COPEL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COPEL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS"

Transcrição

1

2 COPEL Companhia Paranaense de Energia - Copel CNPJ/MF / Inscrição Estadual Companhia de Capital Aberto - CVM Rua Coronel Dulcídio, 800, Batel - Curitiba - PR CEP RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2011

3 SUMÁRIO MENSAGEM DO DIRETOR PRESIDENTE PERFIL ORGANIZACIONAL Participação no Mercado Copel em Números DESTAQUES Modernização Tecnológica ISE Bovespa Agenda Copel de Mudanças Climáticas Cheias no litoral Premiação do projeto Migrageo Novas participações: geração eólica e transmissão de energia elétrica Horto florestal de UHE Mauá Pesquisa Abradee Talento Olímpico Paraná - TOP LT Foz do Iguaçu Cascavel Oeste Criação da Diretoria de Novas Energias Principais Certificações e Prêmios GOVERNANÇA CORPORATIVA Estrutura e Boas Práticas de Governança Política de Sustentabilidade e Cidadania Corporativa Planejamento Estratégico e Gestão Partes Interessadas DESEMPENHO OPERACIONAL Cenários Segmentos de Negócios Pesquisa & Desenvolvimento + Inovação (P&D +I) DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO Receita Operacional Líquida Custos e Despesas Operacionais EBITDA ou LAJIDA Resultado Financeiro Endividamento Lucro Líquido Valor Adicionado Desempenho do Preço das Ações Valor Econômico Agregado - VEA OU EVA Investimentos na Concessão Inadimplência de Consumidores DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL Força de trabalho (informações somente das subsidiárias integrais) Clientes e comunidade Apoio a Políticas Públicas Projetos e Programas Corporativos Meio ambiente BALANÇO SOCIAL COMPOSIÇÃO DOS GRUPOS RESPONSÁVEIS PELA GOVERNANÇA

4 MENSAGEM DO DIRETOR PRESIDENTE Temos o orgulho e a satisfação de apresentar o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da Copel referentes ao exercício de 2011 o primeiro ano da nova gestão do Estado do Paraná, que tem à frente o governador Beto Richa. Paralelamente aos bons resultados alcançados traduzidos pelo lucro líquido de R$ 1,2 bilhão, pelo crescimento da receita operacional líquida e pela capacidade de geração de caixa da Companhia, a efetividade das ações de gestão da Copel em 2011 vai ser encontrada no grande salto estratégico empreendido pelo acionista controlador o Estado do Paraná, que decidiu elevála à condição de potência nacional dentro do setor elétrico brasileiro, principalmente nos segmentos de geração e de transmissão de energia elétrica. Tal decisão visa recobrar e ampliar os níveis de participação no mercado que a Copel já ostentou em época anterior à vigência do modelo atual, ampliando seu foco de atuação e aproveitando, de forma rentável e sustentável, as novas oportunidades para expansão de seus negócios. Como diferencial de competitividade, a Companhia tem contado com o magnífico acervo representado pela experiência e conhecimento do seu quadro técnico especializado, que com entusiasmo mantém-se mobilizado para produzir soluções criativas, efetivas e econômicas aos novos projetos, agregando valor à Companhia. Assim, a Copel começou a consolidar em 2011 sua presença em outros estados além do Paraná dando início às obras de construção da Usina Hidrelétrica - UHE Colíder (300 megawatts MW), no rio Teles Pires, no norte de Mato Grosso, da Linha de Transmissão - LT Araraquara II/Taubaté (em 500 kv, com 356 km de extensão) e da subestação Cerquilho III (na tensão de 230 kv, com 300 MVA de potência), estas duas no interior do estado de São Paulo. Além disso, formalizou seu ingresso em quatro parques eólicos que estão sendo instalados no interior do Rio Grande do Norte, adquirindo 49,9% de participação numa sociedade que vai operar potência instalada total de 94 MW. E coroando a temporada de êxitos, a Copel participou com sucesso do último leilão para novas obras de transmissão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel, em dezembro de 2011, arrematando em consórcio com outras empresas quatro dos lotes colocados em disputa. Eles totalizam km de linhas e quatro subestações no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Maranhão, que devem absorver investimentos de R$ 1,2 bilhão, segundo estimativas preliminares da Aneel. Apesar desse magnífico desempenho em outras partes do Brasil, em nenhum momento a Copel se descuidou do Paraná e de sua população. Os investimentos no sistema elétrico estadual foram maciços, elevando os padrões da qualidade de atendimento ao público a níveis jamais alcançados, com índices DEC e FEC de 10,64 horas e 8,26 interrupções, respectivamente. A Copel atende a 396 municípios, dos quais 393 integralmente e os demais especificamente em suas áreas rurais. A 3

5 instalação de agências e postos de atendimento presencial dos consumidores encerrou o ano cobrindo os 393 municípios que compõem a área de concessão da Copel, um deles em Santa Catarina. A expansão do sistema de telecomunicações por fibras ópticas avançou, viabilizando a meta de alcançar todos os 399 municípios do Paraná até o fim de Na área de geração, deu-se continuidade à construção da Usina Hidrelétrica - UHE Mauá, no rio Tibagi, que ainda em 2012 agregará 361 MW às disponibilidades do setor elétrico, e foram iniciadas as obras da Pequena Central Hidrelétrica - PCH Cavernoso II, na região Centro-Sul do Estado, com 19 MW, empreendimento que marca a volta da Copel aos aproveitamentos hidrelétricos de pequeno porte. No segmento de transmissão, o destaque foi a conclusão e início de operação da linha de transmissão em 525 kv conectando a subestação de Furnas, em Foz do Iguaçu, integrante do sistema de transmissão de Itaipu, à subestação Cascavel Oeste, numa extensão de 116 km. Esta obra, arrematada pela Copel em leilão da Aneel, é de importância estratégica para os três estados da Região Sul, servindo como conexão expressa do seu sistema elétrico ao da Usina de Itaipu. Outro empreendimento de relevância também arrematado em leilão pela Copel no Paraná é a conexão da região de Umuarama, no noroeste paranaense, ao sistema elétrico de grande porte instalado no oeste. A conexão consiste em uma subestação na classe de 230 kv a ser construída em Umuarama e uma linha de transmissão com 143 km de extensão, que vai conectá-la à subestação Cascavel Oeste. Esta obra, com previsão de operação no início de 2014, será executada pela empresa Costa Oeste, que integra em parceria a Copel (51% de participação) e a Eletrosul (49%). Como é possível observar, a Copel fez muito em 2011 e, confiando na capacidade, talento e disposição de seu quadro de profissionais, fará ainda mais em 2012, ano em que projeta realizar o maior programa de investimentos de sua história. São R$ 2,3 bilhões, cabendo quase metade ou R$ 1,1 bilhão à área de distribuição, a que responde mais de perto pela qualidade do serviço prestado ao cliente. Apoiada em seu sólido compromisso com a sustentabilidade, a Copel vem investindo em programas que buscam atender essa premissa em todas as suas dimensões, o que lhe valeu para manter suas ações durante o ano de 2012 no Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE da Bolsa de Valores de São Paulo - BM&FBovespa. Exemplo dessas ações foi o patrocínio integral da Companhia ao trabalho de elaboração e confecção da Base Hidrográfica do Paraná, o primeiro do gênero no Brasil a receber homologação da Agência Nacional de Águas - ANA. O estudo mapeia, codifica e identifica detalhadamente os mais de 976 mil cursos d água de todos os portes existentes no Estado inclusive com a caracterização do relevo, representado por curvas de nível com resolução de até 20 metros. 4

6 Esse minucioso trabalho exigiu mais de três anos de dedicação de uma equipe de especialistas de diversas instituições e empresas da administração pública estadual, consumindo cerca de R$ 1,6 milhão em recursos. Ao patrocinar a concretização do projeto, a Copel outorgou ao Governo do Paraná, aos seus agentes e à população em geral uma preciosa ferramenta para ajudar a orientar a formulação, implantação e gerenciamento de políticas públicas e projetos de desenvolvimento alicerçados na sustentabilidade. Em outra vertente, a da promoção social, foram diversas as iniciativas voltadas às parcelas economicamente mais carentes da população paranaense, que receberam da Copel mais do que informações sobre como evitar o desperdício de energia e reduzir seu consumo mensal de eletricidade. Por meio de projetos vinculados ao Programa de Eficiência Energética - PEE da Companhia, milhares de famílias receberam gratuitamente lâmpadas fluorescentes compactas, mais econômicas, e algumas centenas receberam refrigeradores novos, com selo de eficiência categoria A do Procel, em substituição a equipamentos ultrapassados e em mau estado de conservação. A Companhia também instalou em diversos domicílios chuveiros elétricos dotados de recuperadores de calor, mais eficientes do ponto de vista energético. Informações detalhadas a respeito dessas importantes realizações e de todas as outras que foram empreendidas pela Copel no decorrer de 2011 estão nas páginas que seguem. Temos convicção de que sua atenta leitura trará uma visão bastante positiva e otimista do futuro que está sendo traçado para a Companhia. O compromisso que temos com a população do Paraná, com nossos acionistas e colaboradores é agregar valor à Copel por meio da expansão de seus negócios, da melhoria de seus serviços e valorização de seus recursos humanos. Registramos nosso respeitoso agradecimento ao governador do Paraná, Beto Richa, na condição de representante do acionista controlador da Companhia, pela segura orientação e pela confiança que vem depositando nos gestores da Copel e no comprometimento dos que nela trabalham. Da mesma forma, agradecemos aos demais integrantes da Diretoria Executiva e aos componentes do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal, cujo empenho na busca da valorização e crescimento da Copel nos inspira e entusiasma. Por fim, externamos especial agradecimento a todos os Copelianos, incansáveis em demonstrar diariamente seu pleno comprometimento com os objetivos da Companhia. Curitiba, 26 de março de Lindolfo Zimmer Diretor Presidente 5

7 1. PERFIL ORGANIZACIONAL A Copel, criada em outubro de 1954, atua com tecnologia de ponta nas áreas de geração, transmissão, distribuição de energia e telecomunicações. Opera um sistema elétrico com parque gerador próprio de usinas, linhas de transmissão, subestações, linhas e redes de distribuição e um sistema óptico de telecomunicações que integra as principais cidades do Estado. Participa também nos setores de saneamento e gás. Informações detalhadas na Nota Explicativa - NE 01 e no capítulo 2.6. ESTADO DO PARANÁ ORGANOGRAMA - PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA BNDESPAR POSIÇÃO EM CUSTÓDIA EM BOLSA (Free Float) ELETROBRÁS OUTROS 58,63% Votante 26,41% Votante 13,53% Votante 1,06% Votante 0,37% Votante 31,08% Total 23,96% Total 44,09% Total 0,56% Total 0,31% Total BOVESPA 13,45% Votante 28,59% Total NYSE 0,08% Votante 15,47% Total LATIBEX 0,00% Votante 0,03% Total COPEL (1) COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO (1) COPEL DISTRIBUIÇÃO (1) COPEL TELECOMUNICAÇÕES 100,0% 100,0% 100,0% CEOLPAR - CENTRAIS EÓLICAS DO PARANÁ LTDA. UEGA - USINA ELÉTRICA A GÁS DE ARAUCÁRIA LTDA. ELEJOR - CENTRAIS ELÉTRICAS DO RIO JORDÃO S.A. COMPAGAS - CIA. PARANAENSE DE GÁS DOMINÓ HOLDINGS S.A. 70,0% Total 60,0% Total 70,0% Total 51,0% Total 45,0% Total COSTA OESTE TRANSMISSORA DE ENERGIA S.A. MARUMBI TRANSMISSORA ENERGIA S.A. CARBOCAMPEL S.A. COPEL AMEC LTDA. CEOLPAR - CENTRAIS EÓLICAS DO PARANÁ LTDA. 51,0% Total 80,0% Total 49,0% Total 48,0% Total 30,0% Total TRANSMISSORA SUL BRASILEIRA ENERGIA S.A. FOZ DO CHOPIM ENERGÉTICA LTDA. 20,0% Total 51,0% Total 45,0% Total 40,0% Total 35,8% Total CONSÓRCIO SÃO JERÔNIMO CONSÓRCIO CRUZEIRO DO SUL - UHE MAUÁ SERCOMTEL CELULAR S.A. SERCOMTEL S.A. TELECOMUNICAÇÕES DFESA - DONA FRANCISCA ENERGÉTICA S.A. 41,2% Total 45,0% Total 23,0% Total 20,0% Total DOIS SALTOS LTDA. ESCOELECTRIC LTDA. CUTIA EMPREENDIMENTOS EÓLICOS SPE S.A. UEGA - USINA ELÉTRICA A GÁS DE ARAUCÁRIA LTDA. INST. DE TECNOLOGIA P/DESENVOLVIMENTO - LACTEC 30,0% Total 49,9% Total 20,0% Total (1) Subsidiária Integral Obs.: A Copel também possui 0,82% do Capital Total da INVESTCO S.A. (UHE Lajeado). 6

8 1.1. Participação no Mercado Principais produtos (%) Brasil Região Sul Paraná Geração de energia elétrica (1) 5,2 (2) 27,8 (2) (3) 61,9 Transmissão de energia elétrica (4) 2,5 14,7 41,5 Distribuição de energia elétrica (5) (6) 6,0 (6) 35,3 (7) 97,3 Distribuição de gás 2,3 22,7 99,9 (1) Não incluídas as participações da Copel Não incluída a Usina de Itaipu (3) Não inclui as usinas do Rio Paranapanema (4) O mercado refere-se à Receita Anual Permitida - RAP Participação no atendimento ao mercado cativo/livre (6) Fonte: Empresa de Pesquisa Energética - EPE (7) Dado estimado 1.2. Copel em Números Copel em Números - Em R$ mil (exceto quando indicado de outra forma) Indicadores Contábeis Receita operacional ou vendas brutas ,9 Deduções da receita ,4 Receita operacional líquida ou vendas líquidas ,7 Custos e despesas operacionais do serviço ,5 Resultado das atividades ,7 EBITDA ou LAJIDA ,8 Resultado financeiro (35,5) IRPJ/CSLL ,9 Lucro líquido (1) ,2 Patrimônio líquido (1) ,2 Juros sobre o capital próprio ,5 Dividendos distribuídos Indicadores Econômico-Financeiros Liquidez corrente (índice) 1,8 1,6 12,5 Liquidez geral (índice) 1,4 1,4 - Margem do EBITDA ou LAJIDA (%) 23,9 21,4 11,7 Margem líquida (lucro líquido/receita operacional líquida) (%) 14,9 14,3 4,2 Rentabilidade do patrimônio líquido (%) (1) (2) 10,5 9,6 9,4 (1) Líquido do valor dos sócios não controladores (2) LL (PL inicial) variação %

9 2. DESTAQUES 2.1. Modernização Tecnológica Foram implantados dois novos programas, o Sistema de Gestão Integrada de Consumidores - CIS e o Sistema Integrado de Gestão Empresarial - ERP, que são poderosas ferramentas de gestão e controle de todos os processos administrativos, financeiros e comerciais, o que propiciará ganhos na otimização e agilidade de seus processos internos, garantindo, assim, o atendimento à regulação do Setor Elétrico e de Telecomunicações. CIS Em maio de 2011 entrou em operação o Sistema de Gestão Integrada de Consumidores - CIS, que permitiu integrar os bancos de dados de consumidores da Copel e aperfeiçoar os processos envolvidos em seu gerenciamento como atendimento, serviço, leitura, faturamento, arrecadação e cobrança conferindo alta velocidade e grande precisão ao processamento de informações, monitoramento automático dos processos e confecção de relatórios gerenciais em tempo real. ERP Em janeiro de 2012 entrou em operação o Sistema Integrado de Gestão Empresarial - ERP, que integra e facilita o fluxo de informações entre atividades administrativas, como aquisição de materiais e serviços, controle de estoques, ativos e inventários, interação com fornecedores, gestão de contas a pagar e a receber, informações contábeis e financeiras e gestão de recursos humanos ISE Bovespa A sétima edição do ISE confirma a permanência das ações da Copel, em 2012, na carteira formada por papéis das empresas brasileiras sustentáveis e socialmente responsáveis da BM&FBovespa. A Copel participa do ISE desde sua criação, em 2005, e desde então, fazemos parte da carteira, com exceção do ano de Agenda Copel de Mudanças Climáticas Em junho de 2011, foi aprovada e publicada em nosso site a Agenda Copel de Mudanças Climáticas, a qual apresenta os compromissos que a Companhia assume para os próximos anos em relação ao tema. 8

10 2.4. Cheias no litoral A dificuldade de acesso para restabelecer a normalidade dos serviços nas localidades rurais de Rasgadinho e Limeira (em Morretes) e Floresta (em Paranaguá), atingidas pelo temporal ocorrido em março de 2011 foi o principal obstáculo enfrentado pelas equipes da Companhia. Para as famílias residentes nas áreas atingidas, a Copel suspendeu por até seis meses o vencimento das faturas mensais de energia elétrica dos domicílios comprovadamente prejudicados pela chuva Premiação do projeto Migrageo O projeto Migrageo da Copel recebeu o prêmio internacional Special Achievement in GIS (Geographic Information System) - SAG, concedido pela empresa norte-americana Esri, que avalia e premia empresas de todo o mundo que possuem projetos inovadores na área de geoprocessamento. A Esri é líder mundial no segmento de softwares para sistemas de geoprocessamento. Todos os anos, ela promove um congresso com especialistas de todo o mundo sobre o tema, ocasião em que também acontece a premiação Novas participações: geração eólica e transmissão de energia elétrica A Copel adquiriu, em novembro de 2011, 49,9% de participação na empresa São Bento Energia S.A., em quatro parques eólicos que estão sendo instalados no interior do Rio Grande do Norte, no nordeste brasileiro. Quando concluídas, tais centrais, que gerarão energia elétrica a partir da força dos ventos, terão potência instalada conjunta de 94 MW, o suficiente para atender o consumo de uma cidade com 200 mil habitantes, aproximadamente. Também em novembro de 2011 a Copel adquiriu 49,9% de participação na empresa Cutia Empreendimentos Eólicos S.A., que detém os direitos sobre cinco projetos de parques eólicos, também no Estado do Rio Grande do Norte, que terão potência instalada conjunta de 137 MW. Ainda em 2011, através de licitação mediante leilões promovidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel, a Copel adquiriu participações nas empresas Costa Oeste S.A., Caiuá S.A., Sul Brasileira S.A., Marumbi S.A. e Integração Maranhense S.A., titulares de concessões de serviço público para implantação, operação e exploração de instalações de transmissão de energia elétrica no âmbito da Rede Básica do Sistema Interligado Nacional - SIN. As empresas Caiuá S.A. e Integração Maranhense S.A. foram constituídas em 2012 e a empresa São Bento Energia S.A. foi classificada como adiantamento para futuro investimento, portanto, elas não integram a tabela de participações nos capítulos 1 e

11 2.7. Horto florestal de UHE Mauá Em junho de 2011 foi inaugurado o Horto das Caviúnas, localizado em Telêmaco Borba, junto ao canteiro de obras da UHE Mauá. O horto serve à preservação e reprodução de diversas espécies coletadas durante o processo de supressão vegetal para a formação do reservatório da usina e que serão utilizadas nos programas de reflorestamento da Copel, tanto nas áreas de conservação ambiental no entorno do reservatório quanto em programas de arborização urbana Pesquisa Abradee Conforme a 13ª Pesquisa de Satisfação do Consumidor Residencial realizada pela Abradee - Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica, por meio do Instituto Innovare, os consumidores de energia elétrica atendidos pela Copel são os mais satisfeitos do Brasil com a qualidade de fornecimento e com os serviços prestados por sua concessionária Talento Olímpico Paraná - TOP 2016 Participando do programa Talento Olímpico do Paraná - TOP 2016, neste ano a Copel iniciou o patrocínio de atletas paranaenses que têm potencial para disputar medalhas nas Olimpíadas de 2016 e de 2020 através de bolsas-esporte para treinamento, proporcionando inclusão social e desenvolvimento educacional LT Foz do Iguaçu Cascavel Oeste Em 2011, entrou em operação a nova LT em 525 kv, ligando as subestações Foz do Iguaçu pertencente à empresa Furnas Centrais Elétricas e Cascavel Oeste, pertencente à própria Copel. O empreendimento, com quase 116 km de extensão, demandou investimentos próximos de R$ 100,0 milhões Criação da Diretoria de Novas Energias O Conselho de Administração - CAD da Copel aprovou, em 21 de março de 2012, a proposta de criação da diretoria de Novas Energias. Esta iniciativa vem ao encontro do uso crescente das novas tecnologias para a geração de energia por meio de fontes alternativas e das pesquisas e investimentos que a Copel tem feito neste sentido. A instalação da nova diretoria será homologada em Assembleia Geral dos Acionistas, prevista para o final de abril de

12 2.12. Principais Certificações e Prêmios Dentre as principais certificações e prêmios conquistados em 2011, destacam-se: Prêmios/Certificações Certificador Prêmio Sesi de Qualidade no Trabalho (PSQT) - contemplada em Serviço Social da Indústria - Sesi Paraná 2º lugar Prêmio Abradee - melhor avaliação pelo cliente entre as maiores Abradee Empresas de Distribuição de Energia do Brasil Prêmio Internacional Special Achievement in GIS (Geographic Empresa Esri, em San Diego, Estados Unidos Information System) - SAG Prêmio Esporte - Categoria Melhor Amigo do Esporte no Estado As Melhores da Dinheiro - 3ª Melhor Empresa Brasileira do Setor Revista IstoÉ Dinheiro de Energia Platts Top Global Energy Company melhores e maiores companhias energéticas do mundo Ministério do Esporte Prêmio Cier de Qualidade e Satisfação de Clientes - categoria Comisión de Integración Energética Regional - Cier Ouro América Latina Grandes e Líderes Maiores do Sul - Copel e Controladas - Maior Empresa do Setor de Energia Grandes e Líderes Maiores do Sul - Copel e Controladas - Maior Patrimônio Líquido do Paraná Top of Mind - Empresa em que você gostaria de trabalhar (pela 5ª vez consecutiva) Top of Mind - Empresa pública eficiente Empresa Cidadã - pelas informações do Balanço Social 2010 Prêmio Honorífica Ordem do Pritaneu - Prêmio Avelino Vieira - 1ª edição Prêmio Join (Jogos da Integração e Inclusão de Curitiba) - Patrocínio da Copel junto à prefeitura de Curitiba para promoção dos Jogos da Integração e Inclusão de Curitiba Prêmio ISA - Patrono Bronze ISA Prêmio IBQP Agência de avaliação de mercado Platts, uma divisão da McGraw-Hill Companies Revista Amanhã Revista Amanhã Grandes e Líderes Maiores do Sul - Copel e Controladas - 2ª Revista Amanhã maior Empresa do Paraná e 4º lugar entre as 500 maiores do Sul Top of Mind - Grande Empresa do Paraná - 1º lugar no Paraná como a "mais lembrada" na categoria Grandes Empresas. Revista Amanhã e Instituto Bonilha de Pesquisa Revista Amanhã e Instituto Bonilha de Pesquisa Revista Amanhã e Instituto Bonilha de Pesquisa Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro, Sistema Firjan e Fecomércio Rotary Club de Curitiba Oeste Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude International Society of Arboriculture - ISA Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade - IBQP 11

13 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA A Copel busca constantemente aprimorar a aplicação de boas práticas de governança corporativa, e utiliza como parâmetro o modelo proposto pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC, nos termos de seu Código das Melhores Práticas. Os administradores buscam, dessa forma, contribuir para sua perenidade, com visão de longo prazo na busca de sustentabilidade econômica, social e ambiental; aprimorar o relacionamento e a comunicação com todas as partes interessadas; minimizar os riscos estratégicos, operacionais e financeiros; e aumentar o valor da Companhia, viabilizando a estratégia de captação de recursos. A Companhia adota regimentos internos para todos os seus órgãos colegiados, que contêm orientação para tratar eventuais conflitos de interesse, tema este também presente em seu Código de Conduta. Com a adesão ao nível 1 de governança corporativa da BM&FBovespa, a Copel reiterou os compromissos de atender aos princípios de transparência junto ao mercado de capitais. Os indicadores e as metas definidos no processo de autoavaliação da gestão resultaram na elaboração do Relatório de Gestão submetido à avaliação do Prêmio Nacional de Qualidade em Em 2011, o compromisso da Copel com a conduta ética, transparente e com as melhores práticas de governança corporativa foi reconhecido, tendo a Companhia mantido suas ações no ISE da Bovespa Estrutura e Boas Práticas de Governança O organograma a seguir apresenta a estrutura organizacional da Companhia, com três subsidiárias integrais, comitês e conselhos oficiais: 12

14 Assembleia Geral - AG A Assembleia Geral de Acionistas é o fórum no qual os acionistas têm poderes para decidir todos os negócios relativos ao objeto da Companhia e tomar as resoluções consideradas convenientes quanto a sua defesa e seu desenvolvimento, sendo a Assembleia Geral Ordinária realizada no primeiro quadrimestre de cada ano. 13

15 Conselho de Administração - CAD O funcionamento e as competências do CAD são estabelecidos em seu regimento interno, no Estatuto Social e na Lei das Sociedades Anônimas. Os membros do CAD têm mandato unificado de dois anos, podendo ser reeleitos. Dentre seus integrantes, um é empregado da Companhia indicado pelos demais empregados e outros dois são indicados pelo acionista BNDES Participações S.A. - BNDESPar, por força de acordo de acionistas. Pela Diretoria da Copel, apenas o Diretor Presidente é membro do CAD e atua como secretário executivo do Órgão. As posições de Presidente do CAD e Diretor Presidente da Companhia não são ocupadas pela mesma pessoa. Dentre os nove membros do atual mandato do CAD, cinco são considerados independentes, nos termos da Lei Sarbanes-Oxley, sendo um deles especialista financeiro e Presidente do Comitê de Auditoria, órgão consultivo e permanente, diretamente ligado ao CAD. No período de , foi dada continuidade ao processo formal de autoavaliação periódica do CAD e de seus conselheiros individualmente. Conselho Fiscal - CF O Conselho Fiscal também é eleito em AG. É permanente e composto por cinco membros efetivos e cinco suplentes, para mandato de um ano, sendo três membros indicados pelo acionista controlador, um pelos acionistas minoritários titulares de ações ordinárias e outro pelos acionistas minoritários titulares de ações preferenciais. Seu funcionamento e competências são estabelecidos no Estatuto Social, no regimento interno e na Lei das Sociedades Anônimas. Os membros desse Conselho, ou pelo menos um deles, participam das AG, das reuniões do CAD e das reuniões do Comitê de Auditoria que tratem de assuntos de sua competência. Comitê de Auditoria O Comitê de Auditoria é constituído por três membros, independentes e integrantes do CAD, nos termos da Lei Sarbanes-Oxley, com mandato de dois anos. Dentre suas competências estabelecidas naquela lei e no regimento interno do Comitê constam a revisão e supervisão dos processos de elaboração das demonstrações financeiras trimestrais e anuais e de controles internos e administração de riscos, bem como o zelo pela qualidade e eficiência desses processos. Nessa atividade, o Comitê deve relatar ao CAD da Companhia eventual inobservância a normas legais e regulamentares que coloquem em risco a continuidade dos negócios da Copel. Desde 2007, é realizada anualmente, pelos membros do Comitê de Auditoria, autoavaliação das atividades do colegiado e de seus membros individualmente. 14

16 Auditoria Interna A Auditoria Interna da Companhia utilizando a melhor prática recomendada pelas Normas Internacionais para o Exercício Profissional da Auditoria Interna, preconizadas pelo The Institute of Internal Auditors é regida por regulamento aprovado pela Alta Administração. Está estatutariamente subordinada ao CAD, respondendo funcionalmente ao Comitê de Auditoria e administrativamente à Presidência. Sua atuação é centralizada, com acesso livre e irrestrito a todas as unidades administrativas, registros, arquivos, documentos e informações internas e externas de interesse da Companhia. Com a aplicação de uma abordagem independente, sistemática e disciplinada, avalia a eficácia dos processos de gerenciamento de riscos, de controles internos e de governança corporativa, emitindo recomendações para o alcance do desempenho eficaz das áreas, auxiliando a organização a alcançar seus objetivos. Também está sob responsabilidade da Auditoria Interna a avaliação preliminar de todas as manifestações recebidas pelo Canal de Comunicação Confidencial encaminhadas ao Comitê de Auditoria, orientando, a partir dos riscos avaliados, a responsabilidade pelas ações relacionadas à apuração dos fatos apresentados. Auditoria Externa Nos termos estabelecidos pela Instrução CVM nº 381/2003, a Companhia e suas subsidiárias integrais contrataram a KPMG Auditores Independentes para prestação de serviços de auditoria das demonstrações financeiras. Desde sua contratação foram prestados somente serviços relacionados a auditoria independente. A Companhia tem como ponto fundamental não contratar outros serviços de consultoria que interfiram na independência dos trabalhos de auditoria externa. Para atendimento aos requisitos da Lei Sarbanes-Oxley, desde 2005, os principais controles dos ciclos que podem causar falhas ou erros nas demonstrações financeiras acima do nível de materialidade são testados pelas auditorias interna e externa. Diretoria Executiva A diretoria é eleita pelo CAD, sendo composta por oito membros, com mandato de três anos. É responsável pelas funções executivas da Copel, com atribuição privativa de representá-la. Suas atribuições, deveres e responsabilidades individuais são estabelecidos no Estatuto Social, sendo a forma de atuação prevista em regimento interno. A Companhia não vincula a remuneração dos executivos ao alcance de metas financeiras e não financeiras. Desde 2007, é realizada anualmente, pelos Diretores da Companhia, autoavaliação das atividades da Diretoria e de seus membros titulares individualmente. 15

17 Código de Conduta O Código de Conduta, instituído em 2003, tem se consolidado dinamicamente, de modo a refletir a integridade de seus procedimentos em todas as suas relações, sejam internas, com seus empregados, ou com todas as demais partes interessadas em seus negócios. Seu conteúdo, quando revisado e atualizado, envolve diversas partes interessadas, como administradores, empregados, fornecedores, clientes, acionistas e consumidores. Conselho de Orientação Ética O Conselho de Orientação Ética tem como objetivo discutir, orientar ações da Copel e examinar casos que lhe sejam apresentados, fazendo recomendações no sentido de que a atuação da Companhia seja permanentemente conduzida por princípios moralmente sãos no desenvolvimento de seus negócios, zelando pela divulgação e pela efetiva aplicação do Código de Conduta. O Conselho é composto por nove membros, sendo oito empregados da Companhia, coordenados por um representante da sociedade civil, o que garante maior transparência e participação das partes interessadas no processo. Comissão de Análises de Denúncia de Assédio Moral - Cadam A Cadam é a comissão instituída em 2010, com o objetivo de estabelecer regras para tratamento das denúncias de assédio moral e para a investigação de sua procedência. Comitê Permanente de Divulgação de Atos e Fatos Relevantes O Comitê Permanente de Divulgação de Atos e Fatos Relevantes foi implantado com o intuito de preservar a imagem e a credibilidade da Copel junto aos acionistas, investidores, analistas e profissionais do mercado de capitais. O Comitê é composto por representantes da Presidência, da Diretoria de Finanças, Relações com Investidores e de Controle de Participações, da Diretoria Jurídica e demais áreas pertinentes. Sua principal atribuição é assessorar o Diretor de Finanças, Relações com Investidores e de Controle de Participações na aplicação da Política de Divulgação da Copel, revisando e aprovando as informações a serem divulgadas ao mercado de capitais por quaisquer meios. Relacionamento com acionistas e investidores Ao final de 2011, acionistas participavam do capital social da Copel, correspondente a R$ 6.910,0 milhões, representados por mil ações, sem valor nominal. A Diretoria de Finanças, Relações com Investidores e de Controle de Participações, ao longo de 2011, prestou atendimento a expressivo número de acionistas, investidores e analistas dos mercados de capitais nacional e internacional, bem como participou de conferências, seminários e 16

18 reuniões e realizou road shows nos principais centros financeiros do Brasil, da Europa e da América do Norte. Distribuição de dividendos e juros sobre o capital próprio A partir da Lei nº 9.249/1995, a Copel adota como política, a distribuição de juros sobre o capital próprio em substituição aos dividendos, de forma total ou parcial. O montante de dividendos distribuídos é de, no mínimo, 25% do lucro líquido ajustado, de acordo com o artigo 202 e seus parágrafos da Lei nº 6.404/1976. Tag Along A Copel garante direitos de tag along para suas ações ordinárias minoritárias, assegurando a seus detentores o preço mínimo de 80% do valor pago pelas ações integrantes do bloco de controle. Acordo de Acionistas Está em vigor acordo de acionistas firmado entre o Estado do Paraná e o BNDESPar, cujo objetivo principal é assegurar ao BNDESPar a indicação de dois membros para o Conselho de Administração da Copel e ter conhecimento prévio das matérias societárias submetidas à apreciação do CAD e das AG da Companhia. Mercados em que as ações da Copel são negociadas A Copel abriu seu capital em abril de 1994 na BM&FBovespa e tornou-se, em julho de 1997, a primeira empresa do setor elétrico brasileiro listada na Bolsa de Valores de Nova York. Sua marca também está presente, desde junho de 2002, na Europa, com seu ingresso no Latibex o braço latino-americano da Bolsa de Valores de Madri. Em maio de 2008, a Copel aderiu ao nível 1 de Governança Corporativa da BM&FBovespa. Os papéis de emissão da Copel integram os seguintes índices medidos pela BM&FBovespa: Ibovespa: mais importante indicador do desempenho médio das cotações do mercado de ações brasileiro. Sua relevância advém do fato de o índice retratar o comportamento dos principais papéis negociados na Bovespa. Esse índice manteve a integridade de sua série histórica e não sofreu modificações metodológicas desde sua implementação em ISE: tem por objetivo refletir o retorno de uma carteira composta por ações de empresas com reconhecido comprometimento com a responsabilidade social e a sustentabilidade empresarial, e também atuar como promotor das boas práticas no meio empresarial brasileiro. IEE: primeiro índice setorial da Bovespa, o Índice de Energia Elétrica - IEE foi lançado em agosto de 1996, com o objetivo de medir o desempenho do setor de energia elétrica, 17

19 constituindo-se em instrumento que permite a avaliação da performance de carteiras especializadas nesse setor. Adicionalmente, os papéis da Companhia integram os seguintes índices medidos pelo Latinoamerica en Euros - Latibex da Bolsa de Madri: FTSE Latibex All share: são todas as ações listadas no Latibex; FTSE Latibex Brasil: cobre as ações mais líquidas brasileiras no Latibex; e FTSE Latibex TOP: cobre as 15 ações mais líquidas no Latibex. Gestão de Riscos O processo de Gestão Integrada de Riscos Corporativos teve início na Copel em 2006, com o objetivo de acompanhar a gestão de riscos nas áreas corporativas e nas subsidiárias integrais, procurando maximizar, de maneira consistente e permanente, os valores econômico, social e ambiental para todas as partes interessadas. A Política e o Modelo de Gestão de Riscos foram implementados em 2009, definindo os princípios e as diretrizes de atuação da Companhia. Entre os princípios norteadores estão a classificação e a forma de avaliação dos riscos, a definição de parâmetros de apetite ao risco, bem como o Princípio da Precaução, já que a Companhia não só prevê a probabilidade de ocorrência de danos, como também promove mecanismos de mitigação dos riscos. Devido à incerteza intrínseca dos riscos, a Copel considera, além dos impactos financeiros, também os impactos qualitativos. Além disso, a Companhia analisa medidas de mitigação dos riscos, adotando controles, indicadores e planos de ação que levam à priorização dos riscos e apoia a tomada de decisões. A estratégia adotada pela Copel permite considerar os riscos em seu processo decisório segundo os seguintes níveis de abordagem: Riscos-chave de negócio: são os riscos associados aos objetivos estratégicos da Companhia e, desta forma, a gestão é de responsabilidade da Alta Administração (CAD, Diretoria e Comitê de Riscos). Riscos-chave de processos: são os riscos relacionados aos processos, de responsabilidade dos gestores de processos. Riscos-chave de projetos: são os riscos vinculados aos projetos estratégicos, cuja gestão é de responsabilidade dos gestores de projetos. Em 2011 a Companhia deu continuidade ao monitoramento dos riscos-chave de negócio e intensificou ações voltadas à avaliação dos riscos relativos à composição de novos negócios e participação em leilões promovidos pela Aneel, tendo em vista o interesse estratégico em tais empreendimentos. 18

20 3.2. Política de Sustentabilidade e Cidadania Corporativa O documento tem como objetivo estabelecer as diretrizes de sustentabilidade e cidadania empresarial norteadoras das decisões e ações da Companhia, buscando a sustentabilidade empresarial, respeito a todas as partes interessadas e ampla promoção da diversidade e da ética na condução dos negócios. A Política está baseada na missão e valores corporativos e nos Princípios do Pacto Global da Organização das Nações Unidas, bem como nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e é complementar ao Código de Conduta da Copel. Os Princípios da Política de Sustentabilidade e Cidadania Empresarial são: Comprometimento; Atitude Pró-ativa diante da Lei; Diálogo, Comunicação e Transparência; Respeito à Dinâmica Socioambiental; Responsabilidade Individual e Valorização da Diversidade Planejamento Estratégico e Gestão Referencial Estratégico Visão Simplesmente a Melhor da Década. Missão Prover energia e soluções para o desenvolvimento com sustentabilidade. Princípios e Valores Conjunto de crenças e pressupostos que balizam a gestão estratégica, organizacional e das pessoas e que orientam todas as ações e decisões internas e externas da Companhia e de seus membros: Ética - Resultado de um pacto coletivo que define comportamentos individuais alinhados a um objetivo comum. Respeito às Pessoas - Consideração com o próximo. Dedicação - Capacidade de se envolver de forma intensa e completa no trabalho, contribuindo para a realização dos objetivos da organização. Transparência - Prestação de contas das decisões e realizações da Companhia para informar seus aspectos positivos ou negativos a todas as partes interessadas. Segurança - Ambiente de trabalho saudável em que os empregados e os gestores colaboram para o uso de um processo de melhoria contínua da proteção e promoção da segurança, saúde e bem-estar de todos. 19

21 Responsabilidade - Condução da vida da Companhia de maneira sustentável, respeitando os direitos de todas as partes interessadas, inclusive das futuras gerações, e o compromisso com a sustentação de todas as formas de vida. Inovação - Aplicação de ideias em processos, produtos ou serviços de forma a melhorar algo existente ou construir algo diferente e melhor. Em 2011, o Planejamento Estratégico Integrado da Copel foi elaborado de acordo com o Referencial Estratégico, que estabelece e baliza o posicionamento futuro. O Referencial Estratégico da Companhia foi redefinido em abril de 2011, a partir do trabalho desenvolvido por profissionais de todas as diretorias. Os esforços foram na busca de resultados para atender a dois grandes desafios estratégicos: excelência operacional e expansão sustentável. Para a contribuição e o alcance dos resultados esperados, o foco do planejamento empresarial foi a execução do plano estratégico, tendo como principais atividades: Comunicação da estratégia, envolvendo o universo de gerentes e empregados, com o objetivo de promover o entendimento, motivação e comprometimento; Reuniões de análises criticas e estratégicas visando o aprimoramento do processo de desenvolvimento e gestão da estratégia, a partir da qualificação dos critérios e metodologias; Qualificação dos indicadores e metas para os diferentes níveis hierárquicos seguindo as boas práticas do mercado e premissas da Fundação Nacional da Qualidade - FNQ, através do Modelo de Excelência de Gestão; Desdobramento da estratégia em toda a organização e publicação do Painel Estratégico e do Cockpit de Indicadores e Metas, de forma a garantir que toda a Companhia pudesse acompanhar os resultados obtidos; e Criação do Escritório de Projetos Corporativo com o objetivo de subsidiar no desenvolvimento e controle dos projetos. A Diretoria da Copel decidiu pela adoção do Modelo de Excelência da Gestão - MEG da FNQ. Este modelo tem o objetivo de promover a melhoria da gestão empresarial, tendo como referência os fundamentos de excelência, reconhecidos internacionalmente e que são encontrados em organizações líderes de Classe Mundial Partes Interessadas Em 2011, as partes interessadas direta e sistematicamente envolvidas com a Companhia foram: público interno, clientes, fornecedores, poderes públicos, acionistas e investidores, sociedade e organizações ligadas ao meio ambiente. 20

22 Dentre as ações, destacam-se a aproximação com as comunidades desenvolvidas por meio de projetos específicos, uma forma de melhor entender e construir uma relação sustentável com os diversos públicos da Companhia Canais de Diálogo Diálogo com o Público Interno Como forma de dar prosseguimento ao Plano de Gestão de Pessoas em 2011, a Copel realizou em setembro, por meio de instituto terceirizado, a Pesquisa de Opinião dos Empregados. O Plano de Gestão de Pessoas está alinhado ao Planejamento Estratégico da Companhia e tem o intuito de garantir melhores condições de trabalho e uma comunicação eficiente com os empregados. A Pesquisa de Opinião dos Empregados substituiu a Pesquisa de Clima Organizacional. A pesquisa mediu a satisfação, comprometimento e a felicidade em trabalhar na Copel utilizando o Índice de Felicidade no Trabalho - IFT. A metodologia utilizada foi qualiquantitativa, que significa aplicação de questionários de autopreenchimento e realização de grupos focais. Entre os resultados obtidos cabe destacar que 85,9% dos empregados consideram a Copel ótima ou boa para se trabalhar e que 71,2% estão muito felizes ou felizes em trabalhar na Companhia. Diálogo com Clientes Os clientes atendidos pela Copel têm à disposição diversos canais de acesso para efetuar solicitações, sugestões e reclamações. Entre os canais de maior destaque no volume de atendimentos está o Call Center ( ), sem custo de ligação para o cliente. Além de empregados próprios, o serviço de teleatendimento emprega contratados portadores de necessidades especiais junto às diversas associações de deficientes físicos do Paraná. Em 2011 o Call Center da Copel atendeu, em média, 576 mil ligações mensais, representando 46% dos atendimentos da Companhia. Atualmente o site da Copel (www.copel.com) recebe aproximadamente 2 milhões de visitas mensais. Foram 409 mil consultas e serviços mensais solicitados através da opção Serviços Online. Em 2011 foram abertos 256 novos postos de atendimento presencial pela Copel, totalizando 409 unidades distribuídas em toda a área de concessão. Elas realizaram, em média, 214 mil atendimentos ao mês. O endereço de cada posto de atendimento pode ser consultado no site da Copel, facilitando a localização pelos clientes. Ainda em 2011, foi implementado o chat no site da Copel, mais um canal de atendimento via internet, que recebeu um total de 123 mil acessos online ao longo do ano, a fim de tirar dúvidas e solicitações de serviços. Também foi feita a integração do enviado pelo cliente com o 21

23 sistema de telefonia, possibilitando, em tempo real, conhecer a quantidade de s recebida, facilitando a gestão das pessoas que analisam os documentos e respondem aos clientes, com o recebimento de 66 mil documentos durante todo o ano. Em fevereiro de 2012, foi alterado o procedimento da Unidade de Resposta Audível - URA de Emergência, que agora informa o protocolo da solicitação no início da ligação. Está em fase de testes a URA de Religação, na qual o cliente faz o pedido de religação eletronicamente, sem atendimento humano, otimizando as chamadas do atendimento telefônico, com previsão de entrar em produção em Os registros de falta de energia através de SMS - Short Message Service de telefones celulares, também conhecidos como torpedos, ocorreram na média 5,4 mil vezes ao mês em Para utilizar esse serviço basta que o cliente envie uma mensagem para o número com o texto SL e o número da unidade consumidora constante na fatura de energia. A Companhia também dispõe de 15 postos de atendimento móvel que percorrem bairros em grandes cidades e participam de feiras, eventos e palestras em escolas ou empresas, bem como divulgam informações sobre uso eficiente e seguro de energia elétrica. Adicionalmente, a Copel oferece, nas agências dos Correios em todo o Estado, envelopes pré-pagos para envio de documentos e solicitações à Companhia. Além disso, a Copel mantém sua Ouvidoria e Conselho de Consumidores como meios para melhorar o relacionamento com seus clientes. Diálogo com Fornecedores Parte importante da cadeia produtiva, os fornecedores encontram na Copel um parceiro de negócios atento às necessidades para melhor atender e fortalecer o diálogo com vistas à melhoria dos serviços prestados aos clientes. Tão logo encontra os fornecedores para determinado produto, a Copel propõe reuniões de integração efetuadas a cada novo contrato, antes do início dos serviços, onde são abordados os assuntos acerca das práticas de segurança e saúde no trabalho exigidas pela Companhia, questões relativas ao meio ambiente e responsabilidade social, bem como as cláusulas contidas no Código de Conduta da Copel. Reuniões extraordinárias e descentralizadas são outros diálogos, eventuais, abertos a participação dos fornecedores habilitados a prestar serviços de Engenharia no negócio Distribuição, coordenados e realizados pelas gerências Regionais, localizadas nas cidades polos do Estado. O intuito é aproximar a realidade do mercado local com as exigências mínimas requeridas pela Copel, mantendo um padrão de qualidade e de preceitos de saúde, segurança e ética assumidos pela Companhia. 22

24 Nos contratos relativos às contratações de empreiteiras pelo negócio Distribuição, há reuniões periódicas com os sindicatos das categorias (que representam 80% dos prestadores de serviço) para tratar assuntos de interesse comum no negócio de obras e serviços de engenharia. Desta maneira, a Copel busca aproximação com seus fornecedores e elevação do nível de conhecimento e engajamento para toda a cadeia produtiva. Diálogo com Acionistas, Investidores e Profissionais do Mercado de Capitais A Copel mantém canal de comunicação efetivo com seus acionistas e investidores por meio dos departamentos de relações com investidores e de acionistas e custódia, dos s e da sua central de atendimento telefônico ( ), do seu site (www.copel.com/ri) e dos informativos impressos Informe RI Copel e Informativo Trimestral, entre outros comunicados e relatórios que são encaminhados aos profissionais do mercado de capitais e acionistas e disponibilizados também no site da Companhia. Desde de 2009 foi ampliada a atuação do canal de atendimento aos acionistas minoritários para comunicação direta com o CAD da Copel. Copel de Portas Abertas para Você Desenvolvido como uma forma de estabelecer diálogo com os clientes e a comunidade, o Programa Copel de Portas Abertas para Você consolida uma postura proativa da Companhia na busca de maior aproximação e diálogo com o público. Desde sua criação, em 2005, nos padrões da Norma AA1000 de diálogo direto com as partes interessadas, os eventos do Programa têm ocorrido em todas as regiões do Estado e são abertos à participação de qualquer interessado. Contam também com a participação das lideranças regionais e locais da Companhia. Objetivam informar às partes interessadas sobre a atuação da Copel na região, sobre o uso seguro e eficiente da energia, sobre os direitos e deveres dos consumidores e sobre o acesso aos programas sociais, além de prestar o atendimento comercial feito por unidades móveis. Por meio do Programa, a Copel identificou, na comunidade, a existência de dúvidas sobre o serviço prestado e a necessidade de eventuais alterações em nossos processos internos de atendimento. 23

25 4. DESEMPENHO OPERACIONAL 4.1. Cenários Análise Internacional Passados mais de três anos do início da crise financeira internacional, os dados do Fundo Monetário Internacional - FMI indicam uma recuperação mais rápida dos países de economias emergentes e uma incerta recuperação dos países desenvolvidos. As economias avançadas possuem elevadas dívidas, em função do socorro ao setor privado durante a crise de 2008, e as projeções apontam para a manutenção de baixo crescimento e desemprego. Dentro do bloco da União Europeia não há consenso em se resolver a crise da dívida dos PIIGS Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha. Desta forma se mantém o risco de nova crise no sistema financeiro, já que os grandes bancos são os maiores credores destes países. Por outro lado, o desempenho econômico dos países que constituem os BRIC Brasil, Rússia, Índia e China está acima do previsto logo após o início da crise financeira, com a China na base de sustentação dos mercados de commodities. As projeções do FMI para o crescimento da economia mundial, das economias desenvolvidas e dos mercados emergentes em 2012 são de 3,3%, 1,2% e 5,4%, respectivamente Análise Nacional A adoção de uma política macroeconômica consistente, baseada no controle da inflação, responsabilidade fiscal e no câmbio flutuante, aliada a uma moderna regulação do sistema financeiro nacional, tem sido essencial para a estabilidade financeira. Isso permitiu um aumento da renda per capita e a redução da desigualdade social. Reflexos deste contexto foi a melhoria na classificação do risco da dívida brasileira por três respeitadas agências internacionais em A renda e a massa salarial possuem perspectivas de elevação no curto prazo, devido ao aumento do salário mínimo a partir de 1º O estreitamento entre desemprego efetivo e natural implica ganhos reais aos salários ao longo dos anos e o efeito estrutural é a distribuição de renda. Se, por um lado, os reajustes salariais e a manutenção do emprego sustentam o otimismo, por outro os juros em patamares ainda elevados, o aumento do endividamento e a aceleração da inflação devem conter esta confiança. As incertezas em relação ao cenário internacional, que afetariam a economia brasileira através dos canais de crédito e confiança, deram espaço para que o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduzisse o aperto monetário no segundo semestre de Com a demanda doméstica em patamar elevado, a inflação atingiu o teto previsto para o ano, mas a previsão é de que irá convergir ao centro da meta em O modesto crescimento do Produto Interno Bruto brasileiro 24

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

COPEL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

COPEL RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO COPEL Companhia Paranaense de Energia - Copel CNPJ/MF 76.483.817/0001-20 Inscrição Estadual 10146326-50 Companhia de Capital Aberto - CVM 1431-1 www.copel.com copel@copel.com Rua Coronel Dulcídio, 800,

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

APIMEC 2014. São Paulo: 20 de agosto Rio de Janeiro: 21 de agosto. Antonio Sergio de S. Guetter, CFO Copel

APIMEC 2014. São Paulo: 20 de agosto Rio de Janeiro: 21 de agosto. Antonio Sergio de S. Guetter, CFO Copel APIMEC 2014 São Paulo: 20 de agosto Rio de Janeiro: 21 de agosto Antonio Sergio de S. Guetter, CFO Copel Companhia Paranaense de Energia - Copel Sede: Curitiba/PR 60 anos no setor Tecnologia de ponta Geração,

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada;

(c) promover, realizar ou orientar a captação, em fontes internas e externas, de recursos a serem aplicados pela Companhia ou pela sua controlada; RELATORIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ACIONISTAS, Atendendo às disposições legais e estatutárias, a Administração da TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. sociedade anônima de capital aberto, submete à apreciação

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006

OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 OUVIDORIA GERAL RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2006 Apresentação Nossa história Objetivos, Atribuições e Compromisso Nosso Método de Trabalho Manifestações dos Usuários 1. Quantidade 2. Tipos 3. Percentual

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano

Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Investimentos da AES Brasil crescem 32% e atingem R$ 641 milhões nos primeiros nove meses do ano Valor faz parte de plano de investimentos crescentes focado em manutenção, modernização e expansão das operações

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS 1 LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, a administração de Lojas Colombo S/A

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA IMPACTOS SOCIAIS E SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução - Comentários Informações baseadas em abril de 2010. Furnas Centrais Elétricas S. A. - Empresa de geração e transmissão,

Leia mais

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Resultados 3T11 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Agenda Perfil Coelce e Conquistas 1 Mercado de Energia 2 Resultados Operacionais 3 Resultados Econômico-Financeiros 4 Perguntas e Respostas

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Relatório de Gestão O FIP-IE XP OMEGA I. Agosto 2015. Destaques Positivos. Fundamentos da Cota

Relatório de Gestão O FIP-IE XP OMEGA I. Agosto 2015. Destaques Positivos. Fundamentos da Cota FIP-IE XP OMEGA I Relatório de Gestão O FIP-IE XP OMEGA I O FIP-IE XP OMEGA I é detentor de 34,6% da Asteri Energia S.A., uma holding que detém 100% do parque eólico Gargaú e 51% da Pequena Central Hidrelétrica

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

OUTRAS INFORMAÇÕES QUE A COMPANHIA ENTENDA RELEVANTES. (Informações não revisadas pelos Auditores Independentes)

OUTRAS INFORMAÇÕES QUE A COMPANHIA ENTENDA RELEVANTES. (Informações não revisadas pelos Auditores Independentes) OUTRAS INFORMAÇÕES QUE A COMPANHIA ENTENDA RELEVANTES (Informações não revisadas pelos Auditores Independentes) Ativos e Passivos Regulatórios Em função da harmonização das práticas contábeis brasileiras

Leia mais

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A.

UNICASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE DA COMPANHIA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E MANUTENÇÃO DE SIGILO POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO RELEVANTE, NOS TERMOS DA INSTRUÇÃO CVM Nº

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney

Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney Considerações Futuras Eventuais declarações que possam ser feitas durante essa apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE 2010

RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE 2010 Companhia Paranaense de Energia - Copel CNPJ/MF 76.483.817/0001-20 Inscrição Estadual 10146326-50 Companhia de Capital Aberto - CVM 1431-1 www.copel.com copel@copel.com Rua Coronel Dulcídio, 800, Batel

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE FATO RELEVANTE As administrações da Vivo Participações S.A. ( Vivo Part. ) e da Telecomunicações de São Paulo S.A. Telesp ("Telesp") (conjuntamente referidas como Companhias ), na forma e para os fins

Leia mais

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011

Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Investimentos da AES Brasil chegam a R$ 1,1 bi em 2010 e meta é R$ 1,2 bi para 2011 Grupo aumentou quadro de colaboradores próprios em 29%. Juntas, AES Eletropaulo e AES Sul distribuíram energia para mais

Leia mais

1T10 RESULTADOS. Fitch ratings eleva de A para A+(bra) o Rating Nacional de Longo Prazo da Algar Telecom

1T10 RESULTADOS. Fitch ratings eleva de A para A+(bra) o Rating Nacional de Longo Prazo da Algar Telecom RESULTADOS 1T10 Uberlândia MG, Maio de 2010 A Algar Telecom, Empresa integrada de telecomunicações com um portfólio completo de serviços, divulga seus resultados do 1º Trimestre de 2010 (1T10). As Informações

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Governança Corporativa O modelo governança da Light está definido em um Manual de Governança, composto por nove princípios e que é repassado

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas (*) Palestrante: Vinícius Sampaio (*) Contará

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social

Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Prêmio Abradee de Responsabilidade Social Pedro Eugênio Pereira ABRADEE 11 de junho de 2007 ABRADEE: 99% do Mercado e 49 Associadas Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007 2 Reunião CIER-Eletropaulo 11.06.2007

Leia mais

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL

DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL DESEMPENHO SOCIOAMBIENTAL 3T11 Sumário Sumário...1 Índice de Tabelas...2 Índice de Figuras...3 Desempenho Socioambiental...4 Negócios com Ênfase Socioambiental...5 Ecoeficiência...7 Relações com Funcionários...9

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A.

EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA 29.04.2014 Manual de Participação em Assembléias Gerais de Acionistas 1 Sumário Pag. Mensagem da Administração ( 3 ) Estatuto Social

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013 Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos Junho, 2013 1 Contexto Concentração espacial, econômica e técnica; Indústria é de capital intensivo e business to business

Leia mais

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br CSU CARDSYSTEM SA investidorescsu@csu.com.br 2 Considerações Iniciais Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

As Ouvidorias como espaços de Educação em Cidadania. Paulo Otto von Sperling Ouvidor Geral

As Ouvidorias como espaços de Educação em Cidadania. Paulo Otto von Sperling Ouvidor Geral As Ouvidorias como espaços de Educação em Cidadania Paulo Otto von Sperling Ouvidor Geral A Petrobras Criação, natureza e âmbito de atuação Criada em 1953, a Petrobras é uma sociedade anônima de capital

Leia mais

RELATÓRIO DOS ADMINISTRADORES EXERCÍCIO DE 2013

RELATÓRIO DOS ADMINISTRADORES EXERCÍCIO DE 2013 DESTAQUES DO EXERCÍCIO Aquisição de Unidade de Gás Oxo RELATÓRIO DOS ADMINISTRADORES EXERCÍCIO DE 2013 Em 6 de dezembro a Elekeiroz adquiriu os ativos da planta produtora de gás oxo da Air Products Brasil

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO E FATO RELEVANTE DA MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. A presente Política de Divulgação

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS 3T14 I 9M14

RELEASE DE RESULTADOS 3T14 I 9M14 RELEASE DE RESULTADOS 3T14 I 9M14 Contate RI: Adolpho Lindenberg Filho Diretor Financeiro e de Relações com Investidores Telefone: +55 (11) 3041-2700 ri@lindenberg.com.br www.grupoldi.com.br/relacao DIVULGAÇÃO

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

DA INSERÇÃO REGIONAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL UM CASE DE SUCESSO

DA INSERÇÃO REGIONAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL UM CASE DE SUCESSO DA INSERÇÃO REGIONAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL UM CASE DE SUCESSO A GENESE DA INSERÇÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS A GENESE DA INSERÇÃO REGIONAL DE EMPRENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS DÉCADA DE

Leia mais

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004 Laudo de Avaliação da Ferronorte Data Base: Novembro de 2004 Contexto Os administradores da Brasil Ferrovias nos solicitam a avaliação do preço das ações da Ferronorte a serem emitidas no aumento de capital

Leia mais

Relatório de Resultados 2T 2015

Relatório de Resultados 2T 2015 MMX - Resultados Referentes ao 2º trimestre de 2015 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015 A MMX Mineração e Metálicos S.A. ( Companhia ou MMX ) (Bovespa: MMXM3) anuncia seus resultados referentes ao 2º

Leia mais