RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR : CERFLOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR : CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Fabricação, Conversão, Prestação de Serviços Gráficos e de Industrialização de Papéis e Artefatos a partir de matéria prima de origem florestal certificada e a sua comercialização. Data da Auditoria Principal: de 29/06/11 a 30/06/11 Data da 1ª Manutenção: de xx/xx/xx a xx/xx/xx NELSON LUIZ MAGALHÃES BASTOS Auditor Líder Bureau Veritas Certification Av. do Café 277, 5 andar, Torre B São Paulo-SP

2 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 RESUMO INFORMAÇÕES GERAIS Dados da organização Histórico da organização Descrição Geral do Produto Processos Tipos de Produtos/Fornecedores Saída de Material Manufaturados ou Comercializados Identificação do OAC Organismo de Avaliação da Conformidade Responsável pelo OAC Equipe de Auditoria PROCESSO DE AVALIAÇÃO Norma ou Padrão Normativo utilizado para avaliação Descrição do Processo de Auditoria Planejamento e Realização da Auditoria Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Relatório Detalhado Sistema Utilizado Procedimentos e documentos do Sistema de Gestão Fornecimento de matéria prima Recebimento de Material, Métodos de Controle e Armazenamento Registros Uso da Marca Registrada PEFC/CERFLOR

3 5.7. Emissão de Notas Fiscais e de Transporte Prestadores de Serviço (Terceiros) Tratamento de Reclamações Requisitos Avaliados Não Conformidades Registradas Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas CONCLUSÃO ANEXOS SF17 - Confidencial...Erro! Indicador não definido SF 16 - Confidencial...Erro! Indicador não definido Documentos Pertinentes...Erro! Indicador não definido. A. AUDITORIA DE FOLLOW-UP A.1. Informações Gerais A.2. Equipe de Auditoria A.3. Descrição do programa de Auditoria A.4. Avaliação das ações corretivas apresentadas para as não conformidades registradas.. 23 A.5. CONCLUSÃO FINAL I. PRIMEIRA AUDITORIA DE MANUTENÇÃO Planejamento e Realização da 1ª Auditoria de Manutenção Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Equipe de Auditoria Alterações no Escopo do Certificado Lista de Fornecedores atualizada Lista de Produtos atualizada Uso da Marca Registrada PEFC/CERFLOR Processos Auditados

4 9. Não Conformidades Registradas Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas Conclusão

5 RESUMO O Bureau Veritas Certification (BVC) é um organismo de certificação reconhecido pelo INMETRO, que atua como organismo acreditador e é atualmente responsável por executar os procedimentos de auditorias anuais pelos próximos 05 anos na empresa BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA. Essas auditorias são feitas para avaliar as atividades relacionadas a gestão da Cadeia de Custódia de acordo com os Princípios e Critérios do CERFLOR, NBR /2007. A empresa BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA atua na Fabricação, Conversão, Prestação de Serviços Gráficos e de Industrialização de Papéis e Artefatos a partir de matéria prima de origem florestal certificada e a sua comercialização. Foram auditados os seguintes processos: Gestão da CoC Suprimentos / Recebimento (Fiscal / Físico) PCP Fabricação (Conversão / Revestimento / Acabamento / Produção de Papel) Comercial / Faturamento Expedição RH É uma nova auditoria de certificação. A organização foi certificada em 2009 pelo BVC e solicitou o cancelamento do certificado em 5 de abril de O escopo da Certificação compreende um site. As auditorias de manutenção serão realizadas no prazo máximo de um (1) ano entre duas auditorias subseqüentes. As auditorias foram realizadas pelo auditor do BV durante os dias 29 e 30 de junho de 2011, no seguinte local: Jundiaí. A equipe de auditoria avaliou todos os requisitos do padrão e constatou que a BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA atende às exigências em suas unidades de gestão. O sistema de gestão está sendo implementado de forma adequada nas áreas cobertas pelo escopo do certificado. 5

6 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Dados da organização Identificação da Organização Nome da Empresa: BIGNARDI IND. E COM. DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA Endereço: Av. Antonio Pincinato, 7600 Ermida CEP: Cidade/País: Jundiaí SP CNPJ: / Telefone: Fax: Web site: Contato na organização: Responsável pela organização: Pessoa de contato (responsável pela certificação CERFLOR CoC): Beatriz D. Bignardi Heraldo Salvador Balbuena Telefone: Atividade Tipo: Detalhe: Fabricação de papel Papel para imprimir e escrever (linha off set / apergaminhado e reciclado); papel auto-copiativo; formulário contínuo; bobinas para automação comercial Número de Funcionários: 367 Tipo de certificado: Único Número de sites incluídos no escopo do certificado: Sites auditados: 1 Jundiaí 6

7 1.2. Histórico da organização Em 1915, Antônio Cintra Gordinho e Herman Braune criaram uma empresa que funcionava como distribuidora de papéis. Essa realidade mudou em 1925, quando eles adquiriram uma máquina de papel da Voith. Surgiu então a empresa Gordinho Braune & Cia, em Jundiaí, interior de São Paulo. Em 1927, passou a fabricar papéis de vários tipos com celulose de eucaliptos. Dos papéis produzidos pela indústria, cerca de 60% se destinavam à própria gráfica, então situada em São Paulo. Por falta de descendentes, a empresa foi vendida para o Grupo Cetenco e, dois anos depois, em 1972, novamente vendida para o Grupo Bignardi. A partir dessa data, a Indústria de Papéis Bignardi, sediada no município de Jundiaí SP, numa área com m², dos quais ocupa atualmente m² de área construída e com 367 colaboradores, tem diversificado seus produtos na produção de papéis especiais, para imprimir e escrever, e químicos revestidos. O Grupo tem como foco o material reciclado, e seu objetivo é ser referência na produção desse tipo de papel. Em 2008, a unidade de papéis aumentou a produção para até 72 mil toneladas anuais, o que significa um crescimento de 100% no faturamento anual da empresa. Além do reciclado, são produzidos, na unidade de Jundiaí, papéis apergaminhado, autocopiativo, autoadesivo, vergê, cartolinas, etc. A Bignardi Papéis se orgulha de trabalhar com papel reciclado há mais de 18 anos. Com esse know-how a empresa obteve as seguintes certificações: ISO 9001, certificando o Sistema de Gestão da Qualidade em 2006, passando pela re-certificação em FSC - Forest Stewardship Council, certificando na Cadeia de Custódia em Cerflor (segundo a NBR 14790), certificando na Cadeia de Custódia em 2009, tendo sua solicitação de cancelamento em Março/2011. Em junho/2011 a empresa busca novamente a certificação por conta da perspectiva de mercado e possíveis parcerias. 7

8 2. Descrição Geral do Produto Papel para imprimir e escrever (linha off set / apergaminhado e reciclado); papel autocopiativo; formulário contínuo; bobinas para automação comercial com matéria prima florestal de origem certificada CERFLOR. Atua também no setor de acabamento efetuando o corte em diversos formatos. Produtos fabricados: papel de imprimir e escrever, bobinas CB / CF / CFB, formulários contínuos e bobinas automação, papéis cortados resmas A Processos Irá fabricar produtos CERFLOR, adquirindo sua matéria prima básica da International Paper e da própria produção de papel da Bignardi Tipos de Produtos/Fornecedores Site Produto Comprado Natureza Declaração Origem Quantidade (t) ano 2011 Bignardi Celulose - Cerflor Internacional Paper Bignardi Celulose - Não certificada Lwarcel / Suzano / VCP / outras Bignardi Aparas (pré + pós consumo) Quantidade (t) ano Não certificada Fornecedores Saída de Material Manufaturados ou Comercializados Site Produto vendido Natureza Declaração Destino Quantidade (t) ano 2011 Bignardi Papel no formato de bobinas; papel convertido em folhas e em cut size. Quantidade (t) ano 2010 Papel Cerflor Clientes Identificação do OAC Organismo de Avaliação da Conformidade O BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) está credenciado pelo INMETRO para realização de certificações com base na norma NBR 14790:2007, podendo emitir certificados com a logomarca deste organismo credenciador. 8

9 O objetivo do BVC é realizar serviços de certificação com alta credibilidade, sendo este o motivo pelo qual optou em realizar tais certificações de acordo com os requisitos do Sistema Brasileiro de Certificação. Dados para Contato Escritório São Paulo: BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) Sr. José Antônio Ferreira da Cunha: Certification Technical Manager Av. do Café 277 Torre B 5 o andar SÃO PAULO/SP Fone: (0**11) Fax: (0**11) Responsável pelo OAC BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) Sr Luiz Carlos Martins (Diretor de Certificação) Av. do Café 277 Torre B 5 o andar SÃO PAULO/SP Fone: (0**11) Fax: (0**11) Equipe de Auditoria Auditor Líder: - Nelson Luiz M. Bastos, NMB, auditor líder 9

10 4. PROCESSO DE AVALIAÇÃO 4.1. Norma ou Padrão Normativo utilizado para avaliação O processo de avaliação foi efetuado com base no Escopo de Certificação descrito acima, conforme o Padrão Normativo NBR :2007 Manejo Florestal Cadeia de Custódia e respectivos anexos, elaborado pela ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é uma entidade nãogovernamental, sem fins lucrativos, reconhecida pelo Conmetro como Fórum Nacional de Normalização. A ABNT é o organismo responsável pelo processo de elaboração e revisão das normas do Programa Cerflor. O Padrão Normativo aqui utilizado faz parte do Sistema Brasileiro de Certificação, em que o INMETRO estabelece as regras para o processo de Certificação Descrição do Processo de Auditoria O processo de auditoria de certificação Cadeia de Custódia CERFLOR compreende: Planejamento inicial da auditoria; Definição da equipe de auditoria; Verificação on site quanto ao atendimento do CERFLOR; Emissão do relatório de auditoria; Planejamento de auditoria complementar e/ou de Follow-up (caso pertinente); Apreciação do processo de auditoria por parte da Comissão de Certificação; Emissão de relatório final após avaliação de ações corretivas (caso pertinente) e demais questões pertinentes. 10

11 Planejamento e Realização da Auditoria De acordo com e Escopo de Certificação pretendida, foram executadas as seguintes atividades: análise de documentação, verificações em campo, entrevistas com colaboradores da empresa, prestadores de serviços e partes interessadas. Como todo o processo de Auditoria, as avaliações ocorreram conforme plano de auditoria estabelecido previamente, considerando o tamanho e complexidade das atividades da empresa e caráter amostral de um processo de auditoria, conforme quadro abaixo. Programa da Auditoria Auditor Período Sites Processos 29/06/2011 NMB Manhã Reunião inicial / GESTÃO da COC / RH Jundiaí NMB Tarde Suprimentos / Recebimento / Armazenamento 30/06/2011 NMB NMB Manhã Tarde Jundiaí PCP / Fabricação / Comercial / Faturamento / Expedição Centro de distribuição / RELATÓRIO / Reunião de encerramento 4.3. Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Sr. Heraldo Balbuena Coordenador de qualidade e meio ambiente Sra. Lilian Roque Analista de qualidade Sr. Maria Janete Gomes RH Sr. Marcelo Elias de Souza Suprimentos Sra. Edivania Brunheroto Suprimentos Sr. Geraldo Fernandes Recebimento Fiscal Sra. Thais Ribeiro Suprimentos Sr Anderson Medori Comercial 11

12 Sr. Richard Franco PCP Sr. Denílson dos Santos - Expedição Sr. Antonio Pereira - Acabamento Sr. Edson Lourenço Acabamento Sr..Rafael Botolan - Produção Sr.Benedito Adauto Produção Sr. Kleber Alex - Expedição 5. Relatório Detalhado Sistema de Gestão 6.2 RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES Responsabilidades gerenciais Evidenciado no site folhetos, apresentação em Power Point, quadro de avisos e no compromisso do Grupo Bignardi de 01/07/ Evidenciado no Procedimento da Cadeia de Custódia CERFLOR NP.GB /06/11 Sr Heraldo Balbuena Evidenciado no no Procedimento da Cadeia de Custódia CERFLOR NP.GB /06/11, item : Responsabilidades e autoridades sobre a cadeia de custódia: Em conformidade com os procedimentos abaixo. Evidenciado no Procedimento da Cadeia de Custódia CERFLOR NP.GB /06/11, pg PROCEDIMENTOS DOCUMENTADOS Verificados os seguintes procedimentos: - NP.GB Procedimento da Cadeia de Custódia CERFLOR; - NP.GB Ações Corretivas e Ações Preventivas; - NP.GB Controle de Registros; - NP.GB Controle de Documentos; - NP.GB Identificação e Rastreabilidade; - NP.GB Treinamento; 12

13 - NP.GB Auditoria Interna; - Macro fluxo produção de papel e conversão de papéis. 6.4 MANUTENÇÃO DE REGISTROS Evidenciado no NP.GB Procedimento da Cadeia de Custódia CERFLOR, item a guarda dos registros por 05 anos. 6.5 GESTÃO DE RECURSOS Recursos humanos Evidenciadas em Junho de 2011, 5 listas de presença de treinamento, com 269 participantes (presença 85,4%) em CoC CERFLOR. Na integração de novos funcionários também estão previstos novos treinamentos em Realizadas entrevistas aleatórias com alguns funcionários. Assistida a apresentação do treinamento CERFLOR Infra-estrutura A empresa possui os seguintes equipamentos industriais: - Produção de Papel: 2 máquinas de papel / 2 rebobinadeiras / 2 embaladeiras / 3 enfardadeiras. - Acabamento: 3 cortadeiras / 4 embaladeiras / 1 guilhotina. - Conversão: 1 rebobinadeira / 2 impressoras / 1 alceadeira. - Revestimento: 2 máquinas de revestimento / 2 rebobinadeiras / 1 enfardadeira. Evidenciados laudos de calibração de balanças, aferições realizadas em fevereiro/2011.laudo do INMETRO de 18/05/ INSPEÇÃO E CONTROLE Evidenciado relatório de auditoria interna anual conduzida de 20 a 27 de junho de 2011, onde foram identificadas 3 não conformidades. Relatório expedido em 28/06/ Evidenciada análise crítica realizada em 28 de Junho de 2011, pela alta direção. 13

14 Rastreabilidade da Cadeia de Custódia 1. O representante comercial entra em contato com o cliente e na realização da venda envia o pedido via sistema Lecom (sistema central de recepção de pedidos), onde é analisado a Política de Compra. Se aprovado o pedido é automaticamente incluído no sistema Logix (sistema ERP) e se não aprovado o pedido é encaminhado para aprovação da Gerência Comercial. As analistas comerciais conferem os pedidos no Logix, verificando percentual de comissão, capacidade do prazo de embarque e encaminha o pedido para o setor de Crédito para liberação. 2. Homologação: para fornecedores certificados é solicitado uma cópia do certificado de cadeia de custódia Cerflor e para fornecedores não certificados a declaração de fontes controversas. 3. Suprimentos: Na aquisição de produtos Cerflor é verificado validade do certificado para emissão de ordem de compra. 4. Recebimento Fiscal: conferência de dados da NF/Danfe verificando a origem e procedência da matéria-prima: Identificação do fornecedor Descrição da matéria-prima Quantidade de entrega Data de entrega, período de entrega e período de controle Categoria de origem, incluindo porcentagem exata da matéria-prima certificada incluída no produto certificado. 5. Recebimento Físico: inspecionar a matéria-prima verificando descrição no documento fiscal, armazená-la em local separado e identificado, separando celulose Cerflor das demais e também as Aparas pré e pós-consumo. 6. O PCP planejará a programação de produção, conforme listagem dos pedidos aprovados pela ADV e Crédito, elaborando a OF (ordem de fabricação) destacando o produto Cerflor e descriminando as matérias-primas de acordo com as receitas / estruturas dos produtos definidas. 7. Produção de Papel (Sistema de Porcentagem) Preparo de Massa: solicitar celulose e/ou aparas conforme especificação da OF, conferir material entregue pelo Suprimentos, preencher no boletim o nome do fornecedor da matéria-prima com os respectivos números de lotes identificados nos fardos de celulose e aparas. 14

15 Empacotamento: preencher boletim com o número da OF e identificar a bobina com a rastreabilidade e etiqueta com descrição do produto como Cerflor, liberar para Expedição. Rastreabilidade: número da bobina 8. Divisão de Acabamento / Divisão de Revestimento / Divisão de Conversão (Sistema Separação Física) Requisitar bobinas conforme especificado na OF; conferir bobinas entregue pelo Suprimentos; preencher boletim com o número da bobina e número da OF. Embalagem: identificar o produto com a rastreabilidade e com a etiqueta de identificação contendo a descrição como produto Cerflor, liberar para Expedição. Rastreabilidade: data e hora de empacotamento 9. Expedição: armazenar em local separado e identificado todos os produtos com a certificação Cerflor. Efetuar carregamento conforme descrição no pedido / ordem de carregamento. 10. Comercial ADV: para todo o produto vendido com declaração Cerflor, deverá ser emitida NF com a declaração Cerflor. 11. Recursos Humanos: sempre que necessário planeja treinamento de reciclagem a todos os colaboradores envolvidos e um treinamento para novos colaboradores que possam afetar a implementação e manutenção da Cadeia de Custódia, todos os treinamentos realizados são registrados através de lista de presença. 12. Registros: os registros originados em todas as atividades relacionados à Cadeia de Custódia estão identificados na Lista Mestra de Controle de Registro, esta lista está em poder dos setores responsáveis. 4.2 Identificação da origem: - International Paper do Brasil Ltda.; BR , emitido pelo BVC, válido até 05/12/2015 SUPRIMENTOS / RECEBIMENTO (Físico e Fiscal) Verificada a nota fiscal de entrada do produto, número , 12/01/10, expedida pelo fornecedor International Paper, conforme certificado válido, declarado no corpo da nota A Bignardi aplica o método da separação física e o método da percentagem, a matéria prima certificada está corretamente separada e identificada Evidenciada a correta identificação da matéria prima CERFLOR: identificação do fornecedor, quantidade de entrega, data de entrega e categoria de origem. 15

16 4.2.2 Correta identificação do fornecedor de papel certificado, International Paper. 4.3 Evidenciada também a correta separação do papel certificado. 5.6 Fontes Controversas Evidenciadas as declarações de conformidade relativas a fontes controversas: International Paper, Suzano, Nobrecel S.A. Celulose e Papel, Lwarcel e Papéis Primos Rio Claro. ARMAZENAMENTO Não existia no momento da auditoria matéria prima armazenada CERFLOR. PCP A rastreabilidade está garantida. Toda a OF (Ordem de Fabricação) tem a garantia do travamento na engenharia. Estão mantendo todo o padrão de controle da certificação anterior. Evidenciado que existe diferenciação entre receitas/estruturas de um mesmo produto, dependendo se for FSC, CERFLOR ou linha normal. FABRICAÇÃO Método Percentagem (Média Móvel) Produção Papel Celulose IP + Aparas Pré e Pós Consumo Método Separação Física Produção Revestidos Bobinas IP Conversão Papéis Bobinas IP e/ou Bobinas Bignardi Acabamento - Bobinas IP e Bobinas Bignardi Evidenciada rastreabilidade reversa, ou seja, a partir do produto final chegamos na bobina mãe, como segue: Produto de origem:of Codigo Print Millennium 120 g formato 640X880 mm data 06/09/10 horário 20 :45 hs; Embalado na embaladeira automática que veio da bobina 3H fabricada em 13/08/10 OF :10 hs; Boletim diário de preparo de massa: 13/08/10 carga 22 descarga 11:00hs peso 660 kg; Lote 7062 NF IP /08/2010; Lote 6986 NF IP /07/2010. Evidenciado romaneio de embarque da IP com esta bobina respectiva na Nota Fiscal eletrônica contendo os dizeres "cerflor mínimo de 70% de madeira utilizada neste produto advêm de unidade de manejo florestal certificada segundo NBR 14790". 16

17 ACABAMENTO Evidenciado que a rastreabilidade nesta área e realizada de acordo com data e hora de fabricação. Esta rastreabildade e complementada através da amarração deste horário e data de produção com a bobina respectiva através do formulário NP.GB boletim de produção diária. CONVERSÃO Evidenciado que a rastreabilidade nesta área e realizada de acordo com data e hora de fabricação através de carimbo. Esta rastreabildade e complementada através da amarração deste horário e data de produção com a bobina respectiva através do relatório diário de produção de bobinas. EXPEDIÇÃO A área ira definir locais específicos para armazenamento dos produtos CERFLOR. A carga e conferida através de romaneio de recebimento. A rastreabilidade será feita através da OF, que esta relacionada com as bobinas utilizadas. A rastreabilidade e feita através da identificação de recebimento, como data e hora e numero da bobina. Existe uma área especifica para devolução. Evidenciado resumo de carregamento: 22/07/11 código do produto OFFICE COLLECTION A4 BR 180g CX C / 40 PCT DE 50 fls CERFLOR peso 399,17 kg. Reclamações A BIGNARDI dispõe de sistemática para o tratamento de reclamações de seus clientes Sistema Utilizado Separação física e percentagem Procedimentos e documentos do Sistema de Gestão - NP.GB Procedimento da Cadeia de Custódia CERFLOR; - NP.GB Ações Corretivas e Ações Preventivas; - NP.GB Controle de Registros; - NP.GB Controle de Documentos; - NP.GB Identificação e Rastreabilidade; 17

18 - NP.GB Treinamento; - NP.GB Auditoria Interna; - Macro fluxo produção de papel e conversão de papéis Fornecimento de matéria prima Matéria prima certificada fornecida pela International Paper e pela própria empresa Recebimento de Material, Métodos de Controle e Armazenamento Já descrito no item recebimento Registros Evidências dos registros: - Fornecedores homologados: International Paper Relatório de Auditoria Interna 28/06/11 Análise Crítica da Alta Direção 28/06/11 Relatório mensal de saída de produtos certificados (CERFLOR / FSC) Abril NF - Nota Fiscal de entrada de matéria-prima de produto Cerflor - número , 12/01/10, NF - Nota Fiscal de saída de produto Cerflor /06/ Treinamentos : evidenciadas listas de treinamentos de junho de Uso da Marca Registrada PEFC/CERFLOR A aprovação do selo é feita diretamente pelo coordenador do sistema da qualidade e meio ambiente ao INMETRO. Esta área portanto é responsável por solicitar as aprovações do uso da logomarca do CERFLOR, junto ao INMETRO, de acordo com as regras e especificações contidas nos protocolos/portarias do CERFLOR Emissão de Notas Fiscais e de Transporte Já descrito no itenm EXPEDIÇÂO Prestadores de Serviço (Terceiros) Não aplicável. Não existem subcontratados Tratamento de Reclamações As não conformidades identificadas, ações corretivas e preventivas, são registradas no sistema informatizado de Gerenciamento de Documentos (MC_DOC). As não conformidades observadas pelos clientes são recebidas pela Analista de Suporte Técnico na área Comercial e registradas no formulário RNC Relatório de Não Conformidade Cliente Externo. 18

19 As não conformidades detectadas de fornecedores são monitoradas pela Analista de Suprimentos na atividade de Monitoramento de Fornecedor e registradas no formulário RNC Relatório de Não Conformidade Fornecedor Externo. 19

20 6. Requisitos Avaliados Requisitos CERFLOR/Auditor NMB 4 Método separação física 4.1 Requisitos Gerais p/ separação física X 4.2 Identificação da origem X Identificação na fase de entrega X Identificação do fornecedor X 4.3 Separação da matéria-prima certificada X 4.4 Venda de produtos certificados X 5 Método em porcentagem (%) 5.1 Requis. Gerais p/ porcentagem Aplicação método baseado em % X Definição do lote de fabricação X 5.2 Identificação da origem Identificação na fase de entrega X Identificação no fornecedor X 5.3 Cálculo da porcentagem certificada X 5.4 Transf da % para o produto final Método da porcentagem média X Método do crédito volume X 5.5 Venda de produtos X 5.6 Fontes controversas X 6 Requisitos de mínimos de SG X 6.1 Requisitos Gerais X 6.2 Respons. E autoridades X Responsabilidades gerenciais X Resp e autoridades sobre CoC X 6.3 Procedimentos documentados X 6.4 Manutenção de registros X 6.5 Gestão de recursos X Recursos humanos X Infra-estrutura X 6.6 Inspeção e controle X GP 01 Itens Comercializados X GP 01 USO DO LOGO X 20

21 7. Não Conformidades Registradas Durante a nova auditoria de certificação não foram registradas não conformidades. 8. Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas Durante a nova auditoria de CERTIFICAÇÃO não foram registradas oportunidades de melhoria (OM) ou Observações (OBS). 9. CONCLUSÃO Como pontos positivos observou-se: transparência, comprometimento da equipe de gestão com o desenvolvimento do sistema, rápida disponibilidade de informações e eficácia dos treinamentos realizados, evidenciada através de entrevistas. O BUREAU VERITAS CERTIFICATION, seguindo os procedimentos de auditoria do CERFLOR, é favorável a recomendação para nova certificação da BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA de acordo com o padrão normativo NBR 14790: ANEXOS 21

22 A. AUDITORIA DE FOLLOW-UP A.1. Informações Gerais Inserir data, locais auditados NCs avaliadas. A.2. Equipe de Auditoria Auditor líder: Membros da equipe: - xxxxxxxxxxxxxxx. - xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. A.3. Descrição do programa de Auditoria Programa da Auditoria Auditor Período Local Atividade Dia/mês /Ano XXX XXX Manhã/tarde Manhã/tarde 22

23 A.4. Avaliação das ações corretivas apresentadas para as não conformidades registradas Major NC N Processo Critério Tipo de Não Conformidade Prazo para execução das ações corretivas Audito r 00 xxxxxx X.X Maior/Menor Xx/xx/xx Sigla Descrição da Não Conformidade Análise de Causa Ação Corretiva Status Data: xx/xx/xx Eficácia?: Sim/Não A.5. CONCLUSÃO FINAL Descrever conclusão final. O BUREAU VERITAS CERTIFICATION, seguindo os procedimentos de auditoria do CERFLOR, é favorável (ou não) recomendação para certificação da xxxxxxxxxx, de acordo com o padrão normativo NBR 14790:

24 I. PRIMEIRA AUDITORIA DE MANUTENÇÃO 1. Planejamento e Realização da 1ª Auditoria de Manutenção Programa da Auditoria Auditor Período Site Processos Dia/mês /Ano XXX XXX Manhã/tarde Manhã/tarde Dia/mês /Ano XXX XXX Manhã/tarde Manhã/tarde 2. Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Nome função/cargo empresa 3. Equipe de Auditoria Auditor Líder: Auditores: - Nome, Sigla, qualificações - Nome, Sigla, qualificações. 24

25 4. Alterações no Escopo do Certificado. Citar se houve ou não alterações no escopo e quais foram. 5. Lista de Fornecedores atualizada Site Produto Comprad o Naturez a Declaraçã o Origem Quantida de (t) ano n Quantida de (t) ano n-1 xxxx Eucalipto Madeira PEFC certifiado Fornece dores Bobinas de Papel couché Não certificado 6. Lista de Produtos atualizada Site Produto vendido Natureza Declaração Destino Quantidade (t) ano n Quantidade (t) ano n-1 Espécie ou nome do produto Polpa, papel xxx, papelão xxx Misto xx%, Puro, reciclado, etc Clientes ou centros de distribuição Total 7. Uso da Marca Registrada PEFC/CERFLOR 8. Processos Auditados Processos Auditados Aquisição (Armazenagem e Recebimento) Processamento Sistema de Gestão CoC Observações xxxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxxx 25

26 Vendas Tratamento de Reclamações xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxx Não Conformidades Registradas Durante a 1ª auditoria de manutenção foram registradas xx não conformidades maiores e xx não conformidades menores, as quais estão descritas abaixo: Major NC N Processo Critério Tipo de Não Conformidade Prazo para execução das ações corretivas Audito r 00 xxxxxx X.X Maior/Menor Xx/xx/xx Sigla Descrição da Não Conformidade Análise de Causa Ação Corretiva Status Data: xx/xx/xx Eficácia?: Sim/Não 10. Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas OM 01 Processo: OBS 01 Processo: 26

27 27

28 11. Conclusão xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 28

29 12. ANEXOS 1ª Manutenção 29

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA ESCOPO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA.

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: INDÚSTRIA GRAFICA FORONI LTDA ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: PRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: SAMAB CIA. IND. COM. DE PAPEL ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Importação

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Log&Print Gráfica e Logística SA ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Produtos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA:

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: RIGESA CELULOSE PAPEL E EMBALAGENS LTDA FÁBRICA DE PAPEL TRÊS

Leia mais

EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira SA

EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira SA RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira SA ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Produção

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Suzano Papel e Celulose SA Unidade Imperatriz ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO:

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira S/A ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Produção

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES - PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES - PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES - PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 EMPRESA AUDITADA: BSC - Bahia Specialty Cellulose AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO:

Leia mais

Chapas de compensado de Pinus sp com variações de 06 a 44 mm onde as mais utilizadas são as de 18 e 20 mm.

Chapas de compensado de Pinus sp com variações de 06 a 44 mm onde as mais utilizadas são as de 18 e 20 mm. 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Madeireira Rio Claro Ltda à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA 1235387 Bureau Veritas Certification Brasil Auditoria Principal / 14790:2011 12/18/2012 ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1.2 INFORMAÇÕES DO CONTRATO 2.

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA 1248146 Bureau Veritas Certification Brasil Auditoria Principal / 14790:2011 ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1.2 INFORMAÇÕES DO CONTRATO 2. 2.1 INFORMAÇÕES

Leia mais

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP Certificação Concedida e Gerenciada por: IMAFLORA Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola Estrada Chico Mendes, 185. Piracicaba SP Brasil Tel: +55 19 3429-0800 Fax: +55 19 3429-0800 www.imaflora.org

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado)

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado) 2200 Powell St. Suite 725 Emeryville CA 94608 USA Phone: +1.510.452.8000 Fax: +1.510.452.6882 Programa de Conservação Florestal da SCS Formulário para Certificação de Cadeia de Custódia do FSC. Favor digitar

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012.

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia CERFLOR para: Fibria International Trade GmbH em Lustenau, Áustria

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia CERFLOR para: Fibria International Trade GmbH em Lustenau, Áustria Auditoria Realizada por: IMAFLORA Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola Estrada Chico Mendes, 185. Piracicaba SP Brasil Tel: +55 19 3429-0800 Fax: +55 19 3429-0800 www.imaflora.org Pessoa

Leia mais

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification GP01 Forest Stewardship Council Cadeia de certificação de custódia Descrição do processo de certificação Referência do Documento: [GP01 FSC CoC Eng v5.0] Bureau Veritas Certification France Wood & Forest

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Gráfica e Editora Posigraf S/A. à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística de recebimento, armazenagem e expedição do fornecedor DANA SCB e DANA NAKATA

Leia mais

Portaria n.º 622, de 22 de novembro de 2012.

Portaria n.º 622, de 22 de novembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 622, de 22 de novembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

CARRINHOS PARA CRIANÇAS

CARRINHOS PARA CRIANÇAS Página 1 de 1 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 06/01/2015 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa

Leia mais

COMPLEMENTO BERÇOS INFANTIS. Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins

COMPLEMENTO BERÇOS INFANTIS. Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Página 1 de 1 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 06/01/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os critérios para o programa

Leia mais

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br Soluçoes ~ Gráficas Digital Off-Set CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL www.dizart.com.br SOBRE O FSC É amplamente aceito que os recursos florestais e as áreas por eles ocupadas devam ser manejados

Leia mais

Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011.

Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011. O PRESIDENTE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO Página: 1 de 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO REQUERIDA PARA ANÁLISE CRÍTICA 5. AUDITORIA

Leia mais

3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão e pelo cancelamento desta norma é da Dqual/Divec.

3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão e pelo cancelamento desta norma é da Dqual/Divec. PROCEDIMENTO PARA AUDITORIA DAS ATIVIDADES DA ÁREA DA QUALIDADE EXECUTADA NA RBMLQ-I NORMA N o NIT-DIVEC-006 APROVADA EM AGO/2010 N o 1/13 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidade 4. Histórico

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62.

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. Página: 1 de 14 HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Emissão 09/07/96 Várias Revisão Geral 06/10/99 ACO 3 Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. 24/11/99 ACO

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elizangela Veloso elizangelaveloso@yahoo.com.br Carlos Antonio Pizo (UEM) capizo@uem.br Resumo A comercialização de

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística dos de recebimento, armazenagem e expedição. 2. REGRAS/CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda

Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda Dinatec Industria e Comercio Ltda Autor do relatório Francois Andre Martinot Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Introdução Relatório de Auditoria Este relatório foi compilado por Francois Andre Martinot

Leia mais

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único Complemento de Regra de Certificação Doc: 703-CRC-002 Página: 1/11 Elaborado por: Priscila Martins Pedroso Verificado por: Karen Martins Eliana T. Shimoda Lester Amaral Edilson Tsutomu Kishimoto Aprovado

Leia mais

MÓDULO COMERCIAL. OBJETIVO: Feito para gerenciar entrada e saída de notas, caixa, estoque. SAÍDAS clique na aba que deseja cadastrar ou

MÓDULO COMERCIAL. OBJETIVO: Feito para gerenciar entrada e saída de notas, caixa, estoque. SAÍDAS clique na aba que deseja cadastrar ou MÓDULO COMERCIAL OBJETIVO: Feito para gerenciar entrada e saída de notas, caixa, estoque. SAÍDAS clique na aba que deseja cadastrar ou consultar. Em Devolução de Compras, usado para realizar uma devolução

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica

33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica 33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica Crise Econômica Mundial Quais os impactos no setor de papel e celulose O Efeito do Câmbio no Mercado Doméstico de Papelcartão Túlio

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

Aqui seus Resultados Aparecem

Aqui seus Resultados Aparecem Aqui seus Resultados Aparecem 2 Evolution Materiais: Controle de Estoque, Compras Gerencia necessidades de compra para reposição de estoque ou para atender à necessidade de um Centro de Custo. Envolve

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP Atualmente, a DpComp, visando ampliar a capacidade corporativa de seus clientes, acompanha a evolução tecnológica e trabalha hoje com o banco de dados MySQL, um dos bancos

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA:

Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA: Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA: Entenda como a utilização do MAKER tornou ainda mais eficiente e prática o desenvolvimento de sistemas comercializados pela RG2, sempre etendendo e atendendo

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS

AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS AVALIAÇÃO DE PRODUTOS ADQUIRIDOS Elaboração Juscelino Bourbon PRO - GADS - 04-01 Versão Data Histórico Aprovação 00 03/06/11 Emissão de Procedimento Katty Cavalcanti 01 18/11/11 Modificações no título

Leia mais

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012.

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. O Presidente

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 00 01 02 Emissão inicial. Alteração do representante da direção Inclusão de informação no item 4.2.2.3 (passo 8) SMD 147. Elaborado:

Leia mais

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6. Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.8 Exercícios 6.5 Conduzindo atividades de auditoria no local

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 Página 1 de 25 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 5 7. CONDIÇÕES GERAIS... 5 8. SELO

Leia mais

MIRAFER PRODUTOS SIDERÚRGICOS LTDA.

MIRAFER PRODUTOS SIDERÚRGICOS LTDA. MIRAFER PRODUTOS SIDERÚRGICOS LTDA. CNPJ: 45.106.549/0001-01 Insc. Estadual: 535.080.770.118 Insc. Municipal: 8734/81 Endereço: Rua Raphael Salvaia, 101 Bairro Água Seca Piracicaba São Paulo. Endereço

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

Conceito de NF-e. Conexão NF-e

Conceito de NF-e. Conexão NF-e WHITE PAPER Sumário Conceito de NF-e... 3 Conexão NF-e... 3 Validador de Arquivos da Nota de Entrada... 4 Importador da Nota de Entrada Para o ERP E M S... 5 Manifesto do Destinatário Eletrônico (MD-e)...

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais

Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA:

Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA: Cases de sucesso RG2 CONSULTORIA DE SISTEMAS LTDA: Entenda como a utilização do MAKER tornou ainda mais eficiente e prática o desenvolvimento de sistemas comercializados pela RG2, sempre entendendo e atendendo

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo principal informar à cadeia de fornecedores os procedimentos e processos internos operacionais que viabilizam a avaliação de desempenho dos

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3 Página 1 de 28 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 5 7. Condições gerais... 5 7.1 Autorização

Leia mais