Processos e ambientes Conceitos básicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos e ambientes Conceitos básicos"

Transcrição

1 Processos e ambientes Conceitos básicos Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Fevereiro 2014 Especificação Objetivo apresentar os conceitos básicos envolvendo processos e ambientes de engenharia de software Justificativa a terminologia de engenharia de software é muito fluida. Um mesmo termo tem várias acepções dependendo do autor. torna-se necessário estabelecer uma terminologia padrão para este curso 2 1

2 Software O que é Software? não é produto é uma das formas de armazenar conhecimento, em ordem cronológica: 1. DNA 2. Cérebro memes um DNA cultural 3. Ferramentas / artefatos 4. Escrita / livros 5. Software Armour, P.G.; The Laws of Software Process: A New Model for the Production and Management of Software; New York: Taylor & Francis; 2003; Chapter 1: The Nature of Software and the Laws of Software Process 3 Software O que é software? segunda visão é muito mais do que somente código especificação de requisitos para que, o que, como (qualidade) arquitetura design de alto nível de abstração design código scripts de teste scripts de recompilação, integração, controle de versão,... subsistema de manutenção documentação para a equipe de manutenção documentação, auxílio, tutoriais, para o usuário documentação para fins de auditorias material de propaganda... precisa continuamente formar um todo coerente 4 2

3 Sistema intensivo em software Software não é fim em si, é meio para alcançar algo é sempre parte de um sistema maior sempre depende de outros elementos plataforma: hardware, sistema operacional papéis desempenhados por pessoas... possui interfaces através das quais se comunica com outros sistemas elementos com que interfaceia podem ser pessoas sensores atuadores outros sistemas... Foco de interesse Processo da organização 1 Processo da organização 2 Usuário Resultados Controles e dados Outros artefatos Artefato Consequência Interação com outros artefatos Dados persistentes Outras organizações Bases de dados 5 Artefato (work product) Artefato é um resultado de uma atividade Um artefato é tangível e aceito segundo algum critério de qualidade, exemplos: documento revisto e aceito módulo implementado, testado e aceito construto (build) integrado, testado e aceito código fonte, script de teste, script de make (ou ant, maven, hudson), documentado, possui ambiente de manutenção e teste framework documentado, implementado, testado e aceito Artefatos correspondem a algum arquivo possivelmente contido em algum sistema de controle de versão Quando entregue ao usuário (cliente) o artefato é um produto mas se software é conhecimento, pode ser produto? 6 3

4 Artefato Possui qualidade assegurada precisa satisfazer a sua especificação requisitos funcionais requisitos de interface com usuário usualmente esses eram parte de requisitos não funcionais mas usuário e software fazem parte do sistema maior sistemas podem falhar se o usuário falha» o usuário pode falhar por deficiência da interface do usuário» o usuário pode falhar por não saber usar o sistema requisitos não funcionais requisitos inversos outros: contratos, restrições legais, restrições da empresa,... 7 Artefato Possui qualidade assegurada, exemplos critérios de aceitação como será controlada a qualidade para poder aceitar o artefato expectativas do usuário (desejos, anseios) software é desenvolvido para ser usado por alguém ou alguma coisa exemplos de possíveis usuários (interessados stakeholders) usuário pessoa» usuário propriamente dito pessoal de suporte outro sistema ou artefato sistemas controlados por software» ex. grid elétrica, telefonia, máquinas, robôs desenvolvedores mantenedores controladores da qualidade adquiridores (clientes) 8 4

5 Artefato É um conceito recursivo um artefato pode ser composto por outros artefatos próprios do projeto em questão (work product) de outros projetos (insumos) Sistema X Material de divulgação Documentação para usuário Documentação técnica Ambiente de desenvolvimento Código Instalação Requisitos Fontes Executável Manual de uso Arquitetura 9 Perguntas Quantos sistemas, componentes, bibliotecas, módulos, etc. satisfazem essa definição de artefato? Por que sim? Por que não? Existe software infalível? Por que sim? Por que não? 10 5

6 Tarefa Tarefa é uma ação desempenhada por alguma pessoa visando algum desenvolvimento, monitoramento, ação complementar, ou ação pessoal corresponde a trabalho a ser realizado Pode ser: única ex: redigir o código de um determinado módulo ex: produzir diagrama de classes de um componente recorrente ex: preencher folhas de tempo ex: realizar backup complementar ou pessoal vinculada ou não ao projeto ex: estudar, ir ao banco, participar de reunião 11 Tarefa Tarefas não necessariamente produzem resultados controlados, logo: ter concluído uma tarefa não representa uma evidência de progresso no desenvolvimento ter trabalhado 20 horas não implica ter produzido um artefato aceitável, mesmo que se tenha estimado serem necessárias menos de 20 horas para o seu desenvolvimento Tarefas sempre consomem tempo e podem ser recorrentes quebradas em vários períodos 12 6

7 Tarefa Tarefas consomem recursos consumo real, não o que foi planejado considerando todos os recursos esforço tempo de pessoa, homem hora equipamento financeiro ambiente e outros recursos de infra-estrutura energia 13 Atividade Atividade é um conjunto de tarefas que levam a um ou mais artefatos (de qualidade controlada pleonasmo...) a conclusão de uma atividade representa uma evidência de progresso no desenvolvimento os artefatos resultantes existem, possuem a qualidade requerida e podem ser usados o controle da qualidade do resultado num extremo pode ser a mera constatação de que o resultado existe no outro extremo pode envolver técnicas muito avançadas de controle da qualidade, ex. prova da corretude o esforço e o consumo de recursos é medido através das tarefas constituintes 14 7

8 Atividades Atividades são mini-projetos produzem artefatos segundo uma especificação formalmente definida, embora indesejável, algumas vezes informal ou intuitiva (tácita) necessitam de insumos outros artefatos do desenvolvimento ou externos devem seguir métodos, práticas definidas, padrões,... têm início e fim definidos não são recorrentes consomem um volume finito de recursos os artefatos são aceitos segundo critérios de aceitação estabelecidos o controle da qualidade (aceitação) dos artefatos produzidos indica se a atividade foi ou não concluída a contento 15 Composição de atividades Atividades podem conter diversas tarefas: ex: Atividade desenvolver um módulo: faz mesmo parte do desenvolvimento de um módulo? redigir a especificação da interface do módulo (módulo de definição) revisar a especificação da interface redigir os casos de teste (test driven development) revisar os casos de teste redigir o código do módulo de teste redigir o código do módulo de instrumentação redigir os módulos dublê (imitação, enchimento, simulação, fictício) redigir o código do módulo revisar o código do módulo realizar os testes diagnosticar as falhas realizar as ações corretivas integrar o módulo testado com os demais módulos aceitos testar o construto diagnosticar as falhas realizar as ações corretivas registrar o módulo aceito no repositório de artefatos concluídos 16 8

9 Atividades Atividade é um conceito recursivo atividades são realizadas possivelmente por outras atividades e/ou tarefas nós estruturais da árvore WBS (work breakdown structure) desenvolver um sistema inteiro é, em última análise, uma atividade atividades atômicas são realizadas somente por tarefas nós folha da árvore WBS 17 Atividades O conjunto de atividades forma uma estrutura acíclica WBS - work break-down structure (diagrama de Gantt) PERT (program evaluation and review technique) - grafo acíclico estabelecendo as precedências, durações e recursos alocados às atividades Processo Workflow O fragmento de modelo em BPMN (Business Process Modeling Notation) abaixo descreve uma atividade? Wikepedia: 18 9

10 Exemplo de work breakdown structure parcial Desenvolver o componente servidor de objetos persistidos estabelecer o contexto de integração especificar componentes do servidor de objetos persistidos especificar servidor de páginas especificar processador de listas persistentes especificar acesso indexado a elementos de listas desenvolver elementos do servidor de registros desenvolver servidor de páginas desenvolver módulo de acesso a arquivos locais desenvolver módulo de acesso a arquivos remotos desenvolver módulo de acesso a páginas desenvolver processador de listas persistentes desenvolver acesso indexado a elementos de listas aprovar a implementação do servidor de registros Ou seria uma atividade? Arquitetar componente servidor de objetos persistidos 19 Diagrama PERT neste diagrama falta a indicação de tempo necessário estimado e recursos por atividade a Especificar módulo grafo Especificar ambiente b Arquitetar Estabelecer ambiente d Desenvolver vértices Desenvolver precedências Produzir documentação e f Testar vértices Testar precedências Verificar documentação h Controle final i c g 20 10

11 Exemplo de atividade genérica Atividade: Elaborar casos de teste para casos de uso Condição de entrada formulário caso de uso verificado, validado e aprovado Condição de saída cenários, suítes (casos de teste) visando o caso de uso verificados, validados e aprovados Descrição Elaborar cenários e as correspondentes suítes de teste visando o escopo e a iteração ou release (liberação) corrente do caso de uso. Os casos de teste devem ser derivados dos formulários casos de uso e valorados segundo o critério condições de contorno. Papéis envolvidos Gerente de Testes; Testador; Especificador Artefatos de Entrada: Plano de teste, Especificações, Arquitetura, Formulários caso de uso Artefatos de Saída: Cenários, Suítes de teste Tarefas: Faz parte da especificação da atividade, ou faz parte do plano de teste de módulos específicos? Entender a especificação. Entender a arquitetura e as especificações dos casos de uso. Especificar a instrumentação a ser incorporada ao código. Valorar os casos de teste. Gerar os scripts de teste visando a ferramenta de teste automatizado a ser utilizada. Descrever e documentar cenários e suítes de teste. Verificar, validar e aprovar esses artefatos. 21 Exemplo de unidade de processo 22 11

12 Objetivo de processos Processos de software visam organizar o trabalho de modo que o desenvolvimento de software se dê: com prazos e necessidade de recursos definidos e realistas com elevada produtividade, ou melhor, de forma econômica com qualidade assegurada produzindo resultados de valor para clientes e usuários 23 Processos Processos estabelecem sequencias de atividades atividades são especificadas por meio de práticas os insumos necessários para poder iniciar cada atividade os artefatos resultantes de cada atividade as pré e pós-condições de cada atividade critérios de partida qualidade requerida dos insumos os critérios de controle da qualidade dos artefatos resultantes critérios de aceitação 24 12

13 Processo de desenvolvimento de software Software é conhecimento processos adquirem o correspondente conhecimento conhecimento sobre o serviço do software conhecimento sobre a engenharia do software É pouco provável que se consiga adquirir perfeitamente todo o conhecimento necessário antes de prosseguir que não existam conflitos de interesse ou restrições de implementação Logo, o processo de desenvolvimento usualmente requer negociação para mitigar os conflitos conflitos podem ser observados durante o desenvolvimento precisa refazer artefatos em virtude de alterações solicitadas ou impostas em virtude de problemas encontrados retrabalho inútil? útil? ou nenhum dos dois? 25 Processos Processos estabelecem sequências de atividades os instrumentos a serem utilizados para realizar a atividade linguagens de representação diretrizes, padrões, normas ferramentas os papéis a serem desempenhados pelas pessoas que realizarão cada atividade a proficiência necessária para desempenhar cada papel 26 13

14 Estrutura de especificação de processos modelo de processo Meta-processo padrão Tecnologia a ser utilizada Natureza da aplicação adição da tecnologia e das características do ambiente a utilizar Estabelecer ambiente Processo definido Especificação de requisitos Recursos disponíveis adição das características do artefato e dos recursos a utilizar Ambiente de desenvolvimento Plano de desenvolvimento execução segundo o plano Insumos Desenvolvimento disciplinado Artefatos 27 Estrutura de especificação de processos Meta-processos (modelos de processos) são instanciados para classes de projetos gerando o processo definido domínio do problema necessidades específicas dos sistemas (aplicações) a desenvolver domínio da solução seleção da tecnologia de suporte a ser utilizada ambiente (ferramentas, procedimentos) de suporte Processos definidos são instanciados visando o projeto específico esta instanciação é o plano de desenvolvimento pode complementar ou adaptar a tecnologia 28 14

15 Meta-processos (modelos de processos) Meta-processos definem a composição a ser satisfeita pelos processos definidos reduzem o risco de processos definidos estarem incompletos ou inconsistentes conduzem à criação de ativos de processos ativos de processos são elementos de processos que podem ser reutilizados em diversos projetos aumentam a chance de reúso de planos e artefatos 29 Meta-processos (modelos de processos) Existem vários padrões de meta-processos (modelos de processo) dirigidos por planos: CMMI, SW-CMM, MPS.BR SecureSE-CMM, ITService-CMM, Trillium ITIL ISO/IEC (SPICE) TSP - Team Software Process PSP - Personal Software Process Existem vários padrões de meta-processos ágeis: XP - Extreme Programming Existem vários padrões de meta-processos de gestão ágil: Scrum Kanban Lean (enxuto)

16 Meta-processos Meta-processos são particionados em várias áreas de processo (áreas chave de processo). Exemplos gerência de requisitos gerência de configuração verificação e validação... Cada área de processo pode ser entendia como um subprocesso que agrega um conjunto de práticas afins com as metas que caracterizam a área de processo. 31 Processo definido Processo definido estabelece uma organização padrão para planos de projetos em um determinado domínio de problema e de solução papéis responsabilidades ferramentas sub-processos... reduzem o risco do estabelecimento de planos irrealistas ou incompletos reduzem o esforço para produzir planos realistas e completos estabelecem diretrizes e padrões a serem seguidos estabelecem critérios para a medição visando acompanhar a execução de um plano de forma objetiva avaliar a eficácia e eficiência do processo definido 32 16

17 Plano Plano é o resultado da instanciação de um processo definido visando um produto (sistema, componente) específico estabelece como será realizado este desenvolvimento identifica atividades insumos e resultados específicos associa recursos reais às atividades pessoas equipamentos ferramentas tempo, início e fim de cada atividade, dimensão do trabalho financeiros estabelece um cronograma de realização do projeto permite a estimativa do esforço e custo do restante do projeto permite o acompanhamento da execução do projeto 33 Risco básico dos processos Risco: Cargo cult software engineering copiar (macaquear?) sem saber se traz ou não benefícios ou mesmo se faz ou não sentido qual é mesmo o benefício de se utilizar determinado modelo de processo? O que importa em última análise é a competência (proficiência) da equipe e a adequação (harmonia) do ambiente e não a adoção cega de um processo, independentemente de se este foi bem organizado ou não. Organizações incompetentes praticam cargo cult software engineering Cargo cult é a crença de que seguir um determinado ritual asseguradamente trará benefícios materiais é uma forma de imitação sem entender o que está por trás do que está sendo imitado e/ou sem uma devida avaliação crítica McConnell, S.; Cargo Cult Software Engineering ; from the Editor; IEEE Software 17(2); Los Alamitos, CA: IEEE Computer Society; 2000; pags

18 AMBIENTES 35 Objetivo dos ambientes de ES Ambientes de engenharia de software visam aumentar significativamente a produtividade a qualidade assegurada baratear o desenvolvimento acelerar o tempo de desenvolvimento (time to market) Destinam-se ao desenvolvimento sistemático de software de qualidade assegurada Processos definidos têm o mesmo objetivo

19 Processos e ambientes Processos definidos e ambientes são fortemente interdependentes os ambientes estabelecem o domínio de solução utilizado pelo processo quando for introduzida, alterada ou removida uma ferramenta o processo definido precisa ser ajustado ambientes precisam ser estabelecidos para adequadamente apoiar processos definidos estar em conformidade com meta-processos processos definidos são institucionalizados com vistas a domínios de aplicação específicos Institucionalizar: disponibilizar, implantar e tornar de uso corriqueiro por toda a organização Uso corriqueiro: usado sempre, continuando em uso, mesmo em momentos de stress, ex. prazo curto demais 37 EXEMPLOS 38 19

20 Desenvolvimento incremental Caracterização Desenvolve um pouco alguma coisa (construto) que dê para ser utilizada mesmo que somente para fins de avaliação adicionando o mínimo de funcionalidade segundo XP e SCRUM, adicionando a funcionalidade que é considerada mais relevante quando do início do incremento. Controla a qualidade do que existe, registrando todos os problemas identificados falhas erros de especificação riscos potenciais solicitações de novos desenvolvimentos solicitações de evolução Corrige os problemas relevantes do momento Parte para um novo incremento 39 Desenvolvimento incremental Codificação Teste de módulos Projeto (projeto detalhado) Teste de integração Concepção Arquitetura (projeto conceitual) Construto 1 Construto 2 Teste de aceitação Especificação e evolução de requisitos Construto 3 Construto 4 Refatoração, melhorias 40 20

21 Desenvolvimento incremental Benefícios esperados: a redução dos riscos técnico e financeiro uma significativa redução do retrabalho inútil problemas existentes nos artefatos desenvolvidos até o momento são resolvidos antes de se propagarem para artefatos ainda não desenvolvidos problemas podem decorrer de erros de especificação ou design um significativo aumento de produtividade decorrente da redução do retrabalho inútil a disponibilização frequente de versões úteis com funcionalidade crescente asseguram satisfação do usuário visibilidade do desenvolvimento redução do stress ao desenvolver 41 Desenvolvimento + manutenção Repositório de versões Manutenção Solicitações exógenas Desenvolvimento Disponibilização Registros de demandas Teste contínuo Falhas Avaliação ao usar Melhorias, Falhas Novas necessidades Scripts de integração e teste 42 21

22 Passo de desenvolvimento Histórico de alterações Critérios e padrões de controle da qualidade Histórico de alterações Artefatos antecedentes Especificação Criação Alteração Artefato conseqüente Artefato Laudo Controle da qualidade Laudo FAP Gerência da evolução FAP FAP : ficha de acompanhamento de problema Outro artefato FAP Avaliação externa 43 Acompanhamento de pendências (issues) Início aprovada Em solução emergencial não aprovada modelo parcial Aguardando análise protelada falha grave Aguardando solução emergencial dados insuficientes Aguardando informação Em análise autorizada Aguardando solução suspensa Sendo resolvida concluída Aguradando aprovação Aguardando informação dados insuficientes não aprovada recusada Sendo controlada cancelada já resolvida recusada não aceita aprovada Fim aceita Sendo implantada Aguradando implantação Staa, A.v.; Acompanhamento de Projetos; Monografias em Ciência da Computação MCC13/03; Rio de Janeiro; Departamento de Informática; PUC-Rio; 2003; 44 22

23 Acompanhamento de pendências Razões para pendências: erros ao especificar > remover falha observada erros ao desenvolver > remover falha observada mudanças de especificação mudanças de plataforma mudanças no contexto externo desenvolvimento por versões sucessivas desenvolvimento incremental... Pendência (issue) é a designação coletiva para relatórios de falhas, solicitações de melhoria, solicitações de evolução, solicitações de desenvolvimento original. 45 Controle de versão simples Criação Registro de artefatos Artefatos simples Artefato não controlado Item de configuração Repositório de versões Registrar artefato Armazenar artefato Check-in Trabalho concluído Aceito Tipo artefato Criar artefato Não aceito Controlar artefato Área trabalho Item de configuração Artefato não controlado Check-out Item de configuração Alterar artefato Editar artefato Alteração autorizada 46 23

24 Trabalho em equipe Repositório local GIT Repositório de integração Criar Manter Área trabalho OK Sincronizar Check-in Registros de demandas Repositório local mutuamente exclusivo Não OK OK Revisão final Criar Manter Área trabalho OK Integrar Área integração Repositório local OK Notificar Testar integração Criar Manter Área trabalho equipe ou ferramenta 47 Aceitação de liberação (release) Repositório de integração Sincronizar Repositório de homologação Gerar distribuição Sincronizar OK Registros de demandas Não OK Área homologação Cópia de distribuição ferramentas Testar aceitação Usuário / Product Owner 48 24

25 Perguntas? 49 25

O que é um processo de software?

O que é um processo de software? O que é um processo de software? Um conjunto de atividades realizadas por pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou evolução de software e sua documentação. Atividades genéricas em todos os processos:

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Gerência de Configuração Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Introdução Mudanças durante o desenvolvimento de software são inevitáveis: os interesses

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Agência Nacional de Vigilância Sanitária METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GGTIN GESIS Brasília, julho de 2006. Página: 1 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/06/2006 1.0.00 Criação

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software: Metodologias e Contextualização. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br

Engenharia de Software: Metodologias e Contextualização. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Engenharia de Software: Metodologias e Contextualização Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Conceitos iniciais Informática: Ciência que tem como objetivo o tratamento da

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Índice 1. Processos Organizacionais... 7 1.1. A gestão da demanda... 7 1.2. e Responsabilidades... 7

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste

MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste Agosto - 2005 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO...3 2 APLICAÇÃO...3 3 ESTRUTURA DO ROTEIRO...3 4 DESCRIÇÃO DO ROTEIRO...4 4.1 PLANEJAR

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

EXIN Agile Scrum Fundamentos

EXIN Agile Scrum Fundamentos Exame Simulado EXIN Agile Scrum Fundamentos Edição Fevereiro 2015 Copyright 2015 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Sumário 1. DIRETRIZES PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APLICATIVOS...172 1.1. INTRODUÇÃO...172

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

RESUMO PARA O EXAME PSM I

RESUMO PARA O EXAME PSM I RESUMO PARA O EXAME PSM I Escrito por: Larah Vidotti Blog técnico: Linkedin: http://br.linkedin.com/in/larahvidotti MSN: larah_bit@hotmail.com Referências:... 2 O Scrum... 2 Papéis... 3 Product Owner (PO)...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

6 Infraestrutura de Trabalho

6 Infraestrutura de Trabalho 6 Infraestrutura de Trabalho Este capítulo tem como objetivo fornecer uma visão geral do ambiente de trabalho encontrado na organização estudada, bem como confrontá-lo com a organização ideal tal como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr.

Processo de Desenvolvimento de Software Scrum. Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Processo de Desenvolvimento de Software Scrum Manifesto da Agilidade Quatro princípios Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software funcionando mais que documentação compreensiva Colaboração

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software

INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software Arndt von Staa arndt at inf.puc-rio.br Departamento de Informática 2014/1 site: www.inf.puc-rio.br/~inf2135 Objetivo Capacitar os alunos a avaliar,

Leia mais

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum

Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Análise comparativa entre a engenharia de requisitos e o método de desenvolvimento ágil: Scrum Patrícia Bastos Girardi, Sulimar Prado, Andreia Sampaio Resumo Este trabalho tem como objetivo prover uma

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processo de Software Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Revisando Engenharia de Software Engenharia de Sistemas Processo de software Fases Genéricas de Modelos de

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Engenharia de Requisitos de Software. Visão Geral

Engenharia de Requisitos de Software. Visão Geral de Software Visão Geral João Sousa Apoio: Desenvolvimento de Sw - Como estamos? Segundo o Standish Group (CHAOS Report 2004): 34% dos projetos com sucesso. 15% dos projetos cancelados antes de completados.

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br

SCRUM. Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br SCRUM Fabrício Sousa fabbricio7@yahoo.com.br Introdução 2 2001 Encontro onde profissionais e acadêmicos da área de desenvolvimento de software de mostraram seu descontentamento com a maneira com que os

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Gerência de Configuração de Software Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Introdução O que é GCS? Terminologia Agenda Modelos, Padrões e Normas Processo de GCS Padrão IEEE

Leia mais

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org

Engenharia de Software I. Aula 15: Metodologias Ágeis. Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Engenharia de Software I Aula 15: Metodologias Ágeis Prof. Márcio D. Puntel marcio@puntel.org Março - 2008 Antes... Manifesto Mudança de contratos Foco nas premissas... 2 Algumas metodologias Extreme Programming

Leia mais

ÀREA DE DESENVOLVIMENTO

ÀREA DE DESENVOLVIMENTO ÀREA DE DESENVOLVIMENTO Sumário O que é o Cardio? O que é o Telos? Ambiente de Desenvolvimento Ambiente Visual Studio Team System Projeto de Refatoração O que é Cardio? Tamanho atual do aplicativo: ü Arquivos.cs

Leia mais

Introdução Engenharia de Software

Introdução Engenharia de Software Introdução Engenharia de Software Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 EMENTA Parte 1 Conceitos de Engenharia de Software. Processo de desenvolvimento

Leia mais

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton Tecnologia da Informação para EPPGG 2013 Victor Dalton Edital TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: 1. Noções sobre processo de desenvolvimento de software: modelos organizacionais, stakeholders, modelagem de negócio,

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Modelos de Ciclo de Vida e Processos de Software AULA 2

ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Modelos de Ciclo de Vida e Processos de Software AULA 2 ENGENHARIA DE SOFTWARE II Modelos de Ciclo de Vida e Processos de Software AULA 2 Sumário Motivação Conceitos de Processo de Desenvolvimento de Software Atividades que compõem os processos de desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF

Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação UFJF 1. Identificação de um problema a ser implementado 2. Análise

Leia mais

4ª Parte Processo de Teste

4ª Parte Processo de Teste 4ª Parte Processo de Teste Atividades de preparação Ø Planejamento: define itens a testar, aspectos gerenciais e recursos necessários; para a execução da bateria de testes. Ø Desenho: completa as especificações

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Sandro Bezerra (srbo@ufpa.br) Adaptado a partir de slides produzidos pelo Prof. Dr. Alexandre Vasconcelos 1/27 Processo Ação regular e contínua (ou sucessão de ações) realizada

Leia mais

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum

FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Projeto de Dissertação de Mestrado FireScrum: Ferramenta de apoio à gestão de projetos utilizando Scrum Eric de Oliveira

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO. Bruno Edgar Fuhr 1 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SCRUM: ESTUDO DE REVISÃO Bruno Edgar Fuhr 1 Resumo: O atual mercado de sistemas informatizados exige das empresas de desenvolvimento, um produto que tenha ao mesmo

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 01 Processo de Desenvolvimento de Software Edirlei Soares de Lima Processo de Software O processo de software consiste em um conjunto estruturado

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades

Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Objetivos da Aula 1 Após completar este módulo você deverá ter absorvido o seguinte conhecimento: Uma ampla visão do framework Scrum e suas peculiaridades Entendimento sobre os processos essenciais do

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Empresa de Informática Infinity LTDA. Gerenciamento de Configuração. Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares

Empresa de Informática Infinity LTDA. Gerenciamento de Configuração. Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares Empresa de Informática Infinity LTDA Gerenciamento de Configuração Sistema de Gerenciamento de Plano Corporativo de Celulares 22/05/2012 Índice Analítico 1. Introdução 1.1 Finalidade 1.2 Escopo 1.3 Definições,

Leia mais

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado RICARDO DE ALMEIDA FALBO Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória ES falbo@inf.ufes.br Abstract

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Modernização e Evolução do Acervo de Software Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Tópicos 1. Estudo Amplo sobre Modernização 2. Visão IBM Enterprise Modernization 3. Discussão - Aplicação

Leia mais

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO

um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO um framework para desenvolver produtos complexos em ambientes complexos Rafael Sabbagh, CSM, CSP Marcos Garrido, CSPO Um pouco de história... Década de 50: a gestão de projetos é reconhecida como disciplina,

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008 O Processo de Desenvolvimento Telescope Julho/2008 Página 1 Sumário Introdução...3 O desenvolvimento de software tradicional...3 O problema da produtividade...3 O problema da portabilidade...6 O problema

Leia mais

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 9000-3 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais