SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo Verificação Medição...15

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo...14 7. Verificação...14 8. Medição...15"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Condições para início do serviço Métodos e procedimentos de execução Estudo Preliminar Consolidação dos levantamentos de Interferências Definição do Lay-out Tubulações Escolha do Material Diâmetros Recobrimentos da tubulação Poço de Visitas Procedimentos para utilização do Poço de Visita no projeto Tubo de Queda Ligação Domiciliar ou Ramal Predial Elementos do Projeto Planta Baixa Perfis Estudos de População e Projeções de Consumo Dimensionamento Hidráulico...10 f) Altura da Lâmina de Esgoto Apresentação do Trabalho Memorial Descritivo Verificação Medição Para projetos de até 6 (seis) quilômetros de rede Para projetos acima de 6 (seis) quilômetros de rede Observações Registros Histórico das Alterações Anexos Modelo de Planilha de Dimensionamento Hidráulico Modelo Modelo de Planilha de Quantitativos de Serviços Modelo A...18 Elaboração Revisão Aprovação Jorge Konrad Luiz Fernando Albrecht; Jorge Antônio Brino Júnior; Alessandro Ferreira Sippel; José Arnildo Gomes de Mello Marco Antonio Gil Faccin Data da aprovação 21/5/2014 Página 1 de 18

2 1. Objetivo e campo de aplicação Esta Norma Técnica se destina a orientar a Empresas contratadas pelo Dmae para execução total ou parcial de Projetos de Redes de Esgotamento Sanitário no município de Porto Alegre. Têm o objetivo de fixar aspectos essenciais a serem abordados na execução de projetos e definir os elementos básicos que compõem o projeto e seus níveis de detalhamento e forma de apresentação. 2. Referências Além das Normas Técnicas DMAE para elaboração de projetos, de especificação de Materiais e de Serviços, devem ser atendidas as Normas da ABNT pertinentes, relacionadas a seguir, devendo, na ocasião da elaboração do projeto, ser utilizadas as edições mais recentes ou as normas que as substituam. NBR 9649/86 Projeto de Redes Coletoras de Esgoto Sanitário NBR 14486/00 Sistemas enterrados para condução de esgoto sanitário Projeto de redes coletoras em tubo de PVC 3. Definições Rede Coletora: Tubulação, ou malha de tubos, de diâmetro interno situado entre 150mm e 300mm, destinada à coleta do esgoto sanitário produzido nas edificações de um logradouro, bairro ou região. Tem por função o transporte destes efluentes até o destino final ou local de tratamento. Coletor: tubulação subterrânea da rede coletora que recebe contribuição de esgotos em qualquer ponto ao longo de seu comprimento, também chamado coletor público. Coletor Principal: coletor de esgotos de maior extensão dentro de uma mesma bacia. Coletor Tronco: tubulação do sistema coletor que recebe apenas as contribuições de outros coletores. Interceptor: canalização que recolhe contribuições de uma série de coletores de modo a evitar que deságüem em uma área a proteger. Câmara de Trabalho (balão): parte do PV de maior dimensão em planta, onde se situam as canaletas e almofadas ou banquetas. Página 2 de 18

3 Canaletas canais em meia-seção circular de diâmetro equivalente aos das tubulações que se ligam ao PV, destinados a propiciar o escoamento do esgoto no interior do mesmo; podendo ser retas ou curvas. Banqueta - correspondente às áreas do fundo não ocupadas pelas calhas com declividade no sentido das calhas. Laje de Fixação do Tampão: laje de cobertura dos Poços de Visita, possui moldura para fixação do Tampão de dimensões variáveis. Caixilho e Tampão: colocado diretamente sobre a laje excêntrica ou chaminé, com tampa articulada, em ferro, nos diâmetros 600mm, 1000mm e 1200mm. A cota superior do tampão deve coincidir com o greide e suportar as cargas acidentais do tráfego. Tubo de Queda: dispositivo instalado no PV de modo a permitir que o trecho de coletor a montante deságüe no fundo do poço. 4. Condições para início do serviço A seguir as principais condições para início dos trabalhos: - Os profissionais envolvidos deveram estar formalmente responsabilizados através de emissão de ART s (Anotação de Responsabilidade Técnica) que deverá ser emitida logo após a Ordem de Início do Serviço; - Deverá ser efetuada consulta ao PDE (Plano Diretor de Esgotos) e Caderno de Encargos do DMAE em vigência; - Deverá ser analisado o estudo de concepção e elaborado o Lay-out para a área de projeto; - Efetuar visita técnica ao local com acompanhamento da equipe técnica do DMAE envolvida no projeto; - Avaliação dos cadastros existentes de água, esgoto cloacal, drenagem pluvial, telefone, gás, fibra ótica e demais redes existentes no local; - Consulta e avaliação do cadastro comercial do DMAE em caso de projetos de substituição de redes existentes; - Consulta a projetos existentes tanto do DMAE, como de outros órgãos e de loteamentos e ou empreendimentos privados que estejam em fase de aprovação e/ou já aprovados; - Consulta a previsão de alterações em vias públicas na área em estudo; - Iniciar o processo de licenciamento ambiental; Página 3 de 18

4 - Apresentar o cronograma de execução do projeto; - Verificar demais licenças necessárias para a execução de intervenção na área de influência (DAER, Concepa, Prefeitura, etc.) - Solicitar informações técnicas quanto ao ponto de recepção da rede projetada e sua capacidade de absorver as novas contribuições de vazão. - No caso de projetos de grande porte verificar junto à fiscalização do DMAE informações relativas ao planejamento para a região onde se insere o projeto tais como previsão de obras estruturais e verificação da capacidade atual e futura da Estação de Tratamento de Esgotos que atende o Sistema de Esgotamento. 5. Métodos e procedimentos de execução 5.1 Estudo Preliminar Consolidação dos levantamentos de Interferências O lançamento da rede infra-estrutura, obras e elementos naturais tais como arroios, galerias pluviais e tubulações de grande diâmetro implantadas que dificultam ou inviabilizam determinado traçado Definição do Lay-out Com base nos mapas cadastrais e de curvas de nível pré-existentes o projetista poderá fazer o lançamento do lay-out que deverá ser aprovado pela Supervisão. O lay-out deverá contemplar os seguintes aspectos que deverão ser desenvolvidos no projeto: terreno. - o traçado deve seguir o menor trajeto e respeitar a declividade natural do - deve prever o maior número possível de ligações. - prever redes nos passeios para ruas com gabarito superior á 12 (doze) metros ou quando as ligações domiciliares ocorrerem apenas em um dos lados da rua. - respeitar arborização existente, redes existentes e postes da CEEE. - analisar e propor mais de uma alternativa de coletores de fundo. - necessidade de obras complementares como elevatórias, sifões invertidos e travessias não destrutivas. Página 4 de 18

5 5.2 Tubulações PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Escolha do Material As tubulações utilizadas pelo DMAE em redes coletoras são em manilha cerâmica ou PVC ocre para esgoto. A escolha dos materiais em especial da tubulação está associada aos seguintes fatores pré-existentes na área a projetar: esgoto. - tipo do solo - situação urbana (área formal, vila popular) - tipos de logradouros existentes, seu porte e volume de tráfego. - localização na via (eixo ou passeio) Os coletores de fundo devem ser projetados com material de PVC ocre para Em qualquer situação a escolha do material a ser utilizado deverá ser aprovada pela Supervisão dos trabalhos Diâmetros Para qualquer material utilizado o diâmetro mínimo da tubulação coletora será de 150mm e o máximo de 300mm. Para ramais o diâmetro mínimo adotado é de 100 mm Recobrimentos da tubulação O recobrimento mínimo para tubulações lançadas na caixa de rolamento será de 1,00m e redes no passeio 0,65. O recobrimento, no entanto, depende de outros fatores como interferências, profundidade da rede existente a interligar e a necessidade de ligar os domicílios que estejam abaixo da linha de greide evitando a inconveniência do coletor de fundos. O projetista deve priorizar a viabilidade das ligações devendo utilizar profundidades mínimas quando estiver garantida a viabilidade de todas as ligações do trecho projetado. Quando houver dúvida quanto à profundidade da canalização predial de saída de esgoto cloacal, deve-se considerar a profundidade da caixa adicional de calçada de 1 (um) metro, de acordo com o Artigo 53 do Decreto Municipal Nº 9.369/1988 atualizado pelo Decreto Nº /1999. Página 5 de 18

6 Os trechos de rede que não atenderem o recobrimento mínimo devem ser envelopados com concreto com espessura mínima de 10 cm a partir da geratriz externa do tubo, incluindo embaixo, nos lados e acima do tubo. 5.3 Poço de Visitas Procedimentos para utilização do Poço de Visita no projeto Uma vez definido o traçado da rede e conhecido o perfil do terreno onde será lançada a tubulação são definidos preliminarmente os Poços de Visita decorrentes das seguintes situações: - mudança de direção das tubulações - interligação de tubulações - mudanças de declividade da tubulação Após o dimensionamento hidráulico da rede, das verificações de interferências e confirmação do traçado inicial são agregados novos poços de visita conforme o aparecimento das seguintes situações: - desvio de interferências subterrâneas constatadas. - mudança do material e do diâmetro da tubulação. - para interromper trechos longos, criando trechos menores. A Norma brasileira recomenda que a distância entre PV s de uma rede seja de no máximo 100 metros. Os projetos de rede devem considerar aspectos pertinentes a manutenção e limpeza de acordo com os equipamentos disponíveis para este fim. Desta forma, são feitas as seguintes recomendações neste item: a) Distancias entre 60 e 80 metros recomendáveis para a maioria dos projetos em áreas regulares do ponto de vista urbanístico e sem grandes variações de declividade. b) Distancias entre 81 e 100 metros utilizadas em situações de exceção e preferencialmente em situações de boa declividade. Sempre que possível o projetista deverá optar pela alternativa anterior. c) Distâncias menores que 60 metros admissíveis em áreas de topografia acidentada e devido ás condições urbanísticas. De outra forma esta é uma opção que onera o custo final da obra. Página 6 de 18

7 A SUPERVISÃO dos projetos contratados poderá com base nestes critérios sugerir alterações no projeto durante a sua execução por motivos de economicidade e funcionalidade do projeto. Os poços de visita serão especificados de acordo com a Norma Dmae NS Tubo de Queda Deverá ser previsto tubo de queda para situações onde qualquer tubulação de montante esteja em desnível superior a 80 cm em relação ao fundo da calha do PV sendo de mesmo diâmetro e material da rede. 5.4 Ligação Domiciliar ou Ramal Predial Denomina-se Ramal Predial a tubulação que interliga a rede pública instalada na rua, passeio ou terreno particular as instalações prediais de esgotamento sanitário dos consumidores. Para fins de levantamento dos quantitativos considera-se o comprimento médio dos ramais como sendo de 5 (cinco) metros. Na prática, porém, estas dimensões podem variar bastante em função da posição da rede pública da colocação da caixa adicional de calçada (CAC). Compõem o ramal predial os seguintes elementos construtivos: Conexões Tees e curvas necessárias à interligação são do mesmo material e diâmetro da tubulação que compõe o ramal. Tubos diâmetro mínimo de 100 mm Caixa Adicional de Calçada além da função de inspeção funciona como divisor entre o que se considera rede publica e domiciliar especialmente no que tange a responsabilidade de manutenção. As caixas disponíveis no mercado são de concreto armado diâmetro 400 mm e altura de 550mm com prolongadores. Possuem tampa circular e quadrada ficando a sua especificação condicionada a aprovação da SUPERVISÂO do projeto. situações. Deverá ser considerado, na proporção de um domicilio por ramal em todas as Os diversos tipos de ramal em função de situações construtivas estão detalhados na Norma do DMAE NS 038. Página 7 de 18

8 5.5 Elementos do Projeto São componentes do projeto de redes coletoras os seguintes elementos: - Levantamento planialtimétrico e estudo geotécnico conforme Norma do DMAE - Planta geral nas escalas 1:500, 1:1000 e 1:2000 conforme o porte do projeto. Se necessário podem ser feitas tantas plantas quanto necessários respeitados os padrões de desenho conforme normas do DMAE - Planta e perfis na escala 1:1000 coadunadas e conforme os padrões de desenho do DMAE (ver Modelo de Projeto de Esgotamento Sanitário) - Detalhes especiais como travessias e pontos de interligação com as redes existentes, visando a continuidade da operação das redes e adequada integração ao sistema existente. - Planilhas de quantitativos e de serviços conforme o anexo 1 e Modelo 8.33A - Planilha de dimensionamento hidráulico conforme o anexo 2 e Modelo Orçamento tendo por base os padrões do DMAE, preços com base no Franarim. - Memorial Técnico e descritivo conforme item 6.1 desta norma. - Autorizações para passagem de Coletores de Fundo conforme padrão DMAE. - Laudo de Cobertura Vegetal quando exigível. - Documentos exigidos pelo Licenciamento Ambiental conforme Norma específica do DMAE Planta Baixa A planta baixa deverá conter os seguintes elementos: 1- Arruamentos, e seus elementos viários (meio-fio, alinhamento, canteiro central) com denominação oficial. 2 Limites dos lotes atendidos e sua numeração. 3 Curvas de nível de metro em metro. 4 - Nos coletores de fundo devem estar claramente posicionados às construções. 5 - Elementos naturais (rochas aflorantes e arroios) e elementos arbóreos e suas designações. 6 Interferências mais importantes como adutoras, redes pluviais e canais. 7 Elementos urbanos como postes, hidrantes, semáforos, paradas de ônibus com abrigo. Página 8 de 18

9 5.5.2 Perfis PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE 8 Dados da rede projetada como numeração de PVs, comprimento, diâmetro e material. Nos casos em que o diâmetro for de 150mm e material único, admite-se a informação na legenda. 9 A rede projetada deve ser desenhada com destaque sobre as demais, utilizar seta para indicação do fluxo. 10- Dados da tubulação que receberá a rede projetada como diâmetro, material e profundidade do PV de interligação. 11 Nos casos de desapropriação para viela sanitária deverão ser informados em legenda própria, o nome do proprietário, a matrícula do imóvel atingido assim como a área a ser desapropriada. A referida faixa deve estar representada em planta. 12 Seguir os padrões desenho definidos por Norma do DMAE Cada prancha deve conter uma planta baixa parcial da área com os respectivos perfis. Os perfis devem conter as seguintes informações: 1 - Cotas de tampa e de fundo de cada PV 2 - Cotas de chegada da tubulação caso estas não coincidam com as tubo de jusante 3 - Material e diâmetro da tubulação 4 - Declividade 5 - Mudanças de declividade no terreno 6 - Interferências como galerias, arroios, tubulações de água e da rede pluvial, telefonia e fibra ótica 7 - As plantas parciais devem atender o disposto no item anterior Estudos de População e Projeções de Consumo O projeto que envolva comunidades acima de habitantes deve prever crescimento populacional e horizonte mínimo de projeto de 20 (vinte). A Supervisão dos trabalhos poderá solicitar horizontes maiores. Para analise e projeção de crescimento populacional e cálculo de vazão devem ser consultados os seguintes instrumentos: - PDDUA plano diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental - PDE Plano Diretor de Esgotos de Porto Alegre Página 9 de 18

10 - Valores de micro-medição fornecidos pelo DMAE em casos especiais e com influência de grandes consumidores ou empreendimentos - Normas brasileiras pertinentes - IBGE dados de população do último censo disponível Para fins de projetos de pequeno e médio porte, adota-se 4(quatro) habitantes por economia e consumo médio de 200 litros/habxdia. Os parâmetros de dimensionamento da vazão são os preconizados pela NBR 9649/86 Para o cálculo da vazão máxima final a fórmula utilizada será: Qfmáx= onde: C x Pf x q x k1 x k Qfmáx:Vazão doméstica Final Máxima (L/s); Pf : população final (hab.); k 1 coeficiente de máxima vazão diária = 1,2 k 2 coeficiente de máxima vazão horária = 1,5 C coeficiente de retorno de esgoto = 0,80 q consumo percápita = 200 l/dia ou valor estabelecido pelo DMAE ; A vazão de infiltração a se somar a vazão doméstica será obtida pelo coeficiente de infiltração que varia entre 0,5 à 1,0 litros por quilômetro de rede. Para tubulações de PVC ou PEAD utilizar 0,5 l/km por segundo Dimensionamento Hidráulico Para o dimensionamento hidráulico da Rede Coletora recomenda-se o critério da vazão unitária por metro linear de coletor, verificando-se trecho a trecho a rede, para as condições de vazão inicial e final do projeto estabelecida. Para esta etapa de projeto estão associados os seguintes fundamentos. a) Equação da continuidade Q = A. v onde: Q : vazão de projeto (m3/s) A : seção molhada do coletor (m 2 ) v : velocidade de escoamento no coletor (m/s) b) Fórmula de Manning Página 10 de 18

11 v = (1 η) x R h ²/3 x I 1/2 onde: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE v: velocidade de escoamento (m/s); η: coeficiente de rugosidade; Rh: raio hidráulico (m); e I: declividade do coletor (m/m). c) Vazão Inicial Mínima Pela norma NB-9.649/86, a menor vazão a ser adotada em qualquer trecho é de 1,5 l/s. d) Tensão Trativa Este é o critério determinado pela NB-9649/86 para dimensionamento dos coletores de esgoto e envolve considerações sobre três aspectos principais: hidráulico, controle de sulfetos e ação de auto-limpeza. Este conceito substitui a velocidade de auto-limpeza preconizada pela PNB-567/75. A tensão trativa representa um valor médio de tensão ao longo do perímetro molhado do conduto e é calculada pela seguinte expressão: T = δ x Rh x I T : δ : Rh: I : ; onde: tensão trativa média (Pa); peso específico do líquido ( N/m³); raio hidráulico (m); declividade do coletor (m/m). e) Tensão Trativa Crítica De acordo com a Norma, a tensão trativa crítica é de 1,0 Pa em tubulações de manilha cerâmica, concreto, ferro e aço e 0.6 Pa para tubos plásticos. Para fins de padronização o DMAE estabelece a tensão trativa mínima para tubos plásticos como 0,92 Pa igualando a declividade mínima para todos os materiais para vazões até 1,5 l/s. Em qualquer trecho da rede, para a vazão inicial de contribuição, a tensão trativa calculada deverá ser maior ou igual à tensão trativa crítica, sendo esta a condição para que o esgoto escoado satisfaça a condição de auto-limpeza e de controle de sulfetos. Página 11 de 18

12 f) Altura da Lâmina de Esgoto O critério de auto limpeza estabelecido pela tensão trativa extinguiu a necessidade da lâmina mínima. A lâmina máxima porém, deve ser igual ou menor que 75% do diâmetro da tubulação, para a vazão final de contribuição no trecho do coletor ou 50% do diâmetro da tubulação para velocidades superiores à velocidade crítica. g) Declividade Mínima A declividade mínima admissível é a que satisfaz a tensão trativa crítica. A declividade será mesma para os diversos materiais, mas em função do coeficiente de Manning teremos variações na Tração Trativa como visto a seguir: onde: Material Coef. de Manning (η) Fórmula p/ a declividade mínima Tração Trativa Min. (Pa) Declividade Mínima PVC e PEAD 0,010 Imín = 0,0055 x Qi (6/13) 0,92 4,56m/km Manilha, Concreto, Ferro e Aço Imín. : declividade mínima (m/m); e Qi : vazão inicial (l/s). h) Velocidade Final Máxima 0,013 1,00 A velocidade final máxima permitida será de 4,0 m/s, o que resulta na declividade máxima dada pela fórmula: Imáx. = 2,54 x Qf -(2/3) ; onde: Imáx. : declividade máxima (m/m); e Qf : vazão final (l/s). Página 12 de 18

13 Quando a velocidade final no coletor ultrapassar a velocidade crítica, a maior lâmina d água admissível será limitada em 50% do diâmetro do coletor, assegurando assim a ventilação do trecho. h) Velocidade Final Máxima A velocidade final máxima permitida será de 4,0 m/s, o que resulta na declividade máxima dada pela fórmula: Imáx. = 2,54 x Qf -(2/3) ; onde: Imáx. : declividade máxima (m/m); e Qf : vazão final (l/s). Quando a velocidade final no coletor ultrapassar a velocidade crítica, a maior lâmina d água admissível será limitada em 50% do diâmetro do coletor, assegurando assim a ventilação do trecho. i)velocidade Crítica: Vc = 6 (g x Rh) 1/2 ; onde: Vc : velocidade crítica (m/s); g : aceleração da gravidade (m/s²); e Rh : raio hidráulico (m). j) Condição de Controle de Remanso Sempre que a cota do nível de água na saída de qualquer PV (poço de visita) estiver acima de qualquer das cotas dos níveis d água de entrada, será verificada a influência do remanso no trecho de montante. O rebaixo será dado por: Re = y2 y1 ; onde: y2 : Cota da lâmina d água da tubulação de entrada mais baixa no PV; y1 : Cota da lâmina d água da tubulação de saída do PV. 6. Apresentação do Trabalho Os documentos que constituem o projeto devem ser apresentados conforme padrões do DMAE. A entrega inicial dos projetos deverá contemplar a encadernação e cópia em meio digital dos seguintes volumes: - Projeto Executivo (Memorial Descritivo, Planilha de Quantitativos, Planilha de Dimensionamento, Orçamento e Peças Gráficas); Página 13 de 18

14 - Volume de Licenciamento da Obra, contendo laudo de cobertura vegetal e outros documentos relativos ao licenciamento junto a outros órgãos e os que se fizerem necessários conforme descritos na Norma Técnica DMAE de Licenciamento Ambiental; Em cada um dos volumes deverá ser apresentado o índice de todos os documentos incluídos em cada volume, além da informação da existência dos demais volumes que incluem o conjunto. Após a aprovação pela SUPERVISÃO, o projeto completo deverá ser entregue em 2 vias encadernadas e mais uma via do conjunto de peças gráficas impressas em papel vegetal. Todo o material gerado pelo projeto deve ser entregue em meio digital, gerados por software atualizado e compatível com os softwares em uso pelo DMAE e aprovado pela SUPERVISÃO. 6.1 Memorial Descritivo O memorial descritivo deve apresentar um resumo com os seguintes itens: - objetivo do projeto e origem da demanda; - população atendida - quantitativos principais como metragem, diâmetros e custo total da obra - descrição da área abrangida, situação dentro da região e no município - inserção do projeto no planejamento existente no DMAE - situação urbana da área O Memorial Descritivo deve contemplar a descrição sintética do cálculo de dimensionamento hidráulico, descrevendo as particularidades mais importantes para uma perfeita compreensão do detalhamento do projeto. Apresentar a especificação e quantificação de todos os materiais, equipamentos e peças a serem utilizados na execução da obra. 7. Verificação Os principais itens a verificar pela SUPERVISÃO estão a seguir descritos: Item aferido Método Critérios Concepção geral do projeto Análise do Layout proposto e Atendimento total da área abrangida e destinação Registro de Inconformidade Atas de Reunião c/ a empresa Página 14 de 18

15 Redes de infraestrutura que interferem no projeto Funcionalidade da rede projetada Dimensionamento Hidráulico Elementos constitutivos da apresentação em planta baixa e perfis Planilhas de quantitativos e orçamentos Apresentação do trabalho 8. Medição PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE destino final adequada dos efluentes Ficha de Acompanhamento Verificação dos cadastros apresentados Atendimento no previsto nos itens.5.2 e 5.3 desta Norma Verificação de Cálculo (aleatório) Verificação através de checklist Verificação de Cálculo Visual Conformidade total com esta Norma - material adequado - posicionamento correto das tubulações - posicionamento dos PV s - profundidades adequadas - interligação a rede existente Conformidade total com NBR pertinentes Conformidade total com os itens e desta Norma Conformidade total com os padrões de orçamento fornecidos pelo DMAE e preços vigentes pelo Franarim e conforme o Memorial Descritivo Conformidade total com os itens 5.5 e 6.0 desta Norma 8.1 Para projetos de até 6 (seis) quilômetros de rede Pagamento em duas parcelas da seguinte forma: de Projeto Atas de Reunião c/ a empresa Ficha de Acompanhamento de Projeto Atas de Reunião c/ a empresa Ficha de Acompanhamento de Projeto Ficha de Acompanhamento de Projeto Atas de Reunião c/ a empresa Ficha de Acompanhamento de Projeto Atas de Reunião c/ a empresa Ficha de Acompanhamento de Projeto Ficha de Acompanhamento de Projeto - 40% na aprovação do Estudo Preliminar - 60% na aprovação final 8.2 Para projetos acima de 6 (seis) quilômetros de rede Pagamento em três parcelas da seguinte forma: - 30% na aprovação do Estudo Preliminar Página 15 de 18

16 - 40% na primeira entrega do projeto com todos elementos conforme item 6.0 desta Norma - 30% na entrega final após a devida aprovação pela SUPERVISÃO 9. Observações Não se aplica 10. Registros - Atas de Reunião com a empresa contratada - Ficha de Acompanhamento - Projeto de Redes de Esgotamento Sanitário Mod Histórico das Alterações 00-26/06/08 - Criação do documento 01-27/10/08 Revisão dos itens 10 e 12 Inclusão de Anexos /04/2012 Atualização de layout e validação /3/2014 Revisão dos itens 5.1.2, 5.2.1, 5.2.3, e 5.4. Página 16 de 18

17 12. Anexos PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE 12.1 Modelo de Planilha de Dimensionamento Hidráulico Modelo 8.33 Página 17 de 18

18 12.2 Modelo de Planilha de Quantitativos de Serviços Modelo A Página 18 de 18

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior Recomendações para o Projeto e Dimensionamento Profª Gersina N.R.C. Junior Vazão; Recomendações Para Projeto Principais recomendações que o projetista deve observar: Diâmetro mínimo; Lâmina d água máxima;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS036 POÇOS DE VISITA TIPOS 2A e 2B Revisão: 02 Fev/09 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...4 2. Referências...4 3. Definições...4 4. Condições para início dos serviços...5 5. Materiais e equipamentos necessários...5 6. Métodos e Procedimentos de Execução...5

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior da Rede Coletora de Esgotos Profª Gersina N.R.C. Junior Rede de Esgoto - Após a definição do traçado, numeração dos trechos e indicação do sentido de escoamento da rede de esgoto: a) Cálculo da vazão a

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários

MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS. Normas e apresentação de projetos hidrossanitários MANUAL DE PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS Normas e apresentação de projetos hidrossanitários Abril de 2014 APRESENTAÇÃO A cidade de Unaí está em constante desenvolvimento, acompanhado, consequentemente, pelo

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Caxias do Sul 2015 1 Sumário 1 REDES DE ÁGUA... 3 1.1 Assentamento

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO INTRODUÇÃO 1.1 Partes de um Sistema de Esgotamento Sanitário: Rede Coletora: Conjunto de tubulações destinadas a receber e Conduzir

Leia mais

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A

SANEAMENTO DE MIRASSOL SANESSOL S.A MANUAL DO LOTEADOR SANESSOL S.A Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água...

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...4 5. Métodos e procedimentos de execução...4 5.1 Estudos preliminares... 4 5.2 Lançamento

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Órgãos acessórios Profª Gersina Nobre Concepção da coleta de esgoto sanitário Para a concepção da coleta de esgoto sanitário é necessária a definição dos dispositivos que serão empregados

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água 1-Objetivo Avenida Professor Oscar Pereira Elaboração de projeto executivo para substituição/ampliação das redes de abastecimento

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE PALESTINA ESAP S.A.

EMPRESA DE SANEAMENTO DE PALESTINA ESAP S.A. MANUAL DO LOTEADOR Sumário 1. Diretrizes Gerais... 3 2. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 5 3. Diretrizes técnicas para Abastecimento de Água... 6 3.1. Abastecimento de Água... 6 3.2. Distribuição

Leia mais

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário Profª Gersina Nobre Na elaboração do projeto da rede coletora de esgoto sanitário devem se observadas as seguintes normas da ABNT: NBR 9648 Estudo de concepção

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE.

Declaramos concordar com as condições estabelecidas no Regulamento para Apresentação de Trabalhos Técnicos na 38º Assembléia Nacional da ASSEMAE. Título: Atualização e Manutenção do Cadastro Técnico Autores: Renan Moraes Sampaio Cargo Atual: Coordenador do Cadastro Técnico e Geoprocessamento. Formação: Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail:

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS 2011 ÍNDICE 2 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos referentes à aprovação, pela COMUSA, de projetos de Loteamentos, Desmembramentos, Núcleos Habitacionais,

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS

TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS TÍTULO: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS EXECUTIVOS DE REDES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E COLETORAS DE ESGOTO LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 020

Norma Técnica SABESP NTS 020 Norma Técnica SABESP NTS 020 ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Revisão 1 - Maio 2003 NTS 020 : 2003 - rev. 1 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS Diretrizes Gerais Diretrizes Complementares para Projetos de Esgoto Revisão 0 Data Nov/2006 DIRETRIZES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos referentes

Leia mais

NORMA TÉCNICA SABESP NTS 025

NORMA TÉCNICA SABESP NTS 025 NORMA TÉCNICA SABESP NTS 025 PROJETO DE REDES COLETORAS DE ESGOTOS Procedimento São Paulo Julho 2006 Rev. 01 NTS 025 : 2006 Rev. 01 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 ABRANGÊNCIA...1 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 A instalação predial de águas pluviais

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO OBRA: CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Sobral. ENDEREÇO: Rua Sem Denominação Oficial

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 LIGAÇÕES PREDIAIS PÁGINA 1/49 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 17 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1701 a 1714 LIGAÇÃO PREDIAL DE

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE SÍNTESE A despeito das doenças relacionadas a ambientes insalubres, não há, na Cidade do Recife, registro

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC Aline Tramontin (1), Nestor Back (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES PROJETO HIDROSSANITÁRIO 1. GENERALIDADES O presente memorial descritivo trata das instalações hidrossanitárias do prédio acima descrito, o qual foi elaborado segundo as normas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO Sistemas Prediais, Hidráulico-Sanitários e Gás Aula 2 Prof. Julio César B. Benatti SISTEMAS PREDIAIS DE ESGOTO SANITÁRIO NBR 8160/99 Sistema de esgoto sanitário: coletar e conduzir os despejos provenientes

Leia mais

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário

Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário Continuação aula 3 - unidades do Sistema de Esgotamento Sanitário e) Órgãos acessórios: Dispositivos fixos e não mecanizados destinados a facilitar a inspeção e limpeza dos coletores, construídos em pontos

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina ECV5317 Instalações I INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Enedir Ghisi, PhD Eloir Carlos Gugel, Eng. Civil Florianópolis,

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. SISTEMAS PÚBLICOS DE ESGOTOS Os sistemas públicos de coleta, transporte e disposição de esgotos existem desde as primeiras civilizações conhecidas (assírios,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844 ÁREA DE CONTRIBUIÇÃO DADOS PLUVIOMÉTRICOS Localidade: Praça XV Ângulo de inclinação da chuva: θ = 60,0 Tipo: Coberturas s/ extravazamento Período de Retorno: T = 25 anos Intensidade pluviométrica*: i =

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda. PAC/BNDES BACIA C Jardim Esmeralda Vila Planalto Cidade Salmen BACIA LUZ D AYARA

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS Giovani Meira de Andrade (*), Jennifer Domeneghini 2, Alcindo Neckel 3, Aline Ferrão Custodio Passini 4, Andreia do Nascimento 5 * Faculdade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do projeto...3 5. Métodos e procedimentos de execução...3 5.1 Estudos Preliminares...3 5.2 Estudo

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas A) Abastecimento de Água + Drenagem de Águas Residuais Domésticas + Drenagem de Águas Pluviais 1. Requerimento (*) 2. Termo de responsabilidade (*): 2.1 Independente por especialidade apresentada 2.2 Legislação

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO II-338 PLANO DE MELHORIA OPERACIONAL DO SISTEMA INTEGRADO DOS COLETORES TRONCO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Antônio Simões Teixeira Filho (1) Engenheiro Civil / Sanitarista pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Manual UFC9. Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD. Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro

Manual UFC9. Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD. Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro Manual UFC9 Software para Traçado e Cálculo de Redes de Esgotos em AutoCAD Orientador: Marco Aurélio Holanda de Castro Programadores: Alessandro de Araújo Bezerra Gustavo Paiva Weyne Rodrigues Índice Introdução

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

SAN.T.IN.NT 30. Regulamentação de Procedimentos para Análise e Liberação de Empreendimentos Residenciais, Comerciais e Industriais

SAN.T.IN.NT 30. Regulamentação de Procedimentos para Análise e Liberação de Empreendimentos Residenciais, Comerciais e Industriais Paginação: 1 / 15 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS DOS SERVIÇOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta norma tem a finalidade de regulamentar e estabelecer

Leia mais

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula

Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2. Notas de aula Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Escola Edgar Graeff SHAU 2 Notas de aula Tabelas, e recomendações. Esgoto Sanitário. Prof. Ms. Gerson Antonio Lisita Lopes Arantes Agosto/2004

Leia mais

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água 1 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/049/01/08 Data de aprovação 05 /11 / 2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4950/2008 Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água SUMÁRIO 1 OBJETIVO...

Leia mais

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 Macroprocesso Processo Subprocesso Gerência GERÊNCIA REGIONAL Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 1.2.8.1 Receber e analisar solicitação Receber solicitação de demanda de expansão do sistema de Supervisor de Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO XII - TERMO DE REFERÊNCIA SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO ESCRITÓRIO MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS DIVISÃO DE PROJETOS VIÁRIOS Elaboração de Adequação de Projetos, Geométrico e de Drenagem, de vias do Túnel Verde, á execução

Leia mais

CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ.

CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ. MANUAL DO LOTEADOR CAB AGUAS DE PARANAGUÁ PARANAGUÁ. Sumário 1.Lei 2000 de 05 de Junho de 1997...3 2. Diretrizes Gerais... 7 3. Diretrizes para apresentação dos Projetos... 9 4. Diretrizes técnicas para

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA.

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA. 1 / 11..1997 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. CONSIDERAÇÕES GERAIS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta norma tem a finalidade de regulamentar

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO

MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO MEMORIAL DESCRITIVO E MEMORIAL DE CÁLCULO HIDROSSANITÁRO CONSTRUÇÃO AC SÃO PAULO DE OLIVENÇA / AM TIRADENTES, S/Nº- CENTRO CEP 69.600-000 SÃO PAULO DE OLIVENÇA/AM GEREN/DR/AM MANAUS mal/smds MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais