Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso"

Transcrição

1 Reflexos das customizações na implantação de sistemas ERP: uma comparação entre dois estudos de caso José Henrique de Andrade (EESC-USP) José Renato Munhoz (UFSCAR) Néocles Alves Pereira (UFSCAR) Resumo Os Sistemas ERP (Enterprise Resources Planning) ou Sistemas Integrados de Gestão foram amplamente disseminados e adotados entre as empresas na década de Estes sistemas são uma promessa de integração das informações que permeiam o processo de gestão empresarial, porém a implantação dos mesmos representa um desafio árduo a ser vencido pelas organizações que desejam desfrutar suas vantagens. Diante deste contexto o presente trabalho tem como objetivo analisar os aspectos relacionados à implantação de sistemas ERP no que diz respeito à opção por customizações ou implantação do sistema em sua forma padrão. Para se atingir o objetivo proposto realizou-se uma pesquisa bibliográfica abordando os temas de interesse e a obtenção de dados empíricos a partir do estudo de caso de duas empresas passando por um processo de implantação de sistemas ERP. Como principais resultados obtidos, constatou-se que por mais aderente que seja a solução ERP aos processos de negócio da empresa, algum nível de customização se faz necessário para o aumento das funcionalidades do sistema para a empresa independentemente do porte da mesa da solução ERP adotada. Palavras-chave: ERP; Implantação; Customizações. 1. Introdução Os sistemas ERP (Enterprise Resources Planning) ou sistemas integrados de gestão, surgiram como ferramenta de tecnologia de informação alternativa aos antigos sistemas informatizados desenvolvidos para atender necessidades pontuais dos departamentos ou áreas funcionais das organizações. Como principais vantagens eles eliminam a necessidade de manter diferentes sistemas computacionais, a necessidade de duplicação de esforços e possibilitam a disseminação da informação em tempo real, isto, por sua vez, elimina custos e melhora o processo de tomada de decisão (DAVENPORT, 1998; SOUZA, 2000). Segundo Corrêa, Gianesi e Caon (2001), um sistema dito ERP tem a pretensão de suportar todas as necessidades de informação para a tomada de decisão gerencial de um empreendimento como um todo. Estes sistemas foram amplamente disseminados e adotados entre as empresas na década de 1990, invertendo a lógica dominante existente no passado no desenvolvimento de sistemas de informação, pois como aponta Davenport (1998), antes as empresas decidiam como queriam fazer negócios e depois desenvolviam o software que atendesse aos seus próprios processos de negócio, mas com os sistemas ERP os processos de negócio das empresas geralmente precisam ser modificados para se enquadrarem à lógica do sistema integrado adquirido ou há a necessidade de customizações no sistema. É neste último ponto que surge um grande dilema no processo de implantação destes sistemas: muda o sistema ou muda a empresa?

2 Diante deste contexto, o objetivo deste trabalho é analisar aspectos relacionados à implantação de sistemas ERP no que diz respeito à opção por customizações ou implantação do sistema em sua forma padrão (ocasionalmente exigindo mudanças na empresa). Para atingir o objetivo proposto foi realizada uma revisão bibliográfica a cerca dos temas de interesse e a obtenção de dados empíricos a partir do estudo de caso de duas empresas passando por um processo de implantação de sistemas ERP. 2. Sistemas ERP: Conceito e Evolução Os ERP s podem ser definidos como sistemas de informação integrados adquiridos na forma de pacotes de software comercial com a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma empresa. Estes sistemas são desenvolvidos por empresas especializadas e abrangem a maioria ou a totalidade dos processos empresariais. No geral, encontram-se divididos em módulos que se comunicam e atualizam uma mesma base de dados central possibilitando que as informações alimentadas em um módulo sejam instantaneamente disponibilizadas para os demais módulos que delas dependam. Apresentam-se como uma alternativa para redução tanto do tempo para o desenvolvimento de um sistema integrado, quanto do custo, pois o sistema já está pronto e testado em diversas outras empresas e subentende-se que o custo desse desenvolvimento foi ou está sendo diluído entre as diversas empresas clientes (SOUZA, 2000). Conforme Souza (2000), a sigla ERP foi cunhada por uma empresa americana de pesquisa, o Gartner Group, e a intenção era definir estes sistemas integrados como uma evolução do MRP II (manufacturing resources planning), que, por sua vez, é uma evolução dos sistemas MRP (material requirements planning). Fundamentados no princípio do cálculo de necessidades, os sistemas MRP e MRP II utilizam uma técnica de gestão que permite o cálculo das quantidades e dos momentos em que são necessários os recursos de manufatura, materiais para o caso do primeiro e materiais, pessoas, equipamentos entre outros para o segundo, de forma que sejam cumpridos os programas de entrega de produtos com um mínimo de formação de estoques (CORRÊA e GIANESI, 1993). Conforme Slack et al. (1999, p.326), ao longo do tempo, o conceito de MRP desenvolveu-se de um foco na gestão de operações que auxiliava o planejamento e controle das necessidades de materiais, para se tornar, nos anos recentes, um sistema corporativo que apóia o planejamento de todas as necessidades de recursos do negócio. Segue uma breve descrição da evolução de MRP (Material Requirement Planning ou, Planejamento de Necessidades Materiais) a MRP II (Manufacturing Resources Planning ou, Planejamento de Recursos de Manufatura) a ERP (Enterprise Resources Planning ou, Planejamento de Recursos do Empreendimento). Segundo Corrêa, Gianesi e Caon (2001), o conceito de cálculo de necessidade de materiais é simples e conhecido a muito tempo. Baseia-se na idéia de que, se são conhecidos todos componentes de determinado produto e os tempos de obtenção de cada um deles, pode-se, com base na visão de futuro das necessidades de disponibilidade do produto em questão, calcular os momentos e as quantidades que devem ser obtidas, de cada um dos componentes para que não haja falta nem sobra de nenhum deles no suprimento das necessidades dadas pela produção do referido produto. A técnica do MRP simplifica a gestão de materiais de uma empresa, porém, as outras questões importantes a serem tratadas para quem vive em um ambiente de manufatura, tais como, capacidade de produção e disponibilidade de recursos humanos e equipamentos, não são tratados pelo MRP.

3 É nesse contexto que foi criado um novo tipo de sistema, através da inclusão do cálculo de necessidades de capacidade nos sistemas MRP. Conforme Corrêa, Gianesi e Caon (2001), foi com o intuito de deixar claro que se tratava de uma extensão do conceito de MRP original, já bastante difundido, que é dado ao novo sistema o nome de manufacturing resources planning, mantendo-se a sigla original então identificada como MRP II. O MRP II diferencia-se do MRP pelo tipo de decisão de planejamento que orienta; enquanto o MRP orienta as decisões de o que, quanto e quando produzir e comprar, o MRP II engloba também as decisões referentes a como produzir, ou seja, com que recursos. O MRP II apresenta uma lógica estruturada de planejamento, que prevê uma seqüência hierárquica de cálculos, verificações e decisões, visando chegar a um plano de produção que seja viável, tanto em termos de disponibilidade de materiais como de capacidade produtiva (CORRÊA, GIANESI e CAON, 2001). Os fornecedores de sistemas MRP II foram gradualmente agregando novos módulos ao sistema, tais como, contábil, fiscal, transporte, financeiro, entre outros, até considerarem suas soluções integradas capazes de suportar as necessidades de informação para todo o empreendimento, dando origem assim aos sistemas ERP. Como principais características dos sistemas ERP, Souza e Zwicker (1999) destacam: são pacotes comerciais desenvolvidos a partir de modelos padrão de processos baseados nas melhores práticas, integram os sistemas das diversas áreas da empresa, utilizam banco de dados corporativo e atendem a uma ampla gama de funções empresariais. Estes autores apresentam ainda um conjunto de termos relacionados aos sistemas ERP, conforme apresentado no quadro 1. Quadro 1: Termos relacionados aos sistemas ERP Termo Definição conjunto total de funções embutidas em um sistema ERP, suas características e suas Funcionalidade diferentes possibilidades de uso. os menores conjuntos de funções que podem ser adquiridos e implementados Módulos separadamente. Normalmente, correspondem às divisões departamentais da empresa (vendas, financeiro, compras etc.). o processo de adequação da funcionalidade de um sistema ERP a uma determinada Parametrização empresa através da definição dos valores de parâmetros já disponibilizados no próprio sistema, os quais determinam seu comportamento. modificação no sistema ERP para que este possa se adequar a uma determinada Customização situação empresarial impossível de ser reproduzida através dos parâmetros já existentes. processo através do qual o fornecedor disponibiliza aumentos na funcionalidade e Atualização correções de problemas e erros no sistema. Fonte: Souza e Zwicker (1999). Os autores salientam, ainda, que quanto maior for a quantidade de customizações realizadas, mais o sistema utilizado se afasta do modelo de sistema ERP e mais se aproxima do modelo de desenvolvimento interno de aplicações. Desta forma, os custos de manutenção crescem, pois muitas vezes os fornecedores não dão suporte para rotinas altamente customizadas, e há problemas na instalação de uma nova versão do sistema, uma vez que todas as customizações feitas nas versões anteriores poderão ter que ser refeitas ou adaptadas para uso na nova versão. Conforme o estudo realizado por Souza (2000) junto a oito empresas que implantaram sistemas ERP, mesmo nas empresas em que a premissa inicial era não mudar a empresa e sim o ERP, ou seja, realizar customizações assim que as mesmas fossem necessárias, há uma inversão desta premissa, devido ao tempo e os custos envolvidos nas customizações. As

4 empresas customizam apenas aquilo que é critico para o negócio e representa uma maneira própria e vantajosa de realizar sua operação. Outras, por sua vez, recorrem ao desenvolvimento de módulos satélites (programas externos ao programa padrão do ERP), os quais são módulos que tem a finalidade de complementar a funcionalidade do sistema ERP em áreas específicas da empresa, são customizações que por serem bastante extensas e possuírem um certo grau de independência, podem ser considerados como se fossem módulos adicionais do sistema ERP, amplamente utilizados em procedimentos específicos das empresas, conforme apresenta Souza (2000). Estes módulos são desenvolvidos na mesma linguagem de programação do sistema ERP e são executados a partir de pontos específicos dos programas-padrão do sistema integrado. 3. Desafios da Implantação de Sistemas ERP De acordo com Ozaki e Vidal (2001), em geral, qualquer que seja a natureza e o porte da empresa envolvida e a qualidade do fornecedor da solução ERP, o processo de implantação é sempre complexo, árduo e demorado, pois envolve muitas pessoas, tecnologia sofisticada e muitas atividades. Os autores observam que há inegáveis benefícios da adoção de um ERP, porém os esforços e custos são altos e os problemas a serem enfrentados inúmeros e constantes. Souza (2000), ao tratar da etapa de implantação de sistemas ERP, observa que a principal dificuldade é o fato de que se trata de um processo de mudança organizacional, envolvendo ao mesmo tempo mudanças nas tarefas de indivíduos, nas tarefas e responsabilidades de departamentos e nas relações entre os diversos departamentos. Segundo este autor são demandados uma intensa participação e comprometimento da alta direção, devido ao porte, complexidade e conflitos gerados por esse processo de mudança. Conforme Mendes e Escrivão Filho (2002), o objetivo básico ao se adotar um ERP é melhorar os processos de negócios usando tecnologia da informação, e isto por sua vez, mais do que uma mudança de tecnologia, implica um processo de mudança organizacional. Davenport (1998) destaca que os sistemas ERP são uma promessa de integração de todas as informações que fluem através da organização, entretanto, o autor destaca que se o processo de implantação do sistema ocorrer sem haver primeiramente um claro entendimento de suas implicações no negócio, o sonho da integração pode tornar-se rapidamente em um pesadelo, pois a lógica do sistema pode conflitar com a lógica do negócio. A importância do processo de implantação para o sucesso da adoção de um ERP é tamanha que o custo de implantação pode girar em torno de 3 a 4 vezes o custo da licença do software. Segundo Corrêa, Gianesi e Caon (2001), há pelo menos três etapas a vencer para que determinado pacote de fato auxilie a empresa a se desempenhar melhor no mercado: análise de adequação, implantação e atividades de uso e manutenção. Na análise de adequação é importante ter em mente que não há solução que resolva todos os problemas, pois os problemas reais são variados demais e as soluções reais ainda são simplificantes demais. Assim é importante uma análise da adequação de funcionalidades para se checar que determinada solução atenda minimamente às necessidades particulares da empresa em questão. Falhas nessa análise podem levar a empresa a conviver com restrições incomodas em seu sistema de informação, levando a prejuízos na utilização do potencial de desempenho do sistema. A etapa de implantação do sistema consiste em fazer acontecer, em Corrêa, Gianesi e Caon (2001) é citado que uma implantação de sucesso tem que unir mais três condições, além de

5 um software de qualidade: comprometimento da alta direção com os objetivos da implantação, treinamento intensivo e continuado em todos os níveis e gerenciamento adequado do processo de implantação. Como macroatividades básicas em um processo de implantação de um sistema ERP tem-se: preparação do projeto, programa de treinamento, desenho procedimental do sistema de planejamento, revisão dos processos logísticos, garantia da acurácia da base de dados, elaboração de procedimentos, corte do sistema antigo e entrada do novo sistema. Finalmente a etapa de uso e manutenção diz respeito à necessidade de gestão para que as conquistas do processo de implantação se perpetuem na organização. Isso pode ser feito por reciclagem de treinamentos, revisões de customizações e parametrizações, entre outros. 4. Estudo de casos Segundo Yin (2001, p.32), o método de estudos de caso é uma investigação empírica que investiga um fenômeno contemporâneo dentro de um contexto da vida real, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão claramente definidos, e no qual múltiplas fontes de evidência são usadas. O autor complementa que o método de estudo de casos é o mais adequado quando se procura responder questões do tipo como? e por que?, quando o fenômeno estudado é contemporâneo e quando há pouca ou nenhuma possibilidade de controlar os fatores envolvidos O método de estudo de casos é adequado neste trabalho pois em sua etapa empírica pretendese descrever e analisar o processo de implantação dos sistemas ERP dentro do contexto empresarial estudado, tendo em vista a opção por customizar ou manter o sistema em sua forma padrão, assim como suas conseqüências. A seguir serão apresentadas as empresas objeto de estudo, as quais serão denominadas respectivamente como Empresa A e Empresa B. A Empresa A faz parte de um grupo que possui, entre outros negócios, várias empresas industriais. O processo de implantação do sistema ERP se dá em todas as empresas industriais do grupo, abrangendo cerca de 12 mil usuários. A Empresa A pertence ao setor da agroindústria, mais especificamente na produção de suco concentrado congelado de laranja. A Empresa B atua no setor metal-mecânico e está localizada no interior do estado de São Paulo. Ela atua no projeto, fabricação e comercialização de acessórios e válvulas industriais para linhas de distribuição de líquidos, vapor e ar comprimido, contando para tal com uma equipe de 52 funcionários diretos. Em vista das diferenças entre as empresas estudadas, buscou-se observar os aspectos comuns relacionados ao processo de implantação dos sistemas ERP no que tange ao fato de customizar o sistema ou mantê-lo em sua forma padrão, assim como, as vantagens e desvantagens de cada um dos caminhos seguidos. O processo de implantação no grupo que envolve a Empresa A, passou por uma etapa de avaliação dos principais fornecedores de ERP no mercado. Uma fase importante na definição da empresa fornecedora do sistema foi a avaliação da aderência do sistema ERP aos processos existentes nas várias empresas do grupo. Nessa fase foram envolvidos apenas dois fornecedores de sistema ERP. Em Agosto de 2004 o projeto teve inicio com o fornecedor vencedor, no caso a empresa SAP, com o suporte de uma consultoria onde o primeiro ciclo deverá estar concluído por volta de Nesse primeiro ciclo o sistema terá padronizado e integrado todos os processos das empresas industriais do grupo.

6 O grupo não trata o assunto como mera implementação de software e, sim, de um movimento de transformação, tanto dos processos quanto da empresa, que carrega alto potencial de gerar retornos quantitativos e qualitativos. Assim, torna-se essencial a discussão prévia com todas as unidades de negócio, um firme trabalho de gestão da mudança, a busca de aliados fortes entre os usuários os quais são classificados como key users, e um plano de comunicação e treinamento cíclico dos usuários. O objetivo é realizar um processo de implantação com o mínimo de customizações, o ideal é manter ao máximo o processo standard disponibilizado no sistema, pois aplicações paralelas são consideradas destrutivas para a companhia, pois elas desfiguram a solução original e geram aumento de custos. Para não ficar dependente de parceiros externos, o grupo configurou centros de competência voltados para o suporte técnico e funcional da solução, melhoria contínua de processos, upgrades de versão e treinamento de usuários. A meta é, posteriormente, conduzir internamente o trabalho de manutenção, evolução e suporte do ERP, com participação cada vez menor de consultorias. O processo de desenho da solução apresenta duas fases importantes, uma conhecida como desenho global, onde se estrutura o sistema em conjunto para todas as empresas industriais do grupo, e outra fase chamada de desenho local, onde se desenvolve a solução para cada empresa individualmente. Toda e qualquer customização que se identifique ao longo do processo de desenho global e local, é tratada como gap que é conduzido a um fórum especifico para aprovação ou não da customização solicitada. O processo de implantação do sistema ERP na Empresa B teve início em outubro de 2003 e o fornecedor do sistema é uma empresa de consultoria de pequeno porte, também do interior de São Paulo a qual é proprietária de um sistema integrado de gestão. A escolha do sistema ERP teve como base o conhecimento prévio entre o diretor industrial da Empresa B e representantes da empresa fornecedora do sistema, além de um caso de sucesso de implantação do sistema em uma empresa sediada na mesma cidade da Empresa B. Como principais benefícios da implantação do sistema esperava-se um controle mais preciso do estoque, maior rapidez na obtenção de informações para a tomada de decisão, integração dos departamentos e melhoria na definição de prazos de entrega, tendo em vista o rápido crescimento da empresa, o grande volume de informações em trânsito (muitas vezes dispersas e na cabeça de determinados funcionários) e a necessidade de estruturar seus processos organizacionais. Anteriormente à implantação do sistema apenas os departamentos de vendas e financeiro da empresa tinham um sistema informatizado, e este sistema por sua vez possuía um determinado nível de integração, possibilitando a liberação de crédito para os clientes cadastrados em vendas, assim como a emissão de notas fiscais e parte do controle contábil. Nos demais departamentos alguns controles eram realizados a partir do uso de planilhas eletrônicas desenvolvidas internamente, como por exemplo, a geração e acompanhamento dos pedidos de compra. As atividades de implantação do sistema na Empresa B tiveram início pelo módulo de Engenharia do sistema, o qual abrange o cadastro de materiais (produtos finais, componentes e matérias-primas), das estruturas de produtos, processos de fabricação, parâmetros de qualidade, entre outros, a fim de formar a base de dados inicial do sistema, possibilitando as atividades nos demais departamentos. Paralelamente foram iniciadas as atividades de implantação dos demais módulos do sistema, passando pelos departamentos de planejamento

7 e controle da produção, suprimentos, financeiro e vendas. Em todos os departamentos da empresa segue-se um ciclo de implantação que abrange o treinamento e familiarização dos usuários com o sistema, definição das customizações necessárias e uso do sistema. Para o caso da Empresa B as customizações são vistas como necessárias, tendo em vista o fato de que não foi realizada uma etapa prévia de análise de aderência do sistema aos processos da empresa. Em novembro de 2005 o sistema ERP adquirido pela Empresa B foi colocado em uso efetivo, ocorrendo, portanto, o corte de aplicações paralelas em uso até então. Isto por sua vez obrigou que os usuários passassem a usar o sistema de forma efetiva, não existindo mais a possibilidade de recorrer a aplicações antigas quando não conseguissem executar seu trabalho no sistema novo, exigindo assim a resolução de todos os entraves ou o esclarecimento de dúvidas sobre o novo sistema. Destaca-se ainda, que mesmo já estando em uso a integração dos módulos do sistema ainda é parcial. 5. Análise do processo de implantação nos casos estudados A partir da breve apresentação dos casos é possível observar que na Empresa A houve um planejamento mais refinado desde a etapa de seleção do fornecedor e da solução ERP utilizada, assim como, do processo de implantação do sistema. Fato justificado principalmente pela maior maturidade da empresa, do seu maior porte e do número de usuários envolvidos. Entretanto, o que se destaca como ponto comum entre os casos é o fato de que para ambas, independentemente de suas características próprias, o processo de implantação da solução ERP representa uma oportunidade para rever os processos de negócio, eliminando possíveis distorções, duplicidades de esforços e erros antes despercebidos devido a falta de integração entre os departamentos das empresas e isto por sua vez, como já destacado na revisão da literatura, representa o potencial de mudança organizacional gerado pela implantação de um ERP. O treinamento dos usuários e a eliminação de possíveis resistências ao sistema integrado de gestão são pontos fortes da etapa implantação do sistema e devem ser tratados com especial atenção para que os ganhos advindos com a implantação do ERP se concretizem e sejam consistentes. Tanto na Empresa A quanto na Empresa B, especial atenção é dada a este aspecto. Em relação às customizações na Empresa A, optou-se por minimizá-las ao máximo, evitando-se aumento de custos com a implantação e dificuldades em futuros upgrades. Já na Empresa B devido a não realização de uma avaliação da aderência do software adquirido aos processos de negócio da empresa na etapa de seleção da solução ERP, as customizações foram várias e encaradas como necessárias para o funcionamento do sistema. Isto ocorreu, pois o sistema adquirido foi desenvolvido originalmente para empresas que trabalham com produção sob-encomenda, o que não o caso da Empresa B, a qual produz predominantemente para estoque, mantendo uma linha de produção intermitente. Como forma de facilitar o entendimento coloca-se a análise do processo de implantação do ERP nas empresas estudadas sintetizada em um quadro, no qual fica claro que os benefícios esperados para ambas as implantações têm muito em comum, porém com foco diferenciado quanto à decisão de customização do sistema, conforme apresentado no quadro 2. Portanto, os seguintes fatores críticos de sucesso que apresentam impacto comum nas implantações foram: 1. avaliação e seleção da solução ERP mais aderente (executado na Empresa A, porém deixado de lado na Empresa B ), assim como o desenho e redesenho da

8 solução; 2. Treinamento intensivo e conscientização dos usuários; 3. Encarar o processo de implantação como possibilidade de gerar ganhos expressivos para a organização, com apoio da alta administração e não como simples implantação de software. Quadro 2: Análise comparativa entre os casos estudados Empresa A Empresa B Porte da empresa Grande Pequeno Fornecedor do ERP Grande porte (SAP) Empresa de pequeno porte -Integração entre os vários -Melhor acuracidade do controle negócios do grupo; dos estoques; -Padronização dos processos do -Rapidez e disponibilidade de Benefícios esperados com a portifólio; informações; implantação do ERP -Contribuir para atingir nível de -Integração dos departamentos; gestão classe mundial. -Melhores prazos de entrega de Customizações no ERP Fonte: Elaboração dos autores Objetivo de minimizar customizações por desfigurar a solução, gerar aumento de custos e facilitar upgrades de versão. pedidos. Customizações tidas como necessárias, para adequar o sistema aos processos da empresa. 6. Considerações Finais Os resultados obtidos com base na revisão bibliográfica realizada e nos casos estudos, demonstram que os desafios a serem vencidos para a implantação de um sistema ERP são grandes e constantes, exigindo das empresas uma postura consciente a cerca dos mesmos e um planejamento adequado do processo de implantação desde a fase inicial do projeto, envolvendo a análise das possíveis soluções ERP, assim como dos fornecedores e parceiros e o treinamento adequado dos usuários para uso e manutenção do sistema adotado. No que tange às customizações, fica a seguinte questão: é possível não customizar? A qual com base neste trabalho pode ser respondida com não. Pois por mais aderente que seja o sistema ERP aos processos de negócio da empresa, algum nível de customização se faz necessário para aumentar as funcionalidades do sistema para a empresa e como já destacado na literatura os problemas reais são variados demais e as soluções reais ainda são simplificantes demais, e por esse motivo as soluções ERP em sua forma padrão existentes no mercado precisam de algum nível de customização para atender as necessidades das empresas. Bibliografia CORRÊA, H. L.; GIANESI, I. G. N. (1993). Just in time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico. São Paulo: Atlas. CORRÊA, H. L.; GIANESI, I. G. N.; CAON, M. (2001). Planejamento, programação e controle da produção: MRP II/ERP: conceitos, uso e implantação. 4ª. Ed. São Paulo: Atlas. DAVENPORT, T.H. (1998). Putting the Enterprise into the Enterprise System. Harvard Business Review, julyaugust. MENDES, J.V.; ESCRIVÃO FILHO, E. (2002). Sistemas integrados de gestão ERP em pequenas e médias empresas: um confronto entre o referencial teórico e a prática empresarial. Gestão e Produção, v.9, n.3, p , dez OZAKI, A. M.; VIDAL, A. G. R. (2001). Desafios da implantação de sistemas ERP: um estudo de caso em uma empresa de médio porte. In: V SEMEAD, 2001, FEA-USP, São Paulo. Disponível em: <http://www.ead.fea.usp.br/semead/5semead/index.html> SLACK, N.; CHAMBERS, S.; HARLAND, C.; HARRISON, A.; JOHNSTON, R. (1999). Administração da produção. São Paulo: Atlas.

9 SOUZA, C.A.; ZWICKER, R. (1999). Um modelo de ciclo de vida de sistemas ERP: aspectos relacionados à sua seleção, implementação e utilização. In: IV SEMEAD, FEA-USP, São Paulo. Disponível em: <http://www.ead.fea.usp.br/semead/4semead/index.html> SOUZA, C.A. (2000). Sistemas integrados de gestão empresarial: estudos de casos de implementação de sistemas ERP. Dissertação de mestrado. São Paulo, FEA-USP. YIN,R.K (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre-RS: Bookman.

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Instituto de Educação Tecnológica Pós Graduação Gestão de Tecnologia da Informação Turma 24 16 de Outubro de 2014 Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Felipe Rogério Neves

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas 2º Contecsi Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação / Internacional Conference on Information Systems and Technology Management 01-03 de Junho de 2005 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL ANÁLISE DA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA ERP (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING) EM UM RESTAURANTE EMPRESARIAL Hélio Batista da Silva Junior (1) ; Paulo Henrique Paulista (2) FEPI- Centro Universitário de Itajubá,

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One

Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One Geral Executiva Nome da Fina Flor Cosméticos Indústria Cosméticos Produtos e Serviços Desenvolve, fabrica

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Sistemas de Informação na Produção

Sistemas de Informação na Produção Sistemas de Informação na Produção ERP. Principais ERPs do mercado. Mitos sobre ERPs. Aula 6 - Questões para Refletir 2/26 Enterprise Resource Planning - ERP Sistemas de gerência que integram todos os

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP EM UM HOSPITAL SUL MATOGROSSENSE: VANTAGENS E DESAFIOS

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP EM UM HOSPITAL SUL MATOGROSSENSE: VANTAGENS E DESAFIOS ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP EM UM HOSPITAL SUL MATOGROSSENSE: VANTAGENS E DESAFIOS Isabella Venturini Baze (UFMS) isaventurini17@hotmail.com Rafael Sanaiotte Pinheiro (UFMS) rafaelpq03@yahoo.com.br

Leia mais

A perda da posse da informação na implantação de sistemas integrados de gestão: um estudo de caso

A perda da posse da informação na implantação de sistemas integrados de gestão: um estudo de caso A perda da posse da informação na implantação de sistemas integrados de gestão: um estudo de caso Renata Seldin (UFRJ) renata@gpi.ufrj.br Heitor Mansur Caulliraux (UFRJ) heitor@gpi.ufrj.br Vinicius Carvalho

Leia mais

ERP Características utilizadas, benefícios percebidos e problemas encontrados na implantação nas pequenas e microempresas de Ponta Grossa - PR

ERP Características utilizadas, benefícios percebidos e problemas encontrados na implantação nas pequenas e microempresas de Ponta Grossa - PR ERP Características utilizadas, benefícios percebidos e problemas encontrados na implantação nas pequenas e microempresas de Ponta Grossa - PR Adm. Cesar Eduardo Abud Limas (UTFPR) cesar@interalfa.com.br

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

Análise da Implantação de um Sistema de Execução da Manufatura

Análise da Implantação de um Sistema de Execução da Manufatura Análise da Implantação de um Sistema de Execução da Manufatura Helder Carlo Belan (UEL) hcbelan@gmail.com Jandira Guenka Palma (UEL) jgpalma@uel.br Rafael Henrique Palma Lima (EESC/USP) rhlima@sc.usp.br

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP: CASO EMPRESA DE GRANDE PORTE DO RAMO TÊXTIL

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP: CASO EMPRESA DE GRANDE PORTE DO RAMO TÊXTIL ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP: CASO EMPRESA DE GRANDE

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento,

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES - ERP SUA INFLUÊNCIA, APLICABILIDADE E REFLEXOS NA CONTABILIDADE Por: Talita de Oliveira

Leia mais

Londrina PR Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação SUMÁRIO Apresentação do APL 1. Processo de Informatização 2. Processo de Seleção de Pacotes de Software 3. Vantagens e Desvantagens de cada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular 53 O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular José Sérgio Celestino Camargo, Paulo Tadeu Peres Ingracio e Romério de Oliveira

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR Marcos Aurélio Zoldan (CEFETPR) mazo@pg.cefetpr.br Drª Magda Lauri Gomes Leite (CEFETPR) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial. Contextualização. Aula 4. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Área Funcional

Sistemas de Informação Gerencial. Contextualização. Aula 4. Organização da Disciplina. Organização da Aula. Área Funcional Sistemas de Informação Gerencial Aula 4 Contextualização Prof. Me. Claudio Nogas Organização da Disciplina Buscaremos, por meio da apresentação de conceitos, exemplos de como gerar conhecimentos sobre

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

1. Introdução. 1.1. O Problema

1. Introdução. 1.1. O Problema 1. Introdução A presente pesquisa advém de uma necessidade de um processo reflexivo e crítico na busca por soluções mais maduras para lidar com os riscos relacionados à cadeia de suprimentos. Para tanto,

Leia mais

A OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS UTILIZANDO SISTEMAS DE ERP

A OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS UTILIZANDO SISTEMAS DE ERP FOCO: Revista de Administração da Faculdade Novo Milênio. A OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS UTILIZANDO SISTEMAS DE ERP Heverton da Silva Müller¹ Jadson do Prado Rafalski² RESUMO O

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTO ECOSYS EPC. Soluções para controle de custos de todo o ciclo de vida de projetos

CATÁLOGO DE PRODUTO ECOSYS EPC. Soluções para controle de custos de todo o ciclo de vida de projetos CATÁLOGO DE PRODUTO ECOSYS EPC Soluções para controle de custos de todo o ciclo de vida de projetos ECOSYS EPC EcoSys EPC é uma solução de softwares de última geração para planejamento e controle de custos,

Leia mais

Aula 1 Dados & Informações & Indicadores

Aula 1 Dados & Informações & Indicadores Aula 1 Dados & Informações & Indicadores Em realidade, o objetivo da disciplina de Gerenciamento por Indicadores reside em dois fatores muito importantes no mundo corporativo atual, a saber: 1. Facilitar

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol

COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO. Time-based Competition. Silvana Tiburi Bettiol COMPETIÇÃO BASEADA NO TEMPO Time-based Competition Silvana Tiburi Bettiol Time is money Será? Ondas de Inovação de Processos Processo evolutivo adaptação da organização ao ambiente Ondas de Inovação de

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Ao introduzir o sistema ERP, o empresário reconhece imediatamente os benefícios e ferramentas que podem

Ao introduzir o sistema ERP, o empresário reconhece imediatamente os benefícios e ferramentas que podem Os benefícios do ERP Ao introduzir o sistema ERP, o empresário reconhece imediatamente os benefícios e ferramentas que podem ajudar a resolver os problemas comuns dentro da sua empresa. A abertura de informações

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique UNIDADE 6 GERENCIAMENTO DA ROTINA 1 INTRODUÇÃO 3 O GERENCIAMENTO DA ROTINA 4 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

Ferramentas de Gestão

Ferramentas de Gestão Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto Ferramentas de Gestão Sis x Eficiência No sistema integrado

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP)

8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) 8º Congresso de Pós-Graduação ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) MATHEUS CONSOLI 1. Introdução A década de 1990 foi de

Leia mais

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-1 COMO SÃO DESENVOLVIDOS OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? São desenvolvimento como uma estrutura

Leia mais

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência José Mauro Mendes Pelosi* 1. O conceito atual de competitividade O processo de globalização e a evolução econômica de países emergentes, como China,

Leia mais

Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção

Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção Sistemas ERP como instrumento de integração entre as disciplinas de um curso de graduação em Engenharia de Produção José Roberto de Barros Filho (UNISUL) jroberto@unisul.br Ana Regina Aguiar Dutra (UNISUL)

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

6dicas para desenvolver

6dicas para desenvolver 6dicas para desenvolver estratégias da sua propriedade rural, elaborando Missão, Visão e Valores Implemente um planejamento e gestão realmente eficazes para nortear colaboradores e empreendimentos agro.

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais