Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. Coordenação de Gestão Estratégica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. Coordenação de Gestão Estratégica"

Transcrição

1

2 Coordenação de Gestão Estratégica Plano Estratégico de Tecnologia da Informação Plano Diretor de Tecnologia da Informação (versão 1.0)

3 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Fernando Bezerra de Souza Coelho Ministro de Estado Alexandre Navarro Garcia Secretário-Executivo Irani Braga Ramos Diretor de Gestão Estratégica Flávio Ferreira dos Santos Coordenador Geral de Tecnologia da Informação DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Diretoria-Geral Emerson Fernandes Daniel Júnior Comitê de Tecnologia da Informação José Alberto de Almeida (Coordenador Geral de Planejamento e Gestão Estratégica) João Otávio Monteiro Gondim Filho (Coordenador de Gestão Estratégica) Paulo Giovanni Nogueira de Lima (Chefe do Serviço de Informática) Patrício Robson dos Santos Alves (Representante da Diretoria de Infraestrutura Hídrica) José Alfredo de Albuquerque (Representante da Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Produção) Antônio de Pádua Farias (Representante da Diretoria Administrativa) Luciano Freitas e Sousa (Representante da Auditoria Interna) Emilly Silva de Albuquerque (Representante da Procuradoria Federal/DNOCS) Neide Maria Araújo Lopes (Secretária) Equipe de Elaboração do PDTI Maria de Fátima Ramalho de Paula Paulo Giovanni Nogueira de Lima Raphael Felipe de Araújo Lima Colaboração Carlos Henrique Sales Bastos Junho / 2013

4 Sumário APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO TERMOS E ABREVIAÇÕES METODOLOGIA APLICADA DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PRINCÍPIOS E DIRETRIZES RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - PETI Erro! Indicador não definido. 7. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA UNIDADE DE TI REFERENCIAL ESTRATÉGICO DE TI MISSÃO VISÃO VALORES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE TI MAPA ESTRATÉGICO DA TI ANÁLISE SWOT DA TI ORGANIZACIONAL ALINHAMENTO COM A ESTRATÉGIA DO DNOCS PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - PDTI INVENTÁRIO DE NECESSIDADES PLANO DE METAS E DE AÇÕES PLANO DE GESTÃO DE PESSOAS PLANO DE INVESTIMENTO E CUSTEIO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA DE TI PROCESSO DE REVISÃO E MONITORAMENTO DO PDTI FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO CONCLUSÃO ANEXOS ANEXO I PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PDTI INTRODUÇÃO VISÃO GERAL Objetivo Contexto da Unidade de TI Alinhamento Estratégico Fatores Motivacionais Premissas e Restrições EQUIPE PARTICIPANTE PARTES INTERESSADAS METODOLOGIA APLICADA DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA CRONOGRAMA ANEXO II ORGANOGRAMA DO DNOCS ANEXO III PROPOSTA PARA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO ANEXO IV PLANO DE ATUALIZAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI ANEXO V FORMULÁRIO DE LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES ANEXO VI MAPA DA ESTRATÉGIA DO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL... 91

5

6 APRESENTAÇÃO O presente documento tem por objetivo apresentar o Plano Estratégico de Tecnologia (PETI)/Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. O PDTI é o instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de tecnologia da informação que visa a atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade para um determinado período (IN 04/2010, Art. 2º, XXI). O PDTI é condição necessária para que qualquer órgão público possa contratar soluções de TI e está fundamentado na IN 04/2010 em seu Artigo 4º que diz As Contratações de que trata esta Instrução Normativa deverão ser precedidas de planejamento, elaborado em harmonia com o PDTI, alinhado à estratégia do órgão ou entidade. A elaboração deste documento foi baseada no Modelo de Referência proposto pela Comissão de Coordenação do SISP aprovado em 01 de julho de 2011 e é composto pela estrutura e conteúdo mínimos constantes no modelo. Uma vez que o Plano Plurianual (PPA) corrente tem vigência até o ano de 2015 ( ), o comitê de TI optou por elaborar este plano com a vigência para os anos de 2013 a 2015, o que proporcionará a administração condições de se planejar e implantar um novo planejamento para a área de TI. Este PETI-PDTI abrange tanto a Administração Central do DNOCS como suas 9 (nove) Coordenadorias Estaduais. I - Objetivo O presente documento tem como objetivo sistematizar o planejamento da gestão de TI para o triênio , contemplando as necessidades do DNOCS e suas Coordenadorias Estaduais, para o período. II - Abrangência Todos os procedimentos e soluções apontados neste documento foram definidos considerando necessidades levantadas junto às seguintes áreas do DNOCS: Diretoria Geral Gabinete Procuradoria Federal Auditoria Interna Coordenação Geral de Planejamento e Gestão Estratégica Diretoria Administrativa Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Produção Diretoria de Infraestrutura Hídrica Coordenadorias Estaduais Piauí Ceará Rio Grande do Norte Pernambuco Paraíba Página 6 de 92

7 Bahia Sergipe Alagoas Minas Gerais III Período de Validade O período de validade do PDTI será de 03 (três) anos, referente ao triênio Sua elaboração terá como base os programas e as ações constantes no PPA , tendo em vista a inexistência de Planejamento Estratégico Institucional no momento de elaboração do referido documento. Página 7 de 92

8 1. INTRODUÇÃO O DNOCS, como Autarquia integrante do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática (SISP), deve buscar o cumprimento das metas estabelecidas na Estratégia Geral de TI (EGTI) 1, além de seguir a obrigatoriedade de planejar antes de contratar, em conformidade com a Instrução Normativa/SLTI nº 4/2010. Diante do exposto, faz-se necessária a elaboração de um Plano Diretor para que os investimentos em TI possam ocorrer de forma legal, eficiente e transparente. Os fatores motivacionais considerados para elaboração desse plano são: Planejar e gerir os recursos e processos de Tecnologia da Informação; Atender às exigências legais previstas para a área de TI da Administração Pública Federal, bem como às determinações dos órgãos de controle; Atender às necessidades tecnológicas e de informação do DNOCS; Buscar o cumprimento das metas estabelecidas na Estratégia Geral de TI (EGTI), elaborada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MP; Planejar e contratar em conformidade com a Instrução Normativa/SLTI nº 4/2010; Otimizar o retorno dos investimentos na área de TI do DNOCS; Fornecer uma visão completa do ambiente de Tecnologia da Informação do DNOCS. De um modo geral, resguardadas as especificidades de cada caso, o processo pelo qual passa a elaboração de um Plano Diretor de Tecnologia da Informação traz como resultado indireto um rico conjunto de questionamentos, reflexões e revisões que resultará no amadurecimento da TI e da própria Instituição. Tendo em vista que o DNOCS, até a conclusão deste documento, não possuía um Planejamento Estratégico Institucional que possibilitasse nortear as ações de TI e as necessidades de longo prazo, a elaboração deste PDTI baseou-se nos programas e ações constantes no PPA 2012/2015, Relatório de Gestão 2012 e Regimento Interno, portaria nº 48, de 11 de janeiro de EGTI Página 8 de 92

9 2. TERMOS E ABREVIAÇÕES Os conceitos relacionados a termos técnicos, convenções e abreviações, mencionados no decorrer deste documento, são apresentados no quadro abaixo. Quadro 01: Termos e Abreviações Termo Descrição C3S CGE CGE/IN CGE/MD COBIT CPO CRH Central de Serviços e Suporte ao SISP Coordenação de Gestão Estratégica Serviço de Informática Serviço de Modernização e Documentação Control Objectives for Information and related Technology Coordenação de Planejamento e Orçamento Coordenação de Recursos Humanos CRH/AP-R Serviço de Administração de Pessoal - Setor de Recrutamento CTI DA DI DP EqPDTI GCPDTI IN ITIL MI MP PPA SIC SLA SLTI VoIP Comitê de TI Diretoria Administrativa Diretoria de Infraestrutura Hídrica Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Produção Equipe de Elaboração do PDTI Grupo Consultor em Elaboração e Monitoramento de PDTI, SLTI/MP Instrução Normativa Information Technology Infrastructure Library Ministério da Integração Nacional Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Plano Plurianual Segurança da Informação e Comunicação Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Voice over Internet Protocol (Voz sobre IP) Página 9 de 92

10 3. METODOLOGIA APLICADA A metodologia adotada para o desenvolvimento deste PDTI baseou-se no Modelo de Referência e no Guia de Elaboração de PDTI do SISP 2, providos pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Essa metodologia orienta o desenvolvimento do PDTI pautado por 03 (três) fases principais: preparação, diagnóstico e planejamento, conforme diagrama a seguir: Figura 1: Fluxo do Macroprocesso de Elaboração do PDTI Fonte: Extraído do Modelo de Referência PDTI A primeira fase da elaboração do PDTI é a Preparação (Figura 2), na qual devem ser realizadas as tarefas necessárias para a criação de um Plano de Trabalho para elaboração do PDTI. As seguintes tarefas podem ser executadas nesta fase: definição da abrangência do plano, definição de equipe de elaboração do PDTI, definição de metodologia e alinhamento estratégico aos documentos de planejamento da entidade. Figura 2: Fluxo do Processo de Preparação Fonte: Modelo de Referência PDTI Página 10 de 92

11 Após aprovação do Plano de Trabalho, inicia-se a fase de Diagnóstico (Figura 3), durante a qual será identificada a situação atual da TI da entidade e todas as necessidades ou demandas que precisam ser atendidas. Figura 3: Fluxo do Processo de Diagnóstico Fonte: Modelo de Referência PDTI A partir do diagnóstico segue-se para o Planejamento (Figura 4). Para cada necessidade é estipulada sua prioridade e uma ou mais metas e ações para o seu atendimento. Estas ações envolvem a contratação de serviços e a aquisição de equipamentos, inclusive recursos humanos, para o seu desenvolvimento. Página 11 de 92

12 Figura 4: Fluxo do Processo de Planejamento Fonte: Modelo de Referência PDTI Para apoiar a consecução das fases, foram realizadas entrevistas com as Coordenações e Direções, através de preenchimento de formulários, a fim de identificar as necessidades de TI de todo o órgão. Dessa forma, possibilitou-se o nivelamento dos conceitos e o estabelecimento da correlação entre os objetivos de negócio da organização e as ações estratégicas da área de TI para tornar possível o alcance de tais objetivos. A elaboração do Mapa Estratégico da Tecnologia da Informação foi baseada no Balanced Scorecard, metodologia proposta por Kaplan e Norton que visa focar a organização na implementação da estratégia com ganhos de performance que conduzam à criação de valor. O Mapa Estratégico apresenta as perspectivas definidas como estratégicas para a TI, associa os objetivos estratégicos elencados e indica as relações de causa e efeito. Página 12 de 92

13 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Os documentos listados no Quadro 02 foram utilizados como referência para a elaboração deste PDTI. Os principais documentos internos considerados foram o PPA , o Regimento Interno desta Autarquia e o PDTI Também foram consideradas as regulamentações para a área, políticas governamentais, orientações da SLTI para o SISP e as legislações abaixo discriminadas: Quadro 02: Documentos de Referência ID Documento DR1 Cobit 5 DR2 Decreto-lei nº 200/1967 DR3 Decreto nº 2.271/1997 DR4 Decreto nº 4.650/2003 DR5 Estratégia Geral de Tecnologia da Informação (EGTI) DR6 GSI/PR 1/2008 e Normas Complementares DR7 IN SLTI/MP nº 04/2010 DR8 Lei /2001 DR9 Mapa Estratégico do Ministério da Integração Nacional DR10 Guia de Elaboração de PDTI SLTI/MP v DR11 PPA DR12 PDTI DR13 Regimento Interno do DNOCS, Portaria nº 48, de 11 de janeiro de 2007 DR14 Relatório de Auditoria do TCU (Acórdão 592/2011 Plenário) Página 13 de 92

14 5. PRINCÍPIOS E DIRETRIZES No Quadro 03 estão listados os princípios e diretrizes que nortearam o desenvolvimento desse plano, com suas respectivas origens. Quadro 03: Princípios e Diretrizes Id Princípios e Diretrizes Origem PD1 PD2 PD3 PD4 PD5 PD6 PD7 PD8 PD9 PD10 Alinhamento dos objetivos institucionais de TIC às estratégias de negócio Estímulo à atuação dos servidores do DNOCS como gestores, terceirizando a execução Toda contratação de serviços deve visar ao atendimento de objetivos de negócio, o que será avaliado por meio de mensuração e avaliação de resultados O pagamento de serviços contratados deve, sempre que possível, ser definido em função de resultados objetivamente mensurados A maioria dos bens e serviços de TI atende a padrões de desempenho e qualidade que podem ser objetivamente definidos por meio de especificações que são usuais no mercado, cabendo obrigatoriamente a licitação na modalidade pregão Todos os serviços e processos de TI críticos para a organização devem ser monitorados (planejados, organizados, documentados, implementados, medidos, acompanhados, avaliados e melhorados) As contratações de bens e serviços de Tecnologia da Informação deverão ser precedidas de planejamento, seguindo o previsto no Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI O planejamento da implantação, desenvolvimento ou atualização de sistemas, equipamentos e programas em Tecnologia da Informação reger-se-á, por políticas, diretrizes e especificações sistematizadas por meio dos Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico (e- PING), visando assegurar de forma progressiva a interoperabilidade de serviços e sistemas de Governo Eletrônico O planejamento, implantação, desenvolvimento ou atualização de portais e sítios eletrônicos, sistemas, equipamentos e programas em Tecnologia da Informação reger-se-á pelas políticas, diretrizes e especificações do Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico (e-mag), visando assegurar de forma progressiva a acessibilidade de serviços e sistemas de Governo Eletrônico As especificações para a aquisição de bens, contratação de serviços e obras por parte dos órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional deverão conter critérios de sustentabilidade ambiental, considerando os processos de extração ou fabricação, utilização e descarte dos produtos e matériasprimas EGTI 2011/2012 COBIT 5 Decreto-lei nº 200/1967 Decreto nº 2.271/1997 Decreto nº 2.271/1997 IN SLTI/MP nº 04/2010 Decreto nº 2.271/1997 IN SLTI/MP nº 04/2010 Nota Técnica Sefti/TCU nº 2 Cobit - Control Objectives for Information and related Technology ITIL - Information Technology Infrastructure Library Acórdão TCU 1603/2008- Plenário IN SLTI/MP nº 04/2010 Acórdão TCU 1.603/2008- Plenário Acórdão TCU 1.558/2003- Plenário Portaria Normativa MP/SLTI nº 05/2005 Portaria MP/SLTI nº 03/2007 IN SLTI/MP nº 01/2010 Página 14 de 92

15 PD11 PD12 Aos demais órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta e indireta, em seu âmbito de atuação, compete: I - coordenar as ações de segurança da informação e comunicações; II - aplicar as ações corretivas e disciplinares cabíveis nos casos de quebra de segurança; III - propor programa orçamentário específico para as ações de segurança da informação e comunicações; IV - nomear Gestor de Segurança da Informação e Comunicações; V - instituir e implementar equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais; VI - instituir Comitê de Segurança da Informação e Comunicações; VII - aprovar Política de Segurança da Informação e Comunicações e demais normas de segurança da informação e comunicações; VIII - remeter os resultados consolidados dos trabalhos de auditoria de Gestão de Segurança da Informação e Comunicações para o GSI. Fomentar a adoção de Padrões Tecnológicos e soluções de TI IN GSI/PR nº 01/2008 EGTI PD13 Garantir a Segurança da Informação e Comunicações EGTI PD14 Aperfeiçoar a governança de TI EGTI PD15 Alcançar a efetividade na gestão de TI EGTI PD16 Aprimorar a Gestão de Pessoas de TI EGTI PD17 Aperfeiçoar a gestão orçamentária de TI EGTI PD18 Melhorar continuamente a prestação de serviços eletrônicos à sociedade. Promover a melhoria dos serviços públicos oferecidos de forma eletrônica aos cidadãos brasileiros, por meio de ações que contribuam para a democratização do acesso às informações públicas e para o fortalecimento da educação e da consciência dos direitos, deveres e valores do cidadão EGTI Página 15 de 92

16 6. RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR No ano de 2011, o PDTI ( ) foi elaborado com o fito de alinhar as ações e projetos da TI ao negócio do DNOCS, bem como atender à legislação específica referente a Tecnologia da Informação. Esse Plano Diretor foi um marco importante na Gestão da TI do DNOCS, uma vez que elencou portfólio extenso de projetos que visavam à modernização da Autarquia. Em face das limitações organizacionais, orçamentárias e de força de trabalho, é interessante notar a considerável taxa de realização das atividades de 45,71% (16 entre 35 possíveis). As ações marcadas com (*) serão tratadas conjuntamente dentro do escopo do projeto Fábrica de Software. No Quadro 05 constam as ações previstas no PDTI e já executadas naquele momento. No Quadro 06 são apresentadas as ações que constavam no PDTI , porém não foram executadas nesse período, e serão priorizadas no PDTI Quadro 05: Ações Concluídas no PDTI Nº Descrição da Ação 1 Instituir Comitê de SIC 2 Nomear Gestor de Segurança 3 Formalizar a Implantação da POSIC 4 Instituir equipe de tratamento e resposta a incidentes 5 Solicitar a capacitação de servidores em TI 6 Solicitar realização de concurso público ao MI 7 Solicitar adequação da estrutura organizacional da área de TI 8 Definir e institucionalizar processo de desenvolvimento de software 9 Implementar controles para gestão contratual 10 Licitar e contratar Link de Internet de 14MB para a Administração Central e CEST Ceará e 2MB para as demais Coordenadorias Estaduais 11 Licitar e contratar serviço de administração de redes e banco de dados 12 Adquirir equipamentos conforme levantamento de necessidades constante no Memo. 12/DG (Anexo V) 13 Capacitar servidores em metodologia de gestão de projetos 14 Licitar e contratar outsourcing de impressão Quadro 06: Ações não executadas no PDTI e priorizadas no PDTI Nº Descrição da Ação 1 Estabelecer critérios de classificação das informações 2 Estabelecer procedimento de inventário de ativos de informação 3 Implantar processo de gestão de riscos de segurança da informação 4 Contratar empresa especializada em Segurança da Informação Página 16 de 92

17 5 Realizar estudo técnico quantitativo e qualitativo do quadro de pessoal de TI 6 Criar macro processos e processos internos da área de TI 7 Implementar processo de gestão de configuração (COBIT 4.1, processo DS9) 8 Implementar processo de gestão de incidentes (COBIT 4.1, processo DS8) 9 Implementar procedimentos formais de gestão de mudanças (COBIT 4.1, processo AI6) 10 Implementar conectividade wireless 11 Ampliar projeto VoIP para as CEST s 12 Implementar vídeo conferência (Adm. Central e CEST s) 13 Contratar serviço de atendimento ao usuário com sistema de gestão de demandas de TI (servicedesk). 14 Elaborar inventário de ativos de TI 15 Adquirir softwares conforme levantamento de necessidades constante no Memo. 12/DG 16 Identificar necessidade de desenvolvimento de sistemas para apoiar a gestão de infraestrutura hídrica* 17 Licitar e contratar serviço para o desenvolvimento de sistema de gestão de recursos hídricos* 18 Licitar e contratar serviço para o desenvolvimento de sistema de gestão de obras* 19 Identificar necessidade de desenvolvimento de sistemas para apoiar a gestão de pesca, aquicultura e agricultura irrigada* 20 Licitar e contratar serviço para o desenvolvimento de sistema de gestão dos perímetros irrigados* 21 Licitar e contratar serviço para o desenvolvimento de sistema de gestão da aquicultura e pesca* 22 Implantar escritório de projetos (PMO) 23 Adotar metodologia de portfólio de projetos 24 Identificar necessidade de desenvolvimento de sistemas para apoio administrativo* 25 Reformular Intranet* 26 Licitar e contratar serviço para o desenvolvimento de sistema de apoio a auditoria interna* 27 Licitar e contratar serviço para o desenvolvimento de sistema de gestão patrimonial* 28 Implementar a gestão eletrônica de documentos 29 Licitar e contratar serviço para o desenvolvimento de sistema de gestão documental e arquivo* 30 Implementar padrões de interoperabilidade de Governo Eletrônico (e-ping) 31 Implantar modelo de acessibilidade do Governo Eletrônico (e-mag) 32 Licitar e contratar outsourcing de digitalização Página 17 de 92

18 PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - PETI Página 18 de 92

19 7. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA UNIDADE DE TI O Departamento Nacional de Obras Contras as Secas DNOCS é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Integração Nacional, com Administração Central localizada em Fortaleza e Coordenadorias Estaduais distribuídas na região nordeste do Brasil e em Minas Gerais. O DNOCS, conforme dispõe a sua legislação básica, tem por finalidade executar a política do Governo Federal, no que se refere a beneficiamento de áreas e obras de proteção contra as secas e inundações, irrigação, radicação da população em comunidades de irrigantes ou em áreas especiais, abrangidas por seus projetos e, subsidiariamente, outros assuntos que lhe sejam cometidos pelo Governo Federal, nos campos do saneamento básico, assistência às populações atingidas por calamidades públicas e cooperação com os Municípios. CGE IN MD Figura 5: Estrutura Organizacional da CGE A área de Tecnologia da Informação do DNOCS é constituída por meio do Serviço de Informática IN, subordinada à Coordenação de Gestão Estratégica CGE. A CGE/IN faz parte do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática do Governo Federal SISP. Este tem como órgão central o Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão - MP, o qual atua, por meio da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação SLTI, na normatização, gestão e coordenação das ações do SISP, e deve contribuir, no âmbito de sua atuação, na coordenação e no desenvolvimento programático, normativo e diretivo das ações de TI. O Anexo II destaca o Organograma do DNOCS. O Serviço de Informática, apesar de desempenhar as atividades básicas de desenvolvimento de sistemas, redes e suporte ao usuário, não possui uma estrutura formal que contemple essas áreas. De acordo com o Regimento Interno do DNOCS, compete ao Serviço de Informática: Promover, acompanhar, avaliar e implementar programas de informatização da Autarquia; Promover o desenvolvimento, a contratação e manutenção de sistemas de informações; Efetuar a instalação e manter a infraestrutura de recursos tecnológicos de suporte à informação e atendimento aos usuários; Implantar, administrar e manter os bancos de dados e rede física e lógica de teleprocessamento e telecomunicações da Autarquia; Pesquisar, desenvolver e dar manutenção ao site da Autarquia na Internet e Intranet; Assistir e dar suporte logístico aos usuários na instalação, uso e operação de software e hardware; Página 19 de 92

20 Propor e aprovar a aquisição de software, hardware e novas tecnologias de informática; Propor eventos de capacitação em informática; Acompanhar a execução dos serviços de informática prestados por terceiros à Autarquia; Proceder à auditagem nos sistemas em uso no DNOCS, com vistas a detectar irregularidades e propor correções. Página 20 de 92

21 8. REFERENCIAL ESTRATÉGICO DE TI O referencial estratégico aqui apresentado é uma proposta da área de TI de modo a orientar seus trabalhos, até que o processo corrente de planejamento estratégico seja implementado devidamente no DNOCS. 8.1 MISSÃO Prover o DNOCS de condições adequadas para maximizar a utilização da tecnologia da informação e do conhecimento para gestão dos seus negócios. 8.2 VISÃO Ser reconhecida, no âmbito do DNOCS, pelo provimento de soluções tecnológicas com celeridade, confiabilidade e segurança, de forma eficiente e inovadora. 8.3 VALORES Para o alcance do referencial proposto o seguinte conjunto de valores foi adotado: Ética: agir com lisura, moralidade, justiça, honestidade e propriedade na conduta individual e profissional; Transparência: zelar pela clareza na comunicação, divulgando amplamente procedimentos e realizações; Legalidade: fazer o que está previsto em leis e normas; Profissionalismo inovador: atuar de forma proativa, integrada e criativa, visando o alcance dos objetivos e metas da organização; Impessoalidade: vincular as ações à administração e não às pessoas, tendo como objetivo principal o interesse público; Valorização das pessoas: estabelecer relações com os indivíduos, criando condições para a realização humana e profissional. 8.4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE TI Os objetivos estratégicos da TI do DNOCS foram definidos e estruturados com base na metodologia de gestão estratégica Balanced Scorecard BSC. Esta metodologia organiza-se com base em perspectivas, as quais permitem a realização da estratégia planejada de maneira equilibrada. As perspectivas originais, segundo Kaplan e Norton, são Financeira, Cliente, Processos Internos e Aprendizagem e Crescimento. Todavia, o modelo permite adaptações conforme a realidade da organização. Dessa forma, os objetivos estratégicos do DNOCS estão organizados em perspectivas adaptadas do modelo original, sendo elas: Alinhamento com o Negócio: reúne os resultados da estratégia da TI que impactam diretamente nos objetivos estratégicos institucionais; Página 21 de 92

22 Processos Internos: reúne os objetivos relacionados às ações internas e de apoio direto ao alcance da visão; Pessoas, Aprendizado e Crescimento: contém os objetivos relacionados ao desenvolvimento de pessoas e de estruturação da organização; Orçamento: relaciona-se aos objetivos voltados para a gestão orçamentária; ALINHAMENTO COM O NEGÓCIO Entregar e manter soluções de Tecnologia da Informação alinhadas à Estratégia do DNOCS - Desenvolver, implantar e manter soluções de Tecnologia da Informação que atendam às diretrizes e projetos estratégicos do DNOCS; Aperfeiçoar a comunicação e o relacionamento da TI com as áreas de negócio - Adotar práticas e ferramentas que propiciem maior interação e comunicação entre as áreas de negócio do DNOCS e a área de TI, disponibilizando informações integradas e relevantes para agilizar a tomada de decisões gerenciais e estratégicas. PROCESSOS INTERNOS Aprimorar o atendimento aos usuários do DNOCS - Promover melhorias no atendimento às demandas de Tecnologia da Informação dos usuários internos por meio de soluções de TI; Aprimorar processos de Governança Elevar o nível de maturidade de Governança de TI, tendo em vista os principais frameworks do mercado e as diretrizes de Governo; Garantir a Segurança da Informação e Comunicações - Implementar ações a fim de que a segurança da informação e comunicações seja efetiva em seus princípios de disponibilidade, integridade, confidencialidade e autenticidade. PESSOAS, APRENDIZAGEM E CRESCIMENTO Promover a aprendizagem e o desenvolvimento pessoal - Assegurar a formação continuada dos servidores, buscando a evolução de conhecimento e habilidades, ampliando as competências e superando os desafios gerados pela constante transformação da área de TI; Ampliar capacidade produtiva - Elevar a capacidade produtiva da TI ao nível de atendimento tempestivo das demandas; Atrair e motivar os servidores da área de TI - Promover ações que resultem na valorização e satisfação dos servidores da área de TI com seu ambiente de trabalho e com as atividades que desempenham; Prospectar e internalizar tecnologias que agreguem valor - pesquisar e conhecer as tecnologias emergentes com o objetivo de avaliar os benefícios de sua adoção no DNOCS; Adequar infraestrutura para desenvolvimento das ações do DNOCS - Promover mudanças na infraestrutura tecnológica que resultem em condições adequadas à realização das ações do DNOCS, envolvendo melhorias das ferramentas de trabalho e equipamentos. Página 22 de 92

23 ORÇAMENTO Assegurar recursos financeiros requerer, com efetividade, os recursos necessários para atender aos projetos previstos. Aperfeiçoar a gestão orçamentária de TI - Adotar boas práticas de gestão orçamentária para garantir o uso efetivo dos recursos financeiros necessários ao cumprimento das metas relacionadas à tecnologia da informação. Aprimorar a política de economicidade planejar os gastos financeiros da TI, de forma a atender aos princípios da eficácia e economicidade. 8.5 MAPA ESTRATÉGICO DA TI A estratégia do DNOCS foi sintetizada em um mapa, o qual constitui uma representação gráfica do conjunto de objetivos a serem alcançados pela Autarquia no âmbito da TI. O mapa tem por objetivo facilitar o entendimento da estratégia a todos os interessados, garantir coerência e colaborar com todo o processo de comunicação, divulgação e apresentação dos objetivos. Esses objetivos interligam-se e formam uma relação de causa e efeito, permitindo a demonstração de que devem ser cumpridos para o alcance da Visão de futuro e para a realização da Missão Página 23 de 92

24 Figura 6 Mapa Estratégico da TI Página 24 de 92

25 8.6 ANÁLISE SWOT DA TI ORGANIZACIONAL A análise SWOT é um método para se fazer uma análise do ambiente interno e externo, sendo usada como base para gestão e planejamento estratégico de uma organização. Trata-se de um método que possibilita verificar e avaliar os fatores intervenientes para um posicionamento estratégico da unidade de TI no ambiente em questão. Foram identificados os seguintes pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças da TI organizacional: Quadro 04: Análise SWOT da TI do DNOCS Ambiente Interno Strengths (Forças) 1. Infraestrutura física adequada às demandas internas atuais 2. Evolução da Governança de TI 3. Política de planejamento 4. Modernização tecnológica Ambiente Externo Opportunities (Oportunidades) 1. Visão estratégica de TI pelo Governo Federal 2. Apoio do Ministério da Integração Nacional 3. Adoção de boas práticas de governança TI pelo Governo Federal 4. Participação no Comitê de TI do MI 5. Lei 12527/2011 acesso às informações públicas 6. Recomendações de aprimoramento da TI por parte dos órgãos de controle Weaknesses (Fraquezas) 1. Carência de pessoal de TI especializado 2. Alta capilaridade organizacional devido à ampla distribuição geográfica das unidades de negócio 3. Falta de renovação do quadro funcional de servidores 4. Estrutura organizacional de TI inadequada 5. Processos e metodologias de trabalho não formalizados 6. Baixo nível de informatização dos processos das áreas finalísticas da organização Threats (Ameaças) 1. Reestruturação do DNOCS indefinida 2. Interferência política externa 3. Contingenciamento orçamentário 4. Rápida evolução da tecnologia 5. Demandas não programadas Página 25 de 92

26 9. ALINHAMENTO COM A ESTRATÉGIA DO DNOCS Assim como no ciclo anterior ( ), o alinhamento do PDTI com a estratégia do DNOCS, tendo em vista a inexistência de um Plano Estratégico Institucional - PEI formalmente documentado, foi realizado com base no PPA Plano Mais Brasil, conforme orientação contida no parágrafo único do artigo 4º da IN SLTI/MP nº 04/2010. Vale ressaltar que o PDTI sofrerá revisão em caso de elaboração do PEI. Para a definição dos direcionadores estratégicos institucionais foram selecionados os programas que estão diretamente relacionados às atividades fins da instituição, conforme Quadro 08. Quadro 08: Direcionadores Estratégicos Institucionais Id Programa Direcionadores Estratégicos Institucionais DE Agricultura Irrigada DE Conservação e Gestão dos Recursos Hídricos DE Cultura: Preservação, promoção e acesso DE Desenvolvimento regional, territorial sustentável e economia solidária DE Gestão de Riscos e Resposta a Desastres DE Oferta de água DE Pesca e aquicultura DE Programa de gestão e manutenção do Ministério da Integração Nacional Fonte: PPA Os objetivos estratégicos elencados representam o que deve ser perseguido para o alcance dos resultados dos direcionadores estratégicos, de forma que se concretizem, possibilitando o enfrentamento dos problemas relacionados à área de atuação da organização. Quadro 09: Objetivos Estratégicos Institucionais DE1 Id OE1 Objetivos Estratégicos Institucionais Concluir a implantação das etapas necessárias à viabilização da produção dos projetos públicos de irrigação existentes, revitalizar as infraestruturas de OE1.1 uso comum e promover a exploração de áreas já implantadas em conformidade com a legislação ambiental com vista à transferência de gestão OE1.2 Promover a capacitação para a Agricultura Irrigada em parceria com instituições governamentais, não-governamentais e da iniciativa privada. OE1.3 Promover a Assistência Técnica e Extensão Rural ATER nas áreas de agricultura irrigada, visando o uso racional do solo e da água e o manejo adequado das culturas OE1.4 Viabilizar a produção dos perímetros de interesse eminentemente social visando garantir sua gestão operacional OE1.5 Promover a implantação de novos projetos em áreas com potencial de Página 26 de 92

27 ampliação da agricultura irrigada para aumentar a produção agrícola de maior valor agregado. Coordenar a formulação, o planejamento e a avaliação da Política Nacional OE2.1 de Recursos Hídricos, em articulação com os Estados, cm a política ambiental e com as demais políticas setoriais, considerando a necessária participação da sociedade. DE2 OE2 OE2.2 Promover a integração e o aprimoramento dos instrumentos de Regulação, e Gestão dos recursos hídricos, com vistas a proporcionar os usos múltiplos da água, de forma sustentável. OE2.3 Promover a revitalização de bacias hidrográficas por meio de ações de recuperação, preservação e conservação que visem o uso sustentável dos recursos naturais, a melhoria das condições socioambientais e à melhoria da disponibilidade de água em quantidade e qualidade. DE3 OE3 Promover a cidadania e a diversidade das expressões culturais e o acesso ao conhecimento e aos meios de expressão e fruição cultural. Formular e implementar os marcos legais das Políticas Nacionais de OE4.1 Desenvolvimento Regional e de Ordenamento Territorial, contribuindo para a redução das desigualdades regionais e a ocupação racional do território. DE4 OE4 Elaborar e implementar o Zoneamento Ecológico-Econômico para a OE4.2 promoção do ordenamento e da gestão ambiental territorial. OE4.3 Implementar infraestrutura logística voltada para inclusão na cadeia produtiva. DE5 OE5 Promover a estruturação de sistema de suporte a decisões e alertas de desastres naturais. Aumentar a oferta de água em sistemas integrados, com prioridade nas OE6.1 regiões com déficit, e contribuir para a indução ao desenvolvimento DE6 OE6 econômico e social, por meio de intervenções de infraestrutura hídrica. Revitalizar infraestruturas hídricas existentes, de forma a preservar ou OE6.2 ampliar suas capacidades, sua segurança e sua vida útil e reduzir perdas decorrentes de questões estruturais. OE7.1 Orientar a gestão da atividade pesqueira para promoção da exploração sustentável dos recursos pesqueiros. Promover inclusão social, o acesso à cidadania e qualificação profissional OE7.2 com vistas à melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores e trabalhadoras da pesca e aquicultura. DE7 OE7 Aumentar a produção de organismos aquáticos de forma sustentável, através da implantação de parques aquícolas, da regularização fundiária e OE7.3 ambiental, da realização de pesquisas e assistências técnica e da modernização de infraestruturas produtivas, com foco no potencial aquícola brasileiro e nos recursos subexplotados e inexplotados. Implementar estruturas de recepção, distribuição e comercialização do OE7.4 pescado, para promover a agregação de valor e a qualidade dos produtos aquícolas e pesqueiros nacionais. DE8 OE8 Modernizar os Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação Fonte: PPA As necessidades de TI, levantadas a partir de levantamento nas áreas de negócio do DNOCS, têm por finalidade diagnosticar a real demanda da organização. No Quadro 10 foi identificado o relacionamento (alinhamento) entre as necessidades e os objetivos estratégicos institucionais, podendo uma necessidade estar relacionada a mais de um objetivo. Página 27 de 92

28 Quadro 10: Necessidades de TI x Objetivos Estratégicos Institucionais N1 N2 N3 N4 N5 N6 N7 N8 N9 Necessidades de TI Reestruturação e fortalecimento institucional da área de TI Identificação, análise e desenvolvimento de sistemas finalísticos e das áreas-meio. Adesão aos padrões de governança e às estratégias de TI do governo. Atendimento aos padrões de Segurança da Informação e Comunicação Provimento e manutenção da infraestrutura de serviços de TI Implantação do projeto de gestão eletrônica documental Implantação dos projetos de Segurança de Barragens e acompanhamento hidrológico Implantação do projeto gestão visual dos perímetros irrigados Implantação do projeto de controle de acesso às instalações do DNOCS Objetivos Estratégicos Institucionais OE1 OE2 OE3 OE4 OE5 OE6 OE7 OE8 X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X Visando maiores esclarecimentos acerca das competências regimentais do DNOCS, segue transcrição do artigo 2º da Lei nº /2001, que alterou a Lei nº 4.229/63 e transformou o DNOCS em Autarquia Federal: X X X X X X X Art. 2º. Ao Dnocs, na sua área de atuação, compete: I - contribuir para a implementação dos objetivos da Política Nacional de Recursos Hídricos, tal como definidos no art. 2o da Lei no 9.433, de 8 de janeiro de 1997, e legislação subsequente; II - contribuir para a elaboração do plano regional de recursos hídricos, em ação conjunta com a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste - Sudene e os governos estaduais de sua área de atuação; III - elaborar projetos de engenharia e executar obras públicas de captação, acumulação, condução, distribuição, proteção e utilização de recursos hídricos, em conformidade com a Política e o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, de que trata a Lei no 9.433, de 1997; IV - contribuir para a implementação e operação, sob sua responsabilidade ou conjuntamente com outros órgãos, com vistas à melhor distribuição das disponibilidades hídricas regionais; Página 28 de 92

29 V - implantar e apoiar a execução dos planos e projetos de irrigação e, em geral, de valorização de áreas, inclusive de áreas agricultáveis não-irrigáveis, que tenham por finalidade contribuir para a sustentabilidade do semiárido; VI - colaborar na realização de estudos de avaliação permanente da oferta hídrica e da estocagem nos seus reservatórios, visando procedimentos operacionais e emergenciais de controle de cheias e preservação da qualidade da água; VII - colaborar na preparação dos planos regionais de operação, manutenção e segurança de obras hidráulicas, incluindo atividades de manutenção preventiva e corretiva, análise e avaliação de riscos e planos de ação emergencial em casos de acidentes; VIII - promover ações no sentido da regeneração de ecossistemas hídricos e de áreas degradadas, com vistas à correção dos impactos ambientais decorrentes da implantação de suas obras, podendo celebrar convênios e contratos para a realização dessas ações; IX - desenvolver e apoiar as atividades voltadas para a organização e capacitação administrativa das comunidades usuárias dos projetos de irrigação, visando sua emancipação; X - promover, na forma da legislação em vigor, a desapropriação de terras destinadas à implantação de projetos e proceder à concessão ou à alienação das glebas em que forem divididas; XI - cooperar com outros órgãos públicos, Estados, Municípios e instituições oficiais de crédito, em projetos e obras que envolvam desenvolvimento e aproveitamento de recursos hídricos; XII - colaborar na concepção, instalação, manutenção e operação da rede de estações hidrológicas e na promoção do estudo sistemático das bacias hidrográficas, de modo a integrar o Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos; XIII - promover estudos, pesquisas e difusão de tecnologias destinados ao desenvolvimento sustentável da aquicultura e atividades afins; XIV - cooperar com outros organismos públicos no planejamento e na execução de programas permanentes e temporários, com vistas a prevenir e atenuar os efeitos das adversidades climáticas; XV - celebrar convênios e contratos com entidades públicas ou privadas; XVI - realizar operações de crédito e financiamento, internas e externas, na forma da lei; XVII - cooperar com os órgãos públicos especializados na colonização de áreas que possam absorver os excedentes demográficos, inclusive em terras situadas nas bacias dos açudes públicos; XVIII - transferir, mediante convênio, conhecimentos tecnológicos nas áreas de recursos hídricos e aqüicultura para as instituições de ensino situadas em sua área de atuação. Página 29 de 92

30 PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - PDTI Página 30 de 92

31 10. INVENTÁRIO DE NECESSIDADES 10.1 Critérios de Priorização A ferramenta utilizada para estabelecer a priorização das necessidades foi a matriz de priorização, ou matriz G.U.T, que considera a gravidade, a urgência e a tendência do problema. Gravidade: impacto do problema sobre operações e pessoas da empresa. Efeitos que surgirão em longo prazo em caso de não resolução. Urgência: o tempo disponível ou necessário para resolver o problema. Tendência: potencial de crescimento (piora) do problema. Cada problema analisado recebeu uma nota de 1 a 5 em cada uma das características, conforme Tabela 01. Tabela 01: Matriz G.U.T. Nota Gravidade Urgência Tendência 5 Extremamente grave Extremamente urgente Se não for resolvido, piora imediatamente 4 Muito grave Muito urgente Vai piorar em curto prazo 3 Grave Urgente Vai piorar em médio prazo 2 Pouco grave Pouco urgente Vai piorar em longo prazo 1 Sem gravidade Sem urgência Sem tendência de piorar 10.2 Inventário de necessidades Baseado em levantamentos realizados na Administração Central, nas Coordenações do DNOCS e em entrevistas com o Comitê de TI do órgão, extraiu-se um diagnóstico das necessidades de TI. As informações coletadas foram trabalhadas para categorizá-las, consolidá-las, eliminar as redundâncias e avaliar a factibilidade de atendimento no período de vigência do PDTI e O resultado deste processo foi, então, refinado para identificar as interdependências (necessidades que dependam ou decorram do atendimento de outras) e da avaliação de gravidade, urgência e tendência em caso da implementação ou não da necessidade. Entretanto, ainda não apresenta uma lista extensiva, em virtude do prazo disponível para a elaboração desse Plano. Há que se considerar a dinamicidade das necessidades levantadas, uma vez que o tempo necessário para o levantamento foi curto e não permitiu uma extensa pesquisa na identificação das atividades próprias de cada Coordenação. Assim, é necessário que a lista de necessidades seja revista durante a próxima revisão do PDTI, quando se gerará uma nova versão desse documento. Deste processo, resultou um conjunto de 15 necessidades alinhadas às iniciativas estratégicas, apresentadas em ordem de prioridade na Tabela 02. Página 31 de 92

32 Tabela 02: Inventário de Necessidades Id Necessidade (problema/oportunidade) Categoria G U T Total N1 N2 N3 N4 N5 N6 N7 N8 N9 Reestruturação e fortalecimento institucional da área de TI Identificação, análise e desenvolvimento de sistemas finalísticos e das áreas-meio. Adesão aos padrões de governança e às estratégias de TI do governo. Atendimento aos padrões de Segurança da Informação e Comunicação Provimento e manutenção da infraestrutura de serviços de TI Implantação do projeto de gestão eletrônica documental Implantação dos projetos de Segurança de Barragens e acompanhamento hidrológico Implantação do projeto gestão visual dos perímetros irrigados Implantação do projeto de controle de acesso às instalações do DNOCS Organização de TI Serviço TI / Contratação Serviço TI Serviço TI Serviço TI Contratação/ Serviço TI Contratação/ Serviço de TI Contratação/ Serviço de TI Contratação/ Serviço de TI Página 32 de 92

33 11. PLANO DE METAS E DE AÇÕES O plano de metas e ações tem por objetivo definir ações e indicadores que subsidiarão o cumprimento das necessidades listadas anteriormente. Por meio de prazos e indicadores será possível fazer um acompanhamento efetivo, propiciando a tomada de medidas preventivas e corretivas para que o PDTI alcance êxito Plano de Metas O plano de metas definirá marcos mensuráveis, controláveis e quantificáveis para a satisfação de cada necessidade identificada. O Quadro 11 evidencia o desmembramento das necessidades em metas e seus respectivos indicadores, valores e prazos. Quadro 11: Plano de Metas Necessidade 1: Reestruturação e fortalecimento institucional da área de TI Meta Descrição Indicador Valor Prazo M1 M2 M3 M4 Meta M5 M6 Meta M7 M8 M9 Reestruturação da área de TI Reestruturação realizada 100% 12/2015 Processos Definição dos processos internos internos 100% 12/2013 definidos Capacitação de servidores em TI Capacitações realizadas 37 12/2015 Realização de processo seletivo para Processo TI realizado 100% 12/2015 Necessidade 2: Identificação, análise e desenvolvimento de sistemas finalísticos e das áreas-meio. Descrição Indicador Valor Prazo Levantamento de necessidade de sistemas para apoiar a gestão das áreas finalísticas e meio Contratação de Fábrica de Software Levantamento realizado 1 04/2014 Contratação 12/ % para o desenvolvimento de sistemas realizada Necessidade 3: Adesão aos padrões de governança e às estratégias de TI do governo. Descrição Indicador Valor Prazo Implementação de padrões de interoperabilidade de Governo Eletrônico (e-ping) Implantação do modelo de acessibilidade do Governo Eletrônico (e-mag) Implementação das ações da EGTI relativas aos órgãos seccionais Padrão implementado Modelo implantado Ações implementadas 100% 100% 12/ / % 12/2015 M10 Contratação de consultoria Contratação 100% 06/2014 Página 33 de 92

34 M11 Meta M12 M13 M14 Meta M15 M16 M17 M18 M19 M20 M21 M22 M23 Meta M24 Meta M25 especializada nas melhores práticas realizada em governança de TI Implantação de padrões de Padrões governança e infraestrutura de TI implantados 100% 12/2015 Necessidade 4: Atendimento aos padrões de Segurança da Informação e Comunicação Descrição Indicador Valor Prazo Normas de segurança da informação e comunicação definidas e implantadas Contratação de consultoria especializada em Segurança da Informação Promoção de ações de sensibilização sobre Segurança da Informação e Normas implantadas Empresa Contratada Eventos Promovidos 100% 12/ % 12/ /2015 Comunicações. Necessidade 5: Provimento e manutenção da infraestrutura de serviços de TI Descrição Indicador Valor Prazo Contratação de serviços de atendimento aos usuários (service desk) Projeto de modernização e ampliação de telefonia VoIP Projeto de implantação de rede wireless Contratação realizada 1 12/2014 Projeto implementado 100% 12/2015 Projeto implementado 100% 12/2015 Contratação/ Contratação/renovação de Link de renovação Internet e rede MPLS realizada 1 01/2014 Contratação/ Contratação/renovação do serviço de renovação sustentação da Infraestrutura de Redes realizada 1 06/2013 Atualização da infraestrutura das Atualização Coordenadorias Estaduais realizada 100% 12/2015 Atendimento às demandas de Atendimento equipamentos de TI realizado 100% 12/2015 Atendimento às demandas de Atendimento software realizado 100% 12/2015 Vídeo Implantação de vídeo conferência conferência (Adm. Central e CEST s) implantada 100% 02/2014 Necessidade 6: Implantação do projeto de gestão eletrônica documental Descrição Indicador Valor Prazo Implementação de gestão eletrônica Gestão eletrônica 100% 12/2015 de documentos implementada Necessidade 7: Implantação dos projetos de Segurança de Barragens e acompanhamento hidrológico Descrição Indicador Valor Prazo Implementação dos projetos de segurança de barragens e Projetos implementados 100% 12/2015 Página 34 de 92

35 Meta M26 Meta M27 monitoramento hidrológico Necessidade 8: Implantação do projeto gestão visual dos perímetros irrigados Descrição Indicador Valor Prazo Implementação do projeto gestão Projeto 100% 12/2015 visual dos perímetros irrigados implementado Necessidade 9: Implantação do projeto de controle de acesso às instalações do DNOCS Descrição Indicador Valor Prazo Implementação do projeto de controle de acesso e segurança às instalações do DNOCS Projeto implementado 100% 12/2015 Página 35 de 92

36 11.2 Plano de Ações O plano de ações define quais ações devem ser executadas para que as metas definidas sejam alcançadas, apontando os recursos humanos (competências e quantidade), de equipamentos, de serviços e orçamentários necessários para a sua realização. Os valores abaixo constituem estimativas baseadas em análises de contratos vigentes em outros órgãos da Administração Pública Federal, sendo de caráter não definitivo, podendo variar para mais ou para menos. Quadro 12: Plano de Ações Necessidade 1: Reestruturação e fortalecimento institucional da área de TI Id Ação Responsável Início Prazo Fim Solicitar adequação da A1 estrutura organizacional da área Diretoria Geral 02/ /2013 de TI M1 Solicitar cessão de ATI ao A2 MPOG Diretoria Geral 03/ /2013 Pleitear ampliação da A3 abrangência da GSISP Diretoria Geral 03/ /2013 Criar macro processos e M2 A4 processos internos da área de CGE/IN 03/ /2013 TI Solicitar a capacitação de M3 A5 servidores em TI (EGTI: Obj1- CGE/IN 03/ /2015 Ação 1.4.2) Solicitar realização de concurso M4 A6 CRH e CGE/IN 04/ /2014 público ao MI/MPOG Humanos Competência Elaboração de diagnóstico da área, definição e desenho da nova estrutura. Elaboração de documento oficial Elaboração de documento oficial Mapeamento de processos Inclusão no Plano de Capacitação da Instituição Elaboração de documento oficial Qtde. Recursos Necessários Equipamentos Serviços 1 Não se Aplica 1 Não se Aplica 1 Não se Aplica 3 Não se Aplica 1 Não se Aplica 2 Não se aplica Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica Não se aplica Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica Custeio (R$ x 1000) Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica Não se Aplica 69,770 Não se aplica Não se aplica Página 36 de 92

37 Necessidade 2: Identificação, análise e desenvolvimento de sistemas finalísticos e das áreas-meio. Id Ação Responsável M5 A7 M6 A8 Identificar necessidade de desenvolvimento de sistemas para apoiar as áreas finalísticas e administrativas Licitar e Contratar Fábrica de Software Diretoria Colegiada e CGPE Início Prazo Fim 01/ /2014 CGE/IN e CRL 04/ /2014 Necessidade 3: Adesão aos padrões de governança e às estratégias de TI do governo Id Ação Responsável Implementar padrões de interoperabilidade de Governo M7 A9 Eletrônico (e-ping) (EGTI: Obj5-Ação 5.1.3) Implantar modelo de acessibilidade do Governo M8 A10 Eletrônico (e-mag) (EGTI: Obj5-Ação e Obj9-Ação 9.2.1) Promover anualmente eventos de alinhamento sobre a M9 A11 estratégia do SISP para dirigentes (EGTI: Obj1-Ação Início Prazo Fim Humanos Competência Levantamento de Requisitos/Elaboraçã o de diagnóstico de necessidade de sistema Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Humanos Competência Qtde. Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Recursos Necessários Equipamentos Serviços 4 Não se aplica 3 Não se aplica Qtde. Não se aplica Recursos Necessários Equipamentos Serviços CGE/IN 06/ /2015 Governança de TI 2 Não se aplica CGE/IN 06/ /2015 Governança de TI 2 Não se aplica CGE/IN 06/ /2015 Governança de TI 2 Não se aplica Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Custeio (R$ x 1000) Não se aplica Não se aplica Apoio de Consulto Não se aplica ria (C3S) Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Custeio (R$ x 1000) Apoio de Consulto Não se aplica Não se aplica ria (C3S) Apoio de Consulto Não se aplica Não se aplica ria (C3S) Não se aplica Não se aplica Não se aplica Página 37 de 92

38 1.5.2) Contratar consultoria especializada para apoio na M10 A12 implantação das melhores práticas em Governança de TI M11 Avaliar e implantar processos A13 da biblioteca ITIL Revisar o processo de software A14 da Instituição. Adotar processo formal de gerenciamento de projetos baseado na Metodologia de A15 Gerenciamento de Projetos do SISP (MGP-SISP) ou em outra metodologia. (Obj4-EGTI) CGE/IN e Divisão Licitação 06/ /2014 Elaboração de Artefatos para contratação/gestão de contratos Departamento Nacional de Obras Contra as Secas 1 Não se aplica Consulto ria Não se aplica 100 CGE/IN 06/ /2014 Governança de TI 3 Apoio de Consulto ria (C3S Não se aplica Não se aplica Não se aplica Governa nça TI) Apoio de Consulto CGE/IN 08/ /2013 Governança de TI 3 ria (C3S Não se aplica Não se aplica Não se aplica Governa nça TI) Apoio de Consulto CGE/IN 08/ /2013 Governança de TI 3 ria (C3S Não se aplica Não se aplica Não se aplica Governa nça TI) Necessidade 4: Atendimento aos padrões de Segurança da Informação e Comunicação Prazo Humanos Id Ação Responsável Início Fim Competência Qtde. Recursos Necessários Equipamentos Serviços Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Custeio (R$ x 1000) Página 38 de 92

39 M12 Estabelecer critérios de classificação das informações A16 de acordo com o item 7.2 da NBR ISO/IEC Estabelecer procedimento de inventário de ativos de A17 informação de acordo com o item 7.1 da NBR ISO/IEC Implantar processo de gestão de riscos de segurança da informação observando as práticas contidas no Cobit 4.1, A18 processo PO9 Avaliar e gerenciar riscos de TI e na NBR Gestão de Riscos de Segurança da Informação. CGE/IN e CGE/MD CGE/IN e CGE/MD 06/ / / /2014 CGE/IN 06/ /2014 Segurança da Informação Governança de TI / Segurança da Informação Governança de TI / Segurança da Informação Apoio de Consulto ria (C3S 5 Não se aplica Não se aplica Não se aplica Seguranç a da Informaç ão) Apoio de Consulto ria (C3S 5 Não se aplica Não se aplica Não se aplica Seguranç a da Informaç ão) 3 Não se aplica Apoio de Consulto ria (C3S Não se aplica Não se aplica Seguranç a da Informaç ão) Implementar as ações previstas na IN 01 GSI/ PR e normas A19 complementares. (EGTI: OBJ6 - Ação 6.1.1) Diretoria Colegiada e CGE/IN 06/ /2014 Segurança da Informação 8 Não se aplica Apoio de Consulto ria (C3S Não se aplica Não se aplica Seguranç a da Informaç ão) Página 39 de 92

40 Contratar consultoria M13 A20 especializada em Segurança da Informação Promover ações de sensibilização sobre Segurança M14 A21 da Informação e Comunicações. (EGTI: OBJ6 - Ação 6.1.4) Divisão de Licitação e CGE/IN Diretoria Colegiada e CGE/IN 01/ / / /2015 Necessidade 5: Provimento e manutenção da infraestrutura de rede e comunicação Prazo Id Ação Responsável Contratar serviço de atendimento ao usuário com M15 A22 sistema de gestão de demandas de TI (service-desk). Contratar manutenção e M16 A23 ampliação do serviço de telefonia. Divisão de Licitação e CGE/IN Divisão de Licitação e CGE/IN Início Fim 06/ / / /2015 Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Divulgação e conscientização do público-alvo Humanos Competência Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Departamento Nacional de Obras Contra as Secas 2 Apoio de Consulto ria (C3S Não se aplica Não se aplica Seguranç 100 a da Informaç ão) Apoio de Consulto ria (C3S 8 Não se aplica Não se aplica Não se aplica Seguranç a da Informaç ão) Qtde. Recursos Necessários Equipamentos Serviços 4 Não se aplica 4 Não se aplica Não se aplica Não se aplica Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Custeio (R$ x 1000) Não se aplica Elaboração de Divisão de Implementar conectividade Artefatos para Não se M17 A24 Licitação e 06/ / Não se aplica wireless Contratação/Gestão aplica CGE/IN de contratos M18 A25 Contratar/renovar Link de Divisão de 10/ /2014 Elaboração de 4 Não se aplica Não se Não se aplica 3300 Página 40 de 92

41 Internet e rede MPLS Contratar Link de Internet A26 redundante Contratar/renovar serviço de M19 A27 sustentação da Infraestrutura de Redes Modernizar a infraestrutura das M20 A28 Coordenadorias Estaduais (Anexo IV) Adquirir equipamentos de acordo com plano de M21 A29 atualização de infraestrutura de TI (Anexo IV) Adquirir software conforme plano de atualização de M22 A30 infraestrutura de TI (Anexo IV) Implantar vídeo conferência M23 A31 (Adm. Central e CEST s). Licitação e CGE/IN Divisão de Licitação e CGE/IN Divisão de Licitação e CGE/IN Divisão de Licitação e CGE/IN Divisão de Licitação e CGE/IN Divisão de Licitação e CGE/IN Divisão de Licitação e CGE/IN 06/ / / / / / / / / / / /2014 Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos 4 Não se aplica 4 Não se aplica Ver Anexo IV Plano de Atualização de Infraestrutura de TI Ver Anexo IV Plano de Atualização de Infraestrutura de TI Ver Anexo IV - Plano de Atualização de Infraestrutura de TI 4 Não se aplica aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Apoio de Consulto ria (C3S Gestão de Não se aplica 400 Não se aplica Não se aplica 1030 Não se aplica 2612 Não se aplica Página 41 de 92

42 Necessidade 6: Implantação do projeto de gestão eletrônica documental Prazo Id Ação Responsável M24 A32 Implantar projeto de gestão eletrônica de documentos. (Obj5-EGTI) Diretoria Colegiada e CGE/IN e CGE/MD Início Fim 06/ /2015 Humanos Competência Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Qtde Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Contratos ) Recursos Necessários Equipament os 10 Locação Serviços Não se aplica Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Custeio (R$ x 1000) 4.258,4 Não se aplica Necessidade 7: Implantação dos projetos de Segurança de Barragens e acompanhamento hidrológico Prazo Recursos Necessários Humanos Equipamentos Serviços Orçamentários Id Ação Responsável Início Fim Investimento Competência Qtde. (R$ x 1000) M25 A33 A34 Implantar sistema para atender aos requisitos da Lei de Segurança de Barragens (detecção, monitoramento e segurança). Implantar sistema para acompanhamento hidrológico das barragens, suas bacias e simulador do comportamento dos reservatórios frente às vazões empregadas em sua operação. Diretoria de Infraestrutura Hídrica e CGE/IN Diretoria de Infraestrutura Hídrica e CGE/IN 06/ / / /2014 Necessidade 8: Implantação do projeto gestão visual dos perímetros irrigados Prazo Id Ação Responsável Início Fim Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Humanos Competência 2 Não se aplica 2 Não se aplica Qtde. Não se aplica Não se aplica Recursos Necessários Equipamentos Serviços Custeio (R$ x 1000) Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Custeio (R$ x 1000) Página 42 de 92

43 Implantar o projeto gestão M26 A35 visual dos perímetros irrigados Diretoria de Infraestrutura Hídrica e CGE/IN 06/ /2014 Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Necessidade 9: Implantação do projeto de controle de acesso às instalações do DNOCS Prazo Humanos Id Ação Responsável Início Fim Competência Implantar o projeto de controle M27 A36 de acesso e segurança nas instalações do DNOCS CRL e CGE/IN 06/ /2014 Elaboração de Artefatos para Contratação/Gestão de contratos Departamento Nacional de Obras Contra as Secas 2 Não se aplica Não se aplica Recursos Necessários Equipamentos Serviços Qtde. 2 Não se aplica Não se aplica Não se aplica Orçamentários Investimento (R$ x 1000) Não se aplica Não se aplica Custeio (R$ x 1000) Não se aplica Página 43 de 92

44 12. PLANO DE GESTÃO DE PESSOAS A área de Tecnologia da Informação do DNOCS, regimentalmente, está estruturada apenas por meio do Serviço de Informática, este subordinado à Coordenação de Gestão Estratégica. Na prática, existem várias subáreas ligadas a este serviço, como a área de sistemas, segurança, infraestrutura, suporte aos usuários e banco de dados. Existem ainda novas necessidades como as áreas de gestão da segurança da informação e projetos. A ação A11 do Plano de ações propõe a reestruturação organizacional da área de TI para adequá-la a esta realidade. De acordo com os princípios e diretrizes do EGTI , a gestão e governança de TI devem ser de responsabilidade exclusiva de servidores do órgão, enquanto os serviços executivos devem ser contratados. O quadro atual de servidores se mostra inadequado qualitativa e quantitativamente para o desempenho normal das atividades do setor. Para solucionar esse problema foram estabelecidas as metas M1 - Reestruturação da área de TI, M2 - Definição dos processos internos, M3 - Apresentação de relatório de estudo técnico quantitativo e qualitativo do quadro de pessoal de TI, M4 - Capacitação de servidores em TI e M5 - Realização de processo seletivo para TI (para mais detalhes veja item 11.1 Plano de Metas). No Quadro 13 está listado o plano de gestão de pessoas com as competências, qualificações, quantidades e ações necessárias para a obtenção das metas estabelecidas neste PDTI. Quadro 13: Plano de Gestão de Pessoas Ação Id Competência/Qualificação Plano de Gestão de Pessoas Qtde. (execução direta) A4 GP1 Mapeamento de processos 3 A8 A12 A20 A22 A23 A24 A25 A26 A27 A28 A29 A30 A31 A32 A33 A34 A35 A36 GP2 Elaboração de Artefatos para Contratação 1 Ação Capacitação em gestão e mapeamento de processos Capacitação DGTI (Desenvolvimento de Gestores de Tecnologia da Informação) Custeio (R$ x 1.000) Ver plano de capacitação Ver plano de capacitação A8 A12 GP3 Gestão de contratos 1 Capacitação DGTI Ver plano de capacitação Página 44 de 92

45 A20 A22 A23 A24 A25 A26 A27 A28 A29 A30 A31 A32 A33 A34 A35 A36 A3 A9 A10 A11 A13 A14 A15 A17 A16 A17 A18 A19 A7 A5 GP4 Governança de TI 4 GP5 Segurança da Informação 4 GP6 GP7 Levantamento de Requisitos/Elaboração de diagnóstico de necessidade de sistema Elaboração de plano de capacitação 2 4 (Desenvolvimento de Gestores de Tecnologia da Informação) Capacitação em Governança de TI Capacitação em Segurança da Informação Capacitação em processo de software Atuação em conjunto com a CRH/AP-R Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Ver plano de capacitação Ver plano de capacitação Ver plano de capacitação Não se aplica Total Ver plano anual de capacitação Página 45 de 92

46 13. PLANO DE INVESTIMENTO E CUSTEIO Para consolidação da quantidade de equipamentos necessários para atender à proposta apresentada neste Plano, a EqPDTI realizou levantamento de necessidades através de formulário enviado às Diretorias e Coordenadorias Estaduais, juntamente com Plano de Atualização de Infraestrutura, e considerou a quantidade de equipamentos existentes sem cobertura de garantia. Tabela 03: Plano de Investimento em Serviços e Equipamentos Id Ação Classificação Estimativa de Custo Investimento Custeio Investimento Custeio Investimento Custeio (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) A5 Plano de Contratações - capacitação Serviço - 48,590-21, A8 Fábrica de Contratações A12 A20 software Consultoria Governança de TI Consultoria Segurança da Informação Serviço Contratações - Serviço Contratações - Serviço A22 Service-desk Contratações - Serviço A23 VOIP Aquisição - Equipamentos A24 Conectividade Aquisição - wireless Equipamentos A25 Link principal Contratações - Serviço A26 Link redundante Contratações - Serviço A27 Administração de Contratações Página 46 de 92

47 A28 A29 A20 A31 A32 A33 A34 Rede Modernização das CEST s Plano de Infraestrutura (equipamentos) Plano de Infraestrutura (software) Videoconferência Segurança de Barragens Monitoramento hidrológico Serviço Aquisição - Equipamentos e Softwares Aquisição - Equipamento Aquisição Software Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Equipamentos - Equipamentos GED Contratação - Serviço 4.258, Aquisição - Software Aquisição - Software Total 5.058, , , Total Anual , Total do Plano para o Triênio ,18 Página 47 de 92

48 14. PLANO DE GESTÃO DE RISCOS Segue abaixo o plano de gestão dos riscos associados às ações relativas às necessidades mais relevantes (GUT >= 13), conforme item Inventário de Necessidades deste PDTI. A probabilidade de ocorrência e o impacto de cada risco foram definidos conforme critérios abaixo: Legenda para Probabilidade: 5 - Muito Alta; 4 - Alta; 3 - Média; 2 - Baixa; 1 - Muito Baixa. Legenda para o Impacto: 5 - Extremamente grave, extremamente urgente e se não for resolvido piora imediatamente; 4 - Muito grave, muito urgente e vai piorar em curto prazo; 3 - Grave, urgente e vai piorar em médio prazo; 3 - Pouco grave, pouco urgente e vai piorar em longo prazo; 1 - Sem gravidade, sem urgência e sem tendência de piorar. Ressaltamos que as ações A4, A6, A8, A10, A11 e A24 não apresentaram riscos relevantes à sua implementação e, por isso, foram desconsideradas na elaboração do plano de riscos. Página 48 de 92

49 Quadro 14: Plano de Gestão de Riscos Plano de Gestão de Riscos Ação Risco Probabilidade Impacto Ação Preventiva Ação de Contingência Responsável Ação preventiva / contingência A1 A2 A3 A4 Solicitar adequação da estrutura organizacional da área de TI Solicitar cessão de ATI ao MPOG Pleitear ampliação da abrangência da GSISP Criar macro processos e processos internos da área de TI R1 R2 R3 R4 MPOG não autorizar nova estrutura da área de TI MPOG não autorizar cessão MPOG não ampliar a abrangência da GSISP fora do DF Escassez de recursos humanos especializados Promover reuniões regulares com o a Diretoria Geral e membros do PMPOG e MI Pleitear regularmente por revisão do regulamento dos ATI's Buscar apoio do MI para o pleito Solicitar capacitação em metodologia de mapeamento de processos (BPMN) Solicitar restruturação informal com a solicitação de funções gratificadas Buscar alternativas internas para fortalecimento do quadro da área de TI CGE-IN/Diretoria Geral/ CGE-IN - CGE-IN - CGE/IN Solicitar a A5 capacitação de Acompanhar Solicitar apoio Não atendimento da servidores em TI R6 4 4 execução do plano da área de solicitação (EGTI: Obj1-Ação de capacitação capacitação CGE/IN 1.4.2) A6 Solicitar realização R7 Não autorização pelo 4 5 Solicitar apoio da Buscar CGE/IN, CPO, Página 49 de 92

50 A7 A8 A9 A1 0 A1 1 de concurso público ao MI/MPOG Identificar necessidade de desenvolvimento de sistemas para apoiar as áreas finalísticas e administrativas Licitar e Contratar Fábrica de Software Implementar padrões de interoperabilidade de Governo Eletrônico (e-ping) (EGTI: Obj5-Ação 5.1.3) Implantar modelo de acessibilidade do Governo Eletrônico (e-mag) (EGTI: Obj5-Ação e Obj9-Ação 9.2.1) Promover anualmente eventos de alinhamento sobre a estratégia do SISP para dirigentes R8 R9 R1 0 R1 1 R1 2 MPOG Alta Administração alternativas internas para fortalecimento do quadro da área de TI Restrição Orçamentária / Redefinição da competência institucional Inexecução da AçãoA8 / Restrição Orçamentária Escassez de recursos humanos especializados Escassez de recursos humanos especializados Não envolvimento da Alta Administração Solicitar suplementação orçamentária ao MI Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP; Solicitar suplementação orçamentária ao MI Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP Reuniões com a Alta Direção apresentando a estratégia do SISP CRH/AP-R, Alta Administração - CGE/IN, CGE/MD - CGE/IN - CGE/IN - CGE/IN - CGE/IN Página 50 de 92

51 A1 2 A1 3 A1 4 A1 5 A1 6 (EGTI: Obj1-Ação 1.5.2) Contratar consultoria especializada para apoio na implantação das melhores práticas em Governança de TI Avaliar e implantar processos da biblioteca ITIL Revisar o processo de software da Instituição. Adotar processo formal de gerenciamento de projetos baseado na Metodologia de Gerenciamento de Projetos do SISP (MGP-SISP) ou em outra metodologia. (Obj4-EGTI) Estabelecer critérios de classificação das informações de acordo com o item 7.2 da NBR ISO/IEC R1 3 R1 7 R1 8 R1 9 R2 1 Restrição Orçamentária Escassez de recursos humanos especializados Pouca disponibilidade de Recursos Humanos especializados Pouca disponibilidade de Recursos Humanos especializados Pouca disponibilidade de Recursos Humanos especializados Solicitar suplementação orçamentária ao MI Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP e Capacitação dos servidores Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP; Consulta de editais de objeto semelhante no Comprasnet. Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP e ao MI CGE/IN - CGE/IN - CGE/IN - CGE/IN Capacitar equipe interna e desenvolver trabalhos de maneira independente. CGE/IN A1 Estabelecer R2 Pouca disponibilidade 4 3 Solicitar apoio ao Capacitar equipe CGE/IN Página 51 de 92

52 7 procedimento de inventário de ativos de informação de acordo com o item 7.1 da NBR ISO/IEC A1 8 Implantar processo de gestão de riscos de segurança da informação observando as práticas contidas no Cobit 4.1, processo PO9 Avaliar e gerenciar riscos de TI e na NBR Gestão de Riscos de Segurança da Informação 2 de Recursos Humanos especializados R2 3 Pouca disponibilidade de Recursos Humanos especializados 4 3 grupo de consultores do SISP Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP interna e desenvolver trabalhos de maneira independente. Capacitar equipe interna e desenvolver trabalhos de maneira independente. CGE/IN A1 9 A2 0 A2 1 Implementar as ações previstas na IN 01 GSI/ PR e normas complementares. (EGTI: OBJ6 - Ação 6.1.1) Contratar consultoria especializada em Segurança da Informação Promover ações de sensibilização sobre Segurança da Informação e R2 4 R2 5 R2 6 Pouca disponibilidade de Recursos Humanos especializados Restrição orçamentária Resistência por parte do corpo de servidores Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP Solicitar suplementação orçamentária ao MI Realizar reuniões prévias com os gestores das áreas para efetivar a Capacitar equipe interna e desenvolver trabalhos de maneira independente. Solicitar apoio ao grupo de consultores do SISP Acionar Diretoria Colegiada CGE/IN CGE/IN CGE/IN Página 52 de 92

53 A2 2 A2 3 Comunicações. (EGTI: OBJ6 - Ação 6.1.4) Contratar serviço de atendimento ao usuário com sistema de gestão de demandas de TI (service-desk). Contratar manutenção e ampliação do serviço de telefonia VoIP R2 7 R2 8 Restrição orçamentária Restrição orçamentária sensibilização Solicitar suplementação orçamentária ao MI Solicitar suplementação orçamentária ao MI Treinamento e capacitação do atual helpdesk CGE/IN - CGE/IN A2 4 Implementar conectividade wireless R2 9 Restrição orçamentária 3 2 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CGE/IN A2 5 Contratar/renovar Link de Internet e rede MPLS R3 0 Restrição orçamentária 1 5 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CGE/IN A2 6 Contratar Link de Internet redundante R3 1 Restrição orçamentária 4 2 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CGE/IN A2 7 Contratar/renovar serviço de sustentação da Infraestrutura de Redes R3 1 Restrição orçamentária 1 5 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CGE/IN Página 53 de 92

54 A2 8 Modernizar a infraestrutura das Coordenadorias Estaduais R3 2 Restrição orçamentária 5 3 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CEST s CGE/IN A2 9 A3 0 Adquirir equipamentos de acordo com plano de atualização de infraestrutura de TI Adquirir software conforme plano de atualização de infraestrutura de TI (Anexo IV) R3 3 R3 4 Restrição orçamentária Restrição orçamentária Solicitar suplementação orçamentária ao MI Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CGE/IN - CGE/IN A3 1 Implementar vídeo conferência (Adm. Central e CEST s) R3 6 Restrição orçamentária 3 3 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CGE/IN A3 2 A3 3 A3 4 Implantar projeto de gestão eletrônica de documentos. (Obj5- EGTI) Implantar sistema para atender aos requisitos da Lei de Segurança de Barragens (detecção, monitoramento e segurança) Implantar sistema para acompanhamento hidrológico das R3 7 R3 8 R3 9 Restrição orçamentária Restrição orçamentária Restrição orçamentária Solicitar suplementação orçamentária ao MI Solicitar suplementação orçamentária ao MI Solicitar suplementação orçamentária ao MI Desenvolver o sistema com a equipe interna Desenvolver o sistema com a equipe interna CGE/IN CGE/IN CGE/IN Página 54 de 92

55 barragens, suas bacias e simulador do comportamento dos reservatórios frente às vazões empregadas em sua operação A3 5 Implantar o projeto gestão visual dos perímetros irrigados R4 0 Restrição orçamentária 5 3 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - DP CGE/IN A3 6 Implantar o projeto de controle de acesso e segurança nas instalações do DNOCS R4 1 Restrição orçamentária 5 2 Solicitar suplementação orçamentária ao MI - CRL CGE/IN Página 55 de 92

56 15. PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA DE TI Conforme levantamento realizado por meio do Plano de Investimento em Serviços e Equipamentos e o Plano de Gestão de Pessoas, os recursos necessários para atendimento de todas as demandas de TI para um período de 3 (três) anos é da ordem de R$ ,00 (Trinta e cinco milhões, setecentos e cinquenta e seis mil, cento e oitenta reais). Segue abaixo quadro consolidado (ações e projetos agrupados) da proposta orçamentária. Id Classificação Estimativa de Custo Investimento Custeio Investimento Custeio Investimento Custeio (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) (R$ x 1000) O1 Contratações Serviço 4258,4 2848, , O2 Aquisição - Equipamentos O3 Aquisição Software O4 Modernização das CEST s Total 5.058, , , Total Anual , Total do Plano para o Triênio ,18 Página 56 de 92

57 16. PROCESSO DE REVISÃO E MONITORAMENTO DO PDTI As revisões do PDTI poderão ocorrer em três momentos distintos, quais sejam: Após redefinição das competências institucionais do DNOCS ou ampliação sua área geográfica de atuação; Elaboração do Plano Estratégico Institucional (PEI); Ao final de cada ano. Qualquer fato imperioso ou extraordinário que não poderia ser antevisto no momento de elaboração do documento e que gere obrigações de cunho legal; Determinações dos órgãos de controle. A EqPDTI ficará responsável pela revisão, e o CTI responsável pela aprovação das adaptações e mudanças, caso existam. O acompanhamento das ações do PDTI será realizado através de monitoramento semestral identificando as possíveis alterações a serem implementadas.. Página 57 de 92

58 17. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Os fatores críticos de sucesso podem ser definidos como condições ou variáveis que, caso não ocorram, podem inviabilizar o sucesso de uma organização, considerando seu ambiente de atuação. Deve ser considerado como fator crítico de sucesso aquilo que é próprio para que uma tarefa seja realizada. Nesse sentido, foram identificados fatores críticos de sucesso para a execução do PDTI do DNOCS. Faz-se necessário elencar os seguintes pontos: 1. Envolvimento da alta administração; 2. Focar a TI no suporte a atividades estratégicas de negócios; 3. Comprometimento das áreas demandantes; 4. Desenvolver sistemas que disponibilizem informações para a tomada de decisão; 5. Capacitação dos servidores na utilização dos sistemas oferecidos pela TI; 6. Adoção das melhores práticas de governança de TI; 7. Conhecimento e alinhamento à IN SLTI/MP nº 04/2010 por parte de todo o DNOCS; 8. Eficiência na gestão dos contratos; 9. Promover a participação e o engajamento dos profissionais no processo de planejamento; 10. Promover melhorias na integração e na eficiência dos processos; 11. Promover relacionamento e comunicação entre equipe de TI, usuários dos sistemas, gestores e alta administração; 12. Auxiliar no planejamento estratégico e nos seus desdobramentos como uma atividade compartilhada; 13. Entender o potencial dos recursos de TI a serviço da organização. Página 58 de 92

59 18. CONCLUSÃO Após o primeiro ciclo ( ), a área de Tecnologia da Informação do DNOCS deu notável salto de qualidade em relação aos seus controles internos, processos, gestão e governança. O PDTI anterior foi um agente de extrema importância para que esse processo de melhoria culminasse com o reconhecimento pelo Tribunal de Contas da União. Este novo plano estabelece orientações estratégicas de TI para o triênio , visando o direcionamento dos investimentos em TI e da atuação da área de TI frente aos objetivos estratégicos da autarquia. A estruturação deste documento foi possível devido à participação de todas as áreas de negócio da Autarquia, levando-se em conta suas demandas e expectativas, o que contribuiu para o alinhamento estratégico da TI aos objetivos estratégicos do DNOCS. Considerou-se, também, a integração fundamental com as normas e orientações dos órgãos de controle específicos para TI. Cabe lembrar, mais uma vez, que este PDTI não tem caráter definitivo no tocante às suas ações, devendo ser revisado na sua vigência conforme descrito no seu processo de revisão. Por fim, vale-se destacar que a implementação das ações previstas neste PETI-PDTI importará na realização de gastos orçamentários a serem utilizados para modernização da infraestrutura, dos sistemas, dos processos de TI e para a capacitação dos servidores em novos padrões e tecnologias. Essa implantação busca oferecer controles efetivos no processo de tomada de decisão pela Alta Administração, bem como proporcionar, além do cumprimento das orientações da SLTI e dos órgãos de controle, a inserção de uma forma de trabalho baseada nas melhores práticas de governança de TI. Página 59 de 92

60 19. ANEXOS I. Plano de Trabalho de Elaboração do PDTI II. Organograma III. Plano Anual de Capacitação de TI IV. Levantamento de Necessidades Consolidado (Hardware e Software) V. Formulário de Levantamento de Necessidades VI. Plano de Atualização de Infratrutura VII. Mapa da Estratégia do Ministério da Integração Nacional Página 60 de 92

61 ANEXO I PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PDTI Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Coordenação Geral de Planejamento e Gestão Estratégica Coordenação de Gestão Estratégica Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação Página 61 de 92

62 Histórico de Versões Data Versão Descrição Autor 27/11// Versão preliminar do plano de trabalho para elaboração do PDTI Coordenação de Gestão Estratégica Serviço de Informática Página 62 de 92

63 Índice Departamento Nacional de Obras Contra as Secas APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO TERMOS E ABREVIAÇÕES METODOLOGIA APLICADA DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PRINCÍPIOS E DIRETRIZES RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - PETI ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA UNIDADE DE TI REFERENCIAL ESTRATÉGICO DE TI ALINHAMENTO COM A ESTRATÉGIA DO DNOCS PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - PDTI INVENTÁRIO DE NECESSIDADES PLANO DE METAS E DE AÇÕES PLANO DE GESTÃO DE PESSOAS PLANO DE INVESTIMENTO DE INVESTIMENTO E CUSTEIO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA DE TI PROCESSO DE REVISÃO DO PDTI FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO CONCLUSÃO ANEXOS ANEXO I PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PDTI INTRODUÇÃO VISÃO GERAL EQUIPE PARTICIPANTE PARTES INTERESSADAS METODOLOGIA APLICADA DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA CRONOGRAMA ANEXO II ORGANOGRAMA DO DNOCS ANEXO III PROPOSTA PARA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO ANEXO IV PLANO DE ATUALIZAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI ANEXO V FORMULÁRIO DE LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES ANEXO VI MAPA DA ESTRATÉGIA DO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Página 63 de 92

64 1. INTRODUÇÃO Este Plano de Trabalho tem a finalidade de subsidiar a elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação - PDTI do Departamento Nacional de Obras contra as Secas DNOCS a partir da contextualização da área de TI do órgão, levando-se em consideração os objetivos gerais e estratégicos do Órgão. Esse documento apresenta uma visão geral do projeto, explicitando os objetivos, o contexto da unidade de TI, o alinhamento estratégico, os fatores motivacionais e as premissas e restrições associadas ao projeto. Também demonstra a metodologia a ser adotada e os documentos a serem utilizados como referência para elaboração do PDTI. 2. VISÃO GERAL 2.1. Objetivo O Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) é um instrumento de diagnóstico, planejamento e gestão dos recursos e processos de Tecnologia da Informação que tem como objetivo central atender às necessidades tecnológicas e de informação de um órgão ou entidade para um determinado período. Resulta em um instrumento essencial para orientar o alcance da maturidade necessária a um órgão responsável pelo aporte de serviços de qualquer instituição pública e, principalmente, para a manutenção dessa maturidade. O objetivo da elaboração de um Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI é fornecer uma visão completa do ambiente atual de Tecnologia da Informação e ao mesmo tempo compará-lo a cenários alternativos que possam otimizar o retorno dos investimentos já feitos e dos ainda a serem realizados. Tem como finalidade atender às necessidades tecnológicas e de informação do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas DNOCS. O PDTI do DNOCS abrangerá a administração central e todas as coordenadorias estaduais. O período de validade do PDTI será de 03 (três) anos, referente ao triênio Sua elaboração terá como base os programas e as ações constantes no PPA , tendo em vista a inexistência de Planejamento Estratégico Institucional no momento. As revisões do PDTI poderão ocorrer em três momentos distintos, quais sejam: 1. Após deliberações da Conferência Nacional de Desenvolvimento Regional CNDR. Esse encontro poderá redefinir as competências institucionais do DNOCS ou mesmo ampliar sua área geográfica de atuação. 2. Elaboração do Plano Estratégico Institucional (PEI) 3. Ao final de cada ano Contexto da Unidade de TI O Departamento Nacional de Obras Contras as Secas - DNOCS é uma Autarquia federal, vinculada ao Ministério da Integração Nacional, com administração central localizada em Fortaleza e Coordenadorias Estaduais distribuídas na região nordeste e norte de Minas Gerais. Página 64 de 92

65 O DNOCS, conforme dispõe a sua legislação básica, tem por finalidade executar a política do Governo Federal, no que se refere a beneficiamento de áreas e obras de proteção contra as secas e inundações, irrigação, radicação de população em comunidades de irrigantes ou em áreas especiais, abrangidas por seus projetos e subsidiariamente, outros assuntos que lhe sejam cometidos pelo Governo Federal, nos campos do saneamento básico, assistência às populações atingidas por calamidades públicas e cooperação com os Municípios. A área de Tecnologia da Informação do DNOCS é instituída por meio do Serviço de Informática IN, vinculada à Coordenação de Gestão Estratégica CGE. A CGE/IN faz parte do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática do Governo Federal SISP. Este tem como órgão central o Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão - MP, o qual atua, por meio da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação SLTI, na normatização, gestão e coordenação das ações do SISP e deve contribuir, no âmbito de sua atuação, na coordenação e no desenvolvimento programático, normativo e diretivo das ações de TI. CGE IN MD Figura 1 - Estrutura organizacional atual da unidade de ti Legenda: CGE Coordenação de Gestão Estratégica CGE/IN Serviço de Informática CGE/MD Serviço de Modernização e Documentação De acordo com o Regimento Interno do DNOCS, compete ao Serviço de Informática: Promover, acompanhar, avaliar e implementar programas de informatização da Autarquia; Promover o desenvolvimento, a contratação e manutenção de sistemas de informações; Efetuar a instalação e manter a infraestrutura de recursos tecnológicos de suporte à informação e atendimento aos usuários; Implantar, administrar e manter os bancos de dados e rede física e lógica de teleprocessamento e telecomunicações da Autarquia; Pesquisar, desenvolver e dar manutenção ao site da Autarquia na Internet e Intranet; Assistir e dar suporte logístico aos usuários na instalação, uso e operação de software e hardware; Propor e aprovar a aquisição de software, hardware e novas tecnologias de informática; Propor eventos de capacitação em informática; Acompanhar a execução dos serviços de informática prestados por terceiros à Autarquia; Proceder à auditagem nos sistemas em uso no DNOCS, com vistas a detectar irregularidades e propor correções. Página 65 de 92

66 2.3. Alinhamento Estratégico Departamento Nacional de Obras Contra as Secas As estratégias de TI estabelecidas para o DNOCS estão alinhadas ao PPA Plano Plurianual, com base no art. 4º, parágrafo único, da Instrução Normativa SLTI/MP nº 4/ Estratégia 1: Aprimorar a gestão de pessoas de TI: permitir que a gestão de pessoas seja realizada de forma ampla e integrada, destacando a importância que elas têm para o sucesso da organização. - Estratégia 2: Aperfeiçoar a gestão orçamentária de TI: adotar boas práticas de gestão orçamentária para garantir o uso efetivo dos recursos financeiros necessários ao cumprimento das metas relacionadas à Tecnologia da Informação. - Estratégia 3: Aperfeiçoar a governança de TI: alinhar a TI às estratégias e aos objetivos da organização, definindo papéis e responsabilidades e envolvendo a alta administração nas decisões, além de adotar práticas de governança que permitam a entrega de valor ao órgão. - Estratégia 4: Garantir a Segurança da Informação e Comunicações: implementar ações a fim de que a segurança da informação e comunicações seja efetiva em seus princípios de disponibilidade, integridade, confidencialidade e autenticidade. - Estratégia 5: Promover a Gestão do Conhecimento: apoiar o uso das práticas relacionadas à gestão do conhecimento, de forma a incentivar a cultura do compartilhamento e simplificação do acesso à informação na Administração Pública. - Estratégia 6: Melhorar continuidade da prestação de serviços e a transparência de informações à sociedade: promover a melhoria dos serviços prestados aos cidadãos brasileiros, por meio de ações de TI que contribuam para a democratização e a transparência no acesso às informações públicas e na conscientização dos direitos. - Estratégia 7: Alcançar a efetividade na gestão de TI: Adotar processos de trabalho e boas práticas de gestão relevantes. No quadro a seguir, é apresentado o relacionamento entre as estratégias de TI citadas e os programas de direcionamento do PPA para o DNOCS: Direcionamento do PPA para o DNOCS Estratégias de TI para o DNOCS Previdência de inativos e pensionistas da X X X união Operações Especiais: cumprimento de 0901 X X X sentenças judiciais 2013 Agricultura Irrigada X X X X 2026 Conservação e Gestão dos Recursos Hídricos X X X X 2027 Cultura: Preservação, promoção e acesso X X X X 2029 Desenvolvimento regional, territorial sustentável e economia solidária X X X X 2051 Oferta de água X X X X X Página 66 de 92

67 2052 Pesca e aquicultura X X X X X 2111 Programa de gestão e manutenção do ministério da integração nacional 2040 Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Departamento Nacional de Obras Contra as Secas X X X X x X X X X 2.4. Fatores Motivacionais 1. Planejar e gerir os recursos e processos de Tecnologia da Informação; 2. Atender às necessidades tecnológicas e de informação do DNOCS; 3. Buscar o cumprimento das metas estabelecidas na Estratégia Geral de TI (EGTI), elaborada pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 4. Planejar e contratar em conformidade com a Instrução Normativa/SLTI nº 4/2010; 5. Otimizar o retorno dos investimentos na área de TI do DNOCS; 6. Fornecer uma visão completa do ambiente de Tecnologia da Informação do DNOCS Premissas e Restrições Premissas Apoio da alta administração; Implantação das melhores práticas em Governança de TI Efetivação de futuras contratações para serviços executivos. Restrições Disponibilidade orçamentária; Alta capilaridade organizacional; Quadro de pessoal defasado quantitativa e qualitativamente. 3. EQUIPE PARTICIPANTE Nome Função/Área Papel Telefone Emerson Fernandes Daniel Júnior José Alberto de Almeida João Otávio Monteiro Gondim Filho Diretor Geral Aprovador (85) ov.br Coordenador Geral de Planejamento e Gestão Estratégica Coordenador de Gestão Estratégica Presidente do Comitê de TI Membro do Comitê de TI (85) (85) ov.br Paulo Giovanni Nogueira de Lima Chefe do Serviço de Informática Coordenador da EqPDTI (85) giovanni. Neide Maria Araújo Lopes Analista de Sistemas Membro do Comitê de TI (85) v.br José Alfredo de Representante da Membro do Comitê (85) Página 67 de 92

68 Albuquerque Esdras de Carvalho Sousa Patrício Róbson dos Santos Alves Luciano Freitas de Souza Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Produção Representante da Diretoria Administrativa Representante da Diretoria de Infraestrutura Representante da Auditoria Interna de TI Membro do Comitê de TI Membro do Comitê de TI Membro do Comitê de TI Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (85) (85) nocs.gov.br v.br gov.br (85) ov.br Érika Pires Mendes Representante da Procuradoria Federal/DNOCS Membro do Comitê de TI Maria de Fátima Membro do Comitê Ramalho de Paula Analista de Sistemas de TI Membro da EqPDTI Raphael F. de Araújo Lima Administrador, Coordenação de Gestão Estratégica, (85) (85) Membro da Equipe de elaboração do PDTI (85) br gov.br ov.br 4. PARTES INTERESSADAS José Falb José Carvalho Rufino Nome Órgão Cargo Coordenadoria Estadual do Ceará Coordenadoria Estadual do Piauí José Eduardo Alves Wanderley Coordenadoria Estadual do Rio Grande do Norte Solon Alves Diniz Rosana Maria Bezerra e Silva Paulo Maia de Souza Valente Neiva Melo de Freitas Josafá Marinho de Aguiar Coordenadoria Estadual da Paraíba Coordenadoria Estadual de Pernambuco Coordenadoria Estadual Alagoas Coordenadoria Estadual de Sergipe Coordenadoria Estadual da Bahia Coordenador Estadual Coordenador Estadual Coordenador Estadual Coordenador Estadual Coordenador Estadual Coordenador Estadual Coordenador Estadual Coordenador Estadual Página 68 de 92

69 Marco Antônio Graça Câmara Coordenadoria Estadual de Minas Gerais Coordenador Estadual 5. METODOLOGIA APLICADA 1. Modelo de referência de PDTI proposto pela SLTI/MP. 2. Guia de Elaboração de Plano Diretor de Tecnologia de Informação da SLTI/MP. 6. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA ID DR 1 Documento Modelo de Referência de Plano Diretor de Tecnologia da Informação SLTI/MP DR 2 PPA 2012/2015 DR 3 Instrução Normativa SLTI/MP nº 04/2010 DR 4 Regimento Interno do DNOCS DR 5 Estratégia Geral de Tecnologia da Informação (EGTI) DR 6 Relatório de Auditoria do TCU (Acórdão 592/ Plenário) Página 69 de 92

70 7. CRONOGRAMA Página 70 de 92

71 ANEXO II ORGANOGRAMA DO DNOCS Página 71 de 92

72 ANEXO III PROPOSTA PARA PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2013 FORMULÁRIO DE LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO ÁREA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CURSO SOLICITADO Nº 1 Curso de análise e modelagem de processos de negócio BPMN-Business Process Modelling Notation JUSTIFICATIVA O conhecimento será aplicado no mapeamento dos processos de negócio no que tange a área de Tecnologia da Informação, conforme ação do PDTI SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN Maria de Fátima Ramalho CGE/IN Raphael Felipe Araújo CGE/IN CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ 2.400,00 CURSO SOLICITADO Nº 2 DGTI Desenvolvimento de Gestores de Tecnologia da Informação JUSTIFICATIVA O conhecimento será aplicado nas atividades relacionadas à gestão, governança, planejamento e fiscalização de contratos de TI e demais atividades correlatas SERVIDORES INDICADOS Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN CARGA HORÁRIA VALOR ESTIMADO 133h R$ 7.200,00 = 2400 (Inscrição) (diárias) CURSO SOLICITADO Nº 3 Modelo de Governança: COBIT Control Objectives for Information and Related Technology JUSTIFICATIVA Tendo em vista o acórdão 592/2011-TCU-Plenário que utiliza como critério para as determinações e recomendações o modelo de Governança de mercado COBIT, se faz necessária a capacitação no referido framework. Existe a necessidade de disseminação interna desse conhecimento, uma vez que é responsabilidade dos servidores públicos a gestão e governança de TI. Tal fato justifica a imprescibilidade de uma capacitação conjunta. SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira CGE/IN Maria de Fátima Ramalho CGE/IN Raphael Felipe Araújo CGE/IN Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN Marco Aurélio Frota CGE/IN João Otávio Monteiro Gondim Filho CGE/IN CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ ,00 CURSO SOLICITADO Nº 4 Gerenciamento de Projetos JUSTIFICATIVA Todas as ações da área de TI são pensadas em forma de projeto. É indispensável, portanto, que os servidores da referida área tenham conhecimento das metodologias e técnicas em gestão de projetos. Página 72 de 92

73 SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Raphael Felipe Araújo CGE/IN CARGA HORÁRIA VALOR ESTIMADO 40h R$ 1790,00 = 590 (inscrição) (diárias) CURSO SOLICITADO Nº 5 Modelo de Gerenciamento de Serviços ITIL Information Technology Infraestructure Library JUSTIFICATIVA O framework em questão é o modelo de gerenciamento de serviços mais utilizado pelo mercado. O aporte de conhecimento da referida capacitação será necessário para implantação da central de serviços de TI e service desk. SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN Maria de Fátima Ramalho CGE/IN Raphael Felipe Araújo CGE/IN Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN Marco Aurélio Frota CGE/IN João Otávio Monteiro Gondim Filho CGE/IN CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ ,00 CURSO SOLICITADO Nº 6 Curso Avançado de Contagem de Pontos de Função com Estimativas JUSTIFICATIVA O referido curso faz parte do programa de capacitação para Fiscalização Técnica de Contratos de TI que envolvam contagem de pontos de função ( A9 - Licitar e Contratar Fábrica de Software ). SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN Maria de Fátima Ramalho CGE/IN CARGA HORÁRIA VALOR ESTIMADO 40h R$ 2.400,00 (diárias) CURSO SOLICITADO Nº 7 Curso de UML (Unified Modelling Language) JUSTIFICATIVA O referido curso faz parte do programa de capacitação para Fiscalização Técnica de Contratos de TI que envolvam analise, modelagem e concepção de sistemas ( A9 - Licitar e Contratar Fábrica de Software ). Trata-se de curso sem taxa de inscrição e na modalidade à distância (EAD), não necessitando, portanto, dispêndios financeiros. SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN Maria de Fátima Ramalho CGE/IN CARGA HORÁRIA VALOR ESTIMADO CURSO SOLICITADO Nº 8 Planejamento e Gestão Estratégica de TI JUSTIFICATIVA 40h R$ 0,00 (EAD) Página 73 de 92

74 Os servidores indicados compõem o grupo que elabora o planejamento estratégico de TI e subsidiam a gestão estratégica de TI. SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Raphael Felipe Araújo CGE/IN Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ 2.880,00 CURSO SOLICITADO Nº 9 Fundamentos de Governança de TI JUSTIFICATIVA Os servidores indicados estão envolvidos com a implementação das melhores práticas de Governança de TI, necessitando assim de uma visão abrangente do assunto. SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Raphael Felipe Araújo CGE/IN Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN CARGA HORÁRIA VALOR ESTIMADO R$ 1.920,00 Total 2013: R$ ,00 Total de Capacitações: CURSO SOLICITADO Nº 10 Curso de melhoria de processo de Software Módulo I JUSTIFICATIVA O referido curso faz parte do programa de capacitação para Fiscalização Técnica de Contratos de TI que envolvam desenvolvimento de sistemas ( A9 - Licitar e Contratar Fábrica de Software ). SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN CARGA HORÁRIA VALOR ESTIMADO 16h 20h R$ 620,00 (diárias) CURSO SOLICITADO Nº11 Curso de melhoria de processo de Software Módulo II JUSTIFICATIVA O referido curso faz parte do programa de capacitação para Fiscalização Técnica de Contratos de TI que envolvam desenvolvimento de sistemas ( A9 - Licitar e Contratar Fábrica de Software ). SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN CARGA HORÁRIA VALOR ESTIMADO 40h R$ 1200,00 (diárias) CURSO SOLICITADO Nº 11 Gestão de Segurança da Informação NBR e NBR JUSTIFICATIVA A capacitação se faz necessária frente à necessidade elencada (N4 - Atendimento aos padrões de Segurança da Informação e Comunicação) e as ações que a compõe (A21 -Estabelecer critérios de classificação das informações de acordo com o item 7.2 da NBR ISO/IEC 27002, A22 - Estabelecer procedimento de inventário de ativos de informação de acordo com o item 7.1 da NBR ISO/IEC e A23 - Implantar processo de gestão de riscos de segurança da informação observando as práticas contidas no Cobit 4.1, processo PO9 Avaliar e gerenciar riscos de TI e na NBR Gestão de Página 74 de 92

75 Riscos de Segurança da Informação). SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Maria de Fátima Ramalho CGE/IN Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN Raphael Felipe Araújo CGE/IN João Otávio Monteiro Gondim Filho CGE/IN Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ 9.600,00 CURSO SOLICITADO Nº 12 Gestão de Riscos de TI NBR JUSTIFICATIVA A capacitação se faz necessária frente à necessidade elencada (N4 - Atendimento aos padrões de Segurança da Informação e Comunicação) e a ação A23 - Implantar processo de gestão de riscos de segurança da informação observando as práticas contidas no Cobit 4.1, processo PO9 Avaliar e gerenciar riscos de TI e na NBR Gestão de Riscos de Segurança da Informação). SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Paulo Giovanni Nogueira de Lima CGE/IN Maria de Fátima Ramalho CGE/IN Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ 5.760,00 CURSO SOLICITADO Nº 13 Introdução à Voz sobre IP e Asterisk JUSTIFICATIVA A capacitação se faz necessária frente à necessidade elencada (N5: Provimento e manutenção da infraestrutura de rede e comunicação e a ação A28 - Contratar manutenção e ampliação do serviço de telefonia VoIP. SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ 2.560,00 CURSO SOLICITADO Nº 14 Gerenciamento de Projetos de TI JUSTIFICATIVA A capacitação se faz necessária frente à necessidade elencada (N3: Adesão aos padrões de governança e às estratégias de TI do governo e a açãoa20 - Implantar estrutura formal de gerenciamento de projeto com apoio de consultoria externa SERVIDORES INDICADOS Nome SIAPE Lotação Ribamar Ferreira de Sousa CGE/IN Total 2014: R$ ,00 Total de capacitações - 12 CARGA HORÁRIA 40h VALOR ESTIMADO R$ 1.440,00 Total do Plano: R$ ,00 Página 75 de 92

76 ANEXO IV PLANO DE ATUALIZAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI 1 Coordenadorias Estaduais Motivação Criar um ambiente estável, confiável, trabalhando de forma independente e ao mesmo tempo utilizando a estrutura de Data Center do DNOCS como site Backup. O desenho consiste em utilizar um Firewall para acesso à rede MPLS e internet, dois servidores tipo torre, sendo um servidor de domínio e o outro servidor de arquivos. Os documentos gerados na CEST e salvos no servidor de arquivos serão copiados durante o período noturno para o Data Center garantindo assim a contingencia das informações. A utilização de um domínio de rede garante a segurança ao acesso a rede da CEST, pois somente usuários registrados no domínio podem se autenticar nas estações de trabalho, com isso estamos protegendo as informações geradas na CEST. Desenho da rede local Aquisição de equipamentos Para se criar o ambiente acima, necessitamos adquirir os seguintes Itens: Servidor Torre Tipo I Descrição Valor Página 76 de 92

77 Um processador Intel Xeon 2.20GHZ Memória de 4GB, 1333MHz (RDIMM) Sofware RAID 1 via controladora S110 Controladora S110 Dois discos rígidos de 500GB SATA, 7.2K RPM de 3.5" Porta de Gerenciamento Interface de Rede Ethernet Giga onboard Unidade de SATA DVD-ROM Windows Server 2008 R2 SP1, Enterprise Edition Windows Server 2008 R2 SP1, Enterprise Edition,x64, Media Kit Kit Teclado e Mouse em Português ( USB ) 3 anos de Suporte para TI e serviço onsite próximo dia útil R$ ,00 Servidor Torre Tipo II Descrição Um processador Intel Xeon 2.20GHZ Memória de 8GB, 1333MHz (RDIMM) Sofware RAID 5 via controladora S110 Controladora S110 Quatro discos rígidos de 1TB SATA, 7.2K RPM de 3.5" Porta de Gerenciamento Interface de Rede Ethernet Giga onboard Unidade de SATA DVD-ROM Windows Server 2008 R2 SP1, Enterprise Edition Windows Server 2008 R2 SP1, Enterprise Edition,x64, Media Kit Kit Teclado e Mouse em Português ( USB ) 3 anos de Suporte para TI e serviço onsite próximo dia útil Valor R$ ,00 Equipamentos de Rede Descrição Quantidade Valor Total Switch de Borda - 48 portas 10/100/1000, 2 portas 10GE com PoE 4 R$ ,00 R$ ,00 Firewall Descrição Quantidade Valor Firewall UTM R$ 1,00 R$ ,00 Total R$ ,00 Licenciamento Em uma estrutura de domínio Microsoft, devemos ter licenças de conexão com o AD, além disto se faz necessário o uso de um antivírus corporativo para a proteção dos computadores. Abaixo o valor estimado para estas licenças: Página 77 de 92

78 Active Directory Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Licença Quantidade Valor Total Windows Server 2008, pacote de 5 Licenças de Acesso para Cliente. Total ,00 R$ 5.000,00 Antivírus Licença Quantidade Valor Total Symantec AntiVirus Enterprise Edition - Pacote com 10 Licenças 10 R$ 3.045,00 R$ ,00 Total do Plano de Modernização para cada CEST (valor unitário) R$ ,00* *Valores em dólar convertidos a R$ 2,30 Administração-Central De modo a dar prosseguimento ao processo de atualização e modernização do ambiente computacional da Administração Central do DNOCS, os seguintes ativos de rede são necessários. Segue desenho da estrutura atual e tabela com a especificação dos equipamentos necessários Página 78 de 92

79 Equipamentos de Rede Descrição Quantidade Valor Total Core Data Center 48 portas 5 R$ ,00 R$ ,00 Core Data Center 24 portas* 9 R$13.500,00 R$ ,00 Switch de Borda - 48 portas, 2 portas 10GE com PoE ** 19 R$21.000,00 R$ ,00 Total R$ ,00 *1 (um) equipamento por andar. ** 2 (dois) equipamentos por andar e 1 (um) no 1º andar. Antivírus Características Gerais Gerenciamento centralizado em um único console que integre toda a solução; A solução antivírus para estações e servidores deverá ser baseado em dois ou mais níveis: console de gerenciamento, tendo somente um agente instalado nas máquinas. Agente de comunicação cliente antivírus / servidor antivírus; Página 79 de 92

80 Departamento Nacional de Obras Contra as Secas A solução deverá detectar e eliminar ameaças como: vírus, spywares, malwares, adwares, phishing, rootkits, cavalos de tróia, worms, keyloggers, netbots; das variantes de todas essas ameaças e outros tipos de códigos maliciosos; Rastreamento em tempo real para arquivos criados, copiados, renomeados, movidos ou modificados; Identificação e limpeza de arquivos infectados, com isolamento (quarentena) em caso de impossibilidade de limpeza; Ter capacidade de varredura em todos os arquivos compactados independente da extensão de compactação (zip, rar, arj, tar, cab, etc.); Possibilidade de apontamento de arquivos e diretórios em listas de exclusões (para não serem verificados pelo antivírus); Possibilidade de exclusão de varredura por tipo de arquivo; Detecção e remoção de vírus de macro em tempo real; Capacidade de procurar códigos maliciosos pelo tipo real de arquivo; Realizar ações específicas para cada tipo de código malicioso; Proteger os arquivos executáveis, contra modificações geradas por códigos maliciosos; Atualização incremental das definições de vírus; Possibilidade de proteger o registro do sistema contra epidemias; Permitir bloqueio de portas; Permitir o bloqueio de compartilhamentos da máquina em caso de epidemia; A solução de antivírus deve possuir um sistema de detecção heurística, em tempo real, de vírus e de códigos maliciosos desconhecidos; A solução de antivírus deve ter a possibilidade de definição de agendamentos de varreduras ("scan"), sem a necessidade de haver um logon na máquina para que a varredura seja realizada; A solução de antivírus deve permitir, no momento da detecção do código malicioso, a remoção automática e total dos danos causados ao sistema, com limpeza do registro e pontos de carregamento, com a capacidade de terminar os processos e os serviços iniciados pela ameaça; Para casos de impossibilidade de limpeza de arquivos infectados, deve haver um local para isolamento do arquivo infectado (quarentena) com possibilidade de recuperação do arquivo infectado original; Proteção anti-spyware e firewall contra intrusões maliciosas deverão ser nativas da própria solução antivírus para estações de trabalho, sem depender de plugins ou módulo adicional; Proteção anti-spyware contra intrusões maliciosas deverão ser nativas da própria solução antivírus para os servidores, sem depender de plugins ou módulo adicional; Página 80 de 92

81 Departamento Nacional de Obras Contra as Secas Deverá ter condições de apresentar soluções de vacinas para malware desconhecido em no máximo 48 horas após a identificação; Suporte total a plataforma da família Microsoft Windows a partir do Windows XP e Windows 2003 nas arquiteturas de 32 e 64 bits, bem como para Linux Ubuntu, CentOS e suse; O antivírus deve ter sido aprovado como totalmente compatível pelo Vírus Bulletin, segundo a última análise, para uso com sistema operacional Windows XP, Vista, Seven e Oito; A ferramenta deve ser capaz de acelerar a varredura, através da consulta de uma base de reputação, evitando a varredura de arquivos conhecidamente bons, identificados através de algoritmo. Deve ser capaz de identificar comportamento malicioso de ameaças desconhecidas, usando informação de base de reputação e tecnologia de heurística a todo instante, sem a necessidade de agendamento. O antivírus deve estar classificado entre os 10 primeiros, segundo a última análise do AV-Test GmbH em nível de detecção; Caso haja o Upgrade de versão da solução deverá ser oferecido sem custo adicional durante a vigência do contrato. Valores Antivírus Licença Quantidade Valor Total Symantec AntiVirus Enterprise Edition - Pacote com 10 Licenças 100 R$ 3.045,00 R$ ,00 AutoCAD Características Gerais Elaboração de peças de desenho técnico em duas dimensões (2D) e criação de modelos tridimensionais (3D) Valores AutoCAD Licença Quantidade Valor Total AutoCAD server license 10 R$ 8.000,00 R$ ,00 Rede Data Center e Storage Area Network (SAN) Motivação Página 81 de 92

82 Com o intuito de melhorar a performance na rede do Data Center, apresentamos o desenho da rede e a estrutura necessária para realizarmos estas configurações. Abaixo segue o modelo que será configurado. Desenho Aquisição de Softwares Virtualização Ambiente HyperV* Licença Quantidade Valor Total Windows Server 2008 R2 Datacenter Edition , ,00 System Center , ,00 Total (Valores em dólar) ,00 * No licenciamento Windows Server 2008 Data Center não há a necessidade de se ter mais licenças de Windows esta versão se baseia em hardware. O limite é o servidor. VmWare** Licença Quantidade Valor Total LIC SW VMWARE VSPHERE 5 ENTERPRISE PLUS FOR 1 PROCESSOR 32 R$ ,40 R$ ,80 Página 82 de 92

83 SUPORTE PRODUCTION SUPPORT/SUBSCRIPTION FOR VMWARE - 3 anos LIC SW VMWARE VCENTER SERVER 5 STANDARD FOR VSPHERE 5 SUPORTE PRODUCTION SUPPORT/SUBSCRIPTION FOR VCENTER SERVER - 3 anos LIC SW VMWARE VCENTER SITE RECOVERY MANAGER 5 ENTERPRISE 25VMs SUPORTE PRODUCTION SUPPORT/SUBSCRIPTION FOR VMWARE - 3 anos Departamento Nacional de Obras Contra as Secas 32 R$ 9.973,87 R$ ,84 2 R$ ,86 R$ ,72 2 R$ ,30 R$ ,60 1 R$ ,84 R$ ,84 1 R$ ,01 R$ ,01 Total R$ ,81 ** Em ambiente VmWare se faz necessário a aquisição de quatro licenças Windows Server 2008 Entreprise para os serviços de Active Directory, DNS, DHCP e Gerencia do Antivírus. Licenciamento Active Directory Licença Windows Server 2008, pacote de 5 Licenças de Acesso para Cliente. Active Directory Quantidad e Valor Total , ,00 Total R$ ,00 Pacote Office para Usuários compreendendo no mínimo Word, Excel, Access e Powerpoint Active Directory Licença Quantidade Valor Total Pacote Office 2010 ou superior ,00 R$ ,00 Total Renovação Contrato de Suporte Servidores e Storage da DELL Renovação DELL Licença Quantidade Valor Renovação de Contrato por 2 anos 1 R$ ,00 Total Materiais para a Infraestrutura Materiais para o Data Center Descrição Qtde Valor Total Página 83 de 92

84 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m AMAREL - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,06 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m AMAREL - FURUKAWA 16 R$ 13,83 R$ 221,31 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m CINZA - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$204,06 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m CINZA - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,62 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m VERDE - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$204,06 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m VERDE - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,62 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m VERMEL - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,06 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m VERMEL - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,62 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m AZUL - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,06 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m AZUL - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,62 GUIA DE CABOS FECHADO 1Ux80x19"- PRETO - WOMER - WGC08 15 R$ 28,49 R$ 427,35 VELCRO FITA DUPLA FACE 20mmx3,0m-AZ - CONSUMER 10 R$ 17,64 R$ 176,40 ABRACADEIRA T30R 15cm PT pct.100un HELLERMANN 2 R$ 9,58 R$ 19,15 CALHA 16 TOMADAS 110/220 20A PRETA - WOMER - WC016 4 R$ 285,53 R$ 1.142,12 OTULADOR ELETRONICO PT-2430PC MESA - BROTHER 1 R$ 683,45 R$ 683,45 FITA TZ 18mm PRETO/BRANCO FLEX P/CB - BROTHER 5 R$ 93,10 R$ 465,50 FITA TZ 12mm PRETO/BRANCO FLEX P/CB - BROTHER 2 R$ 94,21 R$ 188,41 FITA TZS 24mm-PRETO/AMARELO (INDL) - BROTHER 1 R$ 146,16 R$ 146,16 Total R$ 5.416,64 SAM Aquisição de Gavetas e Discos para os Storages Desenho da estrutura* Página 84 de 92

85 * O mesmo desenho será utilizado para os dois equipamentos. Storage Descrição Quantidade Valor Disco SAS 450Gb 15K 8 R$ 1.800,00 Disto SATA 2TB 7.5K 22 R$ 1.000,00 Suporte para discos para Storage EMC, com fonte e controladora. Total 1 R$ ,00 PLANO DE ATUALIZAÇÃO DE INFRAESTRUTURA CONSOLIDADO Qntde Valor Total Projeto de atualização das Coordenadorias Estaduais 8 R$ ,00 R$ ,00 Hardware Core Data Center 48 portas 5 R$ ,00 R$ ,00 Core Data Center 24 portas 9 R$ ,00 R$ ,00 Switch de Borda - 48 portas, 2 portas 10GE com PoE 19 R$ ,00 R$ ,00 Renovação Contrato de Suporte Servidores e Storage da DELL 1 R$ ,00 R$ ,00 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m AMAREL - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,00 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m AMAREL - FURUKAWA 16 R$ 13,83 R$ 221,28 Página 85 de 92

86 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m CINZA - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,00 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m CINZA - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,68 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m VERDE - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,00 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m VERDE - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,68 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m VERMEL - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,00 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m VERMEL - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,68 P.CORD MULTILAN-CM C5E 2,5m AZUL - FURUKAWA 16 R$ 12,75 R$ 204,00 P.CORD MULTILAN-CM C5E 3,0m AZUL - FURUKAWA 16 R$ 14,48 R$ 231,68 GUIA DE CABOS FECHADO 1Ux80x19"- PRETO - WOMER - WGC08 15 R$ 28,49 R$ 427,35 VELCRO FITA DUPLA FACE 20mmx3,0m-AZ - CONSUMER 10 R$ 17,64 R$ 176,40 ABRACADEIRA T30R 15cm PT pct.100un HELLERMANN 2 R$ 9,58 R$ 19,16 CALHA 16 TOMADAS 110/220 20A PRETA - WOMER - WC016 4 R$ 285,53 R$ 1.142,12 OTULADOR ELETRONICO PT-2430PC MESA - BROTHER 1 R$ 683,45 R$ 683,45 FITA TZ 18mm PRETO/BRANCO FLEX P/CB - BROTHER 5 R$ 93,10 R$ 465,50 FITA TZ 12mm PRETO/BRANCO FLEX P/CB - BROTHER 2 R$ 94,21 R$ 188,42 FITA TZS 24mm-PRETO/AMARELO (INDL) - BROTHER 1 R$ 146,16 R$ 146,16 Disco SAS 450Gb 15K 8 R$ 1.800,00 R$ ,00 Disto SATA 2TB 7.5K 22 R$ 1.000,00 R$ ,00 Suporte para discos para Storage EMC, com fonte e controladora. 1 R$ ,00 R$ ,00 Total Equipamentos R$ ,56 Software Symantec Antivírus 100 R$ 3.045,00 R$ ,00 AutoCAD server license 10 R$ 8.000,00 R$ ,00 Pacote Office 2010 ou superior 1200 R$ 1.000,00 R$ ,00 Active Directory 200 R$ 250,00 R$ ,00 Total Software R$ ,00 HyperV* Windows Server 2008 R3 Datacenter edition 32 R$ 4.500,00 R$ ,00 System Center R$ 6.000,00 R$ ,00 Vare** R$ ,00 LIC SW VMWARE VSPHERE 5 ENTERPRISE PLUS FOR 1 PROCESSOR 32 R$ ,40 R$ ,80 SUPORTE PRODUCTION SUPPORT/SUBSCRIPTION FOR VMWARE - 3 anos 32 R$ 9.973,87 R$ ,84 LIC SW VMWARE VCENTER SERVER 5 STANDARD FOR VSPHERE 5 2 R$ ,86 R$ ,72 SUPORTE PRODUCTION SUPPORT/SUBSCRIPTION FOR VCENTER SERVER - 3 anos LIC SW VMWARE VCENTER SITE RECOVERY MANAGER 5 ENTERPRISE 25VMs SUPORTE PRODUCTION SUPPORT/SUBSCRIPTION FOR VMWARE - 3 anos 2 R$ ,30 R$ ,60 1 R$ ,84 R$ ,84 1 R$ ,01 R$ ,01 R$ ,81 Página 86 de 92

87 Total Software com HyperV* R$ ,00 com Vmware** R$ ,81 Total Global do Plano de Atualização com HyperV* R$ ,56 com Vmware** R$ ,37 Página 87 de 92

88 ANEXO V FORMULÁRIO DE LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES Unidade: Responsável pelo preenchimento: Informações Institucionais 1. Descreva, em sua opinião, qual a função básica de sua unidade organizacional, em termos da contribuição da mesma às atividades-fim do DNOCS. 2. Quais atividades do setor que absorvem mais tempo? 2.1 Quais as atividades mais importantes? 2.2 Quais poderiam ser informatizadas? 2.3 É dada a necessária prioridade de execução às atividades mais urgentes? Justifique. 2.4 Há atividades sem grande importância absorvendo tempo exagerado? Justifique. 3. Marque as opções abaixo que afetam o desempenho das atividades do setor. (Mais de uma opção poderá ser assinalada). [ ] Comunicação deficiente entre as áreas [ ] Equipamentos de informática (computadores, impressoras) obsoletos; [ ] Servidores/Funcionários não capacitados [ ] Softwares obsoletos, desatualizados [ ] Numero insuficiente de servidores/funcionários [ ] Nenhuma [ ] Outros. Especifique: 4. Quantos computadores (desktop ou notebook) e impressoras existem hoje em seu setor? Qual a quantidade ideal para o desempenho das atividades do setor? 5. Existe uma quantidade excessiva de papéis arquivados em sua área? Há necessidade de digitalização? Caso afirmativo, defina o percentual que poderia ser digitalizado. 6. As informações do setor são conhecidas por todos os servidores/colaboradores? Essas informações são facilmente obtidas? Explique. 7. Existem problemas na tramitação de informações entre as unidades? Comente. Página 88 de 92

89 8. Existe padronização adequada de documentos eletrônicos ou impressos? Comente. 9. Existe falta ou atraso na comunicação de dados eletrônicos rotineiros entre unidades que resultam em demoras nos vários serviços? Comente. 10. O serviço de suporte ao usuário é considerado satisfatório (em relação a qualidade, tempo de resposta, entre outros)? Justifique. 11. Em sua área existem projetos que estão ligados às atividades-fim do órgão? Quais? Esses projetos para serem cumpridos necessitarão de suporte no que diz respeito à Tecnologia da Informação (sistemas, equipamentos, internet, outros)? Comente. 12. Quais os relatórios de controle cuja execução é de responsabilidade de sua unidade organizacional? Para quem são enviados? 13. Para desenvolver os relatórios de sua área, você precisa de integração com as outras áreas do DNOCS? Caso a sua resposta seja positiva, informe se houve dificuldade no que diz respeito ao fornecimento das informações. Por quê? (vide Anexo I) 14. Caso as necessidades de sua área não sejam atendidas, no que tange à Tecnologia da Informação, informe os riscos para o não atingimento dos objetivos do DNOCS. 15. Relacione os sistemas, aplicativos/programas usados em sua área e os analise segundo o quadro constante no Anexo II. Página 89 de 92

90 Unidade: Responsável pelo preenchimento: do responsável: ANEXO I - Integração entre setores 1) Mapeamento: indique com quais setores a sua unidade organizacional mantém relacionamento de trabalho. Cite a frequência desse relacionamento (diária, semanal, etc.), os assuntos tratados, a forma como são feitos (por meio de documentos emitidos ou por meio de documentos recebidos) e se há dificuldade na comunicação. Setor Assunto Frequência Documento Emitido Documento Recebido Existem dificuldades de comunicação? Especifique o(s) motivo(s) Página 90 de 92

91 Unidade: Responsável pelo preenchimento: do responsável: ANEXO II - Levantamento de sistemas e aplicativos 1) Relacione os sistemas, aplicativos/programas usados em sua área e os analise segundo o quadro abaixo Setor Sistema/Aplicativo Atende satisfatoriamente? (SIM/NÃO) Justificativa Riscos (Consequência do nãoatendimento para o DNOCS) Página 91 de 92

92 ANEXO VI MAPA DA ESTRATÉGIA DO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Página 92 de 92

Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. Coordenação de Gestão Estratégica

Departamento Nacional de Obras Contra as Secas. Coordenação de Gestão Estratégica Coordenação de Gestão Estratégica Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2011-2012 (versão 1.0) MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Fernando Bezerra de Souza Coelho Ministro de Estado Alexandre Navarro

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI)

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI) 00 dd/mm/aaaa 1/15 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação ABRANGÊNCIA Este da Informação abrange todo o IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Documentos de referência 3. Metodologia

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho

Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho Versão 1.0 Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Índice INTRODUÇÃO... 3 FINALIDADE...

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - SUDAM RORAIMA AMAZONAS PARÁ ACRE

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - SUDAM RORAIMA AMAZONAS PARÁ ACRE MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - SUDAM PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2013 PÁ RORAIMA A M M A R A N H Ã O A AMAZONAS PARÁ ACRE RONDÔNIA

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PERÍODO 2012 A 2016 MANAUS/AM VERSÃO 1.0 1 Equipe de Elaboração João Luiz Cavalcante Ferreira Representante da Carlos Tiago Garantizado Representante

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MARANHÃO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PDTI - MPMA 2015-2016 VERSÃO 1.0 SÃO LUÍS - MA, 2014 Procuradora-Geral de Justiça Regina Lúcia de Almeida Rocha Procuradora de Justiça Diretor-Geral

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Estratégia Geral de Tecnologia da Informação

Estratégia Geral de Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Estratégia Geral de Tecnologia da Informação EGTI 2011-2012 Presidente da República Luiz Inácio Lula da

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior RELATÓRIO DE RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR Outubro de 2011 Elaborado pelo Grupo de Trabalho Intersetorial para elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação PDTI, nos termos da Portaria nº 4551,

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2012-2015

Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2012-2015 Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2012-2015 Fundação Nacional do Índio Diretoria de Administração e Gestão Coordenação de Gestão em Tecnologia da Informação Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015

Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015 Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015 Rio de Janeiro Fevereiro de 2014 Ministério de Minas e Energia (Esta página foi intencionalmente deixada em branco para o adequado alinhamento

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

ANTAQ Secretaria de Tecnologia da Informação. Plano de Trabalho. Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

ANTAQ Secretaria de Tecnologia da Informação. Plano de Trabalho. Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação ANTAQ Secretaria de Tecnologia da Informação Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação Histórico de Versões Data Versão Descrição Autor 14/07/2011 1.0 Criação do documento

Leia mais

Programa de Reestruturação Organizacional Elaboração e Implantação do Portal de Governança de TI da TERRACAP FASE IV

Programa de Reestruturação Organizacional Elaboração e Implantação do Portal de Governança de TI da TERRACAP FASE IV P D T I Plano Diretor de Tecnologia da Informação Programa de Reestruturação Organizacional Elaboração e Implantação do Portal de Governança de TI da TERRACAP FASE IV EQUIPE DE ELABORAÇÃO Plano Diretor

Leia mais

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança ANEXO I CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS DO CAU Política de Governança e de Gestão da Tecnologia da Informação do Centro de Serviço Compartilhado do Conselho de Arquitetura e Urbanismo Colegiado Gestor

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 1/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PDTI 2015 2019 (Versão 1.1)

PDTI 2015 2019 (Versão 1.1) PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE MATO GROSSO Data Emissão: 10/12/2014 Elaborado por: Marcelo Gaspar Revisado por: Cintia Aldrighi Data Aprovação: Verificado por: Aprovado por: REGISTRO DE REVISÕES Revisão

Leia mais

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Nélio Alves Guilhon Tereza Cristina Brito Moreira Lima HISTÓRICO TI DA UFMA 1976: Resolução 423/76 ( 26/04/1976 ) Cria o Centro de Processamento de Dados (CPD)

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 1 Agenda Contexto SISP Planejamento de TI PDTI 2 SISP Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática Decreto nº 1.048, de 21 de janeiro

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação DETIC/DEINT

Plano Diretor de Tecnologia da Informação DETIC/DEINT DIRETORIA DE TECNOLOGIA DITEC Plano Diretor de Tecnologia da Informação DETIC/DEINT 2013-2014 1 CASA DA MOEDA DO BRASIL Francisco de Assis Leme Franco Presidente Marcone da Silva Leal Diretor Vice-Presidente

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação

Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação PDTIC UFMA 2012-2014 2012 2014 Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação Aprovado pela Resolução CONSAD nº 132/2013 São Luís/MA 2012 PDTIC UFMA 2012-2014 Fundação Universidade Maranhão Avenida

Leia mais

Política de Segurança da informação e Comunicação

Política de Segurança da informação e Comunicação Política de Segurança da informação e Comunicação 2015-2017 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autores 28/04/2015 1.0 Elementos textuais preliminares Jhordano e Joilson 05/05/2015 2.0 Elementos

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 456, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui a Política de Segurança da Informação e Comunicações POSIC, no âmbito do IPEA. O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

PDTI 2012-2015. Plano Diretor de Tecnologia da Informação

PDTI 2012-2015. Plano Diretor de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Viçosa Comissão de Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação Portaria nº 1094/2011/RTR PDTI 2012-2015 Plano Diretor de Tecnologia da Informação Viçosa MG 2013 Aprovado

Leia mais

Gestão e Tecnologia da Informação

Gestão e Tecnologia da Informação Gestão e Tecnologia da Informação Superintendência de Administração Geral - SAD Marcelo Andrade Pimenta Gerência-Geral de Gestão da Informação - ADGI Carlos Bizzotto Gilson Santos Chagas Mairan Thales

Leia mais

PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação

PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 1 PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2011-2015 Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Controle de Revisão Rev. Natureza da Revisão Data Elaborador Revisor 001 Versão inicial 18/07/11

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

Proposta de Criação de Escritório de Governança de TIC do Centro de Computação Eletrônica da UFPR

Proposta de Criação de Escritório de Governança de TIC do Centro de Computação Eletrônica da UFPR Proposta de Criação de Escritório de Governança de TIC do Centro de Computação Eletrônica da UFPR PRA Pró-Reitoria de Administração Curitiba, setembro de 2014 Equipe de Elaboração da Proposta Amarílio

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Plano Diretor de Tecnologia da Informação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2015/2016 Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2015-2016 Brasília- DF MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia

Plano Diretor de Tecnologia Governo Federal Ministério da Cultura Fundação Cultural Palmares Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2013 2015 Brasília DF 2013 Presidenta da República Dilma Vana Rousseff Ministério

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR

Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR Rejane Maria da Costa Figueiredo UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAMPUS FGA *Fonte: Material: Edméia Andrade e Claudio Cruz Agenda

Leia mais

Governança de TI no Ministério da Educação

Governança de TI no Ministério da Educação Governança de TI no Ministério da Educação José Henrique Paim Fernandes Secretário Executivo Ministério da Educação Novembro de 2008 Governança de TI no Ministério da Educação Contexto Gestão e Tecnologia

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação

PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 1 PDTI Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2011-2015 Revisão 1-2012 Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Controle de Revisão Rev. Natureza da Revisão Data Elaborador Revisor 001 Versão

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Plano Diretor de Tecnologia da Informação INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2015 2016 I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 32, DE 19 DE JULHO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 32, DE 19 DE JULHO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 32, DE 19 DE JULHO DE 2012 Proposta de Política de Segurança da Informação e Comunicações da Anatel O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

Relatório de Gestão DGTI

Relatório de Gestão DGTI Relatório de Gestão DGTI 1.Contextualização Histórico Administrativa Com o projeto de expansão do Governo Federal que criou os Institutos Federais em todo o Brasil, o antigo Centro Federal de Educação

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Dilma Rousseff Presidenta da República MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Francisco José Teixeira Ministro

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Dilma Rousseff Presidenta da República MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Francisco José Teixeira Ministro REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Dilma Rousseff Presidenta da República MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Francisco José Teixeira Ministro Irani Braga Ramos Secretário-Executivo Sônia Faustino Mendes Diretora

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PDTI 2014-2016 Santa Maria, RS, 2013. 1 DILMA VANA ROUSSEFF Presidenta da República ALOIZIO MERCADANTE Ministro de Estado

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI

Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2015-2017 Presidente da República Dilma Vana Rousseff

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI PETI MPMA 2015 2016 Procuradora Geral de Justiça VERSÃO 1.0 SÃO LUIS MA, 2014 Regina Lúcia de Almeida Rocha Procuradora de Justiça Diretor Geral Luís Gonzaga Martins Coelho

Leia mais

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012 Plano Diretor Tecnologia da Informação 2012-2013 146 Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral Tecnologia da Informação Objetivos Objetivo 1 - Aprimorar a Gestão Pessoas TI (Cobit

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

AURINA SANTANA Reitora Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

AURINA SANTANA Reitora Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia 00 dd/mm/aaaa 1/19 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação CAMPO DE APLICAÇÃO Este Plano Diretor de Tecnologia da Informação se aplica no âmbito do IFBA. SUMÁRIO 01. Introdução

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação da CAPES

Plano Diretor de Tecnologia da Informação da CAPES Plano Diretor de Tecnologia da Informação da CAPES P 2013/2014 1ª Revisão Versão: 2.0 Classificação: Doc. Público Data da Versão: 30/06/2014 Esta página foi deixada em branco propositalmente. Nota de Atualização

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2012-2014 Ministério da Cultura 2 Marta Suplicy

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO 4º BATALHÃO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO (4º Batalhão Ferroviário/1955) BATALHÃO GENERAL ARGOLO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 4º BATALHÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

CETI Comitê Executivo de Tecnologia da Informação

CETI Comitê Executivo de Tecnologia da Informação CETI Comitê Executivo de Tecnologia da Informação CETI Comitê Executivo de Tecnologia da Informação O que é um comitê de TI? Porque devemos ter? O comitê do MinC Atribuições Composição Agenda Ratificação

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª. Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0 PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Versão 0 1.0 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Presidente Luiz Otávio Pimentel Vice-Presidente Mauro Sodré

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PDTI UFPE 2015-2016 UFPE, 2015 Versão 1.5 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 28/11/2013 1.0 Versão preliminar

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2011/2012 COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS

Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2011/2012 COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Plano Diretor de Tecnologia da Informação 2011/2012 COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Unidade Seccional de Tecnologia da Informação Fevereiro de 2011 PDTI CADE 2011/2012 Página 2 de 108 PLANO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software

Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software Processo de software: do alinhamento estratégico até a sustentação do software Renata Assunção Farias Introdução Em 2007, após pesquisa com órgãos da Administração Pública Federal (APF), o TCU atestou

Leia mais

Número do Recibo:83500042

Número do Recibo:83500042 1 de 21 06/06/2012 18:25 Número do Recibo:83500042 Data de Preenchimento do Questionário: 06/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: GOVERNANÇA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DEZEMBRO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cgti@listas.ifbaiano.edu.br Site: http://www.ifbaiano.edu.br

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 022/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 09 DE OUTUBRO DE 2015 Dispõe sobre o

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

&&&'( '$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$

&&&'( '$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$ &&&'( '$!" Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação #$%$ Governança Corporativa - conjunto de boas práticas para melhoria do desempenho organizacional; - nasce da necessidade

Leia mais

Planejamento Estratégico de. Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de. Tecnologia da Informação Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012-2014 Coordenadoria de Tecnologia da Informação Pró-reitoria de Planejamento Universidade

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015 Rio de Janeiro Setembro de 2013 Ministério de Minas e Energia (Esta página foi intencionalmente deixada em branco para o adequado alinhamento

Leia mais

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ( Decreto nº 24.202, de 07 de janeiro de 2013 Anexo Único Publicado no Diário Oficial do Estado de 08 de janeiro

Leia mais