INDICE. Introdução: Estações Elevatórias de Esgoto Estações de Tratamento de Esgoto... 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5"

Transcrição

1 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 5 Página 1 de 21

2 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de março de 2009, conforme prevê o contrato firmado de PPP Administrativa, no que diz respeito ao esgotamento sanitário do município de Guaratinguetá, que compreende 12 Estações Elevatórias de Esgoto, quais sejam: Chácara Selles, Centro (Defesa Civil), Jardim do Vale, Bom Retiro, Pingo de Ouro, Vitória, Jequitibás, Belo Horizonte, Internacional Parque, São Manoel Rua I, São Manoel Rua III e Jardim Rony; além de 03 Estações de Tratamento de Esgoto, as ETE`s Campo do Galvão, Vila Bela e Pedrinha, e demais atividades correlatas à prestação de serviço de tratamento de esgoto do município. Estações Elevatórias de Esgoto Demos continuidade às vistorias periódicas das EEE s, com a frequência de 2X / semana (segundas e sextas), no mínimo, a fim de avaliar as condições de funcionamento dos equipamentos (bombas, bóias, painéis,etc), fazendo o registro das informações em check list`s, confeccionados para tal, que se encontram, anexados, neste relatório e em Livro de Ocorrência, à disposição para consulta em nossas instalações. Retornamos com as limpezas dos poços das EEE`s, no mês que faz referência este relatório, a fim de atender a programação previamente elaborada para o serviço supracitado. Realizamos a limpeza externa e interna, com corte e capina de grama, além da limpeza dos poços das EEE`s Bom Retiro, Jardim Rony, Centro (Defesa Civil), São Manoel, ruas 1 e 3, Jequitibás, Internacional Parque e Jardim do Vale. Nas Estações Elevatórias Vitória e Belo Horizonte realizamos somente a limpeza dos poços, ficando o corte da grama interna e externa para o mês de abril. Nas EEE`s Jardim do Vale e Rony realizamos também a pintura dos respectivos portões, mourões e os locais onde se encontram instalados os painéis elétricos. Página 2 de 21

3 Relato Fotográfico Após as Intervenções nas EEE`s EEE Jardim Rony EEE Bom Retiro EEE Internacional Parque Página 3 de 21

4 EEE Jequitibás EEE São Manoel Rua 3 EEE Jardim do Vale Página 4 de 21

5 EEE São Manoel Rua 1 Instalamos a válvula de retenção de 4 na linha de recalque da bomba 2, de esgoto bruto da EEE do centro (Defesa Civil), conforme havia sido programado. Além disso realizamos a manutenção no conjunto girante da bomba 1; Instalamos a bomba Imbil, auto escorvante, modelo E-3, na Estação Elevatória de Esgoto Belo Horizonte, em substituição à bomba submersível, que se encontrava em operação no local, e que apresentou problema. A mesma será retirada e encaminhada para a manutenção em empresa habilitada para tal; Por solicitação da SAEG realizamos o Levantamento Topográfico e o Memorial Descritivo da área que compreende a Estação Elevatória de Esgoto do Pingo de Ouro e suas delimitações, de acordo com a referência feita no relatório do mês de fevereiro de 2009, e os anexamos ao processo de desapropriação da Elevatória em referência, aberto pela Companhia de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. A instalação da bomba Flyght, na EEE Pingo de Ouro, será concluída posteriormente ao parecer final de desapropriação da área referente a Estação Elevatória de Esgoto supracitada. Estações de Tratamento de Esgoto ETE - Campo do Galvão Em referência as alterações que se fazem necessárias na ETE Campo do Galvão, registradas no relatório referente ao mês de julho de 2008, cumpre-nos informar o seguinte : Página 5 de 21

6 - Finalizamos as obras necessárias para a instalação dos medidores de vazão, entrada e saída da ETE, já com a instalação das respectivas Calhas Parshall, neste mês a que se refere este Relatório. Está restando apenas a instalação dos instrumentos de medição (entrada e saída do processo), o que será agendado para o mês de abril de Contudo isso não impede de que sejam realizadas as leituras das vazões do esgoto bruto e tratado através da Calha Parshall; - Estaremos definindo a empresa e o período de início das obras para a construção da Estação Elevatória do Lodo Recirculado, além do redirecionamento desta contribuição para o Tanque de Aeração, possivelmente para os próximos meses; - Continuamos a estudar ainda, dentre outras coisas: viabilizar o encaminhamento do lodo descartado para o Adensador e posteriormente para os Leitos de Secagem (atualmente não há cota para encaminhamento do Adensador para os Leitos de Secagem); realizar a manutenção nas válvulas que são utilizadas para a recirculação do lodo, uma vez que as mesmas se encontram em processo de corrosão, apresentam folga e não se encontram com boa vedação. Contudo algumas ações mais imediatas foram realizadas no período de vigência deste relatório, quais sejam: - Demos continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com o corte da grama e a varrição e o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, realizados pelos operadores, além da limpeza e organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo, por funcionária contratada para tal, seguindo programação elaborada previamente; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Realizamos novamente a limpeza na Caixa de Areia e Elevatória que recebe o esgoto bruto que aflui a Estação de Tratamento de Esgoto em referência, com auxílio do caminhão Hidrovácuo e com equipe disponibilizada para tal; Página 6 de 21

7 - Realizamos a substituição das cordas por cabos de aços, utilizados na fixação dos aeradores nos Tanques de Aeração; - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 05/03/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Esses resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nºs e Houve uma redução em termos da DBO em 86,83 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 49 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. ETE - Vila Bela Na ETE Vila Bela demos prosseguimento a algumas ações que identificamos necessárias, que foram relacionadas no relatório referente ao mês de julho de 2008, quais sejam: - Programamos o início das obras para a instalação dos medidores de vazão, entrada e saída da ETE, para o mês de abril de Os medidores de vazão e a Calha Parshall, a ser instalada para a leitura da vazão do esgoto tratado (a do esgoto bruto já se encontra instalada), já estão nas nossas instalações; - Estaremos definindo a empresa e o período de início das obras para a construção da Estação Elevatória do Lodo Recirculado, além do redirecionamento desta contribuição para o Tanque de Aeração, possivelmente para os próximos meses; Continuamos estudando ainda, dentre outras coisas : reavaliar o uso dos Adensadores de Lodo no processo, uma vez que o lodo decantado vem sendo encaminhado para a Elevatória do Esgoto Bruto e os descartes não são realizados de acordo com freqüência estabelecida a fim de manter o equilíbrio de lodo do sistema; Página 7 de 21

8 De qualquer forma foram realizadas algumas ações mais imediatas, no período de vigência desse Relatório, quais sejam : - Demos continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com a varrição e o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, realizados pelos operadores, além da limpeza e organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo, por funcionária contratada para tal, seguindo programação elaborada previamente; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Substituímos novamente o aerador 1, que apresentou barulho anormal, encaminhando-o para reparos em empresa credenciada pata tal; - Realizamos a substituição das cordas por cabos de aços, utilizados na fixação dos aeradores nos Tanques de Aeração; - Programamos a recuperação total e pintura das plataformas (pisos), que circundam os Tanques de Aeração, bem como os guarda corpos que delimitam os mesmos, por já estarem apresentando processo corrosivo nas suas estruturas. O serviço terá início em 01 de abril do ano em vigência e será realizado por empresa contratada para tal; - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 05/03/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Os resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nº e Houve uma redução em termos da DBO em 77,78 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 20 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. Página 8 de 21

9 A eficiência de tratamento ficou aquém do que se vinha observando normalmente, ainda em consequência da incidência de chuvas no início deste mês, quando da coleta realizada pela AMPROLAB. ETE Pedrinha Com relação às alterações que identificamos a necessidade de serem realizadas na ETE em questão, que foram registradas no relatório referente ao mês de julho de 2008, cumpre-nos informar que : - As obras necessárias para a instalação dos medidores de vazão, entrada e saída da ETE, bem como a compra dos medidores de vazão ultrasônicos, serão reprogramadas para após a definição do redirecionamento do lançamento do esgoto tratado da ETE, exigido pela CETESB, e que em sendo discutido e tratado pela SAEG junto ao Órgão Ambiental; Persistimos estudando ainda, dentre outras coisas : viabilizar de forma efetiva o descarte de lodo para o Leito de Secagem com a construção de Elevatória de Recirculação de Lodo, instalar medidor de vazão do recirculado, além de encaminhar essa contribuição para o Tanque de Aeração (TA), de forma contínua, realizando contato com novas empresas.o serviço será realizado dentro de um cronograma de prioridades, estabelecido pela CAB; No entretanto foram realizadas algumas ações mais imediatas, no período de vigência desse relatório, quais sejam : - Continuidade na limpeza e conservação geral das instalações internas e externas da ETE com a varrição, a roçada da grama, a pintura do meio fio com cal, o jateamento dos tanques e pisos que compõem as mesmas com Lava Jato, serviços realizados pelos operadores. A limpeza e a organização das instalações que compõem o Prédio Administrativo também foram realizadas pelos operadores da ETE; - Realizamos a instalação da válvula de retenção de 3, adquirida para a linha de recalque da bomba de esgoto bruto; - Persistimos aplicando treinamento contínuo nos colaboradores, admitidos em novembro de 2008, incluindo operação e processo Página 9 de 21

10 aplicado na ETE em referência, análises de monitoramento, rotinas de laboratório, cronograma de limpezas, segurança no trabalho, etc; - Realizamos a substituição da bóia de nível do poço da Estação Elevatória de Esgoto Bruto; - Realizamos a substituição das cordas por cabos de aços, utilizados na fixação dos aeradores no Tanque de Aeração; - Demos continuidade à coleta e realização de análises por laboratório externo (AMPROLAB), credenciado pela CETESB, para monitoramento da ETE e atendimento à Licença de Operação. A coleta, composta, foi realizada em 05/03/2009, no período de 8 às 18:00 hs. Esses resultados estão disponibilizados em anexo. Ao verificarmos os resultados das análises observamos que todos os parâmetros analisados na saída do processo (esgoto tratado), pelo laboratório contratado, atendem aos Padrões Estabelecidos pelas Legislações Ambientais, referenciadas nos Relatórios de Análises Nº e Houve uma redução em termos da DBO em 71,76 % e a concentração da DBO no esgoto tratado foi de 24 mg/l, sendo que a Legislação (CETESB; artigo 18) exige 80 % ou 60 mg/l, respectivamente. A eficiência de tratamento ficou aquém do que se vinha observando normalmente, ainda em consequência da incidência de chuvas no início deste mês, quando da coleta realizada pela AMPROLAB. Página 10 de 21

11 Redes Coletoras de Esgoto Em março de 2009 houve um avanço significativo nos estudos dos projetos das obras que serão executadas nos próximos meses. Estas obras têm como objetivo aumentar a quantidade de esgoto tratado no município. Outro marco do mês foram as ações preventivas realizadas no bairro Jardim do Vale: foram lavados 24 Km de rede coletora de esgoto e a limpeza de 292 PV s. No São Manoel foram lavadas as redes e os PV s das ruas Um e Dois e metade da rua Três. Os demais serviços, rotineiros, foram executados normalmente. As equipes continuam empenhadas e aprimorando, diariamente, a execução dos serviços. Mesmo com a redução das chuvas neste mês, o número de Ordens de Serviço ainda continua elevado. Página 11 de 21

12 Demanda das Ordens de Serviço (OS) Durante o mês de março de 2009, foram emitidas 442 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas as 442. Em março de 2009, foram registrados alguns casos atípicos, sendo os principais a destacar: OS Nº / Verificações Diversas Avenida Ronald Ottoni de Mesquita, 23, Jardim Rony. No dia 10 de março de 2009, foi emitida a Ordem de Serviço Nº / referente a troca de parte da rede coletora de esgoto. No local foram construídos quatro Poços de Visita (P.V.), com profundidade média de 3 metros; cerca de 50 metros de rede com tubo de PVC corrugado ocre de 200 milímetros; 24 metros de rede de esgoto com tubo corrugado, diâmetro de 150 mm, para extravasar o P.V. na caixa de água pluvial; uma boca de vala na margem do Ribeirão Guaratinguetá (saída da rede); instalação de um registro na rede; troca de 9 metros de tubo de concreto de 200 milímetros por tubo de concreto de 400 milímetros (interligação de boca de lobo); reconstituição da calçada e pavimentos danificados durante a obra, além da limpeza de parte da vala de escoamento das águas pluviais. Mesmo com os serviços que já foram executados, ainda faltam construir uma base de concreto para instalar uma bomba, quando necessário; recompor a grama na rotatória e verificar dois afundamentos na Rua Kalil França (Rua da EEE), que estão sobre a rede de esgoto. OS Nº / Afundamento de esgoto Avenida Carlos Rebello Junior, 253, Vila Paraíba. Foi emitida no dia 05 de março de 2008 a Ordem de Serviço Nº /2009-7, referente ao serviço de afundamento de esgoto na Avenida Carlos Rebello Junior, 253, Vila Paraíba. A equipe da CAB Guaratinguetá esteve no local no dia 06 de março e constatou que a rede coletora de esgoto da rua estava normal. Entretanto, seria necessário realizar uma intervenção com a máquina retro-escavadeira para certificar que o afundamento não era proveniente de esgoto. O serviço foi programado e iniciado na manhã do dia 09 de março. Após abrir o local, foi identificado um vazamento na galeria de água Página 12 de 21

13 pluvial e, que a rede de esgoto, realmente, não apresentava nenhuma anomalia. No mesmo dia, foi feito contato, por telefone, com o encarregado da Secretaria Municipal de Obras, Sr. Vando, que providenciou a conclusão do serviço. Relato Fotográfico Avenida Carlos Rebello Junior, 253, Vila Paraíba. Vazamento na galeria de água pluvial. OS / Vazamento de esgoto Rua Dr. Fernando José de Almeida Milleo, 00, Parque São Francisco. No dia 09 de março de 2009 foi emitida, pelo atendimento 0800 da SAEG, a Ordem de Serviço Nº /2009-9, referente ao vazamento de esgoto na Rua Dr. Fernando de Almeida Milleo, 00, Parque São Francisco. A equipe da CAB Guaratinguetá esteve no local no mesmo dia, identificou que a rede estava quebrada e precisava do auxílio da máquina retro-escavadeira. O serviço foi programado para o dia seguinte, todavia, durante a execução do mesmo, foi constatado a necessidade de substituir 05 metros da rede coletora de esgoto. O serviço foi interrompido, pois a rede era de manilha cerâmica e 300 milímetros de diâmetro. Não foi possível substituir a rede por manilha de cerâmica devido ao longo prazo da entrega do material, mas os 5 metros de rede foram trocados por tubos de concreto do mesmo diâmetro. Como é grande o volume de esgoto que passa pela rede, foi impossível estancar alguns vazamentos entre os tubos. Por isto, foi Página 13 de 21

14 necessário substituir os tubos de concreto por tubos de PVC corrugado, diâmetro de 300 milímetros. Relato Fotográfico Rua Dr. Fernando de Almeida Milleo, 00, Parque São Francisco. Rede geral quebrada OS Nº / Desentupir Ramal Rua Major Francisco Moreira, 57, Vila Galvão. A Ordem de Serviço Nº /2009-3, referente ao serviço de desentupimento do ramal de esgoto na Rua Major Francisco Moreira, 57, Vila Galvão foi emitida no dia 16 de março de Durante a execução do serviço, no mesmo dia da emissão da OS, a equipe da CAB Guaratinguetá identificou que a obstrução do ramal foi causada por um vazamento na rede de água pluvial. Foi feito contato com o Sr. Vando, do departamento de obras da prefeitura municipal, a fim de que o mesmo providenciasse o conserto da tubulação de água pluvial. Após a conclusão do serviço da equipe da prefeitura, previsto para o dia 31/03/2009, a equipe da CAB Guaratinguetá concluiu a intervenção na rede coletora de esgoto. Página 14 de 21

15 Relato Fotográfico Rua Major Francisco Moreira, 57, Vila Galvão. Rede geral quebrada OS Nº / Afundamento de esgoto Avenida Letargino Vaz da Silva, 379, Beira Rio I No dia 20 de fevereiro de 2009, foi emitido uma Ordem de Serviço de afundamento de esgoto na Avenida João Rodrigues Alckimin, 400, Beira Rio I. Neste serviço foram trocados 10 metros da rede coletora de esgoto, com tubo de concreto e 0,50 metros de diâmetro. No entanto foi observado que este afundamento foi causado pelo desgaste e fragilidade da tubulação, que é muito antiga. Como o solo deste local é de péssima qualidade, e com a grande intensidade das chuvas, o tubo não suportou as infiltrações e a movimentação do solo e quebrou, causando o afundamento. Além dos 10 metros de tubo substituídos, mencionado acima, cerca de 100 metros da rede estão nestas mesmas condições e foram substituídos. Página 15 de 21

16 Relato Fotográfico Página 16 de 21

17 Avenida Letargino Vaz da Silva, 379, Beira Rio I Rede geral quebrada 30/03/2009 Obras com execução programada para os próximos meses Avenida Padroeira do Brasil Figueira Esta obra é referente à construção de 336 metros de rede coletora de esgoto para captar o esgoto do bairro da Figueira. Para concluir o orçamento desta obra foi necessário fazer o levantamento topográfico, sondagem e visita técnica com o Engenheiro Projetista, responsável pelo projeto da obra, e com as três empresas interessadas. A empresa de topografia contratada fez o levantamento da faixa e das interferências, enquanto que a empresa de sondagem avaliou o tipo de solo e se o mesmo poderá ser reaproveitado. O projeto executivo está sendo elaborado pela empresa Proesplan. Página 17 de 21

18 Relato fotográfico Sondagem 16/03/2009 Avenida Padroeira do Brasil Figueira. Rodovia Aristeu Vieira Vilela Extensão de 400 metros de rede para coletar e afastar o esgoto do Pólo Industrial na Rodovia Aristeu Vieira Vilela. Esta rede será interligada na Estação de Tratamento de Esgoto Vila Bela e irá receber o esgoto bombeado da empresa EATON e do bairro Vila Regina. A sondagem foi feita por uma empresa contratada pela CAB Guaratinguetá e o projeto foi elaborado pela SAEG. Página 18 de 21

19 Relato Fotográfico de alguns trabalhos rotineiros durante o mês de Março de 2009 OS Nº / /03/2009 Rua Nair Clemente Silva, 109, Jardim Padroeira. Ramal entupido sem caixa de inspeção OS Nº / /03/2009 Rua Oswaldo Damasceno, 122, Cecap. Rede e ramal entupidos. Foi feita a desobstrução e construída uma caixa de P.V. no local. Página 19 de 21

20 OS Nº / /03/2009 Rua Benedito Rodrigues Alves, 79, Campo do Galvão. Ramal de esgoto quebrado e vazamento nas manilhas de água pluvial. OS Nº / /03/2009 Rua José do Patrocínio, 268, Nova Guará. Rede e ramal quebrados. Página 20 de 21

21 OS Nº / /03/2009 Rua Santa Luzia, 0, Campinho. Vazamento na saída da manilha no P.V. A seguir apresentamos a listagem geral de todas as OS`s geradas no mês de Março de 2009, bem como o resumo por tipo de serviço e respectivos gráficos. Página 21 de 21

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 16 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de maio de 2009, conforme

Leia mais

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 18 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de abril de 2009, conforme

Leia mais

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4

INDICE. Introdução:... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 4 INDICE Introdução:... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 4 Página 1 de 23 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de fevereiro de 2009,

Leia mais

Durante o mês de janeiro de 2009, foram emitidas 437 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas 429.

Durante o mês de janeiro de 2009, foram emitidas 437 Ordens de Serviço. Neste universo de OS s geradas, foram concluídas 429. Redes Coletoras de Esgoto O mês de janeiro de 2009 foi marcado pelo aumento do número de Ordens de Serviços (OS) causado pela grande incidência de chuvas, elevando significativamente os casos de afundamentos

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 5 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 5 Página 1 de 19 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de outubro de 2009, conforme

Leia mais

Relatório mensal das atividades

Relatório mensal das atividades Relatório mensal das atividades Novembro/2010 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 02 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO... 03 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO... 06 CONSUMO DE ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA... 19 INVESTIMENTOS...

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 6

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 6 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 6 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de junho de 2010, conforme prevê o contrato

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 NOVEMBRO/2014 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013

RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013 RELATÓRIO MENSAL ANO - 6 NOVEMBRO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013

RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 RELATÓRIO MENSAL JULHO/2013 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá OBJETO: Prestação de Serviços público para

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014

RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014 RELATÓRIO MENSAL ANO - 7 DEZEMBRO/2014 TERMO DE CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO PRIVADA CONTRATANTE: SAEG Companhia de Serviços de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá. OBJETO: Prestação de Serviços público

Leia mais

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009

Asfalto da rotatória reconstituído no dia 03 de dezembro de 2009 Redes Coletoras de Esgoto Neste mês de dezembro de 2009 foi concluída a obra do coletor de esgoto da Rodovia Aristeu Vieira Vilela, possibilitando que as ligações de esgoto do pólo industrial sejam feitas

Leia mais

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 7

INDICE. Introdução... 2. Estações Elevatórias de Esgoto... 2. Estações de Tratamento de Esgoto... 7 INDICE Introdução... 2 Estações Elevatórias de Esgoto... 2 Estações de Tratamento de Esgoto... 7 Introdução: Este relatório apresenta os serviços realizados no mês de julho de 2010, conforme prevê o contrato

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Drenagem de Bacias SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 035 Garantir a captação e drenagem das bacias hidrográficas; Eliminar pontos de alagamento junto a córregos e canais; Proteger as margens

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP)

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP) REGIONAIS 5.9.8.1 Executar rotina geral de manutenção da ETE REGIONAIS 5.9.8.2 Executar a manutenção geral das elevatórias das ETEs REGIONAIS 5.9.8.3 Executar a manutenção dos conjuntos motobombas Executar

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 3º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ PRESTADOR: DAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

PIRACICABA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

PIRACICABA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA PRESTADOR: SEMAE SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R2 Não Conformidades Americana, maio de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O Sistema de Abastecimento de Água em Lindóia inicia-se pela captação da água bruta no Rio do Peixe, depois é bombeada até a Estação de Tratamento de Água ETA para o tratamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

CORSAN SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SANTA MARIA -RS

CORSAN SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SANTA MARIA -RS CORSAN SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SANTA MARIA -RS 1960: O Saneamento Básico era atendido exclusivamente pelos municípios com apoio dos Estados. As cidades brasileiras tinham cerca de 50% dos seus

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009

RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 PSBJ- Programa de Saneamento da Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Recreio dos Bandeirantes RELATÓRIO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS 2º TRIMESTRE DE 2009 As obras (tanto as concluídas quanto as em andamento)

Leia mais

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda A laje sanitária do poço está em boas condições atendendo a padronização do DAEE. O funcionamento do poço P5 ocorre com timer, no período entre 5:00 e 22:00 horas. Assim, deve-se instalar um sistema de

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

RELATÓRIO (outubro à dezembro)

RELATÓRIO (outubro à dezembro) RELATÓRIO (outubro à dezembro) Dando continuidade aos serviços de manutenção e conservação do condomínio, observa-se o proveito dos resultados dos esforços de toda a equipe de colaboradores, através da

Leia mais

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 Para as contratações e renovações, a partir de 16/06/2015, os planos disponíveis serão: a) Serviço para casa (Plus Casa) Plus Casa Chaveiro

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica TÍTULO: PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA PARA REDES DE ÁGUA E ESGOTO NUMA CIDADE DE 01 MILHÃO DE HABITANTES. TEMA: Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento. Nome dos Autores: 1 - Engº Marco Antonio

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS

MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS MANUAL DO BENEFÍCIO ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL 24 HORAS Junho/2014 1080.0776.0302 ÍNDICE ACIONAMENTO DOS SERVIÇOS...3 REEMBOLSOS...3 QUANTIDADE DE INTERVENÇÕES...3 SERVIÇOS...3 BOMBEIRO HIDRÁULICO...3 ELETRICISTA...4

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO

CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO CAPÍTULO 3: ESGOTO SANITÁRIO 155 1. Infraestrutura de Esgotamento Sanitário do município de Vinhedo 1.1. ETE Pinheirinho O município de Vinhedo conta com uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) denominada

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas I PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO PLANO APARTAMENTO Confira os serviços, limites e critérios a seguir. 1. Solicitação dos serviços Os serviços

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em limpeza e higienização para lavagem e desinfecção dos reservatórios de água que abastecem as áreas de alimentação, saúde e pontos

Leia mais

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas

Seguro Residencial Itaú. Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas Itaú Seguros de Auto e Residência Plano de Assistência 24 horas I PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO PLANO APARTAMENTO + PET Confira os serviços, limites e critérios a seguir. 1. Solicitação dos serviços Os

Leia mais

Regras, Coberturas e Serviços Assistência Casa

Regras, Coberturas e Serviços Assistência Casa Regras, Coberturas e Serviços Assistência Casa - 1 - Assistência 24h residencial para execução de reparos emergenciais, como: hidráulica, elétrica, desentupimento, chaveiro, quebra-galho e conexão telefônica

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 020

Norma Técnica SABESP NTS 020 Norma Técnica SABESP NTS 020 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Revisão 1 - Maio 2003 NTS 020 : 2003 - rev. 1 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO

GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO GERENCIAMENTO INFORMATIZADO DA MANUTENÇÃO EM UMA AUTARQUIA DE SANEAMENTO ROTINAS E MELHORIAS DO SISTEMA IMPLANTADO Celso Garcia Crespo (1) Engenheiro Civil graduado pela Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE.

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE. Título: Atualização e Manutenção do Cadastro Técnico Autores: Renan Moraes Sampaio Cargo Atual: Coordenador do Cadastro Técnico e Geoprocessamento. Formação: Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho.

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 75, DE 14 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 75, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 75, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a revisão tarifária dos serviços de abastecimento de água tratada, esgotamento sanitário e demais preços públicos a ser aplicado no Município

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

Construção da Rede Coletora de Esgoto. Profª Gersina N.R.C. Junior

Construção da Rede Coletora de Esgoto. Profª Gersina N.R.C. Junior Construção da Rede Coletora de Esgoto Profª Gersina N.R.C. Junior Instalação da Rede Coletora de Esgoto Assentamento do Coletor Transportar os tubos da superfície do terreno para o fundo da vala, que em

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO 01 MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇO PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DAS ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO SANITÁRIO. LOCAL Bairros, Vila da Alimentação, Esmeralda I, Esmeralda II, Altos da

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Barretos

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Barretos PORTARIA Nº 2.822 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2.014 REVOGA DIVERSAS PORTARIAS E ELABORA NOVA TABELA DE PREÇOS PARA A UTILIZAÇÃO DE BENS, SERVIÇOS E ATIVIDADES. SILVIO DE BRITO ÁVILA, Superintendente do SERVIÇO

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas. Belo Horizonte Outubro 2014...

Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas. Belo Horizonte Outubro 2014... Sistema de Esgotamento Sanitário da sede do Município de Salinas Belo Horizonte Outubro 2014... 1 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR DE SERVIÇOS... 5 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Dezembro/ 2008 Revisão: Abril/2012 Revisão: Julho/2013 Preparado para: CASAN Companhia

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo LocatelliLtda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Sinalização das ruas onde serão realizadas as escavações

Leia mais

1ª Oficina de Trabalho sobre Operação de Sistemas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Tratamento de Esgoto da ABES Nacional Apoio: Seção São Paulo

1ª Oficina de Trabalho sobre Operação de Sistemas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Tratamento de Esgoto da ABES Nacional Apoio: Seção São Paulo 1ª Oficina de Trabalho sobre Operação de Sistemas de Tratamento de Esgotos Sanitários Realização: Câmara Temática de Tratamento de Esgoto da ABES Nacional Apoio: Seção São Paulo ETE SAMAMBAIA Lodos Ativados

Leia mais

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos Procedimento de Gestão Ambiental 003 Controle de Efluentes Líquidos Elaborador: Dejair Dietrich Piekarski Aprovador: Durval Nascimento Neto Revisor: Edson Luiz da Silveira Raimundo Motivo da revisão: Primeira

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Os equipamentos do Kit Chuva atendem as exigências da norma NBR 15527: Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis Requisitos. KIT CHUVA Filtro

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Apresentamos neste case a implantação do software E3 para monitorar o processo realizado na Estação de Tratamento

Leia mais

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL.

ESGOTO. Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO Doméstico e Não Doméstico (COMO OBTER A LIGAÇÃO) ATENÇÃO: LEIA AS INSTRUÇÕES DESTE FOLHETO, ANTES DE CONSTRUIR O RAMAL INTERNO DE SEU IMÓVEL. ESGOTO DOMÉSTICO Definição: esgoto gerado nas residências

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA

CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA CONCORRENCIA INTERNACIONAL 001/2013 PPP SERRA RELAÇÃO DOS PROCESSOS PROTOCOLADOS NO INSTITUTO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE ENCAMINHANDO OS FORMULÁRIOS INTEGRADOS DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO DAS SEGUINTES

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto:

Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Orientação ao Usuário dos Serviços de Água e Esgoto: Todo cidadão tem direitos e deveres para com a sociedade e se cada um fizer sua parte, todos irão ganhar. São direitos de todos os cidadãos, referentes

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Plano Municipal de Saneamento de Patos de Minas abrange a sede municipal, os distritos de Areado, Santana de Patos, Pindaíbas, Bom Sucesso de Patos, Major

Leia mais

Apostila Tratamento de Esgoto

Apostila Tratamento de Esgoto Apostila Tratamento de Esgoto Estação de Tratamento de Mulembá - Vitória MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade,

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais