Rinites e Rinossinusites

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rinites e Rinossinusites"

Transcrição

1 Rinites e Rinossinusites Dra. Adriana Vidal Schmidt CRM Especialista e Mestre em Alergia e Imunologia Presidente do Departamento Científico de Alergia da SPP Membro da American Academy of Allergy - AAAAI Membro da European Academy of Dermathology - EADV

2 Por que Rinossinusite?

3 Rinite e Rinossinusite Rinossinusite Alergica processo inflamatõrio TH2 dependente (alérgico) Riniossinusite Viral resfriado, 5 a 7 dias Rinossinusite Pós Viral processo inflamatório que persiste após a eliminação do víus, > 10 dias, sem características infecciosas Rinossinusite Bacteriana EPOS Rhinology (1): 1-329

4 Rinite Alérgica Afeta 10 a 30% dos adultos e 40% das crianças Risco aumentado Pacientes com Dermatite atópica ou asma Inflamação da mucosa de revestimento nasal pela presença de um ou mais dos seguintes fatores Congestão nasal Rinorréia Espirros Prurido Sintomas durante 2 ou mais dias consecutivos por mais de 1 hora na maioria dos dias Adkinson: Middleton's Allergy: Principles and Practice, 7th ed.

5 Rinite Alérgica A rinite alérgica é muito comum em crianças e adolescentes Impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes e de suas famílias Frequentemente subdiagnosticada e subestimada, Causa sintomas crônicos que tem efeito negativo no bem estar físico, psíquico e social Reduz o aproveitamento escolar de crianças e adolescentes Comorbidades associadas que podem contribuir para custos diretos e indiretos da rinite Santos et al. Clinical and Translational Allergy (2015) 5:2

6 Rinite alérgica - Fisiopatologia Adkinson: Middleton's Allergy: Principles and Practice, 7th ed, 2008

7 Rinite Alérgica Afecções Concomitantes Dermatite atópica 10-40% Conjuntivite alérgica 10% Rinossinusite 30-80% Asma 25% - 70%

8 Rinite alérgica - Fatores de risco História familiar positiva para atopia Padrão socioeconômico elevado Testes alérgicos positivos Influência da exposição precoce Infecções Animais Fumo passivo Poluição

9 Rinite - sintomas Suges?vos de RA Sintomas usualmente NÃO associados a RA 2 dos sx por >1h na maior parte dos dias Sintomas unilaterais Rinorréia aquosa Espirros paroxís?cos Obstrução nasal Prurido nasal ± Conjun?vite Obstrução nasal sem outros sx SPN: Rinorréia MP Dor Epistaxe recorrente Anosmia Classificar e avaliar gravidade Prosseguir inves?gação Orban NT et al. In Middleton s Allergy 7th ed Ch ; 973 Allergy 2008: 63 (Suppl. 86): 8 160

10 Rinite Alérgica Diagnóstico Diferencial Infecciosa Rinossinusites virais e bacterianas Fúngica, por parasitas Fatores mecânicos Hipertrofia de adenóides Corpo estranho Atresia de coanas Desvio de septo Tumores Outros Associada a fatores físicos/químicos Induzida por medicamentos Rinite não alérgica eosinofílica Pólipos nasais Rinite vasomotora Raras - Defeitos de função cilar, doenças granulomatosas, neoplásicas e rinorreia cerebroespinhal

11 Rinite Alérgica - Anamnese Sintomas principais Coriza,obstrução nasal, prurido, espirros, redução do olfato Idade de início, duração, frequencia - intermitente/persistente, com ou sem exacerbações agudas Fatores desencadeantes Pó, mofo, cigarro, alterações climáticas, etc Sintomas associados Congestão e prurido ocular, lacrimejamento, odinofagia, prurido faríngeo, roncos, cefaléia História pessoal e familiar de asma, dermatite atópica, alergia Exposição a aeroalérgenos Domiciliar, ocupacional, hobbies, esportes Medicações utilizadas Classe, duração, aderência e eficácia Impacto na qualidade de vida

12 Rinite Alérgica Exame Físico Fascies Atópica Sulco nasal transverso, respiração bucal, palato ogivóide, congestão ocular, olheiras

13 Rinite Alérgica Exame Físico Exame físico completo Secreção no ouvido médio Disfunção de trompa de Eustáquio Sibilos ou tosse persistente - asma Exame minucioso da cavidade nasal Aspecto e coloração da mucosa e secreções

14 Rinite Alérgica Técnica Diagnósticas Testes alérgicos Videoendoscopia nasal rígida ou flexível Esfregaço nasal citologia ou bacteriologia Radiologia

15 Rinite Alérgica Desencadeantes Alérgenos Ácaros Pólens Animais Gato Cão Fungos

16 Rinite Alérgica Classificação pelo ARIA INTERMITENTE sintomas <4 dias por semana ou < 4 semanas PERSISTENTE sintomas >4 dias por semana e >4 semanas LEVE Sono normal Atividades diárias normais sem sintomas debilitantes MODERADA/GRAVE Um ou mais ítens: Distúrbio do sono Diminuição de atividades diárias Esporte/ lazer Problemas escola/ trabalho Sintomas debilitantes ARIA - Allergy 2011: 63 (Suppl. 86): 8 160

17 Rinite Porque Medicar?! Socialmente inconveniente Distúrbios do sono Baixo rendimento escolar/ trabalho Crescimento orofacial prejudicado crianças Problemas dentários Infecções (seios da face, amígdalas) Comorbidades Aumento do risco de asma

18 Rinite - Tratamento Rinite Alérgica Adkinson: Middleton's Allergy: Principles and Practice, 7th ed, 2008

19 Rinite Alérgica - Tratamento Santos et al. Clinical and Translational Allergy (2015) 5:2

20 Rinite e Rinoconjuntivite alérgica Tratamento medicamentoso Espirros Coriza Obstrução Prurido nasal Sintomas oculares An?- H1 oral An?- H1 nasal An?- H1 ocular Cor?coide nasal Cromona nasal Cromona ocular Descong. nasal An?leucotrieno

21 Rinite - Tratamentos Consensos- Anti-histamínicos de segunda geração Primeira opção de tratamento na rinite leve intermitente PRIMEIRA GERAÇÃO: NÃO RECOMENDADOS (SEDAÇÃO) ARIA - Allergy 2008: 63 (Suppl. 86): 8 160

22 Antihistamícos Não Sedantes Loratadina - Claritin Cetirizina - Zyrtec Fexofenadina - Allegra Desloratadina - Desalex Levocetirizina - Zyxen Ebastina - Ebastel Epinastina Talerc Rupatadina - Rupafin Bilastina - Alektos

23 Antihistamícos Não Sedantes An? H1 no Brasil Loratadina Ce?rizina Idade mínima /Cat. FDA (gestação) > 2 a (FDA cat B, 0,03% excr leite) > 6m (FDA cat C, 3% excr leite) Fexofenadina > 6 meses (FDA cat C) Desloratadina > 6 meses (FDA cat C) Levoce?rizina > 6 anos (FDA cat C) Ebas?na Epinas?na Rupatadina Bilas?na > 2 anos > 6 anos > 12 anos > 12 anos

24 Antihistamícos Não Sedantes An?histamínico Idade mínima Doses FDA Loratadina - Clari?n 2 anos 2-5a 5mg DU 6-12 e adultos 10mg OTC (B) Ce?rizina - Zyrtec 6 meses 6-11m 2,5mg 2-5a 2,5-5mg DU ou 2,5 mg 2x/dia > 6a 10 mg B Fexofenadina - Allegra 6 meses 6m- 2a 15mg 2x/dia 2-11a 30 mg 2x/dia > 12ª 120 a 180mg DU C Desloratadina - Desalex 6 meses 6m- 1a 1mg DU 1-5a 1,25 mg 6-12a 2,5mg >12a 5 mg C Levoce?rizina - Zyxen 2 anos 6-11a 2,5mg DU >12a 5 mg B Ebas?na - Ebastel 12 anos 10-20mg DU - Epinas?na - Talerc 6 anos 10 mg DU - Rupatadina - Rupafin 12 anos 10 mg DU - Bilas?na - Alektus 12 anos 20 mg DU -

25 Rinite - Antihistamícos Quando Usar?! Tratamento farmacológico RA intermitente Monoterapia ou associado a descongestionantes RA moderada e grave persistente Em associação com corticóides inalatórios Pré Imunoterapia - 30 minutos Alergias concomitantes

26 Rinite Antileucotrienos Quando usar?! Tratamento farmacológico Equipotentes aos Anti-H1 na rinite Início de ação mais lento Reduzem eosinofilia nasal e sistêmica Podem ser usados simultaneamente para tratar rinite e asma Comorbidades

27 Corticóides Tópicos Nasais Tratamento farmacológico mais efetivo da rinite RA intermitente moderada e grave RA persistente leve, moderada e grave Potente ação anti-inflamatória local Uso regular - manutenção a longo prazo Efetivos em todos os sintomas Principalmente obstrução Mínimos efeitos colaterais locais Irritação local, Sangramento Seguros

28 Corticóides Tópicos Nasais Como atuam J Allergy Clin Immunol 2001;108:S As moléculas de GC se aderem aos receptores de GC. Este complexo modifica a atividade transcrição que resulta na redução da expressão das moleculas e células proinflamatórias, incluindo Langherhans, linfócitos, mastócitos, basófilos e eosinófilos, ao mesmo tempo que aumenta a expressão de moléculas antiinflamatórias e receptores beta-adrenérgicos

29 Corticóides Nasais Como Atuam?! Redução da reação inflamatória Redução nas reações tardias e do efeito primimg Redução dos mastócitos Redução da reação imediata Supressão da atividade glandular e extravasamento plasmático Indução de vasoconstrição Redução dos sintomas e exacerbações

30 Corticóides Tópicos Nasais Disponíveis no Brasil Beclometasona Clenil 50 mcg doses Budesonida Budecort 32 e 64mcg doses Busonid 32, 50 e 100mcg ou 200 doses/50 mcg Acetonido detriancinolona Nasacort 55 mcg doses Furoato de Mometasona Nasonex 50 mcg - 60 ou 120 doses Propionato de Fluticasona Flixonase 50 mcg doses Plurair 50 mcg doses Furoato de Fluticasona Avamys 27,5 mcg -120 doses Ciclesonida Omnaris 50 mcg -120 doses

31 Corticosteróides Nasais Recomendações do FDA Corticóide Idade mínima Gestação categoria FDA Beclometasona 6 anos C Budesonida 6 anos B Triamcinolona 2 anos C Fluticasona propionato 4 anos C Mometasona furoato 2 anos C Fluticasona furoato 2 anos C Ciclesonida 4 anos C

32 Corticosteróides Nasais No que diferem?! Índice de absorção sistêmica Afinidade pelo receptor Furoato de mometasona >Propionato de Fluticasona> Triancinolona> Budesonida> Dexametasona Meltzer,O. Immunol Alllergy Clin N Am 31 (2011)

33 Biodisponibilidade sistêmica dos CTC nasais Allen DB. J Allergy Clin Immunol 2000; 106: S Roberts et al. Allergy 2013 (68): 1102

34 Rinite Uso correto da medicação tópica Agite o frasco Olhe pafra baixo Use a mão direita para a narina esuerda Mire a ponta do aplicador para for a Aplique uma ou duas vezes em 2 direções diferentes Mude de mão para instilr no lado contraateral Não aspire com força Santos et al. Clinical and Translational Allergy (2015) 5:2

35 Rinite Alérgica A Imunoterapia (IT) para alérgenos inalantes é eficiente na RA (evidência A) Estudos clínicos não dão suporte ao uso de Imunoterapia para hipersensibilidade alimentar, urticária ou agioedema Após evidência demonstrável de Ac IgE específicos contra alérgenos relevantes Quando os sintomas não podem ser reduzidos com o controle do ambiente e medicações apropriadas Efeitos adversos das medicações (evidência A) Linda Cos, James T. Li, Harold Nelson, Richard Lockey, JACI 2007; 20: S th ed.

36 Rinite Alérgica Imunoterapia para quais alérgenos?! Pólens, Ácaros, Gato Fungos (Cladosporum, Alternária) Baratas (questionável extratos de baixa potência) Látex (experimental) Bactérias (estudos negativos) não recomendado Himenópteros Eficiente no tratamento da rinite e asma (ressalvas), discutível uso na DA e sem idicação na urticãria Adkinson: Middleton's Allergy: Principles and Practice, 7th ed.

37 Renite Alérgica - Imunoterapia Eficácia clínica depende de dose adequadas Induz células regulatórias T que reduzem a resposta aos alérgenos Resposta imune em paciente tratado é semelhante a resposta de um nãoalérgico ao alérgeno Benefícios imunológicos e clínicos persistem após o termino do tratamento Inconvenientes Tratamento longo Possibilidade de reações alérgicas Reservas quanto ao tratamento da asma Adkinson: Middleton's Allergy: Principles and Practice, 7th ed.

38 Imunoterapia - Metanálises Nelson, H. Immunotherapy for Inhalant Allergens. Adkinson, Middleton's Allergy: Principles and Practice, 7th ed.

39 Rinossinusite - Critérios diagnósticos Maiores Tosse Secreção purulenta: nasal, pós-nasal Congestão nasal Edema periorbitário Menores Otalgia, odinofagia Pigarro Halitose Febre Zacharisen & Kelly Ped Annals 1998; 27: 758 Fadiga Crianças > 6a Cefaléia, dor facial, hiposmia

40 Rinossinusite Bacteriana Sinais Eritema e edema de cornetos inferiores Secreção mucopurulenta

41 Sinais de alerta para complicações Dor e febre sem melhora após 72 h de tratamento Edema e/ou eritema palpebral Alterações visuais Cefaléia intensa com irritabilidade Sinais sistêmicos de toxemia Sinais de irritação meníngea Consenso Brasileiro sobre Rinossinusites Braz J Otorrinolaryngol (81) S1-S49

42 Rinossinusite Crônica Sintomas (%) de Pacientes Maiores Menores Secreção nasal (82%) Obstrução nasal (94%) Congestão facial (85%) Pressão/Dor facial (83%) Anosmia (68%) Cefaléia (83%) Pressão/Otalgia (68%) Halitose (53%) Dor arcada dentária (50%) Tosse (65%) Febre (33%) Fadiga (84%) Meltzer et al J Allergy Clin Immunol 2004; 114: S155

43 Rinossinusite Microbiologia Viral Rinovírus, Adenovirus, Parainfluenza 10% dias Bacteriana Streptococcus pneumoniae 30 60% Haemophilus influenzae % Moraxella catarrhalis % Streptococcus pyogenes Streptococcus viridans Staphylococcus aureus Pseudomonas aeruginosa Meltzer et al J Allergy Clin Immunol 2004; 114: S155 Zacharisen & Casper Immunol Allergy Clin N Am 2005; 25: 313

44 O que pode causar recorrência ou persistência de Rinossinusite? Creche Imaturidade de defesa Adenoides Rinite alérgica Fumante em casa Corpos estranhos Imunodeficiências Fibrose cística Refluxo GE Alterações anatômicas Rinite alérgica Cigarro Germes resistentes Fungos Refluxo GE Fibrose cística Intolerância a AAS Imunodeficiências

45 Rinossinusite Dois ou mais sintomas (citados abaixo), um dos quais deve ser bloqueio/congestão nasal ou descarga nasal (gotejamento nasal anterior/posterior): ± pressão/dor facial ± redução ou perda do olfato e também sinais endoscópicos de: Pólipos e/ou descarga purulenta, ppte meato médio e/ou Edema/obstrução, ppte meato médio e/ou Alteração à TC: mucosa seios paranasais e/ou COM Sintomas por menos que 5 dias ou que melhoram após 5 dias Resfriado comum Intensidade de sx: leve Tto sintomá?co: Analgésico + sol salina nasal Sintomas persistentes ou que pioram após 5 dias ou que se prolongam por mais do que 10 dias Rinossinusite Intensidade de sx: mod/grave Tto sintomá?co + CTC tópico nasal ou oral + an?bio?coterapia EAACI Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps

46 Anatomia Nasal - Tomografia Seio Etmoidal Unidade osteomeatal Infindíbulo Processo uncinato Meato médio Óstio do seio maxilar Corneto Médio Sistema de drenagem do seio maxilar Antro maxilar Adkinson: Middleton's Allergy: Principles and Practice, 7th ed. Mandell: Mandell, Douglas, and Bennett's Principles and Practice of Infectious Diseases, 7 th ed., 2009 Corneto Inferior

47 Kovalhuk LC, Rosário NA, Cruz AA. Pediatr Asthma Allergy Immunol 1999; 13(3):

48 Tratamento: duração da doença Menos que 5 dias ou melhora posterior = vírus. Piora ou persistência a partir do 4-5 dia provável bactéria (considerar antibiótico)

49 Rinossinusite - Exame radiológico Interpretação SF livres: normal Nível líquido: Obstrução/Infecção Espessamento mucoso/opacificação <6a: achado 1/3 cças Espessamento mucoso >6a: Infecção 1/3 a ½ casos Opacificação (ppte unilateral) Probabilidade de infecção Raro sinusite com Rx normal

50 Rinossinusite Critérios para uso de ATB Maioria dos casos Infecção viral não complicada Considerar o uso de antibiótico Piora dos sintomas após 3-5d Persistência de sintomas por 10 dias Fatores de risco para resistência à amoxicilina Cças < 2a Uso recente de atbc ( 3 me) Creche Sintomas e sinais de RS grave Febre ( 39 ºC) Dor facial (unilateral) Edema periorbitário Pediatrics 2001; 108 (3): 798 Slavin at al J Allergy Clin Immunol 2005; 116(6) S13

51 Avaliação da Criança - RS Crônica ou Recorrente Alergia Respiratória TCA; IgE Específica Imunodeficiência Fibrose Cística Disfunção ciliar DRGE Hemograma Imunoglobulinas (IgG, IgA e IgM) Avaliação funcional (Ac específico) Adquirida (HIV) Eletrólitos no suor Pesquisa de mutação Prova da sacarina Bx mucosa (ME) SEED ph-metria

52 Rinossinusite IVAS Otite média Ambiental Poluentes Creche Obstrução mecânica Rinite Alérgica Asma Fibrose cística Discinesia ciliar Imunodeficiências

53 Rinite - Rinossinusite Sintomas nasais são extremamente frequentes na populção pediátrica A presença de história familiar positiva para atopia, sintomas recorrentes associados a prurido nasal e sintomas oculares são sugestivas de rinite alérgica Sintomas constitucionais e tosse produtiva persistente falam a favor de rinossinusite bacteriana A evolução arrastada, presença de sintomas atípicos e aterações ponderais são sinais de alerta - investigar doenças subjacentes A rinite alérgica é a afecção nasal mais comum e de fácil tratamento, as medicações são relativamente seguras e levam a um resgate da qualidade de vida do paciente

54 Muito Obrigada! Slides desta apresentação em Clínica Dra Adriana Schmidt Adriana Vidal Schmidt

www.adrianaschmidt.com

www.adrianaschmidt.com Dra. Adriana Vidal Schmidt Especialista em Alergia e Imunologia Mestre pela UFPR Médica do Serviço de Alergia do Hospital Universitário Cajurú da PUC PR Presidente do Departamento Científico de Alergia

Leia mais

TRATAMENTO DA RINITE - ATUALIZAÇÃO. www.adrianaschmidt.com

TRATAMENTO DA RINITE - ATUALIZAÇÃO. www.adrianaschmidt.com TRATAMENTO DA RINITE: ATUALIZAÇÃO DRA. ADRIANA VIDAL SCHMIDT DEFINIÇÃO: INFLAMAÇÃO DA MUCOSA DE REVESTIMENTO NASAL, CARACTERIZADA PELA PRESENÇA DE UM OU MAIS DOS SEGUINTES FATORES: CONGESTÃO NASAL RINORRÉIA

Leia mais

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda, Antônio Carlos Cedin,, Luiz Vicente Ferreira da Silva Filho e A associação entre a presença de secreção na cavidade nasal ou na parede

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006)

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Sachs APE, Berger MY, Lucassen PLBJ, Van der Wal J, Van Balen JAM, Verduijn MM. traduzido do original em holandês

Leia mais

Sumário. Data: 02/04/2013

Sumário. Data: 02/04/2013 NT 62/2014 Processo: 0512.14.001377-6 Solicitante: Dra. Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial Comarca de Pirapora Data: 02/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial

Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Mesa Redonda Moderador: Participantes: Eulália Sakano Elizabeth Araújo, Enrique Azuara, Rainer Haetinger e Washington Almeida Eulália Sakano.

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 34 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Alergia e Imunologia Tratamento farmacológico da rinite alérgica Departamento de Nefrologia

Leia mais

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Dr. Manoel de Nóbrega Alergia alimentar Leite de vaca Alergia ao leite de vaca afeta 2 a 3% das crianças até 34 meses de idade. Ampla variedade

Leia mais

Sinusite: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Mesa Redonda: Debate Multidisciplinar

Sinusite: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Mesa Redonda: Debate Multidisciplinar Sinusite: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Mesa Redonda: Debate Multidisciplinar,,, Rainer Haetinger, Renato Roithman e Washington de Almeida Iremos aqui, tentar apresentar alguns pontos

Leia mais

& 08 RINITE ALÉRGICA. Resumo. A Doença. Ano IV nº 08 Setembro de 2012

& 08 RINITE ALÉRGICA. Resumo. A Doença. Ano IV nº 08 Setembro de 2012 SAÚDE & 08 Ano IV nº 08 Setembro de 2012 RINITE ALÉRGICA Resumo A rinite alérgica é definida como uma inflamação da mucosa nasal, induzida pela exposição a alérgenos, que pode resultar em sintomas crônicos

Leia mais

Tratamento no período inter-crise

Tratamento no período inter-crise 1º Curso Itinerante de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasiuleira de Pediatria Salvador - Bahia 07 a 09 de abril de 2011 Avanços no tratamento da alergia respiratória: Tratamento no período inter-crise

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

Diagnóstico Diferencial de Tosse

Diagnóstico Diferencial de Tosse Diagnóstico Diferencial de Tosse A tosse constitui um sintoma de uma grande variedade de patologias, pulmonares e extrapulmonares, e por isto mesmo é muito comum, sendo, com certeza, uma das maiores causas

Leia mais

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Silvia Castro Caruso Christ Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Definições: Processo inflamatório da membrana mucosa que reveste a cavidade

Leia mais

Rinossinusite. Introdução Fisiologia nasossinusal Anatomia cirúrgica Definição e Classificação Diagnóstico Tratamento Casos

Rinossinusite. Introdução Fisiologia nasossinusal Anatomia cirúrgica Definição e Classificação Diagnóstico Tratamento Casos Rinossinusite Introdução Fisiologia nasossinusal Anatomia cirúrgica Definição e Classificação Diagnóstico Tratamento Casos Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Décio Gomes de Souza

Leia mais

Infecções de Vias Aéreas Superiores

Infecções de Vias Aéreas Superiores Infecções de Vias Aéreas Superiores As infecções das vias aéreas superiores (IVAS) são um dos problemas mais comuns encontrados em serviços de atendimento médico pediátricos, resultando em uma morbidade

Leia mais

Infecções das vias aéreas superiores

Infecções das vias aéreas superiores Infecções das vias aéreas superiores INFECÇÕES DAS VIAS AÉREAS SUPERIORES Morbidade elevada. Alta frequência de consultas ambulatoriais. Dificuldades diagnósticas Risco de complicações Uso abusivo de antibióticos

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO Dra. Adriana Vidal Schmidt TOSSE Principal queixa respiratória Fumantes não reclamam! Porque vão ao médico por tosse? Prevalência de 3 a 40% Problema terapêutico Thorax

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE 1 UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI-CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA CLÍNICA INDUSTRIAL DÊNIS BAGATOLLI REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE

Leia mais

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários.

