CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES 2014

2 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O curso Técnico de Edificações está inserido no eixo tecnológico de infraestrutura, e compreende, segundo Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, as tecnologias relacionadas à construção civil e ao transporte, contemplando ações de planejamento, operação, manutenção, proposição e gerenciamento de soluções tecnológicas para a área. Neste sentido, além da competência técnica, é fundamental que o Técnico em Edificações, no seu campo de atuação, tenha consciência do seu papel na sociedade como profissional e cidadão exercendo suas funções com responsabilidade, ética e criatividade, sendo protagonista e não somente observador das transformações políticas e sociais que ocorrem de forma acelerada no mundo contemporâneo. Desta forma, almejamos que o curso seja desencadeador da motivação necessária para que nossos estudantes garantam sua participação em equipes multidisciplinares envolvidas na solução dos problemas e no desenvolvimento local. A flexibilidade e o equilíbrio entre teoria e prática permitem a formação de um profissional que compreenda a sociedade em que está inserido e as demandas da área da construção civil. 2. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS 2.1. Justificativas Em função do crescimento econômico do país e a necessidade de infraestrutura, a área da construção civil cresce e necessita de profissionais formados no nível técnico e superior. O Governo Federal e Estadual investem na infraestrutura, o que aumenta a demanda por profissionais capacitados. Em 2013, é nítido o investimento do governo federal no ensino técnico por meio do Pronatec. Em 2012, a construção civil teve o melhor início de ano de sua história. Impulsionado pelo aumento do crédito imobiliário e pela grande oferta de vagas de trabalho, o setor cresceu nada menos do que 14,9% no primeiro trimestre de 2010 frente ao mesmo período de 2009, recorde absoluto registrado através das pesquisas iniciadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O incentivo à construção de casas populares, fazendo com que o segmento habitacional amplie seus projetos, os programas habitacionais do Governo Federal e intervenções nos impostos, ajudou a construção civil a ostentar crescimentos constantes 2

3 nos últimos meses, devido à isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os materiais necessários ao setor, assim como em virtude do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do programa Minha Casa, Minha Vida, que possibilita aos brasileiros a aquisição de moradias com preços reduzidos. O estado de São Paulo ofertará no primeiro semestre de 2014 aproximadamente 1800 (mil e oitocentos) empregos na área da construção civil para técnicos em edificações. O Vale do Paraíba conta atualmente com aproximadamente 60 (sessenta) construtoras de pequeno a grande porte, sendo que somente nas cidades do fundo do Vale (Roseira, Aparecida, Guaratinguetá, Lorena, Cachoeira Paulista e Cruzeiro) a demanda nesta área para o profissional em nível técnico, neste mesmo período, é de aproximadamente 30 (trinta) vagas (fonte: visitado dia 14/03/2014 às 16:50). Em decorrência do crescimento econômico do Vale do Paraíba, que atualmente vem recebendo uma gama de construtoras que atuam em obras empresariais e habitacionais, esta região apresenta grande necessidade de mão de obra especializada para o setor da construção civil. Além disso, licitações para realização de obras públicas passaram a exigir contratualmente das construtoras participantes a presença de técnicos em edificações, potencializando a necessidade da capacitação com qualidade da mão de obra para este setor. Como resultado dos fatos expostos, os poucos profissionais que têm o conhecimento e a experiência necessária estão sendo disputados por diversas construtoras no país, estimulando melhorias nas negociações salariais e aumentando consideravelmente as frentes de trabalho para esse campo de atuação. Por isso, o desafio para o setor educacional é formar profissionais que atendam a demanda do setor, já que no Brasil ainda é preciso estreitar as relações entre o perfil de formação profissional das escolas técnicas e o setor produtivo. Somente na região do Vale do Paraíba são graduados, anualmente, aproximadamente 70 (setenta) profissionais técnicos em edificações, o que evidencia a carência de profissionais deste segmento na região. Atualmente somente uma instituição de ensino, num raio de 40 km a partir da cidade de Lorena, oferece curso técnico neste segmento, localizado na cidade de Guaratinguetá. O Colégio São Joaquim, diante do contexto exposto, e de acordo com a comprovada experiência da educação salesiana na formação profissional, técnica da 3

4 juventude, já consolidada e praticada em todo o mundo desde o século XIX, terá como propósito manter vínculos com o setor produtivo e transcender à formação intramuros da escola. A novidade, ainda, da presente proposta pedagógica do Curso Técnico de Edificações está no sistema dual Sistema Dual que consiste na dualidade entre a qualificação teórica e a prática em contexto de trabalho sendo que o valor da qualificação prática é superior à da qualificação teórica. A característica e o objetivo principal do sistema dual é conjugar conhecimentos teóricos com competências adquiridas no posto de trabalho (learning by doing). Os conhecimentos adquiridos em sala de aula são consolidados e testados na prática permanentemente ao longo da qualificação. O curso pode durar de dois a três anos. O objetivo deste sistema é oferecer ao aluno, durante o curso, a oportunidade de vivenciar integralmente o universo teórico em conjunto com o mundo empresarial, visando à formação de um profissional completo e multifuncional, totalmente adaptado às questões corporativas Objetivos Objetivos gerais Proporcionar formação técnica de Edificações, de caráter integral e que tenha como fundamento a proposta pedagógica salesiana, por meio do desenvolvimento de competências, nas quais o estudante terá formação teórica e prática, pautada na flexibilidade, no desenvolvimento de projetos e no vínculo com a sociedade, especialmente, com o setor produtivo público e privado. A formação integral, o vínculo com a sociedade e com as demandas do setor produtivo permitirá o aprendizado permanente e atualizado, o conhecimento de novas tecnologias, o conhecimento das tendências do setor de edificações e da complexidade social do mundo contemporâneo, especialmente das exigências do mercado de trabalho, o que permitirá ao técnico formado pelo Colégio São Joaquim corresponder às demandas do setor da construção civil. 4

5 3. PERFIL PROFISSIONAL O egresso do Curso Técnico de Edificações será um profissional multifuncional devido à formação integrada decorrente do curso oferecido com a aplicação do sistema Dual. O domínio técnico, tecnológico e dos conhecimentos científicos inerentes ao curso monta o perfil do aluno egresso. Este perfil possibilitará a atuação do profissional nas áreas de infraestrutura, especialmente, nos setores da construção civil. As empresas públicas e privadas de construção civil, escritórios de projetos e os canteiros de obras, constituem o espaço atual do Técnico em Edificações, o qual poderá compor equipes de profissionais que atuem em projetos, no planejamento, na execução e na manutenção de obras. Para tal perfil profissional atribui-se a capacidade de assessoramento de profissionais de nível superior, auxiliando-os no desenvolvimento das seguintes atividades: Desenvolvimento e execução acompanhada de projetos de edificações conforme normas técnicas de segurança e de acordo com legislação específica; Planejamento, elaboração e execução de orçamentos de obras, orientando e acompanhando as etapas da construção; Assessoramento técnico em estudos e no desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas na área de edificações; Orientação e coordenação de serviços de manutenção de equipamentos e de instalações em edificações; Uso correto de instrumentos, máquinas e materiais inerentes à construção civil, tanto em escritórios quanto em canteiros de obras; Logística e controle da qualidade dos materiais de construção; Execução de levantamentos topográficos, locações de obras e demarcações de terrenos Divisão modular O perfil de formação apresenta a estrutura gradual de qualificação profissional do curso Técnico de Edificações. A Matriz Curricular está estruturada em módulos de formação conforme descrito abaixo, seguidos pelos códigos de ocupações, em acordo com as nomenclaturas do Catálogo Brasileiro de Ocupações- CBO: 5

6 Módulo Qualificação Profissional I Auxiliar de topógrafo II Auxiliar de manutenção elétrica e hidráulica III Operador de cad IV Técnico de Edificações Módulo I- Auxiliar de topógrafo Findo o 1º (primeiro) módulo, o nível de conhecimento técnico em Topografia concederá ao profissional as seguintes atribuições: Efetuar levantamentos de campo, tais como: medições planialtimétricas e localização de instalações civis e respectivos memoriais descritivos; Auxiliar no planejamento da circulação de materiais, pessoas e equipamentos no canteiro de obras; Atender e orientar a aplicação de regras relativas à segurança do trabalho em ambientes da construção civil; Demonstrar capacidade de relacionamento interpessoal através de uma comunicação clara, concisa e pautada na ética salesiana Módulo II- Auxiliar de manutenção elétrica e hidráulica Concluído o 2º (segundo) módulo e alicerçado nos conhecimentos teóricos e práticos obtidos no decorrer dos 2 (dois) primeiros módulos, o aluno estará capacitado a identificar sistemas em instalações elétricas e hidráulicas prediais. As principais atribuições para este profissional serão: Acompanhar a elaboração de projetos de instalações elétricas e hidráulicas; Representar graficamente, em documentos comerciais técnicos, os serviços a serem executados; Desenvolver atividades que auxiliem estudos, programação, acompanhamento e controle dos serviços de instalações civis; Auxiliar na elaboração de memoriais técnico-descritivos; Auxiliar na manutenção de edificações. 6

7 Módulo III: Operador de Cad Finalizado o 3º (terceiro) módulo, a aquisição de conhecimentos cumulativos pautados na teoria e prática levarão à formação de um profissional capacitado em realizar projetos sob supervisão, no software Cad. As atribuições correlatas serão: Executar, aplicar e orientar sobre a legislação referente às normas da construção civil; Auxiliar a realização de vistorias técnica para avaliações; Acompanhar a elaborar de projetos de acordo com as normas da ABNT até 80m²; Auxiliar a elaboração de projetos em edificações obedecendo às normas do CREA pertinentes a área de Construção Civil; Interpretar projetos realizados no software; Realizar autonomicamente projetos civis utilizando o software autocad Conclusão dos Módulos e Comprovação das 360 horas de estágio - Qualificação Profissional: Técnico de Edificações O Técnico de Edificações poderá trabalhar em empresas públicas e privadas, escritórios de projetos da área de construção civil e em canteiros de obras. Atuará no desenvolvimento e auxilio de execução de projetos de edificações, conforme normas técnicas de segurança e de acordo com legislação específica. Poderá planejar a execução e elaboração de orçamento de obras. Prestará assistência técnica no estudo e desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas na área de edificações. Orientará e coordenará a execução de serviços de manutenção de equipamentos e de instalações em edificações. Orientará na assistência técnica para compra, venda e utilização de produtos e equipamentos especializados. Ao concluir os módulos I, II, III, IV e as 360 (trezentos e sessenta) horas de estágio obrigatório, o Técnico de Edificações deverá ter adquirido as seguintes competências gerais da área profissional de construção Civil, em acordo com a proposta pedagógica proposta pelo colégio São Joaquim, obedecendo às atribuições mínimas necessárias de acordo com o catálogo nacional de cursos técnicos: 7

8 Aplicar normas, métodos, técnicas e procedimentos estabelecidos visando à qualidade e produtividade dos processos construtivos e de segurança dos trabalhadores; Analisar interfaces das plantas e especificações de um projeto, integrando-as de forma sistêmica, detectando inconsistências, superposições e incompatibilidades de execução; Propor alternativas de uso, técnicas e fluxos de circulação de materiais, pessoas e equipamentos, tanto em escritórios quanto em canteiros de obras, visando à melhoria contínua dos processos de construção; Acompanhar ativamente a elaboração de projetos arquitetônicos, estruturais e de instalações hidráulicas e elétricas nos termos e limites regulamentares; Auxiliar a supervisão da execução de projetos e coordenar equipes de trabalho; Acompanhar a elaboração de cronogramas e orçamentos; Supervisionar, controlar e coordenar a qualidade, o manuseio, o preparo, o armazenamento e o estoque dos materiais e equipamentos; Fiscalizar, executar, auxiliar e orientar trabalhos de levantamentos topográficos, locações e demarcações de terrenos; Realizar ensaios tecnológicos de laboratório e de campo; Elaborar representação gráfica de projetos; Controlar o estoque e o armazenamento de materiais. Ter capacidade de selecionar documentação específica para processos construtivos; Dimensionar equipes de trabalho; Elaborar relatórios técnicos e diários de obras; Elaborar orçamentos de materiais, equipamentos e mão-de-obra, com cotação de preços de insumos e serviços, assim como cronograma físico- financeiro; Fazer composição de custos diretos e indiretos; Negociar preços, prazos de entrega e condições de pagamentos de produtos e serviços; Selecionar fornecedores; Inspecionar obras. 8

9 4. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O Curso Técnico de Edificações está organizado através de uma base disciplinar de formação social e humana, seguida por certificações. Serão 1332 (mil trezentas e trinta e duas) horas para o aprendizado teórico e o mínimo de 360 horas de aprendizado prático (estágio) nas organizações públicas e/ou privadas através de projetos previamente estabelecidos pela coordenação pedagógica do curso, em concordância com a empresa, o supervisor e os professores. Durante cada módulo o aluno será estimulado a relacionar as disciplinas aprendidas com a aplicação prática vivenciada em empresa parceiras com a ETECSAL. A atuação na organização conveniada será acompanhada pelo supervisor indicado pela empresa e pelo professor modular. A escola terá 40 vagas semestrais para estudantes no curso Técnico de Edificações. Serão indicadas, previamente, as vagas disponíveis para os estudantes. Caberá ao Colégio São Joaquim indicar as empresas conveniadas para a aplicação prática; por outro lado, poderá o estudante sugerir e indicar a organização de atuação. Nesse caso, caberá ao Diretor, com apoio do Coordenador, autorizar ou não a atuação do estudante. Caso o estudante não cumpra a carga horária total de estágio, será assinado um termo de compromisso entre a escola e o estudante, no qual o mesmo se comprometerá a finalizar a carga horária mínima para obter a certificação de técnico. Nas últimas décadas, interdisciplinaridade tem sido um conceito central no desenvolvimento de propostas de educação integrada; da mesma forma, o conceito de flexibilidade tornou-se recorrente na elaboração de projetos pedagógicos. O Curso Técnico de Edificações terá como foco o diálogo entre as disciplinas e a flexibilidade, que permite a formação teórica e prática e aprendizagem em ambientes que vão além da sala de aula. A organização curricular para a habilitação de Técnico de Edificações está estruturada em 4 (quatro) módulos articulados. A concepção da matriz busca fomentar a criatividade, a visão sistêmica do processo de edificação e a autonomia dos estudantes. É prioridade do Colégio São Joaquim conectar os componentes curriculares incentivando a multidisciplinaridade e a aproximação da teoria e a prática, utilizando como mecanismo o projeto integrador. 9

10 A matriz está organizada de forma a garantir a realização dos projetos integradores que possibilitem a visão crítica e integrada dos conhecimentos, buscando a constante inovação, criatividade e o desenvolvimento de competências. O modelo de integração de conhecimentos permite o desenvolvimento de competências a partir da aprendizagem prática e não somente através do ensino unilateral. Os projetos integradores procuram estabelecer a ambientação da aprendizagem, estimulando a resolução de problemas. Neste plano, o desenvolvimento de projetos integradores também tem por objetivo integrar os conhecimentos, promovendo o desenvolvimento de competências, como: a capacidade pessoal de mobilizar, articular e colocar em ação conhecimentos, habilidades, atitudes e valores necessários para o desempenho eficiente e eficaz de atividades requeridas pelo mundo do trabalho e pelo desenvolvimento tecnológico. Almeja-se, com o desenvolvimento dos projetos integradores, a formação de um profissional com capacidade de pensar de forma reflexiva, com autonomia intelectual e sensibilidade ao relacionamento interdisciplinar, capaz de aplicar, numa mesma atividade, um universo de informações adquiridas através dos vários contextos e situações de aprendizagem vivenciadas. O projeto integrador terá a supervisão pedagógica e o seu fundamento alicerça-se no aprendizado teórico e prático e na integração de conceitos aprendidos durante o período letivo pelos estudantes que buscam verificar, desenvolver e aperfeiçoar todas as competências e habilidades necessárias ao perfil profissional exigido, através do trabalho com situações-problemas, desenvolvimento de projetos, aplicação do conhecimento e propostas efetivas para a melhoria dos processos das organizações. As propostas efetivas constarão do Plano de Formação Docente. Consistirão em projetos de monitoramento remoto do aluno no ambiente de estágio, a partir de uma planilha contendo atividades propostas pela coordenação e professores das disciplinas modulares. Entender-se-á por disciplinas modulares as que contiverem maior número de horas-aula despendido em cada módulo, sendo que as mesmas nortearão as atividades planejadas pelos lecionadores aos educandos, durante o desenvolvimento das atividades profissionais. As áreas modulares, assim constituídas, representam importante instrumento de flexibilização e abertura do currículo para o itinerário profissional, sendo portanto adaptável 10

11 às distintas realidades regionais, permitindo a inovação permanente e manutenção da unidade e a equivalência dos processos formativos. A estrutura curricular que resulta das diferentes áreas modulares estabelece as condições básicas para a organização dos tipos de itinerários formativos que, articulados, conduzem à obtenção de certificações profissionais. Os módulos são organizações de conhecimentos e saberes provenientes de distintos campos disciplinares e, por meio de atividades formativas, integram a formação teórica e a formação prática em função das capacidades profissionais que se propõem desenvolver. Para cada módulo são propostos os seguintes critérios de organização curricular: Um conjunto de competências que servirão de base para seleção de conteúdos por parte da equipe docente; Um conjunto de atividades e estratégias formativas que os docentes propõem para a organização dos processos de ensino-aprendizagem; Uma estimativa de carga horária. Atendendo às exigências legais vigentes, como a Lei de Diretrizes Bases da Educação, o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos e os pareceres CNE/CEB nº11, de 2008 e parecer CNE/CEB nº17/97, o curso Técnico de Edificações que será oferecido pelo colégio São Joaquim disponibilizará 1332 (mil trezentas e trinta e duas) horas, divididas em 4 (quatro) módulos. Cada módulo, que consistirá em 20 semanas, oferecerá 333 (trezentos e trinta e três) horas. Para o curso técnico de Edificações, a disciplina integradora do primeiro módulo será Topografia, a qual consistirá em 133 (centro e trinta e três) horas de aula aplicadas. Para o segundo módulo a disciplina será Instalações Elétricas e hidráulicas, mantendo a equivalência quantitativa com a disciplina do primeiro módulo. Para o terceiro módulo, a disciplina integradora será autocad, totalizando 100 (cem) horas de aula aplicadas e o quarto e último módulo, a disciplina será Planejamento, orçamento e controle de obras, com um total dedicado a aplicação dos conceitos teóricos de 133 (cento e trinta e três) horas. 11

12 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA MÓDULO: 20 SEMANAS FUND. LEGAL RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 11/08 DELIBERAÇÃO CEE 79/08 MÓDULO COMPONENTES CURRICULARES QUANTIDADE DE HORAS- AULA* SEMANAIS QUANTIDADE DE HORAS- AULA* SEMESTRAIS Matemática aplicada 4 80 Ética, responsabilidade e formação salesiana 4 80 I Introdução aos conceitos de elétrica 2 40 Topografia Segurança do Trabalho 2 40 Materiais da Construção Civil 4 80 Desenho Técnico e Arquitetônico 4 80 II Instalações elétricas e hidráulicas Introdução ao AutoCad 2 40 Carga Resistência dos Materiais 2 40 horária AutoCad total Estruturas 4 80 (horas) III Mecânica dos Solos e Fundações 4 80 Aspectos ambientais 2 40 Legislação e Normas Técnicas 4 80 Tecnologia das Construções 4 80 Projetos Arquitetônicos 2 40 IV Gestão de Qualidade 4 80 Planejamento, orçamento e controle de obras Noções de Acabamento 2 40 TOTAL DE CARGA HORÁRIA POR MÓDULO (EDUCAÇÃO PROFISSIONAL) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL *HORAS-AULA DE 50 MINUTOS. 12

13 5. PROPOSTA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO O estágio dos alunos do Colégio São Joaquim visa propiciar um campo de experiências e conhecimentos que possibilita crescimento profissional e pessoal. Em concordância com a lei nº /08, o Colégio São Joaquim oferecerá aos alunos oportunidades de inserção na área do curso desde o 1º (primeiro) módulo através do Estágio Supervisionado Obrigatório. A supervisão será realizada pelo professor modular e pelo profissional indicado pela empresa através de um programa de monitoramento remoto que consistirá no preenchimento de um cronograma contendo informações referentes às tarefas propostas pelo professor modular as quais espera- se que aluno realize na empresa, em acordo com o módulo vigente, ou não, havendo a possibilidade do aluno realizar as atividades propostas pelo professor de módulos anteriores, não sendo permitido de módulos posteriores. Segue o modelo de monitoramento proposto pela coordenação, abaixo: Nome Idade Empresa Cidade Início Matéria Disciplinar Supervisor Semana Atividades propostas- Preenchido pela docente Disciplinar Atividades realizadas - Preenchido pelo aluno Feedback Realização (Preenchido (Preenchido pelo supervisor pela na empresa) coordenação) 1ª Definição da missão, princípios e valores 2ª Identificação da equipe de trabalho 3ª Apresentação do planejamento das atividades 4ª Atividade definida pelo professor 5ª Atividade definida pelo professor 6ª Atividade definida pelo professor 7ª Atividade definida pelo professor 8ª Atividade definida pelo professor 9ª Elaboração do relatório de atividades 10ª Entrega do relatório de atividades 13

14 O acompanhamento do preenchimento do modelo de planilha proposto será semanal e realizado pelo professor modular, coordenação do curso e supervisor na empresa. O Estágio Supervisionado Obrigatório deverá ter a carga horária mínima de 360h horas para que o aluno possa obter a qualificação profissional em Técnico de Edificações, sendo necessária a entrega de um Relatório Final e da planilha de acompanhamento das atividades devidamente preenchida, para validação do estágio. É importante constar que: O estágio poderá ter duração de 2 (dois) anos a partir de sua data de início e não poderá ultrapassar 30 (trinta) horas semanais; É permitido que o aluno inicie o estágio durante o curso, desde o primeiro módulo (sugestão: mínimo de 90 horas-relógio por módulo); O aluno somente obterá formação de Técnico em Edificações mediante a conclusão dos quatro módulos, comprovação do estágio supervisionado (inclui entrega e aprovação do Relatório Final de Estágio) com carga horária mínima de 360 horas e apresentação do diploma de conclusão de Ensino Médio; Após a conclusão dos módulos o aluno possui prazo máximo de dois anos para conclusão das 360 horas mínimas de estágio e entrega do Relatório Final de Estágio para análise e aprovação (caso não tenha sido possível completar as 90 horas por módulo ou tenha estendido o seu período de estágio), caso contrário seu diploma perderá a validez. O Relatório Final de Estágio será avaliado pelo professor da disciplina modular devendo o aluno alcançar a nota mínima 6 (seis), para que seja aprovado e obtenha o diploma de Técnico de Edificações. Aos alunos, por intermédio de atendimento individualizado, são oferecidas informações sobre as vagas de estágio disponíveis, bem como o apoio na elaboração e envio de currículos às empresas. O Estágio Supervisionado Obrigatório tem início com a assinatura do Termo de Compromisso de Estágio, firmado entre o aluno (por intermédio do CIEE) e a empresa, com a interveniência da Escola. No caso de aluno que já é funcionário de empresa, este deve apresentar a carteira profissional, para cópia das páginas que atestam sua contratação. 14

15 6. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES 6.1. Critérios para equivalência disciplinar A equivalência de disciplinas se dará mediante comprovação documental (histórico escolar), em caráter avaliativo, pela coordenação do curso. O critério de avaliação se baseará no aproveitamento quantitativo comprobatório superior a 50% (cinquenta) da disciplina correspondente e prazo de conclusão da mesma inferior a 5 (cinco) anos Critérios para equivalência de experiências anteriores Poderá haver aproveitamento de experiências anteriores, desde que comprovadas a partir de análise documental (carteira de trabalho ou contrato temporário e relatório de desenvolvimento de atividades desenvolvidas) avaliadas pela coordenação. A experiência deve ser diretamente relacionada ao perfil profissional cursando na ETECSAL técnico de Edificações. 7. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM 7.1. Avaliação Diagnóstica O Curso Técnico de Edificações do Colégio São Joaquim, através da filosofia Salesiana, matriz curricular e propostas metodológicas, pretende traduzir-se na consciência de formar e informar educandos e futuros profissionais para que interfiram construtivamente na sociedade. Esse diagnóstico é uma constante busca, apesar das dificuldades, as quais procuram sempre superar, priorizando-se o despertar do espírito crítico e os valores Critérios e Formas de Acompanhamento A comunicação é indispensável à missão, e no estilo Salesiano requer presença e dedicação apostólica nos educadores, empenho em cultivar relacionamentos vitais com pessoas e grupos que partilham conosco a missão educativo-pastoral de Dom Bosco. filosofia que norteia o processo no Colégio São Joaquim. Como Escola Salesiana, e tendo por base os ensinamentos do pedagogo S. João Bosco, observa-se o tripé razão, religião e bondade (amorevolezza), com o objetivo de fazer uma avaliação global do aluno, dando ênfase aos valores humanos e aos conceitos estudados em classe e, antes de tudo, utilizar esse procedimento para diagnosticar o nível de adequação das técnicas e métodos utilizados pelos professores no processo ensino-aprendizagem, no 15

16 sentido de poder reconhecer ou não a eficácia destes, como também da forma como são apresentados os conceitos, teorias, e demais fundamentos, na apresentação dos conteúdos programáticos. Por isso, para nós, a verificação do rendimento escolar assume dimensões de extrema riqueza para diagnosticarmos e corrigirmos eventuais desvios observados durante o processo em relação ao que o Projeto Pedagógica idealiza. Sendo assim, tende a diminuir as tensões bilaterais que costumam dominar alunos e professores, passando a ser um verdadeiro instrumento de avaliação dos envolvidos no processo e não apenas dos alunos. Promover experiências, atitudes, processos de ação e estruturas de corresponsabilidade que favoreçam a comunhão e a partilha no espírito e na missão de Dom Bosco. Com o processo de globalização, nasce uma cultura planetária massificadora, na qual detém o processo do conhecimento aquele que possui maior número de informação. Entretanto, deter apenas não é suficiente e democrático. É preciso saber trabalhar esta informação para que ela possa ser útil para a humanidade. Assim, é certo que o processo de decorar já não tem mais sentido. É necessário interpretar de uma maneira independente a informação para que o educando desenvolva o senso crítico daquilo que o motiva mais e, assim, tenha capacidade de autoavaliar-se. Obedecendo ao capítulo 3, seção 2, artigo 88, do regimento interno do Colégio São Joaquim, a avaliação configurar-se-á como processo global cumulativo, constante e contínuo de observação do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos. Consentindo com o sistema de avaliação escolar da instituição, parágrafo primeiro, a avaliação de rendimento escolar será expressa por notas e médias numéricas, na escala de zero a dez, graduadas em décimos, sendo aplicada da maneira a seguir: 1. Duas avaliações obrigatórias por disciplina (A1 e A2), devendo a primeira ser realizada aproximadamente na metade de sua carga horária, avaliando o conteúdo aprendido até este momento, e a segunda ao final da carga horária disciplinar, avaliando o conteúdo disciplinar total, de acordo com a seguinte fórmula: Média = (A1 + A2 ) 2 16

17 Para as matérias modulares, ou integradoras, o critério de avaliação é descrito abaixo: 2. Projeto Integrador Prático (PIP) grade referente à avaliação final modular, em caráter prático, envolvendo o assunto modular do semestre vigente. Deverá ser aplicado ao final de cada módulo. 3. Projeto Integrador de Estágio (PIE) grade referente ao relatório elaborado pelo aluno que encontrar-se em campo para realização do estágio supervisionado há pelo menos 4 semanas antes da data vigente da realização do PIP. Este aluno ficará isento do PIP (Projeto Integrador Modular), vide comprovação documental da realização do estágio no tempo mínimo requerido citado. Deverá ser entregue na mesma data do Projeto Integrador Prático- PIP. A média final para os Módulos I, II, III e IV é a resultante das seguintes operações, devendo ser igual ou maior que 6 (seis) para aprovação do aluno: Média = (A1 + A2 + PIP) 3 Média = (A1 + A2 + PIE) 3 Para a obtenção do certificado de conclusão de curso, a média é a nota do RF Relatório Final de Estágio, devendo ser igual ou superior a 6 (seis) para aprovação do aluno (artigo 91- Regimento Escolar do Colégio São Joaquim) e habilitação de Técnico de Edificações. Em síntese, através desse mecanismo de verificação do rendimento escolar assim concebido, o Colégio São Joaquim oferecerá aos alunos essas oportunidades diversificadas que servirão de indicadores para serem analisados e discutidos nas reuniões dos Conselhos de Módulo. A verificação do rendimento escolar é expressa por notas e médias numéricas, na escala de zero até dez, graduadas de cinco em cinco décimos. É considerado aprovado o aluno que obtém média do módulo igual ou superior a 6 (seis), em cada componente curricular. 17

18 7.3. Recuperação Seguindo o atendimento das alíneas do regimento interno do Colégio São Joaquim, a escola técnica oferecerá recuperação ao final de cada semestre aos alunos que obtiverem média inferior a 6,0 (seis) e/ou comparecimento inferior a 75% (setenta e cinco por cento) por disciplina, como esboçado no fluxograma abaixo: Para o Curso Técnico de Edificações do Colégio São Joaquim, as práticas de recuperação serão as seguintes, ambas em acordo com o regimento escolar do Colégio São Joaquim: Recuperação: consistirá em uma avaliação com conteúdo cumulativo da matéria que não foi alcançada a média regimentar. Reprovação o aluno que não for aprovado em até 2 (duas) disciplinas, por não ter alcançado a nota exigida ou por falta, deve repetir o módulo pois será considerado reprovado. 18

19 7.4. Controle de Frequência dos Alunos O controle de frequência dos alunos é responsabilidade de cada professor, devendo o registro ser feito sistematicamente nos diários de classe e/ou similares. Considera-se em zona de recuperação o aluno com frequência inferior a 75% em quaisquer componentes curriculares. A frequência inferior a 75% em mais de duas disciplinas, implicará em análise, baseada na performance acadêmica e relação financeira pregressa do aluno com a instituição, pela coordenação pedagógica e financeira respectivamente, para a verificação se o mesmo poderá atender a zona de recuperação Sistema de Controle Acadêmico Para Gestão Acadêmica, o Colégio São Joaquim utiliza o sistema RM Classis da TOTVS que oferece as seguintes funcionalidades: Secretaria, Coordenação, Diretoria Completo cadastro de alunos contendo toda vida acadêmica e financeira e outras funcionalidades; Alunos - Matrícula/rematrícula, consulta de notas, consulta/alteração de dados cadastrais, 2ª via de boleto bancário e outras funcionalidades. É um sistema totalmente integrado e personalizado para atender às necessidades do Colégio São Joaquim. O Sistema RM CLASSIS permite realizar todos os processos, como controle acadêmico e financeiro dos alunos. Este aplicativo abrange desde os processos iniciais de cadastramentos básicos a processos mais complexos, tais como os de integração com financeiro, contabilidade e salário dos professores. 19

20 8. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS 8.1. Instalações A efetivação da proposta pedagógica do curso passa por ações teórico-práticas com ênfase no exercício de atividades profissionalizantes, integrando ambientes e recursos de aprendizagem que incluem ambientes práticos, como: Laboratório com acervo específico atualizado; Laboratório de Informática com softwares específicos de Desenho- autocad; Laboratório de Topografia, Materiais de Construção; Laboratório de canteiro de obras. Por meio da infraestrutura citada acima, o aluno terá a oportunidade de aplicar o conhecimento, desenvolver pesquisas, solucionar problemas das organizações em que estão vinculadas para o aprendizado prático e interagir com colegas estudantes e com professores. Neste propósito, o curso proposto oferece aos alunos atividades que possibilitam a correlação entre ensino-pesquisa-extensão. As aplicações práticas terão como foco as demandas da sociedade, das organizações e, como alicerce, o aprendizado teórico e o projeto pedagógico do curso. Em função dos vínculos com a sociedade, o estudante terá a oportunidade de desenvolver atividades de responsabilidade social. O conjunto das atividades acadêmicas dará suporte para o desenvolvimento competente da formação do Técnico em Edificações do Colégio São Joaquim. Os alunos terão acesso livre à ampla área para lazer disponível nas dependências físicas do Colégio, assim como à cantina e local para refeição. Há disponibilidade para estacionamento de bicicletas e motocicletas para os discentes e para veículos motorizados para docentes. Além das dependências comuns aos alunos, os professores têm disponível uma sala de convívio, com banheiros para uso exclusivo, computadores, armário para armazenamento de objetos pessoais e frigobar para armazenamento de alimentos. 20

21 8.2. Equipamentos Visando aprimorar e atender aos objetivos do curso proposto Técnico em Edificações, algumas disciplinas serão realizadas em laboratórios específicos. A proposta feita ao corpo docente será realizar pelo menos 50% do tempo total de aulas semestrais ambientadas em locais pertinentes, de acordo com as disciplinas modulares. Estas matérias preencheram 40% do tempo total de horas- aula semestrais e constaram dos seguintes espaços físicos: Laboratório de Topografia Equipamentos Fabricante Qtde Estação Total Geomax zoom 20 5'' A4 Geomax 1 Nível Eletrônico Geomax ZDL 700 Geomax 8 Teodolito Eletrônico DE-2A Geomax 8 Nivel Laser Geomax ZEL 400 H Geomax 8 Nível Óptico Geomax ZAL 132 Geomax 8 Mira código barras telescópio Geomax 5M ZSA504 Geomax 8 Tripé de Alumínio SJA30F XPEX Geomax 9 Bastão telescópico 2,60 C Rosca CLS13 XPEC Geomax 2 Trena aço revestido em nylon 50 arco aberto Geomax 8 Baliza BG-22B XPEX Geomax 16 Bolsa tripé Geomax 9 21

22 Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de cimento Equipamento Fabricante Qtde Aparelho Vicat para ensaios de cimento Fourtest 1 Frasco Le Chantelier 250 ml Fourtest 1 Balança de precisão 6500g x 0,1g Fourtest 1 Ensaios de areia Agitador eletromagnético de peneira Fourtest 1 Jogo de peneiras granulométricas Fourtest 1 Frasco Chapman 450 ml com estojo protetor Fourtest 1 Speedy completo sem calibraçao Fourtest 1 Frasco de areia para determinar densidade Fourtest 1 Cronômetro Fourtest Estufa - Ensaios de concreto Prensa hidráulica manual Fourtest 1 Forma 10x20 com tampa zincada Fourtest 15 Concha Slump test Fourtest 10 Slump test completo Fourtest 1 Termômetro - 1 Ensaio de solos Tacho 28x21x11 10 Almofariz de porcelana 4170 ml com mão de gral Fourtest 10 Cápsula de alumínio 40x20 mm com tampa Fourtest 40 Bandeja quadrada preta 70x50x5 cm Fourtest 10 Kit para limite de plasticidade Fourtest 1 Kit para limite de liquidez Fourtest 1 Aparelho casagrande com contador manual Fourtest 5 Cilindro proctor Fourtest 5 Extrator de amostras hidráulico Fourtest 1 Molde cilíndrico Aashto 6- cilindro- colar e base Fourtest 5 Conjunto completo cravação Hilf Fourtest 1 Ensaios de tração e compressão Máquina universal de ensaios kratos Fourtest 1 Acessórios Copos becker de vidro- 250 ml - 5 Copos becker de vidro- 500 ml - 5 Frascos Erlenmeyer ml - 5 Frascos Erlenmeyer- 500 ml - 5 Funil analítico em vidro - 5 Pera - 2 Pisseta - 5 Pipeta de vidro graduada - 10 ml - 8 Pipeta de vidro graduada - 20 ml - 5 Pipeta de vidro graduada- 100 ml - 5 Pipeta de vidro graduada- 500 ml - 5 Pipeta de vidro graduada ml - 5 Tubos de ensaio - 10 Mobiliário Armário Bancada Balcão de apoio para equipamentos Quadro 22

23 Laboratório de CAD Software Fabricante Versão Licenças Windows 64 bits Microsoft 7 Ilimitado Office 2007 (Word, Excel, Power Point) Microsoft 2003 Ilimitado Foxit reader/ acrobat Foxit 05\11 Ilimitado Scilab Scilab 3 Ilimitado Nod 32 Eset 6 Ilimitado Internet explorer Microsoft 10 Ilimitado TomCat Apache 3 Ilimitado Blue J University of Kent 3.1 Ilimitado Cisco Paket Tracer Cisco 5.3 Ilimitado My SQL workbench Oracle 5 Ilimitado Netbeans IDE Oracle 7.1 Ilimitado SQL yog Webyog Ilimitado Mozilla Firefox Mozilla 22 Ilimitado Win RAR Rarlab 4.2 Ilimitado Google Chrome Google Ilimitado Oracle VM Virtual Box Oracle 4.1 Ilimitado Versões de CAD AutoCAD Architecture AutoCAD Electrical AutoCAD Map 3D AutoCAD Mechanical AutoCAD Plant3D AutoCAD Raster Design AutoCAD Structural Detailing AutoCAD Utility Design AutoDesk Design AutoDesk Infrawork AutoDesk Professional AutoDesk MudBox AutoDesk Navisworks manage AutoDesk ReCap AutoDesk Robot Revit Analysis Professional AutoDesk Showcase AutoDesk Simulation CFD Design Hardware 20 equipamentos Optiplex IntelCore i5-3470/3.20 GHz-HD: 500 Gb-RAM: Gb 26 monitores AOC-917Sw19'' Acessórios Quadro 7 bancadas 43 cadeiras 23

24 O laboratório de Instalações hidráulicas e sanitárias foram construídos com a concepção de aquisição de conhecimentos teórico e prático sequencialmente, com instalações elétricas (aparentes em canaletas perfiladas de alumínio com acabamento pré- zincado), quadro de luz no interior do laboratório dimensionado para exibição instrutiva e instalações hidrossanitárias aparentes em aquário de vidro em todos os andares do prédio. Laboratório Instalações Hidráulicas e Sanitárias Equipamentos Fabricante Bancada de Eletricidade Industrial SOMA Módulo Bancada Controle de Velocidade de Motores CA SOMA Transformadores trifásicos didáticos SOMA Conjunto de Magnetismo e Eletromagnetismo Azeheb A biblioteca do Colégio São Joaquim está localizada num espaço de 1.621,63 m 2. Este espaço comporta o acervo, com amplas salas de estudo em grupo e individual, 09 salas fechadas de estudo em grupo e área funcional. Para a realização de pesquisas, a biblioteca conta com 5 computadores de livre acesso aos alunos. O horário de funcionamento é: de segunda a sexta-feira: das 7h45 às 22h e, aos sábados, das 8h às 16h. O acervo na área do Curso está dividido em conteúdos básicos, profissionalizantes e específicos, sendo constantemente atualizado, tanto pela aquisição de novos títulos, como pelo descarte de títulos obsoletos ou danificados. O corpo docente pode solicitar a aquisição de novos títulos para aquisição através das coordenações. A Biblioteca está equipada com informatização para consultas de títulos pela internet e os alunos podem, mediante os critérios regulamentares, retirar o livro em empréstimo ou consulta, reservá-lo, renová-lo ou utilizar as mesas e cadeiras em saguão contíguo que se configura como salas de leitura, em ambiente arejado e adequado ao objetivo. Os livros estão agrupados conforme as normas da Biblioteconomia através da CDU. Nos planos de ensino das disciplinas são indicados os títulos de bibliografia básica. O acervo da biblioteca do curso é constantemente atualizado, tanto pela aquisição de novos títulos, como pelo descarte de títulos obsoletos ou danificados. A política de aquisição visa estabelecer: I. Critérios para seleção: que abordem o conteúdo dos documentos, a adequação ao usuário e aspectos adicionais do documento. 24

25 II. Fontes para seleção: variados tipos de bibliografias gerais e específicas, catálogos, guias de literatura, opinião dos usuários e outros. III. Responsabilidade pela seleção: qualitativa, feita em cooperação com a bibliotecária responsável e o corpo docente; quantitativa, material que faça parte da lista da bibliografia básica. IV. Prioridade de aquisição: bibliografia básica e complementar de livros e obras de referência; assinatura de periódicos cujos títulos já fazem parte da lista básica, conforme indicação dos docentes; documentos e materiais para desenvolvimento de pesquisa, materiais para dar suporte técnico a outros setores da Instituição. V. Doações: será analisada a autoridade do autor, editor e demais responsabilidades, atualização do tema abordado no documento, estado físico do documento, documentos de interesse para a Universidade, relevância do conteúdo para a comunidade universitária e indicação do título em bibliografias. No caso de periódicos serão aceitos para completarem falhas; em caso de não existência do título, serão aceitos somente aqueles cujo conteúdo seja adequado aos interesses da comunidade universitária; indexação do título em índices e abstracts; citação do título em bibliografias. VI. Descarte de livros: inadequação, desatualização, condições físicas e duplicatas. A biblioteca é composta pelo seguinte acervo: Livros Periódicos Títulos em Títulos Total de Total de Total de Total de outras outras Títulos Volumes Títulos Exemplares línguas línguas Obras de Monografia / CD Rom DVD referência Teses Periódicos Nacionais Periódicos Estrangeiros Área Livros Títulos Volumes Títulos Volumes Títulos Volumes Ciências Agrárias Ciências Biológicas Ciências da Saúde Ciências Exatas e da Terra em

26 Ciências Humanas Ciências Sociais Aplicadas Engenharias Lingüística, Letras e Artes. Multidisciplinar TOTAL Periódicos especializados ENGENHARIA Controle e Instrumentação Net Magazine Quanta Ciências da Natureza e sua tecnologia RTI Química e derivados Web Mobile Periódicos de conhecimentos gerais Ciência Hoje Época Exame Galileu Jornal Correio Popular (jornal local) Jornal Folha de São Paulo Super Interessante Veja Bases de Dados A biblioteca conta com acesso aos portais de consulta à produção da área através dos recursos: ProQuest Research Library - Multidisciplinar (http://search.proquest.com) ProQuest ABI / INFORM - Negócios e Gestão ProQuest Professional Education - Educação e áreas correlatas (http://search.proquest.com) LAN Latin American Newsstand - Jornais latino-americanos em idioma local. 26

27 REBAE Rede de Bibliotecas da Área de Engenharia e Arquitetura Portal Periódicos. Capes Serviço de orientação pastoral Os alunos do Colégio São Joaquim contam com Serviço de Orientação Pastoral, que incentiva o envolvimento e comprometimento com os valores cristãos e filosofia Salesiana. Art O Serviço de Orientação Pastoral é coordenado por pessoa designada pelo Diretor. Art O Coordenador do Serviço de Orientação Pastoral tem as seguintes atribuições: I - elaborar e coordenar a execução de projetos que contribuam para a animação da vivência de valores cristãos no Colégio; II - coordenar e assessorar a equipe de professores de Ensino Religioso do Colégio; III - assegurar que o processo educativo-pedagógico se revista de uma dimensão evangelizadora e humanística; IV - articular a comunidade educativa no exercício da cidadania através do espírito de serviço, solidariedade, ética e justiça social; V - interagir com o SOE em projetos de orientação vocacional e familiar; Vl - participar da elaboração e implementação do Plano Escolar e da Proposta Pedagógica do Colégio. 9. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO 9.1. Pessoal docente Vivemos num momento de crescimento e de significativas mudanças no campo educacional. É preciso que a escola reflita sobre sua função como instituição na sociedade para que seu projeto pedagógico possa tornar-se real. Conhecer é o ato cognitivo de compreender para transformar a si mesmo e ao mundo em que se está estabelecendo relações entre os diversos significados de uma mesma ideia ou fato. A apropriação do conhecimento é portanto entendida como um processo constante de transformação, experimentação e atribuição de significados e relações entre eles. (citação do material didático da rede Salesiana de escolas). 27

28 Considerando atender à filosofia educacional de Dom Bosco e ao objetivo pedagógico do curso técnico de edificações que será oferecido pela escola técnica salesiana- ETECSAL, os docentes pré selecionados para lecionar as disciplinas passarão por um curso denominado Programa de Formação de Docentes, que tem como objetivo nortear estes profissionais para os aspectos fundamentais da identidade salesiana, agregando valores ao processo educacional à professores previamente capacitados tecnicamente Programa de Formação Docente Tem como objetivo apresentar aos profissionais interessados na carreira docente, conceitos referentes à salesianidade, introdução à pedagogia em ambiente salesiano, organização e formulação do plano de aula, estratégias didáticas, atenta-los sobre as características do público que busca formação técnica no atual contexto sócio- econômico e introduzi-los à metodologia que será aplicada na ETECSAL- o sistema Dual, tais como suas características, objetivos e aplicações, além de apresentação do corpo técnico administrativo. O programa consistirá em 5 (sábados), totalizando 40 (quarenta) horas. Os candidatos terão as horas disponíveis, assim como alimentação e transporte arcados pela ETECSAL. Será lecionado por especialistas nas áreas de abordagem. Ao final do curso, uma avaliação que consistirá na apresentação de uma hora-aula (50 minutos) por cada candidato, será realizada, sendo que será traçado uma intersecção entre a sua formação profissional e a matriz curricular proposta no curso técnico de Edificações na disciplina que o candidato almeja lecionar. A apresentação será avaliada pelo corpo administrativo, pedagógico e um representante do departamento de recursos humanos da instituição. Ao candidato que melhor atender a proposta pedagógica feita no decorrer do curso e que demonstrar maior didática e domínio do assunto proposto, será ofertada uma vaga como docente da ETECSAL. O programa é realizado de acordo com a demanda semestral do curso, ou seja, o primeiro visará capacitar professores que lecionarão matérias relacionadas ao primeiro módulo. A concessão de bolsas parciais ou integrais tem como objetivo promover a inclusão social, beneficiando os alunos comprovadamente carentes. Para tanto, realiza-se uma análise socioeconômica familiar, mediante a apresentação de documentos, entrevistas e visitas domiciliares. O Colégio São Joaquim mantém as seguintes modalidades de Bolsas: 28

29 Bolsas Filantrópicas (50% ou 100%). As Bolsas são destinadas aos alunos que são comprovadamente carentes de recursos financeiros ou se encontram em situações de desemprego, subemprego ou pertencem à família de baixo poder aquisitivo, realidade que inviabiliza a manutenção do pagamento das mensalidades do curso. Descontos Comerciais. 10. CERTIFICADOS E DIPLOMAS A conclusão de cada semestre cederá ao aluno que, concluído o módulo e atendido às exigências pedagógicas necessárias, o direito de adquirir certificado de Qualificação Intermediária, em acordo com a formação modular vigente. O curso técnico em Edificações oferecido pelo Colégio São Joaquim- ETECSAL está divido em quatro módulos independentes, sequenciais e, em acordo com as formações intermediárias, o aluno recebe os títulos: Auxiliar de topógrafo- concluído o primeiro módulo; Auxiliar de Manutenção Elétrica e Hidráulica- concluído o segundo módulo; Operador de Cad- concluído o terceiro módulo; Técnico em Edificações- cursado o quarto módulo e concluído a carga horária mínima de estágio exigida, o título. Caberá ao aluno a solicitação junto à secretaria da ETECSAL. Este certificado constará a denominação do eixo tecnológico e o módulo vigente, da escola e mantenedora, da matriz curricular cumprida assim como as horas de estágio desenvolvidas, se assim constar. O aluno que concluir o curso técnico, estruturado em disciplinas agrupadas em módulos, tem direito a diploma de qualificação profissional quando esses encontrarem-se em caráter de terminalidade. É condição para emissão do diploma de técnico a comprovação documental da conclusão do Ensino Médio, através da apresentação do histórico escolar e certificado. O diploma consistirá dos mesmos dados do certificado acrescentados a quantidade total de horas de estágio cumpridas. As declarações de conclusão de módulo ou de aprovação em disciplinas são expedidas, quando requeridas pelo aluno ou, se menor, pelo responsável. 29

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2013/11/1,29083/senai-educacao-profissional.html 21 de Novembro de 2013 SENAI - Educação profissional As possibilidades

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

QUESTÕES RELATIVAS AO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO

QUESTÕES RELATIVAS AO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO QUESTÕES RELATIVAS AO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO JUNHO/2008 Atualização Abarê Maynart de Oliveira GED Silvio Cardoso GED Validação João Ricardo Santa Rosa Gerente de Educação 2 Índice

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS SUMÁRIO INTERATIVO ENTENDENDO SOBRE O PROGRAMA TELECURSO TEC... 3 ÁREAS DE ESTUDO DO TELECURSO

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Alexandre de Souza Ramos Diretor da Escola Estadual de Saúde Pública

Alexandre de Souza Ramos Diretor da Escola Estadual de Saúde Pública SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA (SESAB) ESCOLA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA (EESP) RESOLUÇÃO Nº. 01/2010 - Regulamenta o desenvolvimento de Cursos de Pós-Graduação lato sensu Especialização na EESP.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCA ヌヌO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCA ヌヌO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCA ヌヌO SUPERINTEND ヌNCIA DE EDUCA ヌヌO DEPARTAMENTO DE EDUCA ヌヌO E TRABALHO Parecer n コ127/11 - DET/SEED Curitiba, 04 de ABRIL de 2011 Protocolo n コ10.678.729-8 Interessado: Colégio

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC)

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) 2012 / 2013 Prezado(a) aluno(a), É com muito orgulho e satisfação que oferecemos

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE MACHADO CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MACHADO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE MACHADO CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MACHADO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 3.2 Como Fazer o Estágio Supervisionado Curricular 3 3.3 A empresa e o supervisor

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 3.2 Como Fazer o Estágio Supervisionado Curricular 3 3.3 A empresa e o supervisor

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO

PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO PROJETO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO O Estágio Curricular Supervisionado tem como objetivo desenvolver junto ao estudante a capacidade de desenvolver uma leitura problematizadora da realidade

Leia mais

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE

AVISO Nº 003/2014 RESOLUÇÃO Nº002/2013 CTP-ESMP/PE AVISO Nº 003/2014 A Diretora da ESMP/PE, Dra. Deluse do Amaral Rolim Florentino, nos termos do Art.8º, VII, da Resolução RES-CSMP-001/00, de 31.03.2000, torna público o Regulamento da terceira turma do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL

AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL EIXO TECNOLÓGICO:Ambiente e Saúde Carga Horária: 160 horas CATALÃO GO JANEIRO- 2014 SUMÁRIO 1- Justificativa ( Inserir

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º:

Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: ESTÁGIO SUPERVISIONADO I E II 1 - Resolução: Resolução nº. 4 de 13 de julho de 2005, da Câmara de Educação Superior do CNE publicada no Diário Oficial de 19 de julho de 2005, artigo 7º: O Estágio Curricular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

Manual de Orientações às Empresas

Manual de Orientações às Empresas Manual de Orientações às Empresas Aprendizagem Profissional Comercial em Serviços Administrativos em Instituições de Saúde Carga horária: 1.333 horas Fevereiro 2014 Fls: [ 1 ] / [ 14] Prezado(a) Senhor(a)

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 03/2011 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO (FADISA)

RESOLUÇÃO FADISA N.º 03/2011 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO (FADISA) RESOLUÇÃO FADISA N.º 03/2011 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO (FADISA) O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO (FADISA), Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 Faculdade de Tecnologia da Zona Leste REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1º SEMESTRE 2015 São Paulo - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 4 3. OBJETIVOS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO...

Leia mais

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula Regulamento do Processo Seletivo para ingresso nos cursos de Graduação Bacharelado e Licenciatura e Graduação Tecnológica da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Missão Institucional Promover

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU CAPÍTULO I Dos objetivos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007. Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil

RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007. Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007 Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil O Conselho Universitário da Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ,

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA PERMANENTE Nº 01/2014 DE DE INCUBAÇÃO O Programa de Incubação de Projetos, através da coordenação da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

Para efeitos desta regulamentação consideram-se as seguintes definições:

Para efeitos desta regulamentação consideram-se as seguintes definições: O Colegiado do Curso de Engenharia Civil com ênfase em estruturas metálicas da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ) Campus Alto Paraopeba (CAP), no uso de suas atribuições e, tendo em vista

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA MECÂNICA I - INTRODUÇÃO O Curso Superior de Engenharia Mecânica prevê em sua grade curricular atividades práticas de suma

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Direito, na forma do Anexo. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CACCAU Centro de Atividades Complementares do Curso de Arquitetura e Urbanismo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Nas

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo

Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Faculdade de Tecnologia SENAI Conde José Vicente de Azevedo Curso Superior de Tecnologia em Sistemas Automotivos CATÁLOGO - Informações Acadêmicas - SÃO PAULO - SP SENAI Serviço Nacional De Aprendizagem

Leia mais

Projeto Pedagógico de Curso

Projeto Pedagógico de Curso 2012 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Projeto Pedagógico de Curso UNIVERSIDADE CUIABÁ DE FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais