Afecções nasais. IAH AC Afecções nasais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Afecções nasais. IAH AC Afecções nasais"

Transcrição

1 Afecções nasais IAH AC Afecções nasais IAH 2009 Nesta apresentação falaremos de duas das principais afecções nasais: a rinite e a sinusite. As duas são doenças muito freqüentes que se vêem na prática generalista e frente às quais tem se mostrado muito eficaz o tratamento antihomotóxico. 1

2 Anatomia e fisiología IAH A via respiratória nasal, arraigada na estrutura óssea da face, representa uma das 2 vias respiratórias, junto com a boca. A respiração nasal é preferível à oral por muitos motivos. A cavidade nasal é dividida verticalmente em sua parte central por uma trave cartilaginosa e se comunica com os seios paranasais, que se denominam segundo o osso em que se encontram (maxilares, frontais, etmoidais e esfenoidais). Os seios paranasais são cavidades ósseas recobertas de muco e cheias de ar. A importância destas cavidades ou seios não está totalmente clara, mas reduzem o peso dos ossos e amortecem os traumatismos, aumentam a ressonância da voz, isolam as delicadas raízes de alguns dos dentes superiores e partes das estruturas oculares, e modificam o ar inalado (esquentando e umidificando). Ademais, a trompa de Eustáquio ou trompa faringo-timpânica (ver a imagem), que conecta o ouvido médio à nasofaringe lateral, está em contato direto com a via respiratória superior. As trompas de Eustáquio promovem a aeração no ouvido médio e permitem as mudanças de pressão do ar entre o ouvido médio e o externo, com o fim de garantir o bom funcionamento do tímpano.. 2

3 IAH Em cada uma das partes laterais da cavidade nasal há 3 cornetos (inferior, médio e superior), que são estantes ósseas que aumentam a superfície permitindo assim um tratamento do ar mais eficaz. A presença dos cornetos supõe também uma obstrução parcial que gera turbulências de ar, maximizando assim o contato da mucosa com o ar que entra. No espaço situado entre os cornetos médio e inferior se encontra o meato médio, ao que drenam os seios maxilares e a maior parte dos etmoidais. Ao estar coberta por uma mucosa muito vascularizada, a cavidade nasal esquenta e umidifica o ar que entra. Também podem aparecer pólipos entre os cornetos, freqüentemente associados a alergia, asma, fibrose cística ou consumo/abuso de ácido acetil-salicílico. Na imagem 2 vemos a posição do bulbo olfativo, no lugar mais estratégico possível: um ângulo de 90 graus, onde o ar inspirado choca com toda velocidade contra a parede mucosa superior. Desta maneira, se detecta inclusive a menor concentração possível de substâncias aromáticas ou de qualquer outra substância que estimule o olfato. Imagem direita: Seio frontal Bulbo olfativo Seio esfenoidal Osso nasal Cartilagem Cavidade nasal Músculo labial Dentes Língua 3

4 Funções do nariz e da mucosa nasal Limpar o ar Umedecer o ar Aquecer o ar Sentido do olfato A cavidade nasal como caixa de ressonância IAH As funções fisiológicas nasais, como o aquecimento e a umidificação, são vitais para a função da via respiratória. Calcula-se que um adulto inspira litros de ar por dia (Kerr, 1997). A respiração nasal é saudável porque o ar é tratado de muitas maneiras pelas estruturas do nariz, os seios paranasais e as peculiaridades da mucosa. 1.Filtrar o ar: o primeiro filtro de partículas ambientais é a cavidade nasal. O muco nasal atrapalha as partículas que entram. As partículas maiores são filtradas nos pelos nasais. 2.Umedecer o ar: a umidificação é outro processo importante da fisiologia nasal. A cavidade nasal é recoberta por uma mucosa muito vascularizada que aquece e umidifica o ar que entra, aumentando a umidade relativa até 95% antes que o ar alcance a nasofaringe. 3.Aquecer o ar: o ar inalado deve ter uma temperatura de ao menos 33 a 35 graus centígrados para não originar reações patológicas nos alvéolos. De novo, graças à turbulência, o ar frio se vê forçado a contatar com a superfície aquecida da mucosa, aquecendo-se assim ao passar. Se produzem também uma série de reflexos neurovasculares. Caso necessário, os capilares de base se dilatam e aquecem a mucosa que os cobre,aportando mais calor à passagem de ar. 4.O sentido d olfato: a aerodinâmica nasal contribui também ao sistema olfativo. Ademais, o processo ativo de aspirar pelo nariz permite que as partículas ambientais cheguem ao sistema olfativo situado na base do crânio. Inclusive, as partículas menores são detectadas pelos receptores olfativos, que nos avisam da presença de perigo, comida ou qualquer outro sinal biologicamente significativo que possa detectar-se mediante o olfato. 5.A cavidade nasal como caixa de ressonância: o nariz e os seios atuam como fatores que contribuem para modificar a voz. Alguns estudiosos tem observado que a aerodinâmica nasal pode contribuir para modificar os sons de alta freqüência e as consoantes (Kerr, 1997). A ressonância originada dentro da cavidade nasal é característica e parecida à impressão digital, distinta para cada pessoa (exceto os gêmeos idênticos). Existem afecções nasais como os pólipos e a rinite que influenciam diretamente no espectro de ressonância, por isso que ouvimos que a pessoas tem um resfriado ou algo que tenha mudado sua voz. 4

5 Definição de rinite A rinite é a inflamação da mucosa nasal IAH A rinite aguda é definida como a inflamação da mucosa da cavidade nasal. Sinais objetivos (rinoscopia): a apresentação é distinta dependendo do tipo e causa, por exemplo, na rinite aguda: enrijecimento, inchaço, hipersecreção. Sinais subjetivos: secreção nasal (rinorréia), espirros, congestão, incômodo, etc, dependendo da causa. Tipos de rinite Rinite aguda: as manifestações habituais se vê no resfriado comum, que provoca vasodilatação e edema da mucosa nasal com a conseguinte rinorréia e obstrução. Causas: os rinovírus (mais de 100 sorotipos) em 50% dos resfriados. Outros vírus são coronavirus, gripe, parainfluenza e vírus sinciciais (estes podem manifestar-se como um resfriado comum). Infecções bacterianas estafilocócicas, estreptocócicas e pneumocócicas. Rinite crônica: pode ser repetitiva ou a prolongação de processos inflamatórios agudo/subagudos causados pelos mesmos agentes microbianos como d descreveu anteriormente, mas também pode ser devido a processos menos correntes, como Tb, histoplamose, rinosporidose (micose), leishmaniose, rinoscleroma, etc., que se caracterizam por formação de granulomas e destruição tissular. Rinite atrófica: se caracteriza por atrofia e esclerose das mucosas nasais (o epitélio cilíndrico pseudo-estratificado e ciliado normal se converte em um epitélio escamoso estratificado de espessura reduzida e menor número de vasos). O transtorno pode aparecer na velhice e na granulomatose de Wegener. Rinite vasomotora: a causa é incerta. Não pode identificar-se nenhum alergeno, mas o ar seco parece agravar o quadro. É um processo crônico com ingurgitação vascular intermitente das mucosas nasais que origina rinorréia aquosa e espirros. 5

6 Causas da rinite aguda Infecção respiratória alta Resfriado comum Gripe Rinite polínica Infecções bacterianas Certos medicamentos IAH Tem-se descrito muitas causas da rinite aguda. As mais comuns são: - Infecção respiratória alta A infecção da mucosa nasal por microorganismos produz inflamação, as defesas locais se mobilizam e manifestam com o fim de eliminar os microorganismos estranhos. - Resfriado comum Infecções virais, principalmente por rinovírus e muito comuns no inverno, desencadeiam o chamado resfriado comum. -Gripe A gripe, causada pelo vírus influenza ou gripal, produz inicialmente uma rinite aguda. - Infecções bacterianas As bactérias podem causar rinite aguda. Este tipo de rinite se vê principalmente como infecção secundária às infecções virais. - Rinite polínica A rinite polínica induz uma rinite aguda devida a uma reação alérgica do organismo contra alérgenos tais como o pólen, o pó de casa ou qualquer outra substância homeopatia qual o paciente seja alérgico. Deve distinguir-se claramente entre rinite alérgica e a rinite aguda por um resfriado comum, pois na rinite alérgica a reação inflamatória carece de propósito, ao contrário na rinite aguda do resfriado comum. - Certos medicamentos Alguns medicamentos são capazes de inflamar a mucosa nasal. Observa-se frequentemente depois de usar nebulizadores nasais ou abusar deles. Neste caso a rinite aguda denomina-se rinite medicamentosa" 6

7 Sintomas da rinite aguda Taponamento Faringite Cefaléia Rinorréia Tosse Mal-estar geral Inapetência IAH A rinite aguda pode apresentar uma série de sinais e sintomas objetivos e subjetivos: Tamponamento: ocorre ao congestionar-se a mucosa nasal pela vasodilatação e a hipersecreção. O tamponamento nasal é a principal causa de respiração bucal na rinite e aumenta o risco de infecções respiratórias baixas ao chegar ar não tratado aos níveis inferiores das estruturas respiratórias. Faringite: a rinite afeta também às mucosas adjacentes como a da nasofaringe, o que causa faringite. Depois pode haver laringite ou traqueíte ou bronquite. Cefaléia: observa-se freqüentemente na rinite aguda. Pode ter relação com os seios ou dever-se unicamente à sensação de pressão na cavidade nasal. Rinorréia: observa-se com freqüência, especialmente no começo de uma rinite viral. Ao fim de alguns dias, o nariz pode secar causando sensação de secura e dificuldade para respirar. Tosse: não se associa diretamente à inflamação da mucosa nasal. Depende do tipo de microorganismo infeccioso ou se deve a alguma infecção respiratória que chega à nasofaringe e mais além. O mal-estar geral é freqüente, como em quase todas as infecções. Ao final de um tempo também se pode observar uma sensação de cansaço. A inapetência é um sintoma do quadro geral do paciente. Pode-se ver a inapetência na rinite aguda, especialmente nas crianças. 7

8 Rinite = inflamação O que é a inflamação? A inflamação é uma manifestação (normalmente local) do sistema de defesa do próprio organismo IAH 2009 Já dissemos que a rinite é uma inflamação da mucosa nasal. A inflamação é uma manifestação local do sistema de defesa do organismo. O organismo mobiliza células de defesa para eliminar as homotoxinas que o invadem. Esta defesa tem um propósito (se não é alérgica) e em conseqüência não deve ser suprimida, já que as homotoxinas permaneceriam por mais tempo. 8

9 Mudanças biofísicas durante a inflamação Características da inflamação: dor inchaço enrijecimento sensação de calor perda de função no tecido afetado As causas biofísicas destes sintomas são: maior aporte sanguíneo (enrijecimento, calor) maior permeabilidad da parede vascular eliminação mais fácil de líquidos, células de defesa, substâncias metabólicas, etc. (inchaço, dor, perda de função por pressão) IAH Como em toda inflamação, a rinite e a sinusite se caracterizam por sintomas tais como dor (sensação de secura ou cócegas), inchaço (obstrução nasal), enrijecimento, mucosidade, sensação de calor (pela vasodilatação) e perda de função do tecido afetado (a mucosa nasal não tratará o ar como deveria; risco de infecções respiratórias baixas por funcionamento mucoso deficiente ou respiração bucal). As mudanças biofísicas da inflamação são a origem dos sintomas clínicos. Há um aporte maior de sangue pela vasodilatação e uma maior permeabilidade das paredes vasculares, que origina extravasão de líquidos. 9

10 A cascata inflamatória estímulo MASTOCITO fosfolípideos fosfolipase histamina heparina lipoxigenase cicloxigenase ácido aracdônico leucotrienos prostaglandinas inflamação dor IAH O processo biofísico da inflamação obedece a múltiplos mediadores. Esta complexa cascata acaba com os mediadores pró-inflamatórios, que finalmente causam os sintomas clínicos que se observam no paciente. A via da inflamação se ativa sobretudo pela desgranulação dos mastócitos, que liberam histamina, heparina e fosfolipídeos 10

11 A regulação hormonal Manifestação local da defesa, início da inflamação Adenohipófise STH Somatotropina ACTH Corticotropina Córtex suprarrenal Desoxicortisona Cortisona INFLAMAÇÃO Função do tecido conjuntivo, maior acidez, dano tissular IAH Se uma inflamação se expressa plenamente e mostra tendência a estender-se pelo tecido afetado, se adiciona regulação hormonal às atividades citoquínicas já existentes para manter o processo dentro de limites aceitáveis. Isso se realiza através de muitos sistemas de retroalimentação que mantém o processo em equilíbrio em torno de um ponto de ajuste. O desoxicortisol facilita as reações inflamatórias TH-1 e o cortisol as inibe. Ambos os hormônios tem um efeito objetivo oposto e seu uso torna possível uma regulação fina do processo inflamatório. É como conduzir um carro com um pé no acelerador e o outro no freio. Usando os dois pés ao mesmo tempo é possível acelerar ou frear sutilmente... 11

12 Várias formas de afecções nasais Rinite viral Rinite bacteriana Rinite alérgica Rinite atrófica Rinite seca Rinite hiperplásica Rinite medicamentosa Ocena Obstruções orgânicas e mecânicas Sinusite Pólipos IAH Se conhece muitas formas de afecções nasais: Rinite viral: rinite causada por uma infecção viral. Rinite bacteriana: rinite causada por uma infecção bacteriana. Rinite alérgica: rinite causada por um alérgeno. Rinite atrófica: rinite que vemos em uma atrofia da mucosa nasal. Rinite seca: rinite que vemos uma mucosa totalmente seca. Rinite hiperplásica: rinite com excesso de secreção mucosa (espessa). Rinite medicamentosa: rinite causada pelo uso ou o abuso de fármacos nasais (principalmente nebulizadores nasais). Ocena: infecção bacteriana do nariz que destrói os tecidos nasais. Obstruções orgânicas e macânicas: inflamação ocasionada por um corpo estranho na cavidade nasal (nas crianças pode ocorrer devido à introdução de objetos pelo nariz), p. ex. uma ervilha. Sinusite: inflamação dos seios, sobretudo um dos seios frontais ou ambos. Pólipos: os pólipos da cavidade nasal obstruem a passagem de ar, obrigando o paciente a respirar pela boca. 12

13 Sinusite Sinusite aguda Sinusite crônica IAH A sinusite é uma forma especial de afecção nasal. Embora possa ser vista como complicação de uma rinite, nem sempre é assim. São muitos os parâmetros que podem influenciar na aparição de uma sinusite, como o diâmetro do canal de ventilação ou o meato (risco de obstrução). A sinusite pode ser aguda no caso de infecção aguda, mas com freqüência vemos que os mesmos pacientes apresentam recidivas ou inclusive uma sinusite crônica contínua. 13

14 Tratamento convencional da rinite Vias inflamatórias: estímulo p. ex, vírus alérgeno Y Anticorpos IgE Y Y MASTOCITO Estabilizadores de mastócitos (cromoglicato disódico) histamina heparina A degranulación libera fosfolípideos Corticosteroides fosfolipase Bloqueador H 1 = Antihistamínico; Agonista H 1 = Simpaticomimético Receptor H1 na mucosa nasal Inibidores da lipoxigenase lipoxigenase leucotrienos ácido aracdônico cicloxigenase prostaglandinas AINE, AAS (inibidores de COX) I n f l a m a ç ã o Euphorbium comp.-nebulizador Nasal é um regulador IAH A medicina acadêmica tem desenhado distintos medicamentos para tratar a inflamação em geral. Alguns deles se empregam também para tratar a rinite e a sinusite. Os estabilizadores de mastócitos são moléculas que bloqueiam os receptores dos mastócitos para que não se degranulem. O resultado é que não se liberam as substâncias essenciais que expressam a inflamação. Os estabilizadores de mastócitos se empregam de maneira profilática, sobretudo na rinite polínica. Os inibidores da ciclooxigenase são os antiflogísticos mais conhecidos. Inibem a síntese de prostaglandinas pró-inflamatórias e bloqueiam o processo inflamatório ao final da cascata. Os inibiodres da COX tem numerosos efeitos secundários e não devem ser ua=sados nos tratamento de longo prazo. Os inibidores da pilooxigenase inibem a síntese de leucotrienos e se usam principalmente nas afecções asmáticas, pois os leucotrienos exercem um efeito espasmódico nos alvéolos. Os corticosteróides são os inibidores mais potentes da inflamação, já que atuam em níveis diferentes do processo inflamatório ao mesmo tempo. Além de um intenso efeito bloqueador, tem um efeito destruidor sobre o tecido em que se empregam. Os antihstamínicos (bloqueadores H1) bloqueiam os receptores de histamina. Em conseqüência, se produz uma potente inibição da vasodilatação. Os antihistamínicos podem ocasionar vários efeitos secundários, como secura na boca, astenia e visão borrada. 14

15 Grupos de medicamentos convencionais para a rinite Antihistamínicos Corticosteróides Descongestionantes Antibióticos Cromoglicato dissódico Anticolinérgicos IAH Os principais grupos de medicamentos que se empregam para a rinite são: Antihistamínicos Corticosteróides Descongestionantes Antibióticos Cromoglicato dissódico Anticolinérgicos 15

16 Desvantagens de usar medicamentos nasais convencionais Bloqueiam a auto-regulação Atrofiam a mucosa nasal Atrofiam o sistema imune IAH A maioria dos medicamentos convencionais que se usam na rinite e na sinusite tem alguns riscos em comum, sobretudo a longo prazo. A inflamação é um processo autoregulado, cujo fim é eliminar as homotoxinas do tecido afetado. O bloqueio deste sistema suprimindo uma ou mais vias pode ter conseqüências para o futuro. Muitas das moléculas que se empregam nos fármacos nasais convencionais produzem atrofia da mucosa nasal. Os corticosteróides não devem ser usados a longo prazo! O bloqueio dos mecanismos de defesa podem alterar o próprio sistema imune. 16

17 Euphorbium comp.-nebulizador Nasal IAH Para o tratamento anti-homotóxico da rinite e da sinusite, Euphorbium comp. é comercializado em forma de nebulizador nasal, gotas orais e ampolas. 17

18 Euphorbium comp.-nebulizador Nasal Luffa comp.-heel / Luffeel IAH Devemos distinguir com clareza Euphorbium comp. Nebulizador Nasal de outro anti-homoltóxico chamado Luffeel. Luffeel é indicado na rinite alérgica e tem fórmula totalmente distinta. Euphorbium comp.-nebulizador Nasal é indicado para a rinite aguda e crônica e sinusite, e é menos eficaz na rinite alérgica. 18

19 Vantangens de Euphorbium comp.- Nebulizador Nasal O excipiente é uma solução de NaCl al 0,9% Todos os tipos de rinite e sinusite; não se precisa de um diagnóstico diferencial absoluto para prescrever o produto com exatidão Frasco de 20 ml Depois de aberto, usar antes de 1 mês Não crea hábito Carece de contra-indicações (exceto hipersensibilidade ao cloreto de benzalcônio) Não interage com outros medicamentos Para todas as idades, incluindo os lactantes Efeito terapêutico provado Não bloqueia os mecanismos reguladores naturais do organismo Não produz hiperemia reativa Não seca a mucosa e não há risco de rinite medicamentosa IAH Em comparação com os medicamentos convencionais que se usam na rinite e na sinusite, o uso de Euphorbium com.-nebulizador Nasal tem uma série de vantagens. O excipiente é uma solução de NaCl a 0,9% (exerce um efeito limpador imediato da mucosa nasal). Para todos os tipos de rinite ou sinusite; não se requer nenhum diagnóstico diferencial para prescrever o produto com exatidão. Frasco de 20 ml (a maioria dos nebulizadores são de 10 ou 15 ml). Não se cria hábito, nem depois de muito tempo de uso. Carece de contra-indicações (exceto a hipersensibilidade ao cloreto de benzalcônio). Não se tem visto interações com outros medicamentos. Para todas as idades, inclusive lactantes. Efeito terapêutico provado. Não bloqueia os mecanismos naturais de regulação do organismo. Não produz hiperemia nem efeito rebote. Não seca as mucosas e carece de risco de rinite medicamentosa. 19

20 Outras formas de administração: gotas e ampolas Sinusite encapsulada Catarro da trompa de Eustáquio Umidade no ouvido médio / em relação com a otite média Intolerância a cloreto de benzalcônio Motricidade defeituosa Rinitesecamuitocrônica IAH Há algumas razões pelas quais Euphorbium comp.-nebulizador Nasal se comercializa também em outras formas farmacêuticas. Como o nebulizador tem um efeito principalmente topográfico, a estratégia sistêmica poderia ser mais eficaz em alguns dos casos mencionados no slide anterior. Os problemas ao manipular o nebulizador nasal (p. ex. dedos reumáticos) ou a necessidade de usar protocolos terapêuticos baseados em misturas poderiam ser o motivo para que se tenha que empregar outras formas farmacêuticas, como gotas ou injeções.. 20

21 Causas de infeções respiratórias Rinite aguda: quase 100% virais (a infecção bacteriana é sobretudo secundária) Sinusite aguda: 15% - 20% virais 80% - 85% bacterianas Sinusite crônica IAH A rinite aguda é principalmente de origem viral. Alguns trabalhos mencionam inclusive que a porcentagem de causas virais se aproxima de 100% e consideram a infecção bacteriana como complicação secundária. Segundo a bibliografia, a sinusite aguda é só viral em 15-20% dos casos e bacteriana em mais de 80%. 21

22 Rinite bacteriana Rinite viral IAH A rinite e a sinusite agudas se encontram ao nível orodérmico na Tabela de Evolução da Doença. A infecção viral é sempre uma intoxicação intra-celular, o que a situa ao lado direito da divisão regulação/compensação. A rinite bacteriana está na fase inflamatória. Quando as defesas são eficientes, a rinite viral evolui rapidamente até a fase de inflamação na Tabela de Evolução da Doença. 22

23 Riscos do tratamento supressor na rinite e da sinusite Dano das mucosas Hipofunção (filtrado, aquecimento, umidificação ) Risco de rigidez reguladora Complicações da via respiratória inferior Adicção Efeitos secundários Mais de uma razão para pensar duas vezes!! IAH Existe mais de um motivo para que consideremos o não uso de medicamentos convencionais na rinite ou na sinusite. Como se disse no slide, os tratamentos supressores implicam em uma série de riscos: - Dano das mucosas - Hipofunção (filtrado, aquecimento, umidificação) - Risco de rigidez reguladora - Complicações de vias respiratórias baixas - Dependência - Efeitos secundários 23

24 Argumentos científicos Antiviral action of a Homeopathic Medication (Ação antivíral de um medicamento homeopático) Glatthaar-Saalmüller, B Forsch. Komplementärmedizin Klass. Naturheilkunde, 2001; 8: IAH 2009 Euphorbium compositum em nebulizador nasal foi testado e avaliado em distintos estudos. O estudo in vitro Metelmann e Glatthaar-Saalmuller demonstrou efeitos inibidores diretos da proliferação de certos vírus indutores de rinite 24

25 Ensaio de reeducação de placas Monocamada confluente de células MDCK Adicionar vírus + substância testada Adicionar vírus + placebo salino Adicionar placebo salino A teste B placebo C controle negativo IAH Usaram-se 3 grupos de placas com células cultivadas. 1. O primeiro grupo estava infectado pelo vírus e continha a prova de Euphorbium comp.-nebulizador Nasal. 2. O segundo grupo estava infectado pelo mesmo vírus junto com uma solução salina (o excipiente de Euphorbium comp.-nebulizador Nasal, com efeito conhecido também sobre a rinite). A solução salina foi usada como placebo para diferenciar os componentes ativos da fórmula de Euphorbium comp.- Nebulizador Nasal. 3. Ao terceiro grupo só se adicionou a solução salina pata ter um grupo de controle negativo. 25

26 A teste Teste de inibição viral in vitro B placebo C controle negativo IAH O slide mostra o desenho do teste. Contou-se o número de células afetadas e comparou-se com a situação inicial. Com isso pode-se determinar o crescimento da proliferação e o efeito inibidor de Euphorbium comp.- Nebulizador Nasal frente ao placebo.. 26

27 Resultado Os três vírus testados se inibiram com as máximas diluções possíveis in vitro de Euphorbium comp.-nebulizador Nasal: % inibição Gripe A VSR VHS (Euphorbium diluido 1:8) (Euphorbium diluido 1:16) (Euphorbium diluido 1:16) IAH A inibição da proliferação (em comparação ao placebo) exercida por Euphorbium comp.-nebulizador Nasal foi de: 35% para o vírus de herpes simples (VHS-1) 35% para o víruis sincicial respiratório (VSR) 15% para o vírus da gripe A Com este teste in vitro se demonstrou que Euphorbium comp.-nebulizador Nasal inibe a proliferação dos vírus VSR, VHS-1 e da gripe A. os resultados em VSR são especialmente interessantes, já que a rinite aguda pode ser causada por este vírus no inverno, sobretudo em crianças. 27

28 Conclusão Euphorbium comp.-nebulizador Nasal Reforça o sistema imune e inibe a propagação dos vírus IAH 2009 Euphorbium comp.-nebulizador Nasal reforça o sistema imune, inibindo a proliferação de certos vírus produtores da rinite. Outras muitas hipóteses seguem abertas, embora seja possível que também exerça os outros efeitos imuno-moduladores dos fármacos anti-homotóxicos. Euphorbium poderia induzir uma maior liberação de intérferon gama, inibindo assim a propagação viral. Seu efeito redutor do processo inflamatório poderia ser devido a uma maior secreção do fator de crescimento transformador beta, que inibiria as vias TH-1 e TH-2 da inflamação. A investigação revelou que Euphorbium comp.-nebulizador Nasal (como componente) induz a secreção de uma grande quantidade de TGFbeta. Na prática, Euphorbium comp.-nebulizador Nasal tem sido muito eficaz na rinite aguda e crônica, e na sinusite (1), pelo que deveria de primeira escolha antes de se utilizar medicamentos mais agressivos e supressores. (1) Ammerschläger, H. et al, Treatment of Inflammatory Diseases of the Upper Respiratory Tract Comparison of a Homeopathic Combination Preparation with Yylometazoline, Forschende Komplementärmedizin und Klassische Naturheilkunde, 2005; 12,

29 Importante Euphorbium comp.-nebulizador Nasal está indicado na maioria das rinites agudas e sinusites. A rinite alérgica, sem dúvida, é a principal indicação de Luffa comp.-heel / Luffeel é um nebulizador nasal A rinite e a sinusite crônicas devem ser abordadas terapêuticamente conforme os 3 pilares do tratamento antihomotóxico IAH Euphorbium comp.-nebulizador Nasal é indicado para a maioria das rinites agudas e sinusites. Como já se disse, a rinite alérgica é uma forma especial de rinite. O medicamento anti-homotóxico Luffeel (nebulizador nasal e comprimidos na maioria dos países) é mais indicado para tratá-la. As formas crônicas de rinite e sinusite se localizam mais do lado direito da Tabela de Evolução da Doença e tem que ser tratadas com algo mais do que um imuno-modulador sozinho. Embora a inflamação seja a característica principal. Necessitam-se drenagem e desintoxicação e também suporte celular no tecido afetado (principalmente a mucosa). Para organizar um plano de tratamento da rinite ou da sinusite crônicas, consulte a apresentação IAH AC. Os 3 pilares do tratamento anti-homotóxico e o plano de tratamento. 29

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Infecções de Vias Aéreas Superiores

Infecções de Vias Aéreas Superiores Infecções de Vias Aéreas Superiores As infecções das vias aéreas superiores (IVAS) são um dos problemas mais comuns encontrados em serviços de atendimento médico pediátricos, resultando em uma morbidade

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda, Antônio Carlos Cedin,, Luiz Vicente Ferreira da Silva Filho e A associação entre a presença de secreção na cavidade nasal ou na parede

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOCABIOTAL fusafungina 5,0 mg/ml APRESENTAÇÕES: Aerossol contendo 5,0 mg/ml de fusafungina. Embalagem contendo gerador portátil dosificador de 10 ml de solução e dois inaladores

Leia mais

MONOGRAFIA DO PRODUTO

MONOGRAFIA DO PRODUTO MONOGRAFIA DO PRODUTO MONOGRAFIA DO PRODUTO Índice O que é Rinite...4 Manifestações Clínicas e Fisiopatologia...5 Independente da Origem Etiológica da Rinite, toda Rinite tem como Substrato a Inflamação...7

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal FOLHETO INFORMATIVO RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl Descongestionante nasal Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo.

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Assim, além de boas sensações, podemos escapar de problemas sérios, como evitar a ingestão de um alimento estragado, ao sentir o cheiro e gosto

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Grupos de medicamentos em homotoxicologia

Grupos de medicamentos em homotoxicologia Grupos de medicamentos em homotoxicologia IAH AC Grupos de medicamentos e homotoxicologa IAH 2009 A gama de medicamentos anti-homotóxicos da Heel é bastante grande e muito diversa. O motivo disto é que,

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml USO INTRANASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DISCIPLINA MEDICINA II Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DOENÇA RESPIRATÓRIA ALÉRGICA DOCENTE que leccionou: Prof. Dr. Manuel Barbosa DISCENTE que realizou: Ana Isabel Gomes da Silva FISCALIZADOR:

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial

Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Sinusites: Dificuldades Diagnósticas e Diagnóstico Diferencial Mesa Redonda Moderador: Participantes: Eulália Sakano Elizabeth Araújo, Enrique Azuara, Rainer Haetinger e Washington Almeida Eulália Sakano.

Leia mais

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CLÍNICA DE CANINOS E FELINOS Prof. Roberto Baracat de Araújo AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CONSIDERAÇÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO: TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006)

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Sachs APE, Berger MY, Lucassen PLBJ, Van der Wal J, Van Balen JAM, Verduijn MM. traduzido do original em holandês

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Doenças Respiratórias Há uma ameaça no ar

Doenças Respiratórias Há uma ameaça no ar Dossier Informativo Doenças Respiratórias Há uma ameaça no ar Com o apoio: Setembro 2006 Índice» Doenças Respiratórias - Panorama Nacional 3» Vírus da Gripe Influenza. 4» Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml. SALSEP 0,9% cloreto de sódio 9 mg/ml USO NASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO SOLUÇÃO NASAL FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

n PRIVINA nitrato de nafazolina

n PRIVINA nitrato de nafazolina PRIVINA nitrato de nafazolina Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Solução nasal a 1:1000 (1 ). Frasco plástico gotejador com 15 ml. USO ADULTO (ACIMA DE 12 ANOS) Composição Cada ml

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B. Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml

Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B. Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml Otosporin hidrocortisona sulfato de neomicina sulfato de polimixina B Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica Embalagem contendo 10 ml USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO. VIA OTOLÓGICA

Leia mais

Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%)

Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%) Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%) Otrivina cloridrato de xilometazolina Gel nasal a 1 (0,1%) Bisnaga contendo 10 gramas GEL USO ADULTO E CRIANÇAS ACIMA DE 12 ANOS Composição Cada 100 g do gel contém 0,1 g

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

Curso Básico de Fisiologia de Vôo

Curso Básico de Fisiologia de Vôo Curso Básico de Fisiologia de Vôo CONTEÚDO CURRICULAR Atmosfera Fisiologia respiratória Hipóxia Disbarismo Pressurização e despressurização Acelerações e aerocinetose Visão e ilusão visual Orientação e

Leia mais

Ossos próprios do nariz Lâmina perpendicular do etmóide Extensões dos ossos maxilar e frontal

Ossos próprios do nariz Lâmina perpendicular do etmóide Extensões dos ossos maxilar e frontal Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Problemas da Função Sensorial O nariz como órgão possui duas funções de extrema importância para o organismo humano, a função olfactiva e a função respiratória.

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas: cartuchos com 20 e 120 cápsulas em blísteres e frasco de vidro com 20 cápsulas Gotas

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B): Relembrando... A gripe é uma doença

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Fluimare HT cloreto de sódio 3%

Fluimare HT cloreto de sódio 3% Fluimare HT cloreto de sódio 3% Forma farmacêutica e apresentações Solução nasal estéril, hipertônica de cloreto de sódio. Frascos de 50 ml com válvula pump (micronebulizador). USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO CROMABAK 20 mg/ml, colírio, solução 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Para 100 ml de solução: Cromoglicato de sódio...2,00 g Lista

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Gelcaps cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Gelcaps Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Uso oral

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

SINUSTRAT cloreto de sódio 9 mg/ml

SINUSTRAT cloreto de sódio 9 mg/ml SINUSTRAT cloreto de sódio 9 mg/ml AVERT LABORATÓRIOS LTDA. SOLUÇAO NASAL Avert Sinustrat (Paciente) 11/2013 1 MODELO DE BULA DO PACIENTE SINUSTRAT cloreto de sódio IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES:

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO brometo de ipratrópio

Leia mais

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO

A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO A RESPIRAÇÃO UMA VIAGEM PELO NOSSO APARELHO RESPIRATÓRIO Primeira Edição Novembro de 2014 Fundação Portuguesa do Pulmão Edição: TDA Consulting,

Leia mais

Laringites Agudas na Infância

Laringites Agudas na Infância Laringites Agudas na Infância Hany Simon Junior Crupe Viral - definição O termo síndrome do crupe caracteriza um grupo de doenças que variam em envolvimento anatômico e etiologia, e se manifestam clinicamente

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Suspensão oftálmica estéril de gatifloxacino (3 mg/ml) e acetato de prednisolona (10 mg/ml), contendo frasco plástico conta-gotas de 3 ml e 6 ml APRESENTAÇÕES

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA

COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA COMO EU TRATO CONJUNTIVITE ALÉRGICA As conjuntivites alérgicas em crianças apresentam-se habitualmente de forma grave, principalmente as do tipo primaveril. Há quatro formas de conjuntivite alérgica: Sazonal,

Leia mais

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo:

Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: SISTEMA RESPIRATÓRIO Generalidades: Porção de Condução I Nariz Externo: Respiração é definida como a absorção do oxigênio pelo organismo, com liberação subseqüente de energia para o trabalho, calor e a

Leia mais

LOTEPROL. BL Indústria Ótica Ltda Suspensão estéril 5,0 mg/ml

LOTEPROL. BL Indústria Ótica Ltda Suspensão estéril 5,0 mg/ml LOTEPROL BL Indústria Ótica Ltda Suspensão estéril 5,0 mg/ml LOTEPROL etabonato de loteprednol APRESENTAÇÕES Suspensão estéril para uso oftálmico 5 mg/ml: frasco gotejador contendo 5 ml. USO TÓPICO OCULAR

Leia mais

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada.

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mucosolvan cloridrato de ambroxol abcd FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Xarope adulto: frascos com 120 ml, acompanhados de copo-medida graduado em 2,5; 5; 7,5 e 10 ml.

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL 20 mg/ml I) IDENTIFICAÇÃO DO RILAN NASAL 2% SPRAY cromoglicato dissódico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO RILAN NASAL 2% SPRAY: cartucho com

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Características Gerais Funções: Condução e troca de gases Funções protetoras - ar seco umidificado por secreções glandulares e material particulado Fonação Olfação Regulação da temperatura

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE RINITE 1 UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI-CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA CLÍNICA INDUSTRIAL DÊNIS BAGATOLLI REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho AFECÇÕES DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho FUNÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO ventilação termorregulação metabolismo de substâncias endógenas proteção FUNÇÕES DO APARELHO

Leia mais

cuidar PT DO BEBÉ N.10 Reforçar as defesas A HIGIENE TRUQUES A SAÚDE NUNCA É DEMAIS REVISTA OUTUBRO 2014 powered by

cuidar PT DO BEBÉ N.10 Reforçar as defesas A HIGIENE TRUQUES A SAÚDE NUNCA É DEMAIS REVISTA OUTUBRO 2014 powered by REVISTA OUTUBRO 2014 N.10 c cuidar PT A SAÚDE NUNCA É DEMAIS Aprenda a prevenir a gripe Reforçar as defesas A HIGIENE DO NARIZ DO BEBÉ 6 TRUQUES para aliviar a congestão nasal c GRIPE Gripe: previna -

Leia mais

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Elixir cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Elixir Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Uso oral Forma

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais