Gerenciamento da Via Aérea e Entubação Traqueal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento da Via Aérea e Entubação Traqueal"

Transcrição

1 CAPÍ T ULO Gerenciamento da Via Aérea e Entubação Traqueal D AVID FER E Z DEFINIÇÃO O gerenciamento da via aérea pode ser entendido como o emprego de técnicas e dispositivos que têm como objetivo administrar oxigênio e, se possível, eliminar o dióxido de carbono produzido. Esse gerenciamento é utilizado em pacientes críticos ou sob anestesia geral. Não fará parte deste capítulo técnica especial de manejo da via aérea difícil. A entubação traqueal faz parte do gerenciamento da via aérea e é definida como a técnica de introdução de uma sonda, o tubo traqueal, na luz da traqueia com o objetivo de manter a via aérea patente, administrar oxigênio e eliminar o dióxido de carbono produzido. Pode ser realizada através da nasofaringe, chamada entubação nasotraqueal; da orofaringe, entubação orotraqueal; ou por meio de uma abertura na parede da traqueia, entubação transtraqueal, mais conhecida como traqueotomia. HISTÓRICO Ao longo da história médica, frequentemente se observa que determinadas descobertas foram esquecidas com o tempo e, depois, novamente desvendadas. A história do acesso à via aérea enquadra-se nesse aspecto.

2 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA As informações históricas das primeiras entubações traqueais através de qualquer via são imprecisas. Uma das primeiras sugestões de traqueotomia encontra-se nos trabalhos do pai da medicina egípcia, Imhotep (1500 a.c.), descrita nos papiros de Ebers e Smith. 1,2 Hipócrates ( a.c.) acenava com a possibilidade da prática da entubação traqueal em humanos 2 e Aesculapius, Galenus, Areatus, Avicenna, entre vários outros mestres da antiguidade, proporcionaram relatos semelhantes. 2 Contudo, é atribuída a Vesalius, em 1543, a primeira entubação da traqueia (aspera arteria) em animal, realizada por meio de uma traqueotomia. 2-5 Em 1677, Robert Hooke fez a primeira demonstração da técnica de entubação traqueal na Real Sociedade de Londres. Pierre J. Dessoult, em 1790, realizou, pela primeira vez, uma entubação traqueal às cegas, introduzindo uma sonda pelo nariz e conseguindo atingir a traqueia. A Walter Curry, em 1792, é creditada a primeira entubação orotraqueal humana realizada pelo método táctil. 6 William MacEwen, em 1880, administrou clorofórmio por meio de um tubo metálico introduzido na traqueia através da orofaringe pelo tato para a remoção de um tumor na base da língua. No mesmo ano, o autor publicou suas conclusões no British Medical Journal como Observações clínicas sobre a introdução de tubo na traqueia através da boca ao invés da realização de uma traqueotomia ou laringotomia. 3,4 Finalmente, em 1902, Franz Kuhn descreveu uma série de entubações traqueais realizadas por via orofaríngea às cegas com um tubo curvo metálico (Figura 28.1). 3,4 Em 1895, Alfred Kirstein apresentou as primeiras laringoscopias diretas por meio do laringoscópio em forma de U, que foi idealizado por ele e posteriormente desenvolvido e consagrado por Chevalier Jackson, em Somente em 1913, Henry Harrington Janeway popularizou a técnica de entubação traqueal com o auxílio do laringoscópio em anestesia, apresentando à comunidade médica o laringoscópio direto em forma de L. 3 O cirurgião plástico George Morris Dorrance, em 1910, descreveu o uso de cuffs infláveis nas sondas endotraqueais, com o objetivo de promover melhor proteção das vias aéreas nas cirurgias palatinas. Ressalta-se que o emprego de cuffs em tubos traqueais já fora descrito em 1893, por Eisenmenger 4 (Figura 28.2). A B C FIGURA 28.1 Tubo metálico curvo de Franz Kuhn. FIGURA 28.2 Tubo de Eisenmenger com a presença de cuffs de 1893.

3 Robert MacIntosh modificou o laringoscópio idealizado por Chevalier Jackson e Henry Harrington Janeway introduzindo a lâmina curva para o aparelho. Já a introdução dos bloqueadores neuromusculares na prática clínica por Harold Griffith, em 1942, facilitou a instrumentação da via aérea. 2 Com o advento da Segunda Guerra Mundial, ocorreu importante desenvolvimento no controle da via aérea, da ventilação pulmonar e da anestesia. Stanley Rowbotham e Ivan Whiteside Magill, em 1942, colaboraram com a técnica de entubação traqueal e especialmente com anestesia pela via inalada. 2,3 Assim, estavam criadas as condições para a difusão das técnicas clássicas de entubação traqueal. Em 1967, Peter Murphy introduziu a técnica de entubação traqueal orientada por fibroscopia, utilizando um coledoscópio. Como consequência da característica desse aparelho, comprimento e diâmetro pequenos, o objetivo era somente observar o direcionamento do tubo traqueal. 7 Kensuke Ikeda, em 1968, introduziu a broncofibroscopia flexível. Os fibroscópios flexíveis foram desenvolvidos no Japão pela Machida Endoscope Company e pela Olympus Optical Company na década seguinte e pernanecem até os dias atuais. Recentemente, a técnica de entubação traqueal com o laringofibroscópio ganhou popularidade, especialmente em determinados grupos de pacientes, como portadores de via aérea difícil reconhecida, trauma cervical, trismo bucal etc. 2 Registram-se importantes avanços no controle da via aérea no final do século passado, como a introdução da máscara laríngea por Brain (1981) e do combitube por Frass (1980); o estudo de eventos adversos em anestesia realizado pela Associação Americana de Anestesiologia (Close Claims Project) (1990), que identificou os eventos de natureza respiratória como um dos mais importantes; a sistematização do reconhecimento de uma via aérea difícil por Benumof (1991) e o desenvolvimento de novos dispositivos de controle emergencial invasivo da via aérea (1992). 8 GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL INDICAÇÕES 3,6,9 A entubação traqueal é considerada o método definitivo do gerenciamento da via aérea. Uma vez indicada, deve-se considerar o estado clínico do paciente, a possibilidade de uma via aérea difícil, a experiência do médico, o preparo adequado do paciente e do material necessário para a execução do procedimento e as potenciais medidas de contingência necessárias. As principais indicações de entubação traqueal são: proteção da via aérea do paciente contra o risco de aspiração pulmonar por qualquer motivo, especialmente quando o nível de consciência não é compatível com essa segurança (coma); manutenção de uma via aérea patente no paciente sem condições de mantê-la de forma espontânea. Há vários agentes diretos que levam à obstrução da via aérea, como a corrupção da anatomia local das vias aéreas superiores (trauma, edema etc.),

4 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA ou indiretos, como a diminuição do nível de consciência (coma com escala de Glasgow menor que oito); toilet pulmonar ineficiente do paciente, levando ao acúmulo de secreções pulmonares (doença neuromuscular avançada); manutenção adequada de oxigenação e ventilação pulmonar em paciente com quadro respiratório, elevado shunt pulmonar ou deficiência importante da ventilação alveolar com retenção importante de dióxido de carbono (edema pulmonar grave e doença neuromuscular avançada). ANATOMIA DA VIA AÉREA SUPERIOR 3,6,9,10 Boca A cavidade oral é limitada na parte superior em sua porção anterior pelo palato duro e posteriormente pelo palato mole. Suas faces laterais ficam balizadas pelos dentes e pelas bochechas (Figura 28.3). Inferiormente, o limite é o assoalho da boca, onde está inserida a língua, que é o órgão muscular que tem as funções de fala, paladar e deglutição. Seus músculos inserem-se no osso hioide, no maxilar inferior e na apófise do ligamento estilo-hióideo. A inervação motora da língua é feita pelo nervo hipoglosso e a inervação sensitiva dos dois terços anteriores faz-se pelo nervo lingual e pela corda do tímpano, ramos dos nervos trigêmeo e facial, respectivamente. O terço posterior recebe a inervação sensitiva do nervo glossofaríngeo (Figuras 28.4 e 28.5). Palato mole Úvula Arco palatoglossal (pilar amidaliano anterior) Orofaringe Palato duro Fauce Arco palatofaríngeo (pilar amidaliano posterior) Tonsila (amídala) Língua FIGURA 28.3 Cavidade oral, seus limites e estruturas principais.

5 Nervo lingual (sensitivo) FIGURA 28.4 Nervo glossofaríngeo (sensitivo) Nervo hipoglosso (motor) Nervos sensitivos e motor da língua. FIGURA 28.5 Nervo laríngeo superior Nervo glossofaríngeo Nervo lingual e corda do tímpano Regiões sensitivas da língua. GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL Nariz O nariz é o órgão adaptado para o sentido do olfato e é composto de ossos, cartilagens, tecido fibrogorduroso e pele. É divido pelo septo nasal em narina direita e esquerda, através das quais se alcança a fossa nasal direita e esquerda, que são estruturas simétricas. Em suas paredes laterais, identificam-se os cornetos superiores, médios e inferiores, onde se determina o ponto de maior estreitamento das fossas nasais (Figura 28.6). A função dos cornetos nasais é promover o turbilhonamento do ar inspirado, com umidificação e aquecimento (Figura 28.7). A estrutura do septo nasal é formada por dois ossos (vômer e etmoide) e cartilagem nasal (Figura 28.8); já a do teto do nariz é composta pela lâmina cribriforme do osso etmoide, região óssea frágil, onde se encontra a maior parte das estruturas olfativas do nariz. A parede medial do nariz é uma complexa estrutura óssea da face. Cornetos nasais Seio maxilar Língua Cornetos nasais FIGURA 28.6 Cornetos nasais vista lateral. FIGURA 28.7 Cavidade nasal vista coronal.

6 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA A mucosa nasal é ricamente vascularizada, sendo a responsável pelo aquecimento e pela umidificação do gás inalado pelos cornetos. O nervo esfenopalatino, em sua maior parte, e o nervo etmoidal anterior provêm a inervação sensitiva do septo e das turbinas nasais (Figura 28.9). Na região posterior, as fossas nasais se unem, formando a coana nasal, que é a comunicação com a nasofaringe. Esta, por sua vez, compreende a região da coana nasal até o final do palato mole. Chama-se orofaringe a região que compreende o final do palato mole até a inserção da base da língua; laringofaringe, a região que compreende da base da língua até a entrada da laringe, onde ocorre a separação das vias aérea e digestiva. Nas paredes laterais da orofaringe, encontram-se as amídalas palatinas, limitadas pelos pilares amidalianos anteriores e posteriores (Figuras e 28.11). Cartilagem nasal Etmoide Nervo etmoidal anterior Vômer Nervo esfenopalatino FIGURA 28.8 Ossos do septo nasal (vômer e etmoide). FIGURA 28.9 Inervação sensitiva dos cornetos nasais: nervo esfenopalatino e etmoidal anterior. Nasofaringe Laringofaringe Nasofaringe Orofaringe Laringofaringe Orofaringe FIGURA Divisões anatômicas da nasofaringe, da orofaringe e da laringofaringe.

7 Coana Tuba auditiva Recesso faríngeo Prega salpingofaríngea Sulco terminallis Prega faringoepiglótica Prega aritenoepiglótica Seio piriforme Glândula tireoide Septo nasal Palato mole Úvula Forame cecum Base da língua Epiglote Entrada da laringe Nódulo interaritenóideo Mucosa sobre a cartilagem cricoide Faringe GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL Esôfago FIGURA Estruturas principais da faringe. Laringe A laringe é uma estrutura complexa, cuja função é fornecer passagem do ar atmosférico para a via aérea mais inferior. Apresenta a função valvular, impedindo que outras substâncias ganhem a traqueia. Devido à sua função, permite a inspiração do ar atmosférico e a exalação de gás alveolar e impede a entrada de outras substâncias. Localiza-se anteriormente a quarta, quinta e sexta vértebras cervicais no adulto. Nas crianças, porém, fica mais alta, no nível das segunda e terceira vértebras cervicais (Figura 28.12). É composta por inúmeras cartilagens, membranas e ligamentos que se articulam Adulto C3 C4 C5 C6 Língua Epiglote Osso hioide Laringe Cartilagem tireoide Cartilagem cricoide C2 C3 C4 C5 Criança Traqueia Esôfago FIGURA Diferenças principais entre a laringe da criança e a do adulto.

8 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA perfeitamente. Compõe-se de nove cartilagens no total, sendo três pares e três ímpares. As cartilagens em número par são: aritenoides, corniculadas e cuneiformes; as ímpares: tireoide, cricoide e epiglote (Figuras 28.13). Vários músculos presentes na laringe fazem a sua função valvular durante a deglutição, na tosse e na fonação. Em uma abstração espacial, a laringe no adulto tem forma cilíndrica e a da criança pré-escolar, forma de uma secção cônica (Figura 28.14). A laringe é limitada superiormente pela epiglote; inferiormente pela cartilagem cricoide; anteriormente pelos ligamentos da epiglote, do osso hioide e do tecido conjuntivo anterior; posteriormente pela membrana mucosa que se estende entre as cartilagens aritenoides, porção posterior da cricoide; e lateralmente pelas dobras arietenoepiglóticas e pela cartilagem tireoide. As cordas vocais no adulto são perpendiculares ao eixo da traqueia, enquanto nas crianças são inclinadas em direção craniocaudal. No adulto, a fenda glótica representa o ponto de maior estreitamento da via aérea, enquanto nas crianças menores de dez anos de idade a cartilagem cricoide é o local de maior estreitamento. A cartilagem cricoide é a única cartilagem da laringe que representa um anel completo e se apresenta em forma de sinete. Ao nascimento, situa-se na altura da quarta vértebra cervical e, a partir dos 6 anos de idade, no nível da sexta vértebra cervical, mantendo-se nessa posição até a idade adulta. Epiglote Osso hioide Cartilagem tireoide Ligamento cricotireóideo Osso hioide Cartilagem tireoide Aritenoide Cartilagem cricoide Membrana tireo-hióidea Membrana cricotireóidea Traqueia Osso hioide Cartilagem tireoide Cartilagem cricoide Epiglote Osso hioide Cartilagem tireoide Cartilagem aritenoide Cartilagem cricoide FIGURA Cartilagens da laringe nas vistas (A) lateral, (B) frontal e (C) posterior.

9 A cartilagem tireoide é a maior cartilagem da laringe, constituída por duas placas quadriláteras que se fundem anteriormente na linha média. No adulto, a cartilagem tireoide e a hioide estão bem separadas, enquanto na criança estão muito próximas. A borda superior forma uma saliência que é vulgarmente chamada de pomo-de-adão. A epiglote também é uma estrutura cartilaginosa flexível, de forma plana, lembrando uma folha de árvore. Nos adultos, sua borda superior é arredondada e projeta-se anteriormente a partir da laringe. Durante o procedimento de entubação traqueal, apresenta-se no adulto em forma de U invertido (Figura 28.15) e, na criança, em forma de ferradura invertida. Adulto Posterior Anterior Criança GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL Cartilagem tireoide Cricoide Cartilagem tireoide Cricoide Cilindro Cone FIGURA Diferença espacial entre a laringe do adulto e da criança pré-escolar. Valécula Epiglote Prega glossoepiglótica mediana Prega glossoepiglótica lateral Tubérculo da epiglote Recesso piriforme Cartilagem cuneiforme Prega aritenóidea Corda vocal Prega ventricular Traqueia Cartilagem corniculada FIGURA Forma da epiglote do adulto vista durante o procedimento de entubação traqueal e estruturas relacionadas.

10 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA A membrana entre o osso hioide e a cartilagem tireoide é conhecida como membrana tireo-hióidea. Abaixo dela, destaca-se a membrana cricotireóidea, que congrega a borda superior da cartilagem cricoide até a tireoide. É o ponto mais próximo da via aérea com o meio exterior e a presença de vasos sanguíneos nesse local é rara, o que facilita sua manipulação cirúrgica (Figura 28.16). O nervo recorrente laríngeo, que é ramo do nervo vago, é o responsável pela maior parte da inervação motora da laringe e contribui para parte da inervação sensitiva, especialmente abaixo das cordas vocais. A inervação sensitiva para as regiões acima das cordas vocais é dada pelo ramo interno do nervo laríngeo superior. Por outro lado, a inervação motora da mesma região é realizada pelo ramo externo, que inerva o músculo cricotireóideo e o tensor da corda vocal. O nervo laríngeo superior, que também é ramo do vago, tem sua origem próxima ao forame jugular e divide-se próximo ao corno maior do osso hioide no seu ramo interno, que penetra na laringe junto com a artéria laríngea superior pela membrana tireo-hióidea, e no seu ramo externo, que penetra na laringe pela membrana cricotireóidea. O nervo laríngeo superior emite alguns filetes nervosos que vão fazer sinapses com ramos do nervo recorrente laríngeo, formando a alça de Galeno com função sensitiva. Deve-se advertir que o nervo recorrente laríngeo recorre à esquerda no arco aórtico, enquanto, à direita, recorre pela artéria subclávia (Figura 28.17). Cartilagem epiglote Osso hioide Membrana tireo-hióidea Nervo laríngeo superior Ramo interno Ramo externo Cartilagem tireoide Membrana cricotireóidea Cartilagem cricoide Músculo constritor inferior Nervo laríngeo recorrente FIGURA Membrana cricotireóidea. FIGURA Inervação sensitiva da laringe e da traqueia.

11 As cordas vocais são constituídas por duas pregas de músculo e membrana. O espaço entre elas tem forma triangular, com seu vértice inserido na parede anterior da cartilagem tireoide e sua base nas cartilagens aritenoides. Em repouso, as cordas vocais encontram-se em discreta abdução (abertura), mas, durante respiração tranquila, observa-se discreta adução (fechamento) inicial, seguida de ligeira abdução. Na inspiração forçada ou hiperventilação, observa-se abdução pronunciada. Os músculos cricoaritenóideos posteriores exercem abdução das cordas vocais pelos músculos cricoaritenóideos laterais e o pelo interaritenóideo. Em uma pessoa inconsciente, a principal dificuldade em manter a via aérea patente é a queda da língua contra o palato mole e da epiglote contra a laringe. A extensão da cabeça permite que o tecido anterior do pescoço eleve o osso hioide e este, através do ligamento hioidoepiglótico, eleva a epiglote, permitindo a desobstrução da laringe. Simultaneamente, essa manobra ergue a base da língua em relação ao palato mole, o que também leva à desobstrução da via aérea (Figura 28.18). GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL Osso hioide Cartilagem tireoide Cartilagem epiglote FIGURA A extensão da cabeça promove a desobstrução da via aérea no paciente inconsciente.

12 5 cm GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA Traqueia No adulto, a traqueia tem aproximadamente 2,5 cm de diâmetro e 10 a 13 cm de comprimento, estendendo-se da laringe (sexta vértebra cervical) até a carina (quarta vértebra torácica). A carina, durante uma inspiração profunda, desloca-se 2,5 cm em sentido caudal, o que pode facilitar a expansão dos ápices pulmonares. A traqueia é revestida por epitélio pseudoestratificado cilíndrico ciliado, com grande número de células mucosas. Seus anéis cartilaginosos são anteriores e incompletos em sua face posterior (Figura 28.19), apresentam 16 a 20 unidades e são ligados por tecido conjuntivo. A parede posterior da traqueia é dotada de musculatura lisa e encontra-se próxima ao esôfago. Estrutura semelhante repete-se nos brônquios lombares, os quais se dividem progressivamente, ocasionando a perda do revestimento muscular e cartilaginoso. No adulto, a traqueia forma com o brônquio principal direito um ângulo entre 20 e 25 e, com o brônquio principal esquerdo, entre 40 e 45. Na criança pré-escolar, a traqueia forma com o brônquio direito um ângulo de 30 e, com o esquerdo, um de 47. Devido ao ângulo da traqueia e ao diâmetro menor do brônquio principal esquerdo, é mais frequente a entubação seletiva do brônquio principal direito (Figura 28.20). Das divisões da árvore traqueal, originam-se as denominadas gerações da via aérea. A traqueia é considerada a geração zero, pois ainda não houve divisão, e os brônquios principais direito e esquerdo são considerados a primeira geração. Os bronquíolos de função de condução aérea são distribuídos até gerações de 12 a 16 ordem. As trocas gasosas ocorrem nos bronquíolos respiratórios, nos ductos alveolares e nos sacos alveolares, que correspondem da 17 a 20 geração. Epitélio Lâmina própria Adulto Criança Muco Glândula 2 cm Musculatura lisa Vasos Cartilagem sanguíneos masculino 50 - feminino FIGURA Estrutura epitelial da traqueia, da submucosa e das cartilagens. FIGURA Estrutura da traqueia e dos brônquios no adulto e na criança pré-escolar.

13 As unidades respiratórias são formadas pelos ácinos que, por sua vez, são constituídos de bronquíolos respiratórios, ductos alveolares e sacos alveolares. As comunicações que permitem a passagem de ar de um alvéolo para outro são chamadas de poros de Kohn. A área aproximada de troca gasosa do parênquima pulmonar corresponde a 100 m 2. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS CLÁSSICOS Uma vez que a hipóxia hipoxêmica é o fator que leva o paciente a eventos graves, como disritmias cardíacas e lesão cerebral, é evidente que a ventilação pulmonar e o controle da via aérea são fundamentais. Os equipamentos necessários para a ventilação pulmonar e a entubação traqueal segura são: coxins para o correto posicionamento; fonte de oxigênio ativa; sistema de ventilação balão-válvula-máscara, que poderá ser autoinflável (AMBU) ou não (KT-5). O KT-5 é dependente da fonte pressurizada de oxigênio, outros são duplo T de Baraka, circuito circular etc.; sondas orofaríngeas (sonda de Guedel) e nasofaríngeas adequadas ao paciente; máscaras faciais apropriadas ao paciente; laringoscópio direto; cabo apropriado com baterias funcionais; lâminas retas, curvas ou ambas adequadas; tubos traqueais de diâmetro correspondente ao paciente; estiletes moldáveis (mandril); fórceps de Magill; aspirador funcional; sondas de aspiração; sondas gástricas (Levine); gel lubrificante; lidocaína em spray; máscaras laríngeas clássicas adaptadas ao paciente; estetoscópio precordial; monitores essenciais: oxímetro de pulso; capnógrafo; cardioscópio; dispositivos de fixação de tubo traqueal; outros dispositivos devem ficar disponíveis para uso imediato; se necessários, indicados segundo o algoritmo de controle de uma via aérea difícil; guias de entubação traqueal, chamados de gum elastic bougies, também conhecidos como guias introdutores de MacIntosh-Venn-Eschmann; GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL

14 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA máscaras laríngeas de entubação traqueal apropriadas ao paciente; materiais que devem estar disponíveis para uso imediato, se necessário; estilete luminoso; laringofibroscópio; combitube; material de entubação retrógrada; material de cricotireostomia; material de entubação retrógrada. Máscara facial clássica A máscara facial é encontrada em diversos modelos e tamanhos, sendo o mais comum o formato cônico, com borda acolchoada adaptada à face do paciente (Figura 28.21). O orifício externo da máscara deve se ajustar ao sistema ventilatório. As máscaras transparentes são preferíveis, pois permitem a visualização da condensação do gás umidificado exalado e o reconhecimento imediato de regurgitação. Os ganchos que circundam o orifício externo têm como objetivo prender a máscara por meio de elemento elástico para melhor fixação, o que pode deixar livre as mãos do anestesiologista para outros procedimentos. As máscaras pediátricas neonatais são desenhadas com objetivo de possuir um espaço morto mínimo. Cânula orofaríngea A cânula orofaríngea, também conhecida como sonda de Guedel, foi idealizada para facilitar a ventilação no paciente inconsciente, visto que é pouco tolerada no indivíduo consciente ou com a consciência pouco comprometida. Seu formato é o de uma vírgula e, quando posicionada corretamente, eleva a base da língua (Figura 28.22). É encontrada em cloreto de polivinil ou látex. Cânula nasofaríngea A cânula nasofaríngea é muito flexível, facilitando sua introdução pela narina. É fabricada em látex ou silicone e tem semelhança com um tubo orotraqueal sem cuff, sendo introduzida pela narina até a faringe, o que gera a desobstrução da via aérea (Figura 28.23). Estilete moldável São estiletes feitos em material modelável semirrígido. Servem para dar forma ao tubo traqueal conforme a necessidade durante o processo de entubação. Tubo traqueal clássico O tubo traqueal é o dispositivo utilizado para proteger e controlar definitivamente a via aérea do paciente contra aspiração e permitir a ventilação adequada. Também pode ser utilizado para administrar determinados fármacos pela via inalada. Os tubos traqueais apresentam determinada curvatura para adaptação à anatomia da boca, da orofaringe e da laringe. Os tubos orais têm curvatura mais acentuada (raio de

15 FIGURA Máscara facial convencional. FIGURA Sonda de Guedel. GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL FIGURA Sonda nasofaríngea. curvatura aproximado de 14 cm) e, os nasais, mais suaves (raio de curvatura de 20 cm). Na extremidade distal, fica o cuff que veda a via aérea. O material utilizado em sua produção é importante, pois a biocompatibilidade modesta induz a lesão precoce da traqueia. Atualmente, a maioria dos tubos traqueais é fabricada em material transparente de cloreto de polivinil, isto é, látex free. É obrigatório descartar o dispositivo após o uso. Marcas visíveis à luz natural facilitam o reconhecimento do diâmetro do tubo, seu emprego nasal ou oral e a distância da ponta até determinado ponto. A entrada do cuff piloto, cuja função é monitorar e insuflar o cuff traqueal, tem entrada na marca de 20 cm (Figura 28.24). Caso não exista contraindicação formal em recém-nascido e criança de aproximadamente 30 kg, dá-se preferência aos tubos traqueais sem cuff. Em adolescentes e adultos, ao contrário, utilizam-se sondas com a presença do cuff. Determinados modelos incluem marcadores radiopacos que permitem contrastar o tubo traqueal à radiografia simples. Há, ainda, tubos especiais dotados de fibra metálica em espiral em sua parede, que permite uma grande flexibilidade sem consentir dobra em sua estrutura (sonda aramada), sendo empregados quando existe a probabilidade da ocorrência de dobras com a manipulação.

16 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA Cuff piloto Válvula "Olho de Murphy" Extremidade distal da sonda Conector proximal Distância da extremidade distal Uso oral e nasal Calibre da sonda Tarja de referência Cuff traqueal FIGURA Sonda traqueal convencional e suas referências. Como a resistência ao fluxo aéreo varia com a quarta potência do raio, dá-se preferência aos tubos de maior diâmetro, desde que compatíveis com o segmento de estreitamento crítico das vias aéreas. Segundo a American Standards Association, os tubos são identificados conforme suas dimensões por meio do diâmetro interno em milímetros (2,5 a 10 mm) e o comprimento do modelo comum é proporcional a esse diâmetro (14 a 36 cm). Já a espessura da parede das sondas traqueais varia de 0,16 a 2,4 mm. Determinados modelos de sonda apresentam segunda saída em sua extremidade distal, conhecida como olho de Murphy. A finalidade de ter uma segunda saída é, caso a extremidade do tubo entre em contato íntimo com a mucosa traqueal, desenvolver um mecanismo valvular, o que pode levar ao air trapping. Outro artefato interessante é a tarja preta acima do cuff traqueal, que deve ser posicionado no nível da corda vocal durante a entubação, evitando-se a insuflação do cuff traqueal sobre as cordas vocais e a entubação seletiva. Laringoscópio clássico O laringoscópio tradicional é composto do cabo de forma cilíndrica, no qual usualmente são acondicionadas as baterias para iluminação. Esse cabo pode ter diâmetro maior ou menor, dependendo de ter sido idealizado para crianças ou adultos. Quando está articulado com a lâmina, forma um ângulo de 90 (Figura 28.25). A lâmina curva (MacIntosh) é composta de três partes: a espátula ou língua, a flange ou borda e a ponta (Figura 28.26). A espátula serve para comprimir e manipular os tecidos moles da cavidade oral; já a flange orienta a instrumentação e afasta os tecidos moles, incluindo a língua. Uma vez locada a extremidade da lâmina na valécula da epiglote, aplica-se o movimento de pistão (elevação) no cabo, promovendo o deslocamento da língua para o espaço retromandibular e auxiliando na subluxação da articulação temporomandibular, o que, secundariamente, eleva a epiglote e revela a laringe superior.

17 Existem muitas variações em relação ao laringoscópio clássico, como cabo em forma de U, articulação em ângulo agudo de 72 (laringoscópio de Guedel), articulação em ângulo obtuso de 100 o (laringoscópio de Bowen-Jackson) e de 135 o (laringoscópio de Macbeth-Banniester). As lâminas retas (Miller, Magill etc.) são classicamente destinadas à entubação de crianças até 2 anos de idade ou a pacientes adultos com desvio da anatomia. São posicionadas sobre a epiglote, adentrando a laringe superior. As lâminas MacIntosh, Miller etc. são confeccionadas em vários tamanhos, numeradas de 0 a 4 e escolhidas em função das dimensões da via aérea do paciente. A lâmina curva, por sua vez, traz menor risco de lesão dos dentes e oferece maior espaço para a passagem do tubo na orofaringe. Em 1907, Chevalier Jackson introduziu a luz distal, melhorando a visualização das estruturas (Figura 28.27). Os laringoscópios de desenvolvimento mais recentes são particularmente úteis em caso de uma via aérea difícil, entre os quais se destacam os laringoscópios de Bullard, McCoy, Viewmax, UpsherScope etc. GERENCIAMENTO DA VIA AÉREA E ENTUBAÇÃO TRAQUEAL Cabo do laringoscópio (pilhas acondicionadas) Articulação lâmina-cabo Cabo Articulação lâmina-cabo Extremidade distal da lâmina Flange Espátula Extremidade distal (ponta) Lâmina do laringoscópio Lâmpada de iluminação FIGURA Composição estrutural do laringoscópio convencional. FIGURA Composição e função das partes da lâmina de MacIntosh. Lâmina de MacIntosh Lâmina de Miller Cabo de laringoscópio FIGURA Estrutura das lâminas de MacIntosh e Miller.

18 GUIA DE ANESTESIOLOGIA E MEDICINA INTENSIVA AVALIAÇÃO CLÍNICA DA VIA AÉREA É evidente que, devido à emergência do evento médico, determinadas situações clínicas não têm uma avaliação detalhada da via aérea. Contudo, se a situação clínica permitir um ajuizamento prévio, deve ser realizado mesmo que de forma abreviada. Determinados detalhes gerais podem ser abordados imediatamente. Pode-se advertir que, no paciente politraumatizado, é possível ocorrer fratura da coluna cervical. Devido à sua instabilidade, uma vez indicada a entubação traqueal, deve-se tomar o máximo de cuidado para não mobilizar o pescoço e a cabeça do paciente para evitar agravar a lesão neurológica subjacente Outra questão importante é o fato de a entubação traqueal ser um dos estímulos mais intensos que se pode sofrer, sendo necessárias altas doses de anestésicos sistêmicos para seu controle. Ademais, a presença de hipertensão arterial sistêmica ou intracraniana pode incidir seu agravamento. 3,6 Em relação ao jejum necessário, ressalta-se que, nas situações de urgência e emergência, ele não é possível de ser acatado, portanto se trata de um grupo em que a regurgitação gástrica e a aspiração pulmonar apresentam maior risco. Finalmente, o diagnóstico de uma possível via aérea difícil deve ser feito antes da tentativa do gerenciamento da via, o que também é uma dificuldade nas situações críticas. Para o correto entendimento do que é uma via aérea difícil, a ASA Task Force on Difficult Airway Management Practice Guideline for Management of the Difficult Airway 15 padronizou os conceitos de laringoscopia e entubação difícil, entubação impossível, ventilação e via aérea difícil em: laringoscopia difícil: não é possível visualizar qualquer porção das cordas vocais após múltiplas tentativas de laringoscopia convencional; entubação difícil: realizada com sucesso após múltiplas tentativas, na presença ou ausência de doença traqueal; entubação impossível: após múltiplas tentativas; ventilação difícil: situação clínica na qual um único operador convencionalmente treinado tem dificuldade em ventilar de forma manual o paciente sob máscara facial e este desenvolve cianose e ausência de CO 2 exalado e de expansibilidade torácica, além da presença de distensão gástrica; via aérea difícil: situação clínica na qual um anestesiologista convencionalmente treinado se depara com ventilação difícil, entubação difícil ou impossível, ou ambas. Como síntese de conduta, deve-se, no atendimento emergencial, fazer uma rápida avaliação do paciente antes da entubação traqueal a partir da estimativa da estabilidade da coluna cervical, da presença de hipertensão intracraniana ou arterial sistêmica, da reserva pulmonar do paciente, do estado de jejum e de sinais grosseiros de via aérea difícil. A incidência de dificuldade de entubação traqueal nos pacientes atendidos em situação de emergência é de aproximadamente 1 a 7%. 16,17 Por outro lado, nas situações de entubação eletiva, a incidência de uma via aérea difícil é de apenas 0,01%. 16

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA Via Aérea Difícil Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA 2 Via Aérea Difícil Definições: Não é possível visualizar nenhuma parte das cordas vocais pela laringoscopia convencional. A intubação requer mais

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Um dos maiores desafios das situaçoes de emergência é a aquisição dadas vias respiratórias. No algoritmo para qualquer situação de emergência, a manutenção

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO

SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO FUNÇÕES SISTEMA DIGESTÓRIO DIVISÃO SISTEMA DIGESTÓRIO Universidade Federal do Ceará Departamento de Morfologia Prof. Erivan Façanha SISTEMA DIGESTÓRIO CONCEITO Órgãos que no conjunto cumprem a função de tornar os alimentos solúveis, sofrendo

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Função Permite que o oxigénio do ar entre para o sangue nos pulmões; Permite a passagem do dióxido de carbono do sangue para o ar. Associação Trabalha em conjunto com o Sistema Cardiovascular Fornecer

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Via aérea definiva no trauma

Via aérea definiva no trauma Via aérea definiva no trauma Mauricio Vidal de Carvalho Israel Figueiredo júnior A sistematização do atendimento inicial a vítimas de traumas trouxe importantes avanços na condução destes pacientes. Diante

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

PROTOCOLO DE VIA AÉREA Dr Frederic Hasegawa Revisão: 06/12/2007

PROTOCOLO DE VIA AÉREA Dr Frederic Hasegawa Revisão: 06/12/2007 PROTOCOLO DE VIA AÉREA Dr Frederic Hasegawa Revisão: 06/12/2007 1. Importância do protocolo Intubação orotraqueal é procedimento de rotina na UTI. Apesar da baixa prevalência de via aérea difícil, ela

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Descrição: - Tecnologia Médica INSTRUÇÕES DE USO:

Descrição: - Tecnologia Médica INSTRUÇÕES DE USO: INSTRUÇÕES DE USO: - Tecnologia Médica MÁSCARA LARÍNGEA NovaMASC DESCARTÁVEL Figura 1 Máscara Laríngea em posição A Máscara Laríngea NovaMASC descartável, é um dispositivo supraglótico para ventilação,

Leia mais

Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor.

Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor. Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor. Outubro 2005 2 Introdução: O implemento da tecnologia e o avanço

Leia mais

MÁSCARA LARÍNGEA. Descrição:

MÁSCARA LARÍNGEA. Descrição: MÁSCARA LARÍNGEA ** Este dispositivo deve ser utilizado unicamente por pessoas devidamente treinadas e que estejam familiarizadas com suas restrições e cuidados ** A Sonda Laríngea, modelo: Máscara Laríngea

Leia mais

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos

Crianças com deformidades na face. Avaliação da via aérea difícil. Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos Crianças com deformidades na face Avaliação da via aérea difícil Valéria B. Melhado Hosp. Beneficência Portuguesa de Santos anomalias anatômicas cavidade oral espaço mandibular anterior maxila articulação

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Intubação Traqueal. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br

Intubação Traqueal. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br Israel Figueiredo Junior israel@ vm.uff.br Comparação anatômica com adulto Cabeça : larga em proporção ao resto do corpo. Tendência a adquirir uma posição de flexão. Quando o tonus cervical encontra-se

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago

componentes Sistema digestório Pré-diafragmáticos: boca, língua, dentes, faringe, esôfago Mecanismos para Obtenção de Alimentos Ingestão de Grandes Quantidades de Alimento Absorção de nutrientes diretamente do meio Parasitas do sangue Adaptações mais interessantes Aquelas evoluíram p/ obtenção

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

VIA AÉREA DIFÍCIL. Valéria Baraldi Melhado Anibal de Oliveira Fortuna

VIA AÉREA DIFÍCIL. Valéria Baraldi Melhado Anibal de Oliveira Fortuna VIA AÉREA DIFÍCIL Valéria Baraldi Melhado Anibal de Oliveira Fortuna Introdução Anatomia Avaliação da Via Aérea Antecipando uma Via Aérea Difícil Manuseio da Via Aérea Intubação Traqueal Intubação - Técnicas

Leia mais

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317

PARECER COREN-SP 018 /2013 CT. PRCI n 99.921. Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 PARECER COREN-SP 018 /2013 CT PRCI n 99.921 Ticket n : 277.722, 281.257, 286.317 Ementa: Mensuração e regularização da pressão do cuff (balonete) de cânulas de entubação e traqueostomia por Enfermeiro.

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

LISTAGEM DE MATERIAIS DA ANESTESIA/GASOTERAPIA PADRONIZADOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

LISTAGEM DE MATERIAIS DA ANESTESIA/GASOTERAPIA PADRONIZADOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Última atualização em: 20/08/2015 LISTAGEM DE MATERIAIS DA ANESTESIA/GASOTERAPIA PADRONIZADOS NO ITEM 1 2 3 4 5 ESPECIFICAÇÃO Aerocâmara retrátil para terapia com aerosol, conexão universal para traquéia

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM EQUIPAMENTO MÉDICO / ODONTOLÓGICO - GASOTERAPIA

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO

CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO CAPÍTULO 4 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO ASFIXIADO ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DA ASFIXIA DURANTE O NASCIMENTO Certas condições durante a gravidez estão associadas com o aumento do risco de asfixia ao nascer

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma Respiração + Circulação Basic Life Support Facilitadora Enf a. Ana Carolina Corgozinho E-mail anacorgozinho@uol.com.br Respiração Os seres vivos conseguem resistir a restrições alimentares, pois sobrevivem

Leia mais

Avaliação do Risco de Via Aérea Difícil: Atuação do Enfermeiro no Intraoperatório

Avaliação do Risco de Via Aérea Difícil: Atuação do Enfermeiro no Intraoperatório Avaliação do Risco de Via Aérea Difícil: Atuação do Enfermeiro no Intraoperatório 1 Enf. Wagner de Aguiar Júnior Unidade de Apoio Técnico ao Anestesista Instituto Central - HCFMUSP Importância do Manejo

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos.

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. RESPIRAÇÃO Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. A respiração intracelular pode ser: Aeróbica: Ser vivo que depende do gás carbônico para obter energia

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE 1. OBJETO: 2.1. Eventual AQUISIÇÃO DE MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR (sondas, cânulas, tubos e drenos), destinados a atender as Unidades de Saúde do Estado de Roraima, conforme descrição neste Termo de Referência.

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/SP 42883 Classificação do Recém-Nascido n n n Pré-Termo São todas as crianças nascidas vivas, antes da 38ª semana, ou seja

Leia mais

Sistema Respiratório Capítulo 9

Sistema Respiratório Capítulo 9 Sistema Respiratório Capítulo 9 1 FUNÇÕES O sistema respiratório permite o transporte do O 2 para o sangue, a fim de ser distribuído para as células, e a retirada do CO 2, dejeto do metabolismo celular,

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada

Neoplasia Maligna Dos Dois Tercos Anteriores Da Lingua Parte Nao Especificada SÅo Paulo, 20 de setembro de 2011 Protocolo: 0115/2011 Informo que a partir de 20/09/2011 alguns protocolos de atendimento da especialidade Cirurgia PlÑstica do Hospital das ClÖnicas foram desativados,

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0

Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0 Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 00 CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0 Indicação, Finalidade, Uso e Aplicação Destina-se para pacientes infantis em necessidade de

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. André Maia

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. André Maia SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. André Maia A respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química armazenada nos alimentos e utilizar essa energia nas diversas atividades metabólicas

Leia mais

Produtos para as Vias Aéreas

Produtos para as Vias Aéreas ctlg_vias_aereas:layout 1 1/13/09 6:15 AM Page 1 Produtos para as Vias Aéreas COVIDIEN and COVIDIEN with logo and positive results for life are trademarks of Covidien AG. 2007 Covidien AG or its affiliates.

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Estômago Cheio e as Emergências: o que há de novo?

Estômago Cheio e as Emergências: o que há de novo? CAPÍTULO 8 Estômago Cheio e as Emergências: o que há de novo? Elizabeth de Souza Moreira* Introdução O primeiro relato sobre a importância do estômago cheio em anestesia foi feito por Mendelson 1 em 1946,

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais