A Assessoria do FMI em Política Cambial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Assessoria do FMI em Política Cambial"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Gabinete de Avaliação Independte do Fundo Monetário Internacional A Assessoria do FMI em Política Cambial Constatações e Recomendações 2007

2

3 FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL GABINETE DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE A Assessoria do FMI em Política Cambial Constatações e Recomendações Maio de 2007 Este relatório sintético foi elaborado por uma equipe do IEO liderada por Shinji Takagi e John Hicklin e composta por Nils Bjorksten, Mariano Cortes, Ingo Fender, Emily Ku, Halim Kucur e Allen Stack. Também contou com a contribuição de Ozlem Arpac, Markus Berndt, Ramya Ghosh, Javier Hamann, Martin Kaufman, Steve Kayizzi-Mugerwa, Roxana Pedraglio, David Peretz, Joanne Salop, Reza Siregar e Scott Standley. Jack Boorman, Scott Clark, Jeffrey Frankel, Carlos Massad e Edwin Truman atuaram como assessores sênior na avaliação. Annette Canizares, Arun Bhatnagar e Jeanette Abellera prestaram apoio administrativo. O relatório foi aprovado por Thomas A. Bernes. O relatório completo, do qual constam as respostas do corpo técnico, direção e Conselho de Administração do FMI, pode ser consultado no endereço Alguns integrantes da equipe optaram por não participar de entrevistas com as autoridades nacionais ou técnicos do FMI em casos que poderiam configurar conflito de interesse. John Hicklin também optou por não emitir um juízo sobre diversos países e temas com os quais esteve estreitamente envolvido na qualidade de membro do corpo técnico do FMI.

4

5 3 PERSPECTIVA GERAL Nos termos do seu Convênio Constitutivo e de uma decisão histórica do Conselho de Administração datada de 1977, cabe ao IMF exercer a supervisão do sistema monetário internacional e das políticas cambiais dos países membros. A questão primordial a ser abordada nesta avaliação é se o FMI cumpriu essa responsabilidade básica no período A principal constatação é que o FMI simplesmente não foi tão eficaz quanto deveria, tanto na sua análise quanto na assessoria e no diálogo com os países membros. As razões pelas quais o FMI deixou de cumprir plenamente esta sua responsabilidade básica são variadas e complexas. Dentre elas, destacam-se: a falta de compreensão do papel do FMI na supervisão cambial; a falha dos países membros em entender e em se comprometer a cumprir suas obrigações no tocante à supervisão cambial; uma forte percepção, entre alguns países membros, da ausência de imparcialidade na supervisão; a falha, por parte da Direção-Geral e do Conselho de Administração, em proporcionar uma orientação e incentivos apropriados para a análise e a assessoria de alta qualidade em questões cambiais; e a ausência de um diálogo eficaz entre o FMI e muitos de seus países membros mas certamente não todos. As evidências que corroboram essa conclusão, além de outras constatações básicas, são apresentadas no relatório anexo. Para avaliar a qualidade da análise e da assessoria do FMI, bem como da eficácia de seu diálogo de política com as autoridades, foram examinados os documentos relativos às duas últimas consultas do Artigo IV entre o FMI e todos os seus países membros até 2005 e os documentos internos e do Conselho de Administração referentes a 30 economias selecionadas durante todo o período da avaliação; foram mantidos contatos com técnicos do FMI e com as autoridades nacionais e feitas uma série de entrevistas com altos funcionários do governo, agentes do mercado, acadêmicos, Administradores do FMI ou seus Suplentes, e técnicos do FMI. O relatório de avaliação apresenta um conjunto detalhado de recomendações, as quais, se adotadas, muito contribuiriam para a melhoria da qualidade e da eficácia da supervisão cambial pelo FMI. A implementação dessas recomendações exigirá um compromisso inabalável dos técnicos, Administradores e Direção-Geral do FMI e das autoridades dos países membros. Sem esse compromisso, será muito difícil realizar progressos duradouros. Nesse contexto, é importante observar que, durante a elaboração do relatório, o IEO encontrou numerosos exemplos de análises de boa qualidade e equipes de técnicos altamente qualificadas e dedicadas. E é exatamente este capital humano que forma a base para a realização de melhorias.

6 4 CONSTATAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Principal constatação 54. No período examinado ( ), o FMI simplesmente não foi tão eficaz como deveria no cumprimento de suas responsabilidades na supervisão das taxas de câmbio. Esta conclusão não tira o mérito dos árduos esforços e dedicação do corpo técnico, nem subestima a complexidade inerente e a ausência de consenso profissional sobre muitos dos temas debatidos neste relatório. Entretanto, a eficácia da supervisão do FMI na promoção da cooperação internacional depende, em última instância, da sua capacidade de focalizar as principais questões analíticas da atualidade (e que mudam drasticamente com o tempo); e de forjar um diálogo eficaz com os países membros, coletiva e individualmente. Embora as evidências encontradas não abranjam de forma alguma todos os países membros, a avaliação constatou a existência de falhas graves em ambos os casos, tendo como resultado um déficit de eficácia na principal área de atuação do FMI. A influência reduzida junto às economias avançadas ameaça se estender às grandes economias de mercado emergente e além. Essa evolução é corrosiva e gera cinismo no corpo técnico e nos países, e reforça a percepção de ausência de imparcialidade. A menos que essas falhas sejam sanadas em breve, e considerando que cresce a cada dia o número de países que buscam outras fontes de assessoria e apoio para suas políticas, esta situação poderia ter sérias implicações para a capacidade do FMI de cumprir suas responsabilidades no futuro. Constatações A. Regras do Jogo e Orientação ao Corpo Técnico 55. As regras do jogo para a supervisão cambial não são claras, nem para o FMI nem para os países membros. É possível que a confusão decorra, em certa medida, da natureza complexa do consenso formado na Decisão de 1977, e da falha subseqüente em traduzir e adaptar aquele acordo em diretrizes mais específicas sobre os pontos básicos. Ainda assim, o ponto fundamental é a falha do FMI em manter um grau apropriado de atuação em todos os seus países membros. A fim de aprimorar seu desempenho no cumprimento das suas responsabilidades, o corpo técnico tem de estar mais atento às preocupações dos países membros e ser mais direto, e precisa contar com o apoio mais ativo da Direção-Geral e do Conselho de Administração. 56. A orientação operacional ao corpo técnico não é suficientemente clara (ou, em alguns casos, não existe). Por exemplo, as exigências para a avaliação dos regimes cambiais e dos níveis das taxas de câmbio não são muito específicas. A avaliação do IEO identificou duas prioridades básicas: a) A estabilidade do sistema. Cabe ao FMI a responsabilidade de supervisionar o sistema monetário internacional, mas a última revisão deste tema pelo Conselho de Administração ocorreu em Por conseguinte, nenhuma das recentes avaliações

7 5 do Conselho examinou se a melhor forma de preservar a estabilidade do sistema monetário internacional é através das escolhas atualmente exercidas pelos países membros quanto aos regimes cambiais (e níveis da taxa de câmbio). Por conseguinte, não existe um quadro atualizado capaz de nortear a assessoria em políticas nos contextos nacionais particulares. Um exame atualizado poderia ter considerado, por exemplo, em que medida a grande acumulação de reservas, além de uma série de outras alterações de grande magnitude nas posições dos ativos públicos e privados, afeta o funcionamento e a estabilidade do sistema. b) O uso e os limites da intervenção em regimes intermediários. O uso da intervenção. Os países emergentes e em desenvolvimento têm enfrentado muitos desafios simultâneos, tais como manter o controle sobre a moeda ou a inflação diante da entrada maciça de capitais (ou de assistência financeira e receitas dos recursos naturais). Deixar que a moeda sofra uma valorização nominal pode facilitar o controle monetário, mas talvez afete negativamente as exportações e o crescimento. Esse trade-off não tem recebido a atenção devida, através, por exemplo, do exame do tempo decorrido até que a intervenção aliada a outras políticas, como medidas de natureza fiscal ou alterações nos controles de capital modifique a hipótese de que não há como resistir aos aumentos da taxa de câmbio real. Os limites à acumulação de reservas (ou, de modo mais geral, à acumulação de ativos externos líquidos do setor público). Imediatamente após as crises financeiras da década de 1990, foram formuladas diretrizes apropriadas sobre a reconstituição das reservas nos níveis mínimos razoáveis, mas o Conselho de Administração não proporcionou a orientação necessária com relação aos limites superiores razoáveis para as reservas e a sua justificativa. 57. A Direção-Geral não deu ênfase ou atenção suficiente à manutenção de um diálogo eficaz com as autoridades. Ainda que, em linhas gerais, as discussões entre o corpo técnico e as autoridades tenham sido vistas como um intercâmbio útil na maior parte das vezes, também se depreendeu uma mensagem clara de que as autoridades em muitos países esperavam obter uma contribuição mais valiosa. a) Em alguns casos, a eficácia do diálogo foi prejudicada pelo fato de que as equipes de técnicos não contavam com a capacitação técnica e experiência suficientes. É preciso complementar os conhecimentos técnicos sobre os mercados financeiro e cambial com a experiência internacional, adaptada às circunstâncias nacionais específicas. Ademais, a Direção-Geral não deixou bem claro que, em todos os casos, as recomendações gerais dos técnicos (por exemplo, relativas à adoção de novos regimes) deveriam ser baseadas na sua avaliação quanto à capacidade de

8 6 implementação imediata, e contando que fosse prestada assistência técnica nesses aspectos, se necessário. b) O FMI nem sempre reuniu as melhores condições para transmitir mensagens de grande valor aos decisores apropriados. Quando a política cambial é um tema de grande relevância, em geral exige a atenção dos ministros e líderes do governo. O FMI precisa saber comunicar as mensagens no mais alto nível político, além do nível mais técnico em que normalmente ocorrem as discussões, para que sua assessoria seja eficaz. A comunicação nos altos níveis exige habilidade e o envolvimento dos quadros superiores, um bom entendimento dos processos decisórios e o direcionamento correto das mensagens para que produzam um impacto. As recomendações têm que ser apresentadas oralmente e por escrito, de uma forma que seja persuasiva para captar a atenção de ministros que não têm tempo a perder (ou seja, elas têm de ser breves e muito claras). Recomendações 58. Esclarecer as regras do jogo para o FMI e os seus países membros. À medida que avançam as discussões sobre iniciativas de política de supervisão, uma meta importante seria a revalidação do propósito fundamental da supervisão. Um elemento primordial para isso é o imperativo de que os países, e o FMI, considerem as conseqüências das políticas de uma economia individual sobre as outras, inclusive no que diz respeito às políticas cambiais e outras medidas que afetam as taxas de câmbio. Todavia, uma vez que a relevância e a eficácia não são condições impostas por decreto, o segredo é contar com a confiança e a disposição dos países em cooperar, qualquer que seja o quadro jurídico em vigor. 59. Deve-se formular diretrizes práticas de política sobre as questões analíticas fundamentais. Esse trabalho seria baseado nas mais recentes pesquisas e na experiência internacional, e contribuiria para garantir a aplicação de uma abordagem imparcial a todos os países membros. Duas prioridades a considerar: a) Sobre a estabilidade do sistema. O Conselho de Administração deve examinar periodicamente a estabilidade dos regimes cambiais e das taxas de câmbio, levando em conta a variedade de regimes escolhidos, as condições de liquidez global e outros aspectos. As conclusões ajudariam a compor um quadro atualizado para orientar o trabalho nos diversos cenários nacionais. b) Sobre o uso e os limites da intervenção. Como informação de fundo para o desenvolvimento de diretrizes para o corpo técnico, considerando a diversidade de situações dos diferentes países e as várias funções atribuídas à taxa de câmbio, uma opção seria pedir às autoridades, durante as consultas do Artigo IV, que descrevessem os limites dos haveres em reservas/posições em ativos externos líquidos do setor público que pretendem manter no período seguinte, bem como as razões para fixar tais limites. Assim, as discussões poderiam abranger tanto os limites apresentados

9 7 quanto os argumentos para justificá-los, o que serviria como um ponto de partida para as discussões subseqüentes. As diretrizes refletiriam uma variedade de fatores, tais como os motivos preventivos para a manutenção das reservas, a poupança intertemporal das receitas dos recursos naturais e os possíveis problemas para a gestão monetária e a competitividade, bem como as implicações para o ajustamento da economia mundial. 60. A Direção-Geral deveria dedicar atenção muito maior à eficácia do diálogo com as autoridades. Essa tarefa deve receber a mesma relevância atribuída à formulação das recomendações corretas. a) A Direção-Geral deve elaborar uma abordagem estratégica à identificação de oportunidades para aumentar a eficácia do diálogo, com o envolvimento dos quadros superiores e, se necessário, com o apoio dos Administradores. Isso também implicaria a garantia de que a equipe de técnicos tivesse as qualificações corretas; a definição prévia de quem participaria das discussões, e quando; a sintonia fina do formato da mensagem às exigências específicas. Durante o processo de avaliação do desempenho, o êxito em garantir o diálogo eficaz seria definido e recompensado. b) A Direção-Geral e o Conselho de Administração precisam ajustar os incentivos à abordagem de temas polêmicos. Precisam emitir sinais claros ao corpo técnico de que este contará com todo o apoio quando necessitar de tempo para compreender os pontos de vista das autoridades, quando tiver de transmitir uma mensagem delicada, quer às autoridades, quer ao Conselho, e quando enfrentar dificuldades na obtenção de informações das autoridades. Constatações B. Problemas na Implementação das Atuais Diretrizes de Política 61. Ainda não se chegou a definições claras dos regimes cambiais. Durante todo o período abrangido por esta avaliação, nada se fez para corrigir as persistentes incoerências entre as classificações dos regimes de facto, bem como entre as classificações de jure e de facto, o que contribuiu para a falta de clareza na análise. O Conselho de Administração não foi capaz de formar um consenso para resolver esse problema. 62. Os técnicos e a direção repetidamente deixaram de apresentar uma fundamentação analítica para suas recomendações de mudança de regime; em três ocasiões, desperdiçaram as chances de dar um parecer claro sobre o regime escolhido pelas autoridades. A falta de análise em respaldo à assessoria sobre regimes cambiais corroborou a idéia de que as recomendações do FMI por vezes basearam-se mais em modismos do que em propostas adaptadas especificamente às circunstâncias nacionais. Além disso, muitas vezes a avaliação do corpo técnico sobre os regimes existentes limitou-se à

10 8 constatação retrospectiva de que o regime em vigor atendeu satisfatoriamente as necessidades do país, sem um análise substancial a ampará-la. 63. No tocante aos níveis da taxa de câmbio, embora a análise tenha apresentado avanços, foram inúmeros os casos em que a avaliação do corpo técnico não foi bem explicada. A análise quantitativa dos níveis da taxa de câmbio foi expandida, mas ainda estava longe de ser universal, e a escolha de metodologia às vezes pareceu arbitrária. No caso dos países em desenvolvimento, um exame mais detido dos custos e de outros dados teria fortalecido a análise dos níveis da taxa de câmbio. 64. O fornecimento de dados para fins de supervisão cambial constituiu um grave problema. O corpo técnico parece não ter alertado o Conselho de Administração para a gravidade das deficiências dos dados e a medida em que isso prejudicou a supervisão cambial (inclusive nos casos em que as autoridades relutaram em fornecer dados) ou as possíveis implicações para as discussões do Conselho. Ao deixar de encarar com mais decisão os problemas no fornecimento de dados, inclusive aqueles relacionados à intervenção, o corpo técnico privilegiou a manutenção de relações amistosas com as autoridades e/ou a percepção de falta de apoio da direção para a tomada de uma posição mais firme. 65. A discussão das repercussões das políticas, que englobam o impacto regional ou sistêmico das políticas dos países grandes (bem como os efeitos das atividades intervencionistas nos países cujas moedas sofrem intervenção) ainda é rara. Durante o período avaliado, a supervisão multilateral e financeira não havia sido adequadamente integrada à supervisão bilateral. A análise das repercussões continuou irregular na maioria dos países, e as tentativas de avaliar os efeitos das atividades de intervenção sobre outros países membros no contexto das consultas do Artigo IV permaneceram limitadas. Recomendações 66. A Direção-Geral e o Conselho de Administração devem eliminar as inconsistências e ambigüidades relacionadas à classificação dos regimes. Qualquer que seja a solução encontrada, convém contar com a aprovação do Conselho de Administração e afastar o estigma que paira sobre determinados rótulos. Nos relatórios do corpo técnico sobre as consultas do Artigo IV com países que adotam um regime intermediário (todos exceto a flutuação independente e a paridade fixa), a prioridade seria fornecer uma descrição precisa do regime das autoridades, inclusive do seu funcionamento na prática. A descrição poderia ser definida de comum acordo entre as autoridades e o corpo técnico, ou as diferenças de opinião poderiam ser expostas claramente ao Conselho. Nas consultas posteriores do Artigo IV, a descrição existente poderia ser revalidada ou modificada. 67. A assessoria do FMI em regimes cambiais deveria ter um respaldo analítico mais explícito. A análise do Fundo, em todos os seus aspectos, poderia ser melhorada com o fortalecimento do quadro para a avaliação da escolha do regime cambial, tendo como base o trabalho já desenvolvido em alguns departamentos. No tocante aos regimes em vigor, seria

11 9 útil se os relatórios do corpo técnico sobre as consultas do Artigo IV contivessem uma descrição sucinta dos pressupostos de política em que se baseia a avaliação prospectiva do corpo técnico de que o regime escolhido continuará apropriado. Quaisquer divergências de opinião sobre os pressupostos seria retratada no relatório. Assim, os pressupostos apresentados nas consultas do Artigo IV de um determinado ano norteariam as discussões nas consultas do ano seguinte. Na ausência de mudanças significativas, as discussões sobre o tema seriam convenientemente curtas. 68. A fim de aprimorar a avaliação do nível da taxa de câmbio, o FMI deve estar na vanguarda do desenvolvimento do trabalho analítico necessário, enquanto melhora seu desempenho em transformar as metodologias existentes em recomendações que sejam pertinentes para as discussões dos casos nacionais específicos. Trata-se de uma tarefa genuinamente difícil, mas isto não é desculpa para a falta de novos progressos. Embora estejam sempre em estudo aperfeiçoamentos nas metodologias das economias avançadas e de mercados emergentes, também existe espaço para a melhoria dos dados e da análise dos países em desenvolvimento. (Poder-se-ia, por exemplo, considerar o trabalho conjunto com outros órgãos para reunir dados sobre custos.) 69. A Direção-Geral e o Conselho de Administração também devem examinar mais detidamente as causas do que parece ser um grave problema na prestação de dados para fins de supervisão, e como melhorar a estrutura de incentivos. Uma análise completa deste problema foge ao âmbito desta avaliação. 70. Deve haver incentivos para o desenvolvimento e a implementação de diretrizes para a integração dos efeitos de contágio na supervisão bilateral e regional. Além do trabalho interdepartamental visando aperfeiçoar as atuais metodologias, poder-se-ia solicitar que um grupo de autoridades graduadas nos países membros fizesse recomendações relativas ao feedback sobre as políticas públicas perguntas do tipo e se...? que, na sua opinião, seria útil estudar. Em muitos casos, talvez a assessoria do corpo técnico precise ser embasada em conhecimentos mais sólidos do mercado financeiro, o que também contribuiria para as discussões com as autoridades. Constatação C. Gestão do Trabalho sobre Taxas de Câmbio 71. O trabalho relativo às taxas de câmbio não foi organizado e administrado como deveria. Um enorme volume de atividades sobre questões cambiais não foi integrado corretamente. A despeito de alguns progressos (como o CGER, o grupo consultivo sobre taxas de câmbio), não houve um esforço consistente de sintetizar o trabalho de pesquisa dentro e fora do FMI e os estudos multilaterais visando a sua absorção na linha de frente do trabalho operacional. Tanto as autoridades nacionais quanto o corpo técnico teriam apreciado um auxílio mais prático na análise, comparações internacionais e a experiência nos mercados financeiro e cambial.

12 10 a) A responsabilidade pelas questões cambiais está dispersa por todo o FMI. Os departamentos regionais lideram as discussões com as autoridades e formulam sua própria análise; outros departamentos envolvidos são o INS (formação), MCM (questões de classificação, conhecimentos sobre o mercado cambial e o Global Financial Stability Report, ou GFSR), PDR (formulação e exame de políticas), RES (WEO e estudos) e STA (questões relativas aos dados). A estrutura torna difusa a responsabilidade e a prestação de contas pelo trabalho relativo às questões cambiais, seja no estabelecimento de prioridades, na realização de tarefas ou na sua divulgação. b) A falta de compreensão dos mercados financeiros foi apontada como um fator que limitou o valor da assessoria do FMI no passado. Conforme indicado na avaliação do IEO sobre a Supervisão Multilateral (IEO, 2006c), parte do problema talvez seja que os conhecimentos existentes no ICM (atual MCM) ainda não estejam devidamente integrados ao trabalho das demais áreas do FMI. Outro possível problema seria a insuficiência de experiência prática entre os quadros do FMI. As autoridades nacionais ouvidas nesta avaliação atribuem especial valor às recomendações daqueles que têm experiência prática no trato de questões dos mercados financeiro e cambial. Recomendação 72. A Direção-Geral deve encontrar uma maneira de aprimorar o foco do trabalho analítico sobre taxas de câmbio. a) Deve esclarecer a responsabilidade e a prestação de contas em matéria de política cambial e utilizar mais ativamente um fórum como a Comissão de Supervisão para garantir a manutenção do foco nos temas mais relevantes e para discutir uma variedade de diferentes opiniões e perspectivas. Um elemento importante seria a incorporação do trabalho sobre o setor financeiro. Uma das principais funções dessa estrutura seria estabelecer prioridades nas questões e iniciativas de política cambial de todas as áreas do FMI, o que também incluiria a definição de uma agenda plurianual do trabalho em políticas, estudos e estatística. b) Poder-se-ia voltar a analisar a estrutura das equipes de técnicos. Um bom ponto de partida seria a melhor integração dos conhecimentos dos mercados financeiro e cambial no trabalho da sede. Mas isso dificilmente eliminaria por completo a brecha de especialização e experiência identificada nesta avaliação como um fator relevante em alguns casos. Talvez, em ocasiões específicas, consultores ou funcionários públicos graduados integrantes de um grupo de profissionais do mercado cambial poderiam participar das equipes das missões do Artigo IV (como já é prática nas missões de assistência técnica) para compartilhar os conhecimentos técnicos e a experiência internacional relevante, aspectos que beneficiariam diretamente as discussões com as autoridades.

13 11 Constatação D. Confidencialidade e Supervisão do Conselho de Administração 73. Num número limitado de casos, a divulgação completa do envolvimento do corpo técnico e da Direção-Geral nas questões de política fiscal teria sido incompatível com o desempenho da função de interlocutor eficaz. Há casos em as autoridades nacionais simplesmente não se dispõem a discutir abertamente algumas questões com o FMI, no contexto bilateral ou multilateral, quando crêem que o teor dessas discussões será revelado ao Conselho de Administração (e, por conseguinte, possivelmente às autoridades de todos os países membros) ou, pior ainda, aos mercados. Contudo, o envolvimento do corpo técnico e da Direção-Geral atende claramente os interesses do FMI (e da comunidade internacional). Esta situação cria um verdadeiro dilema na prestação de contas. Embora relativamente rara, é importante que o Conselho de Administração, a Direção-Geral e o corpo técnico entrem em acordo quanto aos novos procedimentos para lidar com as dúvidas bastante concretas existentes sobre a confidencialidade e, ao mesmo tempo, assegurar que estejam em vigor medidas para garantir a prestação de contas. Fingir que o problema não existe não é uma reação responsável. Recomendação 74. É preciso definir o que se pretende incluir no relatório do corpo técnico sobre as consultas do Artigo IV, o que pode ser comunicado verbalmente durante as reuniões do Conselho e o que se presume tenha sido discutido entre o corpo técnico e as autoridades sob a condição clara de que não seria revelado ao Conselho de Administração. O objetivo seria esclarecer a responsabilização do Conselho e da Direção-Geral pelo que vier a ocorrer, mas procurando minimizar o que é obviamente um grande foco de tensão e uma barreira ao diálogo eficaz. a) Discussões confidenciais sobre as possíveis medidas de política em caso de contingências devem ser um componente habitual do diálogo com os países membros. É provável que essas discussões se tornem ainda mais importantes, pois a resposta rápida ao desenrolar dos acontecimentos no mercado de capitais exige que os preparativos sejam concluídos com antecedência. Deve-se ter em mente que, pelo menos para um subconjunto de países, a expectativa seria que o corpo técnico realizasse um exercício de cenários e se...?, examinando os planos de contingências para o caso de mudanças de curso na política interna (inclusive no tocante às estratégias de saída) ou de fatores exógenos, bem como de alterações nas políticas e na trajetória das taxas de câmbio de outros países. Embora o relatório do corpo técnico talvez não contenha uma discussão desses cenários, é preciso assegurar ao Conselho que esses exercícios foram discutidos.

14 12 b) Como o Conselho pode exercer suas funções de prestação de contas e supervisão nessa área? Constatação Algumas das sugestões feitas na avaliação do IEO sobre o envolvimento do FMI na Argentina (IEO 2004) podem ser pertinentes, como por exemplo: Instituir diretrizes que permitam ao Conselho autorizar explicitamente a Direção-Geral a não incluir certos assuntos na pauta de discussão das reuniões plenárias do Conselho, pressupondo-se que, uma vez que o fator de sensibilidade das informações não seja mais um empecilho, a decisão da Direção-Geral seja examinada pelo Conselho a posteriori. Outra opção, pela qual evitar-se-ia a divulgação de certas informações ao Conselho de Administração por quaisquer meios, seria atribuir a uma terceira parte, independente, a tarefa de rever periodicamente todas as atividades do FMI relacionadas às taxas de câmbio e que não tenham sido levadas ao conhecimento do Conselho, e de apresentar relatórios ao Conselho a intervalos regulares, nos quais: atestaria que o trabalho necessário foi efetuado (sobre contingências, por exemplo), avaliaria a eficácia dessas atividades (sem revelar detalhes ou os países envolvidos) e emitiria uma opinião sobre a existência ou não de motivos sólidos para a não divulgação das informações ao Conselho. E. Facilitar a Coordenação Multilateral das Políticas 75. Durante o período avaliado, a possibilidade de ação conjunta e coordenada dos países para enfrentar desequilíbrios globais não foi estudada a fundo, e a análise alternativa desses desequilíbrios, e respectivos cenários de ajustamento, poderia ter recebido maior atenção. As lições extraídas de episódios anteriores de coordenação da política cambial talvez ainda sejam pertinentes. O êxito da coordenação seria mais provável nos seguintes casos: a) Planejamento antecipado dos diversos cenários, e processo constante de validação das conclusões com base em novas informações. b) Reconhecimento explícito da interdependência das políticas e das reações apropriadas às decisões de política tomada por outros países. c) Complementação das discussões normais do corpo técnico pelo diálogo entre a Direção-Geral e as mais altas esferas políticas e formulação de opções de comunicação coletiva com os grupos relevantes de países.

15 13 Recomendação 76. As oportunidades para possíveis ações multilaterais conjuntas e coordenadas merecem ocupar um lugar de destaque na estratégia da Direção-Geral. Na grande maioria dos casos, esse trabalho deve se basear em análises rigorosas e convincentes dos cenários e abranger um plano estratégico para a formação de consenso entre os principais atores. Como forma de destacar e melhor compreender a interdependência entre as políticas, poder-se-ia utilizar, no trabalho individual com os países, conjuntos alternativos de recomendações baseadas nos diversos cenários e condicionadas às medidas de política adotadas por outros países.

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF 1 Agenda 9h Abertura da Oficina ( 15 min ) o Boas vindas e apresentação individual de todos os participantes e

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses.

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses. ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES ÍNDICE Seção Parágrafo II Instrução às Equipes Revisoras Introdução.27 Independência e Conflito de Interesses.29 Organização da

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Após discussões que duraram mais de cinco anos, foi aprovado no âmbito da Comissão Internacional de Saúde

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 10. PLANEJAMENTO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

PROCEDIMENTOS DA AUDITORIA INTERNA

PROCEDIMENTOS DA AUDITORIA INTERNA - 1/17 - Identificação Tema 1 Governança Macroprocesso 07 Auditoria Interna Processo 001 Planejamento e execução dos trabalhos de Auditoria Interna Número e Título 0003 Número sequencial atribuído pelo

Leia mais

Competitividade: uma barreira instransponível?

Competitividade: uma barreira instransponível? Competitividade: uma barreira instransponível? Alfredo Fonceca Peris A discussão sobre a importância do setor industrial para o crescimento e o desenvolvimento da economia brasileira ganhou um novo capítulo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito (Abril 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista I Introdução O Grupo de Estudos de Seguro Depósito identificou algumas

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 155, de 2015 (nº 62, de 2015, na origem), de autoria da Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Ensaios em Comércio Internacional 2

Ensaios em Comércio Internacional 2 INTRODUÇÃO Na introdução à primeira coletânea de artigos do ABCI, Ensaios em Comércio Internacional, além das referências de praxe sobre os artigos publicados, falei da importância de dar a devida atenção

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

Circular NPJ nº 01/2008:

Circular NPJ nº 01/2008: Rio de Janeiro, 14 de março de 2008. Circular NPJ nº 01/2008: Apresenta o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica e do Escritório Modelo. Estimados Alunos, Essa circular visa ao esclarecimento do funcionamento

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA PARA PROFISSIONAIS DE MEDICINA DO TRABALHO

CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA PARA PROFISSIONAIS DE MEDICINA DO TRABALHO CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA PARA PROFISSIONAIS DE MEDICINA DO TRABALHO Fonte: Portal Internet da ANAMT - Associação Nacional de Medicina do Trabalho: (http://www.anamt.org.br) Original: da ICOH - International

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Critérios para Avaliação do Desempenho

Critérios para Avaliação do Desempenho Critérios para Avaliação do Desempenho Índice AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 INFORMAÇÃO...5 O QUE É A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO?...5 OBJECTIVOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 A ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO...6 OBJECTIVOS

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Avaliação da Governança do FMI

Avaliação da Governança do FMI FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL GABINETE DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE Avaliação da Governança do FMI Maio de 2008 Este relatório foi elaborado por uma equipe do IEO liderada por Ruben Lamdany e composta por

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais

INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais Setembro de 2014 A International Network of Financial Services Ombudsman Schemes (a INFO Network) é a associação mundial de ouvidores/ombudsmen

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Mandato do Comité de Auditoria

Mandato do Comité de Auditoria BCE-PÚBLICO Mandato do Comité de Auditoria O Comité de Auditoria de alto nível, estabelecido pelo Conselho do Banco Central Europeu (BCE) nos termos do artigo 9.º-A do Regulamento Interno do BCE, reforça

Leia mais

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT DECODIFICANDO SEUS ESTILOS DE PENSAMENTO E TOMADA DE DECISÃO 30, Junho, 2015 RELATÓRIO HOGAN Jane Doe ID UH565487 SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório examina os estilos de julgamento e de tomada de decisão

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Nossa Visão e Nossos Valores Compartilhar uma única ambição é a chave para a história de sucesso do BTG Pactual. Ela só poderá ser atingida através

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGI.01 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. INTRODUÇÃO... 2 3. ABRANGÊNCIA E APLICABILIDADE... 2 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 2 5. COLABORADORES... 3 A Conduta Pessoal e Profissional... 3 B Condutas não Aceitáveis...

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2014

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2014 abveap \,~ Prívate Equity & Venture Capital TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2014 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA INTELIGÊNCIA COMERCIAL COM VISTAS À EXPANSÃO DA CAPACIDADE DE GERAÇÃO DE DADOS, ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

EDITAL 04 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 04 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 04 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores,

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores, Intervenção do Governador do Banco de Portugal, Carlos da Silva Costa, no XXV Encontro de Lisboa sobre Governação das instituições de crédito e estabilidade financeira 1 Senhor Secretário de Estado, Senhores

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais