Introdução a teoria de funcional da densidade (DFT)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução a teoria de funcional da densidade (DFT)"

Transcrição

1 Introdução a teoria de funcional da densidade (DFT) uma ferramenta ab-initio para investigação de propriedades atomísticas de materiais XVII ENSEF Prof. Dr. Milan Lalic; Departamento de Física - UFS

2 Processo de desenvolvimento de novos materiais: 1. Mecânica Quântica: entender e predizer propriedades dos materiais na escala nanoscôpica e microscôpica (átomos e interações entre eles). Mecânica Estatística e de Contínuo: investigar propriedades de materiais na escala mesoscópica e macroscópica 3. Engenharia: projetar e construir novos materiais tendo controle sobre suas propriedades desejadas e planejadas (micro- e nano-eletrônica, novas drogas, polímeros...) Qual é o papel da simulação computacional nessa esquema? Ciência fundamental de materiais Simulação computacional dos materiais Engenharia de materiais

3 Exemplo: desenvolvimento da tecnologia de 45 nm para processadores, nos anos Exigência: miniaturização dos processadores exige cada vez maior capacitância das portas dielétricas, importantes componentes dos circuitos integrados. Problema: o material empregado, SiO, chegou no limite de utilização! C d d constante dielétrica relativa (9.0 para SiO ) distância entre placas do capacitor (espessura do dielétrico) d nm os elétrons começam atravessar placa devido ao tunelamento! Solução: procurar material com k maior do que 9.0 ( high k gate dielectric )!

4 Candidatos promissores procurados: óxidos de Zr, Hf e Al! Em 007, Intel anunciou que conseguiu construir porta dielétrica empregando novo material com altíssima constante dielétrica, baseado em Hf, e começou produção da nova geração dos processadores ( penryn ), tecnologia de 45 nm!

5 Modelagem computacional de materiais em quatro escalas diferentes Ab-initio : DFT, Hartree-Fock, Green (mecânica quântica; elétrons+núclei; átomos) MD/MC : Molecular Dynamics / Monte-Carlo ( átomos) FEM : Finite Element Method CFD/CE : Computational Fluid Dynamics / Continuum Elasticity

6 Plano de mini-curso 1ª aula: DFT: introdução, ideias, utilidade... ª aula: Realização prática do DFT e o método FP-(L)APW 3ª aula: Implementação do método FP-(L)APW no código WIENk

7 Aula 01 DFT : introdução, ideias, utilidade... i.e. sobre o problema quântico atacado, sobre as aproximações, e sobre as soluções propostas...

8 Objetivo: calcular propriedades do conjunto de elétrons e íons, sem usar qualquer informação empírica a - priori. Desejo: Ĥ Ψ nr n 1 Ψ r, r E Ψ n n n,..., r n,r 1,R,..., R m O que fazer? O Hamiltoniano não relativístico completo: impossível de resolver! Procure soluções aproximadas!

9 Aproximação de Born-Openheimer (adiabática): congelar os núcleos! ˆ nr H Hˆ e nr Hˆ nr e Tˆ Vˆ Z Z e m 8 r r 8 R R 4 R r 1 e 1 i j 1 Ze i ri e i ij 0 i j 0 ij i j 0 i, j i j Vˆ ext núcleos providenciam fonte de potencial externo para o sistema eletrônico {R i } são parâmetros, não variáveis H nr ainda complicado; problema: interação elétron-elétron (V)

10 Aproximação de um elétron: -- construir potencial efetivo para cada elétron individual em sólido -- substituir o Hamiltoniano de elétrons interagentes pelo conjunto de Hamiltonianos que descrevem elétrons não-interagentes nr eff Ĥ e ĥi, ĥ i i V r h i i ( ri, i ) i ( ri, i ) m sabemos de resolver! i Realizada pela: Teoria de Hartree-Fock (HFT) Teoria de Densidade Funcional (DFT) Técnicas de Funções de Green

11 Hamiltoniano relativístico Hamiltoniano Não-relativístico nucleus fixos Hamiltoniano de um elétron Ĥ r Ĥ nr nr Ĥ ĥ e i Estrutura eletrônica Estado Fund. Efeitos relativísticos Movimento nuclear Efeitos de correlação Estados excitados aproximação Born - Openheimer aproximação de um elétron descrição do estado fundamental Teoria de perturbação Recuperação parcial dos efeitos desprezados (movimento nuclear, int. spin órbita, )

12 Hˆ Teoria de Hartree-Fock nr i e r i VNN me i 8 0 i j r 4 i r j 0 i, j Ri rj ˆ nr H hˆ i Vˆ i, j V e hi ˆ i i, j i ri e i 0 i, j i j 0 1 e 1 ignore 1 Ze operador de um elétron m 4 R r ˆ 1 e V i, j operador de dois elétrons 4 r r i j NN Ze nr E H e? r i, ) ( x ) ( i i : spin-orbital do elétron i do sistema Função da onda do sistema (N elétrons): 1 x1 x1 x1 x x x i j k i j k i, j,, k x1, x,, xn N! x x x i N j N k N determinante de Slater

13 e E h V i j V i j ˆ ˆ, ˆ, HF i i i i i j j i j j i i 8 0 i j Energia dos elétrons independentes movendose no campo dos núcleos Energia de interação colombiana entre os elétrons (termo Hartree) Energia de troca entre os elétrons (devido a antisimetria da função da onda) Princípio variacional min Hˆ nr e O processo determina a melhor função da onda Ψ da forma determinada (determinante de Slater)! E 0 HF i E HF 0 equações de HF E 0 energia do estado fundamental! HF 0 0 E HF E (verdadeira energia) c E energia de correlação! i i funções de onda dos elétrons individuais (otimizadas) energias de ionização dos elétrons individuais (teorema de Koopman)

14 Teoria de Funcional da Densidade (DFT) P. Hohenberg and W. Kohn, Phys. Rev., 136, B864-B871, W. Kohn and L. J. Sham, Phys. Rev., 140, A1133-A1138, Existe correspondência um a um entre densidade eletrônica do estado fundamental e potencial externo para um sistema de muitos elétrons. Densidade eletrônica do estado fundamental 1 : 1 Potencial dos núcleos V ext Energia total do estado fundamental é funcional único de! E Ψ 0 Ĥ Ψ0 E ρ Hˆ Eρ Tˆ Vˆ atinge seu valor mínimo se fosse verdadeira densidade eletrônica do estado fundamental. => ˆ V ext E [ ] T V V V ext F HK [ ] ext

15 Conseqüências imediatas Ψ o r,..., r,r,...,r ρx, y,z 1 N 1 M F [ ] HK funcional da densidade de Hohenberg-Kohn; universal! O permite a aplicação de princípio variacional! equações Kohn-Sham E = T + V E HF = T 0 + (V H + V x ) energia exata energia Hartree-Fock V = termo de Hartree + termo de troca => Potencial de correlação: V c = T T 0 T : energia cinética dos elétrons interagentes T 0 : energia cinética do gás eletrônico não interagente

16 Funcional Hohenberg-Kohn: F HK = T + V + T 0 - T 0 = T 0 + V + (T T 0 ) = T 0 + V + V C V C F HK = T 0 + V + V C + V H V H = T 0 + V H + V C + (V V H ) => F HK = T 0 + V H + (V x +V C ) V x V XC : potencial de correlação e troca 1 ' r r 3 e 3 3 ' E tot [ ] T 0 V ext r r d r d rd r V ' xc r r ( E[ ]) 0 ; ' 3 3 ' ( r ) T0[ ] Vxc[ ] d r ( r ) V ext ( r ) e d r ' 0. ( r ) ( r ) r r

17 Introduzindo um conjunto de orbitais de uma partícula: ρ r i ψ i r e minimizando E com respeito de : ψ i r m V eff r ψir εiψir equações Kohn-Sham V V eff V V r cr xcr c r 1 4π 0 ρr dr V r r ext r potencial efetivo potencial Hartree e externo (elétron-íon) V xc : potencial de correlação e troca não conhecido

18 DFT versus equação de Schroedinger...

19 i i orbitais Kohn-Sham energias Kohn-Sham Sistema fictício de partículas não interagentes sem direta interpretação física. Porém, é garantido que ψi r i é verdadeira densidade do estado fundamental Como resolver equações Kohn-Sham? Problema: V eff depende de I Solução: auto-consistência!

20 in construir in Poisson: LDA: V c V ρ in xc 8π in V eff =V c +V xc ε k j, ψ k j ρ Kohn-Sham: eff k k k V ψ ε ψ out occ j,k j ψ k j j j out Misturar in and out Não Convergiu? Sim Fim

21 Aproximações para o Potencial de Troca e Correlação LDA (Local Density Approximation): V xc 3 ghom [ ] d r( r) xc ( ( r)) Substitui o potencial de correlação e troca do sistema real pelo potencial de correlação e troca de um gás eletrônico homogêneo, com a mesma densidade eletrônica do sistema real. Sistema não-homogêneo no ponto com densidade local ( r) r Gás eletrônico homogêneo com mesma densidade ( r) LSDA (Local Spin Density Approximation) 3 ghom Vxc[ ] d r[ ( r) ( r)] ( ) xc -- aproximação surpreendentemente boa para maioria dos sistemas (cancelamento de erros nos potenciais de correlação e troca)

22 GGA (Generalized Gradient Approximation) g hom ( ( r )) xc g hom ( ( ), ( ) ) xc r r Melhora resultados para sistemas cuja densidade eletrônica é bastante não homogênea. Alguns GGAs PW91: J. P. Perdew and Y. Wang, Accurate and simple analytic representation of the electron-gas correlation energy, Phys. Rev. B (199). PBE: J. P. Perdew, K. Burke and M Ernzerhof, Generalised gradient approximation made simple, Phys. Rev. Lett (1996). RPBE: B. Hammer, L. B. Hansen and J. K. Norskov, Improved adsorption energies within DFT using revised PBE functionals, Phys. Rev. B (1999). WC: Z. Wu and R. E. Cohen, More accurate gradient approximation for solids, Phys. Rev. B 73, (006)

23 Estado fundamental do Fe LSDA versus GGA... GGA é superior do que L(S)DA? Nem sempre!

24

25 Vários tipos de potenciais da correlação e troca... ainda um campo ativo de pesquisa...

26 Sabendo densidade eletrônica no estado fundamental do sistema quântico, podemos calcular: -- energia total -- forças -- propriedades estruturais -- fônons -- estrutura das bandas -- densidade dos estados eletrônicos -- campos hiperfinos (elétricos e magnéticos) -- propriedades ópticas -- propriedades magnéticas da maioria dos sistemas de interesse!

27 Principais limitações de DFT descrição de materiais cujos elétrons são altamente correlacionados (NiO, cerâmicas supercondutoras, materiais com banda d- ou f- estreita...) interação de van der Waals, as excitações de transferência de carga, etc. efeitos da temperatura (descrição dos estados excitados). gaps em isoladores e semicondutores sistematicamente subestimado (até 50%). Porém, parece que este problema está resolvido!

28 Modified Becke-Johnson (MBJ) XC potential!!!

29

30

31

32

33

34

AlH3 e Al2H6 : Um estudo por Monte Carlo Quântico e outros métodos Ab-initio.

AlH3 e Al2H6 : Um estudo por Monte Carlo Quântico e outros métodos Ab-initio. AlH3 e Al2H6 : Um estudo por Monte Carlo Quântico e outros métodos Ab-initio. Emanuel M. Isaac Moreira e Ladir C. da Silva. Instituto de Física, Universidade Federal de Goiás, 740001-970, Goiânia, GO,

Leia mais

A estrutura eletrônica de moléculas, sólidos e superfícies

A estrutura eletrônica de moléculas, sólidos e superfícies OUT. NOV. DEZ. 2007 ANO XIII, Nº 52 363-369 INTEGRAÇÃO 363 A estrutura eletrônica de moléculas, sólidos e superfícies DOUGLAS CASAGRANDE Resumo Neste trabalho são abordados alguns aspectos da teoria de

Leia mais

ESTUDO DA ESTRUTURA ELETRÔNICA DO RuCl 2 E RuCl 3 EM SOLUÇÃO AQUOSA UTILIZANDO DINÂMICA MOLECULAR DE CAR-PARRINELLO.

ESTUDO DA ESTRUTURA ELETRÔNICA DO RuCl 2 E RuCl 3 EM SOLUÇÃO AQUOSA UTILIZANDO DINÂMICA MOLECULAR DE CAR-PARRINELLO. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ALEX WILKERSON FERREIRA BORGES ESTUDO DA ESTRUTURA ELETRÔNICA DO RuCl 2 E RuCl 3 EM SOLUÇÃO AQUOSA UTILIZANDO DINÂMICA

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Física Estudo da Formação de Defeitos em uma Monocamada Hexagonal de GaN Via DFT Edward Ferraz de Almeida Junior Estudo da

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Lilian Tatiane Ferreira de Melo Camargo Estudo Químico-Quântico da Relação Estrutura Atividade da Indolo [2,1b] Quinazolina

Leia mais

PROPRIEDADES ESTRUTURAIS E ELETRÔNICAS DE INTERFACES DE NITRETO DE BORO CÚBICO E HEXAGONAL

PROPRIEDADES ESTRUTURAIS E ELETRÔNICAS DE INTERFACES DE NITRETO DE BORO CÚBICO E HEXAGONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA DE MATERIAIS FIMAT Renato Harley dos Santos PROPRIEDADES ESTRUTURAIS E ELETRÔNICAS DE INTERFACES DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Belém-Pará 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

TEORIA DO FUNCIONAL DA DENSIDADE

TEORIA DO FUNCIONAL DA DENSIDADE PROPRIEDADES ELETRÔNICAS E GEOMÉTRICAS DE CLUSTERS DE SC UM ESTUDO POR TEORIA DO FUNCIONAL DA DENSIDADE NILTON LUIS MOREIRA 1, PAULO ALEXANDRE DE CASTRO 1,2 1. Departamento de Física e Programa de Mestrado

Leia mais

Estudo do Efeito da Solvatação Aquosa Sobre os Parâmetros Geométricos da Carbamazepina Usando a Dinâmica Molecular de Car-Parrinello

Estudo do Efeito da Solvatação Aquosa Sobre os Parâmetros Geométricos da Carbamazepina Usando a Dinâmica Molecular de Car-Parrinello UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Programa de Pós-Graduação em Ciências Moleculares Estudo do Efeito da Solvatação Aquosa Sobre os Parâmetros Geométricos

Leia mais

Fotocolheita em Interface Híbrida de Molécula Orgânica e Óxido de Titânio

Fotocolheita em Interface Híbrida de Molécula Orgânica e Óxido de Titânio Universidade de São Paulo Instituto de Física Fotocolheita em Interface Híbrida de Molécula Orgânica e Óxido de Titânio Leonardo Matheus Marion Jorge Orientadora: Profa. Dra. Marília Junqueira Caldas Tese

Leia mais

4 Programas computacionais

4 Programas computacionais 4 Programas computacionais No estudo em solução são usados programas computacionais que permitem calcular as constantes de estabilidade dos complexos formados e montar as curvas de distribuição de espécies.

Leia mais

CONJUNTO DE BASES UNIVERSAIS PARA OS ESTADOS EXCITADOS DE ALGUNS ÍONS POSITIVOS E NEGATIVOS

CONJUNTO DE BASES UNIVERSAIS PARA OS ESTADOS EXCITADOS DE ALGUNS ÍONS POSITIVOS E NEGATIVOS CONJUNTO DE BASES UNIVERSAIS PARA OS ESTADOS EXCITADOS DE ALGUNS ÍONS POSITIVOS E NEGATIVOS Cezar Laurence Barros Departamento de Engenharia Química e Mecânica Mestre em Física Professor da Faculdade de

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS Programa de Disciplina Nome: Química Geral EQ Código: IQG 115 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4 Pré-Requisito

Leia mais

ESTUDO TEÓRICO SOBRE O EFEITO DO NÚMERO DE CAMADAS NA INTERAÇÃO CÁTION-π EM RUTENOFANOS

ESTUDO TEÓRICO SOBRE O EFEITO DO NÚMERO DE CAMADAS NA INTERAÇÃO CÁTION-π EM RUTENOFANOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA ESTUDO TEÓRICO SOBRE O EFEITO DO NÚMERO DE CAMADAS NA INTERAÇÃO CÁTION-π EM RUTENOFANOS DÉBORA INÊZ CATÂNEO São José 2014 1 DÉBORA

Leia mais

Propriedades ópticas e massas efetivas de portadores dos dioxidos HfO2 and ZrO2 obtidas de cálculos ab initio relativísticos

Propriedades ópticas e massas efetivas de portadores dos dioxidos HfO2 and ZrO2 obtidas de cálculos ab initio relativísticos Propriedades ópticas e massas efetivas de portadores dos dioxidos HfO2 and ZrO2 obtidas de cálculos ab initio relativísticos A. T. Lino 1, P. D. Borges 2, L. M. R. Scolfaro 3, J. C. Garcia 3, E. F. da

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA DO MÉTODO MONTE CARLO QUÂNTICO: DA SOLUÇÃO DE INTEGRAIS AO PROBLEMA DA DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA

UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA DO MÉTODO MONTE CARLO QUÂNTICO: DA SOLUÇÃO DE INTEGRAIS AO PROBLEMA DA DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA Quim. Nova, Vol. 31, No. 2, 433-444, 2008 UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA DO MÉTODO MONTE CARLO QUÂNTICO: DA SOLUÇÃO DE INTEGRAIS AO PROBLEMA DA DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA Wagner Fernando Delfino Angelotti, André

Leia mais

E DE SUAS INTERAÇÕES COM OS CARBENOS E FLUOROCARBENOS

E DE SUAS INTERAÇÕES COM OS CARBENOS E FLUOROCARBENOS UFMG-ICEX/DQ.00458 D.0291 EDER SEVERINO XAVIER ESTUDO TEÓRICO DOS DÍMEROS M 2 E M-Sn (M=Ru, Rh E Pd) E DE SUAS INTERAÇÕES COM OS CARBENOS E FLUOROCARBENOS Dissertação apresentada ao Departamento de Química

Leia mais

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar Evolução Estelar II Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar 1 Por quê as estrelas evoluem (mudam de um estado para outro)? Geração de energia Fusão requer combustível, que é esgotado durante

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Aplicação do método de Monte Carlo para o problema de ligações mistas em uma rede cúbica

Aplicação do método de Monte Carlo para o problema de ligações mistas em uma rede cúbica Aplicação do método de Monte Carlo para o problema de ligações mistas em uma rede cúbica (Application of Monte Carlo's method for the problem of mixed-bond in a cubic lattices) J. B. Santos Filho 1, D.

Leia mais

Aula 4_2. Capacitores II. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4

Aula 4_2. Capacitores II. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4 Aula 4_2 apacitores II Física Geral e Experimental III Prof. láudio Graça apítulo 4 1 apacitores II arga de um capacitor Dielétrico: constante dielétrica e ruptura apacitores em série e em paralelo onservação

Leia mais

Sistemas termodinâmicos simples

Sistemas termodinâmicos simples Sistemas termodinâmicos simples Estados e processos. Sistemas hidrostáticos. Diagramas de estado para substâncias puras. Equações de estado. Equilíbrio termodinâmico Equilíbrio termodinâmico: Equilíbrio

Leia mais

Exame de Ingresso 2007/2

Exame de Ingresso 2007/2 Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Ingresso 2007/2 Escolha a opção correta em cada uma das questões que seguem. Algumas fórmulas úteis podem ser encontradas no ANEXO (após as questões). Marque

Leia mais

Otimizações de modelos de nanotubos de ZnO nas formas armchair e zigzag.

Otimizações de modelos de nanotubos de ZnO nas formas armchair e zigzag. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UnUCET- Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Programa de Pós-graduação em Ciências Moleculares Otimizações de modelos de nanotubos de ZnO nas formas armchair

Leia mais

Física estatística MEFT, IST. Nada existe excepto átomos e espaço vazio; tudo o resto é opinião. Demócrito, 460 370 a.c. (?)

Física estatística MEFT, IST. Nada existe excepto átomos e espaço vazio; tudo o resto é opinião. Demócrito, 460 370 a.c. (?) Física estatística Introdução histórica MEFT, IST Nada existe excepto átomos e espaço vazio; tudo o resto é opinião Demócrito, 460 370 a.c. (?) Mecânica Estatística Feynman: o que escrever se só pudermos

Leia mais

1.1. 10 9 m. 1 Sistemas nanosópicos são sistemas de dimensões da ordem do nanômetro (nm), 1nm =

1.1. 10 9 m. 1 Sistemas nanosópicos são sistemas de dimensões da ordem do nanômetro (nm), 1nm = 1 Introdução Os avanços nas técnicas de crescimento de dispositivos semicondutores e a variedade de suas aplicações concretas e potenciais[6, 7] têm motivado estudos mais aprofundados dos processos fundamentais

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO. Utilização do método Monte Carlo Quântico com Matriz Densidade no cálculo de propriedades moleculares.

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO. Utilização do método Monte Carlo Quântico com Matriz Densidade no cálculo de propriedades moleculares. Universidade de Brasília Instituto de Química Programa de Pós-Graduação em Química Laboratório de Química Computacional DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Utilização do método Monte Carlo Quântico com Matriz Densidade

Leia mais

Copy from http://www.qui.ufmg.br/~duarteh

Copy from http://www.qui.ufmg.br/~duarteh Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Luciana Guimarães Especiação química de íons metálicos em solução aquosa e as propriedades físico-químicas de nanotubos

Leia mais

Modelos Variáveis de Estado

Modelos Variáveis de Estado Modelos Variáveis de Estado Introdução; Variáveis de Estados de Sistemas Dinâmicos; Equação Diferencial de Estado; Função de Transferência a partir das Equações de Estados; Resposta no Domínio do Tempo

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente BIOLOGIA I TRIMESTRE A descoberta da vida Biologia e ciência Origem da vida

Leia mais

CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I

CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I 1ª Série 6MAT010 CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I A derivada: números reais. Planos cartesianos e gráficos de funções. Limite e continuidade de funções reais. Diferenciação de funções reais e aplicações.

Leia mais

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio.

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio. O Átomo de BOHR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXB (FIS1057). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista 1 Tópicos. O Átomo de

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA COLÉGIO ESTADUAL BARBOSA FERRAZ Ensino Médio, Normal e Profissional Rua Rio Grande do Sul, 1200 Centro - Telefone: (43) 3472-5009 www.colegiobarbosa.com.br e.mail: colbarbosa@ig.com.br CEP: 86870-000 -

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MOLECULARES

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MOLECULARES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MOLECULARES ESTUDO TEÓRICO DA RELAÇÃO ESTRUTURA ATIVIDADE DE DERIVADOS ANÁLOGOS DA CHALCONA

Leia mais

SILÍCIO - ESTUDO DE SUAS CARACTERÍSTICAS E DO SEU PARÂMETRO DE REDE UTILIZANDO O PROGRAMA WIEN2K

SILÍCIO - ESTUDO DE SUAS CARACTERÍSTICAS E DO SEU PARÂMETRO DE REDE UTILIZANDO O PROGRAMA WIEN2K SILÍCIO - ESTUDO DE SUAS CARACTERÍSTICAS E DO SEU PARÂMETRO DE REDE UTILIZANDO O PROGRAMA WIEN2K Mara Rúbia da Silva (Uniminas) mararubia@ep.uniminas.br O cenário mundial é marcado pela alta tecnologia

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DE TRANSPORTE ELETRÔNICO DE OLIGOANILINAS E OLIGOTIOFENOS CONECTADOS A ELETRODOS DE OURO

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DE TRANSPORTE ELETRÔNICO DE OLIGOANILINAS E OLIGOTIOFENOS CONECTADOS A ELETRODOS DE OURO Universidade de São Paulo Programa de Pós-Graduação em Física Instituto de Física ESTUDO DAS PROPRIEDADES DE TRANSPORTE ELETRÔNICO DE OLIGOANILINAS E OLIGOTIOFENOS CONECTADOS A ELETRODOS DE OURO Jeconias

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM FÍSICA Turno: INTEGRAL Currículo nº 3 Reconhecido pela Portaria MEC nº 1022, de 21.08.95, D.O.U. nº161 de 21.08.95. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 8400, de 22.09.10.

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier , líquidos e sólidos 1 Uma comparação entre líquidos e sólidos As propriedades físicas das substâncias entendidas em termos de teoria cinética molecular : Os gases são altamente compressíveis, assumem

Leia mais

Método Variacional com Monte Carlo aplicado ao oscilador harmônico quântico

Método Variacional com Monte Carlo aplicado ao oscilador harmônico quântico Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 28, n. 1, p. 45-50, (2006) www.sbfisica.org.br Método Variacional com Monte Carlo aplicado ao oscilador harmônico quântico (he Monte Carlo variational method

Leia mais

Subênia Karine de Medeiros. Sistemas Nanoestruturados: Heteroestruturas Quasi-Periódicas de Nitretos e Cálculos Ab initio em Polimorfos CaCO 3

Subênia Karine de Medeiros. Sistemas Nanoestruturados: Heteroestruturas Quasi-Periódicas de Nitretos e Cálculos Ab initio em Polimorfos CaCO 3 Subênia Karine de Medeiros Sistemas Nanoestruturados: Heteroestruturas Quasi-Periódicas de Nitretos e Cálculos Ab initio em Polimorfos CaCO 3 Natal RN Junho / 2007 Subênia Karine de Mederios Sistemas Nanoestruturados:

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO (ITO) PARA APLICAÇÕES EM OPTOELETRÔNICA MOLECULAR

PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO (ITO) PARA APLICAÇÕES EM OPTOELETRÔNICA MOLECULAR PRODUÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES FINOS DE ÓXIDO DE ÍNDIO DOPADO COM ESTANHO (ITO) PARA APLICAÇÕES EM OPTOELETRÔNICA MOLECULAR Aluno: Denis Lage Ferreira da Silva Orientador: Marco Cremona Introdução

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA E N OS QUâNTICOS TEORIA - PARTE II. Elétron de diferenciação e elétrons de valência. Distribuição eletrônica de íons

DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA E N OS QUâNTICOS TEORIA - PARTE II. Elétron de diferenciação e elétrons de valência. Distribuição eletrônica de íons DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA E N OS QUâNTICOS TEORIA - PARTE II Elétron de diferenciação e elétrons de valência O elétron de diferenciação é definido como o último elétron do subnível mais energético de um

Leia mais

FEPI Centro Universitário de Itajubá Eletrônica Básica

FEPI Centro Universitário de Itajubá Eletrônica Básica FEPI Centro Universitário de Itajubá Eletrônica Básica Prof. Evaldo Renó Faria Cintra 1 Diodo Semicondutor Polarização Direta e Reversa Curva Característica Níveis de Resistência e Modelos Efeitos Capacitivos

Leia mais

CÁLCULO DAS CONSTANTES ESPECTROSCÓPICAS DOS SISTEMAS DIATÔMICOS CH, CN, E NH VIA AJUSTE DE CURVAS DE ENERGIA POTENCIAL

CÁLCULO DAS CONSTANTES ESPECTROSCÓPICAS DOS SISTEMAS DIATÔMICOS CH, CN, E NH VIA AJUSTE DE CURVAS DE ENERGIA POTENCIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE FÍSICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CÁLCULO DAS CONSTANTES ESPECTROSCÓPICAS DOS SISTEMAS DIATÔMICOS CH, CN, E NH VIA AJUSTE DE CURVAS DE ENERGIA POTENCIAL FABIO VIEIRA

Leia mais

11 Gás Ideal de Fermi

11 Gás Ideal de Fermi 11 Gás Ideal de Fermi Essas notas estão baseadas no capítulo 9 do Salinas (ref. 1), e no capítulo 7 (Parte III) das notas de aula do curso de Estado Sólido (F 888). Ela utilizará também outras referências

Leia mais

Centro de Educação Integrada

Centro de Educação Integrada Centro de Educação Integrada 1º ANO BIOLOGIA Origem da vida Citologia Teoria da geração espontânea e biogênese. Teoria de Oparin e Haldane. Panspermia. Criacionismo. Os primeiros seres vivos. Água. Sais

Leia mais

Átomos Poli-electrónicos

Átomos Poli-electrónicos Átomos Poli-electrónicos A resolução analítica da equação de Schrödinger para átomos poli-electrónicos é um problema bastante complexo que, só pode ser concretizado mediante algumas aproximações. Em particular,

Leia mais

Capítulo 12 Detectores

Capítulo 12 Detectores Capítulo 12 Detectores terceira versão 2006.1 Embora haja uma variedade enorme de detectores para as mais diversas aplicações, todos são baseados no mesmo princípio fundamental: o depósito de parte ou

Leia mais

Omar Paranaiba Vilela Neto

Omar Paranaiba Vilela Neto Omar Paranaiba Vilela Neto Projeto, Otimização, Simulação e Predição de Propriedades de Nanoestruturas através de Técnicas da Inteligência Computacional: Nanotecnologia Computacional Inteligente Tese de

Leia mais

APOSTILA DE PRÁTICAS DE QUÍMICA COMPUTACIONAL

APOSTILA DE PRÁTICAS DE QUÍMICA COMPUTACIONAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA ALEXANDRE OSMAR ORTOLAN APOSTILA DE PRÁTICAS DE QUÍMICA COMPUTACIONAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO..33333

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DESIGN DE NANODISPOSITIVOS ELETROLUMINESCENTES BASEADOS NO ALQ3 ALESSANDRE SAMPAIO DA SILVA DM 11/2013.

Leia mais

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Teoria do Orbital Molecular A Teoria do Orbital Molecular usa os métodos da teoria de grupos para descrever a ligação química em moléculas. A simetria e

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia.

Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. Capacitores e Dielétricos (continuação) Energia armazenada num capacitor Um capacitor não armazena apenas carga, mas também energia. A energia armazenada num capacitor é igual ao trabalho necessário para

Leia mais

Naira Maria Balzaretti Centro de Nanociência e Nanotecnologia CNANO UFRGS fonte: seminário de João Schmidt

Naira Maria Balzaretti Centro de Nanociência e Nanotecnologia CNANO UFRGS fonte: seminário de João Schmidt Uma viagem pelo mundo nano Naira Maria Balzaretti Centro de Nanociência e Nanotecnologia CNANO UFRGS fonte: seminário de João Schmidt NANOTECNOLOGIA Um exemplo de aplicação fonte: filme/internet Desafio

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MÉTODO DE MONTE CARLO EM SIMULAÇÃO MOLECULAR E FLUÍDOS CONFINADOS

INTRODUÇÃO AO MÉTODO DE MONTE CARLO EM SIMULAÇÃO MOLECULAR E FLUÍDOS CONFINADOS INTRODUÇÃO AO MÉTODO DE MONTE CARLO EM SIMULAÇÃO MOLECULAR E FLUÍDOS CONFINADOS GABRIEL DUARTE BARBOSA ORIENTADOR: FREDERICO W. TAVARES LABORATÓRIO: ATOMS APPLIED THERMODYNAMICS AND MOLECULAR SIMULATION

Leia mais

=30m/s, de modo que a = 30 10 =3m/s2. = g sen(30 o ), e substituindo os valores, tem-se. = v B

=30m/s, de modo que a = 30 10 =3m/s2. = g sen(30 o ), e substituindo os valores, tem-se. = v B FÍSIC 1 Considere a figura a seguir. Despreze qualquer tipo de atrito. a) O móvel de massa M = 100 kg é uniformemente acelerado (com aceleração a) a partir do repouso em t =0 segundos, atingindo B, emt

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

4.2 Modelação da estrutura interna

4.2 Modelação da estrutura interna 4.2 Modelação da estrutura interna AST434: C4-25/83 Para calcular a estrutura interna de uma estrela como o Sol é necessário descrever como o gás que o compõe se comporta. Assim, determinar a estrutura

Leia mais

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas.

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Composição de uma Mistura de Gases A especificação do estado de uma

Leia mais

Oscilador Harmônico Simples

Oscilador Harmônico Simples Motivação Oscilador Harmônico Simples a) espectroscopia molecular, b) cristais e outras estruturas no estado sólido, c) estrutura nuclear, d) teoria de campo, e) ótica, f) mecânica estatística, g) aproximante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TESE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TESE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TESE Estudo Teórico das Propriedades Estruturais, Eletrônicas e Ópticas dos compostos BaY 2 F

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

CAPACITORES. Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br

CAPACITORES. Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br CAPACITORES DEFINIÇÕES Quando as placas do capacitor estão carregadas com cargas iguais e de sinais diferentes, estabelece-se entre as placas uma diferença de potencial V que é proporcional à carga. Q

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Maicon Pierre Lourenço

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Maicon Pierre Lourenço Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Maicon Pierre Lourenço SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DAS PROPRIEDADES ELETRÔNICAS, ESTRUTURAIS E MECÂNICAS DE NANOTUBOS

Leia mais

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36 Sumário Parte 1 CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2 1. Eletrização por atrito. Noção de carga elétrica, 2 Leitura A série triboelétrica, 4 2. Princípios da Eletrostática,

Leia mais

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida.

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida. TEXTO PARA A QUESTÃO 1. Sonda espacial detecta sal de cozinha em lua de Saturno A análise da composição química do anel mais externo de Saturno revelou a presença de 98% de água, 1% de cloreto de sódio,

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

Espalhamento Elástico de Elétrons por Isômeros de C 3 H 4, C 4 H 6, C 4 H 8 e C 4 H 10

Espalhamento Elástico de Elétrons por Isômeros de C 3 H 4, C 4 H 6, C 4 H 8 e C 4 H 10 Adriana do Rocio Lopes Espalhamento Elástico de Elétrons por Isômeros de C 3 H 4, C 4 H 6, C 4 H 8 e C 4 H 10 Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Física do Setor de Ciências Exatas da

Leia mais

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003)

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) - Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de Lorena Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) 1º semestre de 2014 Prof. Dr. João Paulo Alves Silva jpalves80@usp.br Aula anterior Equação de Velocidade

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

Configurações eletrônicas

Configurações eletrônicas Configurações eletrônicas Metais de transição Depois de Ar, os orbitais d começam a ser preenchidos. Depois que os orbitais 3d estiverem preenchidos, os orbitais 4p começam a ser preenchidos. Metais de

Leia mais

James Clerk Maxwell (1831-1879)

James Clerk Maxwell (1831-1879) 4 Introdução à Teoria Cinética James Clerk Maxwell (1831-1879) Físico britânico nascido em Dumfrieshire na Escócia, que desde muito jovem demonstrou possuir dotes excepcionais para a matemática. Em 1857

Leia mais

Introdução ao Método dos Elementos Finitos Conceitos Iniciais Divisão do Domínio e Funções de Base Aplicação do Método dos Resíduos Ponderados ao

Introdução ao Método dos Elementos Finitos Conceitos Iniciais Divisão do Domínio e Funções de Base Aplicação do Método dos Resíduos Ponderados ao Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Educação Tutorial Autor: Bruno Pinho Meneses Orientadores: Janailson Rodrigues Lima Prof. Dr. Ricardo

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

2FIS023 FÍSICA GERAL III

2FIS023 FÍSICA GERAL III 1ª Série 2MAT032 CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I A derivada: números reais. Planos cartesianos e gráficos de funções. Limite e continuidade de funções reais. Diferenciação de funções reais e aplicações.

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel.

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Aluno: Claudecir Ricardo Biazoli, RA: 038074. Orientador: Fernando Iikawa Sumário: 1- Introdução 3 2- Importâncias didática

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DEPBG PLANO DE CURSO DA DISCIPLINA

Leia mais

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Teoria atômica básica e leis ponderais Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico atual 1 Módulo 2 Números quânticos; Distribuição eletrônica Paramagnetismo,

Leia mais

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011 Circuitos CA I Aula 6 5 de abril de 20 Resumo da aula anterior Estudamos a teoria formulada por Lammor que permite explicar a existência de diamagnetismo em algumas substancia. Basicamente a teoria supõe

Leia mais

Capacitância. 4.1 Capacitores e Capacitância. 4.1.1 Capacitor de Placas Paralelas

Capacitância. 4.1 Capacitores e Capacitância. 4.1.1 Capacitor de Placas Paralelas Capítulo 4 Capacitância 4.1 Capacitores e Capacitância O capacitor é um aparelho eletrônico usado para armazenar energia elétrica. Consiste de dois condutores com um isolante entre eles. Os condutores

Leia mais

ESTUDO TEÓRICO DE NANOTUBOS DE DIÓXIDO DE TITÂNIO E SUAS INTERAÇÕES COM GASES

ESTUDO TEÓRICO DE NANOTUBOS DE DIÓXIDO DE TITÂNIO E SUAS INTERAÇÕES COM GASES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES ESTUDO TEÓRICO DE NANOTUBOS DE DIÓXIDO DE TITÂNIO

Leia mais

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso Importante Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso ENG101 MATERIAIS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS Prof. Dr. Vitaly F. Rodríguez-Esquerre 1989-1994 Eng. Eletrônico - Peru 1996-1999 Mestre em Eng. Elétrica

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

Microeletrônica. Germano Maioli Penello. http://www.lee.eng.uerj.br/~germano/microeletronica%20_%202015-1.html

Microeletrônica. Germano Maioli Penello. http://www.lee.eng.uerj.br/~germano/microeletronica%20_%202015-1.html Microeletrônica Germano Maioli Penello http://www.lee.eng.uerj.br/~germano/microeletronica%20_%202015-1.html Sala 5145 (sala 17 do laboratorio de engenharia elétrica) 1 Pauta (14/04/2015) ÁQUILA ROSA FIGUEIREDO

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais