MODELAGEM FLUIDO-DINÂMICA DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO: ESTUDO DE CASOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM FLUIDO-DINÂMICA DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO: ESTUDO DE CASOS"

Transcrição

1 MODELAGEM FLUIDO-DINÂMICA DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO: ESTUDO DE CASOS Daniel C. Ribeiro 1,2, Pedro H. H. Araújo 2 * 1 Engineering Simulation and Scientific Software - ESSS, ParqTec Alfa, Florianópolis-SC 2 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Departamento de Eng. Química e Eng. de Alimentos C.P. 476 CEP: Florianópolis SC Este trabalho mostra os resultados preliminares da modelagem fluidodinâmica (CFD) de tanques agitados, mais especificamente em sistemas heterogêneos dispersos líquido-líquido em suspensão. Para mostrar o potencial deste tipo de modelagem dois problemas são abordados: o efeito da posição de um agitador tipo hélice marinha (PINTO, 2006) e a confrontação dos resultados com dados experimentais de YANG et al. (2000) para um agitador tipo turbina Rushton. No primeiro problema foi possível inferir a razão pela qual o diâmetro médio de Sauter ficou menor com a elevação do agitador usando um modelo com apenas uma fase líquida e o ar. No segundo, foi possível reproduzir o tamanho médio das gotículas para uma dada rotação do agitador utilizando as fases água e estireno. Este trabalho prossegue na validação de outras velocidades de agitação usada por YANG et al. (2000) e também a inclusão de uma fase dispersa no caso de PINTO (2006). Palavras-chave: CFD, Escoamento multifásico, Distribuição de tamanho de partículas, tanques agitados, suspensão. Fluid dynamic modeling of polymerisation reactors: case study The present work shows preliminary results for computational fluid dynamics (CFD) modeling of stirred tanks mixing liquid-liquid heterogenous systems. To stress the potential modeling of this tool two problems are treated: the effect of a marine propeller impeller position (PINTO, 2006) and the comparison of CFD results with YANG et al. (2000) experimental data for a Rushton turbine. In the first case, it was possible to explain the reason why the Sauter mean diameter decreases with the agitator elevation using just a liquid-air mixture. In the second case, it was reproduced the particles mean size for a given impeller rotation using water and styrene phases. This work is under progress to validation of other impeller agitations used by YANG et al. (2000) and the inclusion of a dispersed phase in PINTO (2006) case. Keywords: CFD, Multiphase flow, Particle size distribution, Stirred tanks, suspension. Introdução A polimerização em suspensão é um processo industrial utilizado para obtenção de polímeros muito importantes do ponto de vista comercial, tais como, poli(cloreto de vinila) e poliestireno expansível. Esse processo ocorre em reatores tanque agitados em batelada. Em uma típica polimerização em suspensão, o monômero insolúvel em água é disperso na fase aquosa pela combinação de forte agitação e o uso de pequenas quantidades de agente estabilizante. O monômero (fase orgânica) é sujeito a flutuações turbulentas e forças de cisalhamento viscoso devido à agitação vigorosa, que rompe a fase orgânica em gotas que assumem forma esférica sob ação da tensão superficial. As gotas são estabilizadas contra coalescência devido a ação do tensoativo. Esta dispersão líquido-líquido inicial é o primeiro estágio da evolução da distribuição de tamanhos de partícula (DTP) em uma suspensão. Com o aumento da conversão há um aumento da viscosidade da fase dispersa que irá afetar as taxas de coalescência e rompimento. Após atingir o ponto de

2 identificação do processo a DTP permanecerá constante até o final do processo. De acordo com VIVALDO-LIMA et al. (1997), o maior desafio de uma polimerização em suspensão é o controle da DTP, pois este afetará não apenas a estabilidade da suspensão, mas também o uso final do polímero. Portanto, a previsão da distribuição de tamanho de partícula (DTP) é de suma importância para o controle deste processo e para isto é fundamental modelar e avaliar a influência dos parâmetros geométricos e de processo sobre o padrão de escoamento, que em última análise afetarão as taxas de coalescência e rompimento de partículas e, desta forma, a DTP. A evolução da DTP e dos padrões de escoamento em um reator podem ser explorados através de ferramentas de fluido dinâmica computacional (CFD). Muitos trabalhos já foram publicados sobre análise CFD de tanques agitados. Alguns deles foram revistos por RANADE (2002). Nota-se que a sofisticação dos modelos e a fidelidade geométrica empregada crescem conforme os recursos computacionais vão se tornando mais poderosos e acessíveis. Entre as sofisticações está o acoplamento entre CFD e o problema da previsão da DTP. Recentemente, alguns autores vêm trabalhando neste tipo de abordagem através da solução do sistema CFD-PBE (Equação de Balanço Populacional) em colunas de borbulhamento. (ARAÚJO, 2006; DAMIAN, 2007) Este trabalho tem como objetivo contribuir para a análise CFD de tanques agitados, através de duas evidências experimentais: o caso 1 de PINTO (2006) e o caso 2 de YANG et al. (2000). No caso 1, a partir de uma análise simples (sistema água-ar), foi inferido o comportamento de um sistema de polimerização em suspensão em função da geometria do reator. Mais especificamente, pretende-se avaliar a indagação de PINTO (2006) sobre a influência da posição do agitador sobre a DTP. O caso 2, é proposto um estudo de caso baseado no experimento de YANG et al. (2000). O experimento trata da análise da distribuição de tamanho de gotas de uma suspensão água-estireno em um tanque agitado por uma turbina Rushton de seis pás. Neste trabalho, os autores apresentam resultados variando diversos parâmetros: concentrações de estireno, concentração de PVA (polímero usado como agente de suspensão), rotação da turbina. O trabalho está nos estágios iniciais e portanto no presente trabalho, o objetivo é de observar a homogeneidade do escoamento dentro do tanque. Para o presente estudo, foi empregado o código CFD ANSYS CFX 12. O modelo CFD básico leva em conta um escoamento turbulento sendo descrito pelo modelo k-. A geometria do rotor é incluída de forma fiel ao real usando a estratégia de Multiple Frames of Reference (MFR) (ANSYS CFX, 2009). Nesta estratégia, para cada referência, um domínio é definido. Assim, neste caso, temse um domínio para o tanque (referência estática) e um para o rotor (referência rotativa). O

3 algoritmo de interação entre os dois domínios é conhecido como Frozen Rotor ou Mixing Model. (ANSYS CFX, 2009) Este algoritmo usa modelos para incluir as forças geradas pela rotação do domínio sem modificar a posição relativa entre eles. Assim, em situações onde a interação entre os domínios for intensa este modelo pode falhar. Em outras palavras, este modelo pode não ser tão preciso onde a hipótese de quasi-estacionário não se aplica (ANSYS CFX, 2009). O modelo de balanço populacional não leva em conta a coalescência, pois considera-se que o uso do tensoativo é suficiente para evitar a coalescência das gotas de estireno após o seu rompimento. Para o caso 1, o critério de convergência padrão do código (RMS 10-4 ) é adotado, enquanto que no caso 2 um critério mais rigoroso (RMS 10-5 ) é utilizado. O motivo de se usar um rigor maior no caso 2 é a utilização do balanço populacional com seus termos-fonte de quebra que exigem maior precisão nos cálculos (ANSYS CFX, 2009). Em ambos os casos, a convergência é alcançada em algumas centenas de iterações (caso 1 em torno de 150 iterações em média; caso 2, 120 iterações). O tempo de simulação do caso 1 não passou de 2 h, enquanto que para o caso 2 girou em torno de 8h. As simulações foram conduzidas em uma máquina AMD Opteron com 4 Gb de RAM, em paralelo nos dois núcleos deste processador. O sistema operacional é Linux CentOS bits. As malhas utilizadas foram para ambos os casos, híbridas. No caso 1, uma malha com elementos tetraédricos e prismáticos foi adotada. Esta malha contém em torno de 130,000 nós. Já no caso 2, além de tetraédros e prismas, uma região hexaédrica é incorporada entre os defletores. Essa malha contou com aproximadamente 400,000 nós. Em ambos os casos, o y+ nas paredes foi de no máximo 30 garantindo uma boa modelagem do escoamento próximo a parede (ANSYS CFX, 2009). Os parâmetros físicos são descritos pela Tabela 1. Note que no caso 1 a viscosidade é da suspensão. Caso Densidade da água [kg/m 3 ] Tabela 1 - Parâmetros físicos dos casos abordados Densidade do estireno [kg/m3] Viscosidade dinâmica da água [Pa s] Viscosidade dinâmica do estireno [Pa s] Fração volumétrica de estireno 1 996,95 905,9 5x10-4 0, ,95 901,1 9,03x10-4 6,71x10-4 0,05 Observações Experimentais Caso 1 Efeito da posição do agitador (PINTO, 2006) Foi verificado experimentalmente por PINTO (2006) que a posição do agitador (hélice marinha) em relação ao fundo altera a distribuição de tamanho de partícula (DTP) de forma não

4 intuitiva. Conforme a distância em relação ao fundo aumenta, diminui o tamanho das partículas. A Figura 1 abaixo mostra a DTP que foi avaliada através de peneiramento. Figura 1: comparação de DTP para diferentes posições do agitador (PINTO, 2006) Os tamanhos médios de Sauter das três amostras foram (66[mm], 50[mm] e 33[mm]): 1.08[mm], 1.27[mm] e 1.5[mm]. No entanto, este tamanho médio pode não ser representativo para a hidrodinâmica do processo. A DTP apresenta duas modas, fazendo com que dois diâmetros característicos apareçam para a fase contínua. A sugestão dada pelo autor para explicar o fato é que haveria um aumento da zona de cisalhamento dentro do reator. No entanto, podemos descartar essa hipótese já que com o aumento da distância em relação ao fundo, aumenta a região de baixo cisalhamento abaixo do agitador, conforme pode ser observado na Figura 4. Caso 2 Análise da homogeneidade do escoamento (YANG et al., 2000) Neste trabalho, os autores analisam experimentalmente o sistema água-estireno. Os autores medem o diâmetro médio de Sauter em três posições e os confronta com diversas variaveis tais como velocidade de rotação, hold-up da fase orgânica e concentração de agente de suspensão. A Figura 2 a seguir, mostra os pontos de amostragem e a geometria do reator. Pode-se notar que o agitador é do tipo turbina Rushton.

5 Figura 2: geometria do estudo de caso: domínio rotativo (rotor); domínio estático (tanque). Pontos de amostragem: Ponto A (amarelo), Ponto B (Verde), Ponto C (Azul) Além disso, os autores mostram os resultados na Figura 3 abaixo mostrando o efeito da agitação sobre o tamanho médio e mostrando que o tanque apresenta um campo homogêneo de mistura. Figura 3: dados experimentais de Yang et al. (2000) para diâmetros médios em três pontos de amostragem e cinco velocidades de agitação de um sistema água-estireno estabilizado por PVA PBE. O objetivo do uso deste caso é verificar a consistência física dos modelos híbridos CFD- Resultados e Discussão Caso 1 Efeito da posição do agitador (PINTO, 2006) O modelo proposto para analisar este efeito foi o de dois fluidos (ISHII, 2006). Os dois fluidos em consideração foram a emulsão líquida agua+estireno e a fase gasosa ar. Esta abordagem

6 permite reproduzir a superfície livre deste caso já que com as velocidades de agitação alteram de sobremaneira a interface líquido-gas. Figura 4: Fração volumétrica de água (a c=20[mm]; b c=33[mm]; c c=50[mm]; d 66[mm]) A Figura 4 mostra a distribuição espacial de fração volumétrica de líquido com a agitação fixa. Da esquerda para a direita, a posição do agitador aumenta conforme descrito na legenda (onde c é a distância entre o agitador e o fundo do tanque ou 'clearance'). Mostra-se que conforme c aumenta mais gás é capturado pelo líquido (cor amarela). Figura 5: Dissipação de energia cinética turbulenta (a c=20[mm]; b c=33[mm]; c c=50[mm]; d c=66[mm]) A Figura 5 mostra o campo de dissipação de energia cinética turbulenta que, a rigor, é a responsável pela deflagração do processo de quebra de gotas. (SHINNAR, 1961; ALVAREZ et al., 1994; ARAUJO, 1999) Vê-se claramente que a região de turbulência atenuada abaixo do agitador aumenta conforme a posição do agitador em relação ao fundo também aumenta. Por outro lado, como a agitação é constante em todos os casos, a região onde essa turbulência se dissipa diminui fazendo com que a intensidade local aumente. Essa região invariavelmente está entre o agitador e a

7 superfície livre. Também, devido à diferença de densidades, a fase orgânica se encontra preferencialmente nesta mesma região onde se concentra a dissipação da turbulência. Portanto, a elevação do agitador leva a maiores taxas de quebra e conseqüentemente a menores tamanhos de gotas sem modificar a característica da DTP bimodal. Pode-se quantificar esta assertiva calculando o volume dentro do reator onde apresenta valores maiores que um determinado valor. A Tabela 1 mostra para cada caso o volume do isovolume com maior que 0.02 [m 2 /s 3 ]. Este valor foi arbitrariamente escolhido em função do valor máximo encontrado no domínio. Tabela 2: Volumes dos Isovolumes de Caso Volume do Isovolume [ml] C=20[mm] 697 C=33[mm] 453 C=50[mm] 219 C=66[mm] 49 Nota-se que conforme o agitador sobe, o volume onde a turbulência é dissipada diminui fazendo com que essa energia seja possivelmente transferida ao processo de quebra das gotas da fase orgânica. Caso 2 Análise da homogeneidade do escoamento (YANG et al., 2000) Resultados típicos de analises CFD são as distribuições espaciais das variáveis dependentes como velocidade, pressão, concentrações, etc. A figura mostra o perfil de velocidade em um plano longitudinal em relação ao eixo do tanque. É possível notar as recirculações nos cantos do tanque típicas deste tipo de rotor. Figura 6: campo de vetores de velocidade em um plano longitudinal e transversal

8 A tabela a seguir mostra a comparação entre as medidas experimentais e o modelo numérico proposto para a rotação de 250 RPM. Pode-se notar a boa concordância entre os resultados. Essa comparação mostra que: o modelo CFD mostra que existe uma boa mistura no reator; e o modelo CFD-PBE é uma alternativa viável para modelar este tipo de equipamento. Este trabalho está se iniciando, ainda não estando prontos os resultados para outras velocidades de agitação. Tabela 3: Comparativo dodos experimentais e simulação numérica de diâmetro médio de Sauter Pontos Experimental Numérico A B C

9 Conclusões A ferramenta CFD mostrou-se promissora na análise de tanques agitados. Problemas no processo de aumento de escala em tanques agitados podem ser minorados com a agregação desta ferramenta. A suposta generalidade de um código CFD está em grande parte sustentada pela generalidade dos modelos que nele são implantados. É freqüente que modelos especialistas sejam mais fáceis de implantar que modelos generalistas. No caso 1, pode-se buscar uma explicação da diminuição do tamanho médio de gotas com o aumento da distancia do agitador em relação ao fundo do tanque. Isso foi devido à diminuição do volume de alta dissipação turbulenta, o que, para uma mesma velocidade de agitação, promove uma densidade de disspação maior na região superior da suspensão. Pela diferença de densidades, o estireno tende a ficar exatamente nesta região ocasionando assim a maior quebra. No caso 2, apenas um caso foi comparado com os dados experimentais, mostrando boa concordância. A comparação com outros pontos de velocidade de agitação é necessária e está em curso. Agradecimentos Os autores agradecem a CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e ao CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico pelo apoio financeiro. Referências Bibliográficas 1. B. Yang; K. Takahashi; M. Takeishi Ind. Eng. Chem. Res. 2000, 39, L. Pinto, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, ANSYS CFX 12, Theory Documentation, R. Shinnar Journal of Fluid Mechanics 1961,10,2, J. Alvarez, J. Alvarez, M. Hernandez Chemical Engineering Science, Vol.49, No.1, , P.H.H. Araujo Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, M. Ishii; T. Hibiki, Thermo-fluid dynamics of two-phase flow, Springer, USA, J.F.M. Araujo Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, R.B. Damian Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, V. V. Ranade Computational Flow Modeling for Chemical Reactor Engineering, Academic Press, UK, E. Vivaldo-Lima; P. E. Wood; A. E. Hamielec Ind. Eng. Chem. Res., 1997, 36 (4), pp

AVALIAÇÃO DA HIDRODINÂMICA DE UM LAVADOR VENTURI: DADOS EXPERIMENTAIS E SIMULAÇÃO NUMÉRICA RESUMO

AVALIAÇÃO DA HIDRODINÂMICA DE UM LAVADOR VENTURI: DADOS EXPERIMENTAIS E SIMULAÇÃO NUMÉRICA RESUMO AVALIAÇÃO DA HIDRODINÂMICA DE UM LAVADOR VENTURI: DADOS EXPERIMENTAIS E SIMULAÇÃO NUMÉRICA V. K. HONDA 1, R. BÉTTEGA 1, V. G. GUERRA 1* 1, Departamento de Engenharia Química * e-mail: vadila@ufscar.br

Leia mais

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica ELETRÔNICA DE POTENCIA AERODINÂMICA ELETRICIDADE DINÂMICA DOS ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

Avaliação de modelos numéricos de CFD para o estudo do escoamento de água da piscina do RMB

Avaliação de modelos numéricos de CFD para o estudo do escoamento de água da piscina do RMB 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 Avaliação de modelos numéricos

Leia mais

UM ESTUDO CFD DE VAZAMENTO DE ÓLEO A PARTIR DE DUTOS SUBMERSOS

UM ESTUDO CFD DE VAZAMENTO DE ÓLEO A PARTIR DE DUTOS SUBMERSOS UM ESTUDO CFD DE VAZAMENTO DE ÓLEO A PARTIR DE DUTOS SUBMERSOS 1 Barbara Yuri de Oliveira, 2 Gabriel Cassemiro Mariano, 3 Marintho Bastos Quadri 1 Bolsista de iniciação Científica ANP/FAPEU/UFSC, discente

Leia mais

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS A mistura de um produto alimentício pode ser definida como uma operação durante a qual se efetua a combinação uniforme de vários componentes de uma formulação. A

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO

ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO ANÁLISE DO EFEITO DA VELOCIDADE NO ESCOAMENTO BIFÁSICO EM DUTOS CURVADOS COM VAZAMENTO L.R.B. SARMENTO 1, G.H.S. PEREIRA FILHO 2, E.S. BARBOSA 3, S.R. de FARIAS NETO 4 e A.B. de LIMA 5 (Times New Roman

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

ARRASTO DE PARTÍCULAS DIANTE DE VARIAÇÕES DE VELOCIDADE

ARRASTO DE PARTÍCULAS DIANTE DE VARIAÇÕES DE VELOCIDADE ARRASTO DE PARTÍCULAS DIANTE DE VARIAÇÕES DE VELOCIDADE Ronaldo do Espírito Santo Rodrigues e-mail: ronaldo.nho@terra.com.br Artigo elaborado a partir da dissertação apresentada para obtenção do título

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD 1 Délio Barroso de Souza, 2 Ulisses Fernandes Alves, 3 Valéria Viana Murata 1 Discente do curso de Engenharia Química 2 Bolsista

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO

ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO Luís F. Dondoni, Pedro L. Bellani, Eduardo M. Nadaletti, Leandro L. Felipetto, Maria L. S. Indrusiak

Leia mais

CORACI JÚNIOR GOMES MELHORAMENTOS EM UM VENTILADOR CENTRÍFUGO ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA

CORACI JÚNIOR GOMES MELHORAMENTOS EM UM VENTILADOR CENTRÍFUGO ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA CORACI JÚNIOR GOMES MELHORAMENTOS EM UM VENTILADOR CENTRÍFUGO ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA Monografia apresentada ao Departamento de Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia da Universidade Federal

Leia mais

SUSPENSÃO DE SÓLIDOS TEMAS

SUSPENSÃO DE SÓLIDOS TEMAS SUSPENSÃO DE SÓLIDOS EFRAIM CEKINSKI cekinski@ipt.br TEMAS INTRODUÇÃO INTERAÇÃO SÓLIDO-FLUIDO VELOCIDADE TERMINAL ESTADO DA SUSPENSÃO VELOCIDADE MÍNIMA DE AGITAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DA CONC. DE SÓLIDOS QUALIDADE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL Rangel S. Maia¹, Renato

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: ESCOAMENTO, NÃO-ISOTÉRMICO E TRANSIENTE, DE ÓLEO PESADO E ÁGUA EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO AUTORES: Lorena

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura

MISTURA- Conceituação MISTURA DE LÍQUIDOS. Seleção de misturadores. ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica. Equipamentos de mistura FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 602- Operações Unitárias da Indústria Farmacêutica MISTURA DE LÍQUIDOS Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2010 MISTURA- Conceituação A operação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL NA COMPLEMENTAÇÃO DO ENSINO DA DISCIPLINA FENÔMENOS DE TRANSPORTE

UTILIZAÇÃO DA DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL NA COMPLEMENTAÇÃO DO ENSINO DA DISCIPLINA FENÔMENOS DE TRANSPORTE Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 UTILIZAÇÃO DA DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL NA COMPLEMENTAÇÃO DO ENSINO DA DISCIPLINA FENÔMENOS

Leia mais

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 Ac. Luís Carlos Lazzari luislazzari@yahoo.com.br Departamento de Engenharia e

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE TENSOATIVO NO TAMANHO DE BOLHAS E HOLDUP DE AR NA FLOTAÇÃO EM COLUNA

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE TENSOATIVO NO TAMANHO DE BOLHAS E HOLDUP DE AR NA FLOTAÇÃO EM COLUNA INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE TENSOATIVO NO TAMANHO DE BOLHAS E HOLDUP DE AR NA FLOTAÇÃO EM COLUNA A. M. R. FILHO 1, G. R. L. e CARVALHO 1, P. H. M. LUZ 1, A. S. REIS 1, M. A. S. BARROZO 1 1 Universidade Federal

Leia mais

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES 5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

Flávia Pereira Puget Marcos Roberto Teixeira Halasz

Flávia Pereira Puget Marcos Roberto Teixeira Halasz Análise da performance de sedimentadores es de alta eficiência para suspensões de chorume (Performance Analysis of High Efficiency Thickeners to Suspensions of Leachate) Estevão Frigini Mai Flávia Pereira

Leia mais

Relatório de Estágio ESSS - Engineering Simulation and Scientific Software

Relatório de Estágio ESSS - Engineering Simulation and Scientific Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Relatório de Estágio ESSS - Engineering Simulation and Scientific Software Lucas de Andrade Kostetzer Florianópolis, Março

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE ENCHIMENTO SOBRE A FORMAÇÃO DE DEFEITOS EM PEÇAS DE ALUMÍNIO: SIMULAÇÃO NUMÉRICA VS. RESULTADOS EXPERIMENTAIS Verran, G. O. (1); Rebello, M.A. (2); Oliveira, C. G. (1) Dr. Eng.

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

LCAD. Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I. LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho

LCAD. Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I. LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho LCAD Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I Lucia Catabriga Departamento de Informática CT/UFES Processo de Solução Fenômeno Natural Modelo Matemático

Leia mais

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar.

OBJETIVOS: Mostrar o comportamento das correntes de ar e pressão através do gerador de fluxo de ar. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UF PI CENTRO DE CIÊNCIAS DANATUREZA CCN DEPARTAMENTO DE FÍSICA DISCIPLINA: FÍSICA EXPERIMENTAL II PROF. : JEREMIAS ARAÚJO Prática V: APLICAÇÕES DA EQUAÇÃO DE BERNOULLI OBJETIVOS:

Leia mais

Efeito da pulsação do ar durante a fluidização de partículas de amido de milho Prof. Dr. Gustavo Cesar Dacanal

Efeito da pulsação do ar durante a fluidização de partículas de amido de milho Prof. Dr. Gustavo Cesar Dacanal Efeito da pulsação do ar durante a fluidização de partículas de amido de milho Prof. Dr. Gustavo Cesar Dacanal M. G. Thomazi, R. Ribeiro, G. C. Dacanal Universidade de São Paulo, Pirassununga, SP, Brasil

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO SOFTWARE ANSYS FLUENT COMO APOIO NO PROCESSO DE COLAGEM NA INDÚSTRIA CERÂMICA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO SOFTWARE ANSYS FLUENT COMO APOIO NO PROCESSO DE COLAGEM NA INDÚSTRIA CERÂMICA ESTUDO DA VIABILIDADE DO SOFTWARE ANSYS FLUENT COMO APOIO NO PROCESSO DE COLAGEM NA INDÚSTRIA CERÂMICA Oliveira, J. L.*; Lirman, J. C.*; Araújo, M.S.*; Cerri, J. A.** *DAMEC/UTFPR, Curitiba, Brasil **

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR

Leia mais

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO Ednardo Moreira Rodrigues 1, Carlos Jacinto de Oliveira 2, Francisco Geraldo de Melo Pinheiro 2, Jonathan Alencar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2.

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor

Leia mais

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler

Determinação da viscosidade. Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler Determinação da viscosidade Método de Stokes e viscosímetro de Hoppler A viscosidade é uma das variáveis que caracteriza reologicamente uma substância. O que vem a ser reologicamente? Num sentido amplo,

Leia mais

MODELAGEM HIDRODINÂMICA DE REATORES ANAERÓBIOS DE ESCOAMENTO ASCENDENTE E MANTA DE LODO (UASB) Siegfried Hanisch Werner, Cleto Pires Eduardo*

MODELAGEM HIDRODINÂMICA DE REATORES ANAERÓBIOS DE ESCOAMENTO ASCENDENTE E MANTA DE LODO (UASB) Siegfried Hanisch Werner, Cleto Pires Eduardo* MODELAGEM HIDRODINÂMICA DE REATORES ANAERÓBIOS DE ESCOAMENTO ASCENDENTE E MANTA DE LODO (UASB) Siegfried Hanisch Werner, Cleto Pires Eduardo* Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) / Universidade de

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

ESTUDO DO ESCOAMENTO DO SISTEMA ÓLEO / ÁGUA EM TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

ESTUDO DO ESCOAMENTO DO SISTEMA ÓLEO / ÁGUA EM TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS ESTUDO DO ESCOAMENTO DO SISTEMA ÓLEO / ÁGUA EM TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS J. H. B.PESSOA 1, O.CHIAVONE FILHO 2,A. C. P. PEREIRA 2, G. L. C. NASCIMENTO 2, R. M. P. de ANDRADE 2, V. A. da SILVA Jr 2 1 Petrobras

Leia mais

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS

ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS ENGENHARIA DAS REAÇÕES QUÍMICAS Apostila elaborado para o projeto PROMOPETRO Apoio Versão 1 2014 2 1- O QUE É ENGENHARIA DE REAÇÕES QUÍMICA (CRE)? Entender como reatores químicos funcionam é entender como

Leia mais

ESTUDO COMPUTACIONAL SOBRE FORMAÇÃO DE CAVERNAS EM TANQUES AGITADOS. Armando Zanone 1 ; Efraim Cekinski 2

ESTUDO COMPUTACIONAL SOBRE FORMAÇÃO DE CAVERNAS EM TANQUES AGITADOS. Armando Zanone 1 ; Efraim Cekinski 2 ESTUDO COMPUTACIONAL SOBRE FORMAÇÃO DE CAVERNAS EM TANQUES AGITADOS Armando Zanone 1 ; Efraim Cekinski 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor da Escola

Leia mais

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Viscosímetros são instrumentos utilizados para medir a viscosidade de líquidos. Eles podem ser classificados em dois grupos: primário e secundário. No grupo primário

Leia mais

O nosso trabalho. Desenvolver um sistema útil e robusto para aplicação em ambiente industrial/laboratorial. Objectivo

O nosso trabalho. Desenvolver um sistema útil e robusto para aplicação em ambiente industrial/laboratorial. Objectivo O nosso trabalho Objectivo Desenvolver um sistema útil e robusto para aplicação em ambiente industrial/laboratorial Estratégia Iniciar a investigação com um problema simples e fazer uma aproximação progressiva

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Revisão dos últimos capítulos (Novembro Dezembro de 2008) EXERCÍCIO 1 Figura 1: Exemplos de moscas comuns (Fannia Canicularis; em inglês houseflies), com indicação da dimensão típica.

Leia mais

ESTUDO POR ELEMENTOS FINITOS DA INTERAÇÃO FLUIDO- ESTRUTURAL NA ARTÉRIA DA CARÓTIDA DEVIDO AO FLUXO DE SANGUE

ESTUDO POR ELEMENTOS FINITOS DA INTERAÇÃO FLUIDO- ESTRUTURAL NA ARTÉRIA DA CARÓTIDA DEVIDO AO FLUXO DE SANGUE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO POR ELEMENTOS FINITOS DA INTERAÇÃO FLUIDO- ESTRUTURAL NA ARTÉRIA DA CARÓTIDA DEVIDO AO FLUXO DE SANGUE Felipe

Leia mais

ESTUDO NUMÉRICO DO ESCOAMENTO EM UM SOPRADOR DE UM TÚNEL DE VENTO PARA BAIXAS VELOCIDADES

ESTUDO NUMÉRICO DO ESCOAMENTO EM UM SOPRADOR DE UM TÚNEL DE VENTO PARA BAIXAS VELOCIDADES XI Simpósio de Mecânica Computacional II Encontro Mineiro de Modelagem Computacional Juiz De Fora, MG, 28-30 de Maio De 2014 ESTUDO NUMÉRICO DO ESCOAMENTO EM UM SOPRADOR DE UM TÚNEL DE VENTO PARA BAIXAS

Leia mais

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br de soluções diluídas Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br Viscosidade em líquidos * A viscosidade pode ser descrita como sendo a resistência que o fluido impõe

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Palavras chave: plasma, escoamento supersônico, reentrada atmosférica, bocal CD cônico, CFD.

Palavras chave: plasma, escoamento supersônico, reentrada atmosférica, bocal CD cônico, CFD. Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 9 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 9. APLICAÇÃO DA SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO PRIMEIRO ESTÁGIO DE UMA BOMBA CENTRÍFUGA DE DUPLO ESTÁGIO

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO PRIMEIRO ESTÁGIO DE UMA BOMBA CENTRÍFUGA DE DUPLO ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA E DE MATERIAIS - PPGEM WILLIAN SEGALA SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO PRIMEIRO

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO SOBRE AEROFÓLIOS USANDO A TÉCNICA DOS VOLUMES FINITOS

ANÁLISE DO ESCOAMENTO SOBRE AEROFÓLIOS USANDO A TÉCNICA DOS VOLUMES FINITOS ANÁLISE DO ESCOAMENTO SOBRE AEROFÓLIOS USANDO A TÉCNICA DOS VOLUMES FINITOS Stéfano Bruno Ferreira IC Aluno de graduação do curso de Engenharia Aeronáutica do Instituto Tecnológico de Aeronáutica Bolsista

Leia mais

MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM

MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM MONITORAMENTO DA EXPANSÃO DE POLIURETANAS POR TÉCNICAS DE ANÁLISE DE IMAGEM E. T. S. ALVES 1, G. B. RODRIGUEZ 2, M. K. LENZI 2, P. H. H. ARAÚJO 1, M. C. B. COSTA 3, R. A. IHABUINSKI 2, L. F. L. LUZ Jr.

Leia mais

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load)

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para trás (Limit Load) Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas para trás (Limit Load) Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 065-0 Fazendinha Santana do Parnaíba SP 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características

Leia mais

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação).

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). 59 Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). Figura 4.7: Comparação do erro para a componente horizontal de velocidade para diferentes níveis de refinamento. 60 Figura

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bachaado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 4 Determinação da Viscosidade de Líquidos. Tipos de viscosímetros. Viscosidade ativa, viscosidade intrínseca

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA

OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OPERAÇÕES UNITÁRIAS II AGITAÇÃO E MISTURA Prof. Dr. Félix Monteiro Pereira AGITAÇÃO E MISTURA AGITAÇÃO E MISTURA Agitação => Refere-se ao movimento

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda.

Linha de TANQUES Data da publicação: 2015 - nº 0703050 Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. Linha de Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva ao direito de alterar

Leia mais

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003)

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) - Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de Lorena Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) 1º semestre de 2014 Prof. Dr. João Paulo Alves Silva jpalves80@usp.br Aula anterior Equação de Velocidade

Leia mais

DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL. CFD = Computational Fluid Dynamics

DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL. CFD = Computational Fluid Dynamics DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL CFD = Computational Fluid Dynamics 1 Problemas de engenharia Métodos analíticos Métodos experimentais Métodos numéricos 2 Problemas de engenharia FENÔMENO REAL (Observado

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DA DISTRIBUIÇÃO DA PRESSÃO EM CÁPSULAS DE DUTOVIAS

MODELAGEM COMPUTACIONAL DA DISTRIBUIÇÃO DA PRESSÃO EM CÁPSULAS DE DUTOVIAS MODELAGEM COMPUTACIONAL DA DISTRIBUIÇÃO DA PRESSÃO EM CÁPSULAS DE DUTOVIAS Gabriel C. Nascimento 1 *; José C. C. Amorim 2 ; Carlos A. B. de Vasconcellos 2 & Marcelo de M. Reis 2 O transporte encapsulado

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

Spray-ball fixo Grande consumo de água Baixa eficiência Dependência de agentes químicos

Spray-ball fixo Grande consumo de água Baixa eficiência Dependência de agentes químicos Spray-ball fixo Grande consumo de água Baixa eficiência Dependência de agentes químicos Cabeçote rotativo de jato Máxima eficiência de limpeza Redução de todos os parâmetros de limpeza Tempo Temperatura

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

6 Mistura Rápida. Continuação

6 Mistura Rápida. Continuação 6 Mistura Rápida Continuação 2 Ressalto em medidor Parshall (calha Parshall): Foi idealizado por R.L. Parshall, engenheiro do Serviço de Irrigação do Departamento de Agricultura dos EUA. Originalmente

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO

BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO BANCADA DIDÁTICA DE SISTEMA DE VENTILAÇÃO Pedro José Moacyr Rangel Neto pedrorangel@pucrs.br PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Engenharia - Departamento de Engenharia

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

A TÉCNICA DOS MÚLTIPLOS DOMÍNIOS APLICADA À GERAÇÃO DE MALHAS NO SOFTWARE ANSYS CFX-MESH

A TÉCNICA DOS MÚLTIPLOS DOMÍNIOS APLICADA À GERAÇÃO DE MALHAS NO SOFTWARE ANSYS CFX-MESH VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil A

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

Relatório técnico do projeto CFD-14/UFPR: testes de paralelização do código Mach2D

Relatório técnico do projeto CFD-14/UFPR: testes de paralelização do código Mach2D Simulação numérica de escoamento reativo, transferência de calor e termoelasticidade em motor-foguete - parte 2 Projeto CFD-14/AEB-3 apoiado financeiramente pela Agência Espacial Brasileira (AEB) Anuncio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS PARA SIMULAÇÃO DE ESCOAMENTOS POLIDISPERSOS USANDO CÓDIGO LIVRE. Luiz Fernando Lopes Rodrigues Silva

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS PARA SIMULAÇÃO DE ESCOAMENTOS POLIDISPERSOS USANDO CÓDIGO LIVRE. Luiz Fernando Lopes Rodrigues Silva DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS PARA SIMULAÇÃO DE ESCOAMENTOS POLIDISPERSOS USANDO CÓDIGO LIVRE Luiz Fernando Lopes Rodrigues Silva TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

EFEITOS DA ROTAÇÃO DA COLUNA NO ESCOAMENTO DE FLUIDOS NÃO NEWTO- NIANOS EM ANULARES EXCÊNTRICOS

EFEITOS DA ROTAÇÃO DA COLUNA NO ESCOAMENTO DE FLUIDOS NÃO NEWTO- NIANOS EM ANULARES EXCÊNTRICOS EFEITOS DA ROTAÇÃO DA COLUNA NO ESCOAMENTO DE FLUIDOS NÃO NEWTO- NIANOS EM ANULARES EXCÊNTRICOS 1 Marcelo dos Santos Lídio e 2 Renato do Nascimento Siqueira 1 Bolsista de iniciação Científica PIBIC/CNPq/IFES,

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA B. R. Rodrigues 1, A. P. Meneguelo 2, P. H. H. Araújo 3 1-3 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

PROJETO DE UMA TURBINA PARA RECUPERAÇÃO DE ENERGIA EM UM PIG DE INSPEÇÃO

PROJETO DE UMA TURBINA PARA RECUPERAÇÃO DE ENERGIA EM UM PIG DE INSPEÇÃO PROJETO DE UMA TURBINA PARA RECUPERAÇÃO DE ENERGIA EM UM PIG DE INSPEÇÃO Ricardo Emiro Ramírez, rramirez@ufrj.br 1,2 Max Suell Dutra, max@mecanica.coppe.ufrj.br 1 1 Programa de Engenharia Mecânica, COPPE-UFRJ.

Leia mais

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques

Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato e sistemas de mistura em tanques Misturadores a jato Os misturadores a jato da Koerting são os principais componentes de sistemas de mistura especiais, podendo ser utilizados em operações

Leia mais

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª. Angela Emilia de Almeida Pinto Departamento de

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS 1 2 INTRODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica pelo metabolismo

Leia mais

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos 1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos Pontos, eixos e planos são entidades bastante usadas como referências em sistemas CAE/CAE/CAM. Por isso a importância em estudar como definir pontos,

Leia mais

ANÁLISE DIGITAL DA POROSIDADE DE PACOTES GRANULARES

ANÁLISE DIGITAL DA POROSIDADE DE PACOTES GRANULARES ANÁLISE DIGITAL DA POROSIDADE DE PACOTES GRANULARES A. C. Silva 1, E. M. S. Silva 2, F. K. da Silva 3, E. A. Silva 4, G. C. S. Silva 5, R. A. de Souza 6 1 Departamento de Engenharia de Minas, Universidade

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB Brunela Bonatto Milli 1, Danielly Cristina Gripa 2, George Simonelli 3, Victor Matheus Alves 4 1. Graduada em Engenharia Química pela Faculdade

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 315 Física 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário da disciplina de Física, a realizar em 2012 pelos alunos

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

5 Experimentos computacionais

5 Experimentos computacionais 5 Experimentos computacionais Experimentos computacionais foram realizados com o objetivo de testar e validar o sistema ParTopS. Primeiramente, avaliou-se a representação topológica de fraturas e fragmentação;

Leia mais

Artigo Técnico. Karolline Ropelato ESSS. 2. Bocais de carga. 1. Introdução. 3. Seção de Vazios

Artigo Técnico. Karolline Ropelato ESSS. 2. Bocais de carga. 1. Introdução. 3. Seção de Vazios O crescimento do uso de fluidodinâmica computacional (CFD) nas tecnologias de destilação, FCC e coqueamento retardado na engenharia básica de abastecimento da Petrobras André Gonçalves Oliveira, Guilherme

Leia mais