Editores CONTROLE DA VIA AÉREA. SBA Sociedade Brasileira de Anestesiologia Rio de Janeiro 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editores CONTROLE DA VIA AÉREA. SBA Sociedade Brasileira de Anestesiologia Rio de Janeiro 2012"

Transcrição

1 Editores Márcio de Pinho Martins José Mariano Soares de Moraes Oscar César Pires CONTROLE DA VIA AÉREA CVA-SBA SBA Sociedade Brasileira de Anestesiologia Rio de Janeiro 2012 Controle de via aerea - sba 2012.indb 1 21/09/ :17:38

2 Controle da Via Aérea Copyright 2012, Sociedade Brasileira de Anestesiologia Proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer sistema, sem prévio consentimento da SBA. Diretoria José Mariano Soares de Moraes Airton Bagatini Ricardo Almeida de Azevedo Sylvio Valença de Lemos Neto Oscar César Pires Antônio Fernando Carneiro Fábio Maurício Topolski Coordenador do Núcleo SBA Vida Márcio de Pinho Martins Capa e diagramação Marcelo de Azevedo Marinho Supervisão Maria de Las Mercedes Gregoria Martin de Azevedo Revisão Bibliográfica Teresa Maria Maia Libório Colaboradores Maria de Las Mercedes Gregoria Martin de Azevedo Teresa Maria Maia Libório Rodrigo Ribeiro Matos José Bredariol Junior Simone Soares Nascimento da Gama Ficha catalográfica S678c Controle da Via Aérea Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Anestesiologia/SBA, p.; 25cm.; ilust. ISBN Vários colaboradores. 1. Anestesiologia Estudo e ensino. I. Sociedade Brasileira de Anestesiologia. II. Moraes, José Mariano Soares de. III. Pires, Oscar César. IV. Martins, Márcio de Pinho. O conteúdo desta obra é de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es). Produzido pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia. Material de distribuição exclusiva aos médicos anestesiologistas. Produzido em outubro/2012 CDD Sociedade Brasileira de Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 Botafogo - Rio de Janeiro RJ CEP: Tel: (21) Fax: (21) site: Controle de via aerea - sba 2012.indb 2 21/09/ :17:38

3 EDITORES Márcio de Pinho Martins TSA/SBA Presidente do Comitê de Reanimação e Atendimento ao Politraumatizado Coordenador do Núcleo SBA Vida José Mariano Soares de Moraes TSA/SBA Presidente da Sociedade Brasileira de Anestesiologia. Responsável pelo CET Serv.Anest.do H.U.F. Juiz de Fora Oscar César Pires TSA/SBA Diretor do Departamento Científico da Sociedade Brasileira de Anestesiologia. Responsável pelo CET do Hospital Municipal de São José dos Campos. AUTORES Anibal de Oliveira Fortuna TSA/ SBA Médico Anestesiologista, Hospital Beneficência Portuguesa de Santos Antônio Carlos Aguiar Brandão TSA/SBA Membro da Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Instrutor dos Cursos SAVA e CVA-SBA Antonio Vanderlei Ortenzi TSA/SBA Professor Assistente Doutor, Departamento de Anestesiologia - Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP Instrutor dos Cursos SAVA e CVA-SBA Bruno Gardélio Pedreira de Cerqueira TSA/SBA Instrutor Corresponsável do CET do Hospital Univ.Prof. Edgard Santos Univ. Federal da Bahia Doutor em Anestesiologia pela UNESP Botucatu Bruno Mendes Carmona TSA/SBA Membro do Comitê de Via Aérea Difícil Instrutor dos Cursos SAVA e CVA-SBA Claudia Marquez Simões TSA/SBA Presidente do Comitê de Hipertermia Maligna Instrutora Corresponsável do CET São Paulo-Serv.Méd.De Anest.S/C Ltda Daniel Capucci Fabri Médico Assistente da Disciplina de Dor, Anestesiologia e Terapia Intensiva UNIFESP/EPM Anestesiologista do Hospital do Rim e da Hipertensão Daniel Perin Doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Leadership in Airway Training pela University of Chicago Anestesiologista do Hospital Israelita Albert Einstein Daniela Bianchi Garcia Gomes TSA/SBA Membro do Comitê de Anestesia em Pediatria Medica Anestesista e Preceptora dos residentes de anestesia do Hosp. Pequeno Príncipe - Curitiba-PR Controle de via aerea - sba 2012.indb 3 21/09/ :17:38

4 Débora de Oliveira Cumino TSA/SBA Membro do Comitê de Anestesia em Pediatria Instrutora Corresponsável pelo CET Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Deise Martins Rosa TSA/SBA Instrutora dos Cursos SAVA e CVA-SBA Instrutora Corresponsável CET do INCA Flávio Annicchino TSA/SBA Instrutor dos Cursos SAVA e CVA-SBA Instrutor Corresponsável pelo CET do Hospital Vera Cruz Campinas SP Gilvan da Silva Figueiredo TSA/SBA Membro do Comitê de Anestesia em Obstetrícia Instrutor Corresponsável pelo CET OSID Graziella Prianti Cunha Médica Assistente da Disciplina de Dor, Anestesiologia e Terapia Intensiva UNIFESP/EPM Anestesiologista do Hospital Professor Edmundo Vasconcelos Guillermo Navarro Chapter Director of Assessment and Difficult and Routine Airway Management for the CLASA. Clinical advisory of Laryngeal Mask Airway Company Limited LMA Co., for Latin America, Mexico and Caribbean Islands. Advisory member for the Argentine Federation of Associations of Anaesthesia, Analgesia and Resuscitation, -FAAAAR-, Airway area. Ismar Lima Cavalcanti Instrutor do Curso SAVA-SBA Professor Adjunto Anestesiologia Universidade Federal Fluminense - UFF Núcleo de Assuntos Educacionais do Instituto Nacional do Câncer INCA José Guzmán Olivares Anestesiologista da Clínica Indisa, Santiago - Chile Léa Menezes Couceiro Médica Residente em Anestesiologia pelo CET IMIP - Recife PE Macius Pontes Cerqueira TSA/SBA Membro do Comitê de Via Aérea Difícil Instrutor dos Cursos SAVA e CVA-SBA Magda Lourenço Fernandes TSA/SBA Membro do Comitê de Anestesia em Pediatria Responsável pelo CET da Santa Casa de Belo Horizonte Clóvis Marcelo Corso Coordenador da Clínica de Anestesiologia e Medicina Perioperatória do Hosp. Marcelino Champagnat, Curitiba (PR) Márcio de Pinho Martins TSA/SBA Presidente do Comitê de Reanimação e Atendimento ao Politraumatizado Coordenador do Núcleo SBA Vida Maria Angelica Abrão Instrutora dos Cursos SAVA e CVA-SBA Diretora Científica da Sociedade de Anestesiologia do Estado do Rio de Janeiro Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro Controle de via aerea - sba 2012.indb 4 21/09/ :17:38

5 Mauricio do Amaral Neto Médico Assistente do Serviço e Disc.de Anestesiologia da Irmandade da Sta. Casa de Misericórdia de São Paulo Anestesiologista do Hospital Abreu Sodré (AACD - SP) Leadership in Airway Training pela University of Chicago Maurício Malito TEA - Sociedade Brasileira de Anestesiologia Médico Primeiro Assistente do Serviço de Anestesia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Anestesiologista do Hospital Abreu Sodré (AACD - SP) Neuber Martins Fonseca TSA-SBA Membro da Comissão de Normas Técnicas da S.B.A Responsável pelo CET FMUF Uberlândia Núbia Verçosa Figueirêdo Professora Associada Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Responsável pela Disciplina de Anestesiologia, Disciplina de Dor e Liga de Dor da Faculdade de Medicina da UFRJ Professora Permanente do Curso de Pós-Graduação em Ciências Cirúrgicas(Mestrado e Doutorado) da UFRJ Patrícia Santiago Dantas de Oliveira TSA/SBA Instrutora do Curso SAVA-SBA Corresponsável pela residência médica em Anestesiologia Hospital Regional do Agreste Pedro Paulo Tanaka TSA/SBA MD, PhD, Stanford University School of Medicine Rafaela de Melo Simões Lima Médica em Especialização do 3º ano (ME-3) do CET do IMIP em Recife-PE Roberto Tsuneo Cervato Sato Médico Anestesiologista da Clínica de Anestesiologia e Medicina Perioperatória do Hospital Marcelino Champagnat e do Hospital Dr. Muricy, Curitiba (PR) Mestre em Tecnologia da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná Rodrigo Leal Alves Instrutor Corresponsável do CET do Hospital São Rafael Mestre em Anestesiologia pela UNESP Botucatu Anestesiologista do Hospital Universitário Prof. Edgard Santos Universidade Federal da Bahia Rogério Luiz da Rocha Videira TSA/SBA Presidente da Comissão de Normas Técnicas Prof. Adjunto do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal Fluminense (RJ) Ronaldo Alves de Souto TSA/SBA Membro do Comitê de Reanimação e Atendimento ao Politraumatizado Instrutor do Curso SAVA/SBA Rosalice Miecznikowski TSA/SBA Membro do Comitê de Via Aérea Difícil Instrutora dos Cursos SAVA e CVA-SBA Ruediger R. Noppens Department of Anesthesiology, University Medical Center of the Johannes Gutenberg-University, Mainz, Germany Simone Soares Leite TSA/SBA Membro do Comitê de Anestesia em Obstetrícia Responsável pelo CET Professor Bento Gonçalves da UFRJ Controle de via aerea - sba 2012.indb 5 21/09/ :17:39

6 Svenja Möbus Department of Anesthesiology, University Medical Center of the Johannes Gutenberg-University, Mainz, Germany Thaína Alessandra Brandão Médica Anestesiologista do Hospital Costa Cavalcanti e Hospital Municipal de Foz do Iguaçu PR Tiago Gayer de Alencar Médico Anestesiologista da Clínica de Anestesiologia e Medicina Perioperatória do Hospital Marcelino Champagnat e do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, Curitiba (PR) Mestre em Clínica Cirúrgica pela Universidade Federal do Paraná Valéria Melhado Fortuna TSA/ SBA Médica Anestesiologista, Hospital Beneficência Portuguesa de Santos Vladimir Nekhendzy MD Stanford University School of Medicine Waston Vieira Silva TSA/SBA - Membro da Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Instrutor dos Cursos SAVA e CVA-SBA Instrutor Corresponsável pelo CET do IMIP em Recife-PE Controle de via aerea - sba 2012.indb 6 21/09/ :17:39

7 APRESENTAÇÃO Todo livro tem sua história e este não difere dos demais. José Mariano Soares de Moraes Presidente da Sociedade Brasileira de Anestesiologia Controle de via aerea - sba 2012.indb 7 21/09/ :17:39

8 Controle de via aerea - sba 2012.indb 8 21/09/ :17:39

9 SUMÁRIO Prefácio...11 I. Conceitos fundamentais Capítulo 1 Anatomia das Vias Aéreas Superiores...13 Bruno Gardélio Pedreira de Cerqueira e Rodrigo Leal Alves Capítulo 2 Como reconhecer uma via aérea difícil Antonio Vanderlei Ortenzi Capítulo 3 Análise do algoritmo da ASA para a via aérea difícil...31 Vladimir Nekhendzy e Pedro Paulo Tanaka Capítulo 4 Outros algoritmos da via aérea - análise comparativa...39 Deise Martins Rosa Capítulo 5 Recomendações para limpeza de equipamentos para controle da via aérea...49 Rogério Luiz da Rocha Videira e Neuber Martins Fonseca II. Preparo para manipulação da via aérea Capítulo 6 Pré-oxigenação e laringoscopia direta otimizada...65 Bruno Mendes Carmona, Léa Menezes Couceiro e Waston Vieira Silva Capítulo 7 Ventilação sob máscara facial...91 Rosalice Miecznikowski, Bruno Mendes Carmona e Macius Pontes Cerqueira Capítulo 8 Intubação acordado Rafaela de Melo Simões Lima e Waston Vieira Silva Capítulo 9 Bloqueadores neuromusculares para intubação traqueal Ismar Lima Cavalcanti e Nubia Verçosa Figueirêdo III. Dispositivos e técnicas para controle das vias aéreas Capítulo 10 Máscaras laríngeas de primeira geração Antônio Carlos Aguiar Brandão, Flávio Annicchino e Thaína Alessandra Brandão Capítulo 11 Dispositivos supraglóticos de segunda geração Guillermo Navarro Capítulo 12 Máscaras laríngeas para intubação traqueal Márcio de Pinho Martins Capítulo 13 Dispositivos auxiliares para intubação Valeria Melhado Fortuna e Anibal de Oliveira Fortuna Capítulo 14 Dispositivos ópticos José Guzmán Olivares Controle de via aerea - sba 2012.indb 9 21/09/ :17:39

10 Capítulo 15 Videolaringoscópios Pedro Paulo Tanaka e Vladimir Nekhendzy Capítulo 16 Intubação por fibroscopia flexível Rüediger R. Noppens e Svenja Möbus Capítulo 17 Intubação retrógrada Clóvis Marcelo Corso, Roberto Tsuneo Cervato Sato e Tiago Gayer de Alencar Capítulo 18 Ventilação a jato transtraqueal Daniel Perin Capítulo 19 Cricotireoidostomia e traqueostomia Graziella Prianti Cunha e Daniel Capucci Fabri IV. Controle da Via Aérea em situações especiais Capítulo 20 Gestante Gilvan da Silva Figueiredo e Simone Soares Leite Capítulo 21 Obesidade mórbida Macius Pontes Cerqueira, Bruno Mendes Carmona e Rosalice Miecznikowski Capítulo 22 Pediatria Daniela Bianchi Garcia Gomes, Débora de Oliveira Cumino e Magda Lourenço Fernandes Capítulo 23 Estômago cheio Bruno Mendes Carmona, Macius Pontes Cerqueira e Rosalice Miecznikowski Capítulo 24 Reanimação cardiorrespiratória Marcio de Pinho Martins, Patricia Santiago Dantas de Oliveira, Deise Martins Rosa, Maria Angelica Abrão e Ronaldo Alves de Souto V. Condutas para a VAD Capítulo 25 Extubação segura Márcio de Pinho Martins e Maria Angelica Abrão Capítulo 26 Simulação Cláudia Marquez Simões Anexo I Relatório ou registro de via aérea difícil Macius Pontes Cerqueira, Bruno Mendes Carmona e Rosalice Miecznikowski Anexo II Unidade portátil para via aérea difícil Macius Pontes Cerqueira, Bruno Mendes Carmona e Rosalice Miecznikowski Glossário Controle de via aerea - sba 2012.indb 10 21/09/ :17:39

11 PR EFÁCIO Ao longo de todo o século XX, o controle da via aérea (CVA) era baseado em três alternativas: Ventilação sob máscara; Intubação traqueal; Acesso cirúrgico (notadamente na traqueostomia popularizada por Chevalier Jackson no final do século XIX). No final dos anos 80, uma verdadeira revolução ocorreu, a máscara laríngea desenvolvida ao longo de uma década pelo anestesiologista inglês, Archie Brain, foi lançada comercialmente. Com isto passamos a ter um recurso intermediário entre a ventilação sob máscara e a intubação para controle primário da via aérea, tanto em situações eletivas quanto nas situações emergenciais. Diversas empresas desenvolveram produtos semelhantes, incluindo melhorias e criando novos modelos de máscaras laríngeas. A diversidade de modelos foi tamanha, que estes dispositivos passaram a ser classificados em uma grande família, chamada de dispositivos extra-glóticos. Neste mesmo período, foi identificado que a dificuldade no manuseio ou impossibilidade de CVA era a principal causa de mortalidade relacionada à anestesia. Firmou-se o conceito de Via Aérea Difícil (VAD). Uma preocupação crescente com esta situação fez com que diversas sociedades em diferentes países publicassem recomendações ou diretrizes para tentar identificar a VAD antes do procedimento anestésico-cirúrgico, incluindo sugestões de conduta nas situações eletivas ou emergenciais. O uso do fibroscópio flexível para intubação traqueal é relativamente recente, data de 1967, o trabalho original de Murphy. O fibroscópio flexível ou broncofibroscópio (BFC) ganhou papel de destaque no arsenal do anestesiologista para o CVA, e permanece sendo considerado o padrão ouro para intubação da VAD até os dias de hoje. Desde então, diversos aperfeiçoamentos técnicos ocorreram, com aparelhos cada vez mais leves, resistentes, com fonte de luz própria, e boa portabilidade. Alguns aparelhos evoluíram a tal ponto, que o diâmetro não passa de milímetros, o que permitiu usar capas que permitem isolamento completo do aparelho, eliminando o risco de contaminação e reduzindo os custos com o processo de esterilização. Algumas empresas foram além, criando aparelhos literalmente descartáveis. Modernos videoscópios foram lançados. Novos aparelhos foram desenvolvidos, a partir do aperfeiçoamento de aparelhos ópticos e da digitalização de imagens, foram criados os modernos videolaringoscópios. Estes aparelhos apresentam uma lâmina bastante angulada, que permite realizar a intubação dos casos de maior dificuldade para o anestesiologista, como os portadores de imobilização da coluna cervical ou glote muito anteriorizada. Infelizmente, em nosso meio, ainda não temos um treinamento adequado com estas técnicas modernas, principalmente devido ao custo alto destes aparelhos. Devido à importância do domínio de técnicas diferentes para o CVA, precisamos corrigir estas lacunas, com o treinamento obrigatório de todos os futuros anestesistas e daqueles que já tem algum tempo de formados. Um treinamento formal com diferentes Prefácio 11 Controle de via aerea - sba 2012.indb 11 21/09/ :17:39

12 técnicas para CVA tem sido discutido e implementado em diversos países, certamente isto é uma necessidade no Brasil e em toda a América Latina. Acredito que este livro possa ajudar este tipo de treinamento específico em nossos CET- -SBA e em outros hospitais. Também servirá como fonte de consulta para os participantes do Curso de Controle da Via Aérea da SBA, um desdobramento do Curso de Suporte Avançado de Vida em Anestesia SAVA. O impressionante avanço dos conhecimentos destas duas áreas de grande importância determinou a criação de cursos de imersão separados, porém certamente complementares. Tivemos o cuidado de selecionar os principais tópicos relacionados com o CVA, tenho certeza que serão bastante ampliados em futuras edições deste livro, mas considero um ótimo começo. Contamos com a ajuda de vários especialistas dedicados ao ensino deste tema empolgante de todo o Brasil, da Argentina, do Chile, da Alemanha e dos Estados Unidos. Isto fortalece nossa sociedade e ratifica nossa convicção de que nossa força reside na união de todos aqueles interessados no contínuo aperfeiçoamento, nosso e dos futuros colegas que ingressarão em nossa especialidade. Meu sincero agradecimento a todos que dedicaram o seu tempo livre para estudar, pesquisar e escrever este livro, principalmente a todos os colegas do comitê de via aérea difícil da SBA. Ao longo deste ano, este comitê abraçou este projeto, e além de escrever diversos capítulos, encontrou forças para viajar, participar dos cursos, criar e ministrar as diversas aulas que hoje fazem parte do Curso de Controle da Via Aérea. É importante agradecer à todas empresas parceiras que apoiam os cursos do núcleo SBA-Vida, fornecendo condições materiais para a realização do treinamento prático de anestesiologistas em todo o país. Gostaria de agradecer à diretoria da SBA, representada pelo nosso presidente e pelo diretor do departamento científico, Drs. José Mariano Soares de Moraes e Oscar César Pires, pelo apoio incondicional e constante estímulo para desenvolver este projeto, considerado prioritário entre tantos outros da SBA em Parabéns para toda equipe de apoio da SBA, especialistas na realização de múltiplas tarefas simultaneamente, sem deixar de atender todos os diretores e ainda cumprir todos os prazos estabelecidos. Com muito carinho, dedico um agradecimento especial para meus pais, Teixeira e Márcia e minha família, Angélica e Manuela, por toda a compreensão e apoio ao longo dos últimos anos dedicados à implementação e realização de vários cursos do Núcleo SBA-Vida, e também para o meu grande incentivador nesta linda missão que é a anestesiologia, Jaime Pinto de Araujo Neto, que mesmo internado devido a uma colecistite aguda, não consegue controlar a paixão pela anestesia, lamentando estar internado e temporariamente impedido de usar o novo videolaringoscópio adquirido na semana anterior ao envio deste livro para a gráfica. Desejo a todos uma boa leitura. Márcio de Pinho Martins Coodenador do Núcleo SBA Vida 12 Controle da Via Aérea Controle de via aerea - sba 2012.indb 12 21/09/ :17:39

13 I - Conceitos fundamentais Capítulo 01 Anatomia das Vias Aéreas Superiores C V A Bruno Gardélio Rodrigo Leal Alves Controle de via aerea - sba 2012.indb 13 21/09/ :17:39

14 14 Controle da Via Aérea Anatomia das Vias Aéreas Superiores Introdução A manutenção funcional do sistema respiratório do paciente é uma das principais responsabilidades do anestesiologista. Eventos de obstrução à passagem de ar aos pulmões são comuns durante o ato anestésico, por conta dos efeitos de medicações empregadas e/ou intercorrências no perioperatório, e requerem pronta resolução por parte do profissional. A incapacidade de agir imediatamente pode desencadear consequências sérias, com risco de vida ou sequela permanente. O conhecimento da anatomia e do funcionamento das vias aéreas é fundamental não só para a aplicação segura da anestesia, mas para qualquer situação de inadequação respiratória 1. O trato respiratório é constituído de nariz, cavidades nasais, boca, faringe, laringe, traqueia, brônquios e pulmões 2. Tais estruturas, juntamente com a cavidade torácica, o diafragma e os centros de controle neurológico, fazem parte do sistema respiratório e são responsáveis pela constante troca de gases, imprescindível para a manutenção do metabolismo aeróbico. As vias aéreas são os componentes de ligação dos pulmões com o ambiente externo e têm como principal função permitir a condução segura do ar ao alvéolo, assim como o retorno deste ao ambiente. Por razões de ordem prática, as vias aéreas são divididas em superiores (nariz, boca, cavidades nasais, faringe e laringe) e inferiores (traqueia e brônquios), sendo a glote (cordas vocais) o limite anatômico habitualmente definido na literatura, ainda que alguns autores considerem a cartilagem cricoide como ponto de transição 3. A maioria dos dispositivos destinados à manutenção das funções da via aérea é destinada a sua porção superior. No entanto, dispositivos infra glóticos também apresentam grande importância na prática anestésica, principalmente nas situações em que a proteção das vias aéreas inferiores é imperativa. Por conta disso, o capítulo também abordará os principais aspectos da anatomia da traqueia. Componentes Nariz e Cavidades Nasais Considerado o início funcional das vias aéreas 1, o nariz representa o trajeto principal do fluxo de ar inspirado e expirado em condições normais de respiração 2. Com resistência à passagem do ar aproximadamente duas vezes maior que a boca, a cavidade nasal é responsável por quase dois terços da resistência total das vias aéreas 4. Constituídas por um arcabouço ósteocartilaginoso com um septo central que o divide em duas câmaras simétricas, as fossas nasais se comunicam externamente com o ambiente pelas narinas e, internamente, com a nasofaringe pelas coanas 2 (Figura 1). A porção inicial do nariz interno, logo após as narinas, chamada de vestíbulo, é revestida por pele com pelos e glândulas sebáceas, enquanto o restante da cavidade é coberto por uma mucosa especial, aderida ao periósteo ou pericôndrio, que possui rica irrigação arterial e inervação sensitiva 2. Cada fossa nasal apresenta uma parede lateral e uma medial, além de Controle de via aerea - sba 2012.indb 14 21/09/ :17:40

15 assoalho e teto, podendo ser dividida em porções olfatória e respiratória. Na parede lateral, se inserem três processos ósseos chamados de cornetos superior, médio e inferior (Figura 1) que servem de arcabouço ósseo para as respectivas turbinas (revestimento mucoso dos cornetos). A região acima da turbina superior, porção olfatória, é separada da fossa craniana anterior por uma fina lâmina óssea do etmoide (lâmina crivosa), que justifica a contraindicação à inserção de sondas e cânulas por via nasal em casos de risco de fratura desse osso. A porção da cavidade nasal abaixo da concha inferior é considerada parte respiratória da cavidade nasal, portanto, o principal local de interesse anatômico do anestesiologista 2. Os segmentos da parede lateral abaixo de cada turbina são chamados de meatos (superior, médio e inferior, representados na Figura 1), nos quais se abrem os óstios dos seios da face. No espaço livre entre os meatos, a parede medial (septo) e o assoalho (palato) das fossas nasais se encontra o corredor para a passagem de ar entre a narina e a coana de cada lado. O espaço formado entre o septo, o assoalho e os meatos inferior e médio representa a porção mais ampla desse corredor, sendo, portanto, o local preferencial para a inserção dos dispositivos de via aérea pelo nariz. Figura 1 1 Corneto superior 2 Corneto médio 3 Corneto inferior 4 Palato mole 5 Músculo genioglosso 6 Epiglote 7 Nasofaringe 8 Orofaringe 9 Laringofaringe 10 Palato duro 11 Úvula 12 Valécula 13 - Narina O suprimento arterial das estruturas nasais pode ser dividido em ramos da carótida interna (artérias etmoidais anterior e posterior provindas da artéria oftálmica) e ramos da carótida externa (artérias esfenopalatina, grande palatina, labial superior e angular) 2. A porção interna das cavidades nasais é irrigada preferencialmente pelas artérias esfenopalatinas e etmoidais, com contribuição adicional das artérias labial superior e grande palatina na região septal 2. Uma fração significativa do suprimento sanguíneo do nariz é destinada a sua mucosa, para permitir o aquecimento e a umidificação do ar inalado em condições normais de ventilação. Tal fato também justifica o risco de sangramento significativo, epistaxe, em casos de trauma dessa mucosa. O retorno venoso segue um padrão especular do suprimento arterial e apresenta comunicação direta a valvular com os seios cavernosos intracranianos. A inervação sensitiva do nariz e das cavidades nasais é provida pelos dois primeiros ramos do nervo trigêmeo. O nervo nasociliar (ramo do oftálmico) é responsável pela sensibilidade da pele e pela mucosa Anatomia das Vias Aéreas Superiores 15 Controle de via aerea - sba 2012.indb 15 21/09/ :17:40

16 da cavidade nasal anterior através dos sub-ramos etmoidais anteriores e posteriores 2. A porção posterior das cavidades nasais é inervada preferencialmente pelos nervos nasopalatinos provenientes do gânglio esfenopalatino (originado da divisão maxilar do trigêmeo). Boca A cavidade oral está limitada anteriormente pelos lábios e posteriormente pelo véu palatino ou palato mole, que a separa da orofaringe 5 (Figuras 1 e 2). A resistência ao fluxo de ar no interior da cavidade bucal é metade daquela encontrada no nariz, o que explica a mais fácil ventilação oral do paciente sob sedação 6. As estruturas da cavidade oral de maior interesse ao anestesiologista são 5 : a) os dentes, dispostos em dois arcos, superior e inferior (Figura 2); b) a língua, órgão muscular e sensorial, cuja base se relaciona com os pilares amigdalianos e a epiglote. Os dois terços anteriores são inervados pelo nervo lingual, ramo do nervo mandibular, e o terço posterior, incluindo a epiglote anterior, pelo glossofaríngeo (Figuras 1, 2 e 3); c) os pilares amigdalianos, que são formados por quatro arcos (dois arcos palatoglossos e dois palatofaríngeos) e se relacionam superiormente com a úvula e inferiormente com as amígdalas palatinas, terminando na base da língua (Figura 2); d) o palato duro, formação óssea revestida por mucosa (Figuras 1 e 2); e) o palato mole, formação fibromuscular aderente à porção posterior do palato duro que segue com a úvula e os pilares amigdalianos (Figuras 1 e 2); f) a úvula (Figuras 1 e 2); Figura 2 1- Lábio superior 2- Arcada dentária superior 3- Palato duro 4- Palato mole 5- Úvula 6- Arco palatoglosso 7- Arco palatofaríngeo 8- Amígdala palatina 9- Parede posterior da orofaringe 10- Língua 11- Lábio inferior 16 Controle da Via Aérea Controle de via aerea - sba 2012.indb 16 21/09/ :17:40

17 A correta identificação dessas estruturas durante o exame da cavidade oral pode ajudar na antecipação de uma possível VAD (Figura 2). Na tentativa de identificar a ocorrência de VAD, Mallampati e col. 7 observaram que a visualização das estruturas orofaringeanas detectadas pelo exame da cavidade oral dos pacientes poderia predizer o possível grau de dificuldade encontrado na LD, o que originou a classificação de Mallampati amplamente utilizada 8,9. Nela, quanto maior o número de estruturas visualizadas durante o exame da cavidade oral maior a probabilidade de uma fácil abordagem da VA (Figura 2). A classificação de Mallampati analisa a abertura da boca e a inter-relação das estruturas orofaringeanas. A relação entre o tamanho da língua e o da cavidade oral indica a possibilidade de deslocamento da língua pela lâmina do laringoscópio durante a LD 7,8. Alterações anatômicas, como o aumento do depósito de gordura na face, na laringe e na orofaringe e a macroglossia, podem estar relacionadas ao difícil acesso à via aérea e devem ser identificadas pelo médico anestesista durante a avaliação pré-anestésica para aumentar a segurança do ato anestésico-cirúrgico 10. Faringe Considerada o principal ponto de interseção dos sistemas digestório e respiratório, a faringe tem a importante função de permitir não só a potência e a proteção das vias aéreas, mas direcionar o alimento ao esôfago durante a deglutição. É formada por um tubo musculomembranoso com cerca de 12,5 centímetros de comprimento, com maior largura transversal que anteroposterior que se estende da base do crânio à cartilagem cricoide 11. Possui rica inervação sensitivo-motora dos nervos glossofaríngeos na porção superior e do laríngeo externo e recorrente na porção inferior. As paredes laterais da faringe estão em contato com os grandes vasos do pescoço, que recebem irrigação sanguínea por meio de ramos diretos das artérias carótidas. É habitualmente dividida em três partes: nasal, oral e laríngea (Figura 1). A nasofaringe se situa posteriormente às fossas nasais e se comunica com ela por intermédio das coanas. Tendo como limite superior a base do crânio, essa porção se estende até a altura do palato mole e se mantém permanentemente aberta sem ação muscular (diferente da orofaringe e da laringofaringe) 11. Na parede posterior, encontra-se acúmulo de tecido linfático em forma de saliência conhecida com tonsila faríngea, ou adenoide. Durante a infância, é comum a ocorrência de hipertrofia significativa desse tecido, com obstrução parcial ou total da cavidade. Alguns processos patológicos na idade adulta também podem levar a um crescimento importante da adenoide, dificultando ou impossibilitando a ventilação ou inserção de dispositivos de manutenção da via aérea por via nasal. A porção oral da faringe (Figuras 1 e 2) é a continuação da nasofaringe (após o palato mole) até a altura do osso hioide 11. Tem como limite anterior a face posterior da língua, que se comunica com a boca pelo istmo da garganta. Em decúbito dorsal, é comum o colabamento da língua e do tecido sublingual contra sua parede posterior, com obliteração parcial ou total da cavidade. A manutenção da abertura para a passagem de ar pela orofaringe nessa Anatomia das Vias Aéreas Superiores 17 Controle de via aerea - sba 2012.indb 17 21/09/ :17:40

18 situação é um mecanismo ativo pelo efeito predominante do músculo genioglosso (Figura 1), que traciona a língua em direção à face interna da sínfise do mento 3. A laringofaringe, também chamada de hipofaringe, estende-se da orofaringe até a cartilagem cricoide, na qual continua com o esôfago 11 (Figura 1). O ponto de transição entre a hipofaringe e o esôfago é delimitado por um recesso, denominado seio piriforme, posterior ao ádito da laringe. Laringe A laringe é formada por cartilagens, ligamentos, membranas e músculos 12. Se estende da terceira à sexta vértebra cervical (C6), mede cerca de 45 milímetros 13 e tem funções fonatória, respiratória e de proteção das vias aéreas, separando o tubo digestivo da árvore respiratória. Seu limite superior é a epiglote e o inferior, a cartilagem cricoide, na qual tem início a traqueia 12,14,15 (Figura 4). Na estrutura que forma a laringe está o osso hioide, em forma de U, que não se articula com nenhum outro osso, mas sustenta a laringe durante a respiração e a fonação, por meio de ligamentos e músculos 12,14,15 (Figuras 3 e 4). As principais estruturas que formam a laringe são as cartilagens. São nove, três ímpares e três pares, como descritas a seguir 6 (Figuras 3 e 4): a) cartilagem tireoide: é a maior cartilagem da laringe. A junção anterior das duas metades que a forma envolve a laringe e origina o pomo de adão, referência anatômica mais visível nos homens. A membrana cricotireóidea, que a une a cartilagem cricoide, é o local de acesso à via aérea no caso de emergência, procedimento denominado cricotireostomia; b) cartilagem cricoide: é o limite inferior da laringe, que a separa da traqueia. Apresenta formato de anel e é a única cartilagem que envolve completamente a via aérea e, por isso, é o ponto de compressão manual quando se pretende ocluir o tubo digestivo sem obstruir a via aérea na tentativa de evitar regurgitação de conteúdo gástrico. Na criança, é o ponto mais estreito da via aérea; c) epiglote: possui forma de U e consistência fibroelástica; está situada entre a laringe e a base da língua. Anteriormente a essa cartilagem, na junção com a base da língua, se encontra a valécula, na qual se deve posicionar a ponta da lâmina de Macintosh (curva) durante a laringoscopia 14. Sua porção anterior, próxima à valécula e à base da língua, tem inervação vagal, que pode causar bradiarritmias durante a laringoscopia. Em 1% dos pacientes, sua porção posterior pode ser visível durante o exame da cavidade oral 16 ; d) cartilagens aritenoides: duas cartilagens que se articulam com a cartilagem cricoide e controlam a adução e abdução das cordas vocais; e) cartilagens corniculadas e cuneiformes: ambas situam-se sobre as aritenoides. As cuneiformes não são constantes e se encontram entre as aritenoides e as corniculadas, conectando-as. Esse conjunto cartilaginoso, juntamente com os músculos e ligamentos que as conectam, interferem diretamente no tônus das cordas vocais. 18 Controle da Via Aérea Controle de via aerea - sba 2012.indb 18 21/09/ :17:40

19 Figura 3 1 Corpo da língua 2 Base da lingual 3 - Epiglote 4 Valécula 5 Corda vocal 6 Aritenóide 7 Corno do osso hióide A laringe tem inervação formada pelo nervo laríngeo inferior (recorrente) e pelo nervo laríngeo superior, ambos ramos do nervo vago (X parcraniano). O nervo recorrente é responsável pela inervação motora de todos os músculos da laringe, com exceção do músculo cricotireóideo,que é inervado pelo ramo externo do nervo laríngeo superior. A inervação sensitiva de toda a laringe é formada pelo ramo interno do nervo laríngeo superior 16. Figura 4 1 Epiglote 2 Osso hióide 3 Cartilagem tireóide 4 Cartilagem cricóide 5 Cartilagem aritenóide 6 Cartilagem corniculada 7 Membrana tiro-hioídea 8 Ligamento crico-tiroídeo As cordas vocais são pregas musculomembranosas que se conectam anteriormente à cartilagem tireoide e posteriormente às cartilagens aritenoides. Durante a laringoscopia, podem ser visualizadas em forma de triângulo com ápice anterior (Figura 3). O espaço entre ambas é denominado glote. Uma de suas funções é a geração de sons, provocada pela vibração proporcionada pelo fluxo de ar proveniente dos pulmões. Por meio de sua contração, a glote Anatomia das Vias Aéreas Superiores 19 Controle de via aerea - sba 2012.indb 19 21/09/ :17:41

20 também é fechada, impedindo que secreções penetrem nas vias aéreas inferiores, fenômeno que, quando tem duração prolongada, é denominado laringoespasmo, cujo estímulo é mediado pelo ramo interno do nervo laríngeo superior 17. Traqueia Inicia-se na cartilagem cricoide ao nível da C6 e continua por 10 a 20 centímetros até a carina 6. É formada por 16 a 20 anéis compostos de cartilagens em sua porção anterior e tecido fibroelástico posteriormente. Ao nível do sexto anel, a traqueia se torna intratorácica 6. Na carina, a traqueia se bifurca em dois brônquios: o direito, mais curto (2 centímetros) e retilíneo do que o esquerdo (5 centímetros), sendo, portanto, o local mais provável para a impactação de corpo estranho que, porventura, ultrapasse a barreira glótica 5. Referências bibliográficas: 1. Gal DST. Airway Management, em: Miller R. Anesthesia, 5 th Ed, Philadelphia, Churchill Livingstone, 2000; Gray H. The Respiratory System, em: Goss CM. Grays s Anatomy. 29 th Ed, Philadelphia. Lea & Febiger, 1973; Ward JPT, Wiener C. The Respiratory System at a Glance. 2 nd Ed, Massachusetts, Wiley-Blackwel, Ferris BG, Mead J, Opie LH. Partitioning of respiratory flow resistance in man. J Appl Physiol, 1964;19: Latarjet M, Liard AR. Sistema digestivo supradiafragmático, em: Latarjet M, Liard AR. Anatomia Humana, 2 a Ed, São Paulo, Médica Panamericana, Krohner RG, Ramanathan S. Functional Anatomy of the Airway, em: Hagberg CA. Benumof s Airway Management: Principles and Practice. 2 nd Ed, Philadelphia. Mosby Elsevier, 2007; Mallampati SR, Gatt SP, Gugino LD et al. A clinical sign to predict difficult tracheal intubation: a prospective study. Can Anaesth Soc J 1985;32(4): Wilson ME, Spiegelhalter D, Robertson JA et al. Predicting difficult intubation. Br J Anaesth, 1988;61(2): Janssens M, Hartstein G. Management of difficult intubation. Eur J Anaesthesiol, 2001;18(1): Brodsky JB. Anesthesia for bariatric surgery. ASA Refresher Courses. Anesthesiol, 2005; 33(5): Gray H. The Digestive System, em: Goss CM, editor. Gray s Anatomy. Philadelphia. Lea & Ferbiger; 1973; Roberts J. Fundamentals of Tracheal Intubation. New York, Grune & Stratton, Bannister LH, Berry MM, Collins P et al. Gray s Anatomy, 38 th Ed, New York, Churchill Livingstone, 1995; Roberts JT. Functional anatomy of the larynx. Int Anesthesiol Clin, 1990;28(2): Roberts JT, Pino R. Functional Anatomy of the Upper Airway, em: Roberts JT. Clinical Management of the Airway. Philadelphia. WB Saunders, 1994; Maleck WH, Koetter KK, Less SD. Pharyngoscopic views. Anesth Analg 1999; 89(1): Thach BT. Neuromuscular control of upper airway patency. Clin Perinatol, 1992; 19(4): Controle da Via Aérea Controle de via aerea - sba 2012.indb 20 21/09/ :17:41

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA Via Aérea Difícil Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA 2 Via Aérea Difícil Definições: Não é possível visualizar nenhuma parte das cordas vocais pela laringoscopia convencional. A intubação requer mais

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos Crianças com deformidades na face Avaliação da via aérea difícil Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos anomalias anatômicas cavidade oral espaço mandibular anterior maxila articulação

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Um dos maiores desafios das situaçoes de emergência é a aquisição dadas vias respiratórias. No algoritmo para qualquer situação de emergência, a manutenção

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor.

Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor. Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor. Outubro 2005 2 Introdução: O implemento da tecnologia e o avanço

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Via aérea definiva no trauma

Via aérea definiva no trauma Via aérea definiva no trauma Mauricio Vidal de Carvalho Israel Figueiredo júnior A sistematização do atendimento inicial a vítimas de traumas trouxe importantes avanços na condução destes pacientes. Diante

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Função Permite que o oxigénio do ar entre para o sangue nos pulmões; Permite a passagem do dióxido de carbono do sangue para o ar. Associação Trabalha em conjunto com o Sistema Cardiovascular Fornecer

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Avaliação do Risco de Via Aérea Difícil: Atuação do Enfermeiro no Intraoperatório

Avaliação do Risco de Via Aérea Difícil: Atuação do Enfermeiro no Intraoperatório Avaliação do Risco de Via Aérea Difícil: Atuação do Enfermeiro no Intraoperatório 1 Enf. Wagner de Aguiar Júnior Unidade de Apoio Técnico ao Anestesista Instituto Central - HCFMUSP Importância do Manejo

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações

Leia mais

Avaliação da Via Aérea Difícil

Avaliação da Via Aérea Difícil CAPÍTULO 5 Avaliação da Via Aérea Difícil Valéria Baraldi Melhado* Introdução Uma das maiores preocupações ao realizarmos um procedimento anestésico, sem dúvida, está relacionada à via aérea (VA) e sua

Leia mais

Intubação Traqueal Difícil

Intubação Traqueal Difícil Intubação Traqueal Difícil Autoria: Sociedade Brasileira de Anestesiologia Elaboração Final: 15 de fevereiro de 2003 Participantes: Ferez D, Lütke C, Ortenzi AV, Melhado VB, Bastos JPV, Cunha GP, Silva

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002)

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) 1. Supraglote a. Epiglote suprahióidea (inclui ponta da epiglote, superfícies lingual e laríngea) b. Prega ariepiglótica, face laríngea c. Aritenóide

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

PROTOCOLO DE VIA AÉREA Dr Frederic Hasegawa Revisão: 06/12/2007

PROTOCOLO DE VIA AÉREA Dr Frederic Hasegawa Revisão: 06/12/2007 PROTOCOLO DE VIA AÉREA Dr Frederic Hasegawa Revisão: 06/12/2007 1. Importância do protocolo Intubação orotraqueal é procedimento de rotina na UTI. Apesar da baixa prevalência de via aérea difícil, ela

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

VIA AÉREA DIFÍCIL. Valéria Baraldi Melhado Anibal de Oliveira Fortuna

VIA AÉREA DIFÍCIL. Valéria Baraldi Melhado Anibal de Oliveira Fortuna VIA AÉREA DIFÍCIL Valéria Baraldi Melhado Anibal de Oliveira Fortuna Introdução Anatomia Avaliação da Via Aérea Antecipando uma Via Aérea Difícil Manuseio da Via Aérea Intubação Traqueal Intubação - Técnicas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

Descrição: - Tecnologia Médica INSTRUÇÕES DE USO:

Descrição: - Tecnologia Médica INSTRUÇÕES DE USO: INSTRUÇÕES DE USO: - Tecnologia Médica MÁSCARA LARÍNGEA NovaMASC DESCARTÁVEL Figura 1 Máscara Laríngea em posição A Máscara Laríngea NovaMASC descartável, é um dispositivo supraglótico para ventilação,

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Intubação Traqueal. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br

Intubação Traqueal. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br Israel Figueiredo Junior israel@ vm.uff.br Comparação anatômica com adulto Cabeça : larga em proporção ao resto do corpo. Tendência a adquirir uma posição de flexão. Quando o tonus cervical encontra-se

Leia mais

Como atuar frente a pacientes com Via Aérea Difícil? Enf. Ms. Wagner de Aguiar Júnior 23/09/2015

Como atuar frente a pacientes com Via Aérea Difícil? Enf. Ms. Wagner de Aguiar Júnior 23/09/2015 Como atuar frente a pacientes com Via Aérea Difícil? Enf. Ms. Wagner de Aguiar Júnior 23/09/2015 Introdução Eventos adversos graves no manejo da via aérea são raros mas estão entre as complicações que

Leia mais

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada SÅo Paulo, 20 de setembro de 2011 Protocolo: 0115/2011 Informo que a partir de 20/09/2011 alguns protocolos de atendimento da especialidade Cirurgia PlÑstica do Hospital das ClÖnicas foram desativados,

Leia mais

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago Mecanismos para Obtenção de Alimentos Ingestão de Grandes Quantidades de Alimento Absorção de nutrientes diretamente do meio Parasitas do sangue Adaptações mais interessantes Aquelas evoluíram p/ obtenção

Leia mais

MÁSCARA LARÍNGEA. Descrição:

MÁSCARA LARÍNGEA. Descrição: MÁSCARA LARÍNGEA ** Este dispositivo deve ser utilizado unicamente por pessoas devidamente treinadas e que estejam familiarizadas com suas restrições e cuidados ** A Sonda Laríngea, modelo: Máscara Laríngea

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Câncer de cabeça e pescoço

Câncer de cabeça e pescoço Câncer de cabeça e pescoço Prof. Dr. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS ANATOMIA nasofaringe boca orofaringe faringe laringe parede posterior parede lateral seio

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OTORRINOLARINGOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA I Curso de Pneumologia na Graduação DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO Carlos Alberto de Assis Viegas Universidade de Brasília Faculdade de Medicina da Bahia

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O sistema respiratório é responsável pelo mecanismo de troca gasosa (hematose) com o ar atmosférico para garantir

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

A esposa refere que o paciente ronca!!

A esposa refere que o paciente ronca!! CASO CLÍNICO Paciente do sexo masculino, ASA I, 27 a, peso 75 kg, altura 1,72 m, boa abertura de boca, sem limitações a flexão da cabeça/tronco, mallampati II, cirurgia proposta: Septoplastia e cauterização

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

Gerenciamento da Via Aérea e Entubação Traqueal

Gerenciamento da Via Aérea e Entubação Traqueal CAPÍ T ULO Gerenciamento da Via Aérea e Entubação Traqueal D AVID FER E Z DEFINIÇÃO O gerenciamento da via aérea pode ser entendido como o emprego de técnicas e dispositivos que têm como objetivo administrar

Leia mais

SÍNDROME DA APNÉIA e HIPOPNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO (SAHOS) PROF. DR. VINICIUS RIBAS FONSECA

SÍNDROME DA APNÉIA e HIPOPNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO (SAHOS) PROF. DR. VINICIUS RIBAS FONSECA INTRODUÇÃO SÍNDROME DA APNÉIA e HIPOPNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO (SAHOS) PROF. DR. VINICIUS RIBAS FONSECA A síndrome da apneia obstrutiva do sono é caracterizada por eventos recorrentes de obstrução da via

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula : Estuda a Estrutura Estática do Corpo Humano É Utilizada para Classificar e Descrever as Lesões de acordo com Sua Localização Prever Lesões de Órgãos Internos, baseando-se na Localização Externa da Lesão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A avaliação perceptivo auditiva é uma avaliação clássica, que, apesar de ser subjetiva, continua soberana na rotina clínica fonoaudiológica. A respeito desse assunto, julgue os itens a seguir. 41 O tempo

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ministério da Saúde. Brasília DF 2012 CUIDADOS DE SAÚDE ÀS PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ministério da Saúde. Brasília DF 2012 CUIDADOS DE SAÚDE ÀS PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2012 1 2 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas CUIDADOS DE SAÚDE ÀS PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN Série F. Comunicação

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Epistaxe

Protocolo Clínico e de Regulação para Epistaxe Protocolo Clínico e de Regulação para Epistaxe Fabiana C. P. Valera 1, Edwin Tamashiro 1, Miguel A. Hyppolito 2, Wilma T. Anselmo-Lima 2 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA A epistaxe é definida como o sangramento

Leia mais

Estômago Cheio e as Emergências: o que há de novo?

Estômago Cheio e as Emergências: o que há de novo? CAPÍTULO 8 Estômago Cheio e as Emergências: o que há de novo? Elizabeth de Souza Moreira* Introdução O primeiro relato sobre a importância do estômago cheio em anestesia foi feito por Mendelson 1 em 1946,

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD

CAVIDADE BUCAL. Anatomia Aplicada à Odontologia. Prof. Peter Reher, CD, CD, MSc, MSc, PhD PhD CAVIDADE BUCAL Anatomia Aplicada à Odontologia CAVIDADE BUCAL Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em Cirurgia Bucomaxilofacial - UFPel-RS Doutor (PhD) em Cirurgia Maxilofacial -

Leia mais

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz O que é a Rinoplastia? A rinoplastia, ou cirurgia do nariz, é um procedimento estético que corrige a forma e a funcionalidade do nariz, melhorando tanto o aspecto

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

Ossos próprios do nariz Lâmina perpendicular do etmóide Extensões dos ossos maxilar e frontal

Ossos próprios do nariz Lâmina perpendicular do etmóide Extensões dos ossos maxilar e frontal Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Problemas da Função Sensorial O nariz como órgão possui duas funções de extrema importância para o organismo humano, a função olfactiva e a função respiratória.

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais