NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS TRANSFORMAÇÕES LINEARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS TRANSFORMAÇÕES LINEARES"

Transcrição

1 NOAS DE AULA - ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VEORIAIS RANSFORMAÇÕES LINEARES ISABEL C C LEIE SALVADOR BA 007

2 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner ESPAÇOS VEORIAIS Definição: Sej m conjnto V não io sobre o ql estão definids s operções dição e mltiplicção por m esclr o sej V V R V V O conjnto V com esss ds operções é chmdo espço etoril rel o espço etoril sobre R se s segintes proprieddes forem stisfeits: A Em relção à dição: w V A w w A A 0 V tl qe 0 A 4 V tl qe 0 M Em relção à mltiplicção por esclr: V e β R M β β M β β M M 4 Eemplos: V R² { / R} é m espço etoril com s operções sis de dição e mltiplicção por esclr: Os conjntos R³ R 4 R n são espços etoriis com s operções sis de dição e mltiplicção por esclr V Mmn o conjnto ds mtries reis m n com som e o prodto por esclr sis Em prticlr: V Mnn o conjnto ds mtries qdrds de ordem n; V Mn {[ n ]; ij R} tmbém identificdo com V R n são espços etoriis reltimente às mesms operções 4 O conjnto P n { 0 ² n n ; i R} dos polinômios com coeficientes reis de gr n em relção às operções sis de dição de polinômios e mltiplicção por esclr Em prticlr o conjnto dos polinômios de gr menor o igl P { 0 ²; i R} é m espço etoril reltimente às mesms operções

3 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner Proprieddes dos espços etoriis D definição de espço etoril V decorrem s segintes proprieddes: i Eiste m único etor nlo em V elemento netro d dição ii Cd etor V dmite pens m simétrico V iii Pr qisqer w V se w então w i Qlqer qe sej V tem-se Qisqer qe sejm V eiste m e somente m w V tl qe w Esse etor w será representdo por w i Qlqer qe sej V tem-se 0 0 ii Qlqer qe sej λ R tem-se λ0 0 iii Se λ 0 então λ 0 o 0 i Qlqer qe sej V tem-se Qisqer qe sejm V e λ R tem-se λ λ λ SUBESPAÇOS VEORIAIS Definição Ddo m espço etoril V m sbconjnto W não io é m sbespço etoril de V se: i Pr qisqer W tem-se W ii Pr qlqer R W tem-se W Obserções As condições d definição grntem qe o operrmos em W não obteremos m etor for de W De modo qe W é ele próprio m espço etoril Qlqer sbespço W de V precis necessrimente conter o etor nlo condição ii pr 0 odo espço etoril dmite pelo menos dois sbespços chmdos sbespços triiis o conjnto formdo somente pelo etor nlo e o próprio espço etoril Eemplos Sejm V R² e W { ; R} Eidentemente W Φ pois 00 W Verifiqemos s condições i e ii Pr e W tem-se: i W pois segnd componente de é igl o dobro d primeir ii W pois segnd componente de é igl o dobro d primeir Portnto W é m sbespço etoril de R² qe represent geometricmente m ret qe pss pel origem

4 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner Obseremos qe o tomrmos dois etores e d ret qe pss pel origem o etor som ind é m ret qe pss pel origem E se mltiplicrmos m etor d ret por m número rel o etor ind estrá nest ret O mesmo não ocorre qndo ret não pss pel origem Por eemplo ret W { 4 ; R} não é m sbespço etoril do R² Se escolhermos os etores e 0 de W temos W Aind W pr Os eemplos dests ds rets sgerem pr qlqer sbconjnto W de m espço etoril V qe: sempre qe 0 W W não é sbespço de V No entnto se 0 W não nos engnemos pensndo de imedito qe W sej sbespço de V pois será necessário erificr s proprieddes i e ii Pr V R² os sbespços triiis são {00} e o próprio R² enqnto qe os otros sbespços sbespços próprios são s rets qe pssm pel origem Sejm V R 4 e W {0; R} 0000 W Pr 0 e 0 W: i W pois qrt componente é nl ii 0 0 W pois qrt componente é nl Logo W é sbespço etoril de R 4 Sejm V M e W o conjnto-solção de m sistem liner homogêneo três riáeis Consideremos o sistem homogêneo Fendo: 0 A X e 0 0 o sistem em notção mtricil será ddo 0 por AX 0 sendo X elemento do conjnto-solção W Se X e X são solções do sistem então: AX 0 e AX 0 i Somndo esss iglddes em: AX AX 0 o AX X 0 X X W isto é som de ds solções é ind m solção do sistem ii Mltiplicndo por R primeir igldde em: AX 0 o AX 0 X W isto é o prodto de m constnte por m solção é ind m solção do sistem Logo o conjnto-solção W do sistem liner homogêneo é m sbespço etoril de M

5 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 4 Eercícios Verifiqe se os segintes conjntos são espços etoriis OBS: Os símbolos e qndo tilidos são pr indicr qe dição e mltiplicção por esclr não são sis V { ²; R} com s operções definids por: ² ² ² ² ²² b V * R com s operções definids por e V Verifiqe se os segintes sbconjntos dos espços etoriis ddos são sbespços etoriis destes { R } W R b b W ; b R M R 0 0 INERSECÇÃO DE SUBESPAÇOS VEORIAIS Definição Sejm W e W sbespços etoriis de V W W W { V; W e W } eorem: A intersecção W de dois sbespços etoriis W e W de V é tmbém m sbespço etoril de V Eemplos: b b V M W ; d b c 0 e W c d ; c d b 0 o sej c d d b b ' 0 W e W 0 d ' ' Pr encontrrmos W W s condições de W e de W deem ser stisfeits simltnemente b 0 ' Assim temos: ' d d 0 Portnto W W d - b ' 0 0 V P R espço dos polinômios reis de gr menor o igl V { b c²; b c R} W { b c²; b c 0} e W { b c²; 0} W W { b c²; b c 0 0}

6 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 5 SOMA DE SUBESPAÇOS VEORIAIS Definição Sejm W e W sbespços etoriis de V W W W { w V; W e w W } eorem: A som W de dois sbespços etoriis W e W de V é tmbém m sbespço etoril de V Considerndo os mesmos espços e respectios sbespços dos eemplos nteriores: d b b ' 0 ' d b b 0 d ' ' ' ' d c b b W W ; ' b c R o W W ' c ; w w Sejm p b c b c W e q b c W p q b c b b c c Como não eiste nenhm relção de dependênci entre os lores b c b b e c c W W é m polinômio qlqer de P R W W P R SOMA DIREA DE SUBESPAÇOS VEORIAIS Definição Sejm W e W sbespços etoriis de V Di-se qe V é som diret de W e W e se represent por V W W se V W W e W W {0} eorem: Se V é som diret de W e W todo etor V se escree de modo único n form w onde W e w W Eemplo: Sejm V R o sej V {bc; bc R} e os ses sbespços W { b 0; b R} e W {00c; c R} R é som diret de W e W pois W W {bc; bc R}e W W {000} Confirmndo o teorem cim bc R b c b c escrito de modo único Eercício: b b Sejm W ; d e b c e W c d ; c e b d sbespços de M R c d Determine W W W W e erifiqe se M R W W

7 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 6 COMBINAÇÃO LINEAR Sejm os etores d form K n do espço etoril V e os esclres n K n K Qlqer etor V K n é m combinção liner dos etores n Eemplo: Em P o polinômio p 5t 5t 7 é m combinção liner dos polinômios p t t p t e p t t pois p p p p Eercícios Escreer 4 6 como combinção liner de e Pr qe lor de k mtri A é combinção liner de A 0 k e 0 A? 0 4 Mostrr qe o etor 4 R² pode ser escrito de infinits mneirs como combinção 0 0 liner dos etores e SUBESPAÇOS GERADOS Sejm V m espço etoril e A { K n} V A Φ O conjnto W de todos os etores de V qe são combinção liner dos etores de A é m sbespço etoril de V ; K ; R é dito sbespço gerdo pelo conjnto A W V n n K Notção: W [ K ] o W GA n n Obserções: K n são ditos etores gerdores do sbespço W Por definição: A Ф [Ф] {0} A GA o sej { K n } [ K n ] 4 odo sbconjnto A de V ger m sbespço etoril de V podendo ocorrer GA V Nesse cso A é o conjnto gerdor de V 5 Sej W [ K n ] Ao crescentrmos etores de W o conjnto dos gerdores os noos conjntos continrão gerndo o mesmo sbespço W 6 A obserção 5 nos permite conclir qe m espço etoril pode ser gerdo por m infinidde de etores ms eiste m número mínimo de etores pr gerá-lo Eemplos: i 0 e j 0 germ o R² pois 0 0 R i 00 e j 00 germ o sbespço do R³: W {0 R³; R} qe geometricmente represent o plno 0 i 00 j 00 e k 00 germ o R³ pois R 4 i 00 j 00 e 40 germ o sbespço do R³: W {0 R³; R} 5 - e 0- germ o sbespço do R³: W { R³; - 4-0}

8 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 7 6 A ger o sbespço de M R: W ; R ESPAÇOS FINIAMENE GERADOS Um espço etoril V é finitmente gerdo se eiste m conjnto finito A A V tl qe V GA odos os eemplos de espços etoriis istos té gor são eemplos de espços finitmente gerdos Um eemplo de espço etoril não finitmente gerdo é o espço P de todos os polinômios reis DEPENDÊNCIA E INDEPENDÊNCIA LINEAR Sejm V m espço etoril A { K n} V e K n n 0 O conjnto A di-se linermente independente LI o os etores K n são ditos LI cso eqção cim dmit pens solção triil 0 K 0 0 n Se eistirem solções i 0 pr lgm i n di-se qe o conjnto é linermente dependente LD Eemplos: Em V R³ os etores e w - são LD pois podemos escreer combinção liner 4 w 0 b Em V P R os polinômios p 4 p 5 e p 4 são 0 LI pois p p p 0 somente qndo c Em V R² i 0 e j 0 são LI d Em V R² i 0 j 0 e - são LD pois podemos escreer combinção liner i j 0 Atenção: Fç os cálclos qe conferem s firmções cim eorem Um conjnto A { K n } é LD se e somente se pelo menos m desses etores é combinção liner dos otros O eqilentemente m conjnto A { K n } é LI se e somente se nenhm desses etores pode ser escrito como combinção liner dos otros Do teorem cim podemos conclir qe pr o cso prticlr de dois etores temos qe: e são LD se e somente se m etor é múltiplo esclr do otro Eemplo: 6 A M R é m conjnto LD pois podemos escreer combinção liner Notemos qe

9 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 8 Eercício: Verifiqe se são LD os segintes conjntos { 4 7 } P R { } R² PROPRIEDADES DA DEPENDÊNCIA E DA INDEPENDÊNCIA LINEAR Sej V m espço etoril Se A {} V e 0 então A é LI Consider-se por definição qe o conjnto io Ф é LI Se m conjnto A V contém o etor nlo então A é LD 4 Se m prte de m conjnto A V é LD então A é tmbém LD 5 Se m conjnto A V é LI então qlqer prte de A é tmbém LI Obseremos qe recíproc dest firmção não é erddeir De fto oltndo o eemplo d A {0 0 -} temos qe qlqer sbconjnto próprio de A é LI A {0} A {0} A {-} A 4 {0 0} A 5 {0 -} A 6 {- 0} Porém erificmos qe o conjnto A é LD 6 Se A { } é LI e B { n w} etores K n K n é LD então w é combinção liner dos K BASE DE UM ESPAÇO VEORIAL Um conjnto B { K n} V é m bse do espço etoril V se: i B é LI; ii B ger V Eemplos: B { - 0} é bse do R OBS: qisqer dois etores não colineres do R portnto LI formm m bse desse espço B { 0 0 } é bse do R denomind bse cnônic B { e e K e n } é bse cnônic do R n onde 00 K 0 e 00 K0 K e 00 4 n K n R pode ser escrito como e e e são etores LI e K e n n B B { t t t n } é bse cnônic de M R K é bse cnônic do espço etoril P n e tem n etores

10 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 9 6 B { - -4} não é bse do R pois é LD 7 B { -} não é bse do R pois não ger todo R Esse conjnto ger m ret qe pss pel origem W [ -] { R ; -} 8 B { --0} não é bse do R pois não ger todo R B ger o sbespço do R W R ; 0 e por ser LI é bse de W { } OBS: odo conjnto LI de m espço etoril V é bse do sbespço por ele gerdo eorem: Se B { K n} for m bse de m espço etoril V então i todo conjnto com mis de n etores será LD; ii todo conjnto com menos de n etores não ger V Corolário: Ds bses qisqer de m mesmo espço etoril têm o mesmo número de etores DIMENSÃO de m espço etoril: é o número de etores d bse de m espço etoril Eemplos: dim R dim R n n dim M R 4 4 dim Mmn m n 5 dim P n n 6 dim {0} 0 pois {0} é gerdo pelo conjnto io e portnto não possi bse Obserções: dim V n e W é sbespço de V dim W n No cso de dim W n então temos qe W V E: V R dim V A dimensão de qlqer sbespço W do R só poderá ser 0 o Portnto temos: dim W 0 então W {000} é origem b dim W então W é m ret qe pss pel origem c dim W então W é m plno qe pss pel origem d dim W então W R Se dim V n então qlqer sbconjnto de V com mis de n etores é LD Se sobermos qe dim V n pr obtermos m bse de V bst qe pens m ds condições de bse estej stisfeit pois otr ocorrerá como conseqüênci O sej: Se dim V n qlqer sbconjnto de V com n etores LI é m bse de V b Se dim V n qlqer sbconjnto de V com n etores gerdores de V é m bse de V

11 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 0 EXERCÍCIOS Verifiqe se os conjntos bio são sbespços de V R W R constnte rel c W R b W R d W R sen Ddos os espços etoriis bio dig em cd cso se W é sbespço etoril de V sobre R V R W R { R } { R 0} W W b V M R b W { A V A A fid emv} b W { A V A A} A V A é inersíel b W c P R V c { t bt c V b c 0} c W { t bt c V c 4} W d V F R R Espço ds fnções contíns de R em R d W { f V f f } W f V f 0 d { } Sej M R t t V e sejm W { A V A A} e W { A V A A} Mostre qe: W e W são sbespços de V; b V W W ; 4 No eercício nterior mostre qe V W W 5 Escre se possíel cd etor como combinção liner dos elementos de S sendo: e S e S { 0 9 } 0 0 e S b c { } d d p t t 4t t e S { t t t } e f sen e S { cos } 6 Determine m conjnto de gerdores pr os segintes sbespços: { R 0 e 0} W { R 0} b W b W c 0 e d 0 c d c M R { b c e 0} d W bt ct d P R t

12 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 7 Sej { w} { w w w} m conjnto LI de etores de m espço etoril V Mostre qe é LI 8 Determine k de modo qe o conjnto { 0 k k k } k sej LI 9 Mostre qe os segintes pres de etores em V F RR são LI b c 0 Verifiqe qis dos segintes conjntos: e d sen cos i são LI ii germ os espços V considerdos iii são bses dos espços V considerdos 4 { } V R b { } V R 0 0 c V M R 0 d V M R 0 e e { t t } V P R t f { 5 t } V P R t Determine m bse e dimensão dos segintes sbespços etoriis: [ π ] W em V R b [ ] W em c W A M R A A t em M R d Os sbespços do eercício 6 e [ sen cos ] V F R R W f W [ e e e ] V F R R V 4 V R Encontre s eqções lineres homogênes qe crcterim os segintes sbespços: [ 0 0 ] W em b [ 4 4 ] W em V R V R c [ ] W em 4 V R

13 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 0 d W em M R e W [ t t t t] em P R V V Em cd cso segir determine os sbespços U W U W de V e m bse pr cd m dos sbespços encontrdos: V b V 4 R R c V M R d V R U W U W U W U W { w V w 0} { w V 0 e w 0} { V 0} e [ 00 7 ] V w 0 0 e w V 0 w 0 w [ 0 0 ] [ 0 0 ] 4 Ddos os etores 4 0 e t 48 6 Encontre m bse pr S [ t] ; : b Escre s eqções qe crcterim S; c Qe relção dee eistir entre e b pr qe 0b d Sej Y [ 00 ] Determine Y S Y S 5 Verifiqe se V U W nos segintes csos: 0 pertenç S? dim e m bse pr Y S e e V M b V 4 R c itens do eercício o U d W d U W b e b e c V b f f c V d 0 f { w V w w 0} { w V 0} 6 Determine m bse do R 5 qe contenh o conjnto { } 7 Sendo W [ 5 7 ] encontre m sbespço U do Jstifiqe s respost R tl qe R U W

14 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 8 Sejm W ew sbespços do 5 R Sbendo-se qe: dim W W 4 ; { } é bse de W ; W [ 00 0 ] W Determine dimensão de W Jstifiqe s respost 9 Sbendo qe V W R 4 e V [ 4 69 ] determine dimensão de W Jstifiqe 0 Sejm V m espço etoril de dimensão igl 6 U e W sbespços de V tis qe: dim U 4 e dim W 5 Mostre qe W { 0} b dim dim W 4 U U Encontre s possíeis dimensões pr U W Dê se possíel eemplos de: Um conjnto LI de etores qe não germ o R ; b Um conjnto LD de etores do M R ; c Um sbespço U de R 4 tl qe U R 4 e dim U 4 ; d Dois sbespços W e U de R 5 tis qe dim dim Cso sej impossíel jstifiqe s respost 5 U W e U W R Determine s coordends dos segintes etores em relção às bses indicds: 4 5 b 0 c t 5t t B B' { 0 0 } { 0 4 } 0 0 B B' bse cnônic de M { t t t t t- } B B' bse cnônic de P 0 0 R R 0 0

15 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 4 sim b não c não d não Resposts não sim não c sim c não b sim b não b não d sim d sim c não é possíel t 4t t 5 t t t 4 b 7 d e sen cos 6 b k 0 e k 0 i LI ii sim iii sim b i LD ii sim iii não c i LD ii não iii não d i LI ii não iii não e i LI ii sim iii sim f i LD ii não iii não c d { t t } W B otr bse de W: B b B dim W c B W dim { } dim W { } dim W d d B d B d B W 0 dim d4 B { t t} dim W e B sen cos dim W f B { e e e } dim W { } W R 0 b W ' dim { R 0} c W R 4 d W M w R 0 e 0 w e W t bt ct d P R c b { } 4 U W { w R w } 4 U W { w R w } B U W { } 0 B U W

16 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 5 b U W R 0 B U W 00 U W R c U W U W M R d B U W U W R B U W não há bse B U W 0 { } U W R B U W B 0 00 otr bse: 4 0 { } b { } S w R w c b d Y S Y dim Y S B Y S mesm de S 5 não b sim c não b não c sim d não 6 B [ 0 0 ] o por eemplo [ 00 ] o [ 0 0 ] U U U 8 dim W 4 9 dim W 0 < < 5 { 0} dim U W U W b 4 impossíel b por eemplo c impossíel d impossíel 0 0 [ ] 5 [ 4 5 ] 4 5 B 7 e 58 7 b B' B e 0 B' B 5 c [ t 5t t] [ t 5t t] B e '

17 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 6 RANSFORMAÇÃO LINEAR Sejm V e W espços etoriis Um plicção :V W é chmd trnsformção liner de V em W se stisf às segintes condições: I II R e V Em prticlr m trnsformção liner de V em V o sej se W V é chmd operdor liner sobre V Eemplos: A trnsformção nl o ero é liner: O O: V W 0 O De fto: I O O O II O 0 0 O A trnsformção identidde é liner I I W V I : De fto: I I I I II I I A trnsformção projeção de R em R é liner R R : De fto: I II 4 A fnção rel F: R R tl qe F não é m trnsformção liner De fto: I F F F II F F

18 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 7 5 A trnsformção derid D é liner P n R é o conjnto dos polinômios reis de gr n e ft gt são polinômios de P n R D : P R P R n f t D f t n f ' t De fto: I D f t g t f t g t ' f ' t g ' t D f t D g t II D f t f t ' f ' t D f t Eercício: Verifiqe se são lineres s segintes plicções : R R definid por b : P R R definid por t t Proprieddes Se V W 0 0 : é m trnsformção liner então V 0W Eqilentemente se 0 0 então V W V W 0 : não é m trnsformção liner Podemos sr est propriedde pr jstificr qe trnsformção do eercício b não é liner 0 0 pois Se : V W é m trnsformção liner então V e R Anlogmente K K K V e K n n n n n n R Est propriedde é mito útil principlmente se os etores K n constitem m bse de V pois podemos encontrr lei d trnsformção liner como em eemplificdo bio Eemplo: Sejm : R R m trnsformção liner e B m bse do R³ Sbendo qe e 0 0 determine e 5 Em primeiro lgr mos epressr o etor como combinção liner dos etores d bse No cso resolendo o sistem determinmos qe Aplicndo trnsformção e sndo propriedde temos Portnto 4 4 e plicndo o etor ddo 5 0 0

19 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 8 Imgem de m trnsformção liner Chm-se imgem de m trnsformção liner : V W o conjnto dos etores w W qe são imgem de etores V Im { w W / w pr lgm V} W OBS: Im pois no mínimo o conjnto imgem contém o etor nlo 0 W Im Se Im W di-se trnsformção sobrejetor isto é w W V tl qe w A imgem de m trnsformção liner : V W é m sbespço etoril de W Eemplo: Sej f : R R f 0 projeção ortogonl do R sobre o plno 0 A imgem de f é o próprio plno 0 Imf { 0 R / R } Núcleo de m trnsformção liner Chm-se núcleo de m trnsformção liner : V W o conjnto de todos os etores V qe são trnsformdos em 0 W Indic-se este conjnto por N o ker N { V/ 0} Eemplos: No eemplo nterior o núcleo d trnsformção f é o eio dos pois 0 f Portnto N f {00 / R} Dd trnsformção liner : R R 4 8 por definição sbemos qe N se e somente se o sistem cj solção é e Logo N { R / R}

20 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 9 OBS: N pois no mínimo o núcleo contém o etor nlose V N Um trnsformção liner é dit injetor se e somente se N {0} : V W é m trnsformção injetor se V O núcleo de m trnsformção liner : V W é m sbespço etoril de V eorem do Núcleo e d Imgem Se V é m espço etoril de dimensão finit e : V W m trnsformção liner dim N dim Im dimv Corolários: Sej : V W m trnsformção liner Se dimv dimw então é sobrejetor se e somente se é injetor Se dimv dimw e é injetor então trnsform bse em bse isto é se B { n} bse de V então B K é bse de W { n } K é Se trnsformção liner não stisf tods s condições do corolário podemos sr m resltdo semelhnte pr gerr imgem d trnsformção: Se : V W é m trnsformção liner e { n} K n ger Im K ger V então Eercício: Determine o núcleo imgem m bse pr o núcleo m bse pr imgem e dimensão de cd m deles pr s segintes trnsformções lineres : R R R definid por definid por t R tl qe e e 0 e e sendo { } : P R : R cnônic do R³ e e e bse Isomorfismo Chm-se isomorfismo do espço etoril V no espço etoril W m trnsformção liner : V W bijetor injetor e sobrejetor Neste cso V e W são ditos espços isomorfos Eemplo: Mostremos qe : P R R definid por bt ct c b c b é m isomorfismo Determinndo o N: c 0 c 0 bt ct 000 b c 0 b 0 N { 0} é injetor b 0 0 P R dim R³ pelo corolário podemos firmr qe tmbém é Como é injetor e dim sobrejetor prondo o isomorfismo

21 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 0 Atomorfismo Chm-se tomorfismo o operdor liner : V V qe é bijetor Proposição Se : V W é m isomorfismo então eiste m trnsformção iners qe tmbém é m isomorfismo : W V qe é liner e Eercício Determine pr o isomorfismo do eemplo nterior Mtri de m trnsformção liner Sejm : V W m trnsformção liner A { K n } B w w K w m m bse de W Então K n são etores de W e podemos escreê-los como combinção liner dos etores d bse B w w w K m m w w w K m m M w w K n n n mnwm m bse de V e A mtri [ ] A B M m M m K K O K n n M mn é chmd mtri d trnsformção em relção às bses A e B Como [ ] A B depende ds bses A e B m trnsformção liner poderá ter m infinidde de mtries pr representá-l No entnto m e fids s bses mtri é únic A Podemos representr trnsformção liner pel operção entre mtries: [ ] [ ] B [ ] A Eemplos: B Dd trnsformção liner : R R e considerndo s bses A { 0 00 } do R e qe ger os sistems: B do R temos

22 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 0 0 e 0 cjs solções são 0 Logo A 0 [ ] B Considerndo mesm trnsformção do eemplo nterior com s bses cnônics ' B ' 0 0 do R A { } do R e Logo A [ ] ' 0 B' 0 No cso de serem A e B bses cnônics represent-se mtri simplesmente por [] qe é chmd mtri cnônic de Então tem-se: [ ] [ ] [ ] Obseremos qe clclr pel mtri [] é o mesmo qe fê-lo pel fórml qe define o 0 0 [ ] Dds s bses B 0 do R e ' B No cso desejmos determinr trnsformção : R 0 B trnsformção liner cj mtri é [ ] ' como é determind mtri [ ] B ' B sbemos qe B do R encontremos R tl qe b c Pelo modo Escreendo como combinção liner dos etores d bse B temos 0

23 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner Aplicndo : Do eemplo cim obsermos qe dd m mtri e fid ds bses em V e em W est mtri represent m trnsformção liner Est mesm mtri nm otr dpl de bses representrá m trnsformção liner diferente 0 0 é mtri cnônic d trnsformção temos qe Considerndo qe mtri [ ] e portnto As mtries ds trnsformções lineres são importntes pois: mits ees resposts qestões teórics sobre estrtr de m trnsformção liner podem ser obtids estdndo s crcterístics d mtri d trnsformção; ests mtries tornm possíel clclr s imgens de etores sndo mltiplicção mtricil Estes cálclos podem ser efetdos rpidmente em comptdores eorem Sejm : V W m trnsformção liner e A e B bses de V e W respectimente Então A dim Im posto de [ ] B A A A dim N nlidde de [ ] nº de colns de [ ] posto de [ ] B B B eorem Sejm A e B bses dos espços etoriis V e W respectimente Um trnsformção liner V W é inersíel Além disso se é inersíel então : é inersíel se e somente se [ ] A B [ ] B A B A Corolário Sejm A e B bses dos espços etoriis V e W respectimente e liner é inersíel se e somente se det[ ] A B 0 : V W m trnsformção 4 Eercício Sej : R R m trnsformção liner dd pel mtri cnônic [ ] Verifiqe se é inersíel Cso o sej determine -

24 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner Atolores Vlores Próprios e Atoetores Vetores Próprios Definição Sej : V V m operdor liner Um etor V 0 é m toetor o etor próprio do operdor se eiste R λ λ tl qe λ é denomindo tolor o lor próprio lor crcterístico lor espectrl ssocido o toetor Eemplos: Sej : R R tl qe λ λ R Este operdor tem λ como tolor e qlqer 00 como toetor correspondente Se i λ < 0 inerte o sentido do etor; ii λ > dilt o etor; iii λ > contri o etor; i λ é trnsformção identidde Sej : R R definid por trnsformção refleão no eio Os etores d form 0 são tis qe o sej Assim todo etor 0 0 é toetor de com tolor λ mbém pr todo etor 0 temos qe Dí diemos qe todo etor 0 0 é toetor de com tolor λ Sej : R R definid por trnsformção rotção de 90 Notemos qe nenhm otro etor diferente do etor nlo é ledo por nm múltiplo de si mesmo Logo este operdor não tem tolores nem toetores

25 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 4 Determinção dos tolores e toetores Sej o operdor : R n n R cj mtri mtri cnônic é A M M O M n n n n nn o sej A [] Se e λ são respectimente toetor e tolor ssocido temos: endo em ist qe A λ A λ 0 é mtri coln n e 0 é mtri nl n I onde I é mtri identidde de ordem n podemos escreer A λi 0 λ A I 0 Pr qe o sistem homogêneo dmit solções não nls isto é indetermindo e portnto deemos ter A λi det este dee ser 0 A eqção A λi λ n λ M M O M n n nn λ n det 0 det 0 é denomind eqção crcterístic do operdor o d mtri A e ss ríes são os tolores do operdor o d mtri A det A λi é m polinômio n riáel λ denomindo polinômio crcterístico O Determinmos os toetores correspondentes sbstitindo os tolores encontrdos λ no sistem homogêneo de eqções lineres Eemplo: Determinr os tolores e toetores do operdor liner 4 5 : R R definido por 0 4 Mtri cnônic de : A λ 0 4 A λi 0 λ λ λ Eqção crcterístic: det A λi 0 λ λ λ 0 λ

26 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 5 4 Cálclo dos toetores ssocidos: Pr λ temos o sistem R e Portnto temos os toetores 0 ssocidos o tolor Verificção: Pr λ temos R Portnto temos os toetores ssocidos o tolor Verificção: eorem Ddo m operdor liner : V V o conjnto formdo pelos toetores ssocidos m tolor V V; λ é sbespço de V λ e o etor nlo é sbespço etoril de V isto é λ

27 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 6 Verifiqe qis ds segintes plicções são lineres: :R R b :R R definid por definid por c :R R definid por d :R R EXERCÍCIOS definid por e :R M R definid por 0 0 f R R definid por e c f M : g : R R b c d e f definid por sen Determine trnsformção liner pr cd m ds plicções bio: :R R b :R R c :R R d P tl qe 5 e 0 4 tl qe e tl qe 00 5 e R R tl qe e 5 7 : e :R R tl qe e M Ql trnsformção liner :R R b Determine 0 e tl qe 0 00 sndo o item c Ql trnsformção liner S:R R e? tl qe S S 00 0 S d Determine trnsformção liner compost So:R R sndo os itens e c e? 4 Determine dimensão do núcleo e d imgem e ss respectis bses d plicção liner do: eercício itens d e e b eercício itens b d e e 5 5 Sendo :R R Im definid por 0 0 determine m bse de N e 6 Determine m trnsformção liner: :R R b :R R c :R R cj imgem sej gerd por tl qe N [ ] e Im [ 4 ] considere β tl qe Im 0 [ ] 7 Dê se possíel os eemplos pedidos bio Cso não eistm jstifiqe Um plicção liner injetor :R R b Um plicção liner sobrejetor :R R c Um plicção liner :R R tl qe 0 0 sej m bse pr R bse do R

28 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 7 d Um plicção liner : V W tl qe Im { 0 } 5 e Um plicção liner :R R 5 tl qe sej injetor ms não sej sobrejetor 8 Sej : V V m trnsformção liner Sbendo-se qe dim V 5 e dim N Im Determine jstificndo dim N Im b pode ser injetor? Jstifiqe 9 Mostre qe plicção :R P R definid por 4 0 Determine trnsformção liner : R R tl qe Consideremos trnsformção liner { } do R e { 0 } do R t é m isomorfismo { ; } N R e : R R definid por A B Determine mtri [ ] e s bses Sej trnsformção liner : R R e s bses { } { } B Determine [ ] A B Ql mtri [ ] A C Sbendo qe mtri de m trnsformção liner :R R B 4 Sej [ ] { 0 0 } A B onde C é bse cnônic do A do R é [ ] B 5 0 mtri cnônic de m trnsformção liner :R R 5 Sej o operdor liner ddo pel mtri N e dim N b Im e dim Im A e R? ns bses { 0 } A do encontre epressão de e mtri [ ] 0 Determine: Se 4 R e clcle AUOVALORES E AUOVEORES Verifiqe tilindo definição se os etores ddos são toetores ds correspondentes mtries: 0 - b - Determine os tolores e os toetores dos segintes operdores lineres: : R R ; 4; b : R R ; c : R R ; 5 ; d : R R ; ; e : R R f g ; : R R ; : R R ;

29 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 8 Os etores e são toetores de m operdor liner : R R ssocidos λ 5 e λ respectimente Determine imgem do etor 4 por esse operdor 4 Determine o operdor liner : R R cjos tolores são λ e λ ssocidos os toetores e 0 respectimente b Mesmo enncido pr λ λ e 0 5 Se λ 4 e λ são tolores de : R R ssocidos os toetores e respectimente determine 6 Sej m operdor liner : R R tl qe e pr lgm etor e R Determine w se 0 6 e w 7 Resposts São lineres s fnções dos itens d e f 4 b c d b c 5c 5b 7 c e b 0 5 e c S 5 6 d So 4 β N 0 0 β Im 0 0 d β N 0 β Im e β N β Im b b β N β Im 0 0 d { 5 } β Im β N e β N 0 0 β Im

30 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 9 5 β N { } e β { Im } b 4 c 7 Impossíel b Impossíel c Qlqer plicção injeti o sobrejeti d A plicção nl e Não eiste 8 dim N Im b Não dim N e e [ ] N b Im { 4 ; R} R ; dim N { 0 } dim Im Atolores e toetores Sim b Não λ ; λ b λ ; λ 4 c λ λ 4 d Não eistem e λ λ ; λ 4 f λ ; λ 0 ; λ 00 g λ λ λ 0 e não simltnemente nlos b

31 Profª Isbel Cristin C Leite Álgebr Liner 0 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SEINBRUCH A WINERLE P Álgebr Liner Editor Mkron Books 987 CALLIOLI Crlos A DOMINGUES Hgino H COSA Roberto C F Álgebr liner e plicções 6 edição Atl Editor 998 ANON Howrd & RORRES Chris Álgebr Liner com Aplicções Ed Bookmn 8 Edição BOLDRINI J L Álgebr Liner Hrbr 984 LIPSCHUZ S Álgebr Liner edição Coleção Schm Editor Mkron Books SANOS REGINALDO J Álgebr Liner e Aplicções Belo Horionte Imprens Uniersitári d UFMG 006 Liro disponíel pr downlod no site wwwmtfmgbr/~regi

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz

Determinante Introdução. Algumas Propriedades Definição Algébrica Equivalências Propriedades Fórmula Matriz ao erminante Área e em R 2 O qe é? Qais são sas propriedades? Como se calcla (Qal é a fórmla o algoritmo para o cálclo)? Para qe sere? A = matriz. P paralelogramo com arestas e. + A é a área (com sinal)

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

APOSTILA. Matemática Aplicada. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR. Lauro César Galvão

APOSTILA. Matemática Aplicada. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR. Lauro César Galvão POSTIL Mtemátic plicd Universidde Tecnológic Federl do Prná UTFPR Césr Glvão Índices SISTEMTIZÇÃO DOS CONJUNTOS NUMÉRICOS...-. CONJUNTOS NUMÉRICOS...-.. Conjunto dos números nturis...-.. Conjunto dos números

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

Método dos Elementos Finitos Estruturas Planas Articuladas Exercícios Resolvidos

Método dos Elementos Finitos Estruturas Planas Articuladas Exercícios Resolvidos Método dos Eementos Finitos Estrtrs Pns Articds Exercícios Resovidos. orenço, J. Brros Retório 7-DEC/E-5 Dt: Mrço de 7 N.º de páins: 7 Pvrs chve: MEF, Estrtrs Articds Esco de Enenhri Deprtmento de Enenhri

Leia mais

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional.

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional. UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA UNIDADE DE APOIO EDUCACIONAL UAE MAT 099 - Tutori de Mtemátic Tópicos: Números Rcionis operções e proprieddes (frções, regr de sinl, som, produto e divisão de frções, potênci

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras:

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras: Resolução ds tiiddes copleentres Físic F4 Vetores: conceitos e definições p. 8 1 Obsere os etores ds figurs: 45 c 45 b d Se 5 10 c, b 5 9 c, c 5 1 c e d 5 8 c, clcule o ódulo do etor R e cd cso: ) R 5

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437 ÍNICE MATEMÁTICA... PARA REFLETIR!... EXERCÍCIOS... EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES... OPERAÇÕES COM MATRIZES... PARA REFLETIR!...7 EXERCÍCIOS E APLICAÇÃO...8 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES...8...9 PARA REFLETIR!...

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Determinntes p. (Unifor-CE) Sejm os determinntes A, B e C. Nests condições, é verdde que AB C é igul : ) c) e) b) d) A?? A B?? B C?? C AB C ()? AB C, se i,

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO marciocohen@superig.com.br

NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO marciocohen@superig.com.br NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO mrciocohen@superigcomr + = EQUAÇÃO DA RETA: k cte (onde k e cte têm seus significdos geométricos evidencidos n demonstrção ixo) Sej um

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015 Núcleo e Imagem Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Álgebra Linear

Leia mais

1 Áreas de figuras planas

1 Áreas de figuras planas Nome: n o : Ensino: Médio érie: ª. Turm: Dt: Professor: Mário esumo 1 Áres de figurs plns 1.1 etângulo h. h 1. Qudrdo 1. Prlelogrmo h. h 1.4 Trpézio h B h B 1.5 Losngo d Dd. D 1.6 Triângulos 1.6.1 Triângulo

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I 1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 013/I 1 Sejam u = ( 4 3) v = ( 5) e w = (a b) Encontre a e b tais

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

B ) 2 = ( x + y ) 2 ( 31 + 8 15 + 31 8 ( 31 + 8 15 ) 2 + 2( 31 + 8 15 )( 31 8 MÓDULO 17. Radiciações e Equações

B ) 2 = ( x + y ) 2 ( 31 + 8 15 + 31 8 ( 31 + 8 15 ) 2 + 2( 31 + 8 15 )( 31 8 MÓDULO 17. Radiciações e Equações Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis MATEMÁTICA. Mostre que Rdicições e Equções + 8 5 + 8 + 8 5 + 8 ( + 8 5 + 8 5 é múltiplo de 4. 5 = x, com x > 0 5 ) = x ( + 8 5 ) + ( + 8 5 )( 8 + ( 8 5 ) = x

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

1. O conjunto dos polinômios de grau m, com 2 m 5, acrescido do polinômio nulo, é um subespaço do espaço P 5.

1. O conjunto dos polinômios de grau m, com 2 m 5, acrescido do polinômio nulo, é um subespaço do espaço P 5. UFPB/PRAI/CCT/DME - CAMPUS II DISCIPLINA: Álgebra Linear ALUNO (A): 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS 1 a PARTE: QUESTÕES TIPO VERDADEIRO OU FALSO COM JUSTI- FICATIVA. 1. O conjunto dos polinômios de grau m com

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidde Federl d Bhi Instituto de Mtemátic DISCIPLINA: MATA0 - CÁLCULO B UNIDADE II - LISTA DE EXERCÍCIOS Atulizd 008. Coordends Polres [1] Ddos os pontos P 1 (, 5π ), P (, 0 ), P ( 1, π ), P 4(, 15

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det 5 DETERMINANTES 5 Definição e Proprieddes Definição O erminnte de um mtriz qudrd A de ordem é por definição plicção ( ) : M IR IR A Eemplo : 5 A ( A ) ( ) ( ) 5 7 5 Definição O erminnte de um mtriz qudrd

Leia mais

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO ANÁLISE MATEMÁTICA I TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO 3 Índice Noções Topológics, Indução Mtemátic e Sucessões. Noções topológics em R............................. Indução mtemátic..............................

Leia mais

onde a notação "x 3" indica x tende a 3 e "lim" significa o limite de. Generalizando, se f é uma função e a é um número, entende-se a notação

onde a notação x 3 indica x tende a 3 e lim significa o limite de. Generalizando, se f é uma função e a é um número, entende-se a notação CAPÍTULO - LIMITE E CONTINUIDADE.- Noção Iiiv A idéi de ie é ácil de ser cpd iiivmee. Por eemplo, imgie m plc meálic qdrd qe se epde iormemee porqe esá sedo qecid. Se é o comprimeo do ldo, áre d plc é

Leia mais

Aula 4 Movimento em duas e três dimensões. Física Geral I F -128

Aula 4 Movimento em duas e três dimensões. Física Geral I F -128 Aul 4 Moimento em dus e três dimensões Físic Gerl I F -18 F18 o Semestre de 1 1 Moimento em D e 3D Cinemátic em D e 3D Eemplos de moimentos D e 3D Acelerção constnte - celerção d gridde Moimento circulr

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 . ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 ROBERTO DE MARIA NUNES MENDES Professor do Departamento de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica da PUCMINAS Belo Horizonte

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Aplicações da Integral

Aplicações da Integral Módulo Aplicções d Integrl Nest seção vmos ordr um ds plicções mtemático determinção d áre de um região R do plno, que estudmos n Unidde 7. f () e g() sejm funções con-, e que f () g() pr todo em,. Então,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades?

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades? UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DCET / CAMPUS I DISCIPLINA: Cálculo II (MAT 089 CH: 75 PROFESSOR: Adrino Ctti SEMESTRE: 0. ALUNO: APOSTILA 0: INTEGRAL INDEFINIDA

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

2.4. Função exponencial e logaritmo. Funções trigonométricas directas e inversas.

2.4. Função exponencial e logaritmo. Funções trigonométricas directas e inversas. Cpítulo II Funções Reis de Vriável Rel.. Função eponencil e logritmo. Funções trigonométrics directs e inverss. Função eponencil A um unção deinid por nome de unção eponencil de bse. ( ), onde, > 0 e,

Leia mais

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007.

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007. Un i ve r si d d e F e de r l d e M in s G e r i s Institu to de C iê nc i s E t s Dep r t me n t o d e M t e m á t ic E n sin o M éd io e Un iver sit ár io: d ifer ent es bor d gen s n con st r ução d

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Salto em distância. Definições de Biomecânica Áreas de atuação da Biomecânica. Definições de Biomecânica

Salto em distância. Definições de Biomecânica Áreas de atuação da Biomecânica. Definições de Biomecânica Aul : Introdução Biomecânic Exemplos Definições de Biomecânic Áres de tução d Biomecânic Slto em distânci Exemplos Imgens extríds do l. de iofísic d usp http://www.usp.r/eef/lo/ Definições de Biomecânic

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos:

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos: Prov: 05/08/ Mtemátic Questão Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere tmbém os seguintes conjuntos: A= ( ) ( ) B= ( ) D= ( ) ( ) Ds lterntivs bixo, que present elementos que pertencem

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo Prof. Susie C. Keller Núcleo de uma Definição: Chama-se núcleo de uma transformação linear T: V W ao conjunto

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição:

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição: Cálculo I Limite de um função Srtori, C. S. Revisão - Funções: - Definição: Lemrndo que um função é um relção entre dois conjuntos que oedecem às restrições: ) Est relção envolve um elemento do primeiro

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Sistemas Lineares Exercício de Fixação

Sistemas Lineares Exercício de Fixação Sistems Lineres Eercício de Fição Por: Griel Gutierre P Sores Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi Prí Disciplin: Mtemátic Professor: Amrósio Elis Aluno: Mtrícul: Curso: Série: Turno: Sistems

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Austrle Jornl essol de Astronomi, Físic e Mtemátic - roduzido por Irineu Gomes Vrell Crido em 995 Retomdo em Junho de 0 Ano III Nº 04 - Setembro de 0 ÓRBITAS LANETÁRIAS E LEIS DE KELER rof. Irineu

Leia mais

O Teorema Fundamental do Cálculo e Integrais Indefinidas

O Teorema Fundamental do Cálculo e Integrais Indefinidas Cpítulo O Teorem Fundmentl do Cálculo e Integris Indefinids. Introdução Clculr integris usndo soms de Riemnn, tl qul vimos no cpítulo nterior, é um trblho penoso e por vezes muito difícil (ou quse impossível).

Leia mais

(os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais)

(os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais) Os objetos que serão considerados aqui são de duas natureza: Escalar: Vetorial: (os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais). Corpos Numéricos

Leia mais

A matemática do GPS. Figura 1 (site www.garmin.com )

A matemática do GPS. Figura 1 (site www.garmin.com ) A mtemáti do GP érgio Ales IME - UP O estdo d esfer e de ses elementos fi ntrlmente ontetlizdo qndo eplormos s ssoição om o gloo terrestre. Coneitos geográfios omo prlelos, meridinos, ltitdes, longitdes

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Álgebra Linear I Solução da 5ª Lista de Exercícios

Álgebra Linear I Solução da 5ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Engenharia de Produção Curso de Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

Cálculo Integral em R

Cálculo Integral em R Cálculo Integrl em R (Primitivção e Integrção) Miguel Moreir e Miguel Cruz Conteúdo Primitivção. Noção de primitiv......................... Algums primitivs imedits................... Proprieddes ds primitivs....................4

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais