O MDIC possui, em sua estrutura, 4 (quatro) Secretarias: MDIC SECEX SDP SCS SI 1)- Secretaria de Desenvolvimento da Produção (SDP): A SDP é responsável por formular a política industrial no Brasil, realizando atividades destinadas a incrementar a produção de bens no País e o desenvolvimento dos segmentos produtivos. Trata-se, portanto, de uma Secretaria bastante ligada ao setor privado em seu objetivo de promover o crescimento e o desenvolvimento econômico do Brasil. Vários são os assuntos tratados pela SDP, todos eles relacionados à política industrial brasileira. No âmbito da SDP, o ACE terá a oportunidade de conhecer setores industriais específicos (indústria automotiva, indústria química, indústria do complexo eletroeletrônico, indústria de bens de capital, indústria metalúrgica, etc) e, a partir daí, propor políticas públicas para o desenvolvimento de cada um deles. A SDP atua na análise de pleitos de concessão de ex-tarifários (redução objetiva do imposto de importação para bens de capital, de

4 informática e de telecomunicações sem similar nacional) e no desenvolvimento de arranjos produtivos locais (aglomerações de empresas situadas em um mesmo território). Também há participação da SDP nas negociações internacionais referentes aos setores produtivos do País. 2)- Secretaria de Comércio e Serviços (SCS): A SCS é responsável por formular, coordenar, implementar e avaliar políticas públicas e, ainda, estabelecer normas para o desenvolvimento do sistema produtivo nas áreas de comércio e de serviços. Dessa forma, a SCS também está muito ligada ao setor privado. Enquanto a SDP se preocupa com o desenvolvimento do setor industrial, a SCS se preocupa com o desenvolvimento dos setores de comércio e de serviços. A Secretaria de Comércio e Serviços realiza importantes atividades de apoio ao desenvolvimento de micro, pequenas e médias empresas, propondo medidas de desburocratização e simplificação. Nessa mesma direção, uma importante política pública executada pela SCS foi a criação do Microempreendedor Individual. Essa Secretaria também busca promover o comércio exterior brasileiro de serviços. Quanto a esse ponto, cabe enfatizar que os países mais desenvolvidos do mundo são grandes exportadores de serviços, possuindo um setor terciário bastante avançado. O Brasil, por sua vez, ainda está engatinhando nesse tipo de comércio, acumulando constantes déficits na Balança de Serviços. Há importantes iniciativas sendo tomadas no âmbito da SCS com vistas ao desenvolvimento do comércio exterior brasileiro de serviços, como o desenvolvimento do SISCOSERV (Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio) e da NBS (Nomenclatura Brasileira de Serviços). A SCS também participa de negociações internacionais na área de serviços. 3)- Secretaria de Inovação (SI): No atual contexto das relações econômicas internacionais, considera-se que um elemento fundamental para o crescimento e desenvolvimento de um País é a capacidade de inovação dos agentes econômicos. Reconhecendo a importância da inovação e do desenvolvimento tecnológico é que o Governo federal criou a Secretaria de Inovação (SI).

5 O ACE lotado na SI terá a oportunidade de trabalhar com atividades relacionadas à propriedade intelectual, desenvolvimento tecnológico, biotecnologia, nanotecnologia, etc. 4)- Secretaria de Comércio Exterior (SECEX): Que me perdoem as outras Secretarias, mas a SECEX é a verdadeira casa do Analista de Comércio Exterior! É aqui que realmente são desenvolvidas as atividades típicas da carreira de ACE e que contribuem para o aperfeiçoamento e crescimento do comércio exterior brasileiro. Em linhas gerais, a SECEX é responsável pela formulação de propostas de políticas de comércio exterior. Para falar mais detalhadamente sobre a SECEX, vamos conversar sobre cada um de seus Departamentos! a) Departamento de Operações de Comércio Exterior (DECEX) Esse é o Departamento onde eu tenho a grata satisfação de trabalhar! Se fôssemos comparar o comércio exterior com uma guerra, nós diríamos que o DECEX é a Infantaria! (rsrs...) Digo isso porque o DECEX é quem trava relação direta e imediata com as operações de comércio exterior, deliberando sobre as licenças de importação, registros de exportação e atos concessórios de drawback ( mecanismo de incentivo às exportações). No DECEX, o ACE terá que efetivamente conhecer a legislação de comércio exterior, seja em relação aos seus aspectos administrativos ou aduaneiros. Se você for do tipo preguiçoso ou que não gosta de estudar, fuja do DECEX! (rsrs...) Aqui você precisará de muito conhecimento e segurança acerca das normas de comércio exterior, pois todos os dias surgem situações novas e inusitadas, que se tornam grandes oportunidades de aprendizado. O DECEX tem procurado desenvolver diversas ações no sentido de promover a facilitação de comércio, desburocratizando e tornando mais ágeis as operações de comércio exterior. Quanto a isso, cabe destacar que, considerando que é o DECEX que se defronta diariamente com os problemas e as necessidades de aperfeiçoamento do comércio exterior, é nele que se originam grande parte das propostas de alteração da legislação nessa área.

6 Cabe destacar que o DECEX também possui importante papel no desenvolvimento e aperfeiçoamento do SISCOMEX (Sistema Integrado de Comércio Exterior). b) Departamento de Defesa Comercial (DECOM): O DECOM é o responsável pela condução dos processos de investigação para a aplicação de medidas de defesa comercial (direitos antidumping, direitos compensatórios e medidas de salvaguarda). Se você gosta de acompanhar jornais e revistas, é bem provável que já tenha ouvido falar do DECOM, cuja importância é tão grande que já chegou à mídia diversas vezes. Vou explicar melhor! Na atualidade, uma das maiores preocupações do setor industrial brasileiro é com o chamado risco de desindustrialização. Argumenta-se que a indústria brasileira está sofrendo com a concorrência desleal de produtos asiáticos, com destaque para produtos chineses. A China mantém sua moeda artificialmente desvalorizada, vendendo suas mercadorias por preços extremamente baixos no mercado internacional. E qual a solução para se defender da China? Pergunta difícil! Eu diria que os chineses estão prestes a dominar o mundo! (rs). Mas uma das possíveis soluções é a aplicação de medidas de defesa comercial! E é aí que entra o DECOM! Para trabalhar no DECOM, é fundamental ter conhecimentos de Contabilidade (para analisar as demonstrações contábeis de empresas), Economia (analisar se ocorre ou não dano à indústria nacional), Estatística (vocês não imaginam o tamanho das planilhas do DECOM!) e ainda Direito (com foco na jurisprudência do sistema de solução de controvérsias da OMC). Em abril de 2011, havia 73 medidas de defesa comercial em vigor. A tendência é que esse número aumente ainda mais nos próximos anos, o que irá demandar um considerável aumento do número de investigadores (ACE s). Se você for trabalhar no DECOM, prepare suas malas para viagens internacionais, principalmente para países asiáticos! c) Departamento de Negociações Internacionais (DEINT): Se você gosta de viajar para o exterior, aqui é o seu lugar! (rs)

7 Brincadeiras à parte, o DEINT é responsável pelas negociações internacionais brasileiras na área de comércio exterior. Enquanto o MRE atua na parte formal da negociação, o DEINT entra com o conhecimento técnico e especializado. O ACE lotado no DEINT participa do acompanhamento e da negociação de acordos internacionais no âmbito do MERCOSUL, da OMC ou de acordos bilaterais. Para tanto, é necessário conhecer com profundidade o comércio exterior brasileiro e suas principais demandas, a fim de que, em uma negociação internacional, o Brasil possa ter seus interesses efetivamente atendidos. Um dos desafios do DEINT para os próximos anos será a negociação do acordo MERCOSUL União Europeia. Se você quiser ir para o DEINT, tenha bastante disponibilidade para viagens internacionais e saiba falar bem outras línguas. O MDIC, quanto a esse ponto, incentiva muito os ACE s, proporcionando que estes realizem gratuitamente cursos de inglês, espanhol, francês e até mandarim! d) Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior (DEPLA) O DEPLA é o órgão responsável pelo planejamento e desenvolvimento das políticas de comércio exterior e pela elaboração e divulgação de estatísticas. Atua também organizando os ENCOMEX (Encontros de Comércio Exterior), que consistem em eventos realizados nas principais cidades do país no intuito de intercambiar com o setor privado informações e oportunidades. O DEPLA desenvolve, ainda, outros importantes projetos, como o Programa Primeira Exportação - incentivando a participação de micro e pequenas empresas brasileiras no comércio internacional e o Programa Rede Agentes divulgando a cultura exportadora pelos Estados da Federação. Se o DECEX é considerado a Infantaria na guerra diária do comércio exterior, o DEPLA pode ser considerado o estrategista! Dependendo do setor para o qual você seja direcionado no DEPLA, é bom estar preparado para muitas viagens nacionais! e) Departamento de Normas e Competitividade no Comércio Exterior (DENOC) O DENOC é responsável por estabelecer normas e procedimentos necessários à implementação de políticas e programas de operacionalização

8 do comércio exterior. É esse Departamento o responsável por promover o aperfeiçoamento da legislação de comércio exterior, implementando a política de facilitação do comércio. Por trabalhar com o objetivo de aperfeiçoar a legislação de comércio exterior, podemos dizer que o DENOC atua em várias frentes! Esse Departamento também é responsável por formular propostas para aumento da competitividade internacional dos produtos brasileiros, especialmente de âmbito burocrático, tributário, financeiro ou logístico. O DENOC atua, ainda, como Secretaria Executivo do Grupo Técnico de Facilitação do Comércio e promove a integração entre os diversos órgãos anuentes no comércio exterior brasileiro (MAPA, ANVISA, INMETRO, etc). Também cabe destacar a participação do DENOC na negociação de um acordo de facilitação de comércio no âmbito da Rodada Doha da OMC. - Remuneração e Benefícios: A remuneração do cargo de Analista de Comércio Exterior é feita por meio de subsídio, conforme tabela abaixo: ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR Classe Padrão Subsídio ESPECIAL IV ,45 III ,08 II ,43 I ,39 III ,64 C II ,81 I ,38 III ,23 B II ,11 I ,97 III ,64 A II ,00 I ,77 Somam-se a esses valores o auxílio-alimentação (R$ 304,00) e o reembolso-saúde (R$ 73,00 por pessoa servidor +dependentes). O inicial da carreira sai, portanto, acima de R$ ,00.

9 O ACE pode também ocupar cargos de chefia, como os de Coordenador (DAS 101.3), Coordenador Geral (DAS 101.4), Diretor (DAS 101.5) e Secretário (DAS 101.6). Atualmente, as mais importantes funções no MDIC são ocupadas por ACE s. A título exemplificativo, a Secretária de Comércio Exterior, Tatiana Lacerda Prazeres, é da carreira de ACE. - Especialização e Capacitação: O Analista de Comércio Exterior tem inúmeras oportunidades para se especializar. Tais oportunidades vão desde cursos de idiomas até cursos no exterior. Sobre cursos no exterior, podemos citar alguns, a título exemplificativo! Em 2009, tive a oportunidade de fazer um curso de 2 (duas) semanas no Uruguai, na sede da ALADI (Associação Latino-Americana de Integração), com instrutores da OMC. Outro ACE da minha turma (e que trabalha na mesma Coordenação que eu!) também foi, em 2009, fazer um curso da OMC de 2 (duas) semanas em Taiwan. Em 2010, uma ACE do DECEX foi fazer um curso de 1 (um) mês na Itália e outro ACE também do DECEX foi fazer um curso de 1 (um) mês no Japão. Estou só citando o exemplo de pessoas bem próximas, para não me alongar muito! - Jornada de Trabalho: A jornada de trabalho no MDIC é de 40 horas semanais (8 horas diárias). Em geral, há boa flexibilidade de horários, devendo o servidor acertar com a Chefia imediata seu horário de trabalho. No meu caso, por exemplo, chego no Ministério às 09:30 e saio às 18:30, com 1 hora de almoço. - Mobilidade / Remoção: Esse é um ponto negativo para aqueles que não gostam de Brasília! Atualmente, o ACE só pode desempenhar suas funções na capital federal. - Concurso:

10 A admissão no cargo de Analista de Comércio Exterior (ACE) ocorre por meio de concurso público de provas e títulos, não havendo exigência de formação específica. O último concurso para o cargo de ACE foi no ano de A banca examinadora foi o CESPE e as disciplinas exigidas foram as seguintes: - Língua Portuguesa - Inglês - Estatística - Contabilidade - Direito Constitucional - Direito Administrativo - Direito Internacional Público - Direito Tributário - Economia (Micro, Macro e Economia Brasileira) - Comércio Exterior e Relações Econômicas Internacionais Se você quiser ser aprovado no concurso de ACE, esteja muitíssimo bem preparado em Economia e em Comércio Exterior e Relações Econômicas Internacionais. Essas duas disciplinas são bastante pesadas na prova! Felizmente, são matérias apaixonantes! (embora eu seja suspeito para falar...rsrsrs) Em 2008, o que pegou muita gente de surpresa foi a prova discursiva. Naquela oportunidade, o edital previa que 80 pessoas fariam o curso de formação. No entanto, apenas 42 foram aprovadas, já que ninguém mais conseguiu a nota mínima nas questões discursivas. De fato, as questões discursivas foram bastante difíceis, envolvendo temas complexos de Comércio Internacional e Economia. Mas não se preocupe. Com uma preparação adequada e direcionada nessas disciplinas, é plenamente possível se sair bem! Amigos (as), Foi um prazer conversar com vocês um pouco sobre a carreira de Analista de Comércio Exterior (ACE), da qual tenho a imensa felicidade de

11 fazer parte. Espero vê-los, em breve, como companheiros de trabalho, lá na SECEX. Caso haja qualquer dúvida referente à carreira, sintam-se à vontade para entrar em contato comigo pelo Grande abraço, Ricardo Vale O segredo do sucesso é a constância no objetivo!

ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC)

ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC) ANALISTA DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC) Salve, Salve Concurseiros, É muito bom estar com vocês mais uma vez... Meu nome é Thális Andrade e sou

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1

Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro. Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Órgãos intervenientes no comércio exterior brasileiro Câmara de Comércio Exterior (Camex) 1 Competências A Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão integrante do Conselho de Governo, tem por objetivo

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

Ferramentas de Apoio às Exportações

Ferramentas de Apoio às Exportações INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Ferramentas de Apoio às Exportações Roberto Dantas Diretor do Departamento de Planejamento Apresentação 1 Estrutura da SECEX 2 Portal Brasileiro de Comércio Exterior

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO)

Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO) Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO) Olá amigos! Como é bom estar aqui! Hoje venho falar de uma carreira reconhecida como uma das principais do serviço público

Leia mais

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Agosto de 2013 Efeitos da taxa de câmbio: Trilema: inflação, taxa de juros, taxa de câmbio Redução do superávit comercial e déficit estrutural em

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL

BANCO CENTRAL DO BRASIL BANCO CENTRAL DO BRASIL Olá, me chamo César de Oliveira Frade. Há alguns anos, leciono para concurso público nas áreas de Economia e Finanças e, atualmente, ocupo o cargo de Analista do Banco Central do

Leia mais

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Cenário do comércio exterior de serviços: Déficits crescentes na conta de serviços do balanço de pagamentos Carência de informações detalhadas

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

Análise do Edital ISS Salvador 2014

Análise do Edital ISS Salvador 2014 Análise do Edital ISS Salvador 2014 Olá amigos concurseiros, É com um carinho mais que especial que divulgo que no dia 15/09/2014) saiu uma BOMBA NORDESTINA, ou seja, o concurso para Auditor Fiscal do

Leia mais

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX).

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Aula 12 ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Segundo LOPES VASQUES (2007) as políticas de regulamentação, normatização e execução

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Organização, Processos e Tomada de Decisão

Organização, Processos e Tomada de Decisão Organização, Processos e Tomada de Decisão Planejamento e Programação na Administração Pública Administração Estratégica Elaboração e Gestão de Projetos 59 Empreendedorismo Governamental Um plano de gestão

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR Professor: Moacir HISTÓRICO Criado no final de 1953 a Carteira de Comercio Exterior conhecida como CACEX, do Banco do Brasil, substituindo a CEXIM. Tinha competências

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais

Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais Vera Sterman Kanas vkanas@tozzini.com. @tozzini.com.br Enquadramento institucional

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

Estatística dos aprovados na Receita Federal em 2014. Você também pode chegar lá!

Estatística dos aprovados na Receita Federal em 2014. Você também pode chegar lá! Estatística dos aprovados na Receita Federal em 2014. Você também pode chegar lá! Olá pessoal, tudo bem? Trago para vocês uma avaliação das notas dos candidatos aprovados no último concurso para Auditor

Leia mais

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro Desafios do Comércio INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Balança Comercial Brasileira INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Evolução da Balança Comercial

Leia mais

Análise do Edital AFRFB 2014

Análise do Edital AFRFB 2014 Análise do Edital AFRFB 2014 Olá amigos concurseiros, Hoje (dia 10/03/2014) saiu o edital para o concurso de AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL (AFRFB). Serão 278 vagas. Entretanto, já sabemos

Leia mais

CONHEÇA MINHA CARREIRA CONSULTOR LEGISLATIVO DO SENADO FEDERAL

CONHEÇA MINHA CARREIRA CONSULTOR LEGISLATIVO DO SENADO FEDERAL CONHEÇA MINHA CARREIRA CONSULTOR LEGISLATIVO DO SENADO FEDERAL Olá, concurseiro(a)! Meu nome é Luciano Oliveira e sou Consultor Legislativo do Senado Federal. Também já exerci os cargos de Auditor Federal

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR A CAMEX e a Facilitação de Comércio V Feira Internacional da Amazônia - FIAM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA 27 de novembro de 2009, Manaus - AM ALEXANDRE

Leia mais

Modernização do Sistema Integrado de Informação e Operação para o Comércio Exterior - SISCOMEX

Modernização do Sistema Integrado de Informação e Operação para o Comércio Exterior - SISCOMEX Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Ações Orçamentárias Número de Ações 30 1H200000 Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços - SISCOSERV Produto: Sistema

Leia mais

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN

DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN DETALHAMENTO BRASILEIRO DE NOMENCLATURA - DBN Sumário: 1. Aspectos gerais. 2. Grupo Especial para Avaliar Impactos Relacionados com o Detalhamento de Nomenclatura (GDN) Resolução CAMEX nº 57, de 07 de

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva

Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva Câmara de Comércio Exterior Secretaria Executiva ALOÍSIO TUPINAMBÁ GOMES NETO Assessor Especial 10 de fevereiro de 2009 Brasília - DF Câmara de Comércio Exterior - CAMEX O papel da CAMEX é coordenar esforços

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação Olá meus nobres concurseiros (as)! Apresentação Meu nome é Igor Nascimento Oliveira, tenho 30 anos e sou natural de Minas Gerais. Fui oficial da Marinha do Brasil, formado pela Escola Naval em 2002. Naquela

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO

Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO Entendendo os procedimentos do Drawback, um estímulo a mais para exportar.

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9. Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Numero de Ações 19 Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES NOVO STATUS DO COMÉRCIO EXTERIOR NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA PIB EXPORTAÇÃO DE BENS PAÍSES US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Brasília, 2012 Printed 2012 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br ENTREVISTA COM LUCAS LIMA 2º lugar AFRFB / 10º lugar ACE (MDIC) Olá, amigos do Estratégia Concursos! Como vão os estudos? Sei que vocês estão em um ritmo alucinante, mas agora eu lhes peço licença para

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 07 AULA 07 INSTITUIÇÕES INTERVENIENTES NO COMÉRCIO EXTERIOR Olá pessoal. Esse item sempre consta nos programas de AFRF na parte de Aduana. A atividade de comércio exterior no Brasil é regulamentada e controlada

Leia mais

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Exportações Objetivos: (i) aumentar o nº de empresas exportadoras; (ii) diversificar

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011)

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Seminário 09 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Objetivo: Em consonância com a Política Externa do Governo Federal de Integração

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Controle Administrativo - Definição Controle exercido por órgãos da Administração Federal

Leia mais

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 13 Tipo: Operações Especiais 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999)

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015 IV Reunião das Administradoras de ZPE Brasília, 15 de abril de 2015 I. Atuação da RENAI Roteiro: II. Possibilidades de parceria RENAI - ZPEs Parte I RENAI O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações

Leia mais

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal.

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal. LEI ORGÂNICA DA RFB Definição: Trata-se de projeto de lei com a finalidade de regulamentar o disposto no art. 50 da Lei nº 11.457, que criou a Receita Federal do Brasil, englobando as atividades da extinta

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

Carreira Fiscal Racional de Estudos

Carreira Fiscal Racional de Estudos Carreira Fiscal Racional de Estudos Área Fiscal Cargos e Órgãos Publicação Banca Salário Receita Federal - Auditor 10/03/14 ESAF R$ 14.965,44 Receita Federal - Analista 06/07/12 ESAF R$ 8.624,56 ICMS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR Jaraguá do Sul (SC), Junho de 2014. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável, cidade para pessoas.

Leia mais

O Impacto do Regime de Tributação Simplificada no Setor Eletroeletrônico

O Impacto do Regime de Tributação Simplificada no Setor Eletroeletrônico O Impacto do Regime de Tributação Simplificada no Setor Eletroeletrônico Maio de 2008 Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos A indústria brasileira de eletrônica de consumo A

Leia mais

Carreiras de Técnico e de Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT)

Carreiras de Técnico e de Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Carreiras de Técnico e de Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Prazer! Sou Marília Barcelos, ingressei no último concurso na carreira de técnico judiciário

Leia mais

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos...

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos... Erros Críticos 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos......E Como Você Pode Evitá-Los, Para Aprender Qualquer Idioma Em Meses E Não Em Anos. Olá, meu nome é Frank Florida, gringo

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Encontros Técnicos SISCOSERV. Novembro de 2009. Secretaria de Comércio e Serviços

Encontros Técnicos SISCOSERV. Novembro de 2009. Secretaria de Comércio e Serviços Encontros Técnicos SISCOSERV Novembro de 2009 SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS, INTANGÍVEIS E OUTRAS OPERAÇÕES QUE PRODUZEM VARIAÇÕES NO PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES Sistema que possibilitará

Leia mais

Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV

Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV Importaçãoe Exportaçãode Serviçose o SISCOSERV O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011 19ª. Plenária do Fórum Permanente Comitê Comércio Exterior 21 de julho de 2011 1. Atualização do Questionário de Gargalos à Exportação 2. Atualização das Estatísticas do Comércio Exterior de Bens e Serviços

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Dilma Vana Rousseff Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Secretário Executivo Alessandro Golombiewski Teixeira Secretária

Leia mais

1º BLOCO...2 I. Plano de Estudos...2 2º BLOCO...5 I. Plano de Estudos...5

1º BLOCO...2 I. Plano de Estudos...2 2º BLOCO...5 I. Plano de Estudos...5 1º BLOCO...2 I. Plano de Estudos...2 2º BLOCO...5 I. Plano de Estudos...5 I. PLANO DE ESTUDOS Introdução: O plano de estudo foi desenvolvido tendo por base experiência de vida. O que está sendo aqui proposto

Leia mais

1) Currículo e breve histórico.

1) Currículo e breve histórico. Olá futuro ou futura ATI!!! Com a oficialização do concurso do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), o Mundo dos Resultado MDR, em mais uma oportunidade, lança o Programa de Estudo Intensivo

Leia mais

Prezado Cliente, 1. FINALIDADE DO SISCOSERV

Prezado Cliente, 1. FINALIDADE DO SISCOSERV Prezado Cliente, Tem o presente, a finalidade de informa-los e orienta-los quanto à nova obrigação criada pela Receita Federal do Brasil o SISCOSERV (Portaria Conjunta RFB/SCS nº 1.908, de 19.07.2012).

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV)

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV) Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (SISCOSERV) Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior O Brasil

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial

Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Controle Aduaneiro das Medidas de Defesa Comercial Oswaldo Moraes 26.09.2013 AGENDA I. Instrumentos de Controle Aduaneiro Licenciamento Não Automático Regras de Origem Não Preferencial Controle e Investigação

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação São Paulo, 19 de agosto de 2013 Controle Administrativo Definição e Aspectos Gerais Controle Administrativo

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Comércio Exterior: Dificuldades diante da Crise Internacional, Mercosul e Novos Mercados

Comércio Exterior: Dificuldades diante da Crise Internacional, Mercosul e Novos Mercados Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Comércio Exterior: Dificuldades diante da Crise Internacional, Mercosul e Novos Mercados Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa

Leia mais

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007)

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos.

BACHARELADO. Administração. Ciências Contábeis. Ciências Econômicas. Serviço Social. Ciências Sociais. Objetivos. Objetivos. Objetivos. BACHARELADO Administração O curso de Administração tem como objetivo formar profissionais que poderão atuar como executivos, técnicos em funções administrativas e/ou empreendedores, com capacidade de alinhar

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

MEMÓRIA: 15ª. Reunião do Comitê de Comércio Exterior

MEMÓRIA: 15ª. Reunião do Comitê de Comércio Exterior Assunto: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: 15ª. Reunião do Comitê de Comércio Exterior 15ª. Reunião do

Leia mais

BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS

BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS Nota Informativa Executivo Federal BRASÍLIA, 15 DE DEZEMBRO DE 2010 19h01min NOVO GOVERNO MINISTÉRIO DA FAZENDA OFICIALIZA SEUS FUTUROS SECRETÁRIOS Em 15/12/2010, o Ministério da Fazenda (MF) divulgou

Leia mais

HORÁRIO COMPLETO 2º SEMESTRE DE 2015

HORÁRIO COMPLETO 2º SEMESTRE DE 2015 MANHÃ Turma 1A ADM/ECO 07:30 ANÁLISE MICRO I CÁLCULO I CÁLCULO I ANÁLISE ESTATÍSTICA I FUNDAMENTOS DE ADM I 09:55 LABORATÓRIO DE NEGÓCIOS ANÁLISE MACRO I ANÁLISE ESTATÍSTICA I FUNDAMENTOS DE ADM I ANÁLISE

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR NO CONTEXTO MACROECONÔMICO

COMÉRCIO EXTERIOR NO CONTEXTO MACROECONÔMICO Salvador(BA),30deagostode2010 A EXPORTAÇÃO COMO INDUTORA DO DESENVOLVIMENTO JOSÉ MANOEL CORTIÑAS LOPEZ Assessor Especial Câmara de Comércio Exterior - CAMEX 1 COMÉRCIO EXTERIOR NO CONTEXTO MACROECONÔMICO

Leia mais

REDEAGENTES - Proposta Metodológica -

REDEAGENTES - Proposta Metodológica - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR REDEAGENTES - Proposta Metodológica - PREMISSAS

Leia mais