LINHA INTEGRAL. Solução em Tubos de Ferro Fundido Dúctil para Esgoto com Esgotamento Gravitário.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINHA INTEGRAL. Solução em Tubos de Ferro Fundido Dúctil para Esgoto com Esgotamento Gravitário."

Transcrição

1 LINHA INTEGRAL Solução em Tubos de Ferro Fundido Dúctil para Esgoto com Esgotamento Gravitário.

2 História da SAINT-GOBAIN CANALIZAÇÃO A evolução do mercado esgoto As dificuldades encontradas no escoamento gravitário. Por que o escoamento gravitário? Por que fazer uma obra com segurança? O Ferro Fundido Dúctil As performances mecânicas do tubo A Linha INTEGRAL As juntas O revestimento interno O revestimento externo Vantagens do Linha INTEGRAL Manutenção da Linha INTEGRAL Referência de Obras Agenda

3 Saint-Gobain Canalização Um pouco de História 1915 Cia Brasileira de Metalurgia Moema - São Paulo - SP Inventores do processo por Centrifugação - Dimitri Sensaud de Lavaux - Fernando Arens Junior Baldomero Barbará funda a Cia Mineira de 1929 Metalurgia 1932 B. Barbará compra a Cia Brasileira de Metalurgia 1937 Cia Metalúrgica BARBARÁ Barra Mansa / RJ 1951 Integração no GRUPO PONT-A-MOUSSON Líder mundial em CANALIZAÇÕES 1970 Fusão da Pont-A-Mousson com o Grupo Saint-Gobain >> Compagnie de Saint-Gobain 2000 SAINT-GOBAIN CANALIZAÇÃO data/hora rodapé nº

4 A Usina de BARRA MANSA

5 A Usina de ITAÚNA

6 Saint-Gobain Canalização Produtos Tubos Válvulas Linha Klikso Para PVC Conexões Tampões Linha Predial

7 A evolução do mercado de esgoto Pensar o esgoto diferentemente ONTEM Afastar o esgoto HOJE Coletar toda a poluição e só a poluição Tratar de maneira eficaz e respeitosa o meio ambiente

8 A evolução do mercado de esgoto Partes de um sistema de esgotamento sanitário Ligação domiciliar Rede coletora Coletor tronco Interceptor Emissário Estação elevatória Linha de recalque Estação de tratamento

9 A evolução do mercado de esgoto Pressões do mercado para um sistema com qualidade Pressão ecológica da sociedade Pressão dos orgãos fiscalizadores Avanços tecnológicos (microcâmeras) Bom funcionamento da ETE : rede com qualidade

10 A evolução do mercado de esgoto Obrigação de resultado Projetos de custo elevado Custo da ausência de qualidade das obras Investimento durável buscando : - a estanqueidade no longo prazo - a perenidade das obras A oferta menor A melhor oferta, ou seja a economicamente mais vantajosa

11 Por que o escoamento gravitário? Forma mais barata de coletar os esgotos Coleta sem necessidade de equipamento complexo Não consome energia Operação simples

12 As exigências do assentamento... Baixa declividade Grande declividade Assentamento no lençol freático Grande altura de recobrimento Pequena altura de recobrimento Agressividade do solo

13 As exigências funcionais... A solidez A estanqueidade A capacidade hidráulica A resistência a abrasão A durabilidade Isto é, a SEGURANÇA

14 ... Se traduzem por Qualidade no acoplamento das ligações domiciliares A resistência a diferentes alturas de recobrimento Uma ovalização mínima Uma grande resistência a cargas rodantes Um bom desempenho contra a abrasão Uma boa resistência química Uma boa resistência a temperaturas elevadas O menor envelhecimento

15 Necessidades do mercado Por que fazer uma obra com segurança? Uma obra é um grande investimento. Uma canalização pode ser submetida a esforços que não foram previstos no projeto. As conseqüências de uma falha são caras e podem ter efeitos indesejáveis.

16 A proposta da Saint-Gobain Canalização Tubos de Ferro Fundido Dúctil da Linha Integral

17 O Ferro Fundido Dúctil As performances mecânicas do tubo A Linha Integral As juntas O revestimento interno O revestimento externo Vantagens do Linha INTEGRAL Manutenção da Linha INTEGRAL Obras de Referências

18 Ferro fundido cinzento e ferro dúctil Uma comparação... Antes Agora Grafita lamelar Grafita esferoidal Material quebradiço e frágil frágil Material dúctil dúctil e resistente

19 Ferro dúctil - Propriedades mecânicas Resistência Características do ferro dúctil: Resistência à tração (Rm > 420 MPa) Alongamento (>10%) Limite elástico (Re > 270 MPa) Resistência ao choque Ensaio de flexão em tubo de DN 80 Distância entre apoios de 5m Flecha de 11cm sob carga de 560kg

20 Ferro dúctil - Propriedades mecânicas Resistência a pressão interna Pressão de ruptura 163 kgf/cm2 Teste com Tubo K9 DN 250 Pressão Máxima de Serviço 67 Kgf/cm2

21 Ferro dúctil - Propriedades mecânicas Elasticidade O ferro dúctil suporta grandes deformações Ensaio de deformação de um anel Ensaio de torção de uma lamina de ferro dúctil

22 Resistência Mecânica Cargas de reaterro e de trafego Alturas de recobrimento máximo elevadas

23 Resistência Mecânica Cargas de reaterro e de trafego Alturas de recobrimento minimas

24 Linha Integral Tubo INTEGRAL Tubos em ferro dúctil DN 80 à 2000 Proteção interna Argamassa de cimento aluminoso, bolsa pintura epoxi Anel de borracha nitrílica Proteção externa Zinco e pintura epóxi vermelha Efluentes com ph de 4 à 12 Velocidade até 7 m/s (regime contínuo) 10 m/s (regime intermitente)

25 Linha Integral Tubo INTEGRAL PH1 Tubos em ferro dúctil DN 80 à 2000 Proteção interna Poliuretano Anel de borracha nitrílica Revestimento externo Zinco e pintura epoxi vermelha Efluentes agressivos, com ph de 1 à 13

26 Tipos de Juntas Junta JGS Junta IM Tubos e conexões DN 80 à 1200 Conexões DN 80 à 300

27 Conexões com Junta Elástica (Junta IM/JGS) Selim orientável Para esgotamento gravitário Selim com abraçadeira a Selim simples Ligação ao PV de Concreto Junção simples a

28 Dispositivos de acesso à rede Tampa de acesso Tê de visita Caixa de limpeza Tubo de inspeção e limpeza

29 Conexões pressão: JGS, JTI e JTE

30 Junta Elástica JGS Características Técnicas Estanqueidade (pela (pela compressão do do anel anel de de borracha) Grande confiabilidade sob sob baixa baixa ou ou alta alta pressão Flexibilidade (deflexão angular) Descontinuidade elétrica folga pressão de contato pressão de contato pressão do fluido

31 Estanqueidade da junta Infiltrações do lençol Vazamentos Raizes Furo 3mm 2m de lençol freático Pressão externa: resiste a 30 mca 3600 l de infiltrações por dia

32 Junta elástica JGS Deflexão Angular bolsa JGS anel JE2GS α referências de montagem DN 80/ / / / /1200 α

33 Deflexão angular

34 Revestimento interno Argamassa de cimento aluminoso Propriedades do revestimento: Aplicado por centrifugação Argamassa é bem compactada Boa aderência ao ferro Baixa rugosidade da superfície Espessura = 3.5 à 9 mm segundo o DN Grande resistência a abrasão (7 / 10 m/s) Boa resistência química (ph 4-12) H 2 SO 4 H 2 S

35 Revestimento interno Verificação da Resistência à Abrasão - NBR EN 508/07 L α α = 22,5 desgaste < 0,6 mm Movimentos em intervalos de 3 a 5 segundos L = 1m ciclos ou movimentos grãos abrasivos tamanho médio de 6mm

36 Resistência à abrasão Desgaste mm 2 Fibrocimento Manilha 1 0 PRFV Concreto PVC Cimento de alto forno PEAD Cimento aluminoso 1x10 5 2x10 5 3x10 5 4x10 5 N o ciclos INTEGRAL: velocidades até 7 / 10 m/s

37 CERTIFICADO DE CONFORMIDADE PARA A RESISTÊNCIA A ABRASÃO

38 Revestimento externo Pintura porosa, semi-permeável, com 70 µ espessura Mecanismo de proteção: Zinco metálico transforma-se lentamente em uma camada densa, aderente, impermeável e contínua, de sais de zinco insolúveis Proteção galvânica da camada Zinco metálico (Norma : 130 g/m 2 ) Camada com 200 g/m 2 Zn ++ Ferro dúctil Ferro dúctil

39 VANTAGENS DO INTEGRAL Economias no projeto Poços de queda INTEGRAL = Velocidades altas Rede auxiliar INTEGRAL = Selins para ligação ao coletor

40 VANTAGENS DO INTEGRAL Especificações Técnicas - Norma ABNT NBR 15420:2006 Tubos, conexões e acessórios de ferro dúctil para canalizações de esgotos Requisitos. data/hora rodapé nº

41 VANTAGENS DO INTEGRAL Soluções para o assentamento Terreno em declive Trecho aéreo Passagem em Tunel Em terreno instável Pipe-rack A margem de um rio

42 VANTAGENS DO INTEGRAL Assistência técnica A SGC dispõe de corpo técnico para auxiliá-lo na solução de seu problema.

43 MANUTENÇÃO DA LINHA INTEGRAL Equipamentos e Procedimentos para o corte Equipamentos para utilizar na obra: Máquina elétrica ou pneumática, com disco de corte abrasivo de alta rotação; Máquina de corte a frio com bedames de vídia; Arco de serra convencional (pequenos diâmetros). Procedimentos: DN < 300 O corte pode ser executado até 2/3 do comprimento do tubo a partir da ponta. Para cortes além de 2/3 do comprimento, verificar previamente que o diâmetro externo no local do corte seja inferior ao DE + 1 mm. DN > 300 Antes de efetuar o corte, verificar se o diâmetro externo do tubo no local do corte é inferior ao DE + 1mm.

44 MANUTENÇÃO DA LINHA INTEGRAL Corte O corte deve ser feito obrigatoriamente, num plano perpendicular à geratriz do tubo. Rebarbação e chanfro: Para Juntas Mecânicas: Rebarbar as arestas de corte com a ajuda de uma lima ou uma esmerilhadeira manual de disco. Para Juntas JGS: Revestimento: Refazer o chanfro, com a ajuda de uma esmerilhadeira manual de disco, para evitar danos ao anel de borracha durante a montagem. Refazer o revestimento do tubo nas partes afetadas pela operação de corte ( cimento e pintura ).

45 Gibault x LCRJM x LJGS Gibault Comp Útil Inferior à JM Luva Correr JM Luva JGS Dimensões e Massas Massas Pressão DN D L com Máxima Parafusos de Serviço mm mm kg MPa ,9 2, ,4 2, ,5 2, ,9 2, ,2 2, ,2 2, ,4 1, ,1 1, ,1 1, ,6 1, ,25 1, ,8 1, ,5 1,6 Dimensões e Massas DN d L Massas mm mm kg , , , , , , , , , , , , , , , Não Indicado para Correr!! Tubo 400 DE= 429mm

46 Peças para Ligação Intermaterial: Ultralink x Ultraquick Ultralink Ultraquick Flange Conform e Campo de Diâmetro Dimensões e Massas Tipo Norma ISO Externo DE J L PN 10 PN 16 Mínimo Máximo Nominal Máximo Massas DN mm mm mm mm mm kg A ,5 B ,5 C ,6 D ,8 E F ,8 H J K

47 Obras de referências

48 Águas do Imperador Petrópolis (RJ)

49 Citágua Cachoeiro de Itapemirim (ES)

50 Citágua Cachoeiro de Itapemirim (ES) Margem Sul Margem Norte Tampa de visita

51 Citágua Cachoeiro de Itapemirim (ES) Margem Norte Margem Norte Margem Sul 12 m Margem Sul

52 Poços de caldas - MG

53 Itabira - MG

54 Viçosa - MG

55 Vídeo Cachoeiro do Itapemirim - ES

56 SAINT-GOBAIN CANALIZAÇÃO, O CAMINHO SEGURO DAS ÁGUAS OBRIGADO Engº Marcelo Queiroz Gerente da Unidade de Negócios Sul Tel: (48) data/hora rodapé nº

Linha Integral Esgoto (Versão 2006)

Linha Integral Esgoto (Versão 2006) Linha Integral Esgoto (Versão 2006) SUMÁRIO - Linha Integral Esgoto: CAPÍTULO 1 - VANTAGENS: Introdução Pág. 07 Integral: Uma resposta a cada situação Pág. 08 Integral: Uma solução econômica Pág. 10 Resistência

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Junta Universal Ve DN 100 ao DN 1000 Tubos classe K9

Junta Universal Ve DN 100 ao DN 1000 Tubos classe K9 Tubos classe K9 colar de proteção da bolsa em elastômero cordão de solda anel de trava em ferro dúctil colar de proteção metálico anel JE2GS Acessórios Junta elástica e travamento metálico anel JE2GS

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3 MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO 1 Normas Aplicáveis Tubos: NBR 15.561; EN 12.201-2; Módulo 1.2 Conexões Soldáveis: NBR 15.593;EN 12.201-3; Módulo 1.3 Diretrizes para Projetos: NBR 15.802; Conexões Mecânicas:

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS"

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS" PALESTRANTE: Eng o Civil Antonio Livio Abraços Jorge 28 de Março de 2008 Marcos na História do Saneamento Tubos cerâmicos são

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS A PLASTUBOS é uma empresa do Grupo Empresarial DVG, especializada na produção de tubos rígidos e conexões de PVC para água e esgoto predial, infra-estrutura, irrigação e eletricidade.

Leia mais

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A MANUAL DO LOTEADOR SANESSOL S.A Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água...

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO

COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO COLETORES DE ESGOTOS DE TUBO PVC REVESTIDO COM FERROCIMENTO AILTON DONIZETI DA SILVA Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de Poços de Caldas,1994, Especialização em Saneamento Ambiental PUC-Minas,

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 04.0720.0138.1 TE FF DUCTIL TRIPARTIDO C/VEDACAO BORRACHA/SAIDA C/FLANGE DN 300 X 150 - FL PN 10/16-400 MM (COMP. MINIMO) CONSTRUCAO: SEGMENTOS INTEIRICOS, DO MESMO MATERIAL, ACOPLADOS ENTRE SI POR PARAFUSOS

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 LIGAÇÕES PREDIAIS PÁGINA 1/49 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 17 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1701 a 1714 LIGAÇÃO PREDIAL DE

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE PALESTINA ESAP S.A.

EMPRESA DE SANEAMENTO DE PALESTINA ESAP S.A. MANUAL DO LOTEADOR Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água... 6 3.2. Distribuição

Leia mais

TUBOS DE PRFV. Conteúdo e Objetivos PARTE 1. Conceituação de Material Compósito. Processos de Fabricação. Produto e Aplicações

TUBOS DE PRFV. Conteúdo e Objetivos PARTE 1. Conceituação de Material Compósito. Processos de Fabricação. Produto e Aplicações TUBOS DE PRFV Conteúdo e Objetivos PARTE 1 Conceituação de Material Compósito Processos de Fabricação Produto e Aplicações Vantagens e Vocação dos Tubos de PRFV PARTE 2 Controle de qualidade Informações

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre

4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre 4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre O Kanasan é um tubo corrugado de dupla parede, fabricado em Polietileno de Alta Densidade (PEAD), semi rígido, anelado externamente e liso internamente (Figura 1,

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS EM FERRO FUNDIDO TOMO IX JUNÇÃO DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL OUTUBRO/2013 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO

Leia mais

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA ÍNICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA Características da Linha Vinilfort Itens da Linha Vinilfort Características da Linha Vinilfort Ultra Itens da Linha Vinilfort Ultra Instruções Gerais Tabelas de Perda

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Sumário Geral. Conversão de unidades (tabelas) 398. Normas técnicas citadas neste catálogo 406. Índice alfabético 412. Capítulo 1 Fabricação 8

Sumário Geral. Conversão de unidades (tabelas) 398. Normas técnicas citadas neste catálogo 406. Índice alfabético 412. Capítulo 1 Fabricação 8 Sumário Geral Capítulo 1 Fabricação 8 Capítulo 2 Manual técnico - Projeto 22 Capítulo 3 Manual técnico - Assentamento 142 Capítulo 4 Tubos, conexões e acessórios 208 Capítulo 5 Blutop 262 Capítulo 6 Klikso

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Colefort Tubos

MANUAL TÉCNICO Amanco Colefort Tubos Amanco Colefort Tubos Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Colefort fazem parte da linha de tubos coletores em PVC utilizados pelas empresas públicas e privadas para a construção e manutenção de redes coletoras

Leia mais

Coletor Esgoto. Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras.

Coletor Esgoto. Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras. Coletor Esgoto Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto Coletor esgoto Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras. Ligações prediais, redes coletoras, interceptores de esgoto sanitário, sistemas condominais,

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Coletor Luz D ayara 500 mm Execução de Poços de Visita

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO INTRODUÇÃO 1.1 Partes de um Sistema de Esgotamento Sanitário: Rede Coletora: Conjunto de tubulações destinadas a receber e Conduzir

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN 01 CANTEIRO DE OBRAS 0,00 CANTEIRO DE OBRAS EM BARRACÃO PARA ESCRITÓRIO TIPO A5, CONSTANDO DE CERCA DE 6 FIOS, BARRACÃO ABERTO, SANITÁRIOS E CHUVEIROS, REFEITÓRIO, ALOJAMENTO E MOBILIZAÇÃO E 01.01 DESMOBILIZAÇÃO

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Celfort Tubos

MANUAL TÉCNICO Amanco Celfort Tubos Amanco Celfort Tubos Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Celfort fazem parte da linha de tubos coletores em PVC utilizados pelas empresas públicas e privadas para a construção e manutenção de redes coletoras

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações de ponta e bolsa; Outras Ligações: - Ligações de compressão; - Ligações patenteadas. 1 Fatores que influenciam

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA 1. INTRODUÇÃO Este memorial descritivo se destina a orientar a montagem e a operação do sistema de tratamento de efluentes denominado

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 063

Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 Norma Técnica Interna SABESP NTS 063 VÁLVULAS DE GAVETA ÚNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR Especificação e Método de Ensaio São Paulo Revisão 1 - Novembro 2000 NTS 063 : 2000 / Revisão 1 Norma Técnica Interna

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 299

Norma Técnica SABESP NTS 299 Norma Técnica SABESP NTS 299 Válvula Redutora de Pressão Tipo Globo - DN 50 a 600 Especificação São Paulo Fevereiro 2014 NTS : Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO...1 2 OBJETIVO...1

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

Estruturas de serrotes para metais

Estruturas de serrotes para metais Serração Serras alternativas As máquinas de serração e as serras RIDGID foram desenvolvidas por profissionais para profissionais. Quaisquer que sejam as suas exigências em questões de serração, o programa

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda. PAC/BNDES BACIA C Jardim Esmeralda Vila Planalto Cidade Salmen BACIA LUZ D AYARA

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda. BACIA C - BNDES Vila Adriana Serviços primários que consistem na sinalização

Leia mais

LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO

LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO LINHA COMPLETA DE CONEXÕES E APARELHOS EM FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA SANEAMENTO BÁSICO, CONFORME NORMAS DA ABNT FONTE DE QUALIDADE EM SANEAMENTO BÁSICO w w w. h d s b r a s i l n e. c o m. b r ADAPTADOR

Leia mais

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos;

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Geotigre Localização no Website Tigre: Obra Predial Poços GEOTIGRE Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Aplicações: Completação de poços tubulares totalmente ou parcialmente

Leia mais

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio.

Enunciar as formas de proteção e sinalização adequadas aos diversos tipos de marcos e bocas de incêndio. OBJETIVO Definir quais os tipos e especificações técnicas dos modelos de hidrantes exteriores, de modo a cumprirem com a Regulamentação Nacional e Comunitária. Enunciar as formas de proteção e sinalização

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS

MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS O transporte de sólidos é bastante utilizado em plantas de mineração, onde o desgaste por abrasão é um dos aspectos preponderantes, entretanto a

Leia mais

Manual de instruções LINHA. Ar puro como sempre deve estar

Manual de instruções LINHA. Ar puro como sempre deve estar Manual de instruções LINHA Ar puro como sempre deve estar Sistema em PPR para Ar Comprimido Normas e Certificados O Sistema AirKap é produzido em material inerte e resistente à corrosão e por ter uma superfície

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Órgãos acessórios Profª Gersina Nobre Concepção da coleta de esgoto sanitário Para a concepção da coleta de esgoto sanitário é necessária a definição dos dispositivos que serão empregados

Leia mais

tubos trefilados caldeiraria Um mundo de soluções para você. Catálogo

tubos trefilados caldeiraria Um mundo de soluções para você. Catálogo tubos trefilados caldeiraria Um mundo de soluções para você. Catálogo Tubos Condutores Conte com o mundo de soluções da Tubos Ipiranga Com matriz localizada em Ribeirão Pires SP, sete filiais, uma unidade

Leia mais

SISTEMA SIMPLIFICADO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PROJETO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL SECO LINHA TRES DE MAIO/ 15 DE NOVEMBRO

SISTEMA SIMPLIFICADO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PROJETO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL SECO LINHA TRES DE MAIO/ 15 DE NOVEMBRO SISTEMA SIMPLIFICADO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PROJETO BÁSICO Interessado: Município: Local: PREFEITURA MUNICIPAL DE ERVAL SECO ERVAL SECO / RS. LINHA TRES DE MAIO/ 15 DE NOVEMBRO Memorial Descritivo

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre Seguindo sua tradição de suprir os setores de recursos hídricos e saneamento com soluções técnicas e econômicas, a TIGRE disponibiliza no mercado a linha, filtros e tubos de revestimento para poços tubulares

Leia mais

ESTUDAR, PROJECTAR OU EXECUTAR UMA INSTALAÇÃO? A SAINTGOBAIN PAM PORTUGAL, consciente dos desafios que se colocam aos nossos clientes, projectistas e donos de obras, tem disponível uma ferramenta de trabalho

Leia mais

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A.

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143

Leia mais

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC Tubos e Conexões de PVC, para Água Fria, com Junta Soldável Norma Regulamentadora: ABNT NBR 5648 / jan 1999. Campo de Aplicação: Sistemas Prediais, condominiais e pequenas

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM FIBRA DE VIDRO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 031

Norma Técnica Sabesp NTS 031 Norma Técnica Sabesp NTS 031 Revestimento interno com resina epoxídica, para reabilitação de tubulações de ferro fundido destinados a condução de água potável. Especificação São Paulo Março: 2014 Rev.

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

Galeria Multidimensional Rodoviária

Galeria Multidimensional Rodoviária TECNOLOGIA e INOVAÇÃO: MESO - MACRODRENAGEM Galeria Multidimensional Rodoviária I 1 - GALERIA MULTIDIMENSIONAL RODOVIÁRIA Autor da Tecnologia e responsável técnico: Eng.º Civil: Mauricio Santiago dos Santos;

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA

MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA MEMORIAL DESCRITIVO REDE DISTRIBUIÇÃO D ÁGUA 1.OBJETIVO: O presente memorial visa descrever os serviços e materiais a serem empregados para a execução de abastecimento de água potável a ser implantado

Leia mais

IMPRESSÃO NÃO AUTORIZADA

IMPRESSÃO NÃO AUTORIZADA SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...4 5.1 Materiais...4 5.2 Equipamentos...4

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Perfil Empresarial. Rua José de Oliveira Ramos - Passos - MG Fone: 35 3536 1056 / Cel: 35 99296869 / E-mail: diretoria@ser.eng.br

Perfil Empresarial. Rua José de Oliveira Ramos - Passos - MG Fone: 35 3536 1056 / Cel: 35 99296869 / E-mail: diretoria@ser.eng.br Perfil Empresarial Rua José de Oliveira Ramos - Passos - MG Fone: 35 3536 1056 / Cel: 35 99296869 / E-mail: diretoria@ser.eng.br ÍNDICE I - A EMPRESA - HISTÓRICO - Conheça nossa empresa e um pouco de sua

Leia mais

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14 /5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Tampo de granito polido (L=65cm, e=2cm), cinza andorinha ou cinza corumbá, com moldura perimetral (3,5x2cm) e frontão (7x2cm), conforme detalhe. Alvenaria de apoio

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 182

Norma Técnica Sabesp NTS 182 Norma Técnica Sabesp NTS 182 Colar de tomada metálico aplicado na derivação da rede de distribuição de água em ferro fundido, DEFOFO e fibrocimento, para ramais prediais de polietileno DE 20, DE 32 e DE

Leia mais