PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A"

Transcrição

1 PROA DE FÍSCA º ANO - ª MENSAL - º RMESRE PO A ) Cosidere as seguites roosições referetes a u gás erfeito.. O gás é costituído de u úero uito elevado de éculas que tê diesões desrezíveis e coaração co o esaço vazio etre elas.. As éculas de u gás estão e costate ovieto ordeado.. As éculas do gás se choca soete etre si. As forças de iteração etre elas são de curto alcace, ocorredo soete durate as colisões.. Os choques que ocorre etre as rórias éculas e etre elas e as aredes que cotê o gás são erfeitaete elásticos e de duração desrezível.. As éculas são cosideradas equeas esferas e sua fora, ois se retede aalisar soete o ovieto de rotação e a eergia associada a ele, desrezado-se os ovietos de traslação e a eergia a estes associada. Estão corretas aeas: a) e b) e c), e d), e e), e 0) Ua deteriada assa de gás erfeito, iicialete o estado, sofreu as seguites e sucessivas trasforações gasosas: foi coriido isotericaete até o estado ; deois foi aquecido isobaricaete até u outro estado, o 3; e fialete esfriado isoetricaete retorado o estado. Etre os diagraas volue x teeratura absoluta aresetados, assiale aquele que elhor rereseta a sucessão de trasforações descrita. 03) Assiale verdadeira () ou falsa (F) ara as seguites roosições referetes à aostra de u gás erfeito. (F) A teeratura absoluta do gás é iversaete roorcioal à eergia ciética édia das éculas do gás. () A trasforação isotérica geralete é leta, eritido que a teeratura do sistea eraeça ialterada. (F) A ressão do gás é sere iversaete roorcioal ao úero de éculas or uidade de volue a aostra. () Nua trasforação isobárica, o aueto da teeratura aueta a eergia das éculas. Para ater a ressão costate, o volue é obrigado a sofrer ua exasão. (F) A trasforação isotérica é reresetada graficaete or ua hiérbole cúbica, idicado a relação etre o volue e a ressão. 04) Detro de ua sala co ar codicioado, a teeratura édia é 7 C. No corredor, ao lado da sala, a teeratura édia é 7 C. ato a sala quato o corredor estão à esa ressão. Sabe-se que, u gás, a eergia ciética édia das artículas que o coõe é roorcioal à teeratura e que sua ressão é roorcioal ao roduto da teeratura elo úero de artículas or uidade de volue. Co base esses dados, ode-se afirar que: a) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior o corredor e o úero de artículas or uidade de volue é eor a sala. b) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior o corredor e o úero de artículas or uidade de volue é aior a sala. c) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior a sala e o úero de artículas or uidade de volue é aior o corredor. d) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior a sala e o úero de artículas or uidade de volue é eor o corredor. e) falta iforações ara fazer ua aálise ais recisa.

2 0) U extitor de icêdio cilídrico, cotedo CO, ossui u edidor de ressão itera que, iicialete, idica 00 at. Co o teo, arte do gás escaa, o extitor erde ressão e recisa ser recarregado. Quado a ressão itera for igual a 60 at, a orcetage da assa iicial de gás que terá escaado corresoderá a: Obs: Cosidere que a teeratura eraece costate e o CO, essas codições, coorta-se coo u gás erfeito..... abiete.. 00at at fração que escaou? ficou 06) Dois reciietes, e, estão iterligados or u tubo de volue desrezível dotado de ua toreira. Os reciietes e cotê, jutos, 300 litros. Nu deteriado istate, co a válvula da toreira aberta, u gás ideal o iterior do reciiete ossui ua ressão de,0 at e está à teeratura abiete. O gás é bobeado totalete ara o reciiete, cofore idica a figura, e, e seguida, fecha-se a toreira. Nessa seguda situação, o gás fica sujeito a ua ressão de 6,0 at quado retora à teeratura abiete. Deterie o volue do reciiete L? 6at te. abiete at ( ) L ( ) + 300L L 07) A ressão de u gás o iterior do reciiete, cuja assa ar é 3 g, é de 40 at e ocua u volue de 8 litros a ua teeratura de 3 C. Deterie: a) o úero de s do gás cotido o reciiete; 8L. R.. b) a assa do gás cotido o reciiete g 3º C 0K 40at g 3 at. L R 0,08. K?. R , , 60

3 PROA DE FÍSCA º ANO - ª MENSAL - º RMESRE PO B ) Ua deteriada assa de gás erfeito, iicialete o estado, sofreu as seguites e sucessivas trasforações gasosas: foi aquecido isocoricaete até o estado ; deois foi resfriado isobaricaete até u outro estado, o 3; e fialete exadido isotericaete retorado ao estado. Etre os diagraas volue x teeratura absoluta aresetados, assiale aquele que elhor rereseta a sucessão de trasforações descrita. 0) Assiale verdadeira () ou falsa (F) ara as seguites roosições referetes a u gás erfeito. () O gás é costituído de u úero uito elevado de éculas que tê diesões desrezíveis e coaração co o esaço vazio etre elas. (F) As éculas de u gás estão e costate ovieto ordeado. (F) As éculas do gás se choca soete etre si. As forças de iteração etre elas são de curto alcace, ocorredo soete durate as colisões. () Os choques que ocorre etre as rórias éculas e etre elas e as aredes que cotê o gás são erfeitaete elásticos e de duração desrezível. (F) As éculas são cosideradas equeas esferas e sua fora, ois se retede aalisar soete o ovieto de rotação e a eergia associada a ele, desrezado-se os ovietos de traslação e a eergia a estes associada. 03) Detro de ua sala co ar codicioado, a teeratura édia é 7 C. No corredor, ao lado da sala, a teeratura édia é 7 C. ato a sala quato o corredor estão à esa ressão. Sabe-se que, u gás, a eergia ciética édia das artículas que o coõe é roorcioal à teeratura e que sua ressão é roorcioal ao roduto da teeratura elo úero de artículas or uidade de volue. Co base esses dados, ode-se afirar que: a) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior o corredor e o úero de artículas or uidade de volue é eor a sala. b) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior a sala e o úero de artículas or uidade de volue é eor o corredor. c) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior a sala e o úero de artículas or uidade de volue é aior o corredor. d) a eergia ciética édia das artículas que coõe o ar é aior o corredor e o úero de artículas or uidade de volue é aior a sala. e) falta iforações ara fazer ua aálise ais recisa. 04) Cosidere as seguites roosições referetes à aostra de u gás erfeito, de assa e volue costates.. A teeratura absoluta do gás é iversaete roorcioal à eergia ciética édia das éculas do gás.. A trasforação isotérica geralete é leta, eritido que a teeratura do sistea eraeça ialterada.. A ressão do gás é sere iversaete roorcioal ao úero de éculas or uidade de volue a aostra.. Nua trasforação isobárica, o aueto da teeratura aueta a eergia das éculas. Para ater a ressão costate, o volue é obrigado a sofrer ua exasão.. A trasforação isotérica é reresetada graficaete or ua hiérbole cúbica, idicado a relação etre o volue e a ressão. Etre as roosições aresetadas, é(são) correta(s): a) soete e. b) aeas e. c) soete e. d) todas. e) ehua.

4 0) U reciiete coté ua dada quatidade de gás ideal cuja ressão é o trilo da ressão atosférica e à teeratura de 7 C. O reciiete ossui u disositivo que erite a saída ou a etrada de gás de odo a ater a ressão itera sere costate. O sistea é aquecido até atigir ua teeratura, e, durate esse rocesso, /6 da quatidade iicial de gás escaa do reciiete. Deterie, e graus Celsius, a teeratura fial. Desreze qualquer ossível dilatação do reciiete C? K 87 C 06) A ressão de u gás o iterior do reciiete, cuja assa ar é 6 g, é de 40 at e ocua u volue de 8 litros a ua teeratura de 73 C. Deterie: a) o úero de s do gás cotido o reciiete; 8L. R.. 73º C 00K 40at g 6 at. L R 0,08. K? b) a assa do gás cotido o reciiete g. R , , 4 700

5 07) Dois reciietes, e, estão iterligados or u tubo de volue desrezível dotado de toreira, cofore esquea a seguir. Nu deteriado istate, o reciiete coté 0 litros de u gás, à teeratura de 7 C e ressão de 4 at, equato o reciiete, que ossui u volue de 30 litros, está vazio. Abrido-se a toreira, o gás se exade exercedo ressão de 0,0 at. Deterie a teeratura fial do gás e graus Celsius. 0L + 0L? 7 C 400K? 4at 0,at , K 48 C

6 PROA DE FÍSCA º ANO - ª MENSAL - º RMESRE PO C 0) Sobre o estudo de u gás ideal ou erfeito, aalise as roosições abaixo.. Ua deteriada aostra de gás, à ressão costate, terá seu volue diretaete roorcioal à teeratura absoluta.. Durate ua trasforação isocórica, se foreceros calor, a ressão da aostra de gás eraecerá ialterada.. Auetado a eergia ciética de u gás, soete sua teeratura auetará desde que o volue da aostra do gás eraeça costate.. Durate ua trasforação isotérica, atedo a assa do gás costate, o volue da aostra é iversaete roorcioal à ressão dela.. odo o gás real te u coortaeto aroxiado de u gás ideal quado subetido a altas ressões e baixas teeraturas. Estão corretas: a) soete, b) soete, c) soete, d) soete, e e) soete, e 0) A ressão de u gás o iterior do reciiete, cuja assa ar é 64 g, é de 00 at e ocua u volue de 64 litros u reciiete a ua teeratura de 73 C. Deterie: a) a assa do gás cotido o reciiete; 64L 73º C 00K 00at g 64 at. L R 0,08. K? b) o úero de s do gás cotido o reciiete R.... R... R , , g 03) Os gráficos abaixo rereseta trasforações gasosas. detifique as trasforações de cada gráfico de acordo co a orde de aresetação. a) isotérica, isobárica, isotérica e isocórica b) isocórica, isoétrica, isobárica e isotérica c) isobárica, isocórica, isobárica e isotérica d) isotérica, isobárica, isocórica e isotérica e) isoétrica, isocórica, isovoluétrica e isotérica

7 04) Dois reciietes, e, estão iterligados or u tubo de volue desrezível dotado de ua toreira. Os reciietes e cotê, jutos, 360 litros. Nu deteriado istate, co a válvula da toreira aberta, u gás ideal o iterior do reciiete ossui ua ressão de,0 at e está à teeratura abiete. O gás é bobeado totalete ara o reciiete, cofore idica a figura, e, e seguida, fecha-se a toreira. Nessa seguda situação, o gás fica sujeito a ua ressão de 6,0 at quado retora à teeratura abiete. Deterie o volue do reciiete L? 6at te. abiete at ( ) L ( ) + 360L L 0) De acordo co o estudo dos gases, assiale verdadeiro () ou falso (F). () A ressão de u gás é coseqüêcia do úero de colisões das artículas co a arede do reciiete. (F) As colisões das éculas de u gás ideal as aredes do reciiete são cosideradas erfeitaete elásticas ois a eergia ão se coserva. () Ua trasforação de estado de u gás é caracterizada ricialete ela udaça de valores das variáveis de estado. (F) Auetado a eergia ciética de u gás, soete sua ressão auetará desde que o volue da aostra do gás eraeça costate. (F) Nua trasforação isobárica, quado a teeratura aueta, o volue aueta devido ao aueto do úero de artículas do gás. 06) U cilidro etálico, fechado co taa, coté N s de ar à ressão de 6 atosferas e à teeratura abiete. Abre-se a taa do cilidro. Deois de seu coteúdo ter etrado e equilíbrio terodiâico co o abiete, verificou-se que escaara. Deterie o úero de s cotidos o cilidro ates da abertura da taa. (A ressão atosférica é de at, e o ar é cosiderado u gás ideal.) N N 6N N N N, 4 07) U cogelador doéstico ecotra-se, iicialete, desligado, vazio (se ehu alieto ou objeto detro dele), totalete aberto e à teeratura abiete de 7 C quado, etão, te sua orta fechada e é ligado. Aós alguas horas de fucioaeto, aida vazio, sua teeratura itera atige 8 C. O cogelador ossui erfeita vedação co a orta atida fechada. Assiale a alterativa correta. 6at at N N a) Aós o fechaeto do cogelador, a ressão do ar o seu iterior aueta à edida que a eergia ciética édia diiui. b) Equato a orta foi atida fechada, a ressão e a teeratura da assa de ar o iterior do cogelador ativera-se diretaete roorcioais. c) ediataete aós a orta do cogelador ser fechada, a ressão do ar o seu iterior é suerior à ressão atosférica local. d) Co a diiuição da teeratura, a ressão do ar o iterior do cogelador eraece ialterada. e) A ressão o iterior do cogelador, quado a assa de ar atige a teeratura de 8 C, é igual a 00% da ressão atosférica local.

8 PROA DE FÍSCA º ANO - ª MENSAL - º RMESRE PO D 0) De acordo co o estudo dos gases, aalise as roosições abaixo.. A ressão de u gás é coseqüêcia do úero de colisões das artículas co a arede do reciiete.. As colisões das éculas de u gás ideal as aredes do reciiete são cosideradas erfeitaete elásticas, ois a eergia ão se coserva.. Ua trasforação de estado de u gás é caracterizada ricialete ela udaça de valores das variáveis de estado.. Auetado a eergia ciética de u gás, soete sua ressão auetará desde que o volue da aostra do gás eraeça costate.. Nua trasforação isobárica, quado a teeratura aueta, o volue aueta devido ao aueto do úero de artículas do gás. Está(ão) correta(s): a) soete, e. b) aeas, e. c) soete e. d) aeas. e) todas estão corretas. 0) U cogelador doéstico ecotra-se, iicialete, desligado, vazio (se ehu alieto ou objeto detro dele), totalete aberto e à teeratura abiete de 7 C, quado, etão, te sua orta fechada e é ligado. Aós alguas horas de fucioaeto, aida vazio, sua teeratura itera atige 8 C. O cogelador ossui erfeita vedação co a orta atida fechada. Assiale a alterativa correta. a) Aós o fechaeto do cogelador, a ressão do ar o seu iterior aueta à edida que a eergia ciética édia diiui. b) ediataete aós a orta do cogelador ser fechada, a ressão do ar o seu iterior é suerior à ressão atosférica local. c) Co a diiuição da teeratura, a ressão do ar o iterior do cogelador eraece ialterada. d) Equato a orta foi atida fechada, a ressão e a teeratura da assa de ar o iterior do cogelador ativera-se diretaete roorcioais. e) A ressão o iterior do cogelador, quado a assa de ar atige a teeratura de 8 C, é igual a 00% da ressão atosférica local. 03) Dois reciietes, e, estão iterligados or u tubo de volue desrezível dotado de toreira, cofore esquea a seguir. Nu deteriado istate o reciiete coté 0 litros de u gás, à teeratura abiete e ressão de 4,0 at, equato o reciiete está vazio. Abrido-se a toreira, o gás se exade exercedo ressão de 0,0 at quado retorar à teeratura abiete. Deterie o volue do reciiete. 0L +? te. abiete 4at 0,at ( ) ,. 80 0,. 60L ( ) + 60L L 04) Sobre o estudo de u gás ideal ou erfeito, aalise as roosições abaixo e arque ara a(s) roosição(ões) verdadeira(s) e F ara a(s) falsa(s). () Ua deteriada aostra de gás, à ressão costate, terá seu volue diretaete roorcioal à teeratura absoluta. (F) Durate ua trasforação isocórica, se foreceros calor, a ressão da aostra de gás eraecerá ialterada. (F) Auetado a eergia ciética de u gás, soete sua teeratura auetará desde que o volue da aostra do gás eraeça costate. () Durate ua trasforação isotérica, atedo a assa do gás costate, o volue da aostra é iversaete roorcioal à ressão dela. (F) odo o gás real te u coortaeto aroxiado de u gás ideal quado subetido a altas ressões e baixas teeraturas.

9 0) U cilidro etálico, fechado co taa, coté N s de ar à ressão de 8 atosferas e à teeratura abiete. Abre-se a taa do cilidro. Deois de seu coteúdo ter etrado e equilíbrio terodiâico co o abiete, verificou-se que escaara 3. Deterie o úero de s cotidos o cilidro ates da abertura da taa. (A ressão atosférica é de at, e o ar é cosiderado u gás ideal.).... 8at at N 3 N N N 3 8N 4 N 7N 4 N 3, 4 06) A ressão de u gás o iterior do reciiete, cuja assa ar é 64 g, é de 0 at e ocua u volue de 8 litros u reciiete a ua teeratura de 73 C. Deterie: a) a assa do gás cotido o reciiete; 8L 73º C 00K 0at g 64 at. L R 0,08. K? b) o úero de s do gás cotido o reciiete R.... R... R , ,4 6000g 07) Os gráficos abaixo rereseta trasforações gasosas. detifique as trasforações de cada gráfico de acordo co a orde de aresetação. a) isocórica, isobárica, isotérica e isotérica b) isocórica, isoétrica, isobárica e isotérica c) isobárica, isocórica, isobárica e isotérica d) isotérica, isobárica, isocórica e isotérica e) isoétrica, isocórica, isovoluétrica e isotérica

GABARITO. Resposta: Teremos:

GABARITO. Resposta: Teremos: Cetro Uiversitário Achieta Egeharia Quíica Físico Quíica I Prof. Vaderlei I Paula Noe: R.A. a lista de exercícios/ Data: /08/04 // gabarito /08/04 GABARITO 0 - E u rocesso idustrial, u reator de 50 L é

Leia mais

Desafio em Física 2013 PUC-Rio 05/10/2013

Desafio em Física 2013 PUC-Rio 05/10/2013 Desafio e Física 2013 PUC-Rio 05/10/2013 Noe: GABARITO Idetidade: Nº iscrição o vestibular: Questão Nota 1 2 3 4 5 6 7 8 Total O teo de duração da rova é de 3 horas É eritido o uso de calculadora eletrôica;

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - º TRIMESTRE TIPO A 0) Aalise as afirativas abaixo. I. A lete atural do osso olho (cristalio) é covergete, ois gera ua iage virtual, eor e direita a retia. II. Istruetos

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

Endereço. Dados. Mem Read Mem select

Endereço. Dados. Mem Read Mem select Parte IV Sistea de Meória Os sisteas de coputação utiliza vários tipos de dispositivos para arazeaeto de dados e de istruções. Os dispositivos de arazeaeto cosiste e eória pricipal e eória secudária. A

Leia mais

Síntese de Transformadores de Quarto de Onda

Síntese de Transformadores de Quarto de Onda . Sítese de rasforadores de Quarto de Oda. Itrodução rasforadores de guia de oda são aplaete epregados o projeto de copoetes e oda guiada e são ecotrados e praticaete todas as cadeias alietadoras de ateas

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP-FASE PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA O velocíetro é u istrueto que idica a velocidade de u veículo A figura abaio ostra o velocíetro de u carro que

Leia mais

ESTUDOS DE CAPACIDADE PARA DADOS NÃO-NORMAIS

ESTUDOS DE CAPACIDADE PARA DADOS NÃO-NORMAIS ESTUDOS DE CAPACIDADE PARA DADOS NÃO-NORMAIS Alberto Wuderler Raos Deartaeto de Egeharia de Produção - EPUSP Caia Postal 6548 São Paulo SP Brasil 0544-970 awraos@us.br Abstract: This aer resets a ethod

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MODELOS ESTACIONÁRIOS PARA AVALIAÇÃO DE PRESSÕES DE SURGE E DE SWAB NO DESLOCAMENO DE COLUNA DE PERFURAÇÃO

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MODELOS ESTACIONÁRIOS PARA AVALIAÇÃO DE PRESSÕES DE SURGE E DE SWAB NO DESLOCAMENO DE COLUNA DE PERFURAÇÃO 4 o PDPETRO, Caias, SP..0041.3 1 COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MODELOS ESTACIONÁRIOS PARA AVALIAÇÃO DE PRESSÕES DE SURGE E DE SWAB NO DESLOCAMENO DE COLUNA DE PERFURAÇÃO Hudso Faglioi Kiura 1 (UTFPR), Luciao

Leia mais

Aula do capítulo 1. 11 de março de 2009

Aula do capítulo 1. 11 de março de 2009 Aula do caítulo de arço de 009 coceito fluido tesão de cisalhaeto equação de estado classificação fluidos Caítulo Itrodução, defiição e roriedades dos fluidos ideal escoaeto icoressíel fluido //009 - lei

Leia mais

Interação e acoplamento modal na análise de cascas cilíndricas

Interação e acoplamento modal na análise de cascas cilíndricas Iteração e acoplaeto odal a aálise de cascas cilídricas ourival Júio Foseca Dias,a, Frederico Martis Alves da Silva,b Uiversidade Federal de Goiás, 7605-0, Brasil a ljfdias@otail.co, b silvafa@eec.ufg.br

Leia mais

Sistemas de Filas Simples

Sistemas de Filas Simples Sistemas de Filas Simles Teoria de Filas Processo de chegada: se os usuários de uma fila chegam os istates t, t, t 3,..., t, as variáveis aleatórias τ t - t - são chamadas de itervalos etre chegadas. As

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 15-16. Compressores Alternativos

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 15-16. Compressores Alternativos MÁQUINAS TÉRMICAS Aulas 5-6 Comressores Alterativos Itrodução, descrição, tios, características. Termodiâmica: diagrama do ciclo, rocesso de comressão isetróico, olitróico, isotérmico, cálculo da otêcia,

Leia mais

AÇÕES E COMBINAÇÕES DAS AÇÕES

AÇÕES E COMBINAÇÕES DAS AÇÕES AÇÕES E COMBINAÇÕES DAS AÇÕES 1. INTRODUÇÃO As oras brasileiras para projetos de estruturas especifica que u projeto é coposto por eorial justificativo, desehos e, tabé por plao de execução quado há particularidades

Leia mais

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

SOLUÇÕES e GASES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS rof. Vieira Filho SOLUÇÕES e GSES- EXERCÍCIOS RESOLVIDOS SOLUÇÕES. em-se 500g de uma solução aquosa de sacarose (C O ), saturada a 50 C. Qual a massa de cristais que se separam da solução, quado ela é

Leia mais

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE RINCÍIOS DE COMUNICAÇÃO II MODULAÇÃO EM AMLITUDE Vaos iniciar o rocesso a artir de ua exressão que define sinais de tensão cossenoidais no teo, exressos genericaente or : e () t = E cos ω () t x x x onde

Leia mais

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012 Quinta aula de estática dos fluidos Prieiro seestre de 01 Vaos rocurar alicar o que estudaos até este onto e exercícios. .1 No sistea da figura, desrezando-se o desnível entre os cilindros, deterinar o

Leia mais

Modelagem, similaridade e análise dimensional

Modelagem, similaridade e análise dimensional Modelage, siilaridade e análise diensional Alguns robleas e MF não ode ser resolvidos analiticaente devido a: iitações devido às silificações necessárias no odelo ateático o Falta da inforação coleta (turbulência);

Leia mais

INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA

INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA INTERVALOS DE CONFIANÇA ESTATISTICA AVANÇADA Resumo Itervalos de Cofiaça ara médias e roorções com alicações a Egeharia. Ferado Mori Prof.fmori@gmail.com Itervallos de Cofiiaça ara Médiias e Proorções

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS: CONVENCIONAL E MILK RUN

DESCRIÇÃO DOS SISTEMAS: CONVENCIONAL E MILK RUN 1. PLAEJAMETO DE UMA OPEAÇÃO DE MILK-U ITODUÇÃO O estudo visa copreeder o papel do ivetário e do trasporte o ovo sistea de abastecieto de suprietos adotado por alguas epresas para alietar sua liha de produção.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD

Teste de Hipóteses VÍCTOR HUGO LACHOS DÁVILAD Teste de ióteses VÍCTOR UGO LACOS DÁVILAD Teste De ióteses. Exemlo. Cosidere que uma idustria comra de um certo fabricate, ios cuja resistêcia média à rutura é esecificada em 6 kgf (valor omial da esecificação).

Leia mais

Termodinâmica Aplicada

Termodinâmica Aplicada TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica)

Leia mais

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO

CAPÍTULO VIII - REGIMES DE TRABALHO 8. Regimes de trabalho. CAÍULO VIII - REGIMES DE RABALHO Há iúmeros tios de máquias cujos regimes de trabalho se caracterizam or aresetar eríodos curtos de oeração, seguidos de logos eríodos de reouso.

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Resolução QUÍMICA CADERNO 1 TAREFA PROPOSTA

Resolução QUÍMICA CADERNO 1 TAREFA PROPOSTA TAREFA PRPSTA Resolução QUÍMIA Reprodução proibida Art 84 do ódigo Peal e Lei 960 de 9 de fevereiro de 998 QG0 d A adição de açúcar provoca aueto da assa da solução se cosiderável aueto de volue oo d =,

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

N O T A S D E A U L A, R E V 7.0 U E R J 2 0 1 5. 2 F L Á V I O A L E N C A R D O R Ê G O B A R R O S. Eletrônica 4

N O T A S D E A U L A, R E V 7.0 U E R J 2 0 1 5. 2 F L Á V I O A L E N C A R D O R Ê G O B A R R O S. Eletrônica 4 Capítulo N O T A S D E A U L A, E V 7. U E J 5. F L Á V O A L E N C A D O Ê G O B A O S Eletrôica 4 Osciladores Seoidais Flávio Alecar do ego Barros Uiversidade do Estado do io de Jaeiro E-ail: falecarrb@gail.co

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2015 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA FUVEST-FASE POR PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA Q 4) A trajetória de u prjétil, laçad da beira de u pehasc sbre u terre pla e hriztal, é parte de ua parábla

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON

AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON AVALIAÇÃO DA MEDIDA DE EVIDÊNCIA DE UMA MUDANÇA EM SÉRIES DE DADOS COM DISTRIBUIÇÃO POISSON Flávio Bambirra Goçalves, e Frederico R. B. da Cruz Deartameto de Estatística ICEx - Uiversidade Federal de Mias

Leia mais

Eficiência bancária: os maiores bancos são os mais eficientes? Uma análise por envoltória de dados

Eficiência bancária: os maiores bancos são os mais eficientes? Uma análise por envoltória de dados Eficiêcia bacária: os aiores bacos são os ais eficietes? Ua aálise por evoltória de dados Resuo Aa Elisa Périco Daisy Aparecida do Nascieto Rebelatto Naja Bradão Sataa A eficiêcia adquiriu aior relevâcia

Leia mais

FORÇA DE ORIGEM MAGNÉTICA NO ENTREFERRO

FORÇA DE ORIGEM MAGNÉTICA NO ENTREFERRO AOTILA DE ELETROMAGNETIMO I 141 15 ORÇA DE ORIGEM MAGNÉTICA NO ENTREERRO E u circuito aético o fuxo produzido peo seu capo deve percorrer u caiho fechado. e este circuito tiver etreferros, ees aparecerão

Leia mais

1.1 - Motivação CONCEITOS INICIAIS. 1.2 Variáveis de Estado. 1.3 Pressão. 1.4 Volume

1.1 - Motivação CONCEITOS INICIAIS. 1.2 Variáveis de Estado. 1.3 Pressão. 1.4 Volume FRENTE 4 FÍSICO-QUÍMICA Profº Thiago (Tchê) CAPÍTULO 1 - ESTUDO DOS GASES 1.1 - Motivação CONCEITOS INICIAIS Neste capítulo estudaremos as propriedades do estado gasoso, ou seja, aprederemos a prever o

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - º TRIMESTRE TIPO A 0) Aalise a(s) afirmação(ões) abaio e assiale V para a(s) verdadeira(s) e F para a(s) falsa(s). Um raio lumioso propaga-se do meio A, cujo ídice de

Leia mais

ELEMENTOS DE ÓPTICA. c v n

ELEMENTOS DE ÓPTICA. c v n ELEMENTOS DE ÓPTICA ÓPTICA GEOMÉTICA Dimesões dos comoetes óticos muito sueriores ao comrimeto de oda da luz. Um eixe lumioso como um cojuto de raios erediculares à rete de oda. ÍNDICES DE EFACÇÃO, LEI

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos ª aula Suário: licação da conservação da energia ecânica a ovientos e caos gravíticos. nergia oteial elástica. Forças não conservativas e variação da energia ecânica. licação da conservação da energia

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:28. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:28. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, rofessor titular de física teórica, Doutor em Física ela Universidade Ludwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

Profª. Carmen Lucia Tancredo Borges

Profª. Carmen Lucia Tancredo Borges Aálise de Sisteas de otêcia rofª Care Lucia Tacredo Borges Edição: rof Sergio Sai Haza Leoardo Ne de A Guerra EE - UFRJ Departaeto de Eletrotécica Março 5 ROGRAMA Modelos de Redes de otêcia e Regie eraete

Leia mais

AULA: Inferência Estatística

AULA: Inferência Estatística AULA: Iferêcia Estatística stica Prof. Víctor Hugo Lachos Dávila Iferêcia Estatística Iferêcia Estatística é um cojuto de técicas que objetiva estudar uma oulação através de evidêcias forecidas or uma

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

Uma Observação sobre. Exposição ao risco de acidentes domésticos. sticos. www.onsa.pt

Uma Observação sobre. Exposição ao risco de acidentes domésticos. sticos. www.onsa.pt Uma Observação sobre Seguraça a a Habitação. Exosição ao risco de acidetes domésticos sticos www.osa.t Uma observação sobre a seguraça a habitação. Exosição ao risco de acidetes domésticos Relatório Maria

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição

Avaliação da Confiabilidade de Itens com Testes Destrutivos - Aplicação da Estimação da Proporção em uma População Finita Amostrada sem Reposição Avaliação da Cofiabilidade de Ites com Testes Destrutivos - Alicação da Estimação da roorção em uma oulação Fiita Amostrada sem Reosição F. A. A. Coelho e Y.. Tavares Diretoria de Sistemas de Armas da

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

A QUÍMICA NO IME. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br DICAS PARA O VESTIBULAR DO IME 2015

A QUÍMICA NO IME. (19) 3251-1012 www.elitecampinas.com.br DICAS PARA O VESTIBULAR DO IME 2015 www.elitecamias.com.br DIAS PAA VESTIBULA D IME 015 A QUÍMIA N IME A rova de química do IME realmete é uma rova ara futuros egeheiros. Todos os aos, uma ou duas questões aresetam grau de iterdisciliaridade

Leia mais

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação Uidade V - Desempeho de Sistemas de Cotrole com Retroação Itrodução; Siais de etrada para Teste; Desempeho de um Sistemas de Seguda Ordem; Efeitos de um Terceiro Pólo e de um Zero a Resposta Sistemas de

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

a) Calcule o módulo da velocidade na direção vertical no instante em que a bola foi chutada.

a) Calcule o módulo da velocidade na direção vertical no instante em que a bola foi chutada. Proa de Física Professores: Amilcar, Maragato e Elto Jr. 0 - Na cobraça de uma falta durate uma partida de futebol, a bola, ates do chute, está a uma distâcia horizotal de m da liha do gol. Após o chute,

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Prova TRE/RJ 2012. Ao iniciar uma sessão plenária na câmara municipal de uma pequena cidade, apenas

Prova TRE/RJ 2012. Ao iniciar uma sessão plenária na câmara municipal de uma pequena cidade, apenas Prova TRE/RJ 202 Ao iniciar ua sessão lenária na câara unicial de ua equena cidade, aenas destinados aos vereadores fora ocuados o a chegada do vereador eron, a ficar ocuados Nessa situação hiotética,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UM ESTUDO COMPARATIVO ANALÍTICO E NUMÉRICO DOS EFEITOS DAS VINCULAÇÕES NAS VIBRAÇÕES LIVRES DE PLACAS QUADRADAS

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1)

mgh = 1 2 mv2 + 1 2 Iω2 (1) a Supoha que um ioiô parte do repouso e desce até uma altura (deslocameto vertical) h, medida desde o poto de ode o ioiô foi solto. Ecotrar a sua velocidade fial de traslação e rotação, e sua aceleração

Leia mais

Desenvolvimento de um modelo para medir a eficiência de empresas terceirizadas no processo de publicações técnicas de peças de reposição de aeronaves

Desenvolvimento de um modelo para medir a eficiência de empresas terceirizadas no processo de publicações técnicas de peças de reposição de aeronaves Revista Eletrôica Sisteas & Gestão 4 () 66-88 Prograa de Pós-graduação e Sisteas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Desevolvieto de u odelo para edir a eficiêcia de epresas terceirizadas o processo de publicações

Leia mais

ESTUDO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FAFIC EM MATEMÁTICA

ESTUDO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FAFIC EM MATEMÁTICA ESTUDO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FAFIC EM MATEMÁTICA Prof. Ms. Rhodolffo Allysso Felix de Alecar Lima * Prof. Ms. José Flávio Portela Soares** Joelbso Moreira Alves Josefa Tavares

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Vaporização, evaporação e ebulição: é a passagem do estado liquido para o estado gasoso (vapor).(aquecimento);

Vaporização, evaporação e ebulição: é a passagem do estado liquido para o estado gasoso (vapor).(aquecimento); ICET Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Química Geral I rof. Barbieri Caitulo V - INTRODUÇÃO AO EQUILÍBRIO LIQUIDO-VAPOR. V.a Fenômenos físicos Vaorização, evaoração e ebulição: é a assagem do estado

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Análise Financeira de Projectos de Software (VAL, TIR e PRI)

Análise Financeira de Projectos de Software (VAL, TIR e PRI) Aálise Fiaceira de Projectos de Software (VAL, TIR e PRI) Adré Zuido, Germao Magalhães e Vasco Egª Sistemas e Iformática e Iformática, Faculdade de Ciêcias e Tecologia, Uiversidade do Algarve, Dezembro

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA MINISÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARAMENO DE ENGENHARIA MECÂNICA ANÁLISE RANSIENE DA RANSFERÊNCIA DE CALOR EM UM UBO ARAVÉS DO MÉODO DAS DIFERENÇAS FINIAS or Letícia Jeisch

Leia mais

Curso de Férias 2015

Curso de Férias 2015 1. Termometria (FÍSICA) PROF. AUGUSTO MELO C K F 5 5 9 Temperatura é a gradeza que, associada a um sistema, represeta seu estado térmico, sedo caracterizada pela medida do grau de agitação molecular do

Leia mais

Eletroquímica. Capítulo 10. 1. Dadas as reações de meia célula: Cu 2+ + e Cu + I 2 E 0 = 0,336 V. + 2e 2I E 0 = 0,536 V

Eletroquímica. Capítulo 10. 1. Dadas as reações de meia célula: Cu 2+ + e Cu + I 2 E 0 = 0,336 V. + 2e 2I E 0 = 0,536 V Capítulo 0 Eletroquímica. Dadas as reações de meia célula: Cu + + e Cu + E 0 = 0,53 V I + e I E 0 = 0,536 V pede-se: a) escrever a equação que represeta a reação global da célula; b) calcular o potecial

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2014 DA FUVEST-FASE 2. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2014 DA FUVEST-FASE 2. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ESOLUÇÃO D OV DE MTEMÁTIC DO VESTIUL 0 D FUVEST-FSE. O OF. MI NTÔNI C. GOUVEI M0 Dados e iteiros cosidere a ução deiida por para a No caso e que = = ostre que a igualdade se veriica. b No caso e que =

Leia mais

Física ITA 2007. = m 100,00. = 0,20s. t 1. v 2 = 25-16 v Q. = 3m/s t subida. = 0,24s até parar; (lançamento oblíquo) Tempo total: T T.

Física ITA 2007. = m 100,00. = 0,20s. t 1. v 2 = 25-16 v Q. = 3m/s t subida. = 0,24s até parar; (lançamento oblíquo) Tempo total: T T. Física. obre u corpo de,5 Kg de assa atua, e setidos opostos de ua esa direção, duas forças de itesidades 5,4N e 5,4N, respectiaete. A opção que oferece o ódulo da aceleração resultate co o úero correto

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente Sistea Supervisório Dados analógicos Controle FT DT TT PT FT Instruentação ROTEIRO Incerteza na

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

Capítulo 5. Misturas Simples

Capítulo 5. Misturas Simples Capítulo 5. Misturas Simples aseado o livro: tkis Physical Chemistry Eighth Editio Peter tkis Julio de Paula 04-06-2007 Maria da Coceição Paiva 1 Misturas Simples Para iterpretar termodiamicamete o efeito

Leia mais

Prova 3 Física. N ọ DE INSCRIÇÃO:

Prova 3 Física. N ọ DE INSCRIÇÃO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REAIIZAÇÃO DA PROVA. Coira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, coorme o que costa a etiqueta

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/09

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/09 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/05/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assiatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Costates: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821 atm

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais