Secretaria Executiva de Fazenda. Declaração de Atividades do Contribuinte DAC 2.1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria Executiva de Fazenda. Declaração de Atividades do Contribuinte DAC 2.1"

Transcrição

1 GOVERNO DE ALAGOAS Secretaria Executiva de Fazenda MANUAL DE PREENCHIMENTO Declaração de Atividades do Contribuinte DAC Mensal Empresa normal DAC Quadrimestral EPP e ME DAC 2.1

2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO QUEM DEVE APRESENTAR A DAC PRAZOS PARA ENTREGA DA DAC CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA REQUISITOS DESEJÁVEIS INICIANDO O PROGRAMA DAC MENU CADASTROS CONTABILISTA RESPONSÁVEL LEGAL CONTRIBUINTE CRIANDO UMA NOVA DECLARAÇÃO IMPORTANDO UMA DECLARAÇÃO CONSULTA DE DECLARAÇÃO COMO ABRIR UMA DECLARAÇÃO COMO GERAR UMA DECLARAÇÃO COMO IMPRIMIR UMA DECLARAÇÃO COMO EXPORTAR UMA DECLARAÇÃO COMO EXCLUIR UMA DECLARAÇÃO TRANSMISSÃO PELA INTERNET PROBLEMAS ENCONTRADOS DURANTE A TRANSMISSÃO SITUAÇÕES QUE IMPEDEM A TRANSMISSÃO RECIBO DE TRANSMISSÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO QUADRO II ENTRADAS E SAÍDAS PASTA I ENTRADAS PASTA II SAÍDAS ( NORMAL, PRODUTOR RURAL/EXTRATOR) PASTA III SAÍDAS (EPP, MICROEMPRESA E AMBULANTE) QUADRO VI APURAÇÃO DO ICMS NORMAL PASTA I DÉBITOS DO IMPOSTO PASTA II CRÉDITOS DO IMPOSTO PASTA III APURAÇÃO DO SALDO QUADRO VII APURAÇÃO DO ICMS (EPP) QUADRO IX OBRIGAÇÕES FISCAIS PASTA I OBRIGAÇÕES FISCAIS APURADAS NO PERÍODO DE REFERÊNCIA

3 13.2 PASTA II OBRIGAÇÕES FISCAIS PAGAS NO PERÍODO DE REFERÊNCIA QUADRO XII RELATÓRIO DE UTILIZAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS QUADRO XIII ENTRADAS INTERESTADUAIS DE PRODUTOS COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PASTA I FORNECEDOR INSCRITO NO CACEAL PASTA II FORNECEDOR NÃO INSCRITO NO CACEAL ANEXOS TABELA DE CFOP SIMPLIFICADO UTILIZADO POR ME E AMB DECRETO 545/02 DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA PRINCIPAL (ART.20-28) INTRODUÇÃO QUEM DEVE APRESENTAR A DAC PRAZOS PARA ENTREGA DA DAC CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA REQUISITOS DESEJÁVEIS 5 2 INICIANDO O PROGRAMA DAC MENU 6 3 CADASTROS CONTABILISTA RESPONSÁVEL LEGAL CONTRIBUINTE 9 4 CRIANDO UMA NOVA DECLARAÇÃO 11 5 IMPORTANDO UMA DECLARAÇÃO 12 6 CONSULTA DE DECLARAÇÃO COMO ABRIR UMA DECLARAÇÃO COMO GERAR UMA DECLARAÇÃO COMO IMPRIMIR UMA DECLARAÇÃO COMO EXPORTAR UMA DECLARAÇÃO COMO EXCLUIR UMA DECLARAÇÃO 14 7 TRANSMISSÃO PELA INTERNET PROBLEMAS ENCONTRADOS DURANTE A TRANSMISSÃO SITUAÇÕES QUE IMPEDEM A TRANSMISSÃO 16 8 RECIBO DE TRANSMISSÃO 17 9 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO QUADRO II ENTRADAS E SAÍDAS PASTA I ENTRADAS PASTA II SAÍDAS ( NORMAL, PRODUTOR RURAL/EXTRATOR) PASTA III SAÍDAS (EPP, MICROEMPRESA E AMBULANTE) QUADRO VI APURAÇÃO DO ICMS NORMAL PASTA I DÉBITOS DO IMPOSTO PASTA II CRÉDITOS DO IMPOSTO PASTA III APURAÇÃO DO SALDO QUADRO VII APURAÇÃO DO ICMS (EPP) QUADRO IX OBRIGAÇÕES FISCAIS PASTA I OBRIGAÇÕES FISCAIS APURADAS NO PERÍODO DE REFERÊNCIA PASTA II OBRIGAÇÕES FISCAIS PAGAS NO PERÍODO DE REFERÊNCIA QUADRO XII RELATÓRIO DE UTILIZAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS QUADRO XIII ENTRADAS INTERESTADUAIS DE PRODUTOS COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PASTA I FORNECEDOR INSCRITO NO CACEAL PASTA II FORNECEDOR NÃO INSCRITO NO CACEAL A 36

4 1 INTRODUÇÃO A Secretaria Executiva de Fazenda do Estado de Alagoas instituiu e normatizou através do Decreto nº 998 de 25 de novembro de 2002 e da Instrução Normativa nº 29 de 30 de dezembro de 2002 o documento denominado Declaração de Atividades do Contribuinte DAC, instrumento informatizado destinado a coletar dados periódicos dos contribuintes inscritos no CACEAL. A Declaração de Atividades do Contribuinte DAC entra em vigor a partir do mês de janeiro de 2003, substituindo e unificando em uma só declaração, as seguintes: Declaração Anual do Contribuinte DAC, de que trata o Decreto nº , de ; Documento de Informação Mensal DIM, de que trata o art. 272 do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº , de ; Relatório de Emissão e Cancelamento de Documentos Fiscais e Formulários Contínuos destinados à sua impressão, de que trata o art. 22, II, do Decreto nº 79, de ; O documento previsto no inciso V do art. 29 do Decreto nº 545, de 23 de fevereiro de 2002, de entrega pelos contribuintes enquadrados como Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Ambulante. 1.1 QUEM DEVE APRESENTAR A DAC Estão obrigados à apresentação da DAC todos os contribuintes inscritos no CACEAL, à exceção do inscrito na condição de substituto tributário (CACEAL 245). Periodicidade de entrega da DAC: Mensal Empresa Normal (CACEAL 240 e 241) Quadrimestral Empresa de Pequeno Porte (CACEAL 246) Microempresa (CACEAL 248) Anual Produtor Rural e Extrator (CACEAL 243) Ambulante (CACEAL 247) Atenção! Os contribuintes que apresentam a declaração mensal ou quadrimestral devem ainda, anualmente, apresentar a DAC com informações anuais (ver Instrução Normativa 029/2002). 1.2 PRAZOS PARA ENTREGA DA DAC Os contribuintes obrigados à entrega da DAC mensal deverão, em relação às informações de periodicidade mensal, entregá-la à SEFAZ até o dia 15 do mês subseqüente ao mês a ser informado e em relação as informações de periodicidade anual entregá-la até o dia 15 do mês de maio subseqüente ao período anual a ser informado. Os contribuintes obrigados à entrega da DAC quadrimestral deverão, em relação as informações de periodicidade quadrimestral, entregá-la à SEFAZ até o dia 15 do primeiro mês do período subseqüente ao informado e em relação as informações de periodicidade anual até o dia 15 do mês de maio subseqüente ao período anual a ser informado. Os contribuintes obrigados à entrega da DAC anual deverão entregá-la à SEFAZ até o dia 15 do mês de maio subseqüente ao período anual a ser informado, devendo no entanto observar a forma de apresentação das informações em cada quadro (mensal ou anual). A DAC deverá ser transmitida pela Internet ou entregue em disquete em um dos postos de atendimento da SEFAZ. 4

5 1.3 CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA O programa gerador da DAC 2.1 está disponível via Internet na página da Secretaria Executiva de Fazenda no endereço e ainda em CD ou disquete no prédio sede e em algumas gerencias regionais da SEFAZ. Além da forma convencional de digitação, o programa permite a importação de dados das declarações dos contribuintes que possuem escrituração em meio magnético a partir da geração de um arquivo formato texto de acordo com a descrição de leiaute aprovada pela SEFAZ. O programa efetua cálculos e transportes, tornando rápido e seguro o preenchimento da declaração. Os valores calculados pelo programa são inalteráveis, não podendo ser editados diretamente pelo usuário. Para modificá-los devem ser alterados os campos que lhes deram origem. Possui navegação interativa, permitindo uma visão completa da declaração, possibilitando assim, ao declarante, escolher sua seqüência de preenchimento. Inclui geração de arquivo para transmissão via Internet ou gravação em disquete para entrega nos postos de atendimento da SEFAZ. Para transmitir a DAC pela Internet, o contribuinte deverá utilizar o programa Transmissor de Declarações pela Internet TDI Sefaz, disponibilizado juntamente com o programa DAC 2.1. Após ser transmitida a declaração, o comprovante de entrega é gravado diretamente no arquivo da declaração gerado pelo contribuinte, podendo ser impresso a partir do programa transmissor da declaração. 1.4 REQUISITOS DESEJÁVEIS Para utilizar o programa DAC 2.1, são necessários os seguintes itens: Equipamento: Compatível com Pentium 200 ou superior; 32 Mb de memória RAM (64 Mb recomendado); 20 Mb disco para instalação (dependerá do volume de declarações); Resolução de vídeo 800x600 dpi. Sistema Operacional: Windows 95; Windows 98; Windows ME; Windows NT 4.0; Windows 2000 (neste sistema, é necessário que o usuário possua direitos de administrador da máquina para realizar a instalação do programa); Windows XP; 2 INICIANDO O PROGRAMA DAC Para acessar o programa, siga os passos abaixo: 1. Clique no botão Iniciar da tela do seu computador. 2. Selecione o item Programas. 3. Clique sobre o item DAC 2.1. Aparecerá a tela inicial da DAC com o seguinte menu: DAC, Tabelas, Gerência e Ajuda. 5

6 2.1 MENU Para acessar cada menu, siga os passos abaixo: 1. Clique uma vez sobre o texto do menu desejado: DAC, Tabelas, Gerência ou Ajuda. Aparecerá uma lista com as opções correspondentes a cada menu. 2. Selecione uma das opções com um clique. Aparecerá a tela correspondente à opção desejada. O menu DAC (Figura 1) contém as seguintes opções: Nova Declaração, Consultar Declaração, Importar Declaração, Enviar Declaração pela Internet e Sair. Figura 1!"$# %!& (' # Figura 1!"$# %!& (' # )*+,- Figura 1 Figura 1: Menu DAC O menu Tabelas é composto pelas tabelas que auxiliam o preenchimento da declaração. São elas: Contribuinte, Contabilista, Responsável, CFOP, Município, Produto, Despesa, UF, Receita, Agentes Arrecadadores, Espécies de Notas Fiscais e Modelos de Notas Fiscais. Nota: As tabelas Contabilista, Responsável e Contribuinte devem ser alimentadas pelo usuário antes do preenchimento da declaração. As demais tabelas estão disponíveis apenas para consulta. O menu Gerência é composto das seguintes opções: Backup e Reindexar Tabelas. Backup permite a realização de Cópia de Segurança de todos os dados armazenados pelo programa. Reindexar Tabelas é um utilitário que só deve ser utilizado nos casos em que os dados armazenados pelo programa se tornam inconsistentes ou não acessíveis. O menu Ajuda é composto das seguintes opções: Manual do Sistema e Sobre. 3 CADASTROS Para criar uma Nova Declaração é necessário que antes sejam cadastrados o contabilista, o responsável legal e o contribuinte, através do menu Tabelas. 3.1 CONTABILISTA A Tabela Contabilista é composta dos seguintes campos: CRC: Número do contabilista no Conselho Regional de Contabilidade. Informado no formato UFNNNNNNXd, onde: 6

7 UF: unidade federativa (estado) que emitiu o CRC; NNNNNN: número seqüencial do CRC; X: tipo de inscrição no CRC (O Originário; T Transferido; P Provisório; S Secundário) d: dígito verificador Ex: AL005623O2 Atenção: No acatamento da declaração, o CRC informado neste campo será confrontado com o constante no CACEAL. Caso necessário, atualizar o CRC constante no CACEAL para possibilitar a recepção da declaração sem erros. Nome: Informe o nome do contabilista. CPF: Informe o CPF do contabilista. Informe o endereço de correio eletrônico utilizado pelo contabilista. Atenção: É importante que o seja informado, pois o mesmo será utilizado para comunicações da SEFAZ-AL a respeito do recebimento da declaração e possíveis inconsistências verificadas na mesma. Telefone: Informe o telefone do contabilista. Figura 2: Tabela Contabilistas Para inserir um contabilista, siga os passos abaixo: 1. Clique uma vez no menu Tabelas. 2. Clique uma vez na aba Contabilistas. Aparece a tela mostrada na Figura Clique em Inserir. O campo CRC estará habilitado para digitação. Para alternar entre os campos, dê um clique na tecla ENTER ou TAB do teclado. 4. Preencha os dados dos campos no formato solicitado. 5. Clique no botão Salvar. 7

8 Para excluir um contabilista, siga os passos abaixo: 1. Siga os passos 1 e 2 descritos na inserção para mostrar a tabela. 2. Selecione o registro a ser excluído utilizando os botões de navegação: Primeiro, Anterior, Próximo e Último. 3. Clique no botão Excluir. Para alterar os dados de um contabilista, siga os passos abaixo: 1. Siga os passos 1 e 2 descritos na inserção para mostrar a tabela. 2. Selecione o registro a ser alterado utilizando os botões de navegação: Primeiro, Anterior, Próximo e Último. 3. Clique no botão Alterar. Os campos serão liberados para edição. 4. Altere os campos desejados. 5. Clique no botão Salvar. 3.2 RESPONSÁVEL LEGAL A Tabela Responsáveis é composta dos seguintes campos: CPF: Informar o CPF do responsável legal da empresa. Atenção: No acatamento da declaração, o CPF informado neste campo será confrontado com o constante no cadastro CACEAL. Caso necessário, atualizar o cadastro CACEAL para possibilitar a recepção da declaração sem erros. Nome: Informar o nome do responsável legal da empresa. Informar o endereço de correio eletrônico utilizado pelo responsável legal da empresa. Atenção: É importante que o seja informado, pois o mesmo será utilizado para comunicações da SEFAZ-AL a respeito do recebimento da declaração e possíveis inconsistências verificadas na mesma. Telefone: Informar o telefone do responsável legal da empresa. Para inserir um responsável, siga os passos abaixo: 1. Clique uma vez no menu Tabelas. 2. Clique uma vez na aba Responsáveis. Aparece a tela mostrada na Figura Clique em Inserir. O campo CPF estará habilitado para digitação. Para alternar entre os campos, dê um clique na tecla ENTER ou TAB do teclado. 4. Preencha os dados dos campos no formato solicitado. 5. Clique no botão Salvar. 8

9 Figura 3: Tabela Responsáveis Para excluir um responsável, siga os passos abaixo: 1. Siga os passos 1 e 2 descritos na inserção para mostrar a tabela. 2. Selecione o registro a ser excluído utilizando os botões de navegação: Primeiro, Anterior, Próximo e Último. 3. Clique no botão Excluir. Para alterar os dados de um responsável, siga os passos abaixo: 1. Siga os passos 1 e 2 descritos na inserção para mostrar a tabela. 2. Selecione o registro a ser alterado utilizando os botões de navegação: Primeiro, Anterior, Próximo e Último. 3. Clique no botão Alterar. Os campos serão liberados para edição. 4. Altere os campos desejados. 5. Clique no botão Salvar. 3.3 CONTRIBUINTE O usuário deve informar nesta tabela, os dados de todos os contribuintes que precisam gerar a DAC a partir deste sistema. Antes de inserir um contribuinte, deve-se ter inserido o contabilista e responsável legal em suas respectivas tabelas, como mostrado nas seções 3.1 e 3.2. As informações desta tabela podem ser obtidas na Ficha de Inscrição Cadastral FIC do contribuinte. A Tabela Contribuintes é composta dos seguintes campos: 9

10 CACEAL: Informe a Inscrição estadual do Contribuinte no Cadastro de Contribuintes do Estado de Alagoas. Razão Social: Informe o Nome ou Razão Social do Contribuinte. CNPJ: Informe o CNPJ do Contribuinte no Ministério da Fazenda. Informe o endereço de correio eletrônico do contribuinte utilizado para ler as mensagens recebidas pela Internet. Atenção: É importante que o seja informado, pois o mesmo será utilizado para comunicações da SEFAZ-AL a respeito do recebimento da declaração e possíveis inconsistências verificadas na mesma. Responsável Legal: Selecione um dos responsáveis cadastrados (ver seção 3.2). Contabilista: Selecione um dos contadores cadastrados (ver seção 3.1). ME, AMB: Caso o contribuinte não possua contador e tenha selecionado por engano algum contador cadastrado, deve apagar esta informação clicando sobre o nome do mesmo e teclando DEL ou DELETE. Figura 4: Tabela Contribuintes Para inserir um contribuinte, siga os passos abaixo: 1. Clique uma vez no menu Tabelas. 2. Clique uma vez na aba Contribuintes. Aparece a tela mostrada na Figura Clique em Inserir. O campo Caceal estará habilitado para digitação. Para alternar entre os campos, dê um clique na tecla ENTER ou TAB do teclado. 4. Preencha os dados dos campos no formato solicitado. 5. Clique no botão Salvar. 10

11 Para excluir um contribuinte, siga os passos abaixo: 1. Siga os passos 1 e 2 descritos na inserção para mostrar a tabela. 2. Selecione o registro a ser excluído utilizando os botões de navegação: Primeiro, Anterior, Próximo e Último. 3. Clique no botão Excluir. Para alterar os dados de um contribuinte, siga os passos abaixo: 1. Siga os passos 1 e 2 descritos na inserção para mostrar a tabela. 2. Selecione o registro a ser alterado utilizando os botões de navegação: Primeiro, Anterior, Próximo e Último. 3. Clique no botão Alterar. Os campos serão liberados para edição. 4. Altere os campos desejados. 5. Clique no botão Salvar. 4 CRIANDO UMA NOVA DECLARAÇÃO Antes de criar uma declaração, deve-se ter cadastrado o contribuinte (ver seção 3.3). Figura 5: Quadro I Identificação Para criar uma nova declaração, siga os passos abaixo: 1. Clique na opção Nova Declaração do menu DAC ou no botão na barra de ferramentas. Aparece a tela Nova Declaração como mostrado na Figura Selecione um contribuinte já cadastrado através do botão ou digite o CACEAL do contribuinte no campo correspondente e tecle ENTER. O programa mostra na tela os dados do contribuinte escolhido. 3. Informe o mês ou o quadrimestre de referência da declaração indicando-o no campo Escolha o Mês ou Escolha o Quadrimestre conforme o tipo de empresa. 4. Informe as datas Inicial e Final efetivas da declaração no campo correspondente. 11

12 Estas datas devem estar contidas no período indicado no item Informe se a declaração é retificadora indicando Sim ou Não no campo Dac Retificadora?. 6. Informe se o contribuinte possui movimento a informar no período indicando Sim ou Não no campo Com Movimento?. Para acessar qualquer quadro da opção Preenchimento é necessário indicar Sim no campo Com Movimento. 7. Clique no botão Salvar. Aparece uma mensagem indicando que a operação foi bem sucedida e ao lado da aba que indica Quadro I, aparece a aba Preenchimento, caso o contribuinte possua movimento no período. 8. Clique em Preenchimento e siga os passos do capítulo 9. Para ter acesso a cada um dos quadros da DAC, clique uma vez em cima da aba que representa o mesmo. 5 IMPORTANDO UMA DECLARAÇÃO O aplicativo DAC 2.1 permite que você gere as informações, ou parte das informações que compõem a declaração, com seu sistema próprio e depois as importe para o aplicativo. O arquivo gerado pelo sistema próprio só pode conter uma DAC. Caso ocorra algum erro na importação, a DAC não será importada e você receberá uma mensagem indicando o erro encontrado. Para importar uma DAC, siga os passos abaixo: 1. Clique na barra de menu item DAC, subitem Importar Declaração em TXT. Abre a janela Importar DAC. Figura 6: Janela Importar DAC 2. Clique no botão Procurar e informe o local onde se encontra o arquivo a ser importado. Você recebe a janela Abrir do Windows contendo a árvore de discos e pastas que podem ser acessadas pelo seu computador. 3. Selecione o arquivo que contém os dados da DAC que você deseja importar. 4. Clique no botão Abrir. Você retorna a janela Importar DAC. 5. Clique no botão Importar. Para ver a declaração importada é necessário abrir a mesma (ver capítulo 6) 6 CONSULTA DE DECLARAÇÃO Através do menu Consultar Declaração do menu DAC ou do botão é possível realizar as seguintes operações sobre as declarações: Abrir, Gerar, Imprimir, Exportar, Excluir e Imprimir Requerimento de Retificação. 12

13 Na tela Consulta de Declaração aparecem todas as declarações criadas ou importadas para o programa, como mostra a Figura 7. Figura 7: Tela Consulta de Declaração O usuário deve selecionar uma ou mais declarações antes de realizar quaisquer operações sobre as mesmas. 6.1 COMO ABRIR UMA DECLARAÇÃO Para abrir uma declaração, siga os passos abaixo: 1. Selecione a declaração com um clique duplo sobre a linha que mostra a declaração ou através da tecla ESPAÇO. Na coluna Sel. aparece um X indicando que a declaração foi selecionada. Apenas uma DAC deve estar selecionada. Use o clique duplo para desmarcar uma declaração. 2. Clique no botão Abrir. Os quadros da DAC aparecem disponíveis para edição. 6.2 COMO GERAR UMA DECLARAÇÃO Para gerar uma ou mais declarações, siga os passos abaixo: 1. Selecione as declarações com um clique duplo sobre as linhas que mostram as mesmas ou através da tecla ESPAÇO. Na coluna Sel. aparece um X indicando que a declaração foi selecionada. 2. Clique no botão Gerar. 3. Informe se deseja gerar a mídia em disquete. Escolhendo Sim, a mídia será gerada em disquete para ser entregue em qualquer ponto de atendimento da SEFAZ. 13

14 Escolhendo Não, a mídia será gerada na pasta Transmitir no mesmo local onde foi instalado o programa DAC 2.1 (a pasta padrão é C:\Arquivos de Programas\DAC 2.1\Transmitir) e pode ser acessada pelo programa de transmissão de documentos pela Internet TDI SEFAZ, disponível através da opção Enviar Declaração pela Internet do menu DAC. 6.3 COMO IMPRIMIR UMA DECLARAÇÃO Para imprimir uma declaração, siga os passos abaixo: 1. Selecione a declaração com um clique duplo sobre a linha que mostra a declaração ou através da tecla ESPAÇO. Na coluna Sel. aparece um X indicando que a declaração foi selecionada. Apenas uma DAC deve estar selecionada. Use o clique duplo para desmarcar uma declaração. 2. Clique no botão Imprimir. Aparece uma tela de visualização da declaração. 3. Se precisar configurar a impressora, clique no botão. 4. Clique no botão para enviar o relatório para a impressora. 6.4 COMO EXPORTAR UMA DECLARAÇÃO A função Exportar permite que o usuário salve uma ou mais declarações em arquivos texto com extensão.dac que podem ser guardados e posteriormente podem ser facilmente recuperados através da função de importação (ver capítulo 5). Servindo inclusive para transferir declarações de um computador para outro. Para exportar uma ou mais declarações, siga os passos abaixo: 1. Selecione as declarações com um clique duplo sobre as linhas que mostram as mesmas ou através da tecla ESPAÇO. Na coluna Sel. aparece um X indicando que a declaração foi selecionada. 2. Clique no botão Exportar. Aparece um tela para selecionar a pasta que será utilizada para salvar os arquivos. 3. Selecione uma pasta específica (pode ser um disquete ou um diretório do disco rígido) e clique no botão OK. Cada declaração é salva em um arquivo com extensão DAC na pasta escolhida. O nome do arquivo é composto pelo CACEAL, tipo de declaração, competência e indicador de retificação. 6.5 COMO EXCLUIR UMA DECLARAÇÃO Para excluir uma ou mais declarações, siga os passos abaixo: 1. Selecione as declarações com um clique duplo sobre as linhas que mostram as mesmas ou através da tecla ESPAÇO. Na coluna Sel. aparece um X indicando que a declaração foi selecionada. 2. Clique no botão Excluir. 14

15 7 TRANSMISSÃO PELA INTERNET Atenção! Foram identificadas incompatibilidades de alguns sistemas operacionais com o TDISEFAZ que podem impedir a transmissão. Caso identifique algum erro durante a transmissão, siga os passos constantes na aba Ajuda do TDISEFAZ. Figura 8: Programa Transmissor de Documentos pela Internet Para transmitir uma declaração pela Internet, siga os passos abaixo: 1. Clique no Menu DAC, a opção Enviar Declaração pela Internet. O programa Transmissor de Documentos pela Internet é aberto (ver Figura 8). Na aba Mídias a transmitir aparecem listados os arquivos da DAC gerados para o disco rígido, gravados na pasta Transmitir no local onde o programa foi instalado, por padrão C:\Arquivos de Programas\DAC 2.1\Transmitir. Nota: Se não tiver certeza se a(s) mídia(s) contida(s) nesta janela contêm as declarações a serem transmitidas para a SEFAZ, exclua a(s) mídia(s) contidas nesta janela, selecionando-a(s) e clicando sobre o botão Excluir. 2. Clique na aba Transmissão. A janela da Erro! A origem da referência não foi encontrada. é mostrada pelo programa. Neste momento, o computador deve estar conectado a Internet. 3. Clique no botão Transmitir Agora para transmitir todas as mídias que estão listadas na aba Mídias a Transmitir. Neste momento o programa estabelece uma conexão com o servidor de recepção da SEFAZ, valida o formato do arquivo e verifica a competência da declaração para checar se a mesma pode ser recepcionada via Internet. A lista com as mídias transmitidas aparece na aba Mídias transmitidas. 4. Se alguma mídia não puder ser transmitida, ela deve ser excluída, selecionando-a e clicando sobre o botão Excluir na aba Mídias a transmitir. 15

16 Figura 9: Janela de transmissão 7.1 PROBLEMAS ENCONTRADOS DURANTE A TRANSMISSÃO Alguns usuários podem não conseguir transmitir uma mídia devido a impedimentos em seu conteúdo ou por alguns problemas de conexão com o servidor da SEFAZ já identificados e citados nas próximas seções. Caso o problema persista, favor comunicar a SEFAZ através do ou do Call Center ( ), a configuração de sistema operacional, provedor de acesso a Internet, telefone e para que possamos buscar soluções para os casos específicos. Na impossibilidade de transmitir a declaração via internet, estas mídias devem ser gravadas em disquete (ver capítulo Erro! A origem da referência não foi encontrada.) e entregues nos postos de atendimento da SEFAZ. 7.2 SITUAÇÕES QUE IMPEDEM A TRANSMISSÃO Mídias geradas antes da versão 2.0 com SubRelease 8 encontram-se indisponíveis para transmissão desde 10/04/2003, exceto quando estas contiverem apenas uma empresa. Declarações já enviadas impedem que a mídia que as contém seja transmitida. Neste caso deve-se gerar uma nova mídia apenas com as declarações que não foram transmitidas; Declarações retificadoras e em atraso só podem ser entregues em disquete nas sedes das coordenadorias regionais de fiscalização e estão sujeitas as penalidades previstas na legislação. Mídias inválidas não são transmitidas via Internet. Neste caso, o programa deve ser atualizado e as mídias excluídas e geradas novamente para que o servidor de recepção possa reconhecer as mídias. 16

17 8 RECIBO DE TRANSMISSÃO Para imprimir o recibo de transmissão, siga os passos abaixo: 1. Acesse a aba Mídias Transmitidas mostrada na Erro! A origem da referência não foi encontrada.. Figura 10: Tela de Mídias Transmitidas 2. Selecione o arquivo com a mídia transmitida. 3. Clique no botão Imprimir recibo. Aparece uma tela de visualização da declaração. Se precisar configurar a impressora, clique no botão. Clique no botão para enviar o relatório para a impressora. Nota: Se a declaração foi entregue em disquete, é necessário utilizar o botão Importar mídia para copiar o arquivo do disquete para a janela de mídias transmitidas. 17

18 9 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Após criar (Capítulo 4) ou abrir (Seção 6.1) uma declaração, é possível preencher a declaração. Para isso, clique sobre a aba Preenchimento que aparece ao lado do Quadro I Identificação. A DAC 2.1 possui os seguintes quadros: Quadro II Entradas e Saídas: Pasta I - Entradas de Mercadorias e Bens e/ou Aquisições de Serviços de Transportes e de Comunicação e Pasta II - Saídas de Mercadorias e Bens e/ou Prestações de Serviços de Transportes e de Comunicação; Pasta III - Saídas de Mercadorias e Bens e/ou Prestações de Serviços de Transportes e de Comunicação para EPP, ME e AMB. Quadro VI Apuração do ICMS Normal: Pasta I - Débitos do Imposto, Pasta II Créditos do Imposto e Pasta III Apuração do Saldo; Quadro VII Apuração do ICMS EPP; Quadro IX Obrigações Fiscais: Pasta I Obrigações Fiscais Apuradas no Período de Referência e Pasta II Obrigações Fiscais Pagas no Período de Referência; Quadro XII Relatório de Utilização de Documentos Fiscais; Quadro XIII Entradas Interestaduais de Produtos com Substituição Tributária: Pasta I Fornecedor Inscrito no CACEAL e Pasta II Fornecedor não inscrito no CACEAL. De acordo com o tipo de empresa, quadros diferentes da DAC são habilitados para o preenchimento: Normal: Quadros II, VI, IX, XII e XIII; EPP: Quadros II, VII, IX, XII e XIII; ME: Quadros II, IX, XII e XIII. 10 QUADRO II ENTRADAS E SAÍDAS Este quadro será preenchido com as informações de entradas e de saídas de mercadorias e bens ou aquisição de serviços de transportes e de comunicação realizadas no período. Para acessar este quadro, clique sobre Quadro II na parte superior dos quadros. Este quadro é composto pelas pastas: Pasta I Entradas; e Pasta II ou III Saídas que são acessadas a partir de um clique sobre a descrição da mesma na parte inferior do quadro PASTA I ENTRADAS Para contribuintes enquadrados como empresa Normal, EPP, Produtor Rural ou Extrator, esta pasta deve ser preenchida com os valores de entradas lançados no Livro de Registro de Apuração do ICMS. Já para as Microempresas e Ambulantes, esta pasta deve ser preenchida com os valores de entradas lançados no Livro de Entradas (quando a legislação o exigir) ou pelo somatório das notas fiscais de entradas quando houver a dispensa do Livro, observando-se a origem das mesmas (internas, interestaduais e do exterior) e o CFOP (Código Fiscal de Operações e Prestações). Os valores a serem informados devem corresponder ao indicado para a natureza da operação por CFOP utilizado por tipo de contribuinte: CFOP com primeiro dígito igual a 1(um) correspondem às operações de entradas internas. 18

19 CFOP com primeiro dígito igual a 2(dois) correspondem às operações de entradas interestaduais. CFOP com primeiro dígito igual a 3(três) correspondem às operações de entradas do exterior. A ME e AMB utilizam CFOP simplificado de acordo com a tabela mostrada na seção ME, EPP: A informação constante nesta pasta possui periodicidade mensal, portanto ME e EPP devem selecionar na parte superior da pasta, o mês correspondente a cada período a ser informado. Esta pasta é composta pelos seguintes campos: CFOP Indicar a natureza das operações ou prestações de serviço realizadas no período de referência da declaração. Valor Contábil Indicar o valor lançado a título de Valor Contábil, na coluna ENTRADAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente ao valor total das operações realizadas referentes ao CFOP informado. Base de Cálculo Indicar o valor lançado a título de Base de Cálculo, na coluna ENTRADAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente ao valor total das operações realizadas com crédito do imposto referentes ao CFOP informado. ICMS Creditado Indicar o valor lançado a título de imposto creditado, na coluna ENTRADAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente ao total de crédito resultante das operações realizadas com crédito do imposto referentes ao CFOP informado. Isentas ou Não Tributadas Indicar o valor lançado a título de isentas ou não tributadas, na coluna ENTRADAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente às operações realizadas isentas do imposto por CFOP informado. Outras indicar o valor lançado a título de Outras, na coluna ENTRADAS do Livro de Registro de Apuração de ICMS, referente às operações realizadas sem crédito do imposto por CFOP informado. Valor Contábil de Mercadorias com ICMS Antecipado e fase de tributação encerrada - Indicar o valor contábil das mercadorias cuja entrada no estabelecimento ocorreu com antecipação do ICMS e o encerramento da fase de tributação, referente às mercadorias do CFOP informado. Ainda nesta pasta, ao selecionar o tipo de entrada interestadual, os campos a seguir são mostrados para preenchimento: Total Sul e Sudeste, exceto Espírito Santo Informar nestes campos, o valor total das entradas de cada campo procedentes dos estados do Sul e Sudeste, exceto Espírito Santo, ou seja: RS, SC, PR, SP, RJ e MG. Para preencher esta pasta, siga os passos abaixo: 1. Para ME e EPP, selecione o mês correspondente à informação a ser digitada. 2. Selecione o Tipo de Entrada a ser informada clicando com o mouse sobre o campo correspondente: Interna, Interestadual ou Exterior e clique ENTER. O campo CFOP é habilitado. 3. Clique ENTER novamente. Aparece a lista CFOP de entrada. 4. Escolha o CFOP desejado utilizando-se das seguintes teclas: Setas, Page Down e Page Up. Ou se preferir, utilize o mouse sobre a barra de rolagem e clique sobre o CFOP desejado. O campo seguinte é imediatamente selecionado. 19

20 Nota: A partir deste ponto, para abandonar a edição do registro é necessário clicar ESC. Figura 11: Quadro II, Pasta I Entradas Interestaduais 5. Para preencher os demais campos, basta digitar o respectivo valor de cada campo e clique ENTER. 6. Para passar para a linha seguinte, clique TAB ou digite até o último campo e clique ENTER. 7. ME e EPP devem repetir os passos de 1 a 6 para digitar os demais meses correspondentes à declaração quadrimestral PASTA II SAÍDAS ( NORMAL, PRODUTOR RURAL/EXTRATOR) Esta pasta deve ser preenchida com os valores de saídas lançados no Livro de Registro de Apuração do ICMS, observando-se a origem das mesmas (internas, interestaduais e para o exterior) e o CFOP (Código Fiscal de Operações e Prestações). Os valores a serem informados nos campos devem corresponder ao indicado para a natureza das operações por CFOP utilizado: CFOP com primeiro dígito igual a 5(cinco) correspondem às operações de saídas internas. CFOP com primeiro dígito igual a 6(seis) correspondem às operações de saídas interestaduais. CFOP com primeiro dígito igual a 7(sete) correspondem às operações de saídas do exterior. Esta pasta é composta pelos seguintes campos: CFOP Indicar a natureza das operações ou prestações de serviço realizadas no período de referência da declaração. Valor Contábil Indicar o valor lançado a título de Valor Contábil, na coluna SAÍDAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente ao valor total das operações realizadas referentes ao CFOP informado. Base de Cálculo Indicar o valor lançado a título de Base de Cálculo, na coluna SAÍDAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente ao valor total das operações realizadas com crédito do imposto referentes ao CFOP informado. 20

21 ICMS Debitado Indicar o valor lançado a título de Imposto Debitado, na coluna SAÍDAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente ao total do débito resultante das operações realizadas com débito do imposto referentes ao CFOP informado. Isentas ou Não Tributadas Indicar o valor lançado a título de isentas ou não tributadas, na coluna SAÍDAS do Livro de Registro de Apuração do ICMS, referente às operações realizadas isentas do imposto por CFOP informado. Outras Indicar o valor lançado a título de Outras, na coluna SAÍDAS do Livro de Registro de Apuração de ICMS, referente às operações realizadas sem débito do imposto por CFOP informado. Valor Contábil das Saídas de Mercadorias cuja entrada ocorreu com antecipação de ICMS com encerramento da fase de tributação - Indicar o valor contábil das saídas das mercadorias cuja entrada no estabelecimento ocorreu com a antecipação do ICMS e encerramento da fase de tributação, referente às mercadorias do CFOP informado. Figura 12: Quadro II, Pasta II - Saídas Para preencher esta pasta, siga os passos abaixo: 1. Selecione o Tipo de Saída a ser informada clicando com o mouse sobre o campo correspondente: Interna, Interestadual ou Exterior e clique ENTER. O campo CFOP é habilitado. 2. Clique ENTER novamente. Aparece a lista CFOP de saída. 3. Escolha o CFOP desejado utilizando-se das seguintes teclas: Setas, Page Down e Page Up. Ou se preferir, utilize o mouse sobre a barra de rolagem e clique sobre o CFOP desejado. O campo seguinte é imediatamente selecionado. Nota: A partir deste ponto, para abandonar a edição do registro é necessário clicar ESC. 4. Para preencher os demais campos, basta digitar o respectivo valor de cada campo e clique ENTER. 5. Para passar para a linha seguinte, clique TAB ou digite até o último campo e clique ENTER. 21

22 10.3 PASTA III SAÍDAS (EPP, MICROEMPRESA E AMBULANTE) No caso de EPP, esta pasta deve ser preenchida com os valores de saídas lançados no Livro de Registro de Apuração do ICMS. Para as Microempresas e Ambulantes, esta pasta deve ser preenchida com os valores de saídas lançados no Livro de Saídas (quando a legislação o exigir) ou pelo somatório das notas fiscais de saídas quando houver dispensa do Livro. Deve ser observando a origem das mesmas (internas, interestaduais e para o exterior) e o CFOP (Código Fiscal de Operações e Prestações). Os valores a serem informados devem corresponder ao indicado para a natureza da operação por CFOP utilizado por tipo de contribuinte: CFOP com primeiro dígito igual a 5(cinco) correspondem às operações de saídas internas. CFOP com primeiro dígito igual a 6(seis) correspondem às operações de saídas interestaduais. CFOP com primeiro dígito igual a 7(sete) correspondem às operações de saídas do exterior. A ME e AMB utilizam CFOP simplificado de acordo com a tabela mostrada na seção ME, EPP: A informação constante nesta pasta possui periodicidade mensal, portanto ME e EPP devem selecionar na parte superior da pasta, o mês correspondente a cada período a ser informado. Esta pasta é composta pelos seguintes campos: CFOP Indicar a natureza das operações ou prestações realizadas no período de referência da declaração. Valor Contábil Valor relativo às operações e prestações realizadas, referentes ao CFOP informado. ICMS Antecipado Valor correspondente às saídas de mercadorias cujo imposto já tenha sido pago por antecipação, ressalvada a hipótese de antecipação que tenha sido realizada sem agregação de qualquer percentual para fins de mensuração da base de cálculo 1. Isentas ou Não Tributadas Valor correspondente às saídas de mercadorias isentas ou não tributadas pelo ICMS 1. Suspensão ou Diferimento Valor correspondente às saídas de mercadorias realizadas com suspensão ou diferimento da incidência do imposto 1. Redução de Base de Cálculo Valor correspondente às saídas de mercadorias com redução da base de cálculo, relativamente a parte reduzida 1. Vendas Canceladas Valor correspondente às vendas canceladas 2. Para preencher esta pasta, siga os passos abaixo: 1. Selecione o mês correspondente à informação a ser digitada. 2. Selecione o Tipo de Saída a ser informada clicando com o mouse sobre o campo correspondente: Interna, Interestadual ou Exterior e clique ENTER. O campo CFOP é habilitado. 3. Clique ENTER novamente. Aparece a lista CFOP de saída. 1 Art.24º do Decreto 545/02 2 Art.4º do Decreto 545/02 22

23 Figura 13: Quadro II, Pasta III Saídas 4. Escolha o CFOP desejado utilizando-se das seguintes teclas: Setas, Page Down e Page Up. Ou se preferir, utilize o mouse sobre a barra de rolagem e clique sobre o CFOP desejado. O campo seguinte é imediatamente selecionado. Nota: A partir deste ponto, para abandonar a edição do registro é necessário clicar ESC. 5. Para preencher os demais campos, basta digitar o valor correspondente a cada campo e clique ENTER. 6. Para passar para a linha seguinte, clique TAB ou digite até o último campo e clique ENTER. 7. Repetir os passos de 1 a 6 para digitar os demais meses correspondentes ao quadrimestre. 11 QUADRO VI APURAÇÃO DO ICMS NORMAL Este quadro deve ser preenchido com as informações referentes à apuração do ICMS das empresas enquadradas no regime normal de apuração, demonstrando o saldo (devedor ou credor) obtido através do confronto entre os débitos e os créditos oriundos das entradas e saídas de mercadorias, bens e aquisições ou prestações de serviços de transportes e de comunicação realizadas pelo contribuinte, refletindo os valores registrados no Livro de Entrada de Mercadorias, Livro de Saída de Mercadorias e Livro de Apuração do ICMS. Para acessar este quadro, clique sobre Quadro VI na parte superior dos quadros. Este quadro é composto pelas pastas Pasta I Débitos do Imposto, Pasta II Créditos do Imposto e Pasta III Apuração do Saldo, que são acessadas a partir de um clique sobre a descrição da mesma na parte inferior do quadro. Nota: Estas pastas contêm campos que são preenchidos automaticamente pelo sistema e outros que devem ser informados pelo usuário. 23

24 11.1 PASTA I DÉBITOS DO IMPOSTO Esta pasta é composta pelos seguintes campos: Por Saídas com Débito Este campo é automaticamente preenchido pelo sistema com o somatório dos totais de imposto debitado e informados nas saídas internas e interestaduais da Pasta Saídas do Quadro II da DAC. Este total corresponde ao valor do ICMS lançado na linha 001 por saída com débito do imposto do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Outros Débitos Este campo é formado pelo somatório das informações referentes a Transferências de Crédito e Outras Hipóteses: Transferências de Crédito Preencher com os valores de ICMS registrados na linha 002 outros débitos do Livro de Registro de Apuração do ICMS a título de transferências de crédito para outros estabelecimentos da mesma empresa ou não, indicando a inscrição no CACEAL e a razão social do contribuinte destinatário, bem como o dispositivo legal (legislação) e o nº do processo quando houver. Essa informação é individualizada, devendo ser repetida tantas vezes quantas forem as transferências. Outras Hipóteses Preencher com os valores de ICMS registrados na linha 002 outros débitos do Livro de Registro de Apuração do ICMS, e que não constitua transferência de crédito fazendo referência, por escrito, no campo histórico da origem do débito apurado. Estornos de Créditos Preencher com os valores do ICMS lançados na linha 003 estornos de créditos do Livro de Registro de Apuração do ICMS, fazendo referência por escrito, no campo histórico, da origem do crédito informado. TOTAL Este campo é preenchido automaticamente pelo sistema e corresponde ao valor do ICMS lançado na linha 005 total do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Figura 14: Quadro VI, Pasta I Débitos do Imposto Para preencher o campo Transferência de Crédito desta pasta, siga os passos abaixo: 1. Clique no botão que está situado ao lado do valor do campo Transferência de Crédito. Você recebe a janela correspondente ao respectivo campo como mostra a Figura

25 Figura 15: Transferência de Crédito 2. Nesta janela devem ser preenchidos os seguintes campos: CACEAL: Informe o número do CACEAL do contribuinte favorecido com a transferência de crédito; Dispositivo Legal: Informe o dispositivo da legislação que permite que a transferência seja realizada; Processo: Havendo processo que regule a transferência, o número do mesmo deve ser informado; Valor: Informe o montante de créditos transferidos para este contribuinte. 3. Para alternar entre os campos, digite ENTER. O total dos valores informados é automaticamente mostrado no campo TOTAL. Os passos 2 e 3 devem ser repetidos para todas as transferências efetuadas no período de referência. 4. Clique no botão OK quando terminar de preencher a janela. O total dos valores informado é apresentado no campo Transferências de Créditos da Pasta I. Para preencher os campos Outras Hipóteses e Estorno de Créditos, siga os passos abaixo: 1. Para cada campo a ser informado, clique no botão que está situado ao lado do valor do campo que você deseja informar. Você recebe a janela correspondente ao respectivo campo como mostra a Figura 16. Figura 16: Outras Hipóteses 2. Preencher com uma breve descrição o histórico ou a descrição da operação efetuada. 3. Tecle TAB para digitar o campo Total. 4. Clique em OK. O valor informado é apresentado no respectivo campo na Pasta I. 25

26 11.2 PASTA II CRÉDITOS DO IMPOSTO Esta pasta é composta pelos seguintes campos: Por entradas com crédito do imposto Este campo é automaticamente preenchido pelo sistema com o somatório dos totais de imposto creditado e informado nas entradas internas, interestaduais e do exterior da Pasta Entradas do Quadro II da DAC. Este total corresponde com o valor lançado na linha 006 por entradas com crédito do imposto do Livro de Registro de Entradas de Mercadorias. Outros Créditos Este campo é formado pelas informações referentes a créditos utilizados na apuração do ICMS, a seguir; ICMS Antecipado (sem encerramento) Preencher este campo com o valor do ICMS decorrente de operações de entradas em que tenha havido a antecipação tributária sem que tenha acontecido o encerramento da fase de tributação. Crédito Presumido Preencher este campo com o valor do ICMS utilizado a título de crédito presumido, previsto em legislação, que não seja decorrente de incentivos fiscais concedidos pelo PRODESIN. Crédito Presumido (PRODESIN) Preencher este campo com o valor do ICMS utilizado em decorrência da concessão de créditos fiscais por empresa incentivada pelo PRODESIN. Ativo Imobilizado 1/48 Preencher este campo com o valor do ICMS relativo a parcela permitida pela legislação em decorrência de créditos fiscais por entradas de bens para o Ativo Imobilizado. Créditos Recebidos em Transferência Preencher este campo com o valor do ICMS recebido a título de transferência de crédito. ICMS Importação Preencher este campo com o valor do ICMS decorrente de entradas do exterior. ICMS Restituição Preencher este campo com o valor do ICMS que tenha sido objeto de restituição na forma da legislação em vigor, Outras Hipóteses Preencher este campo com o valor do ICMS utilizado como crédito que não esteja enquadrado em nenhuma das opções anteriores. Informar no campo histórico a origem do crédito utilizado. Total Este campo é preenchido automaticamente pelo sistema e corresponde ao valor do ICMS lançado na linha 007 Outros Créditos do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Estornos de Débitos Preencher com o valor do ICMS lançado na linha 008 Estorno de débitos do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Sub-total Este campo (linha 010 subtotal ) é automaticamente preenchido pelo sistema e corresponde ao somatório dos valores lançados nas linhas 006; 007 e 008 do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Saldo credor do período anterior Preencher com o valor do ICMS lançado na linha 011 saldo credor do período anterior do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Total Este campo é preenchido automaticamente pelo sistema e correspondente ao somatório dos valores de ICMS lançados nas linhas 006; 007; 008; 010 e 011 do Livro de Registro de Apuração do ICMS. 26

27 Figura 17: Quadro VI, Pasta II Créditos do Imposto 1. Os campos Outras Hipóteses e Estornos de débitos devem ser preenchidos clicando-se sobre o botão e seguindo os mesmos passos descritos na Pasta I para os campos Outras Hipóteses e Estornos de Créditos PASTA III APURAÇÃO DO SALDO Esta pasta é composta dos seguintes campos: Saldo Devedor Este campo é preenchido automaticamente pelo sistema e corresponde ao valor de ICMS lançado na linha 013 saldo devedor (débito menos crédito) do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Deduções Preencher este campo com os valores de ICMS lançados na linha 014 Deduções: do Livro de Registro de Apuração do ICMS, informando no campo histórico a origem das deduções. Imposto a Recolher Este campo é preenchido automaticamente pelo sistema e corresponde ao valor do ICMS lançado na linha 015 Imposto a Recolher do Livro de Registro de Apuração do ICMS. Saldo Credor Este campo é preenchido automaticamente pelo sistema e corresponde ao valor de ICMS lançado na linha Saldo Credor (crédito menos débito) a transportar para o período seguinte do Livro de Registro de Apuração do ICMS. 27

28 Figura 18: Quadro VI, Pasta III Apuração do Saldo Para preencher o campo Deduções desta pasta, siga os passos abaixo: 1. Clique no botão que está situado ao lado direito do campo Deduções. Você recebe a janela correspondente ao respectivo campo como mostra a Figura 19. Figura 19: Deduções 2. Preencher com um breve histórico da operação efetuada. 3. Tecle TAB para digitar o campo Total. 4. Clique em OK. O valor informado é apresentado no campo Deduções da Pasta III. 28

29 12 QUADRO VII APURAÇÃO DO ICMS (EPP) Este quadro deve ser preenchido com as informações referentes à apuração do ICMS das Empresas de Pequeno Porte EPP de acordo com os Art.26º e 27º do Decreto 545/02 (ver seção 16.2). Para acessar este quadro, clique sobre Quadro VII na parte superior dos quadros. Nota: Este quadro possui campos que são preenchidos automaticamente pelo sistema e outros que devem ser informados pelo usuário. ME, EPP: A informação constante neste quadro possui periodicidade mensal, portanto ME e EPP devem selecionar na parte superior da pasta, o mês correspondente a cada período a ser informado. Este quadro é composto pelos seguintes campos: Débito do Imposto.Valor do ICMS apurado de acordo com o percentual aplicado de acordo com a faixa de recolhimento sobre a receita base de recolhimento 3. Ex:. Uma EPP enquadrada na faixa I, deve aplicar o percentual de 3,0%(três por cento) sobre sua receita base de recolhimento em cada mês, portanto, se a empresa possui esta receita no valor de R$ ,00 em um determinado mês, seu Débito do Imposto corresponde a R$ 300,00. Crédito Presumido I Crédito Presumido para manutenção e geração de empregos 4. Crédito Presumido II Crédito Presumido para incentivar a produção e a aquisição interna de mercadorias 4. Saldo do Imposto Saldo calculado automaticamente. Outras Deduções Valor correspondente a outras deduções, desde que previstas na legislação. Imposto Devido Imposto devido pelo contribuinte no período selecionado. Calculado automaticamente. 13 QUADRO IX OBRIGAÇÕES FISCAIS Este quadro deve ser preenchido com as informações referentes aos valores apurados e recolhidos a título de receitas estaduais, devendo ser preenchido com os dados existentes na escrituração fiscal (apuração do ICMS) e documentos comprobatórios dos pagamentos efetuados. Para acessar este quadro, clique sobre Quadro IX na parte superior dos quadros. Este quadro é composto pelas pastas Pasta I Obrigações Fiscais Apuradas no Período de Referência e Pasta II Obrigações Fiscais Pagas no Período de Referência, que são acessadas a partir de um clique sobre a descrição da mesma na parte inferior do quadro PASTA I OBRIGAÇÕES FISCAIS APURADAS NO PERÍODO DE REFERÊNCIA Nesta pasta são informadas todas as obrigações fiscais constantes na tabela de receitas apuradas no período de referencia para posterior pagamento. ME, EPP: A informação constante nesta pasta possui periodicidade mensal, portanto ME e EPP devem selecionar na parte superior da pasta, o mês correspondente a cada período a ser informado. 3 Art. 26º do Decreto 545/02 4 Art. 27º do Decreto 545/02 29

30 Esta pasta é composta pelos seguintes campos: Código da Receita Ao preencher este campo utilizar a tabela auxiliar para selecionar os códigos de receitas (tributos) das obrigações apuradas no período a ser informado. Especificação do Tributo Este campo é automaticamente preenchido pelo sistema com a descrição do código selecionado na opção anterior. Valor do Tributo Preencher com o valor da obrigação apurada e registrada no livro próprio para a espécie de tributo selecionada. Data de Vencimento Normal ou Diferimento Preencher com a data de vencimento prevista pela legislação para o pagamento da obrigação. Quando o imposto gozar do benefício do diferimento é esta data que deve ser indicada. Exemplo: Empresas incentivadas pelo PRODESIN cujo código de receita é ICMS INCENTIVADO e o ICMS gerado no período é diferido para 360 dias após a data do vencimento normal. Figura 20: Quadro IX, Pasta I Obrigações Fiscais Apuradas no Período de Referência Para preencher esta pasta, siga os passos abaixo: 1. Para EPP, selecione o mês correspondente à informação a ser digitada. 2. Clique sobre o campo Cód.Receita e tecle ENTER. Aparece uma lista com os códigos de receita (tributo) utilizados pela SEFAZ. 3. Selecione o código de receita desejado. O Sistema preenche a Especificação do Tributo. 4. Para alternar entre os campos tecle ENTER. Informe Valor e Data de Vencimento. 5. Repita os passos anteriores para novos lançamentos. 6. Clique em Salvar para gravar os dados. 7. Repetir os passos de 1 a 6 para digitar os demais meses correspondentes ao quadrimestre. 30

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO Documento de Utilização de Benefício Fiscal APRESENTAÇÃO Prezado Contribuinte, Instituído pela Resolução SEFAZ nº 180 de 05 de dezembro de 2008, o DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) é uma

Leia mais

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda Manual do Usuário Sistema Notapará Programa Nota Fiscal Cidadã Objetivo: Estabelecer orientações aos usuários do sistema Notapará, tais como: usabilidade, funcionalidade e navegabilidade. Manual do Usuário

Leia mais

Secretaria Executiva da Fazenda Diretoria de Arrecadação e Informações Econômico Fiscais Coordenadoria de Informações Econômico Fiscais Aprovado pela

Secretaria Executiva da Fazenda Diretoria de Arrecadação e Informações Econômico Fiscais Coordenadoria de Informações Econômico Fiscais Aprovado pela Secretaria Executiva da Fazenda Diretoria de Arrecadação e Informações Econômico Fiscais Coordenadoria de Informações Econômico Fiscais Aprovado pela Instrução Normativa Nº 004/2004 - DIEF Versão 5.1.0

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DUB-ICMS do Rio de Janeiro

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DUB-ICMS do Rio de Janeiro DUB-ICMS do Rio de Janeiro 27/12/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE ❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE a) Checagem de Estoque - Verifique o estoque dos produtos desejados. b) Listar produtos com a quantia de estoque mínimo atingido: ESTOQUE / RELATÓRIO / ALERTA DE COMPRA

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 Instruções de transmissão e preenchimento da Declaração da Movimentação de Produtos com ICMS Diferido - DMD Art. 1º Os contribuintes inscritos no cadastro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG 06/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 8 5. Informações Complementares... 8 6. Referências...

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais

SEFAZ-MA. São Luís-Ma. 2.008

SEFAZ-MA. São Luís-Ma. 2.008 SEFAZ-MA SIISTEMA DE NOTA FIISCAL AVULSA NFA MANUAL PARA O AGENTE FIISCAL São Luís-Ma. 2.008 1 INTRODUÇÃO A Nota Fiscal Avulsa foi criada para substituir a Nota Fiscal Avulsa emitida através do Siat. Ela

Leia mais

HELP PROGRAMA VALIDADOR ATO COTEPE 09/08

HELP PROGRAMA VALIDADOR ATO COTEPE 09/08 APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 2 Apresentação... 2 O que há no programa...2 Diagramas de utilização...3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 Instalação e desinstalação do programa...4 Orientações gerais...4 Ambiente

Leia mais

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Página1 e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é Nota Fiscal de Serviço eletrônica

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Corregedoria-Geral de Justiça Serviço Notarial e de Registro Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Atualizado em 29/04/2015 CONTEÚDO APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 1 DOWNLOAD DO SISNOR CARTÓRIO... 5 CAPÍTULO 2

Leia mais

PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe.

PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe. PARTE 2. Para iniciar a digitação dos dados da nota, o emitente deve clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NFe. Após clicar no menu Nota Fiscal / Emitir nova NF-e, o sistema irá exibir uma série de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079)

GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079) GERENCIAMENTO DE NF-e (VEND0079) 1. IDENTIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES NA TELA.... 2 2. FUNCIONALIDADES.... 3 2.1 EMISSÕES DE NOTAS... 3 2.2 DESTINATÁRIO DE NF-E... 4 2.3 ENVIAR NOTA POR E-MAIL... 7 2.4 VISUALIZAÇÃO...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MURIAÉ

PREFEITURA MUNICIPAL DE MURIAÉ PREFEITURA MUNICIPAL DE MURIAÉ ESTADO DE MINAS GERAIS Versão 1.12.03 Manual de Instalação do Programa de Declaração dos Contribuintes do ICMS Manual desenvolvido pela da Prefeitura Municipal de Muriaé.

Leia mais

GUIA DE INFORMAÇÃO E APURAÇÃO DO ICMS (GIA-ICMS) ESCLARECIMENTOS

GUIA DE INFORMAÇÃO E APURAÇÃO DO ICMS (GIA-ICMS) ESCLARECIMENTOS Matéria São Paulo GUIA DE INFORMAÇÃO E APURAÇÃO DO ICMS (GIA-ICMS) ESCLARECIMENTOS SUMÁRIO 1. Introdução 2. GIA-ICMS 2.1. Geração da GARE-ICMS 2.2. Preenchimento e apresentação 3. Não Obrigatoriedade 4.

Leia mais

jfisc al Versão 3.0 - Fevereiro/2015

jfisc al Versão 3.0 - Fevereiro/2015 jfiscal Versão 3.0 - Fevereiro/2015 Índice 1 INTRODUÇÃO E VISÃO GERAL... 1 2 INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INICIAL DO JFISCAL... 2 2.1 Download... 3 2.2 Instalação do jfiscal... 3 3 ADQUIRIR UMA LICENÇA DO

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Notas Fiscais Sumário 1 CONCEITO... 3 2 REQUISITOS... 3 3 CONFIGURAÇÕES... 3 3.1 Permissões... 3 3.2 Configurar NF-e... 4 3.2.1 Aba Geral... 5 3.2.2 Opções... 6 3.3 Processador

Leia mais

Manual para geração do SINTEGRA Março/ 2010

Manual para geração do SINTEGRA Março/ 2010 As instruções que se seguem referem-se a geração do arquivo SINTEGRA para a Radio Extra. É importante esta informação pois as exigibilidades do SINTEGRA variam de acordo com tributação estadual incidente

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

ROTEIRO NOTA FISCAL ELETRONICA A partir de Agosto/2012

ROTEIRO NOTA FISCAL ELETRONICA A partir de Agosto/2012 ROTEIRO NOTA FISCAL ELETRONICA A partir de Agosto/2012 1. INSTALAÇÃO DO GESTOR Confira abaixo as instruções de como instalar o sistema Gestor. Caso já tenha realizado esta instalação avance ao passo seguinte:

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA Apresentação Este sistema faz parte do Portal NFS Digital e tem o intuito de ser utilizado por emissores de Nota Fiscal de Serviços

Leia mais

Tutorial contas a pagar

Tutorial contas a pagar Tutorial contas a pagar Conteúdo 1. Cadastro de contas contábeis... 2 2. Cadastro de conta corrente... 4 3. Cadastro de fornecedores... 5 4. Efetuar lançamento de Contas à pagar... 6 5. Pesquisar Lançamento...

Leia mais

Guia de Primeiros Passos - MOVIMENTAÇÕES

Guia de Primeiros Passos - MOVIMENTAÇÕES Guia de Primeiros Passos - MOVIMENTAÇÕES Este documento tem o objetivo principal de iniciar você de forma rápida e simples no sistema.aprog., configurando as funcionalidades a sua realidade. A série Primeiros

Leia mais

Programa para validação e transmissão de dados do Simples Nacional

Programa para validação e transmissão de dados do Simples Nacional Simples Nacional mk:@msitstore:c:\arquivos%20de%20programas\programas%20rfb\dpsn\ajud... Página 1 de 1 Programa para validação e transmissão de dados do Simples Nacional Apresentação file://c:\documents

Leia mais

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP PMAT Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações Manual 1 Índice 1. O que é o Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações PMAT... 3 2. Acessando o sistema pela primeira vez Download... 3 3. Fluxogramas

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. DESCRIÇÃO DO SERVIÇO Instruções para preenchimento da Declaração de Operações Tributáveis - DOT que deverá ser entregue pela internet, com transmissão pelo programa Transmissão Eletrônica de Documentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE Versão 1.0 Belém PA - Maio 2014 Sumário 1. Introdução...

Leia mais

edoc 2012 MANUAL DO USUÁRIO Leila Maria Moura Lima / Mauricio Neves [Setembro 2012 Revisão 01/2012]

edoc 2012 MANUAL DO USUÁRIO Leila Maria Moura Lima / Mauricio Neves [Setembro 2012 Revisão 01/2012] edoc 2012 MANUAL DO USUÁRIO Leila Maria Moura Lima / Mauricio Neves [Setembro 2012 Revisão 01/2012] O presente Manual aborda a visão geral do sistema, sua instalação, formas de atualização, como fazer

Leia mais

Versão 8.2C-03. Versão da Apostila de Novidades: 2

Versão 8.2C-03. Versão da Apostila de Novidades: 2 Versão 8.2C-03 Versão da Apostila de Novidades: 2 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda.

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MANUAL DO USUÁRIO

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MANUAL DO USUÁRIO GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MANUAL DO USUÁRIO DOCUMENTO DE ARRECADAÇÃO ESTADUAL DARE-SC OFF LINE Versão 1.1.0 Projeto SEF/Santa

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin Módulo 14 CgaInformatica NFe NFe para o Sistema Retwin 2 Sumário O que é... 3 Benefícios... 3 Requisitos para Instalação e Implantação... 3 Obrigação Backup... 4 Configuração Geral do Sistema... 5 Cadastro

Leia mais

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 Conteúdo 1 - O que é o Conectividade Social? 03 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 3 - O que é necessário para instalar o Conectividade Social?.... 05 4 - Como faço para executar

Leia mais

NOTA FISCAL PAULISTA PHOENIX

NOTA FISCAL PAULISTA PHOENIX NOTA FISCAL PAULISTA PHOENIX ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 INSTRUÇÕES INICIAIS... 3 CADASTROS... 4 CADASTRO DAS EMPRESAS... 4 CADASTRO DOS CLIENTES... 4 CADASTRO DE SOFTWARE HOUSE... 5 Histórico de Versão do

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 COMO COMEÇAR... 3 5 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 4 6 CADASTRO DE VEÍCULO... 6 7 ALINHAMENTO...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA - GSF Home Page: www.sefaz.pi.gov.br COMUNICADO SEFAZ Nº 003/2007 Informa sobre a instituição da Declaração de Informações

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO Versão 1.3 (08/02/2014)

MANUAL SIMPLIFICADO Versão 1.3 (08/02/2014) MANUAL SIMPLIFICADO Versão 1.3 (08/02/2014) www.tiranota.com.br para empresas optantes do SIMPLES NACIONAL By Luiz Resende www.acontabilidade.com.br LEGENDA Algumas siglas usadas neste manual NFE = Nota

Leia mais

AJUDA PROGRAMA DE VALIDAÇÃO E ASSINATURA

AJUDA PROGRAMA DE VALIDAÇÃO E ASSINATURA AJUDA PROGRAMA DE VALIDAÇÃO E ASSINATURA LEMBRETE: Para questões acerca de preenchimentos de campos da EFD, leia o Guia Prático da EFD que está disponivel para download no endereço http://www1.receita.fazenda.gov.br/sped-fiscal/download.htm

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA BOLETIM INFORMATIVO TÉCNICO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Efetuadas diversas alterações no Cordilheira Escrita Fiscal com o objetivo de tratar a apuração do ICMS-ST, emissão de GNRE e geração da GIA-ST, bem

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO.

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Página 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAXÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. ARAXÁ MINAS GERAIS 2010 Página 2 Manual do Sistema da Nota Fiscal Eletrônica de Serviços NFS-e ÍNDICE 1. NOTA FISCAL

Leia mais

Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA

Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA Respostas às dúvidas mais frequentes a respeito do SINTEGRA Quando vou transmitir o arquivo o sistema me pede nome de usuário e senha. O que fazer? Você esta tentando transmitir o arquivo no formato TXT.

Leia mais

Manual Prático. Dayvison Alves dos Reis www.pgemp.com.br 25/09/2014

Manual Prático. Dayvison Alves dos Reis www.pgemp.com.br 25/09/2014 2014 Manual Prático Dayvison Alves dos Reis www.pgemp.com.br 25/09/2014 Sumário Sobre o PGAD e-credrural... 2 Baixando e instalando o PGAD e-credrural... 3 Acessando o PGAD e-credrural... 3 Entendendo

Leia mais

Softmatic Sistemas Integrados de Informática

Softmatic Sistemas Integrados de Informática Softmatic Sistemas Integrados de Informática Nota Fiscal Paulista Phoenix Rua Padre Estevão Pernet 215 Tatuapé Manual de Utilização ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 INSTRUÇÕES INICIAIS...3 CADASTROS...4 CADASTRO

Leia mais

!!!!!!!!!! NF-e. Manual do Usuário

!!!!!!!!!! NF-e. Manual do Usuário NF-e Manual do Usuário ÍNDICE CADASTROS NECESSÁRIOS PARA EMISSÃO DE NFE... 3 CADASTRO DE PRODUTOS... 3 CFOP... 5 PERFIL TRIBUTÁRIO... 7 CADASTRO DE CLIENTES... 9 CADASTRO DE FORNECEDOR... 10 CADASTRO DE

Leia mais

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Página1 e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é MDF-e?... 03 2. Safeweb e-nota MDF-e... 04 3. Acesso e-nota

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1 Manual de Operação do SIMPLES 1 MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. Manual de Operação do SIMPLES 2 A Empresa A ASP Desenvolvimento de Softwares

Leia mais

Manual Sistema Curumim. Índice

Manual Sistema Curumim. Índice Versão 1.0 Índice 1. Instalação do Sistema... 3 2. Botões e Legenda... 4 3. Login do Sistema... 5 4. Tela Principal... 6 5. Dados Cadastrais da Empresa... 7 6. Aluno Cadastro... 8 7. Aluno - Cadastro de

Leia mais

TUTORIAL UTILIZAÇÃO DE FUNCIONALIDADES AUDITOR FISCAL

TUTORIAL UTILIZAÇÃO DE FUNCIONALIDADES AUDITOR FISCAL TUTORIAL UTILIZAÇÃO DE FUNCIONALIDADES AUDITOR FISCAL VERSÃO DO SISTEMA 3.0/2015 VERSÃO DO DOCUMENTO 1.0 Índice 1. OBJETIVO GERAL... 2 2. ACESSO AO SISTEMA AUDITOR FISCAL... 3 3. SISTEMA AUDITOR FISCAL

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

Apostila nº 32 Contas a Pagar e a Receber; Como localizar, Incluir, Alterar, Eliminar, Baixar, reabrir e imprimir

Apostila nº 32 Contas a Pagar e a Receber; Como localizar, Incluir, Alterar, Eliminar, Baixar, reabrir e imprimir Apostila nº 32 Contas a Pagar e a Receber; Como localizar, Incluir, Alterar, Eliminar, Baixar, reabrir e imprimir Sumário Contas á Receber...3 Como atualizar a pesquisa no contas á receber?...3 Como efetuar

Leia mais

APOSTILA PARA O CURSO WFISCAL

APOSTILA PARA O CURSO WFISCAL TREINAMENTO Visão Estar posicionada entre as maiores e melhores provedoras de solução de gestão empresarial do Brasil Missão Desenvolvimento e fornecimento de soluções e serviços através de softwares para

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Manual Prático de Acesso Novo Hamburgo/RS. ISS.Net Emissor de Nota Fiscal Eletrônica

Manual Prático de Acesso Novo Hamburgo/RS. ISS.Net Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Novo Hamburgo/RS ISS.Net Emissor de Nota Fiscal Eletrônica SUMÁRIO Página LOGIN AO SISTEMA...3 EMITIR NOTA FISCAL ELETRÔNICA...7 CONSULTAR NOTA FISCAL ELETRÔNICA...12 CONSULTAR SOLICITAÇÕES DE CANCELAMENTO

Leia mais

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Secretaria De Estado de Fazenda Superintendência de Gestão da Informação Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários DECLARAÇÃO DE COMPRA

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

Escrituração de CF-e-SAT

Escrituração de CF-e-SAT P á g i n a 1 Bem vindo ao Passo a Passo do Sistema de Gestão e Retaguarda do SAT-CF-e de SP para Escrituração de CF-e-SAT Atualizado em: 25/11/2014 Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É?

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD O QUE É? A Escrituração Fiscal Digital - EFD é um arquivo digital, que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse

Leia mais

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal da Receita Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Prestação de Serviços Eletrônica

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal da Receita Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Prestação de Serviços Eletrônica Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Prestação de Serviços Eletrônica Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.1.2.0 FLORIANÓPOLIS - SC Manual do Cliente NFPS-e Versão 1.1.2.0 1 Sumário 1 ACRÔNIMOS

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

<< Roteiro de Procedimentos >>

<< Roteiro de Procedimentos >> > As ferramentas apresentadas a seguir, permitirão aos usuários do sistema Avance Retguarda, a partir da versão 8.4, o lançamento e manutenção de todas as informações necessárias

Leia mais

Copyright 2004/2015 - VLC

Copyright 2004/2015 - VLC Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Perguntas Frequentes Versão 8.1 Atualizado em 26/08/2015 Copyright 2004/2015 - VLC As informações contidas neste caderno de Perguntas e Respostas são de propriedade da

Leia mais

CRÍTICAS DO VALIDADOR ON-LINE DA DIME E INCONSISTÊNCIAS GERADAS PELO SEU PROCESSAMENTO

CRÍTICAS DO VALIDADOR ON-LINE DA DIME E INCONSISTÊNCIAS GERADAS PELO SEU PROCESSAMENTO CRÍTICAS DO VALIDADOR ON-LINE DA DIME E INCONSISTÊNCIAS GERADAS PELO SEU PROCESSAMENTO Críticas do validador on-line: somente estão relacionadas aquelas que interagem com informações de outros quadros

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Versão 1.0 Nota Salvador NFS-e Versão do Manual: 1.0 pág. 2 Manual do Sistema da Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS ÍNDICE 1. Acessando

Leia mais

SICAP Sistema de Cadastro e Prestação de Contas

SICAP Sistema de Cadastro e Prestação de Contas SICAP Sistema de Cadastro e Prestação de Contas Módulo de Cadastramento SICAP Coletor Manual de Instalação Versão 2009 ÍNDICE Manual de Instalação e Operação SICAP Coletor Índice...0 O que é o SICAP...1

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE TRIBUTAÇÃO M A N U A L D A NFS-e NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NOTA NATALENSE ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS...4 1. Acesso ao Portal do Sistema...7

Leia mais

SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE

SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE SISTEMA DE ESCRITURAÇÃO FISCAL - SEF-PE O arquivo digital do Sistema de Escrituração Fiscal (SEF) deve ser declarado pelos contribuintes inscritos no Cadastro de Contribuintes do Estado de Pernambuco CACEPE,

Leia mais

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE

ÍNDICE. ISS Online. Guia do Usuário ÍNDICE Guia do Usuário ÍNDICE ÍNDICE Setembro /2009 www.4rsistemas.com.br 15 3262 8444 IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 3 Sou localizado no município... 4 Não sou localizado no município... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 Tela

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACERTO DE ESTOQUE...

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2. Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.6) Portaria SUACIEF nº 001/2009 SUMÁRIO 1. TELA PRINCIPAL... 3 2. MENU

Leia mais

Manual do Módulo. MerchNotas

Manual do Módulo. MerchNotas Manual do Módulo MerchNotas Bento Gonçalves (RS), Agosto de 2010 Índice 1. Introdução... 4 2. Menu Entrada de Notas... 5 2.1. Entrada de Notas (F11)... 5 2.2. Entrada de Notas NFe (F12)... 8 2.3. Apuração

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Instalação da Aplicação Java...2 Instalação do Emissor...5 Instalação do Framework...7 Instalação das DLL s URL, SCHEMAS, CADEIA DE CERTIFICADO

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Nota Fiscal Avulsa para MEI

Nota Fiscal Avulsa para MEI Nota Fiscal Avulsa para MEI Orientação geral quanto ao aplicativo de emissão da Nota Fiscal Avulsa para os contribuintes inscritos no Cadastro de Contribuintes de ICMS do Estado do Pará Sumário Avisos...3

Leia mais

Dúvidas Freqüentes sobre Sintegra

Dúvidas Freqüentes sobre Sintegra Dúvidas Freqüentes sobre Sintegra 1 - Qual a legislação pertinente a arquivos eletrônicos e onde encontrá-la? O assunto é tratado pelo Convênio ICMS 57/95 e alterações e pelo Anexo VII ao Regulamento de

Leia mais

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA

MÓDULO DE NOTA FISCAL ELETRONICA MANUAL DO SISTEMA Versão 6.08 Introdução... 2 Requisitos para Utilização do Módulo NF-e... 2 Termo de Responsabilidade... 2 Certificados... 2 Criação de Séries... 2 Framework... 3 Teste de Comunicação...

Leia mais

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins 29/05/2012 1 O Sped fiscal e Pis/Confins é uma arquivo gerado através do sistema da SD Informática, onde este arquivo contem todos os dados de entrada e saída

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

Treinamento Módulo Contas a Pagar

Treinamento Módulo Contas a Pagar Contas a Pagar Todas as telas de cadastro também são telas de consultas futuras, portanto sempre que alterar alguma informação clique em Gravar ou pressione F2. Teclas de atalho: Tecla F2 Gravar Tecla

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MANUAL DA GIA ELETRÔNICA

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MANUAL DA GIA ELETRÔNICA MANUAL DA GIA ELETRÔNICA Versão 0801 Outubro de 2014 1 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 4 1.1. NOVIDADES DA VERSÃO 0801... 5 1.2. FLUXOGRAMA BÁSICO DO ICMS-SP... 5 1.3. INSTALAÇÃO DO PROGRAMA... 6 1.4. INICIANDO

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.3 11/02/2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Objetivos... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema de Digitação de Notas Fiscais de Saídas Interestaduais

Manual do Usuário. Sistema de Digitação de Notas Fiscais de Saídas Interestaduais Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso Superintendência do Sistema de Administração Tributária Manual do Usuário Sistema de Digitação de Notas Fiscais de Saídas Interestaduais 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual Operacional Versão 2.2

Manual Operacional Versão 2.2 1 Manual Operacional Versão 2.2 2 SUMÁRIO 1) Assistente de configuração 4 2) Módulo Geral 9 2.1) Administradora 9 2.2) Empresa 9 2.3) Grupo de Empresa 12 2.4) Responsável 13 2.5) CEP 13 2.6) Configurações

Leia mais

Geração do Sintegra VisualControl

Geração do Sintegra VisualControl HelpAndManual_unregistered_evaluation_copy Geração do VisualControl I Geração do - VisualControl Tabela de Conteúdo Parte I 1 1 Registro 10... 3 2 Registro 11... 4 3 Registro 50... 4 4 Registro 54... 7

Leia mais

14 - Como para gerar o boleto para pagamento do período das notas lançadas? 16 - Se no mês, o meu cliente não tiver movimento, o que devo fazer?

14 - Como para gerar o boleto para pagamento do período das notas lançadas? 16 - Se no mês, o meu cliente não tiver movimento, o que devo fazer? Manual do Sistema SUMÁRIO 1 O que é o sistema GEFISCO? 2 - Como acessar o sistema GEFISCO? 3 - Como criar um login e uma senha? 4 - Esqueci minha senha, e agora? 5 - Como acessar o Livro Fiscal? 6 - Como

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Índice 1 Introdução...2 2 Acesso ao Sistema...3 3 Funcionamento Básico do Sistema...3 4 Tela Principal...4 4.1 Menu Atendimento...4 4.2 Menu Cadastros...5 4.2.1 Cadastro de Médicos...5

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: Apresentação: 02 Método de Acesso ao Sistema Sig Iss: 02 Tela de Abertura: 03 Modo de Acesso: 04 Botões e Telas

Leia mais

MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS

MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. APRESENTAÇÃO...4 1 2. ACESSO AO APLICATIVO...5 3. GERAÇÃO DE NFS-e...6 3.1. Preenchimento dos dados para emissão da NFS-e...6

Leia mais

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo:

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: Não gere toda a movimentação de uma vez. O ideal e aconselhável

Leia mais

Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Manual do módulo Hábil NFC-e Emissor de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Hábil Empresarial 2014 by Ltda (0xx46) 3225-6234 I Hábil Empresarial NFC-e Índice 1 Cap. I Introdução 1 O que é... o Hábil NFC-e

Leia mais

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos Página1 e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é o e-nota R?... 03 2. Configurações e Requisitos...

Leia mais

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 PGMEI Pág. 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 3 1.2 OBJETIVO DO PROGRAMA... 3 1.3 A QUEM SE DESTINA... 3 1.4 TRIBUTOS ABRANGIDOS PELO SIMEI...

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais