GIZIELI DICHETE BIGUELINI LISIELE LEITE GUERRA PERFIL DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA/RS NO PERÍODO DE 2005 A 2009 URUGUAIANA 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GIZIELI DICHETE BIGUELINI LISIELE LEITE GUERRA PERFIL DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA/RS NO PERÍODO DE 2005 A 2009 URUGUAIANA 2010"

Transcrição

1 1 GIZIELI DICHETE BIGUELINI LISIELE LEITE GUERRA PERFIL DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA/RS NO PERÍODO DE 2005 A 2009 URUGUAIANA 2010

2 2 GIZIELI DICHETE BIGUELINI LISIELE LEITE GUERRA PERFIL DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA/RS NO PERÍODO DE 2005 A 2009 Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito para obtenção de nota final da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso II, do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Pampa. Profª. Orientadora: Enfª. Pereira Figueiredo Dda. Paula URUGUAIANA 2010

3 3

4 4 CANÇÃO AMIGA Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça, todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos. Caminho por uma rua que passa em muitos países. Se não me vêem, eu vejo e saúdo velhos amigos. Eu distribuo um segredo como quem ama ou sorri. No jeito mais natural dois carinhos se procuram. Minha vida, nossas vidas formam um só diamante. Aprendi novas palavras e tornei outras mais belas. Eu preparo uma canção que faça acordar os homens e adormecer as crianças. Carlos Drummond de Andrade

5 5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradecemos a Deus pela nossa saúde perfeita e pelos tantos dons que nos permitiram superar dificuldades e realizar sonhos, como este trabalho. Sinceros agradecimentos aos nossos pais, que mesmo com toda dificuldade sempre investiram na nossa educação, o que certamente permitiu que nós chegássemos até aqui querendo ir ainda mais longe. Aos nossos irmãos, pelos momentos descontraídos que passamos juntos, pois isso nos incentivou a continuar nosso caminho. Agradecemos aos nossos amores e também melhor amigo, por compreender quando não podíamos estar ao seu lado, por tentar restabelecer o estado de ânimo quando já não tínhamos forças para mais nada, por ouvir nossas queixas e por nos fazer sentir amada e importante quando o trabalho intenso e árduo nos roubava a auto-estima. Somos gratas pela atenção que vocês nos deram, tornando a nossa vida mais iluminada. À nossa orientadora, agradecemos pela contribuição teórica e pela forma atenciosa de corrigir nossos erros e de lapidar as nossas idéias, tornado possível a execução deste trabalho. Aos nossos amigos, demais familiares, professores e a todos que de alguma forma contribuíram para esta conquista, muito obrigada!

6 6 RESUMO Introdução e Justificativa: o Coeficiente de Mortalidade Infantil (CMI) é considerado universalmente, um dos melhores indicadores de saúde. O Estado do Rio Grande do Sul apresenta um dos menores CMI do País, contudo, verifica-se que o município de Uruguaiana, localizado na Fronteira Oeste do Estado, apresenta um dos indicadores mais elevados do Estado, registrando em 2009 um CMI de 18,5/1000 nascidos vivos, quase se equiparando ao índice nacional. Tais indicadores revelam a possibilidade de buscar a realidade presente deste município a partir do estudo de algumas variáveis que comumente influenciam os indicadores, tais como, as variáveis maternas, obstétricas, infantis e socioeconômicas, justificando este estudo. Objetivos: conhecer o perfil da mortalidade infantil no município de Uruguaiana no período de 2005 a 2009, sob o enfoque das variáveis maternas, obstétricas, infantis e sócio-econômicas. Método: trata-se de um estudo descritivo, de natureza exploratória, com delineamento transversal e abordagem quantitativa do perfil da mortalidade infantil de Uruguaiana, entre 2005 e Foram usadas como parâmetro as variáveis maternas, obstétricas, infantis e sócioeconômicas, as quais foram apresentadas em medidas de frequência. Para a obtenção das informações, foi realizada uma pesquisa documental utilizando-se o Sistema de Informações de Nascidos Vivos SINASC, e o Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), onde foram coletados os dados de todos os óbitos de menores de um ano de idade no referido município e período. Resultados e Discussões: dos 198 óbitos estudados, verificou-se que 58% das mães tinham entre 20 e 34 anos, sendo 72,2% solteiras, 49% com escolaridade de nenhum a sete anos de estudo e 73,7% com ocupação do lar. Quanto à gestação, 91,9% foram únicas e 44% nasceram a termo, 78% das mortes foram classificadas como evitáveis, 56,6% dos neonatos tinha sexo masculino, 63,45% nasceram com peso inferior a 2.500g e 71,3% dos óbitos foram no período neonatal (precoce e tardio). Considerações Finais: Acredita-se que o estudo é de grande relevância, por ser pioneiro ao abordar este tema no município, podendo contribuir ao fornecer informações ao serviço de saúde do município, para o planejamento de suas atividades relativas à criança. Conjuntamente o estudo poderá instigar novos

7 7 pesquisadores para a importância da problemática da Mortalidade Infantil no município. LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Mapa de Uruguaiana Figura 2 - Territorialização dos óbitos infantis em Uruguaiana ( ) Gráfico 1- Correlação entre o peso ao nascer e a idade da criança ao óbito, Uruguaiana

8 8 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Índice de Mortalidade Infantil em Uruguaiana de 2005 a TABELA 2 - Descrição das características Maternas do período de 2005 a 2009, no município de Uruguaiana/RS TABELA 3 - Descrição das características Obstétricas do período de 2005 a 2009, no município de Uruguaiana/RS TABELA 4 - Duração da gestação em semanas relacionadas com o número de consultas ao pré-natal TABELA 5 - Descrição das características Infantis do período de 2005 a 2009, no município de Uruguaiana/RS TABELA 6 - Peso ao nascer das crianças que foram a óbito no primeiro ano de vida, no município de Uruguaiana entre o período de 2005 a TABELA 7 - Duração da gestação em semanas e das crianças que foram a óbito no primeiro ano de vida, no município de Uruguaiana entre 2005 e

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO GERAL Objetivos Específicos REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Variáveis maternas Variáveis obstétricas Variáveis Infantis Variáveis sócio-econômicas MATERIAIS E METODOS Caracterização do Estudo Local do Estudo Coleta de Dados Análise dos Dados Aspectos Éticos RESULTADOS E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE Apêndice I -QUESTIONÁRIO PARA COLETA DE DADOS Apêndice II -Dicionário de Codificação do Questionário para Coleta de Dados Apêndice III -Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Apêndice IV -Termo de Confidencialidade ANEXOS Anexo I Carta de Aprovação Anexo II -Ofício 01/2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA... 61

10 10 1 INTRODUÇÃO O Coeficiente de Mortalidade Infantil (CMI) é considerado universalmente, como um dos melhores indicadores, não só da saúde infantil, como também do nível sócio-econômico de uma população (VICTORA, 2001). Ele revela desníveis de saúde que se acentuam com o grau de riqueza ou pobreza das regiões estudadas (ALMEIDA FILHO, NAOMAR, 2006, p.154). Isso se justifica porque está diretamente relacionado a diversos fatores, tais como a informação, a qualidade do atendimento de saúde, a escolaridade e a nutrição das gestantes. Ao encontro disso, Pereira (2007) ressalta a importância da morte como indicador, já que esta é objetivamente definida e cada óbito tem de ser registrado. Este registro, por ser obrigatório, resulta na formação de uma base de dados, mantida e atualizada pelos órgãos públicos e divulgada periodicamente. Essa base de dados, por sua vez, possibilita o estudo dos indicadores de saúde/doença e, consequentemente, pode subsidiar a criação, manutenção e/ou aperfeiçoamento das políticas públicas de saúde. O CMI representa o número de óbitos de menores de um ano de idade, por mil nascidos vivos, na população residente em determinado espaço geográfico, interpretando-se como a estimativa do risco de um nascido vivo morrer durante seu primeiro ano de vida (BRASIL, 2009). Os indicadores são classificados em altos, médios e baixos, em que taxas maiores do que 50/1000 são consideradas altas; entre 20 a 49/1000 médias e menores que 20/1000, baixas (PEREIRA, 2007). A mortalidade infantil pode ser segmentada em neonatal e pós-neonatal. É considerada mortalidade neonatal, todos os óbitos ocorridos até o 27º dia de vida, podendo ser dividida em neonatal precoce, quando ocorre no intervalo de 0 a 6 dias de vida, e neonatal tardia, quando ocorre do 7º ao 27º dia de vida. Já a mortalidade pós-neonatal, refere-se aos óbitos de recém nascidos ocorridos entre o 28º dia de vida até 1 ano de idade incompleto. (MEDRONHO et al, 2009). Esta subdivisão é importante, já que existem determinadas causas de morte que são específicas do período neonatal e outras do pós-neonatal. Em 2000 a ONU Organização das Nações Unidas, ao analisar os maiores problemas mundiais, estabeleceu 8 Objetivos do Milênio, sendo a redução da mortalidade infantil o Objetivo do milênio 4 (ODM 4), que visa reduzir em 2/3 a taxa

11 11 global de mortalidade infantil entre 1990 e Várias instituições da sociedade estão engajadas nessa causa, entre elas a UNICEF (United Nations Children s Found) e parceiros, que vão desde lideres religiosos, personalidades políticas, associações de trabalhadores, até cidadãos que desejam ser voluntários para a melhoria do desenvolvimento da saúde infantil. Tendo em vista os desníveis de saúde e a discriminação existente em determinados grupos sociais, o ODM 4, visa focar-se nas situações mais difíceis, como países mais pobres, comunidades isoladas, nações em conflito e devastadas pela AIDS, assim como aquelas desprovidas de investimentos na saúde (UNICEF, 2008). No que diz respeito ao Brasil, é verificado um avanço na redução da mortalidade infantil nos últimos anos, o que em parte, pode estar relacionado ao comprometimento de seus gestores com o alcance dos Objetivos do Milênio. Entretanto, ainda é preciso um grande esforço, já que o coeficiente atual de mortalidade infantil no Brasil é de 19,3/1000 nascidos vivos, semelhante aos indicadores dos países desenvolvidos no final da década de 60, e cerca de três a seis vezes maior do que a de países como Japão, Canadá, Cuba, Chile e Costa Rica, que apresentam taxas entre 3 e 10/1000 nascidos vivos. Estes índices são considerados incompatíveis com o desenvolvimento do país e evidenciam que há sérios problemas a superar, como por exemplo, as constantes desigualdades regionais. Essas desigualdades, por sua vez, são identificadas pela concentração dos óbitos na população mais pobre, além das discriminações relacionadas a determinados grupos sociais (UNICEF, 2008; BRASIL, 2009). O Estado do Rio Grande do Sul, situado na região Sul do Brasil, apresenta um dos menores coeficientes de mortalidade infantil do país, obtendo em 2009 um valor de 11,7/ 1000 nascidos vivos. Apesar do coeficiente geral observado no Estado, verifica-se que em alguns municípios esse indicador apresenta-se mais elevado, o que torna a situação preocupante, já que revela as suas possíveis fragilidades sociais, econômicas e de acesso aos serviços de saúde. É o caso do município de Uruguaiana, localizado na região da fronteira oeste do Estado, que registrou um coeficiente de mortalidade infantil, no ano de 2009 de 18,5/1000 nascidos vivos, quase se equiparando ao índice nacional. Esse coeficiente é o reflexo de um total de 38 óbitos em menores de um ano contabilizados no município, dos quais 19 aconteceram no período neonatal precoce

12 12 e 6 no neonatal tardio. Além disso, de um total de 2048 nascidos vivos no período, 158 nasceram com baixo peso (<2500g >1500g) e 34 com muito baixo peso (<1500g >1000g), desse numero total de nascidos vivos, 930 mães realizaram sete ou mais consultas de pré-natal (RIO GRANDE DO SUL, 2009). Os indicadores acima demonstrados revelam a possibilidade de justificar a realidade presente do município de Uruguaiana a partir do estudo de algumas variáveis que comumente influenciam os indicadores, e são evidenciadas por outros autores quando pesquisam sobre a mortalidade infantil no seu âmbito de atuação (POLES, PARADA, 2002; NABHAN, OLIVEIRA, 2009; VIEIRA, 2007; KILSZTAJN, et al 2000; ARAÚJO et al, 2005). Dentre essas variáveis destacam-se as variáveis maternas, obstétricas, infantis e socioeconômicas, as quais são articuladas entre si e compreendem desde as condições gerais de vida, como a moradia, a escolaridade e a nutrição, até fatores muito específicos, como o tipo de parto, o peso ao nascer e a atenção pré-natal. Tais variáveis apresentam-se como indicadores de grande potencial para proporcionar uma análise da saúde e facilitar o monitoramento e avaliação dos objetivos em saúde. Neste sentido, o monitoramento se apresenta como um processo metódico e contínuo, em que a observação e a análise das informações tornam possível uma rápida intervenção nas ações em saúde, enquanto que a avaliação, como uma das funções dos gestores, visa auxiliar no processo de decisão, tornando-o racional e efetivo (Rio Grande do Sul, 2007). Nesta perspectiva, destaca-se a importância do monitoramento da avaliação como ferramentas para melhorar a qualidade da atenção à saúde, bem como proporcionar um maior conhecimento situacional, informando resultados e apontando necessidades de mudanças. Para isso, é necessário que os Sistemas de Informações sejam acessíveis e confiáveis, pois a partir deles, pode-se diagnosticar possíveis fragilidades na atenção a saúde, especialmente na saúde materno-infantil, já que nesse caso o tempo de diagnostico é fator fundamental para a evitabilidade dos óbitos infantis. Tendo em vista a influência das variáveis maternas, obstétricas, infantis e socioeconômicas, nos indicadores de mortalidade infantil, pretende-se com este estudo responder aos questionamentos: Qual o perfil da mortalidade infantil no município de Uruguaiana no período de 2005 a 2009? Quais as correlações

13 13 existentes entre as variáveis apresentadas e o Coeficiente de Mortalidade Infantil no município? Pressupõe que através deste estudo, será possível conhecer a correlação existente entre as variáveis apresentadas por numero absoluto, tais como idade materna e peso ao nascer, índice de apgar e tempo de vida. Já as demais variáveis poderão ser apresentadas de maneira descritiva, possibilitando verificar a freqüência com que ocorrem.

14 14 2 JUSTIFICATIVA O trabalho justifica-se por chamar a atenção para o Coeficiente de Mortalidade Infantil de Uruguaiana, no contexto do Rio Grande do Sul e do Brasil, apontando a importância das variáveis maternas, obstétricas, infantis e socioeconômicas para o desenvolvimento infantil e por incentivar a pesquisa voltada para as necessidades regionais, indo ao encontro do que propõe a própria inserção da Unipampa na fronteira oeste. Além disso, o fato de não existir estudos sobre essa temática no município, bem como os esforços que vem sendo instituídos pelas políticas públicas de saúde e pesquisa no Rio Grande do Sul para a redução da mortalidade infantil em municípios prioritários do Estado, em que Uruguaiana se inclui, justificam a realização desse estudo.

15 15 3 OBJETIVO GERAL Conhecer o perfil da mortalidade infantil no município de Uruguaiana no período de 2005 a 2009, sob o enfoque das variáveis maternas, obstétricas, infantis e socioeconômicas, uma vez que o coeficiente de mortalidade infantil apresentado pelo município de Uruguaiana apresenta um dos indicadores mais elevados do Estado. 3.1 Objetivos Específicos Estabelecer a correlação entre as variáveis que apresentarem números absolutos, tais como idade materna, peso ao nascer, índice de Apgar e tempo de vida do recém-nascido. Identificar a distribuição de freqüência das variáveis maternas, obstétricas, infantis e socioeconômicas no contexto dos óbitos estudados. Realizar o mapeamento dos óbitos de menores de um ano de idade a partir da localização por bairros de residência referidos nos documentos investigados.

16 16 4 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA As características da mortalidade infantil em determinada região, podem ser resultantes da correlação de fatores presentes nos diferentes contextos da sociedade, tais como social, biológico, econômico, político, entre outros. A identificação da especificidade de cada um desses fatores é complexa e constitui-se como um grande desafio. A presente revisão bibliográfica apresenta uma breve síntese e discussão de alguns estudos que tem analisado a existência de fatores correlacionados à mortalidade infantil com ênfase naqueles que citam a relação entre as variáveis elencadas pelo presente trabalho e o aumento da mortalidade infantil. 4.1 Variáveis maternas As variáveis maternas representam as características inerentes à saúde da mãe, que influenciam diretamente na saúde do recém-nascido (FREITAS et al, 1991). Vários fatores têm extrema influência durante a gestação e após o nascimento da criança. Dentre eles o acesso à informação, aos serviços de saúde e o esclarecimento dos direitos reprodutivos, que podem garantir uma participação muito mais ativa da mulher durante todo o processo de atenção no pré-natal e puerpério (MENDONZA-SASSI et al, 2007). A idade materna é um dos fatores que exerce influência sobre as condições de vida da gestante e do bebê, já que segundo o Ministério da Saúde (2006), a idade materna menor que 15 anos e maior que 35, é um fator de risco para a gestação e posterior mortalidade da criança. A gravidez não planejada na adolescência tem sido um fator preocupante devido aos prejuízos pessoais, familiares e sociais principalmente quando associado a condições de vida precárias, dificuldade de acesso aos serviços de saúde e baixa escolaridade, contribuindo com isso para um aumento do nível de pobreza e desinformação, precipitando problemas e desvantagens ocasionados pela maternidade precoce, tanto para a mãe quanto para o recém nascido (COSTA, 2005).

17 17 Estudos mostram que a gravidez na adolescência é considerada como fator de risco para baixo peso ao nascer, prematuridade e conseqüente mortalidade infantil (COSTA, 2005; CHALEM et al, 2007). Porém, um estudo realizado na cidade de Belo Horizonte, mostrou que um grupo de adolescentes que foram apoiadas por seus familiares e tiveram a ajuda deles após o parto, tiveram os riscos de morbimortalidade de suas crianças reduzidos, sugerindo que o contexto de vida da adolescente influencia muito mais na mortalidade infantil do que a própria idade (VIEIRA, 2007). Assim como a gestação na adolescência, a gestação tardia, após os 35 anos, está cada vez mais freqüente, seja em mulheres que já tem filhos ou nas que serão mães pela primeira vez. Uma das características da gestação em idade avançada é que na grande maioria são gestantes multíparas, cuja gravidez ocorre após longo tempo decorrido da última gestação. Essa experiência prévia, por sua vez, é tida em alguns casos como justificativa para não procurarem a assistência pré-natal, o que se torna preocupante, já que em estudo realizado por Senesi et al (2004) evidenciou-se maior morbidade neonatal nas gestantes com idade igual ou superior a 35 anos, comparadas com gestantes com idade entre 20 e 29 anos. A idade materna avançada aumenta a probabilidade de sofrimento fetal intraparto, parto cesáreo, recém nascido com índice de Apgar baixo e mortalidade infantil, mesmo que a mãe esteja em condições saudáveis (CECATTI, 1998). Outro fator que pode traduzir melhores condições sociais e de vida para a criança é a estabilidade conjugal da mãe (POLES; PARADA, 2002). Ao encontro disso, Costa et al (2005) diz que filhos de mães solteiras apresentam um risco 1,22 vezes maior de baixo peso ao nascer em relação aos filhos de mães casadas ou em comunhão livre, e que a coabitação da gestante com as próprias famílias aumenta o risco em 1,46 vezes em relação à coabitação com o pai da criança, já que a ausência de um companheiro pode indicar uma maior vulnerabilidade social, uma lacuna no suporte emocional e econômico para a família. As gestantes não-casadas deveriam receber um acompanhamento pré-natal específico, capaz de amenizar as condições responsáveis por transformá-las em categoria de risco (KILSZTAJN, et al 2000).

18 Variáveis obstétricas As variáveis obstétricas são relativas a tudo aquilo que pode interferir na gestação e ocasionar um possível risco de mortalidade infantil, durante o período pré-natal, ao parto e ao puerpério (FREITAS et al,1991). A mais importante variável obstétrica e da qual todas as outras dependem é a atenção pré-natal. Os objetivos principais da assistência pré-natal são identificar precocemente possíveis condições de risco e prevenir complicações, a fim de manter a gravidez dentro da normalidade, bem como através da informação e educação contínuas, preparar a gestante para um parto, lactação e puerpério adequados (MASCARENHAS et al, 2006). Os óbitos infantis, principalmente os neonatais, estão diretamente relacionados à atenção pré-natal, já que a morte neonatal ocorre até o 27º dia de vida, entendendo-se que na maioria das vezes essas mortes são ocasionadas por problemas advindos da mãe, que poderiam ter sido evitados se esta tivesse tido uma atenção pré-natal adequada e de qualidade. Em um estudo realizado em uma UTI neonatal na cidade de Caxias do Sul/RS, Araújo et al (2005) constataram grandes problemas relacionados a assistência pré-natal, já que um número significativo de gestantes não realizou nenhuma consulta pré-natal e as que o fizeram, foi tardiamente, o que ocasionou a maioria das mortes relacionadas ao estudo em questão. A idade gestacional também está associada ao pré-natal, assumindo forte relação com a mortalidade infantil, pois ao verificar a idade gestacional, é possível identificar a prematuridade e problemas no desenvolvimento fetal. Esta é obtida através do calculo de semanas completas de amenorréia, uma vez que as crianças nascidas antes das 37 semanas (259 dias) são consideradas prematuras. (MASCARENHAS et al, 2006; SENESI et al, 2004). Quanto às gestações múltiplas, são tratadas como um fator de risco já que geram maiores complicações no pré-parto e durante o parto do que as gestações simples. Os gêmeos são comumente menores, mas em alguns casos eles diferem consideravelmente de tamanho entre si, ocasionado, na maioria das vezes, pela falta de um sistema circulatório completamente separado, o que permite uma diminuição de suprimento sanguíneo para um feto, gerando um estado prejudicial para ele (ZIEGEL; CRANLEY, 1985).

19 19 Ao encontro disso, Carniel et al (2008) aponta que as crianças nascidas de partos de gêmeos ou trigêmeos, tiveram maior risco para baixo peso ao nascer, o que pode ser explicado pelo fato de que as gestações múltiplas predispõem ao trabalho de parto prematuro. O tipo de parto também sugere um fator de risco para mortalidade infantil, ainda que existam controvérsias entre os autores o parto cesáreo apresenta grande risco para a saúde do recém nascido, pois se mal calculada a idade gestacional, a criança nascerá prematuramente, ocasionando grandes riscos que poderiam ser evitados. Ziegel e Cranley (1985) atentam para a importância da realização de um teste de maturidade fetal pulmonar, antes da cesárea. Porém, ainda que o parto vaginal seja preconizado pelo Ministério da Saúde, é sabido que quando o trabalho de parto é prolongado muitos problemas surgem, o índice de mortalidade perinatal aumenta, pois a gestante fica vulnerável a infecções intra-uterinas e conseqüentemente o bebe que ainda estará sujeito a sofrimento fetal devido às contrações uterinas (ZIEGEL E CRANLEY, 1985). 4.3 Variáveis Infantis As crianças menores de um ano de idade pertencem a um grupo populacional muito vulnerável às condições de vida. Este primeiro ano se apresenta como um período de maturação de seus sistemas fisiológico e imunológico tornando-o suscetível à mortalidade (MEDRONHO et al, 2009). Existe uma série de fatores de risco para a mortalidade infantil, os quais poderiam ser preveníveis ou enfrentados, se bem orientados durante a atenção prénatal. Dentre eles destacamos o peso ao nascer e o baixo índice de Apgar. O peso ao nascer representa um dos mais importantes fatores de predição da sobrevida infantil. O Ministério da Saúde (2006) classifica o peso ao nascer em baixo peso, que corresponde ao recém nascido com peso menor que gramas, muito baixo peso, peso ao nascer inferior a gramas e extremo baixo peso, menos de gramas ao nascer. Logo, quanto menor for o peso ao nascer, maior será o risco para a mortalidade infantil, ocorrendo principalmente no período neonatal.

20 20 O baixo peso ao nascer é um dos fatores mais importantes na determinação da mortalidade infantil neonatal, podendo ser conseqüência tanto de prematuridade quanto de retardo no crescimento intra-uterino. Um estudo realizado em Campinas/SP mostrou que o baixo peso ao nascer é fortemente influenciado pela prematuridade, onde as crianças nascidas antes das 37 semanas tiveram 35 vezes mais chances de nascer com menos que gramas do que as que nasceram com maior idade gestacional (KILSZTAJN, et al 2003, CARNIEL, et al, 2008). Em relação ao teste de Apgar, ele é um importante índice de avaliação das condições de sobrevida do recém nascido. Esse teste avalia cinco sinais vitais no primeiro minuto após a expulsão completa do bebe, sendo eles: freqüência cardíaca, esforço respiratório, tônus muscular, irritabilidade reflexa e cor. Cada um dos sinais recebe um índice de 0, 1 ou 2, que após serem somados indicarão o índice de Apgar, sendo que o neonato que apresentar condições excelentes poderá receber um índice de no máximo 10 e o que apresentar condições precárias irá receber um índice baixo, podendo chegar a 0 (ZIEGEL; CRANLEY, 1985). Um estudo realizado em Botucatu/SP mostrou que crianças que tiveram baixo índice de Apgar no primeiro minuto após o nascimento, possuem grande chance de ir a óbito no período neonatal, pois dos 16 bebes que foram a óbito nos primeiros 28 dias de vida, 15 apresentaram no primeiro minuto, índice de Apgar de 0 a 6 ocasionado por anóxia intra-parto grave ou moderada (POLES; PARADA, 2002). Uma das poucas variáveis sobre a qual não há possibilidade de intervenção durante o pré-natal é o sexo do bebê (CARNIEL, et al, 2008). A associação entre baixo peso e o sexo do recém nascido, não apresenta uma causa especifica, entretanto Kilsztajn, et al (2003) verificou que crianças do sexo masculino apresentam maiores riscos de mortalidade neonatal em relação as de sexo feminino. 4.4 Variáveis sócio-econômicas As condições sociais nas quais as pessoas vivem e trabalham, são as mais importantes causas das desigualdades em saúde e referem-se como determinantes sociais da saúde (BUSS; PELLEGRINI FILHO, 2007). Um desses determinantes sociais é o nível de instrução. A instrução e a saúde estão relacionadas, já que um maior conhecimento permite optar por estilos

21 21 de vida mais saudáveis. À medida que o conhecimento e a escolaridade aumentam, consequentemente surgem oportunidades de emprego com melhor remuneração, possibilitando um aumento do poder aquisitivo e do consumo de bens e serviços, tais como: moradia, alimentação adequada, escola, lazer, entre outros. Nessa perspectiva a escolaridade materna está diretamente ligada ao risco da mortalidade infantil. Mães com um nível de escolaridade mais elevado tendem a estar mais bem informadas, e consequentemente, ter um cuidado de maior qualidade tanto com sua gestação, quanto para com os seus filhos. Em contrapartida, Haidar et al (2001), relata que a baixa escolaridade materna pode levar a manifestação de situações potencialmente de risco para a mãe e o recém nascido, pois está associada ao baixo peso ao nascer, à mortalidade infantil, assim como ao aumento do número de partos, já que segundo ele, mães com nível de escolaridade menor, tendem a ter três filhos ou mais quando comparadas a mães com escolaridade maior. A relação entre escolaridade e mortalidade infantil é tão próxima que em estudo realizado na cidade de Passo Fundo/RS, Geib et al (2010), apontou que mães cuja escolaridade era inferior a oito anos, conferiram aos filhos um risco 5,7 vezes maior de morte antes de completar o primeiro ano de vida, quando comparado com mães de escolaridade superior a oito anos. Já Brasil, (2006), classifica como baixa escolaridade, cinco anos ou menos de estudo regular, constituindo também como um fator de risco para a mortalidade infantil. A situação sócio-econômica tem uma influência muito forte no CMI, já que quando existe uma grande vulnerabilidade às condições de vida e dificuldade de acesso aos serviços de saúde, esta geralmente é causada pelas desigualdades regionais relacionadas ao local onde se está inserido, bem como todo o contexto social desfavorável, tornando o primeiro ano de vida um dos períodos de maior risco de morte. Segundo Andrade (2006), pessoas que residem mais próximas aos grandes centros urbanos, mesmo que vivendo em municípios de piores condições de vida, terão maior facilidade de acesso à recursos humanos e tecnológicos em saúde. A variável sócio-econômica está interligada a variável materna e obstétrica, já que quando a população consegue ter acesso a seus direitos de cuidado à saúde, educação e moradia adequadas, a redução dos índices de mortalidade infantil, tende

22 22 a cair, no entanto a influência desses fatores na mortalidade infantil ainda é pouco discutida, principalmente quando se trata de estratos sociais de baixa renda, onde estão concentrados a maioria dos óbitos por causas evitáveis e para onde deveriam ser direcionados os esforços de políticas públicas eficientes para uma maior vigilância e controle dessas mortes (FRANÇA, 2001). A associação entre renda e saúde é evidente, tanto individual quanto coletiva. Nos locais onde a distribuição de renda e o acesso à qualificação e oportunidades de trabalho são menores, ocorrem freqüentes casos de desnutrição, de doenças transmissíveis e de condições ambientais deficientes. E fica clara a relação causal entre renda e saúde, existente nesses locais, já que inclusive no momento de conseguir um emprego, associa-se a classe social à ocupação, sendo que algumas das ocupações menos remuneradas são as que expõem os trabalhadores a maiores riscos e considerando que estes na maioria das vezes não tem acesso à cuidados e orientações de saúde, fica evidente uma perpetuação do risco de doenças e morbidades (PEREIRA, 2007). Fica evidente que os índices de mortalidade infantil e a baixa esperança de vida são mais altos em regiões suburbanas. Sabe-se que o risco relacionado ao primeiro ano de vida, existe em todas as regiões do país, porém, devido a associação direta com dificuldades sócio-econômicas, esses riscos são mais preocupantes quando encontrados em comunidades pobres, já que estas terão por sua condição social, um menor nível de informação e cuidado à saúde.

23 23 5 MATERIAIS E METODOS Neste capítulo são apresentadas as informações necessárias para a elaboração e compreensão deste estudo. A seguir serão descritos a caracterização do estudo, o local do estudo, coleta de dados e analise dos dados. 5.1 Caracterização do Estudo Trata-se de um estudo descritivo, de natureza exploratória, com delineamento transversal e abordagem quantitativa do perfil da mortalidade infantil no município de Uruguaiana, no período de 2005 a Foram usadas como parâmetro as variáveis maternas (idade da mãe, estado civil e número de nascidos vivos e/ou mortos em gestações anteriores), obstétricas (local de ocorrência do parto, duração da gestação, número de consultas pré-natal, tipo de parto, tipo de gravidez, única, tripla ou mais), infantis (data/hora do nascimento, peso, índice de Apgar no 1º e 5º min, gênero, raça/cor, data/hora do óbito, tempo de vida, causa da morte) e sócioeconômicas (escolaridade materna, ocupação, endereço da mãe). As quais foram apresentadas em medidas de freqüência. Para conhecer mais detalhadamente o estado de saúde de uma determinada população, os fatores que o determinam, a evolução do processo da doença e a eficácia das ações propostas para modificar situações desfavoráveis, foram desenvolvidos vários métodos de abordagem, estudos, pesquisa e investigação (PEREIRA, 2007). Um desses métodos é o estudo descritivo. Este procura conhecer com a precisão possível, a freqüência com que um determinado fenômeno ocorre, sua relação e conexão com outros, sua natureza e características (CERVO; BERVIAN, 2002). Também têm a finalidade de informar sobre a ocorrência de um determinado evento, em termos quantitativos, em uma população definida pelo pesquisador. Através deste estudo, quando se deseja identificar o perfil referente a certo assunto, o pesquisador deve apenas observar como estas situações estão ocorrendo e expressar os dados de modo adequado (PEREIRA, 2007). O estudo em questão também está caracterizado como delineamento transversal, já que uma de suas vantagens é a forma simples de estudar uma determinada população. No corte transversal, as pessoas ou dados que serão

24 24 estudados, são reunidos em um só momento de coleta de dados, não tendo um acompanhamento contínuo. Este método visa conhecer a relação entre a exposição aos fatores de risco e a doença, em uma população definida pelo pesquisador. Ele possibilita verificar de que forma as variáveis estudadas estão relacionadas naquele período (POLIT; BECK; HUNGLER, 2004). 5.2 Local do Estudo O estudo foi desenvolvido no município de Uruguaiana/ RS, localizado na região fronteira oeste do Rio Grande do Sul. Com uma população de habitantes, Uruguaiana é a maior cidade da região oeste do estado. Sua extensão territorial é de Km 2, a 634 km da capital do estado, limita-se ao norte com o município de Itaqui, ao sul com a República Oriental do Uruguai, ao leste com Alegrete e Quaraí e a Oeste com a República Argentina, ligando-se a este país pela Ponte Internacional Getúlio Vargas/Agustin Justo. Possui atualmente o maior porto seco da América Latina com 80% da exportação nacional atravessando a Ponte Internacional. Quanto aos serviços de saúde, o município dispõe de um Hospital geral, Santa Casa de Caridade de Uruguaiana, cujo atendimento materno-infantil é composto de 40 leitos para atendimento obstétrico clínico e cirúrgico, 14 leitos neonatais, 18 leitos da UTI Pediátrica e 40 leitos de pediatria clínica. Ainda conta com 21 Unidades Básica de Saúde, dentre estas, 2 Estratégia Saúde da Família.

25 25 Figura 1- Mapa de Uruguaiana Fonte: Wikipédia: enciclopédia livre, Coleta de Dados Para a obtenção das informações de interesse do estudo, foi realizada uma pesquisa documental. Os documentos são fontes de dados confiáveis, e esse tipo de pesquisa possibilita dar a estes um tratamento analítico e agrupando à idéia de verificar retrospectivamente os dados. Com isso, este estudo, também é definido como ex-post facto, ou seja, a partir de fatos passados verifica-se a existência de relação entre as variáveis em questão (GIL, 2002). Porém, é importante ressaltar que a correlação não prova a causa (POLIT; BECK; HUNGLER, 2004). Foram coletados os dados de todos os óbitos de menores de um ano de idade ocorridos no município entre os anos de 2005 a Para coleta dos dados, foi elaborado um instrumento de coleta, sendo identificado neste estudo como Questionário para Coleta de Dados contendo as informações necessárias à

26 26 pesquisa (Apêndice I). Esta coleta foi realizada durante os meses de setembro e outubro de Para obtenção dos dados foram utilizadas as informações contidas nas Declarações de Nascidos Vivos (DNV) do Sistema de Informações de Nascidos Vivos SINASC, e nas Declarações de Óbito (DO) do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), mediante autorização do secretário municipal de saúde. Uma boa contribuição para obtenção de dados de pesquisa são os registros populacionais mantidos pelo poder público, que contribuem para uma melhor base de dados e quanto melhor for esta, em termos de abrangência da população e qualidade do seu conteúdo, mais fidedignos serão os resultados do estudo (PEREIRA, 2007). As variáveis que foram estudadas e que se apresentam em comum no SIM e no SINASC, são: idade da mãe, filhos nascidos vivos e mortos, duração da gestação, tipo de gravidez (única ou múltipla), tipo de parto, local de ocorrência do parto, endereço da mãe, local de procedência (Bairro), o nível de escolaridade materna, ocupação materna, idade do recém nascido, sexo, peso em gramas e raça/cor. Já as variáveis obtidas no SINASC, além das acima citadas, apresentam-se o Apgar no primeiro e quinto minuto, numero de consultas pré-natal, local de nascimento e estado civil da mãe. Segue abaixo a representação dos dados de mortalidade no município de Uruguaiana/RS, a partir da coleta em base de dados, referente ao período delimitado pelo estudo: TABELA1- Índice de Mortalidade Infantil em Uruguaiana de 2005 a Ano TOTAL Total de óbitos infantis Coeficiente de Mortalidade Infantil ,1 16,2 20,4 18,4 18, Fonte: Secretaria Estadual da Saúde, 2010.

27 Análise dos Dados A realização de um estudo descritivo, sem a organização dos dados obtidos, nada mais é do que números agrupados e desorganizados. Portanto, para a análise dos dados, foi utilizado o programa denominado SPSS, disponível gratuitamente para download na internet, em que foi feita uma distribuição de freqüência das variáveis maternas, obstétricas, infantis e sócio-econômicas. A distribuição de freqüência é um método que permite ao pesquisador, a organização e interpretação dos números obtidos como resultado do estudo, como também possibilita um melhor entendimento quando da divulgação desses dados. E, assim, é uma organização sistemática de valores numéricos, a partir do mais baixo até o mais alto, juntamente com a contagem ou porcentagem do número de vezes que cada valor foi obtido (POLIT; BECK; HUNGLER, 2004). Posteriormente, em relação aos dados absolutos, foi realizada a medida de tendência central, para estabelecer a média dos dados, como por exemplo, da idade materna e do peso ao nascer, e depois dos dados obtidos será realizado o teste de correlação linear para identificar as possíveis correlações entre as variáveis. Além disso, foi utilizada a moda e a mediana, visando verificar a freqüência com que determinados resultados aparecem e os valores extremos dos dados, respectivamente. Os dados que estavam classificados por intervalos de classes, após a sua distribuição de freqüência, foram demonstrados através de gráficos e histogramas para uma melhor visualização dos resultados e a elaboração do perfil através das porcentagens. Existe outros estudos que utilizam esse tipo de análise, como Nabah e Oliveira (2009) e Gaino e Castilho (2008). 5.5 Aspectos Éticos Em concordância com a resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, o presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Pampa sob parecer de número (Anexo I). Salienta-se que os pesquisadores do estudo, não tiveram nenhum contato direto com seres humanos. Porém, por tratar com dados pessoais obtidos nos documentos é importante

28 28 ressaltar que será preservado o anonimato quanto aos sujeitos da pesquisa e os dados serão mantidos em total sigilo. Tanto as informações pessoais de cada declaração, quanto às informações referentes ao município, não foram identificadas e no caso do município, em situação de publicação deste estudo, ele foi referenciado como município da fronteira-oeste do Rio Grande do Sul. Concomitantemente foi enviada uma solicitação de concordância (Anexo II) ao Secretário de Saúde do município, no qual se explicitará o objeto de estudo, os objetivos da pesquisa e as questões relacionadas à ética da pesquisa, bem como também será encaminhado ao Secretário e ao responsável pela Vigilância Epidemiológica do município um termo de consentimento livre e esclarecido (Apêndice III), para que a pesquisa possa estar respeitando os princípios da ética em pesquisa envolvendo seres humanos. Os pesquisadores, através do termo de confidencialidade (Apêndice IV), se responsabilizarão ainda, pelo anonimato dos sujeitos e pelo respeito aos dados pessoais obtidos na pesquisa, comprometendo-se em manter os dados arquivados pelo prazo de cinco anos e posteriormente destruílos.

29 29 6 RESULTADOS E DISCUSSÃO Durante o período de 2005 a 2009, ocorreram 209 óbitos no município de Uruguaiana/RS, dos quais 198 enquadravam-se no quesito óbito por local de residência, o que preenche os critérios de inclusão desse estudo. Os resultados obtidos foram divididos em subcategorias, já anunciadas pela própria organização do instrumento de coleta de dados e que estão assim denominadas: 1) Características Maternas e Socioeconômicas; 2) Características Obstétricas e; 3) Características Infantis. 6.1 Características Maternas e Socioeconômicas As características maternas foram sintetizadas na Tabela 2 disposta a seguir, em que se apresentam as variáveis idade, estado civil e escolaridade. TABELA 2- Descrição das características Maternas do período de 2005 a 2009, no município de Uruguaiana/RS Características Maternas Freqüência % Idade (anos) Estado Civil Solteira Casada Viúva Divorciada Ignorado Escolaridade (anos) Nenhum De 1 a 3 De 4 a 7 De 8 a ou mais Ignorado Total Fonte: Declaração de Nascidos Vivos e Mortos, Secretaria Municipal de Uruguaiana/RS

30 30 A idade média das mães foi de 24 anos, variando entre a mínima de 13 e a máxima de 43. Verificando-se na tabela, isoladamente, a classe mais prevalente foi a de mães com idade de 15 a 19 anos. Entretanto, o percentual acumulado demonstrou que 58,6% das mães tinham idade entre 20 e 34 anos, idade considerada como período reprodutivo. Ao encontro disso, Ribeiro et al (2009) em estudo realizado em Recife, verificaram que na faixa etária entre 20 e 34 anos, considerada como categoria de referência para a análise dos fatores de exposição no estudo, não foi observada associação entre a idade materna e o óbito neonatal. No que concerne à gravidez nos extremos de idade, verificou-se, a partir do percentual acumulado, que 29,3% das mulheres estavam na faixa etária entre 10 e 19 anos, o que compreende a adolescência. Em estudo realizado na cidade de Porto Alegre, Jobim (2008) refere que é bem comum a associação entre a mortalidade infantil e a idade materna. A gestação na adolescência parece estar associada a desfechos desfavoráveis, tais como prematuridade, baixo peso ao nascer e maior taxa de parto cesáreo. Contudo, dentre as mães investigadas em seu estudo, 24,1% tinham menos de 20 anos de idade e não foi encontrada associação estatisticamente significativa com o desfecho. Na adolescência, os riscos estão relacionados a complicações obstétricas, que venham a repercutir na mãe e no RN, assim como problemas sócio-econômicos, já que a gravidez na adolescência frequentemente é seguida do abandono escolar, tornando mais difícil a profissionalização dessas adolescentes e o ingresso na população economicamente ativa, agravando, com isso, as condições de vida destas, que muitas vezes, já se encontram em situação econômica desfavorável (YAZLLE, 2006). No presente estudo, 12,1% das mães estavam na faixa etária entre 35 e 45 anos, idade também considerada de risco segundo alguns autores, já que a gestação em idades extremas da vida reprodutiva está devidamente associada a uma maior freqüência de resultados perinatais adversos, prematuridade, baixo peso ao nascimento, morbimortalidade e má-formações (AZEVEDO et al 2002, ALMEIDA et al 2002, KILSZTAJN et al 2003, SENESI, 2004 SILVA et al 2006).

31 31 Em relação ao estado civil das mães constatou-se que a grande maioria, 72,2%, era solteira; 22,7% eram casadas; 0,5% divorciada e em 4,5% dos casos este dado constava como ignorado na fonte de coleta de dados. Este resultado evidencia que a maioria das mães cujos filhos foram a óbito, talvez não tenha o apoio de um companheiro com quem possa compartilhar suas dificuldades e responsabilidades. Em estudo no ano de 2001, França et al, verificaram que o risco do óbito infantil, mostrou-se estatisticamente associado ao fato de a mãe relatar não estar casada. Isto pode estar associado ao fato de que a ausência de um companheiro pode evidenciar um maior risco social, dificuldades econômicas e de estabilidade emocional (COSTA, 2005; JOBIM, 2008). Quanto ao número de filhos vivos tidos em gestações anteriores, observou-se que 42,9% das mães não havia tido filhos anteriormente. A média de filhos tidos vivos na população estudada foi de 1,53 filhos, variando de nenhum filho ao máximo de sete filhos por mulher. Ainda, verificou-se que 95,5% das mulheres não tinham histórico de filhos mortos, sendo a média de 0,05, variando-se de nenhum filho morto ao máximo de 2 filhos mortos por mulher. O que vem ao encontro de Assis et al (2008) que em seu estudo, constatou que houve maior probabilidade das crianças que foram a óbito serem de mães com apenas um filho anterior ao recém-nascido de referência. Diferentemente disto, apresenta-se o estudo de Ribeiro et al (2009), que verificou que as crianças com baixo peso cujas mães tinham seis ou mais filhos vivos anteriores, apresentaram uma proporção maior de risco para o óbito neonatal. Em relação às condições sócio-econômicas, especificamente quanto à escolaridade materna, foi constatado através de freqüência acumulada, que 49% das mães tinham de nenhum a sete anos de escolaridade, o que condiz ao Ensino Fundamental Incompleto. Esse fator pode interferir nos resultados perinatais, já que a baixa escolaridade está diretamente associada à falta de oportunidades profissionais e ao baixo padrão econômico (ALMEIDA et al,2002; ALMEIDA, BARROS, 2004; ANDRADE et al, 2004; HELENA et al, 2005; SCHOEPS et al, 2007). Isso fica evidenciado também nesse estudo, já que se observou que 73,7% das mães apresentaram ocupação do lar, ou seja, trabalho doméstico sem remuneração. Além dessa ocupação, os cargos de vendedora, secretária, babá,

32 32 empregada doméstica, repositora, balconista, auxiliar de contabilidade, costureira, comerciária e garçonete foram registrados nas fontes de dados, cargos estes que comumente exigem escolaridade de no máximo ensino médio. De nível superior, foi referido somente o trabalho como fisioterapeuta por uma das mães. A baixa escolaridade também interfere nas condições de vida, de saúde e de acesso às informações, já que quanto menor a escolaridade, maior a dificuldade de entendimento das orientações de cuidados específicos da gestação, levando ao início tardio e até mesmo a ausência nas consultas de pré-natal, hábitos, vícios e alimentação inadequada com a gestação (RAMOS, 2009). Outra variável sócio-econômica de destaque nesse estudo é o bairro de residência das mães. Essa variável contribui para a territorialização dos óbitos, de modo a identificar em que localidades eles mais prevaleceram. Abaixo, apresenta-se a Figura 2, com o mapa do município e a respectiva representação dos bairros por números, os quais serão denominados em legenda posterior. FIGURA 2 Territorialização dos óbitos infantis em Uruguaiana ( ) Fonte: Portal Uruguaiana, 2010.

33 33 LEGENDA: 1 Bairro Bela Vista = 4 óbitos 2 Bairro Centro = 14 óbitos 3 Bairro Mascarenha de Moraes (Marduque) = 4 óbitos 4 Bairro Santo Antônio = 5 óbitos 5 Bairro Santana = 2 óbitos 6 Bairro São João = 12 óbitos 7 Bairro Cidade Nova = 13 óbitos 8 Bairro Hípica I e II = 5 óbitos 9 Bairro Santo Inácio = 4 óbitos 10 Bairro Distrito Rodoviário = 5 óbitos 11 Bairro Emílio Brandi (Cohab 2) = 1 óbito 12 Bairro Aeroporto = nenhum óbito 13 Bairro Cidade Alegria = 4 óbitos 14 Bairro Jardim do Salso = nenhum óbito 15 Bairro União das Vilas = 28 óbitos 16 Bairro Rui Ramos = 1 óbito 17 Bairro Ipiranga = 11 óbitos 18 Bairro Salso Baixo = nenhum óbito 19 Bairro Vila Júlia = 6 óbitos 20 Bairro Rio Branco = 5 óbitos 21 Bairro Tabajara Brites = 11 óbitos 22 Bairro Alexandre Zachia (Cohab 1) = 2 óbitos 23 Bairro Nova Esperança = 10 óbitos 24 Bairro Cabo Luiz Quevedo = 14 óbitos 25 Bairro Francisco Tarragô = nenhum óbito 26 Bairro São Miguel = 12 óbitos * - Interior = 16 óbitos Verifica-se que os bairros que mais apresentaram óbitos infantis foram União das Vilas, Interior do município, Cabo Luiz Quevedo, Centro, Cidade Nova, São Miguel, São João, Ipiranga e Tabajara Brites. Ressalta-se que a representação do interior no mapa foi feita por um asterisco, o qual está presente em diferentes pontos, uma vez que essa localidade circunda todo o município e não está restrita a uma única área. Esse local é caracterizado como de zona rural e inclui a Barragem Sanchurí, São Marcos, São José, Vila do açude e demais localidades rurais do município. Além disso, alguns bairros referidos no mapa representam um macroterritório, que se subdivide em microterritórios. Esse é o caso da União das Vilas, que contempla as localidades denominadas Áreas Verdes, Horta Municipal, Proficar, Chácara do Sol, Cristal, São Cristóvão, Promorar I e DNR. O bairro Tabajara Brites inclui o que se chama de Anita Garibaldi, Promorar II, Prolar e Isacouro. O Bairro Vila Julia contempla também a Profilurb, assim como o bairro Cidade Nova inclui a localidade Cibrazem. Em consulta ao Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) online, verifica-se a presença de Unidades Básicas de Saúde, que teoricamente cobrem todas as áreas em que prevaleceu o maior número de óbitos (BRASIL, 2010a). Entretanto, é possível afirmar que em algumas localidades a Unidade de Saúde se encontra geograficamente distante dessa população coberta, como é o caso do Centro e dos Bairros Cabo Luiz Quevedo e São Miguel. Sob uma perspectiva mais ampliada, o município de Uruguaiana apresenta uma população total variante de habitantes, no ano de 2005 a , em 2009, segundo dados do Ministério da Saúde. Nesse período, o número de agentes

34 34 comunitários de saúde em atividade variou de 62 em 2005 para 41 em 2009, o que condiz a uma cobertura populacional de 27,24% e 18,54%, respectivamente. Nesse mesmo período, o número de equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF) aumentou de uma para duas, cobrindo um total de 5,43% da população do município em Vale lembrar que o teto previsto pelo Ministério da Saúde para a Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde (EACS) é de 318 agentes, enquanto que para a ESF o teto é de 53 equipes, o que cobriria 100% da população uruguaianense (BRASIL, 2010b). Justifica-se a apresentação desses indicadores pelo fato de que a literatura mostra que quanto maior a cobertura populacional da EACS e da ESF, maior é a redução da mortalidade infantil, uma vez que ambas as estratégias contribuem para o acompanhamento do binômio mãe-filho no período gestacional e para além dele, ou seja, longitudinalmente pelas diferentes fases do ciclo evolutivo. Harzheim e Stein (2006) verificaram que o CMI no Brasil modificou-se após a implementação dessas estratégias, de modo que em 1990 era de 49,7/1000 e em 2002 passou para 28,7/1000. Desse modo, os autores estimam que um aumento de 10% na cobertura da ESF poderia reduzir 4,5% da mortalidade infantil no País. Após a abordagem das características maternas e socioeconômicas, serão apresentadas, na sequência, as características obstétricas dos óbitos estudados. 6.2 Características Obstétricas A segunda categoria apresentará as variáveis consideradas obstétricas, em que foram sintetizados os resultados para o tipo de gravidez, o local de ocorrência do parto e o tipo de parto; além da duração da gestação, do número de consultas de pré-natal e da classificação da causa mortis quanto à sua evitabilidade. A tabela 3, disposta a seguir, mostra os referidos resultados, que serão discutidos na seqüência em que se apresentam.

35 35 Tabela 3- Descrição das características Obstétricas do período de 2005 a 2009, no município de Uruguaiana/RS Características Obstétricas Freqüência % Tipo de Gravidez Única Dupla Tripla ou mais Local de ocorrência do Parto Hospital Outros Estb. de Saúde Domicílio Outros Ignorado Tipo de Parto Vaginal Cesáreo Duração da Gestação (semanas) Menos de 22 De 22 a 27 De 28 a 31 De 32 a 36 De 37 a e mais Ignorado N o de Consultas Pré Natal Nenhum De 1 a 3 De 4 a 6 7 ou mais Ignorado Causa do Óbito Evitáveis Não Evitáveis Total Fonte: Declaração de Nascidos Vivos e Mortos, Secretaria Municipal de Uruguaiana/RS *A fim de sintetizar os resultados, as causas dos óbitos apreendidas das declarações consultadas foram classificadas como evitáveis e não evitáveis, segundo critérios definidos pelo Ministério da Saúde (BRASIL, 2002). Quanto ao tipo de gravidez, 91,9% das mães tiveram gravidez única, enquanto 8,1% tiveram gravidez gemelar. Referente ao local de ocorrência do parto, a maioria das mães teve seus filhos no hospital. Entretanto, verificou-se que uma das crianças que foi a óbito nasceu em outro estabelecimento de saúde, assim como outras três nasceram no domicílio. Ainda, em 5,1% da população estudada, o local do parto constava como ignorado na fonte de dados.

36 36 Os estudos de Lansky (2006) e SILVA et al (2009), também verificaram que a maioria dos partos acontece no hospital. Embora o percentual de partos assistidos por profissionais de saúde no hospital seja o mais elevado, é importante discutir os casos em que o parto ocorreu fora desse ambiente, uma vez que os riscos para o óbito infantil são maiores quando a criança nasce no seu domicílio, por exemplo. Em estudo na região metropolitana de São Paulo, Silva et al (2009), verificou que as crianças nascidas em domicílios apresentam proporção de baixo peso ao nascer (19%) e de pré-termo (17,5%) duas vezes mais elevada do que aqueles que nasceram no hospital. Os nascimentos ocorridos em prontos-socorros mostram prevalência de baixo peso ao nascer e de pré-termo 2,8 e 3,5 vezes mais elevadas que os hospitalares; os ocorridos em outras unidades de saúde apresentaram 1,9 vezes mais de baixo peso ao nascer e 2,8 vezes mais de pré-termo. Esse risco, por sua vez, pode estar relacionado à demora na assistência, como pode também ser devido à busca das gestantes de alto risco por atendimento somente na hora do parto, já que essas gestantes tendem a enfrentar maior dificuldade para a internação, uma vez que necessitam de um atendimento especializado. Todavia, existe também associação entre peregrinação e condições de vida desfavoráveis. Quando os níveis de qualidade de vida e instrução maternas são baixos, em geral, menor é o conhecimento e a preocupação acerca de sua saúde e da saúde de seu filho (PEREIRA, 2007; JOBIM, 2008). Logo após o momento do parto, alguns cuidados são essenciais para a adaptação do RN ao meio externo diminuindo a probabilidade de mortalidade neonatal. O momento de transição da vida protegida dentro do útero materno, para a vida mais independente, por assim dizer, exige extrema atenção e requer um aporte de cuidados necessários para o momento do seu nascimento. Dentre os cuidados necessários, encontram-se a secção do cordão umbilical imediatamente após o nascimento, desobstrução nasal, manutenção da temperatura corporal e verificação do índice de Apgar (CRUZ et al, 2007; MANICA et al, 2009). Quando o parto ocorre fora do ambiente hospitalar, isto é, no domicílio, em trânsito, ou mesmo em outros estabelecimentos de saúde, fica mais difícil de ter acesso a um profissional de saúde qualificado para atender o RN, o que faz com que o risco deste RN apresentar comorbidades que possam levar ao óbito infantil, aumente, já que os cuidados acima elucidados não são realizados.

37 37 Quanto ao tipo de parto, verificou-se que se sobressaiu o parto vaginal. Em comparação a outros estudos sobre mortalidade infantil e assistência obstétrica, os resultados encontrados diferenciam-se da realidade investigada. Em nível nacional, em estudo realizado na América Latina, a maior taxa de parto cesáreo foi observada no Brasil (36,4%), o que corrobora com as características regionais que apontam a prevalência de partos cesáreos em relação aos vaginais (GIGLIO et al 2005; SOUZA et al 2007; JOBIM, 2008; KILSZTAJN, 2007). Dentre os motivos apontados pelos autores para esse número elevado de cesarianas está o medo da dor do parto, a possibilidade de prever o nascimento do filho, a influência do médico que a acompanha e a idade materna elevada (GAMA et al, 2009; BRUZADELI, TAVARES, 2010). Acredita-se que em Uruguaiana a prevalência de partos vaginais esteja relacionada à duração da gestação, tendo em vista o percentual acumulado de 55,1% de nascimentos com idade gestacional menor que 37 semanas. Desse modo, acredita-se que a urgência do nascimento prematuro não controlado tenha contribuído para elevar o número de partos vaginais, uma vez que o nascimento, sobretudo em idades gestacionais menores, acaba por acontecer fisiológica e espontaneamente, sem a interferência do idealizado e desejado pela mãe e/ou pelo obstetra. Quanto à duração da gestação, verificou-se que 44,4% das gestações duraram de 37 a 41 semanas, sendo o maior percentual isolado apresentado na Tabela 3. Entretanto, o percentual acumulado de gestações pré-termo apresentado anteriormente revela que o maior número de crianças que foram a óbito nasceu fora do período gestacional considerado inadequado; o que representa, em números absolutos, que 109 das 198 crianças que morreram em Uruguaiana, no período de 2005 a 2009, nasceram prematuramente. Ainda, identificou-se pelo percentual cumulativo que 31,8% das mulheres levaram a gestação, no máximo, até a 27ª semana, o que demonstra a alta prevalência de prematuridade e fragilidade nos primeiros trimestres gestacionais. A prematuridade advém de várias circunstâncias, e pode ocorrer independentemente do lugar ou classe social. Como causa da mortalidade infantil, tem sido muito estudada e inúmeras são as causas que podem levar um bebê a nascer prematuro, especialmente as relacionadas a alterações placentárias, excesso de líquido amniótico e outros fatores como a idade materna e infecções maternas.

38 38 Porém, na maioria dos casos, a causa da prematuridade ainda é desconhecida (RAMOS, CUMAN, 2009). A prematuridade também pode estar diretamente ligada à atenção pré-natal, já que quando a mulher recebe uma atenção pré-natal por meio das consultas, esta pode estar mais informada e preparada a respeito das mudanças que estão ocorrendo e da melhor forma de evitar agravos à sua gestação (RAMOS, 2008; SILVEIRA, 2008). Em relação ao quesito consultas pré-natal, o presente estudo fica um tanto limitado, já que as informações disponíveis na DNV são divididas por classes, o que não deixa claro o número exato de consultas realizadas por cada mulher. Porém, analisando-se o percentual cumulativo para as duas primeiras classes (nenhuma e de 1 a 3 consultas), 44% das gestantes tiveram menos de quatro atendimentos, um índice notadamente alto. Além disso, 31,8% das mulheres realizaram de 4 a 6 consultas e 19,7% realizaram sete ou mais consultas. Ainda, 4,5% dos casos estudados tiveram o número de consultas ignorado. Em estudo realizado em Santa Catarina, verificou-se que entre mães que não tiveram acesso a consultas pré-natal, a prevalência de prematuridade foi alta (23,3%), enquanto que entre mães que realizaram 7 ou mais consultas, a prevalência foi de apenas 4% (CASCAES et al, 2008). No presente estudo, a Tabela 4, disposta abaixo, mostra a frequência de consultas de pré-natal pela duração da gestação em semanas, seguida da sua discussão. TABELA 4- Duração da gestação em semanas relacionadas com o número de consultas ao pré-natal IG (semanas) Nenhum De 1 a 3 De 4 a 6 7 e mais Menos de 22 De 22 a 27 De 28 a 31 De 32 a 36 De 37 a e mais Total parcial Total* 196 Fonte: Declaração de Nascidos Vivos e Mortos, Secretaria Municipal de Uruguaiana/RS *Do total de óbitos estudados nesse estudo (n=198), 2 casos foram ignorados para a informação da duração da gestação, o que representa os 196 casos sintetizados na Tabela 3.

39 39 A Tabela 4 representa a relação entre a idade gestacional com o número de consultas de pré-natal, em que se verificou que entre 198 mães das crianças que foram a óbito, 87 realizaram um número insatisfatório de consultas de pré-natal, segundo o Ministério da Saúde. Contudo, o número de mães que compareceram a sete ou mais consultas foi de 39, sendo que destas, duas deram à luz antes das 27 semanas de gestação. Tal estranheza não condiz com as rotinas para o pré-natal do Ministério da Saúde (BRASIL, 2005), em que se recomenda a realização de uma consulta no primeiro trimestre, duas no segundo e três no terceiro. Salienta-se que a rotina é de um número mínimo de consultas e que ela pode ser ampliada para mais, contudo, o resultado verificado mostra uma discrepância muito grande, sugerindo erro de registro dessa informação na DNV. O não comparecimento de algumas gestantes, já com filhos de gestações anteriores, às consultas pré-natais, deve-se algumas vezes, ao fato da dificuldade de deixar os filhos e sair de casa e também é relacionado à crença de que esta já tem experiência em estar grávida e não precisa apressar-se em consultar. A falta às consultas também pode estar relacionada à baixa escolaridade, já que quanto menor o grau de instrução, maior é a dificuldade de entender a importância dos cuidados a serem realizados durante a gestação (ALMEIDA, 2009; ARAÚJO et al, 2005). E não só nestes estudos, mas a realidade vivenciada pelos serviços de saúde que acompanham estas gestantes exige um esforço adicional dos profissionais, para que estas sejam esclarecidas da importância e benefícios de um pré-natal adequado. Todo esse esclarecimento deve preceder a chegada da gestante à unidade de saúde e corresponde ao nível mais básico da atenção ao usuário, que se inicia na própria comunidade. É preciso desenvolver ações educativas que visem a realidade e a necessidade dessas mulheres, a fim de realmente motivá-las em relação ao cuidado de si e da criança. Concomitantemente, é preciso assegurar-lhes acessibilidade, bem como profissionais qualificados e especializados para atendê-la, com o objetivo de que se amplie não só a cobertura, mas também melhore a qualidade da assistência, que garanta a participação da mulher nas consultas, resultando melhores resultados para ela e para seu filho (RAMOS, 2009). Corrobora-se com o estudo de Walker e Chesnut (2010), que realizaram pesquisa sobre a saúde-materno infantil a partir de base de dados nacionais, nos Estados Unidos, quando dizem que os resultados encontrados exigem mudanças na

40 40 prática, na política e nos programas de saúde, a fim de reduzir ou eliminar as disparidades e os elevados índices de mortalidade infantil. Outra questão importante é a prevalência de mortes infantis por doenças evitáveis que, no presente estudo, representaram 78,8% dos casos, enquanto que as mortes não evitáveis representaram 21,8% dos 198 óbitos investigados. Dentre as causas evitáveis, se destacaram a prematuridade (15,7%), a prematuridade extrema (14,6%), a broncopneumonia (4,5%), a anóxia perinatal (4,0%) e a septicemia (4,0%). Com 2,5% de ocorrência cada, estão a Insuficiência respiratória, a broncoaspiração, a aspiração de conteúdo gástrico e a causa indeterminada. Em estudo sobre evitabilidade de óbitos perinatais, Fonseca e Coutinho (2008), referem que no período neonatal algumas patologias agem distintamente, ocasionando óbitos fetais e neonatais. A asfixia intraparto é uma dessas patologias, por exemplo, que contribuiu principalmente para os óbitos ocorridos em recémnascidos à termo. Outras patologias concentraram-se nos óbitos fetais, como a doença hipertensiva e a sífilis materna, afecções perinatais, más formações congênitas, doenças infecciosas, entre outras (FONSECA E COUTINHO, 2008; VIDAL et al, 2003). É importante ressaltar que as mortes por causas evitáveis estão diretamente ligadas à atenção pré-natal e de acesso à assistência e informações em saúde, como referem Fonseca e Coutinho (2008) que, quando aplicaram a classificação de evitabilidade em seu estudo, o elevado percentual de óbitos anteparto aponta para problemas na atenção pré-natal, desde a completa ausência até a possibilidade de mau acompanhamento. Ao término da apresentação das características obstétricas, segue-se com as características infantis, as quais vêm a complementar o que já foi exposto. 6.3 Características Infantis As características infantis, apresentadas na seqüência, abordam mais especificamente o peso ao nascer, o sexo, a raça e a idade do óbito, esta última considerada pelo tempo de vida da criança e já agrupada nos períodos neonatal (precoce e tardio) e pós-neonatal. A Tabela 5, então, sintetiza esses resultados.

41 41 TABELA 5- Descrição das características Infantis do período de 2005 a 2009, no município de Uruguaiana/RS Características Infantis Freqüência % Peso ao Nascer Sexo Feminino Masculino Raça/Cor Branco Preto Amarelo Parda Indígena Ignorado Idade do Óbito Neonatal precoce Neonatal Tardio Pós-neonatal Total Fonte: Declaração de Nascidos Vivos e Mortos, Secretaria Municipal de Uruguaiana/RS *A classificação dos óbitos entre os períodos neonatal (precoce e tardio) e pós-neonatal foi obtida por meio da idade da criança no momento do óbito, descrita na Declaração de Óbito. Em relação ao sexo do neonato, constatou-se que 56,6% foram masculinos, estando de acordo com outros estudos. No entanto, não há uma comprovação da relação do sexo masculino como risco para mortalidade, embora alguns estudos sugiram que o sexo feminino possui maior maturidade pulmonar quando comparado ao masculino (Carvalho et al, 2007, Jobin e Aerts, 2008, VIANA et al, 2010). A raça prevalente foi a branca (74.2%), não evidenciando associação com a mortalidade. Quanto ao peso ao nascer, 30,5% nasceram com muitíssimo baixo peso; 16,24% com muito baixo peso; 16,7% tiveram baixo peso, enquanto o restante nasceu com peso igual ou superior a 2500g. Nessa perspectiva, o percentual acumulado, mostrou que 63.45% das crianças que foram à óbito nasceram com peso menor que 2.500g. Esses dados corroboram com os estudos de Araujo et al

42 42 (2005) e Nabhan e Oliveira (2009), em que a maioria dos óbitos registrados tiveram peso inferior ao que se considera adequado. Para Lansky et al (2002), o risco de óbito infantil é 20 vezes maior para as crianças que nascem com baixo peso em relação àquelas que nascem com o peso maior ou igual a 2.500g. A Tabela 6 subsequente apresenta a classificação dos óbitos infantis da população estudada segundo o tempo de vida, na relação com o peso ao nascer. TABELA 6- Peso ao nascer das crianças que foram a óbito no primeiro ano de vida, no município de Uruguaiana entre o período de 2005 a 2009 Classificação <2500 >2500 Óbitos Neonatais Precoce Óbitos Neonatais Tardio Óbitos Pós- Neonatais Total Fonte: Declaração de Nascidos Vivos e Mortos, Secretaria Municipal de Uruguaiana/RS Analisando a Tabela 6, pode-se observar que entre as crianças que foram a óbito no período neonatal precoce, 81 apresentaram peso inferior a 2.500g e 29, peso superior a 2.500g. Dos óbitos neonatais tardio, 20 crianças pesavam menos que 2.500g e 12 delas mais que 2.500g. No percentual acumulado, identifica-se que no período neonatal (precoce e tardio), 20,7% das crianças que foram a óbito de 2005 a 2009, em Uruguaiana, pesavam mais que 2.500g. Já durante o período pósneonatal, 20 delas estavam abaixo do peso ideal e 36 estavam com o peso adequado. Ao encontro disso, Nascimento et al (2008) contribuem quando dizem que a mortalidade infantil em RNs com peso acima de 2.500g não pode ser aceitada como normal, uma vez que em sua maioria são evitáveis. Com isso, pode-se observar a relação entre o peso e o tempo de vida, em que se destaca que tanto as crianças que nasceram com muitíssimo baixo peso, muito baixo peso e baixo peso, como aqueles que nasceram com peso maior de 2.500g morreram em poucas horas; ou seja, no período neonatal precoce, sugerindo a necessidade de qualificação da assistência às gestantes, uma vez que erros durante o pré-natal, parto e nascimento, podem acarretar a morte antecipada do neonato (GEIB et al, 2010).

43 O Gráfico 1 ilustra a correlação entre as variáveis peso ao nascer e idade da criança ao óbito, essa última padronizada em número de dias. 43 Gráfico 1 Correlação entre o peso ao nascer e a idade da criança ao óbito, Uruguaiana f(x) = 7,07x ,68 R² = 0, Coluna B Regressão linear de Coluna B No gráfico, verificam-se no Eixo Y os casos dispersos pelo peso ao nascer, enquanto que no Eixo X, aparece o tempo de vida da criança. Desse modo, identificou-se que a correlação entre as variáveis foi considerada fraca, uma vez que o valor de r obtido foi de 0, Isso é visível no gráfico, a partir da dispersão dos casos, já que independente do peso ao nascer, um grande número de óbitos ocorreu no período neonatal, sobretudo nas primeiras horas de vida. Depreende-se, portanto, que exista uma possível correlação entre a idade de óbito da criança e a assistência recebida por ele e sua mãe, quer seja no período pré-natal ou no momento do parto. Isso se justifica pelo fato de que não só as crianças nascidas abaixo do peso adequado (<2500g), mas também as crianças que nasceram com o peso considerado adequado, morreram nas primeiras horas de vida. A Tabela 7 mostra a duração da gestação em semanas e a frequência de óbitos por período de vida da criança.

44 TABELA 7- Duração da gestação em semanas e das crianças que foram a óbito no primeiro ano de vida, no município de Uruguaiana entre 2005 e 2009 IG (semanas) Óbitos Neonatais Precoce Óbitos Neonatais Tardio Óbitos Pós- Neonatais 44 Menos de 22 De 22 a 27 De 28 a 31 De 32 a 36 De 37 a e mais Total* Fonte: Declaração de Nascidos Vivos e Mortos, Secretaria Municipal de Uruguaiana/RS *Do total de óbitos estudados nesse estudo (n=198), 2 casos foram ignorados para a informação da duração da gestação, o que representa os 196 casos sintetizados na Tabela 5. A partir da Tabela 7 pode-se observar que das 109 crianças nascidas antes das 37 semanas, 77 foram a óbito no período neonatal precoce, contudo, das 87 nascidas a termo (de 37 a 41 semanas), houve 31 óbitos no mesmo período, dado este instigante, uma vez que, por sua precocidade, sugere falha no atendimento e/ou no diagnóstico do parto. Após a apresentação dos resultados, parte-se para as considerações finais desse estudo, em que se retomam alguns resultados mais expressivos, além das limitações e das perspectivas para outros estudos.

45 45 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS A mortalidade infantil em Uruguaiana, embora em declínio, não diminuiu significativamente, permanecendo ainda como uma questão relevante de saúde pública. Desse modo, o presente estudo mostrou-se relevante, no momento em que se propôs a traçar o perfil dos óbitos infantis em Uruguaiana, no período de 2005 à 2009, visando, com isso, conhecer os fatores que influenciaram nos índices de mortalidade. Em relação às variáveis maternas, verificou-se que, embora o número de mães adolescentes tenha sido significativo, a maioria das mães encontrava-se em idade considerada como período reprodutivo, não demonstrando associação com as mortes. Em relação às características sócio-econômicas, verificou-se que o perfil mais freqüente foi o de mães com o ensino fundamental incompleto, solteiras e com ocupação do lar. Quanto ao local de residência das mães, observou-se que as quatro localidades onde se apresentaram os maiores índices de mortalidade infantil no município, no período estudado, foram: Centro, Interior do município, Cabo Luiz Quevedo e União das Vilas. Ao analisar o perfil relacionado às variáveis obstétricas, pode-se perceber que em geral as mães das crianças que foram a óbito, tiveram uma gestação única, com parto vaginal, ocorrido no ambiente hospitalar. Quanto à duração da gestação, a classe isolada mais freqüente foi a de 37 a 41 semanas, porém, cabe ressaltar que o percentual acumulado revelou que a maioria das gestações foi pré-termo. O número de consultas pré-natal que prevaleceu foi de 4 a 6 consultas, entretanto, a partir do percentual cumulativo, notou-se que 44% das gestantes tinham freqüentado menos de quatro consultas. Em relação às causas de morte, prevaleceu o óbito por causas evitáveis, em que se destacou a prematuridade (extrema ou não). Quanto às variáveis infantis, verificou-se que a maioria das crianças que foram a óbito era do sexo masculino, estavam no período neonatal precoce e nasceram com peso inferior a 2.500g. Além disso, um expressivo número de neonatos que foram a óbito nasceu com peso considerado adequado e também morreu nos primeiros dias após o parto.

46 46 Através do presente estudo, pode-se estabelecer um perfil da mortalidade infantil, baseado nas DNV e DO das crianças, no período de 2005 a 2009, porém evidencia-se a necessidade de estudos mais específicos, de cunho qualitativo, a fim de que possam investigar em profundidade as causas dos óbitos, já que o presente estudo por tratar-se de pesquisa documental, encontrou algumas limitações. Uma dessas limitações foram os erros de preenchimento das declarações, algumas delas, inclusive, com itens rasurados com corretivo, impossibilitando a visualização e dificultando a fidedignidade da pesquisa. Outra dificuldade enfrentada foi no quesito índice de Apgar, pois foram raras as declarações em que este item tinha sido devidamente preenchido. A falta do índice de Apgar pode estar relacionada à falta de preenchimento do documento, ou mesmo à própria ausência do pediatra em sala de parto. Porém estas são questões que ficaram limitadas nesse estudo, já que para afirmar os motivos, é preciso que haja uma pesquisa qualitativa, para uma melhor avaliação. Entretanto, embora com as limitações encontradas, acredita-se que o presente estudo foi de grande relevância, já que é o pioneiro que aborda este tema no município, e como tal, trará uma maior visibilidade para a situação da mortalidade infantil local e poderá contribuir ao fornecer informações ao serviço de saúde do município, para o planejamento de suas atividades relativas à criança, bem como estimular a reflexão dos trabalhadores da área de saúde no âmbito acadêmico, da gestão e da assistência, sobre a problemática da mortalidade infantil. Conjuntamente o estudo poderá instigar novos pesquisadores para a importância da problemática da Mortalidade Infantil no município e fazê-los traçar novos estudos, mais minuciosos e detalhados, a partir da coleta maior de informações, mantendo-se assim, o incentivo à pesquisa voltada para as necessidades regionais.

47 47 8 REFERÊNCIAS ALMEIDA, Márcia Furquim; NOVAES, Hillegonda Maria Dutilh; ALENCAR, Gizelton Pereira; RODRIGUA, Laura C. Mortalidade neonatal no município de São Paulo: influência do peso ao nascer e de fatores sócio-demográficos e assistenciais. Rev. Bras. Epidemiologia. 2002, vol. 5, nº1. ALMEIDA, Solange Duarte de Mattos; BARROS, Marilisa Berti de Azevedo. Atenção à saúde e mortalidade neonatal: estudo caso-controle realizado em Campinas, SP. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2004, vol.7, n.1, pp ALMEIDA FILHO, Naomar, ROUQUAYROL, Maria Zélia. Introdução à epidemiologia. 4. ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006; 282 p. ANDRADE, Carla Lourenço Tavares de; SZWARCWALD, Célia Landmann; GAMA, Silvana Granado Nogueira da; LEAL, Maria do Carmo. Desigualdades sócio-econômicas do baixo peso ao nascer e da mortalidade perinatal no Município do Rio de Janeiro, Cad. Saúde Pública [online]. 2004, vol.20, suppl.1, pp. S44-S51. ANDRADE, Selma Maffei de et al. Condições de vida e mortalidade infantil no Estado do Paraná, Brasil, 1997/2001. Cad. Saúde Pública [online]. 2006, vol.22, n.1, pp ARAUJO, Breno Fauth de; TANAKA, Ana Cristina d' A.; MADI, José Mauro; ZATTI, Helen. Estudo da mortalidade de recém-nascidos internados na UTI neonatal do Hospital Geral de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online]. 2005, vol.5, n.4, pp ASSIS, Heloísa Maria de; MACHADO, Carla Jorge; RODRIGUES, Roberto Nascimento. Perfis de mortalidade neonatal precoce: um estudo para uma Maternidade Pública de Belo Horizonte (MG), Rev. bras. epidemiol. [online]. 2008, vol.11, n.4, pp AZEVEDO, George Dantas de et al. Efeito da Idade Materna sobre os Resultados Perinatais. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2002, vol.24, n.3, pp BIREME/OPAS/OMS. Informação para Tomadores de Decisão em Saúde Publica: Gestão para a Redução da Mortalidade Infantil. São Paulo, BRASIL.Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde.departamento de ações programáticas estratégicas. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Manual técnico BRASIL (a). Ministério da Saúde. Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde. Disponível em: =432240&NomeEstado=RIO GRANDE DO SUL. Acesso em 09 de dezembro 2010.

48 48 BRASIL (b), Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica DAB Teto, credenciamento e implantação das estratégias de Agentes Comunitários de Saúde, Saúde da Família e Saúde Bucal Unidade Geográfica Disponível em Acesso em 09 de dezembro BRUZADELI, Daiane da Silva; TAVARES, Beatriz Barco. Expectativa quanto ao parto e conhecimento do motivo da cesárea entre puérperas adolescentes e adultas. Rev. Elet. De Enfermagem. 2010, vol. 12, nº1. BUSS, Paulo Marchiorri; PELLEGRINI FILHO Alberto. A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2007; 17(1): CARNIEL, Emília de Faria; ZANOLLI, Maria de Lurdes; ANTONIO, Maria Ângela Reis de Góes Monteiro; MORCILLO, André Moreno. Determinantes do baixo peso ao nascer a partir das Declarações de Nascidos Vivos. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2008, vol.11, n.1, pp CARVALHO, Manoel de; GOMES, Maria Auxiliadora S. M. A mortalidade do prematuro extremo em nosso meio: realidade e desafios. Jornal da Pediatria. 2005, vol.81, pp CARVALHO, Ana Berenice Ribeiro de, BRITO, Angela Sara Jamusse; MATSUO, Tiemi. Assistência à Saúde e mortalidade de recém-nascidos de muito baixo peso. Rev Saúde Pública, Rio de Janeiro, CASCAES, Andreia Morales et al. Prematuridade e fatores associados no Estado de Santa Catarina, Brasil, no ano de 2005: análise dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Cad. Saúde Pública [online]. 2008, vol.24, n.5, pp CECATTI, José G; FAÚNDES, Anibal; SURITA, Fernanda G. C; AQUINO, Marcia, M. A. O impacto da idade materna avançada sobre os resultados da gravidez. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstétrica. Vol.20, nº7,1998. CERVO, Amado L. BERVIAN, Pedro A. Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo; Pearson, CHALEM, Elisa; MITSUHIRO, Sandro Sendin; FERRI, Cleusa P; BARROS, Marina Carvalho Moraes; GUINSBURG, Ruth; LARANJEIRA, Ronaldo. Gravidez na adolescência: perfil sócio-demográfico e comportamental de uma população da periferia de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 2007, p COSTA, Maria Conceição Oliveira, et al. Gravidez na adolescência: associação de variáveis socioeconômicas e biomédicas materna com resultado neonatal. Feira de Santana- Bahia. Revista Bahiana de Saúde Publica, v. 29. n. 2. P

49 49 CRUZ, Daniela Carvalho dos Santos; SUMAM, Natália de Simoni; SPINDOLA, Thelma. Os cuidados imediatos prestados ao recém-nascido e a promoção do vínculo mãe-bebê. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2007, vol.41, n.4, pp DUARTE, Cristina Maria Rabelais. Reflexos das políticas de saúde sobre as tendências da mortalidade infantil no Brasil: revisão da literatura sobre a última década. Cad. Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.7, pp FONSECA, Sandra Costa; COUTINHO, Evandro da Silva Freire. Características biológicas e evitabilidade de óbitos perinatais em uma localidade na cidade do Rio de Janeiro, 1999 a Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online]. 2008, vol.8, n.2, pp FRANCA, Elisabeth et al. Associação entre fatores sócio-econômicos e mortalidade infantil por diarréia, pneumonia e desnutrição em região metropolitana do Sudeste do Brasil: um estudo caso-controle. Cad. Saúde Pública [online]. 2001, vol.17, n.6, pp FREITAS, Fernando, Sergio H. Martins-Costa, José Geraldo Lopes. Rotinas Em Obstetrícia. 2. ed. Porto Alegre: Artes Medicas,1991. GAINO, Marina Zonzini; CASTILHO, Silvia Dies. Óbitos Neonatais: Comparação entre o Diagnóstico Clínico e o Anatomopatológico em um Hospital Universitário. In: XIII Encontro de Iniciação Científica as PUC-Campinas-21 e 22 de outubro de Anais. Campinas: Pontifícia Universidade Católica, GAMA, Andréa de Sousa et al. Representações e experiências das mulheres sobre a assistência ao parto vaginal e cesárea em maternidades pública e privada. Cad. Saúde Pública [online]. 2009, vol.25, n.11, pp GEIB, Lorena Teresinha Consalter; FREU, Cheila Mara; BRANDAO, Marlise; NUNES, Magda Lahorgue. Determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil em coorte de base populacional em Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2010, vol.15, n.2, pp GIGLIO, Margareth Rocha Peixoto; LAMOUNIER, Joel Alves; NETO, Otaliba Libânio de Morais. Via de parto e risco para a mortalidade neonatal em Goiânia no ano de Rev. Saúde Pública. 2005, vol. 39, pp GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo; Atlas, 2002; p.176. GUIMARÃES, Eliete Albano de Azevedo; VELASQUEZ-MELENDEZ, Gustavo. Determinantes do baixo peso ao nascer a partir do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos em Itaúna, Minas Gerais. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online]. 2002, vol.2, n.3, pp

50 HAIDAR, Fátima Hussein; OLIVEIRA, Urânia Fernandes; NASCIMENTO, Luiz Fernando Costa. Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cad. Saúde Pública [online]. 2001, vol.17, n.4, pp HARZHEIM, Erno; Stein, Airton T.Brasil. Ministério da Saúde. Efetividade do Programa Saúde da Família: qual o papel do PSF na redução da mortalidade infantil. Informes da Atenção Básica nº Disponível em: Acesso em: 09 de dezembro 2010 HELENA, Ernani Tiaraju de Santa; SOUSA, Clóvis Arlindo de; SILVA, Cristiane Amorin da. Fatores de risco para mortalidade neonatal em Blumenau, Santa Catarina: linkage entre bancos de dados. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online]. 2005, vol.5, n.2, pp JOBIM, Rita; AERTS, Denise. Mortalidade infantil evitável e fatores associados em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, Cad. Saúde Pública [online]. 2008, vol.24, n.1, pp KILSZTAJN, Samuel; ROSSBACH, Anacláudia; CARMO, Manuela Santos Nunes do and SUGAHARA, Gustavo Toshiaki Lopes. Assistência pré-natal, baixo peso e prematuridade no Estado de São Paulo, Rev. Saúde Pública [online]. 2003, vol.37, n.3, pp KILSZTAJN, Samuel; LOPES, Erika de Souza; CARMO, Manuela Santos Nunes do; REYES, Ana Margarita de Andrade. Vitalidade do recém-nascido por tipo de parto no Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.8, pp LANSKY, Sônia; FRANÇA, Elisabeth; LEAL, Maria do Carmo. Mortes Perinatais evitáveis em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, set-out, LANSKY, Sônia; FRANÇA, Elisabeth; CÉSAR, Cibele Comini; NETO, Luiz Costa Monteiro; LEAL, Maria do Carmo. Mortes perinatais e avaliação da assistência ao parto em maternidades do Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Cad. Saúde Pública vol.22, pp MALTA, Deborah Carvalho et al. Mortes evitáveis em menores de um ano, Brasil, 1997 a 2006: contribuições para a avaliação de desempenho do Sistema Único de Saúde. Cad. Saúde Pública [online]. 2010, vol.26, n.3, pp MANICA, Denise; SMITH, Mariana Magnus; SCHWEIGER, Claúdia; SILVA Daniela Brunelli ; KUHL, Gabriel. Obstrução Nasal no Recém-Nascido: Diagnóstico Diferencial. Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia. Revista Eletrônica. 2009, vol.13, n.3. 50

51 MASCARENHAS, Márcio Dênis Medeiros; RODRIGUES, Malvina Thaís Pacheco e MONTE, Nayara Fernanda. Caracterização dos partos e dos nascidos vivos em Piripiri, Piauí, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online]. 2006, vol.6, n.2, pp MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de prevenção do óbito infantil e fetal: Disponível em:<hpp://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_infantil_fetal.pdf> MEDRONHO, Roberto A. et al. Epidemiologia. 2. Ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2009; 685p. MENDOZA-SASSI, Raúl A. et al. Avaliando o conhecimento sobre pré-natal e situações de risco à gravidez entre gestantes residentes na periferia da cidade de Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.9, pp NABHAN, Silvia da Silva; OLIVEIRA, Rosangela Ziggiotti. Óbitos Infantis, características maternas e de assistência em Município da região noroeste do Paraná, Brasil, 1999 a Acta scientiarum. Health sciences / Editora da Universidade Estadual de Maringá, v.31, n.1, p.71-76, NASCIMENTO, Estela Maria Ramos; COSTA Maria da Conceição N. MOTA Eduardo Luiz A.; PAIM, Jairnilson S. Estudo de fatores de risco para óbitos de menores de um ano mediante compartilhamento de bancos de dados. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(11): , nov, OLIVEIRA, Elaine Fernandes Viellas de; GAMA, Silvana Granado Nogueira da e SILVA, Cosme Marcelo Furtado Passos da. Gravidez na adolescência e outros fatores de risco para mortalidade fetal e infantil no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2010, vol.26, n.3, pp OSIS, Maria José Duarte; HARDY, Ellen; FAUNDES, Aníbal; ALVES, Graciana. Fatores associados à assistência pré-natal entre mulheres de baixa renda no Estado de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública [online]. 1993, vol.27, n.1, pp PEREIRA, Maurício Gomes. Epidemiologia Teoria e Prática. 11. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007; 596 p. POLES, Kátia and PARADA, Cristina Maria Garcia de Lima. Mortalidade infantil em município do interior do estado de São Paulo. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2002, vol.36, n.1, pp POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: Métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre: Artmed,

52 RAMOS, Helena Ângela de Camargo; CUMAN, Roberto Kenji Nakamura. Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Esc. Anna Nery [online]. 2009, vol.13, n.2, pp RIBEIRO, Adolfo Monteiro et al. Fatores de risco para mortalidade neonatal em crianças com baixo peso ao nascer. Rev. Saúde Pública [online]. 2009, vol.43, n.2, pp RIO GRANDE DO SUL. Relatório de retroalimentação e acompanhamento Disponível em: < Acesso em: 02 Jun RIO GRANDE DO SUL. Monitoramento de Indicadores de Saúde: uma proposta conceitual e metodológica Disponível em: < ento%20de%20indicadores%20de%20sa%fade.pdf> Acesso em 10 Jun SCHOEPS, Daniela; ALMEIDA, Márcia Furquim; ALENCAR, Gizelton Pereira; FRANÇA JR, Ivan; NOVAES, Hillegonda Maria Dutilh; SIQUEIRA, Arnaldo Augusto Franco de; CAMPBELL, Oona; RODRIGUES, Laura Cunha. Fatores de risco para a mortalidade neonatal precoce. Rev. De Saúde Pública. 2007, vol. 41, nº 6. SENESI, Lenira Gaede et al. Morbidade e mortalidade neonatais relacionadas à idade materna igual ou superior a 35 anos, segundo a paridade. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2004, vol.26, n.6, pp SILVA, Cristiana Ferreira da; LEITE, Álvaro Jorge Madeiro; ALMEIDA, Nádia Maria Girão Saraiva de; GONDIM, Rogério Costa. Fatores de risco para mortalidade infantil em município do Nordeste do Brasil: linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis a Rev. bras. epidemiol. [online]. 2006, vol.9, n.1, pp SILVEIRA, Mariângela F et al. Aumento da prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional. Rev. Saúde Pública [online]. 2008, vol.42, n.5, pp SILVEIRA, Mariângela F et al. Diferenciais socioeconômicos na realização de exame de urina no pré-natal. Rev. Saúde Pública [online]. 2008, vol.42, n.3, pp SOUZA, João Paulo; PARPINELLI, Mary Angela; AMARAL, Eliana; CECATTI, Jose Guilherme. Assistência obstétrica e complicações graves da gestação na América Latina e Caribe: análise das informações obtidas a partir de inquéritos demográficos de saúde. Rev Panam Salud Publica [online]. 2007, vol.21, n.6, pp

53 SOARES, Enio Silva; MENEZES, Greice Maria de Souza. Fatores associados à mortalidade neonatal precoce: análise de situação no nível local. Epidemiol. Serv. Saúde, mar. 2010, vol.19, no.1, p UNICEF. Situação mundial da infância 2009: saúde materna e neonatal Disponível em:<http://www.unicef.org/sowc09/docs/sowc09-fullreport- EN.pdf>. Acesso em: 02 Jun VIANNA, Rossana; FERREIRA Cristina Xavier; MORO Claudia Maria Cabral de Barra; MOYSÉS Samuel Jorge; CARVALHO Deborah; NIEVOLA Julio Cesar. Mineração de dados e características da mortalidade infantil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 26(3): , mar, VICTORA, Cesar G. Intervenções para reduzir a mortalidade infantil. Revista Brasileira de Epidemiologia V.4, nº1. VIDAL,Suely Arruda; FRIAS, Paulo Germano de; BARRETO, Flora Morais Pais; VANDERLEI, Lygia Carmen Morais; FELISBERTO, Eronildo. Óbitos infantis evitáveis em hospital de referência estadual do nordeste brasileiro. Rev. Bras. de Saúde Materno Infantil. Recife Jul/set VIEIRA, Maria de Lourdes F; BICALHO, Gladys Gripp; SILVA, João Luiz de C. P; FILHO, Antonio de Azevedo Barros. Crescimento e desenvolvimento de filhos de mães adolescentes no primeiro ano de vida. Revista Paulista de Pediatria V.25, PP WALKER, Lorraine O. e CHESNUT, Lorie W. Identifyig Health Disparities and Social Inequities Affecting Childbearing Women and Infants. Obstetric and Neonatal Nurses, the Association of Women s Health, AWHONN, WIKIPÉDIA. Desenvolvido pela Wikimedia Foundation. Apresenta conteúdo enciclopédico. Disponível em: < Acesso em: 16 Jun YAZLLE, Marta Edna Holanda Diógenes. Gravidez na adolescência. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2006, vol.28, n.8, pp ZIEGEL, Erna E.; CRANLEY, Mecca S. Enfermagem Obstétrica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara,

54 54 9 APÊNDICE 9.1 Apêndice I QUESTIONÁRIO PARA COLETA DE DADOS DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA PESQUISA: PERFIL DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA/RS NO PERÍODO DE 2005 A PESQUISADORES: Gizieli Dichete Biguelini, Lisiéle Leite Guerra e Paula Pereira de Figueiredo QUESTIONÁRIO PARA COLETA DE DADOS Dados de Identificação Data da coleta dos dados: Pesquisador: 1. Número da DO: 2. Número da DNV: 3. Número do questionário: Variáveis Maternas 1. Idade da mãe: 2. Estado Civil da mãe: solteira casada viúva separada/divorciada Ign 3. Nº de Filhos tidos em gestações anteriores: a) Nascidos vivos: --/-- b) Nascidos mortos:--/-- Variáveis Obstétricas 1. Local de ocorrência do Parto: Hospital Outros estab. de saúde Domicílio Outros Ign 2. Duração da Gestação (em semanas): Menos de 22 De 22 a 27 De 28 a 31 De 32 a 36 De 37 a e mais Ign 3. Nº de Consultas Pré-natal: Nenhuma De 1 a 3 De 4 a 6 7 ou mais Ign 4. Tipo de Gravidez: Única Dupla Tripla ou mais Ign 5. Tipo de Parto: Vaginal Cesáreo Ign Variáveis Infantis 1. Data do nascimento: 2. Hora do nascimento: 3. Peso ao nascer: 4. Índice de Apgar 1 : 5. Índice de Apgar 5 : 6. Sexo: Fem. Masc. 7. Raça/cor: Branca Preta Amarela Parda Indígena 8. Data da morte: 9. Hora da Morte: 10. Idade: meses dias horas min. 11. Causa do óbito: Variáveis Sócio-econômicas 1. Escolaridade materna: Nenhum De 1 a 3 De 4 a 7 De 8 a ou mais Ign 2. Ocupação: 3. Endereço da mãe: 4. Bairro

55 Apêndice II Dicionário de Codificação do Questionário para Coleta de Dados Identificação das Variáveis Maternas 1. IDAME = Idade da mãe digitada em anos. 2. ESTCIVIL= Estado civil da mãe Solteira = 1 Casada= 2 Viúva= 3 Separada/divorciada= 4 Ignorado= 9 3. NFILVI = Numero de filhos ( quantos estiver em branco, colocar código 9, quando apresentar o símbolo zero (0) colocar 1) Nenhum = 1 1 filho vivo = 2 2 filhos vivos = 3 3 filhos vivos = 4 4 filhos vivos = 5 5 ou mais filhos vivos= 6 Ignorado= 9 4. NFILMORT = Numero de filhos mortos (quantos estiver em branco, colocar código 9, quando apresentar o símbolo zero (0) colocar 1) Nenhum = 1 1 filho morto = 2 2 filhos mortos = 3 3 filhos mortos = 4 4 filhos mortos = 5 5 ou mais filhos mortos= 6 Ignorado= 9 5. NFILVI = Numero de filhos ( quantos estiver em branco, colocar código 9, quando apresentar o símbolo zero (0) colocar 1) Nenhum = 1 1 filho vivo = 2 2 filhos vivos = 3 3 filhos vivos = 4 4 filhos vivos = 5 5 ou mais filhos vivos= 6 Ignorado= 9

56 56 Identificação das Variáveis Obstétricas 1. LOCOCRPAR: Local de ocorrência do Parto. Hospital = 1 Outros estab. de saúde = 2 Domicílio = 3 Outros = 4 Ign = 9 2. IDGESPAR: Idade gestacional do parto (em semanas). Menos de 22 = 1 De 22 a 27 = 2 De 28 a 31 = 3 De 32 a 36 = 4 De 37 a 41 = 5 42 e mais = 6 Ign = 9 3. NCOSPN: Numero de Consultas Pré-natal Realizadas Nenhuma = 1 De 1 a 3 = 2 De 4 a 6 = 3 7 ou mais = 4 Ign = 9 4. TIPOGRAV: Tipo de gravidez. Única = 1 Dupla = 2 Tripla ou mais = 3 Ign = 9 5. TIPOPART: Tipo de Parto. Vaginal = 1 Cesáreo = 2 Ign = 9 Identificação das Variáveis Infantis 1. DTNASC: Data do nascimento. 2. HNASC: Hora do nascimento.

57 57 3. PESO: Peso ao nascer em gramas. 4. APGAR 1: Índice de Apgar APGAR 2: Índice de Apgar SEXO: Sexo do recém nascido. Feminino = 1 Masculino = 2 7. RACACOR: Raça/cor no neonato. Branca = 1 Preta = 2 Amarela = 3 Parda = 4 Indígena = 5 Ign = 9 8. DATOBITO: Data da morte. 9. HOBITO: Hora da Morte. 10. IDADE: Idade em meses, dias, horas e min. 11. CAUSAOBITO: Causa do óbito descrita na DO. Identificação das Variáveis Sócio-econômicas 1. ESCMAE: Escolaridade materna em anos de estudo completos. Nenhum = 1 De 1 a 3 = 2 De 4 a 7 = 3 De 8 a 11 = 4 12 ou mais = 5 Ign = 9 2. OCUP: Ocupação da mãe. 3. ENDER: Endereço da mãe constante na DO. 4. BAIRRO: Bairro constante na DO.

58 Apêndice III Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Pesquisa: Perfil da Mortalidade Infantil em Uruguaiana/RS no Período de 2005 a Autores: Gizieli Dichete Biguelini Lisiele Leite Guerra Orientadora: Profª Paula Pereira Figueiredo Fui informado(a) de forma clara e detalhada sobre as questões referentes à pesquisa e que a mesma tem por objetivo conhecer o perfil da mortalidade infantil no município de Uruguaiana no período de 2005 a Os pesquisadores esclareceram o caráter voluntário da minha participação no estudo, bem como da possibilidade de minha desistência em qualquer etapa da pesquisa sem acarretar qualquer dano ou prejuízo. Fui comunicado(a) que serão utilizadas as informações contidas nas Declarações de Nascidos Vivos (DNV) do Sistema de Informações de Nascidos Vivos SINASC, e os dados provenientes nas Declarações de Óbito (DO) do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), e que serão destruídas após 5 anos. Também me foi informado(a) que será mantido o meu anonimato sendo utilizado siglas no relatório final do Trabalho de Conclusão de Curso e em estudos que serão publicados referentes a esta pesquisa. Ao assinar esse documento estou concordando em participar da pesquisa acima mencionada, de autoria dos acadêmicos de Enfermagem Gizieli Dichete Biguelini e Lisiele Leite Guerra, sob orientação da Professora, Paula Pereira Figueiredo, vinculada ao Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Pampa. Confirmo o recebimento de uma cópia do presente termo de consentimento tendo a outra cópia ficado com as pesquisadoras. Data: / / 2010 Nome do Informante: Assinatura do Informante: Pesquisadores: Acad. Enf. Gizieli Dichete Biguelini Contato: (55) Acad. Enf. Lisiele Leite Guerra Contato: (55) Pesquisadora Responsável Profª Paula Pereira Figueiredo Endereço: BR 472 Km Caixa Postal Uruguaiana - RS - CEP: Contatos: (55) / (55) / (53) Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Pampa:

59 Apêndice IV Termo de Confidencialidade Título do projeto: Perfil da Mortalidade Infantil no Município de Uruguaiana no período de 2005 a Pesquisadores responsáveis: Gizieli Dichete Biguelini, Lisiele Leite Guerra, Paula Pereira Figueiredo. Instituição/Departamento: Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana Telefones para contato: (55) / (55) / (53) / (55) Local da coleta de dados: Secretaria Municipal de Saúde, Uruguaiana, Rio Grande do Sul, Brasil. Os pesquisadores do presente projeto se comprometem em preservar a privacidade dos informantes cujos dados serão coletados através de coleta de dados. Concordam, igualmente, que estas informações serão utilizadas única e exclusivamente para execução do presente projeto. As informações somente poderão ser divulgadas de forma anônima e serão mantidas na residência dos pesquisadores por um período de cinco anos sob a responsabilidade dos mesmos. Após esse período os dados serão destruídos. Este projeto de pesquisa foi revisado e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UNIPAMPA em.../.../..., com o número de registro junto à pró-reitoria de pesquisa... Uruguaiana, 18 de Agosto de Gizieli Dichete Biguelini Lisiele Leite Guerra Paula Pereira Figueiredo

60 60 10 ANEXOS 10.1 Anexo I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Comitê de Ética em Pesquisa Unipampa/CEP Portaria n 728/09/GR/Unipampa Registrado na CONEP Ofício n 3210/CNS/GM/MS Endereço eletrônico: CARTA DE APROVAÇÃO Nº Uruguaiana, 22 de setembro de Prezada Pesquisadora Responsável Paula Pereira Figueiredo Comunicamos que o protocolo de pesquisa intitulado PERFIL DA MORTALIDADE INFANTIL NO MUNICÍPIO DE URUGUAIANA-RS NO PERÍODO DE 2005 A 2009, registro ProPesq , registro Unipampa/CEP , foi avaliado por este CEP e está aprovado para execução a partir da presente data. Lembramos que qualquer alteração no protocolo de pesquisa submetido a avaliação deverá ser comunicada ao Unipampa/CEP imediatamente, bem como eventos adversos, e que o relatório final deverá ser entregue em janeiro de Atenciosamente, Rosana Soibelmann Glock

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor Subsecretaria de Ações e Serviços de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Informações Epidemiológicas Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Setor Bairros de Itajaí

Setor Bairros de Itajaí 2007 O projeto Uma Conversa Salva Uma Vida, no período de março a dezembro de 2007, beneficiou diretamente 110 famílias, 51 crianças foram acompanhadas semanal, quinzenal ou mensalmente, totalizando 173

Leia mais

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR ADRIANA SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ SANDRA MARISA PELLOSO (UEM)² EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)³

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto.

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto. Glossário A pesquisa abrange os assentamentos de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de separações e divórcios declarados

Leia mais

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL

Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE 2007 (IDB-2007) TEMA DO ANO: NASCIMENTOS NO BRASIL SUMÁRIO 1. RELEVÂNCIA DO TEMA 1 2. FONTES DE DADOS UTILIZADAS

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE II

INDICADORES DE SAÚDE II Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE II 2005 Taxa de mortalidade infantil

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil

Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Construção e análise de indicadores locais para a vigilância da transmissão vertical da Aids em Porto Alegre, Brasil Christovam Barcellos Departamento de Informações em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Ministério

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I Lorenna Martins da Silva 1 ; José Gerley Díaz Castro 2 ; Renata Junqueira

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

Quadro 7 - Indicadores de Mortalidade IDB 2001 (Ano de Referência 1998)

Quadro 7 - Indicadores de Mortalidade IDB 2001 (Ano de Referência 1998) 3.2 SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA 3.2.1 MORTALIDADE INFANTIL Nos países mais desenvolvidos, como o Canadá, os Estados Unidos, os países da Europa, em sua maioria, os coeficientes de mortalidade infantil

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

OBJETIVO MELHORAR A SAÚDE

OBJETIVO MELHORAR A SAÚDE cap5.qxd 9/9/04 15:48 Page 50 50 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO MELHORAR A SAÚDE MATERNA cap5.qxd 9/9/04 15:48 Page 51 51 5 " META 6 REDUZIR EM TRÊS QUARTOS, ENTRE 1990 E 2015,

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL NIKKEL, FRANCIELLE TAMARA 1 GEHRING, LETÍCIA BARROS 2 LEMOS,

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA BEZERRA, Nanci Candido, Faculdade Santa Maria, nanci.candido26@gmail.com. SILVA, Evandro Dantas, Faculdade Santa Maria.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2 DIAGNÓSTICO SOBRE A MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL EM CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS NO PERÍODO DE 2002 A 2005 PARA SUBSIDIAR AÇÕES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 1 Cláudia

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

A. INDICADORES DEMOGRÁFICOS B. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE C. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE NASCIDOS VIVOS

A. INDICADORES DEMOGRÁFICOS B. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE C. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE NASCIDOS VIVOS A. INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1. População Total 2. Razão de Sexos 3. Proporção de Idosos B. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE 1. Taxa Bruta de Mortalidade 2. Taxa de Mortalidade Infantil

Leia mais

Alta Mortalidade Perinatal

Alta Mortalidade Perinatal Alta Mortalidade Perinatal SMS de Piripiri CONASEMS Conselho Consultivo EVIPNet Brasil Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS de Belo Horizonte em Formulação de Políticas de Saúde e

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (X

Leia mais

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL V Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL Janete Giuliane Tavares 1 ; Laís

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2 INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I Epidemiologia 2 Fórmulas, conceitos notícias de EPI2 Acesse do seu celular, tablet ou computador Indicadores de saúde São medidas que descrevem as características

Leia mais

Autor(es) GABRIELA KRAFT FLORENCIO. Co-Autor(es)

Autor(es) GABRIELA KRAFT FLORENCIO. Co-Autor(es) 8º Simposio de Ensino de Graduação ANÁLISE DOS DADOS DO SISVAN-WEB, ANO DE 2009 - PERFIL NUTRICIONAL DE GESTANTES AVALIADAS EM UNIDADES DE SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA SP. Autor(es)

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS

AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS AS OCORRÊNCIAS EMOCIONAIS E NUTRICIONAIS EM ADOLESCENTES GRÁVIDAS Aline Aparecida de Souza 1, Camila Oliveira de Souza¹, Joana Ercilia Aguiar 2 RESUMO: A Adolescência é marcada por transformações biopsicossocial

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FATORES DE RISCO E PREMATURIDADE: ESTUDO COMPARATIVO

LEVANTAMENTO DE FATORES DE RISCO E PREMATURIDADE: ESTUDO COMPARATIVO LEVANTAMENTO DE FATORES DE RISCO E PREMATURIDADE: ESTUDO COMPARATIVO Joelma Cardoso (ICV/UNICENTRO), Ana Greici Schönhalz (ICV/UNICENTRO), Aline Poliana Schmatz (BIC/UNICENTRO), Cristina Ide Fujinaga (Orientadora),

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV Inês Mindlin Lafer gerente de programas 27 de maio de 2010 Agenda Apresentação FMCSV Os projetos Comunitários FMCSV A avaliação

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:: Sem

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ EPIDEMIOLÓGICA DOS ÓBITOS MATERNOS SECRETARIA DA SAÚDE

SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ EPIDEMIOLÓGICA DOS ÓBITOS MATERNOS SECRETARIA DA SAÚDE SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ OFICINA: VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DOS ÓBITOS MATERNOS SECRETARIA DA SAÚDE 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1119, DE 5 DE JUNHO DE 2008 Regulamenta

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Lei n 2.889 de 17 de maio de 1999.

Lei n 2.889 de 17 de maio de 1999. Lei n 2.889 de 17 de maio de 1999. Estabelece a nova divisão geográfica dos Bairros nos limites urbanos no Município. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Faço saber, em cumprimento ao disposto no Art.

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2008 O projeto Uma Conversa Salva Uma Vida, no período de fevereiro a novembro de 2008, beneficiou diretamente 93 famílias, 42 crianças foram acompanhadas semanal, quinzenal

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL DEFINIÇÕES E INDICADORES: Serão usadas as seguintes definições neste curso: PERÍODO PERINATAL Compreende o período após 28 semanas

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015

BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 BOLETIM INFORMATIVO nº 04 HIV/AIDS 2015 AIDS O Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde estima que aproximadamente 734 mil pessoas vivam com HIV/aids no país, o que corresponde

Leia mais

Distribuição percentual de nascidos vivos por idade da mãe, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

Distribuição percentual de nascidos vivos por idade da mãe, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. D.15 Proporção de nascidos vivos por idade materna 1. Conceituação Distribuição percentual de nascidos vivos por idade da mãe, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO PARTO

HUMANIZAÇÃO DO PARTO HUMANIZAÇÃO DO PARTO TEIXEIRA, Kátia de Cássia CBES katita.teixeira@gmail.com BASTOS, Raquel CBES Resumo Este texto apresenta os diferentes aspectos envolvidos na humanização do parto, desde sua definição,

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Expediente Sínteses Estaduais: Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Edição 2010 Tiragem 1000 exemplares Elaboração

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte.

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. 90% das mortes de mulheres grávidas poderiam ser evitadas com o atendimento adequado. Saiba seus direitos. A Organização Mundial de Saúde (OMS)

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-04 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

PRÁ-SABER: INFORMAÇÕES DE INTERESSE À SAÚDE v.1, n.4, novembro 1996

PRÁ-SABER: INFORMAÇÕES DE INTERESSE À SAÚDE v.1, n.4, novembro 1996 PRÁ-SABER: INFORMAÇÕES DE INTERESSE À SAÚDE v.1, n.4, novembro 1996 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE NASCIDOS VIVOS (SINASC) - 1995 ORGANIZADORES: DENISE AERTS JUAREZ CUNHA RUI FLÔRES PRÁ-SABER: informações

Leia mais