VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Otávio Tavares. Seminario España Brasil en Estudios Olímpicos CEO/UAB - UGF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Otávio Tavares. Seminario España Brasil en Estudios Olímpicos CEO/UAB - UGF"

Transcrição

1 VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Otávio Tavares Seminario España Brasil en Estudios Olímpicos CEO/UAB - UGF

2 VALORES OLÍMPICOS: ENTRE A CONTINUIDADE E A TRANSFORMAÇÃO Conceituar `valores Analizar os valores olímpicos como expressão da modernidade ocidental Olimpismo na vanguarda da neo- modernidade? Valores olímpicos em um contexto de continuidade e mudança e suas possíveis implicações para a educação (olímpica).

3 VALORES ATITUDES NORMAS ÉTICA FILOSOFIA AXIOLOGIA MORAL VIRTUDES

4 VALORES Podem ser definidos como princípios ou crenças que presidem ou regulam o comportamento das pessoas (Lleixá,, 2003).

5 VALORES Valores se convertem em cada sujeito em critérios que permitem julgar a realidade, em predisposições que orientam sua conduta e em normas que a pautam (Puig, 1993).

6 VALORES Os valores são projetos globais de existência que se instrumentalizam no comportamento individual, através da vivência de atitudes e do cumprimento,, consciente e assumido,, de normas ou pautas de conduta (Gonzales Lucini,, 1992)

7 Valores em Educação Olímpica Excelência Multiculturalismo Fair play Desenvolvimento humano Paz Fun Mass participation

8 Olimpismo e Modernidade Valores olímpicos como uma expressão secular e vitalística do humanismo ocidental (Lolland, 1995). Uma definição mais concisa do termo deveria necessariamente compreender a estrutura pluralística de valores, normas e características básicas do Movimento Olímpico.

9 Olimpismo Valores românticos Honra; Dever; Auto-superação; Fair play; Excelência moral; Senso de pertencimento;

10 Olimpismo Valores Iluministas Individualismo; Universalismo; A crença no poder transformador da educação O valor da competição.

11 Olimpismo Relação o mimética com a modernidade (Giddens,, 1991) Multidimensional Escopo globalizante Diferenças com as culturas locais

12 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? Questiona-se se as idéias de: verdade, razão, identidade objetivada e emancipação universal.

13 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? o mundo pós-moderno seria: diverso, instável, Imprevisível, Impossibilidade da verdade e Fim da noção teleológica e de progresso.

14 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 1o. Sintoma: sociedade pós-industrial e da informação 1a. Tese: o produto Jogos Olímpicos tem sido vendido como uma franquia baseada em seu alcance global, identidade corporativa e ideologia.

15 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 2o. Sintoma: No plano político, o poder na pós-modernidade se torna mais difuso. um clima mais democrático tornou-se uma exigência. 2a. Tese: A atual organização interna do COI e suas práticas refletem o ajustamento por reação as demandas contemporâneas de democratização.

16 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 3o. Sintoma: No plano da ciência, pós- modernos põem em questão os critérios de legitimidade e aceitabilidade do conhecimento científico. 3a. Tese: Os Jogos são o evento esportivo por excelência no qual se experimenta, na prática, os limites do entendimento do que é legítimo para o aumento da performance.

17 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 4o. Sintoma: O processo contemporâneo parece ser o da diminuição da submissão do desejo à razão, com a moral perdendo força por sua atomização. 4a. Tese: Na perspectiva dos destinatários, o esporte olímpico começa a valorizar-se mais pela estética da competição e das cerimônias e menos por seus valores tradicionais intrínsecos.

18 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 5o. Sintoma: o pós-modernismo se caracteriza por uma diluição das fronteiras entre cultura erudita e cultura popular e pela fragmentação das linguagens. Com a perda das referências, a arte pós-moderna se situa em um eterno presente pois não tem projeto de futuro e seu passado, recheado de citações, é inautêntico.

19 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? 5a. Tese:O O aspecto estético dos Jogos tem se demonstrado exemplo das mudanças na estética contemporânea. Suas cerimônias de abertura e encerramento celebram cada vez mais o local em detrimento do universal, o signo em lugar do significado e seus rituais são cada vez mais inautênticos.

20 Olimpismo e neo-modernidade modernidade? Nao há uma crise de valores, mas valores em crise. DESAFIOS PARA A EDUCAÇAO OLÍMPICA

21 Entre a continuidade e a mudança O Olimpismo está intrinsecamente sustentado em escolhas paradoxais cuja natureza derivam de seus próprios objetivos declarados. Esta atitude já estaria na própria base da obra intelectual de Coubertin uma vez que esta parece se sustentar no marco teórico da filosofia eclética.

22 Olimpismo em continuun contexto epistemológico no qual os fenômenos entendidos como contraditórios ou paradoxais passam a serem analisados na perspectiva de opostos que possuem alguma relação de mútua dependência. a lei do pêndulo se aplica a tudo

23 Educação Olímpica em continuun Continuun entre o projeto moderno e as mudanças da neo-modernidade modernidade. OU Cair em desuso e desaparecer

24 MUCHAS GRACIAS

ÉTICA E MORAL. profa. Karine Pereira Goss

ÉTICA E MORAL. profa. Karine Pereira Goss profa. Karine Pereira Goss Muitas vezes utiliza-se esses termos como sinônimos. Mas há diferenças entre eles, embora se relacionem estreitamente. MORAL é um conjunto de normas que regulam o comportamento

Leia mais

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA EMENTÁRIO DE DISCIPLINAS ATIVAS

DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA EMENTÁRIO DE DISCIPLINAS ATIVAS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA EMENTÁRIO DE DISCIPLINAS ATIVAS GFL00024 - INTRODUÇÃO À FILOSOFIA Delimitação do objeto próprio da Filosofia. Divisão da Filosofia. Caracterização dos diferentes tipos de saber.

Leia mais

Currículo em Movimento. Prof. Msc. Rodrigo Rodrigues

Currículo em Movimento. Prof. Msc. Rodrigo Rodrigues Currículo em Movimento Prof. Msc. Rodrigo Rodrigues Etimologia/Conceito Currículo: em Movimento: Referências Pedagogia Histórico-Crítica: Psicologia Histórico-Cultural: Referenciais Curriculares Tipo de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL EDUCAÇÃO FISCAL ÉTICA & Prof. Dr. Antônio Raimundo dos Santos

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL EDUCAÇÃO FISCAL ÉTICA & Prof. Dr. Antônio Raimundo dos Santos PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL ÉTICA & EDUCAÇÃO FISCAL Prof. Dr. Antônio Raimundo dos Santos INTRODUÇÃO - sociedades SIMPLES - mais INSTITUIÇÃO - mais REGULAÇÃO - mais CONTROLES - sociedades COMPLEXAS

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO DAS DST/AIDS Belo Horizonte - Minas Gerais Novembro de 2006

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO DAS DST/AIDS Belo Horizonte - Minas Gerais Novembro de 2006 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO DAS DST/AIDS Belo Horizonte - Minas Gerais Novembro de 2006 Contextos Epidêmicos e Aspectos Sociais das DST/Aids no Brasil: Os Novos Horizontes da Prevenção José Ricardo

Leia mais

A Herança de Paulo Freire

A Herança de Paulo Freire A Herança de Paulo Freire Cinco Princípios-Chave que definem a visão Freiriana de Educação Musical. Eles são: Primeiro Princípio 1. Educação Musical é um Diálogo Alunos e professores apresentam um problema

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: ANATOMIA HUMANA Estudo da forma, estrutura e função dos órgãos e sistemas do corpo humano de forma geral e segmentar. DISCIPLINA:

Leia mais

IV O conhecimento e a racionalidade científica e tecnológica. Filosofia 11ºano. 2. Estatuto do conhecimento científico

IV O conhecimento e a racionalidade científica e tecnológica. Filosofia 11ºano. 2. Estatuto do conhecimento científico IV O conhecimento e a racionalidade científica e tecnológica Filosofia 11ºano 2. Estatuto do conhecimento científico 2.1. Conhecimento vulgar e conhecimento científico Professora: Carla Oliveira Senso

Leia mais

Introduçãoà Epistemologia

Introduçãoà Epistemologia Introduçãoà Epistemologia Programa de Pós-Graduação em Educação Disciplina: Fundamentos Epistemológicos da pesquisa em educação Professora: Dra. Gisele Masson CIÊNCIA E FILOSOFIA A ciência e a filosofia

Leia mais

Visão, Missão, Valores e Objectivos. Gestão Estratégica.

Visão, Missão, Valores e Objectivos. Gestão Estratégica. Visão, Missão, Valores e Objectivos. Gestão Estratégica. Baseado no Livro Administração Pública: Modernização, Qualidade e Inovação de Carlos Carapeto e Fátima Fonseca Neste contexto, há quem afirme que

Leia mais

1ª QUESTÃO (1,5 pontos)

1ª QUESTÃO (1,5 pontos) 1ª QUESTÃO (1,5 pontos) As lutas passaram a integrar os conteúdos de Educação física desde 2001, através dos documentos dos PCN s (Parâmetros Curriculares Nacionais). Entretanto, vivemos em uma época em

Leia mais

Corporate Governance em Grupos Empresariais Familiares

Corporate Governance em Grupos Empresariais Familiares Corporate Governance em Grupos Empresariais Familiares Por: (e-mail: Angopartners@gmail.com) Professor Associado Convidado do ISCTE Membro do Conselho Geral do IPCG Comunicação apresentada na Conferência

Leia mais

Comunicações Organizacionais

Comunicações Organizacionais Comunicações Organizacionais Ideia geral Estabelecer diálogos entre diversos níveis hierárquicos a fim de promover o bom funcionamento organizacional. Objetivos Explicitar o que são comunicações organizacionais.

Leia mais

O iluminismo ou Século das luzes

O iluminismo ou Século das luzes O iluminismo ou Século das luzes Início O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo Burguesia e Iluminismo As luzes da razão O que o iluminismo defendia O que o iluminismo combatia Os pensadores iluministas

Leia mais

HISTÓRIA DA FILOSOFIA OCIDENTAL

HISTÓRIA DA FILOSOFIA OCIDENTAL HISTÓRIA DA FILOSOFIA OCIDENTAL A filosofia ocidental possui como pensamento matriz o pensamento grego. No século XVIII (Iluminismo) Houve a racionalização da cultura, separando da fé e a razão. DIFERENÇA

Leia mais

Classificação da Pesquisa:

Classificação da Pesquisa: Classificação da Pesquisa: Do ponto de vista da sua natureza, ou seja, aquilo que compõe a substância do ser ou essência da pesquisa. Pesquisa Pura: Pesquisa Aplicada: Objetiva gerar conhecimentos novos

Leia mais

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. SP: Pioneira, 2004. Teorias dos signos UNEB Lidiane Lima A TEORIA DOS SIGNOS: Três origens: EUA (1), Europa Ocidental e União Soviética

Leia mais

A filosofia e a ciência do Direito Tributário Adonis Costa e Silva

A filosofia e a ciência do Direito Tributário Adonis Costa e Silva A filosofia e a ciência do Direito Tributário Adonis Costa e Silva A filosofia A Filosofia é o estudo do transcendental. Não existe Filosofia de fatos concretos, de fenômenos que se manifestem no exterior.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 5 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Educação e Diversidade, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO. O VICE-REITOR,

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO prática social NÃO-ESCOLAR - fábrica - igreja - mídia - partido político - ONGs -

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS.

1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS. Formulação de Objetivos Educacionais 1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS. A prática educativa atua no desenvolvimento individual e social dos indivíduos, proporcionando-lhes os meios de apropriação

Leia mais

Platão (427-348 a.c.) Teoria das Idéias

Platão (427-348 a.c.) Teoria das Idéias Platão (427-348 a.c.) Teoria das Idéias Platão - Teoria das Idéias Postula que existem entidades: Eternas Unas Imutáveis (imóveis) Platão - Teoria das Idéias a Idéia do Belo, ou a Beleza em si; a Idéia

Leia mais

A mudança da cultura docente e o papel do professor na universidade contemporânea

A mudança da cultura docente e o papel do professor na universidade contemporânea A mudança da cultura docente e o papel do professor na universidade contemporânea UNIVERSIA Brasil 4 de novembro de 2015 miquelmartinez@ub.edu Universitade de Barcelona. Cultura e função do corpo docente

Leia mais

Émile Durkheim (1858-1917) Por: lucmodes www.sociobox.wordpress.com

Émile Durkheim (1858-1917) Por: lucmodes www.sociobox.wordpress.com Émile Durkheim (1858-1917) Por: lucmodes www.sociobox.wordpress.com Durkheim Nasceu em Epinal, na Alsácia, descendente de uma família de rabinos. Lecionou Sociologia em Bordéus, primeira cátedra dessa

Leia mais

Etnocentrismo, relativismo cultural e multiculturalismo

Etnocentrismo, relativismo cultural e multiculturalismo Etnocentrismo, relativismo cultural e multiculturalismo Por Prof. Rita MacCord http://maccord-rita-prof.blogspot.com.br/2012/11/sociologiaetnocentrismo-relativismo.html em 04 de junho de 2013 MULTICULTURALISMO

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO E MÉTODO DE PESQUISA

MÉTODO CIENTÍFICO E MÉTODO DE PESQUISA MÉTODO CIENTÍFICO E MÉTODO DE PESQUISA Características do conhecimento SENSO COMUM: a forma mais amplamente empregada Solução de problemas imediatos Linguagem genérica Não se preocupa com a validade dos

Leia mais

FIP20902 Tópicos em Física Interdisciplinar: Metodologia da Pesquisa Científica. O Pesquisador e a Comunicação Científica

FIP20902 Tópicos em Física Interdisciplinar: Metodologia da Pesquisa Científica. O Pesquisador e a Comunicação Científica FIP20902 Tópicos em Física Interdisciplinar: Metodologia da Pesquisa Científica O Pesquisador e a Comunicação Científica 24/08/2007 Comunicação Científica Receita de sucesso Clear mind Clearly stated problem

Leia mais

Fundamentos da Educação Infantil

Fundamentos da Educação Infantil FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Fundamentos da Educação Infantil Rosane Tesch rosanetesch@gmail.com Educação Infantil: Fundamentos e Métodos Zilma Ramos

Leia mais

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 10) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Gnosiologia (GNOSIOLOGIA) - Relação do sujeito cognoscente com o objeto cognoscível. (GNOSIOLOGIA) - Relação do sujeito cognoscente com o objeto

Leia mais

O que é um mito? [...] o mito conta uma história sagrada; ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial, o tempo fabuloso do "princípio".

O que é um mito? [...] o mito conta uma história sagrada; ele relata um acontecimento ocorrido no tempo primordial, o tempo fabuloso do princípio. O QUE É MITO? Profº Ms. Tiago Soares dos Santos Docente da SEED Colégio Estadual Pedro II Umuarama PR e LeonídiaPacheco Maria Helena PR. Faculdade Global de Umuarama Pedagogia, Letras e Fonoaudiologia

Leia mais

O MOVIMENTO ESPORTIVO INGLÊS

O MOVIMENTO ESPORTIVO INGLÊS O MOVIMENTO ESPORTIVO INGLÊS A situação política e social Regime parlamentarista estável: enquanto outros países da Europa mantinham as disputas políticas. Formação de um grande império colonial: Ásia,

Leia mais

Émile Durkheim e a sociologia da educação

Émile Durkheim e a sociologia da educação Émile Durkheim e a sociologia da educação Graduandos: Augusto Patzlaff; Camilo de Oliveira; Isis Petrocelli; Leonardo de Alexandria; Italo Noan Sociologia da Educação I - A Émile Durkheim (1858-1917) Vida

Leia mais

CONTEÚDOS DE ARTE POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE ARTE POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE ARTE POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Formas de abordagem dramática na educação

Formas de abordagem dramática na educação 1 Formas de abordagem dramática na educação Ana Carolina Müller Fuchs O teatro no contexto escolar possui diversas abordagens que se modificaram conforme a transformação da própria educação. Inicialmente

Leia mais

A pesquisa é uma atividade voltada para a solução de problemas teóricos ou práticos com o emprego de processos científicos.

A pesquisa é uma atividade voltada para a solução de problemas teóricos ou práticos com o emprego de processos científicos. PESQUISA CONCEITOS E DEFINIÇÕES A pesquisa é uma atividade voltada para a solução de problemas teóricos ou práticos com o emprego de processos científicos. A pesquisa parte, então, de uma dúvida ou problema

Leia mais

Biodiversidade Ao longo da história, a diversidade de seres vivos existente no planeta causa fascínio em todas as sociedades; Sociedade Ocidental - in

Biodiversidade Ao longo da história, a diversidade de seres vivos existente no planeta causa fascínio em todas as sociedades; Sociedade Ocidental - in Breve história das ideias evolucionistas O conceito de evolução biológica Biodiversidade Ao longo da história, a diversidade de seres vivos existente no planeta causa fascínio em todas as sociedades; Sociedade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breve resumo do poder constituinte originário e derivado frente aos princípios fundamentais Rafael Damaceno de Assis* 1. Introdução A idéia de supremacia da constituição decorre

Leia mais

Jogos Cooperativos: O Jogo e o Esporte como um Exercício de Com-Vivência 1

Jogos Cooperativos: O Jogo e o Esporte como um Exercício de Com-Vivência 1 Jogos Cooperativos: O Jogo e o Esporte como um Exercício de Com-Vivência 1 FÁBIO OTUZI BROTTO 2 O Esporte têm merecido uma gama de infindáveis estudos, que sendo caracterizados por diferentes abordagens

Leia mais

Software Livre e o Ensino Público: limites e perspectivas

Software Livre e o Ensino Público: limites e perspectivas Software Livre e o Ensino Público: limites e perspectivas Laura Bittencourt Paiva Valquíria Lopes Rabelo RESUMO Este artigo pretende analisar quais as perspectivas da adoção do sistema e da filosofia de

Leia mais

Letras Tradução Espanhol-Português Ementário

Letras Tradução Espanhol-Português Ementário Letras Tradução Espanhol-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a

Leia mais

Os processos históricos que encadearam a emergência da Sociologia

Os processos históricos que encadearam a emergência da Sociologia Os processos históricos que encadearam a emergência da Sociologia 1. Contextualização Histórica. Fatores que contribuíram para o nascimento da Sociologia Sociais, econômicos, culturais. FEUDALISMO: Tipo

Leia mais

Brasil: ponto de encontro do ESPORTE MUNDIAL

Brasil: ponto de encontro do ESPORTE MUNDIAL Brasil: ponto de encontro do ESPORTE MUNDIAL Com a realização dos megaeventos esportivos na próxima década, o país tem uma enorme oportunidade para gerar e aproveitar melhor os legados socioeducacionais.

Leia mais

Marcio E. S. Corpes Nicole Dominique Oliva Vanessa Lermen Corpes

Marcio E. S. Corpes Nicole Dominique Oliva Vanessa Lermen Corpes UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Marcio E. S. Corpes Nicole Dominique Oliva

Leia mais

SOCIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. JOSINO MALAGUETA 2 ANO PROF. DÁRIO PINHEIRO

SOCIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. JOSINO MALAGUETA 2 ANO PROF. DÁRIO PINHEIRO SOCIOLOGIA 2 ANO PROF. DÁRIO PINHEIRO ENSINO MÉDIO PROF. JOSINO MALAGUETA Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos 2 Questão 01 (1,0) O termo religião vem do latim religare e significa algo que liga

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 O começo de tudo Em O Capital, Marx começa pela mercadoria, indicada por M. Ele começa pelo objeto da troca

Leia mais

O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Roseane Soares Almeidai Rroseane Cruz Freire Rodriguesii Palavras-chave: trabalho pedagógico; formação de professor; educação

Leia mais

Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução

Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução As pesquisas e os investimentos que influenciaram as mudanças nas propostas para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA REALIDADE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA REALIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DISCIPLINA: Seminário de História Política I ACADÊMICO: Gabriel Farias Galinari - R.A. 69586 PROFESSOR: Rivail C. Rolim A CONSTRUÇÃO

Leia mais

A Função de Compliance na Banca Comercial

A Função de Compliance na Banca Comercial A Função de Compliance na Banca Comercial Objetivos Gerais: Este curso é dirigido a todos os profissionais que pretendam adquirir conhecimentos de Compliance na Banca Comercial Objetivos Específicos: No

Leia mais

Evolucionismo vs Criacionismo

Evolucionismo vs Criacionismo Evolucionismo vs Criacionismo uma perspectiva filosófica fica M. Patrão Neves Filosofia fisiólogos e filósofos sistemáticos multiplicidade do real: ordem? unidade da multiplicidade diversidade dos seres:

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO E EMPREENDEDORISMO

TÉCNICAS DE GESTÃO E EMPREENDEDORISMO Plano Geral da Disciplina Ementa: 1. Definição de ciência; 2. Tipos de conhecimento; 3. O processo de construção do conhecimento científico; 4. Tipos de trabalhos acadêmicos; 5. Classificação da pesquisa

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus EMENTA Fundamentos da Linguística e suas relações com outras ciências; conhecimento da história dos estudos

Leia mais

O desafio das empresas em fazer com que a Ética seja uma conduta básica de todos (Compliance)

O desafio das empresas em fazer com que a Ética seja uma conduta básica de todos (Compliance) PAINEL ÉTICA Edson Molinari O desafio das empresas em fazer com que a Ética seja uma conduta básica de todos (Compliance) Edson Molinari Diretor Executivo em empresas multinacionais ligadas ao Agronegócio,

Leia mais

PGH 04 - TÓPICOS EM HISTÓRIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL

PGH 04 - TÓPICOS EM HISTÓRIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL DISCIPLINAS DO CURSO DE MESTRADO EM HISTÓRIA PGH 01 - METODOLOGIA DA PESQUISA EM HISTÓRIA O conhecimento histórico e sua produção em diferentes tradições historiográficas. Estratégias de construção dos

Leia mais

A representação social dos Jogos Olímpicos: um olhar a partir de atletas olímpicos brasileiros

A representação social dos Jogos Olímpicos: um olhar a partir de atletas olímpicos brasileiros A representação social dos Jogos Olímpicos: um olhar a partir de atletas olímpicos brasileiros Nelson Todt Grupo de Pesquisa em Estudos Olímpicos Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul,

Leia mais

Metodologia de Investigação Educacional I

Metodologia de Investigação Educacional I Metodologia de Investigação Educacional I Desenhos de Investigação Isabel Chagas Investigação I - 2004/05 Desenhos de Investigação Surveys (sondagens) Estudos Experimentais Estudos Interpretativos Estudos

Leia mais

Hermenêutica Aula 4. Professora Edna

Hermenêutica Aula 4. Professora Edna Professora Edna Hermenêutica Aula 4 Teoria Pura do Direito de Hans Kelsen: Crítica ao caráter ideológico da Escola da Exegese; A moldura da norma jurídica; ato de conhecimento de vontade; interpretação

Leia mais

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Modelo de Excelência em Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Conceitos Fundamentais Os Fundamentos da Excelência em Gestão expressam conceitos que

Leia mais

GENERO, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO. A EMERGÊNCIA DO GÊNERO- Guacira Lopes Louro. História do gênero e história do movimento feminista contemporâneo

GENERO, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO. A EMERGÊNCIA DO GÊNERO- Guacira Lopes Louro. História do gênero e história do movimento feminista contemporâneo GENERO, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO A EMERGÊNCIA DO GÊNERO- Guacira Lopes Louro História do gênero e história do movimento feminista contemporâneo Segunda onda do movimento feminista década de 60 preocupações

Leia mais

Oficina de formação Tema: Avaliação da aprendizagem: qualidade de instrumentos de análise

Oficina de formação Tema: Avaliação da aprendizagem: qualidade de instrumentos de análise Oficina de formação Tema: Avaliação da aprendizagem: qualidade de instrumentos de análise Dr. Maria Isabel da Cunha Unisinos QUALIDADE DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Princípios: O êxito do aluno depende

Leia mais

Aula 4 O desafio da mensuração (2): Tipos de variáveis e níveis (ou escalas) de mensuração. Nadya Araujo Guimarães USP, 2007

Aula 4 O desafio da mensuração (2): Tipos de variáveis e níveis (ou escalas) de mensuração. Nadya Araujo Guimarães USP, 2007 Aula 4 O desafio da mensuração (2): Tipos de variáveis e níveis (ou escalas) de mensuração Nadya Araujo Guimarães USP, 2007 Diferentes formas de medir e tipos de desafios a superar: Segundo o tipo de situação

Leia mais

Como Fazer uma Monografia

Como Fazer uma Monografia Como Fazer uma Monografia Profa. Mara Abel Instituto de Informática / UFRGS marabel@inf.ufrgs.br O que é uma monografia? A descrição, através de um texto com formato pré-definido, dos resultados obtidos

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A EMPRESA PRIVADA E O INTERESSE PÚBLICO: PRINCÍPIO DA UTILIDADE E DA ABERTURA EMPRESARIAL NUM CAMINHO PARA CREDIBILIDADE

A RELAÇÃO ENTRE A EMPRESA PRIVADA E O INTERESSE PÚBLICO: PRINCÍPIO DA UTILIDADE E DA ABERTURA EMPRESARIAL NUM CAMINHO PARA CREDIBILIDADE A RELAÇÃO ENTRE A EMPRESA PRIVADA E O INTERESSE PÚBLICO: PRINCÍPIO DA UTILIDADE E DA ABERTURA EMPRESARIAL NUM CAMINHO PARA CREDIBILIDADE Roberto Fonseca Vieira RESUMO A nova identidade empresarial traz

Leia mais

Unidade 05. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília

Unidade 05. Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Unidade 05 Prof.ª Fernanda Mendizabal Instituto de Educação Superior de Brasília Apresentar as contribuições da Fisiologia e da Psicofísica para a constituição científica da Psicologia. Relacionar os principais

Leia mais

Palavras chaves: Autoavaliação institucional; Indicadores de qualidade; Avaliações externas

Palavras chaves: Autoavaliação institucional; Indicadores de qualidade; Avaliações externas 01180 AVALIAÇÃO NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE Janete Ribeiro Nhoque Julio Gomes Almeida Programa de Pós Graduação em Educação Universidade Cidade de São Paulo Resumo: O objetivo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Castro Daire PLANIFICAÇÃO DE ÁREA DE INTEGRAÇÃO - 11º ANO TURMA D/F. Departamento: Ciências Sociais e Humanas

Agrupamento de Escolas de Castro Daire PLANIFICAÇÃO DE ÁREA DE INTEGRAÇÃO - 11º ANO TURMA D/F. Departamento: Ciências Sociais e Humanas Departamento: Ciências Sociais e Humanas Disciplina: Área de Integração/11º Ano D/F Ano: 2012/13 Docentes Ana Cristina Santos Fernando Ferreira TEMA DA UNIDADE: MÓDULO 3 A PESSOA (ÁREA I) - A CONSTRUÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÃO DE ROUPAS FEMININAS PARA MOMENTOS ÍNTIMOS DEVELOPMENT OF WOMEN'S CLOTHING COLLECTION FOR INTIMATE MOMENTS

DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÃO DE ROUPAS FEMININAS PARA MOMENTOS ÍNTIMOS DEVELOPMENT OF WOMEN'S CLOTHING COLLECTION FOR INTIMATE MOMENTS DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÃO DE ROUPAS FEMININAS PARA MOMENTOS ÍNTIMOS DEVELOPMENT OF WOMEN'S CLOTHING COLLECTION FOR INTIMATE MOMENTS Camilla Gracino Viana. Curso de Tecnologia em Design de Moda. Universidade

Leia mais

REIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA NO CAPITAISMO MODERNO: UMA ANÁLISE FILOSÓFICA DA EDUCAÇÃO À LUZ DO MATERIALISMO DE MARX E LUKÁCS.

REIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA NO CAPITAISMO MODERNO: UMA ANÁLISE FILOSÓFICA DA EDUCAÇÃO À LUZ DO MATERIALISMO DE MARX E LUKÁCS. REIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA NO CAPITAISMO MODERNO: UMA ANÁLISE FILOSÓFICA DA EDUCAÇÃO À LUZ DO MATERIALISMO DE MARX E LUKÁCS. Erivânia de Meneses Braga/ Graduanda em Filosofia pela UECE e bolsista

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO IFRJ-Reitoria Rio de Janeiro 2014 2 C O M I S S Ã O D E E L A B O R A Ç Ã O Portaria n 0092 de 05 de agosto de 2013 Cláudia de Souza Teixeira Fernanda Kamp

Leia mais

IIA Brasil. Mesa de debates: Relatórios de Auditoria Interna. São Paulo - Abril 2011

IIA Brasil. Mesa de debates: Relatórios de Auditoria Interna. São Paulo - Abril 2011 IIA Brasil Mesa de debates: Relatórios de Auditoria Interna São Paulo - Abril 2011 Oswaldo Basile, CIA, CCSA, QAR. Presidente Vicepresidente Diretor Tesoureiro Board Member Diretor - Instituto dos Auditores

Leia mais

Modelos de Gestão Desafios para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Desafios para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Desafios para o Gestor Contemporâneo As organizações precisam compreender os ambientes: 1. Interno 2. Externo Para que possam: Dar respostas rápidas às mudanças Modificar seus processos

Leia mais

Capítulo 1. Uma Introdução à Econometria

Capítulo 1. Uma Introdução à Econometria Capítulo 1 Uma Introdução à Econometria Livro Texto:Econometria Hill, Grifith e Judge Editora Saraiva 1a. Edição 1999. Software: GRETL 1.1 Por que se estuda Econometria? Econometria é um conjunto de ferramentas

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS ENSINO RELIGIOSO

EIXOS TEMÁTICOS ENSINO RELIGIOSO EIXOS TEMÁTICOS ENSINO RELIGIOSO 1º ANO Sentir se amado e participante de um projeto de vida que engloba a família Abrir se à convivência com o outro, consigo mesmo e com os seres vivos Perceber na convivência

Leia mais

Educação e Constituinte

Educação e Constituinte Educação e Constituinte Presidente da República Federativa do Brasil José Sarney Ministro da Educação Marco Maciel 1 Educação e Constituinte Ministro Marco Maciel Graves e emergenciais são os problemas

Leia mais

GEOGRAFIA. PRINCIPAIS CONCEITOS: espaço geográfico, território, paisagem e lugar.

GEOGRAFIA. PRINCIPAIS CONCEITOS: espaço geográfico, território, paisagem e lugar. GEOGRAFIA { PRINCIPAIS CONCEITOS: espaço geográfico, território, paisagem e lugar. A importância dos conceitos da geografia para a aprendizagem de conteúdos geográficos escolares Os conceitos são fundamentais

Leia mais

A teoria social Émile. Durkheim 1858-1917. Prof. Dieikson de Carvalho

A teoria social Émile. Durkheim 1858-1917. Prof. Dieikson de Carvalho A teoria social Émile Durkheim 1858-1917 1917 Prof. Dieikson de Carvalho Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele

Leia mais

AULA 03 As Ciências Humanas

AULA 03 As Ciências Humanas 1 AULA 03 As Ciências Humanas Ernesto F. L. Amaral 11 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

Escrito por Administrator Qui, 12 de Junho de 2008 17:29 - Última atualização Qui, 12 de Junho de 2008 17:40

Escrito por Administrator Qui, 12 de Junho de 2008 17:29 - Última atualização Qui, 12 de Junho de 2008 17:40 Capricórnio com Áries Este é o típico relacionamento de aprendizado. Áries fornece o gosto pela vida e Capricórnio traçará as bases para que estes projetos sejam viabilizados. Enquanto Capricórnio procura

Leia mais

SISTEMAS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS.

SISTEMAS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS. SISTEMAS HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS. FUNDAMENTOS DE HIDROSTÁTICA Hidrostática é o ramo da Física que estuda a força exercida por e sobre líquidos em repouso. Este nome faz referência ao primeiro fluido

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003805A - Metodologia da Pesquisa em Arte

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003805A - Metodologia da Pesquisa em Arte Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003805A - Metodologia da Pesquisa em Arte Docente(s) Joedy Luciana Barros Marins Bamonte Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

A MOTRICIDADE HUMANA E OS PRINCÍPIOS PARA O ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

A MOTRICIDADE HUMANA E OS PRINCÍPIOS PARA O ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA A MOTRICIDADE HUMANA E OS PRINCÍPIOS PARA O ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CHRISTIAN VIEIRA DE SOUZA, ÂNGELA PEREIRA TEIXEIRA VICTORIA PALMA Universidade Estadual de Londrina, LaPEF, Londrina, Paraná, Brasil.

Leia mais

CAPÍTULO 2 A Finalidade da Ética no Mundo Contemporâneo

CAPÍTULO 2 A Finalidade da Ética no Mundo Contemporâneo CAPÍTULO 2 A Finalidade da Ética no Mundo Contemporâneo Antes mesmo de ingressar propriamente no trato das questões contemporâneas da ética cumpre justificar o salto da antiguidade clássica 1 para o atual.

Leia mais

Contextualização dos Individuais; Esporte, Jogo e Competição; História dos Esportes em Geral;

Contextualização dos Individuais; Esporte, Jogo e Competição; História dos Esportes em Geral; Contextualização dos Individuais; Esportes Esporte, Jogo e Competição; História dos Esportes em Geral; 1 2500 a.c Egito Antigo Soldados treinavam exercícios de Lutas 1500 a.c Grécia Antiga Corridas a pé

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012

PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA SUBÁREA DE GEOGRAFIA PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012 Ensino

Leia mais

O QUE É A FILOSOFIA? A filosofia no Ensino Médio

O QUE É A FILOSOFIA? A filosofia no Ensino Médio O QUE É A FILOSOFIA? A filosofia no Ensino Médio Gustavo Bertoche Quando a filosofia é apresentada no ensino médio, a primeira dificuldade que os alunos têm é relativa à compreensão do que é a filosofia.

Leia mais

3º Trabalho de GI Análise DFD

3º Trabalho de GI Análise DFD 3º Trabalho de GI Análise DFD Problemas típicos da organização Diálogo com o exterior Mestrado de Gestão da Ciência, Tecnologia e Inovação 2000/2001 Cadeira : Prof.: GI-Gestão da Informação Luis Manuel

Leia mais

1.1.A Lógica como Estudo das Condições de Coerência do Pensamento e do Discurso.

1.1.A Lógica como Estudo das Condições de Coerência do Pensamento e do Discurso. 1.A Distinção Validade Verdade Conceitos nucleares específicos: lógica, juízo/proposição vs raciocínio/argumento, validade vs verdade, forma vs conteúdo, inferência válida, dedução, indução. 1.1.A Lógica

Leia mais

Comparação conhecimento vulgar ou de senso comum & conhecimento científico

Comparação conhecimento vulgar ou de senso comum & conhecimento científico Comparação conhecimento vulgar ou de senso comum & conhecimento científico Exemplos de conhecimentos científicos A água é composta de hidrogénio e de oxigénio, e a relação dos volumes é de dois para um;

Leia mais

Índice. Resumo (a título de Prefácio) 15. Introdução

Índice. Resumo (a título de Prefácio) 15. Introdução Índice Resumo (a título de Prefácio) 15 Introdução 1. Gestão de recursos humanos ou gestão de pessoas? Competências organizacionais suportadas nas competências dos indivíduos 21 2. Caso de estudo: a A.

Leia mais

Edgard Pedreira de Cerqueira Neto, PhD, PMP

Edgard Pedreira de Cerqueira Neto, PhD, PMP Bem-vindo ao nosso trabalho inteiramente gratuito de coaching! O tema desta sessão é: O Método 5A de coaching desenvolvido por Edgard Pedreira de Cerqueira Neto Edgard Pedreira de Cerqueira Neto, PhD,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 2.º Ciclo do Ensino Básico 2015/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto -Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado

Leia mais

A Teoria do Conhecimento

A Teoria do Conhecimento A Teoria do Conhecimento Objeto Conhecimento Objetivo Estudar a origem, natureza, valor e limites do conhecimento e da nossa capacidade de conhecer Problemas As formas do conhecimento A definição de conhecimento

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

Associativismo Social

Associativismo Social Movimentos Sociais, Sociedade Civil e Terceiro Setor: uma breve história Educação para o trabalho 1 Associativismo Social Movimentos Sociais Protagonismo Social Sociedade Civil Terceiro Setor Educação

Leia mais

Belém, 7-9 Out 2009 I COLÓQUIO KANT E O KANTISMO - UFPA ANAIS (Vol. 1, Nº 1) UFPA / FAFIL A Filosofia Teórica de Kant ISSN: 2237-4973

Belém, 7-9 Out 2009 I COLÓQUIO KANT E O KANTISMO - UFPA ANAIS (Vol. 1, Nº 1) UFPA / FAFIL A Filosofia Teórica de Kant ISSN: 2237-4973 A SEMÂNTICA EM KANT, LOPARIC E TARSKI Luís Eduardo Ramos de Souza UFPA / FAFIL lued@ufpa.br Resumo: O objetivo deste trabalho é realizar uma análise comparativa da concepção semântica de Kant contida na

Leia mais

Meios de comunicação

Meios de comunicação Meios de comunicação Meio de comunicação, como o próprio nome informa, é algo que serve de intermediário para levar uma mensagem entre duas partes que se comunicam. Ex: telefone, carta. Meios de comunicação

Leia mais

Maquiavel ( 1469 1527 )

Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel ( 1469 1527 ) Maquiavel tentou ir ao cerne da questão e tratar a política não como uma parte da filosofia moral ou ética, mas simplesmente em termos práticos e realistas. Ao colocar a utilidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR EN - ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E NEGÓCIOS COMUNICAÇÃO SOCIAL - HAB. PUBLICIDADE E PROPAGANDA (100 )

MATRIZ CURRICULAR EN - ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E NEGÓCIOS COMUNICAÇÃO SOCIAL - HAB. PUBLICIDADE E PROPAGANDA (100 ) Página de. Disciplinas Obrigatórias ª SÉRIE - COMUNICAÇÃO SOCIAL - HAB. PUBLICIDADE E PROPAGANDA 0 FILOSOFIA E ÉTICA NFH.000_0 0 FOTOGRAFIA PUB._0 0 HISTÓRIA DA ARTE E DA CULTURA PUB.0_0 0 HISTÓRIA DA

Leia mais

Acesso e permanência:

Acesso e permanência: Acesso e permanência: Diálogos Educação Básica e Educação Superior CNE, Brasília, 13/03/2015 Antonio Ibañez Ruiz, CEB/CNE Percurso dos estudantes na Educação Infantil. Educação Básica Ensino Fundamental

Leia mais