RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO PELA DESVALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO PELA DESVALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA. Resumo"

Transcrição

1 4 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO PELA DESVALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA *Bruno Rodrigues Motta Resumo A pesquisa aborda a responsabilidade civil do Estado pela desvalorização imobiliária. O estudo esclarece a evolução da histórica da responsabilidade civil estatal. Analisa a desvalorização patrimonial face à favelização e à violência urbana, apontando hipóteses em que deve o Estado indenizar. Discute a responsabilidade do Estado por obras públicas, diante da responsabilidade civil objetiva preconizada pela Constituição da República. E, por fim, debate sobre o impacto de outras ações e omissões estatais. Palavras-chave: Responsabilidade civil do Estado; ações e omissões; desvalorização patrimonial. Sumário Sumário; Introdução; A evolução histórica da responsabilidade do estado; Crescimento desordenado e omissão do município em assegurar o correto parcelamento de solo; Responsabilidade do Estado pela desvalorização patrimonial face à violência urbana; Obras públicas e desvalorização de imóveis; Desvalorização patrimonial e outras ações e omissões estatais; Conclusão; Bibliografia; Anexo I; Anexo II; Anexo III; Anexo IV

2 5 Introdução O presente artigo aborda a Responsabilidade Civil do Estado pela perda ou diminuição do patrimônio privado imobiliário em razão da depreciação de áreas urbanas. Atualmente, o desenvolvimento imobiliário urbano vem sofrendo graves prejuízos, pela depredação do patrimônio público, pela favelização, pelo crescimento desordenado, pelo crime organizado e pelas grandes obras públicas, principalmente nos bairros mais antigos da cidade. Com esses eventos, o que se observa é uma profunda desvalorização do patrimônio privado nestas áreas afetadas, seja pela ação, seja pela omissão estatal. A Constituição da República prevê a responsabilidade objetiva do Estado pela ação ou omissão de seus agentes, com fundamento na Teoria do Risco Administrativo, assim como, atribui aos Estados federados o dever de assegurar a ordem pública, e aos Municípios, o dever de zelar pelo correto parcelamento de solo. Nesse contexto, questiona-se: O art. 37, 6º da CRFB pode albergar pleitos indenizatórios baseados na omissão estatal em preservar a ordem urbana, fundados no dever do Estado federado de garantir a segurança pública e na atribuição do Município de administrar corretamente o parcelamento do solo urbano? E, no plano dos atos comissivos, com as obras públicas e seus transtornos? O estudo faz uma abordagem na evolução histórica da responsabilidade civil do Estado. Discute sobre o dever de o Estado indenizar pela favelização e pelo crescimento desordenado urbano, uma vez que é dever constitucional do Município assegurar o correto parcelamento do solo. Estuda a responsabilidade estatal pelas obras públicas que reduzam o valor comercial de imóveis particulares. Esclarece o nexo de causalidade entre a manifestação do crime organizado e o mercado imobiliário e em quais hipóteses há o dever de indenizar os proprietários de imóveis, com fulcro na atribuição do Estado federado de preservar a segurança pública pela Constituição da República. E, finalmente, debate sobre as demais hipóteses de prejuízos imobiliários causados por ações ou omissões estatais. Este estudo se faz necessário para demonstrar em quais hipóteses o Estado deve indenizar o particular, seja por seus atos omissivos ou comissivos, pela desvalorização de seus imóveis, em razão de suas atribuições Constitucionais, como a garantia da ordem pública e do correto parcelamento do solo.

3 6 A evolução histórica da responsabilidade do Estado Ao longo das épocas, a responsabilidade do Estado, ou da Administração Pública, foi ditada por diversas teorias, que refletiam os dogmas contemporâneos, formando três períodos distintos, consistentes na irresponsabilidade do Estado, na responsabilidade do Estado fundada na culpa (responsabilidade subjetiva), e por fim, na responsabilidade objetiva, adotada atualmente. No período em que predominava o absolutismo vigoravam o princípio inglês the king can do no wrong (o Rei não pode errar), e seu representante no direito francês, Le roi ne peut mal faire, fundados na soberania estatal, de modo que o particular não tinha meios de buscar a composição de eventual prejuízo do Estado ou de seus agentes, quando no exercício regular de suas funções 1. Já no século XIX, a irresponsabilidade do Estado deixou de ser a regra nos países ocidentais, surgindo o dever da Administração Pública indenizar em situações especialmente previstas pela norma vigente. Segundo Celso Antônio Bandeira de Mello, a nova doutrina teve por marco relevante o famoso aresto blanco, do Tribunal de Conflitos, proferido em 1º de fevereiro de 1873, na França 2. É interessante observar que, na contramão da cultura jurídica ocidental, o Brasil já adotava a responsabilidade dos funcionários públicos na Constituição Imperial de 1824, que em seu artigo 178, inciso XXIX, rogava que Os Empregados Publicos são strictamente responsaveis pelos abusos, e omissões praticadas no exercicio das suas funcções, e por não fazerem effectivamente responsaveis aos seus subalternos. (sic) Com a afirmação mundial de que o Estado poderia ser responsabilizado pelos seus atos, surgiu, então, a responsabilidade subjetiva da Administração Pública, conceituada por Bandeira de Mello como a obrigação de indenizar que incumbe a alguém em razão de um procedimento contrário ao Direito culposo ou doloso consistente em causar um dano a outrem ou em deixar de impedi-lo quando obrigado a isto 3. O Código Civil de 1916 foi o primeiro diploma normativo brasileiro a tratar da responsabilidade fundada na culpa, com previsão em seu artigo 15, in verbis: 1 ZOCKUN, Carolina. Da responsabilidade do estado na omissão da fiscalização ambiental. In: FREITAS, Juarez. (Org.). Responsabilidade civil do estado. São Paulo: Malheiros, BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 19. ed. São Paulo: Malheiros, Ibid.

4 7 Art. 15. As pessoas jurídicas de direito público são civilmente responsáveis por atos dos seus representantes que nessa qualidade causem danos a terceiros, procedendo de modo contrário ao direito ou faltando a dever prescrito por lei, salvo o direito regressivo contra os causadores do dano. Alguns autores, como aponta Sergio Cavalieri Filho, interpretavam à época que este artigo atribuía ao Estado o dever de indenizar independentemente de culpa, corrente que, embora representada por grandes doutrinadores, como Rui Barbosa e Pedro Lessa, era minoritária 4. Com a Constituição de 1934 vigorou a responsabilidade solidária entre o Estado e seus funcionários, conforme previsão expressa do artigo 171, abaixo transcrito: Art Os funcionários públicos são responsáveis solidariamente com a Fazenda nacional, estadual ou municipal, por quaisquer prejuízos decorrentes de negligência, omissão ou abuso no exercício dos seus cargos. Seguindo a tendência jurídica ocidental, o Brasil adotou, na Constituição Republicana de 1946, pela primeira vez, a responsabilidade objetiva do Estado, em seu artigo 194, senão vejamos: Art As pessoas jurídicas de direito público interno são civilmente responsáveis pelos danos que os seus funcionários, nessa qualidade, causem a terceiros. Parágrafo único - Caber-lhes-á ação regressiva contra os funcionários causadores do dano, quando tiver havido culpa destes. As Constituições seguintes, 1967 e 1988, mantiveram o preceito, exceto no que tange responsabilidade objetiva das pessoas jurídicas de direito privado que prestam serviços públicos, inovação trazida pelo artigo 37, 6º, da atual Constituição da República: 6º - As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa. 4 CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

5 8 É importante destacar que a responsabilidade objetiva adotada pelo ordenamento jurídico brasileiro é fundada na teoria do risco administrativo, e não na teoria do risco integral. A adoção da teoria do risco integral 5 importaria dizer que o Estado responderia independentemente de culpa e sem possibilidade de argüição de causas excludentes de responsabilidade de seu ato por qualquer hipótese. 6 A legislação brasileira, ao contrário, adota a teoria do risco administrativo 7, consistente no dever do estado de indenizar, independente de culpa de seus agentes, porém, respeitadas as excludentes de culpabilidade de fato de terceiro, culpa exclusiva da vítima, caso fortuito e força maior, o que para a ampla maioria dos doutrinadores é mais razoável. Entretanto, deve ser frisado que para Bandeira de Mello a responsabilidade estatal é objetiva apenas no plano dos atos comissivos. A responsabilidade pela omissão do poder público é, em regra, subjetiva, pelo fato de que se o Estado não agiu, então não foi o autor do dano, restando, tão somente, responsabilizá-lo pelo descumprimento do dever de impedir a ocorrência do evento danoso. 8 Para tanto, mister a comprovação do comportamento omissivo ilícito. 9 Em entendimento dissonante de Bandeira de Mello, Alexandre de Moraes entende que a omissão estatal também gera responsabilidade objetiva. 10 De qualquer forma, subsiste o entendimento majoritário de que a omissão genérica do estado impõe sua responsabilização de forma subjetiva. 11 Crescimento desordenado e omissão do Município em assegurar o correto parcelamento de solo É notório que as principais metrópoles brasileiras crescem exponencialmente, com uma ocupação que, em regra, não é precedida de uma correta divisão do solo 5 BACELLAR FILHO, Romeu Felipe. Responsabilidade civil da administração pública aspectos relevantes. In: FREITAS, Juarez. (Org.). Responsabilidade civil do estado. São Paulo: Malheiros, DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 18. ed. São Paulo: Atlas, CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 19. ed. São Paulo: Malheiros, ibid. 10 MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 13. ed. São Paulo: Atlas, CASTRO, Guilherme Couto de. A responsabilidade civil objetiva no direito brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

6 9 urbano, o que resulta na formação de áreas periféricas de baixa qualidade de vida, ou de guetos em áreas centrais, com elevadíssima densidade populacional. O artigo 182, e seus parágrafos, da Constituição da República atribui aos municípios o dever de assegurar o bem-estar dos munícipes e garantir a ordenação urbana, de modo a respeitar a promoção das funções sociais da propriedade, sendo obrigatório para as cidades com mais de vinte mil habitantes a elaboração do plano diretor. Na cidade do Rio de Janeiro, o plano diretor foi instituído pela Lei Complementar Municipal n.º 16, de 1992, que apresenta como instrumento para alcançar os objetivos ditados pela Constituição da República, entre outros, a ordenação do território que promova um desenvolvimento equilibrado. O artigo 100, da norma municipal, faculta ao município a instituição de Lei que disporá sobre a fiscalização e aplicação de sanções pelo descumprimento dos preceitos de uso e ocupação equilibrada do solo, regulamentando, assim como a Lei 6.766/79, a atribuição municipal de garantia do correto parcelamento do solo. Sendo certo que é dever do município a ordenação territorial, como deve ser encarada sua omissão, especialmente quando esta importa na redução patrimonial individual? Deve ser aplicado o art. 37, 6º da Constituição da República? Inicialmente, é importante compreender a natureza da omissão estatal. A omissão é ilícita quando o Direito impõe ao Estado o dever de agir, e lícita, quando não há obrigação do Estado agir, ou se omitir. No segundo caso, o dever de indenizar pode nascer quando for observado que a omissão é juridicamente reprovável. 12 De difícil conceituação, a reprovabilidade pode ser entendida como o efeito de uma infração a um dever de diligência 13, que no Brasil, inclusive, pode ser baseado no fundamento constitucional de promoção do bem-estar. De qualquer forma, em se tratando de responsabilidade por atos omissivos genéricos, em especial pela falta de serviço, esta deve ser encarada como subjetiva, ou seja, o Estado responde desde que aja com culpa. 14 Quando fundada na culpa, a responsabilidade do agente, por negligência, imprudência ou imperícia, só pode ser aferida pela prova de sua conduta antijurídica, apresentada pelo ofendido JUSTEN FILHO, Marçal. A responsabilidade do estado. In: FREITAS, Juarez. (Org.). Responsabilidade civil do estado. São Paulo: Malheiros, ibid. 14 CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

7 10 Pode-se dizer negligente a falta de cuidado por conduta omissiva 16. Desta forma, negligente pode ser considerado o Estado por não cumprir seus deveres e atribuições legais e constitucionais. Mas, então, de que forma a inação estatal pode ser considerada causa determinante para a ocorrência da desvalorização imobiliária? O crescimento desordenado é fruto de uma omissão juridicamente relevante ou é um problema social afeto à todas as grandes metrópoles, sendo inevitável? O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro tem decisões conflitantes sobre o tema, ora afirmando que a favelização é culpa da omissão estatal 17, ora justificando que não é suficiente a mera alegação da desvalorização imobiliária para que seja atribuída culpa ao Poder Público 18. Nesse sentido, o art. 37, 6º da Constituição da República seria, in casu, inaplicável já que a responsabilidade pela falta de serviço só pode ser constatada por prova inequívoca, não sendo crível impor à administração pública o ônus de provar que não se omitiu. Entre entendimentos conflitantes, subsiste majoritariamente a idéia de que a fim de ser responsabilizado o Poder Público, há que se ter prova de sua negligência. Prova de que, de fato, a administração pública nada fez para impedir o resultado. O operador que tratar do assunto, na busca por material probatório, poderá se deparar com o preceito processual previsto no artigo 334, I, CPC: Não dependem de prova os fatos notórios. Fatos notórios, para Calamandrei, são aqueles cujo conhecimento faz parte da cultura normal própria de determinada esfera social no tempo em que ocorre a decisão judicial. 19 Desta forma, apenas para ilustrar, pode-se dizer que é notório que César Maia é o prefeito do Rio de Janeiro, assim como é notório que Sérgio Cabral é o atual governador do Estado. Seguindo o raciocínio, pode-se dizer, também, que é notório que a cidade do Rio de Janeiro vive um grave problema de segurança pública, que para o 15 PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil: contratos. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense, CAVALIERI FILHO. op. cit. 17 BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º 9.440/2005 ( ). Apelante: Estado do Rio de Janeiro. Apelado: Fernando Lima Alonso. Relator: Desembargador Fernando Cabral. Rio de Janeiro, 05 de setembro de (ANEXO I) 18 BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º 8.325/01 ( ).Apelantes: Maria Lúcia Leone Massot e Município do Rio de Janeiro. Apelados: Os mesmos. Relator: Desembargador Fernando Cabral. Rio de Janeiro, 13 de novembro de (ANEXO I) 19 CALAMANDREI, Piero. Direito processual civil. v. 1. Tradução de Luiz Abezia e Sandra Drina Fernandez Barbiery. Campinas: Bookseller, 1999.

8 11 senso comum é gerada pela omissão do Estado. Também para o senso comum de todas as classes sociais, o Poder Público nada faz para evitar o crescimento desordenado. Como exemplo, pode ser usado o seguinte caso concreto: Caio mora em São Conrado, bairro nobre da zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Como é notório, ao lado do bairro está a favela da Rocinha, hoje alçada ao status de bairro, comunidade composta por pessoas, em sua maioria, reconhecidamente de baixo poder aquisitivo. Como a favela é muito próxima de seu prédio, construído bem antes da expansão territorial irregular, Caio observa uma profunda desvalorização patrimonial, o que o motiva a ajuizar ação indenizatória em face do Município, alegando omissão ilícita do Poder Público, e a fim de justificar a ausência de provas documentais, suscita que é notório que a comunidade implica na desvalorização do bairro de São Conrado. No caso, quanto ao ônus da prova, podem ser aplicadas duas correntes: Adotando a primeira, pode ser afirmado que Caio entregou ao Município o onus probandi, já que a alegação de notoriedade de um fato gera presunção relativa quanto à sua veracidade, podendo ser objeto de prova contrária Com a adoção da segunda, que roga a necessidade da prova, Caio não logrou provar a omissão da administração, pelo que, restaria improcedente seu pleito, pela manifesta ausência de provas. 22 Outro problema a ser enfrentado é a demonstração do nexo de causalidade. Em termos de nexo de causalidade, vale fazer uso de um instrumento comumente usado pela doutrina penal, o método hipotético de eliminação de Thyrén 23, que consiste dizer que causa determinante é a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido. 24 Ora, é razoável interpretar que, no exemplo, o imóvel de Caio não sofreria desvalorização se jamais existisse a favela em sua cercania. Logo, pelo método, a existência da favela pode ser considerada causa determinante para a ocorrência do resultado desvalorização. Ademais, em municípios como o Rio de Janeiro, a redução de IPTU de imóveis próximos a favelas, ou outras comunidades que não tiveram o parcelamento de solo 20 BRASIL. Supremo Tribunal Federal. RExt n. º /AL. Recorrente: Leda Maria Collor de Mello Lopes. Recorrido: Curador do vínculo matrimonial. Relator: Ministro Victor Nunes. Brasília, 20 de junho de (ANEXO I) 21 BRASIL, Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º /05( ). Apelante: Carlos Henrique da Conceição. Apelado: Estado do Rio de Janeiro. Relatora: Desembargador Nanci Mahfuz. Rio de Janeiro, 04 de abril de (ANEXO I) 22 BRASIL, Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º /05 ( ). Apelante: Dulcenea Barbosa de Almeida. Apelado: Município do Rio de Janeiro. Relator: Desembargador Luiz Fernando de Andrade Pinto. Rio de Janeiro, 30 de novembro de (ANEXO I) 23 JESUS, Damásio E. de. Código penal anotado. 12. ed. São Paulo: Saraiva, CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

9 12 adequado, é um verdadeiro reconhecimento do impacto da favelização na desvalorização imobiliária. Com a análise ampla das diversas teorias que cercam a responsabilidade pela omissão do município em assegurar o correto parcelamento do solo, podem ser extraídas algumas informações: É atribuição do município garantir o desenvolvimento equilibrado no ordenamento territorial, conforme artigo 182, CRFB; Em se tratando de falta de serviço (obrigação de cumprir seu dever constitucional), o município tem responsabilidade subjetiva, que pode ser atestada pela apresentação de provas, elididas diante da alegação de fato notório, sujeito à presunção iuris tantum; O nexo de causalidade depende a interpretação em cada caso concreto, podendo, para sua caracterização, ser usado o método hipotético de eliminação de Thyrén, baseado na teoria da conditio sine qua non, onde causa é a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido; Também deve ser considerado o fato de que em alguns municípios a redução do IPTU representa um reconhecimento do impacto da favelização na desvalorização imobiliária. Responsabilidade do Estado pela desvalorização patrimonial face à violência urbana O impacto da violência urbana na valoração dos imóveis privados em muito se assemelha ao da favelização, subsistindo, entretanto, algumas diferenças importantes. Segundo a Constituição da República, a segurança pública é dever do Estado, além de direito e responsabilidade de todos, e é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio público e individual. O artigo 5º da Constituição afirma que é garantida aos brasileiros e estrangeiros residentes no País a segurança. A segurança pública, além de outros órgãos, inclui as polícias federal e civil, responsáveis pelo auxílio ao Ministério Público na persecução penal 25, e as polícias militares, responsáveis pela preservação da ordem pública, através de policiamento ostensivo. Desta forma, preliminarmente, pode ser afirmado que por ser atividade eminentemente estatal, prevista na Constituição da República, o Estado é responsável 25 SILVA, José Afonso. Curso de direito constitucional positivo. 28. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

10 13 por garantir às pessoas a segurança pública. E quando o Estado não garante a mínima segurança exigida? Conforme esclarecido no capítulo anterior, os atos omissivos genéricos do Estado geram, sempre, responsabilidade subjetiva da administração pública, devendo o ofendido provar a culpa do agente público. 26 Entretanto, Marçal Justen Filho defende a tese de que nos casos de ilícito omissivo próprio quando o Estado deixa de agir quando legalmente obrigado para tanto a omissão é equiparada aos atos comissivos, para efeito de responsabilidade civil do Estado. 27 Nesse sentido, resta claro que a responsabilidade do Estado torna-se objetiva quando deixa de praticar ato que deveria fazer de ofício, em razão de expressa previsão legal. Mas em que momento o Estado é omisso? Como apurar sua omissão? Não se pode, é certo, atribuir ao Estado uma atividade onisciente e onipresente, de modo a exigir que impeça toda e qualquer atividade criminosa existente. Mas é importante distinguir a inação do Estado pelo desconhecimento do ilícito que está sendo praticado da omissão do Estado diante de uma reiterada e amplamente conhecida manifestação criminosa de uma determinada localidade. 28 Neste caso, a omissão seria específica, uma vez que o Estado não se faz presente, mesmo solicitado, em determinada localidade geograficamente identificável, nesse caso, respondendo objetivamente pelos seus atos, conforme a Constituição da República. 29 Omissão específica é observada quando, por ato comissivo, o Estado crie uma situação propícia para a ocorrência do evento danoso. 30 Em um exemplo prático, seria omissão genérica do Estado o fato de uma pessoa ser atingida por um projétil de bala perdida, uma vez este não tinha conhecimento do evento a ponto de evitar sua ocorrência. No sentido oposto, trata-se de omissão específica o fato do Estado ser informado de que em determinada passagem subterrânea ocorrem, diariamente, diversos 26 BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 19. ed. São Paulo: Malheiros, JUSTEN FILHO, Marçal. A responsabilidade do estado. In: FREITAS, Juarez. (Org.). Responsabilidade civil do estado. São Paulo: Malheiros, BRASIL, Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º Apelante: Hygino Samari Neto. Apelado: Estado do Rio de Janeiro. Relatora: Desembargador Gerson Arraes. Rio de Janeiro, 29 de novembro de (ANEXO II) 29 CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, ibid.

11 14 estupros, não tomando providências, o que gera novos eventos danosos, de modo que estes poderiam ser evitados pela presença repressiva estatal. No plano dos fatos, é incontestável que determinados bairros da cidade do Rio de Janeiro sofrem maior incidência do crime organizado, em especial àqueles que possuem um relevo geográfico capaz de camuflar a atividade ilícita. O bairro da Tijuca, outrora muito valorizado, pode ser exemplarmente citado. A infinidade de morros que o cercam favorece o desenvolvimento da criminalidade, fato que, evidentemente, é de conhecimento do Estado. Neste caso, em especial, a omissão do Estado em agir em determinada localidade identificável, como uma rua, por exemplo, todavia tenha conhecimento de que os crimes praticados naquele local são rotineiros, é uma omissão específica, e, portanto, gera responsabilidade objetiva de indenizar pelos danos causados pelo ato comissivo. 31 A problemática está na prova de que o Estado conhecia a manifestação criminosa no local. Novamente, uma solução razoável é a aplicação do artigo 334, I, CPC, de modo que os fatos notórios dispensam a prova. É notório que o Estado não age em determinados lugares, mesmo provocado pela população civil, pela imprensa, e por membros do legislativo. Os nexos de causalidade que envolve a degradação urbana do bairro e a violência são nítidos, bastando uma comparação entre classificados de jornais das décadas de 60, 70, 80 e 90 para que seja percebida uma franca desvalorização do bairro exemplificado em relação a bairros nobres da cidade. Nesse sentido, é aplicável o artigo 37, 6º, da Constituição da República, respondendo o Estado objetivamente, ou seja, somente poderá elidir a sua responsabilidade ser provar a ocorrência de algumas das excludentes, como, fato de terceiro, culpa exclusiva da vítima, caso fortuito ou força maior. Fato de terceiro pode ser entendido como a ação de determinada pessoa, que não o lesado ou o aparente causador do dano, que é a causa determinante para a ocorrência do resultado BRASIL, Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º /05( ). Apelante: Carlos Henrique da Conceição. Apelado: Estado do Rio de Janeiro. Relatora: Desembargador Nanci Mahfuz. Rio de Janeiro, 04 de abril de (ANEXO II) 32 AGUIAR DIAS, José de. Da responsabilidade civil. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1997.

12 15 Culpa exclusiva da vítima, para alguns denominado fato exclusivo da vítima, ocorre na hipótese em que o aparente causador do dano é um mero instrumento para sua ocorrência, que na realidade foi provocada por ação da própria vítima. 33 Embora sejam encaradas pela maior parte da doutrina como expressões sinônimas, cabe salientar uma distinção entre caso fortuito e força maior 34, embora sejam ambas excludentes de culpabilidade. Caso fortuito é o evento imprevisível e por isso, inevitável. Em sendo o evento previsível, porém inevitável, por estar acima das forças do agente, como uma enchente, uma tempestade, é caracterizada a força maior. 35 No primeiro, a inevitabilidade é inerente a sua imprevisibilidade, enquanto no segundo, a inevitabilidade é fruto de uma impossibilidade humana de evitar o evento danoso. De qualquer forma, é difícil a aplicação das excludentes de culpabilidade em benefício do Estado. A excludente de fato de terceiro pode ser observada sob dois aspectos, com reflexos jurídicos distintos: No primeiro, a participação do terceiro é total, ou decisiva, para ocorrência do resultado. Nesse caso, seria observada a irresponsabilidade do Estado. No segundo aspecto, o Estado atua de forma concorrente à ocorrência do dano, situação em que ambos, Estado e terceiro, suportariam a responsabilidade pelo dano, de forma solidária. 36 Na hipótese do presente artigo, a aplicação da excludente seria no sentido de que a violência é um fato de terceiros, e que, no máximo, ocorreria uma culpa concorrente, considerando a omissão do Estado. Ocorre que nesse caso, os terceiros não podem ser identificados, tornando inaplicável a excludente. Quanto à culpa exclusiva da vítima, esta também se demonstra totalmente inaplicável, haja vista que a violência urbana não é gerada por uma única pessoa, mas sim por um conjunto de atos e fatos delituosos ou imorais que incidem sobre determinada área da cidade. Caso fortuito parece a melhor linha de defesa do Estado, que pode sustentar que a violência é imprevisível, já que pode ocorrer em qualquer lugar, abstratamente. O problema seria defender sua inevitabilidade, uma vez que, provada sua omissão 33 RODRIGUES, Silvio. Direito civil: responsabilidade civil. 12. ed. São Paulo: Saraiva, SANTOS, Rodrigo Valga dos. Nexo causal e excludentes da responsabilidade extracontratual do estado. In: FREITAS, Juarez. (Org.). Responsabilidade civil do estado. São Paulo: Malheiros, CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, CRUZ, Gisela Sampaio da. O problema do nexo causal na responsabilidade civil. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

13 16 específica, como dizer que não pode o Estado evitar a ocorrência de uma ação que sabe, por experiência comum e notoriedade, que irá acontecer em determinada localidade. Seria dizer que: O Estado sabe que na rua X há um ponto de venda de substâncias entorpecentes, mas nada faz, e ainda sim, sustenta que a depreciação daquela localidade era imprevisível e, além disso, era inevitável. Tal afirmação não parece ser razoável. Ora, o Estado tinha, mais do que previsibilidade, previsão da ocorrência do resultado, e podia, através de suas polícias judiciária e ostensiva, reprimir e fazer cessar o evento criminoso, adequando àquela localidade ao nível de segurança proposto pela Constituição da República. Força maior, por outro lado, também se demonstra inaplicável, sendo certo que não se pode atribuir à natureza a responsabilidade pela degradação social. Desta forma, conclui-se que: É dever do Estado assegurar a segurança e o bemestar das pessoas; a omissão deste dever pode ser específica ou genérica. É específica quando o Estado se omite tendo ciência, ou ainda previsão, da ocorrência do ato ou fato que deve evitar. Quando específica, a responsabilidade do Estado é objetiva, ou seja, responde pelos danos independentemente de ter agido com culpa. A previsão da ocorrência de fatos criminosos e sua implicação na degradação urbana podem ser notórias, ou ainda, decorrente da comunicação ao poder público da comum prática dos delitos; o nexo de causalidade é evidente, sendo certo que a desvalorização de determinada área urbana cresce proporcionalmente com o crescimento da violência na localidade; O Estado somente pode argüir a excludente de caso fortuito, o que é desnecessário, já que a omissão genérica, quando o Estado não tem ciência da ocorrência de resultado que deve impedir, por si só, já gera responsabilidade subjetiva. Obras públicas e desvalorização de imóveis Não há dúvida de que o Estado pode causar danos às pessoas não apenas por suas omissões, como, também, por suas ações. Mas, e quando o Estado quer com suas ações beneficiar determinadas pessoas e acaba por prejudicá-las? O Estado jamais pode ter o interesse de lesar determinada pessoa, já que em sua concepção subjetiva clássica, a finalidade do Estado é promover o bem comum. 37 O bem comum pode ser entendido como a satisfação de interesses, que, embora genéricos, podem ser individualmente observados nas pessoas. 37 GROPPALI, Alexandre. Doutrina do estado. São Paulo: Saraiva, 1952.

14 17 Nesse sentido, a finalidade da administração pública é a promoção e a defesa do interesse público. 38 No cumprimento de sua finalidade de promover o interesse público, o Estado deverá, entre outras medidas, assegurar o progresso no desenvolvimento urbano, realizado, principalmente, através de obras públicas. Em regra, as obras públicas objetivam e de fato valorizam, os imóveis particulares, o que enseja a possibilidade do Estado, aqui como denominação genérica aplicável aos municípios, aos estados em sentido estrito, e a união, instituir um tributo denominado contribuição de melhoria. A contribuição de melhoria está prevista no artigo 145, III, da Constituição da República e tem como hipótese de incidência a valorização de imóvel do contribuinte decorrente de obras públicas realizadas. 39 E quando o que se observa a desvalorização? Se quando o impacto imobiliário de sua obra é positivo, o Estado tem meios para recuperar seu investimento, é lógico imaginar que quando o impacto for negativo, este deverá indenizar o particular pelo prejuízo causado. Para ilustrar, pode ser utilizado o seguinte exemplo: Nos anos 80/90, no bairro de Botafogo, cidade do Rio de Janeiro, foi realizada uma grande obra pública, consistente na escavação de um túnel, que permitiria que o metrô alcançasse o bairro de Copacabana, onde seriam construídas outras estações. A materialização da obra teve proporções de alta magnitude, tendo algumas pequenas ruas quase que integralmente fechadas, limitando o acesso de pessoas somente através de pequenos corredores formados por tapumes. Os moradores das ruas, então, passaram a conviver diretamente com poeira, poluição sonora, perturbação geológica, causada pela atividade de maquinário de escavação, que gera intensa trepidação no solo, transformando um ambiente, antes agradável, em insalubre para a instalação residencial. Além disso, como não se tratava de rua exclusivamente residencial, alguns bares e poucas lojas tiveram seu movimento de clientes reduzido à quase inexistência de freqüência, ocasionado encerramento da atividade mercantil de diversos estabelecimentos. 38 BANDEIRA DE MELLO, Oswaldo Aranha. Conceito de direito administrativo. In: Revista da Universidade Católica de São Paulo. v. XXVII. São Paulo: UCSP, ROSA JUNIOR, Luiz Emygdio Franco da. Manual de direito financeiro e direito tributário. 18 ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

15 18 Pode-se concluir que no exemplo a obra pública atendeu a uma necessidade social, não sendo uma obra meramente voluptuária, mas sim indispensável ao transporte público da cidade. Desta forma, pode ser identificado o primeiro aspecto: a ação do Estado. Em sendo uma ação do Estado, este responde objetivamente pelos danos causados, na forma do artigo 37, 6º, da Constituição da República. A responsabilidade, nesse caso, decorre da teoria do risco administrativo, consistente em dizer que a administração pública gera risco para os administrados, uma vez que a atividade normal do Estado por gerar danos aos administrados, e, especialmente por favorecer a todos, por todos deve ser suportado seu ônus. 40 Logo, por presente a responsabilidade objetiva, despiciendo provar a culpa Estatal, restando, tão somente, apontar o nexo de causalidade entre a ação e o dano, e o próprio prejuízo. Não se pode admitir, é verdade, que o Estado deva indenizar por todo o desconforto gerado por uma obra pública, mas sim, é admissível que o Estado seja responsabilizado pelos prejuízos reais e superiores ao que, em condições normais, deveria ocorrer, de modo a tornar-se insuportável para a pessoa lesada, ou desproporcional em relação à melhoria resultante da obra pública. 41 No caso em tela, as pessoas foram privadas, ainda que parcialmente, do acesso ao logradouro público limítrofe às suas residências, expostas à ruídos acima dos limites tolerados pela legislação municipal, e tiveram de suportar fortes trepidações, e poeira excessiva, tanto ruim para objetos quanto para a saúde de pessoas. Assim, tal circunstância pode ser considerada como um prejuízo, até porque, a desvalorização decorre in re ipsa, já que ninguém compraria um imóvel afetado por tais condições pelo preço normal de mercado. 42 O mesmo princípio se aplica aos estabelecimentos mercantis, já que a diminuição do movimento de clientes, gera, consequentemente, a desvalorização do ponto comercial, que deve ser tratado não apenas como patrimônio empresarial, mas sim, como bem imobiliário CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, STOCO, Rui. Tratado de responsabilidade civil. 6 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Apelação Cível n.º Relator: Desembargador Cezar Peluso. São Paulo, 28 de agosto de 1990.(ANEXO III) 43 BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Apelação Cível Revista JTJ-LEX, n.º161. Relator: Desembargador Roberto Bedran. 19 de abril de 1994.(ANEXO III)

16 19 Nesse caso, comprovado que a residência de fato foi atingida intensamente pelas obras públicas resta patente o dever do Estado indenizar, não apenas pelo transtorno causado, mas pelo efetivo prejuízo relacionado ao valor comercial do imóvel. O mesmo se aplica às demais obras públicas, de menor ou maior intensidade e interesse, desde que seja atestada pelo interessado a ocorrência de condições anormais, que o senso comum não permite suportar, e o eventual prejuízo delas decorrente. 44 Quando determinada obra pública afeta diretamente a estrutura física de um imóvel, o dano é mais fácil de aferir, não sendo tão abstrato quanto os demais. Nessa hipótese, o dano estrutural pode ser provado por perícia técnica, e a desvalorização imobiliária decorre da própria narrativa dos fatos. É muito comum a alteração de nível da rua em determinadas obras, obstruindo, ou dificultando, o acesso de veículos e pedestres à residência, ou ainda, causando rachaduras na fachada e no interior das unidades. Hipótese em que restam observados a ação do Estado, materialização da obra pública, o dano causado, a desvalorização causada pelo dano estrutural ou pela limitação de acesso, e o nexo de causalidade, que decorre da própria narrativa dos fatos, havendo, portanto, dever de indenizar. Conclui-se, então, que em se tratando de obras públicas, atos comissivos da administração pública, é aplicável o artigo 37, 6º da Constituição da República, respondendo o Estado objetivamente, com fundamento na teoria do risco administrativo; o ato ilícito praticado está consubstanciado não na vontade do poder público de lesar, mas sim na ofensa ao bem jurídico tutelado, o imóvel do administrado; o dano decorre in re ipsa, dependendo da intensidade da condição exposta ao imóvel, que deverá ser anormal e insustentável, gerando efetivamente depreciação em seu valor comercial; o nexo de causalidade pode ser atestado pela observação da proximidade e da relação da obra pública com o imóvel objeto da suposta desvalorização; comprovada a ocorrência dos requisitos, nasce para o Estado o dever de indenizar; Tal dever também pode ser observado em se tratando de imóvel destinado ao comércio, não apenas pelos lucros cessantes, que eventualmente o comerciante deixou de auferir, mas pela desvalorização do ponto mercantil propriamente dita; a aferição da responsabilidade é mais fácil quando se trata de desvalorização causada por dano estrutural ou dificuldade 44 STOCO, Rui. Tratado de responsabilidade civil. 6 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Apelação Cível. Revista dos tribunais, nº 455. São Paulo, 26 de abril de 1973.(ANEXO III) 46 BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Apelação Cível. Relator: Desembargador Lothário Octaviano. Revista dos tribunais, nº 537. São Paulo, 13 de outubro de 1977.(ANEXO III)

17 20 de aceso à residência, que pode ser constato por perícia, sendo a redução do valor patrimonial decorrente da própria narrativa dos fatos. Desvalorização patrimonial e outras ações e omissões estatais Em outras hipóteses, que não as tratadas anteriormente, a omissão, ou a ação, do Estado tem relevância jurídica no que tange à desvalorização imobiliária. Na hipótese das enchentes, com efeitos maximizados pela omissão do Estado em conservar as galerias subterrâneas responsáveis pelo escoamento da água, podem ser abordadas algumas questões: Trata-se de omissão do Estado, que assim como nos demais casos expostos na presente pesquisa, deve ser divida em omissão específica e omissão genérica. No caso, há omissão genérica quando o Estado simplesmente deixa de exercer sua atividade de limpeza das galerias subterrâneas responsáveis pelo escoamento da água das chuvas. Entretanto, será específica quando, sabedor, por informação de moradores ou por experiência anterior, com outras enchentes, o Estado tenha conhecimento de que o incidente é passível de ocorrer. Quando genérica, a responsabilidade do Estado é subjetiva, restando ao lesado o dever de provar a relevância e os efeitos da omissão estatal. Quando específica, impõese a aplicação do artigo 37, 6º da Constituição da República, sendo a responsabilidade objetiva, respondendo o Estado independentemente de culpa, hipótese em que poderão ser alegadas as excludentes de culpabilidade. Em exemplo concreto: Determinado bairro é afetado, constantemente, pelas chuvas, que resultam em enchentes de grandes proporções, gerando perdas e prejuízos aos moradores. Por tais razões, o mercado imobiliário da região não é bem desenvolvido, já que as freqüentes enchentes resultaram em desvalorização das casas da região. Nesse caso, trata-se de responsabilidade objetiva, por omissão específica 47, já que a administração pública tinha conhecimento dos problemas causados em ocasiões de chuvas, e como isso afetava o valor das casas da região, gerando baixa procura no mercado imobiliário. 47 BRASIL, Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º Apelante: Município do Rio de Janeiro. Apelado: Zeninha de Jesus. Relatora: Desembargadora Maria Raimunda Azevedo. Rio de Janeiro, 09 de janeiro de (ANEXO IV)

18 21 Já em outro exemplo, ocorre ums chuva como jamais acontecera, inundando a maior parte da cidade, não havendo qualquer forma de previsão, por parte da administração pública, do evento danoso. A hipótese é de irresponsabilidade do Estado, principalmente, pela ocorrência de força maior, ou seja, um evento da natureza inevitável, act of god, que causa danos à coletividade. 48 Logo, não haverá in casu o dever de indenizar. 49 Ademais, a ocorrência de um caso singular não é suficiente para a desvalorização de imóveis, carecendo a hipótese de nexo de causalidade entre a desvalorização e o evento danoso. A conclusão é de que, preliminarmente, a fim de atestar o dever de indenizar, deve-se observar o caso concreto, e identificar se a hipótese é de ação ou omissão, e nesse último caso, se específica ou genérica. Após, deve-se identificar se houve dano, não apenas um ligeiro incômodo, mas um dano bastante para interferir no cotidiano de modo irreparável, suficiente a desvalorizar o imóvel afetado. Por fim, o nexo de causalidade deve ser provado, ainda que por mera conclusão lógica, já que em muitas situações será impossível a prova física de sua existência. Conclusão É de fato difícil aferir o nexo de causalidade entre desvalorização patrimonial e atos omissivos ou comissivos do Estado. Na prática, o dever de indenizar deverá ser examinado em cada caso. Pode-se dizer que nos atos comissivos, ou ações, o Estado responde objetivamente, na forma do artigo 37, 6º, da Constituição da República, restando o dever de indenizar, independentemente de ter praticado a conduta culposamente, desde que não sejam observadas as excludentes de caso fortuito, força maior, fato de terceiro e culpa exclusiva da vítima. É o caso das obras públicas, desde que sejam comprovados os prejuízos causados, que devem ser graves, fugindo da mera alegação de incômodo temporário. A maior dificuldade está no plano dos atos omissivos, a inação estatal, que pode ser dividida em omissão específica e omissão genérica. A específica, quando o Estado tinha conhecimento da ocorrência do fato ou ato que deveria evitar gera a 48 CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, BRASIL, Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível n.º Apelante: Lucio Rocha. Apelado: Rio Urbe. Relatora: Desembargador José Carlos Varanda. Rio de Janeiro, 04 de novembro de (ANEXO IV)

19 22 responsabilidade objetiva, enquanto a omissão genérica, consistente em dizer que o Estado apenas se omitiu quando havia previsão legal de sua ação abstratamente, impõe a responsabilidade subjetiva, ou seja, o lesado deverá comprovar a culpa do Estado. Nessa hipótese é que está prevista a responsabilidade pelo crescimento desordenado, com a proliferação de favelas e guetos, e do aumento da criminalidade, que a princípio, são casos de omissão genérica. Entretanto, se o Estado foi comunicado, ou de alguma forma, tinha conhecimento da ocorrência freqüente dos eventos, não há como afastar a omissão específica, já que a administração pública tinha meios de evitar os eventos danosos, sendo sua desídia causa determinante para a ocorrência da desvalorização patrimonial. De qualquer forma, a responsabilidade do Estado por omissão enfrenta entraves não apenas jurídicos, face à dificuldade de se atestar uma desvalorização patrimonial, por exemplo, mas óbices políticos. O reconhecimento indiscriminado da responsabilidade por omissão do Estado poderá ocasionar uma corrida ao judiciário em busca de indenizações, que em boa parte das vezes, será apenas um meio de enriquecimento do suposto lesado. Mas, por outro lado, não se pode premiar a ausência do Estado em áreas e momentos importantes, apenas sob o argumento de que as indenizações podem enriquecer pessoas. É de vital importância que o judiciário brasileiro afaste a idéia de que é melhor coibir o enriquecimento do lesado do que punir o agente causador do dano, que de fato é o que ocorre. É muito comum a propositura de ações em face de prestadoras de serviços públicos por fato do serviço, defeito na prestação que gera um dano, que, por fim, têm seus pedidos procedentes, condenando as prestadoras ao adimplemento de indenizações ínfimas, sob o argumento de que representariam enriquecimento sem causa para os lesados. Ora, tal situação exterioriza uma inversão de valores. Na verdade, a parte fragilizada é o lesado, ou no caso do presente trabalho, o administrado, e não a administração pública, que tem o ônus de suportar os malefícios da gestão de um Estado, inclusive no que tange aos efeitos sobre o patrimônio das pessoas. A questão é mais política do que jurídica, e para que a concepção seja alterada será necessário um amadurecimento dos tribunais de superposição, motivados, principalmente, pelo anseio popular.

20 23 Bibliografia AGUIAR DIAS, José de. Da responsabilidade civil. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, BACELLAR FILHO, Romeu Felipe. Responsabilidade civil da administração pública aspectos relevantes. In: FREITAS, Juarez. (Org.). Responsabilidade civil do estado. São Paulo: Malheiros, 2006 BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 19. ed. São Paulo: Malheiros, BANDEIRA DE MELLO, Oswaldo Aranha. Conceito de direito administrativo. In: Revista da Universidade Católica de São Paulo. v. XXVII. São Paulo: UCSP, CALAMANDREI, Piero. Direito processual civil. v. 1. Tradução de Luiz Abezia e Sandra Drina Fernandez Barbiery. Campinas: Bookseller, CASTRO, Guilherme Couto de. A responsabilidade civil objetiva no direito brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de responsabilidade civil. 6. ed. São Paulo: Malheiros, CRUZ, Gisela Sampaio da. O problema do nexo causal na responsabilidade civil. Rio de Janeiro: Renovar, DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 18. ed. São Paulo: Atlas, GROPPALI, Alexandre. Doutrina do estado. São Paulo: Saraiva, JESUS, Damásio E. de. Código penal anotado. 12. ed. São Paulo: Saraiva, JUSTEN FILHO, Marçal. A responsabilidade do estado. In: FREITAS, Juarez. (Org.). Responsabilidade civil do estado. São Paulo: Malheiros, MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927

A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 A Responsabilidade civil objetiva no Código Civil Brasileiro: Teoria do risco criado, prevista no parágrafo único do artigo 927 Marcela Furtado Calixto 1 Resumo: O presente artigo visa discutir a teoria

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível nº 0059871-12.2007.8.19.0001 Apelante: JONETES TERESINHA BOARETTO Apelado: GRANDE HOTEL CANADÁ LTDA. Relator: DES. CUSTÓDIO TOSTES DECISÃO MONOCRÁTICA

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único:

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único: DOENÇA OCUPACIONAL - ARTS. 20 E 118, DA LEI 8.213/91 INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS NOVA COMPETÊNCIA DO ART. 114, DA CF QUANTIFICAÇÃO DO DANO MATERIAL E MORAL Competência da Justiça do Trabalho.

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO

A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO A RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO ESTADO NOS CASOS DE OMISSÃO SILVA, R. M. Resumo: O tema apresentado é de muita importância tendo em vista todos os danos que o Estado causa aos seus cidadãos. Danos

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 35 Registro: 2016.0000031880 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0003042-68.2011.8.26.0003, da Comarca de, em que é apelante/apelado JOSUÉ ALEXANDRE ALMEIDA (JUSTIÇA

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01)

EMBARGOS INFRINGENTES EM APELAÇÃO CÍVEL nº 551137/RN (2007.84.02.000434-2/01) EMBTE : DNIT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO EMBDO : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO ADV/PROC : SILDILON MAIA THOMAZ DO NASCIMENTO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2015.0000941456 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4001661-41.2013.8.26.0114, da Comarca de Campinas, em que é apelante

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 08 Aulas de

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 08 18 14 18 14 08 Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Responsabilidade Civil Ano/semestre: 2012-1 Carga horária: Total: 80 horas Semanal: 4 horas Professor: Renzo Gama Soares Período/turno: Matutino

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa e ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ACÓRDÃO AGRAVO INTERNO N 009.2008.001331-5/001. Relator: Dr. Aluízio Bezerra Filho, Juiz de Direito Convocado em substituição

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

AÇÕES REGRESSIVAS INSS

AÇÕES REGRESSIVAS INSS AÇÕES REGRESSIVAS INSS Salim Jorge Curiati São Paulo, 28 de outubro de 2008 Com fundamento no quanto disposto nos artigos 120 e 121 da 8.213/91 (Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS O DIREITO DE REGRESSO DO INSS: ACIDENTES DE TRABALHO E A LEI Nº 8.213/91 Introdução: Recentemente, por todo o Brasil, constata-se na Justiça Federal o crescente aumento de ações regressivas propostas pelo

Leia mais

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA

357 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0005263-56.2012.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: BANCO DO BRASIL S/A APELANTE: CLAUDIO FELIPE CUSTODIO LESSA APELADO: OS MESMOS RELATOR: DES. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA Relação de consumo.

Leia mais

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL FERNANDO REVERENDO VIDAL AKAOUI XIV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA RESPONSABILIDADE DO ESTADO PELA PROTEÇÃO

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0004150-49.2007.8.19.0042 APELANTE: MERCADOLIVRE.COM ATIVIDADES DE INTERNET LTDA. APELADA: LÍVIA SANTUX ANDRADE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 2 Registro: 2015.0000086160 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0011047-84.2013.8.26.0011, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ORDALIA REGINA DA SILVA BUSO, são

Leia mais

SENTENÇA. Foi concedida a antecipação dos efeitos da tutela para suspender a exigibilidade da notificação de nº 2012/808804682957086 (evento 9).

SENTENÇA. Foi concedida a antecipação dos efeitos da tutela para suspender a exigibilidade da notificação de nº 2012/808804682957086 (evento 9). AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5029780-43.2013.404.7000/PR AUTOR : ETEVALDO VAZ DA SILVA ADVOGADO : LEONILDA ZANARDINI DEZEVECKI RÉU : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL MPF : MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000481719 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002045-56.2007.8.26.0543, da Comarca de Santa Isabel, em que é apelante ORNAMENTAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO ACÓRDÃO ^SSS^ AC TGISTRADO(A)SOBN -- iriümpiii *00727314* Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO EX-OFICIO n 114.385-0/2-00, da Comarca de ITAPETININGA, em que é recorrente JUÍZO "EX OFFICIO",

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO 1 PARECER Nº 14.902 RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA EM DECORRÊNCIA DE OBRA: SE COMPROVADO O NEXO DE CAUSALIDADE ENTRE O DANO SOFRIDO PELO PARTICULAR E A ATUAÇÃO ESTATAL, HÁ DEVER DE INDENIZAÇÃO PELO PODER

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Elementos de Direito Aduaneiro

Elementos de Direito Aduaneiro Elementos de Direito Aduaneiro Marcelo Alvares Vicente Professor universitário, mestre em Direito Tributário pela PUC/SP, advogado Março / 2011 Normas de direito aduaneiro Diversos instrumentos normativos,

Leia mais

Acidente de Trabalho Aspectos gerais e prevenção

Acidente de Trabalho Aspectos gerais e prevenção Acidente de Trabalho Aspectos gerais e prevenção Cássio Ariel Moro Estatísticas No Brasil: 2003: 340.000 acidentes de trabalho; 2009: 653.000 acidentes; 2010: 723.000 acidentes, com 2.496 mortes. No Espírito

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP Registro: 2015.0000075537 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 1008924-47.2014.8.26.0016, da Comarca de São Paulo, em que é recorrente CHAMALEON EVEN EMPREENDIMENTOS

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção.

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014 Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. Entrou em vigor no dia 29 de janeiro a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013,

Leia mais

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL -

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - BOLETIM NR #28 Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - O Superior Tribunal de Justiça editou quatro novas súmulas (nº 406 a 409), que trazem um teor bastante relevante

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Mariza Giacomin Lozer Patrício Advogada (FESV).

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO Por Fernando Oliva Palma 1) Introdução Os acidentes de trânsito, hoje em dia, constituem um dos principais motivos do elevado número

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

+ -47 41.1 ' r, ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. JORGE RIBEIRO NÓBREGA

+ -47 41.1 ' r, ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. JORGE RIBEIRO NÓBREGA t. + -47 41.1 ' r ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. JORGE RIBEIRO NÓBREGA ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2004.024269-3/001 Oriundo da 7a Vara Cível da Comarca de Campina Grande-PB

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

1, 91 I, L.; Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D.

1, 91 I, L.; Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. # 1' AC no 001.2008.015902-1/001 1 1, 91 I, L.; Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO 4110 APELAÇÃO Chi/EL

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 1ª CÂMARA DE DIREITO PRIVADO fls. 1 Registro: 2013.0000264740 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0035940-51.2009.8.26.0506, da Comarca de Ribeirão Preto, em que é apelante/apelado GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor FICHA R Nº 920/00- CENACON - ASSUNTO: serviço público água constantes interrupções no fornecimento de água em diversos bairros da cidade - manutenção precária do sistema de abastecimento - prestação de

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº. 0120754-14.2010.8.19.0002 Apelante: UNIMED SÃO GONÇALO NITERÓI SOCIEDADE COOPERATIVA DE SERVIÇOS MÉDICOS E HOSPITALARES LTDA Apelado: MARIA EMÍLIA

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores RUBENS RIHL (Presidente) e JARBAS GOMES. São Paulo, 18 de setembro de 2013.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores RUBENS RIHL (Presidente) e JARBAS GOMES. São Paulo, 18 de setembro de 2013. ACÓRDÃO Registro: 2013.0000562802 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0000555-80.2010.8.26.0482, da Comarca de Presidente Prudente, em que é apelante PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores ANTÔNIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e LEONEL COSTA.

PODER JUDICIÁRIO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores ANTÔNIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e LEONEL COSTA. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N í um! mil mu um mu um um mu m m *03417005* Vistos, relatados e discutidos estes

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

RESPONSABILIDADE SUBJETIVA: A TEORIA DA CULPA

RESPONSABILIDADE SUBJETIVA: A TEORIA DA CULPA RESPONSABILIDADE SUBJETIVA: A TEORIA DA CULPA Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital Borba

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE SERVIÇO PÚBLICO

RESPONSABILIDADE CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE SERVIÇO PÚBLICO 168 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume I RESPONSABILIDADE CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE

Leia mais

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT Circunscrição :1 - BRASILIA Processo :2014.01.1.006163-0 Vara : 2302 - SEGUNDO JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL SENTENÇA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000774196 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002068-54.2012.8.26.0663, da Comarca de Votorantim, em que é apelante UNIVERSO ON LINE S/A, é apelado ANTONIO

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa.

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 040.2008.000891-1/001. Relator: Marcos William de Oliveira, Juiz Convocado em substituição ao Des. José Di

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Seguro de Responsabilidade Civil Profissional SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS

Seguro de Responsabilidade Civil Profissional SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS O Seguro RC Advogados na Europa, USA e Brasil Europa - Obrigatório Cada País tem suas regras e limites de garantias Profissionais devem

Leia mais