Avaliação de desempenho em ambiente computacional voltado para computação em nuvem com foco em aspectos de planejamento de capacidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de desempenho em ambiente computacional voltado para computação em nuvem com foco em aspectos de planejamento de capacidade"

Transcrição

1 Avaliação de desempenho em ambiente computacional voltado para computação em nuvem com foco em aspectos de planejamento de capacidade Dionisio Leite 1, Maycon Peixoto 1, Marcos Santana 1, Regina Santana 1 1 Universidade de São Paulo (USP) Instituto de Ciências Matemática e de Computação (ICMC) Departamento de Sistemas de Computação (SSC) São Carlos SP Brasil Abstract. Capacity planning in cloud computing environments provides a better distribution of available resources and better service to the users of that environment. However, despite being a technical analysis, categorization and logic distribution, it is not always used correctly, by using inaccurate generalizations about the environment that is being developed. Therefore, it is necessary to know all the features and from this point to think the best configuration for the environment. In this paper, is proposed a performance evaluation of resources in a virtualized server suitable for cloud computing. Hypotheses have been raised about the economic model adopted, the proportionality between resources and virtual machines and the virtualization architecture adopted. The results showed that the current economic model restricts some possibilities due to the amount of physical resources. The results also showed there is no exact relationship of proportionality between available resources and virtual machines. Regarding to degradation, the factor more significant is the processor architecture and not the management tools to virtual machines. Resumo. O planejamento de capacidade em ambientes de computação em nuvem proporciona uma melhor distribuição dos recursos disponíveis e melhor atendimento aos usuários desse ambiente. No entanto, apesar de ser uma técnica de análise, categorização e distribuição lógica, a mesma não é sempre utilizada de forma correta, por utilizar generalizações incorretas sobre o ambiente que está sendo desenvolvido. Sendo assim, é necessário conhecer todos os recursos e a partir deste ponto pensar a melhor configuração para o ambiente. Neste artigo, é proposta uma avaliação de desempenho sobre recursos virtualizados em um servidor adequado para computação em nuvem. Foram levantadas hipóteses sobre o modelo econômico adotado, a proporcionalidade entre recursos e máquinas virtuais e a arquitetura de virtualizadores adotados. Os resultados apontaram que o modelo econômico atual restringe algumas possibilidades devido à quantidade de recursos físicos. Verificou-se por meio dos resultados que não há uma relação exata de proporcionalidade entre recursos disponíveis e máquinas virtuais. Com relação a degradação, o fator mais impactante é a arquitetura do processador e não as ferramentas de gerenciamento de máquinas virtuais.

2 1. Introdução Enquanto o desempenho e a capacidade dos sistemas aumentam, o custo desses sistemas diminui. Em razão desta ascensão tecnológica de hardware e ao sucesso da Web, os recursos computacionais estão se tornando cada vez mais acessíveis (financeiramente) e com suporte a um alto desempenho, em comparação aos computadores de décadas atrás. Esta evolução tecnológica possibilitou o surgimento de um novo paradigma denominado computação em nuvem (Cloud Computing), cuja finalidade é disponibilizar recursos computacionais (processamento, armazenamento, software, etc.) como serviços, permitindo o atendimento da demanda dos usuários [Armbrust et al. 2009]. Segundo Zhang et al. [Zhang et al. 2010], a computação em nuvem apresenta diversas características atrativas, como baixo investimento em infraestrutura, custo de operação, alta escalabilidade e fácil acesso. De acordo com Costa et al. [Costa et al. 2011], as aplicações de e-ciência podem se beneficiar destas características, pois essas aplicações requerem grandes quantidades de processamento. No entanto, os autores demonstram que a elasticidade não é aplicada em sua forma total, onde a quantidade de máquinas virtuais não pode ser alocada para a quantidade total de serviços, pois há uma limitação de recursos computacionais. Baseado no estudo apresentado por Costa et al. [Costa et al. 2011], propomos um conjunto de experimentações que visam identificar qual nível aceitável de desempenho entre máquinas virtuais executando concorrentemente. Para isso, além de verificar o desempenho com o aumento de máquinas virtuais, será verificado o comportamento do desempenho com o aumento da quantidade de núcleos das máquinas virtuais. Dessa forma, a contribuição deste trabalho é identificar a melhor quantidade de máquinas virtuais para um determinado host, verificar como o desempenho é afetado com relação a diversas formas de concorrência por recursos e qual a proporção entre recursos físicos disponíveis e serviços (taxa de degradação). O restante deste artigo está organizado da seguinte forma: a Seção 2 apresenta os conceitos relacionados ao ambiente de computação em nuvem e que são pertinentes a este artigo. A Seção 3 apresenta os trabalhos relacionados à virtualização e ao planejamento de capacidade. A Seção 4 apresenta os materiais utilizados e os métodos para a definição dos conjuntos de experimentos. Os resultados obtidos são discutidos na Seção 5. As conclusões são apresentados na Seção Computação em Nuvem Utilizando uma analogia, um ambiente de computação em nuvem pode ser visto como um conjunto de componentes que executam serviços sob demanda para os clientes, sendo que estes não sabem onde os serviços são executados. Em razão disso é que os serviços estão alocados nas nuvens. O conceito de computação em nuvem se popularizou de maneira natural sem uma definição formada. [Armbrust et al. 2009] afirmam que computação em nuvem é uma ideia antiga cujo tempo finalmente chegou, citando o livro de [Parkhill 1966], o qual tinha uma visão onde a computação seria oferecida como utilidade. Dentre todas as definições de computação em nuvem, a definição do NIST [Mell and Grance 2009] é a mais completa: Computação em Nuvem é um modelo para

3 acesso conveniente, sob demanda, e de qualquer localização, a uma rede compartilhada de recursos de computação (isto é, redes, servidores, armazenamento, aplicativos e serviços) que possam ser prontamente disponibilizados e liberados com um esforço mínimo de gestão ou de interação com o provedor de serviços. De acordo com o NIST [Mell and Grance 2009], a arquitetura de computação em nuvem é composta de cinco características essenciais: Autoatendimento sob demanda: um consumidor pode unilateralmente dispor de capacidades computacionais, como processamento, armazenamento, tempo de rede, conforme necessário e sem a necessidade de interação humana. Amplo acesso à rede: recursos são disponibilizados através da Internet e podem ser acessados por clientes heterogêneos com qualquer capacidade de processamento (celulares, tablets, notebooks, etc). Agrupamento de recursos: os recursos de computação do provedor são agrupados para atender múltiplos consumidores, com recursos físicos e virtuais (armazenamento, processamento, largura de banda) atribuídos dinamicamente e designados novamente de acordo com a demanda do consumidor. Elasticidade rápida: capacidades computacionais podem ser provisionadas e liberadas elasticamente, sendo que em alguns casos esta elasticidade é automática para se ajustar à demanda de cada consumidor. Para o consumidor, as capacidades provisionadas parecem ser ilimitadas e podem ser atribuídas a qualquer momento. Medição de serviço: recursos da nuvem são controlados e otimizados automaticamente, sendo que o seu uso é medido a partir de um nível de abstração apropriado para cada tipo de serviço (contas de armazenamento, processamento, largura de banda e usuários ativos). A utilização dos recursos pode ser monitorada e descrita em relatórios, o que proporciona transparência tanto para o provedor quanto para o cliente. Dentre as características enumeradas pelo NIST [Mell and Grance 2009], o autoatendimento sob demanda e a elasticidade são tópicos importantes relacionados ao desempenho que é ofertado aos usuários. Deste modo, essas características são consideradas neste artigo. 3. Trabalhos Relacionados Dentro do ambiente de computação em nuvem há o conceito de virtualização, um assunto que é bastante discutido nos últimos anos como é apresentado por Sotomayor et al. [Sotomayor et al. 2006], Koh et al. [Koh et al. 2007], Nance et al. [Nance et al. 2008], Costa et al. [Costa et al. 2011], entre outros autores que discutem as vantagens e desvantagens da sua utilização. Sotomayor et al. [Sotomayor et al. 2006] utilizam a virtualização para contornar as limitações na manipulação de recursos físicos em uma grade computacional. Os autores argumentam que, apesar da sobrecarga gerada, a virtualização é o melhor caminho para a configuração e disponibilização de recursos na grade. O desempenho é melhorado com o uso de cache das imagens das máquinas virtuais e o reuso das mesmas criando assim templates de máquinas virtuais.

4 Na visão de White and Pilbeam [White and Pilbeam 2010], é importante observar as limitações e exigências do host físico que será utilizado para a virtualização. Os autores apresentam uma revisão dos métodos de virtualização e software de virtualização, e discutem uma análise dos problemas de desempenho inerentes a cada uma dessas abordagens. Como a virtualização é um conceito extremamente utilizado na computação em nuvem, é importante levar em consideração os problemas de desempenho que essa técnica pode causar. Além disso, na computação em nuvem o conceito de SLA (Service-Level Agreement) é muito utilizado para a fixação de contratos, os quais garantem os níveis de qualidade de serviço contratado pelos clientes. Costa et al. [Costa et al. 2011] afirmam que muitas aplicações que possuem alta demanda computacional poderiam se beneficiar da elasticidade de provedores de computação em nuvem, pois, se determinada organização aloca um recurso para processar sua carga, esta pode, teoricamente, alocar N recursos paralelamente pelo mesmo preço, paralelizando assim o seu processamento, o que diminui o tempo total da execução da carga. Os resultados do trabalho mostram que os provedores atuais não permitem que clientes aloquem muitos recursos em paralelo, pois pode ocorrer uma queda drástica no desempenho do provedor devido ao uso concorrente de recursos. Atualmente há dois planos de provisionamento de infraestrutura: reserva de recursos e reserva sob demanda. Chaisiri et al. [Chaisiri et al. 2012] mostram que a reserva de recursos é mais barata que a reserva sob demanda pelo fato de ser estática e não precisar lidar com variações de carga de trabalho. Sendo assim, este artigo propõe uma análise sobre o provisionamento de recursos, considerando o aumento do número de máquinas virtuais concorrentes e o aumento da quantidade de recursos físicos para as máquinas virtuais. Como o ambiente a ser analisado compreende a infraestrutura, o estudo apresentado nas próximas seções aborda a virtualização que é aplicada na computação em nuvem e analisa os fatores de degradação do ambiente a fim de melhorar o provisionamento de máquinas virtuais. Segundo Koh et al. [Koh et al. 2007], as atuais técnicas de virtualização não proveem isolamento efetivo de desempenho entre as máquinas virtuais. Especificamente, a virtualização exerce diferentes tipos de impacto sobre o desempenho conforme o tipo de carga aplicada ao sistema. Embora os hypervisores (monitores das máquinas virtuais) realizem o gerenciamento dos recursos de forma organizada, o comportamento de uma máquina virtual (VM) pode afetar o desempenho de outra VM devido ao uso compartilhado de recursos no host físico. Uma vez que os recursos são compartilhados pelas múltiplas VMs, o desempenho obtido do sistema é imprevisível, instável e pode se degradar em alguns cenários [Gupta et al. 2006] [Koh et al. 2007] [Kesavan et al. 2010]. Ao passo que ocorre o compartilhamento de recursos na infraestrutura da computação em nuvem, a interferência entre as VMs fica mais evidente. Por isso, há interferência entre as VMs executando no mesmo host físico. No caso específico da CPU, a interferência pode acontecer quando o número de núcleos físicos é menor do que o número de VMs instanciadas ou quando existe o compartilhamento da cache L2 entre os núcleos da CPU. Múltiplas VMs estão ligadas ao gerenci-

5 amento de um único hypervisor e cada uma dessas VMs possui seu próprio ambiente sem a visibilidade das outras. Assim, em razão do isolamento, uma VM não pode ser informada da carga de trabalho em execução em outra VM, sendo impossibilitada de determinar os efeitos da interferência no desempenho [Cherkasova et al. 2007] [Koh et al. 2007] [Ongaro et al. 2008] [Boutcher and Chandra 2010]. De maneira geral, a interferência final é composta por vários fatores, tais como: o tipo de serviço (representando a carga), o número de VMs instanciadas e o algoritmo de escalonamento de VM do hypervisor. Observa-se que essa interferência pode levar a um aumento do tempo de execução de um serviço, resultando em insatisfação dos usuários. Neste contexto, a próxima seção trata da relação desses fatores, os quais influenciam as variáveis de resposta de um ambiente. 4. Materiais e Métodos Para a execução e análise dos experimentos, foi utilizada a metodologia de planejamento de experimento fatorial completo apresentada por Jain [Jain 1991]. Nessa metodologia de planejamento de experimentos é definido que, para um conjunto de experimentos, é necessário definir os fatores fixos (fatores não variáveis desde o primeiro até o último experimento) e os fatores variáveis (fatores que irão ser comparados nos experimentos). Os experimentos foram conduzidos utilizando um único servidor PowerEdge DELL T410 onde foram criadas as máquinas virtuais. Para prover homogeneidade aos experimentos, a configuração do servidor é a mesma tanto para o Xen quanto para o KVM. Xen é um virtualizador free e Open Source que permite a execução de vários outros sistemas operacionais em uma mesma máquina. Já o KVM (Kernel-Based Virtual Machine) é um virtualizador Open Source para Linux que utiliza o modelo de virtualização em nível de hardware implementando a técnica de virtualização completa com suporte as extensões (IVT e AMD-V) de virtualização dos processadores. Assim como a configuração do servidor, a configuração das máquinas virtuais no servidor também é fixa. Para efeito, tanto de comparação quanto de reprodução, os atributos físicos do servidor são mostrados na Tabela 1. Tabela 1. Configuração do Servidor Memória 12GB Memory (3x4GB) 1333MHz Dual Ranked RDIMMs Optimized Processador Intel Xeon X5660 HT 1333MHz Número de cores 6 Número de threads 12 Cache L1 6 x 32 KB instruction caches 6 x 32 KB data caches Cache L2 6 x 256 KB Cache L3 12 MB Disco SATA de 500GB 3.5 Sistema Operacional Debian 6 Kernel x86 64 Com as características apresentadas na Tabela 1 é possível reproduzir o ambiente que foi utilizado para realizar as experimentações, bem como para fazer generalizações, pois pode haver vários servidores com configurações semelhantes e que, provavelmente, obterão os mesmo resultados apresentados neste artigo. As configurações das máquinas virtuais bem como informações importantes, como escalonadores, são apresentados na Tabela 2.

6 Tabela 2. Configuração das Máquinas Virtuais Características da VM Xen KVM Memória 512MB 512MB Processador VCPU (2.8 GHz) VCPU (2.8 GHz) Disco 8 GB 8 GB Sistema Operacional Ubuntu kernel Ubuntu server server Escalonador Processo Host Credit Scheduler CFS Escalonador Processo VM CFS CFS É importante observar que as configurações das máquinas virtuais são padrão, ou seja, não foi realizada nenhum melhoria ou troca de características do modelo padrão de máquina virtual. A quantidade de experimentos é apresentada na Tabela 3. Tabela 3. Experimentos realizados Exp VM XEN VM KVM Núcleos Execuções Como apresentado na Tabela 3, há experimentos considerando um núcleo por máquina virtual, até o limite de cores do servidor, a fim de verificar qual o ponto de sobrecarga. Além disso, há a necessidade de verificar os ganhos de desempenho com um aumento de núcleos, do experimento 8 ao 11, visando identificar as melhores configurações de desempenho e quais os níveis de sobrecarga obtidos. Para uma correta avaliação e observação da utilização de recursos, foi utilizado um benchmark que faz uso intensivo de CPU. Esse tipo de carga foi selecionado por ser dependente apenas do processador, possibilitando fazer generalizações para outros tipos de processadores, enquanto que outros tipos de carga como: entrada e saída (I/O) e sistema, dependendo dos periféricos (Disco SCSI - Small Computer System Interface e NAS - Network-Attached Storage como exemplos de I/O e memórias com altas frequências), podem ter resultados muito diferentes, impossibilitando generalizações. O benchmark utilizado foi o SmallPT 1. O SmallPt é um renderizador global de imagens que faz uso estritamente de CPU. 5. Resultados Os resultados obtidos refletem o desempenho obtido em um servidor preparado para virtualização e computação de alto desempenho. Os experimentos foram elaborados para verificar qual o desempenho obtido quando há concorrência de máquinas virtuais em um mesmo servidor. Esse tipo de experimento é necessário para verificar como o planejamento de capacidade pode ser realizado em servidores com configurações semelhantes às utilizadas nesta pesquisa. 1

7 Normalmente utiliza-se a quantidade de recursos físicos pela quantidade de serviços executando, dado por P/N. O valor de P representa a quantidade de recursos disponíveis e o valor de N representa a quantidade de serviços executando. É necessário verificar que a carga a ser representada por N deve ser a quantidade de máquinas virtuais, pois elas devem fornecer aos seus usuários sua capacidade plena de processamento. A Figura 1 apresenta o desempenho obtido nas máquinas virtuais e possibilita a comparação de proporcionalidade oferecida pela relação de recursos por serviços. Interval Plot of Tempo Resposta (s) 95% CI for the Mean ,2 218 Tempo Resposta (s) ,2 134, ,8 180,7 175, VMM Máquinas Figura 1. Desempenho observado para carga estritamente CPU-Bound intra-host De acordo com a Figura 1, a proporcionalidade sugerida por P/N não é obtida. De acordo com nosso experimentos, não existe concorrência até o limite de seis máquinas virtuais que, de acordo com a Tabela 1, é a quantidade de núcleos físicos. É importante ressaltar que o sistema operacional do servidor (host) trabalhar com doze núcleos e não com seis. Essa característica é determinante para a elaboração de um planejamento de capacidade correto. A Figura 2 apresenta as diferenças obtidas entre as máquinas virtuais em termos de porcentagem de desempenho ,0 55,8 Virtualizador KVM Xen Desempenho ,0 27,0 25, ,0 0 0,0 0,0 0,0 0, Número de Máquinas virtuais 12 Figura 2. Relação de desempenho entre as máquinas virtuais intra-host

8 Como pode ser observado na Figura 2, o limite de núcleos que o sistema operacional do servidor trabalha gera uma sobrecarga, em geral, entre 55,8% e 64% dependendo do tipo de virtualizador. Essa relação de desempenho mostra que a proporcionalidade entre quantidade de recursos físicos e serviços executando (máquinas virtuais) não é o melhor indicador para formular a capacidade geral do ambiente, uma vez que se pode somar todos os recursos disponíveis e assim fornecer serviços regulares de forma correta. Outro ponto de destaque é o uso de escalabilidade horizontal, onde os recursos das máquinas virtuais podem ser expandidos. O gráfico da Figura 3 apresenta os resultados obtidos e as comparações entre os resultados Interval Plot of Tempo Resposta (s) 95% CI for the Mean 140,2 140,2 134,8 136 Tempo Resposta (s) ,9 35,1 23,8 35,1 18,2 36,9 18,7 32,2 0 VM Virtualizador Núcleos Xen 1 KVM Xen 6 KVM Xen 12 KVM Figura 3. Índices de desempenho com configurações variadas de núcleos por máquinas virtuais concorrentes De acordo com o gráfico da Figura 3, o desempenho obtido foi melhor para as quantidades maiores de núcleos virtuais (VCPU - Virtual CPU). A diferença entre 1VCPU e 6VCPUs fica em torno de 83%, porém quando o limite é aumentado de 6VCPUS para 12VCPUS o ganho de desempenho fica em torno de 22%. Nota-se que, para duas máquinas virtuais, tanto com 6 como com 12 VCPUS, o desempenho não segue o mesmo comportamento apresentado com apenas 1VCPU. Esse fato é devido à concorrência pelos núcleos do servidor. A diferença obtida entre as máquinas virtuais para 6VCPUS fica em torno de 47%,enquanto que, a diferença obtida com 12VCPUS fica em torno de 100%. Apesar da degradação de desempenho apresentada para 1 e 2VMs, os tempos de resposta são melhores que os obtidos quando a máquina virtual possui apenas 1VCPU. Apesar das quantidades maiores apresentarem melhores índices de desempenho, essa característica torna o trabalho de planejamento de capacidade um desafio ainda maior, pois não existe uma forma de prever qual será a carga exata de cada cliente. Como o ambiente de nuvem propicia o aluguel de recursos computacionais por tempos determinados, o cliente pode não conhecer ao certo sua carga de trabalho e o provedor de serviços pode não possuir uma regra para determinar a mesma. Dessa forma, é possível verificar porque atualmente não é válido fazer a relação entre um recurso por mil horas ou mil recursos por uma hora, apesar de ser possível fazer

9 essa relação. O modelo econômico praticado atualmente visa atender o máximo de clientes e a relação citada anteriormente precisa de formas de agendamento e realocação de máquinas virtuais para fornecer os recursos físicos adequados, isso acaba sendo inviável para os fornecedores de computação em nuvem. 6. Conclusão O planejamento de capacidade é uma ferramenta muito útil para o desenvolvimento de ambientes computacionais de forma coerente e sem desperdícios de recursos. Essa técnica, apesar de parecer trivial e até mesmo inútil para alguns casos, é fundamental atualmente, pois requer conhecimento do sistema de forma geral e quais os possíveis pontos de degradação do mesmo. Este artigo propôs identificar três pontos julgados importantes no desenvolvimento de ambientes voltados para aplicações de alto desempenho: modelo econômico atual, relação de proporcionalidade entre recursos e serviços e arquitetura dos virtualizadores utilizados. Nossa pesquisa identificou que o modelo econômico adotado em nuvem propõe a auto configuração de recursos de acordo com a demanda dos serviços, no entanto essa premissa não é adotada quando se trata de aplicações que requerem uma alta quantidade de processamento. De acordo com os experimentos realizados, verificou-se que a quantidade de recursos para o uso concorrente de forma a não degradar o desempenho é o limite de núcleos físicos, no entanto há o uso de multithread que dá a falsa sensação de mais processamento do que de fato há. Essa característica pode levar a um planejamento de capacidade de forma incoerente uma vez que devem ser observados a quantidade de núcleos e não de threads disponíveis. Outro ponto é a proporcionalidade entre recursos disponíveis e serviços executando. Foi comprovado que não há de fato uma proporção exata entre a relação recursos/serviços. O planejamento nesse caso deve, em primeiro lugar considerar a quantidade física de recursos e em segundo lugar, considerar as características pertinentes ao processador utilizado, como tamanho de caches, quantidade de instruções e outras características pertinentes ao processador em questão. O terceiro ponto foi verificar que apesar de haver uma diferença de desempenho entre os tipos de virtualizadores, na média o desempenho dos virtualizadores é o mesmo (comprovado pelos resultados apresentados no gráfico de desempenho com os erros obtidos). Fica claro que a preocupação maior no desenvolvimento do ambiente de alto desempenho é com relação a arquitetura do processador e não nas tecnologias de gerência de máquinas virtuais. Referências Armbrust, M., Fox, A., Griffith, R., Joseph, A. D., Katz, R. H., Konwinski, A., Lee, G., Patterson, D. A., Rabkin, A., Stoica, I., and Zaharia, M. (2009). Above the clouds: A berkeley view of cloud computing. Technical Report UCB/EECS , EECS Department, University of California, Berkeley. Boutcher, D. and Chandra, A. (2010). Does virtualization make diskscheduling passé? SIGOPS Oper. Syst. Rev., 44(1): Chaisiri, S., Lee, B., and Niyato, D. (2012). Optimization of resource provisioning cost in cloud computing. Services Computing, IEEE Transactions on, 5(2):

10 Cherkasova, L., Gupta, D., and Vahdat, A. (2007). Comparison of the three cpu schedulers in xen. SIGMETRICS Perform. Eval. Rev., 35(2): Costa, R., Brasileiro, F., Lemos, G., and Mariz, D. (2011). Sobre a amplitude da elasticidade dos provedores atuais de computação na nuvem. Anais do XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos (SBRC2011). Sociedade Brasileira de Computação (SBC), pages Gupta, D., Cherkasova, L., Gardner, R., and Vahdat, A. (2006). Enforcing performance isolation across virtual machines in xen. In Proceedings of the ACM/IFIP/USENIX 2006 International Conference on Middleware, pages Springer-Verlag New York, Inc. Jain, R. (1991). The art of computer systems performance analysis: techniques for experimental design, measurement, simulation, and modeling. Wiley, pages Kesavan, M., Gavrilovska, A., and Schwan, K. (2010). On disk i/o scheduling in virtual machines. In Proceedings of the 2nd conference on I/O virtualization, pages 6 6. USENIX Association. Koh, Y., Knauerhase, R., Brett, P., Bowman, M., Wen, Z., and Pu, C. (2007). An analysis of performance interference effects in virtual environments. In Performance Analysis of Systems Software, ISPASS IEEE International Symposium on, pages Mell, P. and Grance, T. (2009). The NIST Definition of Cloud Computing. Technical report. Nance, K., Bishop, M., and Hay, B. (2008). Virtual machine introspection: Observation or interference? Security & Privacy, IEEE, 6(5): Ongaro, D., Cox, A. L., and Rixner, S. (2008). Scheduling i/o in virtual machine monitors. In Proceedings of the fourth ACM SIGPLAN/SIGOPS international conference on Virtual execution environments, VEE 08, pages 1 10, New York, NY, USA. ACM. Parkhill, D. (1966). The challenge of the computer utility. Number p. 246 in The Challenge of the Computer Utility. Addison-Wesley Pub. Co. Sotomayor, B., Keahey, K., and Foster, I. (2006). Overhead matters: A model for virtual resource management. In Proceedings of the 2nd International Workshop on Virtualization Technology in Distributed Computing, page 5. IEEE Computer Society. White, J. and Pilbeam, A. (2010). A survey of virtualization technologies with performance testing. Arxiv preprint arxiv: Zhang, Q., Cheng, L., and Boutaba, R. (2010). Cloud computing: state-of-the-art and research challenges. Journal of Internet Services and Applications, 1:7 18.

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines Timothy Wood, Prashant Shenoy, K.K. Ramakrishnan, Jacobus Van der Merwe VEE '11 Proceedings of the 7th ACM SIGPLAN/SIGOPS

Leia mais

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2

Computação em Nuvem. Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Computação em Nuvem Henrique Ruschel, Mariana Susan Zanotto, Wélton Costa da Mota Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 2008/2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Matheus D'Eça Torquato de Melo (mdetm@cin.ufpe.br) Paulo Maciel (prmm@cin.ufpe.br) 12 Roteiro

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM

9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM 9º Congresso de Pós-Graduação GERENCIAMENTO DE CONSULTAS EM DATA WAREHOUSE DISTRIBUÍDO EM NUVEM Autor(es) ORLANDO PEREIRA SANTANA JUNIOR Orientador(es) MARINA TERESA PIRES VIEIRA 1. Introdução A informação

Leia mais

V M 2 T - Um Sistema para Auxílio na Migração de VMs em Nuvens OpenStack

V M 2 T - Um Sistema para Auxílio na Migração de VMs em Nuvens OpenStack V M 2 T - Um Sistema para Auxílio na Migração de VMs em Nuvens OpenStack Felipe Aparecido dos Santos Novais 1, Lúcio Agostinho Rocha 1, Fábio Luciano Verdi 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

Proposta de Workflow para Alocação de Máquinas Virtuais Utilizando Características de Processamento

Proposta de Workflow para Alocação de Máquinas Virtuais Utilizando Características de Processamento IX Workshop em Clouds, Grids e Aplicações 161 Proposta de Workflow para Alocação de Máquinas Virtuais Utilizando Características de Processamento Paulo Antônio Leal Rego 1,2, Emanuel Ferreira Coutinho

Leia mais

Computação em Nuvem & OpenStack

Computação em Nuvem & OpenStack Computação em Nuvem & OpenStack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Ação Computação em Nuvem: Charles Christian Miers André Rover de Campos Glauber Cassiano Batista Joinville Roteiro Definições

Leia mais

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Márcio Parise Boufleur Guilherme Piegas Koslovski Andrea Schwertner Charão LSC - Laboratório de Sistemas de Computação UFSM - Universidade

Leia mais

Avaliando o Ambiente de Virtualização Xen Utilizando Aplicações de Bancos de Dados

Avaliando o Ambiente de Virtualização Xen Utilizando Aplicações de Bancos de Dados Avaliando o Ambiente de Virtualização Xen Utilizando Aplicações de Bancos de Dados Rodrigo N. Calheiros, Guilherme Rodrigues, Tiago Ferreto, César A. F. De Rose Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados *

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * Humberto Lima, Felipe Aragão, Jonas Lima, Flávio R.C. Sousa, José Maria

Leia mais

Soluções para criar a sua própria nuvem

Soluções para criar a sua própria nuvem Soluções para criar a sua própria nuvem Maicon de Vargas Pereira 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Rua Gonçalves Chaves, 602 Pelotas RS Brasil Caixa Postal 96.015-560 Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Autonômica Emanuel F. Coutinho 1, Gabriel A. L. Paillard 1 Leonardo O. Moreira 1, Ernesto Trajano de Lima

Leia mais

Automatic virtual machine configuration for database workloads (SIGMOD Journal)

Automatic virtual machine configuration for database workloads (SIGMOD Journal) Automatic virtual machine configuration for database workloads (SIGMOD Journal) [Soror et al. 2010] Adriano Lange Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010

CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL. MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 CLOUD COMPUTING PEDRO MORHY BORGES LEAL MAC0412 - Organização de Computadores Prof. Alfredo Goldman 7 de dezembro de 2010 0 CLOUD COMPUTING 1 1. Introdução Com o grande avanço da tecnologia de processadores,

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF 108 Segurança da Informação Computação em Nuvem Prof. João Henrique Kleinschmidt Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente

Leia mais

Análise Quantitativa de Técnicas de Virtualização Como Ambiente de Testes

Análise Quantitativa de Técnicas de Virtualização Como Ambiente de Testes Análise Quantitativa de Técnicas de Virtualização Como Ambiente de Testes Artur Baruchi IBM Brasil Software Group IBM Brasil, São Paulo abaruchi@br.ibm.com Ricardo L. Piantola IBM Brasil Software Group

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem

Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem EXTRAÇÃO DE DADOS NO CONTEXTO DE UMA REDE SOCIAL DE CONSUMO Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem Jonathan Patrick Rosso, Claudio Schepke jonathan.p.rosso@gmail.com, claudioschepke@unipampa.edu.br

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real Dicionário Houaiss Virtualização Tornar virtual Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Java Virtual

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Um arcabouço para gerenciamento automático de máquinas virtuais em CPDsbaseado em perfil

Um arcabouço para gerenciamento automático de máquinas virtuais em CPDsbaseado em perfil VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Um arcabouço para gerenciamento

Leia mais

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA

EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA EUCALYPTUS: UMA PLATAFORMA CLOUD COMPUTING PARA QUALQUER TIPO DE USUÁRIO Gustavo Henrique Rodrigues Pinto Tomas 317624 AGENDA Introdução: Cloud Computing Modelos de Implementação Modelos de Serviço Eucalyptus

Leia mais

Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen

Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen Guilherme Piegas Koslovski, Márcio Parise Boufleur, Andrea Schwertner Charão 1 Laboratório de Sistemas de Computação (LSC) Curso de Ciência

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO UM ESTUDO SOBRE OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DE SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE CLOUD COMPUTING

ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO UM ESTUDO SOBRE OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DE SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE CLOUD COMPUTING ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 UM ESTUDO SOBRE OS BENEFÍCIOS E OS RISCOS DE SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE CLOUD COMPUTING Aluno: Fabrício Rodrigues Henriques da Silva Matrícula: 05201186 Professor:

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Houston, we have a cloud! Um estudo das aplicações da Computação Forense em uma das tecnologias mais evidentes da atualidade.

Houston, we have a cloud! Um estudo das aplicações da Computação Forense em uma das tecnologias mais evidentes da atualidade. Houston, we have a cloud! Um estudo das aplicações da Computação Forense em uma das tecnologias mais evidentes da atualidade. André Guaraldo (101487) Giuliano R. Pinheiro (108759) Oscar Esgalha (108231)

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br

Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas. Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br Impactos do Envelhecimento de Software no Desempenho dos Sistemas Jean Carlos Teixeira de Araujo jcta@cin.ufpe.br 1 Agenda Introdução; Software Aging; Software Rejuvenation; Laboratório MoDCS Cloud; Dúvidas?

Leia mais

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System O sistema Open Source de nuvens computacionais Eucalyptus Daniel Nurmi, Rich Wolski, Chris Grzegorczyk, Graziano Obertelli, Sunil Soman, Lamia Youseff,

Leia mais

Neblina - Espaços Virtuais de Trabalho para uso em

Neblina - Espaços Virtuais de Trabalho para uso em XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 965 Neblina - Espaços Virtuais de Trabalho para uso em Aplicações Científicas Felipe J. Fernandes, Bruno Schulze, Antonio R. Mury

Leia mais

Computação em Nuvem. (Cloud Computing) Pesquisa & Desenvolvimento

Computação em Nuvem. (Cloud Computing) Pesquisa & Desenvolvimento Computação em Nuvem (Cloud Computing) Pesquisa & Desenvolvimento Santo André: 20 de fevereiro de 2013 Características de um bom Data Center Bom Desempenho Escalabilidade Alta Disponibilidade Economia Gerência

Leia mais

Influência do Algoritmo de Escalonamento Credit Scheduler no Desempenho de Rede

Influência do Algoritmo de Escalonamento Credit Scheduler no Desempenho de Rede Influência do Algoritmo de Escalonamento Credit Scheduler no Desempenho de Rede Artur Baruchi, Edson Toshimi Midorikawa Laboratório de Arquitetura e Computação de Alto Desempenho Departamento de Engenharia

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

TÍTULO: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTRUTURA DA SOLUÇÃO DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM IMPLANTADA EM UMA EMPRESA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TÍTULO: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTRUTURA DA SOLUÇÃO DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM IMPLANTADA EM UMA EMPRESA DO ESTADO DE SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E ESTRUTURA DA SOLUÇÃO DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM IMPLANTADA EM UMA EMPRESA

Leia mais

Transformação da Indústria

Transformação da Indústria Conceitos Transformação da Indústria Hoje Cloud Anos 2000 Web Anos 1990 Cliente / Servidor Anos 1970 e 80 Mainframe Novas possibilidades O momento atual do país é favorável para que as empresas passem

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation

Soluções IBM SmartCloud. 2014 IBM Corporation Soluções IBM SmartCloud Estratégia de Cloud Computing da IBM Business Process as a Service Software as a Service Platform as a Service Infrastructure as a Service Design Deploy Consume Tecnologias para

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral, Leonardo B. Pinho

Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral, Leonardo B. Pinho COMISSÃO REGIONAL DE ALTO DESEMPENHO / RS ESCOLA REGIONAL DE ALTO DESEMPENHO / RS 15ª Edição - Abril / 2015 Framework open source simplificado para Cloud Computing Alex D. Camargo, Érico M. H. Amaral,

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Apresentado por: Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto CI853 - Tópicos em Redes de Computadores III Prof. Aldri Luiz dos

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Cloud Computing: Estou nas nuvens ou estou voando?

Cloud Computing: Estou nas nuvens ou estou voando? Cloud Computing: Estou nas nuvens ou estou voando? Rostand Costa Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital - LAVID 1 Fonte: http://www.free-pictures-photos.com Quem já usou Cloud Computing? 2 Quem já

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen

Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen Avaliação do Desempenho da Migração de Máquinas Virtuais em Xen Guilherme Piegas Koslovski Márcio Parise Boufleur Andrea Schwertner Charão UFSM - Universidade Federal de Santa Maria Roteiro Introdução

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE SERVIDORES DA EMPRESA EDELBRA

PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE SERVIDORES DA EMPRESA EDELBRA PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE SERVIDORES DA EMPRESA EDELBRA LOSS, André ¹ BRAMBATTI, Marcel ² BÜHLER, Leslie Vieira ³ loss.andreluis@gmail.com RESUMO: Para entender perfeitamente o que

Leia mais

Análise Comparativa de Desempenho do Hipervisor Xen: Paravirtualização versus Virtualização Total

Análise Comparativa de Desempenho do Hipervisor Xen: Paravirtualização versus Virtualização Total de Desempenho do Hipervisor Xen: Paravirtualização versus Total Andrea Schwertner Charão e Ronaldo Canofre M. dos Santos LSC - Laboratório de Sistemas de Computação Curso de Ciência da Computação UFSM

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Análise de Desempenho da Virtualização de Rede nos Sistemas Xen e OpenVZ

Análise de Desempenho da Virtualização de Rede nos Sistemas Xen e OpenVZ Análise de Desempenho da Virtualização de Rede nos Sistemas Xen e OpenVZ Adler Hoff Schmidt 2, Márcio Parise Boufleur 1, Ronaldo Canofre M. dos Santos 2, Andrea Schwertner Charão 1, 2 1 Laboratório de

Leia mais

Em Direção à Comparação do Desempenho das Aplicações Paralelas nas Ferramentas OpenStack e OpenNebula

Em Direção à Comparação do Desempenho das Aplicações Paralelas nas Ferramentas OpenStack e OpenNebula Em Direção à Comparação do Desempenho das Aplicações Paralelas nas Ferramentas OpenStack e OpenNebula Carlos A. F Maron¹, Dalvan Griebler², Adriano Vogel¹, Claudio Schepke³ ¹Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Uso de Virtualização de Recursos Computacionais na Administração de Redes

Uso de Virtualização de Recursos Computacionais na Administração de Redes Uso de Virtualização de Recursos Computacionais na Administração de Redes Guilherme Piegas Koslovski, Márcio Parise Boufleur, Andrea Schwertner Charão 1 Laboratório de Sistemas de Computação (LSC) Curso

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER

PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER PROPOSTA COMERCIAL CLOUD SERVER Sobre a AbsamHost A AbsamHost atua no mercado de hosting desde 2008, fornecendo infraestrutura de data center a diversas empresas no Brasil e no mundo. Focada em servidores

Leia mais

Análise de Desempenho de Algoritmos em Ambientes Virtualizados em Cloud Computing

Análise de Desempenho de Algoritmos em Ambientes Virtualizados em Cloud Computing Análise de Desempenho de Algoritmos em Ambientes Virtualizados em Cloud Computing Ricardo Soares Bôaventura ricardoboaventura@iftm.edu.br IFTM Keiji Yamanaka keiji@ufu.br UFU Bruno Queiroz Pinto bruno.queiroz@iftm.edu.br

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA DE PLATAFORMAS DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM Igor dos Passos Granado¹, Ricardo de Melo Germano¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Estratégias para Alocação Dinâmica de Recursos em um Ambiente Híbrido de Computação em Nuvem

Estratégias para Alocação Dinâmica de Recursos em um Ambiente Híbrido de Computação em Nuvem 128 XI Workshop de Computação em Clouds e Aplicações Estratégias para Alocação Dinâmica de Recursos em um Ambiente Híbrido de Computação em Nuvem Paulo Antonio Leal Rego 1, Emanuel Ferreira Coutinho 1,2,

Leia mais

Eficiência energética em virtualização: otimização e sustentabilidade do consumo de energia elétrica

Eficiência energética em virtualização: otimização e sustentabilidade do consumo de energia elétrica VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Eficiência energética em virtualização:

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Implementação de Clusters Virtuais em Hosts Windows

Implementação de Clusters Virtuais em Hosts Windows Implementação de Clusters Virtuais em Hosts Windows David Beserra 1, Alexandre Borba 1, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araújo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns Universidade Federal Rural de

Leia mais

Uma nuvem privada oportunista para execução de aplicações Bag-of-Tasks

Uma nuvem privada oportunista para execução de aplicações Bag-of-Tasks 1102 31 o Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos SBRC 2013 Uma nuvem privada oportunista para execução de aplicações Bag-of-Tasks Patricia Alanis 1, Abmar Barros 1, Francisco

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Virtualização na arquitetura x86

Virtualização na arquitetura x86 Virtualização na arquitetura x86 Rodrigo Grumiche Silva grumiche@inf.ufsc.br Laboratório de Pesquisa em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

O melhor data center

O melhor data center Comparativo CAPA O melhor data center Comparamos os melhores data centers do Brasil em quatro categorias de ofertas. Leia e descubra qual é o mais adequado para a sua necessidade. por Pablo Hess A nuvem

Leia mais

O que é Cloud Computing?

O que é Cloud Computing? O que é Cloud Computing? Referência The Economics Of The Cloud, Microsoft, Nov. 2010 Virtualização, Brasport, Manoel Veras, Fev. 2011. 2 Arquitetura de TI A arquitetura de TI é um mapa ou plano de alto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Uso Eficiente De Energia Para Cloud Computing Através De Simulações Rafael Rodrigues de Freitas Florianópolis SC 2011/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO

Leia mais

Single-Chip Cloud Computer

Single-Chip Cloud Computer IME-USP Departamento de Ciência da Computação Single-Chip Cloud Computer Diogo de Jesus Pina 6798294 (diogojpina@gmail.com) Everton Topan da Silva 6514219 (everton.topan.silva@usp.br) Disciplina: Organização

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Modelagem de Desempenho, Dependabilidade e Custo para o Planejamento de Infraestruturas de Nuvem

Modelagem de Desempenho, Dependabilidade e Custo para o Planejamento de Infraestruturas de Nuvem Modelagem de Desempenho, Dependabilidade e Custo para o Planejamento de Infraestruturas de Nuvem Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Aluno: Erica Sousa etgs@cin.ufpe.br Orientador:

Leia mais

Sistemas Virtualizados

Sistemas Virtualizados Sistemas Virtualizados Julio Cesar S. Anjos 1, Mariano Nicolao 2 1 Laboratório de Inteligência Artificial e Computação em Grid Legere Sistemas Dinâmicos Pesquisa e Desenvolvimento - Campus ULBRA/Guaíba

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux System API Máquinas virtuais System ISA (Instruction Set Architecture) Aplicações Chamadas ao sistema Sistema de Operação Hardware User ISA (Instruction Set Architecture) Uma máquina virtual executa software

Leia mais