Uso indiscriminado de descongestionantes nasais contendo nafazolina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso indiscriminado de descongestionantes nasais contendo nafazolina"

Transcrição

1 SOCIEDADE BRASILEIRA DE TOXICOLOGIA Revista Brasileira de Toxicologia 19, n.2 (2006) REVISTA BRASILEIRA DE TOXICOLOGIA BRAZILIAN JOURNAL OF TOXICOLOGY 103 Uso indiscriminado de descongestionantes nasais contendo nafazolina Ricardo A. Herberts 1 ;Carin R. A. C. Herberts 1 ;Rodrigo F. Alexandre 2 ;Cláudia M. O. Simões 2 *;Marlene Zaninn 3,4 1 Laboratório de Biotecnologia e Biologia Celular e Molecular. Departamento de Bioquímica. Centro de Ciências Biológicas. Campus Universitário. Universidade Federal de Santa Catarina. 2 Laboratório de Farmacognosia. Departamento de Ciências Farmacêuticas. Centro de Ciências da Saúde. Campus Universitário. Universidade Federal de Santa Catarina. 3 Departamento de Patologia. Centro de Ciências da Saúde. Campus Universitário. Universidade Federal de Santa Catarina. 4 Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina. Hospital Universitário. Campus Universitário. Universidade Federal de Santa Catarina. recebido em 22/08/2005, aceito em 01/08/2007 Abstract Non rational use of naphazoline-containing topical decongestants The objectives of this paper were to evaluate the selling of topical decongestants containing naphazoline in a community pharmacy, from October to December 2003, as well as to survey the cases of poisoning registered by the Poison Information Center of Santa Catarina, Brazil, from January 1986 to December At the pharmacy, 195 topical decongestants containing naphazoline were sold, and it was found that 88% of the bought medicines were for self-medication. It was observed that there were medicines with the same brand name, but with different compositions, and some of them have been packaged in a way that could cause erroneous administration. Approximately 4% of the selling were for pediatric use (children under six years). Ninety-eight patients (66%) admitted chronic use, and 71% used them for a period over a year. The analysis of the poisoning registrations identified 65 cases of naphazoline intoxication: 92% occurred in children under six years, 43% were used for nasal administration, 57% were due to accidental ingestion, and 35% were cases of mistaken administration. According to our results and considering the limitations of this work, we can conclude that topical decongestants containing naphazoline were used inappropriately by the analyzed sample, and it could be one of the causes of the registered poisonings in children. Keywords: naphazoline; poisoning; children. Introdução A nafazolina é um derivado imidazolínico freqüentemente utilizado como descongestionante tópico de ação rápida e prolongada, pelas vias nasal e ocular. Devido à sua ação vasoconstritora, permite um alívio sintomático da congestão nasal, auxilia na drenagem das secreções, nas afecções dos seios paranasais, facilita a rinoscopia e controla a hiperemia em pacientes com vascularidade superficial córnea. Também é utilizada em irritações oculares *Autor Correspondente: Cláudia M. O. Simões - Laboratório de Farmacognosia. Departamento de Ciências Farmacêuticas. Centro de Ciências da Saúde. Campus Universitário. Universidade Federal de Santa Catarina. CEP: Tel. (48) Fax: (48) Sociedade Brasileira de Toxicologia direitos reservados superficiais e inchaço local da membrana da mucosa nasal. A ação descongestionante da nafazolina inicia-se em torno de 10 minutos após a administração tópica, podendo durar até seis horas. Ainda não há dados precisos sobre a sua eliminação (HOFFMAN, 2003; MUSSHOFF et al., 2003; DIH, 2006). As ações terapêuticas decorrem da estimulação direta dos receptores 2-adrenérgicos pós-sinápticos dos vasos sangüíneos periféricos das mucosas, causando vasoconstrição local. Eventualmente, pode ocorrer absorção sistêmica com estímulo dos receptores 2-pré-sinápticos do sistema nervoso central, inibindo a liberação de noradrenalina e, conseqüentemente, a inibição da atividade simpática central. Assim, a exposição aguda, decorrente da aplicação de doses terapêuticas inadequadas, excessivas, ou da ingestão acidental, principalmente por crianças, pode provocar depressão neurológica, respiratória, bradicardia e hipotensão arterial (COLE et al., 1983; BUCHARETI et al., 2003; MARTINDALE, 2007). O uso prolongado de medicamentos contendo nafazolina pode provocar podem

2 104 Simões, C.M.O./Revista Brasileira de Toxicologia 19, n.2 (2006) vasodilatação reativa (efeito rebote), com conseqüente necessidade do aumento da dose, por um mecanismo de ação ainda incerto, mas que pode envolver a dessensibilização dos receptores e lesão de mucosas (HOFFMAN, 2003). Devido ao efeito vasoconstritor, não é recomendado o uso de derivados imidazolínicos por crianças de até seis anos de idade (ALVAREZ-PITTI et al., 2006). Em crianças maiores de seis anos é tolerado o uso de spray ou instilação de uma a duas gotas na concentração de 0,05%, de seis em seis horas, se necessário, mas a terapia não deve exceder a cinco dias, devido ao efeito rebote e dessensibilização dos receptores (Schvarstsman, 1988; BUCHARETI et al., 2003; Bryant & Lombardi, 2004; DIH, 2006). Apesar da contra-indicação para crianças de até seis anos de idade, verifica-se que os derivados imidazolínicos, principalmente medicamentos contendo nafazolina, são usados de forma indiscriminada, podendo desencadear quadros de intoxicação (HIGGINS et al., 1991; ZANINI et al., 1995; CLAUDET & FRIES, 1997; AMARAL & BARCIA, 2003; CIT/PR, 2003; ALVAREZ-PITTI et al., 2006; MARTINDALE, 2007). Apesar do uso difundido desses medicamentos e do risco potencial de seu emprego em crianças, não há consenso quanto à posologia ou duração do tratamento, sendo possível adquiri-los sem prescrição médica (MAHIEU et al.,1993; BUCHARETI et al., 2003). Como não há estudos que comprovem a segurança dos derivados imidazolínicos durante a gravidez e a lactação, recomenda-se que esses pacientes evitem seu uso. Da mesma forma, não há informações suficientes para justificar seu uso em idosos; portanto, nesses pacientes, tais derivados devem ser utilizados somente sob orientação médica, visto que podem causar reações adversas e/ou tóxicas e interagir com outros medicamentos, já que tais pacientes são freqüentemente polimedicados (ZANINI et al., 1995). Os sintomas característicos da intoxicação por nafazolina, provocada pela administração tópica excessiva ou ingestão oral, são sonolência, sudorese, hipotensão ou choque, bradicardia, depressão respiratória e coma. Após a administração tópica excessiva de outros derivados imidazolínicos, também foram relatados choque após hipertensão transitória, arritmias, sintomas de angina pectóris secundária, vasoconstrição coronária e hipotermia. Além disso, esses fármacos podem provocar uma excitação transitória e hipereflexia, seguida de depressão do sistema nervoso central, dilatação de pupila e até coma (HIGGINS et al., 1991; MAHIEU et al.,1993; CLAUDET & FRIES, 1997; STAMER et al., 2001; AMARAL & BARCIA, 2003; BUCHARETI et al., 2003; WENZEL et al., 2004; DIH, 2006; MARTINDALE, 2007). Diante desses fatos, os objetivos deste trabalho foram avaliar a dispensação de descongestionantes nasais contendo nafazolina, na Farmácia Escola da Universidade Federal de Santa Catarina, no período de outubro a dezembro de 2003, e analisar os casos de exposição acidental ou de intoxicação provocados pelo uso desses medicamentos, registrados no Centro de Informações Toxicológicas do Estado de Santa Catarina, no período de janeiro de 1986 a dezembro de Material e Métodos Realizou-se um estudo na Farmácia Escola da Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Universitário, no período entre outubro e dezembro de 2003, através da coleta de dados sobre a dispensação de medicamentos descongestionantes nasais, contendo nafazolina. As informações coletadas foram analisadas por dois observadores, através de um formulário próprio, sendo que as seguintes variáveis foram consideradas para o desenvolvimento do estudo: idade e sexo dos pacientes, nome comercial, posologia, freqüência, tempo de uso e apresentação ou não da prescrição médica no momento da compra. Na ausência da prescrição médica, questionou-se sobre a automedicação ou a indicação por um indivíduo leigo. Através da consulta ao banco de dados do Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina, foram selecionados os prontuários com registros de intoxicação por medicamentos contendo nafazolina, no período entre janeiro de 1986 e dezembro de As variáveis analisadas foram: idade e sexo dos pacientes, nome comercial, circunstância, via de exposição, sinais e sintomas observados, e evolução clínica do paciente. Resultados No período entre outubro e dezembro de 2003, na Farmácia Escola, situada no Campus Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina, foram dispensados 195 descongestionantes nasais contendo nafazolina como substância ativa, totalizando a dispensação de 65 medicamentos por mês. Este volume de vendas poderia ser explicado pelo fato de que o levantamento foi realizado no outono, mas ele pode ser ainda maior durante o inverno. A Tabela 1 apresenta os nomes comerciais, os laboratórios fabricantes, a concentração de nafazolina no medicamento, a indicação de uso (adulto, pediátrico ou infantil) proposta pelo laboratório produtor e o número de medicamentos dispensados, no período do estudo. Nesse período, a farmácia comercializava apenas nove (15,25%) dos 59 medicamentos registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA/MS), sendo que os medicamentos Hidrocin e Conidrin não foram dispensados. Observaram-se medicamentos com o mesmo nome comercial, mas com composições distintas e, além disso, formulações pediátricas e lactentes contendo nafazolina (p. ex: Sorine Adulto e Pediátrico, mas com composições distintas - uso adulto com nitrato de nafazolina 0,05% e uso pediátrico sem este fármaco na sua composição; Naridrin Pediátrico com 0,05% de nitrato de nafazolina). Mesmo não sendo dispensado na farmácia estudada, verificou-se que o Conidrin apresenta-se com diferentes concentrações de nafazolina, tais como Adulto, Pediátrico e Lactente, contendo 0,1%, 0,05% ou 0,0025% da substância ativa, respectivamente. Ainda não há evidências de que o uso dessa classe de medicamentos seja seguro

3 Simões, C.M.O./Revista Brasileira de Toxicologia 19, n.2 (2006) 105 Tabela 1 - Características dos medicamentos contendo nafazolina, dispensados na Farmácia Escola da Universidade Federal de Santa Catarina, no período entre outubro e dezembro de Nome Concentração de Indicação Laboratório comercial nafazolina (%) de uso n % Neosoro Neoquímica 0,05 Adulto ,21 Sorine Aché 0,05 Adulto 42 21,54 Cloridrato de nafazolina Teuto 0,05 Adulto 7 3,58 Privina Novartis 0,05 Adulto 6 3,08 Sinustrat Zurita 0,1 Adulto 4 2,05 Adnax DM 0,1 Adulto 2 1,03% Naridrin EMS 0,05 Pediátrico 1 0,51% Tabela 2 - Tempo de uso dos descongestionantes nasais contendo nafazolina, informado pelos usuários entrevistados na Farmácia Escola da Universidade Federal de Santa Catarina, no período entre outubro e dezembro de 2003 (n=98). Tempo de uso Pacientes (n) % < 3 meses 50 33,78 3 meses e 1 ano 4 4,08 1 ano 6 6,12 2 anos 16 16,33 4 anos 6 6, anos 16 16,33 Acima 10 anos 26 26,53 Desconhecido 24 24,49 durante a gravidez e lactação (ZANINI et al., 1995). Em relação às embalagens dos medicamentos, verificou-se nas marcas comercias Naridrin infantil e adulto a presença de uma tarja vermelha e uma tarja preta, respectivamente, mesmo tratando-se de medicamento de venda livre. Este fato pode causar confusão, principalmente para o paciente, além de problemas legais para os laboratórios fabricantes. Em 195 dos casos de dispensação de medicamentos contendo nafazolina, foram realizadas 148 entrevistas (75,90%) com os pacientes ou com os responsáveis pelo seu uso. Verificou-se que apenas 14 deles (9,46%) apresentaram a prescrição médica no momento da aquisição do medicamento, o que não caracteriza descumprimento de legislação, pois de acordo com as normas vigentes (Lei nº 5991, de 17 de dezembro de 1973), os medicamentos contendo derivados imidazolínicos são de venda livre. Somente quatro pessoas (2,7%) compraram o medicamento através da indicação de leigos. Cento e trinta pacientes entrevistados (87,84%) compraram tais medicamentos por automedicação. Aproximadamente 4% dos medicamentos foram dispensados para uso em crianças com idade inferior a seis anos; 37% para pessoas com idade entre 12 e 30 anos; 31% para pessoas na faixa etária de 30 a 45 anos; 15% para a faixa etária de 45 a 60 anos e 8% para pessoas com mais de 60 anos de idade. Não ocorreu dispensação para faixa etária de seis a onze anos de idade e 5% dos entrevistados não informaram a idade. Em relação ao tempo de uso, 98 pacientes (66%) afirmaram que faziam uso do medicamento por um tempo superior a 90 dias, considerado, então, uso crônico (18). Destes, 70 pacientes (71,43%) utilizavam há mais de um ano (Tabela 2). A freqüência de administração do descongestionante nasal foi inadequada em 26% dos pacientes (acima de 4X/dia), adequada na maioria dos pacientes (55%), ou seja, entre 1 e 4 vezes/dia; e 19% não informaram a freqüência de uso. Não foi possível obter informações sobre as doses utilizadas em cada administração, ou seja, o número de gotas instiladas. No Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina, no período entre janeiro de 1986 e dezembro de 2003, foram registrados casos de intoxicação por medicamentos, na faixa etária de 0 a 14 anos. Além dos medicamentos, nesta faixa etária, as outras principais causas de intoxicações foram animais peçonhentos e não peçonhentos, domissanitários, produtos químicos industriais, agrotóxicos e plantas tóxicas. Das intoxicações por medicamentos, 65 foram casos de intoxicação por medicamentos contendo nafazolina, sendo que todos evoluíram para a cura. Nesta casuística, 60 pacientes (92,3%) eram crianças com menos de seis anos de idade e três (4,6%) tinham entre 6 e 14 anos. Portanto, os 63 casos de intoxicação por nafazolina em crianças com menos de 14 anos, correspondem a 1,85% do total de intoxicações por medicamentos no CIT/SC. O percentual pode ser considerado baixo, mas significativo, pois as intoxicações

4 106 Simões, C.M.O./Revista Brasileira de Toxicologia 19, n.2 (2006) podem ser graves e evoluir para óbitos. Em 36 casos (53%) a intoxicação ocorreu após a administração do medicamento por via nasal, em 32 casos (43%) pela ingesta oral e não foi relatada a via de administração em apenas um caso. As intoxicações foram classificadas como acidental em 37 casos (57%), erros de administração em 23 casos (35%), automedicação em três casos (0,05%) e tentativa de suicídio em um caso. As manifestações clínicas predominantes em 59 (91%) dos pacientes intoxicados foram: sonolência (CLAUDET & FRIES, 1997), bradicardia (LARINE, 1987), hipotermia (WENZEL et al., 2004), palidez (STAMER et al., 2001) e sudorese (ZANINI et al., 1995). Seis pacientes não apresentaram as manifestações clássicas da intoxicação por nafazolina. Os medicamentos envolvidos nas intoxicações registradas foram identificados como apenas cloridrato de nafazolina, em 19 casos (29%); Sorine Adulto em 18 (28%), Naridrin em 16 (25%) e outros medicamentos, tais como Naricin, Adnax, Privina e Nasopan, em 12 casos (18 %). Discussão Os derivados imidazolínicos vêm sendo amplamente utilizados desde 1940, quando foi introduzida a nafazolina no mercado farmacêutico como descongestionante nasal (BRUNI, 1970; BUCHARETI et al., 2003; HOFFMAN, 2003). A análise das dispensações desses medicamentos na Farmácia Escola da Universidade Federal de Santa Catarina indicou que apenas 4% foram dispensados para uso em crianças menores de seis anos de idade. No entanto, os dados do CIT/SC chamam a atenção para outra realidade, onde 92,3% dos casos de intoxicação ocorreram em crianças menores de seis anos. Porém, esta comparação apresenta limitações porque foram analisados os dados da dispensação em apenas três meses em uma única farmácia do município de Florianópolis. Nessa faixa etária há maior exposição aos medicamentos em geral, especialmente aos descongestionantes tópicos, que podem ter absorção sistêmica, eficácia discutível no tratamento de doenças respiratórias comuns, e que são extremamente tóxicos em doses próximas àquelas consideradas terapêuticas, principalmente, em crianças com menos de um ano de idade (SCHVARSTSMAN, 1988; AMARAL & BARCIA, 2003; BUCHARETI et al., 2003; BRYANT & LOMBARDI, 2004; DIH, 2006). A dispensação de medicamentos contendo nafazolina durante o período de estudo mostrou que 66% dos pacientes admitiram utilizar estes medicamentos de forma crônica, 45% utilizavam numa freqüência de uso acima da recomendada e 55% usavam o medicamento na freqüência recomendada; no entanto, não foi possível precisar a dose administrada. Segundo OGA (2003), a intoxicação por nafazolina está relacionada à alta morbidade e envolve a admissão de crianças em UTIs de hospitais. Desde a década de 1970, foram conduzidos trabalhos científicos alertando sobre os riscos do uso indiscriminado de derivados imidazólicos, principalmente a nafazolina, e a potencial toxicidade desses medicamentos, especialmente em crianças menores de seis anos de idade. Segundo BRUNI (1970), 74,9% dos 64 casos relatados de intoxicação com derivados imidazolínicos ocorreram em crianças com até dois anos de idade. MAHIEU e colaboradores (1993) mostraram que, na Bélgica, 89,6% dos 261 casos relatados ocorreram em crianças de até quatro anos de idade. Esses resultados são similares aos encontrados neste estudo, quando se observou que 92,3% das intoxicações relatadas no CIT/SC ocorreram em crianças menores de seis anos, sendo contra-indicado o uso desses medicamentos nessa faixa etária (BRYANT & LOMBARDI, 2004; DIH, 2006). Provavelmente, este uso ocorre pela falta de informação dos pais, que costumam armazenar descongestionantes nasais para uso adulto e, no momento que os filhos apresentam quadros de congestão nasal, acabam administrando o medicamento disponível (o que caracteriza um erro de administração que, no caso do CIT/ SC, foi responsável por 35% dos casos de intoxicação), sem saber que os descongestionantes nasais para uso pediátrico não devem apresentar nafazolina na sua composição (CLAUDET & FRIES, 1997; BRYANT & LOMBARDI, 2004; MARTINDALE, 2007). Estes problemas poderiam ser evitados se o órgão responsável pela autorização do registro de medicamentos no país (ANVISA/MS) exigisse que tal informação fosse veiculada nas bulas desses medicamentos, e que os profissionais responsáveis pela prescrição e dispensação dos mesmos orientassem os pais ou os responsáveis, o que poderia contribuir para diminuir os casos de intoxicação infantil por produtos contendo nafazolina. Da mesma forma, as indústrias farmacêuticas que produzem medicamentos com formulações diferentes, não deveriam utilizar os mesmos nomes comerciais, visto que tal atitude pode contribuir para o uso inadequado e, conseqüentemente, para o aparecimento de quadros de intoxicação, principalmente, em crianças. Verificou-se, também, que a principal circunstância de intoxicação em crianças foi acidental (57% dos casos). Segundo OGA (2003), esses acidentes podem ocorrer devido ao armazenamento impróprio do medicamento, freqüentemente, ao alcance das crianças. No caso de uso de doses excessivas, o tratamento deve ser sintomático e de suporte. Não é recomendado o esvaziamento gástrico, devido à rápida absorção. Casos graves devem se encaminhados à UTI para controle dos distúrbios cardiovasculares e respiratórios (1983). As principais manifestações clínicas observadas nos casos de intoxicação foram sonolência, bradicardia, palidez e sudorese, condizentes com as manifestações descritas pela literatura (MAHIEU et al.,1993; BUCHARETI et al., 2003; CIT/PR, 2003; MARTINDALE, 2007). Nos casos analisados não foram registrados óbitos, mas as manifestações clínicas da intoxicação com derivados

5 Simões, C.M.O./Revista Brasileira de Toxicologia 19, n.2 (2006) 107 imidazolínicos podem ser graves e, com isso, a necessidade de um atendimento de alta complexidade e de custos elevados. Conclusão Através da pesquisa realizada na Farmácia Escola da Universidade Federal de Santa Catarina e com base na literatura técnico-científica, pode-se comprovar que os medicamentos que contêm nafazolina são amplamente comercializados na região pesquisada e utilizados de forma crônica (CLAUDET & FRIES, 1997; BUCHARETI et al., 2003; MUSSHOFF et al., 2003). Freqüentemente, a desinformação a respeito dos riscos da exposição a tais medicamentos, principalmente, em crianças com menos de seis anos de idade (quando são contra-indicados) poderia explicar as intoxicações registradas neste estudo. Pode-se concluir que a exposição (acidental ou por intoxicação) aos produtos contendo nafazolina, principalmente, em crianças menores de seis anos de idade, ocasiona, na maioria dos casos, manifestações clínicas de intoxicação, prevalecendo os sintomas de sonolência, bradicardia, hipotermia, palidez e sudorese, devido a absorção sistêmica e a inibição da atividade simpática central. Como regra geral, médicos e farmacêuticos deveriam informar aos pacientes sobre a segurança desses medicamentos, em relação aos seus efeitos tóxicos, ao tempo e as precauções do seu uso, contribuindo para a prevenção de intoxicações, já que se trata de um medicamento de venda livre. Seria também importante a padronização das informações contidas nas bulas, esclarecendo sobre o possível efeito rebote, os riscos das doses excessivas e do tempo de uso destes medicamentos, assim como a estipulação de uma idade limite para uso desta classe de medicamentos. Como medida preventiva, sugere-se ao órgão responsável pela autorização do registro de medicamentos no país (ANVISA/MS) a retirada da nafazolina da composição de medicamentos de venda livre. Resumo Os objetivos deste trabalho foram avaliar a dispensação de descongestionantes nasais contendo nafazolina na Farmácia Escola da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), de outubro a dezembro de 2003, assim como avaliar as intoxicações registradas no Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina (CIT/SC), de janeiro de 1986 a dezembro de Nesta farmácia, foram dispensados 195 descongestionantes. Os compradores informaram sobre o uso dos medicamentos adquiridos. Constatou-se que 88% os utilizavam por automedicação. Identificou-se medicamentos com o mesmo nome comercial, mas com composições diferentes e alguns apresentavam embalagens que poderiam confundir o usuário. Aproximadamente 4% das dispensações destinavam-se a crianças menores de seis anos. Noventa e oito pessoas (66%) utilizavam tais medicamentos cronicamente, sendo que 70 delas (71%) usavam há mais de um ano. No CIT/SC, identificou-se 65 casos de intoxicação por nafazolina. Dessas, 92% ocorreram em menores de seis anos; 43% ocorreram pela via nasal; 57% por ingestão acidental; e 35% por erro de administração. De acordo com os resultados obtidos e considerando as limitações deste trabalho, pôdese concluir que descongestionantes nasais contendo nafazolina são usados indiscriminadamente pela população estudada e no período analisado, podendo ser uma das causas das intoxicações registradas em crianças pelo CIT/SC. Unitermos: nafazolina, intoxicação, crianças. Referências Bibliográficas Alvarez-Pitti J, Rodriguez-Varela A, Morales-Carpi C, Lurbe E, Estan L. Naphazoline intoxication in children. Eur J Pediatr; 2006; 165: Amaral DA, Barcia SAD. Intoxicações por Medicamentos. In: Oga S. 2ª ed. Fundamentos de Toxicologia. 2ª ed. São Paulo: Atheneu, Bruni R. L'avvelenamento acuto da derivati imidazolinici per uso topico endonasale nell'infanzia. Minerva Pediatr; 1970; 22: Bryant BG, Lombardi TP. Handbook of Nonprescripton Drugs. 14th ed. Washington: American Pharmaceutical Association, Buchareti F, Dragosavac S, Vieira RJ. Exposição aguda a derivados imidazólicos em crianças. J. Pediatr; 2003; 79: Centro de Informações Toxicologicas CIT/PR. Descongestionantes Nasais e Sistêmicos. Curitiba, 10 out Disponível em: CSA/CIT/medicamentos.htm. Acesso em: 10 de outubro de Claudet I, Fries F. Danger des vasoconstricteurs nasaux chez le nourisson. A propos d'une observation. Arch. Pediatr; 1997; 4: Cole P, Haight JSJ, Cooper PW, Kassel EE. A computed tomographic study of nasal mucosa: Effects of vasoactive substances. J. Otolaryngol; 1983; 12: Drug Information Handbook. 14th ed. Ohio: Lixi Comp, Higgins GL, Campbell B, Wallace K, Talbot S. Pediatric poisoning from over-the-counter imidazoline-containing products. Ann. Emerg. Med; 1991; 20: Hoffman BB. Catecolaminas, fármacos simpaticomiméticos e antagonistas dos receptors adrenérgicos In: Hardman JG, Limbird LE, Goodman LS, Gilamn A. The Pharmacological Basis of Therapeutics. 10ª ed. New York: The McGraw-Hill Company, Larine L. Toxicologia. São Paulo: Manole; Mahieu, L.M, Rooman, R.P., Goossens, E. Imidazoline intoxication in children. Eur. J. Pediatr; 1993; 152:

6 108 Simões, C.M.O./Revista Brasileira de Toxicologia 19, n.2 (2006) Martindale. The complete drug reference. 35th ed. London: Pharmaceutical Musshoff F, Gerschlauer A, Madea B. Naphazoline intoxication in a child - a clinical and forensic toxicological case. Forensic Sci. Int; 2003; 134: Oga S. Fundamentos de toxicologia. 2ª ed., São Paulo: Atheneu; Schvarstsman S. Medicamentos em Pediatria. Monografias Médicas série "Pediatria". Volume XV. 3 ed. São Paulo: Savier, Stamer UM, Buderus S, Wetegrove S, Lentze MJ, Stuber F. Prolonged wakening and pulmonary edema after general anesthesia and naphazoline application in an infant. Anesth Analg; 2001, 93: Wenzel S, Sagowski C, Laux G, Kehrl W, Metternich FU. Course and therapy of intoxication with imidazoline derivate naphazoline. Int J Pediatr Otorhinolaryngol; 2004; 68: Zanini AC, Basile AC, Martin MIC, Oga S. Guia de Medicamentos. São Paulo: Atheneu;

n PRIVINA nitrato de nafazolina

n PRIVINA nitrato de nafazolina PRIVINA nitrato de nafazolina Forma farmacêutica, via de administração e apresentação Solução nasal a 1:1000 (1 ). Frasco plástico gotejador com 15 ml. USO ADULTO (ACIMA DE 12 ANOS) Composição Cada ml

Leia mais

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml USO INTRANASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

COLÍRIO GEOLAB. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,15mg/mL + 0,3mg/mL

COLÍRIO GEOLAB. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,15mg/mL + 0,3mg/mL COLÍRIO GEOLAB Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,15mg/mL + 0,3mg/mL MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal FOLHETO INFORMATIVO RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl Descongestionante nasal Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento

Leia mais

COLÍRIO NEO BRASIL. (cloridrato de nafazolina + sulfato de zinco heptaidratado)

COLÍRIO NEO BRASIL. (cloridrato de nafazolina + sulfato de zinco heptaidratado) COLÍRIO NEO BRASIL (cloridrato de nafazolina + sulfato de zinco heptaidratado) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Gotas 0,15mg/mL + 0,30mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: COLÍRIO

Leia mais

CICLOPLÉGICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. solução oftálmica estéril cloridrato de ciclopentolato 1%

CICLOPLÉGICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. solução oftálmica estéril cloridrato de ciclopentolato 1% CICLOPLÉGICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA solução oftálmica estéril cloridrato de ciclopentolato 1% APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco conta-gotas contendo 5 ml de solução oftálmica

Leia mais

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio.

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio. VISCOTEARS carbômer 2 mg / g Lágrima artificial Forma farmacêutica e apresentação Gel líquido oftálmico: tubo de 10 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes:

Leia mais

ZINCOLOK ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ZINCOLOK ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA ZINCOLOK ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Frasco plástico gotejador contendo 10 ml de solução oftálmica estéril de sulfato de zinco e cloridrato de nafazolina APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas: cartuchos com 20 e 120 cápsulas em blísteres e frasco de vidro com 20 cápsulas Gotas

Leia mais

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Gelcaps cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Gelcaps Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Uso oral

Leia mais

n OTRIVINA cloridrato de xilometazolina

n OTRIVINA cloridrato de xilometazolina OTRIVINA cloridrato de xilometazolina Formas farmacêuticas e apresentações Gotas nasais (solução nasal) a 0,5 (0,05%) ou 1 (0,1%). Frasco plástico gotejador contendo 15 ml. Gel nasal a 1 (0,1%). Bisnaga

Leia mais

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína MODELO DE TEXTO DE BULA PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína TRATAMENTO LOCAL DAS HEMORRÓIDAS Formas farmacêuticas, via de administração e apresentações: Supositórios. Embalagens com 5 ou 10 supositórios.

Leia mais

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina

cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina (Texto de bula) Dimetapp Elixir cloridrato de pseudoefedrina maleato de bronfeniramina Nome comercial: Dimetapp Elixir Nome genérico: cloridrato de pseudoefedrina e maleato de bronfeniramina Uso oral Forma

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml. SALSEP 0,9% cloreto de sódio 9 mg/ml USO NASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO SOLUÇÃO NASAL FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA PILOCARPINA ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de pilocarpina 1% / 2% / 4% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

LASTACAFT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LASTACAFT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LASTACAFT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril Alcaftadina (0,25%) BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente - CCDS 2.0 Nov2014 Pág. 1 de 6 APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril

Leia mais

Neo Fresh. (carmelose sódica)

Neo Fresh. (carmelose sódica) Neo Fresh (carmelose sódica) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução oftálmica estéril 5mg/mL (0,5%) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: NEO FRESH carmelose sódica 0,5% APRESENTAÇÃO Solução

Leia mais

Avaliação da qualidade das informações obtidas na internet relacionadas à segurança de uso de cosméticos.

Avaliação da qualidade das informações obtidas na internet relacionadas à segurança de uso de cosméticos. Avaliação da qualidade das informações obtidas na internet relacionadas à segurança de cosméticos. Ariane Pinheiro Cruz 1, Aline Claudia de Mello 2, Hellen Karine Stulzer 3,Talize Foppa 4, Marcos Antônio

Leia mais

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL Flextoss Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Flextoss dropropizina APRESENTAÇÕES Xarope Adulto

Leia mais

MONOCORDIL mononitrato de isossorbida APRESENTAÇÕES

MONOCORDIL mononitrato de isossorbida APRESENTAÇÕES MONOCORDIL mononitrato de isossorbida APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 20 mg cartucho com 20 ou 30 comprimidos. Comprimidos simples de 40 mg cartucho com 30 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil cloridrato de oxomemazina / guaifenesina / paracetamol FORMA

Leia mais

BULA DE NALDECON PACK - Comprimidos

BULA DE NALDECON PACK - Comprimidos BULA DE NALDECON PACK - Comprimidos NALDECON PACK paracetamol, cloridrato de fenilefrina, maleato de carbinoxamina NALDECON PACK é composto por NALDECON Dia (paracetamol e cloridrato de fenilefrina- Sem

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Viabom 50 mg comprimidos Dimenidrinato APROVADO EM Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO REFRESH álcool polivinílico 1,4% povidona 0,6% FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Via de administração tópica ocular Caixa com 32 flaconetes plásticos para aplicação

Leia mais

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA Comprimidos revestidos de liberação programada em blíster de 12 Xarope em frasco de 120 ml, acompanhado de copo-medida de 10 ml Solução

Leia mais

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO tobramicina 3 mg/ml solução oftálmica estéril Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml.

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. Hixizine cloridrato de hidroxizina Uso adulto e pediátrico Uso oral APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. COMPOSIÇÃO

Leia mais

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS RELATADAS POR INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UMA UBS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE (SP)

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS RELATADAS POR INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UMA UBS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE (SP) Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 31 LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DAS INTOXICAÇÕES EXÓGENAS RELATADAS POR INDIVÍDUOS ATENDIDOS EM UMA UBS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

TEGAN (Alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg/ml

TEGAN (Alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg/ml (Alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg/ml TEGAN alfaestradiol APRESENTAÇÕES Solução tópica capilar contendo 0,25 mg de alfaestradiol por ml de produto. Embalagem contendo 1 frasco

Leia mais

Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 50 mg

Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 50 mg Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Pomada 50 mg THIANAX tiabendazol Pomada IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Pomada 50mg/g: bisnaga com 45 g. USO TÓPICO

Leia mais

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Actifedrin cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Formas farmacêuticas e apresentações Xarope embalagem contendo 100 ml Comprimidos embalagem contendo 20 comprimidos USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico. 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol

Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico. 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol Oceral (nitrato de oxiconazol) Bayer S.A. Creme dermatológico 11,47 mg/g de nitrato de oxiconazol OCERAL nitrato de oxiconazol APRESENTAÇÕES Creme dermatológico contendo 11,47 mg de nitrato de oxiconazol

Leia mais

DRAMIN BULA DO PACIENTE

DRAMIN BULA DO PACIENTE DRAMIN BULA DO PACIENTE Takeda Pharma Ltda. Cápsula gelatinosa mole 50 mg/cápsula (dimenidrinato) BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa mole de 50 mg. Embalagem com 4, 10 ou 100

Leia mais

BULA DE NALDECON DIA Comprimidos

BULA DE NALDECON DIA Comprimidos BULA DE NALDECON DIA Comprimidos NALDECON DIA paracetamol 800mg cloridrato de fenilefrina 20mg Sem anti-histamínico Não causa sonolência COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em geral Febre Congestão nasal

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 5 ml de solução oftálmica estéril de flurbiprofeno (0,3 mg/ml).

APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 5 ml de solução oftálmica estéril de flurbiprofeno (0,3 mg/ml). APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 5 ml de solução oftálmica estéril de flurbiprofeno (0,3 mg/ml). VIA DE ADMINISTRAÇÃO TÓPICA OCULAR USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína APRESENTAÇÕES Pomada 50 mg/g em embalagem com uma bisnaga contendo 25 g. VIA TÓPICA SOBRE MUCOSA E PELE USO ADULTO

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

POSTEC. hialuronidase + valerato de betametasona APSEN

POSTEC. hialuronidase + valerato de betametasona APSEN POSTEC hialuronidase + valerato de betametasona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Pomada APRESENTAÇÕES Pomada com 2,5 mg de valerato de betametasona e 150 UTR de hialuronidase em bisnaga contendo 10 g e 20 g. USO

Leia mais

VP3 = Sandomigran_Bula_Paciente 1

VP3 = Sandomigran_Bula_Paciente 1 SANDOMIGRAN pizotifeno APRESENTAÇÕES Drágeas de 0,5 mg Embalagens com 20 drágeas. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS COMPOSIÇÃO Cada drágea contém 0,5 mg pizotifeno, base que corresponde

Leia mais

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. POLARAMINE Creme maleato de dexclorfeniramina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Creme é indicado para uso na pele. POLARAMINE Creme apresenta-se em bisnagas de 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN MECLIN cloridrato de meclizina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimido APRESENTAÇÕES Comprimidos de 25 mg em embalagem com 15 comprimidos. Comprimidos de 50 mg em embalagem com 15 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

Fluimare HT cloreto de sódio 3%

Fluimare HT cloreto de sódio 3% Fluimare HT cloreto de sódio 3% Forma farmacêutica e apresentações Solução nasal estéril, hipertônica de cloreto de sódio. Frascos de 50 ml com válvula pump (micronebulizador). USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina APRESENTAÇÕES Microcomprimidos COBAVITAL (1 mg cobamamida + 4 mg cloridrato de ciproeptadina):

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%)

Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%) Otrivina Gel Nasal a 1 (0,1%) Otrivina cloridrato de xilometazolina Gel nasal a 1 (0,1%) Bisnaga contendo 10 gramas GEL USO ADULTO E CRIANÇAS ACIMA DE 12 ANOS Composição Cada 100 g do gel contém 0,1 g

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

MODELO DE BULA. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de dois anos de idade)

MODELO DE BULA. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de dois anos de idade) MODELO DE BULA Logo Novartis Lacrigel TM A palmitato de retinol 10 mg/g Lágrima artificial estéril Forma farmacêutica e apresentação Gel oftálmico: cada tubo contém 10 g de gel. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LACRIL ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril álcool polivinílico 1,4% BULA PARA O PACIENTE Lubrificante Ocular APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta 0,01% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 3 ml ou 5

Leia mais

DRAMIN B6 DL. dimenidrinato, cloridrato de piridoxina, glicose, frutose

DRAMIN B6 DL. dimenidrinato, cloridrato de piridoxina, glicose, frutose Leia com atenção, antes de usar o produto. DRAMIN B6 DL dimenidrinato, cloridrato de piridoxina, glicose, frutose Forma farmacêutica, apresentação e via de administração Solução injetável. Embalagens contendo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

CILODEX Pomada. Cloridrato de Ciprofloxacino (3,5 mg/g) Dexametasona (1,0 mg/g)

CILODEX Pomada. Cloridrato de Ciprofloxacino (3,5 mg/g) Dexametasona (1,0 mg/g) Bula Paciente_ CILODEX Pomada CILODEX Pomada Cloridrato de Ciprofloxacino (3,5 mg/g) Dexametasona (1,0 mg/g) APRESENTAÇÃO Pomada Oftálmica Estéril. Tubo contendo 3,5 g de pomada oftálmica estéril de cloridrato

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

Benefícios da Suplementação

Benefícios da Suplementação FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT Impresso Especial 9912273897 - DR/SPM Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte CORREIOS Nos processos inflamatórios crônicos1 Um novo tempo no tratamento

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS/HCPA

CENTRO DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS/HCPA 1ª JORNADA DE FARMÁCIA HOSPITALAR CENTRO DE INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS/HCPA Busca de Evidências x Farmácia Clínica Tatiana von Diemen Farmacêutica Hospital de Clínicas de Porto Alegre Seção de Farmácia

Leia mais

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio)

Estomanol. (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Estomanol (Bicarbonato de sódio + Carbonato de sódio) Laboratório Farmacêutico Vitamed Ltda Granulado Efervescente 5g ESTOMANOL Bicarbonato de sódio 2,31g + Carbonato de sódio 0,45g APRESENTAÇÕES Cartucho

Leia mais

OCUTIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,25mg/mL + 3mg/mL

OCUTIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,25mg/mL + 3mg/mL OCUTIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Solução Oftálmica 0,25mg/mL + 3mg/mL MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DA SAÚDE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar

Leia mais

BULA DE NALDECON NOITE Comprimidos

BULA DE NALDECON NOITE Comprimidos BULA DE NALDECON NOITE Comprimidos NALDECON NOITE paracetamol - cloridrato de fenilefrina - maleato de carbinoxamina COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em Geral Febre Congestão Nasal Coriza FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada, favor proceder a sua leitura antes de utilizar o produto.

Esta bula é continuamente atualizada, favor proceder a sua leitura antes de utilizar o produto. Esta bula é continuamente atualizada, favor proceder a sua leitura antes de utilizar o produto. ALLEGRA D cloridrato de fexofenadina cloridrato de pseudoefedrina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

RETEMIC UD. cloridrato de oxibutinina APSEN

RETEMIC UD. cloridrato de oxibutinina APSEN RETEMIC UD cloridrato de oxibutinina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos revestidos de liberação controlada APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg. Caixas com 15 e 30 comprimidos revestidos de

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução oral extrato etanólico das raízes de Pelargonium sidoides D.C. Eps 7630-825 mg. Embalagens com 20 ml e 50 ml. Umckan Pelargonium sidoides Extrato Eps 7630 Nomenclatura botânica: Pelargonium sidoides, D.C. Nomenclatura popular: Umckaloabo Família: Geraniaceae Parte utilizada: raízes APRESENTAÇÕES Solução oral extrato

Leia mais

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO SABONETE LÍQUIDO NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Fornecedor: SABONETE LÍQUIDO NEUTRO Bluecare do Brasil Indústria e Comércio Ltda. CNPJ.: 94.003.753/0001-02 Endereço: Rua

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RISCO DE INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS, DOMISSANITÁRIOS E AGROTÓXICOS NA POPULAÇÃO DE JURAMENTO-MG

AVALIAÇÃO DO RISCO DE INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS, DOMISSANITÁRIOS E AGROTÓXICOS NA POPULAÇÃO DE JURAMENTO-MG 46 AVALIAÇÃO DO RISCO DE INTOXICAÇÕES POR MEDICAMENTOS, DOMISSANITÁRIOS E AGROTÓXICOS NA POPULAÇÃO DE JURAMENTO-MG Ronilson Ferreira Freitas Acadêmico do Curso de Farmácia das Faculdades Integradas Pitágoras

Leia mais

Dia Nacional da Prevenção

Dia Nacional da Prevenção Relatório da Organização Internacional do Trabalho A proteção dos trabalhadores e do meio ambiente Este relatório da celebração do Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho 2014 analisa a situação atual

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

RESFENOL. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina

RESFENOL. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Cápsulas 400mg paracetamol + 4mg maleato de clorfeniramina + 4mg cloridrato de fenilefrina paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina APRESENTAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 140, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 24/09/2003

RESOLUÇÃO - RDC Nº 140, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 24/09/2003 RESOLUÇÃO - RDC Nº 140, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 24/09/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado Forma farmacêutica: Solução de enema 1 MODELO DE BULA ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato

Leia mais

paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência

paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência paracetamol - cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico (antialérgico) Não causa sonolência COMBATE OS SINTOMAS DA GRIPE Dores em geral Febre Congestão nasal APRESENTAÇÕES NALDECON DIA é apresentado

Leia mais

ANESTÉSICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de tetracaína 1% cloridrato de fenilefrina 0,1%

ANESTÉSICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de tetracaína 1% cloridrato de fenilefrina 0,1% ANESTÉSICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de tetracaína 1% cloridrato de fenilefrina 0,1% BULA PARA O PACIENTE anestésico cloridrato de tetracaína 1% cloridrato

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DOS PRODUTOS QUÍMICOS DOMÉSTICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DOS PRODUTOS QUÍMICOS DOMÉSTICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DOS PRODUTOS QUÍMICOS DOMÉSTICOS Verônica Evangelista de Lima, Simone Daniel do Nascimento, Djane de Fátima Oliveira, Thiago Rodrigo Barbosa

Leia mais

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ELIEZER J. BARREIRO NATALIA MEDEIROS DE LIMA MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ISBN 978-85-910137-1-5 INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009 DOS MEDICAMENTOS INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009

Leia mais

BUPSTÉSIC. Sem vasoconstritor. União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução Injetável 5 mg/ml (0,5%)

BUPSTÉSIC. Sem vasoconstritor. União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução Injetável 5 mg/ml (0,5%) BUPSTÉSIC Sem vasoconstritor União Química Farmacêutica Nacional S/A Solução Injetável 5 mg/ml (0,5%) BUPSTÉSIC cloridrato de bupivacaína Sem vasoconstritor Solução Injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA

Leia mais

BEBEX ADE. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g

BEBEX ADE. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g BEBEX ADE Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada dermatológica 5.000UI/g + 900UI/g + 150mg/g MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DA SAÚDE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura

Leia mais

Fungirox Esmalte Ciclopirox

Fungirox Esmalte Ciclopirox Fungirox Esmalte Ciclopirox Apresentação Frasco com 6 g de esmalte, 2 frascos com removedor de esmalte e 24 lixas para unha. Esmalte Uso tópico USO ADULTO COMPOSIÇÃO Ciclopirox... 80 mg Veículo q.s.p....1

Leia mais

ARCOLAN cetoconazol 20 mg/g shampoo. Galderma Brasil Ltda.

ARCOLAN cetoconazol 20 mg/g shampoo. Galderma Brasil Ltda. ARCOLAN cetoconazol 20 mg/g shampoo Galderma Brasil Ltda. Arcolan cetoconazol APRESENTAÇÕES: ARCOLAN shampoo (cetoconazol 20 mg/g). Embalagem contendo frasco com 100 ml. USO TÓPICO USO ADULTO COMPOSIÇÃO

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO MEDICAMENTO FITOTERÁPICO VENOCUR FIT Nomenclatura botânica oficial: Aesculus hippocastanum L. Nomenclatura popular: Castanha-da-Índia Família:

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA Professor Bruno Aleixo Venturi Farmacologia fármacon: drogas lógos: estudo É a ciência que estuda como os medicamentos

Leia mais

TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml

TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml USO TÓPICO USO ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução tópica capilar contendo 0,25 mg de alfaestradiol. Embalagem com 1 frasco plástico

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Gutron 2,5 mg Comprimido. Cloridrato de midodrina

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Gutron 2,5 mg Comprimido. Cloridrato de midodrina FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Gutron 2,5 mg Comprimido Cloridrato de midodrina Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

BULA HEBRIN Cód. 022554 E. Inclusão da unidade fabril com o novo endereço e farmacêutico de PA. Inclusão do endereço e farmacêutico de EG.

BULA HEBRIN Cód. 022554 E. Inclusão da unidade fabril com o novo endereço e farmacêutico de PA. Inclusão do endereço e farmacêutico de EG. BULA HEBRIN Cód. 022554 E Inclusão da unidade fabril com o novo endereço e farmacêutico de PA. Inclusão do endereço e farmacêutico de EG. POSOLOGIA: Esfregar algodão embebido de Hebrin no local afetado,

Leia mais

Rinofluimucil. Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano

Rinofluimucil. Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano Rinofluimucil Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Rinofluimucil acetilcisteína sulfato de tuaminoeptano APRESENTAÇÕES

Leia mais

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado Monuríl fosfomicina trometamol Granulado Forma farmacêutica e apresentação: Caixa com 1 envelope de granulado com 8g. USO ADULTO - USO ORAL Composição: Granulado Cada envelope contém: 5,631 g de fosfomicina

Leia mais

cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos 0,5 mg: embalagem com 2 ou 8 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO cabergolina 0,5 mg: Cada comprimido contém 0,5

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais