0XOKHUHVHFLrQFLDª. 0RELOL]DUDVPXOKHUHVSDUDHQULTXHFHUDLQYHVWLJDomRHXURSHLD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "0XOKHUHVHFLrQFLDª. 0RELOL]DUDVPXOKHUHVSDUDHQULTXHFHUDLQYHVWLJDomRHXURSHLD"

Transcrição

1 0XOKHUHVHFLrQFLDª 0RELOL]DUDVPXOKHUHVSDUDHQULTXHFHUDLQYHVWLJDomRHXURSHLD

2 ËQGLFH RESUMO...3 INTRODUÇÃO CONTEXTO GERAL A política da igualdade de oportunidades na União Europeia O Tratado A integração da igualdade de oportunidades nas outras políticas A situação nos Estados-Membros Panorama da situação das mulheres na investigação Políticas adoptadas nos Estados-Membros Abordagem norte-americana ACÇÃO DA COMISSÃO O debate e a troca de experiências: um grupo de peritos (as), um grupo de funcionários nacionais e uma rede de mulheres cientistas Uma abordagem coerente no âmbito do Programa-Quadro A investigação pelas mulheres A investigação para as mulheres A investigação sobre as mulheres Uma estrutura de coordenação para a implantação do sistema de observação «Mulheres e ciência» (gender and science watch system) no âmbito do 5º P-Q de I&D 14 CONCLUSÃO Anexos: 1. Políticas adoptadas nos Estados-Membros Repartição de homens e mulheres nas carreiras de estudos..46 2

3 5(6802 Na sua missão de servir os cidadãos, a União Europeia deve, de acordo com os seus princípios gerais, fixar objectivos em matéria de igualdade de oportunidades para mulheres e homens no domínio da investigação. No contexto actual de sub-representação das mulheres, o objectivo é promover a sua participação na investigação europeia. Para isso, há que envidar esforços tanto a nível europeu como a nível dos Estados-Membros. Através da sua política de informação, a Comissão garantirá igualmente que as mulheres sejam informadas sobre os programas que lhes dizem respeito e as acções destinadas a aumentar a sua participação na investigação científica. A Comissão compromete-se a realizar esforços significativos para aumentar a participação das mulheres nos programas de investigação comunitários; o objectivo global de 40% encontra-se estabelecido nas bolsas Marie Curie, nos grupos de peritos, nos painéis de avaliação e, em média, em todo o Programa-Quadro de IDT. Os serviços da Comissão criaram um sector e um grupo de trabalho «mulheres e ciência» para coordenar as medidas adoptadas para promover as mulheres na investigação europeia. 3

4 ,1752'8d 2 As mulheres são cada vez mais numerosas na maioria das actividades económicas, sociais e políticas e a evolução do seu papel nesses domínios é uma realidade. No entanto, a sua presença na investigação científica 1 e no desenvolvimento tecnológico continua a ser particularmente diminuta. Esta situação deve ser corrigida do ponto de vista da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, que é uma exigência democrática e uma prioridade política da União. Além disso, seria prejudicial ignorar o enriquecimento que representa uma maior implicação das mulheres na investigação. Esse enriquecimento incide quer nos métodos quer nos temas de interesse e objectivos atribuídos ao esforço de investigação. Observa-se uma tomada de consciência crescente dessa situação nos Estados-Membros e na comunidade científica. O Parlamento Europeu manifestou um interesse político capital pela promoção das mulheres na investigação. Aquando da conferência «Mulheres e ciência», co-organizada pela Comissão e o Parlamento Europeu em Bruxelas, em 28 e 29 de Abril de 1998, cientistas e decisores políticos deram um sinal claro quanto à necessidade de intensificar os esforços tendentes a aumentar a presença das mulheres na investigação na Europa. A sub-representação das mulheres nesse domínio é resultado de factores múltiplos e de natureza bem diferente. Um maior equilíbrio entre homens e mulheres numa investigação científica enriquecida apenas pode ser resultado de uma acção longa que implique todos os actores. Tal exige uma abordagem sistemática e progressiva. Nesse contexto, a Comissão compromete-se a seguir dois objectivos: estimular o debate e a troca de experiências entre Estados-Membros sobre esta questão, para optimizar a eficácia dos esforços empreendidos a todos os níveis do poder, desenvolver uma abordagem coerente da promoção das mulheres nas actividades de investigação financiadas pela União, que conduza a um aumento significativo da participação das mulheres no período de vigência do Quinto Programa-Quadro comunitário de investigação. Nesse espírito, a Comissão aponta para um "patamar" de 40% para a participação das mulheres nas bolsas Marie Curie, nos grupos de peritos e nos painéis de avaliação e acompanhamento. A presente comunicação tem por objectivo apresentar as medidas adoptadas na Comissão no domínio da investigação e desenvolvimento tecnológico no intuito de realizar esses dois objectivos, situando-os no contexto mais geral da política da igualdade de oportunidades a nível da União, por um lado, e dos esforços empreendidos nos Estados-Membros, por outro. 1 A referência à ciência deve ser entendida na sua acepção mais vasta, ou seja, abrangendo todas as disciplinas científicas produtoras de conhecimentos, sejam elas "exactas" ou "humanas". 4

5 &217(;72*(5$/ $SROtWLFDGDLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHVQD8QLmR(XURSHLD 27UDWDGR Circunscrita ao princípio da igualdade salarial entre homens e mulheres aquando da criação da Comunidade, a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, inscrita nos artigos 2º e 3º do Tratado de Amesterdão, é hoje um objectivo para a União. O novo artigo 13º permitirá a adopção de medidas adequadas para combater as discriminações e o artigo 141º confere uma base jurídica específica à igualdade de tratamento entre homens e mulheres. $LQWHJUDomRGDLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHVQDVRXWUDVSROtWLFDV Desde 1996, a abordagem estratégica da Comissão no domínio da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres é uma abordagem horizontal («mainstreaming»), ou seja, a da integração da dimensão da igualdade de oportunidades em todos os domínios da política. Esta abordagem, apresentada na comunicação COM(96) 67 final, permite não só desmultiplicar a eficácia das medidas que visam a igualdade de oportunidades, mas também melhorar a qualidade das políticas que foram objecto de «mainstreaming». Assim, a nova estratégia para o emprego adoptada pela cimeira europeia do Luxemburgo em Dezembro de 1997, com base na Comunicação da Comissão COM(97) 497, mantém a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres como um dos quatro eixos em torno dos quais há que desenvolver uma estratégia coordenada a favor do emprego. A política dos fundos estruturais ou ainda a do desenvolvimento foram também pioneiras neste domínio. Por esse motivo, as propostas de regulamento do Conselho relativas aos fundos estruturais (COM(98)131) prevêem, a título de objectivos, a promoção da igualdade entre homens e mulheres. Por ocasião do lançamento do Quinto Programa-Quadro de investigação e desenvolvimento tecnológico ( ), a Comissão decidiu tomar em conta de um modo efectivo a dimensão da igualdade de oportunidades, promovendo a participação das mulheres no esforço de investigação na Europa, tal como havia anunciado, como um dos desafios políticos, no relatório de progresso sobre o seguimento dado à Comunicação «Integrar a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no conjunto das políticas e acções comunitárias» (COM(98)122 final). $VLWXDomRQRV(VWDGRV0HPEURV 3DQRUDPDGDVLWXDomRGDVPXOKHUHVQDLQYHVWLJDomR As estatísticas disponíveis a nível dos Quinze sobre a presença das mulheres no sistema científico são quase inexistentes para além da etapa da obtenção de um diploma. No que respeita à presença das mulheres nos ramos de ensino superior, em 1994/1995, as médias a nível da União eram as seguintes: 5

6 Disciplinas % de mulheres estudantes Letras, artes aplicadas, religião 65,6 Ciências sociais 49,5 Direito 53,9 Ciências naturais 44,4 Matemáticas, informática 27,6 Ciências médicas 68,1 Engenharia, arquitectura 18,7 Outras 66,9 Por trás destas médias escondem-se disparidades geográficas. Tanto em matemática/informática como em engenharia/arquitectura, as mulheres tendem a ser menos sub-representadas em Itália, em Espanha e em Portugal do que nos outros países da União Europeia 2. Apesar destas atenuantes no Sul da União, parece claro que as raparigas não se distribuem de um modo homogéneo nos diferentes ramos de estudos. Os programas comunitários de educação (Sócrates) e de formação profissional (Leonardo da Vinci) oferecem a possibilidade de apoiar projectos que promovam a diversificação das escolhas de estudos para domínios não tradicionais - como, por exemplo, o desenvolvimento de módulos ou de materiais pedagógicos ou didácticos, de curricula adaptados para a formação de professores ou a sensibilização de todos os intervenientes na educação e na formação profissional (em especial os responsáveis pela orientação profissional, os pais), a promoção do sistema de tutores (mentoring). O grupo de trabalho «Estudos para as mulheres» ou as redes temáticas no âmbito dos programas Erasmo/Sócrates ou ainda a divulgação da exposição itinerante «A outra metade da ciência» nas escolas de todos os Estados-Membros são particularmente de destacar neste domínio. Depois, no que respeita à situação das mulheres cientistas no mercado do emprego na carreira científica, a evidência estatística é muito insatisfatória. No entanto, a carência de mulheres no sistema de investigação é regularmente denunciada. Em 1993, a Comissão 3 e o Parlamento Europeu 4 organizaram seminários que Números relativos à educação na União Europeia em 1997 (figura F14 - pp.98-99; ver Anexo 2). As mulheres na ciência, seminário internacional organizado pela Comissão Europeia (15-16/2/1993). The underrepresentation of women in science and technology. How to improve the situation for women studying/working in S&T), seminário organizado pelo comité STOA (Scientific and Technological Options Assessment) do Parlamento Europeu, Novembro de

7 permitiram confirmar essa situação em toda a Europa. Em 1996, o «World Science Report» da UNESCO mostrou que o percurso das mulheres na carreira científica pode comparar-se a um caminho cheio de escolhos. O aumento do número de mulheres diplomadas nas disciplinas científicas não tem como consequência natural a sua dispersão homogénea na carreira. Após a etapa fatídica da obtenção do diploma, as mulheres encontram muitas vezes obstáculos na carreira científica, que se traduzem numa taxa de sub-emprego importante entre as mulheres cientistas. Os obstáculos surgem ao longo de toda a carreira. Alguns são específicos da carreira científica e outros resultam da situação mais geral das mulheres no mercado de trabalho. Esquematicamente, parece ser possível identificar quatro etapas críticas sucessivas na evolução da carreira: i) permanecer no mercado de trabalho, ii) permanecer na carreira científica, iii) evoluir na carreira científica, iv) ser nomeada para funções de responsabilidade e de poder no sistema científico. Relativamente a essas etapas críticas, os dados de que dispomos são fragmentados, mas os testemunhos estão muitas vezes de acordo. As mulheres que permanecem na carreira científica são vítimas de tratamentos discriminatórios e são-lhes atribuídos contratos mais precários e bolsas menos importantes do que aos seus colegas do sexo masculino 5. São muito poucas as mulheres nomeadas para as mais altas funções, mesmo nas disciplinas em que são maioritárias enquanto diplomadas 6. Por outro lado, observa-se que, no Reino Unido, é maior o número de mulheres do que de homens diplomados nas disciplinas científicas a abandonarem o mercado de trabalho 7 e que as mulheres que permanecem no mercado de trabalho abandonam, em maior número que os homens, a carreira científica para se voltarem para o ensino ou para saídas profissionais não ligadas à investigação 8. A melhoria dos indicadores que permitem compreender com maior precisão e fiabilidade a situação das mulheres cientistas na carreira científica é um elemento essencial para definir políticas adequadas e avaliar os progressos realizados. A Comissão iniciará um trabalho de definição sobre este ponto em cooperação com os Estados-Membros e as organizações internacionais competentes. 3ROtWLFDVDGRSWDGDVQRV(VWDGRV0HPEURV Nos anos 90, a tomada de consciência da sub-representação das mulheres no sistema científico, por um lado, e a necessidade de corrigir essa situação, por outro, desenvolveu Wenneras Christine and Wold Agnès, Sexism and nepotism in peer-review, Nature 387, ; Passion and prejudice in research, Nature 390, ; Mason Joan, Gender dimensions in science, Science and public policy, Dezembro de Vestergaard E., and M. Taarnby. Forskning I forskningsmidler. Ansøgere til statens sundhedsvidenskabelige forskningsråd. Århus : Analyseinstitut for forskning, Osborn Mary, «Facts and figures show little room at the top for women in science in most EU countries», intervenção na conferência «Mulheres e ciência», organizada pela Comissão Europeia, em cooperação com o Parlamento Europeu - Bruxelas, 28 e 29 de Abril de 1998 (actas em curso de publicação). The Rising Tide, a report on Women in Science, Engineering and technology, Glover, J. & Fielding J., Gender and SET project, apresentado na reunião da «Science Alliance» - Londres, Março de No Anexo 1, encontra-se uma descrição mais detalhada das políticas adoptadas. 7

8 se em todos os Estados-Membros. As políticas adoptadas para esse fim variam na sua natureza. $Fo}HVSRVLWLYDVHREMHFWLYRVTXDQWLWDWLYRV: Na Alemanha, para o período de 1996 a 2000, foram atribuídos 720 milhões de marcos (368 milhões de EURO) a bolsas através das quais as mulheres podem adquirir as qualificações necessárias para poderem ser nomeadas para lugares de professoras universitárias. Na Dinamarca, o programa FREJA (Female Researchers in Joint Action) dispõe de um orçamento de 78 milhões de coroas dinamarquesas (10, 5 milhões de EURO) para quatro anos para financiar projectos de investigação conduzidos por jovens mulheres cientistas altamente qualificadas. Na Suécia, foram criadas 32 cátedras universitárias, 73 lugares de investigador assistente e 120 bolsas de pós-doutoramento a atribuir ao sexo sub-representado, enquanto na Finlândia foram estabelecidas quotas (40%) para a composição de todos os comités e assembleias equivalentes, incluindo os 4 Conselhos Nacionais de Investigação. 3URPRomRGDVPXOKHUHVQD8QLYHUVLGDGHHDRORQJRGHWRGDDFDUUHLUDGHHQVLQR: Nos Países Baixos, o Governo nomeou agentes responsáveis pela igualdade de oportunidades nas universidades e organizou uma campanha de sensibilização nas escolas secundárias para incentivar as jovens a optarem por carreiras científicas. Na Itália, o Ministério da Universidade e da Investigação Científica criou um grupo de trabalho sobre a cultura das diferenças e estudos sobre mulheres na instituição universitária («Gruppo di lavoro su culture delle differenze e studi delle donne nella istituzione universitaria»). Em França, na Irlanda e no Grão-ducado do Luxemburgo, foram tomadas diversas medidas a nível dos percursos educativos para incentivar as jovens a enveredarem pela carreira científica. &ULDomRGHHVWUXWXUDVDGPLQLVWUDWLYDV: O Reino Unido instituiu uma unidade de desenvolvimento no Ministério do Comércio e Indústria. Essa unidade trabalha em cooperação com o Ministério da Educação e os Conselhos de Investigação. Na Alemanha, foi criada no Ministério Federal da Educação e da Investigação uma unidade designada «As mulheres na Educação e na Investigação». Na Itália, foi recentemente instituída (1998) no Centro Nacional de Investigação (CNR) uma comissão para a «igualdade de oportunidades». (VWXGRVVREUHPXOKHUHVª Na maior parte dos Estados-Membros, assiste-se ao crescimento da importância dos estudos e da investigação sobre as questões do género. 8

9 $ERUGDJHPQRUWHDPHULFDQD Em 1981, o Congresso americano adoptou o «The Science and Technology Equal Opportunities Act/National Science Foundation Authorization Act». Esta lei prevê que o Director da National Science Foundation (NSF): apresente, de dois em dois anos, ao Congresso e aos funcionários do governo um relatório estatístico sobre a participação das mulheres e de outras minorias no emprego e na formação no sector das ciências e da engenharia. Desde 1982, a NSF produz, de dois em dois anos, um relatório: «Women and Minorities in Science and Engineering». estabeleça programas que prevejam medidas anti-discriminatórias no recrutamento profissional. O programa em curso para as mulheres é o POWERE, 3URIHVVLRQDO 2SSRUWXQLWLHVIRU:RPHQLQ5HVHDUFKDQG(GXFDWLRQ No National Research Council foi criado o comité «:RPHQLQ6FLHQFHDQG(QJLQHHULQJ». Em 1989, o Conselho de Investigação em Ciências Naturais e Engenharia (CRSNG) do Canadá criou uma cátedra nacional de engenharia para as mulheres. Em Outubro de 1996 o CRSNG atribuiu 1,25 milhões de dólares canadianos ( EURO) a 5 cátedras universitárias. Esse investimento de dólares ( EURO) por cátedra por um período de 5 anos é cofinanciado pelo menos em partes iguais por grandes empresas privadas como a Alcan, a IBM, a Nortel e a Pétro-Canada. As titulares seleccionadas para essas cátedras (três engenheiras e duas cientistas) assumiram funções em $&d 2'$&20,66 2 As medidas adoptadas pela Comissão visam dois objectivos: estimular o debate e a troca de experiências entre os Estados-Membros sobre esta questão; desenvolver uma abordagem coerente da promoção das mulheres nas actividades de investigação financiadas pela União, capaz de conduzir a um aumento significativo da participação das mulheres no período de vigência do Quinto Programa-Quadro comunitário de investigação, fixando um objectivo de 40% de mulheres nas diferentes instâncias, respeitando embora, evidentemente, o critério de base da excelência científica. 2GHEDWHHDWURFDGHH[SHULrQFLDVXPJUXSRGHSHULWRVDVXPJUXSRGH IXQFLRQiULRVQDFLRQDLVHXPDUHGHGHPXOKHUHVFLHQWLVWDV Como referido, os Estados-Membros lançaram toda uma panóplia de meios à altura do interesse comum e crescente suscitado pela questão da promoção das mulheres na investigação. Neste contexto, parece particularmente oportuno estimular o debate sobre essas diferentes medidas e a troca de experiências. Com efeito, esse debate e troca de experiências permitirão a todos os protagonistas melhorar a eficácia das suas próprias acções e tentar assim realizar os seus objectivos com uma intensidade renovada. Foi o desejo manifestado insistentemente, aliás, pelos numerosos participantes na conferência «Mulheres e ciência» organizada no mês de Abril de 1998 pela Comissão, em cooperação com o Parlamento Europeu. 9

10 Nesta perspectiva, a Comissão criou, em Novembro de 1998, um JUXSRGHSHULWRDV composto por uma dúzia de mulheres cientistas, que tem por missão identificar os desafios da perspectiva do género na política da investigação na Europa. Esse grupo deve elaborar um relatório final no final do mês de Outubro de Começando por fazer a análise da situação e dos desafios por ela criados, o relatório formulará, na sua parte final, recomendações políticas. O relatório será seguidamente apresentado e discutido perante um JUXSR GH IXQFLRQiULRV QDFLRQDLV constituído por representantes de todos os Estados-Membros implicados na promoção das mulheres na investigação científica. Este processo permitirá iniciar um diálogo entre os Estados-Membros no Outono de O diálogo prosseguirá depois para facilitar a troca de experiências e uma avaliação comum da situação e das medidas adoptadas nos Estados-Membros e ao nível da União. A melhoria dos indicadores e dos processos de avaliação ou de acompanhamento estarão no centro das preocupações comuns. A Comissão tomará igualmente a iniciativa de estabelecer uma ligação com as redes de mulheres cientistas existentes na Europa 11. No primeiro semestre de 1999 será organizada uma primeira reunião, na qual será feita a análise do mapa das redes existentes e se discutirão as eventuais funções pretendidas para as redes existentes: trocas de experiências, transmissão de informações, formulação de recomendações políticas. O objectivo dessa reunião será fazer o ponto da situação sobre as eventuais necessidades das redes existentes no que respeita ao desenvolvimento de uma estrutura à escala europeia para que as mulheres cientistas possam dispor da informação necessária à sua participação nas actividades do Quinto Programa-Quadro e fazerem ouvir as suas preocupações específicas. As redes existentes serão igualmente mobilizadas durante conferências temáticas, o que permitirá pôr em evidência o contributo das mulheres para a investigação científica. 8PDDERUGDJHPFRHUHQWHQR4XLQWR3URJUDPD4XDGUR O preâmbulo ao Quinto Programa-Quadro ( ) estipula que D SROtWLFD FRPXQLWiULD GD LJXDOGDGH GH RSRUWXQLGDGHV GHYH VHU WLGD HP FRQWD QD H[HFXomR GR 4XLQWR 3URJUDPD4XDGUR TXH FRQYpP SRU FRQVHJXLQWH HQFRUDMDU D SDUWLFLSDomR GDV PXOKHUHVQRGRPtQLRGDLQYHVWLJDomRHGRGHVHQYROYLPHQWRWHFQROyJLFRª. Esse aspecto é retomado no Anexo ao Programa-Quadro que especifica as grandes linhas de acção comunitária, os objectivos científicos e tecnológicos e respectivas prioridades: $ QHFHVVLGDGHGHSURPRYHUDSDUWLFLSDomRGDVPXOKHUHVQRVVHFWRUHVGDLQYHVWLJDomRHGR GHVHQYROYLPHQWRWHFQROyJLFRVHUiSDUWLFXODUPHQWHWLGDHPFRQWDª A promoção das mulheres na investigação deve ser feita a vários níveis: trata-se de promover a investigação SRUSDUD e VREUH as mulheres. Entende-se por promoção da investigação SRU mulheres a promoção das mulheres enquanto investigadoras (2.2.1.a) e intervenientes nas diferentes etapas dos mecanismos O grupo de peritos reúne-se no âmbito da actividade ETAN (European Technology Assessment Network). Como a WITEC (Women in Technology), a WISE (Women's International Studies Europe), a AWISE (Association for Women in Science and Engineering), a WITS (Women in Tecnology and Science), a AOIFE (Association of Institutions of Feminist Education and Research in Europe) e o Lobby Europeu das Mulheres. 10

11 de consulta e de execução do Quinto Programa-Quadro de I&DT (2.2.1.b). Convém igualmente ter presente que a investigação financiada pela União deve responder às necessidades de todos os cidadãos, mulheres e homens. É a promoção da investigação SDUD as mulheres. Tal pressupõe uma atenção especial a nível da elaboração dos programas de trabalho (2.2.2.a), bem como uma análise aprofundada da dimensão do género em todos os domínios abrangidos pela investigação (2.2.2.b). Por último, entendese por investigação VREUH as mulheres a contribuição que pode ser fornecida pela investigação para a evolução da noção de género, das relações sociais de sexo e para a elucidação do impacto desses conceitos na sociedade europeia (2.2.3). $LQYHVWLJDomRSHODVPXOKHUHV D Para se ter a certeza de uma boa adequação da investigação às necessidades das mulheres, é essencial estabelecer um patamar (uma quota) de 40% para a SDUWLFLSDomR GDV PXOKHUHV em todos os níveis da H[HFXomR H GD JHVWmR GRV SURJUDPDV GH LQYHVWLJDomR $VVHPEOHLDV)yUXP(XURSHXGD,QYHVWLJDomRHJUXSRVGHSHULWRV Como anunciado pela Comissão na exposição de motivos das suas propostas de programas específicos, apresentadas em 10 de Junho de 1998, fez-se um esforço particular na constituição dos grupos de peritos («advisory groups») para que sejam equilibrados do ponto de vista do género. A sua composição mostra uma média de 27% de mulheres. Esses grupos foram formados pela Comissão com base em listas compostas a partir de propostas dos Estados-Membros, de um convite à apresentação de candidaturas publicado no Jornal Oficial e, por último, com base em conhecimentos internos dos serviços da Comissão. As propostas dos Estados-Membros incluíam 9% de mulheres e a resposta ao convite à apresentação de candidaturas resultou, por sua vez, numa percentagem de 13%. Ao formar grupos nos quais mais de um quarto dos membros são mulheres, o objectivo da Comissão era aproximar-se ao máximo do patamar de 40% e mostrar assim a importância, para a qualidade de trabalho dessas instâncias, de se aproximar o mais possível de uma composição equilibrada do ponto de vista do género. Note-se que mais de 40% dos grupos são presididos por uma mulher. Para a próxima nomeação dos membros do Fórum Europeu da Investigação, o objectivo da Comissão será igualmente aproximar-se ao máximo da percentagem de 40% de mulheres e, de qualquer modo, ultrapassar os 33%. As assembleias do Quarto Programa-Quadro a que este Fórum sucede, a ESTA (European Science and Technology Assembly) e o IRDAC (Industrial Research and Development Advisory Committee) apenas contavam com 6,7% e 0% de mulheres respectivamente. $YDOLDomRHDFRPSDQKDPHQWRGR3URJUDPD4XDGURHGRVSURJUDPDVHVSHFtILFRV Nos termos do artigo 5º da decisão sobre o Programa-Quadro, a Comissão procede a um exame anual do estado de realização do Quinto Programa-Quadro e dos seus programas específicos e a uma avaliação quinquenal. Nesse âmbito, será dada uma atenção particular à SDUWLFLSDomRGDVPXOKHUHVQRVGLIHUHQWHVSDLQpLVFRQVWLWXtGRVSDUDHVVHILP De um total de mais de 2000 peritos que se propuseram para o acompanhamento anual do Quarto Programa-Quadro, menos de 10% são mulheres. É, pois, necessário enriquecer o «pool» de peritos com mulheres competentes e dispostas a contribuir para esse trabalho. 11

12 Será feito um esforço especial para encorajar as mulheres a responderem aos convites à apresentação de candidaturas a esses painéis e a Comissão garantirá, na medida do possível, uma representação de mulheres nos painéis de, pelo menos, 40%. 2UHODWyULRDQXDOVREUHDVDFWLYLGDGHVGHLQYHVWLJDomRHGHVHQYROYLPHQWRWHFQROyJLFRGD 8QLmR(XURSHLD, estabelecido em conformidade com o artigo 130º-P do Tratado fará, de futuro, um balanço anual da situação da participação das mulheres na investigação comunitária. 3DLQpLVGHDYDOLDomRGHSURSRVWDV Na sequência de cada convite à apresentação de propostas, a Comissão é assistida, para a avaliação das propostas recebidas, por painéis de avaliadores (peer review system) para poder, seguidamente, proceder à selecção final das melhores propostas. A Comissão garantirá, na medida do possível, a formação de painéis que incluam, pelo menos, 40% de mulheres. *HVWmRLQWHUQDGDVDFo}HVGHLQYHVWLJDomRHGHVHQYROYLPHQWRWHFQROyJLFR É igualmente importante fazer com que o pessoal responsável pela gestão das acções de investigação e desenvolvimento tecnológico seja tão equilibrado quanto possível do ponto de vista do género. A acção conduzida pela Comissão nesse domínio enquadra-se no terceiro programa de acção para a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres ( ), adoptado pela Comissão em 2 de Abril de Esse programa renova o compromisso da Comissão de aplicar ao seu pessoal os princípios que promove para os Estados-Membros. E Para melhorar R DFHVVR GDV PXOKHUHV HQTXDQWR LQYHVWLJDGRUDV aos diferentes programas específicos, serão tomadas as seguintes medidas: menção, em cada convite à apresentação de propostas, de que a Comissão promove a igualdade de oportunidades e, por conseguinte, encoraja as mulheres a conceberem propostas de investigação ou a participarem nelas; incentivo a que os coordenadores dos projectos seleccionados formem equipas equilibradas do ponto de vista do género; desenvolvimento de uma recolha estatística sistemática do sexo dos proponentes, dos contratantes e das pessoas contratadas no âmbito dos contratos, para poder comunicar os resultados e avaliá-los; melhorar as estatísticas disponíveis na Europa sobre a participação das mulheres no esforço de investigação e desenvolvimento. Esta medida permitirá dispor de instrumentos de acompanhamento sobre a participação das mulheres nas actividades de investigação. Tais instrumentos não existiam no Quarto Programa-Quadro de I&DT. É, pois, difícil para a Comissão, nesta fase, comprometer-se num objectivo quantitativo como o que está fixado para as assembleias e os painéis. No que respeita às bolsas «Marie Curie», no entanto, a Comissão desejaria poder atribuir, no respeito dos critérios de selecção previstos na decisão sobre o programa, pelo menos 40% das bolsas a mulheres cientistas. Para atingir esse objectivo, consagrar-se-á um esforço especial ao estímulo às candidaturas femininas. $LQYHVWLJDomRSDUDDVPXOKHUHV 12

13 De um modo geral, o Quinto Programa-Quadro está orientado para objectivos socioeconómicos e para as necessidades dos cidadãos europeus, ao passo que os programas-quadro anteriores se centravam em disciplinas científicas e tecnológicas. Foi igualmente nessa óptica que se introduziu o novo conceito de "acção-chave". A DFomRFKDYH, componente essencial dos programas específicos, é concebida mais em função dos problemas a resolver e dos desafios a enfrentar do que a partir do desenvolvimento endógeno e autónomo de tecnologias. a) Na HODERUDomR H QD H[HFXomR GRV SURJUDPDV GH WUDEDOKR, será tida em conta a possibilidade de introduzir uma dimensão de género nos problemas ou desafios a que procuram dar resposta as acções-chave e, de um modo mais geral, todos os programas específicos. Sempre que um tema justifique um exame da dimensão do género, tal constará do convite à apresentação de propostas. Por exemplo, no programa 4XDOLGDGH GH YLGD H JHVWmR GRV UHFXUVRV YLYRVª, a investigação sobre as doenças crónicas e degenerativas, a investigação sobre o genoma e as doenças de origem genética, as neurociências, a investigação em matéria de saúde pública e de serviços de saúde devem dedicar uma atenção específica à diferença entre homens e mulheres. Na acção-chave $ FLGDGH GR IXWXUR H R SDWULPyQLR FXOWXUDOª, será dada atenção específica às diferenças que podem existir entre as necessidades das mulheres e as dos homens no ambiente urbano. Será preciso igualmente incluir a dimensão de género na elaboração dos cenários energia/ambiente/economia e nos estudos de aceitação dos novos sistemas energéticos limpos e eficazes, a desenvolver no âmbito de duas acções-chave intituladas 8PDHQHUJLDPDLVOLPSDLQFOXLQGRDVIRQWHVGHHQHUJLDUHQRYiYHLV e 8PD HQHUJLDHFRQyPLFDHHILFLHQWHSDUDXPD(XURSDFRQFRUUHQFLDO. Na acção-chave «0RGDOLGDGH VXVWHQWiYHO H LQWHUPRGDOLGDGH», procurar-se-ão ter em conta as necessidades das mulheres, se forem específicas, nas tarefas de investigação que têm a ver com o impacto das políticas de transportes. A avaliação em termos de equidade e de distribuição entre os diferentes grupos sociais, incluindo a distinção do sexo, está prevista nas actividades de investigação relativas à acessibilidade, às políticas tarifárias e aos sistemas urbanos de transportes públicos. E Para introduzir uma dimensão dinâmica e crítica na consideração das questões de género, conduzir-se-ão HVWXGRV GH LPSDFWR no âmbito de cada programa específico. O desenrolar desses estudos será coordenado ao nível da estrutura de coordenação (ver a seguir), para desenvolver quadros comparáveis, evitar duplos empregos e beneficiar da experiência comum. Esses estudos desenrolar-se-ão de um modo sincronizado, durante o ano 2000, para que os resultados estejam disponíveis para a concepção do Sexto Programa-Quadro de I&DT.,QYHVWLJDomRVREUHDVPXOKHUHV A promoção da investigação VREUH as mulheres consiste essencialmente no apoio a actividades de investigação incluídas na acção-chave «0HOKRULD GD EDVH GH FRQKHFLPHQWRVVRFLRHFRQyPLFRV». Nesse contexto, as actividades de investigação sobre a questão do género como construção social, sobre a evolução no tempo das condições respectivas dos homens e das mulheres, sobre a situação das mulheres no mercado de trabalho ou em relação às dinâmicas de exclusão e de integração social, sobre as perspectivas abertas às mulheres pelos novos modelos de desenvolvimento, 13

14 nomeadamente através da promoção das iniciativas empresariais femininas, ou ainda sobre o lugar das mulheres nos sistemas emergentes de governação e de cidadania são exemplos de questões a incluir no âmbito do programa de trabalho da acção-chave socioeconómica. Além disso, a investigação socioeconómica será chamada a esclarecer os desafios da perspectiva do género nos processos de elaboração das políticas. 8PDHVWUXWXUDGHFRRUGHQDomRSDUDDLQVWDXUDomRGRVLVWHPDGH REVHUYDomR 0XOKHUHVHFLrQFLDªJHQGHUDQGVFLHQFHZDWFKV\VWHP QRkPELWRGR4XLQWR34GH, '7 Ao desenvolver todas as acções acima apresentadas, a Comissão optou por uma abordagem pragmática, progressiva e descentralizada. Como ter em conta, em cada acto, em cada nível, em cada etapa, a dimensão do género, no respeito da natureza da política de investigação e desenvolvimento tecnológico? Estas medidas e acções formam um sistema dinâmico e evolutivo: R VLVWHPD GH REVHUYDomR PXOKHUHV H FLrQFLDª. O sistema inclui o princípio do seu próprio desenvolvimento: pensa-se especialmente no aumento do número de mulheres nos processos de consulta e de decisão, nos estudos de impacto ou na melhoria das estatísticas. O desafio da perspectiva do género será regularmente reactualizado. Para pôr em prática estas medidas, os serviços da Comissão criaram uma estrutura de coordenação «Mulheres e ciência», composta por dois elementos: um VHFWRU, entidade administrativa pequena e flexível cuja actividade será inteiramente dedicada à coordenação e à promoção do sistema de observação «mulheres e ciência»; um JUXSR GH WUDEDOKR, composto por funcionários provenientes dos serviços da Comissão envolvidos, cujo papel será assegurar a implementação do sistema de observação «mulheres e ciência» nos programas específicos e no Programa-Quadro em geral. O papel dessa estrutura de coordenação é o seguinte: desenvolver o sistema de observação «mulheres e ciência» no âmbito do Quinto Programa-Quadro, tal como acima descrito, nestas três dimensões: por, para e sobre; compilar e divulgar as estatísticas recolhidas na execução do Quinto Programa- Quadro sobre a taxa de participação das mulheres nas actividades de investigação e nos diversos órgãos de consulta e de decisão e coordenar os esforços tendentes a desenvolver melhores indicadores sobre a participação das mulheres no esforço de investigação na Europa; estimular o diálogo entre os Estados-Membros e com a comunidade científica, garantindo a interface com o grupo de peritos e o grupo de funcionários nacionais e desenvolvendo a rede de mulheres cientistas; ser um ponto de contacto na Comissão para todos os interlocutores internos e externos no que respeita à promoção das mulheres na investigação na Europa. 14

15 &21&/ O Quinto Programa-Quadro constitui a ocasião, para a Comissão, de se empenhar na via que conduzirá a um maior acesso das mulheres ao esforço de investigação europeu. Ao desenvolver todas as acções apresentadas na presente comunicação, a Comissão cria possibilidades para uma participação maior das mulheres na investigação científica. Tais esforços serão vãos se não contarem com o interesse e a cooperação de todos os implicados. É, pois, essencial agir de um modo concertado e em resposta às necessidades expressas quer pelas instituições de investigação e as empresas, quer pelas mulheres cientistas. A Comissão fará a avaliação das acções lançadas de acordo com a presente comunicação e apresentará o respectivo relatório ao Parlamento Europeu e ao Conselho de Ministros. A Comissão está confiante nos resultados do processo que assim se inicia. Trata-se tão só de dar um novo rosto à investigação do próximo milénio. 15

16 ANEXO 1 Panorâmica dos esforços realizados nos vários Estados-Membros para promover o papel das mulheres na ciência 1. BÉLGICA DINAMARCA ALEMANHA GRÉCIA ESPANHA FRANÇA IRLANDA ITÁLIA LUXEMBURGO PAÍSES BAIXOS ÁUSTRIA PORTUGAL FINLÂNDIA SUÉCIA REINO UNIDO

17 %e/*,&$ $HVWUXWXUD IHGHUDO GD%pOJLFD FRPSUHHQGH GRLV WLSRV GH HQWLGDGHV UHJL}HV %UX[HODV )ODQGUHV9DOyQLDHFRPXQLGDGHVDFRPXQLGDGHIODPHQJDDFRPXQLGDGHIUDQFyIRQDH D FRPXQLGDGH DOHPm $ FRPXQLGDGH IODPHQJD H D UHJLmR GD )ODQGUHV IXQGLUDPVH $ LQYHVWLJDomRLQGXVWULDOHWHFQROyJLFDHVWiUHJLRQDOL]DGDHDLQYHVWLJDomR IXQGDPHQWDO H XQLYHUVLWiULD p GD UHVSRQVDELOLGDGH GH FDGD FRPXQLGDGH $ DXWRULGDGH IHGHUDO p SULQFLSDOPHQWH UHVSRQViYHO SHOD LQYHVWLJDomR HVSDFLDO H SHOD FULDomR GH UHGHV SDUD R LQWHUFkPELRGHGDGRVHQWUHDVLQVWLWXLo}HVFLHQWtILFDVDQtYHOQDFLRQDOHLQWHUQDFLRQDO 2DSRLRjVPXOKHUHVQDFLrQFLDDVVXPLXSULQFLSDOPHQWHDIRUPDGHGHVHQYROYLPHQWRH DSRLRDRVHVWXGRVVREUHDVPXOKHUHVQDVXQLYHUVLGDGHV 1D)ODQGUHVHPIRLFULDGRQD8QLYHUVLGDGHGH$QWXpUSLDXPSURJUDPDFRPSOHWR GH (VWXGRV VREUH DV 0XOKHUHV DR QtYHO GD SyVJUDGXDomR PDV WUDWDVH GH XPD LQLFLDWLYD FRQMXQWD GH YiULDV XQLYHUVLGDGHV IODPHQJDV e XP SURJUDPD LQWHUXQLYHUVLGDGHV2FXUVRGHVLJQDVH $$6 $GYDQFHG $FDGHPLF 6WXG\ HP(VWXGRV VREUH DV 0XOKHUHV 7UDWDVH GH XP SURJUDPD HP KRUiULR FRPSOHWR FRP D GXUDomR GH XPDQR(VWHWLSRGHJUDX$$6IRLSRVVtYHODWUDYpVGHXPDQRYDOHL-XOKRGH UHODWLYDjHGXFDomRVXSHULRUQD)ODQGUHV9iULDVGLVFLSOLQDVFLHQWtILFDVRUJDQL]DUDPHVWH WLSR GH SyVJUDGXDomR H RV (VWXGRV VREUH DV 0XOKHUHV SURYRX VHU XP GRV GH PDLRU r[lwr 2 0LQLVWpULR GD &XOWXUD )ODPHQJR DSRLRX HP D FULDomR GR FHQWUR GH GRFXPHQWDomR5R6D5ROHQ6DPHQOHYLQJ5ROHDQG6RFLHW\5R6DFRPHoRXDUHFROKHU HDGLVSRQLELOL]DUPDWHULDOVREUHDVLWXDomRGDVPXOKHUHVPXLWRDQWHVGHVHUSHUFHSWtYHO TXDOTXHUSUHRFXSDomRIHPLQLVWDQDVOLYUDULDVDFDGpPLFDV 1DSDUWHIUDQFyIRQDGD%pOJLFDQD 8QLYHUVLWp/LEUHGH%UX[HOOHVµ8/%RJUXSR*,() *URXSH,QWHUGLVFLSOLQDLUH G(WXGHV VXU OHV)HPPHV HVWi DFWLYR GHVGH H R JUXSR *(5)H6*URXSHG (WXGHVHWGH5HFKHUFKHV)HPPHVHW6RFLpWpGHVGH)RLFULDGR XP OXJDU KRQRUtILFR GH FDWHGUiWLFR HP (VWXGRV VREUH DV 0XOKHUHV GHQRPLQDGR HP KRQUDGH6X]DQQH7DVVLHUSURIHVVRUDFDWHGUiWLFDGHKLVWyULDQD8/%'HGRLVHPGRLV DQRV XPD SHUVRQDOLGDGH DFDGpPLFD HPLQHQWH QR GRPtQLR GRV (VWXGRV VREUH DV 0XOKHUHVpFRQYLGDGDDGDUFRQIHUrQFLDV 1D8QLYHUVLGDGH&DWyOLFDGH/RXYDLQOD1HXYH8&/R*URXSHGHVRFLRORJLHZDOORQH IHPPHV HW VRFLpWpV HIHFWXD HVWXGRV VREUH WUrV WHPDV FHQWUDLV DVVpGLR VH[XDO DV PXOKHUHV QRV SDtVHV HP GHVHQYROYLPHQWR H D SDUWLFLSDomR GDV PXOKHUHV QDV FRPXQLGDGHV ORFDLV 1D 8QLYHUVLGDGH GH /LqJH WHPVH UHDOL]DGR XP LPSRUWDQWH WUDEDOKRGHLQYHVWLJDomRVREUHDVLWXDomRGDVPXOKHUHVQDHGXFDomR $ )156 )XQGDomR 1DFLRQDO GD,QYHVWLJDomR &LHQWtILFD ILQDQFLRX XPD UHGH GH LQYHVWLJDomR)HPPHVHWKLVWRLUHV 2JUXSR/HV&DKLHUVGX*ULI*ULI*URXSHGH5HFKHUFKHHWG,QIRUPDWLRQ)HPLQLVWH IXQGDGR HP WHP VLGR D IRQWH GH LQVSLUDomR H DSRLR IHPLQVLWD QD %pojlfd H QR HVWUDQJHLUR (PIRLFULDGDHP%UX[HODVD8QLYHUVLWpGHV)HPPHV8QLYHUVLGDGHGDV0XOKHUHV TXHRUJDQL]DFXUVRVHVHPLQiULRVHIXQFLRQDFRPRELEOLRWHFDHFHQWURGHGRFXPHQWDomR 2VHVWXGRVVREUHDVPXOKHUHVVmRLQFHQWLYDGRVDWUDYpVGRSUpPLR 3UL[GXPpPRLUHGH O 8QLYHUVLWp GHV IHPPHVª TXH p DWULEXtGR WRGRV RV DQRV DR PHOKRU WUDEDOKR VREUH PXOKHUHVDRQtYHOGDOLFHQFLDWXUD 17

18 $V PXOKHUHV XQLYHUVLWiULDV IHPLQLVWDV IUDQFyIRQDV H QHHUODQGyIRQDV GD iuhd GRV (VWXGRV VREUH DV 0XOKHUHV RUJDQL]DUDPVH QD UHGH SURILVVLRQDO ELFRPXQLWiULD 6RSKLD 7UDWDVH GH XPD UHGH GH FRRUGHQDomR GRV HVWXGRV VREUH DV PXOKHUHV QD %pojlfd GHVWLQDGD D SURPRYHU XPD DERUGDJHP IHPLQLVWD QR HQVLQR VXSHULRU H QD LQYHVWLJDomR H TXH HVWDEHOHFH OLJDo}HV HQWUH R PXQGR DFDGpPLFR H R PRYLPHQWR IHPLQLVWD$UHGH6RSKLDpRPHPEUREHOJDGD:LVH 1mRH[LVWHPPHGLGDVHVSHFtILFDVSDUDSURPRYHUDVPXOKHUHVQDLQYHVWLJDomRLQGXVWULDO 1R HQWDQWR DV PHGLGDV JHUDLV WRPDGDV SDUD SURPRYHU DV PXOKHUHV QDV HPSUHVDV SHUPLWHP HQJOREDU WDPEpP D VHFomR GH LQYHVWLJDomR $ QtYHO IHGHUDO R 0LQLVWpULR GR (PSUHJRHGR7UDEDOKRFULRXXPD8QLGDGHGH$Fo}HV3RVLWLYDVWHQGRHPFRQWDTXHR WHPD GD LJXDOGDGH GH RSRUWXQLGDGHV GHYH HVWDU SUHVHQWH QD FXOWXUD HPSUHVDULDO QD JHVWmRGRVUHFXUVRVKXPDQRVHQDJHVWmRGDTXDOLGDGHHSURGXWLYLGDGHGDVHPSUHVDV (VVD 8QLGDGH SRGH RIHUHFHU jv HPSUHVDV VHUYLoRV GH FRQVXOWRULD IRUPDomR H HVWDEHOHFLPHQWRGHUHGHV $ 8QLGDGH GH $Fo}HV 3RVLWLYDV p XP SDUFHLUR DFWLYR MXQWDPHQWH FRP R 9ODDPV &HQWUXPYRRU.ZDOLWHLWV]RUJµD $VVRFLDWLRQ:DOORQQHSRXUOD*HVWLRQGHODTXDOLWpµH D,ULVK4XDOLW\$VVRFLDWLRQGRSURMHFWRHXURSHX1HZ2SSRUWXQLWLHVIRU:RPHQ 3XWWLQJ WKH(LQWR4XDOLW\µ2REMHFWLYRGHVWHSURMHFWRpLQWHJUDUDLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHV QXPPRGHORHFRQyPLFR $VRUJDQL]Do}HVTXHQRV~OWLPRVDQRVGHVHQYROYHUDPHVIRUoRVSDUWLFXODUHVHPPDWpULD GHLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHVHGHJHVWmRGDTXDOLGDGHSXGHUDPSDUWLFLSDUQR 3UpPLR GD,JXDOGDGH (VWH SUpPLR SDUD D LJXDOGDGH GH RSRUWXQLGDGHV GHVWLQDVH jv RUJDQL]Do}HVTXHWrPHPFRQWDDLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHV QmR Vy SRU VH WUDWDU GH XP SULQFtSLR pwlfr PDV WDPEpP SRU VHU XP LPSRUWDQWH IDFWRU GH VXFHVVR H UHQWDELOLGDGH 2V YHQFHGRUHV GR SULPHLUR 3UpPLR GD,JXDOGDGH IRUDP D,%0 %HOJLXP /X[HPERXUJGRODGRIODPHQJRHD'RZ&RUQLQJ%HOJLXPGRODGRIUDQFyIRQR 18

19 ',1$0$5&$ 1D 3ULPDYHUD GH -\WWH +LOGHQ 0LQLVWUD GD,QYHVWLJDomR H GDV 7HFQRORJLDV GD,QIRUPDomR SXEOLFRX XP GRFXPHQWR GH GHEDWH LQWLWXODGR 3RUTXr VHU LQYHVWLJDGRU" &DUUHLUD RX EHFR VHP VDtGD"µ 2 GRFXPHQWR FHQWUDYDVH QR UHFUXWDPHQWR GH MRYHQV FRPRUHTXLVLWRSUpYLRSDUDUHYHUDSHUFHQWDJHPGLPLQXWDGHPXOKHUHVLQYHVWLJDGRUDV 1R9HUmRGHR0LQLVWpULRGD,QYHVWLJDomRHGDV7HFQRORJLDVGD,QIRUPDomRODQoRX GXDVLQLFLDWLYDV $ SULPHLUD IRL D SURSRVWD GH TXH R RUoDPHQWR QDFLRQDO SUHYLVVH IXQGRV SDUD XP SURJUDPDGHLQYHVWLJDomRHVSHFLDOSDUDMRYHQVPXOKHUHVDOWDPHQWHTXDOLILFDGDV)5(-$ )HPDOH 5HVHDUFKHUV LQ -RLQW $FWLRQ (QWUH H PLOK}HV GH FRURDV GLQDPDUTXHVDV GH (852 VXSOHPHQWDUHV VHUmR DWULEXtGDV D QRYRV SURMHFWRVGHLQYHVWLJDomRHPWRGDVDVGLVFLSOLQDV $ VHJXQGD IRL R ODQoDPHQWR GR GHEDWH 0XOKHUHV H ([FHOrQFLD QD,QYHVWLJDomR FRP D RUJDQL]DomR GH FLQFR PHVDV UHGRQGDV $V UHXQL}HV SUHSDUDUDP R WHUUHQR SDUD XPD FRQIHUrQFLDVREUHRPHVPRWHPDUHDOL]DGDHP$DOERUJHPGH1RYHPEURGHQD TXDOD0LQLVWUDDSUHVHQWRXDVVXDVLGHLDVTXDQWRjVPHGLGDVDWRPDUSDUDPHOKRUDUR QtYHOGHLJXDOGDGHGRVVH[RVQDLQYHVWLJDomR (VVDVLGHLDVVmRFRQKHFLGDVSHODGHVLJQDomR 3ODQRGHDFomR+LOGHQHPSRQWRVµ,JXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHVUHVSRQVDELOLGDGHGDJHVWmR $ JHVWmR p UHVSRQViYHO D WRGRV RV QtYHLV SHOR HVWDEHOHFLPHQWR GD LJXDOGDGH QD LQYHVWLJDomR 2V FKHIHV GDV LQVWLWXLo}HV VmR UHVSRQViYHLV SHOD SUHSDUDomR H D H[HFXomR GRV SODQRV GH LQYHVWLJDomR H VLPXOWDQHDPHQWH SHORV SODQRV GH DFo}HV QR GRPtQLR GD LJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHV 3DUDDOpPGDLQFXPErQFLDGDSUHSDUDomRGRVSODQRVGHDFomRQRGRPtQLRGDLJXDOGDGH RV yujmrv GH JHVWmR GHYHP REHGHFHU DRV UHJXODPHQWRV TXH UHJHP DV QRPHDo}HV QR UHFUXWDPHQWR GH SHVVRDO FLHQWtILFR $ SRUWDULD UHODWLYD jv QRPHDo}HV Gi DRV yujmrv GH JHVWmR GDV LQVWLWXLo}HV GH LQYHVWLJDomR S~EOLFDV D SRVVLELOLGDGH GH FRQVLGHUDUHP DV TXHVW}HV GD LJXDOGDGH FRPR XP GRV SDUkPHWURV SDUD DV QRPHDo}HV 2V UHJXODPHQWRV TXH UHJHP DV QRPHDo}HV QDV LQVWLWXLo}HV GH LQYHVWLJDomR S~EOLFDV GLIHUHP GRV TXH VH DSOLFDP jv XQLYHUVLGDGHV 3RU HVVH PRWLYR GHYHP VHU GDGDV jv XQLYHUVLGDGHV SRVVLELOLGDGHVVHPHOKDQWHV 1mR p DSHQDV QR TXH UHVSHLWD DR TXDGUR IRUPDO TXH p LPSRUWDQWH TXH D JHVWmR GD LQYHVWLJDomR DVVXPD D UHVSRQVDELOLGDGH SHOD LJXDOGDGH 8PD GLVWULEXLomR HTXLWDWLYD GH KRPHQV H PXOKHUHV FRQVWLWXL D PHOKRU EDVH SDUD XP ERP FOLPD GH WUDEDOKR H XP ERP DPELHQWHGHLQYHVWLJDomR 0DLVPXOKHUHV3URIHVVRUDV&DWHGUiWLFDV 6HUSURIHVVRUFDWHGUiWLFRRIHUHFHXPDSODWDIRUPDSRGHURVDHVyOLGDQmRVyQRPXQGRGD LQYHVWLJDomRPDVWDPEpPQDVRFLHGDGH 1D'LQDPDUFDDSHQDVGRVSURIHVVRUHVFDWHGUiWLFRVVmRPXOKHUHV $ EDL[D SHUFHQWDJHP GH SURIHVVRUDV FDWHGUiWLFDV WHP WDPEpP FRQVHTXrQFLDV QD LQYHVWLJDomRHQRHQVLQR 19

20 +i IDOWD GH PRGHORV VXSHUYLVRUHV H PHQWRUHV SDUD DV HVWXGDQWHV H DV MRYHQV LQYHVWLJDGRUDV 3DUD DXPHQWDU R UHFUXWDPHQWR GH PXOKHUHV SDUD RV OXJDUHV GH LQYHVWLJDGRUpQHFHVViULRTXHXPPDLRUQ~PHURGHPXOKHUHVPRVWUHTXHpSRVVtYHOVHUVH LQYHVWLJDGRUD &RQVFLrQFLDGRSUREOHPDQRVDQ~QFLRVGHHPSUHJRV 6mRSULQFLSDOPHQWHRVLQYHVWLJDGRUHVPDLVYHOKRVGRVH[RPDVFXOLQRTXHRFXSDPOXJDUHV GHFKHILDTXHPHVWDEHOHFHDVSULRULGDGHVSDUDDViUHDVGHLQYHVWLJDomR&RPRDPDLRULD GRVHPSUHJRVDQXQFLDGRVSHUWHQFHDRVGRPtQLRVGHLQWHUHVVHGRVLQYHVWLJDGRUHVGRVH[R PDVFXOLQR DV H[SHFWDWLYDV GDV PXOKHUHV LQYHVWLJDGRUDV FRP GRPtQLRV GH LQWHUHVVH H H[SHULrQFLD GLIHUHQWHV TXDQWR D VHUHP VHULDPHQWH FRQVLGHUDGDV VmR GLPLQXWDV SHOR TXH QmRVHFDQGLGDWDPDHVVHVOXJDUHV $VVLPpLPSRUWDQWHTXHRSURFHVVRGHUHGDFomRGRVDQ~QFLRVGHHPSUHJRVVHMDRPDLV DEHUWRHWUDQVSDUHQWHSRVVtYHOµ &RPLWpVGHVHOHFomRQHXWURVQDVTXHVW}HVGHJpQHUR $ H[LJrQFLD GH LJXDOGDGH QDV QRPHDo}HV SDUD FDUJRV GH GLUHFomR H DGPLQLVWUDomR QRV RUJDQLVPRVS~EOLFRVILFRXFRQVLJQDGDQXPDVpULHGHOHLVGHVGHPHDGRVGDGpFDGDGH 2V FRPLWpV GH VHOHFomR SDUD OXJDUHV QD LQYHVWLJDomR QmR HVWmR VXMHLWRV j H[LJrQFLD GH LJXDOGDGH GRV FRQVHOKRV GH GLUHFomR H DGPLQLVWUDomR GRV RUJDQLVPRV S~EOLFRV 1DV XQLYHUVLGDGHV QmR Ki H[LJrQFLDV IRUPDLV H FHQWUDLV TXDQWR j LJXDOGDGH QD FRPSRVLomR GRV FRPLWpV GH VHOHFomR PDV DOJXPDV LQVWLWXLo}HV UHFRQKHFHUDP D QHFHVVLGDGH GH LQWURGX]LUH[LJrQFLDV TXDQWR j UHSUHVHQWDomR GH DPERV RV VH[RV $ SRUWDULD TXH UHJH DV QRPHDo}HV SDUD OXJDUHV GH LQYHVWLJDomR HP LQVWLWXLo}HV S~EOLFDV H[LJH TXH DPERV RV VH[RV HVWHMDP UHSUHVHQWDGRV QRV FRPLWpV GH VHOHFomR 6HUi QHFHVViULR HVWDEHOHFHU XPD H[LJrQFLDVHPHOKDQWHSDUDDVXQLYHUVLGDGHV )XQomRGRVWXWRUHVHRULHQWDGRUHV 'XUDQWHRVHVWXGRVSDUDRPHVWUDGRHGXUDQWHDIRUPDomRSDUDDLQYHVWLJDomRRVWXWRUHV WrP XP SDSHO FUXFLDO QR HQFRUDMDPHQWR GR QRYR WDOHQWR $V PXOKHUHV HP HVSHFLDO VmR PRWLYDGDV SHOR HQFRUDMDPHQWR GDGR SHOR RULHQWDGRU GD WHVH $ LPSRUWkQFLD GH XP ERP RULHQWDGRUPHQWRUQRHVWDEHOHFLPHQWRGHXPDFDUUHLUDGHLQYHVWLJDGRUpLQFDOFXOiYHO$ FDUUHLUD GH LQYHVWLJDGRU H[LJH PDLV GR TXH ERQV FRQKHFLPHQWRV VREUH D PDWpULD $ IRUPDomR VRFLDO H SURILVVLRQDO DVVXPH D Pi[LPD LPSRUWkQFLD $WUDYpV GH XP WXWRU RX RULHQWDGRU R MRYHP LQYHVWLJDGRU WHP RSRUWXQLGDGH GH FRQWDFWDU FRP RXWURV SURILVVLRQDLV HVSHFLDOL]DGRV QR VHX GRPtQLR H GH VH GDU D FRQKHFHU HP UHGHV H RUJDQL]Do}HV $V LQVWLWXLo}HVGHLQYHVWLJDomRTXHGHVHQYROYHPERQVVLVWHPDVGHRULHQWDomRGHYHPUHFHEHU PDLVIXQGRV 5HODWyULRVDQXDLVVREUHDLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHVQDLQYHVWLJDomR 'HYH H[LJLUVH TXH RV UHODWyULRV DQXDLV DSUHVHQWDGRV SHODV LQVWLWXLo}HV GH LQYHVWLJDomR LQFOXDP LQIRUPDo}HV VREUH DV LQLFLDWLYDV ODQoDGDV SDUD PHOKRUDU D LJXDOGDGH GH RSRUWXQLGDGHV 0DLRUSULRULGDGHjLQYHVWLJDomRVREUHDVTXHVW}HVGHJpQHUR 1R LQYHVWLJDomR QR GRPtQLR GDV TXHVW}HV GH JpQHUR HIHFWXDGD QRV ~OWLPRV DQRV IRL DQDOLVDGD D UHODomR HQWUH R JpQHUR H DV SULRULGDGHV GD LQYHVWLJDomR $SDUHQWHPHQWH DV PXOKHUHV HIHFWXDP LQYHVWLJDomR HP GRPtQLRV TXH RV KRPHQV FRQVLGHUDP PHQRV LQWHUHVVDQWHV GR TXH DV VXDV FROHJDV GR VH[R IHPLQLQR &RPR RV KRPHQV GRPLQDP RV yujmrv GH GHFLVmR GDV LQVWLWXLo}HV GH LQYHVWLJDomR RV GRPtQLRV GH LQYHVWLJDomR TXH LQWHUHVVDPjVPXOKHUHVQmRVmRFRQVLGHUDGRVSULRULWiULRV 20

21 ,QVWLWXWRGHLQYHVWLJDomRS~EOLFRVREUHDLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHV 2GHEDWHVREUHDLJXDOGDGHQDLQYHVWLJDomRHQDVRFLHGDGHHPJHUDOPRVWURXKDYHUXPD JUDQGHQHFHVVLGDGH GH GRFXPHQWDomR DQiOLVH H LQIRUPDo}HV REMHFWLYDV 8PD LQVWLWXLomR GH LQYHVWLJDomR S~EOLFD FRQVDJUDGD jv TXHVW}HV GD LJXDOGDGH SRGHUi UHIRUoDU R GHEDWH S~EOLFRHRFDUL]GDVLQLFLDWLYDVSROtWLFDVQHVWHGRPtQLR /LFHQoDSDUHQWDOSDUDPXOKHUHVHKRPHQVMRYHQV 2 SHUtRGR GH JUDYLGH] H PDWHUQLGDGH SRGH WHU FRQVHTXrQFLDV LPSRUWDQWHV QD FDUUHLUD FLHQWtILFD GDV LQYHVWLJDGRUDV 1HVWH SHUtRGR GLPLQXL IUHTXHQWHPHQWH D IUHTXrQFLD GDV VXDVSXEOLFDo}HV $ )DFXOGDGH GH &LrQFLDV 1DWXUDLV GD 8QLYHUVLGDGH GH &RSHQKDJD WRPRX DOJXPDV LQLFLDWLYDV SDUD UHVROYHU R SUREOHPD $V %ROVDV &XULH DWULEXtGDV SRU GRLV DQRV H HP Q~PHUR OLPLWDGR RIHUHFHP jv LQYHVWLJDGRUDV TXH SHUGHUDP HQWUHWDQWR FRQWDFWR FRP D LQYHVWLJDomRDSRVVLELOLGDGHGHUHQRYDUHPDVVXDVTXDOLILFDo}HV0DVLVVRVyQmREDVWD 'HYH VHU FULDGR XP IXQGR SDUD DV OLFHQoDV GH SDUWR TXH Gr D SRVVLELOLGDGH DRV MRYHQV LQYHVWLJDGRUHV GH DPERV RV VH[RV TXH WHQKDP JR]DGR GH XPD OLFHQoD GH SDUWR RX SDUHQWDO GH VH FDQGLGDWDUHP D XP VXEVtGLR TXH OKHV SHUPLWD DEDQGRQDUHP DV UHVSRQVDELOLGDGHV GRFHQWHV QXP SHUtRGR FRUUHVSRQGHQWH 2V MRYHQV SDLV WHUmR DVVLP RSRUWXQLGDGH DWUDYpV GH XP SHUtRGR GH LQYHVWLJDomR FRQFHQWUDGR GH DWLQJLU PDLV UDSLGDPHQWH R VHX QtYHO DQWHULRU H SURVVHJXLU R VHX FDPLQKR QD KLHUDUTXLD GD LQYHVWLJDomR (TXLOtEULRHQWUHIDPtOLDHFDUUHLUD 1mRKiHVWXGRVTXHSURYHPTXHDVPXOKHUHVVHPILOKRVVmRPDLVFRPSHWHQWHVGRTXHDV PXOKHUHVFRPILOKRVµ $ 'LQDPDUFD WHP XPD SHUFHQWDJHP HOHYDGD GH PXOKHUHV TXH VHJXHP XPD FDUUHLUD SURILVVLRQDO $ H[LVWrQFLD GH FUHFKHV H MDUGLQV LQIDQWLV EDUDWRV H EHP RUJDQL]DGRV WHP FRQWULEXtGR SDUD LVVR 0DV HQTXDQWR QmR IRU PDLRU R Q~PHUR GH PXOKHUHV D PRVWUDU H D H[SOLFDUTXHWDOpSRVVtYHODVFULDQoDVFRQWLQXDUmRDVHUFRQVLGHUDGDVXPSUREOHPDSDUD DFDUUHLUDGHLQYHVWLJDomR,JXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHVDWRGRVRVQtYHLV 1DVLQVWLWXLo}HVKiTXHLQWURGX]LUDLJXDOGDGHDWRGRVRVQtYHLVGHVGHRVSURFHVVRVGH QRPHDomR DWp jv GHVFULo}HV GH HPSUHJRV GRV FRQVHOKRV H GLUHFo}HV HOHLWRV DWp DR UHFUXWDPHQWR &RPRUHVXOWDGRGRSODQRGHDFomRHPSRQWRVGH-\WWD+LOGHQXPFRPLWpFULDGRSHOR 0LQLVWpULR GD,QYHVWLJDomR SXEOLFRX QR ILQDO GH 2XWXEUR XP UHODWyULR FRP VXJHVW}HV VREUHRVHJXLPHQWRDGDUDRGLWRSODQRGHDFomR(VVDVVXJHVW}HVHVWmRDFWXDOPHQWHD VHU H[DPLQDGDV SHOR 0LQLVWpULR GD,QYHVWLJDomR 3URYDYHOPHQWH ODQoDUVHmR QRYDV LQLFLDWLYDVHPHPHVSHFLDOPHGLGDVGHVWLQDGDVDDXPHQWDURQ~PHURGHPXOKHUHV SURIHVVRUDVFDWHGUiWLFDVQDVXQLYHUVLGDGHVHLQVWLWXWRVGHLQYHVWLJDomRGLQDPDUTXHVHV 21

22 $/(0$1+$ $ SHUFHQWDJHP GH PXOKHUHV QD FLrQFLD H LQYHVWLJDomR QD $OHPDQKD WHP YLQGR D DXPHQWDU GHVGH PDV p DLQGD EDL[D (P DSHQDV GRV OXJDUHV GH FDWHGUiWLFRHUDPRFXSDGRVSRUPXOKHUHV 2REMHFWLYRGR*RYHUQRIHGHUDODOHPmRWHPVLGRDXPHQWDUDSDUWLFLSDomRGDVPXOKHUHV QRVOXJDUHVGHFKHILDQDFLrQFLDHLQYHVWLJDomRFiWHGUDVQDVXQLYHUVLGDGHVSDUD DWp $ FULDomR GH FRQGLo}HV IDYRUiYHLV jv PXOKHUHV QR PXQGR GD LQYHVWLJDomR p XP GRV REMHFWLYRV FHQWUDLV(VSHUDVH TXH D TXDOLGDGH GD LQYHVWLJDomR PHOKRUH FRP D PDLRU LJXDOGDGH 2 *RYHUQR IHGHUDO HVWi WDPEpP HPSHQKDGR HP DXPHQWDU D SHUFHQWDJHPGHPXOKHUHVQRVFRQVHOKRVHGLUHFo}HVTXHWRPDPGHFLV}HVHDFRQVHOKDP HPPDWpULDGHLQYHVWLJDomR $ QRYD /HLTXDGUR GDV XQLYHUVLGDGHV +RFKVFKXOUDKPHQJHVHW] GH $JRVWR GH HVWLSXOD TXH R ILQDQFLDPHQWR H D DYDOLDomR GDV XQLYHUVLGDGHV GHYH WHU HP FRQWD RV SURJUHVVRVHPPDWpULDGHLJXDOGDGH 2*RYHUQRIHGHUDODOHPmRSURS{VXPDVpULHGHLQLFLDWLYDVHVSHFtILFDVSDUDDXPHQWDUD SHUFHQWDJHPGHPXOKHUHVQDLQYHVWLJDomR (PFRODERUDomRFRPRVJRYHUQRVGRV/lQGHUHVWiHPFXUVR XP YDVWR SURJUDPD JHUDO SDUD D LQYHVWLJDomR +RFKVFXOVRQGHUSURJUDPP +63,,,,, TXH LQFOXL XPD VpULH GH DFo}HVGHVWLQDGDVDSURPRYHUDVPXOKHUHVQDFLrQFLD2SURJUDPDDUUDQFRXHP 3DUDRVHJXQGRSHUtRGRGRSURJUDPDHQWUHHIRUDPDWULEXtGRVFHUFDGH PLOO}HVGH'(0GH(852SDUDDXPHQWDUDSDUWLFLSDomRGDVPXOKHUHVQD FLrQFLDHLQYHVWLJDomRHVSHFLDOPHQWHHPOXJDUHVGHFKHILDRSURJUDPDLQFOXLEROVDVGH HVWXGR SDUD WHVHV GH GRXWRUDPHQWR SyVGRXWRUDPHQWRV WHVHV LQDXJXUDLV HWF 6mR JDVWRV FHUFD GH PLOK}HV GH '(0 GH (852 HP EROVDV GH HVWXGR HVSHFLDLVSDUDPXOKHUHVVXEVtGLRVVXSOHPHQWDUHVSDUDJXDUGDGHFULDQoDVSURJUDPDV HVSHFLDLVHOXJDUHVSDUDPXOKHUHVTXHVmRREULJDGDVDILFDUHPFDVDWHPSRUDULDPHQWH (PJHUDODVLQLFLDWLYDVDEUDQJHP %ROVDV SDUD UHTXDOLILFDomRµ FRQVLGHUDQGR TXH D SHUFHQWDJHP GH PXOKHUHV QD LQYHVWLJDomR EDL[D DFHQWXDGDPHQWH TXDQGR DV PXOKHUHV RSWDP SRU FRQVWLWXLU IDPtOLD HVWmR D VHU FULDGDV EROVDV SDUD UHTXDOLILFDomR SDUD TXH DV LQYHVWLJDGRUDV WHQKDPRSRUWXQLGDGHGHUHJUHVVDUjDFWLYLGDGHFLHQWtILFD $VVRFLDomR SHUPDQHQWHµ EROVDV TXH RIHUHFHP jv LQYHVWLJDGRUDV WHPSRUDULDPHQWH DXVHQWHVGDLQYHVWLJDomRDRSRUWXQLGDGHGHVHPDQWHUHPOLJDGDVjLQYHVWLJDomR7DO LQFOXL D SDUWLFLSDomR HP FXUVRV H XPD SDUWLFLSDomR OLPLWDGD QD LQYHVWLJDomR $V EROVDVDDWULEXLUjVLQYHVWLJDGRUDVLQFOXHPXPVXEVtGLRGHJXDUGDGHFULDQoDVSDUD TXH SRVVDP SDJDU DV FUHFKHV (VWmR WDPEpP LQFOXtGDV EROVDV GH HVWXGR SDUD PXOKHUHV SDUD ID]HUHP R FXUVR XQLYHUVLWiULR HVSHFLDO H[LJLGR SDUD VH REWHU XP HPSUHJRSHUPDQHQWHQDVXQLYHUVLGDGHVDOHPmV %ROVDVSDUDTXDOLILFDomRµD DWULEXLU jv PXOKHUHV SDUD TXH DXPHQWH D SHUFHQWDJHP GHPXOKHUHVFDWHGUiWLFDV (P PDLV GH PXOKHUHV FLHQWLVWDV UHFHEHUDP EROVDV ILQDQFLDGDV SRU HVWH SURJUDPD 2V UHODWyULRV QDFLRQDLV DSUHVHQWDGRV DR &KDQFHOHU H DRV SUHVLGHQWHV GRV /lqghu FRPHoDUDP HP D DYDOLDU R GHVHQYROYLPHQWR H RV SURJUHVVRV GD SDUWLFLSDomR 22

Valores e Cidadania: a Coesão Social, a Construção Identitária e o Diálogo Intercultural. Augusto Santos Silva Joaquim Azevedo António Manuel Fonseca

Valores e Cidadania: a Coesão Social, a Construção Identitária e o Diálogo Intercultural. Augusto Santos Silva Joaquim Azevedo António Manuel Fonseca Valores e Cidadania: a Coesão Social, a Construção Identitária e o Diálogo Intercultural Augusto Santos Silva Joaquim Azevedo António Manuel Fonseca 127$6%,2*5È),&$6 $8*86726$17266,/9$QDVFHXQR3RUWRHP'RXWRUDGRHP6RFLRORJLDHV

Leia mais

2020: 20 Anos para Vencer 20 Décadas de Atraso Educativo Síntese do Estudo. Roberto Carneiro

2020: 20 Anos para Vencer 20 Décadas de Atraso Educativo Síntese do Estudo. Roberto Carneiro 2020: 20 Anos para Vencer 20 Décadas de Atraso Educativo Síntese do Estudo Roberto Carneiro 127$%,2*5È),&$ 52%(572 &$51(,52 1DVFHX HP &DVFDLV HP /LFHQFLDGR HP (QJHQKDULD 4XtPLFDSHOR,QVWLWXWR6XSHULRU7pFQLFRFRQFOXLXHVWXGRVGHSyVJUDGXDomRHP'HVHQ

Leia mais

%LVVDX H GH )HYHUHLUR GH

%LVVDX H GH )HYHUHLUR GH 6(0,1É5,2'23$5,662%5($(675$7e*,$1$&,21$/'( '(6(192/9,0(172'$(67$7Ì67,&$ 3$/23(7,025/(67( $QJROD&DER9HUGH*XLQp%LVVDX0RoDPELTXH6mR7RPpH3UtQFLSH7LPRU/HVWH 1RWDFRQFHSWXDOSURYLVyULD 3URSRVWDSDUDGLVFXVVmRFRPRV3$/23H7LPRU/HVWH

Leia mais

$ &RPLVVmR SURS}H XPD QRYD SROtWLFD GH SHVVRDO GHVGHRUHFUXWDPHQWRDWpjUHIRUPD

$ &RPLVVmR SURS}H XPD QRYD SROtWLFD GH SHVVRDO GHVGHRUHFUXWDPHQWRDWpjUHIRUPD ,3 Bruxelas, 28 Fevereiro 2001 $ &RPLVVmR SURS}H XPD QRYD SROtWLFD GH SHVVRDO GHVGHRUHFUXWDPHQWRDWpjUHIRUPD $&RPLVVmRDQXQFLRXKRMHRVSULQFLSDLVHOHPHQWRVGDVVXDVSURSRVWDVSDUD XPD QRYD SROtWLFD GH SHVVRDO(VWDV

Leia mais

2. Deliberações e Principais Conclusões

2. Deliberações e Principais Conclusões 2UJDQL]DomRSDUD&RRSHUDomRH'HVHQYROYLPHQWR(FRQ{PLFR2&'( 2UJDQLVDWLRQIRU(FRQRPLF&RRSHUDWLRQDQG'HYHORSPHQW2(&' (PFRRSHUDomRFRPR*UXSR%DQFR0XQGLDO 6XPiULR 6HJXQGR(QFRQWURGD0HVD5HGRQGD/DWLQRDPHULFDQDVREUH*RYHUQDQoD

Leia mais

$ DJHQGD GD SROtWLFD VRFLDO HVWi D VHU FXPSULGD DILUPDD&RPLVVmR(XURSHLD

$ DJHQGD GD SROtWLFD VRFLDO HVWi D VHU FXPSULGD DILUPDD&RPLVVmR(XURSHLD ,3 Bruxelas, 13 de Fevereiro de 2003 $ DJHQGD GD SROtWLFD VRFLDO HVWi D VHU FXPSULGD DILUPDD&RPLVVmR(XURSHLD 2WHUFHLURUHODWyULRDQXDOGD&RPLVVmRVREUHD$JHQGDGH3ROtWLFD6RFLDOGD 8( GH GHPRQVWUD TXH D DJHQGD

Leia mais

Inovação, Tecnologia e Globalização: o Papel do Conhecimento e o Lugar do Trabalho na Nova Economia. Maria João Rodrigues José Félix Ribeiro

Inovação, Tecnologia e Globalização: o Papel do Conhecimento e o Lugar do Trabalho na Nova Economia. Maria João Rodrigues José Félix Ribeiro Inovação, Tecnologia e Globalização: o Papel do Conhecimento e o Lugar do Trabalho na Nova Economia Maria João Rodrigues José Félix Ribeiro $V'LQkPLFDVGH&RQWH[WR±,QRYDomR7HFQRORJLDH*OREDOL]DomR23DSHOGR&RQKHFLPHQWRHR/XJDUGR7UDEDOKRQD1RYD(FRQRPLD

Leia mais

3HUJXQWDVH5HVSRVWDVVREUHD$XWRULGDGH(XURSHLD SDUDD6HJXUDQoDGRV$OLPHQWRV

3HUJXQWDVH5HVSRVWDVVREUHD$XWRULGDGH(XURSHLD SDUDD6HJXUDQoDGRV$OLPHQWRV 0(02 Bruxelas, 18 de Dezembro de 2001 3HUJXQWDVH5HVSRVWDVVREUHD$XWRULGDGH(XURSHLD SDUDD6HJXUDQoDGRV$OLPHQWRV 4XDLVVHUmRDVWDUHIDVGD$XWRULGDGH(XURSHLDSDUDD6HJXUDQoDGRV $OLPHQWRV" Tal como definido na proposta

Leia mais

127$ ,GHQWLILTXHVHDSHQDVQRVFDPSRVSUySULRVDEDL[RGDOLQKD SRQWLOKDGD &21&85623Ò%/,&23$5$352)(6625'((16,12)81'$0(17$/,, 48(67 (6',6&856,9$6

127$ ,GHQWLILTXHVHDSHQDVQRVFDPSRVSUySULRVDEDL[RGDOLQKD SRQWLOKDGD &21&85623Ò%/,&23$5$352)(6625'((16,12)81'$0(17$/,, 48(67 (6',6&856,9$6 AOCP - CONCURSOS PÚBLICOS &21&85623Ò%/,&23$5$352)(6625'((16,12)81'$0(17$/,, 48(67 (6',6&856,9$6 È5($('8&$d 2)Ë6,&$ 127$,GHQWLILTXHVHDSHQDVQRVFDPSRVSUySULRVDEDL[RGDOLQKD SRQWLOKDGD AOCP CONCURSOS PÚBLICOS

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

5HVSRQVDELOLGDGH 6RFLDO GDV (PSUHVDV QRYD HVWUDWpJLD GD&RPLVVmR SDUD SURPRYHU R FRQWULEXWR GDVHPSUHVDVSDUDRGHVHQYROYLPHQWRVXVWHQWiYHO

5HVSRQVDELOLGDGH 6RFLDO GDV (PSUHVDV QRYD HVWUDWpJLD GD&RPLVVmR SDUD SURPRYHU R FRQWULEXWR GDVHPSUHVDVSDUDRGHVHQYROYLPHQWRVXVWHQWiYHO ,3 Bruxelas, 2 de Julho de 2002 5HVSRQVDELOLGDGH 6RFLDO GDV (PSUHVDV QRYD HVWUDWpJLD GD&RPLVVmR SDUD SURPRYHU R FRQWULEXWR GDVHPSUHVDVSDUDRGHVHQYROYLPHQWRVXVWHQWiYHO 8PD QRYD HVWUDWpJLD HP PDWpULD GH UHVSRQVDELOLGDGH

Leia mais

,QWURGXomRGR(XURD&RPLVVmRID]XPEDODQoRGRV SUHSDUDWLYRVHLGHQWLILFDYLQWHERDVSUiWLFDV

,QWURGXomRGR(XURD&RPLVVmRID]XPEDODQoRGRV SUHSDUDWLYRVHLGHQWLILFDYLQWHERDVSUiWLFDV ,3 Bruxelas, 3 de Abril de 2001,QWURGXomRGR(XURD&RPLVVmRID]XPEDODQoRGRV SUHSDUDWLYRVHLGHQWLILFDYLQWHERDVSUiWLFDV GLDVDQWHVGRGLD¼D&RPLVVmRDSUHVHQWRXXPDFRPXQLFDomRVREUH RVSUHSDUDWLYRVSDUDDLQWURGXomRILQDOGRHXURTXHID]RSRQWRGDVLWXDomR

Leia mais

$d (6$),50$7,9$6126(8$(68$/(*,7,0,'$'(12%5$6,/

$d (6$),50$7,9$6126(8$(68$/(*,7,0,'$'(12%5$6,/ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Faculdade Mineira de Direito $d (6$),50$7,9$6126(8$(68$/(*,7,0,'$'(12%5$6,/ (GHU%RPILP5RGULJXHV Belo Horizonte 2005 1 (GHU%RPILP5RGULJXHV $d (6$),50$7,9$6126(8$(68$/(*,7,0,'$'(12%5$6,/

Leia mais

&RPLVVmRVD~GHFRQFOXV}HVGR*UXSRGH$OWR1tYHO VREUHRIXWXURGDVUHODo}HVODERUDLV

&RPLVVmRVD~GHFRQFOXV}HVGR*UXSRGH$OWR1tYHO VREUHRIXWXURGDVUHODo}HVODERUDLV ,3 Bruxelas, 1 de Março de 2002 &RPLVVmRVD~GHFRQFOXV}HVGR*UXSRGH$OWR1tYHO VREUHRIXWXURGDVUHODo}HVODERUDLV $ &RPLVVmR DFROKHX FRP DJUDGR DV FRQFOXV}HV GR *UXSR GH $OWR 1tYHO VREUH UHODo}HV ODERUDLV SUHVLGLGR

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. '2&80(172'(75$%$/+2'266(59,d26'$&20,66 2

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. '2&80(172'(75$%$/+2'266(59,d26'$&20,66 2 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.2.2003 SEC(2003) 175 '2&80(172'(75$%$/+2'266(59,d26'$&20,66 2 VREUHDVPHGLGDVQDFLRQDLVDGRSWDGDVSHORV(VWDGRV0HPEURVQRTXHGL]UHVSHLWRDRV LPSODQWHVPDPiULRV '2&80(172'(75$%$/+2'266(59,d26'$&20,66

Leia mais

0HUFDGR LQWHUQR D &RPLVVmR ODQoD VHUYLoRV JUDWXLWRV GH DFRQVHOKDPHQWR H UHVROXomR GH SUREOHPDVGHVWLQDGRVDRVFLGDGmRVHjVHPSUHVDV

0HUFDGR LQWHUQR D &RPLVVmR ODQoD VHUYLoRV JUDWXLWRV GH DFRQVHOKDPHQWR H UHVROXomR GH SUREOHPDVGHVWLQDGRVDRVFLGDGmRVHjVHPSUHVDV ,3 Bruxelas, 22 de Julho de 2002 0HUFDGR LQWHUQR D &RPLVVmR ODQoD VHUYLoRV JUDWXLWRV GH DFRQVHOKDPHQWR H UHVROXomR GH SUREOHPDVGHVWLQDGRVDRVFLGDGmRVHjVHPSUHVDV 'HIURQWDVH FRP SUREOHPDV SDUD ID]HU UHFRQKHFHU

Leia mais

3URSRVWDGHGLUHFWLYDUHODWLYDDRVSODQRVGHSHQV}HV SURILVVLRQDLV±SHUJXQWDVPDLVFRUUHQWHV (ver também IP/00/1141)

3URSRVWDGHGLUHFWLYDUHODWLYDDRVSODQRVGHSHQV}HV SURILVVLRQDLV±SHUJXQWDVPDLVFRUUHQWHV (ver também IP/00/1141) 0(02 Bruxelas, 11 de Outubro de 2000 3URSRVWDGHGLUHFWLYDUHODWLYDDRVSODQRVGHSHQV}HV SURILVVLRQDLV±SHUJXQWDVPDLVFRUUHQWHV (ver também IP/00/1141) (VWD SURSRVWD GH GLUHFWLYD LQWHUIHULUi FRP D IRUPD FRPR RV

Leia mais

Bruxelas, 24 de Setembro de 2002

Bruxelas, 24 de Setembro de 2002 ,3 Bruxelas, 24 de Setembro de 2002 6HJXURVDHURQiXWLFRV GHSRLV GH GH 6HWHPEUR D &RPLVVmR (XURSHLD SURS}H UHTXLVLWRV PtQLPRV GH VHJXUR SDUD WRGDV DV WUDQVSRUWDGRUDV DpUHDV TXH RSHUDPQD(XURSD 1RUHVFDOGRGRVDWDTXHVWHUURULVWDVGHGH6HWHPEURGHQRV(VWDGRV

Leia mais

2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR

2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR ,3 Bruxelas, 16 de Maio de 2002 2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR 'H DFRUGR FRP R ~OWLPR 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR YHULILFDPVH DLQGD

Leia mais

5XPR D XPD DJULFXOWXUD VXVWHQWiYHO $ &RPLVVmR DSUHVHQWDXPDUHYLVmRLQWHUFDODUGDSROtWLFDDJUtFROD GD8QLmR(XURSHLD

5XPR D XPD DJULFXOWXUD VXVWHQWiYHO $ &RPLVVmR DSUHVHQWDXPDUHYLVmRLQWHUFDODUGDSROtWLFDDJUtFROD GD8QLmR(XURSHLD ,3 Bruxelas, 10 de Julho de 2002 5XPR D XPD DJULFXOWXUD VXVWHQWiYHO $ &RPLVVmR DSUHVHQWDXPDUHYLVmRLQWHUFDODUGDSROtWLFDDJUtFROD GD8QLmR(XURSHLD $ &RPLVVmR (XURSHLD DSUHVHQWRX KRMH D UHYLVmR LQWHUFDODU GD

Leia mais

3*54(6$/4 3URJUDPD GH *HUHQFLDPHQWR GH 5HVtGXRV 4XtPLFRV GD (VFROD 6XSHULRU GH $JULFXOWXUD³/XL]GH4XHLUR]

3*54(6$/4 3URJUDPD GH *HUHQFLDPHQWR GH 5HVtGXRV 4XtPLFRV GD (VFROD 6XSHULRU GH $JULFXOWXUD³/XL]GH4XHLUR] 680È5,2 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. RESPONSABILIDADE 4. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 5. DEFINIÇÕES 6. CONDIÇÕES GERAIS ANEXO A 2%-(7,92 Esta norma estabelece as exigências para que os signatários

Leia mais

(FRQRPLDGD(GXFDomR. 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD )UHTXrQFLD 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR

(FRQRPLDGD(GXFDomR. 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD )UHTXrQFLD 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR (FRQRPLDGD(GXFDomR 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD )UHTXrQFLD 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR Nome: Nº: $VUHVSRVWDVGHYHPVHUGDGDVQDIROKDGHHQXQFLDGR, 8PDGDVGHILQLo}HVGH(FRQRPLDp ³2HVWXGRGDIRUPDFRPRDVVRFLHGDGHVXWLOL]DPUHFXUVRVHVFDVVRVSDUDSURGX]LU

Leia mais

/(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2

/(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2 ] &21&85623Ò%/,&2 (GLWDO1žGHGHPDUoRGH &$5*2$*(17('(,163(d 26$1,7È5,$(,1'8675,$/'(352'8726'(25,*(0$1,0$/ 3529$%5$1&$ /(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2 Você recebeu do fiscaleste &$'(512'(48(67 (6 com as

Leia mais

Uma Estratégia de Investimento do Negócio para a Atualização do Dispositivo

Uma Estratégia de Investimento do Negócio para a Atualização do Dispositivo Janeiro de 2014 Guia de Planejamento Uma Estratégia de Investimento do Negócio para a Atualização do Dispositivo Guia da Intel de Gerenciamento de e Aumento da Produtividade Por que ler este documento

Leia mais

/(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2

/(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2 &21&85623Ò%/,&2 (GLWDO1žGHGHPDUoRGH &$5*2$*(17('(,163(d 26$1,7È5,$(,1'8675,$/'(352'8726'(25,*(0$1,0$/ 3529$%5$1&$ /(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2 Você recebeu do fiscaleste &$'(512'(48(67 (6 com as 50

Leia mais

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002

&RQWH[WRHFRQyPLFRHGHVHPSHQKRGRHPSUHJR. Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 ,3 Bruxelas, 6 de Setembro de 2002 &RPLVVmR DILUPD TXH DV PHWDV GH HPSUHJR GH /LVERDVmRDLQGDUHDOL]iYHLVVHRV(VWDGRV0HPEURV GHUHP SULRULGDGH jv UHJL}HV SUREOHPiWLFDV H D HPSUHJRVSDUDDVPXOKHUHVHRVWUDEDOKDGRUHVPDLV

Leia mais

As mulheres e a liderança empresarial

As mulheres e a liderança empresarial C 33 E/134 Jornal Oficial da União Europeia 5.2.2013 Relações internacionais 54. Solicita à Comissão e aos Estados-Membros que trabalhem juntamente com a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI)

Leia mais

6º Programa-Quadro de Investigação da UE

6º Programa-Quadro de Investigação da UE EUROPEAN COMMISSION RESEARCH DIRECTORATE-GENERAL 6º Programa-Quadro de Investigação da UE Perguntas frequentes O que é o Programa-Quadro (PQ) de Investigação da UE? O PQ constitui o principal instrumento

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

$QiOLVHH$FHLWDomR± 6HJXURGH3HVVRDV 6DP\+D]DQ± 0DULWLPD6HJXURV VDP\#PDULWLPDFRPEU ZZZWZLWWHUFRPVDP\VHJ

$QiOLVHH$FHLWDomR± 6HJXURGH3HVVRDV 6DP\+D]DQ± 0DULWLPD6HJXURV VDP\#PDULWLPDFRPEU ZZZWZLWWHUFRPVDP\VHJ $QiOLVHH$FHLWDomR± 6HJXURGH3HVVRDV 6DP\+D]DQ± 0DULWLPD6HJXURV VDP\#PDULWLPDFRPEU ZZZWZLWWHUFRPVDP\VHJ )XQGDPHQWRV GD HFRQRPLD VRE FRQWUROH 3$5$21'(&$0,1+$ 2%5$6,/" %UDVLOpDERODGDYH] 6ROLGH] GR VHWRU ILQDQFHLUR

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BILBAU CONSTRUIR EM SEGURANÇA

DECLARAÇÃO DE BILBAU CONSTRUIR EM SEGURANÇA DECLARAÇÃO DE BILBAU (Tradução a partir de original inglês) CONSTRUIR EM SEGURANÇA Cimeira Europeia da Segurança na Construção Introdução A construção é um dos maiores sectores industriais da Europa. Infelizmente,

Leia mais

$V GLIHUHQoDV GRV SUHoRV GRV DXWRPyYHLV QD 8QLmR (XURSHLD FRQWLQXDP D VHU HOHYDGDV SULQFLSDOPHQWH QRVVHJPHQWRVGRPHUFDGRGHPDVVDV

$V GLIHUHQoDV GRV SUHoRV GRV DXWRPyYHLV QD 8QLmR (XURSHLD FRQWLQXDP D VHU HOHYDGDV SULQFLSDOPHQWH QRVVHJPHQWRVGRPHUFDGRGHPDVVDV ,3 Bruxelas, 25 de Fevereiro de 2002 $V GLIHUHQoDV GRV SUHoRV GRV DXWRPyYHLV QD 8QLmR (XURSHLD FRQWLQXDP D VHU HOHYDGDV SULQFLSDOPHQWH QRVVHJPHQWRVGRPHUFDGRGHPDVVDV 1R VHX ~OWLPR UHODWyULR VREUH RV SUHoRV

Leia mais

9,'5$5,$6'(/$%25$7Ï5,2 '$1,),&$'$6282%62/(7$6 1 2&217$0,1$'$6. (Acondicionamento e Armazenamento)

9,'5$5,$6'(/$%25$7Ï5,2 '$1,),&$'$6282%62/(7$6 1 2&217$0,1$'$6. (Acondicionamento e Armazenamento) 680È5,2 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. RESPONSABILIDADE 4. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 5. DEFINIÇÕES 6. CONDIÇÕES GERAIS ANEXO A 2%-(7,92 Esta norma estabelece as exigências para que os signatários

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.2.2009 COM(2009) 77 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

A Comissão recebeu igualmente denúncias de um livreiro austríaco, a Libro AG, e da sua filial de vendas na Internet, Lion.cc, que vendeu EHVWVHOOHUV

A Comissão recebeu igualmente denúncias de um livreiro austríaco, a Libro AG, e da sua filial de vendas na Internet, Lion.cc, que vendeu EHVWVHOOHUV ,3 Bruxelas, 22 de Março de 2002 $&RPLVVmRDFHLWDXPFRPSURPLVVRQRSURFHVVRGH FRQFRUUrQFLD UHODWLYR DRV SUHoRV LPSRVWRV GRV OLYURVDOHPmHV $&RPLVVmR(XURSHLDGHFLGLXDUTXLYDURSURFHVVRGHFRQFRUUrQFLD VREUH R VLVWHPD

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Manuel Lopes Rocha Miguel Pupo Correia Marta Felino Rodrigues Miguel Almeida Andrade Henrique José Carreiro. As Leis do Comércio-Electrónico

Manuel Lopes Rocha Miguel Pupo Correia Marta Felino Rodrigues Miguel Almeida Andrade Henrique José Carreiro. As Leis do Comércio-Electrónico Manuel Lopes Rocha Miguel Pupo Correia Marta Felino Rodrigues Miguel Almeida Andrade Henrique José Carreiro As Leis do Comércio-Electrónico Manuel Lopes Rocha Miguel Pupo Correia Marta Felino Rodrigues

Leia mais

)$&8/'$'(0,1(,5$'(',5(,72 5HQDWR0DUFXFL%DUERVDGD6LOYHLUD

)$&8/'$'(0,1(,5$'(',5(,72 5HQDWR0DUFXFL%DUERVDGD6LOYHLUD 3217,)Ë&,$81,9(56,'$'(&$7Ï/,&$'(0,1$6*(5$,6 )$&8/'$'(0,1(,5$'(',5(,72 $35,6 2&,9,/325'Ë9,'$'2'(9('25),'8&,$17( 5HQDWR0DUFXFL%DUERVDGD6LOYHLUD BELO HORIZONTE 2004 2 5HQDWR0DUFXFL%DUERVDGD6LOYHLUD $35,6

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 28.8.2002 COM(2002) 474 final 2002/0211 (COD) Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a participação da Comunidade num programa de

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS)

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) Conseil UE CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 9 de Agosto de 2002 (09.08) (OR. en) PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) LIMITE RECH 140 ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

(FRQRPLDGD(GXFDomR 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD. 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR

(FRQRPLDGD(GXFDomR 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD. 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR (FRQRPLDGD(GXFDomR 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD ([DPH 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR Nome: Nº: $VUHVSRVWDVGHYHPVHUGDGDVQDIROKDGHHQXQFLDGR, 8PD GDV FRPSHWrQFLDV TXH GHYH WHU DGTXLULGR QHVWD XQLGDGH FXUULFXODU

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

. $6129,'$'(612/,&(1&,$0(172$0%,(17$/12(67$'2'(6 2 3$8/2. 0XGDQoDVLQWURGX]LGDVSHORV'HFUHWRV(VWDGXDLVQžHQžGHGH GH]HPEURGH

. $6129,'$'(612/,&(1&,$0(172$0%,(17$/12(67$'2'(6 2 3$8/2. 0XGDQoDVLQWURGX]LGDVSHORV'HFUHWRV(VWDGXDLVQžHQžGHGH GH]HPEURGH . $6129,'$'(612/,&(1&,$0(172$0%,(17$/12(67$'2'(6 2 3$8/2 0XGDQoDVLQWURGX]LGDVSHORV'HFUHWRV(VWDGXDLVQžHQžGHGH GH]HPEURGH,VDEHOD+HOHQD'H0DUFKL O licenciamento ambiental no Estado de São Paulo foi alterado.

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

3/$12(035(6$5,$/±&$3,7$/*2%$/

3/$12(035(6$5,$/±&$3,7$/*2%$/ &21',d (6*(5$,6 3/$12(035(6$5,$/±&$3,7$/*2%$/,'(),1,d (6 '$67(50,12/2*,$6'26(*852 $FLGHQWH3HVVRDO Para os fins deste seguro, acidente pessoal é o evento com data caracterizada, posterior à contratação

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

/(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2

/(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2 ž',$ &21&85629(67,%8/$5 /(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2 Você recebeu do fiscal este &$'(512 '( 48(67 (6 com as 80 (oitenta) questões da prova objetiva numeradas seqüencialmente e distribuídas sem falhas

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

)DFWRV H Q~PHURV VREUH R FRPpUFLR GH SURGXWRV DJUtFRODVGD 8( DEHUWXUD DR FRPpUFLR H DRV SDtVHV HPGHVHQYROYLPHQWR

)DFWRV H Q~PHURV VREUH R FRPpUFLR GH SURGXWRV DJUtFRODVGD 8( DEHUWXUD DR FRPpUFLR H DRV SDtVHV HPGHVHQYROYLPHQWR 0(02 Bruxelas, 16 de Dezembro de 2002 )DFWRV H Q~PHURV VREUH R FRPpUFLR GH SURGXWRV DJUtFRODVGD 8( DEHUWXUD DR FRPpUFLR H DRV SDtVHV HPGHVHQYROYLPHQWR $8(HRFRPpUFLRGHSURGXWRVDJUtFRODV $8(HVWiDEHUWDDRFRPpUFLRGHSURGXWRVDJUtFRODV

Leia mais

2V,QFHQWLYRV)LVFDLVj&XOWXUDQR%UDVLO

2V,QFHQWLYRV)LVFDLVj&XOWXUDQR%UDVLO 2V,QFHQWLYRV)LVFDLVj&XOWXUDQR%UDVLO A Constituição Federal Brasileira de 1988 dedica, em sua Seção II, um Capítulo específico que cuida apenas da proteção e incentivo à cultura. No artigo 215 da Carta

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

ROL DE RESPONSÁVEIS 2 RELATÓRIO DE GESTÃO 8 PARECER DA AUDITORIA INTERNA 28 DECLARAÇÃO DA UNIDADE DE PESSOAL 29 PARECER DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO 30

ROL DE RESPONSÁVEIS 2 RELATÓRIO DE GESTÃO 8 PARECER DA AUDITORIA INTERNA 28 DECLARAÇÃO DA UNIDADE DE PESSOAL 29 PARECER DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO 30 ROL DE RESPONSÁVEIS 2 RELATÓRIO DE GESTÃO 8 $)8)9 3/$12'(75$%$/+2$3529$'2 352*5$0$6'(75$%$/+2(;(&87$'26 *(67 225d$0(17É5,$(),1$1&(,5$ ),6&$/,=$d 2(&21752/((;(5&,'2662%5(2$*526 PARECER DA AUDITORIA INTERNA

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

)DWRUHVGHDWUDomRHIL[DomRGHHPSUHVDVGHVRIWZDUH±R FDVR-XL]GH)RUD

)DWRUHVGHDWUDomRHIL[DomRGHHPSUHVDVGHVRIWZDUH±R FDVR-XL]GH)RUD )DWRUHVGHDWUDomRHIL[DomRGHHPSUHVDVGHVRIWZDUH±R FDVR-XL]GH)RUD Ao longo desse capítulo pretende-se relatar os resultados da pesquisa realizada. Para que isso possa ser feito da forma mais elucidativa possível,

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

(FRQRPLDGD(GXFDomR 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD. 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR

(FRQRPLDGD(GXFDomR 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD. 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR (FRQRPLDGD(GXFDomR 3HGUR7HOKDGR3HUHLUD ([DPH 'XUDomRPLQXWRV 7ySLFRVGHUHVROXomR Nome: Nº: $VUHVSRVWDVGHYHPVHUGDGDVQDIROKDGHHQXQFLDGR, 8PD GDV FRPSHWrQFLDV TXH GHYH WHU DGTXLULGR QHVWD XQLGDGH FXUULFXODU

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Conhecimento Específico de 1 a 20 Português de 21 a 30 Ética de 31 a 35 Informática de 36 a 40 Matemática de 41 a 45 Atualidades de 46 a 50

Conhecimento Específico de 1 a 20 Português de 21 a 30 Ética de 31 a 35 Informática de 36 a 40 Matemática de 41 a 45 Atualidades de 46 a 50 &21&85623Ò%/,&2 (GLWDO1žGHGHPDUoRGH &$5*2$*(17('(,163(d 26$1,7È5,$(,1'8675,$/'(352'8726'(25,*(0$1,0$/ 3529$$=8/ /(,$$7(17$0(17($6,16758d (6$%$,;2 Você recebeu do fiscaleste &$'(512'(48(67 (6 com as 50

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal)

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal) Análise de Anúncios de Oferta de Emprego (Regime Legal) Serviço de Igualdade 2011 Enquadramento Jurídico O reconhecimento e o tratamento do direito à igualdade de oportunidades e não discriminação, e de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

DECISÕES APROVADAS CONJUNTAMENTE PELO PARLAMENTO EUROPEU E PELO CONSELHO

DECISÕES APROVADAS CONJUNTAMENTE PELO PARLAMENTO EUROPEU E PELO CONSELHO L 288/10 Jornal Oficial da União Europeia 4.11.2009 DECISÕES APROVADAS CONJUNTAMENTE PELO PARLAMENTO EUROPEU E PELO CONSELHO DECISÃO N. o 1041/2009/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Outubro

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

2 65 35(6,'(17( (Deputado Cezar Silvestri) - Declaro abertos os

2 65 35(6,'(17( (Deputado Cezar Silvestri) - Declaro abertos os &Æ0$5$'26'(387$'26 '(3$57$0(172'(7$48,*5$),$5(9,6 2(5('$d 2 1Ò&/(2'(5('$d 2),1$/(0&20,66 (6 7(;72&205('$d 2),1$/ &20,66 2'('()(6$'2&21680,'25 (9(172$XGLrQFLD3~EOLFD 1ƒ '$7$,1Ë&,2KPLQ 7e50,12KPLQ '85$d

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais