Potência uma coisa mais que complicada - Parte VI - Conclusão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Potência uma coisa mais que complicada - Parte VI - Conclusão"

Transcrição

1 Potência uma coisa mais que complicada - Parte VI - Conclusão Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Após termos estudado vários tópicos sobre potência, acredito ser interessante dar uma revisada geral no tema, tirar algumas conclusões e descobrir como o assunto se aplica na prática.em caso de dúvida, lembre-se de reler os artigos originais, já que aqui estaremos apresentando de forma bem resumida cada um dos tópicos. No primeiro artigo da série, disponível em vimos vários conceitos básicos importantes sobre amplificadores de potências. Dentre eles, é bom relembrar: 1) Nenhum equipamento produz mais energia do que consome (Lei da Conservação de Energia). Se consome 100 Watts, nunca vai produzir mais que 100 Watts. 2) Por mais eficiente que seja, todo equipamento tem perdas. A eficiência é sempre menor que 100%. A potência útil (aquela que será transformada em som) sempre será menor que a potência consumida (o consumo elétrico do aparelho). Aplicação prática: antes de comprar um amplificador, devemos comparar o consumo elétrico com a potência informada pelo fabricante. Se a potência informada for maior que o consumo elétrico, devemos descartar o aparelho das opções de compra. 3) O tempo da medição de potência influencia os resultados obtidos. Há pelo menos dois tipos de potência: de pico (que o equipamento pode produzir em um tempo muito curto, segundos) e contínua (que o equipamento pode produzir por um longo tempo, minutos e/ou horas). Aplicação prática: valores de potência de pico em geral são muito mais altos que os valores contínuos, mas são nos valores de potência contínua que devemos nos basear ao escolher um equipamento. 4) Existem diversos "tipos de potência", sendo as mais comum: RMS, Musical, IHF, PMPO, True RMS. Entretanto, a única potência em que podemos nos basear é a RMS. Aplicação prática: ao longo dos anos, várias fabricantes tentaram "inflar" artificialmente seus equipamentos, estabelecendo formas de medições diferentes, algumas até mesmo mentirosas. A única forma "séria" aceita é a potência RMS. Nota: podemos encontrar os seguintes termos referindo-se a potência RMS: Potência Real; Potência Contínua; Potência Eficaz; Potência Efetiva; Potência Nominal. Ainda podemos encontrar os termos "Potência EIA" ou "Potência IEC", que na verdade referem-se a dois métodos diferentes de aferição de potência RMS. 5) Potência RMS leva em consideração a voltagem produzida na saída do amplificador em relação a uma determinada impedância de carga, uma determinada freqüência e a distorção obtida. Aplicação prática: em alguns amplificadores, principalmente importados, não vamos encontrar claramente as palavras "RMS" ou "continuos" ou qualquer outro termo. Mas se encontrarmos um valor como este: 100W, 4 1KHz, THD 1% ou seja, "100W sob impedância de carga de 4 Ohms, medido com sinal de 1KHz, distorção harmônica total medida de 1%", estamos diante de uma legítima potência RMS. 6) A potência especificada é sempre em função da impedância de carga Aplicação prática: Todo amplificador suporta uma impedância mínima nas suas saídas. Ou seja: as impedâncias resultantes dos conjuntos de caixas acústicas ligadas na saída do canal. O uso de valores abaixo desta impedância mínima traz o risco de queima do aparelho por sobrecarga. O aparelho entrega sua máxima potência na impedância mínima, e sempre menos que isso quando a impedância é mais alta. Assim, quando adquirimos um amplificador, precisamos pensar ANTES no tipo e quantidade de caixas

2 que serão utilizadas. Se queremos um amplificador que entregue 500W por canal para 2 caixas de 8 Ohms, não podemos comprar um amplificador de W/canal em 2 Ohms, que terá na faixa de 250W/canal quando operando com caixas de 8 Ohms. 7) A fonte de alimentação é um dos fatores limitantes da potência máxima de um amplificador. Muitos fabricantes calculam a potência máxima fazendo o teste com um único canal em funcionamento (quando a fonte é toda disponível para este canal) e simplesmente multiplicam o resultado por 2. Aplicação prática: prefira sempre fabricantes que indicam a potência máxima medida nos seus amplificadores com os dois canais em funcionamento, ou seja, em uma situação mais próxima do uso real. 8) Amplificadores conseguem fornecer até o dobro da sua potência RMS por um tempo curtíssimo (milissegundos), que é a potência de pico! Aplicação prática: esta é uma margem de segurança (em inglês: headroom) que os fabricantes estabelecem nos seus equipamentos, de forma que picos instantâneos até o dobro da potência (+3dB) não sofram distorções (clipping), perigosas aos alto-falantes e até para o próprio aparelho. No caso dos amplificadores, essa potência máxima alcançada é chamada de potência de pico, mas também de "potência em programa musical" ou "potência musical". 9) A relação entre potência e quantidade de som obtida (db SPL) não depende apenas da potência do amplificador e dos alto-falantes, mas também da sensibilidade do alto-falante. Quanto maior a sensibilidade deste, maior quantidade de potência elétrica fornecida pelo amplificador será convertida em som. Aplicação prática: ter muita potência de amplificador não é garantia de ter muito volume de som. Ao escolher alto-falantes e/ou caixas acústicas, procure sempre que possível os de maior sensibilidade possível, entre os que atendam as outras especificações (potência suportada, resposta de freqüência, etc).. 10) No segundo artigo, disponível em vimos os vários métodos de aferição de potência RMS. Essas normas, além de levar em conta a impedância de carga, a freqüência e a distorção, estabelece uma quantidade mínima de tempo contínuo em que o aparelho tem que trabalhar à máxima potência. Por exemplo, as normas estabelecem o seguinte: - IEC original: Sinal senoidal contínuo com distorção normal de 1% por 8 horas. A potência especificada será a sustentada por todo este período. - IEC-268 padrão atual: Sinal senoidal contínuo com distorção normal de 1% por 5 minutos. A potência especificada será a sustentada por todo este período. - EIA RS-490: Sinal senoidal contínuo com distorção normal de 1% por 5 minutos. A potência especificada será a sustentada por todo este período. - EIAJ: Sinal senoidal por apenas 1 milisegundo no início do clipamento. A potência especificada será a sustentada apenas neste instante com limitação de potência declarada posteriormente (após 10 milisegundos nessa condição a potência cairá -2dB e assim por diante. Após 1 segundo a queda será de -5dB e em 10 segundos de -7dB). - EIA "Hotsound": Sinal senoidal em intervalos de 10 milisegundos com sinal e descanso de 20 milisegundos sem sinal (fator de crista declarado de 6,5dB). A potência declarada será a medida naquele instante e multiplicada por 3 (estimativa do sinal contínuo). - EIA "Crown": Ruído rosa severamente clipado a 1 terço da potência somente (fator de crista declarado de 12dB). O tempo de sustentação desta potência não é claro, mas como não usa sinal senoidal contínuo e sim ruído rosa, se exige muito menos do amplificador e permite altos níveis de distorção. Aplicação prática: apesar de todas as normas e suas variações levarem em consideração a voltagem produzida na saída do amplificador em relação a uma determinada impedância de carga, uma determinada freqüência e a distorção obtida (ou seja, atendendo à especificação RMS), elas variam na especificação de "tempo contínuo". A norma mais antiga estabelece que um amplificador deve sustentar toda essa potência por 8 horas

3 seguidas! Como em música isso nunca acontece (há variações de volume, alternando passagens de volume alto com outros de volume baixo), essa norma - rígida demais - foi alterada para os atuais 5 minutos! Ainda assim, alguns fabricantes tem implementado pequenas modificações no tempo de teste, diferenciando um dos outros. Assim, conclui-se duas coisas: - quando "ouvimos dizer" que os amplificadores antigos eram melhores que os novos, existe realmente um fundo de verdade nisso, simplesmente porque as normas antigas eram muito mais rígidas! Não estamos dizendo que comprar um amplificador antigo é melhor que um novo, só estamos explicando o porquê de muitos amplificadores antigos ainda funcionarem bem mesmo depois de décadas de uso - porque para atender as normas antigas eles tinham que ser muito, mas muito bem fabricados - assim como alguns atuais também são. - a comparação de potência entre dois amplificadores deveria ser feita não somente entre os valores RMS deles, mas também em relação às normas. É diferente comparar um amplificador com 1000 Watts RMS IEC-268 com outro EIA-J. É claro que o fabricante deve especificar a norma seguida - os bons fazem isso! 11) No terceiro artigo, disponível em vimos como a potência dos amplificadores se aplica às potências dos alto-falantes. Enquanto potência RMS em amplificadores é medido com uma freqüência única (uma senóide pura), potência RMS em falantes é medida com ruído rosa - todos os sons de 20Hz a 20KHz (ou parte dele, depende da norma), o que é um teste bem mais "duro" do que o teste com uma freqüência única. Também vimos que os falantes são fabricados para suportar picos de até quatro vezes (+6dB) que a potência RMS especificada. Aplicação prática: para termos potência de pico igual tanto em falantes quanto em amplificadores, temos que ter o dobro da potência RMS de amplificadores em relação às caixas acústicas. Se temos 4 caixas de 200W RMS cada uma (total de 800W), precisaremos de um amplificador de 1.600W RMS (levando em conta a potência do amplificador na impedância das caixas) para "empurrar" isso tudo com a máxima eficiência e mínima chance de problemas. 12) No segundo e terceiro artigos, fomos apresentados ao "Fator de Crista". Um sinal tem pequenas variações de volume, entre o seu valor médio e o valor de pico. Por exemplo: - Fator de crista de uma senóide pura: cerca de 3dB - Fator de crista de ruído rosa: cerca de 6dB - Fator de crista de Jazz: cerca de 15 a 20dB - Fator de crista de Axé: cerca de 10 a 14dB - Fator de crista de Rock pesado: cerca de 10 a 12dB - Fator de crista de Música Eletrônica dançante: cerca de 7dB Aplicação prática: são os fatores de crista diferentes o motivo pelo qual os amplificadores (testados com

4 senóides puras, crista de +3dB) devem ter o dobro de potência dos falantes (testados com ruído rosa (+6dB). Fazendo isto, teremos picos máximos iguais, sem distorções! Além disso, esses valores de fator de crista entrarão no cálculo da potência necessária para sonorizar um determinado ambiente, como visto no quarto artigo da série: 13) Potência musical e potência de pico em amplificadores e alto-falantes tem nomes iguais mas significados muito diferentes. Aplicação prática: em amplificadores, a potência musical e a potência de pico se confundem, pois ambas correspondem ao valor de crista, ou seja, +3dB, ou o dobro da potência RMS do equipamento. Em altofalantes, por sua vez, potência musical corresponde ao dobro da potência RMS, (+3dB), e potência de pico corresponde ao valor de crista, ou seja, +6dB (quatro vezes mais). Mas a grande aplicação prática disso tudo é: esqueça potência musical e de pico, que só servem para confundir. Sempre baseie todas as decisões sobre potência com base nos valores RMS. 13) Quando a potência do amplificador é excedida ao seu limite, ele entra em regime de distorção - clipping. O clipping (formação de ondas quadradas) é extremamente perigoso aos falantes, sendo a principal causa de queima dos mesmos. Aplicação prática: as luzes indicativas de clipping nos amplificadores não são meros enfeites. Elas indicam que a potência máxima tem sido excedida, e que a solução é um novo amplificador, mais potente (ou uma correção na estrutura de ganhos do sistema)! Além disso, deve-se preferir a compra de amplificadores com circuitos limitadores, que examinam eletronicamente a forma de onda de saída, não permitindo a formação das ondas quadradas. Mas não quer dizer que quem tem amplificador com relação menor que 2:1 (potência do amp x potência da caixa) precisa trocar o equipamento. Muitas vezes temos um equipamento com muito mais potência do que o necessário para o local e/ou evento, e o clipamento nunca acontece. Mas precisamos estar atentos à luz de clipping dos amplificadores, e tomar as devidas providências caso elas estejam sendo acionadas continuamente. 14) Existem várias normas de medição de potência em alto-falantes, sendo as mais comuns as AES2-1984, IEC e EIA RS-426A. No Brasil, temos norma própria, NBR Aplicação prática. Da mesma forma que em amplificadores, alto-falantes devem ser comparados norma a norma (AES com AES, IEC com IEC, etc). E da mesma forma como os melhores fabricantes de amplificadores também citam as normas de testes utilizadas, os melhores fabricantes de alto-falantes no Brasil também citam a norma utilizada (NBR ). Essa informação deve constar nas informações sobre o produto (manual, caixa, etc.) Prefira sempre fabricantes que especificam a norma utilizada nos seus testes. 15) Alto-falantes de médios e agudos tem sua potência especificada a partir de uma determinada faixa de frequências. Aplicação prática: o ruído rosa, utilizado no teste dos falantes, tem um forte componente de sons graves, que alto-falantes de médios e agudos não tem a capacidade de responder, transformando esta energia em calor. Assim, quanto mais "filtrado" (menos graves existirem) for o ruído de teste de médios e agudos, a tendência é que eles aceitem uma potência maior. Isso se traduz que, na hora de escolher um alto-falante de médios e/ou agudos, precisamos ter em mente a partir de qual freqüência ele começará a responder. Isso afetará diretamente a potência suportada pelo falante. Finalmente, nos quarto e quinto artigos da série, disponíveis em

5 examinamos uma pergunta que todo mundo faz: 16) Quanto de potência realmente necessitamos? Se vou comprar caixas e/ou amplificadores, qual a potência que devo comprar? São perguntas muito válidas, já que o custo destes equipamentos (tanto caixas quanto amplificadores) está diretamente relacionado com a potência suportada. Só que, como são artigos longos e com assunto complicado, em vez de tentar resumi-los, vou apresentar dois exemplos práticos, com base na igreja em que reúno e no Anfiteatro onde trabalho na sonorização. A fórmula base é: Exemplo 1: Igreja com 13m de comprimento por 7m de largura, com telhado colonial em forma de V invertido, com altura indo de 3,5 metros a até 7 metros de altura (média de altura = 5 metros), com boa acústica. Quanto ao nível e ao TPM No artigo, vimos que o nível é o volume médio que o engenheiro de som (ou o operador de som) deseja encontrar, medido geralmente na posição do ouvinte mais distante da fonte sonora. Isso depende de vários fatores, tais como ruído de fundo do local (quanto mais alto for o ruído de fundo, mais alto será o nível médio de volume necessário) e também do estilo musical (heavy metal abaixo de 100dB não tem graça, por exemplo). Podemos estabelecer valores para esses níveis baseados na observação de eventos semelhantes, em locais semelhantes, quando possível, com a ajuda de um decibelímetro. Como tenho um aparelho desses, realizei diversas medições na igreja e descobri que o volume médio na pregação gira em torno de 70dB SPL, e o volume médio é de 80dB SPL na hora de cantar os hinos. Os picos máximos que já medi (alguns hinos são mais fortes e o povo se "empolga") foram até 96dB SPL, tudo isso com a medição feita no meio do templo (a 7 metros da fonte sonora). Assim, vou estabelecer o nível médio de volume como 80 db SPL e para o TPM (os picos e transientes) vou estabelecer o valor de 20dB, o que me permitirá um valor máximo de até 100dB SPL dentro da igreja nos picos, o que é um exagero, os vizinhos que o digam. Mas como já cheguei a medir 96dB, então vou deixar estes 4dB como reserva para algum "acidente" (uma microfonia, um microfone ligado que cai no chão, etc). Essas minhas medições foram feitas na metade do comprimento da igreja (7m), e não na parte mais distante em relação à fonte sonora (13m). Ou seja, os valores que estou usando estão "inchados", o que

6 vai resultar em mais potência que o realmente necessário. O uso do decibelímetro é uma ferramenta interessante para o cálculo do nível e da TPM porque ele apresenta os valores reais encontrados. Tanto pode calcular o nível médio (alguns tem função de calcular o nível médio por um determinado tempo) quanto os picos obtidos (a TPM). É uma tremenda ajuda prática para se chegar a este valor. Quanto às medições, elas devem ser feitas com base no dia em que a igreja estiver mais cheia, e se possível com os hinos "mais animados" possíveis, de forma a se obter os valores máximos que poderemos encontrar na igreja, em uma situação real. Quanto à atenuação Aqui é que a coisa complica, e muito. Calcular RT 60 de ambiente é realmente complicado, e é nesse cálculo que se baseia a atenuação em um ambiente fechado. Podemos sempre usar a atenuação para espaço aberto (no caso, 13 metros equivale a atenuação de 22,28dB) mas usar este valor resultará em níveis de potência muito mais altos que o necessário. Assim, vamos utilizar as 3 tabelas de atenuação encontradas na parte V desta série, que contemplam ambientes pequenos, médios e grandes, com acústica boa, razoável e ruim (RT 60 de 1,5s, 3s e 5s, respectivamente). De acordo com essas tabelas, para um ambiente pequeno com acústica boa, temos então o valor de 15,38dB para distâncias de 13 metros. Note que o ambiente pequeno proposto pela tabela (7 x 10 x 20) é bem maior que as nossas dimensões reais (5 x 7 x 13). Neste caso, a atenuação real da minha igreja será provavelmente menor que o valor de 15,38 db, mas infelizmente, sem mais cálculos (e provavelmente a ajuda de um engenheiro), não sabemos dizer o quanto menor. Só que isso pode afetar as contas. Atenuação menor significa menor necessidade de potência também (quanto maior a atenuação, mais potência precisamos. Quanto menor a atenuação, menos potência necessitamos). Ou seja: será mais um fator para "exagerar" na potência necessária. Quanto à sensibilidade das caixas As caixas da minha igreja são Yorkville (canadenses), de fantásticos 100dB/1W/1m. "Falam muito, muito mesmo", como se diz no popular. E isso é bom: quanto maior a sensibilidade das caixas, menos potência necessitaremos. De posse de todos os dados, finalmente, podemos chegar à conclusão: Dados: D2 = 15,38 => arredondando, 15 Nível desejado = 80 TPM = 20 Sensibilidade = 100 Logo: ERP = 10 elevado a [( )/10] ERP = 10 elevado a [15/10] ERP = 31,6 Watts RMS Note: este é o valor da potência mínima para sonorizar o ambiente em questão nos termos propostos (volume médio de 80dB e picos até 100dB). Não há problema algum em haver mais potência que isso, mas infelizmente paga-se por algo que não vai se usar! Surpreso com o valor tão baixo? Este autor também! Até refiz as contas para ver se realmente é só isso, ainda mais considerando que há vários "exageros" (níveis e TPM calculados na metade da igreja e não na posição mais longe, valor de atenuação provavelmente menor dado o tamanho do local, etc). E pensar que nós usamos um amplificador Ciclotron DBK 1500 que entrega 220W totais em 8 Ohms (sempre considere a potência em relação à impedância das caixas). Um "mísero" DBK 360* (54W totais em 8

7 Ohms) atenderia à igreja perfeitamente! É claro que um valor tão baixo só foi possível graças às caixas acústicas, de primeiríssima linha. Com caixas mais simples, de menor sensibilidade, precisaríamos de mais potência. Por exemplo, com caixas de 97dB/1W/1m, já precisaríamos de 63 Watts RMS, e o DBK 360 não mais nos atenderia. Com caixas de 94dB/1W/1m precisaríamos de 126 Watts RMS (valor superior ao máximo possível em um DBK 720, de 108W em 8 Ohms). *Usamos por muitos anos um DBK 720, que também nos atendeu perfeitamente, sem nunca clipar. Mas ganhamos o DBK 1500 e sabem como é... Quanto à distribuição do som no ambiente e nas caixas acústicas. Como visto nos comentários à parte IV (http://www.somaovivo.mus.br/forum/viewtopic.php?t=890), a implementação dos cálculos de potência é feita caixa por caixa, ambiente por ambiente! Isso quer dizer que deverá levar em conta o tipo de ambiente e a dispersão sonora (como o som é "espalhado" pela caixa acústica em um ambiente). Isso é um pouco complicado de explicar, então vou fazê-lo pelo exemplo. A minha igreja é retangular (comprimento maior que a largura), as duas caixas existentes ficam na parede rente ao altar, e ambas as caixas tem ângulos de cobertura que atendem toda à igreja, na posição em que estão instaladas. Ou seja: qualquer pessoa dentro da nave ouve as duas caixas. Logo, ouve a soma dos sons por elas produzidos. Conseqüentemente, podemos dividir a ERP necessária pelo pelo conjunto de caixas (no caso, 15,5W para cada uma). Entretanto, isso não é sempre válido. Há igrejas de diversas formas e formatos, e muitas vezes as caixas acústicas não tem dispersão sonora suficiente para abranger todo o ambiente. Então, nestes casos, precisaremos calcular a potência necessária ambiente por ambiente. Por exemplo, uma igreja com uma ou duas laterais (como as igrejas com nave em forma de cruz no desenho acima). Sendo estas laterais atendidas por caixas específicas, precisamos refazer os cálculos em relação a estes ambientes, agora considerando a distância entre a caixa e o ouvinte mais distante na

8 própria lateral. Sempre é preciso levar em conta o tamanho e formato do ambiente e a dispersão sonora da caixa. Muitas vezes temos caixas de dispersão sonora estreita, que atenderão somente a uma parte do público cada uma. Nestes casos, a conta de potência é feita caixa por caixa. Alguns exemplos: Observe, na figura acima, que cada caixa atende a um "pedaço" específico da igreja. Neste caso, precisamos calcular a potência necessária caixa por caixa. Neste caso, as caixas estão instaladas juntas, formando o que chamamos de "cluster", um conjunto de caixas que funcionam como se fossem uma só. Neste caso, podemos calcular a potência necessária uma única vez, e dividir pela quantidade de caixas que compõem o cluster. Note também que a igreja é comprida, e que há dois conjuntos de caixas, logo teremos dois cálculos. O primeiro cálculo é feito em relação ao primeiro cluster e o seu ouvinte mais distante, que no caso é aquele que estiver sentado abaixo do segundo cluster. Depois, calculamos a potência necessária em relação ao do segundo cluster até o final da igreja.

9 Neste caso, semelhante à minha igreja, as caixas estão posicionadas de modo que atendem a todo o templo, ou seja, quem estiver sentado em qualquer lugar as ouvirá em conjunto. Logo, podemos calcular a ERP necessária e dividir a potência pelas duas caixas. Já se as caixas estivessem situadas mais próximas do painel e voltadas para atender a apenas uma grupo de cadeiras, teríamos que fazer o cálculo caixa por caixa. Repare: cada caso é um caso, e exige conhecimentos da dispersão do som pelas caixas e pelo ambiente. Um engenheiro/consultor é realmente de grande ajuda nesta hora. Exemplo 2: Templo 1 do Anfiteatro, com 100m de largura por 40m de comprimento, com teto situado à 9 metros de altura, com acústica razoável. Existem dois grupos de caixas acústicas, instaladas a 8 metros de altura, um grupo rente à parede do altar, outro grupo na metade da distância. São 5 caixas por grupo, espalhadas pela largura. Quanto ao nível e ao TPM Lá no Anfiteatro, já medimos volumes semelhantes ao da igreja (mesma denominação, hinos semelhantes, etc), também com 80dB SPL médios. Entretanto, os picos aumentaram bastante, de até 101dB SPL. Apesar do TPM existente ser de 21dB, vou manter o valor de 20dB, já que a única vez em que isso aconteceu o brigueiro (para abaixar o volume) foi grande, e esperamos que nunca mais se repita. Mas, se acontecer novamente, esperamos que o headroom do amplificador (+3dB) "dê conta do recado" para suportar esse +1dB. Note que o headroom do amplificador não entra na conta. Ele funciona como uma margem de segurança adicional, que servirá para, em casos extremos, proteger o próprio amplificador e os falantes. Além disso, não é possível garantir que o amplificador tenha headroom de +3dB, já que existem fabricantes e fabricantes. Quanto à atenuação Novamente voltando às tabelas de atenuação existentes na parte V desta série de artigos, temos então

10 um ambiente grande, com acústica razoável. Só que, como as caixas ficam penduradas no alto, precisamos primeiro calcular a máxima distância entre a fonte sonora e o ouvinte mais distante. Linearmente (medido no chão), ninguém está a mais de 20 metros de distância da caixa, já que existem duas linhas de caixas. Só que, como as caixas estão a 8 metros de altura, precisamos aplicar o Teorema de Pitágoras para descobrir a real distância entre a caixa e o ouvinte mais distante (que equivale à hipotenusa): Hipotenusa² = Altura² + Comprimento² Hipotenusa² = 8² + 20² Hipotenusa² = Hipotenusa = 21,5 metros. Vamos arredondar para 21 metros. Quanto à sensibilidade das caixas No caso, a sensibilidade de cada caixa é de 95dB/1W/1m Então, nossos novos dados são: D2 para 21 metros neste ambiente = 25,58 (arredondando, 26) TPM = 20 Nível desejado = 80 Sensibilidade = 95 Logo: ERP = 10 elevado a [( )/10] ERP = 10 elevado a [26/10] ERP = 398 Watts RMS, arredondando, 400 W RMS. Só que agora é por caixa! Vejamos o porquê. Quanto à distribuição do som no ambiente e nas caixas acústicas Este Anfiteatro tem muito mais largura que comprimento, e foi dividido em 10 "setores", cada um de 20m x 20m (totalizando os 100m x 40m do local). Cada caixa foi construída com dispersão sonora para atender a um determinado setor apenas. Quem estiver sentado em um setor, não ouvirá o som proveniente de outras caixas (ouvirá algo sim, mas reflexões e reverberações, e não som direto). Logo, neste caso, a conta é feita caixa por caixa, já que cada setor trabalha de forma independente do outro! E mesmo que as caixas fossem de dispersão ampla, por causa da grande largura, não seria possível a quem estivesse de um lado do templo ouvir o som de outras caixas situadas a quase 100 metros de distância. Ou seja: mesmo sendo um "único espaço real", a forma de instalação do templo, das caixas e o tipo de caixas o transforma em diversos "microambientes". Assim, precisaremos de Watts de potência (400W por caixa x 10 caixas), na impedância das caixas (8 Ohms). Como os amplificadores disponíveis lá são Ciclotron PWP 6000, de 1500W totais em 4 Ohms e 900W totais em 8 Ohms, estão entregando 450W por caixa, o que realmente não está exagerado. São 5 PWP 6000 alimentando 10 caixas, 1 caixa para cada canal de amplificador, fora 2 outros PWP 6000 para alimentar retornos dos músicos e pastores mais um de reserva para eventualidades.. Mas observem que poderia-se ainda economizar um bom dinheiro neste sistema. Vejamos como. À primeira vista, poderíamos pensar em ligar duas caixas de 8 Ohms por canal do amplificador, obtendo assim 4 Ohms e aproveitando a potência máxima por canal, 750W, que o amplificador pode disponibilizar. Só que precisamos de 400W por caixa, no mínimo, e neste caso teríamos 375Watts por caixa, o que não atenderia. Além disso, com duas caixas por canal, perderíamos a chance de ter controles individuais das caixas, setor a setor, que fazemos no próprio amplificador e é um recurso bastante útil (podemos aumentar/abaixar o volume de cada setor, de acordo com a quantidade de público nele situado). Mas existe outra solução que proporcionaria economia e ainda permitiria o controle individual das caixas: se as caixas fossem de 4 Ohms em vez dos atuais 8 Ohms, os amplificadores poderiam ser os Ciclotron PWP 4000, que entregam 500W por canal em 4 Ohms, atendendo plenamente à ERP. Economiza-se uma boa diferença, já que os modelos 4000 são aproximadamente R$ 400,00 mais baratos que os modelos 6000 (preços em relação à linha DBL, já que os PWP não são mais fabricados). São R$

11 2.000,00 de diferença! Quanto à potência das caixas Observe que, até o presente momento, falamos na potência que o amplificador precisará entregar às caixas, e não às próprias potências das caixas. No caso dos amplificadores já existentes, PWP 6000, que entregam 450W por canal em 8 Ohms, cada caixa então deverá aceitar 225W em 8 Ohms (qualquer valor entre 200W e 250W estaria bom, +/- 10%), atendendo então a regra da caixa acústica ter metade da potência do amplificador, sempre em RMS. Se usássemos os PWP 4000, de 500W em 4 Ohms, cada caixa deveria ter 250W em 4 Ohms (novamente, qualquer valor entre 225W e. 275W estaria bom). Note que, para um correto dimensionamento do sistema, ou mesmo do projeto de construção de um novo templo, há diversas fases a seguir: - levantamento do nível de volume médio e do TPM desejados - levantamento da quantidade de caixas a serem instaladas e suas localizações - levantamento das distâncias entre cada fonte sonora e o ouvinte mais distante, por ambiente - cálculo das potências desejadas por fonte sonora Finalmente, de posse desses dados, compramos amplificadores junto com as caixas acústicas, de forma a fazer o correto "casamento" das potências em relação às impedâncias. E as caixas ainda deverão ser compradas de acordo com as dispersões sonoras desejadas. Difícil, complicado, e que exige um excelente conhecimento de áudio, mas não impossível! Claro que, para quem não quiser "queimar neurônios", um consultor de áudio é a melhor saída! Aliás, o engenheiro vai aproveitar e indicar o uso de equipamento de delay para a segunda linha de caixas, já que a distância dela para a primeira linha (20 metros) é grande. 17) Dimensionamento de sistemas de sub-woofer. Não temos, mas e se tivéssemos subwoofers no Anfiteatro? O que fazer? Aplicação prática: os sub-woofers respondem a uma faixa de frequência restrita, geralmente complementar às caixas Full-Range (todos os cálculos que fizemos acima foi em relação à caixas fullrange). Por causa disso, a potência dos subs é complementar, separada. Deverá ser feita toda uma conta separada da ERP das caixas full-range, mas a fórmula é a mesma. A fórmula de cálculo é a mesma, mas há pequenos detalhes a observar. Apesar do indicado é termos nível de volume e TPM iguais, para termos equilíbrio entre os valores máximos em todas as faixas de freqüência, muitas vezes calcula-se um pouco mais (+3dB, +6dB, +10dB...) para poder implementar aquele "soco no estômago" de graves, tão comum em alguns estilos musicais. Além disso, dado as características dos sons sub-graves de serem ominidirecionais e de difícil absorção, o posicionamento das caixas pode variar. Acontecendo isso, é necessário recalcular a distância entre cada caixa de sub e o ouvinte mais distante, e conseqüentemente a atenuação. Como falado, é outra conta completamente independente. 18) Dimensionamento de sistemas multi-vias. Muitos PA s profissionais trabalham com sistemas multi-vias, com falantes específicos para sub-graves, graves, médios e agudos. Aplicação prática: é o mesmo princípio de dimensionamento dos subs, só que agora aplica-se para cada falante, via por via. Como cada falante tem sensibilidades diferentes, haverá uma conta diferente, mas sempre levando-se em conta um mesmo nível e uma mesma TPM. E ufa! Acreditamos com este artigo termos encerrado a série sobre potências. Bons cálculos para todos!

Potência, uma coisa mais que complicada Parte V

Potência, uma coisa mais que complicada Parte V Potência, uma coisa mais que complicada Parte V Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Cálculo de potência necessária em um ambiente fechado No artigo anterior, disponível em http://www.somaovivo.mus.br/artigos.php?id=180,

Leia mais

O decibel e seus mistérios - Parte II

O decibel e seus mistérios - Parte II O decibel e seus mistérios - Parte II Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já aprendemos como podemos relacionar decibéis e potências, e já vimos como isso é legal para compararmos potências de sistemas

Leia mais

Amplificadores, Caixas Acústicas e uma tal de impedância - Parte 2

Amplificadores, Caixas Acústicas e uma tal de impedância - Parte 2 Amplificadores, Caixas Acústicas e uma tal de impedância - Parte 2 Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro No artigo anterior, tratamos da teoria envolvendo os fatores citados acima. Neste, vamos tentar

Leia mais

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Autor: Fernando A. B. Pinheiro Entrar em uma loja e escolher os falantes é facílimo. Conseguir um marceneiro para fabricar

Leia mais

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Um dos trabalhos do operador de som é tirar o máximo proveito do seu sistema de sonorização,

Leia mais

O decibel e seus mistérios - Parte I

O decibel e seus mistérios - Parte I O decibel e seus mistérios - Parte I Autor: Fernando A. B. Pinheiro Tudo começou por causa de uma característica do ouvido humano. Se chamarmos de "1" a menor quantidade de som que podemos perceber (menos

Leia mais

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms INTRODUCÃO AMPLIFICADOR MANUAL DE INSTRUÇÕES HD 1600 HD 2200 HD 2800 Nós da HURRICANE agradecemos pela escolha dos nossos produtos. Nossos amplificadores são projetados para oferecer a mais alta performance.

Leia mais

INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR.

INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR. INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR. A maneira como utilizamos os alto-falantes pode implicar em ganhos ou perdas de potência de um amplificador. Um ganho de potência pode

Leia mais

Acabando com a "Guerra do Volume"

Acabando com a Guerra do Volume Acabando com a "Guerra do Volume" Autor: Fernando A. B. Pinheiro Desde que comecei a trabalhar com sonorização em igrejas, há 15 anos, sempre vi uma guerra ser travada a cada culto e evento realizado.

Leia mais

Carros e Alto-falantes

Carros e Alto-falantes Carros e Alto-falantes TODOS OS DIREITOS RESERVADOS E PROTEGIDOS POR LEI. NENHUMA PARTE DESTA APOSTILA PODERÁ SER REPRODUZIDA OU TRANSMITIDA SEJAM QUAIS FOREM OS MEIOS: ELETRÔNICOS, FOTOGRÁFICO, GRAVAÇÃO

Leia mais

Eletricidade e Sonorização - Parte 2 - Dimensionamento do sistema elétrico

Eletricidade e Sonorização - Parte 2 - Dimensionamento do sistema elétrico Eletricidade e Sonorização - Parte 2 - Dimensionamento do sistema elétrico Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro O operador de um sistema de áudio sempre precisa saber a estimativa de consumo elétrico

Leia mais

Arte em reprodução eletrônica

Arte em reprodução eletrônica caixa B&W 805D, amplificador integrado NAD M2, integrado AMC XIA e pré-processador Krell evolution 707 a forma da sedução B&W 805D NAD M2 nova geração de amplicadores digitais Arte em reprodução eletrônica

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj para Limiters dos DSPs

Utilizando o Calculador Etelj para Limiters dos DSPs Utilizando o Calculador Etelj para Limiters dos DSPs Original 19 03 2013 Homero Sette Modificado 03 05 2013 Este utilitário permite o cálculo dos níveis a serem aplicados nas entradas threshold dos limiters

Leia mais

TONALIDADE X FREQUÊNICA

TONALIDADE X FREQUÊNICA Som, notas e tons TONALIDADE X FREQUÊNICA O violão é um instrumento musical e o seu objetivo é fazer música. Música é a organização de sons em padrões que o cérebro humano acha agradável (ou pelo menos

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

Multímetro, um grande amigo do operador de som

Multímetro, um grande amigo do operador de som Multímetro, um grande amigo do operador de som Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro O multímetro, ou multitester, é um equipamento utilizado para medições de componentes elétricos, mas muitos dos seus

Leia mais

SERIES MANUAL TÉCNICO

SERIES MANUAL TÉCNICO SERIES MANUAL TÉCNICO F112D Compact High Power Loudspeaker Dimensões: Peso: Construção: Acabamento: Tela de proteção: Conexão de áudio: Conexão de AC: 606mm x 400mm x 357mm (AxLxP) 31,5kg MadeFibra Poliéster

Leia mais

Apostilas em formato A4 Impressas individualmente

Apostilas em formato A4 Impressas individualmente Apostilas em formato A4 Impressas individualmente Não são cópias Papel e impressão de Alta Qualidade OBS: a qualidade das apostilas impressas é superior à qualidade da amostra que você vê aqui. 23.4 Comparativo

Leia mais

Medida Doppler da velocidade de uma bola de futebol

Medida Doppler da velocidade de uma bola de futebol UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Medida Doppler da velocidade de uma bola de futebol Anderson

Leia mais

Para garantir que você tenha toda a performance do seu amplificador e evitar prejuízos procure instaladores especializados.

Para garantir que você tenha toda a performance do seu amplificador e evitar prejuízos procure instaladores especializados. Prezado Cliente, Parabéns pela aquisição de um dos mais conceituados amplificadores automotivos do mercado brasileiro. Os aparelhos da Power Systems Audio são fabricados com as melhores marcas de componentes

Leia mais

Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais

Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais Caros amigos, Um sistema de sonorização têm basicamente a função de transformar energias. Capta-se a energia acústica, através dos microfones

Leia mais

G 086 - BALDE. fibrasom@fibrasom.com.br Fone: (11) 4075.4476

G 086 - BALDE. fibrasom@fibrasom.com.br Fone: (11) 4075.4476 G 086 - BALDE Impedância Nominal: 8 Ohms Potência Musical: 200 Watts Potência RMS : 100 Watts Resposta de Freqüência: 100 Hz a 19 Khz 01 Falante 6' 01 Tweeter 3' Altura: 305 mm Largura: 360 mm Profundidade:

Leia mais

Caixas Band Pass Em Regime De Potência

Caixas Band Pass Em Regime De Potência Caixas Band Pass Em Regime De Potência Homero Sette Silva, Eng. Rosalfonso Bortoni, MSc UNIVERSIDADE FEDERAL ELETRÔNICA SELENIUM S.A. DE SANTA CATARINA Quatro caixas acústicas para subgraves (três do tipo

Leia mais

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final Computadores VII: Digitalizando Sons - Final A2 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050808.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 08/08/2005 Autor: B.Piropo Semana passada vimos

Leia mais

MÓDULOS PLUG & PLAY. MÓDULO ADL Manual de referência

MÓDULOS PLUG & PLAY. MÓDULO ADL Manual de referência MÓDULOS PLUG & PLAY MÓDULO ADL Manual de referência Parabéns pela aquisição de um produto STUDIO R! Eles foram projetados para anos de operação confiável sob as mais rigorosas condições. Seu STUDIO R deverá

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Eletrônica Reatância Capacitiva

Eletrônica Reatância Capacitiva Eletrônica Reatância Capacitiva Módulo II FILTROS ATIVOS E PASSIVOS (REATÂNCIA CAPACITIVA) Objetivos Após completar o estudo desta apostila o aluno deverá estar apto a Distinguir os tipos básicos de filtros

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 32 ACÚSTICA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 32 ACÚSTICA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 32 ACÚSTICA (FIOLHAIS, C. Física divertida. Brasília: UnB, 2001 [Adaptado].) Em qual das situações a seguir está representado o fenômeno descrito no texto? a) Ao se esconder

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de som e vibração Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Fundamentos

Leia mais

A Empresa. Missão: Visão:

A Empresa. Missão: Visão: A Empresa Criada em 15 de dezembro de 1993, com sede na Av. Julio Borella, 1418, em Marau-RS, a Eco Som iniciou suas atividades a partir da idéia dos sócios e músicos Valter Bido e Ademar de Oliveira,

Leia mais

O presente material se baseia nos equipamentos fornecidos pelo PES às ICM, um kit composto pelos seguinte equipamentos: ( que chamaremos de KIT )

O presente material se baseia nos equipamentos fornecidos pelo PES às ICM, um kit composto pelos seguinte equipamentos: ( que chamaremos de KIT ) Prefácio O presente material se baseia nos equipamentos fornecidos pelo PES às ICM, um kit composto pelos seguinte equipamentos: ( que chamaremos de KIT ) 1 mesa de som 6 canais ( MXS6 ou MXS6II Wattsom

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom e seguro funcionamento

Leia mais

Subgrupos e endereçamentos encontre o seu caminho na mesa de som

Subgrupos e endereçamentos encontre o seu caminho na mesa de som Subgrupos e endereçamentos encontre o seu caminho na mesa de som Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já se perguntaram como é que um único operador pode tomar conta de uma grande mesa de som com 40,

Leia mais

G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o

G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o C r o C r s o s o s v o v e e r r E l e t r ô n i c i c o o 2 2 V i V a s i a s G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o Se desejar um rápido esclarecimento sobre a instalação do crossover eletrônico

Leia mais

www.powersystemsaudio.com.br

www.powersystemsaudio.com.br Prezado Cliente, Parabéns pela aquisição de um dos mais conceituados amplificadores automotivos do mercado brasileiro. Os produtos Power Systems são fabricados com as melhores marcas de componentes do

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA 1 2 INTRODUÇÃO Obrigado por adquirir nosso produto e confiar na marca BOOG. Esteja certo de que você acaba de adquirir um produto de eficiente desempenho,

Leia mais

Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock. Manual do Usuário

Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock. Manual do Usuário Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock Manual do Usuário Model 7 Pré-amplificador com Timbre Lock Manual do Usuário Queremos agradecer sua escolha do AUDIOPAX Model 7. Sabemos que você deve estar ansioso

Leia mais

o lado transparente do som cd player moon 750d Arte em reprodução eletrônica

o lado transparente do som cd player moon 750d Arte em reprodução eletrônica cd player moon 750d, amplificador integrado ax-7 e cd player cx-7 ayre, integrado vincent SV-226MKII e caixas acoustic energy radiance 3 Arte em reprodução eletrônica 0 0 1 7 1 0 0 1 6 5 0 0 1 7 2 0 0

Leia mais

HEAVY-DUTY POWER AMPLIFIER 400 HEAVY-DUTY POWER AMPLIFIER

HEAVY-DUTY POWER AMPLIFIER 400 HEAVY-DUTY POWER AMPLIFIER +20 +20 CLASS AB AMPLIFIER CLASS AB FAULT / READY AMPLIFIER LIMITER A SIGNAL B ON +4 +4 +20 +20 CLASS AB AMPLIFIER CLASS AB FAULT / READY AMPLIFIER LIMITER A SIGNAL B ON +4 +4 c omposta por 2 modelos,

Leia mais

Escolhendo o melhor microfone dinâmico para os vocais da igreja

Escolhendo o melhor microfone dinâmico para os vocais da igreja Escolhendo o melhor microfone dinâmico para os vocais da igreja Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Não tem jeito: onde há sonorização ao vivo, temos também presentes os microfones dinâmicos de mão

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

SERIES MANUAL TÉCNICO M112D

SERIES MANUAL TÉCNICO M112D SERIES MANUAL TÉCNICO M112D High Power Stage Monitor Dimensões: Peso: Construção: Acabamento: Tela de proteção: Conexão de áudio: Conexão de AC: 382mm x 485mm x 660mm (AxLxP) 36kg MadeFibra Poliéster preto

Leia mais

PowerClick modelo XLR S foi desenvolvido para oferecer alta qualidade de som em monitoração de áudio por fones de ouvido.

PowerClick modelo XLR S foi desenvolvido para oferecer alta qualidade de som em monitoração de áudio por fones de ouvido. Modelo XLR S PowerClick modelo XLR S foi desenvolvido para oferecer alta qualidade de som em monitoração de áudio por fones de ouvido. Este modelo é um equipamento estéreo, oferecendo opção MONO, por chave

Leia mais

Limitando a Potência em Drivers e Alto-Falantes

Limitando a Potência em Drivers e Alto-Falantes Limitando a otência em Drivers e lto-alantes O uso de crossovers eletrônicos em sistemas profissionais não constitui, hoje, nenhuma novidade, mas o emprego de processadores eletrônicos é algo que, somente

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA AB 2200 PLUS AMPLIFICADOR DE POTÊNCIA ESTÉREO PARA AUTOS Car Stereo Booster 360W POTÊNCIA DE SAÍDA (PMPO) CARACTERÍSTICAS 1 Estando conectado à saída para

Leia mais

TubePRE. Pré Amplificador Valvulado de Um canal c/ medidor VU. Manual do Usuário VERSÃO 1.0

TubePRE. Pré Amplificador Valvulado de Um canal c/ medidor VU. Manual do Usuário VERSÃO 1.0 TubePRE Pré Amplificador Valvulado de Um canal c/ medidor VU Manual do Usuário VERSÃO 1.0 Garantia Limitada PreSonus PreSonus Áudio Electronics Inc. garante o material e a mão-de-obra necessários para

Leia mais

Sociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apresentado na XV Convenção Nacional

Sociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apresentado na XV Convenção Nacional Sociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apresentado na XV Convenção Nacional 17 a 19 de Maio de 2011, São Paulo, SP Este artigo foi reproduzido do original entregue pelo autor, sem edições,

Leia mais

Selenium. na arena do Pan

Selenium. na arena do Pan LINE ARRAY Selenium na arena do Pan A Arena Multiuso, construída na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, para os jogos Pan-americanos, foi sonorizada durante todo o evento com o Line Array Selenium modelo

Leia mais

Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia

Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia Eletricidade e Sonorização - Parte 5 - Filtragem, Estabilização e Suprimento alternativo de energia Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já vimos que a energia elétrica que utilizamos pode estar contaminada

Leia mais

3.1. Classifique: 3.1.1. o tipo de movimento da formiga. 3.1.2. o tipo de movimento da barata.

3.1. Classifique: 3.1.1. o tipo de movimento da formiga. 3.1.2. o tipo de movimento da barata. Escola Secundária Vitorino Nemésio Segundo teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 10 de Dezembro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

MU240 75 Watts RMS 1 Falante 12 e Drive Piezo Equalização ativa 3 vias (Bass, Middle e Treble) Canal 1 : Guitarra ou Violão (Entrada Low e High)

MU240 75 Watts RMS 1 Falante 12 e Drive Piezo Equalização ativa 3 vias (Bass, Middle e Treble) Canal 1 : Guitarra ou Violão (Entrada Low e High) MU100 25 Watts RMS 1 Falante 6 com difusor Equalização ativa 2 vias (Bass,Treble) Canal 1 : Microfone ou Guitarra Canal 2 : BLUETOOTH, USB, SD Card, FM Teclado, Auxiliar e Controle remoto Largura 290mm

Leia mais

EQUALIZER ON MIC/ GUITAR -12 +12 LOW AUX./LINE VOLUME CD/DVD/MP3-4. 0004 128 NOR 0177 1 Mp3 MODE REPEAT FOL- 01:36/04:47 TesteOneal.

EQUALIZER ON MIC/ GUITAR -12 +12 LOW AUX./LINE VOLUME CD/DVD/MP3-4. 0004 128 NOR 0177 1 Mp3 MODE REPEAT FOL- 01:36/04:47 TesteOneal. FOL+ MODE REPEAT MUTE PLAY/PAUSE FOL- VOL- VOL+ Caixa Multiuso Ocm29 1 2 EQUALIZER POWER PEAK ON MIC/ GUITAR 1 VOLUME 1 AUX./LINE VOLUME CD/DVD/MP3-4 LOW HIGH I LINE/ ACTIVE GUITAR 4 128 NOR 177 1 Mp3

Leia mais

O S OM NAS IGREJAS ÍNDICE

O S OM NAS IGREJAS ÍNDICE ÍNDICE O S OM NAS IGREJAS 1 - O SOM... 2 1.2 - Frequência do Som... 2 1.3 - Pressão Sonora... 2 1.4 - Onda Sonora... 2 1.5 - Decibel... 2 1.6 - Faixa Dinâmica... 3 1.7 - Equipamentos Básicos (caminho do

Leia mais

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais).

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais). Ondas Sonoras: - São ondas longitudinais de pressão, que se propagam no ar ou em outros meios. - Têm origem mecânica, pois são produzidas por deformação em um meio elástico. - As ondas sonoras não se propagam

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som?

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? A U A UL LA Ultra-som Introdução Você sabia que, por terem uma visão quase nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? Eles emitem ondas ultra-sônicas e quando recebem o eco de retorno são capazes de

Leia mais

Trigonometria na circunferência

Trigonometria na circunferência Módulo 2 Unidade 10 Trigonometria na circunferência Para início de conversa... Figura 1: Reportagem do jornal O Globo da década de 1990 mostra o relógio da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, sendo limpo

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Áudio, vídeo e acústica com louvor

Áudio, vídeo e acústica com louvor André Iunes Pinto Áudio, vídeo e acústica com louvor Igreja Metodista de Belo Horizonte comemora 52 anos regados a tecnologia Desenvolver e executar projetos de sonorização em igrejas certamente não é

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Possíveis problemas

APRESENTAÇÃO. Possíveis problemas Possíveis problemas 1. LED não acende. Verifique se a chave seletora de tensão está na posição correta, e se há tensão no ramal de entrada de energia. Certifique-se de que o cabo de alimentação esteja

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES ATENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Antes de ligar este aparelho pela primeira vez, leia atentamente este manual de instruções. Ele é completo e contém todas as informações necessárias para o bom e seguro funcionamento

Leia mais

Terremotos no Brasil! Os logaritmos podem explicar?

Terremotos no Brasil! Os logaritmos podem explicar? Módulo 3 Unidade 21 Terremotos no Brasil! Os logaritmos podem explicar? Para início de conversa... Vários países do mundo são regularmente atingidos por terremotos ou sofrem indiretamente - mas de forma

Leia mais

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS.

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. FÍSICA PROF. HELTON CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. MOVIMENTO PERIÓDICO Um fenômeno é periódico quando se repete identicamente em intervalos de tempos iguais. Exemplos: DEFINIÇÕES: Amplitude: distância

Leia mais

Objectivos. Classificação dos Sons. Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído

Objectivos. Classificação dos Sons. Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído Ruído Objectivos Classificação dos Sons Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído O som como uma Onda O som propaga-se com um movimento ondulatório, no qual as cristas das ondas são substituídas por compressões

Leia mais

TECLADO. (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento

TECLADO. (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento TECLADO (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento O Piano e o Órgão são os instrumentos musicais mais tradicionais

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

[ Parte integrante da View 49 ] Curso Essilor. de Vendas. [Conferindo qualidade à venda na óptica] e se o cliente disser "não"?

[ Parte integrante da View 49 ] Curso Essilor. de Vendas. [Conferindo qualidade à venda na óptica] e se o cliente disser não? Curso Essilor 5 [ Parte integrante da View 49 ] de Vendas [Conferindo qualidade à venda na óptica] e se o cliente disser "não"? o clien e se o cliente disser u m "não" significa "NÃO", certo? Por incrível

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * TRANSFORMADORES 1Ø DE PEQUENA POTÊNCIA: PROJETO E CONSTRUÇÃO *

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * TRANSFORMADORES 1Ø DE PEQUENA POTÊNCIA: PROJETO E CONSTRUÇÃO * MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * TRANSFORMADORES 1Ø DE PEQUENA POTÊNCIA: PROJETO E CONSTRUÇÃO * Vitória ES 2006 10. TRANSFORMADORES Transformadores são máquinas responsáveis pela transferência de energia

Leia mais

CHANNEL B CLIP. 0dB SIGNAL ACTIVE. -90 db 0 db -90 db 0 db CHANNEL B CLIP. 0dB SIGNAL ACTIVE. -90 db 0 db -90 db 0 db CHANNEL B CLIP.

CHANNEL B CLIP. 0dB SIGNAL ACTIVE. -90 db 0 db -90 db 0 db CHANNEL B CLIP. 0dB SIGNAL ACTIVE. -90 db 0 db -90 db 0 db CHANNEL B CLIP. MANUAL DE INSTRUÇÕES AUDIO SYSTEM EX 200 turbo EX 5200 turbo EX 800 turbo EX 800 turbo EX 6200 turbo EX 2800 turbo POWER AMPLIFIER PRECAUÇÕES AC ATENÇÃO: WARNING CUIDADO DO NOT CHANGE THE INPUT OR OUTPUT

Leia mais

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta)

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) PRODUÇÃO E PERCEPÇÃO DE SONS Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) Tópico Complementar VII do CBC de Ciências Habilidades

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria

CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria CINEMA SB100 alto-falante de barra de som com energia própria Manual de consulta rápida Obrigado por escolher este produto da JBL O alto-falante de barra de som energizado JBL Cinema SB100 é um sistema

Leia mais

Harman do Brasil / Divisão Lifestyle Alan Leider, Marcelo Rigo e Silvio Jr Abril de 2015

Harman do Brasil / Divisão Lifestyle Alan Leider, Marcelo Rigo e Silvio Jr Abril de 2015 Harman do Brasil / Divisão Lifestyle Alan Leider, Marcelo Rigo e Silvio Jr Abril de 2015 1 2 Introdução Por mais de 60 anos, os engenheiros da JBL vêm desenvolvendo com precisão e fidelidade o som disponível

Leia mais

Capítulo XII. Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações

Capítulo XII. Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações 38 Capítulo XII Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações Este é o último capítulo desta série iniciada em janeiro de 2015, em que foram apresentados conceitos de engenharia para

Leia mais

Livro de regras para o competidor

Livro de regras para o competidor Regulamento vigente para campeonato 2015 Categorias abaixo serão divididas em Profissional, Intermediário e amador. - Profissional - (carro com todos os acabamentos livres para serem retirados, tendo cd

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução de Eletrônica Analógica Laboratório No.

Leia mais

A Acústica no Interior de Ambientes

A Acústica no Interior de Ambientes 54 Capítulo 7 A Acústica no Interior de Ambientes O projeto acústico de ambientes é um dos maiores desafios enfrentados por Arquitetos e Engenheiros Civis. Isto em razão da rara literatura em língua portuguesa

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

Chegou a hora de olhar a classe média

Chegou a hora de olhar a classe média Chegou a hora de olhar a classe média Ricardo Paes de Barros (entrevista de Flavia Lima) Valor Econômico, 13.11.2013 Brasil desenhou política de combate à pobreza tão eficiente que está acabando com os

Leia mais

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG QUESTÃO 01 Em uma corrida de Fórmula 1, o piloto Miguel Sapateiro passa, com seu carro, pela linha de chegada e avança em linha reta, mantendo velocidade constante Antes do fim da reta, porém, acaba a

Leia mais

Para que serve o Alto-Falante? O que é som, intensidade, tom,timbre? Estas e outras respostas você encontra neste trabalho sobre alto-falantes.

Para que serve o Alto-Falante? O que é som, intensidade, tom,timbre? Estas e outras respostas você encontra neste trabalho sobre alto-falantes. Para que serve o Alto-Falante? O que é som, intensidade, tom,timbre? Estas e outras respostas você encontra neste trabalho sobre alto-falantes. 1. PARA QUE SERVE O ALTO-FALANTE? A primeira pergunta que

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa Apresentação... Relação das questões comentadas... 10 Gabaritos... 11 www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Esta é a aula demonstrativa

Leia mais

Projeto de inibição de transmissão de voz e dados a partir do sistema penitenciário brasileiro

Projeto de inibição de transmissão de voz e dados a partir do sistema penitenciário brasileiro Projeto de inibição de transmissão de voz e dados a partir do sistema penitenciário brasileiro Pelo documento presente trata-se da solução definitiva de bloqueio de comunicações irregulares partindo de

Leia mais

SERIES AVISOS DE SEGURANÇA

SERIES AVISOS DE SEGURANÇA APRESENTAÇÃO O sistema de caixas-acústicas ativas A é resultado do compromisso contínuo da STANER em projetar, desenvolver e produzir equipamentos profissionais de alto desempenho a fim de atender às necessidades

Leia mais

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES 1 INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população,

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência Edição 08.2007 A&D CS Suporte Técnico Drives HotLine Índice 1. Introdução 2. Condições Ambientais de Operação 2.1 Poluição

Leia mais

21-12-2015. Sumário. Comunicações. O som uma onda mecânica longitudinal

21-12-2015. Sumário. Comunicações. O som uma onda mecânica longitudinal 24/11/2015 Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 1.2 - O som uma onda mecânica longitudinal. - Produção e propagação de um sinal sonoro. - Som como onda mecânica. - Propagação de um som harmónico. - Propriedades

Leia mais

860w 1060w 1062w 1260w 1262w

860w 1060w 1062w 1260w 1262w DEUTSCH ENGLISH R E F E R E N C E 860w 1060w 1062w 1260w 1262w DANSK SVENSK ITALIANO NEDERLANDS ESPAÑOL FRANÇAIS SUOMI Русский POLSKI R E F E R E N C E Obrigado por ter adquirido os subwoofers Série Reference

Leia mais

Apostila de Ensino Violão (Módulo I)

Apostila de Ensino Violão (Módulo I) Apostila de Ensino Violão (Módulo I) APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios práticos criados;

Leia mais

novamente nos encotramos através da M&T. Desta vez veremos os recursos encontrados nas mesas para utilização no monitor.

novamente nos encotramos através da M&T. Desta vez veremos os recursos encontrados nas mesas para utilização no monitor. Mesas Para Monitor Olá amigos, novamente nos encotramos através da M&T. Desta vez veremos os recursos encontrados nas mesas para utilização no monitor. Antes de entrarmos no assunto proposto, gostaria

Leia mais

Para se obter o melhor resultado deste produto, aconselhamos a ler atentamente este manual.

Para se obter o melhor resultado deste produto, aconselhamos a ler atentamente este manual. 0d +3d ON 0 0 série µp de amplificadores destaca-se por um design inovador, baixo perfil (2U rack) e alta confiabilidade. Dentre suas principais características podemos citar:ventilação forçada independente

Leia mais

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental.

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental. Sons Harmônicos Esse assunto é extenso e bastante complexo, sendo objeto de estudo de diversos cursos especializados e de uma vasta literatura no campo da física e da matemática. Como esse não é nosso

Leia mais

CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02

CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02 Olá, amigos! AULA 02 Tudo bem com vocês? E aí, revisaram a aula passada? Espero que sim. Bem como espero que tenham resolvido as questões que ficaram pendentes! A propósito, vamos iniciar nossa aula de

Leia mais

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental.

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental. INTRODUÇÃO Esse trabalho abordará alguns conceitos importantes sobre a Matemática no Ensino Fundamental. Além desse material, indicamos que você leia livros, acesse sites relacionados à Matemática para

Leia mais

Além de operador, também trabalho na área de eletrônica, assim acho que o multímetro é um bom começo para o kit de uma case.

Além de operador, também trabalho na área de eletrônica, assim acho que o multímetro é um bom começo para o kit de uma case. Case Técnica Com certeza, a maleta do agente 007 não ficou famosa apenas pelo charme de James Bond. Ela continha um verdadeiro arsenal, bem como recursos inimagináveis capaz de livrar qualquer um do sufôco.

Leia mais