ALTHUSSER: A ESCOLA COMO APARELHO IDEOLÓGICO DE ESTADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALTHUSSER: A ESCOLA COMO APARELHO IDEOLÓGICO DE ESTADO"

Transcrição

1 ALTHUSSER: A ESCOLA COMO APARELHO IDEOLÓGICO DE ESTADO LINHARES, Luciano Lempek Mestrando PUCPR MESQUIDA Peri Mestrado em Educação PUCPR SOUZA, Laertes L. de - PUCPR Resumo: O presente artigo desenvolve uma reflexão sobre o tema da escola como aparelho ideológico do estado, segundo o pensamento de Louis Althusser, a partir da obra Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado. Segundo autores, Establet, Bourdieu e o próprio Althusser, a escola é o principal aparelho ideológico de Estado capitalista dominante nas formações sociais modernas, pois é ela que forma as forças produtivas para o mercado de trabalho e, ao mesmo tempo, mantém e garante as relações de produção requeridas pelo sistema. Essas relações dicotômicas (patrãoempregado, burguês-proletariado) são reproduzidas no próprio contexto do aparelho escolar. A luta de classes, portanto, não está ausente da escola, ao contrário é alimentada por ela. Cabe então à escola, aparelho ideológico do Estado, servir aos interesses do Estado e da classe social que dominante. Ou seja, ela está a serviço da manutenção da dominação de uma classe sobre a outra, por meio de um discurso ideológico, alienante, perpetuando em última instância as relações de produção e a distribuição social e econômica desigual. Por isso, Althusser, seguindo Gramsci, pode afirmar que o Estado capitalista se mantém utilizando aparelhos de coerção ( forças armadas, o aparelho jurídico, etc.) e pela persuasão (partidos políticos, meios de comunicação, escola, etc.). Palavras-Chave: Ideologia, Educação, Aparelho Ideológico de Estado, Escola, Classse Introdução Louis Althusser antes de elaborar uma reflexão sobre a escola como reprodutora ( serva ) do modo de produção capitalista e por isso principal Aparelho Ideológico do Estado, desenvolveu uma reflexão sobre a Ideologia seu significado, conceito e sua força na ação de mascarar e manipular a realidade a favor da classe dominante. Depois disso, trabalhou os Aparelhos Ideológicos do Estado como instituições visíveis que estão a serviço do Estado. O Estado Moderno, por sua vez, de acordo com Althusser, está nas mãos da burguesia. Já a burguesia, para manter o Estado em seu poder e se manter como classe dominante, controla e

2 1495 manipula ideologicamente as instituições a fim de se reproduzir o status quo. Para tanto, o Estado utiliza a escola como principal instituição ideológica, de maneira que ela lhe garanta condições de sobrevivência já que, ao romper com a Igreja, perdeu o acesso às casses populares as quais, de acordo com Marx, são precisamente a classe que se opõe à burguesia. Althusser parte da conceito marxista de ideologia para, finalmente, desenvolver o seu próprio conceito. Na primeira página da sua principal obra, Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado, Althusser cita Marx ao tratar sobre a reprodução das condições da produção da classe dominante dentro do processo de formação das classes sociais. Como Marx dizia, até uma criança sabe que se uma formação social não reproduz as condições da produção ao mesmo tempo em que produz não conseguirá sobreviver um ano que seja. A condição última da produção é, portanto a reprodução das condições da produção. (ALTHUSSER, 1985, p. 09). Althusser pretendeu com isto pesquisar como a classe dominante se reproduz, sobretudo, materialmente, seja por meio das idéias, seja por meio de suas estratégias de sobrevivência para manter o Estado em seu poder, tanto pelo poder repressivo quanto pela persuasão. (ALTHUSSER, 1985, p ). Retomando as idéias de Marx, a partir de leituras de Establet (1978) e Althusser (1985), podemos pensar que, essencialmente, o sistema capitalista divide a sociedade essencialmente em duas classes: a classe burguesa, detentora dos meios de produção (fábricas, indústrias, propriedades privadas, capital financeiro, etc.) e a classe proletária ou trabalhadora, a qual não detendo os meios de produção, precisa vender a sua força de trabalho para se manter, para se sustentar. Essa relação é mantida ou assegurada pela exploração da força de trabalho, geralmente mão-de-obra barata do proletário. Uma espécie de mercadoria que é comprada, vendida e disputada pelo melhor/ menor preço, segundo as leis do mercado financeiro. Assim, o burguês, possuidor dos meios de produção, além de possuidor dos meios de reprodução de sua condição de vida e status e da condição de vida e status do operário, adquire o que Marx chamou de mais-valia, o excedente, o lucro. Já o operário não tem como produzir, nem reproduzir o lucro, uma vez que não possui os meios de produção, condição indispensável no mundo capitalista moderno. Com isto o capitalismo força ou promove a separação da força de trabalho dos meios de produção, algo extremamente importante para a classe dominante.

3 1496 A separação da força de trabalho dos meios de produção, separação que define o operário, impede-o radicalmente de tornar-se um capitalista porque o salário corresponde exatamente à produção da força de trabalho. Ele não tem materialmente nenhum meio de acumular o capital. Esta separação que o define é, por sua vez, a condição de sua reprodução enquanto operário. (ESTABLET in BASAGLIA, 1974, p. 112) É importante lembrarmos que, no capitalismo, a classe burguesa reproduz a força de trabalho pagando salário aos trabalhadores com os quais eles podem alimentar-se e criar a próxima geração de trabalhadores. (CARNOY, 1990, p. 34). Para Althusser, a divisão social de classe, dentro do sistema capitalista, tem origem na divisão do trabalho, reforçado, porém, pela instituição escolar: Na verdade não existe, excepto na ideologia da classe dominante, divisão técnica do trabalho: toda a divisão técnica... do trabalho é a forma e a máscara de uma divisão de classes. Assim, a reprodução das relações de produção só pode ser um empreendimento de classe. Realiza-se através de uma luta de classe que opõe a classe dominante à classe explorada. (ALTHUSSER, 1970, p. 116). Louis Althusser e a escola como aparelho ideológico do Estado A classe explorada que, segundo Althusser, se mantém enquanto classe subalterna, graças à atuação dos aparelhos ideológicos do Estado, sendo que, entre eles, o mais importante para a classe dominante, é a escola. Como dizíamos, a divisão social do trabalho, por sua vez, irá assegurar um lugar próprio na produção para cada sujeito. Lugar esse reconhecido como necessário pelos demais ao longo do tempo. Nesse sentido, a ideologia, por meio dos seus mecanismos de inculcação, fará com que o sujeito reconheça a necessidade da divisão do trabalho como algo natural. (Albuquerque in Althusser, 1985, pág. 08). Dessa maneira, formar o trabalhador significa, não propriamente, ou não apenas, qualificar seu trabalho, mas tornar, para o indivíduo, natural e necessária a equivalência entre a qualidade do trabalho e a quantidade da força de trabalho; tornar natural e necessária a venda da força de trabalho; a submissão às normas de produção, à racionalidade da hierarquia na produção, etc. (ALBUQUERQUE in ALTHUSSER, 1985, p. 12) Além de tornar o trabalho algo natural e necessário ao homem, na verdade natural ao operário e necessário à reprodução da classe burguesa e a sua condição de vida, a ideologia burguesa busca cada vez mais na força de trabalho, habilidades específicas e diversificadas. Segundo Althusser, cada vez mais, no sistema capitalista, estas habilidades vem sendo desenvolvidas em um lugar fora da produção: pelo sistema educacional e outras instâncias e

4 1497 instituições, fato que não acontecia em épocas anteriores. No sistema feudal, por exemplo, o indivíduo era formado em seu local de trabalho. Hoje em dia o individuo é formado em um lugar alheio ao seu trabalho, aprende e desenvolve técnicas que nunca utilizará. O capitalismo busca cada vez mais essa estratégia de interesse da classe burguesa, classe dominante, a fim de renovar as condições da produção dominante para se manter no poder. Ocorre que o aparelho escolar contribui, com a parte que lhe cabe, para reproduzir as relações sociais de produção capitalista na medida em que: contribui para a formação da força de trabalho e para a inculcação da ideologia burguesa (ESTABLET, 1978, 254), além de ensinar a diferentes crianças, diferentes padrões de comportamento, dependendo da classe que ela pertença e do trabalho que ela realizará. (Esse raciocínio, da escola como aparelho que forma, que molda o sujeito e lhe inculca pensamentos de submissão ao sistema vigente, será importante para justificar a manutenção da classe burguesa como classe dominante, material, política e ideologicamente). Assim, Carnoy, citando Althusser, escreve: A reprodução da força de trabalho revela como condição sine qua non não somente a reprodução das habilidades, mas também a reprodução da sujeição à ideologia dominante ou a reprodução da prática daquela ideologia, de tal modo que não é suficiente dizer não somente... mas também porque está claro que é nas formas da sujeição ideológica que se faz a preparação para a reprodução das habilidades da força de trabalho. (ALTHUSSER in CARNOY, 1990, p. 35 A ideologia, segundo Althusser, presta um serviço de fundamental importância para a burguesia dentro do sistema capitalista, ajudando inclusive, a garantir o seu status de classe dominante. Ela está presente na formação das classes sociais, afirmaria Marx; na perpetuação das condições de reprodução dominante, sobretudo nos aparelhos ideológicos do Estado, especialmente na instituição escolar, afirmaria Althusser; e, na aceitação pelo trabalhador da sua condição de oprimido, afirmaria Freire. Althusser, citando o pensamento de Marx, escreve que a ideologia é o sistema das idéias e das representações, que domina o espírito de um homem ou de um grupo social. (K. Marx in Althusser, 1970, pág. 69). Ainda sobre a ideologia, o prefácio da Ideologia Alemã, de Marx, diz o seguinte: Até agora, os homens sempre tiveram idéias falsas a respeito de si mesmos, daquilo que são ou deveriam ser. Organizaram suas relações em função das representações que faziam de Deus, do homem normal, etc. Esses produtos de seu cérebro cresceram a ponto de dominá-los completamente. Criadores, inclinaram-se diante de suas próprias criações. (MARX, p. 03). Gorender, citando K. Marx, diz que a ideologia é entendida

5 1498 [...]enquanto consciência falsa, equivocada, da realidade. Porém consciência necessária aos homens em sua convivência e em sua atividade social. Consciência falsa que não resulta de manipulação calculista, propagandismo deliberado, mas da necessidade de pensar a realidade sob o enfoque de determinada classe social, no quadro das condições de sua posição e funções, das suas relações com as demais classes etc. (GORENDER in MARX, p. XXII) Althusser apresenta o conceito de ideologia a partir de duas grandes teses: a imaginária e a material. A primeira refere-se à ideologia enquanto representação imaginária dos indivíduos com as suas condições reais de existência. São concepções de mundo, na maioria das vezes, fantasiosas sobre suas condições de existência, seja religiosas, morais, jurídicas ou políticas, pois não correspondem à realidade, à verdade (ALTHUSSER, 1970, pág. 77). Essa concepção ilusória parte de uma alusão da realidade, como demonstra Althusser a seguir: [...]toda a ideologia representa, na sua deformação necessariamente imaginária, não as relações de produção existentes (e as outras relações que delas derivam), mas antes de mais a relação (imaginária) dos indivíduos com as relações de produção e com as relações que delas derivam. Na ideologia, o que é representado não é o sistema das relações reais que governam a existência dos indivíduos, mas a relação imaginária destes indivíduos com as relações reais que vivem. (ALTHUSSER, 1970, p. 82). A segunda tese de Althusser, busca defender a materialidade da ideologia: a ideologia tem uma existência material. Evidentemente não como uma pedra, ela existe sob diferentes modalidades, todas enraizadas em última instância na matéria, pois ela se passa nos indivíduos. (ALTHUSSER, 1970, pág. 85). Assim, a ideologia não representa somente um sistema de (falsas) idéias que atuam somente na imaginação, na compreensão da realidade ou na representação do mundo. Ela tem, sobretudo, existência material, e é nessa existência material que Althusser enfoca seu estudo. Essas idéias são, portanto, um conjunto de práticas materiais necessárias à reprodução das relações de produção, pois elas representam os interesses materiais de uma determinada classe. (ALTHUSSER, 1970, p. 83). Esta ideologia fala dos actos: nós falaremos de actos inseridos em práticas. E faremos notar que estas práticas são reguladas por rituais em que elas se inscrevem, no seio da existência material de um aparelho ideológico, mesmo que se trate de uma pequeníssima parte deste aparelho: uma missa pouco freqüentada numa capela, um enterro, um pequeno desafio de futebol numa sociedade desportiva, um dia de aulas numa escola, uma reunião ou um meeting de um partido político, etc... (Althusser, 1970, p. 87)

6 1499 Althusser demonstra que a ideologia não se reduz a simples imposição de idéias, ela se efetiva em práticas sociais inscritas em instituições concretas, reguladas por rituais no seio dos aparelhos ideológicos do Estado: A existência das idéias da sua crença é material, porque as suas idéias são actos materiais inseridos em práticas, reguladas por rituais materiais que são também definidos pelo aparelho ideológico material de que revelam as idéias desse sujeito... a materialidade de uma deslocação para ir à missa, de um ajoelhar, de um gesto de sinal da cruz ou de uma mea culpa, de uma frase, de uma oração, de uma contrição, de uma penitência, de um olhar, de um aperto de mão, de um discurso verbal externo ou de um discurso verbal <<interno>> (a consciência)... (Althusser, 1970, p. 89) Althusser sistematiza as suas duas teses, afirmando que as práticas sociais só existem por meio da ideologia, e a ideologia só existe para os sujeitos e por meio deles. Deste modo, toda ideologia tem por função (que a define) constituir os indivíduos concretos em sujeitos. (ALTHUSSER, 1970, p. 94). Para Althusser, a ideologia transforma os indivíduos em sujeitos, pois o indivíduo é interpelado como sujeito (livre) para que se submeta livremente às ordens do Sujeito, portanto para que aceite (livremente) a sua sujeição 1... e os atos da sua sujeição. (ALTHUSSER, 1970, p. 113). Assim, os considerados bons indivíduos ( bons-sujeitos ) pela intervenção da ideologia da classe dominante presente nos aparelhos ideológicos de Estado, no maior número possível de sujeitos, são aqueles que seguem os modelos propostos pelo sistema capitalista, pela burguesia, sem contestar tais padrões e concepção de mundo. Fazem isso de forma natural,... é verdade que é assim e não de outra maneira, que é preciso obedecer a Deus, a voz da consciência, ao padre, ao patrão... já os maus-sujeitos, as exceções, as anomalias, precisam ser punidos pelo aparelho repressivo de Estado, a fim de que possam fazer parte do sistema e dos modelos que este sistema impõe a todos, mesmo que seja necessário o uso da coerção. (ALTHUSSER, 1970, p. 113). A inculcação da ideologia dominante apesar de ser aprendida, reforçada e perpetuada na escola não se origina nela. A inculcação das idéias dominantes tem, antes, origem na formação das classes sociais, no seio do próprio Estado e de seus aparelhos. Althusser, retomando a tradição marxista, define o Estado como 1 O responsável por essa sujeição é a ideologia. Sujeição, tal como é entendida por Althusser... é um mecanismo de duplo efeito: o agente se reconhece como sujeito e se sujeita a um Sujeito absoluto. Em cada ideologia o lugar do sujeito é ocupado por entidades abstratas, Deus, a Humanidade, o Capital, a Nação, etc. (Albuquerque in Althusser, 1985, p. 08).

7 1500 [...] uma máquina de repressão que permite às classes dominantes (no século XIX à classe burguesa e a classe dos proprietários de terras) assegurar a sua dominação sobre a classe operária para submetê-la ao processo de extorsão da mais-valia (quer dizer, à exploração capitalista). (ALTHUSSER, 1970, p. 31) O Estado, segundo Althusser, funciona duplamente como um aparelho ideológico e como um poder de força repressiva. Configura-se como um instrumento que serve para assegurar os interesses da classe dominante, a burguesia, sobre a classe dominada: proletariado ou classe trabalhadora. Sendo assim, o Estado, que está a serviço da classe dominante, tem por objetivo garantir, por meio das idéias, da concepção de mundo, e/ou da força física, a permanência da burguesia no poder. O aparelho de Estado que define o Estado como força de execução e de intervenção repressiva pertence, portanto, à classe dominante e serve como instrumento de luta contra as possíveis resistências da classe dominada. (ALTHUSSER, 1970, p. 32) O Estado, representante da classe dominante, ditará as regras e as normas de convivência, o padrão, o dito normal e o transgressor, por meio de seus aparelhos, práticas jurídicas, exército, polícia, os tribunais, força repressiva. Para Althusser, revisando a teoria marxista do Estado, a existência do Estado só tem sentido em função do poder de Estado. Por isso, toda a luta política de classes gira em torno do Estado e da detenção e conservação do seu poder. Manter o poder de Estado é o propósito da classe dominante para poder manipular os seus aparelhos ideológicos de Estado, os AIE. (ALTHUSSER, 1970, pág. 36). Ávila (1985) fazendo alusão a Althusser, assim escreve: [...]os AIE são, também, o alvo e o local da luta de classes já que podem ser disputados pelas antigas classes dominantes ou pelas classes exploradas que podem encontrar meios de se exprimir nelas, utilizar suas contradições ou conquistar aí, pela luta, posições de combate. (ÁVILA, 1985, p. 53) A partir dessas reflexões, Althusser, se propôs distinguir o Estado enquanto força repressiva, do Estado enquanto aparelho ideológico, a partir da teoria de K. Marx: Lembremos que na teoria marxista, o Aparelho de Estado (AE) compreende: o Governo, a Administração, o Exército, a Polícia, os tribunais, as Prisões, etc., que constituem aquilo a que chamaremos a partir de agora o Aparelho Repressivo de Estado. Repressivo indica que o Aparelho de Estado em questão funciona pela violência - pelo menos no limite (porque a repressão, por exemplo, administrativa, pode revestir formas não físicas) (ALTHUSSER, 1970, p ). Assim, o aparelho repressivo de Estado serve para manter a ordem de maneira coercitiva e direta sobre os sujeitos, se necessitar pela força física mesmo (polícia, exército,

8 1501 tribunais, etc.) a fim de garantir, em última instância, as relações de exploração da classe burguesa, uma vez que o Estado é administrado pela burguesia. O papel do ARE consistiria essencialmente em proporcionar as condições políticas da reprodução das relações de produção; ele contribuiria, também, para se reproduzir e para garantir, através da repressão, as condições de exercício dos Aparelhos Ideológicos. Estes, por sua vez, proporcionam, em grande parte, a própria reprodução das relações de produção, sob o escudo do aparelho repressivo de Estado. Além disso, é por intermédio da ideologia dominante que se garante a harmonia entre os ARE e AIE dos AIE entre si. (ALBUQUERQUE apud ALTHUSSER, 1985, p. 30). Para Althusser, é pela instauração dos Aparelhos Ideológicos de Estado (AIE), que a ideologia é realizada e se torna dominante. Ela tem por objetivo último a reprodução das relações de produção: Designamos por Aparelhos Ideológicos de Estado um certo numero de realidades que se apresentam ao observador imediato sob a forma de instituições distintas e especializadas...(a ordem pela qual as enunciamos não tem qualquer significado particular): O AIE religioso (o sistema das diferentes Igrejas), O AIE escolar (o sistema das diferentes escolas públicas e particulares), O AIE familiar, O AIE jurídico, O AIE político (o sistema político de que fazem parte os diferentes partidos), O AIE sindical, O AIE da informação (imprensa, rádio-televisão, etc.) (ALTHUSSER, 1970, p ) Os aparelhos Ideológicos se distinguem do aparelho repressivo, em primeiro lugar, porque são vários; em segundo, porque pertencem ao domínio privado; e, em terceiro, porque funcionam principalmente pela ideologia. Apesar dos aparelhos de Estado, repressivo e ideológicos, funcionarem a partir de duas definições bastante diferentes, a repressão (violência) e a ideologia (inculcação de idéias burguesas), escreve Althusser: a partir do que sabemos, nenhuma classe pode duravelmente deter o poder de Estado (repressivo) sem exercer simultaneamente a sua hegemonia sobre e nos Aparelhos Ideológicos de Estado (ALTHUSSER, 1970, p. 49). Assim, a manutenção da hegemonia que a burguesia exerce sobre os AIEs se transforma em uma condição para deter o poder de Estado. A função, portanto, do poder (repressivo) de Estado e dos aparelhos ideológicos de Estado, é assegurar a reprodução das relações de produção capitalista, garantindo a materialidade do processo (a mais-valia). Tomemos como exemplo o aparelho ideológico de

9 1502 Estado Escolar (aparelho dominante nas sociedades capitalistas). A instituição escolar atua sobre as orientações e normas do Estado. Ela é constituída como um AIE por ser porta-voz dos interesses da classe burguesa, e por estar, assim, a serviço da classe dominante que detém o poder do Estado e que influencia os aparelhos ideológicos do Estado a seu serviço e em benefício dos seus interesses de classe. Segundo Bárbara Freitag (1980), a escola atua no interesse da estrutura de dominação estatal tendo por finalidade a dominação da classe operária, sua condição e a inculcação das idéias burguesas. Essa dominação, por sua vez, não se dá de maneira direta, através da aplicação explícita da violência como no Aparelho Repressivo de Estado, mais de maneira disfarçada, indireta, ideológica, por meio de uma ação pedagógica 2 Althusser afirma que o aparelho ideológico dominante e de massa nas formações capitalistas maduras, após uma violenta luta de classes política e ideológica contra o antigo Aparelho Ideológico de Estado dominante, é o Aparelho Ideológico escolar (1970, p. 60). Ele será responsável, junto com o aparelho ideológico de Estado político, por garantir a reprodução das relações de produção capitalista e de classe. Esse novo aparelho ideológico (a escola capitalista) irá substituir o poder da Igreja perante seus fiéis como aparelho dominante. Althusser acredita que nas formações sociais feudais, diferentemente das capitalistas, era possível encontrar números bem menos expressivos de aparelhos ideológicos de Estado. A rigor, o aparelho ideológico dominante era a Igreja, a qual acumulava vários aparelhos. Em particular, o aparelho ideológico cultural, da informação e o escolar. Assim, não seria possível passar o poder de Estado da aristocracia feudal para a burguesia capitalista-comercial, sem antes travar uma luta anti-clerical, a fim de quebrar o antigo aparelho repressivo de Estado e substituí-lo por um novo... mas também atacar o aparelho ideológico de Estado nº. 1: a Igreja (ALTHUSSER, 1970, p. 59). Daí a constituição civil do clero, a confiscação dos bens da Igreja e a criação de novos aparelhos ideológicos de Estado para substituírem o aparelho ideológico de Estado religioso no seu papel dominante. (ALTHUSSER, 1970, p. 59). A Igreja, enquanto aparelho ideológico do Estado do sistema feudal, era constituída como funcionária pública do Estado, portanto servia aos interesses do Estado. A partir do momento em que ocorre a separação entre a Igreja e o Estado, surge a necessidade do Estado 2 Segundo Bourdieu a ação pedagógica é uma violência simbólica na medida em que refere-se a uma imposição por meio de um poder arbitrário ou cultural. Representa, ainda, um sistema de relações de força entre a classe dominante e a dominada. (BOURDIEU, p. 20)

10 1503 elaborar um novo aparelho ideológico que atue diretamente na formação do sujeito de maneira disfarçada, porém decisiva. Esse aparelho será a escola. Althusser acredita que a luta ideológica iniciada no século XVI, chega ao século XIX, entre a aristocracia fundiária e a burguesia industrial, marcada pelo estabelecimento da hegemonia burguesa nas funções outrora desempenhadas pela Igreja: antes de mais nada, na Escola (Althusser, 1970, pág. 59). O aparelho ideológico escolar moderno substituirá, assim, o aparelho ideológico religioso da era feudal, formatando os sujeitos desde a infância. A conquista desse importante aparelho ideológico de Estado, aliado ao poder do Estado repressivo (poder político) serão condições imprescindíveis para a hegemonia ideológica e para a reprodução das relações de produção capitalista. O ponto de partida da reflexão de Althusser na obra Ideologia e Aparelhos ideológicos do Estado, é o pressuposto de que para produzir e reproduzir as condições que a burguesia ostenta dentro do sistema capitalista, ela deve, pois, reproduzir: 1) as forças produtivas, 2) as relações de produção existentes. (ALTHUSSER, 1970, p. 11). Aqui surge o papel ideológico sobre a existência da escola no que se refere à reprodução das forças produtivas. Este raciocínio é importante, pois será a partir dele que a burguesia justificará a existência da escola moderna como uma produtora das forças de trabalho. Para que haja reprodução das forças produtivas, da força de trabalho, é necessário garantir a sua formação, qualificação e a sua diversificação fora da produção, fora do mercado de trabalho. Está é uma lei tendencial própria do regime capitalista. Entretanto, na medida em que a escola qualifica as pessoas para o mundo do trabalho, inculca-lhes uma certa ideologia que os faz aceitar a sua condição de classe, sujeitando-os ao mesmo tempo ao esquema de dominação vigente. (FREITAG, 1980, p. 34). Establet reforça o argumento afirmando que a formação da força de trabalho se efetua nas formas mesmas da inculcação da ideologia burguesa: portanto, por um só e mesmo mecanismo, o mecanismo das práticas escolares. (ESTABLET apud BASAGLIA, 1974, p. 113). Dessa maneira, Althusser pode, portanto, afirmar: Ora, é através da aprendizagem de alguns saberes práticos (savoir-faire) envolvidos na inculcação massiva da ideologia da classe dominante, que são em grande parte reproduzidas as relações de produção de uma formação social capitalista, isto é, as relações de explorados com exploradores e de exploradores com explorados. Os mecanismos que reproduzem este resultado vital para o regime capitalista são naturalmente envolvidos e dissimulados por uma ideologia da Escola universalmente reinante, visto que é uma das formas essenciais da ideologia burguesa dominante: uma ideologia que representa a Escola como um meio neutro... (ALTHUSSER, 1970, p )

11 1504 Assim, o aparelho escolar ocupa um lugar privilegiado no modo de produção capitalista, pois ele é o único, de todos os aparelhos ideológicos do Estado, a inculcar a ideologia dominante e a reprodução das relações de produção sobre a base de formação da forca de trabalho. Além de contribuir, essencialmente, no processo de reprodução da divisão social e do trabalho, levando os indivíduos a aceitarem, naturalmente, sua condição de explorados, ou a adquirirem o instrumental necessário para a exploração da classe dominada (FREITAG, 1980, p. 34). [...]a escola preenche a função básica de reprodução das relações materiais e sociais de produção. Ela assegura que se reproduza a força de trabalho, transmitindo as qualificações e o savoir faire necessários para o mundo do trabalho: e faz com que ao mesmo tempo os indivíduos se sujeitem à estrutura de classes. Para isso lhes inculca, simultaneamente, as formas de justificação, legitimação e disfarce das diferenças e do conflito de classes. Atua, assim, também ao nível e através da ideologia. (FREITAG, 1980, p. 33) Para Bourdieu, o sistema educacional preenche duas funções importantes para a sociedade capitalista: a reprodução da cultura e a reprodução da estrutura de classes. (BOURDIEU, 1992, p. 66). Althusser argumenta que a escola favorece a formação social capitalista quando pretende sujeitar os indivíduos à ideologia dominante, garantir a reprodução da força de trabalho por meio da reprodução de habilidades, além de garantir a reprodução da submissão às regras da ordem estabelecida dentro desse regime de exploração e repressão. Assim, a Escola (mas também outras instituições de Estado como a Igreja ou o exército) ensina saberes práticos, por meio de modelos que asseguram a sujeição à ideologia dominante e que desvalorizam o conhecimento e a cultura da classe proletária. (ALTHUSSER, 1985, p. 22). Ora, o que se aprende na Escola? Vai-se mais ou menos longe nos estudos, mas de qualquer maneira, aprende-se a ler, a escrever, a contar, - portanto algumas técnicas, e ainda muito mais coisas, inclusive elementos (que podem ser rudimentares ou pelo contrário aprofundados) de cultura científica ou literária directamente utilizáveis nos diferentes lugares da produção (uma instrução para os operários, outra para os técnicos, uma terceira para os engenheiros, uma outra para os quadros superiores, etc.). Aprende-se portanto saberes práticos (des savoirs - faire ). Mas, por outro lado, e ao mesmo tempo que ensina estas técnicas e estes conhecimentos, a Escola ensina também as regras dos bons costumes, isto é, o comportamento que todo o agente da divisão do trabalho deve observar, segundo o lugar que está destinado a ocupar: regras da moral, da consciência cívica e profissional, o que significa exactamente regras de respeito pela divisão socialtécnica do trabalho, pelas regras da ordem estabelecida pela dominação de classe. Ensina também a bem falar, a redigir bem, o que significa exactamente (para os futuros capitalistas e para os seus servidores) a mandar bem, isto é, (solução ideal) a falar bem aos operários, etc. (ALTHUSSER, 1970, p. 21)

12 1505 Carnoy, citando Althusser, reforça o papel da escola na reprodução da força de trabalho e, sobretudo, na reprodução das relações de produção, aparelho esse dominante, quando escreve que [...] é pela aprendizagem de uma variedade de know-how, envolvido na inculcação maciça da ideologia da classe dominante, que as relações de produção na formação social capitalista, isto é, as relações entre explorado e explorador e explorador e explorado são largamente reproduzidas. Os mecanismos que produzem esse resultado vital para o regime capitalista são naturalmente encobertos e disfarçados por uma ideologia da escola, universalmente dominante porque é uma das formas essenciais da ideologia burguesa vigente: uma ideologia que representa a escola como um ambiente neutro, purgado da ideologia (porque é... leiga), onde os professores respeitadores da consciência e da liberdade das crianças que lhes são entregues (com toda a confiança) por seus pais (que são livres também, isto é, proprietários de suas crianças) abrem-lhes o caminho da liberdade, da moralidade e da responsabilidade dos adultos, através de seus próprios exemplos, de conhecimento, da literatura e através de suas virtudes libertadoras. (ALTHUSSER apud CARNOY, 1990, p. 39) A escola, segundo Freitag, assume um papel essencial na conservação e reprodução das falsas consciências (ideologia) e, com isso, das relações materiais e sociais de produção. A reprodução material das relações de classe depende da eficácia da reprodução das falsas consciências dos operários. Essas são criadas e mantidas com o auxílio da escola. A reprodução da ideologia vem a ser uma condição sine qua non da reprodução das relações materiais e sociais de produção. A escola, como AIE mais importante das sociedades capitalistas modernas, satisfaz plenamente essa função. (FREITAG, 1980, p. 35). Para Althusser, todo aparelho ideológico, particularmente a Escola, concorre para um único fim: a reprodução das relações de produção, relações estas de exploração. Cada aparelho ideológico concorre para que esses objetivos sejam alcançados de uma maneira que lhe é própria. Porém, o aparelho escolar encontra condições que nenhum outro oferece: Desde a pré-primária, a Escola toma a seu cargo todas as crianças de todas as classes sociais, e a partir da Pré-Primária, inculca-lhes durante anos, os anos em que a criança está mais vulnerável, entalada entre o aparelho de Estado familiar e o aparelho de Estado Escola, saberes práticos (des savoirs - faire) envolvidos na ideologia dominante (o francês, o cálculo, a história, as ciências, a literatura), ou simplesmente, a ideologia dominante no estado puro (moral, instrução cívica, filosofia). Algures, por volta dos dezasseis anos, uma enorme massa de crianças cai na produção : são os operários ou os pequenos camponeses. A outra parte da juventude escolarizável continua: e seja como for faz um troço do caminho para cair sem chegar ao fim e preencher os postos dos quadros médicos e pequenos, empregados, pequenos e médios funcionários, pequeno-burgueses de toda a espécie. Uma última parte consegue acender aos cumes, quer para cair no semi-desemprego intelectual, quer para fornecer, além dos intelectuais do trabalhador colectivo, os agentes da exploração, (capitalistas, managers), os agentes da repressão (militares, polícias, políticos, administradores) e os profissionais da ideologia (padres de toda a espécie, a maioria dos quais são laicos convencidos) (ALTHUSSER, 1970, p. 65).

13 1506 Será a partir dessa ideologia que o sujeito desempenhará um papel específico dentro da sociedade de classes: [...]papel de explorado (com consciência profissional, moral, cívica, nacional e apolítica desenvolvida ); papel de agente de exploração (saber mandar e falar aos operários: as relações humanas ), de agentes de repressão (saber mandar e ser obedecido sem discussão ou saber manejar a demagogia da retórica dos dirigentes políticos), ou profissionais da ideologia (que saibam tratar as consciências com o respeito, isto é, com desprezo[...]) (ALTHUSSER, 1970, p. 65). Dessa forma, segundo Althusser, os mecanismos que reproduzem as relações de produção são desde cedo envolvidos e dissimulados pelo aparelho ideológico escolar, universalmente soberano. Por isso, a escola se apresenta como a Igreja o fazia: natural, indispensável, útil e generosa. Porém, serve aos interesses do Estado e de quem detém seu o poder, pois, Conclusão: [...]nenhum Aparelho Ideológico de Estado dispõe durante tanto tempo de audiência obrigatória (e ainda por cima gratuita...), 5 a 6 dias em 7 que tem a semana, à razão de 8 horas por dia, da totalidade das crianças da formação social capitalista (ALTHUSSER, 1970, p. 66). Althusser, de maneira radical, clara e objetiva, nos apresenta o problema que a educação vive e a inversão de valores que o sistema impôs: o Estado, com seus Aparelhos, sejam os Ideológicos (religioso, escolar, familiar, jurídico, político, sindical e da informação) seja o da Repressão (que funciona no limite pela violência) visam, sobretudo, assegurar o stato quo da classe dominante, favorecendo os favorecidos e desfavorecendo os desfavorecidos. (BOURDIEU, 1992). Assim, se valem da educação para atingir seus objetivos enquanto classe que detém o poder de Estado e que não pretende dividir esse poder com nenhuma outra classe. Nosso autor mostra, portanto, que por trás do desenvolvimento de um projeto pedagógico escolar de massa, existe na verdade uma falsa consciência da realidade, uma alienação coletiva fortalecida durante os vários anos de obrigatoriedade escolar. Assim, a escola seria o lugar ideal para ensinar ao aluno, de maneira ideológica, elementos como: submissão, servidão, regras de como se portar na sociedade, além da reprodução das forças produtivas. Estudar Althusser e permanecer em estado de inércia nos parece impossível, pois tais problemas nos remetem ao seguinte questionamento: se Instituição Escolar tem como finalidade última reproduzir as relações sociais de produção capitalistas enquanto principal

14 1507 aparelho ideológico do Estado, segundo Althusser, reforçando ainda mais a divisão de classe do sistema capitalista, formando uma força de trabalho aliena, proibida de exercerem sua vocação ontológica, segundo Paulo Freire de ser-mais, oprimida por uma classe que protege os interesses burgueses, entendemos que esse modelo de educação não serve a classe trabalhadora, ao pobre, a classe popular, mas apenas ao interesse da classe dominante. Como deveria ser então um projeto de educação que libertasse o homem de suas amarras? Althusser nos expôs o problema da educação formal, ligada ao governo como aparelho ideológico de maneira brilhante, cabe agora a transformação, a conscientização das massas. Talvez Freire tenha sido, aqui no Brasil, quem melhor entendeu isso e lutou por uma educação diferente. Não apenas lutou como conseguiu desenvolver um método de educação popular que não estava ligado ao governo e aos interesses burgueses. Parece absurdo, porém seu método não partia dos bancos escolares, de uma educação tradicional, narrativa, pois seu comprometimento estava com o chamado oprimido enquanto classe. Seria esse o caminho para superamos o dualismo burguês-trabalhados, opressor-oprimido, classe dominante-classe dominada? REFERÊNCIAS ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de estado: Nota sobre os aparelhos ideológicos de estado. 3 ed. Rio de Janeiro: Graal, Ideologia e Aparelhos ideológicos de estado. Lisboa: Presença ÁVILA, José Luiz Piôtto d'. A crítica da escola capitalista em debate. Petrópolis: Vozes, BAUDELOT, Ch. y ESTABLET, R.La escuela capitalista en Francia. 5. ed; Madrid: Siglo XXI BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3 ed. Rio de Janeiro: F. Alves, p. (Educação em questão ) BOURDIEU, Pierre; NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio Mendes. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, p ISBN FREITAG, Bárbara. Escola, estado e sociedade. 4. ed. São Paulo: Moraes, p. (Coleção educação universitária). Sociedade sem escolas. 7. ed. Petrópolis: Vozes, p. (Coleção educação e tempo presente; 10)

15 1508 MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: Karl Marx e Friedrich Engels. 2. ed. São Paulo: M. Fontes, CARNOY, Martin. Educação, economia e estado: base e superestrutura, relações e mediações. 4 ed. São Paulo: Cortez, SARTI, Ingrid. A crítica à ideologia da educação capitalista: seus enfoques, seus impasses. Rio de Janeiro: IUPERJ, 1984, Mimeo. SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de escrever. Porto Alegre: L&PM, 2005.

EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA. Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG

EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA. Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG Pierre Bourdieu 1930-2002 França Jean-Claude Passeron 1930 França

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA Educação conceito permeado por valores e finalidades Educação e Sociedade:algumas visões no século XX Universidade de Franca Pedagogia EAD Sociologia Geral e da Educação Profa. Lucimary Bernabé Pedrosa

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

Unidade I. Sociologia e Educação. Profª. Renata Viana de Barros Thomé

Unidade I. Sociologia e Educação. Profª. Renata Viana de Barros Thomé Unidade I Sociologia e Educação Profª. Renata Viana de Barros Thomé Revisão do pensamento sociológico, matrizes básicas da Sociologia aplicadas às questões educacionais Para estudar Sociologia da Educação

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

COLEÇÃO PREPARATÓRIO MAGISTÉRIO PROF. ANA VITAL. Filosofia e Educação

COLEÇÃO PREPARATÓRIO MAGISTÉRIO PROF. ANA VITAL. Filosofia e Educação Filosofia e Educação A educação dentro de uma sociedade não se manifesta como um fim em se mesma, mas si como um instrumento de manutenção ou transformação social. Necessita de pressuposto, de conceitos

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

Marxismo e Ideologia

Marxismo e Ideologia Rita Vaz Afonso 1 FBAUL, 2010 Marxismo e Ideologia 1 rita.v.afonso@gmail.com. O trabalho responde à disciplina semestral de Cultura Visual I do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Os Herdeiros Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron

Os Herdeiros Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron Os Herdeiros Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron A escola transforma as desigualdades sociais (culturais) em desigualdades escolares. Os estudantes mais favorecidos, não só devem ao meio de origem os

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX Maria Catarina Ananias de Araujo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Email: mariacatarinaan@gmail.com Prof.Dr. Valmir Pereira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL.

EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. EDUCAÇÃO E TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA CONTEMPORÂNEA: UMA ANÁLISE MARXISTA DA VIOLÊNCIA SOCIAL E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O PROCESSO EDUCACIONAL. RESUMO STIVAL, Maria Cristina Elias Esper cristinaelias@terra.com.br

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO Angela Maria Souza Martins /UFRJ-UNIRIO Introdução Realizamos essa pesquisa porque percebemos

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

O ELO ENTRE A EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA E A REPRODUTORA: PERSPECTIVAS NUMA ANÁLISE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR

O ELO ENTRE A EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA E A REPRODUTORA: PERSPECTIVAS NUMA ANÁLISE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR O ELO ENTRE A EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA E A REPRODUTORA: PERSPECTIVAS NUMA ANÁLISE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR Franceline Priscila Gusmão 1 Orient.: Profº Dr. Claudinei Spirandelli 2 CONTATO - gusmaof@hotmail.com

Leia mais

Louis Althusser e sua contribuição à Sociologia da Educação

Louis Althusser e sua contribuição à Sociologia da Educação 1 Louis Althusser e sua contribuição à Sociologia da Educação Marcos Cassin Professor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto - USP Introdução Louis Althusser é um filósofo, que

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Marx e o Direito 1 Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Bibliografia: DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. FERREIRA, Adriano de Assis. Questão

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR, MOVIMENTOS SOCIAIS E FAMILIA: MAIS IMPASSES DO QUE POSSIBILIDADES?

GESTÃO ESCOLAR, MOVIMENTOS SOCIAIS E FAMILIA: MAIS IMPASSES DO QUE POSSIBILIDADES? GESTÃO ESCOLAR, MOVIMENTOS SOCIAIS E FAMILIA: MAIS IMPASSES DO QUE POSSIBILIDADES? Maribel de Amorim Pereira UNIPLAC maribel.ap2@hotmail.com Maria de Lourdes Pinto Almeida UNIPLAC malu04@gmail.com Nayara

Leia mais

VII JORNADA DE SOCIOLOGIA DA SAÚDE Saúde como objeto do conhecimento: história e cultura ISSN: 1982-5544

VII JORNADA DE SOCIOLOGIA DA SAÚDE Saúde como objeto do conhecimento: história e cultura ISSN: 1982-5544 VIOLÊNCIA (S) SIMBÓLICA E FÍSICA NO ESPAÇO ESCOLAR: EM PAUTA A PREVENÇÃO Sandra Pottmeier 1 Fabiano Procópio Daros 2 RESUMO Este estudo é recorte do Projeto NEPRE e tem como objetivo compreender o que

Leia mais

Para além das teorias reprodutivistas da educação: uma abordagem sócio-filosófica

Para além das teorias reprodutivistas da educação: uma abordagem sócio-filosófica Para além das teorias reprodutivistas... Para além das teorias reprodutivistas da educação: uma abordagem sócio-filosófica Beyond education reprodutivist theories: a socio-philosophical approach Eliesér

Leia mais

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria do Socorro da Cunha Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: A presente texto tem, como objetivo, tecer considerações

Leia mais

Page 1 of 8. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 8. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 8 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Gramsci

Leia mais

EDUCAÇÃO E LINGUAGEM NA CONTEMPORANEIDADE

EDUCAÇÃO E LINGUAGEM NA CONTEMPORANEIDADE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM NA CONTEMPORANEIDADE Cleiton Santos Nunes Maraisa Silva Mascarenhas Resumo: Este artigo busca refletir sobre a ideia de educação e linguagem, de maneira a demonstrar que a língua falada

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

SALÁRIO, LUCRO E DIVISÃO DE CLASSE RESUMO. relações sociais decorrentes dos modos de produção, sendo fator de transformação da

SALÁRIO, LUCRO E DIVISÃO DE CLASSE RESUMO. relações sociais decorrentes dos modos de produção, sendo fator de transformação da 1 SALÁRIO, LUCRO E DIVISÃO DE CLASSE Fabiane Ribeiro Caldas 1 RESUMO De acordo com o pensamento sociológico de Karl Marx, a sociedade se dá com as relações sociais decorrentes dos modos de produção, sendo

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 SUMÁRIO A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 Max Weber e o espírito do apitalismo...02 PRIMEIRO CONCEITO-Ética protestante

Leia mais

DOMINAÇÃO E REPRODUÇÃO NA ESCOLA: VISÃO DE PIERRE BOURDIEU

DOMINAÇÃO E REPRODUÇÃO NA ESCOLA: VISÃO DE PIERRE BOURDIEU DOMINAÇÃO E REPRODUÇÃO NA ESCOLA: VISÃO DE PIERRE BOURDIEU Resumo STIVAL,Maria Cristina Elias Esper SME-PR cristinaelias@terra.com.br FORTUNATO, Sarita Aparecida de Oliveira-SME-PR saritafortunato@uol.com.br

Leia mais

A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio.

A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio. A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio. Barbara White 1 Resumo O texto tem como proposta apresentar a influência de Marx no pensamento de Antonio Gramsci a partir da

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

RESENHA DA OBRA LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE

RESENHA DA OBRA LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE 12 : 645 RESENHA DA OBRA LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE, DE BERNARD EDELMAN 1 Gabriel Gualano de Godoy Review of the book LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE, by bernard edelman RESENHA EDELMAN, BERNARD.

Leia mais

O IDEB REFORÇA AS DESIGUALDADES SOCIAIS

O IDEB REFORÇA AS DESIGUALDADES SOCIAIS O IDEB REFORÇA AS DESIGUALDADES SOCIAIS Silvio Benitez 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo fazer uma reflexão sobre a influência da situação sócio econômica da comunidade em que em que a escola

Leia mais

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA Núcleo de Educação Popular 13 de Maio - São Paulo, SP. CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA www.criticadaeconomia.com.br EDIÇÃO Nº 1224/1225 Ano 29; 1ª 2ª Semanas Fevereiro 2015. País rico é país com pobreza Enquanto

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub Pensar por si mesmo 1 Monica Aiub Esclarecimento [Aufklärung] é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO Nesta unidade, estudaremos o pensamento sociológico clássico, que consiste na compreensão dos três princípios explicativos da realidade social.

Leia mais

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1

CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 1 CURRÍCULO HISTÓRICO-CRÍTICO E INDIVÍDUOS AUTÔNOMOS 1 Michele Rissardi 2 RESUMO: Diante da implantação da pedagogia histórico-crítica, tem-se a idéia corrente de que essa nova pedagogia levaria a formação

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Resumo: neste artigo são traçadas algumas considerações sobre o sentido da educação e sua abrangência. Afirma-se que ela não acontece no isolamento,

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1 EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE Ivo Tonet Introdução É lugar-comum afirmar que a humanidade está vivenciando, atualmente, uma crise de gravíssimas proporções. Crise que não afeta apenas algumas, mas todas as

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Vera Lúcia Lúcio Petronzelli Colegiado do Curso de Matemática UNIOESTE- Campus de Cascavel vlpetronzelli@certto.com.br ALFABETIZAÇÃO e EDUCAÇÃO MATEMÁTICA:

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

UMA RUPTURA COM A LÓGICA REPRODUTIVISTA: O CASO DO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UFRJ À. Patricia Mafra *

UMA RUPTURA COM A LÓGICA REPRODUTIVISTA: O CASO DO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UFRJ À. Patricia Mafra * UMA RUPTURA COM A LÓGICA REPRODUTIVISTA: O CASO DO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UFRJ À LUZ DAS CONTRIBUIÇÕES DE GRAMSCI E ALTHUSSER Patricia Mafra * Esta comunicação pretende contribuir para o debate acerca

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

PORTUGUÊS. C) tempo D) negação E) dúvida. Atente para a imagem abaixo e responda as questões 01, 02 e 03.

PORTUGUÊS. C) tempo D) negação E) dúvida. Atente para a imagem abaixo e responda as questões 01, 02 e 03. PORTUGUÊS Atente para a imagem abaixo e responda as questões 01, 02 e 03. C) tempo D) negação E) dúvida Considere a imagem abaixo e responda as questões 04 e 05. Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_7024qkdlrxe/rwg91ra9g_i/aaaaaaaabg4/

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Sérgio Kapron A Economia Popular Solidária, e todo universo ainda não muito preciso que ela envolva, tem ocupado um espaço crescente entre militantes

Leia mais

PRINCÍPIOS DA PEDAGOGIA SOCIALISTA: primeiras aproximações

PRINCÍPIOS DA PEDAGOGIA SOCIALISTA: primeiras aproximações 1 PRINCÍPIOS DA PEDAGOGIA SOCIALISTA: primeiras aproximações Malila da Graça Roxo Abreu 1 Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma discussão preliminar dos princípios da Pedagogia Socialista

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Elementos teóricos para uma perspectiva interpretativa: totalidade, mediações e formação social

Elementos teóricos para uma perspectiva interpretativa: totalidade, mediações e formação social ESTUDIOS HISTORICOS CDHRP- Año III - Octubre 2011 - Nº 7 ISSN: 1688 5317. Uruguay Elementos teóricos para uma perspectiva interpretativa: totalidade, mediações e formação social Prof. Dr.Agostinho Mario

Leia mais

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES Secretaria Nacional de Formação Política do Partido Comunista Brasileiro Introdução CURSO DE INICIAÇÃO PARTIDÁRIA CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES A definição de classe social fornecida por Lênin deixa

Leia mais

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE Camila Emanuella Pereira Neves IE/UFMT- camilaemanuella@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. Edson Caetano IE/UFMT caetanoedson@hotmail.com RESUMO

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

O ESTADO E DOMINAÇÃO NOS PRESSUPOSTOS DE MARX, WEBER E DURKHEIM

O ESTADO E DOMINAÇÃO NOS PRESSUPOSTOS DE MARX, WEBER E DURKHEIM O ESTADO E DOMINAÇÃO NOS PRESSUPOSTOS DE MARX, WEBER E DURKHEIM Silvia Jurema Leone Quaresma* 1. Estado e dominação nos pressupostos de Marx Karl Heinrich Marx (1818-1883) nasceu em Treves, capital da

Leia mais

Exercícios Classe Social x Estratificação Social

Exercícios Classe Social x Estratificação Social Exercícios Classe Social x Estratificação Social 1. Para Karl Marx o conceito de Classes Sociais se desenvolve com a formação da sociedade capitalista. Dessa forma, é correto afirmar que : a) As classes

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

A ESCOLA EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE ACERCA DA OBRA A REPRODUÇÃO E DO PENSAMENTO DE PIERRE BOURDIEU

A ESCOLA EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE ACERCA DA OBRA A REPRODUÇÃO E DO PENSAMENTO DE PIERRE BOURDIEU 1 A ESCOLA EM QUESTÃO: UMA ANÁLISE ACERCA DA OBRA A REPRODUÇÃO E DO PENSAMENTO DE PIERRE BOURDIEU Vanessa Alves Bertolleti (Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Pr) 1 Mário Luiz Neves de Azevedo

Leia mais

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO Toda teoria pedagógica pressupõe uma teoria epistemológica, da qual o professor faz uso, mesmo que ele não tenha consciência disso. Ou seja, mesmo que o professor

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA

UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA Resumo BERGAMO, Edmir Aparecido PUCPR edmirbergamo@yahoo.com.br

Leia mais

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire)

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Diego Chabalgoity 1 Resumo A pesquisa de doutorado aqui relatada apresentou como objetivo a realização

Leia mais