Curso de Fisioterapia MARIA DAS GRAÇAS DE OLIVEIRA CONDE ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA BRONQUIECTASIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Fisioterapia MARIA DAS GRAÇAS DE OLIVEIRA CONDE ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA BRONQUIECTASIA"

Transcrição

1 Curso de Fisioterapia MARIA DAS GRAÇAS DE OLIVEIRA CONDE ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA BRONQUIECTASIA Rio de Janeiro 2008

2 II MARIA DAS GRAÇAS DE OLIVEIRA CONDE ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA BRONQUIECTASIA Monografia apresentada como prérequisito para conclusão do curso de Fisioterapia, da Universidade Veiga de Almeida, sob orientação do professor Othon Luíz Brun Almeida e co-orientação do professor Alexandre do Nascimento. Rio de Janeiro 2008

3 III ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA BRONQUIECTASIA Monografia apresentada como prérequisito para conclusão do curso de Fisioterapia, da Universidade Veiga de Almeida, sob orientação do professor Othon Luiz Brun Almeida e co-orientação professor Alexandre do Nascimento. Data de aprovação: de de 2008 BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Othon Luiz Brun Almeida Prof. Dr. Alexandre José Lopes do Nascimento Prof. Dr. Leonardo Esteves Natal

4 IV Dedico este trabalho aos meus queridos: Marcus Conde e meu filho Raphael. Sem vocês, com certeza, eu seria uma pessoa incompleta. Obrigada por fazerem parte da minha história. Dedico, in memoriam, à minha querida e adorada filha, Bruna. Em algum lugar, sei, que este anjo vela por mim.

5 V Figura 1 AGRADECIMENTOS Agradeço ao professor e orientador Prof. Othon Luíz Brun Almeida, pela sua ajuda com seu conhecimento, paciência e dedicação na confecção deste trabalho. A todos os professores que estiveram ao meu lado em todas as etapas da minha formação, especialmente o professor Alexandre do Nascimento. Um especial agradecimento às minhas mães : Ir. Maria Neuza e Denice Oliveira, por serem como são: maravilhosas e, também, por terem me amparado como filha. À minha querida amiga Nerita Belo, pelo incentivo, apoio e amizade durante minha caminhada acadêmica. Aos meus familiares e amigos que contribuíram de maneira direta ou indireta para a concretização deste meu projeto, meu sincero agradecimento.

6 VI O mais importante na vida não é a situação em que estamos, mas a direção para a qual nos movemos Oliver Wendell Holmes

7 VII RESUMO A bronquiectasia é uma dilatação irreversível dos brônquios, que possui como principal conseqüência a retenção de secreção gerando um impacto negativo na vida de seus portadores. O objetivo dessa monografia é apresentar as técnicas, as manobras fisioterápicas e as posturas que podem ser utilizadas durante o tratamento do paciente com bronquiectasia de forma a reduzir o volume de secreção, as exacerbações infecciosas e a sintomatologia geral. A drenagem postural é uma das técnicas que poderá ser associada com manobras vibrocompressivas promovendo um aumento na depuração das secreções brônquicas. Palavras-chaves: fisioterapia, bronquiectasia, tratamentos pulmonares.

8 VIII ABSTRACT Bronchiectasis is an irreversible dilatation of the bronchi, which has as principal consequence the retention of the bronchial secretions, causing negative impact on its porter s life. This study aimed at evaluating the efficaciousness is to present the techniques, and postures that can be used in the treatment of patients with bronchiectasis to reduce the amount of secretion, the infectious exacerbations and general symptoms. The drainage posture is one of the techniques that could be associated with chest percussion to mobilize pulmonary secretions that promoting an increase in the clearance of bronchial secretions. Key words: physiotherapy, bronchieactasis, pulmonary treatment.

9 IX LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CI - Capacidade inspiratória máxima CPT - Capacidade pulmonar total CPT - Capacidade pulmonar total IRPM - Incursões por minuto MmHg - Milímetros de mercúrio OOAF Oscilação oral de alta frequência PEmax - pressão expiratória máxima PEEP - Pressão Positiva Expiratória PImax -Inspiratória máxima SMI Sustentação máxima da inspiração TC -Tomografia computadorizada TMR -Treinamento muscular respiratório VAI - Vias aéreas inferiores VAS - Vias aérea superiores VRE- Volume de reserva expiratório VRI -Volume de reserva inspiratório

10 X LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Movimento da caixa torácica nos movimentos de inspiração e expiração...25 Figura 2 - Comparação entre pulmão com bronquiectasia e outro sem comprometimento...35 Figura 3 -Classificação das bronquiectasias...39 Figura 4 - Posicionamento para drenagem postural...55

11 XI SUMARIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO REVISÃO DA LITERATURA ANATOMIA RESPIRATÓRIA CAIXA TORÁCICA PULMÕES A PLEURA MÚSCULOS DA VENTILAÇÃO MÚSCULOS ACESSÓRIOS DA VENTILAÇÃO MÚSCULOS EXPIRATÓRIOS VIAS AÉREA SUPERIORES (VAS) VIAS AÉREAS INFERIORES (VAI) MECÂNICA VENTILATÓRIA MOVIMENTOS DA CAIXA TORÁCICAL MOVIMENTO DO AR O PAPEL DO SURFACTANTE PROPRIEDADE ELÁSTICA PULMONAR PROPRIEDADE RESISTIVA PULMONAR PRESSÕES E GRADIENTES PRESSÓRICOS VOLUME E CAPACIDADE PULMONAR VENTILAÇÃO FISIOPATOLOGIA TEORIA DO CICLO VICIOSO, PROPOSTA POR COLE CAUSAS DA BRONQUIECTASIA QUADRO CLÍNICO DAS BRONQUIECTASIAS COMPLICAÇÕES DA BRONQUIECTASIA O DIAGNÓSTICO TRATAMENTO AVALIAÇÃO RESPIRATÓRIA A CIRTOMETRIA MANOVACUÔMETRO EXAMES DE IMAGENS PROVA DE FUNÇÃO EXPRESSÃO FACIAL SONS PULMONARES TOSSE DOR TORÁCICA HEMOPTISE PADRÃO RESPIRATÓRIO FISIOTERAPIA PREVENTIVA MÉTODOS QUE CONTRIBUEM NA DESOBSTRUÇÃO BRÔNQUICA TÉCNICAS RELACIONADAS COM MECANISMO DA TOSSE INCENTIVADORES RESPIRATÓRIOS... 60

12 3.5.4 EXERCÍCIOS PARA MOBILIZAR O TÓRAX EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS EXERCÍCIOS DE REEXPANSÃO TORÁCICA XII 4 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 67

13 13 1 INTRODUÇÃO As bronquiectasias se caracterizam por uma dilatação anormal e irreversível dos brônquios com diâmetro superior a 2 milímetros devido à destruição dos componentes muscular e elástico da sua parede. Clinicamente, se caracteriza por tosse de longa duração e de caráter produtivo de forma crônica intermitente ou persistente. Durante os episódios de exacerbação infecciosa a secreção se torna mais espessa e mais purulenta. As bronquiectasias podem acometer os pulmões difusamente ou de forma localizada. As bronquiectasias localizadas ocorrem como conseqüência de pneumonias pós sarampo ou pós influenza em crianças ou como complicações locais pós coqueluche ou tuberculose. A relação potencial entre antecedente de infecção viral e bronquiectasia foi recentemente comprovada através da demonstração por microscopia eletrônica de um defeito transitório nas células epiteliais ciliares durante infecções virais que alteraria o transporte mucociliar e, conseqüentemente, o clearance mucociliar. Uma vez que a tosse somente mobiliza secreções até os brônquios de sétima ordem, a mobilização de secreção das pequenas vias aéreas além deste ponto depende do transporte mucociliar. Desta forma, a diminuição da capacidade de transporte mucociliar favorece o acúmulo de secreção e a colonização dos brônquios desta região pulmonar facilitando a infecção bacteriana secundária. Em resposta a isto ocorre uma reação inflamatória local com liberação de proteases pelos neutrófilos que se associam principalmente a destruição de elastina e de colágeno da parede brônquica. O aumento da pressão transmural exercida pelo pulmão íntegro em torno do brônquio lesado acaba por expandir esta parede enfraquecida, criando as dilatações vistas nos exames radiológicos. A presença destas dilatações dificulta ainda mais o transporte mucociliar favorecendo e perpetuando o quadro clínico de bronquiectasia. Em função do intenso processo inflamatório local pode ocorrer obliteração fibrótica distalmente aos bronquíolos afetados ocasionando perda de gerações brônquicas. Já as bronquiectasias difusas correspondem na maior parte das vezes a uma manifestação pulmonar de uma doença sistêmica congênita ou adquirida, fibrose cística ou a discinesia ciliar primária. As medidas profiláticas incluem as campanhas de vacinação contra sarampo, etc na infância, bem como o diagnóstico precoce e o tratamento das doenças infecciosas e/ou congênitas que se associam à patogenia das bronquiectasias.

14 14 O objetivo da fisioterapia no paciente com bronquiectasia é a mobilização da secreção retida além das pequenas vias aéreas além de sétima ordem, reduzindo o número de exacerbações infecciosas e oferecendo uma melhor qualidade de vida ao paciente. Destacamse o uso de recursos fisioterapêuticos manuais, padrões respiratórios induzidos pelo comando verbal ao paciente e incentivadores respiratórios. Cada recurso tem procurado corresponder às expectativas impostas pela indicação da técnica. Dentre elas, destacam-se àquelas em que se busca uma desobstrução brônquica. Além de outras que quando aplicadas de forma adequada, permitem ao portador de bronquiectasia um controle da doença, prevenindo o desencadeamento de novas crises e melhorando a qualidade de vida desses indivíduos. A reabilitação pulmonar em pacientes com bronquiectasia tem o objetivo de melhorar a ventilação, aumentar a efetividade do mecanismo de tosse, melhorar a força e a resistência dos músculos respiratórios, corrigir padrões respiratórios inadequados, promover relaxamento muscular e desta forma minimizar o esforço respiratório.

15 15 2 OBJETIVO Este trabalho consta de uma pesquisa bibliográfica realizada com a finalidade de verificar quais são as técnicas manuais e manobras fisioterápicas atualmente mais empregadas no tratamento das bronquiectasias. Na confecção deste trabalho foi feita uma revisão literária atualizada na biblioteca da Universidade Veiga de Almeida, livros e revistas científicas utilizados na biblioteca Universidade Veiga de Almeida, e do Hospital São Vicente de Paulo. Foi realizada uma revisão da literatura a partir da busca de estudos clínicos que avaliassem técnicas de tratamento de bronquiectasia. Foram revistos artigos em português e em inglês. A revisão de literatura foi realizada usando o MEDLINE ( ), EMBASE ( ). Foram usadas as palavras chave bronquiectasia, fisioterapia, pulmão, tratamento, técnicas fisioterápicas, retiradas do medical subject headings (MeSH) do Pubmed.

16 16 3 REVISÃO DA LITERATURA 3.1 ANATOMIA RESPIRATÓRIA Caixa Torácica A abertura superior do tórax é constituída pela incisura jugular do esterno, pelas clavículas e por uma linha imaginária que une as articulações com o processo espinhoso da sétima vértebra cervical. A abertura inferior do tórax limita-se do processo xifóide ao longo do arco costal e a décima segunda costela até o processo espinhoso da décima segunda vértebra torácica (GUIMARÃES, 2001). Portanto, tórax, ou a parede torácica, está ligado aos ossos da coluna vertebral, costelas e músculos associados. Juntos, os ossos e músculos são denominados caixa torácica (MERCADO, 2003). Ao longo da face posterior do tórax, as porções dorsais das costelas articulam-se com as 12 vértebras torácicas nas articulações costotransversárias e costovertebrais. Ao longo da face anterior da caixa torácica, as primeiras sete costelas articulam-se diretamente com o esterno por meio da cartilagem costal. A oitava e a décima costela têm inserções cartilaginosas na costela acima, enquanto a 11ª. e a 12ª. são costelas flutuantes (KISNER, 2004). Funcionalmente, o tórax é uma cavidade preenchida com três bolsas membranosas, ou sacos. Um, o saco pericárdico, contém o coração. Os outros dois são os sacos pleurais, que contem os pulmões. O esôfago, os vasos sanguíneos torácicos e os nervos passam entre os sacos pleurais (DÂNGELO, 2000) Pulmões Luce (1993) descreve os pulmões como estruturas cônicas cujos ápices entendem-se acima da primeira costela e cujas bases tocam o diafragma. Cada pulmão se estende do diafragma a um ponto logo acima da clavícula, e suas superfícies são limitadas pelas costelas na frente e atrás. Eles estão separados um do outro pelo coração e outras estruturas do mediastino, que é a área entre os dois pulmões. Todas as estruturas do sistema respiratório

17 17 após os brônquios principais incluindo a arvore brônquica e os alvéolos pulmonares, estão contidas no interior dos pulmões (GRAAFF, 2003). Silverthor (1992) caracteriza o tecido dos pulmões como leve e esponjoso cujo volume é quase todo ocupado por espaços cheios de ar. As vias aéreas rígidas, os brônquios, conectam os pulmões com a via aérea principal, a traquéia. As faces são referências para identificar as partes dos pulmões. As faces de cada pulmão se adaptam ao contorno da cavidade torácica. A face mediastinal do pulmão é ligeiramente côncava e contem uma fenda vertical, o hilo, através do qual os vasos pulmonares, nervos e brônquios passam.a face diafragmática, chamada base, que é côncava para se ajustar à cúpula convexa do diafragma. A face superior, ápice, que se estende-se acima da clavícula e a face em contato com as membranas que cobrem as costelas chamada de face costal pulmonar (FROWNFELTER,2004). Os pulmões podem ser divididos em cinco lobos, três do lado direito (superior, médio e inferior) e dois do lado esquerdo (superior e inferior). Ambos são divididos por fissura obliqua. Apenas do lado direito, encontra-se a fissura horizontal que separa o lobo superior do lobo medial. O pulmão esquerdo, possui uma parte chamada língula. A língula está localizada na parte inferior do lobo superior, que é correspondente ao lobo medial do pulmão direito (DÂNGELO, 2000). Embora os pulmões direito e esquerdo sejam basicamente semelhantes, eles não são idênticos. O pulmão esquerdo é um pouco menor que o direito e tem uma impressão cardíaca em sua face mediastinal para acomodar o coração A pleura A pleura é membrana que reveste a superfície externa dos pulmões (pleural visceral), e que reveste o interior da cavidade torácica e a superfície torácica do diafragma (pleura parietal) (MERCADO, 2003). Entre os folhetos visceral e parietal da pleura existe uma cavidade real pleural que contém em torno de 0,1 ml/kg de líquido. Este líquido facilita o movimento dos pulmões, permitindo a movimentação dos folhetos pleurais (RATO, 1981). O fluido pleural permite o deslizamento entre as membranas opostas que ficam escorregadias e permitem que os pulmões se movam dentro do tórax (CARVALHO, 2001).

18 Músculos da ventilação Embora a ação dos músculos seja complexa, eles podem ser divididos em músculos inspiratórios ou expiratórios. Inspiração é sempre um ato envolvendo contração muscular. O diafragma geralmente executa o maior trabalho ventilatório, e os outros músculos melhoram eficiência estabilizando a parede pulmonar. Eles podem ser recrutados a assumir uma maior carga durante o exercício ou quando a função do diafragma esta prejudicada (LUCE, 1993) Diafragma O diafragma é o principal músculo da inspiração. É inervado pelo nervo frênico. Durante a inspiração relaxada, é o músculo primário responsável pelo movimento do ar, e nessas condições tranqüilas realiza cerca de 70 a 80% do trabalho da respiração. Á medida que o diafragma se contrai, sua posição de repouso em forma de cúpula faz um movimento caudal, aumentando a capacidade da caixa torácica (KISNER, 2004). O diafragma tem sua origem nas fibras do esterno, das costelas inferiores e das vértebras lombares superiores (GASKELL, 1988). Uma característica interessante do diafragma é a constituição de suas fibras. O diafragma apresenta aproximadamente 55% das fibras tipo 1 e 45% das fibras tipo 2, o que resulta em uma maior capacidade de resistência a fadiga, já que as fibras tipo 1 tem como característica: contração lenta, alta capacidade oxidativa e baixa capacidade glicolítica (PRESTO,2007). Azeredo (2002), vem reforçar a citação a cima quando relata que o diafragma é sem dúvida alguma um músculo diferenciado dos demais principalmente pela sua resistência ao trabalho. O diafragma cria uma separação entre as cavidades abdominal e torácica, porém possui uma série de aberturas através das quais passam o esôfago, os vasos sangüíneos e os nervos (MCARDLE, 1998).

19 Intercostais internos e externos Elevam a extremidade das costelas, resultando um movimento para cima e para fora e aumentando a dimensão antero posterior do tórax (CARVALHO,2001). Os intercostais internos, ficam ativos durante a inspiração em repouso. Eles estabilizam a caixa torácica e previnem o movimento para dentro da face superior da parede torácica (FROWNFELTER,2004) Músculos acessórios da ventilação Os músculos escalenos e esternocleidomastóideo são envolvidos na inspiração profunda ou respiração forçada. Quando estes músculos estão contraídos, as costelas são elevadas. Ao mesmo tempo a parte superior da caixa torácica esta estabilizada de forma que os músculos intercostais externos tornem-se mais efetivos (GRAAFF, 2003). Os músculos acessórios incluem também o trapézio (parte descendente), peitoral maior e menor e subclávio ficando ativos durante a inspiração profunda ou difícil (DÂNGELO, 2000). Os escalenos, elevam as duas primeiras costelas, o esternocleidomastóideo levanta o esterno, e o trapézio, fixa os ombros Os músculos acessórios da inspiração podem tornar-se os músculos respiratórios primários e ficarem ativos durante a inspiração feita em repouso, quando o diafragma é ineficiente ou fraco como resultado de patologia (KISNER, 2004) Músculos expiratórios Em contraste da inspiração, a expiração é um evento passivo em pessoas saudáveis durante a respiração em repouso, porque a contração muscular não necessita retornar o pulmão e a caixa torácica para posição de repouso. Entretanto, expiração, freqüentemente se torna uma ação que eventualmente exige esforço muscular. Seja durante a saída do ar quando as vias estão obstruídas ou na prática do exercício (LUCE, 1993). Durante a expiração forçada, como tossir, a contração da porção interóssea dos músculos intercostais internos diminui o diâmetro da caixa torácica.

20 20 A contração dos intercostais internos puxa as costelas para baixo e para dentro, diminuindo o diâmetro antero-posterior durante a expiração forçada (RATO, 1981). Na expiração, quando o diafragma relaxa, ele levanta e as costelas descem. O recuo elástico dos tecidos diminui a área e aumenta a pressão intratorácica, causando a expiração. Durante a expiração ativa, que pode ser controlada, forçada ou prolongada, vários músculos acessórios ficam ativos (MERCADO, 2003). A musculatura abdominal durante a expiração Reto abdominal, tranverso do abdome, obliquo interno e externo. A contração destes músculos deprime as costelas, força o diafragma para cima aumentando a pressão intraabdominal, e diminui a dimensão vertical da cavidade torácica.a musculatura abdominal também serve para função inspiratória, forçando o diafragma na sua posição de cúpula aumentando sua eficiência (FROWNFELTER, 2004). Quando os abdominais se contraem, a pressão intratorácia aumenta e o ar é forçado para fora dos pulmões. Uma intensa contração dos abdominais também é necessária para uma tosse forte (KISNER, 2004). Os músculos abdominais tornam-se mais eficientes durante a respiração profunda quando o ar é mantido nos pulmões com a glote fechada fixando o diafragma.essa mesma técnica é usada quando erguemos um objeto pesado no qual o diafragma ajuda indiretamente os músculos do dorso (DÂNGELO, 2000) Vias aérea superiores (VAS) As estruturas do trato respiratório superior são a cavidade nasal, a faringe, laringe até o limite da traquéia. A medida que o ar é levado para dentro do corpo, a cavidade nasal e a faringe filtram e removem particular do ar e começam a umidificá-lo e aquecê-lo na temperatura corporal. O revestimento da mucosa dessas estruturas tem células que secretam muco e células ciliadas (LUCE, 1993).

21 Cavidade nasal A cavidade nasal é a continuação posterior do nariz estende-se até a faringe. Suas aberturas anteriores são as narinas e as posteriores são as coanas, que comunicam as fossas nasais com a faringe. É dividida em porção respiratória e olfatória (DÂNGELO, 2000). O epitélio nasal serve para aquecer, umedecer e limpar o ar inspirado. Os pelos nasais, que se estendem freqüentemente a partir das narinas, filtram macropartículas que em caso contrário poderiam ser inaladas (RATO, 1981) Faringe É um tubo muscular que está localizado atrás da cavidade nasal, da cavidade oral e da cavidade da laringe. Sua extremidade superior está abaixo da base do crânio (primeira vértebra cervical) e a extremidade inferior continua-se com, o esôfago (termina ao nível da sexta vértebra cervical). As três estruturas que estão anteriores a faringe servem de base para dividi-la em três regiões: nasofaringe, orofaringe e laringo-faringe (MERCADO,2003) Laringe É a continuação da divisão condutora que conecta a parte laríngea da faringe com a traquéia.a laringe tem duas funções. Sendo a principal impedir que o alimento ou os líquidos entre na traquéia e nos pulmões durante a deglutição e permitir a passagem do ar durante a respiração. Um papel secundário é a produção de sons (GRAAFF,2003) Vias aéreas inferiores (VAI) As Vias Aéreas Inferiores tem como objetivo conduzir o ar até os alvéolos para que ocorram as trocas gasosas. Pode-se se dividir as VAI em duas zonas: a zona de condução, da traquéia até os bronquíolos terminais e a zona respiratória, dos bronquíolos respiratórios até os alvéolos (PRESTO,2007).

22 Traquéia As paredes da traquéia e as vias aéreas inferiores são constituídas por epitélio pseudoestraficado ciliado com células calicerformes. As glândulas brônquicas, por meio das células calicerformes, produzem o muco e os cílios funcionam como uma vassoura, empurrando pequenas partículas em direção as vias aéreas superiores (WEST, 1990). A traquéia ramifica-se em dois brônquios principais: o direito, que se orienta quase verticalmente, e o esquerdo, que se orienta mais obliquamente (SILVERTHOR,1992). A traquéia (16 a 20 peças cartilaginosas em forma de C com extremidades livres voltadas para região dorsal e unidas entre si por tecido fibroso e musculatura lisa) divide-se em brônquios principais, que subdividem-se em brônquios segmentares. Este processo continua até os bronquíolos terminais, que são as vias aéreas mais finas sem alvéolos. Este conjunto chama-se vias aéreas condutoras e constitui o espaço morto anatômico com volume de ± 150 ml (RATO, 1981). As cartilagens asseguram que a via aérea sempre permanecera aberta. O ponto de divisão da traquéia é marcado por uma crista cartilaginosa denominada carina (KISNER, 2004) Brônquios principais Os brônquios principais são vias aéreas que possuem cartilagens em suas paredes (GASKELL, 1988). Os brônquios direito e esquerdo são revestidos por células similares aos da cavidade nasal, que filtram e umidificam o ar e o conduzem até o pulmão (LUCE, 1993). Cada brônquio principal possui anéis de cartilagem hialina no interior de suas paredes envolvendo o lume para mantê-lo aberto quando se estende pelo pulmão (GRAAFF, 2003). Cada brônquio principal divide-se em brônquios secundários ou lobares (dois a esquerda e três a direita), cada um dos quais supre um lobo do pulmão. Cada brônquio lobar divide-se brônquios terciários ou segmentar, que suprem segmentos específicos do pulmão chamados segmentos broncopulmonares (DÂNGELO, 2000). Os brônquios contêm cartilagem, glândulas submucosas, células epiteliais ciliadas e goblet cells. Sua musculatura lisa é inervada por terminais muscarínicos carreadas pelo vago. Os receptores da tosse são encontrados nos brônquios maiores, sobretudo nas bifurcações. Por

23 23 não ter uma grande total cross-section área, eles são os responsáveis pela maior parte da resistência ao fluxo aéreo pulmonar (LUCE, 1993). A árvore bronquial, é assim denominada porque está composta de uma série de tubos respiratórios que se ramificam progressivamente em tubos mais estreitos que se estendem no interior dos pulmões, continua se ramificando em túbulos cada vez menores chamados bronquíolos (SILVERTHOR, 1992). Os bronquíolos, por sua vez, não tem cartilagem, glândulas ou loblet cells. As goblet cells são células epiteliais produtoras de mucinas, que vão diminuindo em quantidade perifericamente, e normalmente desaparecem nos bronquíolos terminais. O seu desaparecimento ocorre antes das células epiteliais ciliadas, que desaparecem nos bronquíolos respiratórios, faz sentido porque com isso, é mínimo o backflow de muco para os ductos alveolares e alvéolos. Em várias doenças das vias aéreas (asma, fibrose cística), há um aumento da goblet cells. Entretanto, não se sabe a importância disso na fisiopatologia dessas doenças. Os cílios são mais esparsos nos bronquíolos e a sua musculatura não é inervada pelo vago. Uma vez que os bronquíolos não possuem uma grande total cross-section área, eles contribuem pouco para a resistência ao fluxo aéreo pulmonar (WEST, 1990). Entretanto, por não terem a parede rígida, sua dimensão varia com o volume pulmonar. Os bronquíolos são localizados dentro do tecido conectivo da estrutura pulmonar, e tem a parede fina. Por isso, embora tenha pouca contribuição para a resistência pulmonar a altos ou normais volumes pulmonares, o mesmo não ocorre a baixos volumes pulmonares. Desta forma, um pulmão ventilando próximo ao volume residual, ou seja, muito complacente, com grande colapsibilidade, os bronquíolos periféricos se colabam a baixos volumes pulmonares (MURRAY, 1994). Os bronquíolos terminais se subdividem em bronquíolos respiratórios que tem alvéolos ocasionais em suas paredes. A continuação é em ductos alveolares que são totalmente forrados de alvéolos. A zona que vai do bronquíolo respiratório ao alvéolo é chamada de zona respiratória por alguns autores ou zona transicional e respiratória por outros. A zona respiratória é a maior parte do pulmão e tem volume de 2500 ml. À distância entre o bronquíolo terminal e o alvéolo é de 5 mm. (SCANLAN, 2000). Bronquíolos respiratórios: - não tem nódulos linfáticos - não tem cílios e nem células caliciformes

24 24 - não tem cartilagem - surgem a partir da 17ª ordem de grandeza - tem musculatura lisa e espessa que envolve os lumes (podendo constringir ou dilatar) - são menores ou iguais a 0,4 mm A partir do bronquíolo respiratório (17) não tem mais veia pulmonar (passa a ser septal) e nem artéria brônquica (DÂNGELO, 2000). A unidade funcional pulmonar é a menor estrutura pulmonar com funções de pulmão. A unidade funcional pulmonar chama-se ácino. A definição de ácino, lóbulo secundário, lóbulo primário e unidade funcional, variam de autor para autor Alvéolos Os alvéolos são sacos de ar com uma única camada de células achatadas com fibras elásticas finas. São envolvidos por uma rede de capilares, nos alvéolos há poros que permitem a passagem de ar de um alvéolo para o outro, poros de Kohn e Lambert, produzindo o fenômeno de corrente colateral de ar (FROWNFELTER, 2004). A superfície alveolar é composta, basicamente, por células tipo I. Os pneumócitos tipo II são maiores que as células tipo I e estão dispersas na superfície alveolar. Os pneumócitos tipo II possuem como função a secreção de surfactante, além de mecanismos de defesa, resposta inflamatória e reparação alveolar (PRESTO, 2007). As paredes dos alvéolos não contem músculo, porque as fibras musculares poderiam bloquear a troca rápida de gases. A função principal dos alvéolos é a troca gasosa entre o ar contido em seu interior e o sangue. A proximidade dos capilares sanguíneos com o ar nos alvéolos é essencial para a troca rápida de gases (SILVERTHOR, 1992).

25 Mecânica ventilatória O estudo da mecânica ventilatória é simplesmente a análise do movimento do ar pelas vias aéreas, ou seja, o processo de inspiração e expiração (MERCADO, 2003). A mecânica respiratória relaciona-se com o processo físico de transporte de gás no sistema respiratório. Esse processo engloba a ação da parede torácica e as propriedades físicas do fluxo de ar dentro das vias aéreas. A função mecânica do pulmão está intrinsecamente relacionada a outros aspectos da fisiologia pulmonar (FAFFE, 2001) Movimentos da caixa torácical Figura 1 - Movimento da caixa torácica nos movimentos de inspiração e expiração Fonte: Astrazeneca Respiratória Multimídia Tópicos do Sistema Respiratório A inspiração normal em repouso é realizada através da contração dos músculos da respiração, e a expiração em repouso resulta do relaxamento dos músculos e da retração

26 26 elástica. Uma inspiração e uma expiração mais profundas podem ser forçadas pelas contrações dos músculos respiratórios acessórios (GRAAFF, 2003). Em condições fisiológicas, na ausência de fluxo aéreo, a caixa torácica e os pulmões possuem um equilíbrio de suas forças, pois ambas possuem comportamento elástico. Em condições normais, a tendência do pulmão é colapsar (força de retração elástica) e a tendência natural da caixa torácica é saltar para fora (PRESTO, 2007). O mecanismo normal da respiração depende não só da anatomia dos músculos respiratórios como, em particular, das costelas e suas articulações na caixa torácica. Durante a respiração, produzem-se alterações no volume da caixa torácica em três diâmetros (GASKELL, 1988) Diâmetro antero-posterior Há movimento do esterno e das costelas superiores para frente e para cima, descrito como um movimento de alavanca de bomba de poço. A coluna torácica estende-se (retifica), possibilitando maior excursão do esterno (KISNER, 2004) Diâmetro transverso Aumentam de dois modos: um passivo e outro ativo. O aumento passivo deve-se a forma das costelas e ao eixo em torno do qual elas giram durante a inspiração. A costela inclinada para baixo não só se eleva no sentido anteroposterior como também lateral. Essa expansão lateral das costelas aumenta da quinta costela para baixo porque as cartilagens costais tornam-se progressivamente mais obliquas (LUCE, 1993). Isso não ocorre nos quatro pares superiores, visto que suas cartilagens costais são demasiado curtas para permitir essa separação. O aumento ativo no diâmetro transverso é ocasionado pelo movimento de alça de balde das costelas inferiores. Essas costelas rodam em torno de um eixo que passa através da extremidade anterior e posterior de cada uma, como que levantando a alça caída do lado de um balde (WEST,1990).

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar

Sistema Respiratório I - INTRODUÇÃO. O que é respiração? Respiração celular. Respiração pulmonar III - ESTRUTURA II - FUNÇÃO. Ventilação Pulmonar I - INTRODUÇÃO O que é respiração? Respiração celular Ocorre no interior das mitocôndrias subs orgânicas + O2 energia + CO2 + H2O Respiração pulmonar Trocas gasosas entre o ar atmosférico e o sangue Hemerson

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ

SISTEMA RESPIRATÓRIO INTRODUCÃO NARIZ INTRODUCÃO Nossas células necessitam, para exercerem suas funções, de um suprimento contínuo de oxigênio para que, num processo químico de respiração celular, possam gerar a energia necessária para seu

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Função Permite que o oxigénio do ar entre para o sangue nos pulmões; Permite a passagem do dióxido de carbono do sangue para o ar. Associação Trabalha em conjunto com o Sistema Cardiovascular Fornecer

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS AULA 2 ANOTAÇÕES DE AULA 1 FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Compreende a absorção de O 2 e a eliminação de CO 2 pelos pulmões (respiração externa), o transporte de

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

Fisiologia Respiratória

Fisiologia Respiratória Fisiologia Respiratória Prof. Vinicius Coca Fisioterapeuta Especialista em Pneumofuncional Mestre em Terapia Intensiva - SOBRATI Mestre em Ensino na Saúde - UGF Anatomia Funcional Respiratória Pulmão Anatomia:

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA

MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA MISCELÂNIA FISIOTERAPIA CARDIORRESPIRATÓRIA CONTEÚDO FUNDAMENTOS DE FISIOTERAPIA MÉTODOS & TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO, TRATAMENTO & PROCEDIMENTOS EM FISIOTERAPIA PROVAS DE FUNÇÃO MUSCULAR, CINESIOLOGIA & BIOMECÂNICA

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório Sistema respiratório Aparelho respiratório Divisão do aparelho respiratório: Porção condutora Constituído de dois pulmões e de estruturas ocas com a função de proporcionar a troca gasosa. Fossas nasais,

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

Compreender a Doença Pulmonar

Compreender a Doença Pulmonar Compreender a Doença Pulmonar INTRODUÇÃO Para compreendermos o funcionamento do organismo, muitas vezes descrevemo-lo como sendo formado por várias partes ou sistemas. Assim, por exemplo, temos o sistema

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 12 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem

Leia mais

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos.

RESPIRAÇÃO. Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. RESPIRAÇÃO Respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química nos alimentos. A respiração intracelular pode ser: Aeróbica: Ser vivo que depende do gás carbônico para obter energia

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo.

Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri. Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Liga de Medicina Intensiva e Emergência do Cariri Fisiologia Respiratória aplicada ao Intensivismo. Adelina Feitosa. Barbalha, 17 de abril de 2008. Mecânica da ventilação

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Respiratório Unidade II Material de Apoio 1 Generalidades Quase todas as células utilizam continuamente o O 2 para as reações metabólicas: Que liberam energia a partir

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula

Corpo Humano. A Menor Unidade Viva do Corpo Humano: Célula : Estuda a Estrutura Estática do Corpo Humano É Utilizada para Classificar e Descrever as Lesões de acordo com Sua Localização Prever Lesões de Órgãos Internos, baseando-se na Localização Externa da Lesão

Leia mais

Identificação das Limitações do Organismo Humano

Identificação das Limitações do Organismo Humano Disciplina: Ergonomia Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 03 Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano SISTEMA MÚSCULO - LIGAMENTAR É o responsável pela movimentação

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Fisiologia V e t e r i n a r i a n D o c s Fisiologia Fisiologia do Sistema Respiratório Respiração nos Mamíferos -Respiração: inclui todos os processos químicos e físicos pelos quais o organismo efetua trocas gasosas

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo

Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL. Respiração das Aves. Monitor: André Fernandes de Azevedo Universidade Federal Fluminense Fisiologia Veterinária I - MFL Respiração das Aves Monitor: André Fernandes de Azevedo Revisão: Nos mamíferos http://veterinerara.com/wp-content/uploads/2009/08/liver-feline-anatomy.gif

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso

Especialização em Fisioterapia Intensiva. Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Especialização em Fisioterapia Intensiva Fisioterapia Intensiva Neopediatrica Profa. Carina Perruso Fisioterapia Intensiva Neonatal e pediátrica Conteúdo programático Anatomia e fisiologia cardiorrespiratória

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

- TC Tórax - - Terminologia descri7va - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave.

- TC Tórax - - Terminologia descri7va - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave. - TC Tórax - - Lesões elementares / padrões fundamentais - - Terminologia descri7va - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave Abril 2012 Aprisionamento aéreo a) Inspiração b) Expiração - Retenção

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. André Maia

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. André Maia SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. André Maia A respiração é o mecanismo que permite aos seres vivos extrair a energia química armazenada nos alimentos e utilizar essa energia nas diversas atividades metabólicas

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Categorias de Músculos

Categorias de Músculos URI Curso de Psicologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Aparelho Locomotor: ossos, junturas e músculos Os músculos constituem os elementos ativos do movimento Os ossos constituem os elementos passivos do

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Aula 01 Organização

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA RESPIRATÓRIA Marcos Barrouin Melo, MSc CURSO DE EMERGÊNCIAS EV UFBA 2008 INTRODUÇÃO Funções do sistema respiratório Suprir O 2 e remover CO 2 Equilíbrio térmico > ventilação > perda de água e calor Manutenção

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA 01. O transporte de CO 2 no sangue dos vertebrados é feito, principalmente, sob a forma de: a) carboxi-hemoglobina b) íons bicarbonato pela ação da anidrase

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O sistema respiratório é responsável pelo mecanismo de troca gasosa (hematose) com o ar atmosférico para garantir

Leia mais

Por que os peixes não se afogam?

Por que os peixes não se afogam? Por que os peixes não se afogam? A UU L AL A Dia de pescaria! Juntar os amigos para pescar num rio limpinho é bom demais! Você já reparou quanto tempo a gente demora para fisgar um peixe? Como eles conseguem

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

Embriogênese do Aparelho. as Adaptações. Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Embriogênese do Aparelho Respiratório rio e sua relação com as Adaptações à Vida Pós-NatalP Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA PERÍODOS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO 1)

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.:

b) Qual a pressão arterial de uma pessoa jovem, normal, e quantos batimentos cardíacos por minuto tem em média? R.: PROFESSOR: Mônica Narciso BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Questões Discursivas 01-

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto

PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto PATOLOGIAS DO TÓRAX Profª Débora Souto ANATOMIA TORÁCICA O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e mediastino.

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON SISTEMA RESPIRATÓRIO A respiração é a troca de substâncias gasosas entre o ar que

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Mecanismos de Defesa Respiratória. Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora

Mecanismos de Defesa Respiratória. Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora Mecanismos de Defesa Respiratória Ft. Daniella Vento Prof. Dr. Paulo Roberto Barbosa Evora Sistema Respiratório Vias Aéreas Superiores Nariz e Boca Faringe Nasofaringe; Orofaringe; Laringofaringe. Laringe

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório. A circulação do sangue permite o transporte

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUMAS OBSTRUÇÕES RESPIRATÓRIAS

ANÁLISE DE ALGUMAS OBSTRUÇÕES RESPIRATÓRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ANÁLISE DE ALGUMAS OBSTRUÇÕES RESPIRATÓRIAS Patrícia Araújo Barbosa¹ Universidade Federal de Uberlândia Av.

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Sistema Respiratório Capítulo 9

Sistema Respiratório Capítulo 9 Sistema Respiratório Capítulo 9 1 FUNÇÕES O sistema respiratório permite o transporte do O 2 para o sangue, a fim de ser distribuído para as células, e a retirada do CO 2, dejeto do metabolismo celular,

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Prof Me Alexandre Rocha

Prof Me Alexandre Rocha Prof Me Alexandre Rocha alexandre.personal@hotmail.com www.professoralexandrerocha.com.br login: profrocha e senha: profrocha www.avaliacaoja.com.br www.professoralexandrerocha.com.br 1 Função O propósito

Leia mais

Técnicas de Fisioterapia Hospitalar. Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática;

Técnicas de Fisioterapia Hospitalar. Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática; Biomecânica da Respiração Técnicas de Fisioterapia Hospitalar Inspiração= relaxamento da musculatura torácica superior e da contração diafragmática; Expiração= relaxamento diafragma e leve contração abdominal,

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013

PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013 PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013 1. (Fgv 2012) O epitélio respiratório humano é composto por células ciliadas e pelas células caliciformes produtoras

Leia mais