Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia;"

Transcrição

1 Módulo 7 Oxigenoterapia e equipamentos Apresentação do Módulo A hipóxia é uma condição na qual há uma deficiência da quantidade de oxigênio que alcança os tecidos do organismo. É extremamente grave, comprometendo o encéfalo, suprarrenais, coração, rins e fígado, em ordem decrescente de importância. Neste módulo você estudará sobre o uso do oxigênio e as várias formas de sua administração na prevenção ou tratamento da hipóxia, e ainda conhecerá os principais equipamentos utilizados na oxigenoterapia de pacientes de trauma ou de casos clínicos. Objetivos do Módulo Ao final do estudo deste módulo, você será capaz de: Identificar as situações onde é necessária a oxigenoterapia; Descrever as características dos pacientes que necessitam de oxigenoterapia; Enumerar os tipos, funções e dispositivos de segurança dos equipamentos para oxigenoterapia; Descrever as complicações da oxigenoterapia. Estrutura do Módulo Compõem este módulo as seguintes aulas: Aula 1 Oxigenoterapia Aula 2 Equipamentos de provisão de oxigênio e aspiração

2 Aula 1 Oxigenoterapia 1.1. Oxigênio O oxigênio, imprescindível para a vida, é um gás inodoro, incolor e, sozinho, não é combustível. Entretanto, é alimentador da combustão e reage violentamente com materiais combustíveis. Ele está presente no ambiente num teor de aproximadamente 21% Pacientes que necessitam de oxigenoterapia Oxigenoterapia é a administração de oxigênio a um paciente com fins terapêuticos para corrigir e atenuar a deficiência de oxigênio ou hipóxia, qualquer que seja sua causa, e é empregada nos dois grandes grupos de pacientes descritos a seguir: Pacientes apneicos (que não apresentam respiração espontânea) rapidamente desenvolvem hipóxia nos órgãos vitais, sobretudo no encéfalo e coração. A morte clínica é iminente se a hipóxia não for corrigida dentro de poucos minutos Pacientes que podem respirar, mas são incapazes de mobilizar uma quantidade de ar suficiente para assegurar um aporte adequado de oxigênio aos pulmões em cada ciclo respiratório desenvolvem hipóxia; todavia, o aparecimento e o grau de lesão tecidual dependerão do grau da insuficiência respiratória Situações que requerem o uso da oxigenoterapia A indicação mais importante para oxigenoterapia é a hipóxia. Entre os sinais precoces de hipóxia, citam-se a taquicardia, a agitação e a irritabilidade. A cianose é um achado tardio. O emergencista deverá atentar para outros sinais e sintomas da hipóxia, tais como: Confusão do paciente; Palidez;

3 Taquipneia; Esforço respiratório (retração intercostal e batimentos de asa do nariz); Bradicardia; Hipotensão; Parada respiratória e cardiorrespiratória; Prostração, etc. O momento ideal para a correção da hipóxia é quando aparecem os primeiros sintomas, antes de ocorrerem lesões graves aos órgãos essenciais do organismo. Entre as situações específicas mais comuns que requerem a oxigenoterapia, é possível citar as seguintes: Infarto agudo do miocárdio A causa da hipóxia no infarto agudo do miocárdio (IAM) é a lentidão da circulação, que transporta o oxigênio para os tecidos. A administração de oxigênio aumentará a disponibilidade do corpo para a circulação e também pode ajudar o miocárdio a recuperar alguma força e, assim, também melhorar a circulação Edema pulmonar Neste caso, o líquido no interior dos pulmões dificulta a difusão do oxigênio para o sangue. Nos casos mais graves, deve ser administrado oxigênio de 80 a 100% Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) Usualmente, o estímulo normal para a ventilação é a taxa de dióxido de carbono existente no sangue. Quando ela se eleva, aumenta o estímulo à respiração. Os pacientes portadores de DPOC vivem a longo tempo com elevadas taxas de dióxido de carbono no sangue. Em muitos casos a taxa é tão elevada que o paciente se torna insensível ao dióxido de carbono como estimulante respiratório. Nesses pacientes, a baixa taxa de oxigênio no sangue é o estímulo à respiração.

4 Intoxicação medicamentosa aguda A respiração pode ficar deprimida nos pacientes que ingerem altas doses de medicamentos, resultando em ciclos respiratórios irregulares e superficiais e numa quantidade insuficiente de oxigênio nos pulmões. A ventilação artificial pode ser necessária com a suplementação de oxigênio. Nesses pacientes, o próprio encéfalo encontra-se deprimido, provocando uma respiração insuficiente Queimaduras pulmonares As queimaduras dos pulmões decorrem da inalação de vapor, gases quentes ou fumaça (são chamadas também de queimaduras inalatórias). Podem ser graves e agudas. Produzem edema local e destruição de tecido pulmonar. O tratamento deve incluir a administração de oxigênio e a ventilação artificial, quando necessário Acidente vascular encefálico (AVE) A causa de hipóxia num paciente que sofre um derrame é o controle deficiente da respiração, exercido pelo encéfalo. Tanto a frequência como a profundidade da respiração apresentam-se deprimidas. O tratamento consiste em assistir ou controlar a ventilação Estado de choque Essa uma situação que frequentemente acompanha outras lesões em que há perda de sangue. A capacidade do sistema cardiovascular em transportar oxigênio encontra-se reduzida. É necessária a suplementação de oxigênio imediatamente e durante o transporte desse paciente Outras situações Insuficiência cardíaca, trabalho de parto complicado, traumatismos em geral.

5 Importante! É sempre bom lembrar: A administração de oxigênio não substitui as manobras de reanimação Riscos no uso do oxigênio Embora o oxigênio não seja o causador de combustão nem explosão, ele facilita com que elas ocorram. Uma pequena fagulha torna-se uma chama numa atmosfera repleta de oxigênio; um cigarro aceso também pode produzir uma chama viva. Por isso, qualquer fonte de chama deve ser mantida longe de uma área onde esteja sendo empregado oxigênio. Evite: O contato com óleos e graxas, inclusive em manutenção, sob risco de explosão; Pancadas ou quedas do cilindro, porque um golpe mais forte que venha a romper a válvula poderá fazer o cilindro ser impulsionado como um míssil. O cilindro deve estar bem fixado na viatura, preferencialmente em pé; Transportar, arrastar ou rolar o cilindro durante o transporte. Importante! Abra completamente a válvula do cilindro; em seguida, volte-a meia volta. Isso servirá como medida de segurança, caso alguém pense que esteja fechada e force sua abertura. Em algumas doenças crônicas, como o enfisema, o estímulo normal para a respiração não é mais eficaz. Nessas situações, em que a baixa taxa de oxigênio no sangue é o principal estímulo para a respiração do paciente, a administração de oxigênio pode provocar uma diminuição da ventilação, que pode até cessar. Tais pacientes não devem receber oxigênio, exceto quando apneicos. Os pacientes que recebem altas concentrações de oxigênio podem desenvolver atelectasias (áreas de colapso pulmonar) ou apresentar intoxicação pelo oxigênio (destruição real de

6 tecido pulmonar). Entretanto, em situações que envolvem tratamento de emergência e remoção, raramente um paciente recebe uma concentração de oxigênio alta o suficiente e durante um período longo para desenvolver essas complicações. Aula 2 Equipamentos de provisão de oxigênio e aspiração Em outros locais além dos hospitais e similares, o oxigênio é geralmente encontrado sob a forma de gás comprimido em cilindros de aço inteiriços. Tais cilindros são fabricados em diversos tamanhos. Nesta aula, você estudará os principais tipos, os equipamentos de provisão de oxigênio e os materiais utilizados na aspiração de pacientes Tipos de cilindros O oxigênio é acondicionado em cilindro de aço ou alumínio. Segundo normas internacionais, o cilindro para uso medicinal deverá estar pintado na cor verde. Cilindros portáteis No Brasil, os tipos de cilindros mais usuais são o de 625 litros (portátil) e o de litros (fixo) Regulador de pressão com manômetro e fluxômetro Destina-se a reduzir a alta pressão do interior do cilindro ( kgf/cm²) para uma pressão de consumo em torno de 3 a 5 kgf/cm².

7 O manômetro indica em kgf/cm² a quantidade de O 2 no interior do cilindro. O fluxômetro destina-se a controlar e dosar, em litros por minuto, a administração de oxigênio, vide figura abaixo. Regulador de pressão com manômetro e fluxômetro 2.3. Frasco umidificador Copo confeccionado em plástico, onde circula o oxigênio para ser umidificado. Esse acessório é completado normalmente com água limpa ou soro fisiológico. Possui capacidade para 300 ml (a maioria dos modelos). Importante! Fique alerta para o perigo da utilização de umidificadores contaminados. No APH normalmente não se utiliza líquido no umidificador, devido ao curto espaço de tempo entre o local da ocorrência e a unidade hospitalar mais próxima. O oxigênio é oferecido seco para diminuir o risco de contaminação. Verifique sempre se o equipamento está devidamente limpo.

8 2.4. Aspiradores Fixo Equipamento para aspiração e coleta de secreções em recipiente de vidro através do vácuo produzido pela passagem de oxigênio por um ejetor tipo Venturi Portátil Equipamento utilizado para aspiração e coleta de secreções em recipiente plástico Mangueiras Tubo flexível confeccionado em silicone ou similar. É acoplado ao equipamento e conduz oxigênio até a máscara facial, que permite a administração de O 2 ao paciente.

9 2.6. Materiais acessórios Cateter de aspiração Tubo utilizado para aspirar secreções, sendo mais indicado para atendimento pré-hospitalar o tubo rígido em conjunto com o aspirador manual Cateter nasal Oferece oxigênio pelas narinas do paciente através de duas cânulas plásticas. Sua eficácia e diminuída com a existência de ferimentos nasais, resfriados ou outras obstruções das vias respiratórias Cânula orofaríngea É um acessório semicircular que mantém afastada a língua da parede posterior da faringe, facilita a aspiração e evita que o paciente morda, fechando o tubo. As cânulas mais usadas são de materiais plásticos. Os dois tipos mais comuns são Guedel e Berman. O tipo Guedel é tubular e o Berman possui um canal ao longo de suas laterais. No caso de parada respiratória ou cardiorrespiratória a cânula deve ser utilizada em conjunto com o reanimador manual. Esse acessório deverá ser utilizado apenas em pacientes inconscientes.

10 Cânula de Guedel Cânula de Berman Máscara facial simples A máscara facial é usualmente bem tolerada por um paciente adulto. Entretanto, para evitar um acúmulo de ar expirado no reservatório da máscara, o qual poderia ser novamente inalado, o fluxo de oxigênio deverá ser superior a 5 litros por minuto recomenda-se um fluxo de 8 a 10 litros/minuto. O oxigênio inspirado é diluído pelo ar ambiente, fornecendo uma concentração de oxigênio de 35 a 60% Bolsa de ventilação manual (BVM) A bolsa de reanimação ventilatória artificial fornece oxigênio em uma concentração de 21% de oxigênio. Quando conectado a uma fonte de oxigênio, poderá fornecer uma concentração de até 100%.

11 Máscara para RCP A máscara de bolso é utilizada para a ventilação boca-máscara. É confeccionada em plástico ou silicone. Existem também as máscaras de RCP descartáveis Oxímetro de pulso Equipamento portátil utilizado para aferir e monitorar a saturação da pressão de oxigênio (SpO 2 ), a frequência e intensidade do pulso, passando uma onda de luz vermelha e outra infravermelha através dos tecidos do corpo para um foto-detector. Esse conjunto de luzes deve ficar em cima da unha. Sempre que possível, limpe a unha que tenha esmalte ou similar, no intuito de facilitar a leitura. Evite colocar o sensor de dedo no mesmo braço que está com a braçadeira de aferição da pressão arterial, pois isso inviabilizará a determinação da SpO 2, uma vez que a braçadeira, quando acionada, restringirá o fluxo sanguíneo. Existem sensores de dedo para adulto e para criança. A saturação da pressão de oxigênio, dentro dos parâmetros de normalidade, é de 90%. Quando o paciente apresentar uma SpO 2 menor que essa, se faz necessário ministrar oxigênio suplementar Utilização de oxigênio medicinal

12 Concentração máxima que se pode obter sem oxigênio e com oxigênio suplementar: Importante! Lembre-se de que o oxigênio é um medicamento Síntese da utilização de equipamentos para ventilação artificial Condição do paciente Quando e como intervir Tipo de acessório Respiração adequada Fala sem dificuldade, calmo Cateter nasal Aumenta a dificuldade

13 respiratória Respirações curtas, fala de 3 a 4 palavras com dificuldade, aumentando a dispneia Severa dificuldade respiratória Sudorese, fala de 1 a 2 palavras com dificuldade, aumentando severamente a dispneia Tomada de decisão importante! Identifique a respiração inadequada antes que o paciente desenvolva uma dificuldade severa de respiração. Ajude com as ventilações antes que ele fique inconsciente. Máscara com reservatório Bolsa de ventilação manual (BVM) Com conexão ao oxigênio Continua deteriorando-se Até ficar inconsciente Não respira - Inconsciente Ventilações assistidas: 12 ventilações por minuto - adulto 20 ventilações por minuto - lactantes 2.8. Preparação do equipamento de oxigenoterapia Retire o capacete que protege a válvula do cilindro (se houver). Acople, na válvula, o regulador de pressão. Conecte o frasco umidificador com a mangueira e a máscara facial adequada ao paciente.

14 Importante! A limpeza e esterilização dos equipamentos utilizados na oxigenoterapia deverão ser feitas numa Central de Esterilização de Materiais (CME) Atendimento pré-hospitalar na oxigenoterapia Assegure-se de que o equipamento esteja limpo e funcionando adequadamente. Selecione o equipamento e assessórios apropriados para a situação, observando a individualidade do paciente. Determine o método de administração: cateter nasal, máscara facial simples, máscara facial com reservatório, reanimador manual. Abra a válvula, vagarosamente, sem o uso de qualquer ferramenta, para evitar danos ao cilindro e diminuir a possibilidade de vazamentos. Regule o fluxo de saída de oxigênio conforme a necessidade do paciente. Ajuste a máscara na face do paciente e oriente para que ele respire lenta e profundamente. Monitore constantemente o paciente e dê-lhe apoio psicológico (Explicar as condutas e a necessidade da oxigenoterapia ao paciente e acompanhante). Providencie a assepsia do equipamento ou faça com que ele seja descartado, se for o caso, e reavalie as condições para a sua reutilização. Não fume durante a administração do oxigênio. Mantenha o cilindro de oxigênio na vertical, longe de fontes de calor.

15 2.10. Técnica de aspiração no atendimento pré-hospitalar Inspecione e prepare o equipamento. Posicione adequadamente o paciente. Abra a boca do paciente utilizando a técnica dos dedos cruzados. Insira o cateter na boca do paciente até atingir a faringe e inicie a aspiração. Proceda à aspiração por cerca de quinze segundos e volte a oxigenar. Repita a técnica até desobstruir as vias aéreas. Finalizando... Neste módulo você estudou que: Oxigenoterapia é a administração de oxigênio a um paciente com fins terapêuticos para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou hipóxia, qualquer que seja sua causa; A oxigenoterapia é empregada em pacientes apneicos (que não apresentam respiração espontânea) e pacientes que podem respirar, mas são incapazes de mobilizar uma quantidade de ar suficiente para assegurar um aporte adequado de oxigênio aos pulmões em cada ciclo respiratório; A indicação mais importante para oxigenoterapia é a hipóxia. Entre os sinais precoces de hipóxia, citam-se a taquicardia, a agitação e a irritabilidade; Os pacientes que recebem altas concentrações de oxigênio podem desenvolver atelectasias (áreas de colapso pulmonar) ou apresentar intoxicação pelo oxigênio (destruição real de tecido pulmonar); Em outros locais além dos hospitais e similares, o oxigênio é geralmente encontrado sob a forma de gás comprimido em cilindros de aço inteiriços;

16 A utilização de equipamentos para ventilação artificial deverá considerar a condição do paciente. Essa condição indicará a intervenção a ser realizada e o tipo de acessório. Exercícios 1. Considera-se como responsabilidade do emergencista na aplicação de oxigenoterapia, exceto: ( A ) Monitoramento constante do paciente. ( B ) Assepsia ou descarte do equipamento utilizado. ( C ) Conferência do material a ser utilizado. ( D ) Realizar a esterilização do material utilizado. 2. A oferta de oxigênio ao paciente é indicada para os seguintes casos: ( A ) Insuficiência cardíaca, edema pulmonar e intoxicações. ( B ) Infarto agudo do miocárdio, cefaleia e traumas. ( C ) Acidente vascular cerebral, reumatismo e hemorragias. ( D ) Trabalho de parto complicado, infarto agudo do miocárdio e cefaleia. 3. Qual equipamento para ventilação com oxigênio suplementar atinge uma concentração máxima de oxigênio de 35-60%? ( A ) Cateter nasal. ( B ) Reanimador manual com reservatório. ( C ) Válvula de demanda. ( D ) Máscara facial simples.

17 4. No Brasil os tipos de cilindros mais usados são: ( A ) 725 litros (portátil) e de litros (fixo). ( B ) 625 litros (portátil) e de litros (fixo). ( C ) 625 litros (portátil) e de litros (fixo). ( D ) 725 litros (portátil) e de 625 litros (fixo). 5. Nas alternativas a seguir, marque (V) para as sentenças verdadeiras e (F) para as falsas: V V V F O oxigênio é um gás imprescindível para a vida. A administração de oxigênio não substitui as manobras de reanimação. Um golpe forte no cilindro de oxigênio que rompa sua válvula poderá impulsionálo como um míssil. Altas concentrações de oxigênio não produzem intoxicações nas vítimas. 6. A porcentagem de oxigênio contida no ar expirado é de: ( A ) 10% ( B ) 16% ( C ) 21% ( D ) 20% 7. Assinale somente a informação que se encontra incorreta: ( A ) Em APH básico não se utiliza líquidos no umidificador. ( B ) Hipóxia é uma condição na qual há uma deficiência na quantidade de oxigênio que alcança os tecidos do organismo. ( C ) O oxigênio facilita a combustão.

18 ( D ) O oxigênio encontra-se pressurizado dentro de garrafas de aço, portanto o emergencista não precisa preocupar-se em evitar batidas e quedas do cilindro. Gabarito A = B / 2 = A / 3 = D / 4 = C / 5 = VVVF / 6 = C / 7 = D

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio

ADMINISTRAÇÃO DE OXIGÊNIO - Cateter nasal e máscara de oxigênio Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Administração de oxigênio, a uma pressão maior que a encontrada no ar ambiente, para aliviar e/ou impedir hipóxia tecidual. FINALIDADE Fornecer concentração adicional de oxigênio

Leia mais

Capítulo 4 Oxigenoterapia

Capítulo 4 Oxigenoterapia Capítulo 4 Oxigenoterapia 1. Objetivos No final desta unidade modular, os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as indicações para oxigenoterapia; Listar os débitos de oxigénio protocolados;

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Oxigenoterapia e sua relação com os atendimentos de fisioterapeutas cardiorrespiratórios Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Considerações Gerais O oxigênio é um velho conhecido

Leia mais

ÍTEM 001 OXW200 - ASPIRADOR PARA REDE DE OXIGÊNIO

ÍTEM 001 OXW200 - ASPIRADOR PARA REDE DE OXIGÊNIO SITE WVMED EQUIPAMENTOS PARA OXIGÊNIOTERAPIA ÍTEM 001 OXW200 - ASPIRADOR PARA REDE DE OXIGÊNIO Aspirador Venturi c/frasco de 500 ml oxigênio, para rede canalizada. ÍTEM 002 OXW201 - ASPIRADOR PARA REDE

Leia mais

Equipamentos de Gasoterapia. Em muitas áreas dos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde existe a. pacientes.

Equipamentos de Gasoterapia. Em muitas áreas dos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde existe a. pacientes. Equipamentos de Gasoterapia Equipamentos de Gasoterapia Em muitas áreas dos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde existe a necessidade de utilização dos Gases Medicinais, como Oxigênio, Ar Medicinal,

Leia mais

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 2: OXIGÊNIO Que danos podem ser causados por falta de oxigênio? E pelo excesso de oxigênio? Quais maneiras de se fornecer oxigênio

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma Respiração + Circulação Basic Life Support Facilitadora Enf a. Ana Carolina Corgozinho E-mail anacorgozinho@uol.com.br Respiração Os seres vivos conseguem resistir a restrições alimentares, pois sobrevivem

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Instruções do Reanimador Manual de Silicone MD

Instruções do Reanimador Manual de Silicone MD REANIMADOR MANUAL DE SILICONE MD Balão de Silicone Autoclavável Adulto Balão de Silicone Autoclavável Pediátrico Balão de Silicone Autoclavável Neonatal Obrigado por investir no Reanimador Manual de Silicone

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Oxigénio Medicinal Gasoxmed, 100 % gás medicinal criogénico

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Oxigénio Medicinal Gasoxmed, 100 % gás medicinal criogénico FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Oxigénio Medicinal Gasoxmed, 100 % gás medicinal criogénico Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

Manual de Instruções SATA 67595

Manual de Instruções SATA 67595 1. Conheça o produto...2 2. Âmbito do fornecimento...5 3. Dados técnicos...6 4. Modo de atuação da unidade de limpeza de ar com adsorvente de carvão ativo e do cinto sem adsorvente de carvão ativo...7

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO O bebé prematuro, em geral com peso inferior a 2.500 gramas, está mais propenso a problemas de saúde tendo em conta que a gravidez encurtada não permitiu o desenvolvimento

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

Gases Tóxicos em Unidades Armazenadoras 1

Gases Tóxicos em Unidades Armazenadoras 1 1 Gases Tóxicos em Unidades Armazenadoras 1 Prof. Luís César da Silva email: silvalc@cca.ufes.br Intoxicações Por Gases Na década de setenta devido ao aumento da produção agrícola brasileira foi necessário

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

INALOTERAPIA. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Habilitação Profissional de Técnico em Enfermagem

INALOTERAPIA. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MANOEL GUEDES Escola Técnica Dr. Gualter Nunes Habilitação Profissional de Técnico em Enfermagem INALOTERAPIA As inaloterapias (terapias por inalação) visam melhorar a ventilação e são empregados na prevenção e no tratamento das disfunções pulmonares. 1 É o método que visa a corrigir e/ou atenuar

Leia mais

Formulário de Petição para Cadastramento Materiais de uso em saúde RDC nº 24/09

Formulário de Petição para Cadastramento Materiais de uso em saúde RDC nº 24/09 Formulário de Petição para Cadastramento Materiais de uso em saúde RDC nº 24/09 3.1.8 Formas de apresentação comercial do produto (formas de comercialização, composição das embalagens primária e/ou secundária,

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

- Natureza Química: Este produto químico é uma substância pura

- Natureza Química: Este produto químico é uma substância pura 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Hélio comprimido Registrante: Aerosoldas de Macaé Ltda Endereço: Via do Sol, 80 - Granja Cavaleiros, Macaé - RJ, 27930-090 Telefone:(22) 2773-3535

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores.

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores. protrespsimples.doc Um guia para os usuários de respiradores, escrito de forma simples e de fácil entendimento. Mantenha este guia sempre à mão, releia-o periodicamente e conte sempre com a ajuda do seu

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS SANTA CATARINA REANIMAÇÃO CÁRDIO RESPIRATÓRIA NO ADULTO Enf. KEYLA CRISTIANE DO NASCIMENTO Dr. MARIO COUTINHO GRAU DE URGÊNCIA A Parada Cárdio-Respiratória (PCR) é uma urgência

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução Introdução O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Introdução Introdução Cerca de um terço da população mundial adulta (1

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

O uso de Equipamentos e Oxigênio na Ventilação do Afogado

O uso de Equipamentos e Oxigênio na Ventilação do Afogado O uso de Equipamentos e Oxigênio na Ventilação do Afogado Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Maj BM QOS David Szpilman Este

Leia mais

Oxigenoterapia guia prático para pacientes

Oxigenoterapia guia prático para pacientes Homehealth provider Oxigenoterapia guia prático para pacientes www.airliquide.com.br Qual a importância do oxigênio? O ar que respiramos contém oxigênio que é importantíssimo para o funcionamento normal

Leia mais

Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0

Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0 Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 00 CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0 Indicação, Finalidade, Uso e Aplicação Destina-se para pacientes infantis em necessidade de

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: VOTOMASSA CHAPISCO CONCRETO Empresa: VOTORANTIM CIMENTOS LTDA. Endereço: Rodovia PR092, 1303 Cidade: Curitiba Estado: PR Telefone: 0800 701 98 98 Telefone

Leia mais

Ficha Técnica de Segurança

Ficha Técnica de Segurança Ficha Técnica de Segurança HIDROGÊNIO ONU 1049 Nº CAS 1333-74-0 CLASSE DE RISCO 2.1 NÚMERO DE RISCO 23 1. IDENTIFICAÇÃO - Sinônimos: Hidrogênio comprimido Fórmula: H 2 Peso Molecular : 39,948 Classificação

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM

21/6/2011 EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) SINAIS E SINTOMAS DE IAM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CARDIOVASCULARES Infarto agudo do miocárdio; Insuficiência cardíaca congestiva; Acidente vascular cerebral; Hipertensão. EDUARDO LUIZ INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Leia mais

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA CATÁLOGO TÉCNICO SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA TANQUES ESPECIAIS MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA ARMAZENAR PRODUTOS ESPECIAIS. A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde GUIA DO USUÁRIO DE OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR

Secretaria de Estado da Saúde GUIA DO USUÁRIO DE OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR Secretaria de Estado da Saúde GUIA DO USUÁRIO DE OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR Florianópolis - 2004 1 Secretaria de Estado da Saúde GUIA DO USUÁRIO DE OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR FLORIANÓPOLIS - 2004 2 1 Esta

Leia mais

usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio

usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio Proteção do meio ambiente O gás é um hidrocarboneto, formado no interior da Terra há milhões de anos. Ele é o produto da decomposição de animais

Leia mais

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL Thinner 2750 NOME DO FABRICANTE ANJO QUIMICA DO BRASIL LTDA Rodovia SC, 447 Km 02 Criciúma Santa Catarina CEP: 88.817-440

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO CONCENTRADOR DE OXIGÊNIO PERFECTO2

MANUAL DE OPERAÇÃO CONCENTRADOR DE OXIGÊNIO PERFECTO2 MANUAL DE OPERAÇÃO CONCENTRADOR DE OXIGÊNIO PERFECTO2 Modelos: IRC5PO2 e IRC5PO2AW Usuário: ANTES de usar este produto leia este Manual e guarde-o para futuras consultas. 1 ADVERTENCIA: Não use este produto

Leia mais

Cloreto de Bario Página 2 de 6 FISPQ nº: LQ 003.050 / 086 Ultima Revisão: 25/ 10 / 2005

Cloreto de Bario Página 2 de 6 FISPQ nº: LQ 003.050 / 086 Ultima Revisão: 25/ 10 / 2005 Cloreto de Bario Página 1 de 6 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Cloreto de Bario Código do produto : 003.050 / 086 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190 : Metalloys

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

O que Fazer em Uma Emergência

O que Fazer em Uma Emergência O que Fazer em Uma Emergência Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Maj BM QOS David Szpilman Em qualquer emergência procure

Leia mais

Nome do produto: Botatop DM -W Data da última revisão: 10/01/2012. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda

Nome do produto: Botatop DM -W Data da última revisão: 10/01/2012. - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Botatop DM-W - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande Paulista

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO NAFTALINA 1 de 5 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu das Artes - SP Homepage: www.produtosbufalo.com.br E-mail:

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE FISPQ N PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ CERA LÍQUIDA AUTOMOTIVA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE FISPQ N PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ CERA LÍQUIDA AUTOMOTIVA GARANTIA DE QUALIDADE Página 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Sinônimo: Cera líquida Automotiva Nome da empresa: GITANES PRODUTOS AUTOMOTIVOS LTDA Endereço: Rua Dos Diamantes,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. PRODUTO Metano, Comprimido Página 1 / 5 FIS.SEDC 23.062 Revisão 0 Data: 12/06/2007

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. PRODUTO Metano, Comprimido Página 1 / 5 FIS.SEDC 23.062 Revisão 0 Data: 12/06/2007 PRODUTO Metano, Comprimido Página 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Metano, Comprimido Nome da Empresa AIR LIQUIDE BRASIL LTDA Endereço Av. das Nações Unidas 11.541 - cjs.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM EQUIPAMENTO MÉDICO / ODONTOLÓGICO - GASOTERAPIA

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. PRODUTO Mistura Etileno em Nitrogênio Página 1/5 FIS.SEDC 23.038 Revisão 5 Data: 15/03/2010

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. PRODUTO Mistura Etileno em Nitrogênio Página 1/5 FIS.SEDC 23.038 Revisão 5 Data: 15/03/2010 PRODUTO Mistura Etileno em Nitrogênio Página 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Mistura gasosa Etileno em Nitrogênio Azetil Nome da Empresa AIR LIQUIDE BRASIL LTDA Endereço Av.

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS

PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS Apenas alguns conhecimentos sobre primeiros socorros podem ajudá-lo a lidar melhor com emergências. As suas competências podem ajudá-lo a salvar a vida de um familiar,

Leia mais

Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo

Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo TABAGISMO O tabagismo é uma das principais causas de morte evitável. O VÍCIO Quase todos os fumantes tiveram o primeiro contato com o vício na adolescência, entre

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

Máscara Facial para Uso Hospitalar da ResMed

Máscara Facial para Uso Hospitalar da ResMed Máscara Facial para Uso Hospitalar da ResMed Somente Rx A MÁSCARA NASAL PARA USO HOSPITALAR DA RESMED deve a ser utilizada por um só paciente adulto (>30 kg) ao qual foi prescrito o tratamento por pressão

Leia mais

Dicas para você e sua família

Dicas para você e sua família Dicas para você e sua família Dicas de Segurança O gás natural Você já sabe que o gás natural é mais leve que o ar e se dissipa rapidamente na atmosfera e que as tubulações de gás possuem dispositivos

Leia mais

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH Protocolo: Nº 01 Elaborado por: Arlen Ramos Wilhma Alves Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel E. Macedo Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR APH

Leia mais

Ar Comprimido ONU 1002

Ar Comprimido ONU 1002 Ficha Técnica Ar Comprimido ONU 1002 CLASSE DE RISCO: 2.2 NÚMERO DE RISCO: 25 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Ar Comprimido 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES Natureza

Leia mais

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE 1. Introdução Para um melhor entendimento dos mecanismos (da hemorragia e do choque) faz-se necessário uma pequena revisão de alguns aspectos conceituais de anatomia e fisiologia

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

Ressuscitador Manual Reutilizável Besmed

Ressuscitador Manual Reutilizável Besmed DISTRIBUIDOR NO BRASIL J.G Moriya Repres. Imp. e Exp. Comercial Ltda. Rua Colorado, 279/291 Vila Carioca CEP: 04225-050 São Paulo SP Tel.: (0xx11) 2914.9716 Fax: (0xx11) 2914.1943 C.N.P.J.: 67.882.621/0001-17

Leia mais

Não utilize o sistema se algum dos acessórios estiver rasgado, quebrado ou torcido ou se o gabinete do dispositivo ApneaLink Air estiver quebrado.

Não utilize o sistema se algum dos acessórios estiver rasgado, quebrado ou torcido ou se o gabinete do dispositivo ApneaLink Air estiver quebrado. Instruções para o paciente Português Introdução ApneaLinkAir ApneaLink Plus Você recebeu do seu médico ou prestador de cuidados médicos um dispositivo ApneaLink Air para avaliar se tem distúrbios respiratórios

Leia mais

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. Aldous Huxley EMERGÊNCIA Éuma situação crítica, acontecimento perigoso ou dificuldade

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI URETANO AR ENDURECEDOR Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais