RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS 2006 Outubro de 2007

2 ÍNDICE 1. Sumário Objecto e Método Sector das Comunicações Electrónicas em Portugal Serviços de Comunicações Electrónicas Comunicações Fixas de Voz Mercado Retalhista Mercado Grossista Conclusões Comunicações Móveis de Voz Mercado Retalhista Mercado Grossista Conclusões Acesso à Internet em Banda Larga Mercado Retalhista Mercado Grossista Conclusões Cooperação Institucional entre Autoridades Bibliografia...47 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1: Prestadores de SFT em actividade...19 Tabela 2: Margem bruta média para uma chamada local...26 Tabela 3: Prestadores do serviço de acesso à Internet...36 Tabela 4: Preços da oferta grossista Rede ADSL PT mensalidade do acesso local...41 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1: Receitas de telecomunicações em % do PIB, 1985 a Gráfico 2: Linhas telefónicas principais por cada 100 habitantes...18 Gráfico 3: Operadores de SFT em actividade...18 Gráfico 4: Principais concorrentes de SFT...18 Gráfico 5: Quota de mercado do operador incumbente nas chamadas locais (minutos)...19 Gráfico 6: Quota de mercado do operador incumbente nas chamadas nacionais (minutos)..19 Gráfico 7: Quota de mercado do operador incumbente nas chamadas internacionais (minutos)...20 Gráfico 8: Preço das chamadas locais na rede fixa, incumbente...21 Gráfico 9: Preço das chamadas nacionais na rede fixa, incumbente...22 Gráfico 10: Cabaz de serviços telefónicos fixos nacionais, clientes residenciais ( )...23 Gráfico 11: Cabaz de serviços telefónicos fixos nacionais, clientes não residenciais ( )...23 Gráfico 12: Cabaz de serviços telefónicos fixos internacionais, clientes residenciais ( )...24 Gráfico 13: Cabaz de serviços telefónicos fixos internacionais, clientes não residenciais ( )...24 Gráfico 14: Preço da terminação local de chamadas em redes telefónicas públicas fixas (incumbente), período de pico...25 Gráfico 15: Preço da terminação de chamadas em trânsito simples em redes telefónicas públicas fixas (incumbente), período de pico...25 Gráfico 16: Preço da terminação de chamadas em trânsito duplo em redes telefónicas públicas fixas (incumbente), período de pico...25 Gráfico 17: Taxa de penetração do STM...27 Gráfico 18: Operadores de rede móvel 2G

3 Gráfico 19: Operadores de rede móvel 3G...28 Gráfico 20: Prestadores de STM...28 Gráfico 21: Quotas de mercado do STM, em número de clientes...29 Gráfico 22: Preços de chamadas on-net em planos pré-pagos do STM...30 Gráfico 23: Diferencial de preços: chamadas on e off-net...31 Gráfico 24: Cabaz nacional de STM pequenos utilizadores, Gráfico 25: Cabaz nacional de STM médios utilizadores, Gráfico 26: Cabaz nacional de STM grandes utilizadores, Gráfico 27: Preço da terminação de chamadas em redes móveis públicas no período de pico...33 Gráfico 28: Preço da terminação de chamadas em redes móveis públicas no período fora de pico...33 Gráfico 29: Taxa de penetração da banda larga...34 Gráfico 30: Quota de mercado por tipo de tecnologia de acesso à Internet em banda larga.35 Gráfico 31: Alojamentos cablados...36 Gráfico 32: Quota de mercado do operador incumbente vs. entrantes para o acesso à Internet em banda larga...37 Gráfico 33: Quota de mercado do operador incumbente vs. entrantes para o acesso à Internet em banda larga através de DSL...37 Gráfico 34: Mensalidade de ofertas de banda larga...38 Gráfico 35: Lacetes locais desagregados e linhas grossistas DSL...40 Gráfico 36: Percentagem de acessos grossistas no total de linhas RTPC activas...41 Gráfico 37: Preços da desagregação de lacetes instalação...42 Gráfico 38: Preços da desagregação de lacetes mensalidade...42 Gráfico 39: Preços da desagregação de lacetes preço médio mensal...43 Gráfico 40: Preços da desagregação de lacetes margem bruta média mensal...43 ANEXO DE TABELAS 3

4 PREFÁCIO Ao abrigo dos poderes de supervisão de mercados, a Autoridade da Concorrência tem acompanhado de forma regular diversos mercados, seleccionados segundo o critério da importância para a economia e para os consumidores. O sector das comunicações electrónicas contribui de forma significativa, e com um impacto crescente, para o aumento da competitividade da economia e para a difusão da tecnologia, constituindo um sector chave para o desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na informação. De salientar que as receitas do sector das comunicações electrónicas em Portugal, em 2005, correspondiam a 7,3 mil milhões de Euros, ou seja, aproximadamente 5% do Produto Interno Bruto (PIB) 1, o que demonstra bem do seu impacto na economia portuguesa e, consequentemente, do seu impacto sócio-cultural. Decorridos aproximadamente 7 anos sobre a total liberalização da prestação de serviços de comunicações electrónicas em Portugal, as questões concorrenciais e, em particular, o controlo concorrencial ex-post, assumem cada vez maior relevância, constituindo garantia do funcionamento eficiente e competitivo destes mercados. Neste contexto, a Autoridade da Concorrência publica pela segunda vez um Relatório sobre os serviços de comunicações electrónicas, apresentando de forma compilada e organizada um conjunto de dados na expectativa de que estes possam constituir uma ferramenta útil para os diferentes agentes de mercado como o são para a própria actividade da Autoridade. O presente Relatório visa avaliar a evolução da concorrência nos mercados de comunicações fixas de voz, de comunicações móveis de voz e de acesso à Internet em banda larga, em Portugal, através da comparação de uma síntese de indicadores taxas de penetração, quotas de mercado, preços, entre outros em 1 Cf. ICP-ANACOM, Anuário Estatístico,

5 Portugal e numa selecção de países de entre os antigos 15 Estados-Membros da União Europeia, escolhidos segundo o critério de melhores práticas. Lisboa, Outubro de 2007 O Presidente da Autoridade da Concorrência Prof. Doutor Abel M. Mateus 5

6 1. SUMÁRIO O presente Relatório anual tem por objecto avaliar a evolução da concorrência nos mercados de comunicações fixas de voz, de comunicações móveis de voz e de acesso à Internet em banda larga, em Portugal. O documento compara uma síntese de indicadores para os mercados identificados, em Portugal e numa selecção de países de entre os antigos 15 Estados-Membros da União Europeia (UE-15), registando, em particular, a evolução no período entre 2004 e Em termos gerais, verifica-se que no mercado de comunicações electrónicas português: (i) embora a situação concorrencial no mercado de telefonia móvel tenha evoluído de forma mais favorável, a concorrência nos mercados da telefonia fixa e do serviço de acesso à Internet em banda larga continua incipiente, comparativamente com os restantes países; (ii) os preços 2, para as comunicações fixas de voz e para o acesso à Internet em banda larga, não obstante uma diminuição dos mesmos no período entre 2004 e 2006, são também dos mais elevados de entre o conjunto de países analisado. Para os serviços de comunicações móveis de voz, a situação não é, no entanto, tão desfavorável; (iii) continuam a registar-se níveis de concentração de mercado significativos nas comunicações fixas de voz, comunicações móveis de voz e acesso à Internet em banda larga, sendo as quotas de mercado em Portugal das mais elevadas do conjunto de países considerado, não obstante uma diminuição das mesmas no período entre 2004 e 2006; (iv) com excepção das comunicações móveis de voz, as taxas de penetração para as comunicações fixas e para o acesso à Internet em banda larga são 2 O presente Relatório apresenta comparações de preços ponderados e não ponderados pelas Paridades de Poder de Compra (PPC). Assim, no texto, os preços são identificados apenas em Euros no caso de preços nominais e em Euros/PPC para os preços ponderados. 6

7 significativamente mais reduzidas em Portugal do que nos restantes países analisados, muito embora se tenha registado um aumento da taxa de penetração para o acesso à Internet em banda larga no período entre 2004 e Relativamente às comunicações fixas de voz, observa-se que em Portugal: (i) o preço das chamadas nacionais aumentou ligeiramente de 23,2 cêntimos de Euro para 23,5 cêntimos de Euro no período entre 2004 e 2006 (embora ao considerarem-se os preços em PPC, a tendência registada seja de diminuição de preço), sendo, em 2006, o mais elevado do conjunto de países considerado, cerca de 2% superior à média da UE-15 excluindo o nosso país (o desvio face à média aumenta para 28% ao considerarem-se os preços em PPC) e 93% superior ao do país com o preço mais reduzido, a Suécia; (ii) o preço das chamadas locais diminuiu no período entre 2004 e 2006 (de 15,5 cêntimos de Euro para 14,8 cêntimos de Euro), contudo, em 2006, é também o mais elevado do conjunto de países considerado, situando-se 12% acima da média da UE-15 excluindo o nosso país (o desvio face à média aumenta para 44% ao considerarem-se preços em PPC) e 59% acima do preço da Grécia ou do Luxemburgo, países que apresentam o preço mais reduzido; (iii) o preço do cabaz nacional para clientes residenciais decresceu aproximadamente 17% no período entre 2004 e 2006; contudo, o seu preço em 2006 (32,52 Euros) é superior ao de qualquer outro país considerado, situando-se aproximadamente 10% acima da média dos 25 antigos Estados-Membros da União Europeia (UE-25) e 28% acima do preço na Suécia (país onde se regista menor preço); (iv) o preço do cabaz nacional para clientes não residenciais diminuiu cerca de 36% no período entre 2004 e 2006, situando-se ligeiramente abaixo da média da UE-25. Não obstante, o preço do cabaz em Portugal, em 2006 (56,38 Euros), é superior em 45% ao do Luxemburgo, país que regista o menor preço; 7

8 (v) o preço do cabaz internacional para clientes residenciais decresceu 49% no período entre 2004 e 2006 (1,01 Euros, em 2006), estando contudo acima da média da UE-25 em 12% e situando-se 98% acima do preço na Suécia (país com menor preço); (vi) o preço do cabaz internacional para clientes não residenciais decresceu 44% no período entre 2004 e 2006 (0,83 Euros, em 2006), situando-se, no entanto, acima da média da UE-25 em 26% e acima do preço na Suécia (país com menor preço) em 152%; (vii) as quotas de mercado do operador incumbente para as chamadas na rede telefónica pública num local fixo são superiores a 70%, em Dezembro de 2005, apresentando um desvio face à média das quotas de mercado dos Estados-Membros da UE-15 excluindo o nosso país de aproximadamente 27% para as chamadas nacionais e de 61% para as chamadas internacionais (não obstante uma diminuição das quotas de mercado no período entre Dezembro de 2003 e Dezembro de 2005 de 83% para 74% e de 75% para 73% para as chamadas nacionais e para as chamadas internacionais, respectivamente); (viii) a taxa de penetração diminuiu entre 2000 e 2005 (de 43,1 para 40,4), sendo, em 2005, a mais reduzida do conjunto de países considerado, com um desvio face à média das taxas de penetração dos Estados-Membros da UE-15 excluindo o nosso país de cerca de -22%. No que concerne às comunicações móveis de voz, refira-se que em Portugal: (i) embora o nível de concentração do mercado seja elevado e superior ao dos restantes países considerados, o diferencial de preços face à média da UE-15 excluindo o nosso país não é tão elevado como no caso da telefonia fixa e a taxa de penetração é significativa; (ii) o operador líder de mercado apresenta, em Outubro de 2006, uma das quotas de mercado mais elevadas do conjunto de países considerado (não obstante uma diminuição da quota de 52% em Junho de 2004 para 46%), apresentando um desvio face à média das quotas de mercado dos Estados- Membros da UE-15 excluindo o nosso país de aproximadamente 10%; 8

9 (iii) o índice de concentração C2 3 elevado do conjunto de países considerado; (cerca de 86%), em 2006, é o mais (iv) o preço das chamadas off-net no terceiro trimestre de 2006 é cerca de 60% superior ao das chamadas on-net em planos pré-pagos; (v) os preços para as chamadas on-net em planos pré-pagos não sofreram alteração entre o quarto trimestre de 2004 e o terceiro trimestre de 2006 (0,63 Euros), situando-se 15% abaixo da média da UE-15 excluindo Portugal, mas 125% acima do preço na Dinamarca, Estado-Membro que apresenta o menor preço. Ao considerarem-se preços em PPC, Portugal apresenta preços acima da média, embora se registe uma tendência de diminuição de preço; (vi) o preço do cabaz nacional de STM 4 para pequenos utilizadores em 2006 (12,34 Euros) situa-se 11% abaixo da média da UE-25, embora seja aproximadamente 83% superior ao preço na Dinamarca, país que apresenta o preço mais reduzido; (vii) para os médios utilizadores, o preço do cabaz nacional de STM (32 Euros, em 2006) está 10% acima da média da UE-25 e corresponde a cerca do dobro do preço na Finlândia (país que apresenta o preço mais reduzido); (viii) no que respeita aos grandes utilizadores, o preço do cabaz nacional de STM (49,5 Euros), é superior à média da UE-25 em 2%, situando-se 63% acima do preço na Finlândia, Estado-Membro que apresenta o preço mais reduzido; (ix) a taxa de penetração aumentou de 2004 para Outubro de 2006 (de 90% para 113%), sendo, em 2006, uma das mais elevadas da Europa, e situando-se acima da média das taxas de penetração dos Estados-Membros da UE-15 excluindo o nosso país e acima das taxas dos restantes países considerados com excepção do Luxemburgo. 3 O índice de concentração C2 corresponde ao somatório das quotas de mercado das duas maiores empresas. 4 Serviço Telefónico Móvel. 9

10 No que respeita ao acesso à Internet em banda larga, em Portugal: (i) a mensalidade de acesso à Internet em banda larga diminuiu de 2004 para 2006 (de 38 Euros para 29,4 Euros), mas é a mais elevada do conjunto de países analisado para a velocidade de 2 Mbps, situando-se 7% acima da média da UE-15 excluindo o nosso país e cerca de 134% acima do país com o preço mais reduzido (Países Baixos). Ao considerarem-se preços em PPC, a situação é ainda mais desfavorável ao consumidor português; (ii) a quota de mercado em Outubro de 2006 é a mais elevada de entre os vários operadores incumbentes considerados (não obstante uma redução de quota de 79% em Julho de 2004 para 69%), cerca de 31% superior à média das quotas de mercado dos incumbentes dos Estados-Membros da UE- 15 excluindo o nosso país; (iii) a taxa de penetração aumentou entre Julho de 2004 e Outubro de 2006 (de 6,4% para 13,5%); contudo, Portugal apresenta a penetração mais reduzida do conjunto de países considerado, com um desvio face à média das taxas de penetração dos Estados-Membros da UE-15 excluindo o nosso país de cerca de -28% e de -55% face à taxa de penetração dos Países Baixos, país com a penetração mais elevada para este serviço. Por último, no que se refere aos mercados grossistas de comunicações electrónicas (fixas de voz, móveis de voz e de acesso à Internet em banda larga), que permitem o acesso à rede do operador incumbente por parte dos operadores alternativos e a interligação entre as várias redes de comunicações, regista-se que em Portugal: (i) o preço da terminação de chamadas na rede fixa diminuiu no período entre 2004 e 2006, sendo que, com excepção da terminação ao nível local, a terminação em trânsito simples e em trânsito duplo situam-se acima da média da UE-15 excluindo o nosso país em 6% e em 20%, respectivamente; (ii) não obstante uma redução da margem bruta média para uma chamada local no período entre 2004 e 2006, o nosso país possui a segunda margem bruta mais elevada para o nível de interligação local e a 10

11 terceira margem bruta mais elevada para os níveis de interligação em trânsito simples e em trânsito duplo; (iii) os preços da terminação de chamadas em redes móveis, por intervenção regulatória, diminuíram significativamente entre 2004 e Em 2006, o preço em Portugal, no período de pico, encontrava-se alinhado com a média dos 15 Estados-Membros da União Europeia excluindo o nosso país, apresentando um desvio de apenas 2%. No período fora de pico, esse desvio face à média correspondia a cerca de 15%; (iv) as ofertas Rede ADSL PT e de desagregação do lacete local registaram uma melhoria significativa em termos de preços no período entre 2004 e 2006, em face da intervenção regulatória. Em particular no que respeita às comunicações fixas e de acesso à Internet em banda larga, saliente-se a importância do acesso ao lacete local por parte dos operadores alternativos (em face da morosidade e do volume dos investimentos necessários ao desenvolvimento de infra-estrutura de acesso ao cliente final), de modo a que o consumidor final possa beneficiar de ofertas diferenciadas em termos de preços e de qualidade dos serviços prestados. 2. OBJECTO E MÉTODO O presente Relatório, realizado ao abrigo dos poderes de supervisão de mercados da Autoridade da Concorrência (AdC), tem por objecto avaliar a evolução da concorrência nos mercados de comunicações fixas de voz, de comunicações móveis de voz e de acesso à Internet em banda larga, em Portugal. Com esse fim, aplica-se uma metodologia específica, utilizada igualmente no Relatório respeitante ao ano de 2004 e publicado em Julho de 2005 pela AdC, baseada na comparação de uma síntese de indicadores nos mercados anteriormente identificados, em Portugal e numa selecção de países de entre os antigos 15 Estados-Membros da União Europeia (UE-15). Os países escolhidos, para além de Portugal, correspondem a uma selecção fixa e a uma selecção variável de Estados-Membros. O Reino Unido e a Suécia, países cuja liberalização do Serviço Fixo Telefónico (SFT) se realizou em primeiro lugar no 11

12 contexto da UE-15, constituem a selecção fixa 5. Os países que integram a selecção variável incluem os outros dois Estados-Membros da UE-15, que apresentem os preços retalhistas mais reduzidos nos vários mercados identificados. Em termos de indicadores, para os mercados e países seleccionados, será apresentada informação de preços em Euros 6, visando a medição indirecta dos níveis de concorrência nos vários países, face à indisponibilidade de dados quanto às margens de preço menos custo marginal. Em particular, no que respeita aos mercados de retalho, apresentar-se-ão comparações de preços e cabazes não ponderados e ponderados pelas Paridades de Poder de Compra (PPC) 7, permitindo os primeiros avaliar os níveis relativos de concorrência e os últimos apreciar o preço teórico para o consumidor corrigido das diferenças de poder de compra entre consumidores de diferentes países. De facto, estamos perante um sector de bens não transaccionáveis, ou seja, não é possível para uma grande parte dos serviços uma empresa competir sem ter uma presença directa no mercado do consumidor. As taxas de correcção de PPC igualizam o poder de compra de diferentes moedas no seu país de origem para um determinado cabaz de bens e serviços, permitindo, desta forma, proceder a comparações de preços que têm em conta as diferenças de rendimento e de custo de vida das populações. Os preços grossistas serão apresentados sem qualquer ponderação, à semelhança do que foi adoptado para o Relatório de Cf. na Tabela seguinte as datas de liberalização do SFT. País Data País Data País Data Alemanha Finlândia 1994 Luxemburgo Áustria França 1998 Países Baixos Bélgica Grécia Portugal Dinamarca 1996 Irlanda Reino Unido 1991 Espanha Itália Suécia Fonte: Tarifica; OCDE (para a Dinamarca, Finlândia e Reino Unido). 6 Registe-se que para a Dinamarca, o Reino Unido e a Suécia, a conversão da informação de preços para Euros, para o ano de 2006, foi realizada com base nas taxas de câmbio constantes do Report on Telecoms Price Developments from 1998 to 2006 da Teligen (isto é, DKK 7,46; 0,67; e SEK 9,35). A informação de preços relativa ao ano de 2004 tem por base o anterior Relatório da AdC. 7 As correcções para PPC constantes do presente Relatório, excepto quando expressamente indicado, são baseadas no Report on Telecoms Price Developments from 1998 to 2004 e no Report on Telecoms Price Developments from 1998 to 2006, ambos da Teligen, tendo como referência os Estados Unidos da América. 12

13 Para além da informação de preços, para os mercados e países identificados, serão ainda comparados indicadores relativos às taxas de penetração dos serviços, às quotas de mercado e às margens brutas, sem prejuízo da inclusão de outros dados de carácter mais específico, sempre que se justifique. A informação apresentada para cada país, excepto quando expressamente indicado, será respeitante aos operadores incumbentes nesses países. Em termos de fontes de informação principais, para além dos relatórios da Comissão Europeia sobre os mercados de comunicações electrónicas e dos dados publicados pelo regulador sectorial, utiliza-se informação estatística recolhida e compilada por empresas especializadas, nomeadamente a Tarifica, a Cullen International e a Teligen. Todos os dados constantes do presente Relatório sob a forma de Gráfico encontram-se igualmente em Anexo em formato Tabela, seguindo exactamente a mesma numeração. 3. SECTOR DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM PORTUGAL A liberalização do sector das telecomunicações em Portugal surge na esteira de um movimento de liberalização mais amplo, designadamente a nível europeu e internacional. Em ambos os casos referidos ao nível europeu e internacional perspectivou-se a promoção da concorrência no mercado, partindo de um cenário em que as infraestruturas de rede eram detidas e exploradas em regime de monopólio, para uma estrutura de mercado susceptível de garantir o acesso às redes pelos operadores concorrentes. Em Portugal, anteriormente à liberalização da prestação de serviços de comunicações electrónicas, o Grupo PT apresentava-se como o operador incumbente, sem conhecer uma pressão concorrencial significativa. Após a liberalização total da prestação de serviços de comunicações electrónicas que, em Portugal, apenas se realizou em 2000, uma vez que o nosso país 13

14 beneficiou de uma derrogação 8, a introdução de concorrência na prestação de serviços de comunicações fixas passou a poder realizar-se através do desenvolvimento de uma infra-estrutura de rede própria ou mediante o acesso à rede do operador incumbente. Com efeito, houve operadores alternativos que optaram por desenvolver infraestrutura própria, em particular operadores de rede de televisão por cabo 9, sem que, porém, as suas redes tenham ainda hoje uma dimensão nacional e comparável com a rede de cobre ou de televisão por cabo do operador incumbente. No entanto, a dificuldade de replicação de infra-estrutura, em particular da rede de acesso ao cliente final detida pelo Grupo PT, face à morosidade e volume dos investimentos necessários, determinaram que muitas das empresas, presentes nos mercados em causa, apresentassem serviços fixos em banda estreita ou em banda larga de retalho baseados no acesso à rede de cobre do operador incumbente, acesso este regulado pelo ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ICP- ANACOM). A prestação de serviços no mercado de retalho, baseada no acesso à rede fixa comutada (rede de cobre), pode assim concretizar-se através de acesso indirecto ou através da desagregação de lacetes locais. O acesso indirecto constitui a solução que exige um menor investimento por parte de um potencial concorrente, sendo certo, porém, que a desagregação do lacete local, ao permitir a gestão do mesmo e consequente diferenciação de preços e qualidade dos serviços prestados, apresenta-se como a forma mais completa de concorrência, na ausência da replicação da infra-estrutura. Saliente-se, neste contexto, que o Grupo PT através da PT Comunicações, S.A. (PTC) possui a rede fixa comutada (rede de cobre) 10, constituindo uma empresa verticalmente integrada que opera simultaneamente nos mercados grossistas (oferecendo serviços aos operadores seus concorrentes) e retalhistas (oferecendo serviços ao cliente final). 8 O pacote regulamentar europeu que previa introdução da plena concorrência no mercado das telecomunicações nos vários Estados-Membros tinha como data limite o ano de Refira-se que só recentemente foram disponibilizados serviços de televisão sobre a rede de cobre, nomeadamente, serviços de IPTV (Internet Protocol Television). 10 A PTC adquiriu a propriedade da rede básica de telecomunicações em contrato cuja minuta foi aprovada juntamente com a minuta da alteração do contrato de concessão do serviço público de telecomunicações pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 147/2002, de 26 de Dezembro. 14

15 Por outro lado, para além de deter a rede fixa comutada (PTC), o Grupo PT detém ainda, numa situação atípica no contexto europeu, a única rede de televisão por cabo de âmbito nacional (TV Cabo Portugal, S.A.), assim como a principal rede de comunicações móveis (TMN Telecomunicações Móveis Nacionais, S.A.), possuindo, nos mercados dos serviços suportados nestas redes, quotas muito acima das registadas pelos demais concorrentes. Na medida em que o Grupo PT detém as três infra-estruturas de rede acima referidas, a concorrência entre serviços baseados nas três plataformas distintas, em particular nas plataformas de cobre e de cabo, poderá ser prejudicada na exacta medida em que o incumbente não tem incentivos em oferecer serviços tradicionalmente suportados numa das redes em qualquer uma das outras (ao contrário do que sucede com alguns dos seus concorrentes, que procuram oferecer serviços de triple-play recorrendo apenas a uma das infra-estruturas de rede). Refira-se que até hoje o Grupo PT nunca disponibilizou serviços grossistas de acesso à rede de distribuição de televisão por cabo. Relativamente aos serviços de comunicações móveis, existem actualmente três operadores de rede em actividade no mercado nacional, designadamente, a TMN, a Vodafone Portugal Comunicações Pessoais, S.A. (Vodafone) e a Optimus Telecomunicações Móveis, S.A. (Optimus). Importa referir ainda que uma forma de concorrência nos serviços móveis, frequente noutros países, corresponde à entrada no mercado retalhista de empresas que operam sobre as redes móveis de terceiros. Recentemente, alguns operadores móveis portugueses disponibilizaram acesso à sua rede a terceiros. Durante o ano de 2006, em Portugal, foi ainda lançada uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) visando a aquisição do controlo exclusivo pela Sonaecom, SGPS, S.A., sobre a Portugal Telecom, SGPS, S.A. e PT Multimédia Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, S.A. A Autoridade da Concorrência adoptou uma decisão de não oposição à operação de concentração, acompanhada da imposição de condições e obrigações com vista a 15

16 assegurar a manutenção de uma concorrência efectiva 11. Não obstante, a operação de aquisição projectada pela Sonaecom acabou por não se concretizar. 4. SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Durante a última década, a indústria de telecomunicações tem contribuído de forma significativa, e com um impacto crescente, para o aumento da competitividade da economia e para a difusão da tecnologia, constituindo os serviços de comunicações electrónicas, assim como as infra-estruturas que os suportam, factores chave no desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na informação. Em 2005, a dimensão do mercado de serviços de telecomunicações, no contexto da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), correspondia a aproximadamente 1 milhão de milhões de dólares, continuando os serviços de voz a ser determinantes em termos da evolução destes mercados. De entre os serviços de voz, verifica-se que os serviços móveis assumem uma cada vez maior importância em termos da estrutura das receitas, contribuindo com cerca 40%. Simultaneamente, os serviços de voz sobre IP (VoIP) 12 têm vindo a exercer uma pressão significativa no sentido da descida dos preços 13. De acordo com o Gráfico 1, observa-se que as receitas de telecomunicações em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), a partir de 1990 e até 2005, apresentaram, em Portugal, um crescimento sempre superior à média da OCDE e à generalidade dos países da UE Decisão da AdC disponível em: 12 VoIP, Voice over Internet Protocol. 13 Cf. Information and Communications Technologies, OECD Communications Outlook,

17 Gráfico 1: Receitas de telecomunicações em % do PIB, 1985 a 2005 % 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 Portugal vs. OCDE Port ugal OCDE UE-15 % Alemanha 6,0 Áustria Bélgica Dinamarca 5,0 Espanha Finlândia 4,0 França Grécia Irlanda 3,0 Itália Luxemburgo Países Baixos 2,0 Portugal Reino Unido Suécia 1,0 OCDE Fonte: Information and Communications Technologies, OECD Communications Outlook, No contexto da UE-15, Portugal apresenta o PIB per capita (PIBpc) medido em PPC mais reduzido (70,4 em 2006), registando um desvio de cerca de -35% face à média (cf. Tabela 41 do Anexo). Também em termos demográficos, Portugal regista uma significativa disparidade face aos restantes Estados-Membros, com uma população cerca de 61% inferior à média da UE-15 excluindo Portugal, em Janeiro de 2006, e uma densidade populacional aproximadamente 29% inferior à média das densidades dos Estados- Membros da UE-15 excluindo o nosso país, em 2004 (cf. Tabela 42 e Tabela 43 do Anexo). 4.1 COMUNICAÇÕES FIXAS DE VOZ No que concerne às comunicações fixas de voz, serão apresentados, em primeiro lugar, dados de carácter geral, seguindo-se a análise de um conjunto de indicadores relativos a preços, cabazes e margens brutas para os mercados retalhista e grossista. Os países que integram a selecção variável correspondem à Alemanha, Grécia e Luxemburgo, que apresentam os preços mais reduzidos para os cabazes de serviços telefónicos fixos nacionais (cf. Gráfico 10 e Gráfico 11 infra) 14. Tal como pode ser observado no Gráfico 2, no período entre 2000 e 2005 e com excepção da Alemanha e da Grécia, o número de linhas telefónicas principais por 14 Releve-se que o Luxemburgo apresenta o segundo preço mais reduzido. No entanto, por se tratar de um país de pequena dimensão, optou-se por incluir na análise também a Grécia. 17

Acompanhamento dos Mercados de Comunicações Electrónicas

Acompanhamento dos Mercados de Comunicações Electrónicas JJUULLHHOO 0055 Acompanhamento dos Mercados de Comunicações Electrónicas Esta newsletter é uma síntese do Relatório Anual de Acompanhamento dos Mercados de Comunicações Electrónicas (2004), onde se detalham

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS 2011 - Novembro de 2012 - ÍNDICE Sumário Executivo... 5 1 Objeto e método... 8 2 Comunicações fixas de voz... 9 2.1 Caraterização geral...

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS 2010 - Setembro de 2011 - ÍNDICE Sumário Executivo... 5 1 Objecto e método... 8 2 Comunicações electrónicas em Portugal: evolução recente...

Leia mais

Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT

Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT Decisão sobre processo de controlo prévio da concentração Sonaecom/PT Abel M. Mateus Presidente Autoridade da Concorrência Lisboa, de 22 Dezembro de 2006 A decisão Decisão de não oposição acompanhada da

Leia mais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais Entendimento do ICP-ANACOM Originação de chamadas nas redes móveis nacionais I. Enquadramento Os serviços de originação de chamadas prestados pelos operadores móveis nacionais são definidos como os serviços

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de Índice Preâmbulo 3 Análise estatística 4 Anexos 14 2 Preâmbulo O presente relatório tem por objecto as solicitações recebidas no

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 2.º TRIMESTRE DE 2010 Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 Índice de gráficos Gráfico 1 - Evolução do número de clientes de banda larga...

Leia mais

Relatório de Regulação. Situação das Comunicações Relatório de Actividades

Relatório de Regulação. Situação das Comunicações Relatório de Actividades Relatório de Regulação Situação das Comunicações Relatório de Actividades 000 Nota de Abertura Estrutura do Relatório Nota de Abertura Nota de Abertura A actividade de regulação do ICP Autoridade Nacional

Leia mais

ÍNDICE GERAL. 2. A Oferta e a procura de serviços de comunicações electrónicas uma perspectiva integrada

ÍNDICE GERAL. 2. A Oferta e a procura de serviços de comunicações electrónicas uma perspectiva integrada ÍNDICE GERAL Parte I Comunicações electrónicas 1. Enquadramento 2. A Oferta e a procura de serviços de comunicações electrónicas uma perspectiva integrada CAIXA I: O efeito global da substituição fixo-móvel

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 3.º TRIMESTRE DE 2012 Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012 Índice SUMÁRIO... 5 1. Evolução do número de prestadores habilitados para

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE Índice 1. Evolução do número de prestadores habilitados para a prestação do Serviço de Acesso à Internet... 3 2. Número de clientes

Leia mais

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 4.º TRIMESTRE DE 2013 Índice SUMÁRIO... 5 1. Taxa de penetração do serviço móvel... 7 2. Estações móveis / equipamentos de utilizador ativos... 8 3. Distribuição

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Regulamentação dos serviços profissionais Iain Paterson, Marcel Fink, Anthony Ogus et al. Resumo Estudo

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 1.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Número de prestadores habilitados...

Leia mais

Definição da informação a constar no material promocional no sentido de assegurar a sua exatidão, transparência e fácil compreensão; Simplificação e

Definição da informação a constar no material promocional no sentido de assegurar a sua exatidão, transparência e fácil compreensão; Simplificação e Resposta à solicitação da Comissão de Economia e Obras Públicas de informações sobre o objeto da petição n.º 338/XII/3 1. No dia 28 de fevereiro de 2014, foi solicitada pela Comissão de Economia e Obras

Leia mais

Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (em local fixo)

Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (em local fixo) http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=262742 Deliberação de 19.12.2007 Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet

Leia mais

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA

SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇOS MÓVEIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2014 Índice SUMÁRIO... 4 1. Taxa de penetração do serviço móvel... 6 2. Estações móveis / equipamentos de utilizador ativos... 7 3. Distribuição

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 4.º Trimestre de 2013

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 4.º Trimestre de 2013 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2013 Serviço de Acesso à Internet 4.º Trimestre de 2013 Índice SUMÁRIO... 4 1. Número de prestadores habilitados... 6 2. Taxa de

Leia mais

Consulta Pública. Oferta Grossista de linha exclusiva para serviços de banda larga (Naked DSL)

Consulta Pública. Oferta Grossista de linha exclusiva para serviços de banda larga (Naked DSL) Consulta Pública Oferta Grossista de linha exclusiva para serviços de banda larga (Naked DSL) Resposta da CATVP TV Cabo Portugal, S.A. à Consulta Pública promovida pelo ICP-ANACOM sobre oferta grossista

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2015 Versão / 25-8-2015

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2015 Versão / 25-8-2015 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 2.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2015 Versão / 25-8-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Número de prestadores habilitados...

Leia mais

COMUNICAÇÕES MÓVEIS EM PORTUGAL

COMUNICAÇÕES MÓVEIS EM PORTUGAL COMUNICAÇÕES MÓVEIS EM PORTUGAL Aumentos de preços de 2,5% de Março de 2009 - Março de 2010 Servir a Concorrência ÍNDICE Sumário Executivo... 4 1. Introdução... 6 2. Caracterização do mercado das comunicações

Leia mais

Parte IV - Situação das Comunicações

Parte IV - Situação das Comunicações 2.2.3.2 Serviço de circuitos alugados O Serviço Os circuitos alugados são definidos como os meios de telecomunicações de uma rede pública que proporcionam capacidade de transmissão entre pontos terminais

Leia mais

ESTATÍSTICA DO MERCADO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO EM CABO VERDE ANO DE 2011

ESTATÍSTICA DO MERCADO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO EM CABO VERDE ANO DE 2011 ESTATÍSTICA DO MERCADO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO EM CABO VERDE ANO DE 2011 INDICADORES ESTATÍSTICOS DO ANO DE 2011 Índice INTRODUÇÃO... 2 1. PANORAMA GERAL SOBRE O

Leia mais

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E 20 de Setembro, de 2010 TRANSPORTES EM FOCO Setembro de 2010 Transporte aéreo de passageiros em e na / Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E em No contexto da crise económica

Leia mais

MERCADOS DE FORNECIMENTO GROSSISTA DE ACESSO (FÍSICO) À INFRA-ESTRUTURA DE REDE NUM LOCAL FIXO E DE FORNECIMENTO GROSSISTA DE ACESSO EM BANDA LARGA

MERCADOS DE FORNECIMENTO GROSSISTA DE ACESSO (FÍSICO) À INFRA-ESTRUTURA DE REDE NUM LOCAL FIXO E DE FORNECIMENTO GROSSISTA DE ACESSO EM BANDA LARGA MERCADOS DE FORNECIMENTO GROSSISTA DE ACESSO (FÍSICO) À INFRA-ESTRUTURA DE REDE NUM LOCAL FIXO E DE FORNECIMENTO GROSSISTA DE ACESSO EM BANDA LARGA Definição dos mercados do produto e mercados geográficos,

Leia mais

Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada. Preâmbulo

Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada. Preâmbulo Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada 1. Tendo a conta a necessidade de: Preâmbulo Reformular a informação estatística recolhida trimestralmente

Leia mais

Radiografia do Sector das Telecomunicações de Cabo Verde

Radiografia do Sector das Telecomunicações de Cabo Verde Radiografia do Sector das Telecomunicações de Cabo Verde Associação Empresarial de Telecomunicações Radiografia do Sector das telecomunicações de Cabo Verde 2 Radiografia do Sector das telecomunicações

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Grupo. Negócios. Rede Fixa. Serviço fixo de telefone

Grupo. Negócios. Rede Fixa. Serviço fixo de telefone Negócios do Grupo Rede Fixa Os proveitos operacionais dos negócios de rede fixa situaram-se em ıı49 milhões de euros no primeiro semestre de 2003, uma redução de 5,7% face a igual período do ano anterior,

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PELAS PME - 2014. Principais resultados

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PELAS PME - 2014. Principais resultados INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PELAS PME - 2014 Principais resultados Fevereiro/2015 ÍNDICE Introdução... 4 1. Sumário... 4 2. Nível de utilização dos serviços de comunicações

Leia mais

8. Os serviços postais

8. Os serviços postais 226 227 8. Apresenta-se, neste capítulo, a situação dos serviços postais no final de 2005, assim como a evolução ocorrida durante o referido ano. 8.1 Principais aspectos da evolução em 2005 Entre 2002

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Portugal em Banda Larga.

Portugal em Banda Larga. Portugal em Banda Larga. José Ferrari Careto 1 1. Consumadas que estão as coberturas da população e do território em termos de serviço de telefone, tanto fixo como móvel, grande parte dos desafios que

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

Características dos operadores

Características dos operadores RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 21 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 29 Características dos operadores Salvo indicação em contrário, os números apresentados neste documento

Leia mais

01 _ Evolução dos negócios

01 _ Evolução dos negócios 01 _ Evolução dos negócios 14 Mercado doméstico 14 Rede fixa 20 Móvel Portugal TMN 24 Multimédia PT Multimédia 28 Mercado internacional 28 Móvel Brasil Vivo 32 Outros negócios internacionais 01 _ Evolução

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA SOBRE OFERTA GROSSISTA DE LINHA EXCLUSIVA PARA SERVIÇOS DE BANDA LARGA ( NAKED DSL )

CONSULTA PÚBLICA SOBRE OFERTA GROSSISTA DE LINHA EXCLUSIVA PARA SERVIÇOS DE BANDA LARGA ( NAKED DSL ) http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=239064 Deliberação de 4.4.2007 CONSULTA PÚBLICA SOBRE OFERTA GROSSISTA DE LINHA EXCLUSIVA PARA SERVIÇOS DE BANDA LARGA ( NAKED DSL ) 1. INTRODUÇÃO Portugal

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Resposta da SGC Ar Telecom à Consulta Pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA)

Resposta da SGC Ar Telecom à Consulta Pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA) Resposta da SGC Ar Telecom à Consulta Pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA) Enquadramento Julho 2008 A SGC Ar Telecom está atenta e preocupada com as discussões sobre as

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo

Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo Financiamento das Telecoms Mercados & Reguladores duas faces da mesma moeda Manuel Rosa da Silva Administrador Executivo III Forum Telecom & Media Diário Económico Lisboa, 22 de Setembro 2004 Agenda Wall

Leia mais

A evolução do Mercado Imobiliário português

A evolução do Mercado Imobiliário português A evolução do Mercado Imobiliário português Introdução Neste artigo será feita uma leitura da evolução do mercado imobiliário português desde 2008, altura em que ocorreu a crise da dívida subprime, período

Leia mais

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/09/2005 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 23.4.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 102/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 330/2010 DA COMISSÃO de 20 de Abril de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o

Leia mais

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010

Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 2010 RÉPUBLIQUE FRANÇAISE Junho de 211 Números chave das comunicações electrónicas em França Números de 21 Características dos operadores Salvo precisión en contrario, los datos presentados en este documento

Leia mais

Resultados 1º Semestre _ 2006

Resultados 1º Semestre _ 2006 Resultados 1º Semestre _ 2006 Comunicado Portugal Telecom Índice 01 Destaques financeiros 4 02 Destaques operacionais 6 03 Demonstração de resultados consolidados 9 04 Capex 17 05 Cash flow 18 06 Balanço

Leia mais

A Comissão autoriza uma operação de concentração entre a Stream e a Telepiù mediante determinadas condições

A Comissão autoriza uma operação de concentração entre a Stream e a Telepiù mediante determinadas condições IP/03/478 Bruxelas, 2 de Abril de 2003 A Comissão autoriza uma operação de concentração entre a Stream e a Telepiù mediante determinadas condições A Comissão Europeia autorizou o projecto de aquisição

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=269365 Deliberação de 13.2.2008 PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS 1. Em 17.05.2007, a RADIOMÓVEL Telecomunicações, S.A. (RADIOMÓVEL) apresentou ao ICP-ANACOM

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

MERCADOS DE ACESSO EM BANDA ESTREITA À REDE TELEFÓNICA PÚBLICA NUM LOCAL FIXO. Definição dos mercados relevantes e avaliações de PMS.

MERCADOS DE ACESSO EM BANDA ESTREITA À REDE TELEFÓNICA PÚBLICA NUM LOCAL FIXO. Definição dos mercados relevantes e avaliações de PMS. MERCADOS DE ACESSO EM BANDA ESTREITA À REDE TELEFÓNICA PÚBLICA NUM LOCAL FIXO Definição dos mercados relevantes e avaliações de PMS Deliberação - ICP-ANACOM Julho de 2004 ÍNDICE INTRODUÇÃO: ENQUADRAMENTO

Leia mais

reduzido o preço de activação da ORLA (Onitelecom e Sonaecom); aperfeiçoada a metodologia de estabelecimento da mensalidade (Onitelecom e Sonaecom);

reduzido o preço de activação da ORLA (Onitelecom e Sonaecom); aperfeiçoada a metodologia de estabelecimento da mensalidade (Onitelecom e Sonaecom); RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO, DE 08/02/07, SOBRE CONDIÇÕES ASSOCIADAS À INCLUSÃO DE ACESSOS DE REDE DIGITAL COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS NA PROPOSTA DE REFERÊNCIA DE OFERTA

Leia mais

O futuro da Banda Larga em Portugal

O futuro da Banda Larga em Portugal O futuro da Banda Larga em Portugal Dr. Miguel Horta e Costa Presidente Executivo da Portugal Telecom Lisboa, 5 de Fevereiro de 2004 Quadro 1 Portugal encontra-se hoje particularmente bem posicionado para

Leia mais

A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais

A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais A ESTRATÉGIA DE LISBOA: PORTUGAL NO CONTEXTO DA UNIÃO EUROPEIA Análise da evolução à luz dos Indicadores Estruturais Novembro de 2004 ÍNDICE 0 INTRODUÇÃO... 4 ESTRUTURA DO RELATÓRIO... 4 1 ENQUADRAMENTO

Leia mais

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762 http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762 PROJECTO DE DECISÃO REFERENTE A PREÇOS DOS SERVIÇOS DE INTERLIGAÇÃO PRATICADOS PELOS OPERADORES DE SERVIÇO MÓVEL TERRESTRE 1. Antecedentes 1.1. Em

Leia mais

Resultados Consolidados 2001

Resultados Consolidados 2001 Resultados Consolidados 2001 Francisco Murteira Nabo Presidente Lisboa, 13 de Março 2002 Princípios Contabilísticos Internacionais A Portugal Telecom Grupo Empresarial Português de referência Maior valorização

Leia mais

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES International Telecommunication Union 1 Sessão 2 Compreensão

Leia mais

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO Índice 1. Mensagem de Paulo Azevedo, CEO da Sonaecom...2 2. Principais indicadores...4 3. Resultados consolidados...5 3.1. Demonstração de resultados

Leia mais

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL

Newsletter. Condições especiais para ASAPOL. Agosto 2012. Campanha ASAPOL Newsletter Agosto 2012 Campanha ASAPOL Condições especiais para ASAPOL Principais Vantagens para Associados Campanha ASAPOL A Vodafone oferece condições especiais de tarifas e de aquisição de equipamentos.

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

02 _ Evolução dos negócios

02 _ Evolução dos negócios 02 _ Evolução dos negócios 30 Mercado doméstico 30 Rede fixa 34 Móvel Portugal TMN 38 Mercado internacional 38 Móvel Brasil Vivo 42 Outros negócios internacionais Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE DE GRÁFICOS

ÍNDICE ÍNDICE DE GRÁFICOS Autoridade da Concorrência LIBERALIZAÇÃO DO SECTOR POSTAL Principais questões concorrenciais - Julho de 2010 - ÍNDICE Sumário executivo... 3 1. Introdução... 6 2. Caracterização do sector... 8 2.1. Introdução...

Leia mais

Planos de Preços. Planos de Preços para Chamadas na Rede Fixa. Plano Fixo 24

Planos de Preços. Planos de Preços para Chamadas na Rede Fixa. Plano Fixo 24 Planos de Preços Preços incluem IVA a 23% Planos de Preços para Chamadas na Rede Fixa Plano Fixo 24 Chamadas grátis para a Rede Fixa, se ainda não tem um pacote com chamadas ilimitadas Mensalidade 4 Chamadas

Leia mais

SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015

SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015 SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Televisão por subscrição 1.º trimestre 2015 Versão 2 / 04-06-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Assinantes do serviço

Leia mais

3. Clientes de serviços prestados em pacote

3. Clientes de serviços prestados em pacote QUESTIONÁRIO TRIMESTRAL DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM LOCAL FIXO E VOIP NÓMADA Serviço Telefónico Fixo (STF) Serviço VoIP nómada Serviço de Acesso à Internet (SAI) Serviço de Televisão por

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

CAPÍTULO VII CONCLUSÕES DA INVESTIGAÇÃO

CAPÍTULO VII CONCLUSÕES DA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO VII CONCLUSÕES DA INVESTIGAÇÃO Em Portugal, tem-se assistido a uma evolução acelerada no sentido da convergência, sobretudo, na perspectiva tecnológica, designadamente, através de ofertas integradas

Leia mais

Anexo V. Acesso em banda larga fixa e acesso em banda larga móvel

Anexo V. Acesso em banda larga fixa e acesso em banda larga móvel Anexo V. Acesso em banda larga fixa e acesso em banda larga móvel Um utilizador final pode aceder à Internet utilizando banda larga fixa ou banda larga móvel. Neste último caso, e para as tecnologias atualmente

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.7.2015 C(2015) 5529 final Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) Avenida José Malhoa n.º 12 1099-017 Lisboa Portugal Ao cuidado da Sr.ª D.ª Fátima Barros Presidente

Leia mais

DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO II AS PARTES

DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO II AS PARTES DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO 1. Em 14 de Setembro de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos

Leia mais

A influência do factor fiscal na escolha da forma jurídica de uma PME

A influência do factor fiscal na escolha da forma jurídica de uma PME II Congresso de Direito Fiscal - A Fiscalidade da Empresa A influência do factor fiscal na escolha da forma jurídica de uma PME Cidália Maria da Mota Lopes 11 de Outubro de 2011 1 OBJECTIVOS DO ESTUDO

Leia mais

MEDIDAS RESTRITIVAS DE ACÇÕES DESENCADEADAS PELAS EMPRESAS DO GRUPO PT PARA RECUPERAÇÃO DE CLIENTES PRÉ-SELECCIONADOS PROJECTO DE DECISÃO

MEDIDAS RESTRITIVAS DE ACÇÕES DESENCADEADAS PELAS EMPRESAS DO GRUPO PT PARA RECUPERAÇÃO DE CLIENTES PRÉ-SELECCIONADOS PROJECTO DE DECISÃO http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=211303 MEDIDAS RESTRITIVAS DE ACÇÕES DESENCADEADAS PELAS EMPRESAS DO GRUPO PT PARA RECUPERAÇÃO DE CLIENTES PRÉ-SELECCIONADOS PROJECTO DE DECISÃO I. Enquadramento

Leia mais

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 3/05/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013 2009 Earnings Release Resultados anuais 2012 Press Release 28 de fevereiro de 2013 01 Comunicado Lisboa, Portugal, 28 de fevereiro de 2013 A Portugal Telecom é um operador geograficamente diversificado,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

6. Serviço de distribuição de televisão por assinatura

6. Serviço de distribuição de televisão por assinatura 138 6. Serviço de distribuição de televisão por assinatura Apresenta-se neste capítulo a situação do serviço de distribuição de TV por cabo (SDC), por satélite (DTH Direct to Home) e IPTV (Televisão sobre

Leia mais

Portugal Telecom. Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre. 18 Maio 2006

Portugal Telecom. Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre. 18 Maio 2006 Portugal Telecom Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre 18 Maio 2006 Safe Harbour A presente release contém objectivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009 QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (200) Informação referente ao ano 2009 PARTE II - INDICADORES FINANCEIROS E DE ACTIVIDADE DOS OPERADORES/PRESTADORES DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Telefone fixo... 94. Tabela 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº), 2001 a 2013... 94

Telefone fixo... 94. Tabela 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº), 2001 a 2013... 94 7. Telecomunicações Telefone fixo... 94 Tabela 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº), 2001 a 2013... 94 Figura 1 - Evolução dos prestadores do Serviço Telefónico Fixo (nº) 2001 a

Leia mais

NE Report Digital 2013

NE Report Digital 2013 Índice 1. Economia Digital em Portugal (/17) e no Mundo () 2. Evolução dos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (acesso fixo) - Internet Service Providers 3. Evolução das quotas de acessos de banda

Leia mais

Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO CCENT. Nº 2/ 2005 PORTUGAL TELECOM/WEBLAB I. INTRODUÇÃO II. AS PARTES

Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO CCENT. Nº 2/ 2005 PORTUGAL TELECOM/WEBLAB I. INTRODUÇÃO II. AS PARTES DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO CCENT. Nº 2/ 2005 PORTUGAL TELECOM/WEBLAB I. INTRODUÇÃO 1. Em 10 de Janeiro de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da Lei

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL Índice: 1. Introdução 3 2. Evolução das finanças públicas em Portugal 7 3. Perspectivas macroeconómicas para 2005 19 3.1 Comparação com o cenário

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais