SUSPENSÃO DE SÓLIDOS TEMAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUSPENSÃO DE SÓLIDOS TEMAS"

Transcrição

1 SUSPENSÃO DE SÓLIDOS EFRAIM CEKINSKI TEMAS INTRODUÇÃO INTERAÇÃO SÓLIDO-FLUIDO VELOCIDADE TERMINAL ESTADO DA SUSPENSÃO VELOCIDADE MÍNIMA DE AGITAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DA CONC. DE SÓLIDOS QUALIDADE DA SUSPENSÃO CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO 1

2 OBJETIVOS DA MISTURA SÓLIDO-LÍQUIDO SUSPENSÃO DE SÓLIDOS RESSUSPENSÃO DE SÓLIDOS DECANTADOS INCORPORAÇÃO DE SÓLIDOS FLOTADOS DISPERSÃO DE SÓLIDOS AGREGADOS TRANSFERÊNCIA DE MASSA ATRAVÉS DA INTERFACE SÓLIDO-LÍQUIDO APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SUSPENSÃO SIMPLES Distribuição de sólidos insolúveis, adsorção, lavagem de cristais REDUÇÃO DE PARTÍCULAS moagem a úmido de pigmentos DISSOLUÇÃO p.e., KCl REAÇÃO QUÍMICA reações catalíticas FORMAÇÃO DE SÓLIDOS cristalização, polimerização 2

3 MULTIFASE GERAÇÃO DE ÁREA DE CONTATO CONDIÇÕES DE FLUXO NA ÁREA OBS: EFEITOS DA REOLOGIA SÓ SÃO SIGNIFICATIVOS PARA UMA FRAÇÃO VOLUMÉTRICA DA FASE SECUNDÁRIA SUPERIOR A 30 % VARIÁVEIS IMPORTANTES DENSIDADE DO SÓLIDO TAMANHO, DISTRIBUIÇÃO E FORMA DO SÓLIDO CONCENTRAÇÃO DA FASE SÓLIDA DENSIDADE DA FASE LÍQUIDA VISCOSIDADE DA FASE LÍQUIDA 3

4 CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES TIPO DE PROCESSO: batelada, semi-contínuo ou contínuo FASES: sólido, líquido e/ou gás, que estão presentes ou ocorrem desde o início do processo OPERAÇÕES UNITÁRIAS: envolvidas desde o início até o final do processo GEOMETRIA DO SISTEMA em especial o fundo que nunca deve ser cônico (chato, torisférico, elíptico) PARÂMETROS DE MISTURA: velocidade local e média do escoamento, tensão de cisalhamento local e média, tempo de mistura, potência, etc INTERAÇÃO SÓLIDO-FLUIDO 4

5 HIDRODINÂMICA A suspensão de sólidos requer energia mecânica originada da agitação A energia adicionada ao tanque cria campos de escoamento turbulento que suspendem o sólido e o distribuem no tanque O sólido é arrastado da base devido ao arrasto originado pelo aparecimento de vórtices da turbulência As características da turbulência dependem do tipo de agitador, D/T, C/T, e originam diferentes qualidades de suspensão COEFICIENTE DE ARRASTO F D C D = ½.ρ.U 2.A pr C D = COEFICIENTE DE ARRASTO F D = FORÇA DE ARRASTO U = VELOCIDADE DE ATAQUE A pr = ÁREA PROJETADA NO PLANO NORMAL À DIREÇÃO DO FLUXO ρ = DENSIDADE DO FLUIDO 5

6 COEFICIENTE DE ARRASTE (ESFERAS) Re p 0 a 2 2 a a C D 24/Re 18,5/(Re) 0,6 0,445 Re p Re p = d p *v*ρ/µ COEFICIENTE DE ARRASTO (diversas formas) Coeficiente de Arraste C D Re p Fator de forma relação entre a área superficial de uma partícula esférica com um mesmo volume de uma partícula não esférica 6

7 SISTEMA SÓLIDO-FLUIDO Re < 1 Re = 26 Re = Re =

8 Re = Re = SEPARAÇÃO DA CAMADA LIMITE BLOCO RETANGULAR PRATO INCLINADO 8

9 INTERAÇÃO SÓLIDO-FLUIDO Velocidade terminal (esferas) 4d p g(ρ p -ρ) ρu T d p U T = Re P = 3ρC D µ GERAL Re p 0 a 2 2 a a C D 24/Re p 18,5/(Re p ) 0,6 0,445 d p2 g(ρ p -ρ) U T = 18 µ LAMINAR Lei de Stokes U T = 0,153 d p 1,6 g(ρ p -ρ) ρ 0,4 TRANSIÇÃO 5/7 d p g(ρ p -ρ) U T = 1,73 ρ TURBULENTO 1 ρ sól ρ liq. (g/cm3) µ = 1 cp

10 VELOCIDADE TERMINAL X TAXA DE SEDIMENTAÇÃO VELOCIDADE TERMINAL SEDIMENTAÇÃO < 0,0025 m/s nenhuma 0,0025 a 0,1 m/s livre sedimentação 0,1 a 0,5 m/s livre sedimentação extrema ρ = 2650 kg/m 3 d = 200 µm U t = 0,036 m/s ρ = 1208 kg/m 3 d = 1 µm U t = m/s Critério de suspensão Relação de velocidade Relação de potência na velocidade terminal (m/s) 0,08 0,3 difícil 0,02 0,04 moderada 5 30(10-4 ) Fácil decantação completa 1, uniforme 2,

11 Calcular a velocidade terminal de cristais de AlCl3 em cloreto de metileno usando a figura e as equações. Dados: Tamanho de partícula (dp) 4-14 mesh (5000-a m) Densidade da partícula (ρ s ) 2440 kg/m3 Densidade do líquido (ρ L ) 1326 kg/m3 Viscosidade do líquido (µ) 0,001 Pa.s 0,33 m/s 0,11 m/s 1 ρ sól ρ liq. (g/cm3) µ = 1 cp

12 d p = 5000 µm Lei de Stokes Re <0,3 Turbulento 500<Re< Turbulento d p = 1000 µm Lei de Stokes Re <0,3 500<Re< TURBULENTO 2<Re<500 TRANSIÇÃO 12

13 SEDIMENTAÇÃO DIFICULTADA (HINDERED SETTLING) SEDIMENTAÇÃO DIFICULTADA SEDIMENTAÇÃO LIVRE DEFINIÇÃO CLÁSSICA C = 40 % SEDIMENTAÇÃO DIFICULTADA (HINDERED SETTLING) U th = U t (1-X) n U th = velocidade terminal na região de Hindered Settling X = fração volumétrica dos sólidos n = coeficiente que varia com Re p : Re p < 0,3 n = 4,65 0,3 < Re p < 1000 n = 4,375*Re -0,0875 Re p >1000 n = 2,33 13

14 SEDIMENTAÇÃO DIFICULTADA (HINDERED SETTLING) AS PARTÍCULAS SEDIMENTAM EM UMA MISTURA DE LÍQUIDO E PARTÍCULAS MENORES, O QUE REDUZ A DIFERENÇA DE DENSIDADES TEM UM FLUXO SIGNIFICATIVO DE FLUIDO PARA CIMA DEVIDO AO DESLOCAMENTO DO LÍQUIDO PELA SEDIMENTAÇÃO DO SÓLIDO OS GRADIENTES DE VELOCIDADE DO FLUIDO NA VIZINHANÇA DAS PARTÍCULAS SÃO MAIORES DEVIDO A OBSTRUÇÃO DO FLUXO AS PEQUENAS PARTÍCULAS SÃO ARRASTADAS PARA BAIXO PELAS PARTÍCULAS GRANDES EFEITO DA DILUIÇÃO NA DISTÂNICA ENTRE PARTÍCULAS PARA SEDIMENTAÇÃO LIVRE Distância mínima entre partículas = (10 a 20) x d p Distância entre partículas Diâmetro da partícula Volume do líquido Volume fase sólida 14

15 ESTADO DA SUSPENSÃO SUSPENSÃO COMPLETA NENHUMA PARTÍCULA PERMANECE NO FUNDO DO TANQUE POR UM PERÍODO SUPERIOR A 1-2 SEGUNDOS SUSPENSÃO HOMOGÊNEA PARTÍCULAS SUSPENSAS DE MANEIRA UNIFORME EM TODO O VOLUME DO TANQUE ESTADO DA SUSPENSÃO Suspensão parcial Suspensão completa Suspensão homogênea 15

16 DETERMINAÇÃO DE N JS N JS = Sν 0,1 d 0,2 p ρ g ρl 0,85 D 0,45 Χ 0,13 rps Zwietering (1958) ν = viscosidade cinemática (m 2 /s) d p = diâmetro da partícula (m) ρ, ρ L = densidade do sólido e do líquido (kg/m 3 ) X = massa do sólido/massa do líquido(x100) D = diâmetro do impelidor (m) S = adimensional de geometria (S = 6) SUSPENSÃO COMPLETA 16

17 VARIAÇÃO DE S EM RELAÇÃO A PARÂMETROS GEOMÉTRICOS IMPELIDOR TIPO 2 PÁS RETAS IMPELIDOR RUSHTON EXEMPLO N JS IMPELIDOR TIPO PÁS RETAS ν = (m 2 /s) d p = (m) ρ = 2400 (kg/m 3 ) ρ L = 1000 (kg/m 3 ) X = 60 D = 1 (m) T/D = 3 T/C = 4 S = 6 N JS = 1,5 rps = 90 rpm ν = (m 2 /s) d p = (m) ρ = 2400 (kg/m 3 ) ρ L = 1000 (kg/m 3 ) X = 60 D = 1,6 (m) T/D = 3 T/C = 4 S = 6 N JS = 1,0 rps = 60 rpm 17

18 VALIDAÇÃO DE N JS VARIAÇÃO DE N JS COM CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS N JS 600 suspensão c.a. = 0, c.a. = 0,13 sem suspensão 0,1 % 1,0 % 10 % 100 % 18

19 POTÊNCIA X VELOCIDADE DE ROTAÇÃO N = 0,6 N JS, MATERIAL DECANTADO = 5 % DO TOTAL COMO P = k N 3, CONSUMO DE POTÊNCIA = 20 % EM RELAÇÃO À N JS Potência x N JS N JS α SD -0,85 P JS α Po*N 3 JS*D 5 α Po*S 3 *D 2,45 IMPELIDOR S Po D/T C/T Po*S 3 *D 2,45 NAVAL 6,6 0,5 1/3 1/4 9,7 PÁS RETAS 2,3 5,9 2/3 1/7 26,6 (2pás) RUSHTON 3,9 5 1/2 1/6 54 (1) (2,7) (5,6) 19

20 TAMANHO DO IMPELIDOR IMPELIDOR PEQUENO partículas estão suspensas na periferia do tanque sem depósito de material no centro IMPELIDOR GRANDE tendência das partículas permanecerem na região central do fundo do tanque TIPO DE FLUIDIZAÇÃO EM FUNÇÃO DE C/T C/T = 3 ρ SÓLIDO BAIXO C/T = 1 ρ SÓLIDO ALTO 20

21 N JS VELOCIDADE MÍNIMA DE AGITAÇÃO Linha Cheia periferia Pontilhada - centro TAMANHO IDEAL N periferia = N centro D/Tx100 21

22 PERFIL DE CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS RADIAL AXIAL DISTRIBUIÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS φ φ (Z) M Magelli (1990) Pe = 1 e Pe e Pe( z ) H ND Pe = 330 U t 1,17 εd ν φ z e φ m = concentração local e média Pe = Número de Peclet modificado N = velocidade de rotação do impelidor (rps) D = diâmetro do impelidor (m) U t = velocidade terminal da partícula (m/s) ε = Média da potência por unidade de massa (W/kg) d p = tamanho da partícula sólida (m) ν = viscosidade cinemática do líquido (m 2 /s) 4 p 3 0,095 22

23 EXEMPLO N = 2 (rps) D = 1 (m) U t = 0,024 (m/s) ε = 1 (W/kg) d p = (m) ν= (m 2 /s) ρ = 2400 (kg/m 3 ) ρ L = 1000 (kg/m 3 ) Pe = 1,02 φ (z) /φ m = 1,59.exp -1,02(z/H) φ (0) = 1,59 φ m φ (z = H) = 0,57 φ m N = 10 (rps) D = 1 (m) U t = 0,024 (m/s) ε = 1 (W/kg) d p = (m) ν= (m 2 /s) ρ = 2400 (kg/m 3 ) ρ L = 1000 (kg/m 3 ) Pe = 0,14 φ (z) /φ m = 1,07.exp -0,14(z/H) φ (0) = 1,07 φ m φ (z = H) = 0,93 φ m perfil de concentração concentração relativa 2 1,5 1 0, ,2 0,4 0,6 0,8 1 distância relativa do fundo (z/h) 2 rps 10 rps 23

24 CFD X CORRELAÇÃO X VISIMIX 1,8 1,6 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0, ,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 C/Cm z/h Fluent visimix Magelli Impelidor tipo pás retas Areia d = 50 µm C/Cm ,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 z/h Fluent visimix Magelli Impelidor tipo pás retas Areia d = 100 µm CFD X CORRELAÇÃO X VISIMIX C/Cm 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0, ,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 z/h fluent visimix Magelli 1,8 1,6 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0, ,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 C/Cm z/h fluent visimix Magelli Impelidor Rushton Resina d = 50 µm Impelidor Rushton Resina d = 100 µm 24

25 CFD X CORRELAÇÃO C/Cm 1,08 1,06 1,04 1,02 1,00 0,98 0,96 0,94 0,92 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 z/h correlação CFD C/Cm 1,80 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 1,2 z/h correlação CFD QUALIDADE DA SUSPENSÃO σ = 1 2 n C 1 n 1 C AV C VOL % C AV MÉDIA VOL % SUSPENSÃO HOMOGÊNEA CORRESPONDE A UM VALOR BAIXO DE σ 25

26 QUALIDADE DA SUSPENSÃO σ naval Pás inclinadas Baresi (1987) K = Po 1/3 ND U t B = (massa sólido/massa líquido )* E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E-01 Z Y 1.64E-01 X1.58E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E-07 Z X Y DISTRIBUIÇÃO X QUALIDADE DA SUSPENSÃO Relacao D/T=1/4 C=1/2 Resina Volume Fraction Max = 7.749E-02 Min = 4.796E-02 Time = 9.330E+01 Relacao D/T=1/4 C=1/2 σ = % Oct Fluent 4.52 Fluent Inc. σ = % Oct σ = % Resina Volume Fraction Fluent 4.52 Z Y Areia Volume Fraction Max = 1.820E-01 Min = 1.000E-07 Time = 8.268E+02 Fluent Inc. Max = 5.999E-01 Min = 1.000E-07 Time = 1.225E+04 Fluent Inc. CURSO AGITAÇÃO E MISTURA EM X PROCESSOS INDUSTRIAIS 6.00E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E E-07 Relacao D/T=1/4 C=1/2 σ = % Oct Fluent

27 EXEMPLO Baresi D = 0,5 m; d p = 200 µm; ρ = 1000 kg/m 3 ; ρ p = 2000 kg/m 3 ; B = 20 PÁS INCLINADAS - Po = 1,27 U t = 0,0218 m/s (região de Stokes) σ = 0,6 K/B 0,13 = 15 e K = 22,1 σ = 0,25 K/B 0,13 = 50 e K = 73,8 N (K = 22,1) = 0,890 rps = 53 rpm N (K = 73,8) = 2,97 rps = 178 rpm K = Po 1/3 ND U t OBS: N JS = 122 rpm DESVIO PADRÃO X P/V P/V (W/m 3 ) Desvio Padrão (%) P/V (hp/1000 gal) T = 44 cm 30 % SÓLIDOS U t = 1,5 m/min 27

28 VELOCIDADE TERMINAL E POTÊNCIA Velocidade terminal (m/s) Potência relativa Completa Homogênea a ,02 a 0,04 0,08 a 0, TAMANHO DO IMPELIDOR TAMANHO IDEAL DO IMPELIDOR DEPENDE DE DIVERSOS PARÂMETROS GEOMÉTRICOS, EM ESPECIAL A FORMA DO FUNDO FUNDO CHATO D = 0,45 a 0,50 T FUNDO ABAULADO D = 0,40 T FUNDO ESFÉRICO D = 0,35 T 28

29 ALIMENTAÇÃO Concentração de sólidos (%) A MESH B " C " D " Altura a partir do fundo Altura da retirada de material CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO 29

30 P V = ρn3 D 5 D 3 = ρn 3 D 2 N JS α (D) -k P/V P V α ((D)-k ) 3 D 2 ) P V α (D2-3k ) Com 2-3k = - b P V α (D-b ) Por exemplo: Zwietering k = 0,85 b = 0,55 P/V = cte, N 3 D 2 = cte, k = 2/3 b = 0 Tq/V = cte, ND = cte, k = 1 b = 1 VELOCIDADE MÍNIMA PARA SUSPENSÃO COMPLETA 1,0 b = - 0,5-0,2 0,0 0,3 0,55 b P/V = (D) -b N critério - 0,5 45 Froude 0 34 P/V 1,0 20 Tq/V 30

31 P/V X D b = 0,36 b = 0,46 b = 0,60 b = 0,30 Intensidade de agitação Descrição 1-2 Produz movimento em todos os sólidos Permite movimentar filetes de sólidos no fundo do tanque 3-5 Suspensão completa Uniformidade em ao menos 1/3 do tanque Capaz de promover a retirada em uma saída em baixa elevação 6-8 Uniformidade em ao menos 95 % do tanque Capaz de promover retirada em uma saída de 80 % da altura do tanque 9-10 Suspensão uniforme em 98 % do tanque Capaz de promover retirada por overflow 31

32 PROJETO DE TANQUES COM SUSPENSÃO DE SÓLIDOS VALIDADE 4 PÁS 45º W/D = 0,2 CAPACIDADE DO TANQUE = 4 A 120 m 3 REGIÃO DE LIVRE SEDIMENTAÇÃO 32

33 EXEMPLO SUSPENSÃO EM ÁGUA CONC. MÁSSICA = 10 % ρ SÓLIDO = 2650 kg/m 3 d p = 300 µm D = 5,0 m Z líquido = 5,5 m V TANQUE = 80 m 3 Diâmetro do sólidos (µm) Velocidade de sedimentação (ft/min) 8,2 ft/min = 2,5 m/s 33

34 Volume da suspensão (m 3 ) Fator volume = 15,5 Fator volume Volume da suspensão (gal) Fator de sedimentação Velocidade de sedimentação (m/min) Fator sedimentação Suspensão completa = 1,9 Suspensão homogênea = 6,5 Velocidade de sedimentação (ft/min) 34

35 hp Fator de suspensão , Fator suspensão F. volume x Z/D x F. sedimentação 15,5 x 0,91 x 1,9 = 26,8 (completa) 15,5 x 0,91 x 6,5 = 91,7 (homogênea) D/T CÁLCULO DE D/T Densidade do sólido, g/cm 3 T/D Média aritmética 3,6 Tamanho do sólido (mesh) ρ = 3,6 g/cm 3 d p = 120 mesh T/D = (2,6 + 4,6)/2 T/D = 3,6 D/T = 0,28 ρ = 1,2 g/cm 3 d p = 48 mesh (300 µm) T/D = (4,3 + 3,5)/2 T/D = 3,9 D/T = 0,26 35

36 POTÊNCIA E GEOMETRIA DO TANQUE - SUSPENSÃO filete Potência relativa 4,0 1,0 0,4 40 % 30 % 18 % 50 % sólido 0,01 0,1 0,4 Volume filete/volume tanque TESTES DE BANCADA PARA SCALE-UP PARÂMETROS FUNDAMENTAIS: D/T ALTURA DO LÍQUIDO VELOCIDADE DE ROTAÇÃO DO IMPELIDOR OBS: velocidade da borda do impelidor = 3,5 m/s 36

37 TESTES EM LABORATÓRIO INFORMAÇÕES A SEREM OBTIDAS: VELOCIDADE DO IMPELIDOR PARA O DESEMPENHO DESEJADO TAXA DE ADIÇÃO DE SÓLIDOS OU LÍQUIDO BEM COMO A RELAÇÃO ENTRE SÓLIDOS E LÍQUIDO PARA DETERMINAR O EFEITO DA REOLOGIA, NÍVEL DE SUSPENSÃO, REAÇÃO, TRANSPORTE DE MASSA, ETC PROJETO E GEOMETRIA DO IMPELIDOR PARA EXPLORAR O EFEITO DA DISTRIBUIÇÃO DE BOMBEAMENTO E CISALHAMENTO NÚMERO E LOCALIZAÇÃO DO IMPELIDOR PARA VERIFICAR SEU EFEITO NA DISTRIBUIÇÃO DOS SÓLIDOS PROJETO DE CHICANAS PARA VERIFICAR A FORMAÇÃO DE VÓRTEX RECOMENDAÇÕES GERAIS O melhor fundo é o abaulado (elíptico, torisférico, etc). O fundo chato também é uma opção, porém há um gasto de energia de % em relação ao fundo abaulado Jamais utilizar fundo cônico Um único impelidor é suficiente para suspensão completa quando H/T < 1,3 Dois impelidores são recomendados para tanques com 1,3<H/T<2,5 quando se quer suspensão completa ou o sólido apresentar alta velocidade terminal Três impelidores são recomendados para H/T > 2,5, porém é ineficiente para suspensão de sólidos 37

38 RECOMENDAÇÕES GERAIS Impelidores axiais, especialmente os de alta eficiência são mais adequados para a suspensão de sólidos No caso de haver também fase gasosa ou dispersão líquido-líquido, é interessante um sistema com impelidor de alta eficiência combinados com impelidor de pás inclinadas (45º) Um bom sistema consiste em impelidor de pás inclinadas com D/T < 1/2,5 localizado perto da base - C/T < ¼ kg 38

39 Calcular a velocidade de agitação e a potência requerida na condição de suspensão completa e suspensão homogênea, para uma suspensão de cristais de cloreto de alumínio, concentração de 5 % (w/w) usando um impelidor tipo pás retas. O tanque tem 1 m de diâmetro. Dados: d p = 1000 µm; ρ p = 2440 kg/m 3 ; ρ = 1326 kg/m 3 ; µ = 0,001 Pa.s 39

40 N JS = Sν d 0,1 0,2 p ρ g ρl 0,85 D 0,45 Χ 0,13 Assumindo D/T =1/3, D = 1/3 m 5g de sólido C = 100g de (sólido + líquido) 5g de sólido Χ = *100 = 5,26 95 g de líquido 0,1 0,001 0, ,13 6,9 0,001 9,81 5, JS = = 3,45 rps = 207 rpm 0, P Po = P Po N D 7 *1326 * 3, W ρn 3 D 5 JS = ρ = = 3 N 85 Cálculo de velocidade terminal (ver gráfico) 0,11 m/s Portanto, P homogêneo = 5 X P completa P homog = 7845 W 0,45 N = 3 hom P PoρD 5 = 7845 Nhom = = 5,9 rps = 354 rpm *1326 * 3 Velocidade terminal (m/s) a ,02 a 0,04 0,08 a 0,30 Potência relativa Completa Homogênea IMPELIDOR TIPO 2 PÁS RETAS 40

41 ρ p ρ = ρ ρ p = d p = 1000 µm ρ sól ρ liq. (g/cm3) µ = 1 cp 1 U T = 0,11 m/s Uma reação cujo produto forma um sólido cristalino foi estudado em um reator piloto de 30 cm de diâmetro equipado com um impelidor tipo Rushton de 10 cm de diâmetro. Sabe-se que a velocidade crítica de rotação é de 600 rpm e, tal condição deve ser evitada numa escala industrial de 30 m3. A densidade e viscosidade do líquido é de 1120 kg/m3 e 0,003 Pa.s respectivamente. a) Qual é o consumo de potência na escala piloto e na escala industrial? b) Em quanto a potência pode diminuir se for utilizado um impelidor diferente? 41

42 D= 0,3 m T = 3*0,3 = 0,9 m Rushton Po = 5 D = 2,3 m 42

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA Prof. Dr. Félix Monteiro Pereira AGITAÇÃO E MISTURA AGITAÇÃO E MISTURA Agitação => Refere-se ao movimento

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

AGITAÇÃO E MISTURA EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

AGITAÇÃO E MISTURA EM PROCESSOS INDUSTRIAIS AGITAÇÃO E MISTURA EM PROCESSOS INDUSTRIAIS EFRAIM CEKINSKI cekinski@gmail.com TEMAS INTRODUÇÃO TANQUE AGITADO CHICANAS IMPELIDORES ADIMENSIONAIS BOMBEAMENTO E CISALHAMENTO POTÊNCIA CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO

Leia mais

6 MISTURADORES E AGITADORES DE LÍQUIDOS

6 MISTURADORES E AGITADORES DE LÍQUIDOS 6 MISTURADORES E AGITADORES DE LÍQUIDOS A IMPORTÂNCIA DA MISTURA NA INDÚSTRIA QUÍMICA É MUITO GRANDE. A INTENSIDADE DA OPERAÇÃO É CARACTERIZADA DE FORMA QUALITATIVA POR: BLENDING - HOMOGENEIZAÇÃO MIXING

Leia mais

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE LÍQUIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2010 MISTURA- Conceituação A operação

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS

FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 60- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE SÓLIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 010 Introdução Mistura de sólidos

Leia mais

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES 5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento Tópicos Abordados Nesta Aula Escoamento Laminar e Turbulento. Cálculo do Número de Reynolds. Escoamento Laminar Ocorre quando as partículas de um fluido movem-se

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Coagulação e Floculação 1 Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de

Leia mais

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período.

11 CENTRÍFUGAS. Sendo o trajeto de uma volta completa no tempo T, esse tempo é chamado de período. 11 CENTRÍFUGAS 11.1 FUNDAMENTOS: Em algumas separações, principalmente com partículas muito pequenas, emprega-se a força centrífuga cuja ação pode chegar várias vezes a força da gravidade, ou seja, aceleração

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS Apostila elaborado para o projeto PROMOPETRO Apoio Versão 1 2014 2 1- O QUE É ENGENHARIA DE REAÇÕES QUÍMICA (CRE)? Entender como reatores químicos funcionam é entender como

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler Determinação da viscosidade Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler A viscosidade é uma das variáveis que caracteriza reologicamente uma substância. O que vem a ser reologicamente? Num sentido amplo,

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de processos

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

6 Mistura Rápida. Continuação

6 Mistura Rápida. Continuação 6 Mistura Rápida Continuação 2 Ressalto em medidor Parshall (calha Parshall): Foi idealizado por R.L. Parshall, engenheiro do Serviço de Irrigação do Departamento de Agricultura dos EUA. Originalmente

Leia mais

Transferência de calor com mudança de fase: Ebulição e Condensação

Transferência de calor com mudança de fase: Ebulição e Condensação Transferência de calor com mudança de fase: Ebulição e Condensação Transferência de calor por convecção, pois tem movimento de fluido, por ascensão de bolhas e escoamento de condensado Dependem: do calor

Leia mais

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO Revista Ceciliana Dez 2(2): 1-5, 2010 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 50 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção).

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção). 10 CICLONES ENTRE OS EQUIPAMENTOS DE SEPARAÇÃO DE PARTÍCULAS SÓLIDAS OU DE GOTÍCULAS LÍQUIDAS, DO TIPO CENTRÍFUGO, O MAIS AMPLAMENTE USADO É O CICLONE. 10.1 VANTAGENS DO CICLONE a) Baixo custo. b) Não

Leia mais

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Viscosímetros são instrumentos utilizados para medir a viscosidade de líquidos. Eles podem ser classificados em dois grupos: primário e secundário. No grupo primário

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS. 1- quais os métodos mais indicados para separa os componentes das misturas abaixo:

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS. 1- quais os métodos mais indicados para separa os componentes das misturas abaixo: EXERCÍCIOS DE REVISÃO PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS 1- quais os métodos mais indicados para separa os componentes das misturas abaixo: a) areia e ferro na forma de lâmina separação magnética b) água

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

ESCALONAMENTO DE TANQUES CONDICIONADORES UTILIZADOS NA FLOTAÇÃO DE APATITA

ESCALONAMENTO DE TANQUES CONDICIONADORES UTILIZADOS NA FLOTAÇÃO DE APATITA PAULO ROGÉRIO MENESES DE SOUSA ESCALONAMENTO DE TANQUES CONDICIONADORES UTILIZADOS NA FLOTAÇÃO DE APATITA Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do Título

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS A mistura de um produto alimentício pode ser definida como uma operação durante a qual se efetua a combinação uniforme de vários componentes de uma formulação. A

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bachaado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 4 Determinação da Viscosidade de Líquidos. Tipos de viscosímetros. Viscosidade ativa, viscosidade intrínseca

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

CLARIFICAÇÃO DE XAROPE POR FLOTAÇÃO

CLARIFICAÇÃO DE XAROPE POR FLOTAÇÃO CLARIFICAÇÃO DE XAROPE POR FLOTAÇÃO Nas usinas, a qualidade do açúcar está associada diretamente à eficiência do processo de clarificação do xarope. A falta de um tratamento eficaz do xarope traduz-se

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA Representa a maior resistência térmica, principalmente se or um gás ou óleo. Quando um luido viscoso entra em um duto se

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I 1. Introdução No estado líquido as moléculas estão mais próximas uma das outras e entre elas existem forças atrativas. Para um líquido fluir suas moléculas devem

Leia mais

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO

EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO EM-028 VENTILAÇÃO INDUSTRIAL & AR COMPRIMIDO RESUMO AULA 6 - VENTILAÇÃO DE TANQUES 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS A ventilação por exaustão encontra muita aplicação nos tanques de processamento, por exemplo:

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato Os misturadores a jato da Koerting são os principais componentes de sistemas de mistura especiais, podendo ser utilizados em operações

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti.

Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Mecânica dos Fluidos. Prof. Engº Franco Brunetti. Resolução dos Exercícios. Por Josenei Godoi( Dúvidas,sugestões ou correções enviar email para joseneigodoi@yahoo.com.br). Resumo de fórmulas: - Tensão

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

Processos em Engenharia: Processos de Separação

Processos em Engenharia: Processos de Separação Processos em Engenharia: Processos de Separação Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 10 p.1/44

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2014 2 INTRODUÇÃO Na saída do floculador espera-se: que toda a matéria em suspensão esteja aglutinada,

Leia mais

INCÊNDIO EM NUVEM DE VAPOR

INCÊNDIO EM NUVEM DE VAPOR Incêndio em Nuvem (VCF: vapour cloud fire) (flash fire) http://www.youtube.com/watch?v=nwreclw3qxy http://www.youtube.com/watch?v=6lkusuycbna X Explosão de Nuvem (VCE: vapour cloud explosion) http://www.youtube.com/watch?v=1cfsl4-qw88

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E PENEIRAMENTO

CLASSIFICAÇÃO E PENEIRAMENTO Centro de Tecnologia Mineral Ministério da Ciência e Tecnologia CLASSIFICAÇÃO E PENEIRAMENTO Capítulo 5 Regina Coeli C. Carrisso Eng a. Metalurgista, DSc. Júlio César G. Correira Químico Undustrial, DSc.

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite.

Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Escoamento externo Técnicas adotas para seu estudo: soluções numéricas (CFD); experimentação (análise dimensional); teoria da camada-limite. Soluções numéricas, hoje um campo interessante de pesquisa e

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s 1/5 NÚMERO DE REYNOLDS O número de Reynolds, embora introduzido conceitualmente em l851 por um cientista da época, tornou-se popularizado na mecânica dos fluidos pelo engenheiro hidráulico e físico Irlandes,

Leia mais

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7. Física Parte 2 Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.Empuxo Introdução A memorização de unidades para as diversas grandezas existentes

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Departamento de Engenharia Marítima

Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Departamento de Engenharia Marítima Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Departamento de Engenharia Marítima Hidrodinâmica e Propulsão Questões e Exercícios Outubro 2013 2 Questão/Exercício 1 Um modelo com 6 m de um navio de 180 m

Leia mais

Bancada de visualização de escoamentos: maquetes

Bancada de visualização de escoamentos: maquetes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Bancada de visualização de escoamentos: maquetes RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais

Extrusão Princípios de Funcionamento

Extrusão Princípios de Funcionamento 1) Taxa de Compressão (RC) -Descrição da rosca de acordo com a taxa de compressão (baixa ou alta taxa de compressão). RC = h i / h f RC = 2 corresponde a baixa taxa de compressão RC = 4 corresponde a alta

Leia mais

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO

PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO PROJETO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE FLUIDO EM UM CIRCUITO HIDRÁULICO UTILIZADO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO Clovis Adelar Mattjie (FAHOR) cm000627@fahor.com.br Renato Ristof (FAHOR) rr000875@fahor.com.br

Leia mais

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO Tal como nos sistemas de bombeamento de água, nos dutos de ventilação industrial carateriza-se o escoamento em função do número de Reynols. A queda de pressão em

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

INTRODUÇÃO NOTAS. www.imbil.com.br 3

INTRODUÇÃO NOTAS. www.imbil.com.br 3 www.imbil.com.br 1 www.imbil.com.br 2 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha INI-K e INI-O de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e

Leia mais

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008.

Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008. - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO CURSO: HIDRÁULICA E SANEAMENTO AMBIENTAL DIMENSIONAMENTO DE CAIXAS DE AREIA Prof. Célio Carlos Zattoni Maio de 2008. 1. Introdução.

Leia mais

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011)

2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) 2º Lista de Exercícios TA 631 (1º sem/2011) (1) Considerando o sistema mostrado na Figura 1: (a) Projete a tubulação através da abordagem da velocidade econômica; (b) Selecione uma bomba mostrando todos

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC)

fase fixa (quer em coluna quer em superfície plana) pode ser um líquido depositado num suporte sólido inerte (GC) Cromatografia Cromatografia técnica baseada nas diferenças de distribuição dos componentes a separar entre duas fases: uma fase móvel e uma fase estacionária. técnica em que os componentes duma mistura

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 13 Coagulação e Floculação Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas Técnicas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP IV SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 06 de julho de 2006 O que é filtragem? Processo de

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010 Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) /05/00 SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CONSIDERANDO A CCI OBTIDA PARA O f CONSTANTE, ESCREVA SUA EQUAÇÃO QUE IRÁ OPERAR COM A

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

4 Resfriamento de Óleo

4 Resfriamento de Óleo 4 Resfriamento de Óleo Para analisar o tempo de resfriamento e o fluxo de calor através das paredes do duto, considerou-se que inicialmente há um fluido quente escoando no interior da tubulação, em regime

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos Elementos de Máquinas I Engrenagens Conceitos Básicos 34 5. EGREAGES Conceitos Básicos 5.1 Tipos de Engrenagens Engrenagens Cilíndricas Retas: Possuem dentes paralelos ao eixo de rotação da engrenagem.

Leia mais

Curso de Vasos de Pressão, Trocadores de Calor e Agitação de Fluídos Veja como foi o Curso [Fotos do Evento]

Curso de Vasos de Pressão, Trocadores de Calor e Agitação de Fluídos Veja como foi o Curso [Fotos do Evento] Curso de Vasos de Pressão, Trocadores de Calor e Agitação de Fluídos Veja como foi o Curso [Fotos do Evento] Projetos, Fabricação e Inspeção de Vasos de Pressão e Trocadores de Calor, Conforme ASME SEÇÃO

Leia mais

TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO PRELIMINAR

TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS Remoção de Sólidos Grosseiros Processo de remoção de materiais sólidos (todos os tipos) presentes e/ou lançados inadequadamente na água residuária.

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Deto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 O. Unit. de Quantidade de Movimento CENTRIFUGAÇÃO Esta oeração unitária tem or objetivo searar

Leia mais

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio Reações a altas temperaturas Diagrama de Equilíbrio Propriedades de um corpo cerâmico Determinadas pelas propriedades de cada fase presente e pelo modo com que essas fases (incluindo a porosidade) estão

Leia mais

UD 02: Tratamento de água

UD 02: Tratamento de água U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a EEL PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I UD 02: Tratamento de água Prof. Lucrécio Fábio Prof. Lucrécio Fábio

Leia mais