WALTER PINHEIRO NORONHA ALTERAÇÕES MORFOMÉTRICAS DA MAXILA EM PACIENTES EM CRESCIMENTO TRATADOS COM O APARELHO QUADRIHÉLICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WALTER PINHEIRO NORONHA ALTERAÇÕES MORFOMÉTRICAS DA MAXILA EM PACIENTES EM CRESCIMENTO TRATADOS COM O APARELHO QUADRIHÉLICE"

Transcrição

1 WALTER PINHEIRO NORONHA ALTERAÇÕES MORFOMÉTRICAS DA MAXILA EM PACIENTES EM CRESCIMENTO TRATADOS COM O APARELHO QUADRIHÉLICE CAMPINAS 2008

2 WALTER PINHEIRO NORONHA ALTERAÇÕES MORFOMÉTRICAS DA MAXILA EM PACIENTES EM CRESCIMENTO TRATADOS COM O APARELHO QUADRIHÉLICE Dissertação apresentada ao Centro de Pós-Graduação / C.P.O. São Leopoldo Mandic, para obtenção do grau de Mestre em Odontologia. Área de Concentração: Ortodontia Orientador: Prof. Dr. Franco Arsati CAMPINAS 2008

3 Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca "São Leopoldo Mandic" N852a Noronha, Walter Pinheiro. Alterações morfométricas da maxila em pacientes em crescimento tratados com o aparelho quadrihélice / Walter Pinheiro Noronha. Campinas: [s.n.], f.: il. Orientador: Franco Arsati. Dissertação (Mestrado em Ortodontia) C.P.O. São Leopoldo Mandic Centro de Pós-Graduação. 1. Técnica de expansão palatina. 2. Maloclusão. 3. Ortodontia. I. Arsati, Franco. II. C.P.O. São Leopoldo Mandic Centro de Pós- Graduação. III. Título.

4 C.P.O. - CENTRO DE PESQUISAS ODONTOLÓGICAS SÃO LEOPOLDO MANDIC Folha de Aprovação A dissertação intitulada: ALTERAÇÕES MORFOMÉTRICAS DA MAXILA EM PACIENTES EM CRESCIMENTO TRATADOS COM O APARELHO QUADRIHÉLICE apresentada ao Centro de Pós-Graduação, para obtenção do grau de Mestre em Odontologia, área de concentração: Ortodontia em / /, à comissão examinadora abaixo denominada, foi aprovada após liberação pelo orientador. Prof. (a) Dr (a) Orientador Prof. (a) Dr (a) 1º Membro Prof. (a) Dr (a) 2º Membro

5 DEDICATÓRIA Minha Esposa e meus filhos. Pelo amor incondicional, apoio e incentivo constantes.

6 AGRADECIMENTOS A DEUS fonte de luz e vida. Ao Prof. Dr. José Luiz Cintra Junqueira, por compartilhar os segredos da caminhada rumo ao saber. Ao Prof. Dr. Thomaz Wassal, por sua dedicação, colaboração e inestimável apoio. Ao Prof. Mário Sérgio Duarte, pela boa coordenação e condução do curso, oportunizando uma valorosa contribuição ao meu aprimoramento científico. Ao Prof. Dr. Marcelo Cavenaghi Pereira da Silva, pelo auxílio e orientação neste período. A todos os professores e funcionários do Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic pela dedicação e colaboração. A todos os que contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho.

7 Mais vale o que se aprende que o que te ensinam. Alex Periscinoto

8 RESUMO A expansão maxilar lenta constitui uma alternativa para a correção da atresia maxilar e caracteriza-se pelo uso de forças leves, o que permite uma adaptação fisiológica à expansão maxilar. O quadrihélice é um dispositivo de expansão lenta utilizado para correção da mordida cruzada decorrente do estreitamento do palato. Este estudo teve por objetivo avaliar a expansão maxilar lenta com o uso do aparelho quadrihélice. Neste estudo foram avaliados 36 pacientes, com idades de 7,5 a 14 anos, portadores de atresia maxilar tratados com o quadrihélice. Para avaliação dos efeitos do aparelho foram utilizados modelos de estudo e radiografias frontais e laterais no início e ao final do tratamento. Para análise estatística foi utilizado o teste t de Student. Os resultados deste estudo indicaram um aumento significativo na distância intermolar inferior (1,3±3,97), largura da cavidade nasal (0,8±1,79), largura facial (2,2 mm±5,54), largura maxilomandibular no lado direito (1,4 mm±2,20) e na altura facial inferior (1,0º±3,13). Houve diminuição significativa da distância do primeiro molar inferior ao plano jugal direito. Pode se concluir que os efeitos ortodônticos e esqueléticos promovidos pelo quadrihélice na correção da atresia maxilar foram satisfatórios. Palavras-chave: Quadrihélice. Expansão maxilar. Maloclusão. Bioprogressiva.

9 ABSTRACT The slow maxillary expansion constitutes an alternative for correction of the maxillary atresia and it is characterized by the use of light forces, inside of the elastic limits of the periodontal tissue, what it allows a more physiological adaptation to the maxillary expansion. The quad-helix is a device of slow expansion used for correction of the crossbite due to the narrow palate. The objective of this study was evaluated the slow maxillary expansion with quad-helix appliance. In this study was evaluated 36 patients with ages of 7.5 to 14 years, carriers of maxillary atresia treat with the quadhelix. For evaluating the effect of the device were used model of study and frontal and lateral x-rays at the beginning and at the end of the treatment. The Student s test t was used for statistical analysis. The results from this study indicated a significant increase in the distance to intermolar inferior (1.3 mm±3.97), width of the nasal cavity (0.8 mm±1.79), face width (2.2 mm±5.54), width to maxilomandibular in the right side (1.4 mm±2.20) and in the inferior face height (1.0º±3.13). There was a significant reduction of the distance of the first inferior molar to the right zygomatic plan. It can conclude that the orthodontic and skeletal effects promoted by the quad-helix in the correction of the maxillary atresia were satisfactory. Keywords: Quad-helix. Maxillary expansion. Maloclusion. Bioprogress.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Fotografias denotando as características da deficiência tranversal da maxila no pré-tratamento...49 Figura 2 - Fotografias dos modelos de estudo iniciais...51 Figura 3 - Fotografia do aparelho quadrihélice colocado no modelo Figura 4 - Fotografia do aparelho quadrihélice ativado inicialmente no modelo (A) e instalação no paciente (B) Figura 5 - Fotografia do aparelho quadrihélice ativado intrabucalmente, após 40 dias de tratamento...53 Figura 6 - Traçado em norma lateral da altura facial inferior Figura 7 - Traçado em norma frontal das medidas avaliadas...55 Tabela 1 - Valores de média e de desvio padrão, segundo a medida, no início e no final do tratamento ortodôntico...56 Gráfico 1 - Diagrama de caixa para a distância inter 1º MI (mm) Gráfico 2 - Diagrama de caixa para a distância J-J (largura maxilar) (mm)...57 Gráfico 3 - Diagrama de caixa para a largura da cavidade nasal (mm)...58 Gráfico 4 - Diagrama de caixa para a Distância ZA-AZ (largura facial) (mm)...58 Gráfico 5 - Diagrama de caixa para a distância AG-GA (largura da mandíbula) (mm) Gráfico 6 - Diagrama de caixa para a distância J-ZR-GA direito (mm)...59 Gráfico 7 - Diagrama de caixa para a Distância J-ZR-GA esquerdo (mm)...60 Gráfico 8 - Diagrama de caixa: distância do 1º M inf. plano jugal direito (mm)...60

11 Gráfico 9 - Diagrama de caixa: distância do 1º M inf. plano jugal esquerdo (mm) Gráfico 10 - Diagrama de caixa: altura facial inferior...61 Tabela 2 - Diferença das médias, mínimos, máximos e desvios padrões das diferenças obtidas nas medidas, com o tratamento ortodôntico...62

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ANB NAP NL/ML SN.Gn SN.GoGn SNA SND SNPO - Ângulo formado pelas linhas N-A e N-B. Estabelece a relação ântero-posterior entre maxila e mandíbula através do ponto N - Ângulo da convexidade facial - Ângulo que estabelece a inclinação da maxila em relação à mandíbula - Estabelece a altura do terço inferior da face - Ângulo formado pela convergência da linha S-N com o plano Mandibular (expresso por GoGn) - Ângulo formado pelas linhas S-N e N-A. Determina a relação ântero-posterior da maxila em relação à base anterior do crânio - Relaciona a base anterior do crânio com a mandíbula no sentido ântero-posterior - Ângulo formado pela linha Sela-Násio e plano oclusal

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA PROPOSIÇÃO MATERIAL E MÉTODO Caracterização do universo e plano de amostragem Material Tratamento Análise estatística RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO...72 REFERÊNCIAS...73 ANEXO A - APROVAÇÃO DO COMITE DE ÉTICA - CEP...79 ANEXO B - TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO...80

14 12 1 INTRODUÇÃO A atresia maxilar caracteriza-se por apresentar constrição do arco dental superior que provoca alterações nos dentes e ossos, culminando em maloclusões caracterizadas pela mordida cruzada dento esquelética (Moyers, 1991). Este distúrbio afeta tanto a função como a estética dentofacial, sendo fundamental a intervenção ortodôntica ou ortopédica para se obter a normalização de todo o sistema estomatognático. A atresia maxilar é indubitavelmente nociva e pode ser desencadeada por fatores epigenéticos que contribuem para o desenvolvimento e crescimento anormal da maxila durante a infância (Proffit, Fields, 1995). Nesta fase, se faz necessário a intervenção terapêutica que evitará seqüelas que estão associadas a problemas como respiração bucal, mordida cruzada posterior uni ou bilateral, eliminando, assim a possibilidade de instalação de problemas funcionais de ordem geral (Graber, Vanarsdall, 1996). A respiração bucal ocorre devido à obstrução da vias aéreas superiores e está diretamente relacionada a problemas de oclusão, uma vez que promove alterações nos músculos, funções, postura e ossos faciais. A Síndrome do Respirador Bucal é caracterizada por várias deformidades ósseas, como atresia do maxilar superior, resultando em palato alto, mordidas cruzadas unilaterais ou bilaterais dentais, apinhamento dental anterior e falta de espaço para erupção dos dentes permanentes. Um indivíduo portador de respiração bucal pode criar o hábito postural de boca aberta que pode perdurar mesmo após a desobstrução nasal. A

15 13 falta de contato labial determina a hipotonia do lábio superior, com lábios inferiores aparentemente espessos. Além disso, os indivíduos respiradores bucais apresentam olheiras, sono perturbado, ronco, rinite, asma, vias aéreas superiores e narinas estreitas, dificultando a passagem de ar, postura corporal desviada e baixo rendimento nas atividades (Linder-Aronson, 1970; Lusvarghi, 1999). Os hábitos bucais deletérios deveriam ser motivos de preocupação da família e também daqueles que lidam cotidianamente com a saúde infanto-juvenil. Orientações sobre o uso adequado da mamadeira, como a manutenção do bebê em posição vertical durante o ato, são importantes para o aprendizado da respiração por vias normais e pode evitar a instalação da respiração bucal. O controle do uso da chupeta e hábito de sucção digital também pode evitar a deformação do arco dental superior (Moyers, 1991). A mordida cruzada é um dos problemas de oclusão associado com a respiração bucal. Podem ser definidas como sendo aquelas que apresentam o perímetro do arco dental superior constrito em relação ao arco dental inferior, podendo ser dental ou esquelética (Cabrera, Cabrera, 1997). É acompanhada frequentemente pelo deslocamento lateral mandibular e pelo desvio da linha média inferior por causa da redução na largura do arco dental superior. Apresenta uma prevalência de 7 a 23% em crianças brancas e em quaisquer das dentições (Araújo, Prietsh, 1995). O tratamento desta maloclusão inclui a tração e expansão maxilar, expandindo a dimensão transversal da maxila e do arco dental superior (Podesser et al., 2007). A expansão maxilar tem sido uma técnica clinicamente adotada por mais de 100 anos no tratamento da atresia maxilar. Diferentes dispositivos podem ser

16 14 utilizados na expansão maxilar, incluindo aparelhos de expansão rápida, que promovem maiores efeitos ortopédicos e os de expansão lenta, mais indicados para expansão ortodôntica (Haas, 1970; Lamparski et al., 2003). A expansão da maxila promove simultaneamente a abertura da sutura intermaxilar com subseqüentes alterações esqueléticas no sentido ântero-posterior e vertical. Com o aumento do assoalho nasal, aumenta também o fluxo de ar, propiciando a normalização da respiração (Marchioro et al., 1997; Hahn et al., 1999; Garib et al., 2001). Este estudo tem por objetivo avaliar os efeitos do quadrihélice - expansão maxilar lenta, verificando se o mesmo cria condições adequadas para o crescimento normal do esqueleto craniofacial e para a função normal do sistema estomatognático.

17 15 2 REVISÃO DA LITERATURA Para estudos dos diversos aspectos relacionados à expansão maxilar, incluindo as diferentes técnicas e aparelhos utilizados, foram consultadas as bibliografias listadas a seguir. Os primeiros estudos sobre expansão maxilar remontam à década de 60, a partir de estudos histológicos, clínicos e radiográficos de Haas (1961). O estudo envolveu 10 indivíduos com idades entre nove e dezoito anos, com deficiência maxilar e insuficiência nasal. Foi utilizado um aparelho expansor constituído por uma estrutura metálica formada por quatro bandas, inclusas em uma porção acrílica com parafuso expansor, com bandas colocadas nos primeiros molares permanentes e nos primeiros pré-molares ou nos primeiros molares decíduos, conectados através de barras linguais estendidas anterior e posteriormente. O parafuso expansor situado diretamente sobre a linha média do palato, foi calibrado para obter de 0,8 mm a 1,0 mm de expansão a cada volta completa. Após o término da fase ativa o aparelho permaneceu no local por aproximadamente três meses, atuando como aparelho de contenção fixa, sendo instalada posteriormente uma placa removível para contenção durante 12 meses. A expansão maxilar foi obtida facilmente, com abertura da sutura palatina mediana, sem relato de dor durante o processo. Num estudo posterior, Haas (1970) efetuou a abertura da sutura maxilar pela terapia da expansão aplicada em indivíduos abaixo de 16 ou 17 anos e observou as seguintes modificações ortodônticas e ortopédicas: a) a sutura palatina mediana mostrou-se paralela, no sentido ântero-posterior e triangular com o vértice

18 16 na cavidade nasal no sentido inferior/superior; b) ocorreu abertura de diastema entre os incisivos centrais durante a fase ativa, com fechamento espontâneo na fase passiva; c) os processos alveolares inclinaram-se e moveram-se lateralmente, enquanto os processos palatais oscilaram inferiormente em suas margens livres, promovendo a expansão do arco dental e o aumento na capacidade intranasal; d) a maxila se moveu para frente e para baixo no sentido das suturas maxilocraniofaciais, causando rotação para baixo e para trás da mandíbula com diminuição do comprimento efetivo da mandíbula e aumento da dimensão vertical da face inferior. Linder-Aronson (1970) estudou uma amostra de 81 indivíduos respiradores bucais que necessitavam ser submetidos à adenoidectomia. Analisou as características da dentição em respiradores bucais e afirmou ter encontrado atresia do arco maxilar, retroinclinação dos incisivos superiores e inferiores, altura da abóbada palatina normal, mordidas cruzadas posteriores e tendência de mordida aberta e relacionamento ântero-posterior normal. Bell & Lecompte (1981) relataram os efeitos da expansão maxilar utilizando o quadrihélice em 10 pacientes durante a dentição decídua (cinco pacientes) e mista (cinco pacientes), com média de idade de 6,7 anos e portadores de mordida cruzada posterior. Houve aumento significativo nas medidas intermolares e caninos superiores que mostraram valores médios de +5,3 mm e de +4,1 mm, respectivamente. A fase ativa do tratamento durou em média 30 dias, sendo conduzido um período de contenção padrão de seis semanas. Depois de um período de três meses de pós-contenção a recidiva das dimensões transversais intermolar e intercanino diminuíram em média -1,5 mm e -1,9 mm, respectivamente. O potencial de recidiva foi compensado com sucesso por uma sobre expansão de 2 a 3 mm durante a fase ativa do tratamento. Nenhuma diferença significativa foi observada

19 17 entre os pacientes com dentição decídua e mista durante a expansão maxilar com o dispositivo quadrihélice. A partir de análise de modelo tridimensional do crânio humano Chaconas & Caputo (1982) avaliaram os efeitos da expansão maxilar com os aparelhos de Haas, Minne-expansor, Hyrax, Quadrihélice e uma placa de expansão removível. Os dispositivos de Haas, Minne-expansor, Hyrax produziram estresses que se estenderam ao longo das placas perpendiculares do osso do palato até as estruturas anatômicas mais profundas, tais como o osso lacrimal, nasal e malar, assim como placa pterigóide e esfenóide. Características similares de estresse foram vistas com o dispositivo removível. O dispositivo quadrihélice demonstrou menos efeitos ortopédicos, sendo que, mesmo com mais ativação o dispositivo afetou primeiramente os dentes posteriores. Analisando os efeitos da expansão maxilar lenta e rápida na estrutura periodontal dos primeiros molares superiores, Greenbaum & Zachrisson (1982) verificaram a partir de uma amostra com 61 pacientes, que não houve diferenças significativas nas duas técnicas com relação às condições periodontais dos molares superiores quando comparadas com um grupo controle. Entretanto, os pacientes tratados com expansão rápida apresentaram maiores alterações na região central dos primeiros molares se comparado àqueles tratados com o quadrihélice. Os efeitos da expansão maxilar com quadrihélice a partir de medidas cefalométricas frontais e laterais em pacientes ortodônticos em crescimento foram relatados por Frank & Engel (1982). Foram selecionados para estudo 20 pacientes, sendo nove do gênero feminino e 11 do masculino (idade = 10 anos e três meses), portadores de mordida cruzada posterior. As mudanças ortodônticas incluíram

20 18 aumento médio da largura intermolar superior de 5,88 mm, aumento médio na relação molar frontal média de 2,95 mm e aumento médio da largura intercaninos superiores de 2,74 mm. As mudanças ortopédicas evidenciadas foram o aumento médio na largura da maxila de 0,92 mm e um aumento médio na largura maxilomandibular de 0,89 mm. Nenhuma mudança significativa na largura intermolar inferior foi observada. Os autores concluíram que as mudanças na expansão mostraram pouca recidiva entre final do tratamento e o período de contenção e que a expansão ortopédica moderada é possível com o quadrihélice, mas somente mínima expansão ortopédica foi demonstrada consistentemente. Em terapias que incluem arco lingual, diferentes dispositivos podem ser utilizados como arcos linguais, ganchos molares, grampos, e botões. De acordo com Wilson & Wilson (1983), o uso destes acessórios em aparelhos removíveis torna-se mais fácil e rápido do que com aparelhos fixos. Dois tipos básicos de tubo molar podem ser utilizados, o vertical e horizontal. O tubo vertical fornece encaixe seguro para determinadas funções linguais, simplificando o tratamento. Entretanto, apresenta algumas desvantagens: a) possibilidades de rotação deficiente do molar; b) movimentos axiais limitados do molar, isto é, inclinação e torque; c) suporte insuficiente para o quadrihélice e arcos transpalatais. O tubo horizontal, assim como o tubo vertical, permite a remoção do dispositivo para ajuste e a inserção horizontal possibilita um bom controle da rotação do molar, e ainda oferece suporte estável para alguns dispositivos linguais. As desvantagens incluem deficiências nos ajustes para controle axial do molar, isto é, inclinação e torque e a necessidade de espaçamento dos incisivos na inserção do dispositivo, impedindo qualquer possibilidade de intercambialidade requerida para um sistema lingual completo.

21 19 Em um estudo clínico e radiográfico Lindner et al. (1986) avaliaram os efeitos de aparelhos que dissipam forças leves para expansão maxilar. Foram estudados 29 pacientes em fase de dentição decídua portadores de mordida cruzada unilateral. Os pacientes foram submetidos à expansão por quatro semanas, seguida por contenção de quatro semanas e um período de pós-contenção de 12 semanas. Em todas as crianças a mordida cruzada foi corrigida após quatro semanas de expansão. A expansão maxilar média foi de 3,3 mm no segundo molar e 1,3 mm na região dos caninos, porém diminui para 1,5 mm e 1,0 mm, respectivamente, no fim do período pós-contenção, sem recidiva da correção da maloclusão. Silva Filho et al. (1986) conduziram um estudo com o intuito de avaliar as alterações cefalométricas suscitadas pelo expansor fixo tipo quadrihélice aplicado em pacientes no estágio da dentição mista. A amostra utilizada constituiu de 33 crianças, sendo nove do sexo masculino e 24 do sexo feminino, com idades de cinco a 11 anos e cinco meses, perfazendo um valor médio de oito anos e três meses com um desvio padrão de um ano e nove meses. Em todos os casos o expansor fixo tipo quadrihélice foi empregado padronizadamente para descruzar uma mordida cruzada posterior. O aparelho tipo quadrihélice, embora tenha corrigido eficientemente a mordida cruzada posterior em todos os casos tratados, não promoveu alterações significantes nas grandezas cefalométricas angulares estudadas, quais sejam: NAP, SNA, ANB, SND, SN.GoGn, SN.Gn, SNPO. Já as alterações significativas ocorridas nas grandezas lineares apreciadas foram atribuídas ao crescimento normal das estruturas faciais. Em um estudo in vitro, Urbaniak et al. (1988) testaram a força liberada pelo aparelho quadrihélice confeccionado com fio Elgiloy e aço inoxidável com

22 20 diâmetro de 0.032, e e em quatro diferentes tamanhos. Verificaram que a força dissipada pelo quadrihélice foi afetada significativamente pelas mudanças de tamanho e diâmetro do arco, mas não foi influenciada pelo tipo de liga utilizada. O objetivo do estudo retrospectivo de Ranta, desenvolvido em 1988, foi comparar o quadrihélice e a placa removível de expansão quanto ao efeito e ao custo do tratamento de 50 pacientes com mordida cruzada unilateral na fase de dentição mista. Os resultados indicaram que o tratamento com quadrihélice foi executado mais facilmente, sendo também mais eficaz e com o menor custo em relação à placa removível. Segundo a técnica proposta por Jouette (1988), o quadrihélice pode ser construído dobrando-se um fio redondo de diâmetro largo tal como o do Elgiloy 036, número 4, ou Remanium 040. O dispositivo pode ser soldado à superfície lingual da banda dos primeiros molares superiores ou introduzido nas luvas linguais destas bandas. Os quatro laços do quadrihélice fornecem grande flexibilidade. O aparelho foi projetado originalmente para expandir o arco superior ou girar os primeiros molares superiores para reforço de ancoragem, podendo ser utilizado para movimentos dentais individuais ou de vários dentes e, ainda, pode auxiliar na correção de hábito de sucção digital. O crescimento do complexo nasomaxilar, segundo Moyers (1991), deve adaptar-se ao da base craniana, que está ligado ao crescimento da mandíbula, com suas funções na mastigação, fala, expressões faciais, respiração, etc. Os mecanismos de crescimento ocorrem principalmente nas suturas, mas também no septo nasal, na superfície periosteal e endosteal e no processo alveolar.

23 21 A expansão maxilar lenta com quadrihélice e placa de expansão removível foram avaliadas por Boysen et al. (1992). A amostra consistiu de 34 crianças com mordida cruzada posterior unilateral simétrica. Foram utilizados para avaliação modelos de estudo e cefalogramas frontais e laterais, antes do tratamento, no fim da expansão, após um período de contenção de três meses e após um período de pós-contenção de três meses. Os resultados mostraram que uma expansão suficiente dos arcos dentais ocorreu em ambos os grupos. A expansão obtida na região molar no grupo da quadrihélice foi maior em parte devido à translação vestibular dos dentes e no grupo do aparelho removível devido à inclinação vestibular dos dentes. O grupo do quadrihélice mostrou maior expansão basal do que o grupo do dispositivo removível, embora a expansão basal em ambos os grupos tenha sido muito pequena. Observou-se uma tendência para um aumento do ângulo de NL/ML no grupo do dispositivo removível, mas o padrão oposto estava presente no grupo do quadrihélice. Costello (1993) destacou que o uso de botão lingual soldado às bandas do quadrihélice pode fornecer mais estabilidade ao dispositivo. Recomendou o uso de meio botão lingual, aparando-se a metade gengival do botão convencional, antes da soldagem na banda. O botão lingual absorve o calor da solda, que reduz o risco de que o arco do quadrihélice seja recozido. A língua tolerará o meio botão lingual mais rapidamente do que botões normais devido ao revestimento de solda utilizado na fixação do botão ao quadrihélice. O autor ressaltou que este dispositivo pode ser facilmente construído e colocado com custo mínimo no laboratório e no consultório. Tindlund et al. (1993) estudaram os efeitos sagitais na maxila em 68 pacientes com fissura de lábio e palato que foram submetidos à expansão transversa com o uso de um aparelho quadrihélice modificado com quatro bandas na

24 22 dentição decídua ou mista. As análises de cefalogramas laterais não revelaram efeitos dentofaciais sagitais com o tratamento envolvendo o movimento para frente da maxila, mas foi observada a rotação da mandíbula no sentido horário descendente. A elevação da oclusão e o uso do quadrihélice para correção da mordida cruzada lateral foi avaliada por Wedrychowska-Szulc (1995), numa amostra de 49 pacientes. A desoclusão foi realizada em 25 pacientes, sendo que em 13 pacientes foram cimentadas coroas de metal nos primeiros molares superiores permanentes; em 12 pacientes a elevação foi efetuada com compósito recobrindo os primeiros molares inferiores permanentes; e 11 crianças foram tratadas com quadrihélice para expansão do arco dental superior. Os resultados obtidos mostram que a elevação estável da oclusão tornou o tratamento mais curto, especialmente em pacientes que não cooperaram com a terapia. Para os pacientes com maior atresia arco dental superior indicou-se o levantamento da oclusão com coroas dentais metálicas com superfícies alargadas e planas. Nos casos de menor atresia seria suficiente levantar a oclusão com massa tipo compósito. O dispositivo quadrihélice foi considerado o método o mais eficaz e mais rápido de tratamento da mordida cruzada posterior lateral em dentição decídua e mista. O autor enfatizou que o tratamento de mordidas cruzadas laterais, o mais importante deve ser eliminar a desproporção entre a largura do arco dental superior e inferior (alargando a maxila) e obter mordida normal. Araújo & Prietsh (1995) destacaram que a mordida cruzada posterior, que estaria fortemente relacionada com a respiração bucal e deformação da maxila, está entre as maloclusões de maior prevalência nas dentições decídua e mista (7-23 %). Os diversos fatores etiológicos relacionados com esta maloclusão indicam que ela

25 23 pode ser de origem dento-alveolar, esquelética ou ainda se manifestar como adaptações funcionais da mandíbula, devendo, em cada caso, receber uma determinada forma de tratamento. As mudanças esqueléticas e dentais promovidas pela expansão maxilar foram avaliadas por Ladner & Muhl (1995), em 60 modelos dentais do início e final do tratamento de pacientes tratados com expansão rápida e pelo uso do quadrihélice. Os resultados indicaram que embora tenha ocorrido quantidade similar de expansão maxilar dental nos dois grupos, houve maior expansão esquelética com a expansão rápida. A média de profundidade do palato foi maior no grupo da expansão rápida o que sugeriu uma maior erupção dental nesse grupo. A expansão através dos molares inferiores foi maior em média no grupo do quadrihélice e não houve nenhuma diferença no grau de rotação do molar superior ou na forma final dos arcos entre os dois grupos. De acordo com Proffit & Fields (1995), o crescimento maxilar ocorre pela aposição e remodelação do osso nas suturas onde a maxila se articula com o crânio e a base craniana. O crescimento dos tecidos moles adjacentes é responsável pelo movimento para baixo da maxila, abrindo secundariamente espaço nas suturas superior e posterior, onde novas camadas ósseas são adicionadas. O crescimento da base do crânio desloca a maxila para frente, o que representa um terço do movimento anterior da maxila e o restante é relativo ao crescimento nas suturas que ocorre anualmente no plano sagital, em média de 1 mm no período infantil, 0,25 mm no período pré-puberal, aumentando para 1,5 mm durante a puberdade e terminando em torno de 17 anos.

26 24 Um relato de falhas e estimativas de custo do tratamento com quadrihélice foi efetuado em 1995 por Follin & Milleding, a partir de registros de pacientes com maloclusão atendidos em serviço dental público. Os autores verificaram que o custo do tratamento, em 1991, foi de 290 libras (1 libra=4,165 reais, aproximadamente) e que em 59% dos pacientes ocorreu ao menos uma falha do dispositivo, sendo que 46% dessas falhas foram relacionadas à perda de bandas. As alterações dentoesqueléticas promovidas pela utilização de dois tipos de expansores rápidos da maxila foram observadas por Mazzieiro et al. (1996). Foram efetuadas análises numa amostra de 123 telerradiografias efetuadas antes das expansões, imediatamente pós-expansões e depois de três meses de contenção, obtidas a partir da expansão rápida da maxila de 41 indivíduos, de ambos os sexos, com idade entre 10 anos a 16 anos e dois meses e que apresentavam mordida cruzada posterior uni ou bilateral. Com base nos resultados obtidos os autores concluíram que: a) os dois aparelhos expandiram ortopedicamente a maxila; b) não houve diferença estatisticamente significante entre os aparelhos, no que diz respeito às alterações esqueléticas propiciadas pelas expansões; c) não houve recidiva esquelética significativa após três meses de contenção; d) os aparelhos dentomucossuportados provocaram uma maior abertura da mordida anterior durante a fase ativa de expansão, porém. Não se observaram diferenças estatisticamente significativas após o período de contenção; e) não houve diferenças significativas no comportamento dos molares de ancoragem entre os dois grupos; f) a distância intermolares inferiores aumentou em ambos os grupos, porém sem nenhuma correlação. Diferentes abordagens biomecânicas podem ser introduzidas na terapia ortodôntica para se obter a expansão maxilar. Graber & Vanarsdall (1996)

27 25 destacaram três principais categorias: 1) expansão ortodôntica, promovida a partir de movimentos laterais dos segmentos vestibulares que são primariamente de natureza dentoalveolar que tendem a inclinar vestibularmente as coroas dentais é promovida por aparelhos fixos convencionais ou expansores removíveis com molas digitais; 2) expansão passiva, que consiste na expansão lateral dos arcos dentais, quando forças musculares laterais e labiais são eliminadas do contato com a oclusão, a exemplo do uso de alguns aparelhos funcionais e placa lábio-ativa; 3) expansão ortopédica, obtida pelos aparelhos de expansão rápida da maxila, pois, promove mudanças nas estruturas basais esqueléticas com menor movimento dos dentes no osso alveolar. A correlação entre a expansão maxilar e mudanças na posição condilar e nas relações oclusais, foi avaliada por Hesse et al. (1997), a partir de modelos de estudos de 61 indivíduos com idade entre 4,1 e 12 anos tratados com quadrihélice ou Haas para a correção de uma mordida cruzada posterior funcional. Os resultados indicaram que: os côndilos moveram-se posteriormente e superiormente no lado que não apresentava mordida cruzada antes e após o tratamento; aumento do espaço superior da articulação no lado com mordida cruzada após o tratamento; relação molar e canino em Classe II, em ambos os lados, após o tratamento; redução significante no desvio da linha média antes e após o tratamento; aumento na largura intermolar inferior simultaneamente à expansão maxilar. Marchioro et al. (1997) utilizaram a técnica de expansão maxilar para correção da mordida cruzada posterior. A amostra incluiu um indivíduo do gênero feminino, com idade inicial de oito anos e nove meses, em fase de dentição mista, apresentando maloclusão de classe II, 2ª divisão subdivisão direita. O tratamento para correção da mordida cruzada foi realizado com aparelho fixo tipo Haas

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) Sobre a reabsorção localizada severa, é correto afirmar que a) os dentes com dilaceração são fatores de risco. b) o tratamento ortodôntico não é o principal fator etiológico.

Leia mais

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes. ELEMENTOS ESSENCIAIS DE DIAGNÓSTICO Prof. Hélio Almeida de Moraes. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 Documentação do Paciente: 2 1- Ficha Clínica:- 2 A- Identificação: 2 B- Anamnese: 3 História da Família 3 História

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS Jorge Ferreira Rodrigues 1 Marcella Maria Ribeiro do Amaral Andrade 2 Ernesto Dutra Rodrigues 3 Resumo O tratamento ortodôntico da

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A RTIGO DE D IVULGA ÇÃO Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. LIMA FILHO*, Anna Carolina LIMA**, José H. G. de OLIVEIRA***, Antonio C. de

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Alterações Verticais em Paciente com Mordida Aberta e Altura Excessiva da Face Inferior após Expansão Rápida da Maxila

Alterações Verticais em Paciente com Mordida Aberta e Altura Excessiva da Face Inferior após Expansão Rápida da Maxila rtigo de Divulgação lterações Verticais em Paciente com Mordida berta e ltura Excessiva da Face Inferior após Expansão Rápida da Maxila Vertical Changes in a Patient with Open ite and Excessive Lower nterior

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

DISJUNTOR TIPO HYRAX: revisão da literatura

DISJUNTOR TIPO HYRAX: revisão da literatura 1 FACULDADE DE PINDAMONHANGABA André Luis Ribeiro Dias Karina Claro Martins DISJUNTOR TIPO HYRAX: revisão da literatura Pindamonhangaba SP 2011 2 André Luis Rieiro Dias Karina Claro Martins DISJUNTOR TIPO

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

Aparelho Expansor Colado com Cobertura Acrílica para o Controle Vertical, durante a Expansão Rápida da Maxila: Apresentação de um Caso Clínico

Aparelho Expansor Colado com Cobertura Acrílica para o Controle Vertical, durante a Expansão Rápida da Maxila: Apresentação de um Caso Clínico Artigo de Divulgação Relatos clínicos e de técnicas, investigação científica e revisões literárias Aparelho Expansor Colado com Cobertura Acrílica para o Controle Vertical, durante a Expansão Rápida da

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR

TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE PRÉ-MOLAR Miguel da Nóbrega Médico Especialista em Estomatologia DUO Faculdade de Cirurgia Dentária Universidade Toulouse miguel.nobrega@ortofunchal.com TRATAMENTO DE UMA CLASSE II COM IMPACTAÇÃO DE CANINO E DE

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II: REVISÃO DE LITERATURA

MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II: REVISÃO DE LITERATURA FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS- FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA MÁ OCLUSÃO CLASSE II: REVISÃO DE LITERATURA Santa Cruz do Sul 2013 MARCOS PRADEBON TRATAMENTO DA

Leia mais

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO O texto abaixo é um parte do capítulo I do livro manual simplificado de diagnóstico e planejamento em ortodontia e ortopedia que pode ser adquirido em nosso site. Os colegas que não frequentaram cursos

Leia mais

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO.

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO. TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO....Tip-Edge é um braquete com um slot edgewise modificado, pré-ajustado, que permite inclinação da coroa em uma direção e ainda cria ancoragem através de movimento

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Exame Clínico Em Ortodontia Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Nome Gênero Dt Data de Nascimento; Pêso Altura; Endereço Telefone (recados); Pai Mãe Profissões Telefones;

Leia mais

Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada

Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada C ASO CLÍNIC O BBO Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada Carlos Alexandre Câmara* Resumo O caso clínico apresentado refere-se ao tratamento de uma paciente com 36 anos,

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO

Perfil Cursos & Eventos INTRODUÇÃO CEFALOMETRIA RADIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Desde os primórdios da Ortodontia, esta especialidade da Odontologia era mais mutilante do que reabilitadora, uma vez que o tratamento resumiase na extração pura, muitas

Leia mais

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal

O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal O Papel da Hipertrofia Adenotonsilar na Síndrome do Respirador Bucal Mesa Redonda Moderador: Paulo L. Pontes Participantes: Ana Tereza Britto, Gabriela D. de Carvalho, Marcos Mocellin e Ricardo Godinho

Leia mais

Efeitos da expansão rápida da maxila com aparelho expansor tipo Hyrax: avaliação cefalométrica póstero-anterior e em modelos de estudo

Efeitos da expansão rápida da maxila com aparelho expansor tipo Hyrax: avaliação cefalométrica póstero-anterior e em modelos de estudo Paulo Cesar Raveli Chiavini Efeitos da expansão rápida da maxila com aparelho expansor tipo Hyrax: avaliação cefalométrica póstero-anterior e em modelos de estudo Tese apresentada ao Departamento de Clínica

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA APROVADO: MEC e CFO 1º. MÓDULO: 1º. DIA: Apresentação da Especialização / Aula teórica de Classificação das Más-oclusões 2º. DIA: Aula teórica de Etiologia

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com TP Orthodontics HERBST Flip-Lock www.tportho.com TP Orthodontics, Inc. Idéias em Prática. "TP Orthodontics sempre ouve as minhas necessidades e me fornece os melhores produtos para o meu dia-a-dia." -Douglas

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University)

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) PARA O ALINHAMENTO DE DENTES ANTERIORES NA DENTIÇÃO PERMANENTE Contate-nos para obter informações sobre o vídeo de

Leia mais

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117

APARELHOS ORTODÔNTICOS. e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES. Ortodontia & Ortopedia Facial. Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 APARELHOS ORTODÔNTICOS e ORTOPÉDICOS CUIDADOS & CURIOSIDADES Dr. Guilherme Thiesen CRO-SC 6117 Ortodontia & Ortopedia Facial ORTODONTIA E Ortopedia Facial CUI CURI DADOS & OSIDADES Dr. Guilherme Thiesen

Leia mais

Análise das deformações no crânio durante a expansão do palato

Análise das deformações no crânio durante a expansão do palato Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Análise das deformações no crânio durante a expansão do palato Denis Zanivan

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA Data: Nome do Paciente: Orientador(es): Nome do Aluno: QUALIFICAÇÃO Nacionalidade: Naturalidade: Etnia: Gênero: Data Nascimento: IDADE: Anos: Meses: Endereço: Bairro:

Leia mais

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Caso Clínico BBO Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Ione Helena Vieira Portella Brunharo 1 O preparo ortodôntico para tratamento cirúrgico do padrão esquelético de

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente T ÓPICO ESPECIAL Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente Masato Nobuyasu**, Minol Myahara***, Tieo Takahashi****, Adélqui Attizzani****, Hiroshi Maruo*****,

Leia mais

Tratamento ortodôntico-cirúrgico da má oclusão de Classe III

Tratamento ortodôntico-cirúrgico da má oclusão de Classe III Caso Clínico Tratamento ortodôntico-cirúrgico da má oclusão de Classe III Eloísa Marcântonio Boeck*, Silvia Amelia S. Vedovello**, Adriana Simoni Lucato***, Maria Beatriz Borges de Araújo Magnani****,

Leia mais

RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES

RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES 0 RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES ITAPERUNA/RJ 2011 0 RODRIGO PADILHA DE CARVALHO DISTALIZAÇÃO DE MOLARES SUPERIORES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de

Leia mais

Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II

Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II CAPÍTULO 13 Karyna Martins do Valle-Corotti Danilo Furquim Siqueira INTRODUÇÃO Angle 1 definiu a maloclusão de Classe II como uma relação mesiodistal

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS Efeitos dentoalveolares e esqueléticos do tratamento da má oclusão Classe II com os aparelhos Herbst, Jasper Jumper e o Aparelho de Protração Mandibular

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

5. MANEJO DOS DIVERSOS ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO DA OCLUSÃO

5. MANEJO DOS DIVERSOS ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO DA OCLUSÃO 5. MANEJO DOS DIVERSOS ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO DA OCLUSÃO Elaborado por: Bernardo Quiroga Souki (coordenador) Maria Celina Siquara da Rocha Ronald de Freitas Paixão Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Anatomia Individual dos Dentes

Anatomia Individual dos Dentes CAPÍTULO 2 Anatomia Individual dos Dentes OBJETIVOS Identificar e descrever os acidentes anatômicos de cada um dos dentes permanentes e decíduos típicos Descrever cada uma das faces da coroa de cada dente

Leia mais

Programa Laboratorial (hands on em Manequim)

Programa Laboratorial (hands on em Manequim) PROGRAMA DE CURSO DE EXCELÊNCIA EM ORTODONTIA COM 8 MÓDULOS DE 2 DIAS MENSAIS Prof. ROQUE JOSÉ MUELLER - Tratamento Ortodôntico de alta complexidade em adultos : diagnóstico, planejamento e plano de tratamento.

Leia mais

Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire.

Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire. Descrição de Técnica DIAO: Diagrama individual anatômico objetivo. Uma proposta para escolha da forma dos arcos na técnica de Straight-Wire, baseada na individualidade anatômica e nos objetivos de tratamento

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA, SEM ASSISTÊNCIA CIRÚRGICA, UTILIZANDO O DISJUNTOR DE HAAS

EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA, SEM ASSISTÊNCIA CIRÚRGICA, UTILIZANDO O DISJUNTOR DE HAAS ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA DO BRASIL - SOEBRAS / FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE. EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA, SEM ASSISTÊNCIA CIRÚRGICA, UTILIZANDO O DISJUNTOR DE HAAS RICARDO JANSEN OLIVEIRA DA

Leia mais

Instrução de Uso. Tubos. Tubo Simples Indicado para primeiros e segundos molares. Possui um único slot para alojar o arco intraoral.

Instrução de Uso. Tubos. Tubo Simples Indicado para primeiros e segundos molares. Possui um único slot para alojar o arco intraoral. Instrução de Uso Tubos Os Tubos tem por finalidade transferir os esforços de: Arcos Intra e extra orais; Molas e Elásticos; Distalizadores; Barras transpalatinas e Quad Helix ; Placas Lábioativas. Promovem

Leia mais

Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores

Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores Tópico Especial Tema desenvolvido pelo conselho editorial abordando assuntos de interesse da classe ortodôntica Utilização do Aparelho Progênico para Correção das Mordidas Cruzadas Anteriores O direcionamento

Leia mais

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico

Orientação para interessados em tratamento ortodôntico 1 Orientação para interessados em tratamento ortodôntico Dras. Rosana Gerab Tramontina e Ana Carolina Muzete de Paula Ortodontia é a ciência que estuda o crescimento e o desenvolvimento da face e das dentições

Leia mais

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Caso Clínico O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Alexandre de Almeida Ribeiro* Resumo A morfologia do arco dentário está relacionada diretamente com as demais partes

Leia mais

Estudo da Recidiva em Pacientes com

Estudo da Recidiva em Pacientes com CASO CLÍNICO Estudo da Recidiva em Pacientes com Maloclusão de Classe II, Tratados pela Técnica do Arco de Canto com Extrações de Pré-Molares Pertencentes às Categorias de Crescimento de Petrovic. Parte

Leia mais

ALEXANDRA MÔNEGO MOREIRA

ALEXANDRA MÔNEGO MOREIRA 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA - MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE AVANÇO MANDIBULAR SANTA CRUZ DO SUL-RS 2012 FERNANDO BAIER APARELHOS ORTOPÉDICOS DE

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1)

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Artigo de Divulgação Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Treatment of a Class III, Subdivision Malocclusion: A Case Report (Part 1) Guilherme R.

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

MANUAL DE TRATAMENTO ORTODÔNTICO

MANUAL DE TRATAMENTO ORTODÔNTICO MANUAL DE TRATAMENTO ORTODÔNTICO ORIENTAÇÕES SOBRE TRATAMENTO ORTODÔNTICO Nunca é tão cedo ou tão tarde para pensar em aparelhos ortodônticos. Se o seu filho está em idade escolar, ou se está pensando

Leia mais

ANA PAULA PERES PRETTI PISCITELLI DENTES IMPACTADOS NITERÓI

ANA PAULA PERES PRETTI PISCITELLI DENTES IMPACTADOS NITERÓI 1 ANA PAULA PERES PRETTI PISCITELLI DENTES IMPACTADOS NITERÓI 2012 2 ANA PAULA PERES PRETTI PISCITELLI DENTES IMPACTADOS Monografia apresentada a Faculdade Redentor, como requisito para obtenção do título

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

Má oclusão Classe I de Angle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes*

Má oclusão Classe I de Angle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes* C a s o C l í n i c o O Má oclusão Classe I de ngle, com acentuada biprotrusão, tratada com extrações de dentes permanentes* Marco ntônio Schroeder** Resumo Este relato de caso descreve o tratamento de

Leia mais

TRATAMENTO PREVENTIVO DA CLASSE III COM DISJUNTOR E MÁSCARA FACIAL

TRATAMENTO PREVENTIVO DA CLASSE III COM DISJUNTOR E MÁSCARA FACIAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS TRATAMENTO PREVENTIVO DA CLASSE III COM DISJUNTOR E MÁSCARA FACIAL PATRÍCIA NADER MARCOS Monografia apresentada no curso de Especialização em Ortodontia

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO FIXO

AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO FIXO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA THIAGO BERNARDES NUNES OBERDAM THIESEN FERREIRA AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO

Leia mais

Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão

Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão Caso Clínico Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão Reginaldo César Zanelato*, Sáverio Mandetta**, Cássia Terezinha

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS [Digite texto] INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS LEVANTAMENTO DOS VALORES CEFALOMÉTRICOS CONSULTADOS POR PROFESSORES DE ORTODONTIA PARA ESCLARECER O DIAGNÓSTICO E O PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO

Leia mais

Uso do aparelho de Thurow no tratamento da má oclusão esquelética de Classe II

Uso do aparelho de Thurow no tratamento da má oclusão esquelética de Classe II A r t i g o I n é d i t o Uso do aparelho de Thurow no tratamento da má oclusão esquelética de Classe II Maíra Massuia de Souza*, Talita Mathes de Freitas*, Adriana Sasso Stuani**, Andréa Sasso Stuani***,

Leia mais

EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA APOIADA EM MINI-IMPLANTES: COMPARAÇÃO ENTRE DIFERENTES DIÂMETROS DOS PARAFUSOS DE ANCORAGEM.

EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA APOIADA EM MINI-IMPLANTES: COMPARAÇÃO ENTRE DIFERENTES DIÂMETROS DOS PARAFUSOS DE ANCORAGEM. UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO UNICID FACULDADE DE ODONTOLOGIA MESTRADO EM ORTODONTIA EXPANSÃO RÁPIDA DA MAXILA APOIADA EM MINI-IMPLANTES: COMPARAÇÃO ENTRE DIFERENTES DIÂMETROS DOS PARAFUSOS DE ANCORAGEM.

Leia mais

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia 1. Introdução O alinhamento e o nivelamento é o primeiro estágio do tratamento ortodôntico com aparelho fixo. Alinhamento significa colocar os braquetes e os tubos alinhados no sentido vestibulolingual.

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS E SUA REPERCUSSÃO EM DENTES PERMANENTES JOVENS: RELATO DE CASO Márcia Cançado FIGUEIREDO 1 ;Sérgio Estelita Cavalcante BARROS 1 ;Deise PONZONI 1 Raissa Nsensele NYARWAYA

Leia mais

Matheus Melo Pithon**, Luiz Antônio Alves Bernardes*** Palavras-chave: Classe III esquelética. Expansão rápida da maxila. Aparelho ortodôntico fixo.

Matheus Melo Pithon**, Luiz Antônio Alves Bernardes*** Palavras-chave: Classe III esquelética. Expansão rápida da maxila. Aparelho ortodôntico fixo. Artigo de Divulgação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 Tratamento da má oclusão Classe iii esquelética através

Leia mais

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM ORTODONTIA

UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM ORTODONTIA UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM ORTODONTIA Estudo Prospectivo das Alterações Cefalométricas Verticais Dentoesqueléticas em Pacientes com Atresia Maxilar e

Leia mais

KELYANE VERLY MORAES

KELYANE VERLY MORAES 1 KELYANE VERLY MORAES ANCORAGEM ESQUELÉTICA COM MINI-IMPLANTES NITERÓI - RJ 2011 2 KELYANE VERLY MORAES ANCORAGEM ESQUELÉTICA COM MINI-IMPLANTES Monografia entregue à Faculdade Redentor, como requisito

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO INGRESSO DE NOVOS OFICIAIS DE SAÚDE DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais