O CÓRREGO DO ÓLEO EM UBERLÂNDIA-MG: CARACTERIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CÓRREGO DO ÓLEO EM UBERLÂNDIA-MG: CARACTERIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 O CÓRREGO DO ÓLEO EM UBERLÂNDIA-MG: Elielza Maria Costa Farias * Luiz Augusto do Nascimento * Maria Stella Moreira dos Santos * Murilo Mendonça Oliveira de Souza * Ângela Maria Soares ** RESUMO Este trabalho teve como objetivo geral compreender a atual situação ambiental do córrego do óleo, afluente do rio Uberabinha, principal curso d água que abastece a população da cidade de Uberlândia, em Minas Gerais. Especificamente, destacamos, ainda, os seguintes objetivos: caracterizar, de forma geral, o município de Uberlândia (MG); Levantar as principais características ambientais da bacia hidrográfica do córrego do óleo; e apresentar as atuais condições de conservação da bacia hidrográfica do córrego do óleo. Para isso, realizamos um levantamento bibliográfico e o mapeamento da bacia do referido córrego, utilizando a Folha Cartográfica SE.22 Z B VI S-SE/MI 2451/3-SE, na escala de 1: Esta atividade foi complementada por um trabalho de campo para observação das atuais condições de conservação do córrego do óleo. Os resultados mostraram que as construções urbanas têm avançado, nos últimos anos, sobre o curso do córrego do óleo, levando a um processo de degradação generalizada de sua bacia. Os efeitos da rápida urbanização de Uberlândia refletiram sobre toda a extensão do curso do córrego estudado. Desde sua nascente, no bairro São Lucas, até sua foz, no rio Uberabinha, podem ser identificados sinais dos impactos de antropização. Fica claro, ainda, que não houve um mínimo de planejamento pelo poder público no que se refere às questões ambientais. Esperamos que a questão ambiental urbana passe a ser pensada seriamente para que os impactos futuros não sejam ainda maiores. PALAVRAS-CHAVE: Uberlândia. Córrego do Óleo. Geomorfologia. Espaço Urbano. 1 INTRODUÇÃO As paisagens naturais, em todas as partes do mundo, têm passado por transformações constantes durante o processo histórico de desenvolvimento. O planeta está em contínuo processo de mudança que, via de regra, segue um sistema lento e ininterrupto. Consultando a geologia e a arqueologia é possível ter uma breve idéia da dimensão das transformações sofridas pela Terra desde seu surgimento. E durante os milhões de anos que compõem a história do planeta, mudanças climáticas, processos erosivos, constituição e desaparecimento de bacias hidrográficas, foram fatores corriqueiros. Assim caminhou o planeta terra, pelo menos, até o aparecimento do homem. O ser humano não possui, entende-se aqui, o poder de modificar em larga escala (para o bem ou para o mal), as condições físicas do globo terrestre. Por outro lado, se * Alunos do 5º período do Curso de Geografia da Faculdade Católica de Uberlândia. ** Orientadora deste trabalho. Doutora em Geografia; professora da Faculdade Católica de Uberlândia. Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 105

2 considerarmos o pequeno período pelo qual o homem tem habitado a Terra, é possível multiplicar seu poder de destruição e transformação da paisagem natural. Considerando, em especial, os espaços regionais ocupados pela sociedade moderna, as mudanças provocadas pela insaciedade do homem moderno vem promovendo profundos impactos no equilíbrio ambiental de todo o espaço terrestre. O acelerado desenvolvimento da indústria, a partir do século XIX, o crescimento súbito de grandes cidades e a agricultura modernizada de larga capacidade produtiva, transformou consideravelmente a paisagem e a vida no planeta terra. Os países considerados desenvolvidos passaram pelo processo de industrialização e urbanização antecipadamente e, consequentemente, degradaram seu ambiente natural também de forma antecipada. Os países europeus e os Estados Unidos, em especial, avançaram aceleradamente sobre seus recursos naturais, degradando rios e desmatando florestas. Os países chamados subdesenvolvidos, por sua vez, foram retardatários na corrida desenvolvimentista do capitalismo, mas da mesma forma, atrasaram-se na destruição de seus meios naturais. Este foi, especificamente, o caso brasileiro. Somente a partir da década de 1970 do século XX é que as práticas desenvolvimentistas tornaram-se, realmente, concretas no país. Além da industrialização que vinha se consolidando desde a década de 1960, durante o governo JK, também a modernização das tecnologias de produção agrícola foram responsáveis pelo processo de degradação dos diversos biomas do Brasil. É nesse período, a partir dos anos setenta, que as áreas de Cerrado, bioma onde se localiza a bacia aqui estudada, começam a ser efetivamente ocupadas. As espécies autóctones das regiões de cerrado passaram a ser substituídas por cultivares melhorados de diversos grãos. A expansão da fronteira agrícola trouxe a tiracolo uma imensa quantidade de migrantes. As principais conseqüências desse processo foram o rápido crescimento de centros urbanos e um intenso processo de degradação ambiental. A região onde está localizado o município de Uberlândia não foi imune a todas essas transformações. Essa região, assim como todo o território brasileiro nas últimas décadas, vem sofrendo um acelerado processo de devastação de sua vegetação nativa, conseqüência da expansão das fronteiras agropastoris, da construção de estradas e rodovias e do crescimento desordenado das cidades (BACCARO, 1994, p. 20). Como assinala Baccaro (1994) acima, o processo de devastação da vegetação nativa do cerrado brasileiro ocorreu de forma acelerada. Tal processo se deu, principalmente, pela produção mecanizada em grande escala no cerrado e pela urbanização. A produção de grãos Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 106

3 avançou sobre as áreas de cerrado do entorno de Uberlândia, basicamente, por meio de programas que visavam transformar o cerrado no celeiro do mundo. Programas como o PCI (Programa de Crédito Integrado ), o PADAP (Programa de Assentamento Dirigido do Alto Paranaíba 1973), o POLOCENTRO (Programa de Desenvolvimento dos Cerrados 1975) e o PRODECER (Programa de Cooperação Nipo- Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados 1976), foram responsáveis por um extraordinário crescimento da produção de grãos no cerrado brasileiro, mas, ao mesmo tempo, promoveram uma profunda devastação da vegetação regional, com conseqüente degradação dos solos, destruição de nascentes (PESSÔA, 1988; DUTRA, 1995). Além dos impactos socioambientais podemos acrescentar como importante conseqüência da modernização agrícola, na mesorregião geográfica do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, o intenso êxodo rural que promoveu o crescimento das cidades instaladas nas áreas de cerrado desta região. A cidade de Uberlândia - MG é um exemplo desse modelo de desenvolvimento, onde além da saída da população rural do campo observase também a vinda de habitantes de municípios vizinhos na busca de melhores condições de vida aumentando o seu contingente populacional sem uma planificação adequada (CARRIJO e BACCARO, 2000, p. 70). Portanto, a migração para as cidades, em especial, para Uberlândia, promoveu o crescimento desordenado e sem planejamento da área urbana. Esse processo negligenciou, por sua vez, as características ambientais pré-existentes no espaço ocupado. As décadas de 1960, 1970 e 1980 pautaram-se por decisões políticas e econômicas que, juntamente com o crescimento do sítio urbano de Uberlândia, foram responsáveis pela alteração dos processos geomorfológicos, causando cheias constantes, ravinas, voçorocas e desabamentos (DEL GROSSI, 1991). Acrescenta-se, ainda, que nascentes foram soterradas com entulhos, veredas inteiras foram destruídas, a vegetação removida (muitas vezes sem necessidade), o solo impermeabilizado e córregos parcial ou totalmente degradados. As matas ciliares da maioria dos córregos uberlandenses foram retiradas, assumindo estes, recorrentemente, a função de lata de lixo ou canteiro de entulhos. O córrego do óleo, objeto de estudo neste trabalho, é uma representação material de todo esse processo. Suas veredas foram, em grande parte, ocupadas por entulho ou mesmo por construções residenciais. A mata ciliar que protegia seu leito foi também removida e em vários pontos de seu curso é possível encontrar diferentes qualidades de lixo. É, portanto, a partir desse contexto que o presente trabalho teve como objetivo geral compreender a atual Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 107

4 situação ambiental do córrego do óleo, afluente do rio Uberabinha, principal curso d água que abastece a população da cidade de Uberlândia, em Minas Gerais. Especificamente, destacamos, ainda, os seguintes objetivos: caracterizar, de forma geral, o município de Uberlândia (MG); Levantar as principais características ambientais da bacia hidrográfica do córrego do óleo; e apresentar as atuais condições de conservação da bacia hidrográfica do córrego do óleo. Em caráter metodológico, para a concretização de nossos objetivos, foi realizado inicialmente, a leitura de referências bibliográficas e o mapeamento da bacia do referido córrego. Para o trabalho de mapeamento foi utilizada a Folha Cartográfica SE.22 Z B VI S- SE/MI 2451/3-SE, na escala de 1:25.000, o que nos permitiu identificar, previamente, as características geomorfológicas da bacia hidrográfica estudada. Esta atividade foi complementada com um trabalho de campo para reconhecimento das características identificadas durante o mapeamento, assim como, para a observação e análise das condições atuais de conservação da bacia hidrográfica do córrego do óleo. Nesse sentido, este artigo é resultado do estudo teórico da bacia e de seu reconhecimento em campo. 2 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO A área de estudo deste trabalho, aqui considerado o âmbito do município de Uberlândia, está limitada pelas coordenadas geográficas de 18º30 de latitude sul e 47º50 de longitude oeste de Greenwich (BACCARO, 1994). O município está localizado na mesorregião geográfica do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, na região oeste do estado de Minas Gerais, como pode ser observado no mapa apresentado a seguir (Mapa 1). Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 108

5 Mapa 1. Mapa de localização do município de Uberlândia, A área do município, de acordo com Baccaro (1994), insere-se nas Chapadas Sedimentares da Região do Triângulo Mineiro, as quais foram esculturadas em rochas sedimentares, em especial, do Grupo Bauru, com destaque para os arenitos das Formações Marília, Adamantina e Uberaba, e da Formação Botucatu do Grupo São Bento. É importante destacar, ainda, que os entalhes mais profundos, como do Paranaíba e Araguari, atingem o embasamento Pré-cambriano, representado principalmente pelos xistos e serecita xistos do Grupo Araxá. O relevo do município de Uberlândia, de acordo com Ab Saber (1971), faz parte de um conjunto de formas denominado Domínio dos Chapadões Tropicais do Brasil Central. Baccaro (1994) ressalta, também, que os processos morfoclimáticos do Terciário e do Quaternário propiciaram extensas pediplanações, pedimentação, laterização e dissecação, constituindo as características de relevo atualmente apresentadas. As altitudes variam entre 650 e 750 metros, estando sustentada pelo basalto da Formação Serra Geral, formando patamares estruturais com rupturas de declive acentuadas. Foram definidas, em 1989, pela Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 109

6 professora Claudete Baccaro, as seguintes unidades morfológicas para o município de Uberlândia: a) área de relevo dissecado; b) área de relevo intensamente dissecado; c) área de cimeira com topos planos e largos. O Clima predominante em Uberlândia, segundo a classificação de Köppen, é do tipo Aw, megatérmico, com épocas sazonais bem definidas (BACCARO, 1994). Apresenta duas estações bem definidas sendo uma seca (inverno) e outra chuvosa (verão). Seguindo os parâmetros registrados nas áreas de cerrado, a temperatura média anual na microrregião é de 21,4 0 C e as médias de temperatura máxima e mínima são respectivamente, 26,4 0 C e 14,2 0 C. A umidade relativa do ar apresenta um valor médio de 71%, não variando muito no decorrer do ano. São comuns também os veranicos, ou seja, a ocorrência de um período seco durante uma estação chuvosa. A vegetação de Uberlândia é o reflexo daquela predominante, de forma geral, no Domínio Natural dos Cerrados. São características da região, a mata mesofítica (de galeria e de encosta) e a mata xeromórfica (Cerradão), diversos tipos savânicos, como o campo cerrado e o campo sujo, além das Veredas. Cabe ressaltar a importância da vereda para a caracterização do cerrado. A vereda é a fitofisionomia com a palmeira arbórea Mauritia flexuosa emergente, em meio a agrupamentos mais ou menos densos de espécies arbustivoherbáceas. As veredas são circundadas por campo limpo, geralmente úmido onde os buritis caracterizam-se por altura média de 12 a 15 metros e a cobertura varia de 5 a 10 %. As veredas são encontradas em solos hidromórficos, saturados durante a maior parte do ano. Nas cidades de forma geral e, especificamente em Uberlândia, as áreas de vereda são recorrentemente degradadas causando profundos desequilíbrios ambientais (SCHIAVINI; ARAÚJO, 1989). Os solos da região, segundo a Embrapa apud Baccaro (1994), apresentam uma maior porcentagem do tipo Latossolo Vermelho-escuro álico, localizado principalmente em áreas de relevo dissecado. Ocorre, também, o Latossolo Vermelho-escuro distrófico, em especial, no médio curso do rio Uberabinha. Podem ser identificados, ainda, o Latossolo Vermelhoamarelo álico, o Latossolo roxo distrófico e eutrófico, o Podzólico vermelho-amarelo eutrófico, o Cambissolo eutrófico e o Glei húmido álico. Vale ressaltar que o Sistema de Classificação de Solos da Embrapa sofreu alterações, sendo que a partir de 1999 a nomenclatura passou a seguir novos padrões, não considerados para este trabalho. É importante destacar, ainda, que as formas de uso do solo rural e, principalmente, urbano, tem sido inadequadas para a conservação, a longo prazo, da estrutura ambiental atual. Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 110

7 Em especial na área urbana de Uberlândia, a utilização do espaço tem seguido padrões fortemente equivocados de uso e ocupação do solo. Bairros inteiros foram instalados em áreas de Covoal, ou mesmo, em áreas de veredas, como é o caso da vereda do córrego aqui estudado. Essa perspectiva, além de degradar de forma irreversível os recursos naturais, coloca, muitas vezes, a população em risco. Assim, compreende-se que o espaço urbano, principalmente, deve ser repensado, levando em consideração a variável ambiental. 3 CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO CÓRREGO DO ÓLEO O córrego do óleo está inserido em um sistema hidrográfico que tem como principal representante o rio Uberabinha. Este rio, afluente da bacia do rio Araguari, nasce ao norte do município de Uberaba, atravessando todo o município de Uberlândia até desembocar no rio Araguari, cumprindo um total de 118 km. Além do córrego aqui estudado, na zona urbana de Uberlândia, o rio Uberabinha tem como afluentes os seguintes córregos: São Pedro, Das tabocas, Jataí, Lagoinha, Salto, Guariba, Moji, Cavalo, Vinhedo e Buritizinho (CARRIJO; BACCARO, 2000). Nesse contexto, localizado na porção oeste da cidade de Uberlândia, o Córrego do Óleo é um importante afluente do rio Uberabinha. Esse curso d água atravessa alguns bairros da cidade, influenciando e sendo influenciado, diretamente pela população urbana e pelas transformações do espaço por ela promovida. Desde sua nascente até a sua foz no rio Uberabinha os impactos da cidade sobre seu leito podem ser percebidos. A área de drenagem do córrego do óleo (Mapa 2), retirada da Carta Topográfica de Uberlândia (Folha SE.22 Z B VI S-SE/MI 2451/3-SE), na escala de 1:25.000, pode ser identificada pelas seguintes coordenadas UTM: a) 783,750 E/7906,675 N e b) 781,425 E/7905,325 N. Essas coordenadas referem-se à foz do córrego do óleo. Calculou-se, também, a área de abrangência da bacia estudada que, segundo cálculo dos autores, engloba uma área total de 23,375 km². Isso significa uma área de, aproximadamente, 2.337,5 hectares, compondo mais de 10% da área total ocupada pelo perímetro urbano de Uberlândia. A bacia analisada tem como base de formação geológica o Basalto Serra Geral e o Arenito Marília, com altitudes variando entre 770 e 890 metros. Na área de nascente (bairro São Lucas), visitada pelos autores, está presente apenas o Arenito Marília. Os solos observados são solos hidromórficos, com grande quantidade de água presente. Essa parte inicial do córrego, pode ser visualizada na imagem de satélite abaixo (Imagem 1). É importante destacar, que nesta parte da bacia o leito do curso d água Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 111

8 O CÓRREGO DO ÓLEO EM UBERLÂNDIA/MG: ainda não encontra-se entalhado e realmente definido. É área de Chapadas Sedimentares, vale pouco profundo, solo hidromórfico, vegetação de veredas e buritis, sem caminho definido das águas. A área de vereda, como já mencionado anteriormente, caracteriza-se por ser uma área úmida com populações de buritis. Mapa 2. Mapa de formação geológica da bacia hidrográfica do córrego do óleo. Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 112

9 Imagem 1 - Imagem área de nascente do córrego do óleo (Parque do óleo), bairro São Lucas, Uberlândia/MG, outubro de Fonte: Passando para o bairro planalto, as ruas são direcionadas para o córrego sem nenhuma proteção com manilhas ou curvas de nível para o escoamento das águas. Somente próximo à lagoa, que é preservada pelo IBAMA, existem bolsões, mas vimos muito gado tomando água na lagoa e a vegetação das margens está toda comprometida. Também nesta parte do córrego, a mata ciliar foi fortemente degradada. Em outro ponto de observação, ao longo do córrego próximo ao condomínio da Embra o relevo é Medianamente Dissecado, o vale bem mais entalhado, com o basalto aparente e sem presença de veredas. A vegetação nesta parte do córrego compõe-se de espécies invasoras. É possível observar, ainda, neste ponto processos erosivos provocados pelas águas pluviais. Seguindo o leito do rio a montante, é possível observar o processo de entalhamento do mesmo, com destaque para o afloramento de rochas basálticas. Durante o trabalho de campo foi feita esta diferenciação. No sentido dos bairros Chácaras Tubalina e Luizote o córrego já mostra-se bem mais definido, bem mais encaixado em seu leito. De forma geral, as características do córrego mudam conforme este segue para sua foz. A Imagem 2, abaixo, mostra parte do córrego do óleo, em sua passagem pelos bairros acima citados. Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 113

10 Imagem 2 - Área de Preservação Permanente em recuperação, localizada entre os bairros Bairro Luizote e Chácaras Tubalina, Uberlândia/MG, outubro de Fonte: Conforme já relatado, a abrangência do córrego influencia, sem dúvidas, a vida de uma grande quantidade de pessoas que habita regiões que avançaram sobre esta bacia hidrográfica. Bairros como São Lucas, Chácaras Tubalina e Luizote têm seu dia a dia diretamente ligado ao córrego do óleo. Parece não existir, contudo, uma preocupação consciente da população de tais bairros com a vida do córrego e sua importância para o equilíbrio ambiental local. São diversos os problemas de degradação em todo o curso do córrego do óleo, entre as quais discutimos algumas a seguir. 4 CONDIÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA BACIA DO CÓRREGO DO ÓLEO As condições de conservação da bacia do córrego do óleo, apresentadas aqui, referemse àquelas observadas durante o trabalho de campo para reconhecimento de seu curso d água. Na primeira parada para observação foi possível constatar que as áreas de nascente do córrego estão sendo, gradativamente, ocupadas por entulhos e outros tipos de atividades antrópicas. Localizada em frente ao bairro São Lucas, existe nessa Área de Preservação Permanente (APP) um campo de futebol utilizado pela comunidade. O próprio campo, aparentemente, já Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 114

11 parece estar localizado em área de APP. Aos poucos a vereda está sendo aterrada por entulho de diversas origens. Este processo pode ser visualizado na Foto 1 mostrada abaixo. Foto 1 - Área de vereda do córrego do óleo, Uberlândia/MG, dezembro de A Foto 1 mostra, também, um outro fator de degradação da vereda do córrego do óleo. É possível observar a presença de animais, destinados à produção de leite, pastando na área cercada da APP. Este é uma questão recorrente em diversas áreas e em vários córregos da cidade. São questões, muitas vezes, sociais que acabam se transformando, também, em questões ambientais. Sabe-se que muitas famílias sobrevivem da produção de leite nestas áreas, mas, entende-se, ao mesmo tempo, que, caso estas áreas não sejam protegidas, correm o risco de desaparecerem. O pisoteio do gado e a invasão do capim brachiaria tem sido, em parte, responsáveis pela descaracterização da vereda e áreas de nascente do córrego estudado. Juntamente com isto, é incompreensível que o próprio poder público municipal, que deveria estar planejando a preservação destas áreas, é um dos responsáveis pela ocupação inadequada da área. A delimitação de uma área que avança sobre a vereda como área de lazer do bairro São Lucas provoca sérios problemas de conservação que refletem em toda a bacia do córrego do óleo. Atualmente, acreditamos não ser mais possível uma mudança de tal área, para que a vereda Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 115

12 seja preservada. Espera-se, contudo, que o que ainda resta desta área de preservação permanente seja realmente de preservação permanente. Outro fator de degradação da bacia do córrego do óleo, em sua vereda do bairro São Lucas, diz respeito à uma área de coleta de entulho (Foto 2). Como esta estrutura está localizada acima de uma das veredas do córrego, quando chove, parte do lixo ali armazenado desce para a APP. Como pode ser visto na foto, não existe uma coleta seletiva, mas sim, uma grande diversidade de papel, plástico, entulho de construção, etc. A cada chuva parte deste material contamina a vereda em questão. Foto 2 - Área de coleta de lixo localizada acima da vereda do córrego do óleo, Uberlândia/MG, dezembro de Diversos outros fatores que dificultam a conservação da bacia do córrego do óleo apresentam-se todos os dias em toda sua extensão. Desde as áreas de nascente até a foz no rio Uberabinha multiplicam-se os exemplos de descaso com a preservação deste curso d água tão importante para a cidade de Uberlândia. Na Foto 3, a seguir, podemos visualizar o despejo de lixo em aguada do córrego. Entre manilhas e esgoto, tudo é despejado nas nascentes e no leito do córrego. A população ainda não se conscientizou que dela depende a preservação do espaço natural em que vive. O poder público, por sua vez, também não se mostra preocupado com a questão ambiental. Importância é dada apenas ao crescimento econômico da cidade, Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 116

13 pouco sendo investido na conservação do meio ambiente que integra a paisagem urbana de Uberlândia. Foto 6 - Área contaminada com lixo, em área de vereda do córrego do óleo, Uberlândia/MG, dezembro de Além dos elementos levantados acima deve ser ressaltado o alto índice de degradação da mata ciliar do córrego do óleo. Os 50 metros das áreas de vereda e nascente, e os 20 metros das margens do córrego exigidos por lei não são, raras exceções, respeitados em nenhuma parte de todo o curso d água. Em alguns Mesmo na área que está sob responsabilidade do IBAMA isso não ocorre. Ou seja, não importa a parte do córrego do óleo analisada, reproduzem-se as práticas de degradação e indiferença com relação à sua importância. Um trabalho de conscientização deve, urgentemente, ser planejado e executado para que o córrego seja recuperado. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os impactos sobre o espaço natural urbano, em Uberlândia, foram, historicamente, consideráveis. Vários córregos e nascentes desapareceram nas últimas décadas e, ainda assim, muito pouco tem sido feito para amenizar a degradação do meio ambiente urbano. O córrego Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 117

14 do óleo é apenas um exemplo de toda a indiferença com relação à preservação de córregos e nascentes na cidade de Uberlândia. O córrego do óleo não é exceção. A realização do trabalho nos mostrou que a área urbana está, cada vez mais, avançando sobre este recurso hídrico. O trabalho de campo em sua nascente revelou um profundo desconhecimento, ou mesmo, indiferença com relação à preservação do córrego. Criação de gado de leite, construção de campo de futebol e aterramento com entulho, são apenas alguns dos problemas que aferem a nascente do córrego do óleo, localizada no bairro São Lucas. Partindo da nascente e seguindo seu curso, os problemas de degradação de mata ciliar, entre outros, são também recorrentes. Esperamos, nesse contexto, que uma nova perspectiva relacionada à questão ambiental urbana de Uberlândia seja inaugurada o mais rápido possível, pois, caso contrário, as conseqüências não tardarão a aparecer. E é verdade que em vários locais já estão ocorrendo. REFERÊNCIAS BACCARO, C. A. D. As unidades geomorfológicas e a erosão nos chapadões do município de Uberlândia. Revista Sociedade e Natureza, Uberlândia, n. 6, v. 11 e 12, jan-dez, p CARRIJO, B. R.; BACCARO, C. A. D. Analise sobre a erosão hídrica na área urbana de Uberlândia (MG). Revista Caminhos da Geografia, Uberlândia, n. 1, v. 2, dez., p DEL GROSSI, Suely Regina. De Uberabinha a Uberlândia: os caminhos da natrureza - contribuição ao estudo da geomorfologia urbana. Tese de Doutorado. São Paulo, DUTRA, I. F. Os programas governamentais no cerrado: O caso de Irai de Minas, p. Monografia (Graduação em Economia) Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, PESSÔA, V. L. S. Ação do Estado e as transformações agrárias no cerrado das zonas de Paracatu e Alto Paranaíba (MG) Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro, SCHIAVINI, J.; ARAUJO, G. M. Considerações sobre a vegetação da Reserva Ecológica do Panga (Uberlândia). Revista Sociedade e Natureza, Uberlândia, n. 1, v. 1, Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 2, p , 2009 catolicaonline.com.br/revistadacatolica 118

ANÁLISE ESPACIAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG

ANÁLISE ESPACIAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG Revista Ponto de Vista Vol. 3 41 ANÁLISE ESPACIAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO GLÓRIA, UBERLÂNDIA MG Paula Cristina A. de Oliveira * e Leomar Tiradentes Universidade Federal de Uberlância Uberlândia

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

A DINÂMICA HIDROLÓGICA NA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA EM UBERABA, MINAS GERAIS, BRASIL.

A DINÂMICA HIDROLÓGICA NA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA EM UBERABA, MINAS GERAIS, BRASIL. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-17 A DINÂMICA HIDROLÓGICA NA BACIA DO ALTO CURSO DO RIO UBERABINHA EM UBERABA, MINAS GERAIS, BRASIL.

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA-MG: DESAFIOS DO PLANEJAMENTO URBANO

BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA-MG: DESAFIOS DO PLANEJAMENTO URBANO BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA-MG: DESAFIOS DO PLANEJAMENTO URBANO Ângela Maria Soares * Djane Araújo Inácio da Cunha ** Guilherme David Dantas *** Hérica Leonel de Paula Ramos Oliveira

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA SEÇÃO MEDIANA DA MICROBACIA DO CÓRREGO LAGEADO, EM UBERABA/MG 1 FRANÇA, D.Z.; 1 LIMA, G.M.; 1 FREITAS, M.P.; 2 TORRES, J.L.R.; 3 FABIAN, A.J. 1 Tecnólogo em Gestão Ambiental pelo

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO PROFESSORES DO POSITIVO COMENTÁRIO DA PROVA DE Em Geografia mantendo a tradição a prova da 2ª fase da UFPR 2013 apresentou boa qualidade. Nota-se a preocupação dos elaboradores com a escolha e a abrangência

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Brasil: Natureza e Sociedade

Brasil: Natureza e Sociedade Brasil: Natureza e Sociedade O Ambiente Natural Devido ao seu tamanho, o Brasil pode ser considerado um continente ou ainda um país com dimensões continentais. É o quinto maior país do mundo em extensão,

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

USO DO SOLO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SALTO EM 27-07-2008.

USO DO SOLO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SALTO EM 27-07-2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos USO DO SOLO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SALTO EM 27-07-2008. Josimar Felisbino Silva 1 Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA

FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA 1 FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA A DINÂMICA AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE SANTA JULIANA. MG PROF.ª DR.ª CLAUDETE APARECIDA DALLEVEDOVE BACCARO Uberlândia 2011 2 1- INTRODUÇÃO A realização da ECO-92 no Rio

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. Observe a figura abaixo. Utilizando seus conhecimentos e as informações da figura, assinale a alternativa correta. a) A tundra constitui o bioma mais devastado do

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são:

O município de Bela Vista de Goiás está situado na Bacia Hidrográfica do Rio Paranaiba, e seus principais cursos d água são: 43 7 ASPECTOS AMBIENTAIS 7.1. Hidrografia Genericamente, as características fluviais do município podem ser definidas de forma simplificada: a drenagem apresenta-se com vales encaixados a montante, que

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BURITIZINHO EM UBERLÂNDIA-MG. Brasil - tatianemorais@iciag.ufu.br

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BURITIZINHO EM UBERLÂNDIA-MG. Brasil - tatianemorais@iciag.ufu.br DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BURITIZINHO EM UBERLÂNDIA-MG Tatiane Pereira Santos Morais 1 ; Andressa de Moura Silva 2 e Bruna Nayara Pereira Cardoso 3 1. Professora Doutora

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade.

Palavras-chave: Sub bacia, Caracterização Ambiental, Sustentabilidade. CARACTERIZACÃO AMBIENTAL DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DO SANGUE, JAURU - MT, VISANDO O LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Aldo Max Custódio (1) ; Ms. Juberto Babilônia de

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV.

IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS: O CASO DO NOVA ITUIUTABA II E IV. IMPACTOS AMBIENTAIS ORIUNDOS DA IMPLANTAÇÃO DE Silva, J.V.F. 1 ; Miyazaki, L.C.P. 2 ; 1 UFU/FACIP Email:joaovictorfs14@yahoo.com; 2 UFU/FACIP Email:lecpgeo@gmail.com; RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ALMESCA MUNICÍPIO DE NOVORIZONTE MINAS GERAIS 1

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ALMESCA MUNICÍPIO DE NOVORIZONTE MINAS GERAIS 1 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ALMESCA MUNICÍPIO DE NOVORIZONTE MINAS GERAIS 1 SOARES, RITA ADRIANA C. MARTINS, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes ritageografia@yahoo.com.br

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3

Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2 ; Fabio Mesquita de Souza 3 ; Jeneffer Soares dos Santos 3 CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DE UM ECOSSISTEMA AQUÁTICO URBANO NA AMAZÔNIA MATOGROSSENSE E SENSIBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE PARA A SUA CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO Monica Elisa Bleich 1 ; Carlos José da Silva 2

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: Questão 01) O Brasil está dividido em três grandes complexos econômicos regionais: Centro-Sul,

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS

OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS Análise do Uso da Terra e das Áreas de Preservação Permanente (APP s) do município de Perolândia (GO) a partir de técnicas de Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento. Alécio Perini Martins Professor, UFG

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo

Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Contribuição Ambiental e Mapeamento de Biótopos de Cemitérios Urbanos: O Caso do Cemitério de Vila Nova Cachoeirinha São Paulo Resumo Alessandra G. Soares (alessandra.soares@usp.br)* Daniela Luz Carvalho

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal Curso de Ecologia da Vegetação Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Ary T. Oliveira

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água.

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água. MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DE NASCENTES NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO, SUB BACIA DO MÉDIO RIO SÃO FRANCISCO. Ana Lídia Alves Rocha 1, Lucilia Maria Parron 2, Carlos José Domingos da Cruz 3,

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Profª:Sabrine V.Welzel

Profª:Sabrine V.Welzel Geografia 2 ano/ensino Médio Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil 1) (FGV. SP) De acordo com o geógrafo Aziz N. Ab.Sáber, o território brasileiro é constituído por seis domínios morfoclimáticos e fitogeográficos,

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL

CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL CERRADO E AQUECIMENTO GLOBAL Preservar o cerrado ajuda a amenizar o efeito estufa, que causa a elevação da temperatura global Por Vitor Teodoro Pereira Savana Gramíneo-Lenhosa http://www.shopping1.radiologico.nom.br/aparaiso/vejetal.htm

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais