UMA ANÁLISE DO CAPITAL HUMANO SOBRE O NÍVEL DE RENDA DOS ESTADOS BRASILEIROS: MRW VERSUS MINCER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE DO CAPITAL HUMANO SOBRE O NÍVEL DE RENDA DOS ESTADOS BRASILEIROS: MRW VERSUS MINCER"

Transcrição

1 UMA ANÁLISE DO CAPITAL HUMANO SOBRE O NÍVEL DE RENDA DOS ESTADOS BRASILEIROS: MRW VERSUS MINCER Ricardo Corrêa Cangussu Economisa pela PUC-MG Márcio A. Salvao Douor em Economia pela EPGE-FGV/RJ Professor adjuno da PUC Minas e IBMEC Minas Luciano Nakabashi Douor em economia pelo CEDEPLAR/UFMG Coordenador do boleim de Economia & Tecnologia da UFPR Professor adjuno do Deparameno de Economia da UFPR RESUMO O capial humano, a produividade e o capial físico são considerados os principais faores na deerminação do PIB per capia das economias. Conforme a abordagem neoclássica, a acumulação de capial humano explica praicamene um erço da variação do rendimeno per capia enre os países. No enano, ainda persisem discussões sobre as formas em que esse faor afea o PIB per capia. O objeivo do presene esudo é comparar duas formas funcionais da função de produção para os esados brasileiros: as proposas por SOLOW (1956) e por MINCER (1974). Também foram feias esimações do reorno marginal da educação, além da realização de uma análise da imporância do capial humano na deerminação do PIB per capia uilizando diferenes méodos de esimação, no.período de Os resulados rejeiaram a especificação neoclássica com inclusão do capial humano em favor da minceriana. Adicionalmene, o reorno marginal esimado da educação foi de 15% e os resulados empíricos susenam a eoria de que o capial humano é um dos principais faores na deerminação do nível de renda. Palavras Chave: Capial Humano; Crescimeno Econômico; Função de Produção Minceriana; Reorno da Educação. ABSTRACT Human capial, produciviy and physical capial are considered he main facors in he economies GDP per capia deerminaion. According o he neoclassical approach, human capial accumulaion explains abou a hird of he variaion in per capia income across counries. However, here is no consensus on he ways in which human capial influences GDP per capia. The presen sudy s goal is o compare wo producion funcions funcional forms for he Brazilian Saes: he one developed by SOLOW (1956) and he one developed by MINCER (1974). The marginal reurn of educaion also has been esimaed and we have analyzed he relevance of human capial on GDP per capia deerminaion hrough a variey of esimaion mehods, for he period. The empirical resuls rejeced he neoclassical specificaion wih human capial in favor of he mincerian s specificaion. The esimaed marginal reurn of educaion is 15% and he empirical findings suppor he heory ha saes ha human capial is one of he main facors affecing income level. Key Words: Human Capial; Economic Growh; Mincerian Producion Funcion; Reurn of Educaion JEL: C13, C23, O11, O41 1

2 1 INTRODUÇÃO O capial humano é um faor de produção que ganha cada vez mais imporância na explicação do diferencial de renda enre os países, seja na lieraura eórica ou empírica. Teoricamene, o capial humano é imporane na deerminação da renda por vias direas e indireas. Os efeios direos do capial humano são aqueles que afeam a renda aravés da melhora na produividade marginal do rabalho, manendo odos os ouros faores consanes (capial e ecnologia), iso é, da melhora na habilidade dos rabalhadores para a realização de suas respecivas arefas. Ele é represenado pela inrodução do capial humano de forma direa na função de produção. Esse efeio foi enfaizado, inicialmene, por SCHULTZ (1962) e incorporado em modelos como o de MANKIW, ROMER e WEIL (1992). Os efeios indireos são aqueles que afeam a quanidade de ecnologia disponível para ser uilizada no processo de produção. Assim, são os faores que influenciam na criação e difusão de ecnologia. A imporância do capial humano na geração de ecnologia é enfaizada por LUCAS (1988), ROMER (1990a) e AGHION e HOWITT (1992). No que diz respeio ao processo de difusão, o arigo seminal é o de NELSON e PHELPS (1966). Aplicações empíricas desse modelo e exensões dele foram feias por BENHABIB e SPIEGEL (1994 e 2002), por exemplo. Apesar de alguns esudos macroeconômicos não enconrarem uma relação enre o capial humano e nível de renda e/ou crescimeno econômico como, por exemplo, PRITCHETT (2001) e ROMER (1990b), exisem várias jusificaivas para ais resulados, sendo que rês são mais relevanes. A primeira é a uilização de uma forma funcional equivocada para mensurar a relação enre as variáveis (TEMPLE, 1999). A segunda é a inadequação na proxy uilizada para mensurar a quanidade de capial humano. ISLAM (1995), sugere que a baixa qualidade das proxies para capial humano, quando se adiciona a dimensão emporal na análise, faz com que a relação posiiva enre elas e a renda se dissipe. Finalmene, em muias análises empíricas não se uiliza o méodo apropriado para a esimação do modelo eórico. Um caso ípico é a não consideração da relação de bicausalidade ou causalidade reversa enre capial humano e renda, como enfaizado por BONELLI (2002), ou simplesmene a consideração de que a variável proxy para capial humano seja endógena no problema, ornando a esimação por mínimos quadrados viesada e inconsisene [ver CRAVO (2006, p. 47)]. Assim, em análises empíricas, deve-se esar a endogeneidade das variáveis. O presene esudo foca no primeiro e erceiro dos problemas mencionados. Como o objeo de análise é apenas um país, se espera que o diferencial de qualidade enre as unidades de análise seja menor do que em esudos que fazendo uma comparação inernacional. Adicionalmene, quando não se considera o faor qualidade, ocorre uma queda na correlação enre renda e nível de capial humano, como enfaizado por ISLAM (1995) e SACHS e WARNER (1997). Como, no presene esudo, se enconra uma correlação posiiva enre as variáveis, a omissão da qualidade fariam com que os resulados fossem mais pronunciados. A escolha de especificação do modelo é feia de acordo com o esudo realizado por FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004), comparando as especificações da função de produção de MANKIW, ROMER e WEIL (1992) e MINCER (1974) para os esados brasileiros, no período Desse modo, no presene esudo é feia uma análise dos impacos direos do capial humano sobre a renda dos esados brasileiros de acordo com as duas especificações acima mencionadas. Os resulados da análise empírica, assim como no esudo realizado por FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004), favorecem a especificação minceriana em relação ao modelo de crescimeno neoclássico ampliado, ou seja, o de MANKIW, ROMER e WEIL (1992). 2

3 Além dessa inrodução, o presene arigo esá organizado da seguine forma: na seção 2 é feia uma breve apresenação dos esudos empíricos para o caso brasileiro; na próxima é feia uma breve apresenação dos modelos eóricos que servem de base para o esudo empírico; na seção 4 são apresenadas a meodologia e as fones dos dados; e, na úlima, os resulados empíricos são apresenados e comenados. 2 O CAPITAL HUMANO NOS ESTUDOS EMPÍRICOS PARA O BRASIL A análise econômica empírica dos esados brasileiros esá mais focada na discussão sobre disribuição de renda e convergência. Uma boa razão para explicar essa endência é o nível de desigualdade enre as regiões. Alguns desses esudos fazem o uso do faor capial humano como uma variável de conrole, mas a análise desse faor na explicação do nível e axa de crescimeno da renda esá longe de ser a preocupação cenral. Normalmene, os esudos empíricos enconram evidência que dão susenação à hipóese de exisência de convergência absolua da renda per capia nos esados do Brasil, como em FERREIRA (1996) e AZZONI (2001). Enreano, como ressalado por AZZONI (2001), com uma grande variação na evolução da desigualdade de renda aravés do empo e de regiões. Quando alguma oura variável é incluída como conrole ocorre um aumeno na velocidade de convergência (condicional) e o coeficiene da proxy para capial humano, quando ese é incluído na análise, é posiivo e significaivo. Os resulados enconrados por AZZONI e all (1999) mosram que o nível da renda per capia dos esados brasileiros é posiivamene correlacionado ao nível de capial humano. O nível de renda ambém em uma correlação posiiva com variáveis geográficas, por exemplo. Alguns ouros esudos que examinam o efeio do capial humano sobre o nível e/ou axa de crescimeno da renda per capia dos esados brasileiros são FERREIRA (2000), ANDRADE (1997), e LAU e all (1993). Os resulados de LAU e all (1993) indicam que, em média, um ano adicional de escola dos rabalhadores do Brasil em um impaco posiivo sobre a renda de, aproximadamene, 20%. Porano, a média dos anos de esudo dos rabalhadores brasileiros em um papel fundamenal na deerminação do nível de renda dos esados. ANDRADE (1997) enconra um impaco ainda maior do capial humano sobre o nível de renda: um ano adicional de escola da população em idade de rabalhar aumena o PIB em orno de 32%. A principal preocupação de FERREIRA (2000) é a mensuração da velocidade de convergência enre os esados. Porém, seus resulados mosram que capial humano é um faor relevane na explicação da axa de crescimeno da renda nos esados brasileiros. NAKABASHI e SALVATO (2007) incorporam, na análise empírica, uma proxy para a qualidade do capial humano. Os resulados indicam que apesar do impaco direo do capial humano no nível de renda e na axa de crescimeno dos esados brasileiros ser menor em relação aos resulados que empregam uma proxy meramene quaniaiva, a sua significância aumena. 3 CAPITAL HUMANO NOS MODELOS DE DETERMINAÇÃO DA RENDA 3.1 Especificação de MANKIW, ROMER e WEIL (1992) MANKIW, ROMER e WEIL (1992) 1 argumenam que a exclusão do capial humano no modelo de crescimeno original de SOLOW-SWAN, SOLOW (1956) e SWAN (1956), pode poencializar as esimaivas da influência da poupança e do crescimeno populacional na renda per capia devido à correlação exisene enre esas e a primeira. Ao ampliarem o modelo de SOLOW-SWAN, MRW incluem o faor capial humano na função de produção: α β 1 α β (1) Y = K H A L ) ( 1 MRW doravane. 3

4 em que Y é o produo, K o capial, L o rabalho, A o ermo ecnológico, é o empo e α, β e (1-α-β) referem-se às paricipações do capial físico, humano e rabalho na renda, respecivamene. De acordo com a equação (1), a ecnologia é poupadora de rabalho e, desse modo, esse faor em unidades efeivas de rabalho, A L, cresce a uma axa n+g, em que n é a axa de crescimeno populacional e g a axa de crescimeno da ecnologia: n (2) L = L(0) e g (3) A = A(0) e Definindo que o produo e o esoque de capial físico e humano na equação (1) sejam Y K expressos em unidades efeivas de rabalho, emos: y ˆ = ; k ˆ H = ; e h ˆ =. AL AL AL Adicionalmene, considerando que ano capial físico quano o humano depreciam-se à mesma axa δ, emos as equações que definem k e h, em ermos de crescimeno: (4a) k = sk y ( n + g + δ ) k (4b) h = sh y ( n + g + δ ) h em que s k represena a fração da renda invesida em capial físico, s h a fração da renda invesida em capial humano e os ouros ermos são aqueles já definidos aneriormene. No esado esacionário, as equações (4a) e (4b) se igualam à zero, formando um sisema de duas equações e duas variáveis endógenas: as quanidades de capial humano e físico por unidades de rabalho. Resolvendo para esas variáveis, êm-se: 1 β β 1/(1 α β ) sk sh (5a) k = δ n + g + 1/(1 α β ) α 1 α s k sh (5b) h = δ n + g + em que o subscrio * denoa que a variável se enconra no esado esacionário. Subsiuindo as equações (5a) e (5b) na função de produção expressa em unidades de rabalho ( yˆ = kˆ α hˆ β ) e ransformando ambos os lados da equação em logarimo naural, chega-se à equação em ermos de produo por rabalhador: α + β α ln y = ln A(0) + g ln( n + g + δ ) + ln( sk ) 1 α β 1 α β (6) β + ln( sh ) 1 α β Nesa equação, o ermo g represena a axa de progresso ecnológico. O ermo A(0), por sua vez, reflee a doação de faores, ais como insiuições, nível de esabilidade políica, respeio às liberdades individuais, enre ouros. Sendo assim, ese ermo pode variar enre as economias. MRW assumem que: (7) ln = a + ε A em que a é uma consane e ε represena a especificidade de cada país. A equação acima será uilizada para a esimação das produividades esaduais. Subsiuindo (7) em (6), enconra-se: 4

5 (8) α ln( y ) = a + g + ln 1 α β β 1 α β ( s ) + ln( s ) α + β ln( n + g + δ ) + ε 1 α β A equação (8) represena a variação da renda per capia no esado esacionário e será uilizada para as regressões das economias cuja renda enconre-se nesse esado. Os auores sugerem que essa nova formulação responde por cerca de oiena porceno da variação da renda per capia enre os países. Adicionalmene, eles enconram evidências de que o capial humano é um faor de exrema relevância para explicar o diferencial de renda e de crescimeno enre os países. 3.2 Especificação de MINCER (1974) Ouros auores, no enano, esaram a função de produção minceriana. Essa especificação, na qual o capial humano é inroduzido na função de produção na forma exponencial, foi confronada recenemene por FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004) com o modelo usado por MRW, em que o capial humano é expresso em nível. Originalmene, a equação minceriana foi desenvolvida para realização de análises que uilizam dados microeconômicos como, por exemplo, os esudos realizados por BILS e KLENOW (2000), HALL e JONES (1998) e KLENOW e RODRIGUEZ-CLARE (1997). No enano, FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004) mosraram que essa especificação ambém é apropriada em análises macroeconômicas. Nesa especificação, o capial humano é inroduzido na função de produção na forma exponencial: (9) Y = AK α ( exp ( φ h) Lexp( g )) β O parâmero exp ( φh) pode ser enendido como a percenagem do aumeno na renda decorrene de um ano adicional de escolaridade. As demais variáveis e parâmeros em o mesmo significado proposo aneriormene. Segundo FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004), assume-se que o nível de habilidade de um rabalhador com h anos de escolaridade é exp ( φh) mais elevado do que um rabalhador sem qualquer insrução (radução nossa). 2 Definindo a equação (9) em unidades efeivas de rabalho e aplicando-se logarimo, chega-se à equação (10), a qual será objeo de esimação: (10) ln y = ln A + α ln k + (1 α) ( φh + g ) + ε Como sugere FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004), k Economericamene, a diferença básica enre as equações (8) e (10) é se o capial humano enra na função de produção em nível ou em log. Se o capial humano enrar em logs (8), há uma elasicidade fixa do capial humano na produção dos esados. Se ese enra em nível (10), a elasicidade do capial humano na produção mudará enre os esados e aravés do empo ambém. (radução nossa). 3 FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004), por inermédio do ese BOX-COX, rejeiaram a especificação de MRW em favor da especificação minceriana. Uilizando um 2 I is assumed ha he skill level of a worker wih h years of schooling is exp(øh) greaer han ha of a worker wih no educaion a all. 3 Economerically, he basic difference beween equaions (8) and (10) is wheher human capial eners he producion funcion in levels or in logs. If human capial eners in logs (8), here is a fixed human-capial elasiciy in producion for all counries. If i eners in levels (10), human-capial elasiciy in producion will change across counries (and across ime as well). h 5

6 painel de dados de 95 países em vários eságios de desenvolvimeno enre 1960 e Os auores enconraram uma esimaiva para o reorno marginal da educação de 7,5% por ano e crescimeno esimado da produividade de 1,4% por ano. 4 METODOLOGIA 4.1 Considerações sobre as esimações 4 Anes da definição do melhor méodo a ser esimado e da melhor formulação para a função de produção, foram realizados alguns eses economéricos com o inuio de idenificar possíveis problemas que resulassem em esimaivas endenciosas e inconsisenes dos parâmeros. Foram realizados eses para deecar problemas de mulicolinearidade, heerocedasicidade e auocorrelação. Para a deecção da mulicolinearidade foi uilizado o Faor Inflação de Variância (FIV). Para esar a hipóese nula de homocedasicidade dos resíduos foi uilizado o ese de Breusch-Pagan. Para a deecção de auocorrelação, o ese uilizado foi o proposo por Arellano e Bond, sob a hipóese nula de que não há auocorrelação de primeira ordem no painel. O méodo de Cochrane-Orcu a parir da ransformação de PRAIS-WINSTEN foi uilizado para corrigir problemas de auocorrelação e heerocedasicidade. Como observa GREENE (2001), a ransformação PRAIS-WINSTEN remove a auocorrelação e a heerocedasicidade presenes nos dados. Ouros seis diferenes méodos de esimação foram aplicados nese rabalho. O primeiro é pooled regression que uiliza Mínimos Quadrados Ordinários (MQO) para esimação dos dados. A escolha dese méodo ambém uilizado por MRW possui algumas limiações: a possível correlação enre o ermo de erro e pelo menos uma das variáveis independenes. O segundo méodo é o dados de painel, que pode ser de efeios fixos Mínimos Quadrados com Variável Dummy 5 ou de efeios aleaórios. A uilização do primeiro méodo permie que as diferenças enre os indivíduos possam ser capuradas nas diferenças do ermo consane. O segundo é esimado a parir de Mínimos Quadrados Generalizados (MQG) 6, incorporando os efeios individuais no ermo de erro. HAUSMAN (1978) concebeu um ese para a definição do méodo de esimação mais eficiene. Sob a hipóese nula que a diferença dos coeficienes de efeios fixos e efeios aleaórios são não sisemáicas. O ese é baseado na diferença deses esimadores. O passo seguine foi esar a endogeneidade das variáveis. DAVIDSON e MACKINNON (1993) recomendam o ese de Durbin-Wu-Hausman para a deecção da endogeneidade. Caso esse problema seja consaado, HAUSMAN (1983) sugere o uso de variáveis defasadas como variáveis insrumenais. HALL e JONES (1998) sugerem o uso da laiude. BARRO e LEE (1993), BARRO e SALA-I-MARTIN (1995) e FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004) são exemplos de rabalhos que consideram méodos de esimação que uilizam variáveis insrumenais. DURLAUF e all (2004) afirma que algumas das alernaivas mais uilizadas para a correção da endogeneidade são o uso dos méodos Mínimos Quadrados em Dois Eságios (MQ2E) e do Méodo dos Momenos Generalizados (MMG). Além das variáveis exógenas, os seguines insrumenos foram uilizados: os valores defasados aé a erceira defasagem das proxies para capial físico e capial humano e o valor 4 Todos os eses e as regressões apresenadas foram feias aravés do pacoe economérico STATA Leas Square Dummy Variable - LSDV 6 Generalized Leas Square - GLS 6

7 absoluo da laiude em graus dividido por Adicionalmene, opou-se por esimar as equações aravés do méodo de MQ2E por ser mais amplo que o MMG. O quaro méodo de esimação uilizado foi o de efeios fixos com a inclusão de variáveis insrumenais. O quino refere-se à regressão por efeios aleaórios uilizando variáveis insrumenais, a parir da esimação por Mínimos Quadrados Generalizados em Dois Eságios (MQG2E). O passo seguine foi esar a validade dos insrumenos uilizados nos modelos esruurais. FERREIRA, ISSLER e PESSÔA (2004) recomendam o uso do ese de Sargan para essa verificação. O ese de Sargan consise em esimar regressões auxiliares uilizando os resíduos das variáveis insrumenais e consruir uma esaísica T x R² com os resulados da regressão auxiliar. Ainda que ese procedimeno seja úil para esar a orogonalidade de cada equação do sisema, é úil ambém para esar a correa especificação do modelo 8 (FERREIRA, ISSLER & PESSÔA, 2004). Para esar a hipóese se o capial humano enra na função de produção em nível ou em log uilizou-se o ese BOX-COX, como sugerido por AGUIRRE (1997). Considere a equação genérica da regressão, usando a ransformação BOX-COX para o regressor: θ x 1 (11) y = β + ε θ θ x 1 x θ (12) lim = ln ( ) θ 0 θ x 1 (13) lim = 1 1 x θ θ na qual, fica claro que para uma ransformação logarímica ser válida deveremos er θ = 0, e para que x enre na regressão em nível devemos er θ = 1. Essas duas hipóeses podem ser esadas por meio do ese de WALD, usando a ransformação BOX-COX para a medida do capial humano na função de produção. 4.2 Base de dados A base de dados uilizada é formada por 25 das 27 Unidades Federaivas do Brasil 9 e compreende o período de Os dados foram obidos a parir do endereço elerônico do Insiuo de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). As variáveis uilizadas foram: 1) Produo Inerno Bruo (PIB) per capia a preços consanes R$ de 2000, deflacionados pelo deflaor implício do PIB nacional; 2) população residene, sendo que a axa de crescimeno da população residene é mensurada pela axa de variação das esimaivas das populações residenes segundo as unidades da federação: ; 3) consumo de energia elérica indusrial como proxy para capial físico, sendo medido em mega-was-hora; e 4) anos de esudo das pessoas com 25 anos e mais, como proxy para capial humano. 7 Ese procedimeno é similar ao proposo por HALL e JONES (1998) e em por objeivo condicionar a laiude em uma escala de 0 a 1. 8 Em ouras palavras, a rejeição da hipóese nula indica que os insrumenos uilizados não são válidos. 9 Os esados de Goiás e Tocanins ficaram de fora da amosra. O esado de Goiás foi dividido em dois (Goiás e Tocanins) em 1988 e por esse moivo não foi possível gerar uma série conínua para eses esados. 7

8 5. ANÁLISE EMPÍRICA 5.1 Análise inicial dos dados A análise da Tabela 1 permie observar que as diferenças no nível de produo per capia enre os esados brasileiros são basane acenuadas, esando de acordo com os resulados apresenados por AZZONI (2001). Cabe desacar alguns números apresenados nessa Tabela. Por exemplo, o PIB per capia do Piauí era apenas 10% do PIB per capia do Disrio Federal, em Após 22 anos, o cenário não sofreu mudanças significaivas; em 2002 passou para 13%. Alguns esados conseguiram diminuir o diferencial de renda consideravelmene, como Paraíba, Ceará, Rio Grande do Nore e Sergipe. No enano, ele coninua muio elevado. TABELA 1. DISPARIDADES NO INDICADOR DE CRESCIMENTO ECONÔMICO: Unidade Federaiva y i y i y i / y DF y i / y DF Ranking (1980) a (2002) a (1980) b (2002) b 80/2002 c R d Crescimeno anual, (%) e Disrio Federal 11,91 13,82 1,00 1,00 1/1 0 0,68 São Paulo 10,57 9,59 0,89 0,69 2/3-1 -0,44 Rio de Janeiro 8,52 9,68 0,72 0,70 3/2 1 0,58 Rio Grande do Sul 7,15 8,41 0,60 0,61 4/4 0 0,74 Sana Caarina 6,36 7,83 0,53 0,57 5/5 0 0,95 Mao Grosso do Sul 5,59 5,99 0,47 0,43 6/9-3 0,31 Amazonas 5,47 7,07 0,46 0,51 7/6 1 1,17 Paraná 5,28 6,96 0,44 0,50 8/7 1 1,25 Espirio Sano 5,09 6,45 0,43 0,47 9/8 1 1,07 Minas Gerais 4,93 5,72 0,41 0,41 10/10 0 0,67 Rondônia 3,92 4,09 0,33 0,30 11/14-3 0,20 Mao Grosso 3,76 5,72 0,32 0,41 12/11 1 1,91 Roraima 3,76 3,52 0,32 0,25 13/ ,30 Amapá 3,27 4,42 0,28 0,32 14/12 2 1,36 Bahia 3,21 3,91 0,27 0,28 15/15 0 0,89 Para 3,21 3,28 0,27 0,24 16/19-3 0,11 Pernambuco 2,89 3,79 0,24 0,27 17/16 1 1,24 Acre 2,71 3,24 0,23 0,23 18/20-2 0,81 Sergipe 2,39 4,29 0,20 0,31 19/13 6 2,65 Alagoas 2,34 2,54 0,20 0,18 20/23-3 0,37 Rio Grande do Nore 2,34 3,41 0,20 0,25 21/18 3 1,71 Ceara 2,04 2,64 0,17 0,19 22/22 0 1,18 Paraíba 1,65 2,80 0,14 0,20 23/21 2 2,39 Maranhão 1,48 1,65 0,12 0,12 24/25-1 0,48 Piauí 1,23 1,79 0,10 0,13 25/24 1 1,69 Fone: Elaboração própria. Noas: Os esados de Tocanins e Goiás foram excluídos. a Produo Inerno Bruo per capia. b Produo Inerno Bruo per capia relaivo ao Disrio Federal, y i /y DF, sendo y i o PIB per capia da Unidade Federaiva i e y DF o PIB per capia do Disrio Federal. c Ranking por ordem decrescene de PIB per capia. d Variação de posição valor posiivo significa melhoria de posição. e Taxa média de crescimeno enre ; calculada pela fórmula ln(final) ln(inicial) /, sendo o número de anos enre a observação inicial e final. Nesse caso, = 22. São Paulo, o esado mais rico na década de 1980, apresenou uma axa negaiva de crescimeno da renda per capia. Como conseqüência, o gap do PIB per capia em relação ao Disrio Federal aumenou em 20%, sendo ainda superado pelo Rio de Janeiro, em Ouro esado com uma relevane elevação do gap em relação ao Disrio é Roraima, que perdeu quaro posições, no período em quesão. Os dados da Tabela 2 ambém mosram uma elevada desigualdade no nível educacional enre os esados brasileiros. A diferença de anos de esudo da população com 25 anos ou mais do Disrio Federal e do Piauí, no início do período, chegava a ser de mais de 4 anos. 8

9 TABELA 2 DISPARIDADES NO INDICADOR DE CAPITAL HUMANO: Unidade Federaiva H H H i / H DF H i / H DF Ranking (1981) a (2002) a (1981) b (2002) b 81/2002 c R d Crescimeno anual, (%) e Disrio Federal / Rio de Janeiro / Amazonas ¾ Roraima / São Paulo / Pará / Rio Grande do Sul / Amapá / Espírio Sano / Sana Caarina / Acre / Mao Grosso do Sul / Minas Gerais / Paraná / Mao Grosso / Rondônia / Pernambuco / Rio Grande do Nore / Paraíba / Bahia / Sergipe / Ceará / Alagoas / Maranhão / Piauí / Fone: Elaboração própria. Noas: Os esados de Tocanins e Goiás foram excluídos. a Anos de esudo das pessoas com 25 anos e mais. b Anos de esudo das pessoas com 25 anos e mais relaivo ao Disrio Federal, H i /H DF, sendo H i os anos de esudo da população com 25 anos e mais da Unidade Federaiva e H DF os anos de esudo da população com 25 anos e mais do Disrio Federal. c Ranking por ordem decrescene de anos de esudo das pessoas com 25 anos e mais. d Variação de posição valor posiivo significa melhoria de posição. e Taxa média de crescimeno enre ; calculada pela fórmula ln(final) ln(inicial) /, sendo o número de anos enre a observação inicial e final. Nesse caso, = 21. Se compararmos os resulados da Tabela 1 com os da Tabela 2, pode-se chegar à algumas conclusões ineressanes. Em primeiro lugar, deve-se noar a elevação do gap educacional enre Roraima e o Disrio Federal. O primeiro, no mesmo período analisado, perdeu quaro posições no nível de produo per capia. Sergipe, que quase dobrou os anos de escolaridade da sua população com 25 anos ou mais, apresenou a maior axa de crescimeno do PIB per capia no período. O esado do Paraná, além de aumenar em praicamene rês anos a média de escolaridade da sua população e ganhar seis posições, apresenou uma das maiores axas de crescimeno econômico no período. Cabe ainda desacar que o índice de correlação de ordem (SPEARMAN) enre as variáveis de capial humano e crescimeno econômico foram alos nos dois períodos. Para o ano de 1980, a correlação enconrada foi de 0,81, enquano que para 2002 esse valor subiu para 0,87. A análise conjuna das abelas permie realçar uma imporane conclusão de diversos auores sobre o ema: o capial humano possui papel fundamenal na deerminação do crescimeno econômico. Os esados que conseguiram melhorar significaivamene o nível de escolaridade da sua população, obiveram melhoras expressivas no nível de produo per capia. Essa conclusão é similar à enconrada por NAKABASHI e SALVATO (2007), na 9

10 qual o capial humano é essencial para explicar o diferencial de renda enre os esados brasileiros. 5.2 Resulados Economéricos; Especificação de MRW A análise da Tabela 3 indica que há fores indícios da presença de heerocedasicidade e auocorrelação de primeira ordem no painel para as duas especificações da função de produção. A mulicolinearidade não se mosrou como um problema sério. Dessa forma, a heerocedasicidade e auocorrelação de primeira de ordem devem ser considerados para a esimação dos parâmeros. TABELA 3 Teses de mulicolinearidade, heerocedasicidade e auocorrelação no painel de dados Especificação Mulicolinearidade (*) Heerocedasicidade (**) Auocorrelação (***) FIV Breusch Pagan Prob > c² Arellano-Bond AR(1) Prob > z MRW Mincer Fone: Elaboração própria. (*) Como regra práica, a mulicolinearidade é considerada um problema sério se FIV > 10. (**) Hipóese nula: os disúrbios são homocedásicos. (***) Hipóese nula: Inexise auocorrelação de primeira ordem. O próximo passo para deerminação do melhor méodo de esimação é examinar se o modelo deveria ser esimado com mínimos quadrados ordinários, efeios fixos ou efeios aleaórios. Uilizou-se enão, o ese F e o ese de HAUSMAN (1978). O ese F compara o méodo de efeios fixos com o méodo de mínimos quadrados ordinários e esa a hipóese que odas as dummies sejam, conjunamene, iguais a zero. Os resulados do ese F mosraram que o méodo de efeios fixos é mais apropriado para os esados brasileiros, no período de (Tabela 4). O ese de HAUSMAN (1978), por sua vez, aponam para a escolha do méodo de efeios fixos como o mais adequado (Tabela 4). Deve-se, ambém, considerar a presença da endogeneidade das variáveis explicaivas na regressão da equação de crescimeno. Dessa forma, foi uilizado o ese de DURBIN WU HAUSMAN (DWH). Esse ese define os resíduos da variável endógena como função de odas as variáveis exógenas. Os resulados do ese de DWH, apresenados na Tabela 4, aponam para a presença de endogeneidade nas variáveis de capial físico e humano, indicando a necessidade de inclusão de variáveis insrumenais no modelo. Diane da presença de endogeneidade, o passo seguine é esimar o modelo usando mínimos quadrados em dois eságios (MQ2E), efeios fixos com a inclusão de variáveis insrumenais e mínimos quadrados generalizados em dois eságios (MQG2E). O ese F e o ese de HAUSMAN (1978) são usados novamene para definição do melhor méodo de esimação. Os resulados desses eses sugerem a uilização de efeios fixos com a inclusão de variáveis insrumenais, como se pode ver nos resulados da Tabela 4. Por úlimo, foi feio o ese de Sargan para verificar a validade dos insrumenos uilizados. See insrumenos são incluídos no modelo: os valores defasados aé a erceira defasagem das proxies para capial físico e capial humano e a laiude 10. O ese de SARGAN não rejeia a hipóese que os insrumenos sejam válidos. Os resulados das regressões apresenadas na Tabela 4 correspondem à especificação da equação (8) e o nível de significância uilizado foi de 5%. 10 Valor absoluo da laiude dividido por 90 para ficar em uma escala de 0 a 1 procedimeno equivalene ao proposo por HALL e JONES (1998). 10

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE RELAÇÕES MACROECONÔMICAS ENTRE DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL, TAXA REAL DE CÂMBIO, INVESTIMENTOS PRODUTIVOS,

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano

A dinâmica de transição e o crescimento econômico em um modelo neoclássico com capital humano A dinâmica de ransição e o crescimeno econômico em um modelo neoclássico com capial humano Jorge Cláudio Cavalcane de Oliveira Lima* Resumo O modelo neoclássico de crescimeno proposo por Solow (956) ganhou

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil

O impacto de requerimentos de capital na oferta de crédito bancário no Brasil O impaco de requerimenos de capial na ofera de crédio bancário no Brasil Denis Blum Rais e Silva Tendências Márcio I. Nakane Depep II Seminário Anual sobre Riscos, Esabilidade Financeira e Economia Bancária

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Ozawa Gioielli Sabrina P.; Gledson de Carvalho, Anônio; Oliveira Sampaio, Joelson Capial de risco

Leia mais

CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO2 E PIB PER CAPITA

CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO2 E PIB PER CAPITA CURVA DE KUZNETS AMBIENTAL ESTIMATIVA ECONOMÉTRICA USANDO CO E PIB PER CAPITA CLEYZER ADRIAN CUNHA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GOIANIA - GO - BRASIL cleyzer@uai.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Agropecuária,

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR).

EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). EFEITOS DO COMÉRCIO INTERNACIONAL SOBRE A PRODUTIVIDADE: A EVIDENCIA EMPIRICA PARA O NORDESTE BRASILEIRO UTILIZANDO VETORES AUTOREGRESSIVOS (VAR). Jocildo Fernandes Bezerra 1 Professor do Deparameno de

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO MAURÍCIO MACHADO FERNANDES; JULIANA MARIA AQUINO; ELAINE TOLDO PAZELLO; LUIZ GUILHERME SCORZAFAVE.

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

INVESTIMENTO E OS LIMITES DA ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO RESUMO

INVESTIMENTO E OS LIMITES DA ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO RESUMO INVESIMENO E OS LIMIES DA ACELERAÇÃO DO CRESCIMENO RESUMO Chrisiano Penna CAEN / UFC Fabrício Linhares CAEN / UFC Ivan Caselar CAEN / UFC Nese rabalho consaa-se a evidência de uma relação não linear enre

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58.

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58. O impaco dos gasos públicos municipais sobre a qualidade da educação: uma análise de variáveis insrumenais enre 2007 e 2011 Darlan Chrisiano Kroh * Flávio Oliveira Gonçalves ** Resumo Grande pare do desempenho

Leia mais

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-2007 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEMANDA DE IMPORTAÇÃO DE VINHO NO BRASIL NO PERÍODO 1995-27 ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; HENRIQUE BRIGATTE; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA - MG - BRASIL hbrigae@yahoo.com.br APRESENTAÇÃO ORAL Comércio

Leia mais

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa

Autoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Costa Qualidade de Accruals e Persisência dos Lucros em Firmas Brasileiras Lisadas na Bovespa Auoria: Rafaela Módolo de Pinho, Fabio Moraes da Cosa Resumo Ese arigo objeiva invesigar a relação enre a qualidade

Leia mais

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil

Fluxo de Caixa, ADRs e Restrições de Crédito no Brasil Vol. 5, No.2 Viória-ES, Mai Ago 2008 p. 144-151 ISSN 1807-734X Fluxo de Caixa, ADRs e Resrições de Crédio no Brasil Crisiano M. Cosa Deparmen of Economics, Universiy of Pennsylvania Lourenço Senne Paz

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRAS SOBRE O CASO BRASILEIRO Kenya Valeria Micaela de Souza Noronha Mônica Viegas Andrade Junho de 2002 1 Ficha caalográfica 33:614(81)

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

Política creditícia no Brasil: o sertão vai virar mar?

Política creditícia no Brasil: o sertão vai virar mar? Políica crediícia no Brasil: o serão vai virar mar? Abril, 2013 Paulo Maos Joyciane Vasconcelos Chrisiano Penna CAEN/ UFC UFC/Sobral CAEN/ UFC paulomaos@caen.ufc.br ciany_vasconcelos@homail.com cmp@caen.ufc.br

Leia mais

COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAXAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL

COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAXAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL JORGE CAIADO 1 Deparameno de Maemáica e Informáica Escola Superior de Gesão Insiuo Poliécnico de Caselo Branco Resumo No presene

Leia mais

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS Cláudia Bueno Rocha Vidigal 1, Ana Lúcia Kassouf 2, Vinícius Gonçalves Vidigal 3 RESUMO Amplamene relacionado à forma com

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico*

Artigos. Abordagem intertemporal da conta corrente: Nelson da Silva Joaquim Pinto de Andrade. introduzindo câmbio e juros no modelo básico* Arigos Abordagem ineremporal da cona correne: inroduzindo câmbio e juros no modelo básico* Nelson da Silva Joaquim Pino de Andrade Resumo O modelo padrão da abordagem ineremporal da cona correne assume

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais

Série Textos para Discussão

Série Textos para Discussão Universidade Federal do Rio de J a neiro Insiuo de Economia Teses de Racionalidade para Loerias no Brasil TD. 010/2004 Marcelo Resende Marcos A. M. Lima Série Texos para Discussão Teses de Racionalidade

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil Fajardo, José; Pereira, Rafael Efeios Sazonais no Índice Bovespa BBR - Brazilian Business Review,

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

Elasticidades da demanda residencial de energia elétrica

Elasticidades da demanda residencial de energia elétrica Elasicidades da demanda residencial de energia elérica RESUMO O objeivo dese rabalho é esimar elasicidades de preço e renda da demanda residencial por elericidade aravés de modelos dinâmicos. Como objeo

Leia mais

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO*

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Arigos Inverno 2006 O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Cláudia Rodrigues Braz** 1. INTRODUÇÃO 1 Nos úlimos anos, o saldo orçamenal ajusado do ciclo em ganho

Leia mais

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S APLICA ES Marina Silva Cunha 1. INTRODUÇÃO Segundo Fava & Cai (1995) a origem da discussão sobre a exisência de raiz uniária nas séries econômicas esá no debae sobre

Leia mais

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR)

METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) METAS INFLACIONÁRIAS NO BRASIL: UM ESTUDO EMPÍRICO USANDO MODELOS AUTO-REGRESSIVOS VETORIAIS (VAR) Edilean Kleber da Silva Douorando em Economia Aplicada pela UFRGS Rua Duque de Caxias, 1515, apo. 402.

Leia mais

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Área de Interesse: Área 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Área de Ineresse: Área 3 Macroeconomia, Economia Moneária e Finanças Tíulo: NOVO CONSENSO MACROECONÔMICO E REGRAS DE CONDUTA: O PAPEL DA ROTATIVIDADE DOS DIRETORES DO COMITÊ DE POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

Tito Belchior Silva Moreira

Tito Belchior Silva Moreira 1º Lugar Tio Belchior Silva Moreira Mecanismos de Transmissão da Políica Fiscal no Brasil: uma invesigação empírica. XIV PRÊMIO TESOURO NACIONAL 2009: Homenagem a Euclides da Cunha TEMA 1. POLÍTICA FISCAL

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2

A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Marta R. Castilho 1 e Viviane Luporini 2 A ELASTICIDADE-RENDA DO COMÉRCIO REGIONAL DE PRODUTOS MANUFATURADOS Mara R. Casilho 1 e Viviane Luporini 2 ANPEC 2009: ÁREA 6 RESUMO: O arigo apresena um esudo comparaivo das elaicidades-renda das exporações

Leia mais

Algumas evidências internacionais sobre a relação entre sistema financeiro e crescimento econômico no domínio da frequência

Algumas evidências internacionais sobre a relação entre sistema financeiro e crescimento econômico no domínio da frequência Algumas evidências inernacionais sobre a relação enre sisema financeiro e crescimeno econômico no domínio da frequência Bruno de Paula Rocha, Cedeplar/UFMG Igor Viveiros de Souza, UFOP Resumo Ese rabalho

Leia mais

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone Tese de esresse na ligação macro-risco de crédio: uma aplicação ao seor domésico de PFs Auores: Ricardo Schechman Wagner Gaglianone Lieraura: ligação macrorisco de crédio Relação macro-volume de crédio

Leia mais

Trabalhos para Discussão. Um Conto de Três Hiatos: Desemprego, Utilização da Capacidade Instalada da Indústria e Produto

Trabalhos para Discussão. Um Conto de Três Hiatos: Desemprego, Utilização da Capacidade Instalada da Indústria e Produto ISSN 1519-1028 Um Cono de Três Hiaos: Desemprego, Uilização da Capacidade Insalada da Indúsria e Produo Sergio Afonso Lago Alves e Arnildo da Silva Correa Dezembro, 2013 Trabalhos para Discussão 339 ISSN

Leia mais

Câmbio de Equilíbrio

Câmbio de Equilíbrio Câmbio de Equilíbrio Seção 1 Meodologia do cálculo do câmbio...4 Seção 2 - Passivo Exerno... 11 Seção 3 Susenabilidade do Passivo Exerno... 15 Seção 4 - Esimaivas... 17 Seção 5 - Conclusão... 20 2 Inrodução

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Risco no mercado de arroz em casca

Risco no mercado de arroz em casca RISCO NO MERCADO DE ARROZ EM CASCA ANDRÉIA CRISTINA DE OLIVEIRA ADAMI; GERALDO SANT ANA DE CAMARGO BARROS; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL adami@esalq.usp.br APRESENTAÇÃO ORAL Comercialização, Mercados

Leia mais

CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO

CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE NO BRASIL: O QUE NOS DIZ O REGISTRO DE LONGO PRAZO (Maio de 2001) (Versão preliminar. Somene para comenários. Favor não ciar) Inrodução 3 E. Bacha 1 R. Bonelli 2 Após duas décadas

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

MODELAGEM DINÂMICA DO PREÇO DA SOJA UM ESTUDO PRELIMINAR

MODELAGEM DINÂMICA DO PREÇO DA SOJA UM ESTUDO PRELIMINAR MODELAGEM DINÂMICA DO PREÇO DA SOJA UM ESTUDO PRELIMINAR Rosane Maria Kirchner Deparameno de Física, Esaísica e Maemáica UNIJUI Ijuí RS Pós Graduação em Engenharia de Produção - UFSM Sana Maria RS rosanek@unijui.che.br

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO JEL: C31, C38, K42 e Z13.

CLASSIFICAÇÃO JEL: C31, C38, K42 e Z13. Análise exploraória espacial e convergência condicional das axas de crimes em Minas Gerais nos anos 2000. Marco Anônio S. de Almeida * Carlos Enrique Guanziroli ** RESUMO O objeivo dese arigo é fazer uma

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Alguns Comentários sobre o Impacto da Privatização. no Risco das Ações das Empresas. Resumo. Abstract

Alguns Comentários sobre o Impacto da Privatização. no Risco das Ações das Empresas. Resumo. Abstract Alguns Comenários sobre o Impaco da Privaização no Risco das Ações das Empresas Resumo Alexandre Rands Barros 1 Pierre Lucena 2 Nese arigo apresenou-se uma eoria que explicaria a mudança da percepção que

Leia mais

Desigualdade regional de renda no Brasil analise e previsão.

Desigualdade regional de renda no Brasil analise e previsão. Desigualdade regional de renda no Brasil analise e previsão. Filipe Keuper Rodrigues Pereira * Sabino da Silva Pôro Júnior ** Resumo: Ese rabalho aualiza as esimaivas de desigualdades regionais e enre

Leia mais

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO

CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO RESUMO CONSUMO DE BENS DURÁVEIS E POUPANÇA EM UMA NOVA TRAJETÓRIA DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR BRASILEIRO VIVIANE SEDA BITTENCOURT (IBRE/FGV) E ANDREI GOMES SIMONASSI (CAEN/UFC) RESUMO O rabalho avalia a dinâmica

Leia mais