INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80"

Transcrição

1 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº / ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 10 DE OUTUBRO DE 2012 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 10 de outubro de 2012, às 13 horas e 30 minutos, Av. das Nações Unidas, , 25º andar cj. 2508, Sede do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, nesta cidade e capital do Estado de São Paulo, a reunião do Conselho de Administração do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. PRESENÇAS: Os Srs. Alberto Emmanuel Whitaker, Anna Maria Guimarães, Carlos Biedermann, Carlos Eduardo Lessa Brandão, João Laudo Camargo, Leonardo Viegas, Luiz Alexandre Garcia, Roberta Nioac Prado e Sandra Guerra estiveram presentes na Reunião deste Conselho, conforme assinaturas lançadas no Livro de Atas de Reuniões do Conselho de Administração. CONVIDADOS PRESENTES: Além dos Conselheiros, estiveram presentes na Reunião os Srs. Antônio Vieira, Carlos Peres, Eleno Gonçalves, Heloísa Bedicks, Luciano Bucek, Matheus Rossi, Robert Juenemann e Jennifer Botteselli. Ausentes, por motivos previamente justificados, os Srs. Flávio Alves Rodrigues, Sidney Ito e Wang Horn. MESA: Presidida pela Sra. Sandra Guerra que convidou a mim, Sra. Jennifer Botteselli, em substituição ao Sr. Rodrigo Pecchiae, ausente, por motivos previamente justificados, para secretariar os trabalhos. ORDEM DO DIA: Informar e/ou deliberar sobre: 1. Pendências do Conselho; 2. Política de Alçadas não financeiras; 3. Modelo de gerenciamento de risco e matriz de riscos; 4. Segurança da Informação; 5. Proposta de reformulação do Modelo para Associados Patrocinadores; 6. Conselho Consultivo; 7. Premissas para pauta AGO 2013; 8. Comitê de Auditoria; 9. Comitê de Pessoas; 10. Sessão Exclusiva; 11. Encerramento. DELIBERAÇÕES: As seguintes deliberações foram tomadas pelos Conselheiros: 1. Pendências Aberta a reunião, a Presidente deu sequência a pauta, disponibilizada previamente e, conforme rotina adotada para recuperar os assuntos pendentes, passou a atualizar os presentes sobre as seguintes pendências: Pendências Tratamento: Status Resp. Prazo 1 Proposta de Reformulação do Modelo para Associados Patrocinadores Gestão deve realizar todos os ajustes e tarefas solicitadas pelo CA na reunião de Outubro e apresentar nova proposta. Requer ação HB de 1

2 Pendências Tratamento: Status Resp. Prazo 2 Proposta para iniciar o Processo de Certificação de Oscip; PwC vai apresentar um estudo sobre o assunto; Veirano vai elaborar outro parecer; Requer ação CB e FR 3 D&O para administradores do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA; Gestão deve conversar com Carlos Eduardo para entender proposição e fazer um levantamento preliminar para apresentar para Presidente do Conselho, que definirá como seguir com assunto. Requer ação CELB 4 Sede própria do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA; Postergado EG Revisão de elementos da Política de porta vozes; Tendo em vista importância e urgência de outros temas e ainda o resultado que tem se obtido a partir da política em vigor, a presidente do conselho propôs que esse assunto seja discutido só a partir de Postergado EG Política de Direitos e Benefícios do Associado Gestão precisa revisar seu conteúdo, diante das discussões que houveram na reunião de Planejamento Estratégico. Elaboração HB e EG 7 Entrega da Declaração de Conflito de Interesses Recebidas dos seguintes conselheiros: AW, JC e LG Recebidas de todos os coordenadores de capítulos com exceção de Francisco Schmidt (Sul). Falta entregar os demais conselheiros e os coordenadore s de capítulos Conforme status 8 Revisão do Código de Conduta + Regimento Interno da Comissão de Conduta Em análise pela comissão. Comissão de Conduta - Wang 9 Cartório Aprovações. Flávio Permanen te até solução definitiva 2

3 Pendências Tratamento: Status Resp. Prazo 10 Alteração de Estatuto Criar repositório com itens. Flávio 11 Implementação de estrutura de gestão de riscos corporativos Tendo em vista a importância e urgência de outros temas, o conselho propôs que esse assunto retorne à pauta para discussão a partir do 2º Semestre de Postergado 2º Semestre Conselho Consultivo Gestão deve consultar os associados, através de pesquisa, a fim de se descobrir quais as expectativas destes com relação à este fórum que se pretende criar e reportar os resultados obtidos. Requer ação HB Dezembro 13 Relatório de Gestão Realizar revisão do cronograma de fechamento do Relatório de Gestão Requer ação HB 14 Premissas pauta AGO 2013 Verificar a possibilidade de haver a participação on-line de associados em reunião da Assembleia. Requer ação MR 15 Gestão Financeira e ERP Criar um calendário de atividades e seus respectivos prazos para cumprimento, principalmente com relação ao ERP, para que haja um melhor acompanhamento dos status dos trabalhos. Requer ação CB Decisão: Os Conselheiros presentes, por unanimidade, aprovaram o tratamento a ser dado às pendências apresentadas. 2. Políticas 2.1. Política de Alçadas Não Financeiras Os Superintendentes, Sra. Heloísa Bedicks e Sr. Eleno Gonçalves, apresentaram novamente a proposta de Política de Alçadas não financeiras, devidamente revisada, conforme as solicitações da última reunião. As mudanças que houveram, impactaram basicamente os dois últimos pontos do item 1 da Política de Alçadas, que dispõe sobre os objetos e princípios da mesma. 3

4 Decisão: O Conselho decidiu, por unanimidade, aprovar a Política de Alçadas Não- Financeiras e a Política de Alçadas integral será parte anexa da presente ata Política de Direitos e Benefícios do Associado Os Superintendentes, Sra. Heloísa Bedicks e Sr. Eleno Gonçalves apresentaram, para efeito de formalização, a Política de Direitos e Benefícios do Associado existente e atualmente praticada pelo INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. O Conselho solicitou que todo o seu conteúdo fosse revisado, diante das discussões na reunião de Planejamento Estratégico. Decisão: Esse assunto deverá entrar na consent agenda da próxima reunião e, uma vez aprovada, o resumo da proposta integral da Política deverá integrar a ata. 3. Modelo de Gerenciamento de Risco e Matriz de Riscos Esse assunto ficou para um segundo momento da reunião, devido à participação de um convidado externo. A Presidente decidiu então inverter a pauta, para que a reunião pudesse ter continuidade, posicionando a todos para que se voltassem ao item 4 da pauta, Segurança da Informação. 4. Segurança da Informação Os Superintendentes, Sra. Heloísa Bedicks e Sr. Eleno Gonçalves apresentaram ao Conselho, o resultado do trabalho de avaliação de controles de segurança da informação, recomendada pelo Comitê de Auditoria. Para realização deste trabalho, A Deloitte foi contratada, como empresa de auditoria independente. Durante o período de 27 a 31 de agosto, foram analisadas as politicas, padrões, procedimentos e diretrizes relacionados à gestão da Segurança da Informação. Por fim, a Sra. Heloísa Bedicks apresentou quais são os possíveis pontos de melhoria identificados pela equipe, bem como os planos de ação, responsáveis e prazos para cumprimento dos mesmos. 5. Proposta de reformulação do Modelo para Associados Patrocinadores A Sra. Heloísa Bedicks apresentou ao Conselho um draft da Nova Política de Associados Mantenedores, contendo os novos valores propostos para contribuição dos associados, os benefícios adicionais e compromissos adicionais. O Conselho fez uma série de recomendações e sugestões, inclusive no que tange à alteração de texto. A Sra. Heloísa Bedicks se comprometeu a trazer uma devolutiva desses ajustes solicitados, tão logo sejam atendidos. Os conselheiros se comprometeram também a ajudar, no que for preciso, com relação à tarefa de contatar as empresas, sempre em conjunto com algum representante do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Decisão: Esse assunto deverá entrar na consent agenda da próxima reunião e, uma vez aprovada, o resumo da proposta integral do Modelo para Associados Patrocinadores deverá integrar a ata. 4

5 Diante da impossibilidade de se retornar ao item 3 da pauta, a Presidente decidiu então inverter novamente a pauta, posicionando a todos para que se voltassem ao item 10.3 da Sessão Exclusiva, Conferência em Praga, informando que o referido item seria apresentado e discutido na presença de todos os convidados. 10. Sessão Exclusiva Conferência em Praga A presidente do Conselho, Sra. Sandra Guerra informou a todos que, em novembro de 2011, foi convidada por Stephen Davis para participar da conferência da Brookings Institution, em Praga, entre os dias 5 e 7 de Dezembro de 2012, cujo tema este ano é sobre Anti-Corrupção. Ressaltou que esse tema tem sido muito relevante dentro das agendas globais de GC. Ao ser convidada este ano, informou que se participasse seria na sua capacidade de presidente do Instituto e que seria necessário que Brookings Institution cobrisse as despesas de viagem, o que foi aceito por aquela organização. A presidente informou, entretanto, que devido ao conflito de agenda entre a Conferência e a próxima reunião do Conselho de Administração do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, agendada para 6 de Dezembro não poderia participar da conferência. Dessa forma, o convite foi reendereçado para a Superintendente Geral, que já está com viagem agendada para Austrália e Nova Zelândia no mesmo período, para participar da reunião do GNDI e reunião no AICD sobre Jornada Técnica Decisão: Diante de todo o exposto acima, o Conselho decidiu, por unanimidade, alterar a data da próxima reunião para 3 de Dezembro, às 09 horas, permitindo que a presidente participe de ambos. 3. Modelo de Gerenciamento de Risco e Matriz de Riscos Tendo em vista a possibilidade de retomada do assunto, o Conselheiro, Sr. Carlos Biedermann, fez um breve relato do assunto e, na sequência, solicitou que a Sra. Heloisa Bedicks apresentasse a Matriz de Riscos. O Conselho tomou conhecimento da mesma e apenas solicitou recebê-la por arquivo. Estes últimos também tomaram conhecimento de quais são os funcionários que participam da Equipe de Gestão de Crise, instituída no INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. A PricewaterhouseCoopers (PwC), representada por um de seus sócios, Sr. Jesse, apresentou o trabalho de implementação de uma estrutura de gestão de riscos corporativos no INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, informando quais seriam as etapas do plano de ação: (i) entendimento da situação atual, (ii) estrutura de gestão de riscos, (iii) matriz de riscos e processo de gestão; e (iv) plano de implementação. O Sr. Jesse mencionou a importância de se ter um Risk Officer, para que não haja nenhum conflito de interesse nesse caso. O Conselho ponderou que, no momento, não teria a possibilidade de ter essa pessoa e questionou se haveria algum prejuízo de, por enquanto, apenas incluir na Matriz de Riscos, os responsáveis por estes, para que haja alguém que possa responder por eles, até que tal trabalho seja concluído. 5

6 Decisão: O Conselho decidiu, por unanimidade, postergar este assunto para tratamento no 2º Semestre de 2013, por uma questão de prioridade porém, a Equipe de Gestão de Crise, já foi aprovada. O Conselheiro, o Sr. Leonardo Viegas, sugeriu então que seja incluído no Relatório Anual, onde melhor convir, alguma menção que hoje, o INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA já possui uma Matriz de Gerenciamento de Crise e está trabalhando para implementar uma gestão de riscos corporativa. Exposto o item 3 da pauta, a Presidente retomou mais uma das sessões exclusivas, invertendo a pauta, posicionando a todos para que se voltassem ao item 10.2 da Sessão Exclusiva, IIRC, informando que o referido item seria apresentado e discutido na presença de todos os convidados porém, a mesma apresentaria o assunto e se ausentaria da sala, por uma questão de conflito de interesse. 10. Sessão Exclusiva IIRC - International Integrated Reporting Council A presidente do Conselho informou à todos que foi convidada por Paul Druckman, CEO do International Integrated Reporting Council para integrar o conselho do IIRC, representando o INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. As próximas reuniões deste fórum ocorrerão no dia 02/11 ainda este ano (2012), em Tokyo e o IIRC apesar da solicitação da presidente informou não poder cobrir as despesas com viagens, devendo então a verba de despesa para tal, ser utilizada do orçamento do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Assim, conforme relatado acima, a presidente se ausentou da sala, já que foi a convidada para ser membro do Council do IIRC para que os conselheiros pudessem discutir melhor a questão, tanto no âmbito de custos, quanto no âmbito institucional. Decisão: O Conselho decidiu, por unanimidade, aprovar a integração da Sra. Sandra Guerra ao Council do IIRC, representando o INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. 6. Conselho Consultivo A Sra. Heloísa Bedicks apresentou ao Conselho uma proposta para constituição de um Conselho Consultivo para o INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, contendo os seguintes tópicos: (i) objetivos, (ii) forma de atuação, (iii) benchmarks realizados; e (iv) perfis dos integrantes. O Conselho ressaltou a importância na escolha dos integrantes e solicitou que se utilizem os melhores esforços no que tange à integração destes e alinhamento com as estratégias da empresa, principalmente com relação à ampliação do mercado e rede de negócio. O Conselho recomendou à Sra. Heloísa Bedicks consultar os associados, através de pesquisa, a fim de se descobrir quais as expectativas destes com relação à este fórum que se pretende criar e reportar os resultados obtidos na próxima reunião. Decisão: Este assunto deverá retornar na próxima reunião, para nova discussão e apresentação dos resultados obtidos através da pesquisa com os associados. Com relação à sucessão do Presidente do Conselho, decidiu-se, por unanimidade, que o Conselho Consultivo não deverá ser envolvido nesta questão e outras questões internas e da 6

7 governança do Instituto, contribuindo com suas perspectivas sobre as questões de governança atuais, assim como seu direcionamento no futuro. Dessa forma, o resultado das discussões deste Conselho Consultivo viria a servir como fonte adicional do Conselho de Administração em suas revisões de estratégia, assim como na deliberação sobre posicionamento do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA em questões relevantes de governança. 7. Premissas para pauta AGO 2013 A Sra. Heloísa Bedicks informou ao Conselho, quais serão os principais assuntos a serem abordados na próxima AGO, a realizar-se em De acordo com o Estatuto do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, a AGO deve acontecer até 90 dias após o término do exercício social. Dessa forma, a AGO está agendada para 27 de Março de 2013 (quarta-feira, antevéspera do feriado de Páscoa). Os assuntos destacados foram: (i) Alterações no Estatuto Social; e (ii) Revisão do Cronograma do Relatório de Gestão. Decisão: O Conselho solicitou ao Sr. Matheus Rossi, avaliar a possibilidade de haver a participação on-line de associados, em reunião da Assembleia, e reportar os resultados obtidos na próxima reunião. 8. Reporte do Comitê de Auditoria 8.1. Status sobre novo Prestador de Serviço de Contabilidade O Conselheiro, Sr. Carlos Biedermann, reportou sobre o assunto e aproveitou para reportar sobre os trabalhos de auditoria que foram realizados até o momento Gestão Financeira e ERP O Conselheiro, Sr. Carlos Biedermann, reportou o status dos trabalhos referentes à gestão financeira e ERP. A presidente propôs a construção de um cronograma de tarefas, principalmente com relação ao ERP, para um melhor acompanhamento dos status das atividades. O Sr. Carlos Biedermann se comprometeu a trazer, para a próxima reunião, este cronograma de tarefas e prazos, devidamente finalizado. 9. Reporte do Comitê de Pessoas O Conselheiro, Sr. Carlos Eduardo Lessa Brandão, informou que, com relação à este Comitê, não houve nenhum fato relevante a ser reportado. 10. Sessão Exclusiva Avaliação do Conselho, Diretoria e Superintendência Geral Para o último assunto da pauta e, consequentemente, a última sessão exclusiva, a Presidente do Conselho solicitou à todos que se ausentassem da sala, permanecendo apenas os conselheiros e a Sra. Heloisa Bedicks, que traria as informações sobre os projetos 7

8 apresentados pelos fornecedores na concorrência realizada para um serviço pro bono ao Instituto. Com isso, deu-se início à discussão referente à escolha do prestador de serviço para avaliar o Conselho, Diretoria e Superintendência Geral do INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. A Sra. Heloisa Bedicks, apresentou os 09 (nove) prestadores de serviços, contatados para a realização do trabalho probono e informou que, destes 09, apenas 03 (três) encaminharam suas propostas de trabalho: Boston Consulting Group (BCG), KPMG e Spencer Stuart. Todos que aceitaram prestar o serviço têm ciência da entrega do relatório final até 10/12, caso os trabalhos já tivessem sido iniciados no final do mês de Setembro, prazos estes definidos na fase de negociação. O conselho então entendeu que a proposta de BCG atendia melhor ao escopo e prazos demandados, assim como apresentava uma metodologia robusta. Recomendou contatar os clientes dessa empresa a fim de se obter possíveis referências sobre a equipe de trabalho e sobre os serviços prestados. O conselho recomendou ainda que a consultoria fosse contatada para confirmar quais seriam os sócios e/ou consultores que atenderiam diretamente ao INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA neste projeto e a fim de informá-los das expectativas da empresa com relação às contrapartidas esperadas, entendendo o seu nível de compromisso apesar de ser um serviço pro bono. Nada mais havendo a tratar a Presidente encerrou a reunião, lavrando-se a presente ata que vai por ela e pela Secretária assinada, e que será levada a registro no competente Cartório do 7º Ofício de Registro Civil das Pessoas Jurídicas da Comarca de São Paulo, Capital. São Paulo, 10 de outubro de Sandra Guerra Presidente Jennifer Botteselli Secretária Substituta Visto do Advogado: 8

9 Política de Alçadas Objetivo e Princípios Estabelecer responsabilidades, critérios e limites para as aprovações relacionadas a tomadas de decisão que comprometam o IBGC sejam elas relacionadas a valores tangíveis ou intangíveis que envolvam ou não outras organizações. Os seguintes princípios devem ser seguidos: Ninguém deve aprovar ou tomar decisões no IBGC de forma isolada. O princípio de solicitação de três orçamentos deve ser seguido sempre que o montante for superior a mil reais (R$ 1.000). Sempre que houver algum tipo de conflito de interesses em determinada contratação, o superior imediato deverá ser envolvido. Qualquer decisão referente a despesas que extrapole o orçamento deve ser aprovada pelo nível hierárquico superior direto. Assuntos delicados que possam expor o IBGC a riscos de imagem, reputação ou credibilidade devem ser previamente reportados ao nível hierárquico superior direto. Os níveis de alçada abrangem não apenas as transações monetárias. Quaisquer tipos de permutas ou troca que sejam substituam receitas ou despesas deverão ser tratados dentro dos mesmos níveis de alçada correspondentes. 2.Instâncias e níveis de aprovação CA - Conselho de Administração do IBGC P - Presidente do Conselho de Administração D - Diretores SG Superintendente-Geral SA Superintendentes Adjuntos G Gerentes C - Coordenadores 9

10 3.Tabelas de Limites de Alçada para Autorização de Custos e Despesas - Transações Únicas Natureza da Transação e Valor R$ 5mil R$ 20mil R$ 50mil R$ 100mil R$ 100mil Despesas de Funcionamento C G G SA SG D D P CA Custos das Atividades C G G SA SG D D P CA Inclui serviços e materiais de funcionamento e uso geral Inclui serviços e materiais relacionados às iniciativas Natureza da Transação e Valor R$ 250 R$ 1mil R$ 5mil R$ 10mil R$ 10mil Relatórios de Despesas/Viagem C G G SA SG D D P CA O funcionário/diretor não autoriza o próprio relatório 4.Tabelas de Limites de Alçada para Autorização de Compras - Transações Únicas Natureza da Transação e Valor R$ 1mil R$ 5mil R$ 20mil R$ 50mil R$ 50mil Compra de Ativo Permanente C G G SA SG D D P CA Inclui móveis, instalações, equipamentos e licenças 5.Tabelas de Limites de Alçada para Assinatura de Contratos (CUSTOS E DESPESAS) Para contratos de prazo indeterminado com pessoas jurídicas deve ser considerado o valor anual. Natureza do Contrato e Valor R$ 15mil R$ 30mil R$ 60mil R$ 90mil R$ 90mil Despesas de Funcionamento C G G SA SG D D P CA Inclui contratações de serviços Custos das Atividades C G G SA SG D D P CA Inclui contratações de serviços 10

11 6.Tabelas de Limites de Alçada para Contratação de Funcionários (CUSTOS E DESPESAS) Critério R$ 10mil R$ 15mil R$ 20mil R$ 20mil Valor do Salário Mensal G SA SG D D P CA Valores devem estar préaprovados no orçamento 7.Tabelas de Limites de Alçada para Assinatura de Contratos (RECEITAS) Para contratos de prazo indeterminado deve ser considerado o valor anual. Natureza e Valor da Receita R$ 50mil R$ 150mil R$ 300mil R$ 300mil Patrocínios ou Doações G SA SG D D P CA Natureza e Valor da Receita R$ 100mil R$ 300mil R$ 600mil R$ 600mil Convênios, Parcerias ou Prestação de Serviços G SA SG D D P CA 8.Alçada e Responsabilidade para Definição de Valores e Preços (RECEITAS) Natureza da Receita Instâncias de Aprovação Contribuição Associativa Anual P CA Valores de Cotas de Patrocínio SA SG Pessoa Física, Pessoa Jurídica e Associado Mantenedor Congressos, Eventos, Certificação, Publicações etc. Valores de Inscrição e Preços dos Serviços e Publicações SA SG Congressos, Cursos, Eventos, Certificação etc. 11

12 9.Tabelas de Limites de Alçada para Concessão de Descontos (RECEITAS) Natureza e Desconto 5% 10% 30% 50% 50% Patrocínios ou Doações G SA SG D D P CA Contribuição Associativa C G G SA SG D D P CA Natureza e Desconto 5% 10% 30% 30% Valores de Inscrição em Cursos C G G SA SA SG SG D Valor nominal até R$ Valores de Inscrição em Eventos C G G SA SA SG SG D Valor nominal até R$ 500 Preços da Certificação G SA SA SG SG D Natureza e Desconto 3% 5% 15% 15% Valores de Inscrição em Cursos C G G SA SA SG SG D Valor superior a R$ Valores de Inscrição em Eventos C G G SA SA SG SG D Valor superior a R$ 500 Natureza e Desconto 10% 25% 25% Venda de Publicações C C G G SA 12

13 10.Alçadas para decisões não-financeiras Natureza da Decisão Definição do representante do IBGC em órgãos de outras entidades Escolha do Tema para o próximo ano Nomeação de coordenadores das Comissões, Bancas e Grupos de Trabalho. Apoio institucional do IBGC a iniciativas de outras entidades Escolha de membros das comissões Escolha de palestrantes para o Congresso IBGC Escolha de professores e convidados para os Cursos IBGC Escolha de palestrantes para os eventos nos capítulos Escolha de tema e palestrante para Fóruns Acadêmicos e Fóruns de Debates Escolha de tema e palestrante para Encontros da Comunidade de CCI Escolha de tema e palestrante para os eventos em São Paulo Definição do representante do IBGC em eventos de outras entidades Assinatura de termos de parceria para realização ou viabilização de eventos Inclusão de pesquisas ou publicações no plano de ação do IBGC (inclusive as Alçada Conselho de Administração Conselho de Administração Conselho de Administração Superintendente-geral Coordenador da Comissão Comissão do Congresso Superintendente-adjunto de Conhecimento com validação da Superintendente-geral Coordenador Geral do Capítulo com validação da Superintendente-geral Coordenador do Fórum e Superintendente-adjunto de Conhecimento Coordenador da Agenda Temática e Superintendente-adjunto de Conhecimento Coordenador da Agenda Temática e Superintendente-geral Superintendente-geral Superintendente-geral Superintendente-geral 13

14 propostas pelas Comissões) 14

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 07 DE MAIO DE 2013 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 07 de maio de 2013, às 13 horas,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 19 DE JUNHO DE 2012 DATA, HORÁRIO E LOCAL: Instalou-se nesta data, 19 de junho de

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 03 DE SETEMBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 03 de setembro de 2013,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 1 DE OUTUBRO DE 2013 DATA, HORÁRIO e LOCAL: 1º de outubro de 2013, às

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 Ata da Reunião Ordinária do Conselho de Administração realizada em 25 de agosto de 2011 Instalou-se nesta data, 25 de agosto de

Leia mais

Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej

Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej CNPJ: 01.082.331/0001-80 Atualizado em 25.02.2014 Legenda da Barra Inferior Voltar ao Slide Inicial Voltar

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. CNPJ/MF nº 01.082.331/0001-80 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. 31 de março de 2011

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. CNPJ/MF nº 01.082.331/0001-80 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. 31 de março de 2011 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ/MF nº 01.082.331/0001-80 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA 31 de março de 2011 Aos trinta e um dias do mês de março do ano de dois mil e onze, às dez

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 13 DE JULHO DE 2015 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 13 de julho

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 07 DE AGOSTO DE 2014 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 07 de agosto de 2014, às 12

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 8 DE DEZEMBRO DE 2014 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 8 de dezembro de 2014, às

Leia mais

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi Manual da Assembleia Geral Ordinária 26 de março de 2015 às 10h00 Hotel Hilton São Paulo Morumbi Atualizado em 24.02.2015 CNPJ: 01.082.331/0001-80 Legenda da Barra Inferior Voltar ao Slide Inicial Voltar

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA CNPJ nº 01.082.331/0001-80 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE NOVEMBRO DE 2014 DATA, HORÁRIO E LOCAL: 18 de novembro de 2014,

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

Ata da Reunião do Conselho de Administração da Aliança Para a Saúde Populacional ASAP 05.06.2014. Participantes

Ata da Reunião do Conselho de Administração da Aliança Para a Saúde Populacional ASAP 05.06.2014. Participantes Ata da Reunião do Conselho de Administração da Aliança Para a Saúde Populacional ASAP Participantes 05.06.2014 Conselho de Administração: Titulares - Paulo Marcos Senra Souza AMIL, Ana Elisa Álvares Corrêa

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE CURSOS E EVENTOS 2014 CATEGORIAS DE CURSOS Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de toda a estrutura,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, REALIZADA EM 28 DE FEVEREIRO 2003 Aos vinte e oito dias do mês de fevereiro

Leia mais

377/14 São Paulo, 14 de fevereiro de 2014. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

377/14 São Paulo, 14 de fevereiro de 2014. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 377/14 São Paulo, 14 de fevereiro de 2014. Ao Instituto Brasileiro de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais.

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais. 03/07/2013 Pág. 01 GESTÃO DA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS ÉTICOS E Substitui a IO-07 CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL E DO CANAL de 03/04/2012 DE DENÚNCIA DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS 1. FINALIDADE

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. NIRE 33.3.0028205-0 CNPJ/MF Nº 08.807.432/0001-10

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. NIRE 33.3.0028205-0 CNPJ/MF Nº 08.807.432/0001-10 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. NIRE 33.3.0028205-0 CNPJ/MF Nº 08.807.432/0001-10 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 28 DE JANEIRO DE 2009 1. Data, hora e local: No 28º (vigésimo oitavo)

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE S E EVENTOS 2015 AGENDA DE S E EVENTOS 2015 CATEGORIAS DE S Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES - REALIZADA EM 15 DE FEVEREIRO DE 2007, ÀS

ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES - REALIZADA EM 15 DE FEVEREIRO DE 2007, ÀS ATA DA REUNIÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES - REALIZADA EM 15 DE FEVEREIRO DE 2007, ÀS 9h30 NO SÃO PAULO CLUBE, SITUADO À AV. HIGIENÓPOLIS, 18 SÃO

Leia mais

Proposta de agenda para ampliação de governança administrativa do FFC

Proposta de agenda para ampliação de governança administrativa do FFC WORKING DRAFT Last Modified 24/09/2014 16:07 E. South America Standard Time Printed 24/09/2014 16:08 E. South America Standard Time Proposta de agenda para ampliação de governança administrativa do FFC

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM NACIONAL DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL FTSUAS. Princípios norteadores de funcionamento do Fórum 1. Natureza O Fórum Nacional dos Trabalhadores do

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos Referência AP Data de emissão JANEIRO/2013

Manual de Normas e Procedimentos Referência AP Data de emissão JANEIRO/2013 1 I- : 1. Objetivo: O propósito desse manual é estabelecer princípios básicos que representam a prática da Auditoria Interna da Viva Rio e da Viva Comunidade tanto a de processos quanto a anti-fraudes,

Leia mais

Manual de Educação Continuada para

Manual de Educação Continuada para 1. INTRODUÇÃO O CCI, para manter a sua certificação, deverá submeter-se ao Programa de Educação Continuada para os Conselheiros Certificados IBGC. O Instituto, reconhecendo que a atividade de conselheiro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM REGIMEN TO INTERNO CAPÍTULO I Das finalidades e objetivos Art. 1º A 9ª JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA doravante denominado (9ª. JBEGG), acontecerá na cidade de Fortaleza, de

Leia mais

Parecer do Comitê de Auditoria

Parecer do Comitê de Auditoria Parecer do Comitê de Auditoria 26/01/2015 Introdução Título do documento De acordo com o que estabelece o seu regimento interno, compete ao Comitê de Auditoria assegurar a operacionalização dos processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

A pauta da reunião seguiu a seguinte ordem: 1. ISE 2. ANBIMA 3. 13º Encontro Nacional de RI e Mercado de Capitais 4. Outros Assuntos em Andamento:

A pauta da reunião seguiu a seguinte ordem: 1. ISE 2. ANBIMA 3. 13º Encontro Nacional de RI e Mercado de Capitais 4. Outros Assuntos em Andamento: ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IBRI INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES REALIZADA NO DIA 25 DE FEVEREIRO DE 2011, ÀS 09h00, NA SEDE DO IBRI-INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES

Leia mais

REGIMENTO. Capítulo I - DAS FINALIDADES E OBJETIVOS. Capítulo II - DA ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO. Capítulo I - DAS FINALIDADES E OBJETIVOS. Capítulo II - DA ORGANIZAÇÃO REGIMENTO Capítulo I - DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Art.1º - O 18º Seminário Nacional de Pesquisa em Enfermagem / SENPE, promovido Associação Brasileira de Enfermagem / ABEn Nacional e realizado pela Associação

Leia mais

Vensis Eventos. 1.1 Funcionalidades. 1.1.1 Gerenciamento de Eventos Próprios. 1.1.2 Reuniões. 1.1.3 Conventions Bureaus

Vensis Eventos. 1.1 Funcionalidades. 1.1.1 Gerenciamento de Eventos Próprios. 1.1.2 Reuniões. 1.1.3 Conventions Bureaus Vensis Eventos Vensis Eventos Este é o módulo que operacionaliza e gerencia seus eventos. Organizar reuniões, cursos, palestras, treinamentos, apresentações e outros eventos incluindo os recursos necessários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 110/2013, de 08/07/2013 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna CAPITULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS I Apresentação Ainda que não precisem gerar lucro, as organizações do terceiro setor demandam, cada vez mais, uma gestão profissionalizada, que lhes permita avaliar adequadamente

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG CNPJ 17.155.730/0001-64 NIRE 31300040127

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG CNPJ 17.155.730/0001-64 NIRE 31300040127 COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG CNPJ 17.155.730/0001-64 NIRE 31300040127 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA INICIADA AOS 08 DE AGOSTO DE 2008 E FINALIZADA AO 01 DE SETEMBRO DE 2008. Aos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I - CONCEITO E FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Administração é o órgão de orientação geral dos negócios e serviços da Caixa Econômica Federal, responsável

Leia mais

1) Posse dos Conselheiros eleitos na AGO de 04/dez/08

1) Posse dos Conselheiros eleitos na AGO de 04/dez/08 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IBRI - INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES, REALIZADA NO DIA 17 DE FEVEREIRO DE 2009, ÀS 12h, NA SEDE DA BM&FBOVESPA, À RUA XV DE NOVEMBRO,

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO TIME ENACTUS FACAMP

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO TIME ENACTUS FACAMP Título I - Da Entidade Art. 1 - A Associação Time ENACTUS FACAMP (doravante denominado Time ENACTUS FACAMP), fundada em 04 de Outubro de 2012, associação civil, sem fins lucrativos, apartidária, de tempo

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

ATA Nº 011/2008 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO REGIONAL DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE BARRA DO BUGRES EM 29/08/2008.

ATA Nº 011/2008 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO REGIONAL DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE BARRA DO BUGRES EM 29/08/2008. sig Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário Deputado Estadual Rene Barbour Colegiado Regional Barra do Bugres

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

ATA DA REUNIÃO IX DA REUNIÃO DO COLEGIADO TÉCNICO CONSULTIVO DO PNAGE

ATA DA REUNIÃO IX DA REUNIÃO DO COLEGIADO TÉCNICO CONSULTIVO DO PNAGE ATA DA REUNIÃO IX DA REUNIÃO DO COLEGIADO TÉCNICO CONSULTIVO DO PNAGE A IX reunião do Colegiado Técnico Consultivo do PNAGE foi realizada nos dias 10 e 11 de junho de 2008, na cidade de Palmas e contou

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

Comitê de Cooperação e Desenvolvimento

Comitê de Cooperação e Desenvolvimento Comitê de Cooperação e Desenvolvimento Resolução n º 02 referente à Ata da Reunião de 23 de Abril de 2009 Local: Universidade Tuiuti Horário: 14:30 Participantes: Diego Baptista, Bruno Hendler, Adriana

Leia mais

Regimento Interno do Conselho de Administração

Regimento Interno do Conselho de Administração Regimento Interno do Conselho de Administração 1 Capítulo I. OBJETO DO REGIMENTO INTERNO II. MISSÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO III. COMPOSIÇÂO E INVESTIDURA NO CARGO IV. MANDATO, VACÂNCIA e LICENÇA V.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura organizacional da Ordem

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO CRISTÃ INTERNACIONAL ICCC - BRASIL Entidade sem fins lucrativos CNPJ nº. 10.421.028/0001-56

CÂMARA DE COMÉRCIO CRISTÃ INTERNACIONAL ICCC - BRASIL Entidade sem fins lucrativos CNPJ nº. 10.421.028/0001-56 REGIMENTO INTERNO ORGANIZAÇÃO E SEDE 1. A associação, denominada Câmara de Comercio Cristã Internacional ICCC Brasil (International Christian Chamber of Commerce ICCC - BRAZIL), constituída em 24 de julho

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA CONSELHO FISCAL ATA DA 452ª REUNIÃO (ORDINÁRIA)

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA CONSELHO FISCAL ATA DA 452ª REUNIÃO (ORDINÁRIA) 1 COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA CONSELHO FISCAL ATA DA 452ª REUNIÃO (ORDINÁRIA) Às 09 horas do dia 23 de janeiro do ano de 2015, na Sala de Reunião na Sede do Conselho

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES 1 REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º O Colégio de Presidentes das Subseções é órgão de Consulta, Sugestões e de Recomendações ao Conselho

Leia mais

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR Art. 1º - O Núcleo Estudantil do CREA-MG Júnior de São João del-rei ou CREA-MG Júnior de São João del-rei é serviço público, com sede na jurisdição

Leia mais

Jornada Técnica do IBGC a Londres e Paris em 2010

Jornada Técnica do IBGC a Londres e Paris em 2010 Jornada Técnica do IBGC a Londres e Paris em 2010 A origem da Jornada Técnica A promoção de visitas e palestras no exterior para associados do IBGC remonta às origens do instituto. Em 1998 e 1999 o então

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº

ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº 54.796.016/0001-81 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA REALIZADA EM 06 DE OUTUBRO DE 2004. Aos (6) seis dias

Leia mais

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil)

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Revisado em Novembro de 2009. 1. Apresentação O FBN Brasil (The Family Business Network Brasil), cuja

Leia mais

Auditoria em Gestão da Frota

Auditoria em Gestão da Frota em Marcos Rabello Mundeleski Auditor Interno de Especial Sr. 8º Setrel Seminário Nacional de Transporte das Empresas do Setor Energético 16 de Junho de 2015 Interna Agenda Nossa Empresa e Nossa Programa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO CEP/FSA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO CEP/FSA Teresina, 13 de agosto de 2012. Dispõe sobre a regulamentação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Santo Agostinho CEP/FSA. A Direção Geral da Faculdade Santo Agostinho FSA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Difusão de Rede de. Conseguir equilíbrio orçamentário. Aumentar superávit com iniciativas e projetos

Difusão de Rede de. Conseguir equilíbrio orçamentário. Aumentar superávit com iniciativas e projetos MISSÃO Missão: Aperfeiçoar e difundir conceitos e práticas do uso de recursos privados para o desenvolvimento do bem comum VISÃO Ser referência global em investimento social privado até 2020 do Cliente

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 REGULAMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA Este regulamento ( Regulamento ), elaborado com base nas melhores práticas internacionais,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

1 Relatório de atividades da Diretoria Executiva

1 Relatório de atividades da Diretoria Executiva ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IBRI-INSTITUTO BRASILEIRO DE RELAÇÕES COM INVESTI- DORES, REALIZADA NO DIA 26 DE MAIO DE 2004, ÀS 12:30 HORAS, NO CLUBE SÃO PAULO, SITUADO À AV. HIGIE- NÓPOLIS,

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

POLÍTICA. COLABORADORES Referem-se a todos os empregados da empresa, independentemente do nível hierárquico.

POLÍTICA. COLABORADORES Referem-se a todos os empregados da empresa, independentemente do nível hierárquico. Página: 1 de 7 TÍTULO: ANTICORRUPÇÃO DOCUMENTOS REFERENCIADOS: Termo de Adesão à Política Anticorrupção Empresarial (GRC.COR.FOR.001), Formulário de Relacionamento com Agentes Públicos (GRC.COR.FOR.002)

Leia mais