REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI-CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA CLÍNICA INDUSTRIAL DÊNIS BAGATOLLI REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE ERECHIM 2008

2 2 DÊNIS BAGATOLLI REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE Monografia apresentada como requisito parcial para conclusão do curso de Graduação em Farmácia Clínica Industrial, na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Campus de Erechim sob orientação do Profª. Msc Arno Ernesto Hofmann Junior. ERECHIM 2008

3 3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus familiares, pois sempre me deram o apoio que eu precisava, e às pessoas que fizeram parte da minha vida em momentos de alegria e de tristeza, me estimulando a lutar por esta conquista.

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a meu orientador professor Msc Arno Ernesto Hofmann Junior pela colaboração na realização deste trabalho. A todos os professores que desde o início desta caminhada contribuíram para o aprimoramento do meu conhecimento e aprendizado nesta universidade. Aos colegas e amigos que sempre deram força para enfrentar as dificuldades encontradas. Aos meus familiares em geral, que sempre me ensinaram o valor da união e respeito com a família. Ao meu irmão que sempre estendeu sua mão para seguir ao meu lado nesta jornada acadêmica. Ao meu pai, minha mãe e avó que lutaram muito para me dar esta oportunidade, e foram os alicerces desta conquista e por isso são os grandes orgulhos de minha vida os amo muito. Agradeço a DEUS que sempre me iluminou para conquistar este objetivo em minha vida.

5 A felicidade às vezes é uma bênção, mas geralmente é uma conquista. Paulo Coelho 5

6 6 RESUMO Rinite é uma doença comum, tanto em crianças como em adultos. A rinite alérgica tem origem genética e se acompanha da inflamação nasal, ocorrendo de forma repetitiva e crônica, principalmente no inverno. A rinite alérgica é uma inflamação da membrana nasal e se caracteriza por: coriza, espirros, obstrução nasal e coceira no nariz. Às vezes fica muito difícil diferenciar uma rinite alérgica de uma não-alérgica, mas a principal diferença é a falta de resposta desta última a uma bateria de testes alérgicos cutâneos. Existem vários tipos de rinite. Alguns exemplos: Rinites alérgicas (ocasional ou sazonal), Rinites não-alérgicas (infecciosa (virótica ou bacteriana), medicamentosa, vasomotora, com fundo hormonal: gravidez, hipotireoidismo e por defeitos estruturais: desvio de septo, corpo estranho, tumor). Complicações: Respiração Bucal, Sinusite, Tosse Crônica etc. Tratamento: Controle do ambiente, medicamentos, imunoterapia. Medicamentos: Antialérgicos, antiinflamatórios. Tratar uma rinite não significa apenas dar alívio aos sintomas mas sim trabalhar para que a pessoa volte ao seu estado normal, corrigindo as conseqüências da doença. Por isso, o tratamento não enfoca apenas o uso de remédios, mas também o controle das causas e a imunoterapia (vacinas). Não estabeleça proibições descabidas. O alérgico bem orientado pode ter uma vida normal, sem grandes restrições, desde que orientado pelo médico especialista. Palavras-chave: Tipos de rinite. Tratamentos. Complicações. Medicamentos.

7 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO RINITE CONDUTA TERAPÊUTICA DA RINITE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 20

8 8 1 INTRODUÇÃO A rinite alérgica, ou rinopatia alérgica, constitui-se numa reação alérgica da mucosa nasal a determinados antígenos, principalmente inalatórios. Freqüentemente, estas manifestações alérgicas se estendem aos seios paranasais, sendo comum a coexistência de rinopatia e sinusopatia alérgicas, em graus variados, numa mesma pessoa. Afetam indistintamente ambos os sexos, e geralmente existe história de alergia (atopia) na família. A rinite é uma das enfermidades alérgicas mais freqüentes, acometendo cerca de 20% da população, entre adultos e crianças. É na verdade uma manifestação derivada da sensibilidade exagerada da mucosa nasal. Seus sintomas principais são espirros repetidos, coriza ( nariz escorrendo ), congestão (entupimento) e coceira do nariz, que pode ser intensa. A rinite alérgica é uma afecção extremamente comum na população infantil, motivando grande procura ao pediatra, otorrinolaringologista e alergista para seu tratamento. Tem-se verificado nos últimos anos, ao par das pesquisas relacionadas à fisiopatologia dos fenômenos imunomediados na mucosa nasal, um grande avanço na terapia medicamentosa para a rinite alérgica. Assim, atualmente já é disponível comercialmente quase uma centena de medicamentos para utilização no tratamento da rinite alérgica, como anti-histamínicos (de uso tópico ou sistêmico), descongestionantes (também para uso tópico ou sistêmico), vacinas com antígenos respiratórios e corticosteróides. Muitos desses medicamentos não necessitam da apresentação de receita médica para a sua aquisição, fato que favorece a auto-medicação, bastante comum em nosso meio. Além disso, é notório o hábito da população recorrer aos próprios balconistas das farmácias em busca de aconselhamento e tratamento para as afecções mais freqüentes. Essa prática é particularmente observada nos casos de doenças respiratórias, onde o balconista exerce o papel do médico, prescrevendo medicamentos, muitas vezes, sem o adequado conhecimento das indicações, contra-indicações, posologia, efeitos adversos e possíveis interações das drogas.

9 9 Para se compreender melhor a rinite, é preciso entender a função do nariz e suas relações com as vias respiratórias superiores. A alergia nasal depende da sensibilidade individual da pessoa face aos alérgenos, como por exemplo alguns inalantes, como a poeira doméstica e seus ácaros. Cada pessoa é uma pessoa diferente e é preciso investigar o que poderia estar causando os sintomas, seja na casa em que mora, na escola ou no trabalho. Para identificar a rinite, o primeiro passo é procurar um médico especialista que ira lhe orientar. O exame do nariz chamado de rinoscopia e a avaliação das vias aéreas superiores evidenciará alterações características da rinite alérgica: a mucosa do nariz encontra-se congestionada, umedecida, pálida, mostrando congestão das narinas. O exame dos ouvidos, boca, olhos e pulmões complementará o diagnóstico. Em alguns casos poderão ser necessários exames complementares, como a radiografia dos seios da face. Às vezes fica muito difícil diferenciar uma rinite alérgica de uma rinite não-alérgica, mas a principal diferença é a falta de resposta da rinite não-alérgica a uma bateria de testes alérgicos cutâneos. A rinite alérgica sazonal é comum em nosso meio, sendo devida a grãos de polens e esporos de fungos que são trazidos pelo ar. Existe mais no sul do país, pelos campos de flores, plantações que temos por estes estados do sul do Brasil. Na rinite alérgica perene os sintomas persistem por todo o ano. As principais causas são os ácaros da poeira, os animais de estimação de sangue quente (gato, cachorro), algumas pragas urbanas (ratos, camundongos, baratas) e fungos. Rinites nãoalérgicas: A rinite vasomotora é muito comum se mostra como uma congestão nasal constante, secreção nasal e retro-nasal (aquela secreção que desce até a garganta). Não há coceira nos olhos. Ela piora pela manhã e é agravada pela fumaça de cigarro, cheiros fortes, perfumes e mudanças rápidas de temperatura. É comum vir junto à rinite alérgica. A rinite medicamentosa pode resultar do uso continuado de "gotas nasais" ou de remédios tomados por via oral. As gotas nasais podem inclusive levar a epistaxe (sangramento pelo nariz), congestão de rebote (é aquela que piora quando não se pingam as gotas, o que leva ao "vício") e, raramente, a uma perfuração do septo nasal. Rinite infecciosa são causadas por germes, bactérias ou vírus. O exemplo mais comum é o das gripes e resfriados, vem geralmente com secreção purulenta e às vezes com febre e cansaço. Rinite hormonal, ocorre em resposta a hormônios como por exemplo na gravidez, ou com o uso de pílulas anticoncepcionais. Rinite por defeitos estruturais: desvio de septo, corpo estranho, tumor.

10 10 2 OBJETIVO O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão bibliográfica sobre rinite, informando o que é rinite, o uso de medicamentos adequados, tipos e tratamentos de rinopatias da doença.

11 11 3 METODOLOGIA Os dados estabelecidos nesta pesquisa bibliográfica sobre rinite foi fundamentado nos livros, artigos, revistas, dados disponíveis na internet, e materiais acadêmicos (biblioteca da URI-CAMPUS DE ERECHIM, amigos farmacêuticos, site do google acadêmico, scielo entre outros), tudo mantendo um conhecimento prévio do assunto abordado.

12 12 4 REFERENCIAL TEÓRICO 4.1 RINITE A farmacologia respiratória aborda a ação de drogas em varias células do pulmão e vias aéreas, buscando melhor entendimento no seu mecanismo de ação, ocorrendo a busca de fármacos mais qualitativos para minimizar efeitos adversos e torná-los eficazes (SILVA, P., 1998). Sinusite è a complicação mais comum da rinite alérgica. Os seios da face estão situados em cavidades ósseas vizinhas ao nariz e por isso, a alteração persistente da mucosa nasal termina também por provocar a mucosa que reveste o seio da face, è também chamada de rinossinusite. Os sintomas principais da sinusite são: dor de cabeça (mais freqüente em adultos), obstrução nasal persistente, secreção catarral do nariz, febre ou mal estar. No entanto, em alguns casos pode se manifestar apenas como uma tosse persistente com piora noturna, principalmente nas crianças. Tosse Crônica: A tosse crônica pode ser provocada pela rinite persistente, mesmo na ausência da sinusite. Surge porque a secreção nasal acumulada tende a escorrer pela região posterior do nariz em direção à faringe, provocando um verdadeiro gotejamento e levando a tosse de duração prolongada, que geralmente piora à noite. Respiração Bucal: Chama-se de respiração bucal, quando a pessoa respira com a boca aberta (ou semi-aberta) para compensar a congestão do nariz. Se isso ocorrer por curto tempo não deixa seqüelas. Entretanto se o hábito persiste, termina por provocar pigarro e ressecamento, amidalites ou faringites, diminuição do apetite, sono agitado, roncos e respiração ruidosa noturna, alterações dentárias, piora das crises de asma e até deformidades no tórax. Respirar com a boca aberta faz com que a pessoa durma mal durante a noite, impede o repouso adequado e prejudica o rendimento no trabalho e na escola.

13 13 A alergia é uma disfunção do sistema imunológico, que normalmente deve reconhecer e eliminar agentes agressores ou aqueles que o organismo considera agressores. Quando um problema torna o sistema ineficiente temos a imunodeficiência. Havendo uma hiperreatividade, temos a alergia (DRUCE, HM., 1994) A rinite alérgica é um problema comum e frequente, nas crises ocorre importante congestão nasal com obstrução, espirros, coriza, prurido nasal, irritação, mal estar entre outras, o exame das cavidades nasais revela mucosa pálida, recoberta de secreção aquosa, o diagnostico é feita por anamnese detalhada, exames pode ser úteis (LIMA, D.R., 2004). A rinite vasomotora é muito confundida com a rinite alérgica, pacientes informam que no frio, ao sair da cama ou ao ingerir alimentos quentes, apresentam crises de espirros e hidrorréia (LIMA, D.R., 2004). O primeiro aspecto é procurar determinar se realmente o problema é alérgico ou não. Os sintomas da rinite alérgica (coceira, espirros, nariz entupido e secreção nasal) são muito semelhantes aos sintomas das rinites não-alérgicas, como a induzida por troca de temperatura. O mais apropriado é falarmos em controle da rinite alérgica. Para isso, é necessário avaliação e orientação médica. De acordo com cada caso, poderá ser indicado controle ambiental medicamentos, cirurgia e/ou imunoterapia. Os médicos que costumam fazer a avaliação mais específica desse problema são os otorrinolaringologistas e os alergistas (ROITHMANN, R., 2008). A histamina é encontrada em células diferentes dos mastócitos ou basófilos em vários tecidos do corpo humano, uma vez liberada a histamina determina seus efeitos farmacológicos típicos através da interação com receptores específicos denominados H¹, H² e H³. Os receptores H¹, são aqueles responsáveis pelas ações vasculares e são bloqueados pelos antihistamínicos clássicos (antialérgicos) (SILVA, P., 2002). Os mastócitos têm importância fundamental na defesa do nosso organismo. Eles estão estrategicamente localizados nas vizinhanças de vasos sangüíneos do tecido conjuntivo, onde combatem antígenos que porventura penetrem na circulação através de líquido tecidual ou de descontinuidades epiteliais. Os mastócitos funcionam como "sentinelas", uma vez que possuem alta sensibilidade, com IgE específicos de antígenos que já apareceram no corpo. Quando estes antígenos reaparecem, e são percebidos através de seu IgE específico, provocam a liberação de mediadores químicos situados em vesículas dentro dos mastócitos. Esta é a base da reação inflamatória (JUNQUEIRA, L. C., 1995).

14 14 Os basófilos são granulócitos encontrados no sangue em pequena quantidade, variando entre 0 a 1% dos leucócitos. Esta célula é grande, com núcleo volumoso, geralmente em forma de S e possui grânulos grandes no citoplasma. Os basófilos tem função semelhante ao dos mastócitos. Possui aos mesmos mediadores nos seus lisossomas, e possui também receptores de IgE. Participa de reações alérgicas da mesma forma que os mastócitos. A diferença básica entre oa basófilos e os mastócitos está no fato de os basófilos serem encontrados no sangue (não típico do tecido conjuntivo) e da estrutura morfológica (JUNQUEIRA, L. C., 1995). Quando se descobriu que a histamina era importante mediador químico das reações alérgicas, a procura de substancias que agissem como antagonistas específicos da histamina despertou grande interesse, desde então, numerosos anti-histamínicos foram comercializados e destinados principalmente ao tratamento da rinite e de outras manifestações alérgicas (SILVA, P., 2002). Os espirros e a rinorréia também são sintomas da rinite, requerendo tratamento com anti-histamínicos, entre as complicações da rinite destacam-se: sinusite, distúrbios do sono, otite media, asma brônquica entre outras. O nariz é responsável pelo condicionamento de ar respirado, envolvendo aquecimento, umidificação e filtração (SILVA, P., 1998). As patologias ocasionadas pelo nariz e seios paranasais são freqüentes e fazem parte do cotidiano nos consultórios médicos. A essas patologias, muitas vezes, não é dada a devida importância. Estima-se que de americanos apresentam rinopatias e que aproximadamente metade desses são portadores de rinite alérgica (ROCHA, et al., 1998). A cavidade nasal com processos inflamatórios e infecciosos é denominado de rinopatia. Existem vários tipos como rinopatia virótica, bacteriana, alérgica, não alérgica, vasomotora, granulomatosa entre outras. Rinopatia alérgica é disfunção da mucosa nasal causada pela interação de alérgenos com anticorpos IgE. A exposição constante aos alérgenos, bem como a presença de pessoas alérgicas na família, são fatores que proporcionam o aparecimento das doenças alérgicas (FONSECA, J. G. M. et al., 1998).

15 CONDUTA TERAPÊUTICA DA RINITE A terapêutica da rinite alérgica divide-se em: Corticóides inalatórios ou tópicos - o uso desta classe terapêutica tem por objetivo diminuir a reação inflamatória da reação alérgica, sendo muito eficaz. Os corticóides normalizam a permeabilidade vascular, estabilizam as membranas dos mastócitos, diminuem o edema, enfim, proporcionam regressão de todos os sinais inflamatórios e alérgicos e, conseqüentemente, da sintomatologia. Dentre os corticóides, vale citar o spray de dipropionato de beclometasona, cuja ação local é bastante satisfatória (BURCKHALTER, J. H, 1998). Anti-histamínicos - é o tratamento de primeira linha para o tratamento e controle da rinite alérgica. Esses medicamentos bloqueiam a ligação de histamina ao receptor- H1, bloqueando, então, a maior parte dos sintomas associados a essa doença. Cromoglicato de sódio - utilizado no tratamento da asma brônquica, esta substância teria um efeito similar ao do corticóide nas rinites alérgicas. Utilizado por via tópica, apresenta resultados variáveis segundo a opinião de diversos especialistas. Vasoconstritores locais - estes medicamentos podem ser absorvidos para a circulação sistêmica e provocar taquicardia e aumento da pressão arterial (secundário à vasoconstrição de outros vasos sangüíneos). No tratamento da rinite, das infecções agudas, rinites crônicas, o alívio da obstrução nasal requer o uso de descongestionante de efeito alfa-adrenérgico, associados a antihistamínico, estes medicamentos estão a venda nas farmácias, sendo que não são exigidas prescrições medicas. É de responsabilidade do medico e farmacêutico orientar o paciente (SILVA, P., 1998). A pseudoefedrina é um vasoconstritor sistêmico e é comercializado em formulações associada com anti-histaminico, na tentativa de compensar a relativa ineficácia destes no controle de obstrução nasal. Os anti-histamínicos são mais eficazes no controle de manifestações alérgicas leves de inicio recente e prevenção das mesmas. A pseudoefedrina deve ser utilizada apenas em estados agudos e não por um período maior que 3 a 5 dias. Deve ser administrada com cautela em pacientes com hipertensão cardiovascular, assim como em pessoas com hipertirioidismo (KOROLKOVAS, A., 2004).

16 16 A pseudoefedrina é utilizada para aliviar a congestão nasal em casos clínicos como: resfriados comuns, rinite alérgica, coriza e sinusite. Também atua causando descongestão nasal e vasoconstrição (KOROLKOVAS, A., 2004). A pseudoefedrina assim como a efedrina tem como efeitos adversos mais comuns: taquicardia, ansiedade, angústia, insônia, podendo ocorrer ocasionalmente erupções cutâneas e retenção urinaria, também já foram raramente relatados casos de alucinações principalmente em crianças (PIGNATARI, SSN., 1994). Alem disso, foram relatados outros efeitos adversos como boca seca, anorexia, tensão, e palpitação. Ainda pode, levar á tremores, nervosismo, irritabilidade, cefaléia, tonturas, excitabilidade, distúrbios psicológicos, a psicoses prolongadas e convulsões (BURCKHALTER, J. H, 1998). O uso do Cloridrato de Oximetazolina, em curto prazo (não mais que 7 dias) reduz os sintomas do congestionamento nasal associados com a rinite quando administrados em gotas nasais descongestionantes ou em pulverizadores. Esses medicamentos exercem seu efeito vasoconstritor nas vias sangüíneas da mucosa reduzindo por sua vez o edema da mucosa nasal (GILMAN, A. G., 1996). O uso do oximetazolina é de valor limitado porque um dos efeitos adversos é uma ação congestionante que ocorre com a retirada do medicamento, devido a uma vasodilatação secundaria com aumento subseqüente no congestionamento nasal. Isto por sua vez leva ao ciclo vicioso dos eventos. O uso do medicamento por um período de 3 a 5 dias contínuos pode induzir a congestão de rebote (mucosa nasal mais congestionada) levando a renite medicamentosa (GILMAN, A. G., 1996). Dipropionato de Beclometasona (Beclosol spray nasal aquoso) é um corticóide tópico sem efeito sistêmico, após administração o fármaco produz potentes efeitos antiinflamatórios e vasoconstritores, está indicado para profilaxia e tratamento da rinite alérgica perene e sazonal, inclusive febre do feno e rinite vasomotora. A febre de feno é um exemplo de alergia sazonal. A febre de feno da primavera na maioria das vezes decorre do pólen da grama e das árvores, ao passo que a febre de feno no final do verão e início de outono é geralmente causada pela sensibilidade ao pólen e mofo (DEF, 2008). Dipropionato de Beclometasona (Clenil spray nasal) é um derivado da cortisona para uso tópico que apresenta eficiente atividade antiinflamatória e antialérgica, quando utilizado por via tópica. Demonstrou-se ativo na prevenção e controle da rinite alérgica. O

17 17 produto não ocasiona efeitos indesejáveis, o efeito do Clenil nasal, diferentemente daquele dos vasoconstritores nasais, não é imediato, para efeito terapêutico eficaz, utilização contínua (LIMA, D.R., 2004). Desloratadina (Desalex ) é um anti-histamínico indicado para os sintomas de rinite alérgica como coriza, espirros e prurido nasal, ardor, e prurido ocular. Nos pacientes asmáticos também reduz os sintomas da doença. As reações adversas mais freqüentes são: fadiga, cefaléia, boca seca, tontura, sonolência, e podem ocorrer erupções cutâneas (KOROLKOVAS, A., 2004). Cloridrato de Azelastina (Azelast ) contém um novo agente terapêutico, a azelastina, com propriedade antialérgica de longa duração. A azelastina é um anti-histamínico com pronunciada e seletiva atividade bloqueadora dos receptores histamínicos H¹, inibindo a liberação de mediadores inflamatórios do mastócitos. A utilização tópica de azelastina é útil no tratamento da rinite alérgica, devido à possibilidade de aplicação local e obtenção de rápido efeito terapêutico. Em solução nasal é indicado para o tratamento dos sintomas de rinite alérgica perene ou sazonal (LIMA, D.R., 2004). Loratadina (Claritin ) tem ação brônquio dilatadora suave, e é indicado para sintomas associados de rinite alérgica, tais como: coceira nasal, coriza, espirros, ardor, e coceira nos olhos. Também é adjuvante no tratamento da asma. Seu inicio de ação é de 30 minutos até 4 horas. Sua duração é de 12 a 24 horas. Seus efeitos adversos geralmente não causam secura na boca ou sonolência. Os efeitos mais comuns são: dor de cabeça cansaço, perturbação estomacal, nervosismo e erupções da pele (DEF, 2008). O termo anti-histamínico refere-se aos antagonistas H¹ da histamina, que afetam vários mecanismos inflamatórios e alérgicos. Podem ser utilizados para reações alérgicas, incluindo rinite alérgica, hipersensibilidade a drogas, usados como antieméticos, para sedação. São há maioria utilizados por via oral, bem absorvidos, efeito máximo em 1-2 horas e são eficazes (RANG, H. P.; DALE.; RITTER, 2001). Os agentes anti-histamínicos são usados no controle de certas afecções de fundo alérgico, mas apenas como paliativos. Embora usados como descongestionantes nasais e em rinite, na rinite os anti-histamínicos têm beneficio, não impedem nem curam o resfriado comum (KOROLKOVAS, A.; BURCKHALTER, J. H., 1998). Os anti-histamínicos são encontrados no mercado farmacêutico em associação com a pseudoefedrina como é o caso do Allegra-D (cloridrato de fexofenadina) e Claritin-D (loratadina). Entretanto, a desloratadina não tem nenhuma forma farmacêutica associada com

18 18 pseudoefedrina no Brasil. Já foram realizados estudos verificando a eficácia e segurança dessa formulação em outros países mostrando que essa associação levou a uma redução significativa dos sintomas da doença em comparação com o uso dos componentes separados (CHERVINSKY, P., et al, 2005). Existem diversas classes de anti-histamínicos e os representantes destas classes são equivalentes terapeuticamente, entretanto, os pacientes tem respostas individuais ao tratamento com os mesmos. Assim quando um anti-histaminico precisa ser substituído por ineficácia ou intolerância deve-se escolher representantes de outras classes químicas (FUNCHS, et al, 2004). Os anti-histamínicos bloqueadores dos receptores H¹, clássicos são, em geral, bem absorvidos por vias oral e parenteral. A maioria dos anti-histamínicos adapta-se perfeitamente ao receptor H¹, impedindo que a histamina chegue até ele. Os bloqueadores dos receptores H¹, inibem várias atividades da histamina, em geral os anti-histamínicos apresentam maior sucesso no controle de reações alérgicas agudas que no de reações crônicas (SILVA, P., 2002). Os corticóides estão indicados em varias manifestações alérgicas, quando usados topicamente exercem ação antiinflamatória e antimitótica (SILVA, P., 2002). Os descongestionantes são drogas que promovem a vasoconstrição da mucosa por serem simpaticomiméticas de ação predominantemente em receptores alfa, restabelecendo a perviedade nasal, podem ser empregados por via oral ou tópica, são metabolizados no fígado e excretado na urina, seu efeito alivia os sintomas da congestão nasal alérgica e não alérgica. De modo geral os efeitos colaterais dessa classe de drogas, por via oral, incluem tremor, insônia, psicose entre outros, por via tópica nasal, são ardência e ressecamento da mucosa nasal, espirros, entre outros (SILVA, P., 2002).

19 19 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A rinite alérgica é um problema de saúde global. As medidas terapêuticas incluem a evicção da exposição aos alérgenios, e terapêutica farmacológica com anti-histamínicos, descongestionantes tópicos e sistêmicos e imunoterapia. A adesão do doente à terapêutica é crucial para o sucesso do tratamento. O tratamento deve combinar a evicção alérgenica, terapêutica farmacológica, pois são de suma importância para um tratamento. Evitar presença de alérgenicos é o melhor método para prevenir a rinite alérgica, evitar exposição aos pólens, aos ácaros, animais, bolores entre outros.

20 20 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BURCKHALTER, J. H.; KOROLKOVAS, A. Química Farmacêutica. Rio de Janeiro: Ed Guanabara Koogan S.A., CHERVINSKY, P., NAYAK, A., ROOKLIN, A., MELVYN, D. Efficacy and safety of desloratadine/pseudoephedrine 2.5/120 mg two times a dat, versus individual components in the treatment of patients with seasonal allergic rhinitis. Allergy and Asthma Proceedings. V. 26, n. 5, p set-oct, DALE. M. M.; RANG, H. P.; RITTER, J. M. Farmacologia, Rio de Janeiro, 4ª Ed Guanabara Koogan S.A, DEF - Dicionário de Especialidades Farmacêuticas 2007/2008. DRUCE HM. Allergic and nonallergics rhinits. Allergy V.49: pp1-34, FUCHS, F. D., WANNMACHER, L., FERREIRA, M. B. Farmacologia Clínica: Fundamentos da Terapêutica Racional. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., GILMAN G. A.; HARDMAN G. J.; LIMBIRD E. L. As Bases Farmacológicas da Terapêutica, 10ª Ed.; Rio de Janeiro: MccGraW-Hill Interamericana Editores, S.ª de C. V., GILMAN, A. G.; As Bases farmacológicas da terapêutica. 9.ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, JUNQUEIRA, L. C., CARNEIRO, S. Histologia Básica. Guanabara, 8 ed.: São Paulo, KOROLKOVAS, Andrejus. Dicionário Terapêutico Guanabara. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan S.A., LIMA, D.R. Manual de farmacologia clínica, terapeutica e toxicologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

21 21 PIGNATARI SSN,WECKXLLM. Rinites. Manual de otorrinolaringologia Sociedade Brasileira de Pediatria, pp72-78, Rio de Janeiro,1994. PRISTA, L. N. et al. Tecnologia Farmacêutica, 5ª Ed, Lisboa (Portugal): Fundação Calouste Gulbenkian, RENATO ROITHMANN; Otorrinolaringologista; Rinite alérgica, ZERO HORA; edª. N 15517, 21 de fevereiro de SILVA, P.; Farmacologia, Rio de Janeiro, 5ª Ed Guanabara Koogan S.A., SILVA, A. O. et al. Terapêutica Clinica. Rio de Janeiro: Ed Guanabara Koogan S.A., SILVA, L. V. E. R.; MELLO, J. F.; MION, O. Avaliação das informações sobre rinite alérgica em sites brasileiros na rede mundial de computadores (Internet). Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. V.71, nº.5, São Paulo, SILVA, P.; Farmacologia, Rio de Janeiro, 6ª Ed Guanabara Koogan S.A., 2002.

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006)

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Sachs APE, Berger MY, Lucassen PLBJ, Van der Wal J, Van Balen JAM, Verduijn MM. traduzido do original em holandês

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal FOLHETO INFORMATIVO RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl Descongestionante nasal Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento

Leia mais

Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%)

Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%) Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%) Otrivina cloridrato de xilometazolina Gel nasal a 1 (0,1%) Bisnaga contendo 10 gramas GEL USO ADULTO E CRIANÇAS ACIMA DE 12 ANOS Composição Cada 100 g do gel contém 0,1 g

Leia mais

n OTRIVINA cloridrato de xilometazolina

n OTRIVINA cloridrato de xilometazolina OTRIVINA cloridrato de xilometazolina Formas farmacêuticas e apresentações Gotas nasais (solução nasal) a 0,5 (0,05%) ou 1 (0,1%). Frasco plástico gotejador contendo 15 ml. Gel nasal a 1 (0,1%). Bisnaga

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

Piemonte (montelucaste de sódio) Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimidos mastigáveis 4 mg e 5 mg

Piemonte (montelucaste de sódio) Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimidos mastigáveis 4 mg e 5 mg Piemonte (montelucaste de sódio) Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimidos mastigáveis 4 mg e 5 mg Piemonte montelucaste de sódio Oral Comprimido mastigável 4 mg - USO PEDIÁTRICO DE 2 A 5 ANOS DE IDADE.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada, favor proceder a sua leitura antes de utilizar o produto.

Esta bula é continuamente atualizada, favor proceder a sua leitura antes de utilizar o produto. Esta bula é continuamente atualizada, favor proceder a sua leitura antes de utilizar o produto. ALLEGRA D cloridrato de fexofenadina cloridrato de pseudoefedrina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Otrivina Novartis Biociências S.A. gel nasal 1 mg/g de cloridrato de xilometazolina

Otrivina Novartis Biociências S.A. gel nasal 1 mg/g de cloridrato de xilometazolina Otrivina Novartis Biociências S.A. gel nasal 1 mg/g de cloridrato de xilometazolina Otrivina cloridrato de xilometazolina Gel nasal a 1 (0,1%) Bisnaga contendo 10 gramas USO TÓPICO - VIA NASAL GEL USO

Leia mais

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg loratadina Merck S/A revestidos 10 mg loratadina Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÕES revestidos de 10 mg em embalagem com 12 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE

Leia mais

MONTELUCASTE DE SÓDIO. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg

MONTELUCASTE DE SÓDIO. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg MONTELUCASTE DE SÓDIO Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 montelucaste de sódio Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO.

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona APRESENTAÇÃO Suspensão aquosa microfina em aerossol,

Leia mais

n PRIVINA nitrato de nafazolina

n PRIVINA nitrato de nafazolina PRIVINA nitrato de nafazolina Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Solução nasal a 1:1000 (1 ). Frasco plástico gotejador com 15 ml. USO ADULTO (ACIMA DE 12 ANOS) Composição Cada ml

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOCABIOTAL fusafungina 5,0 mg/ml APRESENTAÇÕES: Aerossol contendo 5,0 mg/ml de fusafungina. Embalagem contendo gerador portátil dosificador de 10 ml de solução e dois inaladores

Leia mais

Allexofedrin D EMS S/A. Comprimido revestido. 60 mg + 120 mg

Allexofedrin D EMS S/A. Comprimido revestido. 60 mg + 120 mg Allexofedrin D EMS S/A Comprimido revestido 60 mg + 120 mg Esta bula é continuamente atualizada, favor proceder a sua leitura antes de utilizar o produto. Allexofedrin D cloridrato de fexofenadina cloridrato

Leia mais

Bula para paciente. Dymista Spray Nasal. cloridrato de azelastina e propionato de fluticasona

Bula para paciente. Dymista Spray Nasal. cloridrato de azelastina e propionato de fluticasona Bula para paciente Dymista Spray Nasal cloridrato de azelastina e propionato de fluticasona APRESENTAÇÕES Suspensão spray inalatória por via nasal em vidro âmbar com 6,4 g Suspensão spray inalatória por

Leia mais

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas: cartuchos com 20 e 120 cápsulas em blísteres e frasco de vidro com 20 cápsulas Gotas

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Elixir cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Elixir Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Uso oral Forma

Leia mais

Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona

Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona Modelo de Texto de Bula Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona suspensão tópica FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Beclosol spray nasal aquoso é uma suspensão aquosa microfina em aerosol,

Leia mais

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Gelcaps cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Gelcaps Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Uso oral

Leia mais

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg

LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg LORITIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido 10mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Loritil loratadina

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

Cuidados de armazenamento: Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15º e 30ºC). Proteger da luz.

Cuidados de armazenamento: Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15º e 30ºC). Proteger da luz. Alerfin dipropionato de beclometasona Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão nasal aquosa em frasco plástico âmbar com válvula dosimetrada e aplicador nasal, na apresentação de 120 doses. USO ADULTO

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DISCIPLINA MEDICINA II Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DOENÇA RESPIRATÓRIA ALÉRGICA DOCENTE que leccionou: Prof. Dr. Manuel Barbosa DISCENTE que realizou: Ana Isabel Gomes da Silva FISCALIZADOR:

Leia mais

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO O tratamento das rinites é considerado um desafio, pois além do processo alérgico existe as causas não-alérgicas. A rinite tem uma morbidade significativa, custo financeiro

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Viabom 50 mg comprimidos Dimenidrinato APROVADO EM Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Actifedrin cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Formas farmacêuticas e apresentações Xarope embalagem contendo 100 ml Comprimidos embalagem contendo 20 comprimidos USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Gotas (solução oral): frasco de vidro âmbar, com conta-gotas, contendo 20 ml. Cada 1 ml (20 gotas) contém 5,0 mg de dicloridrato de levocetirizina.

Gotas (solução oral): frasco de vidro âmbar, com conta-gotas, contendo 20 ml. Cada 1 ml (20 gotas) contém 5,0 mg de dicloridrato de levocetirizina. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Zyxem dicloridrato de levocetirizina APRESENTAÇÕES Gotas (solução oral): frasco de vidro âmbar, com conta-gotas, contendo 20 ml. Cada 1 ml (20 gotas) contém 5,0 mg de dicloridrato

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

INTAL NASAL 4% cromoglicato dissódico

INTAL NASAL 4% cromoglicato dissódico MODELO DE BULA INTAL NASAL 4% cromoglicato dissódico SANOFI-AVENTIS Forma farmacêutica e apresentação Solução nasal. Frasco plástico dotado de aplicador nasal, contendo 13 ml ou 15 ml de solução. Cada

Leia mais

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína MODELO DE TEXTO DE BULA PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína TRATAMENTO LOCAL DAS HEMORRÓIDAS Formas farmacêuticas, via de administração e apresentações: Supositórios. Embalagens com 5 ou 10 supositórios.

Leia mais

RESFENOL. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina

RESFENOL. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina APRESENTAÇÃO

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA Comprimidos revestidos de liberação programada em blíster de 12 Xarope em frasco de 120 ml, acompanhado de copo-medida de 10 ml Solução

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência

paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em geral Febre Congestão nasal APRESENTAÇÕES NALDECON DIA é apresentado

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. POLARAMINE Creme maleato de dexclorfeniramina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Creme é indicado para uso na pele. POLARAMINE Creme apresenta-se em bisnagas de 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Flixonase spray nasal aquoso propionato de fluticasona APRESENTAÇÃO Flixonase spray nasal aquoso é apresentado

Leia mais

Comprimidos revestidos: embalagem com 10 comprimidos revestidos de 5 mg. Cada comprimido contém 5 mg de dicloridrato de levocetirizina.

Comprimidos revestidos: embalagem com 10 comprimidos revestidos de 5 mg. Cada comprimido contém 5 mg de dicloridrato de levocetirizina. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Zyxem dicloridrato de levocetirizina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos: embalagem com 10 comprimidos revestidos de 5 mg. Cada comprimido contém 5 mg de dicloridrato de levocetirizina.

Leia mais

Suspensão para nebulização. Cada ml contem 400 mcg beclometasona e 800 mcg de salbutamol. Embalagem com 10 flaconetes contendo 2 ml cada.

Suspensão para nebulização. Cada ml contem 400 mcg beclometasona e 800 mcg de salbutamol. Embalagem com 10 flaconetes contendo 2 ml cada. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Clenil Compositum A dipropionato de beclometasona salbutamol APRESENTAÇÕES Suspensão para nebulização. Cada ml contem 400 mcg beclometasona e 800 mcg de salbutamol. Embalagem

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida)

OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) OCUPRESS (cloridrato de dorzolamida) União Química Farmacêutica Nacional S.A Solução Oftálmica 20 mg/ml Ocupress cloridrato de dorzolamida Solução Oftálmica Estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento -Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. -Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -Este

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN MECLIN cloridrato de meclizina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimido APRESENTAÇÕES Comprimidos de 25 mg em embalagem com 15 comprimidos. Comprimidos de 50 mg em embalagem com 15 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

Sumário. Data: 02/04/2013

Sumário. Data: 02/04/2013 NT 62/2014 Processo: 0512.14.001377-6 Solicitante: Dra. Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial Comarca de Pirapora Data: 02/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B. Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml

Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B. Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO. VIA OTOLÓGICA

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

DRAMIN BULA DO PACIENTE

DRAMIN BULA DO PACIENTE DRAMIN BULA DO PACIENTE Takeda Pharma Ltda. Cápsula gelatinosa mole 50 mg/cápsula (dimenidrinato) BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa mole de 50 mg. Embalagem com 4, 10 ou 100

Leia mais

Nome comercial: Dimetapp Gelcaps Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina

Nome comercial: Dimetapp Gelcaps Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Gelcaps cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Gelcaps Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Usa oral

Leia mais

MultiGrip. Multilab Ind. e Com.de Produtos Farmacêuticos Ltda Cápsula

MultiGrip. Multilab Ind. e Com.de Produtos Farmacêuticos Ltda Cápsula MultiGrip Multilab Ind. e Com.de Produtos Farmacêuticos Ltda Cápsula 400 mg de paracetamol + 4 mg de maleato de clorfeniramina + 4 mg de cloridrato de fenilefrina MultiGrip paracetamol maleato de clorfeniramina

Leia mais

Dimetapp Elixir cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina. Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina

Dimetapp Elixir cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina. Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Elixir cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Elixir Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Uso oral Forma

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO CROMABAK 20 mg/ml, colírio, solução 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Para 100 ml de solução: Cromoglicato de sódio...2,00 g Lista

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina APRESENTAÇÕES Microcomprimidos COBAVITAL (1 mg cobamamida + 4 mg cloridrato de ciproeptadina):

Leia mais

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg NAXOGIN COMPRIMIDOS 500 mg Naxogin nimorazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Naxogin Nome genérico: nimorazol APRESENTAÇÕES Naxogin comprimidos de 500 mg em embalagens contendo 8 comprimidos.

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Solução Oral: Cada 5 ml de solução oral contém: paracetamol...200,00 mg maleato de

Solução Oral: Cada 5 ml de solução oral contém: paracetamol...200,00 mg maleato de Resfedryl paracetamol / clorfenamina fenilefrina Formas Farmacêuticas e Apresentações: Cápsula: Embalagem com 20, 100 e 200 cápsulas. Granulado para solução oral: Envelope contendo 5 g. Solução Oral: Frasco

Leia mais

O que é a asma? A asma é uma doença crónica do pulmão que, embora não tenha cura, pode ser controlada.

O que é a asma? A asma é uma doença crónica do pulmão que, embora não tenha cura, pode ser controlada. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Lukair 10 mg comprimido revestido por película Montelucaste Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

MARAX. Comprimidos. 10 mg + 25 mg + 130 mg

MARAX. Comprimidos. 10 mg + 25 mg + 130 mg MARAX Comprimidos 10 mg + 25 mg + 130 mg Marax dicloridrato de hidroxizina, sulfato de efedrina, teofilina anidra I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome: Marax Nome genérico: dicloridrato de hidroxizina,

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

Zina. (dicloridrato de levocetirizina)

Zina. (dicloridrato de levocetirizina) Zina (dicloridrato de levocetirizina) Bula para paciente Comprimido revestido 5 mg Zina (dicloridrato de levocetirizina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Comprimido revestido

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml. SALSEP 0,9% cloreto de sódio 9 mg/ml USO NASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO SOLUÇÃO NASAL FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml.

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. Hixizine cloridrato de hidroxizina Uso adulto e pediátrico Uso oral APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. COMPOSIÇÃO

Leia mais

Fluimare HT cloreto de sódio 3%

Fluimare HT cloreto de sódio 3% Fluimare HT cloreto de sódio 3% Forma farmacêutica e apresentações Solução nasal estéril, hipertônica de cloreto de sódio. Frascos de 50 ml com válvula pump (micronebulizador). USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda, Antônio Carlos Cedin,, Luiz Vicente Ferreira da Silva Filho e A associação entre a presença de secreção na cavidade nasal ou na parede

Leia mais

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml USO INTRANASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Montelucaste Generis 10 mg Comprimidos Montelucaste de sódio Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento -Conserve este folheto. Pode

Leia mais

CLORIDRATO DE BETAXOLOL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 5mg/mL

CLORIDRATO DE BETAXOLOL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 5mg/mL CLORIDRATO DE BETAXOLOL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 5mg/mL MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PROFISSIONAL DE SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

caixas com 25 ampolas de 1 ml

caixas com 25 ampolas de 1 ml AROVIT Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas) VITAMINA A IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO - AROVIT Nomes genéricos Palmitato de retinol (gotas e ampolas) Acetato de retinol (drágeas)

Leia mais