Confecção de plaina de madeira pequena sem capa. A.Etapas do processo de confecção de uma plaina de madeira:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Confecção de plaina de madeira pequena sem capa. A.Etapas do processo de confecção de uma plaina de madeira:"

Transcrição

1 Confecção de plaina de madeira pequena sem capa A.Etapas do processo de confecção de uma plaina de madeira: 1. Escolha dos componentes 2. Linhas de referência 3. Corte e desbastes B.Sobre as plainas 1. Modelos mais comuns 2. Componentes de uma plaina tradicional industrial. A. Etapas do processo de confecção: 1. Escolha dos componentes Para começar, escolha a lâmina a ser utilizada. Sua largura servirá de base para o cálculo da largura da plaina, que deverá ser de 10 a 20mm maior que a largura da lâmina. Por exemplo: Se a lâmina possui largura de 38mm (1e1/2 ), a largura final do bloco da plaina poderá ser de 48 a 58mm. Sempre deixar uma folga, ou seja, deixar uma largura um pouco maior para ser ajustada posteriormente. No exemplo acima, a plaina então ficaria com 52mm, 14mm a mais que a largura da lâmina. A altura do bloco da plaina normalmente varia de 30 a 60mm, dependendo do comprimento da lâmina e do costume do usuário. Plainas pequenas têm altura em torno de 40, 45mm. A lâmina, ao ser instalada, deve ultrapassar a altura final da plaina. Para isso, nunca deverá ter comprimento inferior a 70mm. A lâmina ideal poderia ter de 150 a 200mm de comprimento, garantindo maior vida útil à plaina. A cunha é a última peça necessária para a confecção deste modelo de plaina. Ela deve ter a mesma largura da lâmina, e comprimento igual ou maior em relação à mesma. Fazer então a cunha com ângulo de 8 a 10º. De posse dos 3 componentes, procurar identificar o lado do bloco de madeira que corresponde à faixa mais central da madeira no tronco de onde proveio. Isso porque o lado correspondente à faixa externa, próximo ao alburno ou à casa é menos resistente. O lado escolhido deve então ser o lado superior da plaina. A figura 2 mostra mais ou menos como ficam os veios da madeira na posição escolhida. Depois de definir lado, olha veio de lado de baixo. Para fica mais liso para passar plaina, tem que ser como seta vermelha do desenho (figura 2). No jeito certo, para acertar lado de baixo, direção de duas plainas seria oposto.

2 A montagem do conjunto se inicia pela escolha da localização da lâmina no bloco de madeira. No Ocidente normalmente se coloca a lâmina na porção anterior do bloco, no Oriente na porção posterior. No nosso exemplo vamos escolher o centro do bloco como referência. Como mostra a Figura 3, traçar uma linha na face inferior do bloco, exatamente na metade do comprimento, transversal a ele. Nas faces laterais desenhar linhas a 45º (orientadas para a parte posterior) com início no final da linha da base. No topo do bloco traçar então a linha superior transversal que liga as duas linhas laterais. Em seguida, virar a peça de modo que uma das laterais fique para cima. Apoiar a lâmina e a cunha como mostra a Figura 4, e traçar uma linha ao longo da parte de cima da cunha. Traçar então as outras linhas nos demais lados da peça, tendo a primeira como referência, de acordo com a Figura 5. Traçar mais uma linha na lateral da peça, iniciando por uma linha de 10 a 20mm a 90º a 110º da base, que depois se abre em ângulo de 70º com a aresta horizontal superior da peça. Marcar linha de frente como no desenho. Para marcar inclinação contrário perto da boca é para não abrir boca conforme gastando base. Traçar a seguir 2 linhas nas faces superior e inferior da peça, com distância entre elas 2mm maior que a largura da lâmina, centralizadas e no sentido longitudinal do bloco. Esta folga facilita o ajuste da lâmina e impede rachaduras provenientes de encolhimento da madeira. Paralelamente a essas linha traçar mais 2, internamente, a 6mm de distância das anteriores, conforme Figura 6.

3 3. Corte e desbastes Iniciamos então o corte da madeira. A primeira etapa é retirar o volume correspondente ao retângulo amarelo formado pela linhas da Figura 6. Uma forma mais fácil de iniciar o desbaste é usando uma furadeira ou arco de pua. Terminar o desbaste com o formão, tomando o cuidado de não vazar o bloco ainda, e usando as linhas inclinadas laterais como referência para o corte, conforme nos mostra a Figura 7. Depois de completar a retirada desse primeiro volume, deve-se então atravessar a peça, furando, mas agora virando a peça e terminado o furo a partir da face inferior, para evitar rebarbas. Sempre acompanhar os traços laterais, conforme Figura 9. Terminado o furo, aumentar a largura do mesmo seguindo as linhas de referência externas traçadas anteriormente na face superior da peça, até o limite delimitado pela linha traçada a partir da cunha (Figura 5). Esse rasgo pode ser feito com um serrote pequeno, como mostra a Figura 10.( serrote de gesso pode ser adaptado para este fim). Fazer o desbaste final de arestas e rebarbas com formão pequeno e lima. Inserir a lâmina para verificar o tamanho do rasgo e fazer as alterações necessárias até que a lâmina se ajuste perfeitamente, especialmente suas costas. A cunha vem em seguida e deve igualmente se ajustar perfeitamente ao rasgo. Veja Figura 11 As Figuras 12 e 13 mostram áreas que podem ser retiradas do furo, para facilitar a saída dos cavacos quando a plaina estiver sendo usada. Deve-se ter cuidado apenas de não danificar o rasgo.

4 Se sua plaina ficou como a da Figura 14, só resta quebrar os cantos das arestas superiores para tornar mais confortável seu manuseio. As arestas inferiores de topo da peça não devem ser quebradas, pois ajudam a empurrar sobras do material que está sendo planado. B. Sobre as plainas elaborar 1. Modelos de plaina de madeira As Figuras 15 e 16 mostram, respectivamente, um corte alternativo e o corte tradicional que acabamos de aprender.

5 2. Componentes de uma plaina tradicional industrial

6 Ajuste de Plaina de Ferro Como fazer Plaina de Madeira com Capa Como fazer Plaina Guilherme Como fazer Pata-Choca (Caranguejeira) Como temperar aço Como afiar lamina de plaina e formão Como Ajustar e manusear Plaina (detalhe é no projeto) Travar e afiar serrote : forma mais usual Travar e afiar serrote para corte transversal Travar e afiar serrote para cortar rente Modificar serrote de gesso Como afiar e preparar formão Como afiar e preparar formão Japonês Como modificar formão comum para goiva Como fazer graminho Sobre Enxó

Como fazer uma faca tanto.

Como fazer uma faca tanto. Como fazer uma faca tanto. Fotos passo a passo por André Sato O manual foi dividido em quatro partes. Lâmina. Bainha. Cabo. Habaki. Para fazer o desbaste irei usar um caibro de madeira com dois parafusos

Leia mais

45 Fresando ranhuras retas - II

45 Fresando ranhuras retas - II A U A UL LA Fresando ranhuras retas - II Na aula passada você aprendeu como fresar ranhuras retas por reprodução do perfil da fresa. Nesta aula você vai aprender como fresar ranhuras em T, trapezoidal

Leia mais

Utilização dos Instrumentos de Desenho Técnico e Normas

Utilização dos Instrumentos de Desenho Técnico e Normas Universidade Regional do Cariri Departamento de Construção Civil Cursos de Tecnologia em Construção Civil DESENHO TÉCNICO 1 - TE 069 Utilização dos Instrumentos de Desenho Técnico e Normas Julho 2015 Prof.ª

Leia mais

Chavetas. Agora você já tem uma noção dos elementos

Chavetas. Agora você já tem uma noção dos elementos A UU L AL A Chavetas Agora você já tem uma noção dos elementos de máquinas mais usados para fixar peças: rebite, pino, cavilha, contrapino ou cupilha, parafuso, porcas, arruela e anéis elásticos. Para

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 6/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 6/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 6/5: 14. Perspectivas Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

Leia mais

Escalas ESCALAS COTAGEM

Escalas ESCALAS COTAGEM Escalas Antes de representar objectos, modelos, peças, etc. Deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas no papel

Leia mais

Tutorial Autodesk Inventor Sheet Metal

Tutorial Autodesk Inventor Sheet Metal Tutorial Autodesk Inventor Sheet Metal Flange transitada Esboço A operação Flange transitada proporciona uma forma de criar seções de transição no modelo. Elas podem ser a única operação (ou a operação

Leia mais

Fresando engrenagens cônicas com dentes retos

Fresando engrenagens cônicas com dentes retos A U A UL LA Fresando engrenagens cônicas com dentes retos Na aula passada, você aprendeu a fresar engrenagens cilíndricas com dentes helicoidais, utilizando a grade de engrenagens. Nesta aula você vai

Leia mais

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica

Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Projeção ortográfica e perspectiva isométrica Introdução Para quem vai ler e interpretar desenhos técnicos, é muito importante saber fazer a correspondência entre as vistas ortográficas e o modelo representado

Leia mais

Paquímetro: O pessoal da empresa está chegando à quarta. Um problema. Erros de leitura

Paquímetro: O pessoal da empresa está chegando à quarta. Um problema. Erros de leitura Paquímetro: conservação A UU L AL A O pessoal da empresa está chegando à quarta aula sobre paquímetro. Nesta aula, todos vão aprender a usar corretamente o paquímetro, quais os possíveis erros de leitura

Leia mais

Site Faça Você Mesmo. Guia de Furadeira. - pequenas dimensões;

Site Faça Você Mesmo. Guia de Furadeira. - pequenas dimensões; 1 www. Site Faça Você Mesmo Guia de Furadeira Quando utilizamos uma Furadeira Elétrica para, por exemplo, fazer uma canaleta, um furo para passar um parafuso longo ou instalar uma dobradiça numa porta

Leia mais

Descobrindo medidas desconhecidas (I)

Descobrindo medidas desconhecidas (I) Descobrindo medidas desconhecidas (I) V ocê é torneiro em uma empresa mecânica. Na rotina de seu trabalho, você recebe ordens de serviço acompanhadas dos desenhos das peças que você tem de tornear. Vamos

Leia mais

Amolar: esta operação consiste num desbaste coma a pedra de esmeril. Operar sempre do lado do bisei.

Amolar: esta operação consiste num desbaste coma a pedra de esmeril. Operar sempre do lado do bisei. O COMEÇO Afiar consiste em dar à superfície de corte de uma ferramenta a sua forma original. Consoante a ferramenta e o estado de desgaste do gume, são utilizadas diversas ferramentas de afiar: rodas de

Leia mais

Mini-maletinha de desenho by Patricia Escanho

Mini-maletinha de desenho by Patricia Escanho Mini-maletinha de desenho by Patricia Escanho Material necessário 30 cm tecido 1 (neste projeto: estampado) 30 cm tecido 2 (neste projeto: xadrez) 20 cm tecido 3 (neste projeto: bolinhas) retalhos de entretela

Leia mais

Yep. Armário Superior Baixo 70/80/100 Pistão. Partes do Produto. Componentes

Yep. Armário Superior Baixo 70/80/100 Pistão. Partes do Produto. Componentes Yep Partes do Produto Armário Superior Baixo 70/80/00 Pistão - Lateral Direita/Esquerda (x) - Base/Tampo (x) Porta Vendida Separadamente 3- Traseiro (x) Componentes A- Parafuso de União (x) B- Tambor (8x)

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO ABRIR ROSCA MÚLTIPLA (EXTERNA E INTERNA) É abrir rosca na superfície externa ou interna do material, através de um sistema de divisões de avanço da ferramenta, que

Leia mais

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol.

1o) constância da inclinação do eixo de rotação da Terra. 2o) movimento de translação da Terra ao redor do Sol. Estações do Ano Aluno: Ricardo Augusto Viana de Lacerda Curso de Especialização em Astronomia (2009)-USP_leste Texto adaptado da Oficina de Astronomia do Prof. Dr. João Batista Garcia Canalle. a) A lâmpada

Leia mais

Solução da prova da 2a fase OBMEP 2014 Nível 2. Questão 1. item a)

Solução da prova da 2a fase OBMEP 2014 Nível 2. Questão 1. item a) Questão 1 Cada nova pilha tem dois cubinhos a mais em sua base. Assim, como a terceira pilha tem 5 cubinhos em sua base, a quarta pilha tem 5 + 2 = 7 cubinhos e a quinta pilha tem 7 + 2 = 9 cubinhos em

Leia mais

NBR 10126/87 CORTE TOTAL LONGITUDINAL E TRANSVERSAL

NBR 10126/87 CORTE TOTAL LONGITUDINAL E TRANSVERSAL NBR 10126/87 CORTE TOTAL LONGITUDINAL E TRANSVERSAL Podemos definir corte como sendo a representação gráfica no desenho da característica do elemento, através de linhas, símbolos, notas e valor numérico

Leia mais

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções.

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções. Manual de instruções. Esquadrias Metálicas Ltda. PORTA DE CORRER A Atimaky utiliza, na fabricação das janelas, aço galvanizado adquirido diretamente da Usina com tratamento de superfície de ultima geração

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Veja nesta aula uma introdução aos elementos básicos da perspectiva. (Mateus Machado) 1. DEFINIÇÃO INTRODUÇÃO A PERSPECTIVA Podemos dizer que a perspectiva é sem dúvida uma matéria dentro do desenho

Leia mais

Levantamento Topográfico: é o conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais,

Levantamento Topográfico: é o conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais, DIVISÃO DA TOPOGRAFIA Levantamento Topográfico: é o conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais, verticais e inclinadas, com instrumental

Leia mais

#02 PROJETO MESA DE IMPRESSÃO SIMPLES FIXA NA PAREDE

#02 PROJETO MESA DE IMPRESSÃO SIMPLES FIXA NA PAREDE Esse projeto é essencial para impressão na serigrafia em superfícies planas. Essa mesa simples ou berço é muito comum no uso de impressões de camisetas já costuradas. Vamos criar uma mesa com uma estrutura

Leia mais

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2.

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2015 Nível 1 1 SOLUÇÕES N2 2015 N2Q1 Solução O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Com um

Leia mais

Yep. Balcão Inferior Porta Temperos 20-57cm. Partes do Produto. Componentes

Yep. Balcão Inferior Porta Temperos 20-57cm. Partes do Produto. Componentes Yep Partes do Produto Balcão Inferior Porta Temperos 0-57cm Tampo Vendido Separadamente - Lateral Direita/Esquerda (x) - Base (x) 3- Travessa (x) Porta Vendida Separadamente 4- Traseiro (x) 5- Porta Temperos

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação LI-100 Indicador de Nível Cod: 073AA-018-122M Outubro / 2003 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999 FAX: (11) 3488-8980

Leia mais

Figura 1 Figura 2 Figura 3

Figura 1 Figura 2 Figura 3 Para uso em salas de aula comuns, a Activboard possibilita a melhor utilização da sala de aula. As seguintes características são próprias de lousas Activboard 78 : 1. Uma marca proactiv em seu canto superior

Leia mais

Calculando o comprimento de peças dobradas ou curvadas

Calculando o comprimento de peças dobradas ou curvadas Calculando o comprimento de peças dobradas ou curvadas A UU L AL A Vamos supor que você seja dono de uma pequena empresa mecânica e alguém lhe encomende 10.000 peças de fixação, que deverão ser fabricadas

Leia mais

FEPI , Page 1 Tecnologia Mecânica II

FEPI , Page 1 Tecnologia Mecânica II 28.09.2009, Page 1 APLAINAMENTO O Aplainamento consiste em obter superfícies planas em posição horizontal, vertical ou inclinada. A ferramenta utilizada tem apenas uma aresta cortante que retira o sobremetal

Leia mais

Yep. Porta Inferior/Superior 80/100 Baixo Basculante com Pistão. Partes do Produto

Yep. Porta Inferior/Superior 80/100 Baixo Basculante com Pistão. Partes do Produto Yep Porta Inferior/Superior 80/00 Baixo Basculante com Pistão Partes do Produto - Porta (x) Pessoas Necessárias para Montagem Ferramentas Necessárias (Não Fornecidas) Componentes pessoa Chave Fenda Chave

Leia mais

Capítulo 6 ESCALAS E DIMENSIONAMENTO

Capítulo 6 ESCALAS E DIMENSIONAMENTO Capítulo 6 ESCALAS E DIMENSIONAMENTO Introdução Ainda que o principal objetivo deste livro seja preparar para a leitura e interpretação de desenho técnico, é necessário abordar os princípios básicos de

Leia mais

Formatar parágrafos no Word 2007/2010

Formatar parágrafos no Word 2007/2010 Formatar parágrafos no Word 2007/2010 Na aba Início em parágrafo contém um grupo de atalhos da configuração dos parágrafos, mas se precisar de algo mais avançado, como escolher as configurações de forma

Leia mais

Manual de Montagem e Ajuste de Castanhas

Manual de Montagem e Ajuste de Castanhas Manual de Montagem e Ajuste de Castanhas Materiais Utilizados A montagem e ajuste de pré-carga de uma castanha é um processo bastante simples, é necessário apenas o uso de um alicate e de chaves Allen,

Leia mais

Instruções para Montagem de Conexões FTX

Instruções para Montagem de Conexões FTX Instruções para Montagem de Conexões FTX - Nunca monte a mangueira totalmente esticada; - Não monte a mangueira girada, pois quando ela receber pressão, poderá se soltar; - Sempre proteja as mangueiras

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem 6303 0753 03/004 PT Para os técnicos especializados Instruções de montagem Conjunto de montagem para Cobertura de chapa ondulada Montagem sobre o telhado Leia atentamente antes da montagem Prefácio Acerca

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO O traçado de linhas retas PERPENDICULARES, PARALELAS e OBLÍQUAS é feito com o auxílio de esquadros,

Leia mais

Conjuntos mecânicos II

Conjuntos mecânicos II A UU L AL A Conjuntos mecânicos II Nesta aula trataremos de outro assunto também relacionado a conjuntos mecânicos: o desenho de conjunto. Introdução Desenho de conjunto Desenho de conjunto é o desenho

Leia mais

Truck Components Eaton Corporation Truck Division Quality Planning & Field Services Boletim de Serviços

Truck Components Eaton Corporation Truck Division Quality Planning & Field Services Boletim de Serviços Fco Aprovado IGL Distribuição: Clientes EATON Objetivo: Esclarecer as diferenças introduzidas pelo novo conjunto sincronizador de 5 a Vel. e Ré. Transmissões envolvidas: transmissões FSO-4405 Alteração:

Leia mais

Tutorial. Georreferenciamento de Imagens. Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky

Tutorial. Georreferenciamento de Imagens. Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky www.gismaps.com.br Tutorial Georreferenciamento de Imagens Autores: Rafael Bellucci Moretti, Vitor Pires Vencovsky 1. Introdução O tutorial tem como objetivo fornecer informações básicas para georreferenciar

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Combinatória - Nível 2. Jogos. 1. Simetria. Prof. Bruno Holanda

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Combinatória - Nível 2. Jogos. 1. Simetria. Prof. Bruno Holanda Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 6 Jogos Quando falamos em jogos, pensamos em vários conhecidos como: xadrez, as damas e os jogos com baralho. Porém,

Leia mais

Manual de Instalação. Max Veda Porta. Modelos 320 340 360. Portas de Madeira/Ferro instalação externa

Manual de Instalação. Max Veda Porta. Modelos 320 340 360. Portas de Madeira/Ferro instalação externa Max Veda Porta Modelos 320 340 360 320 340 360 Portas de Madeira/Ferro instalação externa 1 Com uma chave de fenda rosqueie o pino acionador até que este fique recolhido dentro da capa do Max Veda Porta.

Leia mais

Metrologia Professor: Leonardo Leódido

Metrologia Professor: Leonardo Leódido Metrologia Professor: Leonardo Leódido Sumário Definição Conceitos Básicos Classificação de Forma de Orientação de Posição Definição Tolerância pode ser definida como um intervalo limite no qual as imperfeições

Leia mais

Instruções para Instalação

Instruções para Instalação Instruções para Instalação 1- PARA MARCAR A POSIÇÃO DE COLOCAÇÃO DA FECHADURA NA PORTA: Marque uma linha horizontal na altura que será colocada a fechadura, sugerimos que a maçaneta fique a 1,10m de altura

Leia mais

Tudo vem dos sonhos. Primeiro sonhamos, depois fazemos.

Tudo vem dos sonhos. Primeiro sonhamos, depois fazemos. Nível 1 5 a e 6 a séries do Ensino Fundamental 2ª FASE - 8 de outubro de 2005 Cole aqui a etiqueta com os dados do aluno. Nome do(a) aluno(a): Assinatura do(a) aluno(a): Parabéns pelo seu desempenho na

Leia mais

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO

REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO REPRESENTAÇÃO TÉCNICA BÁSICA DE PROJETO ARQUITETÔNICO Reproduzir as plantas baixa, de cobertura e de localização, cortes e fachada frontal da residência apresentada abaixo. O projeto pode sofrer mudanças,

Leia mais

Lista de exercícios do teorema de Tales

Lista de exercícios do teorema de Tales Componente Curricular: Professor(a): PAULO CEZAR Turno: Data: Matemática Matutino / /2014 Aluno(a): Nº do Aluno: Série: Turma: 8ª (81) (82) Sucesso! Lista de Exercícios Lista de exercícios do teorema de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SOLDA EXOTÉRMICA ÍNDICE. Importante... 3 Segurança... 3

MANUAL DE INSTALAÇÃO SOLDA EXOTÉRMICA ÍNDICE. Importante... 3 Segurança... 3 ÍNDICE Importante... 3 Segurança... 3 1. Ferramentas E Materiais Utilizados:... 4 1.1. 2900034 - Molde Grafite (Mgr1-1335):... 4 1.2. 2900035 - Molde Grafite (Mgt1-1335):... 4 1.3. 2900041 - Acendedor

Leia mais

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA

05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 05. COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA 5.1 COMUNICAÇÃO VISUAL EXTERNA AGÊNCIAS Agências sem recuo em relação à calçada 1 2 3 4 Elementos de comunicação visual As fachadas das agências dos Correios, sem recuo em

Leia mais

Mangas de duas folhas estilo alfaiate

Mangas de duas folhas estilo alfaiate Mangas de duas folhas estilo alfaiate A manga de duas folhas ou estilo alfaiate é muito usada também nos casacos femininos, blazer etc. Na prática ela pode e normalmente é confeccionada em uma única peça

Leia mais

Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012

Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012 Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012 1. Um vendedor necessita de um algoritmo que calcule o preço total devido por um cliente. O algoritmo deve receber o código de um produto e a quantidade

Leia mais

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA PERSPECTIVA ISOMÉTRICA Aluna: Patricia Carvalho Souza Orientadora: Anna Virgínia Machado Roteiro Perspectiva o Tipos de Perspectiva Perspectiva Axonométrica o Linhas Isométricas e Não Isométricas Papel

Leia mais

1 PONTOS NOTÁVEIS. 1.1 Baricentro. 1.3 Circuncentro. 1.2 Incentro. Matemática 2 Pedro Paulo

1 PONTOS NOTÁVEIS. 1.1 Baricentro. 1.3 Circuncentro. 1.2 Incentro. Matemática 2 Pedro Paulo Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA VIII 1 PONTOS NOTÁVEIS 1.1 Baricentro O baricentro é o encontro das medianas de um triângulo. Na figura abaixo, é o ponto médio do lado, é o ponto médio do lado

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Veja nesta aula mais alguns exercícios para você aplicar as dicas das aulas anteriores. (Mateus Machado) EXERCÍCIOS Faça todos estes desenhos em uma folha A4 usando o lápis HB. 1. LINHAS IMAGINÁRIAS

Leia mais

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges

Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Projeto arquitetônico: Cortes Professora Valéria Peixoto Borges DEFINIÇÃO Os CORTES são representações de vistas ortográficas

Leia mais

Instrução de aplicação

Instrução de aplicação Instrução de aplicação Sistema mural acústico Vescom Novembro de 2013 Para a aplicaçăo do sistema mural acústico elaborou-se uma instruçăo especial. Os seguintes passos deverăo ser seguidos: 1. Fazer o

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA:

MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: MANUAL DE MONTAGEM DA FECHADURA SYNTER EXECUÇÃO DO ALOJAMENTO DA FECHADURA: Para fazer o alojamento da Máquina da Fechadura em uma porta, é necessário deixar 1,10m do centro do furo quadrado da maçaneta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA.

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica

Leia mais

substitui todos os anteriores Maio Este Manual

substitui todos os anteriores Maio Este Manual Maio 2016 - Este Manual substitui todos os anteriores ATENÇÃO: As Medidas de Folga e os Desenhos deste Manual são para referência de montagem e podem sofrer modificações. Índice Consulte sempre o Site

Leia mais

Mais de um corte nas vistas ortográficas

Mais de um corte nas vistas ortográficas Mais de um corte nas vistas ortográficas Introdução Dependendo da complexidade do modelo ou peça, um único corte pode não ser suficiente para mostrar todos os elementos internos que queremos analisar.

Leia mais

O corte de metais é uma operação mecânica que consiste em se obter seções com dimensões determinadas.

O corte de metais é uma operação mecânica que consiste em se obter seções com dimensões determinadas. 1 PRÁTICA DE OFICINA AULA 02 2015-1 - SERRA MECÂNICA - Introdução O corte de metais é uma operação mecânica que consiste em se obter seções com dimensões determinadas. A serra alternativa horizontal ou

Leia mais

PORTAS COMPONENTES DO PRODUTO DETALHES GERAIS. 1. Porta Pivotante Pet Demolição. Pet Demolição Biombo. Pet Demolição Biombo

PORTAS COMPONENTES DO PRODUTO DETALHES GERAIS. 1. Porta Pivotante Pet Demolição. Pet Demolição Biombo. Pet Demolição Biombo PORTAS As portas Mentha são divididas em três tipos: 1. Porta Pivotante Pet Demolição 2. Porta Roldana Aparente Pet Demolição Biombo 3. Porta Roldana Invisível Pet Demolição Biombo COMPONENTES DO PRODUTO

Leia mais

Baú-Cama. Lápis de Noiva

Baú-Cama. Lápis de Noiva Baú-Cama Lápis de Noiva Para fazer o baú, você vai precisar de tábuas para as laterais e tampa, uma prancha para o fundo, parafusos, porcas e arruelas, dobradiças e trinco. Fizemos o nosso baú com medidas

Leia mais

Faculdade Pitágoras Unidade Betim

Faculdade Pitágoras Unidade Betim Faculdade Pitágoras Unidade Betim Atividade de Aprendizagem Orientada Nº 4 Profª: Luciene Lopes Borges Miranda Nome/ Grupo: Disciplina: Cálculo III Tempo da atividade: h Curso: Engenharia Civil Data da

Leia mais

Introdução. Aplainamento

Introdução. Aplainamento Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Aplainamento Processo que se baseia no movimento retilíneo alternado da ferramenta de corte, retirando material somente no movimento de

Leia mais

Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS

Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS Capítulo 4 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHOS Definição e Pré-Requisitos Ler um desenho significa entender a forma espacial do objeto representado no desenho bidimensional resultante das projeções ortogonais.

Leia mais

Sdeck Composite - Perfil 175x25 mm

Sdeck Composite - Perfil 175x25 mm Sdeck Composite - Perfil 175x25 mm Ficha de Instalação 1. Indicações Genéricas 1.1. Transporte É necessário ter em consideração as disposições legais do país para onde pretende transportar o produto. Se

Leia mais

Diverte-te com a tua Nova Capa para Telemóvel! Cortar os quatro cantos com cuidado para não cortar os pontos.

Diverte-te com a tua Nova Capa para Telemóvel! Cortar os quatro cantos com cuidado para não cortar os pontos. Instruções De que precisa: Máquina de costura Totally Me! 2 pedaços de tecido (4,5" x 13") (11,4 cm x 33 cm) 1 pedaço de enchimento adesivo 2,5" (6,4 cm) de elástico fino 1 botão colorido Tesoura Pinos

Leia mais

PRENSA PARA ESTÊNCIL A TINTA

PRENSA PARA ESTÊNCIL A TINTA MANUAL PARA A FABRICAÇÃO DE UMA PRENSA PARA ESTÊNCIL A TINTA Vivaldo Armelin Júnior 2006 Todos os direitos Reservados e pertencentes ao Portal ArteEducar. Proibido qualquer uso que não seja em sala de

Leia mais

Manual do Usuário. Quiz Online

Manual do Usuário. Quiz Online Manual do Usuário Quiz Online Versão 1.0.1 Copyright 2013 BroadNeeds Rev. 2014-06-20 Página 1 de 17 1 - INTRODUÇÃO... 3 1.1 REQUISITOS... 3 2 - CRIANDO O QUIZ ATRAVÉS DA PLATAFORMA NUCLEOMEDIA... 4 2.1

Leia mais

APOSTILA DE INFORMÁTICA - PAINT

APOSTILA DE INFORMÁTICA - PAINT APOSTILA DE INFORMÁTICA - PAINT Profa Responsável Fabiana P. Masson Caravieri Colaboração das monitoras: Cindy Berti e Laysla Araujo Giovanini SUMÁRIO 1. SOBRE O PAINT... 3 2. USANDO O PAINT... 3 2.1.

Leia mais

A primeira coisa ao ensinar o teorema de Pitágoras é estudar o triângulo retângulo e suas partes. Desta forma:

A primeira coisa ao ensinar o teorema de Pitágoras é estudar o triângulo retângulo e suas partes. Desta forma: As atividades propostas nas aulas a seguir visam proporcionar ao aluno condições de compreender de forma prática o teorema de Pitágoras em sua estrutura geométrica, através do uso de quadrados proporcionais

Leia mais

MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE

MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO 2010 QUESTÃO 1 Na reta numérica abaixo, há

Leia mais

CIRCUNFERÊNCIA. Centro Diâmetro Secante Corda Tangente Ponto de tangência Normal Raio Distância do ponto P à circunferência. O AB s CD t T s AB 2

CIRCUNFERÊNCIA. Centro Diâmetro Secante Corda Tangente Ponto de tangência Normal Raio Distância do ponto P à circunferência. O AB s CD t T s AB 2 CIRCUNFERÊNCIA ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA N t T C A B D X s p Centro Diâmetro Secante Corda Tangente Ponto de tangência Normal Raio Distância do ponto P à circunferência O AB s CD t T s AB 2 PX / Algumas

Leia mais

Supressão de vistas em peças prismáticas e piramidais

Supressão de vistas em peças prismáticas e piramidais Supressão de vistas em peças prismáticas e piramidais A UU L AL A Em determinadas peças, a disposição adequada das cotas, além de informar sobre o tamanho, também permite deduzir as formas das partes cotadas.

Leia mais

Gerenciamento de TEMPO

Gerenciamento de TEMPO Gerenciamento de TEMPO Gerenciamento de tempo Estratégia é a arte de usar o tempo e o espaço. Eu sou mais ligado ao primeiro que ao último: espaço podemos recuperar, o tempo, jamais. Napoleão Bonaparte

Leia mais

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo 1 05 Voo Horizontal, Voo Planado, Voo Ascendente Prof. Diego Pablo 2 Voo Horizontal Sustentação (L) Arrasto (D) Tração (T) L = W T = D Peso (W) 3 Voo Horizontal Alta velocidade Baixa velocidade L Maior

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Vai uma raspadinha aí? Na aula anterior você aprendeu que existem operações de usinagem na indústria mecânica que, pela quantidade de material a ser retirado, têm que ser necessariamente feitas com o auxílio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA TEXTO: CÍRCULO TRIGONOMÉTRICO AUTORES: Mayara Brito (estagiária da BOM) André Brito (estagiário da BOM) ORIENTADOR:

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Vamos agora aprender a colorir um morango. Com esquemas simples você aprenderá a preenchê-lo sem muita dificuldade. Vamos lá! (Mateus Machado) COMO COLORIR UM MORANGO 1. COLORINDO PASSO A PASSO 1) Com

Leia mais

#03 PROJETO MESA DE GRAVAÇÃO PEQUENA

#03 PROJETO MESA DE GRAVAÇÃO PEQUENA A mesa de gravação de matrizes de serigrafia é um equipamento fundamental para quem quer gravar suas próprias telas. Este equipamento existe em diversos modelos, com preços e recursos técnicos. A intenção

Leia mais

é um círculo A tampa A face é um retângulo

é um círculo A tampa A face é um retângulo No cotidiano, estamos cercados de objetos que têm diferentes formas. Por exemplo, uma caixa de papelão: suas faces são retângulos, e a caixa é um paralelepípedo. Outro exemplo: uma lata de óleo tem a forma

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

DESENHO TÉCNICO ( AULA 03)

DESENHO TÉCNICO ( AULA 03) Sólidos Geométricos DESENHO TÉCNICO ( AULA 03) Você já sabe que todos os pontos de uma figura plana localizam-se no mesmo plano. Quando uma figura geométrica tem pontos situados em diferentes planos, temos

Leia mais

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados?

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados? o triângulo é uma das figuras mais importantes da Geometria, e também uma das mais interessantes. Na nossa vida diária, existem bons exemplos de aplicação de triângulos e de suas propriedades. Quer ver

Leia mais

TUTORIAL - COMO SUBMETER ARTIGOS

TUTORIAL - COMO SUBMETER ARTIGOS TUTORIAL - COMO SUBMETER ARTIGOS 9º Encontro Internacional de Formação de Professores e o 10º Fórum Permanente Internacional de Inovação Educacional Para ter acesso ao envio do artigo para o 9º Encontro

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180400 CERCA / MURO FOLHA: SUMÁRIO 1. CERCA COM TELA DE ARAME GALVANIZADO E ESTACAS DE CONCRETO...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...2 1.4 EXECUÇÃO...2 1.5 CONTROLE...2

Leia mais

Madeiras. 5.6.5.9 - Sambladura com espiga engasgada e com espiga simples

Madeiras. 5.6.5.9 - Sambladura com espiga engasgada e com espiga simples Madeiras 5.6.1 - Origem 5.6.2 - Tipos de madeiras 5.6.3 - Instrumentos de trabalho 5.6.4 - Técnicas de transformação 5.6.4.1 - Medir 5.6.4.2 - Traçar 5.6.4.3 - Cortar 5.6.4.4 - Serrar 5.6.4.5 - Desbastar

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO

REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO DAS MODALIDADES ESPORTIVAS INTERCLASSES E INTERESCOLAS REGULAMENTO ESPECÍFICO Segue o Regulamento com os ajustes realizados e informado previamente. Lembrando que todas as crianças

Leia mais

Capítulo 5 VISTAS EM CORTE

Capítulo 5 VISTAS EM CORTE apítulo 5 VISTS EM ORTE Definição Quando a peça a ser desenhada possuir muitos detalhes internos, detalhes invisíveis, as projeções ortogonais terão muitas linhas tracejadas e poderão dificultar a interpretação

Leia mais

www.htgbrasil.com.br atendimento@htgbrasil.com.br

www.htgbrasil.com.br atendimento@htgbrasil.com.br SECCIONADORA HORIZONTAL A TECNOLOGIA QUE TRANSFORMA * Imagem meramente ilustrativa * Imagem meramente ilustrativa Hitech Group do Brasil Ltda. Rua Alfredo Jorge Rueckl, 585 - Serra Alta CEP: 89291-795

Leia mais

CÓDIGO G Torno Fresa. G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E.

CÓDIGO G Torno Fresa. G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E. Proteo Códigos G CÓDIGO G Torno Fresa G00 XYZ... Movimento Rápido Movimento Rápido G01 XYZ...F..E Interpolação Linear Interpolação Linear G02 XYZ...I J K..R..F..E. Interpolação Circular / Helicoidal Sentido

Leia mais

MANUAL EXCALIBUR. As navalhas EXCALIBUR são fabricadas com uma liga de aço inoxidável endurecida com cromo (sem níquel).

MANUAL EXCALIBUR. As navalhas EXCALIBUR são fabricadas com uma liga de aço inoxidável endurecida com cromo (sem níquel). MANUAL EXCALIBUR As navalhas EXCALIBUR são fabricadas com uma liga de aço inoxidável endurecida com cromo (sem níquel). Este aço é resistente à corrosão e altamente resistente ao desgaste e à deformação.

Leia mais

MREditor Editor de Impressos

MREditor Editor de Impressos MEDSYSTEM S/V Departamento de Desenvolvimento MREditor Editor de Impressos Poços de Caldas LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Tela Principal... 7 FIGURA 2 Barra de Ferramentas... 8 FIGURA 3 Botão Novo... 8 FIGURA

Leia mais

3,00m. 3,00m. Dado o layout da planta de um quarto ou qualquer ambiente que vc queira perspectivar... escala do layout: 1:50.

3,00m. 3,00m. Dado o layout da planta de um quarto ou qualquer ambiente que vc queira perspectivar... escala do layout: 1:50. EXPRESSÃO E REPRESENTAÇÃO GRÁICA II - Prof. Carol e Neco Dado o layout da planta de um quarto ou qualquer ambiente que vc queira perspectivar... escala do layout: : método para perspectiva com um ponto

Leia mais

Construções Geométricas

Construções Geométricas Desenho Técnico e CAD Técnico Prof. Luiz Antonio do Nascimento Engenharia Ambiental 2º Semestre Ângulo - é a região plana limitada por duas semirretas de mesma origem. Classificação dos ângulos: Tipos

Leia mais

Montagem e Instalação do Irrigâmetro. O Irrigâmetro é de fácil montagem, mas é. Capítulo. Montagem e Instalação do Evaporímetro

Montagem e Instalação do Irrigâmetro. O Irrigâmetro é de fácil montagem, mas é. Capítulo. Montagem e Instalação do Evaporímetro Capítulo 3 Montagem e Instalação do Irrigâmetro O Irrigâmetro é de fácil montagem, mas é importante seguir as instruções abaixo. Montagem e Instalação do Evaporímetro 1. Para facilitar o acompanhamento

Leia mais

PVClay - Polymer Clay

PVClay - Polymer Clay PVClay - Polymer Clay www.pvclay.com.br Este tutorial foi feito com a autorização de Luciano Paiva do site www.esculpir.com. Este site é muito interessante para quem aprecia a arte de modelar, vale à pena

Leia mais

Movimento Pendular regulável

Movimento Pendular regulável A SERRA DE RECORTES A serra de Recortes (ou Tico-tico) serve para fazer cortes em curva ou rectilíneos numa variedade de materiais: painéis de madeira, tubos de cobre, perfis de alumínio, placas de fibrocimento,

Leia mais

Desenho Técnico e Geometria Descritiva Construções Geométricas. Construções Geométricas

Desenho Técnico e Geometria Descritiva Construções Geométricas. Construções Geométricas Desenho Técnico e Geometria Descritiva Prof. Luiz Antonio do Nascimento Engenharia Ambiental 2º Semestre Bissetriz - é a reta que divide um ângulo qualquer em dois ângulos iguais, partindo do vértice deste

Leia mais

08/09 125-08/00 012816 REV. 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO V E N T I L A D O R. Manual de Instruções

08/09 125-08/00 012816 REV. 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO V E N T I L A D O R. Manual de Instruções 08/09 125-08/00 012816 REV. 0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO V E N T I L A D O R Manual de Instruções SOLUÇÕES DICAS DE DE SOLUÇÕES PROBLEMAS DE PROBLEMAS INTRODUÇÃO PROBLEMA Não liga CAUSAS O aparelho está

Leia mais