CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa"

Transcrição

1 FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Curso (s) : Engenharia Mecânica Nome do projeto: INTRODUÇÃO AO SOFTWARE OPENFOAM Nome do professor orientador: Marcelo Matos Martins Nome do professor co-orientador: Dianclen do Rosário Irala Nome do coordenador(a) do Curso: Djonny Weinzierl Para a Fundação Educacional Regional Jaraguaense FERJ, mantenedora do Centro Universitário - Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul e em Joinville, encaminhamos anexo, Projeto de Iniciação Científica a ser submetido ao Edital nº.../2014 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPQ, e declaramos nosso interesse e prioridade conferida ao desenvolvimento do projeto ora proposto, assim como nosso comprometimento de que serão oferecidas as garantias necessárias para sua adequada execução, incluindo o envolvimento de equipe, utilização criteriosa dos recursos previstos e outras condições específicas definidas no formulário anexo., de de 2014 Professor orientador Professor coorientador Coordenador do Curso 1

2 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto: Introdução ao Software OpenFoam Tipo de Projeto ( 12 meses ) Resumo do Projeto: (X) Apresentado pelo professor; A utilização da simulação numérica é hoje uma realidade incontestável na análise e resolução de problemas nas engenharias. Logo, o conhecimento da simulação numérica amplifica a formação de um acadêmico nesses cursos. A partir disso o Professor Hrvoje Jasak, do Imperial College de Londres, desenvolveu o software chamado OpenFoam baseado no método dos volume finitos. O OpenFoam é um software livre utilizado para operar e manipular campos tensoriais. Os campos tensoriais são estruturas matemáticas que surgem de forma constante nas equações que regem os principais fenômenos da engenharia. A princípio o OpenFoam foi um pacote CFD (Computational Fluid Dynamics), isto é, ele era aplicado na resolução de problemas de Mecânica dos Fluidos. Porém, atualmente, ele também está sendo utilizado para a resolução de problemas de Transferência de Calor e também na Mecânica dos Sólidos. Com intuito da formação dos acadêmicos na simulação numérica, este projeto trata da introdução do software OpenFoam na resolução da equação diferencial da difusão do calor em um meio material. Problematizacão A simulação numérica computacional no meio acadêmico e industrial é hoje uma realidade incontestável, como pode ser visto na grande quantidade de artigos científicos publicados em revistas e trabalhos apresentados em congressos que abordam o tema. Esta realidade teve início e veio se consolidando desde a década de 1950, quando os computadores iniciaram o seu desenvolvimento. Na resolução de problemas de engenharia necessita-se, muitas vezes, a realização de uma análise térmica. Para tal análise faz-se necessário conhecer o perfil da distribuição de temperatura na geometria do meio material estudado. Esse projeto de pesquisa trata da aplicação do software OpenFoam (Open Field Operation and Manipulation), que é um software livre utilizado para operar e manipular campos tensoriais, na resolução da equação diferencial da difusão do calor em um meio material, que de acordo com Incropera et al. (1998), é obtida através da primeira lei da termodinâmica. Justificativa: Este trabalho de pesquisa justifica-se pelo caráter didático, já que possibilita que o acadêmico tenha o contato com o software de análise numérica OpenFoam. Esta é uma tecnologia que auxiliará o acadêmico durante o seu próprio curso de graduação e também no desenvolvimento de projetos na sua vida profissional. Adicionalmente, este trabalho também justifica-se pelo caráter científico, pois faz com que o acadêmico trabalhe como pesquisador no campo de aplicação da análise numérica computacional em engenharia. Tendo este campo de pesquisa, na atualidade, uma larga abrangência no meio acadêmico e industrial. 3

3 Objetivo Geral: Resolver de forma numérica equação diferencial da difusão do calor em um meio material aplicando o software OpenFoam. Objetivos específicos: Reconhecer os processos de transferência de calor em um meio material; Reconhecer a equação da diferencial da difusão do calor; Compreender os modos de transferência do calor; Reconhecer o OpenFoam com uma ferramenta numérica computacional; Instalar o OpenFoam na plataforma Linux; Reconhecer os comando básicos do Linux utilizados no OpenFoam; Compreender o método dos volumes finitos; Obter a distribuição de temperatura em um meio material. Metodologia: A primeira fase da pesquisa é de caráter teórico, pois, deve-se fazer um levantamento teórico sobre transferência de calor, OpenFoam, Linux e sobre o método dos volumes finitos. Ao final desta fase deve-se compreender todos os modos de transferência de calor e o significado de cada parte da equação diferencial da difusão do calor e quais as suas principais aplicações dentro do campo da engenharia. Deve-se reconhecer também que tipo de software é o OpenFoam e quais são suas possíveis utilidades na análise numérica nos diversos campos de aplicação da engenharia assim como reconhecer os principais comandos do Linux que serão aplicados no OpenFoam. Ainda, ao final desta primeira fase, deve-se reconhecer e compreender a teoria envolvida no método dos volumes finitos, passando por uma análise teórica e pelas possibilidades da sua aplicação em problemas de engenharia. A segunda fase da pesquisa trata da instalação do OpenFoam no computador na plataforma Linux, considerando que o mesmo está disponível na Web por ser um software livre. Para esta etapa deve-se utilizar os comandos do Linux analisados na fase anterior. Na terceira fase, com o OpenFoam já instalado, inicia-se a manipulação do software, verificando como desenvolver as etapas necessárias para um projeto computacional e identificando as etapas de pré-processamento, processamento e pós-processamento. A quarta fase deste projeto trata da definição de um caso específico de aplicação da equação diferencial da difusão do calor para transferência de calor em um meio material. Na quinta e última fase desta pesquisa será apresentado os resultados tanto em termos da utilização do OpenFoam como em relação aos resultados do caso de engenharia estudado, comparando com resultados da literatura. Fundamentação Teórica: OPENFOAM O OpenFoam é um software livre elaborado, originalmente, pelo Professor Hrvoje Jasak no Imperial College de Londres e utilizado para operar e manipular campos tensoriais. A princípio e durante a maior parte de sua existência o OpenFoam foi considerado um pacote CFD (Computational Fluid Dynamics), ou seja, ele era aplicado na solução de problemas de Mecânica dos Fluidos e por 4

4 sua vez na transferência de calor. Atualmente, porém, o software também está sendo utilizado para a solução de problemas aplicada a Mecânica dos Sólidos. A estrutura básica do OpenFoam é composta por dois arquivos, que são compostos por módulos escritos em C++. O primeiro arquivo é chamado de application e este é formado por módulos que se divide em duas categorias, que são: solver : este permite que o usuário escreva todas as equações e inicialize todas as variáveis que aparecem e representam um determinado caso-problema. Um solver é organizado conforme o esquema na Figura 1, onde pode-se verificar que um solver possui um módulo principal, módulos auxiliares e um arquivo que possui os módulos de compilação. O OpenFoam já disponibiliza em suas versões alguns solver para resolver problemas em fluidos e transferência de calor e outros para solução de problemas em sólidos. utilities : são módulos que são incorporados ao módulo principal para realizar tarefas de pré-processamento e pós-processamento, que vão de uma simples manipulação de dados à visualização e construção e processamento de malhas. Como no caso dos solvers o OpenFoam também disponibiliza uma grande quantidade de utilities para uma série de aplicações. Nome do solver Módulo principal do solver Módulos auxiliares do solver Módulo que faz a compilação do solver Figura 1 Organização esquemática de um solver do OpenFoam. A outra parte da estrutura do OpenFoam é chamada de run. Dentro deste arquivo aparecem os casos que o usuário esta resolvendo, que podem ser chamados de case. Um case é composto basicamente por três arquivos: que são system, constant e time directories. No arquivo system aparecem módulos que se comunicam com o solver, fornecendo a ele informações sobre o tempo no processamento, esquemas de discretização e controle do algoritmo. No arquivo constant aparecem módulos que se comunicam com o solver fornecendo informações sobre a malha e informações sobre as propriedades físicas do caso estudado. Já no arquivo time directories, aparecem módulos que fornecem ao solver informações sobre as condições de contorno e iniciais do caso. Um case fica organizado conforme a Figura 2. 5

5 Figura 2 Esquema de organização de um case no OpenFoam. O livre acesso ao código, que fornece ao usuário a oportunidade de analisar e estudar o algoritmo e, se necessário, alterar ou criar um novo código; as ferramentas gratuitas de geração de malha e visualização de dados incorporados ao pacote; a generalidade da malha (estruturada ou nãoestruturada), a possibilidade de importar malhas de outros programas (gratuitos e comerciais); a possibilidade de interação direta com os desenvolvedores do pacote OpenFoam (em listas de discussão em inglês na internet),; a ampla faixa de aplicações na engenharia; a possibilidade de multi-plataforma (Linux, Solaris, MacOS, Linux 64 bits, etc); a possibilidade de executar simulações de grande porte em um cluster de computadores; implementações cada vez mais eficientes de paralelismoalém de ferramentas de exportação de resultados para visualização em outros programas gráficos são características que fazem com que cada vez mais a comunidade acadêmica junte-se ao uso do OpenFoam. Logo, o OpenFoam, como na sua origem, tende a ser desenvolvido pelo meio acadêmico e está sempre na vanguarda do desenvolvimento de técnicas numéricas, tais como: geração de malha, métodos de discretização, solução de sistemas, visualização, etc. TRANSFERÊNCIA DE CALOR Na resolução de problemas de engenharia necessita-se, muitas vezes a realização de análise térmica. Para tal análise faz-se necessário conhecer o perfil da distribuição de temperatura na geometria do meio material estudado. A distribuição de temperatura surge em virtude dos fenômenos envolvidos na transferência de calor. Segundo Incropera et al. (1998), a transferência de calor em um meio material ou entre diferentes meios materiais se define pela energia em trânsito devido a uma diferença de temperatura. Incropera et al. (1998) define que podem-se observar três modos de 6

6 transferência de calor, sendo elas: condução, convecção e radiação. Esta revisão abordará considerações sobre o modo de transferência de calor por condução. De acordo com Incropera et al. (1998) a condução de calor acontece em um meio estacionário, sólido ou fluido, quando existe um gradiente de temperatura neste meio. Este processo pode ser visto como resultado da vibração atômica e molecular e é caracterizada pela transferência de energia de uma partícula mais energética para uma partícula com menor energia. A condução de calor pode ser quantificada pela Lei de Fourier. Segundo Incropera et al. (1998) a Lei de Fourier estabelece que o fluxo de calor no material seja proporcional à temperatura, ou seja: q x T A x (1) onde, q x é o fluxo de calor na direção x por unidade de área, A é a área e T x é a variação da temperatura em relação a direção x. Convertendo a proporcionalidade dada pela Equação 1 em uma igualdade, considerando uma constante característica do material, denominada Condutividade Térmica ( k ). Define-se as Equações das Taxas de Transferência de Calor por condução, dada pela seguinte equação: onde, dt q x k dx x = (2) q é taxa de transferência de calor na direção x por unidade de área, k é a condutividade térmica e dt dx é o gradiente de temperatura. A condutividade térmica é uma propriedade importante nas análises térmicas, que se define como o fenômeno segundo o qual o calor é transportado de uma região mais quente para uma mais fria do material. O sinal de menos na Equação 2 é consequência do fato de que o calor é transferido no mesmo sentido da diminuição da temperatura [INCROPERA et al., 1998]. Dentro de um meio material a transferência de calor deve satisfazer a primeira Lei da Termodinâmica ou a Lei da Conservação de Energia, isto é: W & = Q& + U& (3) onde, W & é o trabalho externo realizado sobre o meio material, Q & é quantidade de calor interno e U & é a variação da energia interna. Algumas simplificações na Equação 3 podem ser feitas dependendo da análise que se pretende fazer. Assumindo, por exemplo, que o trabalho externo realizado sobre o meio material seja zero, isto é, W & = 0 e que a variação da energia interna seja dependente somente da temperatura, temse a equação: 7

7 d Q & = U& = ( cpmt ) dt (4) onde, T a temperatura, t é o tempo, c P calor específico em pressão constante e m é a massa específica do meio material. A quantidade total de calor interno Q &, que aparece na Equação 4, pode ser escrito através do gradiente de temperatura mais a geração de calor interno q&, definindo assim a Equação da Difusão do Calor, que para o caso tridimensional e em coordenadas retangulares, fica: k x x T x + k y y T y + k z z T z + q& = ( ρ cpt ) (5) t onde, ρ é a massa específica do material, k x, k y e k z são as condutividades térmicas em cada direção do meio material e c P é o calor específico, que representa a capacidade calorífica por unidade de massa. A partir da solução da Equação 5 pode-se obter a distribuição da temperatura [INCROPERA et al., 1998]. MÉTODO DOS VOLUMES FINITOS O estudo científico tem como meta aprofundar o conhecimento teórico e prático de um determinado fenômeno, de modo a entender as suas possíveis variações. A complexidade de um fenômeno é o que define a quantidade de tempo e o valor financeiro que se deve gastar para que se tenha um maior entendimento do mesmo. Para isso o engenheiro ou pesquisador tem normalmente a disposição três abordagens para analisar um determinado fenômeno, que são: Métodos Experimentais (empírico), Métodos Analíticos (modelamento matemático) e Métodos Numéricos (computacionais). Os métodos numéricos ou computacionais resolvem problemas complexos, ou seja, podem ser consideradas condições de contorno gerais e com a vantagem da velocidade no processamento das informações, reduzindo o custo e o tempo do projeto. Por isso, os métodos numéricos vêm ganhando muito espaço no meio científico e industrial. Entretanto, em uma solução numérica, deve-se aceitar como uma das hipóteses que a solução do problema será calculada com um número discreto de pontos, isto é, um número finito de pontos, e em virtude dessa condição a solução terá um determinado erro, que pode ser controlado a partir desta quantidade de pontos discretos. Quanto maior for essa quantidade de pontos mais perto da solução analítica ficará a solução numérica. Porém, quanto maior o número de pontos, maior será o número de variáveis e maior será o número de equações. Portanto, maior será o esforço computacional para obter uma solução satisfatória. Dentre os métodos numéricos, os mais comuns e tradicionais, que são utilizados para resolver as equações diferenciais que modelam matematicamente os problemas da engenharia, são: Método dos Volumes Finitos (MVF), Método das Diferenças Finitas (MDF), Método dos Elementos Finitos (MEF) e o Método dos Elementos de Contorno (MEC). No desenvolvimento deste trabalho será utilizado o Método dos Volumes Finitos. 8

8 Segundo Maliska (2004), o MVF surgiu no início da década de 1970 e rapidamente adquiriu status de principal método numérico aplicado a dinâmica dos fluidos e transferência de calor. A característica do MVF, que chamou a atenção dos pesquisadores, foi à possibilidade de associar a interpretação física do fenômeno estudado com a matemática envolvida nas equações representativas desses fenômenos, pois, o MVF satisfaz a conservação das propriedades avaliadas tanto a nível discreto como a nível global, por ser aplicado a um volume de controle. A forma de obter as equações aproximadas no MVF, de acordo com Maliska (2004), pode seguir dois caminhos diferentes, porém, que levam a mesma equação discretizada. O primeiro aplica o balanço da propriedade de interesse sobre o volume de controle e o segundo se dá através da integração no tempo e no espaço da equação diferencial na forma conservativa, que representa o fenômeno analisado, sobre o volume de controle. Um aspecto importante na obtenção das equações discretizadas é a escolha da posição do ponto computacional em relação aos pontos da malha utilizada. O ponto computacional é o ponto onde as incógnitas ou variáveis do problema ficam armazenadas. De acordo com Maliska (2004), no posicionamento do ponto computacional no MVF podem-se seguir duas abordagens diferentes. Para ilustrar os dois tipos de abordagens na definição do ponto computacional, considere a Figura 3. A primeira abordagem considera o ponto computacional coincidindo com os pontos da malha. Isto é, no vértice da figura geométrica plana que pode ser formado com os pontos da malha, para a malha considerada têm-se triângulos. Está abordagem é chamada de Centrada no Vértice (em Inglês, cell vertex) e está mostrada na Figura 3(a). Pode-se perceber que o volume de controle (área sombreada) é formado ao redor deste ponto. Na Figura 3(b) o ponto computacional está em uma posição diferente, isto é, no centro dos triângulos que podem ser formados com os pontos da malha, fazendo com que o volume de controle seja, exatamente, esses triângulos. Esta abordagem é chamada de Centrada no Volume (em Inglês, cell center). Segundo Endre (ENDRE, S., 1992), a abordagem por Centrada no Volume tornou-se popular a partir dos trabalhos de A. Jameson, enquanto a abordagem Centrada no Vértice surgiu a partir do trabalho de R.H. Ni. Ambas as abordagens podem ser utilizadas em malhas estruturadas ou não-estruturadas, de acordo com a escolha do pesquisador. Volume de Controle Ponto Computacional a) b) Figura 3 (a) Centrada no Vértice; (b) Centrada no Volume. (MALISKA, C.R., 2004). 9

9 3. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO ETAPA OU FASE DO PROJETO CRONOGRAMA DE ATIVIDADES Atividades Mês Revisão teórica sobre transferência de calor. X 2 Revisão teórica sobre o método dos volumes finitos. X 3 Revisão teórica sobre OpenFoam. X X 4 Revisão teórica sobre Linux. X 5 Instalação do OpenFoam X X X 6 Resolução da equação da difusão do calor. X X 7 Escrever o relatório sobre a pesquisa. X X 4. REFERÊNCIAS OPENFOAM The Open Source CFD Toolbox, Programmer s Guide; Versão 1.6, acessado: setembro, OPENFOAM The Open Source CFD Toolbox, User Guide, acessado: outobro, INCROPERA, Frank P. e DEWITT, David P., Fundamentos de Transferência de Calor e de Massa. Editora: LCT. Rio de Janeiro, MALISKA, C.R., Transferência de Calor e Mecânica dos Fluidos Computacional. Editora: LCT, Rio de Janeiro, ENDRE, S., The Accuracy of Cell Vertex Finite Volume Method on Quadrilateral Meshes. Mathematics of Computation, 1992, 59, number 200, p

10 5. RESUMO DO ORÇAMENTO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA FERJ Contrapartida (quando houver parcerias) Total R$ Elementos de Despesa Quantidade Preço Unitário R$ Quantidade Preço Unitário R$ Participação em eventos Passagens e Despesa de Locomoção Material de Consumo ( descrever todos os itens ex: Papel A4, disquetes,etc..) Aquisição de Livros Cópias monocromáticas, fotocópia colorida, fotos aéreas, mapas, plotagens, cópias em metro. Equipamentos e Material Permanente , ,00 Outros ( Descrever conforme padrão) Total do Projeto 1000,00 6. EQUIPE 11

11 Professor Doutor Marcelo Matos Martins CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Possui Doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (2012), com estágio de doutorado Sanduíche na University College Dublin na República da Irlanda (2010), Mestrado em Ciências e Engenharia dos Materiais pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2006), Especialização em Educação pela Universidade da Região de Joinville(2001) e graduação em Matemática pela Universidade da Região de Joinville (1997). Área de pesquisa é a simulação numérica em mecânica computacional. Atualmente, está vinculado como professor de ensino superior no Centro Universitário Católica de Santa Catarina - Joinville. Experiência na área de educação lecionando no ensino médio a disciplina de matemática e no ensino superior às disciplinas de Cálculo diferencial e Integral, Álgebra, Geometria Analítica, Cálculo Numérico, Fenômenos de Transporte, Ciência e Tecnologia dos Materiais, Mecânica dos Sólidos Computacional e Mecânica dos Fluidos Computacional. Professor Doutor Dianclen do Rosário Irala Possui Doutorado em Física de Plasmas pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (2013), Mestrado em Ciência e Engenharia de Materiais (2007) e Graduação em Licenciatura Plena em Física (2005), ambos pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Possui experiência em Física de Plasmas, nas áreas de Nitretação a plasma, Deposição de filmes finos por pulverização catódica e na Síntese de materiais fotocatalíticos obtidos por tecnologia de plasma. É professor das disciplinas de Física I, II e III, Física Experimental, Óptica, Física Aplicada e Mecânica dos Sólidos. Importante: Anexar Currículo Lattes 1 (atualizado nos últimos 06(seis) meses), completo para toda a equipe envolvida no projeto. Texto limitado em 01 página 12

, de de 2014 FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA.

, de de 2014 FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Curso (s) : Engenharia Mecânica Nome do projeto: Introdução ao Software OpenFoam

Leia mais

Como aprimorar o uso de softwares livres no ensino de Engenharia Química

Como aprimorar o uso de softwares livres no ensino de Engenharia Química Como aprimorar o uso de softwares livres no ensino de Engenharia Química Ana Letícia Rabelo Ciscotto, Carla Brandão Taroni, Elena de Figueiredo Cabral, Isabel Carneiro Baeta Pereira, Luciano Gonçalves

Leia mais

USO DO SOFTWARE LIVRE APLICADO À ENGENHARIA QUÍMICA

USO DO SOFTWARE LIVRE APLICADO À ENGENHARIA QUÍMICA USO DO SOFTWARE LIVRE APLICADO À ENGENHARIA QUÍMICA Ana Paula Salum Duarte, Manolo Horta Barbosa Orellana, Renato Prates de Oliveira Campos Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Minas

Leia mais

Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1

Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1 Artigos Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1 Lin Chau Jen, Gerson Rissetti, André Guilherme Ferreira, Adilson Hideki Yamagushi, Luciano Falconi Coelho Uninove. São Paulo SP [Brasil]

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA QUÍMICA AO SOFTWARE LIVRE

RESISTÊNCIA DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA QUÍMICA AO SOFTWARE LIVRE RESISTÊNCIA DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA QUÍMICA AO SOFTWARE LIVRE Victor Freire de Oliveira, Rafael Yien Huei Wu, Luiz Gustavo Pimenta Martins, Ana Sílvia Pereira Gonçalves, Guilherme Marques Rodrigues.

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Sistemas de Informação Curso (s) : Bacharel em Sistemas de Informação Nome do projeto:

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL. CFD = Computational Fluid Dynamics

DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL. CFD = Computational Fluid Dynamics DINÂMICA DOS FLUIDOS COMPUTACIONAL CFD = Computational Fluid Dynamics 1 Problemas de engenharia Métodos analíticos Métodos experimentais Métodos numéricos 2 Problemas de engenharia FENÔMENO REAL (Observado

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) :Engenharia Mecânica Nome do projeto: Modelagem matemática e validação experimental

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Colegiado de Sistemas de Informação Curso (s) : Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

OBJECTIVOS DA DISCIPLINA CORPO DOCENTE

OBJECTIVOS DA DISCIPLINA CORPO DOCENTE OBJECTIVOS DA DISCIPLINA Realçar a importância dos fenómenos de transferência de calor. Estabelecer as equações fundamentais, as condições de fronteira e definir as hipóteses simplificativas adequadas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

LCAD. Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I. LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho

LCAD. Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I. LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho LCAD - Laboratório de Computação de Alto Desempenho LCAD Introdução ao Curso de Métodos Numéricos I Lucia Catabriga Departamento de Informática CT/UFES Processo de Solução Fenômeno Natural Modelo Matemático

Leia mais

Avaliação de modelos numéricos de CFD para o estudo do escoamento de água da piscina do RMB

Avaliação de modelos numéricos de CFD para o estudo do escoamento de água da piscina do RMB 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 Avaliação de modelos numéricos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD

AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD AVALIAÇÃO DO ESCOAMENTO DE FLUIDOS INCOMPRESSÍVEIS EM TUBULAÇÕES USANDO CFD 1 Délio Barroso de Souza, 2 Ulisses Fernandes Alves, 3 Valéria Viana Murata 1 Discente do curso de Engenharia Química 2 Bolsista

Leia mais

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA Danilo Nobre Oliveira danilonobre@danilonobre.eng.br Ginúbio Braga Ferreira ginubio@gmail.com Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG03108 MEDIÇÕES TÉRMICAS ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉRMICA DE ISOLAMENTOS EM AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM UMA SANDUICHEIRA

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM UMA SANDUICHEIRA Universidade Federal Fluminense Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Alunos: Helena Fuly de Resende Pinto; Luana Britto Pinto; Sofia Claudia Martagão Gesteira. Professores: Arlindo de Almeida

Leia mais

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 1º A 2016 Noturno Central 1S/2016 Introdução à Engenharia de Controle à Automação Lógica e Matemática Discreta Física Geral Física Geral Fundamentos de Cálculo Lógica e Matemática Discreta Algoritmos e

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

onde Gr é o número de Grashof e Pr é o número de Prandtl que são definidos da forma: ; Re = UH ν ; X x

onde Gr é o número de Grashof e Pr é o número de Prandtl que são definidos da forma: ; Re = UH ν ; X x - mcsilva@fem.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP/Faculdade de Engenharia Mecânica - FEM Departamento de Energia - DE Campinas - SP - Brasil Caixa Postal 6122 CEP 13088-970 - carlosav@fem.unicamp.br

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharias

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharias FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharias Curso (s) : Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Engenharia Mecânica

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil Curso (s) : Engenharia Civil de Joinville Nome do projeto: ESTUDO DA

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1... 2 CAPÍTULO 2... 6 CAPÍTULO 3... 18 CAPÍTULO 4... 23 CAPÍTULO 5... 32 CAPÍTULO 6... 36 CAPÍTULO 7... 41 CAPÍTULO 8...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1... 2 CAPÍTULO 2... 6 CAPÍTULO 3... 18 CAPÍTULO 4... 23 CAPÍTULO 5... 32 CAPÍTULO 6... 36 CAPÍTULO 7... 41 CAPÍTULO 8... SUMÁRIO CAPÍTULO 1... 2 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Apresentação e organização da monografia... 3 1.2. Motivação... 4 1.3. Objetivos... 5 CAPÍTULO 2... 6 2. HISTÓRICO E APLICAÇÕES DO CFD... 6 2.1 Aplicações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Ciências Contábeis Nome do projeto: LEVANTAMENTO E APLICAÇÃO DO OS MÉTODOS

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PPGEM 2015-02

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PPGEM 2015-02 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PPGEM 2015-02 RESUMO DO EDITAL Ano: 2015 Semestre: 02 Coordenador do Programa: Edson José Soares Data do edital (por extenso): 22 de junho de 2015 Período de inscrições: 21

Leia mais

1 Descrição do Trabalho

1 Descrição do Trabalho Departamento de Informática - UFES 1 o Trabalho Computacional de Algoritmos Numéricos - 13/2 Métodos de Runge-Kutta e Diferenças Finitas Prof. Andréa Maria Pedrosa Valli Data de entrega: Dia 23 de janeiro

Leia mais

Diferenciais Parciais

Diferenciais Parciais Capítulo Solução Numérica de Equações Diferenciais Parciais. Introdução Uma equações diferencial parcial (EDP) pode ser escrita na forma geral a φ x + b φ x y + φ c y + d φ x + e φ + fφ+ g = 0 (.) y onde

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Desenvolvimento de um gerador de malhas para o estudo do escoamento transônico em um aerofólio

Desenvolvimento de um gerador de malhas para o estudo do escoamento transônico em um aerofólio Desenvolvimento de um gerador de malhas para o estudo do escoamento transônico em um aerofólio Leo Moreira Lima. ITA Instituto tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, 12228-900, Brasil. Bolsista

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

Palavras chave: plasma, escoamento supersônico, reentrada atmosférica, bocal CD cônico, CFD.

Palavras chave: plasma, escoamento supersônico, reentrada atmosférica, bocal CD cônico, CFD. Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 9 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 9. APLICAÇÃO DA SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional Lista 09 integral aproximada

Cálculo Numérico Computacional Lista 09 integral aproximada ORIENTAÇÃO ORIENTAÇÃO 2 Cálculo Numérico Computacional Lista 09 integral aproximada tarcisio@member.ams.org T. Praciano-Pereira Dep. de Matemática alun@: Univ. Estadual Vale do Acaraú 3 de março de 2008

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções

Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções Universidade Federal do Paraná UFPR Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções Amanda Carvalho de Oliveira Juliana Rodrigues de Araújo Marcelo José Cardozo Caldeira Mayara Poyer da Silva Verediana

Leia mais

Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético

Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético Simulação Numérica do Aquecimento de Água Utilizando-se um Cilindro Ferromagnético Paulo Tibúrcio Pereira, Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ Engenharia de Telecomunicações 36420-000, Ouro Branco,

Leia mais

Os Métodos Computacionais em Hemodinâmica

Os Métodos Computacionais em Hemodinâmica Os Métodos Computacionais em Hemodinâmica Rui Lima 1, 2, Ken-ichi Tsubota 2, Shigeo Wada 2, Takami Yamaguchi 2 1 - Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Escola Superior de Tecnologia e de Gestão (ESTiG),

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL DE MONTE CARLO ADAPTADO COMO RECURSO DIDÁTICO PARA O ESTUDO DOS MECANISMOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR

MÉTODO COMPUTACIONAL DE MONTE CARLO ADAPTADO COMO RECURSO DIDÁTICO PARA O ESTUDO DOS MECANISMOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR MÉTODO COMPUTACIONAL DE MONTE CARLO ADAPTADO COMO RECURSO DIDÁTICO PARA O ESTUDO DOS MECANISMOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR Guilherme Dionisio 138396@upf.br Luiz Eduardo Schardong Spalding spalding@upf.br

Leia mais

Metodologia de ensino de dinâmica dos fluidos computacional aplicada ao curso de engenharia ambiental

Metodologia de ensino de dinâmica dos fluidos computacional aplicada ao curso de engenharia ambiental Metodologia de ensino de dinâmica dos fluidos computacional aplicada ao curso de engenharia ambiental Enilene Regina Lovatte elovatte@gmail.com Universidade do Federal do Espírito Santo, Centro Tecnológico

Leia mais

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural

MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 00 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia MDF: Conceitos Básicos e algumas Aplicações na Engenharia Estrutural L. R.

Leia mais

Grade Curricular - Engenharia de Computação

Grade Curricular - Engenharia de Computação Grade Curricular - Engenharia de Computação SEMESTRE 1 - Obrigatórias FCM0101 Física I 6 0 6 FFI0180 Laboratório de Física Geral I 2 0 2 SAP0678 Desenho 2 0 2 SAP0679 Humanidades e Ciências Sociais 2 0

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

PACOTE SOLIDWORKS SIMULATION SOLUÇÕES DE ENGENHARIA 3D

PACOTE SOLIDWORKS SIMULATION SOLUÇÕES DE ENGENHARIA 3D PACOTE SOLIDWORKS SIMULATION SOLUÇÕES DE ENGENHARIA 3D PROJETO E ENGENHARIA 3D ORIENTADOS POR SIMULAÇÃO Fábricas de todos os setores tornaram a simulação virtual 3D uma ferramenta de engenharia valiosa

Leia mais

curso de extensão Análise de Escoamentos através de Dinâmica dos Fluidos Computacional

curso de extensão Análise de Escoamentos através de Dinâmica dos Fluidos Computacional iesss - instituto de pesquisa, desenvolvimento e capacitação curso de extensão Análise de Escoamentos através de Dinâmica dos Fluidos Computacional curso de extensão instituto P&D Análise de Escoamentos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AMBIENTE CONDICIONADO POR CÁLCULO DE BALANÇO TÉRMICO E SIMULAÇÃO CFD

AVALIAÇÃO DE AMBIENTE CONDICIONADO POR CÁLCULO DE BALANÇO TÉRMICO E SIMULAÇÃO CFD UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DCEEng - Departamento de Ciências Exatas e Engenharias Curso de Engenharia Mecânica Campus Panambi FERNANDO PETRY AVALIAÇÃO DE

Leia mais

EQUAÇÃO DE TRANSPORTE DE CALOR DE BOLTZMANN E AQUISIÇÃO DE DADOS DIGITAIS 1

EQUAÇÃO DE TRANSPORTE DE CALOR DE BOLTZMANN E AQUISIÇÃO DE DADOS DIGITAIS 1 EQUAÇÃO DE TRANSPORTE DE CALOR DE BOLTZMANN E AQUISIÇÃO DE DADOS DIGITAIS 1 ELUDKE, E. 2 ; ADORNES, A. G. R. 3 e BOHRER-ADORNES, R. 2 1 Trabalho de Ensino _UFSM 2 LAE - FÍSICA (UFSM), Santa Maria, RS,

Leia mais

CARTA CONVITE FUnC 020/2014

CARTA CONVITE FUnC 020/2014 CARTA CONVITE FUnC 020/2014 A FUnC encaminha a presente Carta Convite, para se houver interesse, participar do processo de fornecimento dos seguintes materiais e serviços: ABERTURA DE PROPOSTAS PARA MONTAGEM

Leia mais

UM RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DA TERMODINÂMICA: ANIMAÇÕES VIRTUAIS INTERATIVAS

UM RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DA TERMODINÂMICA: ANIMAÇÕES VIRTUAIS INTERATIVAS UM RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DA TERMODINÂMICA: ANIMAÇÕES VIRTUAIS INTERATIVAS João Bosco Abrantes Júnior Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Matemática - UEPB E-mail: jbaj25@yahoo.com.br

Leia mais

VAZAMENTOS CALCULADOS: UMA ANÁLISE FÍSICA

VAZAMENTOS CALCULADOS: UMA ANÁLISE FÍSICA VAZAMENTOS CALCULADOS: UMA ANÁLISE FÍSICA Mauricio Oliveira Costa (mauricio@tex.com.br) 2.009 RESUMO A proposta deste artigo consiste em apresentar uma análise sob a ótica da Física e Matemática sobre

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS C. R. RODRIGUES VELOSO 1, R. GEDRAITE 2 1 Bolsista PIBIC FAPEMIG/UFU, discente do curso de Engenharia Química 2 Professor da Faculdade de

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Design pedagógico Módulo IV

Design pedagógico Módulo IV Energia Design pedagógico Módulo IV Escolha do tópico O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser utilizados para engajar os

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES. Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES. Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares Orientador: Prof. Dr. Pedro J. de Rezende Orientado: Flávio

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE A Pró-Reitora de Graduação do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos UniFEB

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA EDITAL DE SELEÇÃO NÍVEL: MESTRADO ; ANO LETIVO: 2012

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA EDITAL DE SELEÇÃO NÍVEL: MESTRADO ; ANO LETIVO: 2012 CURSO DE EDITAL DE SELEÇÃO NÍVEL: MESTRADO ; ANO LETIVO: 2012 A Universidade Federal Fluminense (UFF), através da Coordenação de Pós-graduação Stricto Sensu em Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com 1 Algoritmos Representação Exercícios Linguagens de Programação Compilador Interpretador Ambiente de Desenvolvimento Python Característica Para que serve Onde

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com visualização em VRML

Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com visualização em VRML Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com Antonio de Paula Pedrosa Universidade Severino Sombra-USS Vassouras-RJ, Brasil tonywebdevelop@hotmail.com Carlos Vitor de Alencar

Leia mais

EDITAL 001/2015-DP/PROPESP/UFAM

EDITAL 001/2015-DP/PROPESP/UFAM EDITAL 001/2015-DP/PROPESP/UFAM PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (IC) (PERÍODO DE VIGÊNCIA: AGOSTO/2015 A JULHO/2016) A, em conformidade com as diretrizes dos

Leia mais

Think Idea S/A. Documento Visão. Versão 1.0

Think Idea S/A. Documento Visão. Versão 1.0 Think Idea S/A Documento Visão Versão 1.0 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor(es) 02/12/2013 1.0 Documento Inicial Projeto Integrador Bruno Rodrigues, Edy Laus, Igor Pereira, Marcelo Gonçalves

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Bacharelado de Teologia

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Bacharelado de Teologia FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Bacharelado de Teologia Curso (s) : Bacharelado de Teologia Nome do projeto: Histórico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Direito Curso (s) : Direito Nome do projeto: DIREITO E PEDAGOGIA DAS COMPETÊNCIAS: DESAFIOS

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Difusão. Introdução Histórica

Difusão. Introdução Histórica Estas notas de aula estão fortemente baseadas no livro de T. F. Weiss (2 vols.) indicado na bibliografia. Difusão A difusão pode ser definida como o processo pelo qual uma população de partículas é transportada

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO IEAV- 01/2015

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO IEAV- 01/2015 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO IEAV- 01/2015 A UNIÃO, por intermédio do Ministério da Defesa, neste ato

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

SOFTWARE DIDÁTICO PARA PROCESSAMENTO DE SINAIS

SOFTWARE DIDÁTICO PARA PROCESSAMENTO DE SINAIS SOFTWARE DIDÁTICO PARA PROCESSAMENTO DE SINAIS Felipe Marcon 1 e Álvaro L. Stelle 2 Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrônica Av. Sete de Setembro, 3165 80230-901

Leia mais

Introdução A Engenharia Da Computação

Introdução A Engenharia Da Computação Introdução A Engenharia Da Computação AULA I Slide 1 O Que é Engenharia? [De engenho + -aria.] Substantivo feminino 1.Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado.

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. MODELODEPROJETODEPESQUISA (Form_pesq_01) TÍTULO DO PROJETO Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. AUTORES Relacionar todos os autores participantes do projeto: coordenador,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 02 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Simulações Computacionais no Ensino

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Física e Química A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 715/Época Especial Critérios de Classificação 11 Páginas

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais