Placas Gráficas. Placas Gráficas. Placas Gráficas. Placas Gráficas. O que é? Para que serve? Resolução (cont.) Resolução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Placas Gráficas. Placas Gráficas. Placas Gráficas. Placas Gráficas. O que é? Para que serve? Resolução (cont.) Resolução"

Transcrição

1 O que é? Para que serve? -A função das placas gráficas é a de construir as imagens que são apresentadas nos monitores dos computadores. -O conteúdo dessa memória está sempre a ser actualizado pela placa gráfica e por ordem do processador. -Quanto mais memória de vídeo existir no sistema, melhor é a resolução e mais cores são possíveis de representar. 2 (cont.) -A resolução é uma característica importante e está associada à melhor ou menor qualidade da imagem representada no monitor. -Os ecrãs dos monitores, bem como os televisores, são constituídos por milhares de píxeis. -Os pixeis são pequenos pontos no ecrã, que são preenchidos por cores e todos juntos formam a imagem. Quantos mais pixeis existirem num ecrã de uma monitor melhor será a qualidade da imagem, isto é, melhor será a resolução. -Como os ecrãs não são quadrados, possuem mais pixeis na horizontal do que na vertical. -Ao número de pixeis na horizontal dá-se o nome de resolução horizontal e ao número de pixeis verticais dá-se o nome de resolução vertical. Se quisermos saber quantos pixeis existem, basta multiplicar os horizontais pelos verticais. Ecrã com menos pixeis Ecrã com mais pixeis 3 4

2 Características das ou de Vídeo Características das ou de Vídeo 1. SVGA vs VGA -As placas de vídeo modernas são as do tipo SVGA (Super VGA), que por sua vez derivam das placas VGA. -A diferença entre as actuais placas SVGA e as antigas placas VGA é o maior número de cores e maiores resoluções que podem utilizar. -Além disso, as placas SVGA modernas possuem recursos avançados, como aceleração de vídeo, aceleração 2D e aceleração 3D. -A principal característica das placas SVGA é a obtenção de modos gráficos com alta resolução e elevado número de cores. -Enquanto as placas VGA podiam operar com cores apenas na resolução de 320x200, as placas SVGA do início dos anos 90 apresentavam cores simultâneas nas resoluções de, e, desde que equipadas com quantidade suficiente de memória de vídeo. -Para chegar a com cores, é necessário 1 MB de memória de vídeo. Com 512 kb de memória de vídeo, é possível utilizar cores até à resolução de. -As placas SVGA produzidas a partir de 1994 passaram a utilizar 2 MB, 4 MB, 8 MB e MB de memória de vídeo, podendo operar com um elevadíssimo número de cores e resoluções mais altas. 5 6 Características das ou de Vídeo 2. Barramentos utilizados -As primeiras placas VGA e SVGA utilizavam o barramento ISA, em versões de 8 e de bits. -Rapidamente surgiu o barramento VLB (VESA Local Bus). No final de 1993, surgiram várias placas SVGA VLB. Estas placas dominaram o mercado durante 1994 e até meados de 1995, passando a dar lugar aos modelos PCI. -Depois da popularização do Pentium II, passaram a ter bastante sucesso as placas de vídeo com barramento AGP. Características das ou de Vídeo -Para armazenar as imagens que vão ser apresentadas no monitor, a placa gráfica utiliza a designada memória de vídeo. -O conteúdo dessa memória está sempre a ser actualizado pela placa gráfica e por ordem do processador. -A quantidade de memória de vídeo determina a resolução e o número de cores que a placa pode representar. -Para calcular a resolução e a quantidade de cores que a placa pode representar, multiplica-se a resolução horizontal pela vertical e pela quantidade de bits de cor. 7 8

3 Características das ou de Vídeo (cont.) Fórmulas horizontal = nº de pixeis horizontais vertical = nº de pixeis verticais Total de pixeis = nº de pixeis horizontais x nº de pixeis verticais nº de bit por pixel Número de cores = 2 Memória = Total de pixeis x (bits de cor / 8) Características das ou de Vídeo -BIOS VGA -As placas de vídeo VGA e SVGA possuem uma memória ROM onde está armazenada a sua própria BIOS, conhecida como BIOS VGA. Em geral, tem o tamanho de 32 kb. Número de bits por pixel (pixel depth) 1 bit 2 bit 4 bit 8 bit bit 24 bit Número de cores 2 cores (monocromático) 4 cores cores cores cores milhões de cores (true color) 9 10 Características das ou de Vídeo Características das ou de Vídeo -Memória de Vídeo -Existe uma memória RAM nas placas de vídeo, conhecida como memória de vídeo. - De um modo geral, quanto maior for a quantidade de memória de vídeo, maior será o número de cores que podem ser obtidas nas resoluções mais altas. -As placas SVGA produzidas até 1993, na sua maioria, eram capazes de operar com no máximo cores. Eram comuns os modelos de kb, 512 kb e 1024 kb de memória de vídeo. -Memória de Vídeo (cont.) -O número de cores obtido em cada resolução depende da quantidade de memória de vídeo, como mostram a tabela que se segue: Placa com kb 4 Placa com 512 kb Placa com 1024 kb 11 12

4 Características das ou de Vídeo -Memória de Vídeo (cont.) -As modernas placas SVGA suportam modos Hi-Color ( cores) e True Color ( cores), desde que possuam memória de vídeo em quantidade suficiente. -Os requisitos de memória para os modos Hi-Color e True Color decorrem do facto de utilizarem, respectivamente, bits (2 bytes) e 24 bits (3 bytes) por cada pixel. A tabela seguintes mostra o número máximo de cores que podem ser geradas em cada resolução: Placa com 1 MB Placa com 2 MB Placa com 4 MB Evolução das 1. Aceleradoras gráficas 2D (bidimensionais) -A partir de 1994, todas as novas placas SVGA passaram a ser aceleradoras gráficas. -Até então, essas placas limitavam-se a exibir os dados existentes na sua memória de vídeo. Cabia ao processador o trabalho de construir as imagens, pixel a pixel. - Os chips gráficos produzidos a partir de então passaram a ajudar bastante o processador na geração das imagens. São capazes de realizar sozinhos operações repetitivas, como o controle do cursor do mouse, preenchimento de polígonos, aplicação de ícones e outras tarefas típicas do Windows. -Como essas operações são executadas por hardware, a velocidade da sua execução é muito maior que a obtida com o uso do processador Evolução das 2. Aceleradoras gráficas 3D (tridimensionais) -Visando obter gráficos tridimensionais com maior velocidade e maior realismo, principalmente para utilização em jogos, muitos chips gráficos novos passaram a realizar operações tridimensionais. -Uma das principais funções desses novos chips gráficos é a aplicação de texturas sobre polígonos localizados no espaço tridimensional, tendo em conta a quantidade de luz, correcção de perspectiva e outros factores complexos que, de outra forma, ocupariam muito tempo do processador. -Graças a estes novos chips gráficos (que também aceleram os gráficos 2D), o processador pode ficar ocupado com os cálculos das coordenadas tridimensionais dos elementos da imagem, deixando o trabalho de preenchimento de cores e texturas para o chip gráfico. Com isso, a velocidade de geração das imagens é bem maior. Evolução das 3. Exibição de vídeo, saída para TV e captura de vídeo -Muitas placas de vídeo modernas são capazes de exibir imagens provenientes de uma câmara ou VCR, sintonizar emissoras de TV e digitalizar as imagens provenientes dessas fontes, armazenando-as em arquivos. 15

5 Barramento ISA Barramento VLB Barramento PCI Barramento AGP 19 20

Objetivos. Arquitetura x86. Evolução dos Microprocessadores com arquitetura x86. Universidade São Judas Tadeu. Introdução à Computação

Objetivos. Arquitetura x86. Evolução dos Microprocessadores com arquitetura x86. Universidade São Judas Tadeu. Introdução à Computação Universidade São Judas Tadeu Prof. André Luiz Ribeiro Prof. Jorge Luis Pirolla Introdução à Computação Microprocessadores e Arquitetura (2) - FEDELI, Ricardo D.; POLLONI, Enrico G.; PERES, Fernando E.

Leia mais

INFORMÁTICA. www.fatodigital.com.br. Introdução à Informática Hardware CONHECIMENTOS BÁSICOS EM INFORMÁTICA

INFORMÁTICA. www.fatodigital.com.br. Introdução à Informática Hardware CONHECIMENTOS BÁSICOS EM INFORMÁTICA Introdução à Informática Hardware 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS EM INFORMÁTICA Hardware - parte física do equipamento, ou seja, tudo aquilo que é palpável. Software - programas. Peopleware - parte humana do

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador Estrutura de um Computador Tratando-se o computador de uma máquina complexa a sua estrutura pode ser apreciada a diferentes níveis de detalhe, duma forma hierárquica. AC1 3ª aula Arquitectura e Organização

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Microcontroladores e Microprocessadores Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Conversão de Qualquer base para Decimal Decimal para Binário Hexadecimal para binário Componentes básicos de

Leia mais

CÂMARA DE VÍDEO USB 2.0 SEM FIOS

CÂMARA DE VÍDEO USB 2.0 SEM FIOS CÂMARA DE VÍDEO USB 2.0 SEM FIOS Manual do Utilizador DA-71814 Introdução Agradecemos por estar a utilizar esta câmara sem fios de nova geração. Pode ser utilizada assim que for inserida. É o produto ideal

Leia mais

Histórico e Evolução da Computação

Histórico e Evolução da Computação Lista de Exercícios Introdução à Informática Professor: Sérgio Salazar Histórico e Evolução da Computação O 1º computador foi o ENIAC, utilizado para montar tabelas para o cálculo de projéteis na 2ª Guerra

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação Departamento de Ciência da Computação - UFF O Sistema de Computação Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br O Sistema de Computação Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes

Leia mais

BARRAMENTO. Caminho de Dados

BARRAMENTO. Caminho de Dados BARRAMENTO Caminho de Dados Conceito Um barramento é simplesmente um circuito que conecta uma parte da placa-mãe à outra. Quanto mais dados o barramento consegue ter de uma só vez, mais rápido a informação

Leia mais

Introdução Informática e TIC. Prof. Ivo Júnior

Introdução Informática e TIC. Prof. Ivo Júnior Introdução Informática e TIC Prof. Ivo Júnior O que é informática?? É o ramo do conhecimento que cuida dos conceitos, procedimentos e técnicas referentes ao processamento ou tratamento de conjuntos de

Leia mais

OUTROS BARRAMENTOS: ISA, AGP, AMR

OUTROS BARRAMENTOS: ISA, AGP, AMR OUTROS BARRAMENTOS: ISA, AGP, AMR Introdução Barramentos (ou, em inglês, bus) são, em poucas palavras, padrões de comunicação utilizados em computadores para a interconexão dos mais variados dispositivos.

Leia mais

Padronizações Visuais estabelecidas pelo Projeto RIVED

Padronizações Visuais estabelecidas pelo Projeto RIVED Padronizações Visuais estabelecidas pelo Projeto RIVED Índice Padronização de cores para os módulos RIVED... 1 Padronização para os módulos educacionais (páginas web) e animações/simulações do Projeto

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação O Sistema de Computação Professor: Alex Sandro Forghieri alex.forghieri@ifsc.edu.br O Sistema de Computação INTRODUÇÃO Introdução Sistemas Computacionais podem ser divididos em camadas: Aplicativos Sistema

Leia mais

Figura 8: modelo de Von Neumann

Figura 8: modelo de Von Neumann 3. ORGANIZAÇÃO DE SISTEMA DE COMPUTADORES Olá, caro aluno! Neste capítulo vamos ver como são organizados os componentes que formam um sistema computacional. O conceito é histórico, mas é aplicado até os

Leia mais

Introdução à Programação. Microsoft WINDOWS XP 2005-2006. Eng. Ambiente CA

Introdução à Programação. Microsoft WINDOWS XP 2005-2006. Eng. Ambiente CA Mais que um Sistema Operativo, o MS-Windows é um ambiente de trabalho que simula no ecrã o trabalho diário sobre uma secretária. A ideia base do MS-Windows foi a de esconder a organização do MS-DOS e apresentar

Leia mais

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada Resumo: Estudo do Comportamento das Funções O que fazer? 1º - Explicitar o domínio da função estudada 2º - Calcular a primeira derivada e estudar os sinais da primeira derivada 3º - Calcular a segunda

Leia mais

Noções básicas sobre hardware de PCs

Noções básicas sobre hardware de PCs Suporte Técnico - 1 Noções básicas sobre hardware de PCs PC significa Personal Computer ou Computador Pessoal. OS PCs são derivados do IBM PC, criado no início dos anos 80. As peças que formam um PC são

Leia mais

Linux e Computação Científica

Linux e Computação Científica Linux e Computação Científica Sumário Motivação Noções de Sistemas Operacionais Ferramental Computação Científica Motivação Financeira Linux é livre Desempenho Linux gerencia melhor recursos de processdor,

Leia mais

Nosso Site. http://www.cintegrado.com.br/anapolis/

Nosso Site. http://www.cintegrado.com.br/anapolis/ Nosso Site http://www.cintegrado.com.br/anapolis/ MÓDULO I INFORMÁTICA BÁSICA Endereço do grupo Endereço da web atual: http://douglasddp.wordpress.com.br Endereço de e-mail atual: douglas.ddp@gmail.com

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 4

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 4 FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 4 Índice 1. Evolução dos Sistemas Operacionais Continuação...3 1.1. Década de 70... 3 1.2. Década de 80... 4 2 1. EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS OPERACIONAIS CONTINUAÇÃO

Leia mais

Objetivos da aula. Recursos de Sistemas de Informação

Objetivos da aula. Recursos de Sistemas de Informação Recursos de Sistemas de Informação Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Luiz Antonio do Nascimento Anhanguera Taboão da Serra Objetivos da aula Fornecer exemplos de componentes de Sistemas

Leia mais

BARRAMENTOS DE MICROCOMPUTADORES

BARRAMENTOS DE MICROCOMPUTADORES BARRAMENTOS DE MICROCOMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Um sistema baseado em microcomputador utiliza os barramentos de endereços, dados e controle para efetuar a comunicação entre o microprocessador e os dispositivos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Placa de Mãe Prof. Luiz Antonio do Nascimento Definição A placa mãe é uma placa plana de circuito impresso localizado dentro do gabinete com um conjunto de chips

Leia mais

HARDWARE. Prof. Luciano Bertini

HARDWARE. Prof. Luciano Bertini HARDWARE Prof. Luciano Bertini http://www.professores.uff.br/lbertini/ Baseado em publicação do site http://www.guiadopc.com.br/ Baseado em uma série de postagens do site Guia do PC, intitulada Hardware

Leia mais

Hardware. (Equipamentos Parte Física), ou seja, tudo o que podemos tocar com as mãos.

Hardware. (Equipamentos Parte Física), ou seja, tudo o que podemos tocar com as mãos. Nossas tarefas, trabalhos e serviços ganharam agilidade com os computadores, facilitando nossas vidas. Para que esse equipamento possa tornar o nosso trabalho mais fácil e rápido, é necessário um conjunto

Leia mais

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Sistemas de Arquivos- Parte 2 Pontos importantes de um sistema de arquivos Vários problemas importantes devem

Leia mais

Arquitectura interna de um computador

Arquitectura interna de um computador Arquitectura interna de um computador Trabalho elaborado por: Carla Ventura e Sandra Jacinto 1 Descrição de uma tarefa Fases de execução de uma tarefa Unidades de execução de uma tarefa Computador como

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Aula 3 Periféricos Vídeo Teclado Disco Mouse Periféricos Entrada Digitalizam informações analógicas do mundo exterior para a CPU Saída Convertem

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu.

Introdução. Hardware (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte III) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br Carga

Leia mais

Apresentação do Microsoft Excel

Apresentação do Microsoft Excel Aula 03 Apresentação do Microsoft Excel Microsoft Excel é um programa desenvolvido para trabalhar com cálculos feitos em planilhas eletrônicas, desenvolvimento de gráficos e controlador de banco de dados.

Leia mais

Introdução à Informática. Alexandre Meslin

Introdução à Informática. Alexandre Meslin Introdução à Informática Alexandre Meslin (meslin@nce.ufrj.br) Organização da Memória Conceito de hierarquia de memória Memória principal e memórias secundárias Projeto lógico da memória principal Memórias

Leia mais

MATA49 Programação de Software Básico

MATA49 Programação de Software Básico MATA49 Programação de Software Básico Leandro Andrade leandrojsadcc.ufba.br PROF. LEANDRO ANDRADE 1 Arquitetura dos processadores Intel PROF. LEANDRO ANDRADE 2 Um pouco de história... Como sabemos

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Interconexão do Computador Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes -

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Aula 1 Introdução Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Departamento de Ciências Exatas e Naturais Universidade Federal Rural do Semi-Árido Introdução Informática informação aplicada; Pressupõe

Leia mais

Esta é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo

Esta é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo Esta é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo Manual Kit Multimídia na Sala do Professor 1 O Projeto Kit Multimídia na Sala do Professor Em mais uma iniciativa destinada a valorizar os educadores

Leia mais

Computação Gráfica Aula 0. Alexandre de Barros Barreto - Ms

Computação Gráfica Aula 0. Alexandre de Barros Barreto - Ms Computação Gráfica Aula 0 Alexandre de Barros Barreto - Ms Objetivo da Disciplina Apresentar a computação gráfica, enquanto conjunto de aplicações matemáticas, como ferramenta de representação de dados

Leia mais

Requerimento minimo do PC. Instalando o Client Exclusivo 1. Insira o CD fornecido na unidade do disco e dê dois cliques em UMSClient(XXXX).exe.

Requerimento minimo do PC. Instalando o Client Exclusivo 1. Insira o CD fornecido na unidade do disco e dê dois cliques em UMSClient(XXXX).exe. Acesso de rede usando Client exclusivo (S/W) O SDVR fornece um recurso de monitoramento remoto ao vivo. A monitoração remota exige a instalação do Client exclusivo (S/W) no seu PC. OBSERVAÇÃO Em uma rede

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Aula 03 Prof. Msc Ubirajara Junior biraifba@gmail.com www.ucljunior.com.br Características do computador sistema eletrônico é rápido e

Leia mais

Placas de Som. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas de Som. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas de Som Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Placa de som é o dispositivo responsável por reproduzir o som de arquivos que contenham áudio nas caixas de som do computador ou outro dispositivo

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Hardware e Software Prof. Jeime Nunes p Tipos de memória n RAM (random access memory) - memória de acesso aleatório, é volátil e permite

Leia mais

HARDWARE INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br

HARDWARE INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br HARDWARE O COMPUTADOR, INDEPENDENTE DO TIPO: PARA QUE ISTO POSSA OCORRER TEMOS QUE ALIMENTÁLO COM DADOS E AGUARDAR O RETORNO DESTE PROCESSAMENTO.

Leia mais

HD Cap Express Manual do Usuário

HD Cap Express Manual do Usuário HD Cap Express Manual do Usuário 1. Introdução Cap Express HD é um dispositivo de captura de video PCI-E para TV analógica e digital (HDMI). Ele tem um composto, s-video, componente e HDMI, entrada de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Barramento Para falarmos de barramento precisamos comentar sobre a placa mãe: Antes

Leia mais

Especificação Técnica do Leitor Biométrico Griaule

Especificação Técnica do Leitor Biométrico Griaule Especificação Técnica do Leitor Biométrico Griaule Especificação Técnica Preparado por Rafael Roque Viana Analista de Sistemas Versão 1.0 01/11/2013 1. INTRODUÇÃO O presente documento tem como objetivo

Leia mais

Introdução a Programação Aula 01

Introdução a Programação Aula 01 Introdução a Programação Aula 01 Prof. Bruno Crestani Calegaro Curso de Sistemas de Informação ELC1064 Lógica e Algoritmo 1 O que é um computador? Máquina programável genérica Constituído por: Processador

Leia mais

Árvores Parte 1. Aleardo Manacero Jr. DCCE/UNESP Grupo de Sistemas Paralelos e Distribuídos

Árvores Parte 1. Aleardo Manacero Jr. DCCE/UNESP Grupo de Sistemas Paralelos e Distribuídos Árvores Parte 1 Aleardo Manacero Jr. DCCE/UNESP Grupo de Sistemas Paralelos e Distribuídos Árvores uma introdução As listas apresentadas na aula anterior formam um conjunto de TADs extremamente importante

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação Campus Guaíba Cursos de Informática Projeto de Inclusão Digital APOSTILA APOSTILA CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

Curso de Sistemas de Informação Campus Guaíba Cursos de Informática Projeto de Inclusão Digital APOSTILA APOSTILA CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Agosto, 2006 Apresentação A apostila de Conceitos Básicos de Informática tem por objetivo apresentar aos alunos os conceitos relacionados à área de tecnologia. Esquema

Leia mais

Com uma melhoria no visual o sistema conta com novidades e alguns aprimoramentos nos recursos já existentes.

Com uma melhoria no visual o sistema conta com novidades e alguns aprimoramentos nos recursos já existentes. O Microsoft Windows XP traz maior estabilidade e segurança com um sistema operacional que aposentarde vez o velho MS-DOS. Esta nova versão herda do Windows NT algumas qualidades que fazem do XP a melhor

Leia mais

Os dados quantitativos também podem ser de natureza discreta ou contínua.

Os dados quantitativos também podem ser de natureza discreta ou contínua. Natureza dos Dados Às informações obtidas acerca das características de um conjunto dá-se o nome de dado estatístico. Os dados estatísticos podem ser de dois tipos: qualitativos ou quantitativos. Dado

Leia mais

27/02/2012 CEV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CEV. Prof. OCEAN A. SANTOS. Sistema Binário; Unidades de Medidas; Hardware.

27/02/2012 CEV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CEV. Prof. OCEAN A. SANTOS. Sistema Binário; Unidades de Medidas; Hardware. CEV 1 CEV TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. OCEAN A. SANTOS Sistema Binário; Unidades de Medidas; Hardware. 1 HARDWARE Sistema Binário Bit Byte Sistema Binário; Unidades de Medidas; Hardware: CPU Placa-Mãe

Leia mais

Memórias Cache. Memória

Memórias Cache. Memória Memórias Cache Memória Organização da cache de memória Funcionamento: CPU regs controlo da cache memória cache Memória central CPU referencia memória Se está em cache acede à cache Senão acede à memória

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 770 Dispositivos e periféricos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar dispositivos internos e externos no computador. Identificar

Leia mais

Líder mundial em monitores

Líder mundial em monitores Líder mundial em monitores Desligue o computador antes de realizar o procedimento abaixo. 1. Conecte o cabo de alimentação no conector apropriado na parte traseira do monitor. 2. Conecte uma extremidade

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS 1.0 Conceitos A estatística descritiva tem o objetivo de organizar, resumir e apresentar de forma adequada os dados, para que estes se tornem informativos. A análise exploratória

Leia mais

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C#

Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Algoritmos APRENDENDO A PROGRAMAR COM C# Alô Mundo AULA 01 Conhecendo o ambiente O objetivo principal desse programa não é mostrar a mensagem Alo Mundo. O objetivo é apresentar o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Com o conceito de múltiplos threads (multithread) é possível

Leia mais

Professor: M. Sc. Cristiano Mariotti

Professor: M. Sc. Cristiano Mariotti Professor: M. Sc. Cristiano Mariotti http://www.mscmariotti.pro.br As informações processadas nos computadores são compostas por caracteres, sendo que cada caractere, representado por 0 ou 1, é chamado

Leia mais

Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Básicos

Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Básicos Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Básicos Un1 Conceitos Básicos INFORMÁTICA Informação Automática Un1 Conceitos Básicos INFORMÁTICA Tratamento ou processamento da informação utilizando

Leia mais

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014

Sistemas Digitais II. Interface com o mundo analógico. Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Sistemas Digitais II Interface com o mundo analógico Prof. Marlon Henrique Teixeira Abril/2014 Objetivos Compreender a teoria de funcionamento e as limitações dos circuitos de diversos tipos de conversores

Leia mais

Calculadora Virtual HP Prime

Calculadora Virtual HP Prime Calculadora Virtual HP Prime Windows é uma marca comercial do grupo de empresas Microsoft. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. As únicas garantias para

Leia mais

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares

Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares 1 CÁLCULO NUMÉRICO Semana 7 Resolução de Sistemas Lineares Professor Luciano Nóbrega UNIDADE 1 2 INTRODUÇÃO Considere o problema de determinar as componentes horizontais e verticais das forças que atuam

Leia mais

EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE

EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE José Domingos Albuquerque Aguiar UFRPE domingos.aguiar@ig.com.br Polyana de Cássia Cavalcanti dos Santos UFRPE - poly.cavalcanti@ig.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - BARRAMENTO 1. INTRODUÇÃO Um sistema de computador é composto por três partes principais: o processador, as memórias (principal e secundária) e os equipamentos de Entrada e Saída (I/O ou E/S),

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I AULA 09 Estruturas de Interconexão (Barramentos) II Existem algumas questões relacionadas ao desempenho do sistema e os barramentos que merecem ser destacadas. 1. a quantidade de dispositivos conectados

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B. 1. Introdução. Ensino Secundário. Ano letivo de 2011/12

Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B. 1. Introdução. Ensino Secundário. Ano letivo de 2011/12 Informação-Prova de Equivalência à disciplina de: Aplicações Informáticas B Ensino Secundário Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

Importação de Dados Raster no TerraView

Importação de Dados Raster no TerraView Importação de Dados Raster no TerraView 1 Introdução Esse documento explica a interface de importação de dados matriciais no TerraView. Dados matriciais devem ser entendidos como qualquer dado armazenado

Leia mais

O que é Microsoft Excel? Microsoft Excel. Inicialização do Excel. Ambiente de trabalho

O que é Microsoft Excel? Microsoft Excel. Inicialização do Excel. Ambiente de trabalho O que é Microsoft Excel? Microsoft Excel O Microsoft Excel é um programa para manipulação de planilhas eletrônicas. Oito em cada dez pessoas utilizam o Microsoft Excel pra trabalhar com cálculos e sistemas

Leia mais

WINDOWS XP. Autor: Amarildo Correia de Melo

WINDOWS XP. Autor: Amarildo Correia de Melo WINDOWS XP Autor: Amarildo Correia de Melo COLEÇÃO NAVEGANDO NO WINDOWS XP INFORMÁTICA Editora Melo LTDA 1ª EDIÇÃO 2015 DEDICATÓRIA: À minha família, pelo o incentivo e companheirismo. " O Senhor é meu

Leia mais

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução Métodos de Programação I 2. 27 Ciclo com Contador : instrução for identificador downto for de variável := expressão to expressão do instrução UMA INSTRUÇÃO (SIMPLES OU COMPOSTA) Neste caso o ciclo é repetido

Leia mais

TouchPad e Teclado. Guia do Usuário

TouchPad e Teclado. Guia do Usuário TouchPad e Teclado Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste documento

Leia mais

TouchPad e Teclado. Guia do Usuário

TouchPad e Teclado. Guia do Usuário TouchPad e Teclado Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste documento

Leia mais

Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton

Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas; IFGW Instituto de Física Gleb Watagin; Relatório Final de F 809, Instrumentação para ensino: Produção de Vídeos Didáticos: Tábua de Galton André de Ávila Acquaviva,

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

Objectos Gráficos 1. APROG (Civil) Aula 4. Friday, November 2, 12

Objectos Gráficos 1. APROG (Civil) Aula 4. Friday, November 2, 12 Objectos Gráficos 1 APROG () Aula 4 1 Objectos Gráficos Estes objectos são utilizados para construir interfaces gráficas permitindo uma interacção directa do macro com o utilizador. 2 2 Form Uma interface

Leia mais

5ª AULA OBJETIVOS: PLACA MÃE TIPOS DE PLACAS-MÃE COMPONENTES BÁSICOS APOSTILA PÁGINAS: 57 A 83.

5ª AULA OBJETIVOS: PLACA MÃE TIPOS DE PLACAS-MÃE COMPONENTES BÁSICOS APOSTILA PÁGINAS: 57 A 83. HARDWARE Montagem e Manutenção de Computadores Instrutor: Luiz Henrique Goulart 5ª AULA OBJETIVOS: PLACA MÃE TIPOS DE PLACAS-MÃE COMPONENTES BÁSICOS APOSTILA PÁGINAS: 57 A 83. O O QUE ESTUDAR NUMA PLACA-MÃE?

Leia mais

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA Hardware & Software Macau-RN Novembro/2014 Sumário Introdução... 1 Evolução dos computadores... 1 Hardware...

Leia mais

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS Ensino Médio

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS Ensino Médio ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS Ensino Médio Professora: Renata Disciplina: Física Série: 1ª Aluno(a): Turma: 1ª Nº.: Caro(a) aluno(a), Os objetivos listados para esta atividade de recuperação são parte

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores

Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores Fundamentos de Arquitetura e Organização de Computadores Dois conceitos fundamentais no estudo dos sistemas de computação são o de Arquitetura e Organização de computadores. O termo arquitetura refere-se

Leia mais

Programa de ampliação e optimização do ecrã para alívio do cansaço visual. Guia de Referência

Programa de ampliação e optimização do ecrã para alívio do cansaço visual. Guia de Referência Programa de ampliação e optimização do ecrã para alívio do cansaço visual. Guia de Referência Bem-Vindo ao ZoomText Express O ZoomText Express é um programa simples de ampliação para o seu computador.

Leia mais

Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido

Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido CAPÍTULO I Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido SEMESTRE VERÃO 2004/2005 Maria Idália Gomes 1/7 Capitulo I Estática do Ponto Material e do Corpo Rígido Este capítulo tem por objectivo a familiarização

Leia mais

Dispositivos externos

Dispositivos externos Dispositivos externos Número de publicação do documento: 406856-131 Abril de 2006 Este manual explica como utilizar os dispositivos externos opcionais com o computador. Conteúdo 1 Utilizar dispositivos

Leia mais

Qtde Ata e. Pregão UASG Item Descrição para Empenho Características do Produto/Serviço Marca Modelo Site Valor. Validade

Qtde Ata e. Pregão UASG Item Descrição para Empenho Características do Produto/Serviço Marca Modelo Site Valor. Validade Pregão UASG Item Descrição para Empenho Características do Produto/Serviço Marca Modelo Site Valor Qtde Ata e Reg 037/2013 153114 1 Microcomputador Basico - Processador de no mínimo dois núcleos com desempenho

Leia mais

Memórias. Barramentos. Prof. Demétrios Coutinho

Memórias. Barramentos. Prof. Demétrios Coutinho Memórias Barramentos Prof. Demétrios Coutinho Barramento Organização Básica de Computadores Um caminho de comunicação entre duas ou mais unidades Compartilhado um usuário por vez A comunicação é do tipo

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

CÁLCULO DO MODELO NUMÉRICO (MDT)

CÁLCULO DO MODELO NUMÉRICO (MDT) GUIA PRÁTICO DataGeosis Versão 2.3 CÁLCULO DO MODELO NUMÉRICO (MDT) Paulo Augusto Ferreira Borges Engenheiro Agrimensor Treinamento e Suporte Técnico 1. INTRODUÇÃO O DataGeosis utiliza a Modelagem Numérica

Leia mais

Linguagens de Programação:

Linguagens de Programação: Capítulo I : Noções Gerais 11 Linguagens de Programação: Como comunicar com o computador? Linguagem Máquina: Conjunto básico de instruções, em código binário, características de cada computador, correspondentes

Leia mais

Marca Modelo Site Valor

Marca Modelo Site Valor Pregão UASG Item Descrição para Empenho 2/2015 153114 1 Microcomputador Básico com monitor - Processador 64 bits, família desktop, integrante da geração mais recente produzida pelo fabricante do mesmo

Leia mais

MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007

MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INICIANDO O EXCEL...7 CONHECENDO A TELA DO EXCEL...7 CAPÍTULO 2 PLANILHA...13 CÉLULAS...13 COMO SELECIONAR CÉLULAS...14 CAPÍTULO 3 INICIANDO A DIGITAÇÃO DE

Leia mais

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Direitos de Aprendizagem O artigo 32 da LDB estabelece que é necessário garantir o desenvolvimento da capacidade

Leia mais

Componentes do Computador

Componentes do Computador Computador Um computador é uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e eletromecânicas, com capacidade de coletar, armazenar e manipular dados, além de fornecer informações, tudo isso de

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Variáveis Indexadas. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Variáveis Indexadas. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I Variáveis Indexadas Pedro O.S. Vaz de Melo Por que índices são importantes? Como uma loja de sapatos artesanais deve guardar os seus produtos? 1 2 3 4 Tamanhos entre

Leia mais

1. Estrutura de Dados

1. Estrutura de Dados 1. Estrutura de Dados Não existe vitória sem sacrifício! Filme Transformers Um computador é uma máquina que manipula informações. O estudo da ciência da computação inclui o exame da organização, manipulação

Leia mais

Mouse. Mike McBride Brad Hards Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama

Mouse. Mike McBride Brad Hards Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama Mike McBride Brad Hards Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Mouse 4 1.1 Geral............................................. 4 1.2 Avançado...........................................

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico 25 Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico Existem diversos tipos de aplicações já desenvolvidas envolvendo o uso de processamento de imagens médicas, a fim de auxiliar o

Leia mais

Arquitetura de Computadores EL66C 1a. Prova - Gabarito 26/04/10

Arquitetura de Computadores EL66C 1a. Prova - Gabarito 26/04/10 1. Questão [2,0] Com respeito a operação em modo protegido, da arquitetura IA-32, pede-se: a) [1,0] Qual a finalidade do campo word count' em um descritor tipo call gate? Forneça um exemplo de sua utilização.

Leia mais

Guia rápido de aplicação de marcas

Guia rápido de aplicação de marcas Guia rápido de aplicação de marcas introdução guia RÁPIDO DE aplicação de marcas Este é o guia rápido de aplicação de marcas do Grupo NotreDame Intermédica. Produzimos esse material para garantir uma unidade

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Operação da Unidade de Controle. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Operação da Unidade de Controle. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Operação da Unidade de Controle por Helcio Wagner da Silva Microoperações Execução de programa... Ciclo de instrução Ciclo de instrução Ciclo de instrução Busca Indireto Execução

Leia mais

Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão

Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão MC3305 Algoritmos e Estruturas de Dados II Aula 01 Introdução Custo de um algoritmo, Funções de complexidad e Recursão Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 2Q-2015 1 Custo de um algoritmo

Leia mais