REPERCUSSÕES SÓCIO-AMBIENTAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPERCUSSÕES SÓCIO-AMBIENTAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS PR"

Transcrição

1 REPERCUSSÕES SÓCIO-AMBIENTAIS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS PR 1 José Carlos de Jesus Lopes José Henrique Volpi Karin Sylvia Graeml Maria da Salete Sachweh Olga Estefania Duarte Gomes Pereira Wilson João Zonin 1 Resumo Este trabalho analisa as possíveis repercussões sócio-ambientais decorrentes da implantação do Complexo Industrial Automotivo Ayrton Senna, no Distrito Industrial em São José dos Pinhais Pr, município integrante da Região Metropolitana de Curitiba - RMC. O recorte físico espacial foi escolhido por estar em uma região passível de ocorrer impactos sócio-ambientais, nem sempre reversíveis, em sua área politicamente delimitada. Os três Estados da região Sul do Brasil, criaram estratégias políticas de atração para as montadoras, objetivando promover o crescimento econômico regional. Na RMC foram instaladas as novas unidades de automóveis da Renault, Audi, Volvo e ampliação da Scania. Sabe-se, que a gestão produtiva desenvolvida por essas empresas é questionada, inclusive, em alguns países desenvolvidos, por força das leis ambientais. Com relação à implantação da montadora Renault, esta regra foi confirmada por uma pesquisa realizada no Curso de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento, da UFPR. Para melhor compreender os impactos sócio-ambientais que possam ter ocorridos no Distrito Industrial, entende-se ser necessário um aprofundamento sobre a teorização e as relações epistemológicas existentes entre as Ciências Sociais e as Ciências da Natureza. Deste modo, desenvolver um trabalho de pesquisa interdisciplinarmente significa participar de um processo dinâmico, integrador e, sobretudo, dialógico. 1. Introdução Este estudo resultou de um exercício interdisciplinar entre as disciplinas de Ciências Naturais e Sociais ministradas no curso de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR. Para tentar entender conceitos e representações tratadas em sala de aula fez-se um recorte físico, espacial e territorial, na Região Metropolitana de Curitiba RMC. O primeiro conceito estudado foi o da própria interdisciplinaridade - termo que não tem significado único, pois possui diferentes interpretações, mas em todas elas está implícita uma nova postura diante do conhecimento, uma mudança de atitude em busca da unidade do pensamento. Deste modo, desenvolver um trabalho de pesquisa interdisciplinarmente significa participar de um processo dinâmico, integrador e, sobretudo, dialógico. Para a pesquisa de campo foi desenvolvida no Distrito Industrial do Município de São José dos Pinhais - RMC, onde se encontra o Complexo Industrial Automotivo Ayrton Senna, por estar em região de possíveis impactos sócio-ambientais em sua área politicamente delimitada. A região está geograficamente localizada a 906 m de altitude, 25º 32 de latitude e 49º 12 W de longitude. Ressaltar-se, no entanto, que os impactos sócio-ambientais não se restringem somente ao recorte da área territorial escolhida, uma vez que o espaço entorno pode ser direta ou indiretamente impactada. 1 Alunos do Curso de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade Federal do Paraná.

2 2 De acordo com Martins et all (2003), há algum tempo o setor automobilístico vinha demonstrando uma saturação da demanda nos países avançados, fazendo com que a partir da década de 90, a América Latina trabalhasse em ritmo acelerado, para que o mercado consumidor automotivo global pudesse crescer. Assim, a partir de então os três Estados da região Sul do Brasil, começaram a criar estratégias políticas de atração para as montadoras, objetivando promover o crescimento econômico regional (AZZOLIN, 2001; IPARDES, 1981). No Paraná, Estado em que a maior parte dos investimentos se concentrou na região metropolitana (13,1% do total nacional), destacaram-se a instalação de novas unidades de automóveis da Renault, Audi, Volvo e ampliação da Scania. A atração das montadoras, com intuito de promover o crescimento econômico, pode trazer junto impactos sócio-ambientais, uma vez que essas empresas são potencialmente poluidoras. Sabe-se que a gestão produtiva desenvolvida por essas empresas, é questionada, inclusive, em alguns países desenvolvidos por força das leis ambientais. 2. Desenvolvimento Para melhor compreender os impactos sócio-ambientais que ocorreram no Distrito Industrial, entende-se necessário um aprofundamento sobre a teorização e as relações epistemológicas existentes entre as Ciências Sociais e as Ciências da Natureza. De acordo com Morin (1981) é necessário encarar toda a ciência física em seu embasamento social e todo o fato social em seu fundamento físico, ou então, considerar todo o conhecimento físico em seu enraizamento antropossocial, assim como, toda a realidade antropossocial em seu enraizamento físico. O mesmo autor aponta para um pensamento transdisciplinar - novo discurso científico - que articula os três níveis de organização: físico, biológico e antropossocial. Continua o autor dizendo, que fundamentar a produção do saber científico na produção cultural não significa reduzir a ciência a uma ideologia, mas significa tornar mais complexa nossa concepção de conhecimento científico, com duas ramificações: uma inerente à práxis histórico-social; e a outra inerente à realidade empírica. De acordo com Savater citado por Foladori (2003), existem diferentes concepções de natureza, das quais três são distintas: a natureza como conjunto de todas as coisas existentes, submetida às regras que estudam as ciências da natureza ; a natureza como conjunto das coisas que existem sem intervenção humana, com espontaneidade não deliberada; e a natureza como origem e causa de todas as coisas, como explicação última e razão de ser. Assim, de acordo com os entendimentos de Foladori (2003), tudo que se encontra no espaço é natureza. Isto quer dizer, que tanto a natureza virgem como os produtos criados pela

3 3 atividade humana são elementos da natureza. Desse modo, a natureza como conjunto das coisas que existem sem intervenção humana serviria para distinguir o natural como aquilo que existe fora da intervenção humana, e o artificial como produto da ação humana. Esta é uma concepção que é muito utilizada porque expressa o sentido mais comum dos termos natural e artificial. Para Milton Santos (1999), território deve ser visto como o conjunto de sistemas naturais mais os acréscimos históricos materiais impostos pelo homem. É formado pelo conjunto indissociável do substrato físico, natural ou artificial, e mais o seu uso, em outras palavras, a base técnica e as práticas sociais, isto é, uma combinação de técnica e de política. Os acréscimos são destinados a permitir, em cada época, uma nova modernização, que é sempre seletiva. Atividades econômicas sejam de grande ou pequeno porte podem ocasionar uma série de alterações ambientais, nem sempre reversíveis, bem como gerar prejuízos para a sociedade. Com relação à implantação da montadora Renault, no Distrito Industrial, São Jose dos Pinhais, esta regra. foi confirmada no desenvolver dessa pesquisa. A fim de entender as alterações sócio-ambientais que possam ter ocorrido, fez-se necessário elencar alguns conceitos das Ciências da Natureza. Ao tratar-se de impactos ambientais está se tratando de quaisquer alterações das propriedades físicas, químicas e biológicas que ocorrem no meio ambiente causadas por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas (CONAMA, 1986). De acordo com Franco (2001), os conceitos de impacto e poluição são antropocêntricos, já que estão diretamente relacionados aos efeitos das ações humanas sobre a sociedade e os ecossistemas. Enquanto que, a degradação ambiental estudada por Guerra e Cunha (2003, p. 345) é o manejo inadequado do solo, tanto em áreas rurais, como em áreas urbanas, é a principal causa da degradação. Em se tratando de risco ambiental, Reis e Queiroz (2002) alertam para que seja considerado anteriormente à implantação de uma empresa ou de uma atividade, qual o risco ambiental que eventualmente poderá provocar no meio ambiente. Assim, um impacto ambiental pode por em risco todo um ecossistema. 3. Caracterização do Distrito Industrial O distrito Industrial está localizado na porção Norte do Município com as coordenadas geográficas médias 25 o 30 de latitude Sul e 49 o 07 de latitude O Greenwich, abrangendo parte das sub-bacias do Rio Pequeno e Itaqui, em uma área de 5,5 milhões de m2. Esta área agrupa indústrias no parque que é formando por um condomínio de uso estritamente industrial com cerca de 2,5 milhões de m2. O restante do imóvel está com uso diversificado, em especial o habitacional. A vegetação predominante, de acordo com o Sistema de Classificação Fitogeográfica Brasileira (COMEC, 1999), é caracterizada como floresta Ombrófila Mista, nas formações: Aluvial

4 4 e Montana. Para Jacobs (2002) a Floresta Ombrófila Mista era, no passado, à vegetação que recobria este tipo de floresta no primeiro planalto ficou conhecida como mata de araucária. Já a Floresta Ombrófila Mista Aluvial que é formação ribeirinha, ocupa ainda hoje os terrenos aluvionares, nas margens dos rios ou nas pequenas depressões aparecem os capões e matas de galeria associada ás estepe gramíneo-lenhosa. Utilizando-se dos dados do EIA/RIMA (1996) da região, a presença desta estepe no Município de São José dos Pinhais está associada com a Formação Guabirotuba, cujos sedimentos quaternários antigos apresentam condições especiais de drenagem, aeração e acidez. Os campos de várzea às margens do rio Pequeno e Itaqui são regiões baixas sujeitas a inundações periódicas. Em 1996, nos dados do EIA/RIMA (1996, p.319 v II), já havia um alerta sobre os possíveis riscos e impactos ambientais que poderiam ocorrer na região, com a construção de obras civis no Distrito Industrial, onde parte da cobertura vegetal correspondente à Estepe Gramíneolenhosa poderiam sumir, o que resultaria no empobrecimento da diversidade florística local e, conseqüentemente, da biodiversidade. A supressão desta vegetação pode ter sido de caráter permanente o que seria irreversível, assim, a capacidade de resiliência seria nula, pois a vegetação retirada não poderá ser reposta, e o papel deste tipo de cobertura vegetal em área de mananciais, deixa de ser exercido, desprotegendo mecanicamente o solo nas áreas de extravasamento natural dos cursos d'água, por conseqüência expões a região a inundações por elevação do lençol freático. De acordo com a classificação climática de Köppen, segundo Trewartha e Horn (1980), o clima da região em estudo é do tipo Cfb - Clima temperado propriamente dito; temperatura média no mês mais frio abaixo de 18 o C (mesotérmico), com verões frescos, com ocorrência de geadas severas e freqüentes, não apresentando estação seca. A Mineropar (1995) diz que a geologia do Distrito Industrial está representada basicamente por rochas gnáissicas e migmatíticas, sedimentos da bacia de Curitiba e sedimentos aluvionares recentes. A área está também situada sobre uma grande bacia aluvionar, caracterizada por baixas declividades (entre 0% a 5%), cuja planície está limitada por um relevo suave, com colinas baixas e médias (formação Guabirotuba) e tendo as maiores elevações da área, sustentadas por rochas magmáticas do Complexo Cristalino. Guerra e Cunha (2003) dizem que os sistemas ambientais naturais ao considerar a intervenção humana apresentam maior ou menor fragilidade em função de suas características genéticas. Frente a esta afirmação o EIA/RIMA da região (1996), aponta que a fragilidade do meio físico pode ser considerada moderada para ocupação urbana, agropecuária e obras viárias, baixa para equipamento enterrados e alta para rejeitos. Considerando a hidrografia da região, o Distrito Industrial está localizado em um divisor

5 5 de águas entre as sub-bacias dos rios Pequeno e Itaqui, na bacia do altíssimo Iguaçu, sendo o Pequeno um dos limites da área do Distrito Industrial. Os rios: Pequeno e Itaqui são afluentes da margem esquerda da bacia hidrográfica do Alto Iguaçu, compondo o atual Sistema Integrado de Abastecimento de Água da Região Metropolitana de Curitiba. A bacia do Iguaçú segundo Andreolli et all (s.d) possui 565 km e atualmente abriga duas captações de água (captação Iguaçu e captação Irai). A bacia do altíssimo Iguaçu é constituída pelas seguintes sub-bacias: Irai, Iraizinho, do Meio, Piraquara, Palmital, Itaqui e Pequeno, que juntas, produzem hoje, cerca de l/s (já incluído o reservatório do Irai). A sub-bacia do Rio Pequeno abrange uma área de 137 km 2 (SUDERHSA, 2002) e atualmente está com intensa ocupação urbana numa área com cerca de 50 km 2 a jusante do Rio Quississana e no Distrito Industrial de São José dos Pinhais (ANDREOLLI et all, s.d). De acordo com o relatório realizado em 15 de junho de 2002 pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente de São José dos Pinhais, diversos loteamentos foram construídos na área de preservação permanente do rio Pequeno e o esgoto é lançado no rio sem tratamento. Ainda segundo o mesmo documento, outros fundos de vale da bacia, seguidamente, são agredidos com despejo de lixo trazido por pessoas de áreas urbanas. Ao mesmo tempo, o Distrito Industrial atraiu uma acelerada ocupação imobiliária, tanto de nível popular como de chácaras. O entorno Distrito Industrial apresenta sérios problemas de impacto ambiental causando transtornos para os moradores da região, bem como para as nascentes, córregos e rios, como o Pequeno. A sub-bacia do Rio Itaqui abrange uma área de 39,80 km 2, nos Municípios de Piraquara e São José dos Pinhais com loteamentos e com um processo de ocupação acelerada. Parte da margem esquerda do Rio Itaqui, bem como suas nascentes possuem declividades mais acentuadas, onde as matas ciliares estão conservadas e praticamente sem ocupação urbana. Já na sua margem esquerda, a mata ciliar é praticamente inexistente. Este desmatamento, juntamente com o uso inadequado do solo, proporciona o carregamento de sedimentos, fazendo com que ocorra o assoreamento do seu leito natural, ocasionando enchentes. (COMEC, 1999). Porém as nascentes de água encontram-se ameaçadas, pois de acordo com os dados do EIA/RIMA (1996, p. 310) existe um alerta para o problema do soterramento de nascentes, entende-se que esta ameaça se encontra em execução em alguns platôs que compõe o Parque Industrial, pois tal como foi concebido, atinge e soterra, em sua porção sul, nascentes e pequenos córregos que dispunham de mata ciliar (Floresta Ombrófila Mista Aluvial). Tal fato pode resultar em prejuízos ao sistema hídrico local e à fração da biota que dele depende, intervindo diretamente sobre reservas ecológicas protegidas por lei. Este impacto atinge a área diretamente afetada e ocorrerá no instante em que as obras atinjam esse ponto e será

6 6 permanente e irreversível. Portanto, a sua magnitude e importância podem ser consideradas grandes, principalmente tendo-se em vista que em determinados pontos, o soterramento de cursos d'água deverá se dar em um desnível superior a 20m. Conforme Carta da Comissão Executiva Estadual do Partido Verde ao Presidente da Renault, datada de 29/03/96, alertava: A operação das industrias no Distrito Industrial deverá gerar um certo volume de resíduos sólidos, líquidos e gasosos, todos eles com potencial poluidor do lençol freático (1996, p.4), indicando assim um aumento da poluição dos aqüíferos subterrâneos O EIA/RIMA (1996, p. 309) também evidenciou o risco do escoamento superficial, que com execução de obras civis, especialmente a pavimentação de ruas e estacionamento, impermeabilizarão uma parte substancial do terreno, fazendo com que a parcela de água proveniente das precipitações pluviométricas que se infiltraria no subsolo, escoe em superfície, aumentando o runoff e causando uma sobrecarga no sistema de drenagem superficial natural. Este impacto afeta a área de influência indireta, ou seja, as sub-bacias dos rios: Pequeno e Itaqui, em suas porções a jusante do empreendimento. A ação impactante teria efeito imediato e progressivo a partir do início das obras, podendo ser considerada permanente e irreversível a partir daí, pois terminada a implantação do empreendimento, as condições não serão revertidas. Para Branco Rocha (1936), o escoamento superficial das águas de chuva e ou de irrigação pode causar transporte horizontal não só de matérias orgânicas em solução, mas também de finas partículas em suspensão, ocasionando grandes deslocamentos de solo das regiões mais altas para os vales, rios, lagos e oceanos. Atualmente, as evidências mostram que os riscos alertados pelo EIA/RIMA estão se concretizando sem que ações por parte dos órgãos competentes tenham sido encaminhadas. Segundo Oliveira (2002), ocorreu a obstrução de um córrego que está causando o alagamento de uma propriedade rural em São José dos Pinhais, fundos da montadora Renault. O problema ambiental surgiu ainda durante a terraplanagem para a construção da montadora, e a situação está se agravando diariamente, pois além da transformação da vegetação, grande parte da propriedade está improdutiva. A Comissão Executiva Estadual do Partido Verde em carta dirigida ao Presidente da Renault alertava também sobre o incremento no volume das enchentes. A impermeabilização progressiva do solo terá como efeito previsto o aumento do coeficiente de escoamento superficial, em razão da redução da infiltração, gerando sobrecarga da rede de drenagem superficial. [...], pois deverá acontecer sempre que a precipitação pluviométrica alcance determinada patamar, sendo, uma vez deflagrada, irreversível (1996, p. 4). Estes fatos também foram levados a conhecimento do Ministério Público (12/2002), através de denúncia do Conselho Municipal do Meio Ambiente, de São José dos Pinhais, acrescentando informações sobre a poluição do rio Pequeno, decorrente dos resíduos industriais da

7 7 Renault, causando um grande volume de espuma sobre as águas e mortandade de peixes. Guerra e Cunha (2003) enfatizam que na área de encostas tanto o desmatamento como crescimento da área urbana reduz a capacidade de infiltração aumentando o escoamento superficial, promovendo desta maneira, a erosão hídrica nas encostas o que acarreta em um maior volume de sedimentos para a calha fluvial podendo resultar no assoreamento do leito e enchentes na planície de inundação. 4. Área de Proteção Ambiental - APA Os mananciais são as fontes de onde a água é retirada para o abastecimento e consumo. Por isso eles são tão importantes e precisam ser preservados. Infelizmente, os mananciais que abastecem a população vêm sendo comprometidos pelo desmatamento, exploração incorreta do solo, subsolo e utilização exagerada de agrotóxicos. Foi desta necessidade que surgiu a regulamentação o uso e a ocupação das diversas atividades humanas de modo a assegurar a proteção, melhoria e recuperação da qualidade ambiental, criando-se as chamadas Áreas de Proteção Ambiental - APA. Andreolli et al. (s.d) diz que um manancial sofre degradação quando há um crescimento populacional sobre ele, que por conseqüência, gera a impermeabilização do solo, remoção florestal, aumento de lançamento direto de lixo e esgoto, aterros sanitários, etc. No caso dos mananciais urbanos, os problemas com o lixo e esgoto sanitário são os que mais atuam para a degradação de mananciais de abastecimento. Já, uma Área de Proteção Ambiental é assim declarada com o objetivo de proteger valores ambientais significativos, assegurar o bem estar da população humana e/ou melhorar as condições ecológicas locais. Uma APA é criada por decretos em nível, Federal, Estadual e Municipal em terras públicas ou privadas, quando houver relevante interesse público (THEODOVICZ, 1994). Dentro do limites geográficos das APAs é necessário que seja estabelecida uma zona de vida silvestre, na qual será regulado o uso dos recursos naturais, sendo proibida qualquer atividade de terraplanagem, mineração, dragagem e escavação que venham a causar danos ou degradação ao meio ambiente e/ou perigo as pessoas, bem como a implantação e o funcionamento de indústrias potencialmente poluidoras, cujas normas reguladoras serão estabelecidas pelo Poder Público (1994). Na delimitação física que se tornou objeto desta pesquisa, encontra-se o Rio Pequeno, que é protegido ambientalmente pelo Decreto Estadual nº 1752/96 - que Institui a APA na área de manancial da bacia hidrográfica do Rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno, localizada no município de São José dos Pinhais, com área aproximada de 6.200,00 ha. Diariamente novas áreas urbanização estão se consolidando nas periferias das grandes cidades, não só em áreas de fácil acesso e ocupação próximas ao centro, como também em lugares

8 8 deficitários de infra-estrutura e/ou com alta declividade, normalmente, de importância hídrica, podendo estar localizadas neles inúmeras nascentes de rios, lagos de represas, constituindo um meio ecológico frágil. Apresentando características que facilitam a erosão e a contaminação pelos esgotos, resíduos sólidos e lixo, assim se faz necessário que normas rígidas e leis para ocupação e uso da terra se façam presentes, tanto para fins de habitação, quanto para outros tipos de manejo, apontando para os diferentes problemas de risco e vulnerabilidades a que estão sujeitas as populações urbanas ricas e pobres (PENNA, 2002). Assim, pode-se até mesmo afirmar que os recursos hídricos estão sendo diariamente comprometidos pela degradação doméstica, industrial e agrícola, bem como por desequilíbrios ambientais resultantes do desmatamento e uso indevido do solo, pois ali as coisas acontecem rapidamente e longe de uma visão interdisciplinar que norteie o planejamento e a consolidação de políticas ambientais diretamente voltadas para um enfoque do ecodesenvolvimento. Há que se considerar uma APA como área de extrema importância para o meio ambiente e para a sociedade, coube então a esta pesquisa, salientar que a área destinada à implantação do Distrito Industrial de São José dos Pinhais, está localizada na APA do rio Pequeno. Acatando as observações de Azzolin (2001), o local onde está instalada a Renault pertencia a uma zona denominada área de Proteção Ambiental criada com a função de proteger as bacias hidrográficas, houve porém, necessidade de promover alteração na legislação que normatiza essas áreas para a instalação da Renault. 5. Sociedade e Economia O processo de globalização se fez presente na região a partir de 1990, quando o Município foi incluído por força de acordos, leis e decretos nacionais e internacionais na economia mundializada, com a implantação do Complexo Industrial Automotivo por meio da criação do Distrito Industrial. Em função destes arranjos produtivos, pode-se observar que houve uma nova dinâmica na economia municipal, interagindo com a RMC, com os demais Estados e com as outras regiões produtoras em escala internacional, pois o Município passou a importar peças e componentes automotivos, amparando-se no sistema produtivo draw-back 2 para importar bens acabados. Com a criação dos Distritos Industriais, bem como a implementação de algumas infraestruturas, o Governo do Estado indica o Município para a instalação da montadora Renault e posteriormente da Volkswagen-Audi, que fortalecem o setor automotivo no Estado (GUERRA; CUNHA, 2003). Assim, Renault e Volkswagen-Audi são consideradas empresas-mãe, pois, atraem 2 Este recurso permite que as empresas exportadoras tenham isenção fiscal para os produtos importados quando estes forem re-exportados (RATTI, 2002).

9 9 diversas outras empresas de menor porte para servirem suas matérias primas, dentro das unidades de montagem. Esta região passa a produzir, então, bens de alto valor agregado para o país e para o resto do mundo. São José dos Pinhais hoje é considerada uma região que participa do ambiente mercadológico - arena global. Para elaborar uma reflexão sobre os possíveis impactos sócio-ambientais ocasionados pela implantação do Complexo Industrial Ayrton Senna, faz-se necessário analisar as repercussões sócio-econômicas, bem como entender a opção do Estado do Paraná em promover o crescimento econômico por força da industrialização. Durante as décadas de 30 ao final de 80, baseado no pensamento econômico keynesiano, coube ao Estado criar oportunidades de empregos e de negócios, sendo ele próprio o Estado-empresário que podia e devia intervir na economia e na distribuição de renda, de modo a zelar pela qualidade de vida dos cidadãos, criando empresas estatais e fusões com empresas estrangeiras, em áreas e em segmentos econômicos em que o capital privado não se interessava (FEIJÓ, 2002). A partir da década de 90, este modelo deu lugar ao pensamento econômico e distributivo do neoliberalismo que determinou um novo papel para o Estado, também denominado papel mínimo do Estado. A partir de então, coube a iniciativa privada promover o crescimento econômico e o mercado volta a ser o regulador dos investimentos necessários para o crescimento econômico, embora amparado por incentivos governamentais. As políticas de industrialização saíram da esfera central do Governo Federal e passaram para a esfera política de cada unidade da Federação. O crescimento econômico, das regiões, depende das políticas de investimentos fomentadas pelo próprio Estado Federativo. Desta forma, cabe aos Estado e às regiões criarem oportunidades de atração para o capital internacional, a fim de participar efetivamente do processo de globalização. A partir da década de 1990, com a abertura econômica do Brasil, este processo tomou características regionais diferenciadas, pois os governos passaram a oferecer oportunidades de incentivos fiscais, creditícios legais e mercadológicos, enquanto isso, os Estados federativos passaram a competir entre si para atrair os grandes investimentos tendo como conseqüência à guerra fiscal. O segmento econômico industrial traz consigo a promessa do desenvolvimento econômico, por conta do crescimento das indústrias de produtos de massa, consubstanciadas pelos fatores tecnológico, social e mercadológico, com um discurso de ocorrer melhor distribuição de renda e melhoria na qualidade de vida a todos os participantes. Assim, a distribuição de riqueza é feita tanto pelo aumento do número de empregos que a indústria gera, quanto pelo melhor salário pago. Este resultado é devido ao valor agregado que é inserido nos bens produzidos pelo processo industrial, conforme os quadros a seguir.

10 QUADRO 1 - EVOLUÇÃO DA INSTALAÇÃO DE INDÚSTRIAS EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. Período Instalação de indústria Média por ano 1940 a a Total de Indústria em Fonte: Secretaria do Trabalho do Município de São José dos Pinhais O quadro 1 comprova o grau de atratividade do município para o processo de industrialização, enquanto que o Quadro 2 mostra o número de habitantes de São José dos Pinhais que fazem parte do quadro de funcionários da Renault e Audi. 10 QUADRO 2 - QUADRO DE FUNCIONÁRIOS DA RENAULT E AUDI RENAULT Nº de pessoas Nascidas em São José dos Pinhais e que residem em São José dos Pinhais 041 Nascidas em São José dos Pinhais e que não residem em São José dos Pinhais 005 Nascidas em outras localidades, mas que residem em São José dos Pinhais 321 Total de funcionários do Paraná 873 Total de Funcionários AUDI Nº de pessoas Funcionários de São José dos Pinhais 505 Curitiba e RMC Outros 159 Total de funcionários Fonte: Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais, Observa-se que dos funcionários, somente 46 trabalhadores sãojoseenses foram incluídos nos postos de trabalho criados pelo processo de industrialização do município, quebrando a promessa de crescimento econômico e melhoria na qualidade de vida da população. Outro ponto a ser considerado e questionável é o incentivo do Estado ao município por conta da distribuição de renda gerada pelas iniciativas e investimentos privados no Estado. Do que é produzido, tributa-se. O tributo é o recurso legal que os Estados têm para fazer frente aos gastos dos governos, tais como pagamentos dos salários dos funcionários públicos, investimentos nas áreas de saúde, educação, infra-estrutura e incentivos. Parte do tributo total do Estado é devolvido aos municípios para que os mesmos possam também fazer frente aos seus gastos municipais. Um dos tributos em questão é o ICMS Ecológico, que o Estado repassa para os municípios que têm Programas de Proteção e Conservação do Meio Ambiente. O Quadro 3 apresenta uma problemática que poderá ser aprofundada em trabalhos futuros. QUADRO 3 - EXTRATO FINANCEIRO DO ICMS E ICMS ECOLÓGICO Ano Total de ICMS repassado ao Município (A) % ICMS Anual Total de ICMS Ecológico repassado (B) % ICMS Ecológico Anual , ,43-10, ,17 18, ,01 20,27 10, ,88 (1,34) ,77 (25,40) 8, ,37 19, ,18 (4,93) 6, ,08 32, , , ,62 55, ,91 23,81 4, ,12 25, ,51 14,80 4, ,05 27, ,19 51,54 1,52 Fonte: Secretaria de Estado da Fazenda, B/A

11 11 Diante dos fatos e estatísticas analisadas, observa-se que houve uma redução drástica no percentual do ICMS Ecológico repassado ao município, contrastando com a política de incentivo fiscal que promove a preservação ambiental do município. Enquanto a arrecadação do município cresceu na ordem de 359% no período de 7 anos, o repasse do Estado diminuiu de 10,73% para 1,52%. 6. A fome e as repercussões para a saúde da população do município São José dos Pinhais é uma cidade que traduz a tipicidade do modo de produção vigente no Brasil e no Paraná, apresentando os mesmos problemas de desigualdades sociais, resultantes do intenso crescimento que ocorreu de modo acelerado e desordenado na última década (PEREIRA, 2003). Discutir, portanto, a questão da fome é tratar de um assunto complexo e perigoso, (CASTRO 2002) questiona as causas ocultas desta verdadeira conspiração de silêncio em torno da fome. Para cada mil publicações tratando dos problemas da guerra, pode-se contar apenas um acerca da fome. No entanto, os estragos produzidos por esta calamidade, são maiores que as guerras e as epidemias juntas. O fato universalmente comprovado é de que a fome constitui a causa mais constante e efetiva das guerras e a fase preparatória do terreno, quase obrigatória, para a eclosão de epidemias. (CASTRO, 2002) Para Doretto et al. (2003), no Mapeamento da Pobreza no Paraná, pesquisa efetuada com base nos microdados do Censo Demográfico do Paraná de 2000, identificou o contingente de pessoas abaixo da linha de pobreza dentro do território estadual, o critério utilizado para esta classificação foi a renda per capita disponível (0,25 salário mínimo) para aquisição de alimentos. Como resultado foi encontrado que a RMC apresentava um total de pessoas, das quais , ou seja, 8% encontravam-se abaixo da linha de pobreza. Destes, localizavam-se em São José dos Pinhais, segundo maior foco paranaense da fome, atrás apenas de Curitiba que apresentava pessoas abaixo da linha de pobreza. O entorno do distrito industrial de São José dos Pinhais, evidencia claramente estas condições, na medida em que os problemas sociais são agravados com a instalação da Empresa Automotiva, que remetem a entidades assistenciais e religiosas cuidar dos famintos que convivem neste mesmo espaço. As informações disponíveis sobre a situação de saúde não poderiam deixar de refletir também esta realidade. Houve um aumento significativo no índice de mortalidade infantil nos anos de 1999 e 2000, seguido de um decréscimo nos anos de 2001 e Estes valores são maiores que os

12 12 encontrados na 2ª Regional de Saúde 3 que foram os seguintes: Mortalidade Infantil 4 (1.000 NV) /13,42; 2000/23,87; 2001/20,79 e 2002/18,81; por sua vez, para o município os índices disponíveis foram os seguintes: 1999/17,77; 2000/18,44; 2001/17,06; 2002/15,59. Se por um lado os índices apresentados são reconhecidos mundialmente como baixos, por outro, a definição de faixas de valores da Taxa de Mortalidade Infantil TMI consideradas altas ou baixas é sempre arbitrária, e sujeita a controvérsias. Por sua vez, as comparações entre diferentes populações, ou entre diferentes períodos, são úteis na avaliação da sua magnitude. (MEDRONHO et al, 2002). Szwarcwald, citado por Medronho, afirma que a redução da TMI no Brasil de 1979 a 1989 é marcada pela instabilidade. Este padrão de instabilidade de queda da TMI deve-se às variações da economia. Segundo Vermelho, Costa e Kale In: Medronho: (...) Seus efeitos negativos, conseqüentes à agudização da pobreza, interagem com os efeitos da implementação de políticas sociais e de programas de prevenção e controle de doenças, como o programa de imunizações e a implantação da terapia de reidratação oral, levando às flutuações observadas. (...) A Taxa de Mortalidade Infantil Pós-Neonatal-TMIPN foi determinada por óbitos devidos a causas infecciosas, particularmente às diarréias, pneumonias e doenças imunopreveníveis. Ressalta-se o sub-registro dos óbitos devido a deficiências nutricionais. As causas perinatais foram responsáveis por grande parte dos óbitos neonatais. (2002, p. 41) Pode-se depreender desta análise, que nos anos estudados, as altas taxas de mortalidade infantil verificadas no município de São José dos Pinhais, refletem condições de saúde e de vida precárias como conseqüência das deficiências apresentadas pelo aparelho de Estado, que não está organizado para responder estruturalmente e não se mostrou capaz de satisfazer adequadamente as demandas da comunidade. 7. Método Para realização deste trabalho buscou-se construir um caminho metodológico de pesquisa não convencional, não primando o método sobre a realidade; ao contrário, partindo da realidade social na sua complexidade, na sua totalidade qualitativa e quantitativa, na sua marcha histórica, também dotada de horizontes subjetivos (DEMO, 1995). Uma postura crítico-dialética. Como método, utilizou-se a análise de conteúdo, que é um conjunto de instrumentos que se aplica a discursos extremamente diversificados. Como técnicas de pesquisa, pode-se referir ao contexto de 3 Divisão administrativa da Secretaria Estadual de Saúde do Paraná que possui um território de 29 municípios da região metropolitana de Curitiba. 2 Fonte: CIDS/DSI/ISEP/SESA, GPC/ISEP/SESA, DSS/ISEP/SESA, Ministério da Saúde/DATASUS, OPS, OMS

13 13 um estudo de caso, analisado a partir de informações secundárias (SALVADOR, 1986), observação em equipe, entrevistas despadronizadas (MARCONI & LAKATOS, 2002), para a realização de análise de conteúdo que é uma hermenêutica controlada, baseada na dedução: a inferência. E a hermenêutica é a arte de interpretar os textos sagrados ou misteriosos é uma prática muito antiga, onde os cientistas sempre acreditaram que por detrás de um discurso aparente geralmente simbólico ou polissêmico esconde-se um sentido que convém desvendar (BARDIN, 2000, p. 14). A análise de conteúdo é útil para se compreender a comunicação de um discurso além dos seus significados imediatos. É um conjunto de técnicas que analisa a comunicação, e que oferece uma avaliação e uma análise que terão a virtude da objetividade e revelarão também os aspectos do material que poderiam ter escapado ao exame minucioso do clínico (BARDIN, 2000). Por fim, a análise de conteúdo é um recurso que tem por objetivo fazer análise material do qualitativo. Os sujeitos desta investigação foram moradores do Município de São José dos Pinhais/PR, escolhidos aleatoriamente, conduzidas no período de 05 a 13 de novembro de Como instrumento de pesquisa para a coleta de dados, optou-se por entrevistas semiestruturadas, e dentre as várias perguntas que nortearam o interesse, centrou-se os problemas sócioambientais ocasionados na região, após a implantação do Complexo Industrial Automotivo Renault. As entrevistas foram analisadas seguindo o método de análise qualitativa descrito por Bardin (2000). Iniciou-se o trabalho com a leitura das entrevistas, destacando pontos importantes relacionados aos possíveis impactos sócio-ambientais. De posse dessas informações, efetuou-se o levantamento de categorias de impactos ambientais e sociais, comparando-os, em seguida, com todas as entrevistas realizadas, no intuito de verificar pontos em comum, os quais foram relacionados à teoria apresentada nesse trabalho. 8. Análise e Discussão dos Resultados Com base nos resultados das entrevistas, levantou-se como categorias de impactos: 1) Impactos Ambientais: a) Diminuição da APA e ocupação irregular de área de preservação Houve uma modificação na legislação estadual que determina a extensão da área de preservação ambiental de São José dos Pinhais, a fim de possibilitar a construção do Distrito Industrial. Nós abrimos mão da fonte da vida para instalar uma indústria poluidora (Entrevista 1). Nós tamos aqui dentro de uma área onde toda ela se volta para a preservação. Aqui tempos água, a fonte da água pura está aqui (Entrevista 4). Essa região era tida como manancial e não era pra ter casa (Entrevista 6).

14 14 Pelo relato das entrevistas, percebeu-se que a Constituição Federal não foi e não está sendo cumprida, uma vez que houve uma alteração de legislação para a implantação de uma indústria dentro de uma região de preservação e a ocupação e uso do solo na área de proteção continua ocorrendo. b) Poluição do rio Pequeno e do rio Itaqui O relatório do Conselho Municipal do Meio Ambiente (2002) apontou que o entorno Distrito Industrial apresenta sérios problemas de impacto ambiental causando transtornos para os moradores da região, bem como para as nascentes, córregos e rios, como o rio Pequeno, fatos que também são apontados no relato das entrevistas citadas. Foi constatado grande volume espuma sobre as águas dos rios, em decorrência do esgoto lançado pela Renault (Entrevista 1). O rio piorou muito. O rio era limpo. Dava pra pescar e tudo. Agora é uma sujerada tudo e os banheiros caindo dentro do rio (Entrevista 8). Eles jogam a culpa na Renault mais tem casa que joga o esgoto tudo no rio (Entrevista 9). Quando eu cheguei aqui era um buracão de valeta ai nois manilhemo com 40 manilha que o prefeito ajudou, pra fazer o esgoto até o rio. Quando eu cheguei aqui era um buracão de valeta ai nois manilhemo com 40 manilha que o prefeito ajudou, pra fazer o esgoto até o rio. (Entrevista 10). Ah, é a Renault que jogava sujeira no rio, esvaziava e ficava assim, ó, a parte de baixo... Mas a Renault continua jogando sujeira no rio? Joga não. Agora quem joga é os morador. Joga esgoto de todas as casas e fica assim, ta vendo? [...] Aqui tem muita poluição, tem esgoto no rio (Entrevista 11). Estes fatos foram levados, através de denúncia do Conselho Municipal do Meio Ambiente, a conhecimento do Ministério Público de São José dos Pinhais (12/2002), sobre a poluição do rio Pequeno decorrente dos resíduos industriais da Renault, causando um grande volume de espuma sobre as águas e mortandade de peixes. Mesmo assim, o problema ainda não foi solucionado. c) Contaminação do lençol freático De acordo com o EIA/RIMA (1996), na fase de implantação do empreendimento Renault, foram previstos impactos sobre praticamente todos os fatores ambientais. No que diz respeito ã qualidade da água, o documento relata: A qualidade da água também se verá afetada, pelo aumento do escoamento superficial, causando sobrecarga na rede de drenagem de superfície; bem como pelo soterramento de drenagens e nascentes, causando prejuízo ao sistema hidrológico, podendo provocar o incremento do volume de enchentes localizadas. A modificação da qualidade das águas, pela alteração de parâmetros físicos, químicos, biológicos e de suas características organolépticas, resultará de um modo geral em aumento de áreas inundáveis e dos índices de insalubridade registrados e, conseqüentemente, na incidência de doenças. (EIA/RIMA, 1996, p. 439)

15 Quando estavam, os tratores tavam trabalhando, eles jogavam alguns óleos do trator do lado debaixo da estrada e aquilo, o pessoal só tem poço, não tem água encanada e o poço deles chegava com a água cheia de óleo e eles não tinha o que tomar. (sic) (Entrevista 4). Olha o que fizeram. Isso ai foi tudo eles que fizeram. Encheram de terra, a nossa água do poço não presta mais. Eu moro aqui a dezoito anos, até antes da vinda da Renault eu usava a água para beber, fazer comida, tudo. E os vizinhos também. Depois da instalação da Renault a água tem mau cheiro, cheiro de podre e a cor diferente. A gente tem de pegar lá em cima, do vizinho, pra beber. Pra fazer comida e beber não tem como essa água. (Entrevista 7). 15 Conforme Carta da Comissão Executiva Estadual do Partido Verde ao Presidente da Renault, datada de 29/03/96, alertava: A operação das industrias no Distrito Industrial deverá gerar um certo volume de resíduos sólidos, líquidos e gasosos, todos eles com potencial poluidor do lençol freático (p. 4), indicando assim um aumento da poluição dos aqüíferos subterrâneos. Percebe-se pelas entrevistas, que o lençol freático superficial na região do Distrito Industrial, encontra-se alterado. d) Alagamentos Quando a Reneault ia ser instalada aqui, algumas pessoas do meio ambiente chamaram a gente e alertou para os possíveis alagamentos que poderia ter aqui e hoje quando enche, fecha tudo. Tudo isso aqui fica embaixo da água (sic) (Entrevista 6). De acordo com o dados do EIA/RIMA (1996, p.319 v II), possíveis riscos e impactos ambientais poderiam ocorrer na região, com as obras civis no local do Distrito Industrial, onde parte da cobertura vegetal correspondente à Estepe Gramíneo-lenhosa poderia sumir, o que resultaria no empobrecimento da diversidade florística local e, conseqüentemente, da biodiversidade. A supressão desta vegetação pode ter sido de caráter permanente e isto seria irreversível, pois a vegetação retirada não poderá ser reposta. Nesse caso, a capacidade de resiliência seria nula. O papel importante deste tipo de cobertura vegetal em área de mananciais, que não vai mais ser exercido, é o de proteção mecânica do solo nas áreas de extravasamento natural dos cursos d'água, ou onde recorrentemente ocorram inundações por elevação do lençol freático. A Comissão Executiva Estadual do Partido Verde em carta dirigida ao Presidente da Renault alertava, também sobre o incremento no volume das enchentes: A impermeabilização progressiva do solo terá como efeito previsto o aumento do coeficiente de escoamento superficial, em razão da redução da infiltração, gerando sobrecarga da rede de drenagem superficial. [...] pois deverá acontecer sempre que a precipitação pluviométrica alcance determinada patamar, sendo, uma vez deflagrada, irreversível (1996, p. 4). 2) Impactos Sociais a) Migração/Fome

16 Nesses 5 anos, um borbulhar de tanta gente vindo de tantos lugares, o crescimento, a população de todos os lugares vindo do Brasil todo, da propaganda que se fala, de busca de empregos, e não existe este emprego. É uma ilusão. [...], então esta questão social é muito séria [...] e a gente está vendo a pobreza [...], famílias passando fome [...], mulheres que são abandonadas. Os maridos vão embora e deixam aqui a mulher com 4 ou 5 filhos. Pessoas vem pedir cesta básica, ajuda, chegavam, aí a gente vai conversar, né, de onde o senhor vem, o que vem fazer... Olha, nos viemos, eu vim para trabalhar na Reneault, atrás de emprego. O senhor tem algum curso? Não, sou analfabeto. É analfabeto. Não sabe ler, nem escrever. Vinha iludido? Vinha iludido. nós temos dentro desse projeto muitas famílias que vem aqui buscar, passando fome, necessidade. Então vem aqui em busca de cesta básica, como que pode ajudar. E nós ajudamos bastante. Chegamos a dar 300 cestas por mês, acompanhando isso. Tem muita criança passando fome. Então nós fomos buscar alternativas para isso. Então usamos a cozinha comunitária, atendemos hoje 300 crianças no almoço todos os dias de segunda a sexta. Está aqui na capela próxima e estão convidados a almoçarem pra conhecer. (Entrevista 4) Eu conheço muita gente desempregada aqui, que ta passando até necessidade de fazer até campanha de alimentos pra muitas pessoas que tavam passando necessidade porque não tinham emprego. Tinham a certeza de que com duas montadoras ia ter emprego pra todos, mais a gente sabe que não é assim não. Gera emprego, isso não tem dúvida, mais não é tudo isso (sic) (Entrevista 5). Teve muita gente que veio morar pra atrais de emprego (sic) (Entrevista 8). 16 O Mapeamento da Pobreza no Paraná, trabalho organizado por uma equipe técnica do IAPAR, mostra resultados que indicam uma intensa desigualdade distributiva das pessoas pobres dentro do território estadual, considerando a sua ocorrência em regiões consideradas rurais, urbanas e metropolitana no Paraná. Segundo este relatório, a RMC apresentava um total de pessoas, das quais ou seja 8% encontravam-se abaixo da linha de pobreza. Destes, localizavam-se em São José dos Pinhais, segundo maior foco paranaense da fome, atrás apenas de Curitiba que apresentava pessoas abaixo da linha de pobreza. b) Aumento da criminalidade/violência É, violência aumentou barbaridade aqui. [...] Eu acho que tanto perto de uma quanto de outra tem moradores ali que são até favelados, falando o português claro. No caso propriamente da Reneault, tem muitas famílias que invadiram ali e tão até hoje. Então, com aquilo aumentou a criminalidade, os assaltos, e muito mais. (Entrevista 5). Tem muito ladrão aqui e o povo não quer mais ficar aqui. Tem gente boa que vem de fora, mais tem muito ladrão também depois disso (Entrevista 9). A violência ta meio parada porque agora tem a polícia. Mas antes era muito assalto. (Entrevista 11). Outro impacto no âmbito social verificado na análise do conteúdo das entrevistas foi o aumento da violência e dos roubos após a implantação da indústria Renault. Fator decorrente do aumento da população, somado ao desemprego, conforme mostram os recortes já citados. c) Modificação no índice da mortalidade infantil A oscilação verificada no coeficiente de mortalidade infantil nos anos de 1999 a 2000, apresentando um sensível aumento e, nos anos de 2001 a 2002 apresentando um decréscimo,

17 17 desvela que a intervenção estatal tem se dado nas conseqüências do problema e não nas causas que determinam este evento. Diante da análise do perfil epidemiológico elaborado anteriormente, pode-se concluir que há necessidade de outros estudo sobre as causas dos principais coeficientes de saúde. Sugere-se destacar aqueles que apresentam significativa perda para os indivíduos atraídos pelo sonho de uma vida melhor, que incluiu a perspectiva de obtenção de trabalho na Renault. 9. Conclusão Como exercício interdisciplinar julgou-se a proposta do trabalho de fundamental importância para a construção da prática que soma diversos saberes e campos de atuação, pois entende-se que as necessidades do futuro hoje não mais requerem somente uma especialização, mas versatilidade e harmonia entre a formação especializada e o saber geral, de forma a assegurar a assimilação de novos conhecimentos e a capacidade de auto-apredizagem conforme ocorreu com o grupo, tanto na pesquisa de campo como na pesquisa bibliográfica. Assim, como pós-graduandos sujeitos de própria ação e do engajamento no processo de investigação descobriu-se e re-descobriu-se a importância da construção coletiva do conhecimento, superando a divisão do conhecimento em disciplinas e ao compartilhando as idéias, as ações e as reflexões de cada participante, fato que permitiu a cada parte do grupo sentir-se ao mesmo tempo "ator" e "autor" do processo. Desta forma, o que foi observado em campo levou a equipe a aprofundar o conhecimento dos autores que foram apresentados durante as aulas das disciplinas que enfocaram as Ciências da Natureza e as Ciências Humanas e Sociais do Curso de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento e a acrescentar outros autores que fundamentaram o trabalho de pesquisa. Conforme proposto nos objetivos no início deste estudo, pode-se constatar empiricamente que algumas das repercussões sócio-ambientais pesquisadas cientificamente não devem ser contidas apenas no desenvolvimento deste trabalho, mas consideradas como um referencial para novas pesquisas, dentre elas pode-se destacar: a contaminação do lençol freático, a poluição do Rio Pequeno, a diminuição da Área de Preservação Ambiental, a concentração da fome e da criminalidade, além do elevado coeficiente de Mortalidade Infantil no município de São José dos Pinhais. Ressalta-se ainda, que muito há que se explorar, pois as repercussões sócioambientais encontradas no município de São José dos Pinhais, após a implantação da fábrica destinada à produção de veículos automotores da marca Renault, deverão ser objeto de outros estudos mais aprofundados, a fim de contribuir para a compreensão dos impactos gerados na vida de parte da população brasileira e, que haja por parte de líderes quer sejam na esfera política local, regional,

18 18 estadual ou federal, pensadores críticos, que desafiem a realidade concreta e pensem politicamente a questão da relação entre homem/natureza refletindo sobre os possíveis projetos e alternativas de vida. 10. Referências ANDREOLI, C. V.; DALARMI, O.; LARA, A.I.; ANDREOLI, F.N.; Os Mananciais de Abastecimento do Sistema Integrado da Região Metropolitana de Curitiba RMC. Limites ao Desenvolvimento da Região Metropolitana de Curitiba, Impostos pela Escassez de Água. SANARE - Revista Técnica da Sanepar. (1) AZZOLIN, J. L. Uma avaliação da fórmula de distribuição do imposto relativo às operações de circulação de mercadorias e serviços (ICMS) aos municípios paranaenses p. Dissertação (Mestrado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, BRANCO, S. M.; ROCHA, A. L. Poluição, proteção e usos múltiplos de represas. São Paulo: Edegard Blücher, CETESB, CARTA DO PARTIDO VERDE PARA O PRESIDENTE DA RENAULT. 29 mar CASTRO, J. Geografia da Fome. Rio de Janeiro; Civilização Brasileira, COMEC - UTP do Itaqui, CONAMA. Definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Nº 001, de 23 de janeiro de Disponível em: Último acesso em: 03/11/2003. CUNHA, S. K.; OLIVEIRA, M. A.; CUNHA, J. C.. Clusters: novo padrão de especialização da indústria paranaense na década de 90. Política de Gestão Tecnológica. VI SEMEAD. Revista. s.d. DEMO, P. Saber pensar. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2002 DORETTO, M. et al.; Pobreza urbana e rural nos municípios paranaenses: situação segundo Municípios e Associações de Municípios, ano 2000 / IAPAR Londrina: IAPAR, (Relatório preliminar). EIA/RIMA. Relatório de Impacto Ambiental do Distrito Industrial de São José dos Pinhais. Curitiba: UNILIVRE, FEIJÓ, Ricardo. História do pensamento econômico. São Paulo: Atlas, FOLADORI, G. Uma tipologia do pensamento ambientalista. Texto trabalhado em sala de aula no curso de doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento na Universidade Federal do Paraná. Curitiba.(mimeo) 2003 FRANCO, M. A. R. Planejamento ambiental para a cidade sustentável. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2001 GUERRA, A.J.T; CUNHA, S. Degradação Ambiental. In: Geomorfologia Ambiental. GUERRA, A.J.T;

19 CUNHA, S.(orgs). 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, IAPAR. Cartas climáticas do Paraná. Londrina: Instituto Agronômico do Paraná, edição IBGE. São José dos Pinhais. Censo Disponível em: Acesso em: 12/nov IPARDES. Estudos para uma política de desenvolvimento industrial no Paraná. Curitiba: IPARDES, JACOBS, A. G. Dinâmica de uso e ocupação dos mananciais na região metropolitana de Curitiba Pr. Curitiba p. Tese (doutorado em Engenharia Florestal). UFPR LIMA, W. P. Apostila sobre Manejo de Microbacias Hidrográficas - cap. 4 (2003). disponível em: <http://lcf.esalq.usp.br/lhf>/. Último acesso em 15/11/03. MARCONI, M. De A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, MARTINS, H. E. P. et all. Sistemas regionais de inovação da indústria automobilística: O caso da Mercedes Benz em Juiz de Fora/MR. Disponível em: Último acesso em: 13/11/2003. MARTINS, G. de A. Metodologias convencionais e não-convencionais e a pesquisa em administração. São Paulo: Caderno de Pesquisa em Administração. Revista, v.00,n. 0, MAROCHI, M. A. Câmara Municipal de São José dos Pinhais: 150 anos São José dos Pinhais: Câmara de Vereadores, MEDRONHO, R. A. et al. Epidemiologia. São Paulo: Editora Atheneu, MINISTÉRIO PÚBLICO. Termo de declaração. Curitiba: Ministério Público, 17/12/2002, fls. 72 e 73. MORIN, E. Contrabandista dos saberes. In: PESSIS-PASTERNAK, G. Do caos à inteligência artificial. Tradução de Luis Paulo Rouanet. São Paulo: Editora da UNESP, OLIVEIRA, R. Problema ambiental criado na Renault não foi resolvido: dano foi causado durante construção da montadora. Curitiba: O Estado do Paraná, 12/06/2002. PENNA N. A. Urbanização, cidade e meio ambiente: GEOUSP - Espaço e Tempo. São Paulo: n. 12, pp. XX, PEREIRA, M. G. Epidemiologia teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. Disponível em: Último acesso em 02/12/2003. RATTI, B. Comércio internacional e câmbio. 10 ed. São Paulo: Aduaneiras, 2001 REIS, L. F. S. D.; QUEIROZ, S. M. P. Gestão ambiental em pequenas e médias empresas. Rio de Janeiro: Quality Mark, SALVADOR, A. D. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. Porto Alegre: SULINA,1986. SANTOS, M. Guerra dos lugares: Áreas inteiras do Brasil têm sido retiradas do controle do país. Especial para a Folha. Publicado em 08/09/99 no caderno Mais! Folha de São Paulo. São Paulo, A normalidade da crise: A tirania do dinheiro e da informação está na base do atual desarranjo do capitalismo global. Especial para a Folha. Publicado em 26/09/99 no caderno Mais! da Folha de São Paulo. São Paulo, 1999

20 SUDERHSA - Plano de Despoluição Hídrica da Bacia do Alto Iguaçu - v. 5. dez THEODOVICZ, A. M. Projeto Curitiba. Áreas naturais sob proteção na Região Metropolitana de Curitiba. Curitiba CPRM - Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba. TREWARTHA, G.T; HORN L.H. An introduction to climate. New York, McGraw-Hill, 5th ed., 1980.

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ

ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ ANÁLISE DO USO DA TERRA NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BARRAGEM PIRAQUARA II E SEUS AFLUENTES. PIRAQUARA PARANÁ 1. INTRODUÇÃO Otacílio Lopes de Souza da Paz Acadêmico de Geografia UFPR otacílio.paz@gmail.com

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO Declara Área de Proteção Ambiental - APA, regiões que específica, dando providências correlatas. O Governador do Estado de São Paulo. Faço saber

Leia mais

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente Programa 1305 Revitalização de Bacias Hidrográficas em Situação de Vulnerabilidade e Degradação Ambiental Numero de Ações 18 Ações Orçamentárias 101P Recuperação e Preservação da Bacia do Rio São Francisco

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria²

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² 434 SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE INDIANA-SP Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

GRUPO: MOBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL (Prefeitura de Contagem - Agenda 21- Contagem - Governo de Minas I.E.F. e COPASA)

GRUPO: MOBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL (Prefeitura de Contagem - Agenda 21- Contagem - Governo de Minas I.E.F. e COPASA) GRUPO: MOBILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL (Prefeitura de Contagem - Agenda 21- Contagem - Governo de Minas I.E.F. e COPASA) PORTFÓLIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ESCOLA ( COM CORPO DOCENTE E CRIANÇAS

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BAIRRO COHAB SÃO GONÇALO - CUIABÁ/MT: ANALISANDO IMPACTOS SOFRIDOS NA COMUNIDADE

A INTERVENÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BAIRRO COHAB SÃO GONÇALO - CUIABÁ/MT: ANALISANDO IMPACTOS SOFRIDOS NA COMUNIDADE A INTERVENÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BAIRRO COHAB SÃO GONÇALO - CUIABÁ/MT: ANALISANDO IMPACTOS SOFRIDOS NA COMUNIDADE Thaiane Cristina dos Santos - Universidade de Cuiabá Renner Benevides - Universidade

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DISCUSSÃO SOBRE OS PROBLEMAS DO CÓRREGO GUMITÁ NA CIDADE DE CUIABÁ - MATO GROSSO

IDENTIFICAÇÃO E DISCUSSÃO SOBRE OS PROBLEMAS DO CÓRREGO GUMITÁ NA CIDADE DE CUIABÁ - MATO GROSSO IDENTIFICAÇÃO E DISCUSSÃO SOBRE OS PROBLEMAS DO CÓRREGO GUMITÁ NA CIDADE DE CUIABÁ - MATO GROSSO Edson José de Castro Júnior (1) Acadêmico do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental pelo Instituto

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DECRETO Nº 6796 Altera e atualiza o Zoneamento Ecológico Econômico da Área de Proteção Ambiental denominada APA do Rio Verde. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Dispõe sobre a criação do Sistema de Identificação, Cadastramento e Preservação de Nascentes de Água no Distrito Federal e dá outras

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN Fernanda Gracielly Santos da Silva (*), Joel Medeiros Bezerra2 *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

TERRITÓRIO, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS NASCENTES DO RIO MUNDAÚ - GARANHUNS - PE

TERRITÓRIO, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS NASCENTES DO RIO MUNDAÚ - GARANHUNS - PE 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS COORDENAÇÃO

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA

IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO VERDE RMC - PARANÁ, BRASIL, POR MEIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA Profª. Drª. Sony Cortese Caneparo Profª. Associado - Departamento de Geografia

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental CAPÍTULO III Do Meio Ambiente Seção I Da Política Ambiental Art. 1º - São objetivos das políticas públicas para o Meio Ambiente: I - implementar as diretrizes contidas na Política Nacional do Meio Ambiente,

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. GEOGRAFIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de Geografia:

VESTIBULAR 2013 1ª Fase. GEOGRAFIA Grade de Correção. Instruções Gerais: Instruções para a prova de Geografia: Instruções Gerais: VESTIBULAR 2013 1ª Fase GEOGRAFIA Grade de Correção Hoje você deverá responder às questões de Artes e Questões Contemporâneas, História, Geografia e de Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS Contaminação atmosférica (industrial e doméstica) Contaminação acústica Contaminação dos mananciais Abastecimento

Leia mais

CAPÍTULO 10 MEIO AMBIENTE: QUESTÕES PARA A DISCUSSÃO. Mariângela Alice Pieruccini

CAPÍTULO 10 MEIO AMBIENTE: QUESTÕES PARA A DISCUSSÃO. Mariângela Alice Pieruccini CAPÍTULO 10 MEIO AMBIENTE: QUESTÕES PARA A DISCUSSÃO Mariângela Alice Pieruccini 339 10.1 INTRODUÇÃO Este capítulo procura, em suas breves considerações, apresentar alguns dos atributos necessários para

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO Feitosa, A.C. (DEGEO/NEPA-UFMA/SÃO LUÍS) RESUMO Os elementos e as interações do meio físico sempre influenciaram

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL

INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL 4 GESTÃO AMBIENTAL 4.1 INDICADORES DE GESTÃO AMBIENTAL As informações da publicação do IBGE Perfil dos Municípios Brasileiros, de 2008, contribuíram para a construção dos indicadores Estrutura da Gestão

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA 1 ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA MARQUES, Rafael José Graduando em Geografia Universidade Estadual do Piauí UESPI Técnico em Tecnologia Ambiental IFPI. (rafaeljmarques.geo@gmail.com)

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo fazer algumas considerações sobre o projeto de saneamento rural Água

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais