O REGISTRO DA SENTENÇA DE MORTE PRESUMIDA: o livro competente para a lavratura do ato. Belo Horizonte 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O REGISTRO DA SENTENÇA DE MORTE PRESUMIDA: o livro competente para a lavratura do ato. Belo Horizonte 2011"

Transcrição

1 1 O REGISTRO DA SENTENÇA DE MORTE PRESUMIDA: o livro competente para a lavratura do ato Leandro Augusto Neves Corrêa 1 Belo Horizonte Advogado, assessor jurídico de serventia extrajudicial de Registro Civil das Pessoas Naturais e Tabelionato, especialista em Registros Públicos pela Faculdade de Direito Milton Campos, professor da disciplina de Registro Civil das Pessoas Naturais no Curso de Pós-Graduação de Direito Registral e Notarial da Faculdade de Direito Milton Campos. 1

2 2 RESUMO O presente trabalho apresenta uma análise aprofundada do registro da morte presumida das serventias de Registro Civil das Pessoas Naturais, especificamente sobre qual dos livros da referida serventia é competente para a lavratura do assento de morte ficta. Foram analisadas todas as espécies de morte presumida e os reflexos de cada uma diante do serviço registral. Palavras-chave: Registro Civil das Pessoas Naturais. Morte presumida. Assento de óbito. Livro competente. 2

3 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 4 2 DA MORTE DA PESSOA NATURAL 5 2.1Conceito Espécies Morte Real Morte Presumida ou Ficta Da morte presumida com declaração de ausência Da morte presumida sem declaração de ausência 12 3 DO REGISTRO DE ÓBITO 18 4 DO REGISTRO DA MORTE PREESUMIDA 20 5 CONCLUSÃO 25 REFERÊNCIAS 26 3

4 4 1. Introdução Os Serviços de Registros Públicos são ferramentas fundamentais para assegurar aos sujeitos de direitos e deveres estabilidade nas relações jurídicas, ou, em outras palavras, segundo Walter Ceneviva, são aqueles: desempenhados em serventias confiadas a delegados do Poder Público [...]. A estes o Estado delega a função de receber, conferir e transpor para seus livros declarações orais ou escritas sobre fatos jurídicos e negócios jurídicos dos interessados ou apresentantes. (CENEVIVA, 2010, p. 55) No Registro Civil das Pessoas Naturais, a função do delegatário se torna ainda mais relevante, pois os registros que esse recebe, confere e transpõe estão intimamente ligados ao aspecto pessoal, personalíssimo de cada um dos que procuram a serventia. O presente trabalho se pautou em um desses registros, aquele que prova o fim da existência de uma pessoa natural 2, o óbito, especialmente aqueles em que há presunção legal (iuris tantum) de sua ocorrência. O Código Civil de 2002 inovou em seu art. 9º, IV 3, ao dispor que serão registradas nos registros públicos as sentenças de morte presumida, o que não havia no Código Civil de 1916, nem há na Lei de Registros Públicos (Lei de 31 de dezembro de 1973). Esta monografia de conclusão de curso visa trazer ao debate exatamente esses registros de óbitos presumidos, ou seja, aqueles que por ficção jurídica o Direito reconhece como presumidamente mortos. A questão de fundo está na localização desse registro, em qual dos livros registrais se lançará o presumido falecimento de alguém. Através da análise de todo o arcabouço legal, além do que já foi apresentado por toda a doutrina e jurisprudência (além de posicionamentos das Corregedorias Gerais de Justiça de todo o País), este trabalho buscará abordar todas as hipóteses 2 Art. 6º, Código Civil, Art. 9º. Serão registrados em registro público: I os nascimentos, casamentos e óbitos; II a emancipação por outorga dos pais ou por sentença do juiz; III a interdição por incapacidade absoluta ou relativa; IV a sentença declaratória de ausência e a de morte presumida. 4

5 5 em que se é possível a declaração presumida do óbito de uma pessoa natural, além de identificar, caso a caso, onde e como deverá ser realizado o assento. Assim, de forma sintética, este trabalho tem o escopo de orientar os Oficiais do Registro Civil das Pessoas Naturais para que, no caso concreto, saibam como e em que livro lavrar o assento do óbito presumido. 2. Da Morte da Pessoa Natural 2.1. Conceito Nos termos do Código Civil, no seu já mencionado art. 6º, a morte é o fato jurídico que acarreta o fim da existência da pessoa natural. Via de regra, a morte ocorre com a cessação das funções vitais, restando, porém, à medicina legal os parâmetros para a definição do momento do falecimento. Luiz Guilherme Loureiro, em sua obra acerca dos registros públicos, disserta sobre a morte: A personalidade civil se extingue com a morte. São os dados de ordem biológica que definem o fim da existência humana e, conseqüentemente a extinção da personalidade. [...] A morte rompe os laços que unem o indivíduo à sociedade. [...] O direito não define o que se entende por morte. De qualquer forma, a morte é um fato natural perfeitamente reconhecível na maioria dos casos, pela cessação da circulação e da respiração. Mas os juristas viram-se forçados a resolver o problema da determinação e da constatação da morte por dois fatos relevantes: 1) a possibilidade de assegurar por meios artificiais a circulação de um sangue oxigenado em um organismo em estado vegetativo; e 2) a dimensão social do transplante de órgãos. Ao critério clássico da morte clínica (cessação das funções cardíacas e respiratórias) pode ser contraposto a noção mais moderna da morte encefálica, caracterizada pela cessação de todas as funções cerebrais, bem como aquelas do córtex e do tronco cerebral (ausência de atividade elétrica cerebral, ausência de atividade metabólica cerebral e ausência de perfusão sanguínea cerebral). Ao tratar da questão da doação de órgãos, o legislador se refere à morte encefálica (art. 3º da Lei 9.434/1997 Lei de Transplantes). (LOUREIRO, 2011, p. 92 e 93) De Plácido e Silva, em seu Vocabulário Jurídico, definiu a morte não somente como o fim da vida, mas, ainda, a situação determinada por lei, em que o homem é olhado como não tendo existência, acrescentando o referido autor, lançando mão 5

6 6 do brocardo jurídico, que pela morte, em seu grande efeito jurídico, tudo se resolve e se soluciona: mors omnia solvi[...] (SILVA, 2004, p. 931) Enfim, a morte é o momento, devidamente determinado pela medicina, no qual, para os fins de direito, deixa de existir a pessoa natural, ou seja, é o fim da personalidade da pessoa natural Espécies O ordenamento jurídico brasileiro prevê duas grandes espécies de morte, a saber: a morte real e a morte presumida ou ficta Morte Real A morte real é a regra geral para o direito brasileiro, a forma regular de se declarar o fim da existência de um ser humano. Há, nesta espécie, a morte certa, determinada por laudo médico que circunstancia o ocorrido e suas causas Morte Presumida ou Ficta Nos dizeres de Nestor Duarte, a morte é presumida quando, embora não sendo possível encontrar-se cadáver, nas circunstâncias previstas em lei, o óbito for considerado provável. (DUARTE, 2008, p. 22) A morte ficta é aquela declarada em função de presunção legal, obviamente iuris tantum, já que havendo retorno do desaparecido tal presunção não prevalecerá. Para Luiz Guilherme Loureiro, ocorrerá a morte presumida quando o desaparecimento de pessoas for cercado por circunstâncias tais que gerem uma certeza de morte, ou seja, presume-se que o desaparecido faleceu. (LOUREIRO, 2011, p. 101) No ordenamento pátrio há duas formas de ser a morte presumida determinada, podendo se dar tanto em razão do decurso de tempo como em virtude de uma catástrofe ou acidente. (DUARTE, 2008, p. 22) Loureiro traz a seguinte distinção: Na ausência propriamente dita, uma só coisa faz supor a morte: é a falta prolongada de notícias; mas a pessoa ausente não se encontrou exposta a 6

7 7 um perigo de morte conhecido de um modo direto. Ao contrário, na morte presumida, o desaparecimento é acompanhado da certeza da morte: conhece-se o acidente causador da morte, viu-se a pessoa nesse momento ou tem-se a certeza de que ela estava no local do acidente mortal. (LOUREIRO, 2011, p.101) Assim, poderemos ter a morte presumida com declaração de ausência (art. 6º, 22 e ss, do CC/02) e sem declaração de ausência (art. 7º do CC/02 e art. 88 da Lei 6.015/73). Há ainda uma terceira hipótese de morte presumida, disposta na Lei Federal 9.140/95, que também retrata hipótese de óbito ficto sem declaração de ausência Da morte presumida com declaração de ausência Nos termos do art. 6º, in fine, do CC/02, presume-se a morte, quanto aos ausentes, nos casos em que a lei autoriza a abertura da sucessão definitiva. O Código Civil buscou trazer segurança jurídica ao ordenamento quando da redação da parte final do aludido artigo. Não há estabilidade na situação em que uma pessoa natural se ausenta de seu domicílio habitual, sem deixar qualquer informação de seu paradeiro, nem quando retornará, restando abandonados todos os vínculos que aquela possuía, na órbita existencial e patrimonial. Para evitar que a situação de ausência se perpetuasse no tempo, o Código Civil tratou da matéria, disciplinando as etapas para se caminhar da ausência à morte presumida. O Professor Luiz Guilherme Loureiro apresenta, com bastante simplicidade, a relevância do instituto da ausência, vejamos: A razão do instituto é a proteção do patrimônio e preservação dos interesses do ausente e de seus herdeiros. [...] Não obstante a preocupação da norma em tutelar os bens daquele que desaparece de seu domicílio sem deixar notícias de seu paradeiro, é possível a declaração de ausência ainda que a pessoa não tenha bens. Também os interesses não financeiros merecem a proteção da lei, sem falar dos outros efeitos relevantes da declaração da ausência, como a extinção do vínculo conjugal. (LOUREIRO, 2011, p. 98) 7

8 8 Nos dizeres de Flávio Tartuce, a ausência pode ser considerada como hipótese de morte presumida, decorrente do desaparecimento da pessoa natural, sem deixar corpo presente (morte real). (TARTUCE, 2009, p. 205) Continua o renomado civilista: A ausência, anteriormente, era tratada como causa de incapacidade absoluta da pessoa, agora é hipótese de inexistência por morte. Em outras palavras, ocorre nos casos em que a pessoa está em local incerto e não sabido (LINS), não havendo indícios das razões do seu desaparecimento. (TARTUCE, 2009, p. 206) Conceitua, também, Luiz Guilherme Loureiro: Ausência é o desaparecimento de uma pessoa de seu domicílio, sem deixar notícias de seu paradeiro e sem designar procurador ou representante a quem caiba a administração de seus bens. Não se confunde com o simples afastamento do domicílio, porque neste há informação do paradeiro da pessoa ou designação de representante. (LOUREIRO, 2011, p. 97) Dispõe o art do Código de Processo Civil: Art Desaparecendo alguém do seu domicílio sem deixar representante a quem caiba administrar-lhe os bens, ou deixando mandatário que não queira ou não possa continuar a exercer o mandato, declarar-se-á a sua ausência. A declaração de ausência é composta de três etapas, identificadas pelo Código Civil de 2002 como: curadoria dos bens do ausente, sucessão provisória e sucessão definitiva. Juntamente com o Código Civil, o Codex processual civil regula a matéria em seus artigos e seguintes. A primeira etapa é regulada dos artigos 22 e 25 do CC/02, na qual o juiz declara a ausência e, ato contínuo, nomeia curador para guardar os bens do ausente, atos praticados em razão de ação específica ajuizada por qualquer interessado (seus sucessores) ou pelo Ministério Público. Importante para o presente trabalho, em razão da matéria que trata, a sentença declaratória de ausência será registrada no cartório do 1º ofício, ou 1º subdistrito, da comarca do último domicílio do ausente, tudo nos termos do art. 94 da Lei de Registros Públicos (Lei 6.015/73): 8

9 9 Art. 94. O registro das sentenças declaratórias de ausência, que nomearem curador, será feita no cartório do domicílio anterior do ausente, com as mesmas cautelas e efeitos do registro de interdição, declarando-se: 1º) data do registro; 2º) nome, idade, estado civil, profissão e domicílio anterior do ausente, data e cartório em que foram registrados o nascimento e o casamento, bem como o nome do cônjuge, se for casado; 3º) tempo de ausência até a data da sentença; 4 ) nome do promotor do processo; 5º) data da sentença, nome e vara do Juiz que a proferiu; 6º) nome, estado, profissão, domicílio e residência do curador e os limites da curatela. O doutrinador Luiz Guilherme Loureiro afirma que o registro das sentenças declaratórias de ausência que nomearem curador será feito no Livro E na Unidade de Serviço do domicílio anterior do ausente. (LOUREIRO, 2011, p. 101) Ressalta-se, que conforme o disposto no art do CPC, acima colacionado, mesmo que o desaparecido deixe administrador para seus bens, poderá haver a declaração de ausência, bastando que tal gestor não deseje ou não possa continuar no exercício da administração. Os limites de atuação do curador nomeado serão determinados pelo juiz da causa, devendo ser aplicadas as regras constantes da curatela e da tutela (arts a 1.783, CC/02), tendo em vista a similitude dos institutos e a ausência de norma (analogia). A lei civil prevê a ordem de preferência para ocupação da função de curador, vejamos: Art. 25. O cônjuge do ausente, sempre que não esteja separado judicialmente, ou de fato por mais de dois anos antes da declaração da ausência, será o seu legítimo curador. 1 o Em falta do cônjuge, a curadoria dos bens do ausente incumbe aos pais ou aos descendentes, nesta ordem, não havendo impedimento que os iniba de exercer o cargo. 2 o Entre os descendentes, os mais próximos precedem os mais remotos. 3 o Na falta das pessoas mencionadas, compete ao juiz a escolha do curador. Por fim, nesta etapa serão os bens arrecadados e restarão sob a guarda do curador até que, decorrido o prazo, seja iniciada a nova etapa. A segunda etapa terá início, em regra, após um ano da arrecadação dos bens do ausente e nomeação de curador. Diante do transcurso do referido prazo estará aberta a sucessão provisória do ausente. 9

10 10 Vale destacar que o aludido prazo poderá ser de três anos, nos termos do art. 26 do CC/02 4, em razão de ter deixado, o ausente, representante. A sentença que declara aberta a sucessão provisória somente produz efeitos após cento e oitenta dias de publicada na imprensa (art. 28, CC/02), podendo, no entanto, ser aberto testamento ou inventário logo após o trânsito em julgado. Via de regra, é necessária prestação de garantia pelos herdeiros para serem imitidos na posse de qualquer bem imóvel, dispensada tal garantia em casos de ascendentes e descendentes. Destaca-se que tais bens, em virtude de ainda não serem disponíveis, visto que apenas foi aberta a sucessão provisória, são inalienáveis em virtude de lei. Aberta a sucessão provisória, os herdeiros representarão o ausente ativa e passivamente em créditos e débitos, sendo a responsabilidade por estes últimos limitada às forças da herança. Os frutos dos bens do ausente serão integralmente percebidos, enquanto assim permanecer, por seus descendentes, ascendentes e cônjuge, o que não ocorrerá em caso de outros parentes sucessíveis, os quais receberão apenas metade dos frutos. Ainda na sucessão provisória, aparecendo o ausente no momento do exercício da posse provisória, perderão os herdeiros os direitos quanto aos bens, exceção feita quanto ao frutos. (TARTUCE, 2009, p. 209) Por fim, a última etapa é a sucessão definitiva, para a qual é necessário o transcurso de dez anos, a contar do trânsito em julgado da sentença da ação de sucessão provisória, ou seja, da sentença que declara aberta a etapa anterior. No ato em que requererem a sucessão definitiva, os interessados poderão pedir o levantamento das cauções prestadas. Relevante destacar a possibilidade de redução do prazo mencionado, nos termos do art. 38 do Código Civil Brasileiro: Art. 38. Pode-se requerer a sucessão definitiva, também, provando-se que o ausente conta oitenta anos de idade, e que de cinco datam as últimas notícias dele. 4 Art. 26. Decorrido um ano da arrecadação dos bens do ausente, ou, se ele deixou representante ou procurador, em se passando três anos, poderão os interessados requerer que se declare a ausência e se abra provisoriamente a sucessão. 10

11 11 Há dissonância na doutrina sobre a interpretação do referido artigo, o que se denota nas palavras do Professor Flávio Tartuce: Conforme determina o art. 38 do CC, cabe requerimento de sucessão definitiva da pessoa de mais de oitenta anos desaparecida há pelo menos cinco anos. Na opinião deste autor, em casos tais, não há necessidade de se observar as fases anteriores, ingressando-se nessa terceira fase, de forma direta. Entretanto, tal dispositivo, [...], traz enunciado confuso conforme observam Nelson Nery e Rosa Maria de Andrade Nery (Código Civil comentado..., 2005, p. 186). Isso porque, segundo os juristas, dependendo da situação este artigo permite encurtamento do prazo de dez anos ou não. Ex.: a) quando desapareceu o ausente já contava com 80 anos: aguarda-se cinco anos para a sucessão nessa hipótese há um encurtamento de prazo; b) quando desapareceu, o ausente contava com 75 anos. A partir dos oitenta serão contados cinco: não há alteração do prazo, posto que no total será mister aguardar dez anos. (TARTUCE, 2009, p. 209) Razão assiste ao entendimento do autor, visto que o dispositivo legal apresenta o termo inicial do prazo nas últimas notícias do desaparecido, não identificando qualquer necessidade de procedimento prévio, ou até mesmo de decurso de prazo de alguma etapa do procedimento tratado pelos artigos anteriores. Nos termos do art. 6º, CC/02, transcorrido o prazo e requerida a abertura da sucessão definitiva, a declaração judicial que abre a sucessão definitiva faz presumir a morte do ausente. É nesta hipótese que teremos a morte presumida com declaração de ausência. Além dos efeitos patrimoniais, por disposição expressa da lei civil (art , 1º, CC/02) 5, a morte presumida com declaração de ausência dissolve o vínculo conjugal, autorizando o cônjuge sobrevivente a contrair novas núpcias. Outro efeito não patrimonial é a extinção do poder familiar, caso o ausente, presumidamente morto, possua filhos menores. Por fim, quanto à volta do ausente (morto presumido) teremos duas hipóteses: 5 Art A sociedade conjugal termina: [...] 1º. O casamento válido só se dissolve pela morte de um dos cônjuges ou pelo divórcio, aplicando-se a presunção estabelecida neste Código quanto ao ausente. [...] 11

12 12 a) Retorno nos dez anos seguintes à abertura da sucessão definitiva: terá ele (o ausente) direito tão somente aos bens ainda existentes, no estado em que os mesmos se encontrarem, ou nos sub-rogados em lugar daqueles, mediante prova da sub-rogação. (Essa regra também se aplica ao aparecimento de ascendentes ou descendentes do ausente, nas hipóteses em que a herança tenha sido atribuída a herdeiros de outra classe). b) Retorno após o prazo de dez anos da abertura da sucessão definitiva: os bens arrecadados serão definitivamente dos herdeiros, não tendo o desaparecido qualquer direito.(tartuce, 2009, p. 210) Caso não retorne o ausente e não existam herdeiros, os bens serão tidos como vagos, aplicando-se ao caso os arts e 1844 do Código Civil Brasileiro Da morte presumida sem declaração de ausência Como se viu no tópico anterior, o ordenamento pátrio evita a perpetuação da insegurança jurídica nas hipóteses de ausências prolongadas, presumindo, ao fim, a morte daquele que desapareceu. O legislador, preocupado com a mesma insegurança, utilizando-se, mais uma vez, da criação de uma presunção legal (iuris tantum), previu para algumas hipóteses a morte presumida sem a declaração de ausência, ou seja, sem aquele procedimento judicial, carregado de prazos longos. Basicamente, existem duas hipóteses de reconhecimento da morte presumida sem a declaração de ausência, a do art. 7º do Código Civil, como regra geral (que também encontra regulação no art. 88 da Lei de Registros Públicos) e a da Lei 9.140/05, norma especial com destinatários específicos. O art. 7º do Código Civil dispõe: Art. 7 o Pode ser declarada a morte presumida, sem decretação de ausência: I - se for extremamente provável a morte de quem estava em perigo de vida; II - se alguém, desaparecido em campanha ou feito prisioneiro, não for encontrado até dois anos após o término da guerra. 6 Art. 39, parágrafo único, CC/02. 12

13 13 Parágrafo único. A declaração da morte presumida, nesses casos, somente poderá ser requerida depois de esgotadas as buscas e averiguações, devendo a sentença fixar a data provável do falecimento. Norma equivalente, que deve ser interpretada conjuntamente com o referido artigo, diz respeito ao procedimento de justificação do óbito, constante do art. 88 da Lei 6.015/73, vejamos: Art. 88. Poderão os Juízes togados admitir justificação para o assento de óbito de pessoas desaparecidas em naufrágio, inundação, incêndio, terremoto ou qualquer outra catástrofe, quando estiver provada a sua presença no local do desastre e não for possível encontrar-se o cadáver para exame. Parágrafo único. Será também admitida a justificação no caso de desaparecimento em campanha, provados a impossibilidade de ter sido feito o registro nos termos do artigo 85 e os fatos que convençam da ocorrência do óbito. Corrobora com a equivalência dos dispositivos legais Nelson Nery Jr. e Rosa Maria de Andrade Nery, citados por Flávio Tartuce, em obra já citada, a saber: Nesse sentido, é de se seguir o posicionamento de Nelson Nery Jr. e Rosa Maria de Andrade Nery, para quem esse dispositivo (art. 7.º do CC) equivale ao art. 88 da Lei de Registros Públicos (Lei 6.015/1973), que já tratava da morte por justificação (Código Civil comentado..., 2005, p. 166). [...] Como há certa discrepância entre o art. 7.º do CC e o art. 88 da LRP, entendemos que não houve revogação, nos termos da segunda parte do art do CC. Os dois dispositivos continuam em vigor, tratando da morte por justificação, em diálogo de complementaridade (diálogo das fontes). A presunção contida em tais dispositivos é legal e relativa, iuris tantum, admitindo prova em contrário, pelo próprio retorno da pessoa viva. (TARTUCE, 2009, p. 205) Também comunga deste entendimento o doutrinador mineiro Hélder Silveira, em sua obra de legislação e prática no Registro Civil das Pessoas Naturais, vejamos: Art. 88. [...] Este artigo complementa o art. 7º, caput e p. u. do CCb/02, que trata da morte presumida, sem decretação de ausência, chamada de morte real. Nessa situação, é preciso constituir advogado e requerer ao Judiciário a expedição do mandado competente para se proceder à lavratura [...]. (SILVEIRA, 2011, p.152) dispõe: Da mesma forma, Nestor Duarte, apresentando, ainda, distinção processual, 13

14 14 A declaração de morte presumida [sem decretação de ausência] será judicial, a requerimento de interessado, após a cessação das buscas. Estabelece a Lei n /73 que o procedimento a ser adotado é a justificação (art. 88), acrescentando, também, o Código Civil que a sentença deverá fixar a data provável do falecimento; logo, não se trata de justificação no sentido estrito do art. 861 do Código de Processo Civil, em que o juiz não se pronunciará sobre o mérito da prova (art. 866, parágrafo único), mas de procedimento de jurisdição voluntária cabente no art do CPC. A despeito do brilhantismo do paralelo processual apontado, tendo em vista o objetivo do presente trabalho, não se irá adentrar em tal questão, restando o apontamento supramencionado bastante. Assim, a primeira hipótese de morte presumida sem declaração de ausência se dará nos casos arrolados nos referidos textos normativos (art. 7º, do CC/02 e art. 88, da Lei 6.015/73), devendo os interessados provocar o Poder Judiciário, apresentando as provas cabíveis, a convencer o magistrado de que o desaparecido encontrava-se em uma das situações de risco que exige a lei e que as buscas cessaram sem lograr êxito. Walter Ceneviva comentando ao art. 88, apontou os seguintes requisitos para a morte presumida: Ocorrência da catástrofe; Presença da pessoa desaparecida no local do desastre; Impossibilidade de encontro do cadáver, para exame. (CENEVIVA, 2010, p. 263) Ressalta-se, no tocante à hipótese do art. 7º, II, do CC/02, o requisito temporal para a presunção da morte, sendo necessário o transcurso de dois anos do término da guerra. Com o provimento judicial, os interessados terão, mediante registro (condição para que surjam efeitos erga omnes), a morte presumida daquele desaparecido. É requisito da sentença, nos termos da lei, que o magistrado fixe a data provável do falecimento. 7 Na hipótese do desaparecido, presumidamente morto, dentro das hipóteses legais acima narradas, reaparecer vivo, entende-se, em virtude da lacuna legislativa, aplicáveis, por analogia, as disposições para a morte presumida com declaração de ausência, quando da abertura da sucessão definitiva. Nesse sentido: 7 Art. 7º, parágrafo único, CC/02. 14

15 15 A morte presumida produz os mesmo efeitos sucessórios da morte natural. No entanto, a presunção de morte cede perante a realidade. A sentença declaratória funda-se sobre presunções e probabilidades, e a comprovação da existência do morto faz cessar os efeitos da decisão. Em outras palavras, o retorno da pessoa desaparecida faz com que não exista a presunção da morte. O interessado deverá providenciar o cancelamento do registro do óbito e poderá reaver seus bens. Com efeito, anulada a sentença declaratória da morte, o ex-desaparecido pode reaver seus bens, aplicando-se, por analogia, a norma referente ao regresso do ausente após a abertura da sucessão definitiva [...]. (LOUREIRO, 2011, p. 102) Outra hipótese de morte presumida sem declaração de ausência é constante da Lei 9.140/95, com redação alterada pelas Leis /02 e /04. A referida hipótese legal de morte presumida é muito bem definida por seu art. 1º, vejamos: Art. 1 o São reconhecidos como mortas, para todos os efeitos legais, as pessoas que tenham participado, ou tenham sido acusadas de participação, em atividades políticas, no período de 2 de setembro de 1961 a 5 de outubro de 1988, e que, por este motivo, tenham sido detidas por agentes públicos, achando-se, deste então, desaparecidas, sem que delas haja notícias. (Redação dada pela Lei nº , de 2002) A legislação tem grande importância histórica, atingindo diretamente aos casos de desaparecidos políticos, supostamente mortos pela repressão militar que perdurou no Brasil nas décadas de 60 e 70. A lei regulou a matéria no âmbito do Direito Registral, ao dispor: Art. 3º O cônjuge, o companheiro ou a companheira, descendente, ascendente, ou colateral até quarto grau, das pessoas nominadas na lista referida no art. 1º, comprovando essa condição, poderão requerer a oficial de registro civil das pessoas naturais de seu domicílio a lavratura do assento de óbito, instruindo o pedido com original ou cópia da publicação desta Lei e de seus anexos. Parágrafo único. Em caso de dúvida, será admitida justificação judicial. A norma simplificou o procedimento, dando ao registrador possibilidade de lavrar o óbito presumido sem intervenção judicial, nos casos em que o nome daquele desaparecido político constasse de uma lista anexa à lei, ou fosse reconhecido diante comissão constituída para tanto. 15

16 16 Diante a possibilidade de atuação direta dos registradores civis das pessoas naturais, com o objetivo de padronizar o procedimento, a Corregedoria Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais baixou instrução normativa nos seguintes termos: INSTRUÇÃO Nº 251/96 O Corregedor-Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que o Presidente da Comissão Especial criada pelo artigo 4º da Lei Federal nº representa a esta Corregedoria Geral de Justiça relatando que Oficiais do Registro Civil das Pessoas Naturais, ao fazer exigências não estabelecidas na Lei 9.140, estão criando dificuldades à lavratura de registro de óbito requerido na forma do que é disposto no artigo 3º da mesma lei; CONSIDERANDO que o fato configura implantação de praxe viciosa que a esta Corregedoria Geral impõe coibir mandando editar providências necessárias à boa execução do serviço, o que importa em fazer os assentamentos de óbito autorizados pela referida Lei dentro de seus estritos termos, RESOLVE baixar as seguintes instruções aos Juízes de Direito que exercem atribuições de juízo do Registro Público: PRIMEIRA O registro de óbito a ser feito na forma autorizada pelo artigo 3º, da Lei 9.140, de 4 de dezembro de 1995, só é admitido: a) em relação às pessoas reconhecidas como mortas nos termos do disposto no artigo 1º, da Lei e que estejam mencionadas no Anexo I da mesma Lei; b) em relação às pessoas não mencionadas no referido Anexo I, mas reconhecidas pela Comissão Especial na forma estabelecida nas alíneas "a" e "b", do artigo 4º, combinado com o artigo 7º, da Lei SEGUNDA O registro de óbito é feito mediante requerimento escrito de qualquer dos parentes da pessoa reconhecida com morta, mencionada no artigo 3º, da Lei 9.140, dirigido ao Oficial do Registro Civil do domicílio do requerente, devendo o requerimento ser instruído: a) no caso da pessoa reconhecida como morta e mencionada no anexo I, da Lei 9.140, com o original ou cópia da publicação daquela lei e de seus anexos; b) no caso de pessoa não mencionada no Anexo I da Lei 9.140, com prova do deferimento de reconhecimento feito pela Comissão Especial, além do documento referido na alínea anterior. TERCEIRA Satisfeitos os requisitos referidos na Instrução anterior, o assentamento de óbito deve ser feito com as formalidades estabelecidas na lei específica. QUARTA Havendo dúvida sobre o fato gerador do direito de requerer o registro de óbito, é admitida a justificação judicial. QUINTA Em cumprimento a estas instruções, o Juiz de Direito, com atribuições de Juiz de Registro Público, delas dará conhecimento a todos os Oficiais do Registro Civil das Pessoas Naturais de sua Comarca. Esta Instrução entra em vigor na data de sua publicação. REGISTRE-SE, PUBLIQUE-SE E CUMPRA-SE. Belo Horizonte, 15 de março de (a) Desembargador LAURO PACHECO DE MEDEIROS FILHO Corregedor-Geral de Justiça Publicada no Diário do Judiciário em 22 de março de

17 17 Diante o disposto pela CGJ/MG, restou ao Oficial de Registro identificar a hipótese de morte presumida nos termos da Lei 9.140/95, encaminhando os procedimentos para a justificação (art. 88 da Lei 6.015/73) apenas nos casos de dúvida. Tendo em vista o caráter especial da norma, somente aqueles casos que se enquadrarem perfeitamente no disposto em lei e de acordo com a Instrução 251/96, poderão lançar mão do procedimento simplificado de registro da morte presumida, o que não ocorrerá nos outros casos que devem, sempre, passar pelo poder judiciário. Por fim, a título de ilustração, tendo em vista a não pertinência direta da matéria ao âmbito registral, a legislação previdenciária também inovou na órbita da morte presumida sem declaração de ausência, concedendo pensão por morte aos dependentes mesmo nos casos em que não tenha havido reconhecimento judicial, ou legal, da presunção do óbito. Trata-se do disposto no art. 78, 1º, da Lei 8.213/91, a saber: Art. 78. Por morte presumida do segurado, declarada pela autoridade judicial competente, depois de 6 (seis) meses de ausência, será concedida pensão provisória, na forma desta Subseção. 1º Mediante prova do desaparecimento do segurado em conseqüência de acidente, desastre ou catástrofe, seus dependentes farão jus à pensão provisória independentemente da declaração e do prazo deste artigo. 2º Verificado o reaparecimento do segurado, o pagamento da pensão cessará imediatamente, desobrigados os dependentes da reposição dos valores recebidos, salvo má-fé. (grifo nosso) Assim, em se tratando de desaparecimento em razão de acidente, desastre ou catástrofe, os dependentes poderão pleitear no INSS pensão provisória, enquanto perdurarem as buscas e o procedimento de justificação da morte presumida. Este último, caso tenha como único e exclusivo fim o benefício previdenciário, deverá ser ajuizado perante a Justiça Federal, haja visto acórdão abaixo: DECLARAÇÃO DE MORTE PRESUMIDA. FINALIDADE PREVIDENCIÁRIA. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. PRECEDENTES DO STJ. Tratando-se de pedido de declaração de morte presumida para percepção de benefício previdenciário junto ao INSS, em que não há repercussão de questões de família ou sucessórias, é competente para o exame da causa, conforme jurisprudência mansa e pacífica do Superior Tribunal de Justiça, a Justiça Federal. (Apelação Cível, TJMG, nº /001(1), Des. Rel. Maria Elza, DJe em 22/11/2006) 17

18 18 3. Do Registro de Óbito Apesar de se tratar de um registro indesejável por muitos, a relevância do registro de óbito é inquestionável. Nos dizeres do professor Hélder Silveira: Sem ele, não se pode fazer sepultamento, a menos que a situação seja excepcional. Sua falta possibilita a pessoas de má-fé fraudarem, por exemplo, o voto e o recebimento de pensão ou de aposentadoria, usando documentos de quem já faleceu. Um só registro não realizado torna incorreta a estatística dos óbitos ocorridos no país. Como se vê, a ausência do registro de óbito pode representar prejuízos consideráveis à sociedade e ao Estado. (SILVEIRA, 2011, p. 129) Na mesma linha, defende o professor Walter Ceneviva: O registro de óbito é necessário à ordem pública tanto quanto o do nascimento. (CENEVIVA, 2010, p. 252) Conforme se denota do art. 33, IV e V, da Lei 6.015/73 8, via de regra, os registros de óbitos serão lavrados no Livro C, ou C auxiliar em caso de natimortos. A Lei de Registros Públicos ainda dispõe, em seus arts. 77 a 88, sobre como proceder ao registro do óbito, dos quais destacamos: Art Nenhum sepultamento será feito sem certidão, do oficial de registro do lugar do falecimento, extraída após a lavratura do assento de óbito, em vista do atestado de médico, se houver no lugar, ou em caso contrário, de duas pessoas qualificadas que tiverem presenciado ou verificado a morte. 1º Antes de proceder ao assento de óbito de criança de menos de 1 (um) ano, o oficial verificará se houve registro de nascimento, que, em caso de falta, será previamente feito. [...] Art. 78. Na impossibilidade de ser feito o registro dentro de 24 (vinte e quatro) horas do falecimento, pela distância ou qualquer outro motivo relevante, o assento será lavrado depois, com a maior urgência, e dentro dos prazos fixados no artigo 50. Art. 79. São obrigados a fazer declaração de óbitos: 1 ) o chefe de família, a respeito de sua mulher, filhos, hóspedes, agregados e fâmulos; 2º) a viúva, a respeito de seu marido, e de cada uma das pessoas indicadas no número antecedente; 3 ) o filho, a respeito do pai ou da mãe; o irmão, a respeito dos irmãos e demais pessoas de casa, indicadas no nº 1; o parente mais próximo maior e presente; 8 Art. 33. Haverá, em cada Cartório. Os seguintes livros, todos com trezentas folhas cada um: [...] IV C de registro de óbitos V C Auxiliar de registro de natimortos [...] 18

19 19 4º) o administrador, diretor ou gerente de qualquer estabelecimento público ou particular, a respeito dos que nele faleceram, salvo se estiver presente algum parente em grau acima indicado; 5º) na falta de pessoa competente, nos termos dos números anteriores, a que tiver assistido aos últimos momentos do finado, o médico, o sacerdote ou vizinho que do falecimento tiver notícia; 6 ) a autoridade policial, a respeito de pessoas encontradas mortas. Parágrafo único. A declaração poderá ser feita por meio de preposto, autorizando-o o declarante em escrito, de que constem os elementos necessários ao assento de óbito. Art. 80. O assento de óbito deverá conter: 1º) a hora, se possível, dia, mês e ano do falecimento; 2º) o lugar do falecimento, com indicação precisa; 3º) o prenome, nome, sexo, idade, cor, estado, profissão, naturalidade, domicílio e residência do morto; 4º) se era casado, o nome do cônjuge sobrevivente, mesmo quando desquitado; se viúvo, o do cônjuge pré-defunto; e o cartório de casamento em ambos os casos; 5º) os nomes, prenomes, profissão, naturalidade e residência dos pais; 6º) se faleceu com testamento conhecido; 7º) se deixou filhos, nome e idade de cada um; 8 ) se a morte foi natural ou violenta e a causa conhecida, com o nome dos atestantes; 9 ) lugar do sepultamento; 10º) se deixou bens e herdeiros menores ou interditos; 11 ) se era eleitor. 12º) pelo menos uma das informações a seguir arroladas: número de inscrição do PIS/PASEP; número de inscrição no Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, se contribuinte individual; número de benefício previdenciário - NB, se a pessoa falecida for titular de qualquer benefício pago pelo INSS; número do CPF; número de registro da Carteira de Identidade e respectivo órgão emissor; número do título de eleitor; número do registro de nascimento, com informação do livro, da folha e do termo; número e série da Carteira de Trabalho. [...] Art. 83. Quando o assento for posterior ao enterro, faltando atestado de médico ou de duas pessoas qualificadas, assinarão, com a que fizer a declaração, duas testemunhas que tiverem assistido ao falecimento ou ao funeral e puderem atestar, por conhecimento próprio ou por informação que tiverem colhido, a identidade do cadáver. [...] Art. 88. Poderão os Juízes togados admitir justificação para o assento de óbito de pessoas desaparecidas em naufrágio, inundação, incêndio, terremoto ou qualquer outra catástrofe, quando estiver provada a sua presença no local do desastre e não for possível encontrar-se o cadáver para exame. Parágrafo único. Será também admitida a justificação no caso de desaparecimento em campanha, provados a impossibilidade de ter sido feito o registro nos termos do artigo 85 e os fatos que convençam da ocorrência do óbito. Nota-se, nos artigos em destaque, que a lei busca efetivar o registro, ao exigir, como regra geral, o registro para o devido sepultamento (art. 77) e ao possibilitar que, mesmo que transcorrido o prazo legal, ou sepultado o corpo sem registro, possa o interessado declarar o fato perante o Oficial (arts. 78 e 83). 19

20 20 Destaca-se, ainda, o rol daqueles que são obrigados a declarar o óbito em função da relação que possuem com o falecido (art. 79) e os requisitos do assento (art. 80). Por fim, de extrema importância para o presente trabalho, como já citada anteriormente, a possibilidade de justificação para a lavratura de óbitos sem cadáver em razão de situação de catástrofe. 4. Do Registro da Morte Presumida Diante a exposição realizada, resta examinar a lavratura dos assentos de óbito em casos de morte presumida. A doutrina sobre o assunto é esparsa, não há posicionamento único, sendo que aqueles que se posicionam não chegam a discorrer profundamente sobre o assunto. A questão de fundo está em se definir em qual álbum registral se lavrará o assento: no Livro C ou no Livro E? Em resposta imediata, sem muito se refletir, partir-se-ia para o Livro C, haja vista que a Lei de Registros Públicos é clara em apontar a competência do referido livro para os assentos de óbito. Porém, é preciso refletir um pouco mais. Dispõe o já comentado art. 77, da Lei 6.015/73: Art Nenhum sepultamento será feito sem certidão, do oficial de registro do lugar do falecimento, extraída após a lavratura do assento de óbito, em vista do atestado de médico, se houver no lugar, ou em caso contrário, de duas pessoas qualificadas que tiverem presenciado ou verificado a morte. No caso da morte presumida, como constou do capítulo supra, não há atestado médico, muito menos duas pessoas que presenciaram ou verificaram o fato. A morte é presumida, não há materialidade no fato, o óbito é declarado em virtude de uma presunção, de uma probabilidade alta de que tenha ocorrido. Assim, o fato, neste caso, não se subsume à regra tão perfeitamente. 20

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça PROVIMENTO Nº 37 Dispõe sobre o registro de união estável, no Livro "E", por Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS Categoria : Casamento religioso com efeitos civis 1207 A serventia possui o Livro B Auxiliar - Registro de Casamento Religioso CNCGJ, art. 589, III - Lei 6.015/73, Lei 6.015/73, art. 33, III para Efeitos

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

1 Registro de Óbito. 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial.

1 Registro de Óbito. 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial. 1 Registro de Óbito 1.1 Prazo: 24h; 15 dias se houver motivo razoável. Após, somente se faz o registro mediante autorização judicial. 1.2 Legitimidade para declaração: a) pelo homem, pela mulher, filhos,

Leia mais

INVENTÁRIO E PARTILHA PELA VIA ADMINISTRATIVA ELIANA PEREIRA PRADO VIEIRA 1

INVENTÁRIO E PARTILHA PELA VIA ADMINISTRATIVA ELIANA PEREIRA PRADO VIEIRA 1 INVENTÁRIO E PARTILHA PELA VIA ADMINISTRATIVA ELIANA PEREIRA PRADO VIEIRA 1 Resumo: O ordenamento jurídico há muito reclama por procedimentos que sejam céleres e contribuam para desafogar o judiciário.

Leia mais

VEJAMOS AS NORMAS PROCESSUAIS E CIVIS PARA CUMPRIMENTO POR PARTE DO(S) CARTÓRIO(S):

VEJAMOS AS NORMAS PROCESSUAIS E CIVIS PARA CUMPRIMENTO POR PARTE DO(S) CARTÓRIO(S): Título: Modernização entre o Judiciário paulista e o registro civil de pessoas naturais e de interdições e tutelas Autor: Nelson Batistão Filho Comarca: Bariri Colocação: 2º lugar DESCRIÇÃO Proposta de

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em relação aos magistrados e servidores do Tribunal Regional

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 APELANTE: LAUDEMIRA LEONCIA DA SILVA APELADO: LUIZ FELIPE WHYTE DYLONG PROCESSO CIVIL APELAÇÃO ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA PROMESSA DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE IMÓVEL COM QUITAÇÃO

Leia mais

A LEI Nº 8.213/91 E A PENSÃO POR MORTE PRESUMIDA

A LEI Nº 8.213/91 E A PENSÃO POR MORTE PRESUMIDA A LEI Nº 8.213/91 E A PENSÃO POR MORTE PRESUMIDA Flademir Jerônimo Belinati Martins SUMÁRIO: 1 Introdução. 2 Os Institutos da Ausência e Morte Presumida no Código Civil. 3 A Pensão por Morte Presumida

Leia mais

PORTARIA N 003/2009 CONSIDERANDO

PORTARIA N 003/2009 CONSIDERANDO PORTARIA N 003/2009 Dispensa a representação por Advogado ou assistência por Defensor Público, no procedimento para requerimento de autorização judicial para entrada e permanência de crianças e adolescentes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N.

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DESANTOS Praça Barão do Rio Branco nº 30 - Centro Santos (SP) Fone (13) 3228-1000 PORTARIA N. 49/2008 A Doutora Luciana de Souza Sanchez, Juíza Federal Titular,

Leia mais

PORTARIA N 1840/CGJ/2011

PORTARIA N 1840/CGJ/2011 DJe de 25/11/2011 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 1840/CGJ/2011 Dispõe sobre a concessão, no âmbito do Estado de Minas Gerais, de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações,

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, testamentos, entre outras. Também são lavradas atas notariais,

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO

DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO Xerox da certidão de casamento; Xerox da carteira de identidade e do CPF do autor (aquele que está procurando a Defensoria Pública) (No caso de Divórcio Consensual,

Leia mais

Registro Civil das Pessoas Naturais

Registro Civil das Pessoas Naturais Registro Civil das Pessoas Naturais LIVRO E NOVOS de Miranda Cavalcanti valber@azevedobastos.not.br www.azevedobastos.not.br 83 9931.0100 - Celular 83 3244.5404 Cartório AÇÃO Proposta: Tornar o Livro E

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 DJe de 17/06/2010 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 Dispõe quanto ao procedimento de habilitação de pretendentes

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Civil (Parte Geral) / Aula 05 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: II) Ausência: Sucessão Definitiva. III)Capacidade: Espécies de Capacidade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida

Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida Palavras-chave: inventário negativo, partilha, sucessões, herdeiro, cônjuge. RESUMO O inventário exige a presença de bens. Não é possível

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se da hipótese em que o(a) examinando(a) deverá se valer de medidas de urgência, sendo cabíveis cautelares preparatórias, com pedido de concessão de medida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 1.744, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1995 (Revogado pelo Decreto nº 6.214, de 2007) Texto para impressão Regulamenta o benefício

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Comunicado conjunto

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Comunicado conjunto Comunicado conjunto A Defensoria Pública do Estado de São Paulo e o Ministério Público do Estado de São Paulo considerando as inúmeras questões que podem surgir às vítimas e aos seus familiares na ocorrência

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR PESSOA NATURAL

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR PESSOA NATURAL CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito Civil Professor: André Barros Data: 10/02/2010 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR PESSOA NATURAL 1. CONCEITO 2. PERSONALIDADE QUESTÃO: OS ANIMAIS TÊM PERSONALIDADE?

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Pernambuco. O DESEMBARGADOR JONES FIGUEIRÊDO ALVES, CORREGEDOR GERAL. DA JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, EM EXERCÍCIO, no uso de

Pernambuco. O DESEMBARGADOR JONES FIGUEIRÊDO ALVES, CORREGEDOR GERAL. DA JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO, EM EXERCÍCIO, no uso de PROVIMENTO Nº 009/2013 Dispõe sobre o reconhecimento voluntário de paternidade socioafetiva perante os Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado de Pernambuco. O DESEMBARGADOR JONES FIGUEIRÊDO

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e; Institui a Central de Informações do Registro Civil CRC e disciplina outras providências. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

Leia mais

Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações

Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações PROVIMENTO N.º 16 Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações de supostos pais de pessoas que já se acharem registradas sem paternidade estabelecida, bem

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados DIREITO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA AOS FILHOS MAIORES DE IDADE por Priscilla Bitar D Onofrio Sócia de Almeida Guilherme Advogados e Natalia Barbieri Bortolin Membro de Almeida Guilherme Advogados SUMÁRIO: I.

Leia mais

Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014

Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014 Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014 Dispõe sobre os critérios para inscrição de beneficiários no Instituto de Previdência dos Servidores Militares do Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS

ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS ARTIGO: CURATELA ASPECTOS TEÓRICOS E PRÁTICOS Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Curatela. Instituto do Direito Civil que visa proteger a pessoa que não pode reger sua vida civil. Curador é o representante

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos)

PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) PRINCIPAIS PRAZOS NA LEI Nº 6.015, DE 21-12-1973 (Lei dos Registros Públicos) Anotações Art. 106. Sempre que o oficial fizer algum registro ou averbação, deverá, no prazo de cinco dias, anotá-lo nos atos

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

Art. 1.776. Havendo meio de recuperar o interdito, o curador promover-lhe-á o tratamento em estabelecimento apropriado.

Art. 1.776. Havendo meio de recuperar o interdito, o curador promover-lhe-á o tratamento em estabelecimento apropriado. INTERDIÇÃO 1) CÓDIGO CIVIL Art. 1.767. Estão sujeitos à curatela: I aqueles que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para os atos da vida civil; II aqueles que,

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça Saudações Coordenadores: Des. Paulo Sérgio Fabião

Leia mais

. ' ' *,. *02196904* APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 192..759-4/5-00, da Coma-rca ' dè. MIRANDOPOLIS, em que é apelante CARLOS WEBER ORTEGA

. ' ' *,. *02196904* APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 192..759-4/5-00, da Coma-rca ' dè. MIRANDOPOLIS, em que é apelante CARLOS WEBER ORTEGA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO > " ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N. ' ' *,. *02196904* Vistos, relatados e discutidos estes- autos de APELAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 35, DE 24 DE ABRIL DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 35, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Texto compilado a partir da redação dada pelas Resoluções nºs 143/2011 e 179/2013 RESOLUÇÃO Nº 35, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Disciplina a aplicação da Lei nº 11.441/07 pelos serviços notariais e de registro

Leia mais

REGISTOS E NOTARIADO

REGISTOS E NOTARIADO REGISTOS E NOTARIADO Edição de Bolso 12.ª EDIÇÃO ACTUALIZAÇÃO N. 3 1 REGISTOS E NOTARIADO EDIÇÃO DE BOLSO Actualização n. 3 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. Rua Fernandes

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL 17ª UNIDADE DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

ESTADO DO CEARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL 17ª UNIDADE DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL ESTADO DO CEARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL 17ª UNIDADE DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL Comarca de Barro Proc. nº 345/93 (0000.161.00159-7) DECLARATÓRIA DE AUSÊNCIA POR MORTE PRESUMIDA Estudo de caso

Leia mais

PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO. A CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO. A CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 09/2012/CGJUS/TO Dispõe sobre a recepção, pelos Oficiais de Registro Civil das Pessoas Naturais, de indicações de supostos pais de pessoas registradas sem paternidade estabelecida, bem como

Leia mais

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha Direito das Sucessões Inventário e Partilha OBJETIVO Conhecer as disposições legais a respeito do inventário e da partilha. ROTEIRO Introdução O inventário formas simplificadas Colação Sonegados Partilha

Leia mais

LEI Nº 0881/1998. Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos.

LEI Nº 0881/1998. Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos. LEI Nº 0881/1998 Dispõe sobre a concessão de benefícios pelo erário do Município de Dois Vizinhos. A Câmara Municipal de Vereadores aprovou, e eu, Jaime Guzzo, Prefeito de Dois Vizinhos, sanciono a seguinte,

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.204.347 - DF (2010/0141637-8) RECORRENTE RECORRIDO : FLÁVIA LETÍCIA TREVISANI FAUSTINI GALLETTI : CRISTIAN FETTER MOLD E OUTRO(S) : RITA DE CASSIA TAARES DE LUNA FAUSTINI : LUIZ HUMBERTO

Leia mais

Corregedoria Geral de Justiça

Corregedoria Geral de Justiça Corregedoria Geral de Justiça Ronaldo Claret de Moraes Juiz Auxiliar da Corregedoria Superintendente dos Serviços Notariais e de Registro do Estado de Minas Geras SIMPÓSIO Aplicabilidade da Lei 11.441/2007

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania.

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. Silvio Maia da Silva Assessor do TJ-BA 21/03/2015 Atualmente surgem na cidade de Salvador

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos

As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos As Partes na Escritura de Inventário e Partilha Reinaldo Velloso dos Santos Versão digital do artigo, publicado originalmente em 2008 na obra Separação, Divórcio e Inventário em Cartório: Aspectos Jurídicos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO APELAÇÃO CÍVEL (AC) Nº 296203/AL (2000.80.00.003296-1) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : NATHALIE PAIVA TEIXEIRA CAMBUY SODRE VALENTIM E OUTROS APTE : PREVI - CAIXA PREVIDENCIARIA

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

Toque 14 - FGV - Fiscal de Rendas/ MS - 2006 (2ª parte)

Toque 14 - FGV - Fiscal de Rendas/ MS - 2006 (2ª parte) Olá, pessoal! Neste Toque continuaremos a análise da prova aplicada pela FGV em 21/05/2006, que selecionou candidatos ao cargo de Fiscal de Rendas para a Secretaria de Receita e Controle do Estado do Mato

Leia mais

A cremação e suas implicações jurídicas:

A cremação e suas implicações jurídicas: A cremação e suas implicações jurídicas: 1.Introdução e considerações iniciais Tendo em vista a crescente procura pelo serviço de cremação no município do Rio de Janeiro e em todo o Brasil, e o grande

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO DECRETO N o 1.744, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta o benefício de prestação continuada devido à pessoa portadora de deficiência e ao idoso, de que trata a Lei n 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Corregedoria Geral da Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA PROVIMENTO CG Nº 14/2004 NECESSIDADE DE MAIOR DETALHAMENTO DO CONSTANTE NO PARÁGRAFO ÚNICO DO ARTIGO 1º ALTERAÇÃO DO ITEM 45.1 DA SUBSEÇÃO I DA SEÇÃO VI

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul Corregedoria-Geral de Justiça

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul Corregedoria-Geral de Justiça Autos n.º 126.152.0025/2007 PARECER N.º 091/2007 PEDIDO DE PROVIDÊNCIA EXTENSÃO DO PROJETO MEU PAI NO PAPEL A OUTRAS COMARCAS PRÁTICA ADOTADA INICIALMENTE COMARCA DE CASSILÂNDIA OBJETIVO REDUZIR O ÍNDICE

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O presente trabalho tem por finalidade apresentar, de forma bem sucinta, as principais alterações do casamento pela Lei 10.406/2002 (Código Civil), que entrará em vigor em

Leia mais

TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS

TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo Arpen-SP. Lei 11.331, de 26

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA TUTELA O que é tutela? É um encargo atribuído pelo Juiz a uma pessoa que seja capaz de proteger, zelar, guardar, orientar, responsabilizar-se

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ÓBITO Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO),

DECLARAÇÃO DE ÓBITO  Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO), 1 DECLARAÇÃO DE ÓBITO Atestado é qualquer declaração efetuada por alguém capacitado por lei, podendo ser documento público ou particular, oficial (requisitado por autoridade judicial) ou oficioso (solicitado

Leia mais

A seguir trataremos do Provimento 28/12, ressaltando os pontos principais para a atividade do Registrador Civil das Pessoas Naturais.

A seguir trataremos do Provimento 28/12, ressaltando os pontos principais para a atividade do Registrador Civil das Pessoas Naturais. O Provimento 28/12 do CNJ, publicado no DJ de 8/02/2013 Seguindo na regulamentação do registro de nascimento, assento garantidor do exercício primário da cidadania, o Conselho Nacional de Justiça editou

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008.

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. Senhor(a) Oficial(a) de Registro de Imóveis: De ordem do Excelentíssimo Senhor Desembargador

Leia mais

LEI Nº 3308, DE 30 DE NOVEMBRO DE 1999 1

LEI Nº 3308, DE 30 DE NOVEMBRO DE 1999 1 LEI Nº 3308, DE 30 DE NOVEMBRO DE 1999 1 REVOGADA PELO ART. 39, DA LEI Nº 5.260, DE 11 DE JUNHO DE 2008 PERMANECENDO VIGENTE, POR 90 DIAS, O ART. 10 E SEUS RESPECTIVOS INCISOS, CONTADOS DA DATA DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

Referência: Processo nº 23072.023024/2005-10 e Processo nº 23072.048228/2010-12

Referência: Processo nº 23072.023024/2005-10 e Processo nº 23072.048228/2010-12 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 (Escrituras de Inventário, Separação e Divórcio) Antonio Carlos Parreira Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões de Varginha MG Art.

Leia mais