Clínica Médica de Eqüinos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clínica Médica de Eqüinos"

Transcrição

1 V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Eqüinos 01-Melanoma Definição: Neoplasia relacionada com células produtoras de melanina (melanócitos), substância esta que confere coloração escura à pele. Epidemiologia: -Representam 5 a 14% dos neoplasmas em eqüinos; -Eqüinos de pelagem tordilha, sendo ocasionalmente observado em animais de outras pelagens; -Eqüinos com idade superior a 6 anos; -Não há predileção por sexo ou raça; Etiopatogenia: Os mecanismos envolvidos no desenvolvimento desse neoplasma incluem distúrbios no metabolismo da melanina, que induzem a formação de novos melanoblastos ou aumento da atividade dos melanoblastos residentes, resultando em áreas de produção excessiva desse pigmento; Suspeita-se que o aumento da produção de α-msh (hormônio estimulante de α- melanócitos), influenciado pala luz solar, possa ser envolvido na patogênese desses neoplasmas; Sinais clínicos: -Locais de predileção: base da cauda, períneo e ânus; 1

2 -Aparece inicialmente como nódulo firme, único ou múltiplo e que com o tempo poderá ulcerar e apresentar secreção purulenta; -As metástases ocorrem via hematógena, linfática ou por implantação; -Os principais locais envolvidos em casos de metástase são linfonodos regionais, baço, fígado, pulmões, vasos sanguíneos e coração (morte súbita em animais de esporte); -Embora apresentem características invasivas e metastáticas, alguns não apresentam este comportamento, evoluindo lentamente e não causa grandes problemas ao animal; -Sob a forma de melanossarcoma, o tumor pode comprometer a glândula parótida e por contiguidade atingir a bolsa gutural -Tumores mais amplos podem causar obstrução física do esfíncter anal, pênis, prepúcio ou comissura vulvar, resultando em disquesia, disúria e dificuldades no coito -Classificação clínica: Clinicamente os melanomas podem ser classificados de acordo com suas características em: 01-Melanoma dérmico: Comum em cavalos tordilhos, velhos e ocorre como massas neoplásicas no períneo, base da cauda e genitália externa. A incidência de metástases é baixa; 02-Melanomatose dérmica: Semelhante ao melanoma dérmico, porém com múltiplas massas cutâneas com metástase; 03-Nevo melanocítico: Ocorre em cavalos jovens, tordilhos ou não, como massas superficiais ou no tecido subcutâneo; 04-Melanoma maligno anaplásico: Ocorre em cavalos velhos, tordilhos ou não, e caracteriza-se pela formação de múltiplas massas cutâneas, com altos índices de metástase. Diagnóstico: -Anamnese e História Clínica; -Exame Físico; -Exames Complementares: 2

3 -Citologia aspirativa; -Imuno-histoquímica; Tratamento: 01-Cirúrgico: -Excisão cirúrgica (métodos convencionais ou criocirurgia): -Após avaliação do diâmetro, quantidade de nódulos e idade do animal; -Pode ser definitiva nos casos de melanomas solitários, mas impraticável em melanomas múltiplos; -Melanomas com múltiplos nódulos que evoluem a cauda e região anal, freqüentemente recidivam na mesma região, e após a cirurgia podem apresentar tendência de produzirem metástase. 02-Clínico: -Cimetidina (antagonista H 2 ) Cimetidina: 6,5 7mg/kg durante 60 dias ou 2,5mg/kg TID durante 90 dias *Propicia a redução da neoplasia primária e prevenção da progressão; **Forma de atuação (não bem esclarecida). Pacientes com desordens neoplásicas podem ter abundância de células T-supressoras, que ocultam o próprio mecanismo antitumoral. Estudos mostram que a histamina ativa as células T-supressoras através dos receptores de histamina (H 2 ), que suprime as respostas mediadas por células e resposta imune humoral. A cimetidina parece bloquear a ativação destas células supressoras, aumentando a resposta mediada por célula e resposta imune humoral. -Cisplatina intralesional (em emulsão de óleos de amêndoas): Cisplatina: 1mg/ml -Laser de dióxido de carbono nas massas cutâneas: *Luz laser transmite mínimo calor (promove pouca necrose), levando a coagulação de pequenos vasos sanguíneos e linfáticos e nervos. 3

4 02-Flebite Jugular Definição: Etiologia: É o processo inflamatório que acomete a veia jugular. 01-Flebite asséptica: Por injeções endovenosas com substâncias irritantes (Ex.: gluconato de cálcio, fenilbutazona e EGG); 02-Flebite séptica: Localização hematógena de microorganismos (bactérias). Disseminação de infecção de tecidos circunvizinhos, principalmente as decorrentes de injeções feitas com material contaminado (agulhas e seringas) e cateter trombogênico; Sinais clínicos: 01-Flebite asséptica: -Veia encontra-se túrgida em uma determinada região ou em toda sua extensão; -Desconforto ao se tocar o vaso, o qual se apresenta duro e cilíndrico ( cabo de vassoura ); -O fluxo sanguíneo pode estar prejudicado (redução do lúmen); -Casos crônicos, há formação de trombos que se desprendem e formam êmbolos que se alojam principalmente nos pulmões; -Trombos venosos são relativamente comuns no garrotilho (veia jugular e cava caudal); -Trombose bilateral: -Dificuldade de retorno venoso da cabeça; -Sonolência; -Afecção respiratória grave decorrente de disfagia e falsa via de alimentos; 02-Flebite séptica: -Região da veia tumefeita; -Pode drenar pus amarelado ou acinzentado; -Pode ocorrer a formação de trombos sépticos que podem se desprender; 4

5 -Fluxo sanguíneo torna-se mais difícil que no caso da asséptica; -Em casos unilaterais pode haver compensação do fluxo pelos ramos profundos e periféricos; Diagnóstico: Tratamento: -Raramente a infecção pode atingir os tecidos circunvizinhos. -Anamnese e História Clínica; -Exame Físico; -Exames Complementares: -Ultrassonografia (confirmação); 01-Em casos de flebite causada por substâncias irritantes: -Tricotomia e desinfecção da região; -Pomadas heparinóides (Hirudoid ) associadas ao DMSO (fricções BID/TID); 02-Em casos de flebite séptica: -Tratamento local com antisséptico e pomadas antibacterianas; -Terapia com antibióticos parenteral (EV na veia colateral); 03-Casos assépticos e unilaterais: -Heparina: Heparina: 40UI/kg SID/BID -Flunixim-meglumine: Flunixim-Meglumine: 1,1mg/kg IM ou VO *Nos casos de flebites sépticas poderá ocorrer ruptura da jugular. Nesses casos deve-se realiza a ligadura da jugular em seus ramos próximo ao ângulo da mandíbula, com sua posterior ressecção; -Enxertos homólogos ou substituição por próteses sintéticas. 5

6 03-Habronemose Cutânea Definição: É uma enfermidade parasitária que acomete eqüídeos, ocasionada pela invasão de larvas de Habronemasp. em ferimentos, levando a formação de granulomas cutâneos ulcetativos crônicos. Sinônimos (de acordo com a região): Etiologia: -Ferida de verão; -Câncer do pântano; -Bursatte; -Feridas estivais; -Ferida dos machos; -Esponja; 01-Habronema muscae e H. micróstoma -Desenvolvem-se próximo ou no interior da mucosa do estômago sem a formação de nódulos; -Usam a Musca doméstica como hospedeiro intermediário (podem usar outras espécies de mucideos); 02-Draschiamegastoma -Produz nódulos gástricos com formação de nódulos de dimensões variáveis na região glandular, junto à margo plicatus (mais patogênica); -Usa a Stomoxys calcitrans como hospedeiro intermediário; -Podem afetar, além do estômago (habronemose gástrica), a conjuntiva (habronemose conjuntival), pulmão (habronemose conjuntival) e a pele (habronemose cutânea); Epidemiologia: -Amplamente distribuída pelo mundo; -Importantes em locais de climas quentes e úmidos (proliferação do hospedeiro intermediário); -Eqüinos de todas as idades são suscetíveis, porém é mais comum em adultos; 6

7 Ciclo evolutivo: -Indireto; -HI: Musca domestica (Habronema muscae e H. microstoma); Stomoxys calcitrans (Draschia megastoma); -Estômago: fêmeas fazem postura de ovos larvados. Os ovos são eliminados nas fezes e ocorre a eclosão (L1 liberada). L1 é ingerida por larvas das moscas e ocorre evolução de L1 até L3 (infectante) simultâneo com desenvolvimento da mosca. Tem-se mosca adulta e L3 após 2 semanas. A larva (L3) migra para probóscide e há a ingestão de moscas pelos eqüídeos juntamente com água e alimentos, ou larvas depositadas sobre os lábios. Larvas atingem maturidade no estômago levando a habronemose gástrica. Forma errática do ciclo: L3 é depositada na pele (lesões ou escoriações), olhos ou migração para o pulmão e não atingem a forma adulta causando habronemose cutânea, conjuntival ou pulmonar. Patogenia: Larvas são depositadas nas feridas em regiões onde o animal não consegue espantar as moscas. Então ocorre uma reação inflamatória e alérgica local. E a migração larval estimula formação de extenso tecido de granulação. As larvas permanecem na lesão (4 semanas). Ocorre constante deposição de novas larvas e infecções secundárias (bacterianas ou fúngicas) e há o retardamento da cicatrização e manutenção da lesão. Caráter sazonal (regridem quando o clima está frio, recidivando no verão seguinte existe pouca ou nenhuma resistência imunológica). Sinais clínicos: 01-Habronemose cutânea: -Inicialmente: pequenas pápulas com centros erodidos e cobertos por crostas; -Crescimento e ulceração ocorrem rapidamente; -Prurido intenso. Pode haver automultilação; -Características da lesão: projeção acima do nível da pele circundante, possui centro ligeiramente côncavo, tecido de granulação exuberante friável, irregular, avermelhado e às vezes recoberto por crosta acinzentada; 7

8 -Locais mais comumente afetados: canto medial do olho, porções ventrais do abdome, regiões distais dos membros (abaixo do metacarpo e metatarso) e menos comum: comissura labial, cernelha, orelhas, processo uretral, prepúcio, pênis e regiões acima do carpo e tarso; 02-Habronemose conjuntival: -Conjuntivite granulomatosa (blefaroconjuntivitehabronemótica); -Massas necróticas amareladas e pequenas sob a conjuntiva; -Neovascularização, edema e ulceração na córnea (favorecido pelo atrito da superfície áspera da lesão); -Dor; Diagnóstico: -Lacrimejamento; -Obstruções no ducto nasolacrimal. -Anamnese e História Clínica; -Exame Físico; -Exames complementares: -Biopsia: para pesquisa de L3 em cortes histológicos do tecido de granulação; -Exames citológicos de raspados profundos ou esfregaços: verifica-se resposta inflamatória mista com predominância de eosinófilos, neutrófilos, macrófagos e mastócitos rodeados pelas larvas; *Larvas dificilmente são observadas em esfregaços; Diagnóstico diferencial: Tratamento: -Pitiose (grânulos de necrose na lesão); -Granulação exuberante; -Granulomas bacterianos; -Carcinoma epidermóide; -Sarcóide eqüino; -Não respondem aos tratamentos convencionais de feridas; 8

9 -Tratamento sistêmico (organofosforado): Triclorfom (pó por sonda nasogástrica): 25 a 40mg/kg (repetir após 20 dias) Organofosforados (pasta): 40mg/kg Ivermectina: 0,2mg/kg VO ou injetável -Tratamento local: -Lavar bem a ferida (solução de Dakin); -Pomadas utilizadas em ferimentos por segunda intenção, adicionando-se 9g de triclorfom pó; -Manipular: aplicação TID com bandagem compressiva Triclorfom: 9g; Nitrofurazona base solúvel em água: 224g; Dexametazona solução: 40mg; DMSO 90%: 56g. -Tratamento cirúrgico: -Indicado para feridas muito extensas que não cicatrizam e quando causam transtornos estéticos; -Associar ao tratamento tópico: -Infusão EV triclorfom; Triclorfom: 22mg/kg diluído em 1 a 2L de solução fisiológica *Infusão lenta e interrompida a qualquer sinal de intolerância (como excitação e sudorese); -Crioterapia com CO 2 ou N 2 líquido; -Outros tratamentos: -Glicocorticóide: Prednisolona: 1mg/kg durante 10 a 14 dias seguida de 0,5mg/kg durante 10 a 14 dias 9

10 *Não exceder 20mg; Prevenção e Controle: -Triancinolona intralesional: -Remover diariamente dejetos (mínimo de 2 vezes dia em estabulados), cama suja e lixo dos estábulos; -Higiene e desinfecção dos pisos e paredes dos locais ocupados por animais periodicamente; -Uso de anti-helmínticos para controle dos nematoides adultos e oviposição; -Combate aos hospedeiros intermediários (moscas); -Proteção das feridas e escoriações de pele (bandagens ou repelentes); 04-Babesiose Definição: Enfermidade causada por protozoários intra-eritrocitários, que acomete bovinos, ovinos, suínos e eqüinos. Sinônimos: Etiologia: -Nutaliose (antiga denominação); -Piroplasmose; Babesia equi (atualmente classificada como Theileria equi); Babesia caballi; São pertencentes ao filo Apicomplexa, classe Sporoazida, ordem Eucoccidiorida, subordem Piroplasmorina e Família Babesiidae e Theleriidae; Vetores (carrapatos): Triancinolona: 5 a 15mg/lesão e repetir a cada 10 a 14 dias; Amblyomma cajennense; Dermacentor (Anocenter) nitens; Rhipicephalus everstieversti; Rhipicephalus turanicus; 10

11 Hyalomma truncatum; Epidemiologia: -Acomete eqüinos, asininos, muares e zebras; -A ocorrência está relacionada à distribuição geográfica dos carrapatos vetores; -Recém-nascidos de mães infectadas recebem AC através do colostro o qual persiste por 3 a 4 meses; Patogenia: -Entre 6 a 12 meses de idade ocorrem infecções mais intensas; -Incomum em animais com mais de 5 anos de idade; Carrapato ingere sangue infectado do hospedeiro (B. caballie T. equi) e ocorre gametogonia no intestino do vetor havendo a formação de zigotos. Há a invasão das células epiteliais do intestino e multiplicação, após isso atingem a circulação e formamse merozoítos os quais atingem qualquer tecido. Chegam até as glândulas salivares e há a formação de esporozoítos. Carrapatos chegam ao hospedeiro e há transmissão ao hospedeiro (eqüino). *Oocistos permitem transmissão trans-ovariana; **Babesia caballi desenvolve-se exclusivamente nos eritrócitos; ***Theileria equi realiza estágio de esquizogonia em linfócitos antes de invadir os eritrócitos; No hospedeiro causa hemólise, levando a uma anemia grave, queda do fibrinogênio e plaquetas causando icterícia e hemoglobinúria (as vezes insignificante). -Ação mecânica: destruição das hemácias pela divisão dos merozoítos. -Ação tóxica: excreção de metabólitos tóxicos, ativando a calicreina, assim, aumentando a permeabilidade capilar, causando microtrombos (semelhante à CID); -Ação espoliativa: competição com organismo por determinada substância (Ex.: hemoglobina); Sinais clínicos: -PI: 8 a 10 dias; -Crise aguda severa (adultos): -Imobilidade repentina e relutância ao movimento; 11

12 -Podem permanecer em decúbito esternal ou lateral (não respondendo quando estimulados); -Anorexia; -Febre acima de 40 C (em 24h pode atingir 41,5 C); -Ciclo febril intermitente: oscilação de 2 C (Theileria equi); -Taquicardia e taquipnéia; -Mucosas de coloração róseo-pálida e sinais de icterícia (amarelo claro até amarelo escuro); -Edema em boleto, cabeça e região ventral do abdome; -Hemoglobinúria: mais comum nas infecções por Theileria equi; -Desconforto abdominal agudo (ocasional): por irritação causada pela bilirrubina depositada na serosa do trato gastrointestinal e pelo edema na parede intestinal; -Esplenomegalia e distensão da cápsula (dor); -Crise aguda (Animais jovens): -Sinais mais intensos; -Icterícia; -Palidez das mucosas; -Petéquias evidentes nas mucosas; -Fraqueza; -Recém nascidos tem-se icterícia intensa e prostração marcante (2 a 3 dias após o nascimento); -Casos crônicos: -Perduram meses; -Animal mantém o apetite; -Anemia paulatinamente progressiva; -Mucosas róseo-claros; -Emagrecimento progressivo; -Queda no rendimento; Taquicardia leve; 12

13 -Animais portadores: -Animais que desenvolveram doença aguda que não foram tratados convenientemente e não morreram; -Tornam-se fontes de infecção; -Quando submetidos à estresse físico ou cirúrgico podem apresentar crises subagudas; *Pode ocorrer infecção simultânea pelos dois tipos de protozoários; *Infecções por Babesia caballi muitas vezes são inaparentes; Diagnóstico: -Anamnese e História Clínica; -Exame Físico; -Exames Complementares: Hemograma: verifica-se anemia intensa, número reduzido de hemácias, trombocitopenia e diminuição do fibrinogênio; -Identificação do parasito em eritrócitos nos esfregaços sanguíneos: -Acima de 5% hemácias parasitadas significa doença aguda (tratar imediatamente); -Entre 1 e 2% hemácias parasitadas significa doença crônica; *Somente 0,1% dos casos de infecção por Babesia caballi o parasito pode ser identificado nos esfregaços sanguíneos; -Teste de fixação do complemento; -Necropsia: verifica-se anemia, icterícia, edema do tecido subcutâneo, hidropericárdio, hidrotórax, ascite, hepato e esplenomegalia, rins aumentados de tamanho pálidos ou vermelho escuro, congestão e edema pulmonar e aumento de linfonodos. Diagnóstico diferencial: -Anemia infecciosa eqüina; -Mioglobinúria paralítica; -Isoeletrolise neonatal; 13

14 Tratamento: Dipropionato de imidocarb (Imizol ): 5mg/kg, IM 4 aplicações (cada 72h); Diaceturato de diminazeno (Ganaseg ):11mg/kg IM por 2 dias; -Fluidoterapia; -Transfusão (sangue total ou papa de hemácias); -Controle de vetores: Ivermectina: 2mg/kg; Aspersões periódicas com carrapaticidas; 05-Influenza Eqüina Definição: Enfermidade infectocontagiosa produzida por vírus do gênero Influenzavírus tipo A (tipo A subtipo equi-1 e equi-2), determinando sinais clínicos de afecção do trato respiratório anterior. Sinônimo: Gripe eqüina. Epidemiologia: -Enfermidade cosmopolita; -Epizootia (manifesta-se em forma de surto); -Pode afetar todos os eqüinos independente de raça ou sexo; -Idade: mais comum em animais menores que 2 anos (devido a ausência de imunidade para o vírus); -Manifesta-se principalmente em locais de aglomerados de eqüinos (Jóckey, Haras e Hípicas); -Transportes longos: o vento e a desidratação (atrapalham o transporte mucociliar) e o estresse causa queda na imunidade; -Manifesta-se na forma de surto, associada à introdução do vírus em uma população suscetível; 14

15 -O vírus pode ser introduzido por eqüinos clinicamente acometidos ou não doentes; -Eqüinos vacinados podem tornar-se infectados (não desenvolve doença) introduzindo o vírus em populações suscetíveis; -Morbidade 100%; -Mortalidade: menor que 1%, geralmente associada a infecção bacteriana secundária; -H8N8 (A equi-2): morbidade de 80% e mortalidade 20 a 35% (miocardite, encefalite, morte); -Potros: pode-se ter pneumonia e morte; -Prejuízos econômicos: eqüinos de competição; *Para o transporte de eqüinos é exigido atestado de vacinação contra influenza; Etiologia: -Vírus da influenza (EIV) (Ortomixoviridae); -Influenza tipo A: -Subtipo equi-1 (H7N7): menos patogênico, causando inflamação nasofaríngea e laringotraqueal (tem ocorrido com menos freqüência); -Subtipo equi-2 (H8N8): inflamação nasofaríngea e laringotraqueal, bronquite bronquiolite e às vezes miocardite e encefalite; dois); -Não há imunidade cruzada entre os subtipos (necessita-se vacinar contra os Patogenia: Contato direto com eqüino contaminado ou contato indireto e o vírus é inalado. Há ligação as células epiteliais respiratórias (hemaglutininas) e ocorre replicação no citoplasma das células do epitélio nasal. Também afeta seios paranasais, nasofaringe, faringe e traquéia levando a morte das células epiteliais, inflamação, edema, perda da depuração muco-ciliar, febre, secreção nasal serosa e tosse. Devido a perda da depuração mucociliar pode ocorrer infecção bacteriana secundária, comumente por Streptococcus zooepidemicus, podendo exacerbar a inflamação e causar broncopneumonia. Sinais clínicos: -PI: 1 a 3 dias; 15

16 -Tosse seca e contínua de 2 a 3 dias; -Rinite intensa com exsudação seromucosa progredindo para mucosa e depois viscosa e espessa; -A tosse torna-se mais profunda, úmida ou produtiva (com liberação de aerossóis contendo o vírus); -Temperatura de 40 C durante as fases produtivas; -Temperatura de 42 C nas infecções com subtipo equi-2 ou quando se instala infecção bacteriana secundária; -Perda de apetite, tristes e eventualmente com lacrimejamento; -A auscultação dos pulmões dos animais gravemente afetados, verifica-se estertores, sibilos decorrentes do líquido contido nos brônquios e bronquíolos, traduzindo complicações como bronquite e bronquiolite; -Pode haver aumento de linfonodos; -Curso da doença pode durar de 2 a10 dias em casos não complicados ; -Os eqüinos permanecem infecciosos durante 3 a 6 dias depois dos últimos sinais da doença; Diagnóstico: -Anamnese e História Clínica; -Exame Físico; -Exames complementares: Isolamento viral (por secreção nasal difícil isolamento do agente); -Sorologia (pareada com 21 dias de intervalo. Observa-se elevação nos títulos de AC); -PCR; Diagnóstico Diferencial: -Rinopneumonite eqüina (Herpesvírus tipo 1); -Arterite viral eqüina (baixa freqüência); -Adenite eqüina (apresenta secreção purulenta quando há absedação dos linfonodos, geralmente os retrofaríngeos são os mais afetados levando a dispnéia); 16

17 Tratamento: Sintomático: Antitérmico: para febre; Dipirona: 5 a 25mg/kg IM ou EV - BID Antibióticos: infecção bacteriana secundária Tetraciclina*: 10 a 20mg/kg IM por 5 a 10 dias Penicilina Benzatina: UI/kg IM a cada 48 ou 72h Sulfa + Trimetoprim; -Cefalosporina; *Cuidar com diarréia -Proteção contra frio e vento; -Evitar poeira de cama (favorece infecção secundária); -Inalação: mucolíticos (com inalador humano ou inalador específico); -Pode usar mucolítico parenteral (Bisolvon - Cloridrato de Bromexina) -Quando há comprometimento pulmonar fazer uso de glicocorticóide: Dexametasona: 0,05mg/kg IM - SID Prognóstico: Favorável; Prevenção e Controle: -Quarentena dos animais afetados (7 semanas no mínimo); -Vacina preparadas com subtipos equi-1 e equi-2 (intervalos de acordo com o laboratório); -2 a 3 doses com intervalos de 1 a 3 meses, reforço semestral ou anual; -2 doses com intervalo de 3 a 6 semanas; -Potros : primeira dose com 4 a 6 meses de idade (antes não devido a proteção das Ig colostrais); 17

18 -Éguas prenhes: 30 dias antes do parto (desenvolvimento de imunidade para que haja transferência de Ig para o neonato através do colostro); 06-Anemia Hemolítica do Recém Nascido (Isoletrólise Neonatal) Definição: Consiste no processo de anemia hemolítica, resultante da isoimunização da égua contra hemácias do potro durante a gestação, à semelhança da icterícia do recémnascido por problema de Rh no homem. Sinônimos: Etiologia: -Isoeletrólise neonatal; -Anemia hemolítica isoimune ou aloimune do recém-nascido; -A doença ocorre pela ocorrência natural de grupos sanguíneos herdados e somente ocorre se a mãe é exposta aos antígenos das hemácias que ela não possui; -O recém-nascido herda do pai os tipos de hemácias estranhos à mãe; -Destruição imunomediada (hipersensibilidade do tipo II) das hemácias do neonato pelos anticorpos adquiridos da mãe, sendo os fatores para que ocorra: -O feto deve possuir antígenos dos grupos sanguíneos (fatores) que a mãe não possui, herdados do pai; -A mãe deve ser exposta aos antígenos dos grupos sanguíneos estranhos que o feto possui; -A mãe deve produzir anticorpos contra os antígenos do grupo sanguíneo do feto (nem todos os antígenos dos grupos sanguíneos são altamente imunogênicos ou associados a doença no neonato); -O recém nascido deve ingerir e absorver o colostro que contenha anticorpos direcionados contra os antígenos das suas hemácias; -Na espécie eqüina são identificados 32 tipos de antígenos sanguíneos, no entanto na maioria das vezes a doença ocorre devido a antígenos dos grupos sanguíneos Aa ou Qa (mais de 90% dos casos); -Também há descrição da doença devido aos antígenos Ab, Ua, Dc e Pa; Epidemiologia: -1 a 2% das raças puro-sangues e raças padronizadas possuem anticorpos capazes de causar a doença; 18

19 Qa; -Uma égua de risco é a que não possui os fatores de grupos sanguíneos Aa ou -2% das éguas puro-sangue são deficientes em grupos Aa (a maioria irá desenvolver AC anti-aa) e 16% são deficientes do antígeno Qa (3% tem AC anti-qa) -17% das éguas das raças padronizadas deficientes dos antígenos Aa (10% possuem AC anti-aa). Todos os eqüinos das raças padronizadas são deficientes do fator Qa, sendo a isoeletrolise nessas raças, devida aos AC contra o fator Aa. -Muares: -Incidência 10% em potros (pai asno x mãe égua); -Se deve à presença universal de um antígeno de grupo sanguíneo único ( fator asno ) em potros muares e asininos; -As éguas não possuem esse fator e toda gestação (asno x égua) é incompatível; As progênies (machos eqüinos x fêmeas asininas = bardoto) não são afetadas, pois os potros não herdam o fator asno ; -Raramente ocorre na prole de fêmeas primíparas (titulo reduzido de AC não é suficiente para desenvolver a doença); Patogenia: -A prole da primeira gestação é geralmente acometida após vacinação da mãe. Feto herda do pai os antígenos Aa ou Qa e mãe tem deficiência para Aa ou Qa. O contato da mãe com os epítopos das hemácias estranhas (durante o parto ou durante a gestação devido a lesões ou descolamentos na placenta no terço final da gestação) faz com que haja produção de anticorpos direcionados contra os epítopos das hemácias do feto. Na colostrogênese há a formação altos níveis de anticorpos no colostro e tem-se ingestão do colostro pelo potro após o nascimento e há absorção (até no máximo 36h pós parto). Há interação entre os anticorpos e as hemácias do recém-nascido causando hemólise e levando a uma anemia, hemoglobinúria, icterícia, hipóxia anêmica e morte. A medula óssea é incapaz de compensar a perda de hemácias (reação ocorre de forma muito rápida); -Hemácias são removidas pelo baço (esplenomegalia); -Pode ocorrer CID contribuindo para a morte; -O potro não é exposto aos anticorpos no útero devido ao tipo de placentação epiteliocorial, a menos que haja lesões ou descolamentos na placenta. 19

20 Sinais clínicos: Gestação e parto tranqüilos e potro normal por algumas horas após o nascimento; -Os sinais somente vão aparecer se o potro ingerir e absorver colostro contendo anticorpos específicos; -A intensidade dos sinais depende da quantidade e tipo de anticorpos ingeridos; -Em geral anticorpos contra Aa produzem doença mais grave; -Casos hiperagudos: -Desenvolvem-se dentro de 8 às 36hs do nascimento; -Primeira indicação pode ser o colapso; -Hemoglobinúria e palidez são evidentes; -Icterícia não é aparente inicialmente; -Alta taxa de mortalidade; -Casos agudos: -Sinais não se manifestam até 2 a 4 dias após o nascimento; -Icterícia acentuada; -Palidez e hemoglobinúria moderados; -Casos subagudos: -Sinais gerais: -Podem não apresentar sinais até 4 a 5 dias após o nascimento; -Icterícia acentuada; -Discreta palidez das mucosas; -Não ocorre hemoglobinúria; -Muitos casos se recuperam sem tratamento. -Cansaço; -Fraqueza e indisposição para mamar; -Decúbito esternal por longos períodos e boceja com freqüência; -Não há febre; 20

21 Diagnóstico: -Freqüência cardíaca aumenta para 120 bpm; -Respiração normal até que se desenvolva anemia grave (FR cerca de 80mpm); -Fase final: tem-se convulsões e dispneia. -Trombocitopenia isoimune pode ser evidente com lesões hemorragias equimóticas e tendência a sangramentos. -Anamnese e História Clínica; -Exame Físico; -Exames Complementares: Hemograma: verifica-se anemia aguda (queda no número de hemácias, VG e hemoglobina), pode haver leucocitose por neutrofilia e monocitose e presença de hemácias nucleadas, trombocitopenia pode estar presente; Análise bioquímica do soro: verifica-se aumento na concentração sérica de bilirrubina indireta; *Teste de aglutinação: Confirmação do diagnóstico: -Demonstração de AC no soro da égua ou no colostro que causam hemoaglutinação ou lise das hemácias do potro -Mistura-se partes iguais de sangue do potro com soro da mãe ou uma gota de sangue do potro (com anticoagulante) com uma gota do colostro; -Caso ocorra aglutinação deve-se diluir o colostro em solução fisiológica até 1:32 e testar o sangue do potro para cada uma das diluições. Titulo acima de 1:8 deve ser considerado positivo. Necropsia: na forma hiperaguda verifica-se palidez acentuada, icterícia discreta, aumento discreto do fígado e esplenomegalia sendo o baço quase negro e em casos menos graves verifica-se icterícia acentuada, palidez moderada, rins pálidos e urina castanho escuro; Diagnóstico Diferencial: -Septicemia; -Síndrome da má adaptação neonatal; -Uroperitônio; 21

22 Tratamento: Objetivos: -Prematuridade; -Trauma ao nascimento; -Hipoglicemia; -Infecção por herpesvírus equino tipo 1. -Evitar os efeitos deletérios da anemia; -Evitar ou tratar a nefrose hemoglobinúrica; -Evitar infecções secundárias em animais gravemente acometidos; -Restabelecer o equilíbrio hidroeletrolítico e acido-básico; -Proporcionar nutrição adequada; -Minimizar o estresse; -Animais com sinais clínicos brandos: -Suporte nutricional adequado (fornecimento de colostro de mães não isoimunizadas); -Proteção ao ambiente e enfermagem; piore; -No entanto devem ser acompanhados com cautela para que a situação não -Animais gravemente acometidos: -Soluções intravenosas (propiciar um fluxo urinário adequado); -Oxigênioterapia; -Glicocorticóides: em caso de choque; Dexametasona: 0,1 a 0,2mg/kg IM - SID -Anti-histamínicos: em caso de choque; Prometazina: 0,25mg/kg 22

23 -Terapia com antibióticos de amplo espectro (devido aimuno-incompetência passiva): Amicacina: 3 a 10mg/kg IM ou EV - BID; Amoxicilina: 10 a 30mg/kg VO ou IM - TID ou QID; Gentamicina: 2 a 4mg/kg SC, IM ou EV - BID a QID; Sulfa + trimetrprim: 15 a 30mg/kg EV - BID; -Cuidados de enfermagem; -Transfusão sanguínea: -Deve-se basear na condição clínica do potro e não apenas no hematócrito baixo; -Volume de sangue transfundido: 1 a 4 litros de sangue ou 500ml de papa de hemácias; -Administrar lentamente (1L/h) monitorando o estado do potro durante a transfusão; Doador ideal: eqüino que não tenham os fatores de grupos Aa e Qa e nem AC contra Aa e Qa; *A mãe é a fonte ideal de hemácias (aloanticorpos maternos presentes no plasma do potro não reagem com as hemácias da mãe). Sangue total é contraindicado, o que pode ser evitado pela transfusão somente de hemácias lavadas da égua. Se não for disponível o doador ideal ou as hemácias da égua não puderem ser lavadas a tempo: **Doador deverá ser escolhido com base na prova de reação cruzada rotineira, na qual avalia-se o soro do potro contra as hemácias do doador e o plasma do doador contra as hemácias do potro. -Suporte nutricional: -Fornecer aproximadamente 10 L/dia de leite de égua para um potro de 50 kg (dividido em varias vezes); -Se o potro tiver mais de 36h, será pouco provável que o leite da égua ainda contenha uma quantidade significativa de anticorpos ou o potro ainda seja capaz de absorve-los, podendo-se permitir que o potro mame na égua; -Para potros mais jovens, um alimento alternativo deve ser fornecido até que o potro atinja 36h de vida. Durante este período a égua deve ser ordenhada a cada 3 a 4 h para remover o colostro; -Fluidoterapia: 23

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

AFECÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO

AFECÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO AFECÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Antônio Raphael Teixeira Neto - coração, - veias / artérias, - capilares, - vasos linfáticos. Exame Clínico do Sistema Circulatório: - Auscultação cardíaca: Estetoscópio:

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis Diagnóstico diferencial das Diarréias nos Bovinos Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha DMV/EV/UFG Diarréia Inflamação da mucosa intestinal Dor abdominal; Desequilíbrio hidroeletrolítico; Desequilíbrio ácido-básico.

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório. A circulação do sangue permite o transporte

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

22/11/2011. 1. Influenza Equina - Gripe Equina. Causa: Vírus da influenza equina, Família dos Ortomixovírus

22/11/2011. 1. Influenza Equina - Gripe Equina. Causa: Vírus da influenza equina, Família dos Ortomixovírus FMU * Curso de Medicina Veterinária * Equideocultura * Prof. Armando José Capeletto * 2011 Doenças equinas 1. Influenza Equina - Gripe Equina Causa: Vírus da influenza equina, Família dos Ortomixovírus

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira)

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira) Apoio: Escrito por: Faculdade de Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo Maio/2013 Sumário Resumo... 3 Introdução... 3 Etiologia... 3 Epidemiologia... 5 Sinais clínicos... 5 Diagnóstico...

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS GIBELLINI, Caio C. SOUZA, Camila C. RODRIGUES, Taliane R. Discentes do curso de Medicina Veterinária FAMED ZAPPA, Vanessa Decente do curso de Medicina Veterinária FAMED

Leia mais

Patologia do sistema linfóide

Patologia do sistema linfóide Patologia do sistema linfóide timo Timo - ruminantes e suínos: lobo cervical e torácico. Lobo cervical é largo e estende-se ao longo da traquéia cervical - felinos e equinos: lobo cervical pequeno - caninos:

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES DOENÇAS VIRAIS EM CÃES Cinomose Etiologia Doença que acomete vários sistemas do animal, sendo altamente contagiosa aos cães domésticos e muitos carnívoros selvagens (raposa, coiote, lobo, furão, etc, mas

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CLÍNICA DE CANINOS E FELINOS Prof. Roberto Baracat de Araújo AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CONSIDERAÇÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO: TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:

Leia mais

Microbiologia Veterinária. Gêneros Streptococcus e Staphylococcus

Microbiologia Veterinária. Gêneros Streptococcus e Staphylococcus Microbiologia Veterinária Gêneros Streptococcus e Staphylococcus Gênero Streptococcus TAXONOMIA A partir da caracterização da amostra como CG+ através da coloração de Gram, a determinação da família é

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) As infecções mais importantes (do adulto) em nosso meio são: neurocisticercose, abscessos, meningites e a AIDS. Nas crianças, as

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação Sistema Urinário Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional IV juliana.pinheiro@kroton.com.br O organismo animal depende de várias reações metabólicas para se manter vivo e saudável. Estas reações

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé

Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Patologia Bucal. Prof. Patrícia Cé Hermann Blumenau- Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Patologia Bucal Prof. Patrícia Cé No organismo, verificam-se formas de crescimento celular controladas e não controladas. A hiperplasia,

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Tuberculose Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ A tuberculose é uma doença infecciosa, crônica, causada por uma micobactéria. AGENTEs:

Leia mais

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko REPARAÇÃO M.Sc Isabela Brcko Conceito: "Processo de reposição do tecido destruído observado após a extinção dos agentes flogísticos Objetivo: restaurar o tecido a seu estado natural A reparação pode acontecer

Leia mais

Prof.ª Dr.ª Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Prof.ª Dr.ª Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Prof.ª Dr.ª Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Exame Físico Geral Atitude Depressão Perda de interesse pelo ambiente Postura Cavalete Condição Física Respiração Edema Pulso jugular pulso carótida Focos

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais