ANO XXVII ª SEMANA DE MAIO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 20/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO XXVII - 2016-3ª SEMANA DE MAIO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 20/2016"

Transcrição

1 ANO XXVII ª SEMANA DE MAIO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 20/2016 CSLL BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL - FORMA DE CÁLCULO... Pág. 312 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA RECOLHIMENTO COMPLEMENTAR FACULTATIVO MENSALÃO - PROCEDIMENTOS GERAIS A PARTIR DE 01 DE JANEIRO DE Pág. 313

2 CSLL BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL Forma de Cálculo Sumário 1. Pessoas Jurídicas Beneficiadas 2. Pessoas Jurídicas Impedidas Desoneração da Pessoa Jurídica - Permissão Para Utilização do Bônus 3. Forma de Cálculo 4. Utilização do Bônus 5. Multa Pela Utilização Indevida 6. Contabilização 1. PESSOAS JURÍDICAS BENEFICIADAS A partir do ano-calendário 2003, as pessoas jurídicas adimplentes com os tributos e contribuições administrados pela Receita Federal do Brasil (RFB), nos últimos 5 (cinco) anos-calendário, submetidas ao regime de tributação com base no lucro real ou presumido, poderão se beneficiar do bônus de adimplência fiscal de que trata o art. 38 da Lei nº /2002, na forma disciplinada pelos arts. 114 a 119 da Instrução Normativa SRF nº 390/2004. Observe-se que o período de 5 (cinco) anos-calendário será computado por ano completo, inclusive aquele em relação ao qual dar-se-á o aproveitamento do bônus. 2. PESSOAS JURÍDICAS IMPEDIDAS Não fará jus ao bônus a pessoa jurídica que, nos últimos 5 (cinco) anos-calendário, se enquadre em qualquer das seguintes hipóteses, em relação aos tributos e contribuições administrados pela Receita Federal do Brasil: a) lançamento de ofício; b) débitos com exigibilidade suspensa; c) inscrição em dívida ativa; d) recolhimentos ou pagamentos em atraso; e) falta ou atraso no cumprimento de obrigação acessória Desoneração da Pessoa Jurídica - Permissão Para Utilização do Bônus Na hipótese de decisão definitiva, na esfera administrativa ou judicial, que implique desoneração integral da pessoa jurídica, as restrições referidas nas letras a e b do item 2 acima serão desconsideradas desde a origem. Ocorrendo a desoneração, a pessoa jurídica poderá, observado o disposto no item 4, calcular, a partir do anocalendário em que obteve a decisão definitiva, o bônus em relação aos anos-calendário em que estava impedida de deduzi-lo. 3. FORMA DE CÁLCULO O bônus de adimplência fiscal será calculado aplicando-se o percentual de 1% (um por cento) sobre a base de cálculo da CSLL, determinada segundo as normas estabelecidas para as pessoas jurídicas submetidas ao regime de apuração com base no resultado presumido, observado o seguinte: a) o bônus será calculado em relação à base de cálculo relativamente ao ano-calendário em que for permitido seu aproveitamento; b) na hipótese de período de apuração trimestral, o bônus será calculado em relação aos 4 (quatro) trimestres do ano-calendário e poderá ser deduzido da CSLL devida correspondente ao último trimestre. 4. UTILIZAÇÃO DO BÔNUS O bônus, calculado na forma mencionada acima, será utilizado deduzindo-se da CSLL devida: IMPOSTO DE RENDA E CONTABILIDADE MAIO - 20/

3 a) no último trimestre do ano-calendário, no caso de pessoa jurídica tributada com base no resultado ajustado trimestral ou resultado presumido; b) no ajuste anual, na hipótese da pessoa jurídica tributada com base no resultado ajustado anual. A parcela do bônus que não puder ser aproveitada no período de apuração poderá ser deduzida nos anoscalendário subsequentes, da seguinte forma: a) em cada trimestre, no caso de pessoa jurídica tributada com base no resultado ajustado trimestral ou presumido; b) no ajuste anual, no caso de pessoa jurídica tributada com base no resultado ajustado anual. É vedado o ressarcimento ou a compensação distinta da referida neste item. 5. MULTA PELA UTILIZAÇÃO INDEVIDA A utilização indevida do bônus implica a imposição das seguintes multas, calculadas sobre o valor da contribuição que deixar de ser recolhida em razão da dedução indevida do bônus: a) 150% (cento e cinquenta por cento); b) 225% (duzentos e vinte e cinco por cento), nos casos de não atendimento pelo sujeito passivo, no prazo marcado, de intimação para prestar esclarecimentos. Aplicam-se às multas de que tratam as letras a e b acima as reduções previstas no art. 6º da Lei nº 8.218, de 29 de agosto de 1991, e no art. 60 da Lei nº 8.383, de dezembro de CONTABILIZAÇÃO O bônus será registrado na contabilidade da pessoa jurídica beneficiária, observando-se o seguinte: a) na aquisição do direito, a débito de conta de Ativo Circulante e a crédito de Lucro ou Prejuízos Acumulados; b) na utilização, a débito da provisão para pagamento da CSLL e a crédito da conta de Ativo Circulante referida na letra a. Fundamentos Legais: Os citados no texto. IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA Sumário RECOLHIMENTO COMPLEMENTAR FACULTATIVO MENSALÃO Procedimentos Gerais a Partir de 01 de Janeiro de Introdução 2. Quando Cabe a Complementação do Imposto 3. Valores Integrantes da Base de Cálculo da Complementação Mensal 4. Valores Que Não Integram a Base de Cálculo da Complementação Mensal 5. Apuração da Base de Cálculo da Complementação Mensal 6. Cálculo do Imposto 7. Deduções do Imposto Apurado 7.1 Deduções de Incentivos Fiscais 8. Pagamento da Complementação 9. Exemplo 1. INTRODUÇÃO O recolhimento complementar (mensalão) é um recolhimento facultativo que pode ser efetuado pelo contribuinte para antecipar o pagamento do imposto devido na Declaração de Ajuste Anual, no caso de recebimento de rendimentos tributáveis de fontes pagadoras pessoa física e jurídica, ou de mais de uma pessoa jurídica, ou, ainda, de apuração de resultado tributável da atividade rural. Nesse trabalho abordaremos todos os procedimentos IMPOSTO DE RENDA E CONTABILIDADE MAIO - 20/

4 para cálculo e apuração do Imposto Complementar (Mensalão), com base no art. 113 do RIR/1999, arts. 67 a 69 da Instrução Normativa RFB nº 1500/2014 e outras fontes citadas no texto. 2. QUANDO CABE A COMPLEMENTAÇÃO DO IMPOSTO Cabe a complementação do imposto quando a pessoa física receber, de mais de uma fonte pagadora, rendimentos tributáveis pela tabela progressiva, como por exemplo nos casos de contribuinte que: a) recebe pró-labore na condição de sócio de mais de uma sociedade; b) recebe aluguéis de mais de uma pessoa jurídica ou de uma pessoa jurídica e, concomitantemente, de pessoas físicas; c) profissional autônomo que presta serviços a mais de uma pessoa jurídica, ou a uma pessoa jurídica e a pessoas físicas; d) tem mais de um emprego; e) recebe proventos de aposentadoria e continua exercendo atividade remunerada ou recebe aluguéis; f) tem um emprego mas também recebe rendimentos de aluguéis ou outros rendimentos de pessoas físicas ou jurídicas, etc. 3. VALORES INTEGRANTES DA BASE DE CÁLCULO DA COMPLEMENTAÇÃO MENSAL Constitui base de cálculo para fins do recolhimento complementar do imposto a soma dos rendimentos recebidos no ano-calendário em curso (regime de caixa) sujeitos à tabela progressiva, tais como: a) rendimentos do trabalho assalariado; b) rendimentos do trabalho sem vínculo empregatício; c) pró-labore ou remuneração mensal do trabalho do titular de empresa individual, sócio ou dirigente de pessoa jurídica; d) rendimentos de aluguel e arrendamentos; e) proventos de aposentadorias e pensões; f) 10% (dez por cento), no mínimo, dos rendimentos decorrentes do transporte de cargas; g) 60% (sessenta por cento), no mínimo, dos rendimentos decorrentes do transporte de passageiros; h) 10% (dez por cento), no mínimo, dos rendimentos recebidos pelos garimpeiros na venda, a empresa legalmente habilitada, de metais preciosos, pedras preciosas e semipreciosas; i) rendimentos obtidos na exploração da atividade rural; j) rendimentos decorrentes de pensão alimentícia. Nota: vale lembrar que, independentemente de ser facultativa a complementação do imposto, os rendimentos recebidos de pessoas físicas ou de fontes do Exterior sujeitam-se obrigatoriamente ao recolhimento do carnê-leão. 4. VALORES QUE NÃO INTEGRAM A BASE DE CÁLCULO DA COMPLEMENTAÇÃO MENSAL No cálculo da complementação mensal do imposto não devem ser incluídos: a) o valor do salário-família; b) rendimentos produzidos por aplicação financeira de renda fixa ou variável; c) o valor do décimo terceiro salário; d) ganhos de capital auferidos na alienação de bens e direitos; IMPOSTO DE RENDA E CONTABILIDADE MAIO - 20/

5 e) juros pagos ou creditados a titular, sócio ou acionista a título de remuneração do capital próprio. 5. APURAÇÃO DA BASE DE CÁLCULO DA COMPLEMENTAÇÃO MENSAL De acordo com o art. 114 do RIR/1999, constitui base de cálculo para fins do recolhimento complementar do imposto a diferença entre a soma dos valores: a) de todos os rendimentos recebidos no curso do ano-calendário, até o mês da complementação, sujeitos à tributação na declaração de rendimentos, inclusive o resultado positivo da atividade rural; b) das deduções utilizadas na base de cálculo do imposto devido na declaração, correspondentes a: b.1) as importâncias pagas em dinheiro a título de pensão alimentícia em face das normas do direito de família, quando em cumprimento de decisão judicial, inclusive a prestação de alimentos provisionais, de acordo homologado judicialmente, ou de escritura pública a que se refere o art A da Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de Código de Processo Civil; b.2) R$ 2.275,08 (dois mil, duzentos e setenta e cinco reais e oito centavos) a partir do ano-calendário de 2015 por dependente; (incluído pelo art. 3º da Lei nº /2015) b.3) as contribuições para a Previdência Social da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios; b.4) as contribuições para as entidades de previdência complementar domiciliadas no Brasil e as contribuições para os Fapi, cujo ônus tenha sido do contribuinte, destinadas a custear benefícios complementares assemelhados aos da Previdência Social, no caso de trabalhador com vínculo empregatício ou de administradores; b.5) as contribuições para as entidades de previdência complementar de natureza pública de que trata o 15 do art. 40 da Constituição Federal, cujo ônus tenha sido do contribuinte, destinadas a custear benefícios complementares assemelhados aos da Previdência Social; (redação dada pela IN RFB nº 1.558/2015) c) despesas de instrução, respeitado o limite individual anual de R$ 3.561,50 (três mil, quinhentos e sessenta e um reais e cinquenta centavos), a partir do ano-calendário de 2015; (incluído pelo art. 3º da Lei nº /2015) d) despesas médicas; e e) despesas escrituradas no livro caixa dos profissionais que percebam rendimentos do trabalho não assalariado. As deduções previstas nas letras b1. a b.5 e as letras c a e acima poderão ser substituídas pelo desconto simplificado. 6. CÁLCULO DO IMPOSTO Sobre a base de cálculo apurada, conforme exposto no item anterior, o valor da complementação do imposto será determinado mediante utilização da tabela progressiva anual, reproduzida abaixo: VALIDADE A PARTIR DE 01 DE JANEIRO DE 2016: BASE DE CÁLCULO ANUAL ALÍQUOTA EM R$ % Até , De ,77 até ,80 7, ,60 De ,81 até ,60 15, ,60 De até ,16 22, ,56 Acima de ,16 27, ,32 PARCELA A DEDUZIR DO IMPOSTO EM R$ 7. DEDUÇÕES DO IMPOSTO APURADO Do valor do imposto calculado sobre os rendimentos recebidos no ano-calendário em curso, poderão ser deduzidos: a) o Imposto Retido na Fonte ou pago no carnê-leão sobre esses rendimentos; IMPOSTO DE RENDA E CONTABILIDADE MAIO - 20/

6 Nota: caso o contribuinte esteja sujeito ao carnê-leão, no mês em que optar pelo recolhimento complementar deverá calcular o carnê-leão separadamente, de acordo com as regras próprias. No entanto, no cálculo da complementação incluirá os rendimentos sujeitos ao carnê-leão e deduzirá, do imposto total apurado, o devido no carnê-leão. b) a complementação facultativa paga em meses anteriores; c) o contribuinte que houver recebido rendimentos de fonte situada no exterior, incluídos na base de cálculo do recolhimento mensal, pode compensar o imposto pago nos países com os quais o Brasil possui acordos, convenções ou tratados internacionais ou naqueles em que haja reciprocidade de tratamento em relação aos rendimentos produzidos no Brasil, desde que não sujeitos à restituição ou compensação no país de origem, observado o seguinte: c.1) o valor compensado não pode exceder a diferença entre o imposto calculado sem a inclusão dos rendimentos de fontes no exterior e o imposto devido com a inclusão dos mesmos rendimentos; c.2) os rendimentos em moeda estrangeira e o imposto pago no exterior são convertidos em dólar dos Estados Unidos da América, pelo valor fixado pela autoridade monetária do país de origem dos rendimentos na data do recebimento ou pagamento e, em seguida, em reais mediante utilização do valor do dólar fixado para compra pelo Banco Central do Brasil para o último dia útil da 1ª (primeira) quinzena do mês anterior ao do recebimento do rendimento. 7.1 Deduções de Incentivos Fiscais Do imposto complementar apurado na forma prevista no item 7 podem ser deduzidos: a) as doações efetuadas aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais ou municipais; b) as contribuições feitas aos Fundos controlados pelos Conselhos Municipais, Estaduais e Nacional do Idoso, a partir do ano-calendário de 2011, exercício de 2012; c) as contribuições efetivamente realizadas em favor de projetos culturais, aprovados na forma da regulamentação do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), instituído pelo art. 1º da Lei nº 8.313, de 23 de dezembro de 1991; d) os investimentos e patrocínios feitos a título de incentivo às atividades audiovisuais aprovadas pela Agência Nacional do Cinema (Ancine); e) os valores despendidos a título de patrocínio ou doação, no apoio direto a projetos desportivos e paradesportivos previamente aprovados pelo Ministério do Esporte (ME), até o exercício de 2016, ano-calendário de 2015; f) a contribuição patronal paga à Previdência Social pelo empregador doméstico incidente sobre o valor da remuneração do empregado, até o exercício de 2019, ano-calendário de 2018; (redação dada pela IN RFB nº 1.558/2015) g) os valores correspondentes às doações e aos patrocínios diretamente efetuados em prol de ações e serviços relativos ao Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon), até o exercício de 2016, ano-calendário de 2015; h) os valores correspondentes às doações e aos patrocínios diretamente efetuados em prol de ações e serviços relativos ao Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD), até o exercício de 2016, ano-calendário de 2015; Notas: 1) A soma das deduções referidas nas letras a a e do item 7 não pode reduzir o imposto apurado em mais de 6% (seis por cento), não sendo aplicável limite específico individualmente. 2) As deduções de que trata a letra a do item 7, caso efetuadas diretamente na DAA, não poderão exceder a 3% (três por cento) do valor do imposto sobre a renda devido, nela apurado. 3) A dedução de que trata a nota nº 2 acima está sujeita, também, ao limite referido na nota nº 1 acima. IMPOSTO DE RENDA E CONTABILIDADE MAIO - 20/

7 8. PAGAMENTO DA COMPLEMENTAÇÃO O contribuinte que optar pelo recolhimento complementar do imposto poderá efetuá-lo no curso do ano-calendário, até o último dia do mês de dezembro, utilizando no campo 04 do Darf o código 0246 (art. 67 da Instrução Normativa RFB nº 1500/2014). Não há data para o vencimento do imposto. Assim, não incide multa no recolhimento do mensalão, por não se tratar de pagamento obrigatório. Caso o contribuinte esteja sujeito ao recolhimento mensal obrigatório do imposto (carnê-leão) e, opcionalmente, fizer o recolhimento complementar facultativo, deverá efetuar os recolhimentos separadamente, em Darf distintos, utilizando os códigos: a) 0190 para o carnê-leão; b) 0246 para o recolhimento complementar facultativo. O imposto complementar pode ser retido, mensalmente, por uma das fontes pagadoras, pessoa jurídica, desde que haja concordância, por escrito, da pessoa física beneficiária, caso em que a pessoa jurídica é solidariamente responsável com o contribuinte pelo pagamento do imposto correspondente à obrigação assumida. 9. EXEMPLO Considerando-se que determinado contribuinte se encontre na seguinte situação até o mês de abril/2016: a) tenha recebido mensalmente: Pró-labore R$ ,00; Aluguel de pessoa física R$ 1400,00; Aluguel de pessoa jurídica A R$ 1.400,00; aluguel de pessoa jurídica B R$ 1.300,00; aluguel de pessoa jurídica C R$ 1.350,00; aluguel de pessoa jurídica D R$ 1.200,00; aluguel de bens móveis de pessoa jurídica R$ 1.450,00. b) tem um dependente; c) até o mês de abril/2016, pagou: despesas médicas no valor de R$ 1.500,00; contribuição à previdência social no valor de R$ 1.396,53; despesas de instrução de seu dependente em valor individual superior ao limite anual de R$ 3.561,50. d) sofreu retenção do Imposto na Fonte sobre os rendimentos recebidos de pessoas jurídicas no valor de R$ 6.500,00; e) não fez recolhimento do carnê-leão até essa data; f) não fez recolhimento complementar até essa data. I - Cálculo do valor dos rendimentos percebidos de janeiro a abril de 2016; Pró-labore (10.000,00 x 4) R$ ,00 (+) Aluguel de pessoa física IMPOSTO DE RENDA E CONTABILIDADE MAIO - 20/

8 (R$ 1.400,00 x 4) R$ 5.600,00 (+) Aluguel de pessoa jurídica A (R$ 1.400,00 x 4) R$ 5.600,00 (+) Aluguel de pessoa jurídica B (R$ 1.300,00 x 4) R$ 5.200,00 (+) Aluguel de pessoa jurídica C (R$ 1.350,00 x 4) R$ 5.400,00 (+) Aluguel de pessoa jurídica D (R$ 1.200,00 x 4) R$ 4.800,00 (+) Aluguel de bens móveis de pessoa jurídica E (R$ 1.450,00 x 4) R$ 5.800,00 (=) Total dos rendimentos recebidos até abril/2016 R$ ,00 II - Apuração da base de cálculo do recolhimento complementar: Total dos rendimentos recebidos até abril/2016 R$ ,00 (-) Dependentes (1) R$ 2.275,08 (-) Despesas médicas R$ 1.500,00 (-) Despesas de instrução R$ (-) Contribuição previdenciária R$ 1.396,53 (=) Base de cálculo do imposto R$ ,89 III - Cálculo do imposto devido até abril/2016, com base na tabela progressiva anual: Base de cálculo do imposto R$ ,89 (x) 27.5% R$ ,39 (-) Parcela a deduzir R$ ,32 (=) Valor do imposto devido R$ 7.076,07 (-) Imposto Retido na Fonte R$ 6.500,00 (=) Recolhimento complementar facultativo R$ 576,07 Fundamentos Legais: Os citados no texto. IMPOSTO DE RENDA E CONTABILIDADE MAIO - 20/

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física...

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... ÍNDICE 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015.... 2 2. Exemplos Práticos... 3 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... 3 2.2. Declarante 2 Rendimento pago ao exterior Fonte pagadora pessoa

Leia mais

Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do e-cac Fatos Relevantes:

Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do e-cac Fatos Relevantes: Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do ecac Fatos Relevantes: 1) Caso seu interesse seja Publicar no DIÁRIO OFICIAL do MUNICÍPIO do RJ Rio de Janeiro, CLIQUE AQUI 2) Caso seu

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: CHIANG YING YI Data de Nascimento: 13/07/1974 Título Eleitoral: 281390630116 Houve mudança de endereço? Não Endereço: Rua VER. LUPERCIO DIAS DE CAMPOS Número: 61 BUENO

Leia mais

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS)

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) QUAL É O CONCEITO DE SÍNDICO PREVISTO NO CÓDIGO CIVIL DE 2002? O Síndico é definido como sendo administrador do Condomínio (art. 1.346).

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: CHIANG YING YI Data de Nascimento: 13/07/1974 Título Eleitoral: 281390630116 Houve mudança de endereço? Não Endereço: Rua VER. LUPERCIO DIAS DE CAMPOS Número: 61 BUENO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE 2009 Altera a Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a Organização da Seguridade Social, institui o Plano de Custeio e dá outras providências,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade 02/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 6 7.

Leia mais

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 1- Assinale a opção correta: O fato gerador do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas ocorre na data de encerramento do período-base, a) exceto para aquelas que apuram

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes de transações não incluídas nas

Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes de transações não incluídas nas 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes de transações não incluídas nas atividades principais ou acessórias que constituam

Leia mais

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução 1. Introdução Com a publicação da Medida Provisória 563/12 convertida na Lei 12.715/12 e posteriormente regulamentada pelo Decreto 7.828/12, determinadas empresas de vários setores terão a contribuição

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Isenção imposto sobre a renda dos proventos de aposentadoria, reforma e pensão, recebidos por portadores de

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Isenção imposto sobre a renda dos proventos de aposentadoria, reforma e pensão, recebidos por portadores de aposentadoria, reforma e pensão, recebidos por 26/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 5 4. Conclusão... 6 5. Informações

Leia mais

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2016

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2016 ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE JANEIRO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 01/2016 ASSUNTOS CONTÁBEIS DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO CONTABILIZAÇÃO... Pág. 02 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA TAXAS DE CÂMBIO PARA ATUALIZAÇÃO

Leia mais

Relatório. Data 17 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF

Relatório. Data 17 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 350 - Cosit Data 17 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF RETENÇÃO NA FONTE. RENDIMENTOS.

Leia mais

Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015

Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2014 Capítulo IX - Resultados não operacionais 2015 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Regime de Tributação de Imposto de Renda

Regime de Tributação de Imposto de Renda Apresentação O INFRAPREV elaborou esta cartilha com o objetivo de orientar o participante na escolha do regime de tributação quando do ingresso no seu Plano de Contribuição Variável. Com a publicação da

Leia mais

(3.3.3.1) - Trimestral e Anual - Estimativa e Balanço de Suspensão e Redução.

(3.3.3.1) - Trimestral e Anual - Estimativa e Balanço de Suspensão e Redução. Programa Apuração do lucro presumido e lucro arbitrado. Introdução. (01) - Conceito. (02) - Pessoas Jurídicas autorizadas a optar. (03) - Formas de Tributação. (3.1) - Lucro Presumido. (3.2) - Lucro Arbitrado.

Leia mais

Condenações e Acordos Judiciais - Tributação

Condenações e Acordos Judiciais - Tributação Condenações e Acordos Judiciais - Tributação Lúcia Helena Briski Young Regra Geral Segundo o art. 38, parágrafo único, do RIR/99 (Decreto 3.000/99), como regra geral, os rendimentos serão tributados no

Leia mais

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL Instituído pela Lei nº 10.637, de 2002 1) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (CSLL) * Silvério das Neves * Adherbal Corrêa Bernardes 1.1) Alíquotas O art. 6º da Medida

Leia mais

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE MAIO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2016

ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE MAIO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2016 ANO XXVII - 2016-1ª SEMANA DE MAIO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 18/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA REPRESENTANTE COMERCIAL AUTÔNOMO - TRATAMENTO FISCAL... Pág. 293 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

Leia mais

Dependentes para fins de Imposto de Renda

Dependentes para fins de Imposto de Renda Dependentes para fins de Imposto de Renda 318 - Quem pode ser dependente de acordo com a legislação tributária? Podem ser dependentes, para efeito do imposto sobre a renda: 1 - companheiro(a) com quem

Leia mais

IRPF - 2016 Imposto de Renda de Pessoa Física

IRPF - 2016 Imposto de Renda de Pessoa Física IRPF - 2016 Imposto de Renda de Pessoa Física 1 Índice 1. 2. 3. 4. 5. INTRODUÇÃO... 3 QUANDO SOU OBRIGADO A ENTREGAR A DECLARAÇÃO DE IRPF?... 4 PORQUE DEVO ENTREGAR A DECLARAÇÃO DE IRPF?... 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 Quais as modalidades de prejuízos que podem ser apurados pelas pessoas jurídicas? Os prejuízos que podem ser apurados pela pessoa jurídica são de duas modalidades:

Leia mais

de todas as pessoas da unidade familiar CPF

de todas as pessoas da unidade familiar CPF Após concluir a sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá validar suas informações na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA). Seguem documentos necessários a serem apresentados na

Leia mais

manual prático de retenção na fonte

manual prático de retenção na fonte manual prático de retenção na fonte imposto de renda, cide, csll, pis/pasep, cofins, previdência e iss Contador e consultor tributário Pós-graduado em Gestão de Controladoria, Auditoria e Tributos pela

Leia mais

Relatório. Data 19 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF

Relatório. Data 19 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 376 - Cosit Data 19 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL GANHO DE CAPITAL NA ALIENAÇÃO DE BENS DO ATIVO IMOBILIZADO.

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PARA MÉDICOS COMO DECLARAR O IR 2015 DE FORMA CORRETA

IMPOSTO DE RENDA PARA MÉDICOS COMO DECLARAR O IR 2015 DE FORMA CORRETA IMPOSTO DE RENDA PARA MÉDICOS COMO DECLARAR O IR 2015 DE FORMA CORRETA Este guia é um oferecimento de O iclinic é um software online para gestão de clínicas e consultórios. Em sua constante missão de deixar

Leia mais

Page 1 of 5 Carnê-Leão CARNÊ-LEÃO RECOLHIMENTO 242 Quem está sujeito ao recolhimento mensal obrigatório (carnê-leão)? Sujeita-se ao recolhimento mensal obrigatório a pessoa física residente no Brasil que

Leia mais

Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb

Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb Tesouro Direto Apuração O Imposto de Renda incide sobre o total dos rendimentos auferidos nas vendas antecipadas, nos vencimentos de títulos

Leia mais

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes 1. ERRATA Página 180 No primeiro parágrafo do item 2.10.1 (Beneficiários): Onde se lê: Os beneficiários da pensão por morte

Leia mais

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF Coordenação-Geral de Fiscalização QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF nº 726/2007) 1. Quem está

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS As instruções abaixo se referem aos créditos recebidos por

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: ROBERTO REQUIÃO DE MELLO E SILVA Data de Nascimento: 05/03/1941 Título Eleitoral: 0000087950655 Houve mudança de endereço? Não Um dos declarantes é pessoa com doença

Leia mais

Atualizado até Outubro de 2010

Atualizado até Outubro de 2010 1 Atualizado até Outubro de 2010 Secretário da Receita Federal do Brasil Otacílio Dantas Cartaxo Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Sandro de Vargas Serpa Coordenador-Geral

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 69 - Data 30 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA Ementa: CONDIÇÃO DE RESIDENTE.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES

DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES (Lei nº 8.429/92 e Decreto nº 5.483/05) Declaração de Ingresso Preencher os itens 1, 2, 8, 9, 11 e 12 Declaração

Leia mais

Parcelamento Especial ou Pagamento à Vista da Lei nº 12.996/2014 e MP 651/2014. Refis da Copa (Reabertura do Refis da Crise )

Parcelamento Especial ou Pagamento à Vista da Lei nº 12.996/2014 e MP 651/2014. Refis da Copa (Reabertura do Refis da Crise ) Parcelamento Especial ou Pagamento à Vista da Lei nº 12.996/2014 e MP 651/2014. Refis da Copa (Reabertura do Refis da Crise ) 1 Débitos abrangidos Débitos de qualquer natureza junto à PGFN ou à RFB, vencidos

Leia mais

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS - PARTE I! Imposto de Renda! Lucro Presumido! Lucro Arbitrado! Lucro Real por apuração mensal! COFINS Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Anexo III: Aspectos Fiscais e Gerenciais de Empresas no Brasil

Anexo III: Aspectos Fiscais e Gerenciais de Empresas no Brasil Anexo III: Aspectos Fiscais e Gerenciais de Empresas no Brasil 1. Aspectos Gerais investimento: Neste capítulo vamos analisar os principais aspectos fiscais envolvidos em três momentos de um (i) Formação

Leia mais

Novas regras sobre o REFIS. Parcelamento Federal. Lei nº 12.996/2014. Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014

Novas regras sobre o REFIS. Parcelamento Federal. Lei nº 12.996/2014. Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014 Novas regras sobre o REFIS Parcelamento Federal Lei nº 12.996/2014 Portaria PGFN/RFB nº 13, de 30 de julho de 2014 Abrangência I os débitos inscritos em Dívida Ativa da União, no âmbito da Procuradoria-Geral

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

Parcelamento. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB

Parcelamento. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB Parcelamento Lei nº 11.941/2009 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional -PGFN Receita Federal do Brasil - RFB Informações Gerais Origem: conversão da MP 449, de 04.12.2008. Publicação: 28.05.2009. Vedação:

Leia mais

Manual de Lançamentos Contábeis: IRPJ e CSLL - Estimativa mensal

Manual de Lançamentos Contábeis: IRPJ e CSLL - Estimativa mensal Manual de Lançamentos Contábeis: IRPJ e CSLL - Estimativa mensal Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deverá ser feito a contabilização das estimativas mensais de Imposto de Renda

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 06/2015

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 06/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 06/2015 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI Nº 13.097/2015 - DESTAQUES DAS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES...

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 291/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP. Assunto: Incidência de Imposto de Renda sobre o abono de férias (terço constitucional)

NOTA INFORMATIVA Nº 291/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP. Assunto: Incidência de Imposto de Renda sobre o abono de férias (terço constitucional) Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

Guia do IRPF: Dedução da Contribuição Previdenciária do empregado doméstico na Declaração de Ajuste Anual

Guia do IRPF: Dedução da Contribuição Previdenciária do empregado doméstico na Declaração de Ajuste Anual Guia do IRPF: Dedução da Contribuição Previdenciária do empregado doméstico na Declaração de Ajuste Anual Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras que devem ser observadas para

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA 644/2014

MEDIDA PROVISÓRIA 644/2014 MPV 644 00115 MEDIDA PROVISÓRIA 644/2014 EMENDA Nº Alterem-se os artigos 1º, 2º e 3º, dê-se nova redação ao art. 5º e acrescentem-se os artigos 6º, 7º e 8º, renumerando-se o último artigo da Medida Provisória

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005 1 Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 e o 9º do art. Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 da 195 da Constituição Federal, para dispor sobre o Constituição Federal, para dispor sobre o sistema sistema especial

Leia mais

Empregado Doméstico Trimestral - NIT/PIS/PASEP - (que recebe até um salário mínimo)

Empregado Doméstico Trimestral - NIT/PIS/PASEP - (que recebe até um salário mínimo) CÓDIGO DE GUIAS GPS Recolhimento Relação de Códigos de Pagamento Código Descrição 1007 Contribuinte Individual - Recolhimento Mensal NIT/PIS/PASEP 1104 Contribuinte Individual - Recolhimento Trimestral

Leia mais

RELAÇÃO DE CÓDIGOS DE PAGAMENTO

RELAÇÃO DE CÓDIGOS DE PAGAMENTO RELAÇÃO DE CÓDIGOS DE PAGAMENTO Código Descrição 1007 Contribuinte Individual Recolhimento Mensal NIT/PIS/PASEP 1104 Contribuinte Individual Recolhimento Trimestral NIT/PIS/PASEP 1120 Contribuinte Individual

Leia mais

Atualizado até junho de 2009

Atualizado até junho de 2009 Mafon 2009 1 Atualizado até junho de 2009 Secretário da Receita Federal do Brasil Otacílio Dantas Cartaxo Subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal do Brasil Sandro de Vargas Serpa Coordenador-Geral

Leia mais

DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA. Oportunidades e Legislação. Parceria

DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA. Oportunidades e Legislação. Parceria DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA Oportunidades e Legislação Parceria ÍNDICE EDITORIAL Uma oportunidade de contribuir com a transformação social 1. O QUE É RENÚNCIA FISCAL 1.1

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador JORGE VIANA

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador JORGE VIANA PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 249, de 2011, do Senador Luiz Henrique, que cria incentivo fiscal de

Leia mais

TRIBUTAÇÃO SOBRE A RENDA AUFERIDA NO EXTERIOR POR RESIDENTES E NÃO RESIDENTES NO BRASIL

TRIBUTAÇÃO SOBRE A RENDA AUFERIDA NO EXTERIOR POR RESIDENTES E NÃO RESIDENTES NO BRASIL TRIBUTAÇÃO SOBRE A RENDA AUFERIDA NO EXTERIOR POR RESIDENTES E NÃO RESIDENTES NO BRASIL Guiherme Speroni Lentz Acadêmico do Curso de Ciências Contábeis/UFSM E-mail: guilherme_lentz@hotmail.com Luíza Marquetti

Leia mais

Palestra. DIPJ - Lucro Presumido - Atualização 2012. Maio 2012. Elaborado por: Maria Rosângela da Silva

Palestra. DIPJ - Lucro Presumido - Atualização 2012. Maio 2012. Elaborado por: Maria Rosângela da Silva Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

03/03/2010 - Quarta-feira. 10/03/2010 - Quarta-feira. 15/03/2010 - Segunda-feira

03/03/2010 - Quarta-feira. 10/03/2010 - Quarta-feira. 15/03/2010 - Segunda-feira Obrigação Histórico Documento/ Formulário Código 03/03/2010 - Quarta-feira Pagamento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos IRRF geradores ocorridos no período de 21/02/10 a 28/02/10,

Leia mais

1ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

1ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 1ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 19, DE 30 DE JULHO DE 2008: ASSUNTO: Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários -

Leia mais

Atualização de Folders: Produtor Rural Pessoa Física (Contribuinte Individual)

Atualização de Folders: Produtor Rural Pessoa Física (Contribuinte Individual) Atualização de Folders: Atualização nos termos da IN RFB nº 1.338/2013 Produtor Rural Pessoa Física (Contribuinte Individual) GFIP do Produtor Rural Pessoa Física (*) Quando houver exportações, deverá

Leia mais

IIRF 2016. Escritório Brito

IIRF 2016. Escritório Brito IIRF 2016 Escritório Brito Obrigatoriedade Recebeu rendimentos tributáveis de pessoas físicas ou jurídicas superiores a R$ 28.123,91; Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA Revogada pela PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06/01/2012 Republicada no DOU 19/07/2011 Dispõe sobre

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR. Mallet Pr. Incentivo Fiscal

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR. Mallet Pr. Incentivo Fiscal Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente Mallet PR Av. Barão do Rio Branco, 649 Cep: 84570-000 Fone/Fax: (42) 3542-1439 Mallet Pr. E-mail: assistencia.mallet@yahoo.com.br Incentivo Fiscal

Leia mais

Para poder cumprir seus objetivos institucionais a lei especificou as origens das receitas que comporão o Fundo Nacional do Idoso, a saber:

Para poder cumprir seus objetivos institucionais a lei especificou as origens das receitas que comporão o Fundo Nacional do Idoso, a saber: Guia do IRPJ e CSLL: Doações ao Fundo Nacional do Idoso Resumo: Estudaremos neste Roteiro de Procedimentos os aspectos tributários relacionados às doações efetuadas ao Fundo Nacional do Idoso, com vistas

Leia mais

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social S UMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social... 1 1.1. Seguridade Social... 1 1.1.1. A Saúde... 2 1.1.2. A Assistência Social... 5 1.1.3. A Previdência Social... 10 1.1.3.1. Natureza jurídica

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Professora por tempo

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos demais valores constantes

Leia mais

Previdencia PREVIDÊNCIA

Previdencia PREVIDÊNCIA Cartilha 2 Previdencia PREVIDÊNCIA 3 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes dos planos de previdência complementar: PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador

Leia mais

Tributos Incidentes sobre o Resultado

Tributos Incidentes sobre o Resultado Tributos Incidentes sobre o Resultado Imposto de Renda Pessoa Jurídica- IRPJ Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL Impostos de Renda Pessoa Jurídica Imposto de Renda é um imposto adorado universalmente

Leia mais

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil 1 Porque ter um Plano de Previdência Complementar? 2 O Novo Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil Conheça

Leia mais

Capítulo XV IRPJ - Pagamento 2016

Capítulo XV IRPJ - Pagamento 2016 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2015 Capítulo XV IRPJ - Pagamento 2016 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem

Leia mais

de 2002, permanecem com a alíquota da Cofins reduzida a zero, em que pesem as alterações introduzidas pela Lei nº 10.865, de 2004.

de 2002, permanecem com a alíquota da Cofins reduzida a zero, em que pesem as alterações introduzidas pela Lei nº 10.865, de 2004. DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 4. Região Fiscal SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 1, DE 13 DE JANEIRO DE 2009 EMENTA: GFIP - Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social.

Leia mais

RESUMO ALÍQUOTAS - CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

RESUMO ALÍQUOTAS - CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS RESUMO ALÍQUOTAS - CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - DAS EMPRESAS EM GERAL, sobre: Folha de Pagamento (EMP./AVULSOS) 20% Remunerações pagas aos CI 20% Terceiros (EMP./AVULSOS) 5,8% RAT (EMP./AVULSOS) 1% (leve) 2%

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CÂMARA N. 125/2015 EMENDA MODIFICATIVA N

PROJETO DE LEI DA CÂMARA N. 125/2015 EMENDA MODIFICATIVA N PROJETO DE LEI DA CÂMARA N. 125/2015 EMENDA MODIFICATIVA N O caput e 1º a 3º do artigo 18 e os Anexos I a V da Lei Complementar nº 123, de 2006, na forma prevista no art. 1º e Anexos I a VI do PLC 125/2015,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2013

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2013 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2013 Até dia Obrigação 5 IRRF Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2013, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005):

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 DOU de 8.2.2011 Dispõe sobre a apuração e tributação de rendimentos recebidos acumuladamente de que trata o art. 12-A da Lei nº 7.713, de 22

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA ABRIL DE 2013

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA ABRIL DE 2013 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA ABRIL DE 2013 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico ocorridos no período de 21 a 31.03.2013, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005):

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº 110, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº 110, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº 110, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012. Divulga a Agenda Tributária do mês de janeiro de 2013. Alterado em 28 de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015. Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2015/2016. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2.189-49, DE 23 DE AGOSTO DE 2001.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2.189-49, DE 23 DE AGOSTO DE 2001. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2.189-49, DE 23 DE AGOSTO DE 2001. Altera a legislação do imposto de renda relativamente à incidência na fonte

Leia mais

Agenda Tributária: de 21 a 27 de janeiro de 2016

Agenda Tributária: de 21 a 27 de janeiro de 2016 Agenda Tributária: de 21 a 27 de janeiro de 2016 Dia: 22 DCTF - Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - Mensal NOVEMBRO/2015 As pessoas jurídicas de direito privado em geral, inclusive

Leia mais

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007)

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA ABRIL DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA ABRIL DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA ABRIL DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF 4 7 10 Salário de março/2014 FGTS CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados Comprovante de juros sobre capital próprio-

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 26, de 25 de junho de 1997. atribuições, declara: O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S/A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF 73.178.600/0001-18 NIRE 35.300.137.728 PROPOSTA DE DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (ART. 9º DA ICVM 481/2009) ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA JUNHO DE 2013

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA JUNHO DE 2013 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA JUNHO DE 2013 Até dia Obrigação 5 IRRF 6 Salário de Maio/2013 FGTS Dacon Histórico ocorridos no período de 21 a 31.05.2013, incidente sobre rendimentos de (art. 70,

Leia mais

3. GPS FORMAS DE PREENCHIMENTO

3. GPS FORMAS DE PREENCHIMENTO 3. GPS FORMAS DE PREENCHIMENTO - Retenção previdenciária GUIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL GPS 1. NOME OU RAZÃO SOCIAL/FONE/ENDEREÇO: preencher com o nome da empresa prestadora de serviços em seguida acrescentando

Leia mais

COMUNICADO Nº 003/2016-JUR/FENAPEF

COMUNICADO Nº 003/2016-JUR/FENAPEF COMUNICADO Nº 003/2016-JUR/FENAPEF Jurídico da FENAPEF orienta sindicalizados a declararem valores provenientes de ganhos judiciais referentes à ação dos 3,17% no Imposto de Renda 2016/2015 I - PREVISÃO

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras CONTABILIDADE AVANÇADA Tratamento contábil para aplicações financeiras INTRODUÇÃO Empresas motivadas em aumentar as receitas procedem com aplicações financeiras no mercado de capitais no intuito de que

Leia mais

ANEXO V RELAÇÃO DE DOCUMENTOS RECOMENDADOS PARA COMPROVAÇÃO DA RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL (PORTARIA NORMATIVA Nº

ANEXO V RELAÇÃO DE DOCUMENTOS RECOMENDADOS PARA COMPROVAÇÃO DA RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL (PORTARIA NORMATIVA Nº UFRB ANEXO V RELAÇÃO DE DOCUMENTOS RECOMENDADOS PARA COMPROVAÇÃO DA RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL (PORTARIA NORMATIVA Nº 18/2012) Para cada membro do núcleo familiar colocado no formulário DECLARAÇÃO DE

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

IRPF 2013 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2013 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 10/2013 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2013. IRPF 2013 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2012 Prezado cliente, No dia 19 de Fevereiro de 2013 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XV IRPJ - Pagamento 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XV IRPJ - Pagamento 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capítulo XV IRPJ - Pagamento 2013 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem

Leia mais

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Instituído pela Constituição Federal de 1988. Prevê competências tributárias distintas para cada uma das pessoas políticas: UNIÃO, ESTADOS e MUNICÍPIOS. Cria grande complexidade,

Leia mais

Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995

Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. O P R E S I D E N

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 337 - Data 15 de dezembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF CONVÊNIO INSS. PREVIDÊNCIA

Leia mais

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 30 de

Leia mais