VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Otávio Tavares. Seminario España Brasil en Estudios Olímpicos CEO/UAB - UGF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Otávio Tavares. Seminario España Brasil en Estudios Olímpicos CEO/UAB - UGF"

Transcrição

1 VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Otávio Tavares Seminario España Brasil en Estudios Olímpicos CEO/UAB - UGF

2 VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Conceituar `valores Analizar os valores olímpicos como expressão da modernidade ocidental Olimpismo na vanguarda da neo- modernidade? Valores olímpicos em um contexto de continuidade e mudança e suas possíveis implicações para a educação (olímpica).

3 VALORES ATITUDES NORMAS ÉTICA FILOSOFIA AXIOLOGIA MORAL VIRTUDES

4 VALORES Podem ser definidos como princípios ou crenças que presidem ou regulam o comportamento das pessoas (Lleixá,, 2003).

5 VALORES Valores se convertem em cada sujeito em critérios que permitem julgar a realidade, em predisposições que orientam sua conduta e em normas que a pautam (Puig, 1993).

6 VALORES Os valores são projetos globais de existência que se instrumentalizam no comportamento individual, através da vivência de atitudes e do cumprimento,, consciente e assumido,, de normas ou pautas de conduta (Gonzales Lucini,, 1992)

7 Valores em Educação Olímpica Excelência Multiculturalismo Fair play Desenvolvimento humano Paz Fun Mass participation

8 Olimpismo e Modernidade Valores olímpicos como uma expressão secular e vitalística do humanismo ocidental (Lolland, 1995). Uma definição mais concisa do termo deveria necessariamente compreender a estrutura pluralística de valores, normas e características básicas do Movimento Olímpico.

9 Olimpismo Valores românticos Honra; Dever; Auto-superação; Fair play; Excelência moral; Senso de pertencimento;

10 Olimpismo Valores Iluministas Individualismo; Universalismo; A crença no poder transformador da educação O valor da competição.

11 Olimpismo Relação o mimética com a modernidade (Giddens,, 1991) Multidimensional Escopo globalizante Diferenças com as culturas locais

12 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? Questiona-se se as idéias de: verdade, razão, identidade objetivada e emancipação universal.

13 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? o mundo pós-moderno seria: diverso, instável, Imprevisível, Impossibilidade da verdade e Fim da noção teleológica e de progresso.

14 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 1o. Sintoma: sociedade pós-industrial e da informação 1a. Tese: o produto Jogos Olímpicos tem sido vendido como uma franquia baseada em seu alcance global, identidade corporativa e ideologia.

15 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 2o. Sintoma: No plano político, o poder na pós-modernidade se torna mais difuso. um clima mais democrático tornou-se uma exigência. 2a. Tese: A atual organização interna do COI e suas práticas refletem o ajustamento por reação as demandas contemporâneas de democratização.

16 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 3o. Sintoma: No plano da ciência, pós- modernos põem em questão os critérios de legitimidade e aceitabilidade do conhecimento científico. 3a. Tese: Os Jogos são o evento esportivo por excelência no qual se experimenta, na prática, os limites do entendimento do que é legítimo para o aumento da performance.

17 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 4o. Sintoma: O processo contemporâneo parece ser o da diminuição da submissão do desejo à razão, com a moral perdendo força por sua atomização. 4a. Tese: Na perspectiva dos destinatários, o esporte olímpico começa a valorizar-se mais pela estética da competição e das cerimônias e menos por seus valores tradicionais intrínsecos.

18 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 5o. Sintoma: o pós-modernismo se caracteriza por uma diluição das fronteiras entre cultura erudita e cultura popular e pela fragmentação das linguagens. Com a perda das referências, a arte pós-moderna se situa em um eterno presente pois não tem projeto de futuro e seu passado, recheado de citações, é inautêntico.

19 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 5a. Tese:O O aspecto estético dos Jogos tem se demonstrado exemplo das mudanças na estética contemporânea. Suas cerimônias de abertura e encerramento celebram cada vez mais o local em detrimento do universal, o signo em lugar do significado e seus rituais são cada vez mais inautênticos.

20 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? Nao há uma crise de valores, mas valores em crise. DESAFIOS PARA A EDUCAÇAO OLÍMPICA

21 Entre a continuidade e a mudança O Olimpismo está intrinsecamente sustentado em escolhas paradoxais cuja natureza derivam de seus próprios objetivos declarados. Esta atitude já estaria na própria base da obra intelectual de Coubertin uma vez que esta parece se sustentar no marco teórico da filosofia eclética.

22 Olimpismo em continuun contexto epistemológico no qual os fenômenos entendidos como contraditórios ou paradoxais passam a serem analisados na perspectiva de opostos que possuem alguma relação de mútua dependência. a lei do pêndulo se aplica a tudo

23 Educação Olímpica em continuun Continuun entre o projeto moderno e as mudanças da neo-modernidade modernidade. OU Cair em desuso e desaparecer

24 MUCHAS GRACIAS

Modernidade Tardia: desafios para a docência no Ensino Superior

Modernidade Tardia: desafios para a docência no Ensino Superior Nascidos X Baixados... alfredoveiganeto@uol.com.br Pensar o presente para... Compreendê-lo; Viver nele da melhor maneira possível; Estar preparado para as mudanças que estão surgindo e nos atropelam. Para

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO 1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Um relato supõe uma seleção de fatos a partir da sua relevância, por critérios estabelecidos por alguém. Como ele o estuda? Porque? Quais os pressupostos teóricos

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

Fundamentação da ética

Fundamentação da ética Fundamentação da ética Objeto da ética Problemas: O que é a ética? Que tipo de problemas ela tenta resolver? Por que o ser humano deve ser guiado pela ética e não pelos instintos? Que elemento nos distingue

Leia mais

Fundamentação Teórica: Código de Ética. Aula 8

Fundamentação Teórica: Código de Ética. Aula 8 Fundamentação Teórica: Código de Ética Aula 8 Ética Profissional! Normas e princípios que regulamentam a conduta do indivíduo no exercício de sua profissão. (consciência, comportamento, ação e conduta

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago

Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS. Profa. Daniela Santiago Unidade I MOVIMENTOS SOCIAIS CONTEMPORÂNEOS Profa. Daniela Santiago Nessa disciplina estaremos realizando uma aproximação a questão dos movimentos sociais contemporâneos. Para isso estaremos nessa unidade

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa Elementos para uma teoria libertária do poder Felipe Corrêa Seminário Poder e Estado Florianópolis, março de 2012 DEFINIÇÕES DE PODER - Poder é toda probabilidade de impor a própria vontade numa relação

Leia mais

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel

O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel 1 O ESTADO MODERNO COMO PROCESSO HISTÓRICO A formação do Estado na concepção dialética de Hegel ELINE LUQUE TEIXEIRA 1 eline.lt@hotmail.com Sumário:Introdução; 1. A dialética hegeliana; 2. A concepção

Leia mais

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração como Arte Os administradores possuem habilidade inatas, uma espécie de talento com o qual já nascem. A administração pode ser aperfeiçoada

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história Denis Hendrick » As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história» A palavra cultura não tem equivalente na maioria das línguas orais.

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

ED5607 PHILOSOPHY & CHRISTIAN FOUNDATIONS IN PRINCIPLED EDUCATION

ED5607 PHILOSOPHY & CHRISTIAN FOUNDATIONS IN PRINCIPLED EDUCATION FLORIDA CHRISTIAN UNIVERSITY MASTER OF ARTS IN EDUCATION WITH FOCUS IN PRINCIPLED EDUCATION JULIANA POMPEO HELPA ED5607 PHILOSOPHY & CHRISTIAN FOUNDATIONS IN PRINCIPLED EDUCATION 05 de Março de 2015 Orlando,

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Nesta tese pesquisamos as concepções das categorias de empowerment, participação e dialogicidade, no contexto da Promoção da Saúde, como política pública proposta por alguns países

Leia mais

BRASIL - INICIATIVAS PESQUISA E PRÁTICA. Lamartine DaCosta Ana Miragaya Marta Gomes Marcio Turini GPEO UGF/RJ

BRASIL - INICIATIVAS PESQUISA E PRÁTICA. Lamartine DaCosta Ana Miragaya Marta Gomes Marcio Turini GPEO UGF/RJ EDUCAÇÃO OLÍMPICA NO BRASIL - INICIATIVAS PESQUISA E PRÁTICA Lamartine DaCosta Ana Miragaya Marta Gomes Marcio Turini GPEO UGF/RJ OBJETIVOS Mapear iniciativas brasileiras que tenham gerado impactos na

Leia mais

Profa. Dra. Roseli Fischmann. Conflito e choque de culturas no ensino superior

Profa. Dra. Roseli Fischmann. Conflito e choque de culturas no ensino superior Profa. Dra. Roseli Fischmann Conflito e choque de culturas no ensino superior Reflexão conjunta, sem receitas ou soluções prontas Primeira parte, relativo a questões gerais sobre conflito e violência Segunda

Leia mais

BIOÉTICA. Prof. Fausto de Souza Aula 1: Introdução à Bioética Conceitos

BIOÉTICA. Prof. Fausto de Souza Aula 1: Introdução à Bioética Conceitos BIOÉTICA Prof. Fausto de Souza Aula 1: Introdução à Bioética Conceitos A confusão que acontece entre os conceitos das palavras Moral e Ética existem há muitos séculos. A própria etimologia destes termos

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

Indicadores/ Descritores. Identificar a origem da sociologia e da sociologia das organizações.

Indicadores/ Descritores. Identificar a origem da sociologia e da sociologia das organizações. P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA / DISCIPLINA: Sociologia Área de Humanas Professor(a): Eduardo Monteiro SÉRIE: 1º Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: 01 TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 40 COMPETÊNCIA GERAL:

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP

ÉTICA PROFISSIONAL. Curso de Engenharia UNIP ÉTICA PROFISSIONAL Curso de Engenharia UNIP O QUE É ÉTICA? O QUE É ÉTICA? Tradicionalmente é entendida como um estudo ou uma reflexão sobre os costumes ou sobre as ações humanas. Pode ser entendida também

Leia mais

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE ÍNDICE AGRADECIMENTOS XV PREÂMBULO XIX INTRODUÇÃO XXIII SER MORAL É A ESSÊNCIA DA CONDIÇÃO HUMANA XXIII ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO XXVI PARTE I PSICOLOGIA DA MORALIDADE: REVISÃO E CRÍTICA CAPÍTULO 1. GÉNESE

Leia mais

O espírito da honra e a ADESG por Ney de Araripe Sucupira (*)

O espírito da honra e a ADESG por Ney de Araripe Sucupira (*) O espírito da honra e a ADESG por Ney de Araripe Sucupira (*) "Ad honore", pela honra! A honra constitui virtude pouco observada no mundo contemporâneo e, principalmente, no decadente clima político do

Leia mais

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h Pedagogia 1º Semestre Biologia Educacional EDC602/ 60h Ementa: Identificar os processos biológicos fundamentais diretamente relacionados à situação ensino-aprendizagem. Análise dos fatores genéticos e

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

Proposta Curricular de Duque de Caxias

Proposta Curricular de Duque de Caxias ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIVISÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA,

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS

O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA ORIENTAÇÕES LEGAIS A CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 210 DETERMINA O ENSINO RELIGIOSO, MESMO FACULTATIVO PARA O ALUNO, DEVE ESTAR PRESENTE COMO DISCIPLINA DOS HORÁRIOS NORMAIS DA

Leia mais

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico AULA FILOSOFIA O realismo aristotélico DEFINIÇÃO O realismo aristotélico representa, na Grécia antiga, ao lado das filosofias de Sócrates e Platão, uma reação ao discurso dos sofistas e uma tentativa de

Leia mais

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento.

6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 1ª Série 6MOR001 ANATOMIA DO APARELHO LOCOMOTOR Estudo dos aparelhos - locomotor e cárdio-respiratório e sua relação com a cultura corporal do movimento. 6DES002 ASPECTOS TEÓRICO-METODOLOGICOS DE MODALIDADES

Leia mais

DATA: 07/12/2016 Ponto de referência: Terceira rua após o campo do Santos, entra a esquerda na Escola Milton Campos, em frente ao PSF.

DATA: 07/12/2016 Ponto de referência: Terceira rua após o campo do Santos, entra a esquerda na Escola Milton Campos, em frente ao PSF. BLOCO A 104 158.000,00 R$ 3.000,00 R$ 155.000,00 58,50-106 R$ 159.000,00 R$ 3.000,00 R$ 156.000,00 58,50-308 VENDIDO VENDIDO VENDIDO VENDIDO - 407 R$ 160.000,00 R$ 3.000,00 R$ 157.000,00 59,00 - ENTREGA

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

PIERRE BOURDIEU PODER SIMBÓLICO

PIERRE BOURDIEU PODER SIMBÓLICO PIERRE BOURDIEU 1930-2002 PODER SIMBÓLICO Construtivismo Estruturalista Superação do pensar por dicotomias mundo social construido no pasado (historicidade) formas sociais (passado) são reproduzidas, apropriadas,

Leia mais

Curso: Direito. Unidade Curricular: 2º Semestre Disciplina: Filosofia do Direito Turma: 2014/1

Curso: Direito. Unidade Curricular: 2º Semestre Disciplina: Filosofia do Direito Turma: 2014/1 UMC VILLA-LOBOS Curso: Direito PLANO DE AULA - PREVISTO Unidade Curricular: 2º Semestre Disciplina: Filosofia do Direito Turma: 2014/1 Tema: Verdade, Vontade e Consciência : conhecimento e moral no direito

Leia mais

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES Marcio Turini, Marta Gomes, Ana Miragaya e Lamartine DaCosta YOUTH OLYMPIC GAMES JOGOS OLÍMPICOS DA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Camila Cardoso de Andrade

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO. Camila Cardoso de Andrade PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA FACULDADE MINEIRA DE DIREITO Ementa do Grupo de Pesquisa Introdução à Filosofia Política de Jürgen Habermas Camila Cardoso

Leia mais

Ação Social e as instituições:

Ação Social e as instituições: Ação social: conduta humana (ato, omissão ou permissão) dotada de um significado subjetivo dado por quem executa, o qual orienta seu próprio comportamento, tendo em vista a ação passada, presente ou futura

Leia mais

Jean-François Lyotard, Ph.D. 1924, Versailles , Paris. Fonte:

Jean-François Lyotard, Ph.D. 1924, Versailles , Paris. Fonte: Jean-François Lyotard, Ph.D. 1924, Versailles - 1998, Paris. Fonte: http://www.egs.edu/faculty/jean-francois-lyotard/biography/ Filósofo francês Jean-François Lyotard morre aos 73 anos Agência Folha 21/04/98

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL (ENEX 60150) ETAPA: 10ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos, filmes

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza?

Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? Segundo Rousseau, o que impediu a permanência do homem no Estado de natureza? O princípio básico da soberania popular, segundo Rousseau, é: a) o poder absoluto b) o poder do suserano c) a vontade de todos

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades de Aprendizagem CORDEIRO, Ingrydh FIGUEIREDO, Luciana Centro de Ciências da Saúde/ Departamento de Fonoaudiologia PROBEX Resumo Levando em

Leia mais

Como pratica de investigação e para o desenvolvimento do estudo, optamos por uma

Como pratica de investigação e para o desenvolvimento do estudo, optamos por uma ALGUMAS REFLEXÕES ACERCA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM PRESÍDIOS Maria Candeias Conceição Santos ¹ ¹ Mestranda do Programa de Educação de Jovens e Adultos da Universidade Estadual da Bahia - UNEB.

Leia mais

ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1. A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana.

ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1. A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana. ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1 Ildemar Egger 2 A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana. Uma vez que, com as críticas ao positivismo

Leia mais

Unidade I ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL. Prof. Aguinaldo Pereira Alves

Unidade I ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL. Prof. Aguinaldo Pereira Alves Unidade I ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL Prof. Aguinaldo Pereira Alves Introdução Por que aprender Ética hoje? Uma sociedade em crise de princípios e valores. A cultura do relativismo: a) Niilismo. b) Hedonismo.

Leia mais

regulação e comunicação nos seres vivos e nas máquinas. c. apenas pode ser visualizada; arte se resume apenas a obras que podem ser vistas.

regulação e comunicação nos seres vivos e nas máquinas. c. apenas pode ser visualizada; arte se resume apenas a obras que podem ser vistas. Atividade extra Arte e cotidiano Exercício 1 A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas, como

Leia mais

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Agenda Cultura e Identidade Cultura e Clima Organizacional Construção e Mudança O que é Cultura? Uma definição

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

Doutoramentos ENSINO PÚBLICO. 1. Universidade Nova de Lisboa

Doutoramentos ENSINO PÚBLICO. 1. Universidade Nova de Lisboa Doutoramentos ENSINO PÚBLICO 1. Universidade Nova de Lisboa *Doutoramento em Ciência Política Metodologias em Ciência Política 10.0 Problemáticas em Ciência Política 10.0 Tese em Ciência Política 180.0

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor No diálogo Fédon, escrito por Platão, seu personagem Sócrates afirma que a dedicação à Filosofia implica que a alma

Leia mais

Semiologia e semiotécnica I. Prof.ª DANIELA GARCIA

Semiologia e semiotécnica I. Prof.ª DANIELA GARCIA Semiologia e semiotécnica I Prof.ª DANIELA GARCIA Valores éticos humanos Não fazemos distinção entre ética e moral, usamos as duas palavras como sinônimos. Mas os estudiosos da questão, fazem uma distinção

Leia mais

22/10/2008 INTERESSE DIREITO

22/10/2008 INTERESSE DIREITO EM DEFESA DO DIREITO A TER DIREITOS Prof. MSc. Guilhardes de Jesus Júnior INTERESSE DIREITO 1 Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

Atendimento ao Público

Atendimento ao Público Atendimento ao Público Padrões de atitude, amoralidade e imoralidade Professora Amanda Lima Tegon www.acasadoconcurseiro.com.br Atendimento ao Público MORAL, MORALIDADE, AMORALIDADE E IMORALIDADE A moral

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Direito empresarial e. trabalhista. Profa. Dra. Silvia bertani. Profa. Dra. Silvia Bertani 1

Direito empresarial e. trabalhista. Profa. Dra. Silvia bertani. Profa. Dra. Silvia Bertani 1 Direito empresarial e Profa. Dra. Silvia bertani trabalhista Profa. Dra. Silvia Bertani 1 Profa. Dra. Silvia Bertani 2 Direito empresarial e trabalhista O que vamos estudar? Empresa empresário estabelecimento

Leia mais

ÉTICA E INTEGRIDADE EMP M R P ESA S RIA I L Ant n oni n o i F e F r e n r a n nd n o St S anz n ia i ni n

ÉTICA E INTEGRIDADE EMP M R P ESA S RIA I L Ant n oni n o i F e F r e n r a n nd n o St S anz n ia i ni n ÉTICA E INTEGRIDADE EMPRESARIAL Antonio Fernando Stanziani Eu sou eu e minhas circunstâncias e se não as salvo também não me salvo. Ortega y Gasset Meditações do Quixote Integridade Sentir, pensar, falar

Leia mais

Rota. do Processo Evolutivo Workshop #SERCOACH 7 NÍVEIS DO PROCESSO EVOLUTIVO

Rota. do Processo Evolutivo Workshop #SERCOACH 7 NÍVEIS DO PROCESSO EVOLUTIVO Rota do Processo Evolutivo Workshop #SERCOACH 7 NÍVEIS DO PROCESSO EVOLUTIVO A Rota dos 7 Níveis do Processo Evolutivo O Caminho dos 7 Níveis do Processo Evolutivo é um modelo para o ser humano evoluir

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia Organizacional A relacão da

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 7) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Linguagem Existe entre o poder da palavra e a disposição da alma a mesma relação entre a disposição dos remédios e a natureza do corpo. Alguns

Leia mais

Ética Profissional. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira

Ética Profissional. Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Ética Profissional Curso de Engenharia de Telecomunicações Legislação Professora Msc Joseane Pepino de Oliveira Ética Conceitos e Classificações 1: Ética é a ciência do comportamento moral dos homens em

Leia mais

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA?

IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Matheus Silva Freire IDEOLOGIA: UMA IDEIA OU UMA INFLUÊNCIA? Introdução Em resumo, todos têm costumes e coisas que são passadas de geração para geração, que são inquestionáveis. Temos na nossa sociedade

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

ATLETISMO COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO

ATLETISMO COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO ATLETISMO COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Orlando Mendes Fogaça Júnior Dilza Maria Rodigonda Razente Universidade Estadual de Londrina RESUMO A lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Disciplina: Artes Curso: Técnico Em Eletromecânica Integrado Ao Ensino Médio Série: 1º Carga Horária: 67 h.r Docente Responsável: EMENTA O universo da arte, numa abordagem

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Procópio

Contabilidade Básica Prof. Procópio 29-02-2012 Recapitulando... Prof. Procópio Contabilidade e Finalidade Usuários Patrimônio Representação Gráfica do Patrimônio Aspectos Qualitativos e Quantitativos do Patrimônio Formação do Patrimônio

Leia mais

Prof. Maria Emilia Nunes Rodrigues Arenas Secretaria Municipal de Educação São José do Rio Preto - SP

Prof. Maria Emilia Nunes Rodrigues Arenas Secretaria Municipal de Educação São José do Rio Preto - SP Área de Linguagens Educação Física Ensino Fundamental O Ensino Fundamental Duas fases Quatro eixos de formação Anos Iniciais (1 ao 5 ano) Anos Finais (6 ao 9 ano) Letramentos e capacidade de aprender;

Leia mais

PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE

PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE CURSO DE PRODUÇÃO DE 2012 Profa. Vivian Müller PROPOSTAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO PARA 2ª FASE BLOCO 6 A sociedade e a cultura brasileiras são conformadas como variantes da versão lusitana da tradição civilizatória

Leia mais

Depois de alguns meses de discussões, o movimento Bom Senso FC concluiu a

Depois de alguns meses de discussões, o movimento Bom Senso FC concluiu a Proposta do Bom Senso terá divisão com 430 clubes e estaduais por só um mês O movimento, que já conta com mais de mil jogadores de todas as divisões do futebol nacional, sugere a criação de uma Série E

Leia mais

Modularidade - Fun ções e Procedimentos

Modularidade - Fun ções e Procedimentos Modularidade - Fun ções e Procedimentos José Gustavo de Souza Paiva Problema Em diversas situa ções, é preciso executar uma tarefa específica diversas vezes em um programa, variando apenas os dados de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Seminários Estado e Regulação Apresentação do texto Após o liberalismo: em busca da reconstrução do mundo (2002), de Imannuel Wallerstein.

Seminários Estado e Regulação Apresentação do texto Após o liberalismo: em busca da reconstrução do mundo (2002), de Imannuel Wallerstein. Seminários Estado e Regulação Apresentação do texto Após o liberalismo: em busca da reconstrução do mundo (2002), de Imannuel Wallerstein. Sobre o autor Imannuel Wallerstein, nascido em 1930 na cidade

Leia mais

ÍNDICE . HISTÓRIAS ELABORADAS SEM APOIO DE GRAVURAS . PARA UM NOVO OLHAR SOBRE A PROBLEMÁTICA DA APRENDIZAGEM DA LEITURA

ÍNDICE . HISTÓRIAS ELABORADAS SEM APOIO DE GRAVURAS . PARA UM NOVO OLHAR SOBRE A PROBLEMÁTICA DA APRENDIZAGEM DA LEITURA ÍNDICE. INTRODUÇÃO. COMUNICAÇÃO ORAL. PRIMEIRO DEIXAR FALAR. ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM. METODOLOGIAS. DESENVOLVIMENTO DAS ACTIVIDADES. HISTÓRIAS. TÉCNICAS PARA CONTAR HISTÓRIAS. SUGESTÕES.

Leia mais

Lealdade e Fidelidade no ambiente Religioso. ED da IPBut Abril de 2010 Marcos C. Ribeiro

Lealdade e Fidelidade no ambiente Religioso. ED da IPBut Abril de 2010 Marcos C. Ribeiro Lealdade e Fidelidade no ambiente Religioso ED da IPBut Abril de 2010 Marcos C. Ribeiro Conceitos Básicos: Lealdade: Respeito aos princípios e regras que norteiam a honra e a probidade. Fidelidade aos

Leia mais

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL)

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL) OPERDORES MODIS (N INTERFCE LÓGIC E LINGUGEM NTURL) Jorge Campos & na Ibaños Resumo: É muito comum que se fale em lógica em seu sentido trivial e no uso cotidiano da nossa linguagem. Mas, como se supõe

Leia mais

2- Conhecendo os Direitos da Pessoa 3 - Classificação dos Direitos Humanos em Gerações / Dimensões 4 - História dos Direitos Humanos e da Humanidade

2- Conhecendo os Direitos da Pessoa 3 - Classificação dos Direitos Humanos em Gerações / Dimensões 4 - História dos Direitos Humanos e da Humanidade SUMÁRIO 2- Conhecendo os Direitos da Pessoa 3 - Classificação dos Direitos Humanos em Gerações / Dimensões 4 - História dos Direitos Humanos e da Humanidade 12 - Declaração dos Direitos Humanos 21 - Constituição

Leia mais

Ética e gestão organizacional Aula 05. Virgílio Oliveira UFJF FACC

Ética e gestão organizacional Aula 05. Virgílio Oliveira UFJF FACC Aula 05 Virgílio Oliveira UFJF FACC 1 Há alguns conceitos derivados dos pressupostos básicos da ética Egoísmo e auto-interesse Altruísmos 2 A realização de interesses pessoais (autointeresse) é algo natural

Leia mais

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas A Teoria Crítica e as Teorias Críticas As Teorias Críticas Clássicas apresentam uma contestação aos métodos utilizados pelas pesquisas administrativas Têm o marxismo como base filosófica e ideológica Teoria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO À FILOSOFIA 1º Semestre de 2017 Disciplina Obrigatória Destinada: alunos do Curso de Filosofia Código: FLF0113 Sem pré-requisito Prof. Dr. Marco Aurélio Werle Prof. Dr. Moacyr Ayres Novaes Filho

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV I A pluralidade dos ordenamentos: - Um outro problema pertinente ao ordenamento jurídico é o das relações entre ordenamentos. Assim, para que possamos falar

Leia mais

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO

O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO O PROCESSO DE INTERPRETAÇÃO-APLICAÇÃO DO DIREITO (Construção de normas jurídicas concretas a partir de fatos, normas jurídicas abstratas, enunciados normativos e valores) Aldemario Araujo Castro Mestre

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 040.3251.9 ÉTICA E CIDADANIA II 2ª 02 34 2º/2009 PROFESSOR (A) OBJETIVOS

Leia mais

BLOCH, Marc. A história, os homens e o tempo. In: Apologia da História ou O ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2001, pp

BLOCH, Marc. A história, os homens e o tempo. In: Apologia da História ou O ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2001, pp BLOCH, Marc. A história, os homens e o tempo. In: Apologia da História ou O ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2001, pp. 51-68. O que é História? Por Júlia S. Matos O tempo histórico

Leia mais

FENG SHUI INTEGRADO. FENG SHUI no ocidente. Aroeira, 4 de Agosto de 2007 Alexandra Morgado

FENG SHUI INTEGRADO. FENG SHUI no ocidente. Aroeira, 4 de Agosto de 2007 Alexandra Morgado FENG SHUI INTEGRADO FENG SHUI no ocidente Aroeira, 4 de Agosto de 2007 Alexandra Morgado O que significa o Feng Shui? Introdução Os princípios do Feng Shui explicam precisamente a interacção energética

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO

O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO Universidade Católica Portuguesa Faculdade De Ciências Humanas Licenciatura Em Sociologia, Variante De Ciência Política Tutoria, Tradição Dos Grandes Livros O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO Em De Res Publica

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

III Seminário de Inteligência Competitiva México

III Seminário de Inteligência Competitiva México SETEMBRO 2016 III Seminário de Inteligência Competitiva México Diretoria de Inteligência Competitiva e Promoção Turística EBT ANII Alessandra Fernandes Balanço 90.361 mexicanos visitaram o Brasil em 2015

Leia mais

O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL.

O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL. O ESPORTE COMO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: SEUS MITOS, SUAS VERDADES E SUA REALIDADE CULTURAL, ECONÔMICA E POLÍTICA NA SOCIEDADE ATUAL. Prof. Mestre Gilberto Santiago Ferreira Macapá / AP Novembro

Leia mais

A criança portadora de deficiência

A criança portadora de deficiência A criança portadora de deficiência Unifenas - FCM Pediatria e Puericultura Prof. Dr. Orlando A. Pereira Pessoas Portadoras de Deficiências São pessoas que apresentam significativas diferenças físicas,

Leia mais