UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CENTRO EDUCACIONAL SÃO CAMILO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CENTRO EDUCACIONAL SÃO CAMILO SUL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CENTRO EDUCACIONAL SÃO CAMILO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONDUTAS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE CRÍTICO KARLA GOMES SIFRONI SISTEMATIZANDO A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: ELABORAÇÃO DE PROTÓTIPO CRICIÚMA, JANEIRO DE

2 KARLA GOMES SIFRONI SISTEMATIZANDO A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: ELABORAÇÃO DE PROTÓTIPO Trabalho de Conclusão do Curso, apresentado para obtenção do grau de Especialista no Curso de Condutas de Enfermagem no Paciente Crítico da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC / Centro Universitário São Camilo. Orientador: Profa. MS. Maria Augusta da Fonte. UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CENTRO EDUCACIONAL SÃO CAMILO SUL CRICIÚMA, JANEIRO DE

3 DECLARAÇÃO DE AUTORIA Karla Gomes Sifroni, RG , CPF , Conselho Regional de Enfermagem n o , DECLARO, para os devidos fins e sob as penas da lei, que o trabalho que versa sobre a informatização da assistência de enfermagem prestada ao cliente internado em Unidade de Terapia Intensiva com o título SISTEMATIZANDO A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: ELABORAÇÃO DE PROTÓTIPO é de minha única e exclusiva autoria, estando a UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC e a USC CENTRO EDUCACIONAL SÃO CAMILO RS autorizados a divulgá-lo, mantendo cópia em biblioteca, sem ônus referentes a direitos autorais, por se tratar de exigência parcial para certificação em Título de Enfermeiro Especialista em Pacientes Críticos. Criciúma, janeiro de 2009 Karla Gomes Sifroni COREN - SC N

4 RESUMO Trata-se de um trabalho de conclusão do curso de Pós-Graduação em Condutas de Enfermagem no Paciente Crítico da Universidade do Extremo Sul Catarinense em parceria com o Centro Universitário São Camilo. Este trabalho foi desenvolvido na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Araranguá, no período de 07 a 19 de setembro de Por meio deste estudo tive o propósito de desenvolver um protótipo informatizado para a sistematização da Assistência de Enfermagem SAE prestada ao cliente internado em Unidade de Terapia Intensiva. A SAE é uma atividade deliberada, por meio da qual a assistência de enfermagem é abordada de forma organizada e sistematizada. Através deste método o enfermeiro(a) avalia e registra o estado saúde/doença do cliente assistido, diagnostica suas necessidades, implementa os cuidados, priorizando o cuidado de enfermagem de qualidade. O modelo assistencial adotado para o desenvolvimento da minha prática assistencial é fundamentado na proposta de Benedet & Bub (2001), a qual é baseada na teoria das Necessidades Humanas Básicas (N.H.B.) de Wanda de Aguiar Horta e na lista de diagnósticos da Taxonomia I da Classificação Diagnóstica da North American Nursing Diagnosis Association - NANDA. Para este estudo, utilizarei como base teórica a proposta de Horta(1979), e para favorecer sua operacionalização, optarei apenas por quatro etapas do seu processo, sendo elas: histórico de enfermagem, diagnósticos de enfermagem, prescrição de enfermagem e evolução de enfermagem. As intervenções de enfermagem foram baseadas na lista de intervenções proposta por Rosso e Sifroni (p.1087, 2004). Durante este trabalho verifiquei que a SAE aliada à tecnologia da informática irá permitir: o compartilhamento desses dados, a fidelidades das informações, a utilização de uma linguagem comum entre os enfermeiros(as), o menor uso de papéis e uma ampla base de dados. Acredito que uma assistência de qualidade depende do conhecimento profissional em relação aos cuidados, a administração e ao processo de informatização da assistência. Palavras-chave: Sistematização da Assistência de enfermagem, Unidade de Terapia Intensiva, protótipo de software, informática em enfermagem. 4

5 ABSTRACT This is a work of completion of the course of Post-Graduation in Pipelines of Nursing in PatientCritical of the University in the Far South Catarinense partnership with the University Center San Camilo. This work was developed in Therapy Unit Intensiva (ICU) of the Regional Hospital of Araranguá in period from 07 to 19 September Through this study had the aim of developing a prototype computerized to organize the assistance of Nursing - SAE - delivered to clients in hospital Intensive Care Unit. The SAE is an activity deliberate, by which the assistance of nursing is approached in an organized and systematic. Through this method the nurse evaluates and records the state health / disease Guest assisted, diagnose their needs, implements care, prioritizing the care of nursing quality. The assistance model adopted for thedevelopment of my practice is care based on the proposal for Benedet & Bub (2001), which is based on the theory of human needs Basic (NHB) from Wanda de Aguiar Horta and the list I Taxonomy of diagnoses of the ClassificationDiagnostic of North American Nursing Diagnosis Association - NANDA. For this study, used as theoretical basis of the proposal Horta (1979), and to promote its operation, opting only for four stages of its proceedings, which are: history nursing, nursing diagnosis, prescription nursing and development nursing. The nursing interventions were based on the list of interventions proposed by Rosso and Sifroni (p.1087, 2004). During this study found that the SAE coupled with the technology of computers will allow: the sharing of such data, the loyalties of information, the use of a common language between the nurses (as), the lower use of paper and a wide database. I believe that assistance of a quality depends on the professional knowledge in for care, the administration and the process of computerization of assistance. Keywords: Systematization of nursing care, prototype software, Intensive Care Unit, nursing informatics 5

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos REVISÃO DE LITERATURA Unidade de Terapia Intensiva Sistematização da Assistência de Enfermagem Informática em Enfermagem Protótipo de Software Teoria de Enfermagem Pressupostos Básicos Sistematização da Assistência Histórico de Enfermagem Diagnósticos de Enfermagem Intervenções de Enfermagem Evolução de Enfermagem METODOLOGIA Local do Estudo População Alvo Amostra Coleta de Dados Interpretação e Análise dos Dados Procedimentos Éticos ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS ACHADOS Processos de Enfermagem Paciente Paciente Paciente Paciente Descrevendo os Resultados CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... APÊNDICE A... APÊNDICE B... ANEXO A... ANEXO B

7 1. INTRODUÇÃO A sistematização da assistência de enfermagem SAE é uma atividade deliberada, por meio da qual a assistência de enfermagem é abordada de forma organizada e sistematizada. Através deste método o enfermeiro(a) avalia e registra o estado saúde/doença do cliente assistido, diagnostica suas necessidades, implementa os cuidados, priorizando o cuidado de enfermagem de qualidade. O estudo propôs informatizar a assistência de enfermagem prestada ao cliente internado em Unidade de Terapia Intensiva - UTI, inicialmente, através da elaboração de um protótipo. A SAE, é atividade privativa do enfermeiro(a), utiliza métodos e estratégias de trabalho científico para a identificação das situações de saúde/doença, subsidiando ações de assistência de Enfermagem que podem contribuir para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde do cliente e família (COFEN 272/2002). Deve ocorrer em toda instituição de saúde, publica ou privada, desde que registrada formalmente no prontuário do cliente Os cuidados prestados pela equipe de enfermagem aos clientes em condição crítica de saúde são contínuos e, muitas vezes, complexos, no entanto, muitos cuidados não são registrados adequadamente devido a falta de um instrumento compatível, desmotivação dos profissionais, limitação dos recursos financeiros e tempo, sobrecarga de trabalho e a desvalorização do serviço prestado pela equipe. O presente trabalho foi desenvolvido na UTI de um hospital geral do extremo sul catarinense. O estudo nasceu de experiências durante a supervisão de enfermagem, onde enquanto profissional que presta assistência a um hospital de 120 leitos, sendo um dos setores a UTI, vivencio a dificuldade de obter as informações necessárias para basear o cuidado prestado ao cliente assistido. Essas informações, por vezes, não constam no prontuário do cliente, podendo ou não estarem fragmentadas nos diversos setores que compõem a instituição. Diante disso, senti a necessidade de reunir informações claras, completas, compreensíveis e registradas de maneira uniforme a respeito do histórico e quadro clínico do cliente assistido, facilitando o acesso e compreensão de todos os profissionais de saúde que prestam o cuidado intensivo. 7

8 A construção do estudo nesta unidade foi rica em vivências e em conhecimento teórico, forneceu grandes oportunidades para o meu desenvolvimento profissional e pessoal, acredito que tenha despertado nos profissionais de enfermagem a vontade de qualificar, ainda mais, a assistência prestada aos clientes internados e desenvolveu nos profissionais de saúde e acadêmicos o interesse pela pesquisa, bem como, o aprimoramento do trabalho já realizado. 8

9 2. OBJETIVOS 2.1. Objetivo geral Propor o protótipo informatizado para a sistematização da Assistência de Enfermagem prestada ao cliente internado em Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Regional de Araranguá Objetivos específicos Analisar os registros de enfermagem realizados pelos enfermeiros da UTI do HRA; Uniformizar as informações dos pacientes internados na UTI do HRA. Democratizar o acesso às informações dos pacientes internados na UTI do HRA. Racionalizar o registro de informações sobre a assistência de enfermagem prestada aos pacientes internados na UTI do HRA. 9

10 3. REVISÃO DE LITERATURA 3.1. Unidade de Terapia Intensiva Os serviços de Terapia Intensiva são áreas destinadas a prestarem assistência a clientes gravemente enfermos e de risco que exijam assistência médica e de enfermagem ininterruptas, além de equipamentos e recursos humanos especializados (BRASIL, 1988, Portaria nº466). Toda Unidade de Tratamento Intensivo deve funcionar atendendo a um parâmetro de qualidade que assegure a cada paciente: o direito à sobrevida, assim como a garantia, dentro dos recursos tecnológicos existentes, da manutenção da estabilidade de seus parâmetros vitais; o direito a uma assistência humanizada; uma exposição mínima aos riscos decorrentes dos métodos propedêuticos e do próprio tratamento em relação aos benefícios obtidos; o monitoramento permanente da evolução do tratamento assim como de seus efeitos adversos (CINTRA et Al, 2003, p. 13). As Unidades de Terapia Intensiva são áreas destinadas a tratamentos de alta complexidade de pessoas em condição crítica de saúde. Por este motivo, estas unidades dispõem de infra-estrutura e equipamentos próprios, recursos materiais e recursos humanos especializados, possibilitando uma assistência contínua. O propósito é desenvolver um trabalho com segurança com a finalidade de manter a vida e recuperar a saúde (ROSSO e SIFRONI, 2004, p.07). A enfermagem, enquanto profissão, surgiu na Inglaterra, no século XIX, com o trabalho da jovem Florence Nightingale, recrutando e treinando um grupo de mulheres que prestaram cuidados aos soldados feridos durante a Guerra da Criméia ( ). Nessa época Florence selecionava os clientes gravemente enfermos e os colocava próximos à área de trabalho dos enfermeiros, prestando melhor atendimento e observação constante (CINTRA et Al, 2003, p. 13). O desenvolvimento das Unidades de Terapia Intensiva iniciou com os cuidados aos clientes no pós-operatório imediato. Inicialmente, o tratamento era realizado em ambientes especiais, pela equipe médica. Com o passar do tempo a responsabilidade pela observação e tratamento clínico dos clientes é realizado pela equipe de enfermagem (CINTRA et Al, 2003, p. 13). 10

11 Ao longo da história o serviço de Terapia Intensiva vem se firmando. Nos anos 50, durante a epidemia da Poliomielite, surgem centros tecnológicos, trazendo modernas técnicas de ventilação prolongadas, permitindo aos(as) enfermeiros(as) unirem tecnologia e assistência. Aos poucos surgem unidades especiais para os clientes (cirúrgicos, com problemas neurológicos, pediatria, obstetrícia, neonatologia entre outros) (CINTRA et Al, 2003, p. 13 e 14). Segundo Lino e Silva apud Rosso e Sifroni (2004, p. 12) as primeiras UTIs do Brasil foram fundadas nos anos 60. Entretanto, de modo geral, os serviços de Terapia Intensiva desenvolvem-se no país a partir da década de 70, esse período também conhecido por milagre econômico, caracteriza-se, essencialmente, pela busca da modernização, desenvolvimento tecnológico e de métodos diagnósticos e de terapêutica. O surgimento da prática em UTI representou um marco no progresso hospitalar, visto que, antes dela, os clientes gravemente enfermos eram tratados nas próprias enfermarias, com ausência de espaço físico adequado e profissionais capacitados. (CINTRA et Al, 2003, p. 14). Atualmente as UTIs fazem parte do contexto hospitalar. Segundo a portaria nº 466 (1988) do Ministério da Saúde é obrigatória a existência de UTI em todo hospital secundário ou terciário com capacidade igual ou superior a 100 leitos. Projetar uma UTI ou modificar uma unidade existente exige conhecimento das normas reguladoras, abordagem de uma equipe experiente em Terapia Intensiva e multidisciplinar composta por um(a) enfermeiro(a) chefe da UTI, diretor médico, arquiteto principal, administrador hospitalar e engenheiro. (CINTRA et Al, 2003, p. 13). O planejamento e o projeto devem ser baseados em padrões para admissão de clientes, fluxo de funcionários e visitantes, observação continua de clientes, armazenamento de materiais, exigências administrativas e educacionais (CINTRA et Al, 2003, p. 14). Quanto a sua localização, esta deve permitir acesso restrito, sem trânsito para demais departamentos, estar próxima aos serviços de apoio, centro cirúrgico, serviço de emergência e sala de recuperação pós-anestésica. (CINTRA et Al, 2003, p. 15). Conforme o Ministério da Saúde (Portaria nº 466, 1988): 11

12 O número de leitos de UTI em cada hospital deve corresponder a entre 6% e 10% do total de leitos existentes no hospital, a depender do porte e complexidade deste, e levando-se em conta os seguintes parâmetros referenciais: 5% de leitos UTI Adulto em se tratando de Hospitais Gerais; 5% de leitos UTI Pediátricos em relação ao total de leitos pediátricos do Hospital; 5% de leitos de UTI Neonatal em relação ao número de leitos obstétricos do Hospital; 10% de leitos de UTI especializada, em se tratando de Hospitais Gerais que realizem cirurgias complexas como Neurocirurgia, Cirurgia Cardíaca e que atendam trauma e queimados (BRASIL, 1988, Portaria 466). A disposição dos leitos de UTI pode ser em área comum, quartos fechados ou mistos e, sempre, deverá permitir a observação contínua dos pacientes, seja de forma direta ou indireta (CINTRA et Al, 2003, p. 15). A área comum é encontrada mais facilmente, permite a observação direta durante todo o período. É indicada a separação dos leitos por divisórias laváveis, mantendo a privacidade dos pacientes (CINTRA et Al, 2003, p. 15). E neste caso é necessário, no mínimo, a criação de duas áreas fechadas para os leitos de isolamento (BRASIL, 1988, Portaria 466). Enquanto, as unidades com leitos dispostos em quartos fechados devem ser dotadas de painéis de vidros. E a unidade mista combina os dois tipos. (CINTRA et Al, 2003, p. 15). Conforme o Ministério da Saúde a Unidade Intensivista deve possuir no mínimo os seguintes ambientes para o desenvolvimento de suas atividades: área coletiva de tratamento e/ou quartos de pediatria ou adulto, em UTI's adulto e pediátrica; área coletiva de tratamento de neonatologia, em UTI neonatal; quarto de isolamento; posto/área de serviços de enfermagem; área para prescrição médica; sala de utilidades; sala administrativa; copa; rouparia; sala de preparo de equipamentos/material; depósito de equipamentos/material; sanitário com vestiário para funcionários; sanitário ou banheiro para pacientes, em UTI's adulto ou pediátrica; sala de espera para acompanhantes e visitantes; sanitário para público; depósito de material de limpeza; sala de reuniões/entrevista; quarto de plantão, com banheiro; área de estar para a equipe de saúde (BRASIL, 1988, Portaria 466).. O posto de enfermagem deve ser centralizado, no mínimo um posto para cada 12 leitos. Deve possuir uma área (maior ou igual a 8m²) destinada ao preparo das medicações, instalação com água fria, balcão, lavabo, um sistema funcional de 12

13 estocagem de medicamentos, materiais e soluções e um relógio de parede (CINTRA et Al, 2003, p. 16). A sala de espera de visitantes é considerada uma área indispensável. Está destinada aos familiares/amigos dos clientes enquanto aguardam informações ou a visita. Recomenda-se que no projeto da UTI esteja incluído um ambiente que minimize o estresse dos clientes e dos funcionários. Uma vez que na sua grande maioria, são considerados locais extremamente estressantes. Devido conseqüência das variáveis, tais como: ambientes secos, refrigerados, fechados com iluminação artificial; possuem ruídos internos contínuos e intermitentes; inter-relacionamento constante entre as mesmas pessoas da equipe, durante todo o turno, bem como, exigência excessiva de segurança, respeito e responsabilidade para o cliente, em sofrimento, com dor e morte iminente, para a garantia da qualidade da assistência (PEREIRA e BUENO, 1997, p.75). A UTI deve possuir uma grande variedade de materiais e equipamentos para monitorar os clientes e auxiliar a equipe de trabalho. A aquisição destes é um processo a ser desenvolvido por uma equipe multiprofissional, levando-se em conta o tamanho do hospital e o tipo de unidade (CINTRA et Al, 2003, p. 16). A beira do leito o cliente disponibilizará de todos os equipamentos necessários para o cuidado intensivo e a monitorização contínua (eletrocardiograma, pressões hemodinâmicas, pressão arterial não invasiva, monitor de oxigênio...), sendo que todos estes aparatos deverão estar interligados a central, localizada no posto de enfermagem. Quanto aos recursos humanos, a UTI é a unidade que mais concentra funcionários em relação ao número de clientes internados. Conforme o Ministério da Saúde toda UTI deve dispor, no mínimo, da seguinte equipe básica: um Responsável Técnico, com título de especialidade em Medicina Intensiva; um Enfermeiro Chefe, exclusivo da Unidade, responsável pela área de Enfermagem; um Médico Diarista para cada 10 leitos ou fração, especialista em Medicina Intensiva, responsável pelo acompanhamento diário da evolução clínica dos pacientes internados na UTI; um Fisioterapeuta; um Auxiliar de Serviços Diversos/Secretária. Toda UTI deve, em suas 24 horas de funcionamento, dispor de: um Médico Plantonista para cada 10 leitos ou fração, responsável pelo atendimento na UTI; um Enfermeiro para cada turno de trabalho; um Auxiliar de Enfermagem para cada 2 13

14 leitos de UTI Adulto ou Pediátrico e um Auxiliar de Enfermagem para cada paciente de UTI Neonatal e um funcionário exclusivo para serviços de limpeza. (BRASIL, 1988, Portaria 466). A qualidade da assistência prestada ao cliente/família envolve a cooperação de uma equipe multidisciplinar (fisioterapeuta, nutricionista, farmacêutico...), embora se atribua a médicos e enfermeiros a maior parcela da responsabilidade e autoridade. Neste sentido é indispensável a participação de outros profissionais que trabalhem um objetivo comum (CINTRA et Al, 2003, p. 25) Na equipe multiprofissional o(a) enfermeiro(a) é fundamental, uma vez que é o responsável por liderar a equipe e prestar os cuidados de enfermagem, visando uma assistência de qualidade. Conforme Cintra et Al (2003, p. 26) o sucesso de uma UTI depende de inúmeros fatores e entre eles esta o trabalho em equipe, do planejamento a execução e a avaliação. Os esforços devem estar direcionados a assistência de qualidade aos clientes, administração, pesquisa e educação Sistematização da Assistência de Enfermagem O processo de enfermagem foi introduzido no Brasil por Wanda de Aguiar Horta, nos anos 70. Desde então, foi implementado em várias instituições brasileiras com maior ou menor sucesso (CIANCIARULLO, 2000, p.2). E dentre as vantagens da utilização do processo de enfermagem como método estão a sustentação de um padrão mínimo de qualidade da assistência e um melhor registro de informações sobre o cliente (HERMIDA, 2004, p.733). Unido ao processo de enfermagem, surge à sistematização da assistência de enfermagem - SAE, também na década de 70, visando à qualidade da assistência e a definição do espaço da enfermagem na equipe de saúde (HERMIDA, 2004, p.734). Apesar de surgir nos anos 70 à discussão a cerca do tema é atual, e a sua implementação e operacionalização tem esbarrado em dificuldades de diversas origens, tornando este processo cansativo e desestimulador. 14

15 Entre as várias dificuldades citadas por Hermida (2004, p. 735 e 736) na implementação da SAE destaco: o despreparo do(a) enfermeiro(a) em realizar o exame físico; dificuldade de elaborar a prescrição de enfermagem; necessidade de aprofundamento teórico e falta de prática; preparo inadequado na graduação / despreparo do pessoal; falta de comprometimento, envolvimento e responsabilidade de enfermeiros(as) / desinteresse e desmotivação; falta de liderança e organização de enfermeiras(os); pouca disponibilidade de enfermeiras(os) e excesso de trabalho; estresse; questões salariais; falta de treinamento e conscientização da equipe de enfermagem; falhas na estrutura administrativa da instituição entre outros Informática em Enfermagem A informática, estudo de formas de uso dos computadores, para melhor captar os dados com finalidades clínicas e de pesquisa vem crescendo (ALFARO- LEFEVRE, 2004, p.43). Para atingir sua meta ela faz uso de um conjunto de instrumentos que permite reunir, organizar, classificar, sintetizar e disponibilizar informações. A informação, na área da saúde, é um importante instrumento de trabalho, formando a base para as decisões clínicas. Sendo este é um dos motivos pelo qual a enfermagem vem desenvolvendo pesquisas e trabalhos a fim de informatizar o prontuário do cliente. Conforme Nascimento (p. 02, 2003) diversos autores têm enfatizado a importância da informática e seus recursos na enfermagem. Os recursos oriundos desta tecnologia são de grande valia para a enfermagem quando aplicados tanto no gerenciamento dos serviços de atendimento à saúde hospitalar, na atenção primária e afins, quanto no apoio ao profissional nas atividades de assistência ao paciente (Marin, 1995). O uso da informática na prática da enfermagem está sendo inevitável. De acordo com Marin e Granitoff (1998) apud Magalhães et al (p. 01)a experiência da enfermagem com o uso de computadores foi estabelecida por volta de 1985, na área de educação. Neste mesmo período, alguns hospitais começaram também a 15

16 desenvolver e instalar sistemas computacionais. Os enfermeiros que trabalhavam nas áreas de administração hospitalar, ou mesmo na prática clínica, começaram a se envolver com a área de informática em saúde, usando sistemas informatizados para o controle de custos, material e pessoal nas unidades, e mais recentemente, na própria assistência de enfermagem. Na década de 90 ocorre o surgimento dos Sistemas de Informação em Enfermagem. De acordo com Marin (1995) a associação Norte-Americana de Enfermagem reconhece a área de informática em enfermagem como uma especialidade e caracteriza o emprego de computadores adotando a seguinte conceituação: Informática em Enfermagem é área de conhecimento que diz respeito ao acesso e uso de dados, informação e conhecimento para padronizar a documentação, melhorar a comunicação, apoiar o processo de tomada de decisão, desenvolver e disseminar novos conhecimentos, aumentar a qualidade, a efetividade e a eficiência do cuidado em saúde, fornecendo maior poder de escolha aos clientes, fazendo avançar a ciência da enfermagem.(marin, 1995, p.08). Quando a tecnologia da informação se instala, o cuidado precisa ser repensado no cotidiano do hospital. Os estudos de Évora e Marin nos mostram que, a partir dos anos 90, há uma construção significativa acerca da importância do ensino da informática, nas escolas de enfermagem ou na prática. Apontam questões fundamentais e trazem valiosas contribuições sobre o assunto. Para Évora, a enfermagem esteve à frente nos estudos de informática, nos Estados Unidos. Outros países, incluindo o Brasil, procuram acompanhar essa evolução, que revolucionará a profissão nos próximos anos, principalmente nos hospitais. (Fonseca e Santos, p.701, 2007). Segundo Peres et al (p.272, 2007) a informática em enfermagem, vem sendo alvo de muitas indagações e pesquisas nacionais e internacionais que procuram identificar e descrever as habilidades relacionadas ao uso do computador pelo enfermeiro, definir qual o conteúdo a ser ministrado, bem como, avaliar as disciplinas de informática em enfermagem. Sendo que o propósito fundamental desta área refere-se ao uso das tecnologias da informática em enfermagem Os Sistemas de Informação em Enfermagem facilitam o desenvolvimento do processo de enfermagem, auxiliando desde levantamento do histórico de enfermagem até a caracterização dos diagnósticos e a determinação das 16

17 intervenções de enfermagem. Todos estes dados ficam armazenados no computador facilitando a visualização e a informação entre os demais cuidadores. Além disso, este material está disponível rapidamente, facilitando a pesquisa e aplicações educacionais para o ensino da enfermagem. Um sistema de informação em enfermagem - SIE - deve sustentar a prática clínica, a tomada de decisões e a solução de problemas detectados, proporcionando agilidade no processo assistencial e permitindo o rápido acesso aos dados do cliente (ROSSO e SIFRONI, 2002, p. 25). São muitas as vantagens de um SIE, entre elas posso citar: 1) o auxílio na elaboração das etapas do processo de enfermagem; 2) a avaliação do cuidado prestado; 3) pesquisas de comparação de efetividade dos cuidados prestados; 4) redução no tempo gasto com a escrita; 5) permite que o enfermeiro se ocupe mais diretamente do cliente; 6) viabiliza maior consistência do trabalho do profissional por meio de documentação exata e específica; 7) permite que novos direcionamentos na profissão sejam tomados baseados em dados documentados de modo organizado e disponível; 8) adequa o sistema ao usuário e suas necessidades e não o contrário; 9) promove maior confiabilidade no registro e exatidão da informação; 10) maior legibilidade; 11) maior precisão da informação, padronização no registro e na coleta do dado, para fins de avaliação e pesquisa; 12)diminui a quantidade de documentos (papel) para arquivar (ROSSO e SIFRONI, 2002, p. 25). O desenvolvimento de um SIE é de responsabilidade do profissional enfermeiro, o qual define as necessidades que nortearão o desenvolvimento do sistema. Quando implantado e funcionando este sistema deverá ser compartilhado entre as unidades da instituição, facilitando a comunicação entre as unidades, permitindo o acesso dos demais profissionais da saúde ao prontuário do cliente. (ROSSO e SIFRONI, 2002, p. 25 e 26) São muitas as etapas que compreendem o desenvolvimento de um SIE, dentre elas cito: 1) planejamento (nesta etapa é definido o que e como se quer informatizar, em quanto tempo entre outros); 2) análise (identificação e caracterização das etapas do sistema); 3) desenvolvimento (relacionamento da teoria com a atividade assistencial); 4) implantação (sistema posto em prática); 5) avaliação (mede o sucesso do sistema, benefícios, ganhos, perdas); 6) manutenção (educação continuada). (www.unifesp.com.br) 17

18 Portanto, um SIE deve promover eficiência, produtividade, efetividade do cuidado em auxiliar as(os) enfermeiras(os) a tomarem as melhores decisões possíveis para seus clientes. Por isso é responsabilidade desse profissional promover treinamento aos usuários do sistema antes da implantação e durante o funcionamento, a fim de que haja cooperação de toda equipe e o sucesso do empreendimento Protótipo de Software O protótipo é um modelo de um produto que ainda não foi comercializado, mas está em fase de teste ou de planejamento das versões iniciais de um sistema final com o qual pode-se realizar verificações e experimentações para se avaliar algumas de suas qualidades antes que o sistema venha realmente a ser construído. (JÚNIOR, 2002, p.27). Segundo Silva, existem dois tipos de protótipos: Protótipo Transitório: utilizado como uma maneira de se obter informações e apresentar essas informações ao usuário. Após o sistema estar aceito em termos de informações, o protótipo é deixado de lado. Protótipo Evolutivo: utilizada como uma maneira de se obter informações e apresentar essas informações ao usuário. O protótipo vai sendo melhorado até atingir o objetivo final, ou seja, até que o mesmo atinja o sistema. Um dos passos do Protótipo Evolutivo é: Protótipo de Interface: Parte do sistema pode ser utilizada para testar se a interface está adequada. O protótipo facilita a comunicação entre o cliente e o responsável pelo desenvolvimento da aplicação. A escrita formal dos requisitos do sistema é necessária para estabelecer uma definição clara do projeto, permitindo controlar as 18

19 alterações que vão sendo efetuadas ao longo de todo o processo e facilitando a comunicação entre o as partes (SILVA, Teoria de Enfermagem As primeiras teorias de enfermagem surgiram na década de 60, elas procuravam relacionar fatos e estabelecer as bases da ciência da enfermagem (HORTA, 1979, p. 9). Atualmente são consideradas importantes guias para a assistência, servindo de base para a ciência e prática de enfermagem. O modelo assistencial adotado para o desenvolvimento da minha prática assistencial é fundamentado na proposta de Benedet & Bub (2001), a qual é baseada na teoria das Necessidades Humanas Básicas (N.H.B.) de Wanda de Aguiar Horta e na lista de diagnósticos da Taxonomia I da Classificação Diagnóstica da North American Nursing Diagnosis Association - NANDA. Conforme Horta, a teoria das NHB: se apóia e engloba leis gerais que regem os fenômenos universais, como por exemplo a lei do equilíbrio - todo universo se mantém por processos de equilíbrio dinâmico entre os seres; a lei da adaptação - todos os seres do universo interagem com seu meio externo buscando sempre formas de ajustamento para se manterem em equilíbrio; a lei do holismo - o universo é um todo, a célula é um todo, esse todo não é mera soma das partes constituintes de cada ser. Foi desenvolvida a partir da teoria da motivação humana, de Maslow, que se fundamenta nas necessidades humanas básicas. (HORTA, 1979, p.28) De acordo com sua autora a teoria das NHB são classificadas genericamente em três grupos: psicobiológicas, psicossociais e psicoespirituais (HORTA, 1979; BENEDET & BUB, 2001). Horta dividiu cada um destes três grupos em categorias, as quais Benedet & Bub (2001) reorganizaram por prioridade e, então, adaptaram os diagnósticos da Taxonomia I (NANDA, 2000) e os alocaram em cada categoria de NHB proposta por Horta (1979). 19

20 3.4. Pressupostos Básicos A enfermagem respeita e mantém a unicidade, autenticidade e individualidade do ser humano. (HORTA, 1979, p.31). A enfermagem é prestada ao ser humano e não a sua doença ou desequilíbrio. (HORTA, 1979, p.31). O ser humano é parte integrante do universo dinâmico, e como tal sujeito a todas as leis que o regem no tempo e no espaço. (HORTA, 1979, p.28). Todo cuidado de enfermagem tem como propósito satisfazer necessidades humanas básicas, melhorar a saúde e promover bem estar. (BUB & LISS, 2002 apud ROSSO e SIFRONI, 2002 p.37). A enfermagem como parte integrante da equipe de saúde implementa estados de equilíbrio, previne estados de desequilíbrio e reverte desequilíbrios em equilíbrio pela assistência ao ser humano no atendimento de suas necessidades básicas; procura sempre reconduzi-lo a situação de equilíbrio dinâmico no tempo e espaço. (HORTA, 1979, p.29) 3.5. Sistematização da Assistência A expressão processo de enfermagem surgiu na literatura pela primeira vez em 1961, numa publicação de Orlando (1978), atualmente denominada sistematização da assistência, surge como uma proposta de enfermagem, onde o relacionamento interpessoal entre cliente-enfermeiro se destacava (CAMPEDELLI, 1992, p. 16). A sistematização da assistência é uma forma sistemática, dinâmica e interrelacionada de prestar os cuidados de enfermagem. Com ele a enfermagem promove o cuidado humanizado - levando em conta os interesses, valores e desejos do cliente/família - e dirigido a resultados - as etapas do processo de enfermagem são planejadas em busca dos melhores resultados, podendo, posteriormente, esta documentação ser estudada para o aperfeiçoamento dos resultados para outros clientes (ALFARO-LEFEVRE, 2004, p. 31). 20

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA JOÃO PESSOA, 2015 SUMÁRIO 1. Processo de Enfermagem... 3 1ª Etapa Historico de Enfermagem...

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO Sistematização da Assistência de Enfermagem = Processo de Enfermagem Na década de 50, iniciou-se o foco na assistência holística da

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III- SERVIÇOS DA REDE HOSPITALAR: UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA PORTO ALEGRE

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM ADELITA ENEIDE FIUZA RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III PORTO ALEGRE 2011 1 ADELITA ENEIDE FIUZA RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem. Prof.: Alessandra Baqui

SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem. Prof.: Alessandra Baqui SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem Prof.: Alessandra Baqui Com Florence Nightingale a enfermagem iniciou sua caminhada para a adoção de uma prática baseada em conhecimentos científicos;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR III REALIZADO NA UNIDADE DE HEMODINÂMICA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE PRISCILA DOS SANTOS LEDUR

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva CASO COMPLEXO 9 Família Lima : Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva Eliana Campos Leite Saparolli A consulta de enfermagem é uma atividade privativa do enfermeiro respaldada pela atual legislação do

Leia mais

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ 61 II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ IMADO, Mayara Keiko (FAFIPA). DERENZO, Neide (Orientador),

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Flávia Gomes Silva (1); Ádylla Maria Alves de Carvalho (2); Cleanne Rayssa Paulino Vasconcelos (3); Dandara Medeiros

Leia mais

5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES

5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Enfermagem Professoras: Dayane C. Borille Patricia Ribeiro Período/ Fase: 4ª fase Semestre: 2º Ano:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO Maria da Conceição Muniz Ribeiro I - CENTRO CIRÚRGICO CONJUNTO DE ELEMENTOS DESTINADOS AS ATIVIDADES CIRÚRGICAS, BEM COMO À RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO TERMO DE VISTORIA Ao décimo nono dia do mês de janeiro do ano de dois mil e doze, o Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM/MT) esteve presente no Hospital e Pronto Socorro Municipal

Leia mais

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Diagnóstico de Enfermagem e a Taxonomia II da North American Nursing Diagnosis Association NANDA MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Taxonomia I A primeira taxonomia da NANDA foi

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM HOSPITAL SANTA LUCINDA

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM HOSPITAL SANTA LUCINDA 1 REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM HOSPITAL SANTA LUCINDA INTRODUÇÃO Este Regulamento representa a estrutura do corpo de Enfermagem do Hospital Santa Lucinda. Ele reflete a visão de profissionais

Leia mais

Treinamento Profissional Especializado

Treinamento Profissional Especializado TREINAMENTO PROFISSIONAL ESPECIALIZADO Treinamento Profissional Especializado Especialização Enfermagem em Cuidados Intensivos Especialização Enfermagem em Métodos Dialíticos e Transplante Coordenação

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO Saranádia Caeira Serafim 18, Ruth Nobre de Brito 1, Francisca Talita de Almeida Oliveira

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições, considerando: - a importância na assistência das unidades que

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

14.º ENCONTRO DA SADC, ANGOLA 2014

14.º ENCONTRO DA SADC, ANGOLA 2014 14.º ENCONTRO DA SADC, ANGOLA 2014 CONTRIBUIÇÃO DAS ACÇÕES DE ENFERMAGEM NA ASSISTENCIA À DOENTES COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ESTUDO REALIZADO NAS SALAS DE NEUROLOGIA E NEUROCIRURGIA DO HOSPITAL MILITAR

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO DE LABORATÓRIO /ÁREA

ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO DE LABORATÓRIO /ÁREA ANEXO I DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES NÍVEL INTERMEDIÁRIO D DENOMINAÇÃO DO CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Dar suporte administrativo e técnico nas áreas de recursos humanos, administração, finanças

Leia mais

PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE

PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE Sub-Projeto: Redes de Apoio aos Usuários e Familiares do HMIPV Introdução: O Hospital Materno Infantil Presidente Vargas é um hospital público Municipal que atende mulheres

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Enfermagem DEPARTAMENTO: Ciências Básicas da Saúde DISCIPLINA: Enfermagem em Clínica Médica Cirúrgica I PROFESSORA RESPONSÁVEL:

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT1: A importância do processo histórico no desenvolvimento da Terapia Intravenosa (TI): da anatomia à fisiologia

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS)

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS) 7.5. Disciplina Clínica Médica 4: Atenção Primária (Atual Medicina Geral de Adultos II (CLM006)) CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: CLM006 NOME ATUAL: Medicina Geral de Adultos II NOVO NOME: Clínica Médica 4:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde.

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA; Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva - USS; MBA em Administração

Leia mais

A prática da assistência em Enfermagem em cinco lançamentos da Editora Elsevier: para começar 2013 com mais conhecimento!

A prática da assistência em Enfermagem em cinco lançamentos da Editora Elsevier: para começar 2013 com mais conhecimento! A prática da assistência em Enfermagem em cinco lançamentos da Editora Elsevier: para começar 2013 com mais conhecimento! Para orientar a prática da Enfermagem, cinco novidades da Elsevier na área apresentam

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES 1. PARA ENFERMEIRO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES Requisitos para Contratação: Diploma, devidamente registrado, de conclusão do curso de graduação em Enfermagem, Registro no Órgão de Classe competente.

Leia mais

ANEXO I SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES DE PERROCA

ANEXO I SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES DE PERROCA ANEXO I SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES DE PERROCA 1 -Estado Mental e Nível de Consciência (habilidade em manter a percepção e as atividades cognitivas) 1 -Acordado; interpretação precisa de ambiente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho de Jales Código: : 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Saúde, Segurança e Trabalho Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR BANCO DE QUESTÕES CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR NT1: A importância do conhecimento de anatomia e fisiologia no UE1: Uma abordagem

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 006/2009 Dispõe sobre as normatizações para o exercício do profissional Enfermeiro em relação à constituição e funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

ANEXO I - EMPREGOS, PRÉ-REQUISITOS, VAGAS, CARGA HORÁRIA, SALÁRIOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES. ENSINO SUPERIOR - ESPECIALISTA EM SAÚDE: MÉDICO

ANEXO I - EMPREGOS, PRÉ-REQUISITOS, VAGAS, CARGA HORÁRIA, SALÁRIOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES. ENSINO SUPERIOR - ESPECIALISTA EM SAÚDE: MÉDICO FUNDAÇÃO DE APOIO AO HOSPITAL DAS CLÍNICAS EDITAL Nº 01/2012 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DA FUNDAÇÃO DE APOIO AO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFG (FUNDAHC) ANEXO I - EMPREGOS, PRÉ-REQUISITOS,

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA coren-ro.org.br http://www.coren-ro.org.br/parecer-tecnico-no-0122012-aspiracao-de-pacientes-internados-em-hospitais-de-quem-e-acompetencia_1165.html PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 040 / 2010 Assunto: Desobstrução de sonda vesical de demora. 1. Do fato Profissional de enfermagem questiona se enfermeiros e técnicos de enfermagem podem realizar desobstrução

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros

Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros Preparatório para concurso público GDF Específica para enfermeiros Profª Layz Alves F Souza Mestre em Enfermagem/UFG Doutoranda em Enfermagem /UFG Enfª Hospital das Clínicas/UFG Enfª SMS de Goiânia 2014

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja!

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja! GESTÃO EM SAÚDE cuidando de você, onde quer que você esteja! Editorial Royal Life É com muito orgulho que a Royal Life apresenta ao mercado de emergências médicas a sua frota. São ambulâncias montadas

Leia mais

PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens

PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens H O S P I TA L & Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens 1 Telefones Úteis (HPD) Call Center 9999 Nutrição 3106 (Bloco A) / 9652(Bloco D) Recepção

Leia mais