Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT"

Transcrição

1 Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT

2 Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT versão 1, mês outubro, ano PAULO BERNARDO SILVA Presidente do Conselho de Administração WAGNER PINHEIRO DE OLIVEIRA Presidente da ECT JOSÉ LUIS SERAFINI BOLL Chefe da Auditoria da ECT ALECXANDRA CONSUELO DE SOUZA Gerência Corporativa de Auditorias em Licitações GLIC ELABORAÇÃO Katie Maria Kroll Gerência Corporativa de Auditorias em Licitações GLIC COLABORAÇÃO Célia Regina Pereira Lima Negrão Gerência Corporativa de Execução GCEX/AUDIT Juliana Pena Chiaradia Gerência Corporativa de Auditorias em Licitações GLIC Central de Compras CECOM/VIPAD REVISÃO ORTOGRÁFICA Amanda Madureira Departamento de Relacionamento Institucional DERIN DIAGRAMAÇÃO E PROJETO GRÁFICO Hisla Sena Departamento de Relacionamento Institucional DERIN

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 1. INTRODUÇÃO 5 2. LEGISLAÇÃO E NORMA APLICÁVEL Legislação Manual de Licitações - MANLIC Sistemas 7 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS 8 4. PROCEDIMENTOS DE CONTROLE E PREVENÇÃO Designação do Pregoeiro e da Equipe de Apoio Justificativa da Necessidade: Requisição do Objeto do Processo de Pregão Presencial e Eletrônico Fase Interna: Planejamento Definição do Objeto Termo de Referência Elaboração do Edital Definição das Exigências para habilitação dos licitantes no Edital Definição dos Critérios de Aceitação das Propostas definidas no Edital Registro das sanções e penalidades definido no Edital Definição das Cláusulas da Minuta do Contrato Formalização dos Autos de Pregão Fase Externa do Processo de Pregão Presencial e Eletrônico Realização de Audiência Pública Publicação para Convocação dos Interessados Credenciamento dos Licitantes - Representantes Julgamento das Propostas CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 23

4 APRESENTAÇÃO O combate à fraude e à corrupção por meio de boas práticas de governança corporativa alcança a noção de responsabilidade social e empresarial das Organizações e responde ao princípio do Pacto Global das Nações Unidas que estabelece que as empresas devem combater a corrupção em todas as suas formas, incluindo extorsão e propina (http://www.pactoglobal.org.br). O valor que emerge do combate à fraude e à corrupção, somado ao impacto econômico da corrupção reconhecidamente significativo, além da prevenção aos danos na imagem da empresa representam algumas das justificativas para a implementação de um Programa de Prevenção a Fraudes. Fraude e corrupção conduzem à ineficiência e ao incentivo errado para investimentos, originando impactos financeiros expressivos. Por esse prisma, o Programa de Prevenção a Fraudes (PPF) implantado na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) foi desenvolvido com base na legislação e nas principais normas e regulamentos internacionais e visa ao desenvolvimento de ações de prevenção e monitoramento das áreas/processos que apresentem riscos a serem materializados pela ocorrência de fraudes na empresa. São ações voltadas à compreensão da natureza e dinâmica da fraude e da corrupção, com adoção de medidas práticas de sensibilização e mitigação. O PPF contribui com ações para o fortalecimento do sistema de controles internos de modo a sensibilizar todas as áreas sistêmicas da empresa para a importância do cumprimento da legislação e das políticas, normas e procedimentos internos sensíveis à ocorrência de fraudes. Esta cartilha é um dos componentes desse programa e visa propor aos empregados envolvidos nos processos internos o aperfeiçoamento da visão de pontos de controles internos necessários à gestão, visando à salvaguarda e à correta utilização do patrimônio público. Não possui a intenção de esgotar todos os possíveis controles referentes ao tema. Dessa forma, cabe aos gestores e agentes envolvidos com o processo um olhar atento com o objetivo de descobrir as lacunas que facilitam a ação dos fraudadores e reforçar o controle necessário, especificamente os controles primários de gestão. 4 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

5 1. INTRODUÇÃO Historicamente, após a promulgação da Constituição Federal de ressalvados os casos especificados na legislação -, a Carta Magna estabeleceu que a administração pública contratasse as obras, serviços, compras e alienações mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes (Art. 37, XXI). A regulamentação do Artigo 37, inciso XXI da Constituição Federal foi materializada com sanção da Lei de 21 de junho de 1993 Lei das Licitações e Contratos Administrativos que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública. O objetivo do procedimento licitatório é proporcionar à Administração Pública a apreciação da proposta mais vantajosa e dar chance a todos de oferecerem seus produtos ou serviços ao Estado em igualdade de concorrência, observando os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Fato marcante para a administração pública foi a edição da Medida Provisória em 04 de maio de 2000, posteriormente convertida na Lei de 17 de julho de 2002, que instituiu a modalidade de licitação denominada de PREGÃO com objetivo único e exclusivo de aquisição de bens e serviços comuns por parte da Administração Pública Federal para atender ao princípio constitucional da eficiência. Diante da evolução tecnológica que propiciou o aumento do comércio eletrônico via internet, foi instituída a modalidade de Pregão Eletrônico por meio do Decreto de 31 de maio de 2005, promovendo maior celeridade aos processos de contratações de bens e serviços comuns com a utilização da tecnologia de informação. A ECT, em cumprimento ao Artigo 4º do Decreto 5.450, estabelece, no MANLIC (Manual de Licitações), como regra obrigatória a modalidade de Pregão, preferencialmente a forma eletrônica para aquisição de bens e serviços comuns, cujos padrões de desempenho e qualidade sejam objetivamente definidos em Edital, com a adoção de especificações de uso corrente do mercado para a aquisição de materiais e serviços, observadas as definições estabelecidas em lei. Pela importância do tema para a ECT e pelo volume de denúncias relacionadas aos processos licitatórios, que são constantemente publicadas na mídia, torna-se fundamental a sensibilização dos gestores para adoção de medidas preventivas e de monitoramento visando à prevenção de atos fraudulentos ou de corrupção nos processos de contratação. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 5

6 Neste âmbito, há que se ressaltar que o Brasil, mesmo integrando a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), não possuía um dispositivo legal que punisse as empresas que praticam atos lesivos contra o erário público. Entretanto, foi sancionada em 02 de agosto de 2013 a Lei , conhecida como Lei Anticorrupção, que dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos lesivos aos cofres públicos contra a Administração Pública, nacional ou estrangeira, que prevê, em especial, as situações de corrupção e fraude em licitações e contrações públicas. A sanção deste dispositivo legal impõe responsabilidades para as pessoas jurídicas pela prática de atos ilícitos, prevendo atingir o seu patrimônio, obtendo efetivo ressarcimento dos prejuízos causados contra a administração pública. Os atores envolvidos nos processos licitatórios devem abster-se de práticas criativas que visem ao enriquecimento ilícito ou beneficiamento por meio de práticas fraudulentas ou atos de corrupção em prejuízo da Administração Pública. Nesta publicação serão abordados aspectos relevantes para pontos críticos da modalidade licitatória Pregão Eletrônico e Presencial que podem ensejar a prática de atos fraudulentos ou de corrupção. O objetivo desse trabalho é chamar a atenção dos agentes públicos envolvidos para os pontos sensíveis às práticas fraudulentas no processo de contratação, por meio da modalidade de Pregão (Eletrônico ou Presencial). Não é a pretensão desta publicação esgotar o assunto e as possibilidades de fraudes nos processos licitatórios, em especial na modalidade Pregão, cuja literatura é vasta, mas servir de motivação ao gestor à adoção de práticas de gestão e melhoria dos controles internos a partir da observação dos pontos críticos de um processo licitatório de pregão. 6 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

7 2. LEGISLAÇÃO E NORMA APLICÁVEL 2.1 LEGISLAÇÃO Lei nº , de 21 de junho de 1993 Lei das Licitações e Contratos Administrativos. Consulte o texto integral da Lei 8.666/93 no site: Lei nº , de 17 de julho de 2002 Lei do Pregão. Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006 Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Decreto nº , de 31 de maio de 2005 Regulamento do Pregão Eletrônico. Decreto nº , de 08 de agosto de 2000 Regulamento do Pregão Presencial. 1. Consulte o texto integral dos Decretos nos sites a seguir: Lei nº de 2 de Agosto de Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. 2.2 Manual de Licitações - MANLIC A norma interna aplicável ao processo de contratação está contemplada no Manual de Licitação e Contratação MANLIC 2.3 Sistemas SICAF Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores: Tem por finalidade cadastrar e habilitar parcialmente os interessados, pessoas físicas ou jurídicas, em participar de licitações realizadas por órgãos/entidades da Administração Pública Federal, integrantes do SISG (Sistema de Serviços Gerais) e/ou não SISG, bem como, acompanhar o desempenho dos fornecedores cadastrados e ampliar as opções de compra do Governo Federal. https://www3.comprasnet.gov.br/sicafweb/public/pages/default.jsf ERP Módulo de Contratação e Gestão de Contratos. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 7

8 3. DEFINIÇÕES E CONCEITOS 3.1 Bem ou Serviços Comuns: São aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital através de especificações usuais de mercado. 3.2 Cartilha do Fornecedor: Visando a transparência nas relações com o fornecedor e o cumprimento dos objetivos organizacionais, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT, com fundamento na sua Missão, Visão, Valores, estabelece na Cartilha do Fornecedor a política interna e canais existentes de relacionamento com os fornecedores definindo os objetivos e as expectativas da ECT, a fim de estabelecer parcerias duradouras Comissão Permanente de Licitação CPL: Comissão composta por 3 empregados qualificados pertencentes ao quadro permanente da ECT, designados por portaria, sendo um Presidente (Pregoeiro) e dois Membros (Equipe de Apoio ao Pregoeiro) com a função de realizar os procedimentos licitatórios. 3.4 Equipe de Apoio: Grupo de empregados do órgão promotor do pregão, designados para prestarem a assistência ao Pregoeiro em todas as fases do procedimento. 3.5 Licitação: escolha, por concorrência, de fornecedores de produtos ou serviços para órgãos públicos, de acordo com edital publicado previamente em meios de comunicação a exemplo de jornais, internet, sites institucionais cujo objetivo é escolher a proposta mais vantajosa à Administração. 3.6 Pregoeiro: Na ECT, o pregoeiro é o empregado lotado na Comissão Permanente de Licitação (CPL) designado para comandar os trabalhos do pregão e coordenar a equipe de apoio. O pregoeiro responde individualmente pelos atos praticados na condução do pregão, inexistindo responsabilidade solidária de sua equipe de apoio. O exercício da atribuição de pregoeiro não constitui função gratificada. (MANLIC). 3.7 Pregão Eletrônico: Modalidade licitatória em que a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços comuns é realizada por meio de propostas e lances em ambientes virtuais conhecidos como sala virtual de disputa. 3.8 Pregão Presencial: Modalidade licitatória em que a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços comuns é realizada em sessão pública por meio de propostas escritas e lances verbais. 8 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

9 4. PROCEDIMENTOS DE CONTROLE E PREVENÇÃO Para a prevenção de fraudes nos processos licitatórios é fundamental que os agentes públicos envolvidos tenham conhecimento dos principais pontos que possam fragilizar e inviabilizar as contratações públicas. Por ser a modalidade recomendada em dispositivos legais, a ECT estabelece, no MANLIC (Manual de Licitações), o Pregão, preferencialmente na forma eletrônica, para a contratação bens e aquisição de serviços comuns. A fase interna é o momento em que se planeja a licitação e deve ser considerada a mais importante, porque dela decorre o surgimento de uma das peças fundamentais para a realização da aquisição de bens e contratação de serviços: o Edital. O Edital é o documento elaborado pela Comissão de Licitação ou Pregoeiro e sua equipe, que define com precisão e clareza o objeto da licitação e estabelece as condições para a compra ou alienação de bens, para a contratação de obras ou para a execução de serviços com objetivo de garantir a economicidade e vantajosidade à ECT sem restrições à competitividade. A seguir, serão apresentadas as principais fases do processo licitatório na modalidade de Pregão (Eletrônico e Presencial) com ênfase na designação do Pregoeiro e Equipe de Apoio, na necessidade da contratação estar alinhada ao Plano de Trabalho da Área/Órgão para se evitar contratações equivocadas e, finalmente, nos principais pontos de controle na fase interna e externa do Pregão Eletrônico e/ou Presencial. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 9

10 4.1 Designação do Pregoeiro e da Equipe de Apoio Designação do Pregoeiro e da Equipe de apoio Agentes envolvidos: Autoridade Superior. A designação pela Autoridade Superior do Pregoeiro e da equipe de apoio deve ser por meio de portaria, em atenção ao Inciso IV, Art. 3º da Lei /2002 Pregão Presencial; e Art.10 do Decreto n.º Pregão Eletrônico. Os critérios para designação estão previstos no Manual de Pessoal MANPES da ECT e as portarias devem ser registradas no sistema de administração de pessoal (Populis) e compor o processo físico do pregão. São atribuições do Pregoeiro: a. o credenciamento dos interessados; b. o recebimento dos envelopes das propostas de preços e da documentação de habilitação; c. a abertura dos envelopes das propostas de preços, o seu exame e a classificação dos proponentes; d. a condução dos procedimentos relativos aos lances e à escolha da proposta ou do lance de menor preço; e. a adjudicação da proposta de menor preço; f. a elaboração de ata; g.a condução dos trabalhos da equipe de apoio; h. o recebimento, o exame e a decisão sobre recursos; e i. o encaminhamento do processo devidamente instruído, após a adjudicação, à autoridade superior, visando à homologação e à contratação. O pregão eletrônico é um procedimento dinâmico que, na fase externa, é fundamentalmente verbal com a interação do Pregoeiro com os participantes do certame. Por esse motivo, ao Pregoeiro serão necessárias competências (obtidas por meio de capacitação especifica), habilidades e atitudes (como razoabilidade, ponderação e liderança) para atingir o propósito fundamental do pregão, que é a ampliação da competição e a obtenção da melhor proposta à ECT. No caso do Pregão Presencial, a ampliação do banco de fornecedores e o estímulo à competição traduzem-se em vantajosidade à ECT e desestimulam as atividades cartelizadas entre os licitantes.! Para a designação do Pregoeiro e membros da equipe de apoio, a Autoridade deve observar os requisitos mínimos de acesso às funções constantes do Manual de Pessoal MANPES. O exercício da atribuição de Pregoeiro não constitui função gratificada na ECT. Ao Pregoeiro caberá receber, examinar e decidir as impugnações e consultas do edital, apoiado pelo setor responsável pela sua elaboração. (Inciso II, Art.11º, Decreto 5.450, de 31/05/2005). Uma das competências da Autoridade Competente (Superior), por exemplo, Diretor Regional, Diretor de Área, é a decisão sobre os recursos contra os atos do pregoeiro quando este mantiver sua decisão em relação aos procedimentos licitatórios. (Inciso IV, Art.8º, Decreto 5.450, de 31/05/2005). O Pregoeiro responde individualmente pelos atos praticados na condução do pregão, inexistindo responsabilidade solidária de sua equipe de apoio. Entretanto, os Membros da Equipe de Apoio responderão diante de ato ilegal praticado pelo Pregoeiro pelo motivo de que os agentes públicos devem recusar-se ao cumprimento da ordem que fuja à legalidade, cabendo informar à autoridade superior. 10 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

11 5. JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE: REqUISIÇÃO DO ObJETO DO PROCESSO DE PREGÃO PRESENCIAL E ELETRôNICO Justificativa da Necessidade Agentes envolvidos: Área requisitante/ centralizadora da demanda. É a formalização do pedido da área requisitante à autoridade competente, tendo como justificativa da necessidade dos projetos constantes no Plano de Trabalho Anual a ser executado pela área requisitante ou centralizadora da demanda, que poderá constar no Plano de Compras. As contratações de bens e serviços incompatíveis ou obsoletos com a finalidade ou mal dimensionados podem indicar falhas na etapa de planejamento ou, ainda, a tentativa de direcionar a licitação. As perguntas que devem ser respondidas tecnicamente para a correta justificativa da necessidade de contratação de bens ou serviços comuns são: 1. Por que e para que é necessário? 2. Consta no Plano de Trabalho da área? 3. Qual é a previsão de consumo ou utilização? 4. Quais são as quantidades necessárias?! Para aquisição de bens e serviços comuns (Decreto 5.450/2005, Artigo 2º, 1o Consideram-se bens e serviços comuns, aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais do mercado), a modalidade de licitação obrigatória a ser empregada no âmbito da ECT é o Pregão, preferencialmente a utilização da sua forma eletrônica, conforme prevê o art. 4º, do Decreto 5.450/2005 e MANLIC. Não existe limite de valor para a utilização da modalidade de Pregão, conforme estabelece o Artigo 1º do Anexo I do Decreto 3.555/2000. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 11

12 6. FASE INTERNA: PLANEJAMENTO 6.1 Definição do Objeto Termo de Referência Definição do Objeto Definição do objeto da licitação: verificação da comprovação da necessidade de aquisição/contratação com a especificação ou descrição do objeto, prazo, condições, estimativa do valor da contratação e indicação de recursos. Para instrução inicial do processo de contratação, observar a composição dos elementos essenciais para caracterizar a necessidade e instruir a contratação, quanto a serviços e aquisições, conforme check-list proposto no Manual de Licitações da ECT. A fim de evitar a caracterização de direcionamento, deve-se adotar as cautelas necessárias para que o detalhamento minucioso do objeto não leve ao direcionamento da licitação, atentando-se para a realização de estudos técnicos, confronto dos produtos existentes no mercado, não identificação de bens e marcas ou características sem similaridade. Na contratação de serviços de engenharia, é necessária a elaboração do Projeto Básico e Projeto Executivo. (1) Fornecer visão global da obra e todos os elementos constitutivos com clareza. (2) Apresentar soluções técnicas globais e localizadas, de forma a minimizar a necessidade de reformulação ou de variantes das demais fases. (3) Fornecer informações e orientações necessárias à execução completa da obra ou serviço a ser contratado. (4) Apresentar orçamento sintético e analítico do custo global da obra, fundamentado em quantitativos de serviços e fornecimentos propriamente avaliados. Nas aquisições e serviços comuns, utiliza-se o Projeto Básico, que conterá especificação técnica e /ou Descrição Técnica (forma simplificada). A utilização correta do projeto básico visa a resguardar a Administração Pública de atrasos em licitações, superfaturamentos, aditamentos contratuais desnecessários, modificações no projeto original, entre outras ocorrências indesejáveis que geram conseqüências e entraves à execução das obras. ACÓRDÃO Nº 2504/2010 TCU Plenário.! O direcionamento de uma licitação consiste em um tipo de fraude para condução do objeto da contratação, favorecendo determinado concorrente. O artigo 3º da Lei 8666/93 prevê que o processo licitatório atenda os princípios constitucionais da isonomia, legalidade, impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo de tal forma a selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração. O projeto básico deve compreender um conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução, devendo conter os elementos contemplados na Lei n /1993, em seu art. 6º, inciso IX. Acórdão Nº 2504/2010 TCU Plenário.

13 6.2 Elaboração do Edital Definição das Exigências para habilitação dos licitantes no Edital Habilitação das licitantes Agentes envolvidos: Área Requisitante, Autoridade Superior Pregoeiro/Presidente e Membros da CPL. Cabe à Área Requisitante, face à particularidade do objeto, definir as condições mínimas para a habilitação que deverão estar dispostas no instrumento convocatório (Edital), devendo ser chancelo pelos órgãos competentes. Cláusulas restritivas, impertinentes ou irrelevantes podem indicar direcionamento, restrição à competitividade e não obtenção de proposta mais vantajosa e gerar a nulidade do certame. Pregão Presencial: Certidões de Regularidade da Fazenda Nacional, Seguridade Social e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, e as Fazendas Estaduais e Municipais; Poderá ser exigida comprovação de que atende às exigências do edital quanto à habilitação jurídica e qualificações técnica e econômico-financeira. Pregão Eletrônico: O licitante que participar de certame promovido por órgão federal integrante do Sistema de Serviços Gerais deverá estar registrado do Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores SICAF. Pregão Presencial: Os Agentes envolvidos têm a faculdade de promover diligências destinadas a esclarecer ou a complementar a instrução do processo, bem como consultar as condições de habilitação no SICAF ou em sites oficiais emissores de certidões solicitadas, podendo ser juntadas certidões que comprovem as exigências do Edital. Pregão Eletrônico: É condição obrigatória para a participação nos Pregões Eletrônicos que o licitante esteja cadastrado no SICAF. Após a disputa, os Membros da equipe de apoio do Pregoeiro deverão constatar a existência de registro no SICAF do licitante vencedor.! No pregão eletrônico, após a disputa, a comprovação da verificação das condições de habilitação no SICAF do licitante arrematante será por meio do documento Resultado da Consulta Fornecedor Pessoa Jurídica que deverá compor o processo físico do pregão. Uma possibilidade de fraude e corrupção nas licitações é a existência de empresas de fachada, laranja ou fantasma. É possível detectar essa modalidade de fraude com a realização de pesquisas na internet para verificação da inscrição ativa e em situação de regularidade fiscal. Sem cumprir tais exigências, essas empresas não podem contratar com o Poder Público. Para identificar os sócios de tais empresas (muitos deles parentes ou ligados de alguma forma aos políticos da região, ou mesmo pessoas humildes que não sabem que estão sendo usadas como laranjas, isto é, como sócios de direito dessas empresas), pode-se realizar consulta perante a Junta Comercial do Estado. Destaque-se que boa parte das empresas poderia ser identificada como fantasma a partir da simples verificação do seu endereço declarado, já que muitos endereços são inexistentes ou se encontram em locais onde, na verdade, existem residências ou outras empresas. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 13

14 6.2.2 Definição dos Critérios de Aceitação das Propostas definidas no Edital Definição de critérios para aceitação de propostas Agentes envolvidos: Área Requisitante/ Centralizadora da demanda/ órgão que gerencia o sistema de contratação (GERADs e CECOM). A definição dos critérios de aceitação da proposta deve observar dois aspectos quanto ao: 1. Objeto: exame de conformidade 2. Valor: aceitabilidade dos preços. Os critérios para a aceitação das propostas se diferenciam na forma presencial e eletrônica. Na eletrônica existem limitações, pois a verificação é feita por comparação do exigido no edital e a descrição do licitante. As propostas sempre deverão atender as condições previstas no Edital. Para se evitar a entrega de objetos que não atendam às necessidades da administração, o edital pode estabelecer: 1. Dimensões mínimas e na proposta pode ser exigida a inserção de medidas e características do objeto de forma exata; 2. Informações sobre os prazos de garantia concedidos pelo fabricante; 3. Postos de assistência técnica na localidade; 4. Previsão de entrega de amostras e a forma de aprovação. No caso do pregão eletrônico, a amostra deve ser exigida do licitante vencedor; 5. Para equipamentos de grande porte, poderão ser exigidos os números de série; 6. Estabelecer prazos de entrega e forma de embalagem. Estas precauções permitem afastar os licitantes inidôneos e os que nada possuem, mas tudo representam.! Os agentes fraudadores estabelecidos na forma de cartéis podem atuar no mercado utilizando, de forma isolada ou em conjunto, a cobertura de propostas cujo objetivo é direcionar a licitação para um determinado concorrente, os demais participantes do cartel apresentam propostas com preços elevados para serem aceitas ou entregam propostas com vícios que as desclassifiquem. Em portais governamentais (TCU e CGU) é possível identificar empresas consideradas inidôneas, em julgamentos/decisões proferidas pela Corte de Contas federal e, consequentemente, impedidas de firmar contratos com o Poder Público. 14 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

15 6.2.3 Registro das sanções e penalidades definido no Edital Registro das sanções por inadimplemento na fase da licitação Agentes envolvidos: Área Requisitante/ Centralizadora da demanda, e órgão que gerencia o sistema de contratação ex GERADs e CECOM. No Edital devem constar as penalidades por inadimplemento dos licitantes e futuros contratados. Para a modalidade de Pregão (Presencial ou Eletrônico) cabem as seguintes sanções: a) Advertência; b) Multa; c) Suspensão de licitar e contratar com o órgão ou entidade licitante Os Agentes, ao constatarem condutas inadequadas, aplicarão as penalidades e sanções garantindo o direito ao contraditório e à ampla defesa; Ao final, as penalidades deverão ser registradas no SICAF para compor o banco de dados de empresas habilitadas para participação em processos licitatórios para futuras consultas. d) Impedimento de licitar e contratar com a esfera de governo.! A nova Lei , conhecida como Lei Anticorrupção, prevê que as pessoas jurídicas poderão ser responsabilizadas pelos atos lesivos praticados em seu interesse ou benefício, exclusivo ou não, ainda que cometido por quaisquer terceiros. Além do registro das penalidades e sanções no SICAF, o gestor deve registrá-las no sistema de contratação (JDE/ERP). Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 15

16 6.2.4 Definição das Cláusulas da Minuta do Contrato Cláusulas da minuta do contrato Agentes envolvidos: Área Requisitante/ Centralizadora da demanda/ órgão que gerencia o sistema de contratação. Na minuta do Contrato deverão constar as cláusulas previstas no Art. 55 da Lei 8.666/1993. As cláusulas contratuais restritivas à competitividade podem indicar direcionamento a determinados licitantes individualmente ou agrupados em cartéis. Importante observar que as normas do pregão, tanto presencial como eletrônico, se encerram com o fim do procedimento licitatório. Portanto, a partir do encerramento da Licitação, a legislação aplicável para os Contratos é a Lei 8.666/1993. Para fins de licitação, as minutas de contratos deverão ser vinculadas às cláusulas previstas no edital padrão. Deverá ser adotado o Edital conforme cada objeto que é disponibilizado pela área de contratação da ECT. Qualquer alteração no Edital Padrão deverá ser submetida à chancela jurídica. Em se tratando de objeto específico em que não há possibilidade de adoção na íntegra do Edital padrão, após as adequações necessárias, as minutas deverão ser encaminhadas para chancela da área jurídica (Administração Central/Diretoria Regional).! Como forma de estabelecer compromisso com o contratante, os contratos formais podem estabelecer a necessidade de comportamento ético de acordo com todas as legislações relevantes, inclusive quanto à legislação específica sobre anticorrupção. A ECT adota padrões de relacionamento com seus fornecedores expressos na Cartilha do Fornecedor disponível no site dos Correios. Deve-se mitigar os riscos relacionados à empresa que realiza negócios com a ECT, tendo em vista que as pessoas jurídicas poderão ser responsabilizadas pelos atos lesivos, praticados em seu interesse ou benefício, exclusivo ou não, ainda que cometido por quaisquer terceiros (Lei /2013). Dessa forma, é fundamental que a empresa se relacione com parceiros idôneos. 16 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

17 7. FORMALIzAÇÃO DOS AUTOS DE PREGÃO Autos do Pregão Presencial e Eletrônico Agentes envolvidos: Autoridade Superior, Pregoeiro/Presidente e Membros da CPL/Equipe de Apoio e órgão que gerencia os processos de contratação. Os autos do processo de Pregão deverão ser instruídos com os documentos previstos: Pregão Eletrônico: Art. 30 do Decreto de 31 de maio de Pregão Presencial: Art. 21 do Decreto de 08 de agosto de Na ECT, quando do encerramento do processo, deverá ser observado o disposto no Manual de Licitações. Aplicam-se as orientações do Guia de Procedimentos (Organização e Formação de Processos Versão 1.2) e demais orientações emanadas da área de Administração. Os registros digitais serão válidos para todos os efeitos legais, inclusive para comprovação e prestação de contas e deverão permanecer à disposição das auditorias internas e externas. A Ata do Pregão Eletrônico deve ser disponibilizada na internet para acesso livre imediatamente após o encerramento da sessão pública, sob pena de multa e responsabilização do pregoeiro.! A ECT firmou, em outubro/2010, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público Federal Procuradoria da Republica Federal/DF Inquérito Civil / que estabelece multas em caso de descumprimento das regras previstas para a organização e formalização de processos licitatórios. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 17

18 8. FASE ExTERNA DO PROCESSO DE PREGÃO PRESENCIAL E ELETRôNICO 8.1 Realização de Audiência Pública Realização de Audiência Pública Agentes envolvidos: Área Requisitante/ Centralizadora da demanda, Órgão Gerenciador de Contratação, fornecedores. Realizar audiência pública, obrigatoriamente, quando o valor estimado da contratação for superior a 100 vezes o limite previsto no art. 23º, inciso I, alínea c da Lei 8.666/93, ou seja, R$ ,00 (cento e cinquenta milhões de reais), MANLIC, 2/4. O valor estimado pode se referir a uma única licitação ou a um conjunto de licitações simultâneas ou sucessivas, sendo que licitações simultâneas são aquelas com objetos similares e com realização prevista para intervalos não superiores a trinta dias; e licitações sucessivas são aquelas em que, também com objetos similares, o edital subsequente tenha uma data anterior a cento e vinte dias após o término do contrato resultante da licitação antecedente. A Audiência Pública poderá ser realizada independentemente do valor a ser contratado, de acordo com as orientações contidas no Manual de Licitações da ECT, MANLIC 2/4. Considerar para a definição do valor estimado o período integral da contratação, incluindo as eventuais prorrogações para verificação da obrigatoriedade de realização da Audiência Pública. 18 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

19 8.2 Publicação para Convocação dos Interessados Publicação para Convocação Agentes envolvidos: órgão que gerencia os processos de contratação. Pregão Presencial: A convocação é feita por meio da publicação do aviso do Edital, no qual deverá constar: 1. o objeto da licitação; 2.a indicação de local, dias e horários em que poderá ser lida ou obtida a íntegra do edital. A publicação será eficaz se o aviso despertar o interesse do maior número de fornecedores. Deve conter informações indispensáveis aos interessados (fornecedores e prestadores de serviço) no que se refere ao gênero do objeto a ser contratado evitando restrição de competitividade. Embora não seja exigência legal, o aviso pode informar o local, dia e hora da realização do pregão. Pregão Eletrônico: A convocação é feita por meio da publicação do aviso do Edital, no qual deverá constar: 1. o objeto da licitação; 2.a indicação de local, dias e horários em que poderá ser lida ou obtida a íntegra do edital. De igual forma ao Pregão Presencial, embora não seja exigência legal, o aviso deve informar: - o endereço eletrônico onde ocorrerá a sessão pública; - a data e horário da sessão e - a indicação de que o pregão será realizado por meio da Internet.! Os veículos de comunicação a serem utilizados para a divulgação de aviso de licitações encontram-se no Manual de Licitações MANLIC. O cancelamento de publicações deve ser motivado e as justificativas devem compor o processo licitatório. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 19

20 8.3 Credenciamento dos Licitantes - Representantes Credenciamento Agentes envolvidos: Pregoeiro, Licitantes e Representantes. Pregão Presencial: O credenciamento dos representantes dos licitantes é realizado antes ou no início da sessão pública. Pregão Eletrônico: O credenciamento dos licitantes é realizado junto ao sistema eletrônico. No Pregão Presencial, ocorrendo a situação em que um credenciado representa duas ou mais empresas, a equipe de apoio deve informar-se com o credenciado quanto aos detalhes do credenciamento. O fato de o credenciado ter sido nomeado por mais de um licitante, pode ser indicativo de conluio. Esta situação pode ocorrer no caso de organizações que contratam despachantes. Nesta hipótese, a equipe de apoio deve esclarecer o credenciado sobre o fato e admitir a desistência de uma ou mais empresas representadas. Também poderá ocorrer o credenciamento de um mesmo representante para empresas que cotam itens distintos, cabendo à equipe de apoio verificar esta situação no ato do credenciamento. No Pregão Eletrônico, o credenciamento é restrito aos licitantes que realizarem o cadastramento em sistema especifico, no âmbito da União Federal. O licitante deverá manter registro atualizado no SICAF.! O credenciamento é o ato que reúne as formalidades necessárias para constituir obrigação e habilitar ao exercício de direitos. Todas as pessoas capazes são aptas para dar procuração mediante instrumento particular, que valerá desde que tenha a assinatura do outorgante, devendo conter: local, qualificação do outorgante e outorgado, a data e o objetivo da outorgada com a designação e extensão dos poderes conferidos. (Código Civil Art. 654, 1º). Para se evitar a Fraude Documental, ao analisar os documentos, observar sua fidedignidade, havendo dúvidas, consultar as empresas e órgãos emissores. 20 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

21 8.4 Julgamento das Propostas Julgamento Agentes envolvidos: Pregoeiro e Equipe de apoio. A premissa básica do Pregão Presencial ou eletrônico é a contratação de bens e serviços pelo critério de menor preço, observadas todas as condições previstas no edital. Após a realização das sessões pública no caso de pregão presencial e virtual após a fase de lances no caso do pregão eletrônico, caberá ao Pregoeiro decidir motivadamente a respeito da aceitabilidade das propostas. A aceitabilidade da proposta vencedora passa pela análise da sua exequibilidade. Neste momento, podem surgir elementos que caracterizam o Jogo de Planilhas e o Sobre Preços, que consiste, respectivamente, em formular preços elevados para os quantitativos insuficientes e preços irrelevantes para os quantitativos excessivos previstos no edital. Atribui-se diminutos preços unitários a serviços que, de antemão, a empresa sabe que não serão executados ou terão os quantitativos diminuídos; ou ainda elevados preços a serviços que terão os seus quantitativos aumentados por meio de alterações contratuais sob o pretexto do atendimento do interesse público. Tal prática enseja em redução do valor global, possibilitando a vitória ao licitante. No entanto, durante a execução contratual, provoca-se o aditamento contratual para aumentar os quantitativos dos itens que têm preços elevados e diminuir as quantidades dos itens que têm preços reduzidos. Tal prática caracteriza o jogo de planilha.! O jogo de planilha pode ser detectado quando os preços unitários contratuais estão abaixo dos preços de mercado, porém a condição de equilíbrio econômico-financeiro se altera de forma a causar prejuízo à ECT, ou seja, há redução do percentual do desconto original. Dessa forma, a fim de evitar-se a ocorrência de superfaturamento e jogo de planilha, devem ser adotadas duas medidas prévias à contratação: definição precisa com nível de detalhamento suficiente para se executar o que se pretende contratar e adoção do critério de aceitabilidade de preços unitário e global no edital, tendo como referencial um orçamento-base elaborado conforme preços de mercado e com fulcro no inciso II do 2o do art. 7o da Lei 8.666/93. Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 21

22 9. CONCLUSÃO O combate a fraudes e a corrupção ganha importância significativa na gestão da ECT, além da importância de prevenir perdas financeiras e zelar pela sua imagem, há uma pressão da sociedade para que as empresas sejam éticas e transparentes e, no ambiente regulatório, com regras, normas e leis voltadas ao combate à corrupção. A proposta do Programa de Prevenção a Fraudes baseia-se na atuação proativa da Empresa, voltada à prevenção, com equipes especializadas envolvidas no processo de contratação visando identificar as situações que expõem a Empresa ao risco de fraudes. Destaca-se que a responsabilidade pelo planejamento, estabelecimento, operação, manutenção e aprimoramento dos sistemas de controle internos é dos gestores da Empresa, em todos os seus níveis, a quem recai, também, a responsabilidade pela prevenção, detecção e correção de erros e irregularidades. Este trabalho apresentou o processo referente às fases do processo de Pregão Eletrônico e Presencial na ECT, abordando os principais pontos de controle e riscos relacionados. O conhecimento sobre o tema licitações e a adoção de mecanismos de controle devem ser o foco das ações diárias dos agentes envolvidos nos processos de contratação com objetivo de atender os princípios básicos da economicidade e vantajosidade para a ECT. A partir desta cartilha, que compreende uma das fases do Programa de Prevenção a Fraudes, elaborada com base no mapeamento do processo e na identificação dos riscos e controles relacionados, serão desenvolvidas ações, de caráter educativo, para a sua completa disseminação entre os gestores e envolvidos no processo. Posteriormente, serão desenvolvidas as técnicas de avaliação de controles para a verificação da conformidade do processo. 22 Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT]

23 10. REFERÊNCIAS 1. BITTENCOURT, Sidney. Pregão Passo a Passo, 4ª ed., ver. ampl. e atual Belo Horizonte, MG: Fórum, BITTENCOURT, Sidney. Pregão Eletrônico, 3ª ed., ver. ampl. e atual Belo Horizonte, MG: Fórum, BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de Edição Senado Federal, Brasília JUSTEN FILHO, Marçal, Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos, 15ª ed., São Paulo SP: Dialética, Correios [Programa de Prevenção a Fraudes Pregão Presencial e Eletrônico na ECT] 23

24 AC/DERIN

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.

AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license. DECRETO Nº 5.450, DE 31 DE MAIO DE 2005 Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo II Chapecó, março/2012 1 Aspectos Legais da Licitação de Obras Denise Regina Struecker Auditora

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

REGULAMENTO DA LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO

REGULAMENTO DA LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO Consolidação ao Regulamento da Licitação na Modalidade Pregão da Centrais Elétricas de Carazinho S/A ELETROCAR, aprovado pela Diretoria Executiva conforme Ordem de Serviço nº 03/12 de 09/03/2012, cuja

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09.

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor Brasília Julho/2006

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom 1. IDENTIFICAÇÃO TC n : Órgão concedente: Objeto da outorga: Local: 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL a Constituição Federal, art. 21, XI; b - Lei n.º 9.472/97; c - Resolução ANATEL n.º 65/98 e 73/98; d - Lei n.º

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado, DECRETO N 42.434, DE 09 DE SETEMBRO DE 2003, DOERS. Regulamenta, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, a modalidade de licitação denominada pregão, por meio eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009. (publicada no DOE nº 109, de 12 de junho de 2009) Dispõe sobre a Cotação Eletrônica

Leia mais

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI)

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI) ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO PROFESSORA: CLARISSA SAMPAIO SILVA 1) LICITAÇÃO - Previsão constitucional: 1.1. Estabelecimento de normas gerais ( CF, art.22, XXVII)

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS 2014 CADERNO DE LOGÍSTICA SANÇÕES ADMINISTRATIVAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS Versão 1.0 setembro de 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA TERRA DE LUTA E FÉ - DOE ORGÃOS, DOE SANGUE:SALVE VIDAS EDITAL DE CARTA CONVITE 027/2015 A PREFEITA MUNICIPAL DE SANTANA DA BOA VISTA, torna público, para conhecimento dos interessados, que no dia 20 DE NOVEMBRO DE 2015, às 10 horas, reunirse-á a Comissão Permanente

Leia mais

EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial

EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO Pregão Presencial nº. 003/2008 Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial EMENTA: AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Em 19 de março de 2015, foi publicado o Decreto Federal nº 8.420, de 18 de março de 2015 ( Decreto ), que regulamenta a Lei Federal nº 12.846, de 1º

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Licitações e Contratos Administrativos

Licitações e Contratos Administrativos Curso Presencial de Curta Duração 16 horas-aula Grupo Educacional LBS-FAPPES CREDENCIADO PELO MEC. DECRETO N 485 de 09/02/2006 Curso de Extensão em Licitações e Contratos Administrativos A LBS Law & Business

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 28/2009

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 28/2009 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 28/2009 Processo nº: 8478AD/2008 Pregão Eletrônico nº: 001/2009 Validade: 06 (seis) meses, de 19/05/2009 a 18/12/2009 Empresa: AMAZON INFORMÁTICA LTDA End: Av. Conselheiro

Leia mais

APLICAÇÃO DE SANÇÕES NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS E A RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS POR AÇÕES E OMISSÕES

APLICAÇÃO DE SANÇÕES NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS E A RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS POR AÇÕES E OMISSÕES APLICAÇÃO DE SANÇÕES NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS E A RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS POR AÇÕES E OMISSÕES As sanções aplicáveis e o passo a passo dos procedimentos As repercussões da Lei Anticorrupção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013

AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013 AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013 ANNA CAROLINA AZEVEDO BEZERRA 1 JOÃO MARCELO DOS SANTOS SILVA 2 RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Comissão de Governança e Segurança da Informação.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Comissão de Governança e Segurança da Informação. Guia para a Contratação de Soluções de TI Abril de 2013 Superintendência de Tecnologia da Informação 1 Superintendência de Tecnologia da Informação Fernando Cesar Cunha Gonçalves Superintendência de Tecnologia

Leia mais

COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Lilian Verônica Gusmão Miranda 1 Rafat Issa 2 Rosana Borges Silva 3 Francisco Del Ducca Corrêa 4 RESUMO As compras nos setores públicos têm passado

Leia mais

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 PERGUNTAS E RESPOSTAS OT Nº 001/11 ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 Este trabalho visa a orientar os agentes administrativos,

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos,

Excelentíssimo Senhor Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos, RELATÓRIO Nº. 022.2014.CPL.900762.2014.14751 RELATÓRIO REFERENTE AO PREGÃO PRESENCIAL Nº 5.016/2014- CPL/MP/PGJ TIPO MENOR PREÇO GLOBAL. PROCEDIMENTO INTERNO Nº 839320/2014 Excelentíssimo Senhor Subprocurador-Geral

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA COMPRAS E SERVIÇOS COMO PLANEJAR, JULGAR A LICITAÇÃO E GERIR A ATA E O CONTRATO

SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA COMPRAS E SERVIÇOS COMO PLANEJAR, JULGAR A LICITAÇÃO E GERIR A ATA E O CONTRATO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA COMPRAS E SERVIÇOS COMO PLANEJAR, JULGAR A LICITAÇÃO E GERIR A ATA E O CONTRATO Melhores práticas, análise de casos concretos e checklist dos procedimentos Aspectos polêmicos

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº002/2011/CISMEPA REGISTRO DE PREÇOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº002/2011/CISMEPA REGISTRO DE PREÇOS 1 PREGÃO ELETRÔNICO Nº002/2011/CISMEPA REGISTRO DE PREÇOS O CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAUDE DO MEDIO PARAIBA, mediante o Pregoeiro Flávio Macharet Barbosa, designado pela Portaria nº 004/2011, de junho

Leia mais

RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO

RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO REGULAMENTA NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, OS PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS NAS LICITAÇÕES REALIZADAS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS SETOR DE AQUISIÇÕES

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS SETOR DE AQUISIÇÕES PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS SETOR DE AQUISIÇÕES Processo n. º 01158-5.2006.001 Interessado: PORTO SEGURO CIA. DE SEGUROS GERAIS Referência: Recurso Administrativo. Modalidade

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2013 PROCESSO SECOM Nº 0357/2012. Alterações e Normas complementares M I N U T A

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2013 PROCESSO SECOM Nº 0357/2012. Alterações e Normas complementares M I N U T A IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ PREENCHER O RECIBO DE RETIRADA DE EDITAL, CONSTANTE DO ANEXO I E DEVOLVER COM ATÉ 24 HS DE ANTECEDENCIA DO CERTAME PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2013

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº. 017/2015 - SRP

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº. 017/2015 - SRP ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº. 017/2015 - SRP Aos 27 (vinte e sete) dias de mês de maio do ano de 2015, o Município de Parazinho/RN, CNPJ nº. 08.113.631/0001-29, com sede na Praça Senador

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no exercício da competência que lhe confere o art. 54, inciso IV, da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no exercício da competência que lhe confere o art. 54, inciso IV, da Constituição Estadual, e DECRETO No. 24.818 de 27 JANEIRO DE 2.005 Regulamenta a realização de pregão por meio da utilização de recursos de tecnologia da informação, denominado pregão eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL Curso de Licitação. Pregão Presencial e Pregão Eletrônico Professor: Antônio Noronha Os 3 Caminhos Possíveis para Aquisição/ Serviços, etc... Licitação; Dispensa de Licitação; Inexigibilidade de Licitação.

Leia mais

Semana de Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e de Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas

Semana de Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e de Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas Oficina nº 26 Noções de Licitações Rafael Setúbal Arantes EPPGG Advogado e Mestre em Direito da Administração Pública ABOP ABOP Oficina Slide nº 301 / Slide 1 Ementa da Oficina Nº 26 / Área: Contratações

Leia mais

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES O PRESIDENTE DA VIVA RIO, no uso de suas atribuições regimentais, torna público o anexo Regulamento para Aquisição

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S/A TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S/A TELEBRÁS TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S/A TELEBRÁS PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 008/2009 EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 02/2009 1.1 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL 1.1.1.1 TIPO DE LICITAÇÃO: MAIOR DESCONTO OFERTADO

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A

CARTA CONVITE Nº 005/2008 M I N U T A IMPORTANTE : PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDÊNCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e Página 1 de 5 PORTARIA Nº 306, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2001 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO GABINETE DO MINISTRO O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP

REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP Agosto / 2013 LICITAÇÕES E CONTRATOS SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP LEI Nº 8.666, DE 21 DE JUNHO DE 1993. Regulamenta

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... 15 NOTA AO LEITOR... 17 PREFÁCIO... 19

SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... 15 NOTA AO LEITOR... 17 PREFÁCIO... 19 2 STF00094574 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES........... 15 NOTA AO LEITOR............... 17 PREFÁCIO...... 19 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO DE UM REGIME LICITATÓRIO ESPECÍFICO PARA DETERMINADOS

Leia mais

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Ordem ao caos...(p4) Tema 4: 1. Práticas de gestão governamental no Brasil e seus resultados: Gestão de suprimentos e logística

Leia mais

CURSO GESTÃO DE COMPRAS POR REGISTRO DE PREÇOS

CURSO GESTÃO DE COMPRAS POR REGISTRO DE PREÇOS CURSO GESTÃO DE COMPRAS POR REGISTRO DE PREÇOS VA L D I R A U G U S T O D A S I LVA G e s t o r d o P o r t a l d e C o m p r a s F o r t a l e z a 0 4 a 0 6 / 0 9 / 2 0 1 3 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Evolução

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro

PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro Brasília 2005 MINISTRO

Leia mais

DECISÃO SOBRE A IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 019/2015-EMAP, APRESENTADA PELA EMPRESA HAPVIDA ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA.

DECISÃO SOBRE A IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 019/2015-EMAP, APRESENTADA PELA EMPRESA HAPVIDA ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA. DECISÃO SOBRE A IMPUGNAÇÃO AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 019/2015-EMAP, APRESENTADA PELA EMPRESA HAPVIDA ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA. Impugnação: Trata-se de Impugnação a itens do Termo de Referência e

Leia mais

Mario Luis Coutinho de Araujo Araujo Enviado em: terça-feira, 2 de agosto de 2011 16:38 Para:

Mario Luis Coutinho de Araujo Araujo <araujo.m40@gmail.com> Enviado em: terça-feira, 2 de agosto de 2011 16:38 Para: Marcelino David Bandt Da Costa De: Mario Luis Coutinho de Araujo Araujo Enviado em: terça-feira, 2 de agosto de 2011 16:38 Para: Marcelino David Bandt Da Costa Assunto: Pedido de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações

Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações Regulamento de Compras, Contratação de Serviços e Alienações Aprovada na XLIII Reunião do Conselho de Administração do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), realizada de 05 a 14 de

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor Novas Atitudes Paradigmas 1 Procedimentos Estado G t Gestor Instrumentos 2 Sociedade Estado Necessidades Expectativas P i id d Prioridades Recebe a Recebe a pauta Deve se Deve se empenhar para atender

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES ADITIVO (03) AO TERMO DE CONVÊNIO 3756/10 que entre si celebram a FUNDAÇÃO SOCIAL DE CURITIBA e a VIDA PROMOÇÃO SOCIAL (VPS) A ASSOCIAÇÃO VIDA PROMOÇÃO SOCIAL

Leia mais

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo analisar os principais aspectos do procedimento licitatório. Iniciaremos com a abordagem do conceito de licitação,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA RECOMENDAÇÃO Nº 07/2015/MPF/RR Referência: inquéritos civis nº 1.32.000.000518/2013-15 e 1.32.000.000013/2013-42 RECOMENDANTE: MINISTÉRIO

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO ITEM I DO FUNDAMENTO JURÍDICO.

EDITAL DE LEILÃO ITEM I DO FUNDAMENTO JURÍDICO. EDITAL DE LEILÃO LEILÃO PÚBLICO: Nº 01/2013 PROCESSO: 2013.1.4.91.4 EDITAL DE LEILÃO PARA VENDA DE ESTRUTURAS PORTA PALETES E PLATAFORMAS DE MDF INSERVÍVEIS PARA O SERVIÇO PÚBLICO O Prof. Dr. Plinio Martins

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS

CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS 1. Com relação à afirmação o convite é a modalidade de licitação, da Lei 8.666/93, que

Leia mais

EDITAL OBJETO: CABO GIGALAN CATEGORIA 6 U/UTP 23AWGX4PARES - VERMELHO EM CAIXA DE 305 METROS, CONFORME ESPECIFICAÇÃO TECNICA Nº 036/2009.

EDITAL OBJETO: CABO GIGALAN CATEGORIA 6 U/UTP 23AWGX4PARES - VERMELHO EM CAIXA DE 305 METROS, CONFORME ESPECIFICAÇÃO TECNICA Nº 036/2009. EDITAL A SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SPTrans, inscrita no CNPJ-MF sob o n.º 60.498.417/0001-58, comunica que se encontra aberta a licitação, EXCLUSIVAMENTE para participação de microempresas e empresas de

Leia mais

CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS

CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS APRESENTA: CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PREGOEIROS E EQUIPES DE APOIO, LICITAÇÕES E CONTRATOS E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS INCLUINDO NOVA LEI 7.892/13 DATA: 31 DE AGOSTO E 01 DE SETEMBRO LOCAL: BRASILIA

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO, PRESENCIAL E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - SRP

PREGÃO ELETRÔNICO, PRESENCIAL E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - SRP CURSO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO PARA PREGOEIROS NOVO PREGÃO ELETRÔNICO, PRESENCIAL E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - SRP Carga Horária: 16 horas/atividade Brasília, 07 e 08 de outubro de 2015 APRESENTAÇÃO

Leia mais

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010 O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Altera as Leis nos 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.958, de 20 de dezembro de 1994, e 10.973, de 2 de dezembro de 2004;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CDASTRO E LICITAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Diogo Campos Borges de Medeiros I SEMINÁRIO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO DNIT OBJETIVOS Verificar o conceito, as aplicações

Leia mais

Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País.

Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País. MEDIDA PROVISÓRIA N 495, DE 19 DE JULHO DE 2010 Estabelece margem de preferência em licitações para produtos manufaturados e serviços nacionais, priorizando bens e serviços produzidos no País. Altera as

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010 Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido ao microempreendedor individual de que trata a Lei Complementar Federal nº 128, de 19 de dezembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Consultoria-Geral da União Consultoria Jurídica da União em Minas Gerais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Consultoria-Geral da União Consultoria Jurídica da União em Minas Gerais ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Consultoria-Geral da União Consultoria Jurídica da União em Minas Gerais ÍNDICE FORMULÁRIOS DE ACOMPANHAMENTO DOS PROCESSOS 01. Pregão Presencial para Aquisição de Bens... pág.

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE LICITAÇÕES CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES

REGULAMENTO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE LICITAÇÕES CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES REGULAMENTO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE LICITAÇÕES CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º - Para efeito deste Regulamento, entende-se: I Bolsa: Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil, ou simplesmente BLL: II

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO LICITAÇÃO I - CONCEITO - pode-se conceituar licitação como um procedimento administrativo vinculado pelo qual um ente público abre a todos os interessados, que se sujeitem as condições

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO Folha nº Processo nº Rubrica: Matrícula: Processo n.º 148030/2015 Assunto: Análise do pedido de impugnação do Edital do Pregão nº 13/2015 referente à contratação de empresa especializada na aquisição e

Leia mais

Sistema de Registro de Preços. Diretoria Central de Licitações e Contratos Outubro/2013

Sistema de Registro de Preços. Diretoria Central de Licitações e Contratos Outubro/2013 Sistema de Registro de Preços Diretoria Central de Licitações e Contratos Outubro/2013 CONTEÚDO 1. Conceito 2. Embasamento Legal 3. Aplicação 4. Atores e atribuições 5. Etapas do Procedimento para registro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 04/2012

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 04/2012 1 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 04/2012 2012-A - JFPB Aos 04 dias do mês de junho do ano de 2012, a UNIÃO FEDERAL, por intermédio da JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA, com sede

Leia mais

RAZOES DA SOLICITAÇÃO/IMPUGNAÇÃO

RAZOES DA SOLICITAÇÃO/IMPUGNAÇÃO RAZOES DA SOLICITAÇÃO/IMPUGNAÇÃO As solicitações das Declarações e Especificações Técnicas 01 DO OBJETO (pagina 01 do Edital) Locação de impressoras multifuncionais novas (comprovadamente, com o máximo

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO PREGOEIRO

ILUSTRÍSSIMO PREGOEIRO ILUSTRÍSSIMO PREGOEIRO BSB TIC SOLUÇÕES LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede no SCS QD. 01 BLOCO C SALAS 1212/14, Brasília - DF, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 04.202.019/0001-71, vem respeitosamente

Leia mais

DECRETO Nº28.087, de 10 de janeiro 2006.

DECRETO Nº28.087, de 10 de janeiro 2006. DECRETO Nº28.087, de 10 de janeiro 2006. Dispõe sobre a regulamentação do uso do Sistema de Registro de Preços de que trata o artigo 15 da Lei Federal nº 8.666 de 21 de julho de 1993, e o artigo 11 da

Leia mais

ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014

ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014 ILUSTRISSÍMO SENHOR PREGOEIRO OFICIAL DO CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 8º REGIÃO. Edital pregão eletrônico nº 008/2014 FEACONSPAR - FEDERAÇÃO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE

Leia mais

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO POLÍTICA INDUTORA DO DESENVOLVIMENTO LOCAL José Lusmá (Poty) jsantos@tce.pb.gov.br br Fortalecimento do mercado interno (competição); Isonomia tratar iguais como iguais e diferentes

Leia mais

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014 PRÁTICAS DE PREGÃO Elaborado por Leonel Duarte Aranha Atualizado em setembro/2014 1 Tratamento favorecido Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Constituição Federal: Art. 170:... IX - tratamento favorecido

Leia mais

SERVIÇOS DE RESPONSABILIDADE DE PRESTADORAS DE STFC (SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO). INCLUSÃO

SERVIÇOS DE RESPONSABILIDADE DE PRESTADORAS DE STFC (SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO). INCLUSÃO São Paulo, 01 de julho de 2013. Respostas às Impugnações de Edital de Licitação. Interessadas: VIVO S/A e CLARO S/A Referente: Respostas às Impugnações oferecidas ao PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º 031/2013

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário

Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Identificação Acórdão 2.471/2008- Plenário Acórdão Vistos, relatados e discutidos estes autos que tratam de fiscalizações de orientação centralizada, realizadas no âmbito do Tema de Maior Significância

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão Ferramentas do Sistema de Registro de Preços Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão OBJETIVO Divulgar ferramentas e alternativas que auxiliam os gestores no planejamento e execução das despesas:

Leia mais

SERVITEC.COM. R. da CONCEIÇÃO PINTO - ME

SERVITEC.COM. R. da CONCEIÇÃO PINTO - ME Ao INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DE COMPRAS E LICITAÇÕES CECOM PROCESSO: 23411.000905/2014-57 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 29/2014 Endereço: Rua Voluntários

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 002/2010

CARTA CONVITE Nº 002/2010 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO COM ATÉ 24 HORAS DE ANTECEDENCIA DO CERTAME NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP:

Leia mais