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Introdução ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Definições Otite média aguda(oma): É a presença de secreção

Leia mais

Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990)

Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990) Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990) < 10% 10 to < 20% 20% Inflamação mucosa nasal Sintomas Consequências

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré

XXXIII Congresso Médico da Paraíba. Dr. Marcus Sodré XXXIII Congresso Médico da Paraíba Dr. Marcus Sodré Chamamos sinusite aos processos inflamatórios e/ou infecciosos que acometem as cavidades paranasais. Referências anatômicas Nariz : septo, cornetos médios

Leia mais

Alergia Nasal em Crianças

Alergia Nasal em Crianças Alergia Nasal em Crianças Tania Sih Introdução A rinite é uma doença comum na infância e tem apresentado aumento em sua prevalência. Sinais de rinorréia, obstrução nasal, espirros e coceira afetam a qualidade

Leia mais

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DISCIPLINA MEDICINA II Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DOENÇA RESPIRATÓRIA ALÉRGICA DOCENTE que leccionou: Prof. Dr. Manuel Barbosa DISCENTE que realizou: Ana Isabel Gomes da Silva FISCALIZADOR:

Leia mais

ALERGIA RESPIRATÓRIA Rinossinusite e asma alérgicas

ALERGIA RESPIRATÓRIA Rinossinusite e asma alérgicas ALERGIA RESPIRATÓRIA Rinossinusite e asma alérgicas Eduardo Costa F. Silva Setor de Alergia e Imunologia HUPE/PPC Prof. Colaborador - DMI - UERJ alergiaimuno-uerj@hotmail.com UMA VIA AÉREA, UMA DOENÇA

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr TOSSE NA INFÂNCIA PRINCIPAL SINTOMA RESPIRATÓRIO SEGUNDA QUEIXA MAIS FREQUENTE

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

SINUSITE AGUDA FIGUEIREDO R. R. * DEFINIÇÃO E FISIOPATOLOGIA

SINUSITE AGUDA FIGUEIREDO R. R. * DEFINIÇÃO E FISIOPATOLOGIA SINUSITE AGUDA FIGUEIREDO R. R. * DEFINIÇÃO E FISIOPATOLOGIA Rinossinusite é definida como uma resposta inflamatória da mucosa que reveste as fossas nasais e cavidades paranasais. Devido à continuidade

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA

Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA Elaboração Ana Cristina de Carvalho Fernández Fonseca Corina Toscano Sad Márcia Rocha Parizzi Marisa Lages

Leia mais

OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA

OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA OTITES MÉDIAS AGUDAS Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA Considerações anatômicas: Considerações funcionais: Energia mecânica (SOM) estímulos

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP 2 Introdução Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho FUNÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO ventilação termorregulação metabolismo de substâncias endógenas proteção FUNÇÕES DO APARELHO

Leia mais

PARTICIPANTES. David Kennedy Filadélfi a, EUA. Jean Michel Klossek Poitiers, França. Marck Kowalski Lodz, Polônia

PARTICIPANTES. David Kennedy Filadélfi a, EUA. Jean Michel Klossek Poitiers, França. Marck Kowalski Lodz, Polônia GUIA DE BOLSO Consenso Europeu sobre Rinossinusite e Pólipos Nasais 2007 PARTICIPANTES Wytske Fokkens Presidente Departamento de Otorrinolaringologia Amsterdam Medical Center PO Box 22660 1100 DD Amsterdam

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

pressão nos ouvidos) são fortemente sugestivos de sinusite crônica, de acordo com a Academia Americana de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e

pressão nos ouvidos) são fortemente sugestivos de sinusite crônica, de acordo com a Academia Americana de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e 1. INTRODUÇÃO O termo rinossinusite é atualmente consensual, já que a rinite e a sinusite são, frequentemente, uma doença em continuidade. Assim, a rinite existe isoladamente, mas a sinusite sem a rinite

Leia mais

Conduta diagnóstica e terapêutica na sinusite da criança

Conduta diagnóstica e terapêutica na sinusite da criança 0021-7557/99/75-06/419 Jornal de Pediatria Copyright 1999 by Sociedade Brasileira de Pediatria Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº6, 1999 419 ARTIGO DE REVISÃO Conduta diagnóstica e terapêutica na sinusite

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOCABIOTAL fusafungina 5,0 mg/ml APRESENTAÇÕES: Aerossol contendo 5,0 mg/ml de fusafungina. Embalagem contendo gerador portátil dosificador de 10 ml de solução e dois inaladores

Leia mais

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista Asma Rinite montelucaste Margarete Arrais MD, Pneumologista Introdução A asma apresenta muitas vezes uma estreita relação com a rinite alérgica. Manifestação diferente de uma mesma entidade nosológica.

Leia mais

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO O tratamento das rinites é considerado um desafio, pois além do processo alérgico existe as causas não-alérgicas. A rinite tem uma morbidade significativa, custo financeiro

Leia mais

Rinossinusite Crônica em Pediatria A Criança Catarral

Rinossinusite Crônica em Pediatria A Criança Catarral Rinossinusite Crônica em Pediatria A Criança Catarral Glenis Scadding Quase todas as infecções das cavidades paranasais seguem uma rinite, exceto em casos de feridas penetrantes, mergulho em águas profundas

Leia mais

PROTOCOLO DA RINITE ALÉRGICA

PROTOCOLO DA RINITE ALÉRGICA PROTOCOLO DA RINITE ALÉRGICA RINITE ALÉRGICA Prefeito Municipal Marcio Araujo de Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto de Saúde Fabiano Pimenta Júnior

Leia mais

Sinusite em Pediatria

Sinusite em Pediatria Sinusite em Pediatria Scott C. Manning e Luíz Bellízia Neto Introdução Luiz Bellízia Neto Tem sido sugerido que a sinusite é uma complicação decorrente de 0.5 to 5% das infecções de vias aéreas superiores.

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Departamento de ORL, Voz e Perturbações da Comunicação

Departamento de ORL, Voz e Perturbações da Comunicação Departamento de ORL, Voz e Perturbações da Comunicação Doença inflamatória da mucosa nasal clinicamente caracterizada por 2 ou mais dos seguintes sintomas: Crises esternutatórias Rinorreia anterior e/ou

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO RESPONSÁVEL: DRA MARIA CRISTINA DE SOUZA NETO ALTERADA: 10/07/2013 SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO ROTINA: NUMERO 02 2013 TÍTULO: OTITE MÉDIA AGUDA FLUXOGRAMA IMPLANTAÇÃO: SETOR: EMERGÊNCIA EXTERNA HIJG VERSÃO: 02

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

nfecção das Vias Aéreas Superiores

nfecção das Vias Aéreas Superiores UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA FACULDADE DE MEDICINA INTERNATO EM PEDIATRIA nfecção das Vias Aéreas Superiores INTERNAS: CAROLINA PARANAGUÁ GABRIELA CAMPOS ORIENTADORA: DRA. CARMEM LÍVIA www.paulomargotto.com.br

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CLÍNICA DE CANINOS E FELINOS Prof. Roberto Baracat de Araújo AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CONSIDERAÇÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO: TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:

Leia mais

Guia de Bolso EPOS. Posição Europeia sobre Rinossinusite e Polipose Nasal 2007

Guia de Bolso EPOS. Posição Europeia sobre Rinossinusite e Polipose Nasal 2007 Guia de Bolso EPOS 3 Posição Europeia sobre Rinossinusite e Polipose Nasal 2007 PARTICIPANTES Wytske Fokkens Presidente Departamento de Otorrinolaringologia Amsterdam Medical Centre PO Box 22660 1100 DD

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 62 Departamentos Científicos SPSP - gestão 2010-2013 Outubro 2012 Departamento de Otorrinolaringologia Obstrução nasal na infância Departamento de Dermatologia Cuidados

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

Cuidados de armazenamento: Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15º e 30ºC). Proteger da luz.

Cuidados de armazenamento: Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15º e 30ºC). Proteger da luz. Alerfin dipropionato de beclometasona Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão nasal aquosa em frasco plástico âmbar com válvula dosimetrada e aplicador nasal, na apresentação de 120 doses. USO ADULTO

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento da Rinossinusite

Diagnóstico e Tratamento da Rinossinusite Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia Elaboração Final: 21 de Junho de 2001 Autoria: Sakano E, Weckx LLM, Sennes LU O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da Associação Médica Brasileira e Conselho

Leia mais

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo.

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Assim, além de boas sensações, podemos escapar de problemas sérios, como evitar a ingestão de um alimento estragado, ao sentir o cheiro e gosto

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 67 Departamentos Científicos SPSP - gestão 2013-2016 Dezembro 2013 Departamento de Otorrinolaringologia Rinossinusite bacteriana aguda em crianças Departamento de

Leia mais

NASONEX furoato de mometasona

NASONEX furoato de mometasona NASONEX furoato de mometasona FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES O spray nasal aquoso NASONEX é composto por um dispositivo spray com bomba manual, dosimetrada, que contém uma suspensão de furoato de mometasona

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA NA NCIA. Dulce Emilia Moreira

ANTIBIOTICOTERAPIA NA NCIA. Dulce Emilia Moreira INFÂ Dulce Emilia Moreira INFÂ O ANTIBIÓTICO TICO É REALMENTE INDICADO DIANTE DOS ACHADOS CLÍNICOS? INFÂ INFECÇÕES BACTERIANAS ÓBVIAS X INFECÇÕES BACTERIANAS PROVÁVEIS VEIS INFÂ Fatores que devem ser considerados

Leia mais

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Granulado. 3,5 mg/sachê

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Granulado. 3,5 mg/sachê BRONCHO VAXOM Takeda Pharma Ltda. Granulado 3,5 mg/sachê APRESENTAÇÕES Granulado de 3,5 mg/ sachê. Embalagem com 30 sachês. USO ORAL USO PEDIÁTRICO. COMPOSIÇÃO Cada sachê contém 3,5 mg de lisado bacteriano

Leia mais

neste grupo varia entre 13.3 a 48.6% 2

neste grupo varia entre 13.3 a 48.6% 2 Rev. Medicina Desportiva informa, 2012, 3 (2), pp. 17 21 Porque é o atleta é mais suscetível? O exemplo da rinite do nadador! Tema 3 Rinite do atleta: do diagnóstico ao tratamento em 6 questões! Dra. Diana

Leia mais

Rinossinusite Aguda e Crônica: Uma Perspectiva da Otorrinopediatria

Rinossinusite Aguda e Crônica: Uma Perspectiva da Otorrinopediatria Rinossinusite Aguda e Crônica: Uma Perspectiva da Otorrinopediatria Scott Manning e Luiz Bellízia Neto Introdução Luiz Bellízia Neto As infecções virais das vias aéreas superiores (IVAS) constituem uma

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

- Não específicos - Específicos - Associados a outra doença

- Não específicos - Específicos - Associados a outra doença FARINGITES E TONSILITES As doenças infecciosas e inflamatórias que envolvem a faringe, as tonsilas palatinas e adenóides são os problemas mais frequentes apresentados por adultos ou crianças que procuram

Leia mais

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades de pronto atendimento e impacta em bilhões de dólares gastos anualmente

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Plurair propionato de fluticasona

Plurair propionato de fluticasona Plurair propionato de fluticasona APRESENTAÇÕES Spray nasal contendo suspensão tópica com 50 mcg de propionato de fluticasona em cada dose liberada. Frasco spray nebulizador com 6 ml (equivalente a 60

Leia mais

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas: cartuchos com 20 e 120 cápsulas em blísteres e frasco de vidro com 20 cápsulas Gotas

Leia mais

ZYMAR XD GATIFLOXACINO 0.5%

ZYMAR XD GATIFLOXACINO 0.5% ZYMAR XD SOLUÇÃO OFTÁLMICA GATIFLOXACINO 0.5% 0 ZYMAR XD gatifloxacino 0,5% APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 3 ml ou 5 ml de solução oftálmica estéril de gatifloxacino

Leia mais

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Cápsula. 3,5 e 7,0 mg

BRONCHO VAXOM. Takeda Pharma Ltda. Cápsula. 3,5 e 7,0 mg BRONCHO VAXOM Takeda Pharma Ltda. Cápsula 3,5 e 7,0 mg APRESENTAÇÕES Pediátrico: Cápsulas de 3,5 mg. Embalagem com 10 unidades. Adulto: Cápsulas de 7 mg. Embalagens com 10 e 30 unidades. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

BUDECORT Aqua budesonida. Suspensão spray nasal de 32 mcg/dose em embalagens com um frasco contendo 120 doses.

BUDECORT Aqua budesonida. Suspensão spray nasal de 32 mcg/dose em embalagens com um frasco contendo 120 doses. BUDECORT Aqua budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BUDECORT Aqua budesonida APRESENTAÇÕES Suspensão spray nasal de 32 mcg/dose em embalagens com um frasco contendo 120 doses. Suspensão spray nasal

Leia mais

Doenças Respiratórias Há uma ameaça no ar

Doenças Respiratórias Há uma ameaça no ar Dossier Informativo Doenças Respiratórias Há uma ameaça no ar Com o apoio: Setembro 2006 Índice» Doenças Respiratórias - Panorama Nacional 3» Vírus da Gripe Influenza. 4» Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica

Leia mais

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Mesa Redonda Moderador: Jayme Murahovshi Participantes: Edigar R. de Almeida, Luiza H. Endo e Sílvio Luiz Zuquim Prof. Dr. Jayme Murahovschi (Pediatra)

Leia mais

Avamys GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Spray nasal 0,0275 MG/ DOSE

Avamys GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Spray nasal 0,0275 MG/ DOSE Avamys GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Spray nasal 0,0275 MG/ DOSE LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I) IDENTIFICAÇÃO DO furoato de fluticasona APRESENTAÇÃO Spray nasal com 120 doses.

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B. Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml

Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B. Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO. VIA OTOLÓGICA

Leia mais