PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE Jribunal de Justiça - Segunda Câmara Cível

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE Jribunal de Justiça - Segunda Câmara Cível"

Transcrição

1 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Jribuna de Justiça - egunda Câmara Cíve Agrav de Instrument n Órgã Reatr Agravante Agravante Agravante Agravad Advgad Advgad Prmtr de Justiça Prmtra de Justiça egunda Câmara Cíve Dês. ame Evangeista Ympactus Cmercia Ltda - Me (Teexree Inc) Cars Rbert Csta Cars Natanie Wanzeer Ministéri Púbic d Estad d Acre Hrst Vimar Fuchs Aexandre Teixeira Rdrigues Marc Auréi Ribeir Nice Gnzaez Cmb Arndi a õ '8 0) p Q CO,~ JU A Ympactus Cmercia Ltda - Me (Teexree Inc), Cars Rbert Csta, Cars Natanie Wanzeer interpõem Agrav de Instrument cntra Ministéri Púbic d Estad d Acre, pretendend rermar Decisã d Juíz da 2a Vara Cíve da Cmarca de Ri Branc, prerida ns auts da Açã Cautear Inminada n O Agrav de Instrument cm pedid para que seja atribuíd eeit suspensiv busca rermar a citada Decisã. Eis que nea assentad: "18) Tda a expanaçã acima eva à cncusã de que há um interesse cetiv a ser resguardad, pis à medida que a rede cresce, aumentam as perspectivas de prejuíz inanceir de um númer a princípi incntáve de pessas, de nde também decrre perig de que, em nã havend prnta intervençã judicia, haja pereciment d direit que se visa resguardar. Estã presentes, prtant, s requisits d arí. 798 d CPC, necessáris a deeriment de medidas acauteatórias. (O t O 0

2 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna de Justiça - egunda Câmara Cve pedids rmuads pe requerente: 19) Passa-se, entã, à apreciaçã ds 20) a) Que seja determinada a suspensã das atividades da empresa requerida, até jugament ina da açã principa u, aternativamente, que seja determinada a intervençã judicia na mesma, pe praz de dze meses, nmeand-se interventr cm pens pderes de gestã. A princípi, nã vej razões para determinar a paraisaçã indiscriminada das atividades da empresa, tampuc para se nmear interventr, vez que perig está n cresciment da rede, que pde ser evitad cm medida mens drástica, que permita à primeira requerida manter utras atividades, acas as exerça, que nesta ase prcessua ainda é 2 descnhecid pe juíz. $ Deve prevaecer neste mment princípi da manutençã da empresa, veand-se pr sua unçã scia, de md que a decisã deve aeta-a mínim pssíve, mas na medida necessária a acautear direit que será bjet da açã principa. end assim, indeir s pedids de que seja determinada a suspensã das atividades da primeira & requerida e de intervençã judicia sbre a mesma. 21) b) que sejam vedads nvs cadastrs Í5 de divugadres bem cm se impeça a empresa requerida de eetuar pagaments as divugadres já cadastrads, até jugament ina da açã principa, sb pena de muta diária de ;! R$ ,00 (quinhents mi reais) Os undaments exarads na presente decisã cncuíram pea rte presença de indícis n sentid de 15 que as atividades da primeira requerida caracterizam-se cm T3C "pirâmide inanceira", prática vedada pe rdenament jurídic, O U w H

3 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tnbunai_de(Justiça. -_egunda Câmara Cíve Tem-se ntícias na sciedade rique incusive a tipiica cm cnduta criminsa. 8 Prtant, há urgência em paraisar-se «j cresciment da rede, cm rma de evitar-se seu esgtament e t cnsequentes prejuízs que pderá causar a um sem númer de pessas. Para tant, urge impedir-se nvs cadastraments. branquense que muitas pessas integraram a rede e btiveram 0 retrn inanceir muit aém d investiment e muit acima da média d mercad inanceir. Pr utr ad, pr cert também há aquees que ingressaram na rede há puc temp e nã tiveram prtunidade de recuperar seu investiment, trnand-se necessári, em pr destas útimas, impedir-se a redistribuiçã de recurss, cm rma de viabiizar eventua ressarciment às mesmas, n mment prtun. Em se cnirmand a tese de que a ca atividade da primeira requerida cnigura a "pirâmide inanceira", resutad será a nuidade de tds s cntrats irmads cm s divugadres e restituiçã ds vares pags as que nã btiveram retrn suiciente a ressarciment d investiment. : Para an, é imprescindíve a existência de recurss dispníveis, 5 s quais deverã ser direcinads as que amargarem prejuízs, em detriment, se necessáris, daquees que já ucraram cm negóci aparentemente iícit. Na hipótese inversa, cnstatand-se que a \ Q. c M í i & I i.c jurídic pátri, retmam-se s cadastraments e a distribuiçã de cmissões e bniicações. ; > Cm dit, a medida é acauteatória e tem %,2 pr im assegurar resutad prátic da açã principa a ser % Q) prpsta. Necessita ser apicada em caráter imediat, inaudita atera pars, pis temp prpicia cresciment da rede, ptenciaizand s prejuízs.

4 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna de Justiça - egunda Câmara Cíve O própri requerid inrmu ns auts que tem aienad cerca de um mihã de cntas VOIP pr mês (acredita-se que em grande parte as própris divugadres). Mencina que em períd de três meses recheu mais de R$ ,00 em impst de renda reativs as repasses as divugadres. Aega que, em nze dias, distribuiu mais de R$ ,00 as divugadres. Os númers mstram a prprçã e. acance d negóci. e em trinta dias sã vendidas cerca de um $ 'w mihã de cntas VOIP, pde-se dizer que, pr dia, sã reaizads cerca de seiscents nvs cadastrs ADCentra Famiy, tds cm risc de nã recuperar investiment. ;, Destarte, deir s supracitads pedids, determinand à primeira requerida que se abstenha, até uterir deiberaçã, de admitir nvas adesões à rede, seja na cndiçã de "partner" u de "divugadr", abstend-se, para tant, de receber s dits Funds de Cauçã Retmáveis e $ Custs de Reserva de Psiçã e de vender kits de cntas VOIP 99TeIexree (ADCentra u ADCentra Famiy), sb pena de pagament de R$ ,00 (cem mi reais) pr cada nv cadastrament u recadastrament. Determin, também, que a primeira requerida se abstenha de pagar cmissões, s Q. bniicações e quaisquer utras vantagens as "partner s" e Ê divugadres, também sb pena de incidência da muta acima estipuada, pr cada pagament indevid.. 22) c) que seja determinada a suspensã d g "(5 registr de dmíni (síti eetrônic) www. teexree. cm, u, ;, aternativamente, que mesma seja trnad indispníve (ra d -? ar) até jugament ina da açã, sb pena de muta diária de R$ ,00 (dis mihões de reais).! M g 8 M e ã è s ti i 5> CD Cnsider que simpesmente tirar d ar a página que a primeira requerida mantém na internet pde ' -0)

5 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE 5 Tri_buna_de_Justiça_- egunda Câmara Cíve inviabiizar s mihões de divugadres de ter acess a inrmações sbre que mtivu a medida e sbre seus eventuais crédits perante a mesma. Prtant, reput mais adequad, em ugar dist, e cm rma de viabiizar cumpriment da decisã prerida n item acima, determinar à primeira requerida que mdiique seu sistema, de md a nã permitir nvs cadastrs através ds "back ices", sb pena de muta diária de R$500.QOO,QO (quinhents mi reais). Aém diss, deverá a primeira requerida dispnibiizar na página n praz de dis dias, um "pp-up", que deverá aparecer na tea assim que acinada a página, cm seguinte text: "Pr rca de decisã judicia prerida a; g en? 13 de junh de 2013, pea Juíza de Direit Thais Queirz 2 B. de Oiveira Abu Khai, ns auts de Açã Cautear 3 Preparatória n G , ajuizada pe Ministéri Púbic d Estad d Acre, em trâmite na 2a Vara Cíve da Cmarca de Ri Branc-AC, estã pribidas nvas adesões à rede Teexree, na cndiçã de partner u divugadr; estã vedads s recebiments, pea Teexree, de Funds de Cauçã Retrnáveis e Custs de Reserva de Psiçã; estã pribidas as vendas de kits de cntas VOIP 99Teexree nas mdaidades ADCentra e ADCentra Famiy; estã pribids s pagaments, as partners e divugadres, % de cmissões, bniicações e quaisquer vantagens riundas,c da rede Teexree (decrrentes de vendas de cntas VOIP 99, Teexree, de nvs cadastraments, de pstagens de % 2 anúncis, de rmaçã de bináris direts u indirets, de t ryaties, de Team Buider, dentre utras prventura devidas); que descumpriment a quaquer das determinações acima enseja pagament de muta de Í à ; UJ i b Q. g Q)

6 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE jrribuname Justiça - egujtdcâmara Cíve R$ ,00 (cem mi reais) pr cada nv cadastrament 8 u recadastrament e pr cada pagament indevid." * A medida ra determinada terá cndã de t evar a cnheciment de tds s divugadres e pretenss & divugadres da primeira requerida a existência da presente açã e cnteúd da presente decisã. Para cas de descumpríment, 8 Q) determin a incidência de muta diária de R$ ,00 J.g (quinhents mi reais). 23) d) que seja descnsiderada iminarmente a persnaidade jurídica da empresa Ympactus Cmercia Ltda., a im de respnsabiizar subsidiariamente seus sócis dirigentes; Já i citad que a reaçã de cnsum entre a primeira requerida e seus divugadres e "partners" existe, prém em pan secundári, que aastaria a pssibiidade de apicaçã ds requisits mais aargads para descnsideraçã da persnaidade jurídica (teria menr da descnsideraçã da persnaidade jurídica), especiamente nesta ase prcessua, em decisã prerida inaudita atera pars. O peit deve ser apreciad, entã, sb enque da egisaçã cíve rdinária, que também admite a descnsideraçã da persnaidade jurídica, para que s eeits de certas brigações sejam estendids as bens particuares ds administradres u sócis da pessa jurídica, "em cas de abus de persnaidade, caracterizad pe desvi de inaidade, u pea -8 cnusã patrimnia" (art. 50, CC). O dcument de p. 11 mstra que a ; requerida Ympactus Cmercia Ltda. é uma micrempresa, cm % sede em Vitória E, cuja atividade ecnómica principa é t Q) "intermediaçã e agenciament de serviçs e negócis em gera, 15 excet imbiiáris" e as atividades secundárias sã "prtarias, c prvedres de cnteúd e utrs serviçs de inrmaçã na 8 w à t UJ & Q. "6 E g i

7 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna de Justiça egunda câmara Cíve 0) internet". Entretant, que se percebe de sua atividade prática sã rtes indícis de prática iícita e quiçá criminsa, apta a atingir negativamente a mihares de pessas, nã apenas n Estad d Acre, mas em td Brasi e também em utrs países nde já há participantes da rede que cnstruiu (vide depiment de hawke Lira andra), aparentemente sb a rma de marketing mutiníve, mas em verdade cm rtes características de "pirâmide inanceira". & '55 Td cntext sinaiza desvi de 1 inaidade, que cnigura abus da persnaidade jurídica, i justiicand a descnsideraçã da mesma, cnrme permite > art. 50 d Códig Civi, sem impr cm cndiçã a cmprvaçã da insvência da pessa jurídica. s; A/ cas em exame nã se sabe se haverá $ dever de indenizar e se a primeira requerida teria suprte inanceir necessári a custear eventuais reparações. N entant, há pausibiidade na tese d Ministéri Púbic, n sentid de que a mesma cnstruiu uma "pirâmide inanceira", at que, uma vez cmprvad, redundará em brigações ressarcitórias, nã send pssíve estimar em qua mntante, mas, a jugar pe grande númer de cadastrs apenas n Estad d Acre (cerca de setenta mi) e pes númers apntads na maniestaçã da primeira requerida, certamente acançará grandes ciras, cm rtes prbabiidades de nã pderem ser custeadas pea pessa jurídica em questã. Prtant, estã presentes umus bni /uris ;, e pericuum in mra, este útim caracterizad pea necessidade -ã de nã bstacuarizar a integra reparaçã ds dans causads, 't resguardand-se de prnt numerári suiciente a ressarciment \ t- w < e Q> â t í UJ i í.c quant a este tópic, interesse cetiv.

8 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE TribunajteJustiça - egunda_câmara Cíve A descnsideraçã da persnaidade 8 jurídica, nesta ase prcessua, representa garantia a direit «cetiv, que pderia icar descbert na hipótese de insvência da pessa jurídica. Vejam-se a respeit as ições de Cristian Chaves cie Farias e Nesn Rsenvad: "Nã é requisit para a btençã da descnsideraçã a cmprvaçã da insvência da pessa jurídica. Em utras paavras, a apicaçã d disregard thery 'prescinde da demnstraçã de insvência da pessa $ 55 jurídica', cm recnheceu Enunciad 281 da % M Jrnada de Direit Civi. É que a descnsideraçã pde ser utiizada cm inaidade preventiva, cm., mecanism de evitar uturas raudes, e nã apenas cm mei de recmpsiçã de dans já causads. Nã se pde exigir, pis, a prva da eetiva insvência."1 Pr utr ad, btempera-se que a descnsideraçã da persnaidade jurídica nã deve atingir indistintamente a tds s sócis, devend-se preservar aquees e : que, pr nã integrarem a administraçã empresaria, nã têm pderes acerca da cnduçã ds negócis. A respeit já i í editad Enunciad na Jrnada de Direit Civi: "Enunciad 7: só se apica a descnsideraçã da persnaidade jurídica quand huver a prática de at irreguar e, imitadamente, as administradres sócis que nea hajam incrrids." u Neste cenári, acata-se iminarmente peit de descnsideraçã da persnaidade jurídica de Ympacts Cmercia Ltda. para que a presente decisã acance, também, as seus sócis administradres, indicads n cntrat scia_de_pp._ 644/648,_quais 1 Farias, Cristian Chaves. Rsenvad, Nesn. Direit Civi, Teria Gera, 8a ediçã, 2a tiragem, Ri de Janeir, Editra Lumen Júris, 2010, pp. 386/387. g e 0) J Z Z k <ç â %

9 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna de Justiça egunda Câmara Jíye Cars Rbert Csta e Cars Natanie Wanzeer. 24) e) que seja rdenada a indispnibiidade ds bens móveis e patrimóni íquid da empresa, bem cm ds sócis administradres, a im de que na iquidaçã de sentença, se adequad r, seja eit ratei ds mesms, cnrme s investiments, indicand bens reacinads na petiçã inicia; ) que seja rdenad a Banc Centra bquei das cntas bancárias existentes, bem cm as apicações inanceiras, vares e bens depsitads u custdiads em nme de tds s requerids, a im de que na iquidaçã da sentença, se adequad r, seja eit ratei das mesmas, cnrme s investiments, sb pena, incusive, de utras iminares, pr utrs juízs, serem cncedidas e inviabiizar as indenizaçôes; <0 h) que seja rdenada a expediçã de ícis as Cartóris de Registr de Imóveis e as Cartóris de Títus e Dcuments de tdas as cidades d Estad d Espírit ant, para que se abstenham de transerir u eetuar quaquer transaçã reerente as bens da empresa, ds sócis, cônjuges e administradres, impedind-se também transcrições, inscrições ti u averbações de dcuments púbics u particuares, i % arquivament de ais u cntrats que imprtem em * transerência de qutas sciais, ações, u partes beneiciárias, reaizaçã u registr de perações e títus de quaquer natureza e prcessament da transerência da prpriedade; -g i) que seja dad cnheciment à Junta.c Cmercia d Estad d Espírit ant acerca da indispnibiidade ds bens da requerida, de seus sócis e -8,<D cônjuges, determinand que se abstenha de prceder a registr de empresa em nme da ré e de seus sócis e cônjuges, bem cm de prceder a transerência de quaisquer empresas u "D cas em nme ds reerids; $ 5 s í e Q)

10 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna de Justiça - egunda Câmara Cíve Os quatr pedids acima transcrits visam, 8 em síntese, a decretaçã de indispnibiiidade ds bens da * T- pessa jurídica e de seus sócis administradres, A própria C"> jurisprudência deine a medida: "MEDIDA CAUTELAR. INDIPONIBILIDADE DE BEN. A indispnibiiidade de bens é medida cautetar <3 e para garantir resutad úti de eventua açã de regress prpsta pea apeada. E, pr ser medida.c cautear, seu deeriment sujeita-se as requisits d umus bni iuris e d pericuum in mra. Apeaçã cíve desprvida. (Apeaçã Cíve N , étima Câmara Cíve, Tribuna de Justiça d R, Reatr:, Jrge Luís Da'Agn, Jugad em 29/05/2013)."» Tda a argumentaçã ançada para undamentar deeriment d pedid de descnsideraçã da $ persnaidade jurídica pde ser reprisada neste tópic, vist sua pertinência para subsidiar a tese da necessidade de retirar-se da s «t pessa jurídica requerida e de seus sócis administradres à pder de dispnibiidade sbre seus bens e vares, cm rma % de evitar prejuíz a direit cetiv que advier na hipótese de 5 ti recnheciment eetiv da prática de "pirâmide inanceira". A ideia é que, paraisad cresciment da vi * rede através da abstençã de nvs cadastraments, td recurs a princípi vtad a custear as cmissões e beneícis devids as divugadres de um md gera sejam smads a -8 patrimóni da pessa jurídica e de seus sócis administradres,.c cm rma de resguardar ressarciment daquees divugadres que vierem a srer dans decrrentes da -g.co participaçã n negóci iícit, pis s númers nticiads na % -Q) inicia quant à participaçã n esquema sã aarmantes, i gerand a ideia de que s prejuízs pdem acançar ciras signiicativas, justiicand td esrç inanceir ds c wc UK Q> & 'w w pj e t

11 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE e JustiçaL: egunda CâmaraLQiye respnsáveis para eetiva reparaçã. Prtant, veriicand mais uma vez a presença ds requisits egais necessáris à cncessã da medida acauteatória peiteada (umus bni iuris e pericuum in mra), determin a indispnibiidade de tds s bens móveis, imóveis e vares existentes em cntas bancárias e apicações inanceiras de prpriedade da primeira requerida e de seus sócis administradres (Cars Rbert Csta e Cars Natanie Wanzeer), estendend a decisã, quant as imóveis destes útims, também as seus respectivs cônjuges. Para viabiizar cumpriment da presente decisã, determin a expediçã de ícis a tds s Cartóris de Registr de Imóveis de Vitória e Via Veha E (sede da empresa e dmicíi ds sócis administradres), rdenand a antaçã de indispnibiidade à margem das matrícuas de tds s imóveis de prpriedade da Ympactus Cmercia Ltda., Cars Rbert Csta, Cars Natanie Wanzeer e respectivs cônjuges. p : Oiciem-se, ainda, a tds s Cartóris de Títus e Dcuments de Vitória e Via Veha E, i rdenand que se abstenham de registrar quaisquer ais que imprtem em transerência de qutas sciais, ações, u partes beneiciárias, reaizaçã u registr de perações e \s.ç Cmercia Ltda., Cars Rbert Csta e Cars Natanie 3 Wanzeer. Determin, também, a antaçã de % restriçã de transerência, via RENAJUD, quant a tds s XI) veícus de prpriedade da Ympactus Cmercia Ltda., Cars Rbert Csta e Cars Natanie Wanzeer. Determin bquei de vares ç> C.5).L UJ CD i H (O s UJ Vt g

12 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna dçt Justiça_-egunda Câmara.Cíve Q existentes em cntas bancárias e apicações inanceiras mantidas pr Ympactus Cmercia Lida., Cars Rbert Csta e Cars Natanie Wanzeer, através da expediçã de íci a Banc Centra d Brasi. N~ Determin, pr im, que seja dad 8 cnheciment à Junta Cmercia d Estad d Espírit ant 'í e acerca da indispnibiidade ds bens da requerida e de seus > sócis administradres, determinand que se abstenha de.c prceder a transerência de quaisquer empresas u ctas em * ' nme ds reerids. Cnsiderand que a decisã impõe a % indispnibiidade ds bens e nã bsta a aquisiçã de patrimóni (embra praticamente a inviabiize pr via de cnsequência)» nã há razões para se determinar à Junta Cmercia que nã registre nvas empresas em nme da primeira requerida e de seus sócis administradres, razã j p pea qua indeir ta peit. O pedid rmuad n item "h" resta prejudicad pea expediçã de ícis as Cartóris de! Registr de Imóveis ds Municípis da sede da empresa e dmicíi ds sócis administradres, pis registr da i s indispnibiidade ds bens é suiciente a cibir a % transerência da prpriedade. 25) g) que seja rdenad à Receita Federa que encaminhe cópias das cinc útimas decarações de bens -ã erecidas pea empresa requerida e pr seus sócis administradres, e que sejam iciadas à Junta Cmercia d Espírit ant, a Departament de Trânsit d Espírit ant, as Cartóris de Registr de Imóve e Títus e Dcuments da Capita e ds Municípis d Estad d Espírit ant, para inrmarem a existência de bens em nme ds requerids e respectivs cônjuges. â i UJ <D

13 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE JribunajJe Justiça igun_da Câmara_C ye_ Deir a primeira parte d pedid, P determinand que seja cnsutada a inrmaçã acerca das * cinc útimas decarações de impst de renda de Ympactus CO Cmercia Ltda., Cars Rbert Csta e Cars Natanie é Wanzeer, via INFOJUD, cm rma de trazer a % cnheciment d juíz inrmações acerca ds rendiments e patrimónis ds mesms. Indeir s peits reerentes à sicitaçã de inrmações acerca da existência de bens à Junta Cmercia d Espírit ant, a Departament de Trânsit d Espírit ant e as Cartóris de Registr de Imóveis e Títus e Dcuments d mesm Estad, vez que tais prvidências pdem ser adtadas pea parte requerente, sem necessidade de intermediaçã d juíz. & 2 26) j) que seja determinad à empresa requerida a apresentaçã em juíz, n praz de dez dias, ds e 3 dcuments que reacina, sb pena de muta diária de e> R$ ,00 (quinhents mi reais). Os dcuments sicitads estã : reacinads ns itens 1 a 6 d item "j", da petiçã inicia (pp. 545/546), s quais deverã ser apresentads pes i requerids n praz da cntestaçã, ns mdes ds arts e seguintes d CPC. Ê 27) Citem-se s réus para ciência da 5 presente açã cautear preparatória e apresentaçã de deesa n.c praz ega, sb pena das cminações egais e /n/mem-se-s ds terms da presente decisã, atentand-se para s endereçs ;, indicads na petiçã inicia e também n dcument de p % 5 28) Vind as auts inrmações sigisas, ante-se n AJ trâmite em segred de justiça". Tratand d acance territria s agravantes aegam que " bquei das cntas em instituições inanceiras, incuind T-. CO

14 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna de Justiça - egunda Câmara Cíve bancárias, transrma a decisã prerida pe Pder Judiciári d Estad d 8 Acre em decisã de acance em td territóri nacina, extrapand, assim, a «egitimidade ativa d Ministéri Púbic Estadua e a cmpetência territria d n Pder Judiciári estaduar. & Reerind-se a questões prejudiciais, dizem que "a determinar nã pagament está Pder Judiciári, de rma direta, $ decretand 'cate' institucinaizad, exatamente que pretende evitar cm a 2 medida; u seja, a própria decisã prvcará que se quer evitar". N pnt reerente à descnsideraçã da "w persnaidade jurídica da primeira agravante, asseguram a inexistência da umaça d bm direit e d perig da demra. Aiançam, pr utr ad, a inexistência de indícis de desvi da atividade e apntam a inexistência de estuds que demnstrem a insustentabiidade da primeira agravante. Pr im, azem uma anáise tópica da Decisã agravada e rebatem s seus undaments, principamente a imputaçã de prática de pirâmide inanceira. Fazem impugnaçã as pedids eits pe agravad, asseverand que s undaments da Decisã estã estã em «j dissnância cm a reaidade. Airmam que a vedaçã de nvs cadastrs impica n im da primeira agravante. Dizem que nã icu cmprvada a iicitude da atividade desta, pe que deve ser revgada a Decisã de descnsideraçã da sua persnaidade jurídica, as medidas de reex, bem cm a indispnibiidade de bens, bquei de cntas e apresentaçã sntaçã de dcuments. Pstuam sejam atribuíds eeits devutiv e suspensiv u ativ. N mérit, prviment d Agrav de Instrument para revgar a Decisã agravada. Aternativamente, pretendem que s eeits da -g. Decisã sejam "restrits excusivamente à cmpetência em reaçã a territóri, ist é, a Estad d Acre, e neste sentid, que s bens tmem-se nvamente ;, dispníveis e, principamente, que seja eetuad desbquei das cntas -ã bancárias, expedind-se íci a Banc Centra d Brasi, já que a medida Q) iminarmente cncedida extrapa s eeits territriais d Estad d Acre e tem \ tu J s à s C/í à 5 t -T3C Após a interpsiçã d Recurs a primeira %

15 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE TribunaUeJustiçaegunda Câmara Cíve agravante pstuu a juntada de cópias de "cndições gerais d segur garantia da Mapre egurs e respectiv cntrat'. «T- Reatei. Dispõe artig 527, incis 111, d Códig de Prcess Civi, que Reatr "pderá atribuir eeit suspensiv a recurs (art. 558), u deerir, em antecipaçã de tutea, tta u parciamente, a pretensã < recursa, cmunicand a juiz a sua decisã". Tratand especiicamente d eeit suspensiv a cabeça d artig 558, d Códig de Prcess Civi, dispõe: "O reatr pderá, a requeriment d agravante, ns cass de & '«prisã civi, adjudicaçã, remiçã de bens, evantament de dinheir sem cauçã idónea e em utrs cass ds quais pssa resutar esã grave e de diíci reparaçã, send reevante a undamentaçã, suspender cumpriment da decisã até prnunciament deinitiv da turma u câmara" (griei). Na undamentaçã d pedid para cnerir < eeit suspensiv s agravantes assentaram: 3 "Finamente, requer-se seja presente recurs de Agrav de Instrument recebid n seu eeit devutiv e suspensiv em decrrência ds dans que a medida prvcará bem cm pr sua absuta irreversibiidade, uma vez * que impediment de venda de cntas VP (cadastrament de nvas cntas VP), send esta a atividade principa da primeira requerida, seria mesm que desejar que uma cmpanhia teeónica prsseguisse subsistind nrmamente send impedida de vender pans de teenia, e prestar serviçs e impedida de receber seus crédits. Em utras paavras, evadas a cab as medidas iminares deeridas, especiicamente, as descritas n, item 21, ist é, reativ a pedid aínea "b". Atamente desastrs é a determinaçã de bquei das cntas bancárias e investiments, pis impede que a sciedade hnre seus cmprmisss, que impria um 'cate judicia" em prejuíz de tdas as amíias que necessitam receber % J - J * Ujc CU w H O CO.cg t Ec 3 É

16 PODER JUDICIÁRIO DO ETADO DO ACRE Tribuna de Justiça - egunda Câmara Cive. ç» seus crédits para sua própria subsistência. O prejuíz, neste 8 aspect utrapassa s imites da própria requerida e atinge a * cidadãs e suas amíias. Em verdade, a eetivaçã desta determinaçã impicaria exatamente n que airma Ministéri *? R Púbic pretender evitar: s dans à sciedade". A undamentaçã trazida pes agravantes 3 cm vistas à cncessã d eeit suspensiv, reerem-se à irreversibiidade da Decisã, as dans à subsistência da primeira agravante e à impssibiidade desta hnrar seus cmprmisss. Anaisand sumariamente s undaments da Decisã agravada e s arguments ds agravantes - incuind as cndições gerais d segur garantia da Mapre egurs e respectiv cntrat -, nã vej presentes s requisits que autrizam atribuir eeit suspensiv pretendid. Ist é, nesta sede s arguments ds agravantes nã aastam s undaments cntids na Decisã agravada. Quant a eeit ativ pstuad, s auts se ressentem ds requisits necessáris à sua cncessã. Assim, indeir pedid de cncessã ds eeits suspensiv e ativ a presente Agrav de Instrument. Requisitem-se as inrmações jugadas È CO necessárias, n praz de 10 (dez) dias, encaminhand-se cópia desta Decisã, que substituirá íci para cumpriment das prvidências nea determinadas. s Intime-se agravad para respnder n Lu 5 praz ega. Após, dê-se vista a Ministéri Púbic nesta Instância. t O) D Pubique-se. Intime-se. - Ri Branc, 24 de junh de 2013 J M, "c u b.e Dês. ame Evangeista 1J) Reatr 15 Í=iC c -2C TDC c,wc LU c

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

REGULAMENTO REGRA GERAL PARA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO. Carrinho Premiado Tricard Smart 2015

REGULAMENTO REGRA GERAL PARA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO. Carrinho Premiado Tricard Smart 2015 REGULAMENTO REGRA GERAL PARA PARTICIPAÇÃO NA PROMOÇÃO Carrinh Premiad Tricard Smart 2015 Banc Triângul S.A. (mandatária), cm sede na Av. Cesári Alvim, 2209, Bairr Aparecida Uberlândia/MG, inscrita n CNPJ/MF

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO - TRT - RO N 03082-2004-262-01-00-3

RECURSO ORDINÁRIO - TRT - RO N 03082-2004-262-01-00-3 .v. PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1» REGIÃO 6^ TURMA "CARGO DE CONFIANÇA. HORAS EXTRAS E REFLEXOS. SOBREAVISO. Nã prvad que a Autra tinha pderes de gestã, devid é pagament das

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO VIAGEM DOS SONHOS COM CEAV JR

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO VIAGEM DOS SONHOS COM CEAV JR REGULAMENTO DA PROMOÇÃO VIAGEM DOS SONHOS COM CEAV JR Este srtei nã se enquadra nas dispsições da Lei 5.768/71 e suas respectivas regulamentações e, prtant, nã está sujeita as seus terms, inclusive n que

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO 01. Instruções para recadastrament Pessa Física IN CVM 301/2001 e 463/2008 1. Pr favr preencha tds s camps ds frmuláris, aqueles que nã frem preenchids, pr gentileza, bliterá-ls u invalidá-ls; 2. Imprima

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

SITAF - Manual de Utilizador

SITAF - Manual de Utilizador SITAF - Manual de Utilizadr Entrega de Peças Prcessuais Nvembr 2009 SITAF Sistema de Infrmaçã ds Tribunais Administrativs e Fiscais Manual de Utilizadr Entrega de Peças Prcessuais Apresentaçã O frmulári

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD

GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD GUIA DOS CARTÕES DE CREDITO BUSINESS / BUSINESS TRADE / BUSINESS GOLD Índice Identificaçã e Utilizaçã Infrmações Úteis Segurs Assciads Serviçs Assciads Telefnes úteis Cuidads a ter cm seu cartã Identificaçã

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis

Código: MAN-VCIV-002 Versão: 00 Data de Aprovação: 18/01/2011 Elaborado por: Magistrados e servidores das 8ª e 14ª varas cíveis Códig: MAN-VCIV-002 Versã: 00 Data de Aprvaçã: 18/01/2011 Elabrad pr: Magistrads e servidres das 8ª e 14ª varas cíveis Aprvad pr: Presidente d TJPB 1 Objetiv Estabelecer critéris e prcediments para recebiment

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N 01/2007 De 8 de nvembr de 2007 Reedita as Nrmas para Recnheciment de Títuls de Pós-Graduaçã, revgand a Resluçã Cmplementar n 02/93, de 25 de junh de 1993. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Ponto 5) Prof. João Glicério de Oliveira Filho ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL (Pnt 5) Prf. Jã Glicéri de Oliveira Filh I. Nções gerais - Máquina de trabalh d empresári - França - Fund de cmérci - Itália - Azienda - Navarrini - "Cmplex de frças ecnômicas

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL

LAUDO MÉDICO PERICIAL Pareceres Médic-Legais 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL Preâmbul. As vinte e um dias d mês de utubr d an 2003, Perit Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designad pel MM Juiz de Direit da X.ª Vara Cível da Cmarca

Leia mais

Passo 1: Definição do tipo de crédito

Passo 1: Definição do tipo de crédito Manual Cm avaliar risc de crédit de um cliente Índice Intrduçã O que é risc de crédit? Pass 1: Definiçã d tip de crédit Pass 2: Cm elabrar uma ficha de crédit Pass 3: Métds para avaliar risc de crédit

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

LEMBRETES de Direito Processual do Trabalho

LEMBRETES de Direito Processual do Trabalho LEMBRETES de Direit Prcessual d Trabalh O que vcê nã pde esquecer para a OAB Prf. Brun Klippel Advgad, Mestre em Direit pela FDV/ES, Dutrand em Direit d Trabalh pela PUC/SP, autr de diversas bras e artigs

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO. www.mediadordocredito.pt

GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO. www.mediadordocredito.pt GUIA PRÁTICO MEDIADOR DO CRÉDITO TÍTULO Guia Prátic Mediadr d Crédit PROPRIEDADE Mediadr d Crédit AUTOR Mediadr d Crédit MORADA Rua d Crucifix n.º 7, 2.º 1100-182 LISBOA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO Junh, 2011

Leia mais

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli.

Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Fundo Paraná de Previdência Multipatrocinada e o Plano de Benefícios JMalucelli. ÍNDICE CARTILHA EXPLICATIVA... 3 FUNDO PARANÁ... 4 PATRIMÔNIO... 5 SEGURANÇA... 5 BENEFÍCIO FISCAL... 6 ASFUNPAR... 7 PLANO JMALUCELLI... 8 PARTICIPANTES... 8 Participante Ativ... 8 Participante Assistid...

Leia mais

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega.

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Uma leitura sbre a prpriedade d

Leia mais

FIES - Documentação comprobatória

FIES - Documentação comprobatória FIES - Dcumentaçã cmprbatória OBS: Devem ser apresentads riginais e cópias ds dcuments relacinads. COMPROVANTES DE RESIDÊNCIA DO ESTUDANTE: O estudante deverá cmparecer à CPSA e psterirmente a agente financeir

Leia mais

Sua Empresa Tem Um Contrato Com Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Caução ou Fiança? Garantia do Executante Construtor (PERFORMANCE BOND)

Sua Empresa Tem Um Contrato Com Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Caução ou Fiança? Garantia do Executante Construtor (PERFORMANCE BOND) Segur Garantia O que é Segur Garantia? Sua Empresa Participa de Cncrrência Pública? Sua Empresa Tem Um Cntrat Cm Uma Grande Empresa QUE Exige Uma Garantia, Cauçã u Fiança? Partes Intervenientes Garantia

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

EDITAL Nº 034/2014 ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE SERVIDORES

EDITAL Nº 034/2014 ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE SERVIDORES EDITAL Nº 034/2014 ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE SERVIDORES Trna pública a abertura de inscrições para Curs PJE VARAS CÍVEIS Módul Servidres, destinad

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

O QUE É? Assinatura mensal Andante especialmente vocacionada para indivíduos e agregados familiares com menores recursos económicos.

O QUE É? Assinatura mensal Andante especialmente vocacionada para indivíduos e agregados familiares com menores recursos económicos. SOCIAL + O QUE É? Assinatura mensal Andante especialmente vcacinada para indivídus e agregads familiares cm menres recurss ecnómics. QUANTO CUSTA? Oferece um descnt de 25% face a preç da assinatura nrmal.

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

o CUSTO DO FINANCIAMENTO

o CUSTO DO FINANCIAMENTO CUSTO DO FINANCIAMENTO DAS VENDAS A PRESTACOES NO BRASIL POLIA LERNER HAMBURGER JORGE WILSON SIMIERA JACOB "A dispnibilidade de vendas a prestaçã tem ajudad a cmpensar, de certa frma" as desigul"a.ldades

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

Para falar sobre o assunto é necessário definir alguns conceitos básicos.

Para falar sobre o assunto é necessário definir alguns conceitos básicos. INTRODUÇÃO O investiment em ações é uma aplicaçã financeira de renda variável. Ist significa dizer que nã é pssível determinar previamente, cm numa aplicaçã de renda fixa, um praz u ganh definid para mntante

Leia mais

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL REGULAMENTO BIBLIOTECA FACULDADE IPEL Regulament Bibliteca FACULDADE IPEL Pus Alegre/MG 2014 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESTE REGULAMENTO TEM POR OBJETIVO ESTABELECER NORMAS REFERENTES AO FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

Workshop organizado pela Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) Com o Patrocínio da Organização Internacional do Trabalho (OIT)

Workshop organizado pela Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) Com o Patrocínio da Organização Internacional do Trabalho (OIT) Wrkshp rganizad pela Cmunidade de Desenvlviment da África Austral (SADC) Cm Patrcíni da Organizaçã Internacinal d Trabalh (OIT) Janesburg, 18-21 de Agst de 2015 Questinári a preencher pels participantes

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES?

DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? DÚVIDAS SOBRE OS BENEFÍCIOS ATRIBUÍDOS AOS ANTIGOS COMBATENTES? ÂMBITO PESSOAL O regime jurídic d serviç militar prestad em cndições especiais de dificuldade u perig, aprvad pela Lei n.º 9/2002, de 11

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais