UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT WINTERS PARA A PREVISÃO AGREGADA DE SANDÁLIAS FABRICADAS A PARTIR DE PNEUS INSERVÍVEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT WINTERS PARA A PREVISÃO AGREGADA DE SANDÁLIAS FABRICADAS A PARTIR DE PNEUS INSERVÍVEIS"

Transcrição

1 XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE HOLT WINTERS PARA A PREVISÃO AGREGADA DE SANDÁLIAS FABRICADAS A PARTIR DE PNEUS INSERVÍVEIS Tulio Franco de Souza (UEPA) thayana araujo guimaraes (UEPA) A previsão de demanda é uma atividade de suma importância para uma empresa, visto que auxilia na tomada de inúmeras decisões relacionadas à gestão da produção. Neste trabalho propõe-se a utilização de um modelo de previsão baseado em sériess temporais para previsão agregada de sandálias fabricadas a partir de pneus reciclados. A obtenção do modelo mais adequado foi baseada no estudo do comportamento da demanda, verificou-se uma forte tendência nos dados, levando à escolha do método de Holt-Winters. A empresa fabrica 12 modelos de sandálias, todos a partir de pneus inviáveis ao reuso, para este trabalho a demanda dos modelos foi agregada a uma demanda total. Palavras-chaves: previsão de demanda, séries temporais, Holt- Winters, tendência, sazonalidade.

2 1. Introdução Há mais de um século a humanidade tem desfrutado de um útil e necessário invento que proporciona desempenho, economia e conforto à rodagem de veículos terrestres automotores e outros. O pneumático, simplificadamente denominado de pneu. Ao mesmo tempo em que os veículos que utilizavam o pneumático foram sendo produzidos cada vez em maiores quantidades, movimentando o maior conjunto de indústrias do planeta, também cresceram as indústrias de pneus, destinando-os tanto à equipagem dos veículos novos quanto à reposição na frota em circulação. No Brasil, anualmente, 45 milhões de novos pneus são fabricados, dos quais um terço é exportado, outro terço é adquirido pelas montadoras para equipar os veículos novos e o terço restante é destinado à reposição da frota. Dessa forma viu-se a necessidade de reciclar. A reciclagem é um processo que converte um produto inservível em um produto semelhante ao inicial ou em outros, destinados a diferentes fins. Reciclar é economizar energia, poupar recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo matérias-primas reutilizáveis. A reciclagem do pneu inservível origina diversos produtos como, por exemplo, granulados de borracha, bloquetes e artefatos de concreto, calços de borracha, manilha de água e esgoto, borracha para rodo e solado de calçados. Com a necessidade de reciclar e um nicho de mercado a ser explorada uma empresa foi pioneira na fabricação de sandálias a partir de pneus reciclados. Assim viu-se a necessidade de implantar um modelo de previsão da demanda agregada de sandálias, para evitar dificuldades na gestão da produção desse produto. 2. Sandália de pneu Um pneu demora cerca de 300 anos para se decompor, considerando somente a produção brasileira de pneus, que é de 45 milhões, temos uma acumulação logarítmica desse produto inservível. Estima-se que cada brasileiro consome um pneu a cada cinco anos, se considerarmos que cada pessoa utiliza um par de sandália por ano, temos praticamente a total conversão de um produto inutilizável por outros utilizáveis, sem agredir o meio-ambiente. A empresa produziu até 2008 pouco mais de 10 milhões de pares de sandálias, retirando cerca de 2 milhões de pneus inservíveis do seu destino habitual. As sandálias de pneu além de serem fabricadas a partir de um produto reciclado, ainda apresentam grau de reciclagem de 70%, tornando viável a sua reutilização para os mesmos ou outros fins. A taxa de transformação é aproximadamente de cinco pares de sandálias para cada pneu reciclado. Considerando o baixo custo de aquisição da matéria-prima, as sandálias apresentam-se como um produto acessível a todos os tipos de consumidores. Além de ser um produto robusto e de baixo custo, ainda exerce um papel sócio-ambiental transformando pneus inservíveis em outros produtos, contribuindo para a preservação do meio ambiente, nos últimos anos esse fator vem se tornando decisivo para o consumidor efetuar a sua escolha por determinado produto. 3. Métodos de previsão Os métodos de previsão são divididos em qualitativos, aqueles que são baseados no julgamento, não têm embasamento matemático e os métodos quantitativos, esses já baseados em projeções matemáticas e com embasamento absolutamente técnico. Dentre os métodos quantitativos existem aqueles fundamentados em projeção e outros em correlação. O método a ser implantado neste trabalho está baseado em projeções, ou seja, baseado em uma série temporal de dados. Segundo Tubino (2006) as previsões baseadas em séries temporais partem do pressuposto de que a demanda prevista é uma projeção de seus valores passados. Os dados constitutivos de uma série temporal podem sofrer a influência de diversos fatores, como alterações macroeconômicas, mudanças no padrão tecnológico vigente, variações nas 2

3 condições da natureza ou mesmo podem ser afetadas por fenômenos imprevisíveis (CORRAR & THEÓFILO, 2004). Por isso no processo de previsão de demanda é adequado rever os dados referentes aos períodos de demandas atípicas, para que possíveis anormalidades não comprometam a qualidade do trabalho. 3.1 Método de Holt-Winters aditivo Segundo Estevenson (1981) esse modelo é ideal para séries que possuem tanto um efeito de tendência aditivo e um efeito sazonal aditivo superposto. Caso a componente de tendência seja desnecessária, pode ser retirada da modelagem. A seguir estão as equações do modelo. Y E nt S ˆt n t t t n p E Y S E T t t t p t t 1 T E E T t t t1 t1 1 S Y E S t t t t p 0 α, β e 1 Onde: Y t = valor observado em uma série temporal; Y = valor estimado para o período n, a partir de um valor observado; ˆt n E t = valor do nível observado excluído da tendência; S t = coeficiente de sazonalidade para o período; P = número de períodos sazonais presente nos dados; α, β e γ = parâmetros de suavização. 3.2 Método de Holt-Winters multiplicativo O modelo Holt-Winters com sazonalidade multiplicativa será apresentado nas equações abaixo. Essa versão do modelo tem como premissa basal a suposição de que a amplitude da sazonalidade é variante no tempo, e, também que essa variação ocorre de forma crescente, causando o efeito chicote. Dessa forma, o modelo é capaz de incorporar a tendência e a sazonalidade existentes na série de dados. A equação abaixo fornece o valor estimado no momento t + n. Para calcular o valor de Y ˆt n, deve-se primeiramente calcular o valor de E t para o período t, em seguida deve-se calcular o valor de S t, e por ultimo agregar os valores obtidos na fórmula abaixo. Yˆ ( E nt ) S tn t t tn p Y E E T 1 t t t 1 t 1 St p 3

4 0 α, β e 1 Onde: Y t = valor observado em uma série temporal; Y = valor estimado para o período n, a partir de um valor observado; ˆt n 1 T E E T t t t1 t1 S Y t 1 S Et t t p E t = valor do nível observado excluído da tendência; S t = coeficiente de sazonalidade para o período; P = número de períodos sazonais presente nos dados; α, β e γ = parâmetros de suavização. 3.3 Ajuste e monitoramento Para Tubino (2006) uma forma de monitorar o desempenho do modelo é através da verificação do comportamento do indicador do erro absoluto médio, conhecido como MAD (Mean Absolute Deviation). A fórmula para calcular o MAD é: MAD n t1 Dt Ft Onde: Dt = demanda ocorrida no período; Ft = demanda prevista no período; N = número de períodos. Outro indicador de erro de previsão é o EPAM (Erro percentual absoluto médio), que considera desvios relativos ou percentuais no cálculo do erro. A fórmula para calcular o EPAM é: n Dt Ft t1 Dt EPAM n Onde: Dt = demanda ocorrida no período; Ft = demanda prevista no período; N = número de períodos. Esses dois indicadores serão utilizados para avaliar e monitorar o modelo implantado, para julgar a validade das previsões geradas pelo mesmo. 4. Metodologia Na coleta de dados foram obtidos 60 períodos de dados, ou 60 meses de registros de venda, a partir de janeiro de 2004 a dezembro de Segundo Tubino (2006) para uma análise confiável deve-se obter no mínimo uma série de 24 períodos de registros para uma previsão confiável, entretanto o número ideal seria de 60 períodos. Dessa forma os 60 períodos disponibilizados permitem uma análise confiável do modelo. Os dados fornecidos foram agregados de tal forma a facilitar a previsão da demanda, isto foi possível determinando o n 4

5 percentual representativo de cada modelo de sandália em relação ao todo. Como todos os 12 modelos de sandálias apresentam uma significância relativamente igual entre si, os valores de vendas individuais foram agregados em um valor únicos. Posteriormente foi realizada uma análise preliminar dos dados obtidos, objetivando esclarecer de uma melhor maneira o comportamento da demanda e como se comportavam estatisticamente os dados. Através dos gráficos plotados pôde-se verificar que a demanda apresentava um comportamento de tendência com sazonalidade, essa sazonalidade era evidenciada nos meses de julho e dezembro. Por fim através dos 48 primeiros períodos de dados, foi realizado através do software Crystal Ball o ajuste do modelo, obtendo medidas estatísticas que pudessem indicar o melhor modelo a ser implantado. Os 12 períodos seguintes foram utilizados para uma análise comparativa entre os modelos em relação à demanda real observada, essa comparação foi realizada através dos indicadores de erros (MAD e EPAM), podendo assim concluir qual o melhor modelo a ser implantado para a previsão agregada de tais produtos. 5. Estudo de caso 5.1 Coleta de dados Os dados de venda foram obtidos juntamente com o setor de comercial da empresa. Os dados históricos da quantidade agregada de pares de sandálias produzidas, no período de Janeiro de 2004 a Dezembro de 2008, estão abaixo: Ano Mês Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Tabela 1 Dados históricos de venda 5

6 Figura 1 Demanda mensal 5.2 Análise preliminar dos dados Através da figura 3, pode-se observar a tendência na série de dados, devido ao aumento no volume de vendas com o passar dos anos. A sazonalidade é observada principalmente nos meses de dezembro e julho, pode ser atribuída devido o período de festas e de férias, respectivamente, onde o consumidor tende a adquirir mais bens de consumo. Em uma análise descritiva dos dados temos que a média de venda foi de pares de sandálias, com um desvio padrão de O valor mínimo encontrado foi de e o máximo de unidades. Figura 2 Demanda anual Pode-se perceber também através do percentual de crescimento anual que o volume de vendas da empresa teve crescimento significativo, nos anos de 2005, 2006, 2007 e 2008, temos que o aumento foi de 53,55%, 213,74%, 27,23%, 24,17%, respectivamente. 5.3 Escolha e implantação do modelo Se os dados da série temporal não apresentarem tendência ou sazonalidade os métodos exponenciais simples ou por médias móveis podem ser utilizados, na presença de tendência, o método de Holt é o mais indicado. Entretanto, a presença de sazonalidade no comportamento da série temporal, exclui a possibilidade da utilização dos métodos mais simples, assim o método de Holt-Winters se torna o mais indicado. Utilizou-se o software Crystal Ball, aplicativo para análise de previsão, simulação e otimização, deixando os dados do último ano coletado para a comparação dos modelos. 6

7 Na tabela 2, todos os testes estatísticos padrões para testar a precisão das previsões foram melhores para o modelo multiplicativo do Método de Holt-Winters. Aditivo Multiplicativo MAD EPAM 16,441 16,27 Durbin-Watson 1,812 1,824 Theil s U 0,792 0,754 Tabela 2 Tabela de testes estatísticos Segundo Estevenson (1981) quando o teste estatístico Theil s U apresentar valores inferiores a 1, o modelo em questão pode ser considerado apto para a previsão de tais dados, caso contrário o modelo não está apto, bastaria um modelo de formatação simples para realizar a previsão. Figura 3 Previsão Holt-Winters aditivo e multiplicativo e demanda real observada em 2008 Também se pode notar a melhor adequação do modelo multiplicativo, devido apresentar MAD e EPAM inferiores ao do modelo aditivo, quando comparados em relação à demanda real observada. Previsões pelo método de Holt-Winters Medidas padrões de precisão Aditivo Multiplicativo MAD EPAM 0,1411 0,1312 Tabela 3 Medidas padrões de previsão 5.4 Conclusões O volume de venda da empresa apresenta um comportamento de tendência com sazonalidade. Dessa forma o modelo Holt-Winters obteve resultados satisfatórios, neste caso o Holt-Winters multiplicativo apresentou o MAD e EPAM inferiores ao modelo aditivo. Pode-se proferir que o modelo apresenta um bom nível de confiabilidade, visto que seu EPAM foi de 0,1312, ou seja, 13,12% de erro percentual, desta forma possíveis variações na demanda poderiam ser facilmente absorvidas com estoques de segurança para cada produto. 7

8 Assim propõe-se que o modelo Holt-Winters multiplicativo seja adotado como modelo de previsão agregada dos produtos com parâmetros de suavização α, β e γ com valores de 0,341, 0,053, 0,206, respectivamente, para o período estudado. A grande importância da pratica destas previsões para o produto em questão, também se da pelo fato de o mesmo ser ambientalmente correto, assim a empresa pode definir a quantidade de pneus que serão reciclados a partir dos dados de previsão de 2009, proporcionando não apenas um produto de qualidade a baixos custos, como também a conservação do meio ambiente. 6. Referências bibliográficas TUBINO, Dalvio Ferrari. Manual de planejamento e controle da produção. 2ª ed. São Paulo: Editora Atlas, CORRAR, Luiz J. & THEÓFILO, Carlos Renato. Pesquisa operacional para decisão em contabilidade e administração. São Paulo: Editora Atlas, ESTEVENSON, William J. Estatística: Aplicada à administração. São Paulo: Harper & Row do Brasil, LUSTOSA, Leonado, MESQUITA, Marco, QUELHAS, Osvaldo & OLIVEIRA, Rodrigo. Planejamento e controle da produção. Rio de Janeiro: Elsevier,

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Planejamento e Organização da Produção

Planejamento e Organização da Produção Planejamento e Organização da Produção Prof. Fernando Deschamps fernando.deschamps@ufpr.br Bibliografia recomendada TUBINO, D.F. Planejamento e controle da produção: teoria e prática. 2 ed. Atlas, 2009.

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO)

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO) XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE PREVISÃO DE DEMANDAS BASEADAS EM SÉRIES TEMPORAIS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE MOTOCICLETAS (ESTUDO DE CASO) Carlos Eduardo de Carvalho

Leia mais

Previsão de Demanda por Simulação de Monte Carlo em uma Empresa Especializada em Produtos Odontológicos

Previsão de Demanda por Simulação de Monte Carlo em uma Empresa Especializada em Produtos Odontológicos Previsão de Demanda por Simulação de Monte Carlo em uma Empresa Especializada em Produtos Odontológicos Hugo Hissashi Miyata 1 (GEPPGO, DEP/FECILCAM) hugomiyata7@hotmail.com Alisson Barreto 2 (EPA, DEP,

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização.

A demanda pode ser entendida como a disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização. Previsão da Demanda As previsões têm uma função muito importante nos processos de planejamento dos sistemas logísticos, pois permite que os administradores destes sistemas antevejam o futuro e planejem

Leia mais

3 Previsão da demanda

3 Previsão da demanda 42 3 Previsão da demanda Este capítulo estuda o processo de previsão da demanda através de métodos quantitativos, assim como estuda algumas medidas de erro de previsão. Num processo de previsão de demanda,

Leia mais

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO

PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO PREVISÃO DE VENDAS DE CERVEJA PARA UMA INDÚSTRIA DE RIBEIRÃO PRETO José Gilberto S. Rinaldi (UNESP/Presidente Prudente) Randal Farago (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho aborda técnicas

Leia mais

3. Fórmulas para o Cálculo da projeção da Frota de Veículos

3. Fórmulas para o Cálculo da projeção da Frota de Veículos GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARÁ UNIDADE CENTRAL DE PLANEJAMENTO NÚCLEO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO ESTATÍSTICO DE TRÂNSITO

Leia mais

Método Monte Carlo e a ferramenta do Crystal Ball utilizados na indústria do petróleo: projeções de royalties

Método Monte Carlo e a ferramenta do Crystal Ball utilizados na indústria do petróleo: projeções de royalties Método Monte Carlo e a ferramenta do Crystal Ball utilizados na indústria do petróleo: projeções de royalties JOSÉ OTAVIO DA SILVA, HERNANI A. FERNANDES CHAVES, CLEVELAND M. JONES, FABIANA ADÃO DA SILVA

Leia mais

Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis

Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis Pneumáticos Histórico Década de 20 Começo das atividades da indústria de pneumáticos no Brasil. 1960 Fundação da ANIP, entidade sem fins lucrativos cujo objetivo

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANO DE VENDAS É o alicerce do planejamento periódico numa empresa, pois praticamente todo o restante do planejamento da empresa baseia-se nas estimativas de vendas,

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo

Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo Novo estudo da Roland Berger São Paulo, março de 2015 O mercado de reposição oferece grande potencial, mas empresários do setor precisam de suporte

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters 1 - Alisamento Exponencial Simples Admita-se que pretendemos prever os valores futuros da série representada no gráfico 1. Gráfico 1 - esta série não apresenta

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Prof. Dr. Koiti Egoshi

Prof. Dr. Koiti Egoshi 1 PREVISÃO DE DEMANDA DE PRODUTOS FINAIS PARA PREVISÃO DE ESTOQUES DE MATÉRIAS-PRIMAS E INSUMOS BÁSICOS Prof. Dr. Koiti Egoshi Para se estabelecer efetivamente Níveis de Estoque de Matérias-Primas e Insumos

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade

PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção. Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade PPCP Planejamento, Programação e Controle da Produção Wheelwrigt Skinner Swamidass Leong Slack Qualidade, confiabilidade, custo, flexibilidade Custo, entrega, qualidade, serviço confiável, flexibilidade

Leia mais

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Tiago Mendes Dantas t.mendesdantas@gmail.com Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Parametrização e configuração da ferramenta IBM Algo One ALM Base e outro Dúvida: Esclarecimento: 1. Dúvida: Esclarecimento: Dúvida:

Parametrização e configuração da ferramenta IBM Algo One ALM Base e outro Dúvida: Esclarecimento: 1. Dúvida: Esclarecimento: Dúvida: 1 Dúvida: Sobre Conciliar contabilmente os saldos da rubricas contábeis... e Consultar o resultado da conciliação..., entendemos que o Banco deseja que seja desenvolvido um relatório que concilie, com

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

Dimensionamento dos Estoques

Dimensionamento dos Estoques Administração Dimensionamento, Planejamento e Controle de Profª. Patricia Brecht Dimensionamento dos s Cada área possui interesse em aumentar os níveis de estoque para garantir a segurança e reduzir o

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Modelo para dimensionamento e reposição de estoque de pneus para uma empresa do segmento de transporte

Modelo para dimensionamento e reposição de estoque de pneus para uma empresa do segmento de transporte Modelo para dimensionamento e reposição de estoque de pneus para uma empresa do segmento de transporte Rafael Soares, (UTFPR) (Delpozo) rafael.soares@delpozo.com.br Rui Francisco Martins Marçal, (UTFPR)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA UTILIZADAS POR UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES NO SETOR FARMACÊUTICO

AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA UTILIZADAS POR UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES NO SETOR FARMACÊUTICO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1

Modelagem da Venda de Revistas. Mônica Barros. Julho de 1999. info@mbarros.com 1 Modelagem da Venda de Revistas Mônica Barros Julho de 1999 info@mbarros.com 1 Modelagem Matemática e Previsão de Negócios Em todas as empresas, grandes e pequenas, é necessário fazer projeções. Em muitos

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012

Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais. Unidade 1 Previsão de Demanda. Revisão 0, de 07/08/2012 Faculdade Pitágoras de Uberlândia Curso: Administração Disciplina: Administração de Materiais Unidade 1 Previsão de Demanda Revisão 0, de 07/08/2012 Prof. João Paulo Seno jpseno.pitagoras@gmail.com O que

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA CONTROLE DE ESTOQUES DE EMBALAGEM PARA COMPUTADORES

COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA CONTROLE DE ESTOQUES DE EMBALAGEM PARA COMPUTADORES COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA CONTROLE DE ESTOQUES DE EMBALAGEM PARA COMPUTADORES UBIARA MARQUES BEZERRA OLIVEIRA (UESC ) ubiara.bezerra@gmail.com Fabricio Lopes de Souza Carvalho

Leia mais

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos ABNT NBR 14653-3:2004 Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos Definições 3.2 benfeitorias: Resultado de obra ou serviço realizado no imóvel rural, que não pode ser retirado sem destruição,

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção

Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Planejamento Agregado: na ótica do PCP e da Administração da Produção Henrique Holowka 1 (EPA, DEP/FECILCAM) henrique_engprod@yahoo.com Isabela Korczovei Lemes 2 (EPA, DEP/FECILCAM) kl.isabela@hotmail.com

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

SINDICATO DAS EMPRESAS DE REVENDA E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE REFORMA DE PNEUS E SIMILARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

SINDICATO DAS EMPRESAS DE REVENDA E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE REFORMA DE PNEUS E SIMILARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS SINDICATO DAS EMPRESAS DE REVENDA E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE REFORMA DE PNEUS E SIMILARES DO ESTADO DE MINAS GERAIS TREINAMENTO TWI PALESTRANTE: VANDERLEI CARVALHO REPRESENTANTE TÉCNICO E INSTITUCIONAL

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS CONTEÚDO DO CURSO DE PREVISÃO DE DEMANDA PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS - HORIZONTE

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE

Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Equívocos na metodologia de formação do preço de venda: Análise da metodologia adotada pelo SEBRAE Divonsir de Jesuz da Silva Dutra (CEFET-PR) Dr. Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR)

Leia mais

COM A TÉCNICA DE REGRESSÃO LINEAR SIMPLES

COM A TÉCNICA DE REGRESSÃO LINEAR SIMPLES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA SIMULAÇÃO DE PREVISÃO DE PREÇO DE AÇÕES NA BOVESPA UTILIZANDO DATA MINING COM A TÉCNICA DE REGRESSÃO LINEAR SIMPLES Davi da Silva Nogueira Orientador: Prof. Oscar Dalfovo,

Leia mais

Utilização de técnicas de previsão de demanda para análise do crescimento da frota de veículos no Município de Marabá / Pa

Utilização de técnicas de previsão de demanda para análise do crescimento da frota de veículos no Município de Marabá / Pa Utilização de técnicas de previsão de demanda para análise do crescimento da frota de veículos no Município de Marabá / Pa Anderson Oliveira Lima (UEPA) - anderson.uepa@gmail.com Ingryd Diógenes de Araújo

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP.

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. Dioceli Gabriela de Carvalho¹; Francisco Claudio Tavares² Estudante do

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DADOS Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook

EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook Setembro 2003 PeopleSoft EnterpriseOne 8.9 Previsão PeopleBook SKU SCM89PFC0309 Copyright 2003 PeopleSoft, Inc. Todos os direitos reservados. Todas as informações

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Estudo comparativo entre modelos de previsão de demanda: ensaio em um produto classe a de uma empresa de perfumes e cosméticos

Estudo comparativo entre modelos de previsão de demanda: ensaio em um produto classe a de uma empresa de perfumes e cosméticos Estudo comparativo entre modelos de previsão de demanda: ensaio em um produto classe a de uma empresa de perfumes e cosméticos Salomão Almeida Pereira (UFSC) salomao@deps.ufsc.br Lorena Drumond Loureiro

Leia mais

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE Resumo: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE O artigo trata sobre a estratégia financeira de curto prazo (a necessidade de capital

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

O planejamento e controle da produção em uma cooperativa do setor agroindustrial

O planejamento e controle da produção em uma cooperativa do setor agroindustrial O planejamento e controle da produção em uma cooperativa do setor agroindustrial Edimar Marcon (UFOP) edimarcon@yahoo.com.br Nayara Franciele Silva (UFOP) nayara_fram@yahoo.com.br Paulo Roberto do Nascimento

Leia mais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Maria Helena da Silva Miranda 1 ; Marina Ferreira Mendes Bernardes 1 ; Pedro Henrique Silva 1 ; Lucas Pimenta Silva

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO COPOM

A PROBLEMÁTICA DO COPOM A PROBLEMÁTICA DO COPOM Na ata de reunião terminada em 17 de outubro, em que houve a decisão unânime de manter a taxa SELIC em 11,25%, o COPOM dá uma indicação de sua motivação principal: 19. O Copom considera

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção: um estudo de caso em uma moageira da região metropolitana de Belém-PA

Planejamento e Controle da Produção: um estudo de caso em uma moageira da região metropolitana de Belém-PA Planejamento e Controle da Produção: um estudo de caso em uma moageira da região metropolitana de Belém-PA Izamara Cristina Palheta Dias (izamarai@hotmail.com / UEPA) Marcelo Carneiro Gonçalves (marcelo.ccbn@hotmail.com

Leia mais

Impactos sobre os custos de energia elétrica: é possível quantificá-los?

Impactos sobre os custos de energia elétrica: é possível quantificá-los? 1 Impactos sobre os custos de energia elétrica: é possível quantificá-los? RESUMO O presente trabalho teve como objetivo o desenvolvimento de uma metodologia para a quantificação do impacto dos principais

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos

Estatística: Conceitos e Organização de Dados. Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Estatística: Conceitos e Organização de Dados Introdução Conceitos Método Estatístico Dados Estatísticos Tabulação de Dados Gráficos Introdução O que é Estatística? É a parte da matemática aplicada que

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS

A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS Denis Rasquin Rabenschlag, M. Eng. Doutorando da Universidade Federal de Santa

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

ec balbo RECICLAGEM DE PNEUS

ec balbo RECICLAGEM DE PNEUS RECICLAGEM DE PNEUS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO AO PNEU 2. O MERCADO DE PNEUS 3. O PROBLEMA 4. AS SOLUÇÕES 5. A RECICLAGEM DE PNEUS 6. A ECOBALBO 7. OPORTUNIDADES FUTURAS A HISTÓRIA DO PNEU UMA HISTÓRIA DE MAIS

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

5. ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS

5. ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS 45 5. ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS 5.1 COTAÇÕES Para análise das cotações foram monitoradas as seguintes cotações: petróleo (Brent e WTI), QAV (Jet/Kerosene Grade 54 USG Waterborne 0,3%S), diesel (No.2

Leia mais