MONITORAMENTO ELETRÔNICO DE CONTRIBUINTES NA FISCALIZAÇÃO DO ICMS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO ELETRÔNICO DE CONTRIBUINTES NA FISCALIZAÇÃO DO ICMS"

Transcrição

1 UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO TRIBUTÁRIA MONITORAMENTO ELETRÔNICO DE CONTRIBUINTES NA FISCALIZAÇÃO DO ICMS *CARLOS ROBERTO DE CARVALHO *JOSIAS MENEZES NETO *LUIZ OTÁVIO MACHADO *RENATO DOS SANTOS DE ALMEIDA PROF. ORIENTADOR: PAULO VICTOR FLEMING** PALAVRAS-CHAVE: Monitoramento eletrônico, combate à sonegação, tratamento matemático das variáveis, compras, vendas e estoques, ICMS, criatividade e tecnologia, comprovação científica da sonegação do ICMS. RESUMO: Este trabalho é a síntese de um esforço científico visando o desenvolvimento de uma ferramenta de gestão que melhore significativamente a eficiência da nossa organização no combate à sonegação do ICMS, plenamente compatível com os sistemas corporativos e, portanto, com baixo custo de implantação. *Alunos do Curso de Pós-Graduação em Gestão Tributária da UNIFACS. ** Doutor em Tecnologia Industrial pela University of Bradford - UK, Mestre em Engenharia Nuclear pelo Programa de Engenharia Nuclear - COPPE/UFRJ, Bacharel em Fisica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Coordenador do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Salvador UNIFACS.

2 1. INTRODUÇÃO As profundas e constantes mudanças vivenciadas pelo mundo atual, que se constituem causa e efeito do irreversível processo de globalização em curso, obriga-nos a proceder a revisão, atualização e criação de novos métodos, processos e modelos gerenciais, capazes de elevar a organização ao padrão de excelência. Neste contexto, é que desenvolve-se o programa de Monitoramento Eletrônico de Contribuintes na fiscalização do ICMS, ferramenta indispensável para o combate a sonegação praticadas nos diversos segmentos econômicos que compõem a base de contribuintes do Imposto Sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Serviços de transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação ICMS. A essência deste trabalho está pautada na comunhão de criatividade e tecnologia, possibilitando aos entes tributantes disporem de uma ferramenta de trabalho capaz de diagnosticar irregularidades e conseqüentemente melhorar o desempenho da arrecadação do ICMS nos diversos segmentos econômicos, com baixo custo de implantação. Os objetivos deste trabalho são: 1) o desenvolvimento de uma ferramenta de gestão organizacional pautada na análise permanente dos negócios realizados pelos contribuintes do ICMS, que ofereça informações técnicas para tomada de decisão, oriundas da correlação e tratamento matemático das diversas variáveis que compõem as operações mercantis dos contribuintes do ICMS, possibilitando a SEFAZ adotar estratégias e ações para a melhoria da performance da arrecadação do imposto; 2) dotar a Administração das Inspetorias com modelo de análise rápida da situação contributiva da empresa, subsidiando na negociação e cobrança do imposto, planejamento e seleção das empresas fiscalizáveis e determinação científica do roteiro a ser aplicado pelo auditor fiscal na elaboração de seu trabalho de auditoria, evitando, assim, ao método de tentativa e erro na busca do roteiro adequado para determinação do ilícito fiscal. 2. METODOLOGIA UTILIZADA Para o desenvolvimento deste estudo, será utilizado o MÉTODO DEDUTIVO, em que se efetuarão diversas análises, fixando algumas variáveis, com o objetivo de descobrir o comportamento dos pontos, e por conseqüência verificar a disposição final das curvas a serem formadas. DADOS SUBMETIDOS A ESTUDO: ESTOQUE INICIAL - EI ESTOQUE FINAL - EF COMPRAS - C VENDAS - V MARGEM DE VALOR AGREGADO - MVA A análise inicial foi efetuada para uma MVA fixa de 40%. 2

3 DADOS FIXOS: EI = 100 C = 150 MVA = 40 % 3. TRATAMENTO MATEMÁTICO DAS VARIÁVEIS ENVOLVIDAS A filosofia desse tratamento consiste em combinar as variáveis COMPRAS e VENDAS, com as variáveis ESTOQUE INICIAL e ESTOQUE FINAL, todas elas presentes nas DMAs Declarações de Apuração Mensal consolidadas constantes nos arquivos da SEFAZ. Para tornar realizável tal combinação, houve a necessidade de lançar mão dos recursos da Contabilidade Geral que tratam de OPERAÇÕES COM MERCADORIAS a exemplo de CUSTO DE MERCADORIAS VENDIDAS CMV e MARGEM DE VALOR AGREGADO MVA, as quais estão diretamente relacionadas com as variáveis em estudo (vendas, compras, estoque inicial e estoque final).para utilização dessas variáveis nesse trabalho, foram utilizados os valores fiscais com o ICMS incluso. A partir dessa proposta de combinação, passamos a tentar descobrir alguma fórmula matemática que relacione as variáveis VENDAS X COMPRAS, MVA E ESTOQUES. Para tanto, concluímos que o ideal seria trabalhar com números relativos, ou seja, variações percentuais. Com isso, obtivemos uma redução na quantidade de variáveis a serem estudadas, de quatro para duas variáveis. VARIAÇÃO DE VENDAS X COMPRAS: (V-C)/C x 100 (%) (3.1) Tal variação nada mais é do que o conhecido VALOR ADICIONADO só que apresentado de forma percentual. Com esse tratamento, consegue-se a redução de duas variáveis (Vendas/Compras) para uma variável, que é a variação percentual (V-C)/C %. VARIAÇÃO DE ESTOQUES: (EF-EI)/EI x 100 (%) (3.2) Com esse tratamento, consegue-se a redução de mais duas variáveis (Estoque Inicial/Estoque Final) para uma variável, que é a variação percentual (EF-EI)/EI %). - MARGEM DE VALOR AGREGADO (MVA) (o valor já é percentual por natureza) 4. ESTUDO DE HIPÓTESES 1 a HIPÓTESE: DIMINUIÇÃO NOS ESTOQUES, EF = 50, OU VARIAÇÃO DE 50 %. Quando o valor das Compras é inferior ao Custo das Mercadorias Vendidas EI = 100 C = 150 EF = 50 3

4 CMV= EI + C EF = 200 (4.1) MVA (Margem de Valor Agregado)= 0,40 MVA = LB / CMV 0,40 = LB / 200 Lucro Bruto = 80 LB = V CMV V = LB + CMV = 280 DETERMINAÇÃO DOS PONTOS: (V-C)/Cx100 = ( )/150x100 = 86,67 % (4.2) (EF-EI)/EIx100 = (50 100)/100x100 = - 50,00 % (4.3) Tabela PONTOS DETERMINADOS: MVA = 40 % (V-C)/Cx100 = 86,67 % (EF-EI)/EIx100= -50% Conclusão: Esta situação pode decorrer de: 1) dificuldades financeiras para reposição dos estoques; 2) administração de estoques mais eficaz em função da rapidez na reposição ou 3) aquisição de mercadorias desprovidas de documentação fiscal. 2 a HIPÓTESE: NÃO VARIAÇÃO NOS ESTOQUES, EF = EI, OU VARIAÇÃO DE 0,00 %. O valor das compras se equipara ao Custo das Mercadorias Vendidas EI = 100 C = 150 EF = 100 CMV= EI + C EF = 150 (4.4) MVA (Margem de Valor Agregado)= 0,40 MVA = LB / CMV 0,40 = LB / 150 Lucro Bruto = 60 LB = V CMV V = LB + CMV =210 DETERMINAÇÃO DOS PONTOS: (V-C)/Cx100 = ( )/150x100 = 40,00 % (4.5) (EF-EI)/EIx100 = ( )/100x100 = 0,00 % (4.6 ) Tabela PONTOS DETERMINADOS: MVA = 40 % (V-C)/Cx100 = 40 % (EF-EI)/EIx100= 0,00 % 4

5 CONCLUSÃO : Quando a variação nos estoques é ZERO, a variação de vendas e compras torna-se igual à MVA Margem de Valor Agregado. Revela continuidade na política de administração de estoques, mantendo-o no mesmo nível do exercício anterior. 3 a HIPÓTESE: AUMENTO NOS ESTOQUES, EF = 150, OU SEJA, VARIAÇÃO DE + 50,00 %. EI = 100 C = 150 EF = 150 CMV= EI + C EF = 100 (4.7) MVA (Margem de Valor Agregado) = 0,40 MVA = LB / CMV 0,40,40 = LB / 100 Lucro Bruto = 40 LB = V CMV (Lucro Bruto = Vendas Custo das Mercadorias Vendidas) V=LB+CMV=140 DETERMINAÇÃO DOS PONTOS (V-C)/Cx100 = ( )/150x100 = - 6,67 % (EF-EI)/EIx100 = ( )/100x100 = 50,00 % (4.8) (4.9) Tabela PONTOS DETERMINADOS: MVA = 40 % (V-C)/Cx100 = - 6,67 % (EF-EI)/EIx100= 50,00 % Conclusão: Esta situação pode configurar três situações; 1) empresa em fase de expansão no final do exercício analisado; 2) queda de venda no período; 3) estoque fictício resultante de vendas sem emissão de notas fiscais. Com a obtenção desses três pontos, plotaremos os mesmos num gráfico cartesiano com o objetivo de verificar a disposição da curva formada com esses três pontos: 5

6 Gráfico. 4.1 CONCLUSÃO: Com a análise da disposição dos pontos no gráfico acima, concluí-se que a curva representativa da relação: (V-C)/Cx100, (EF-EI)/EIx100 e MVA é uma reta. (4.10) A partir dessa conclusão, partimos para a determinação da equação genérica da reta que relaciona (V-C)/Cx100, (EF-EI)/EIx100 E MVA: (4.11). CONVENCIONA-SE: Y = (V-C)/Cx100 para representar o eixo das ordenadas; (4.12) X = (EF-EI)/EIx100 para representar o eixo das abcissas. (4.13) A EQUAÇÃO DA RETA ASSUME A SEGUINTE FORMA: Y = a. X + b (4.14) a = coeficiente angular b = constante Para se determinar uma reta, necessita-se de dois pontos: DETERMINAÇÃO DO PRIMEIRO PONTO: VALORES FIXOS: EI, C e MVA PONTO ESCOLHIDO: Não variação nos estoques, ou seja, EF = EI. X = (EF-EI)/EIx100 = (EI-EI)/EIx100 = 0,00 (4.15) X = 0,00 Y = a. X + b Y = a. 0,00 + b Y = b 6

7 Analisando a segunda hipótese estudada anteriormente, quando a variação nos estoques é ZERO, a variação (V-C)/Cx100 torna-se igual à MVA, daí conclui-se: Y = (V-C)/Cx100 = MVA = b (4.16) b = MVA Y = MVA PONTO DETERMINADO: P1 ( 0,00; MVA) DETERMINAÇÃO DO SEGUNDO PONTO: VALORES FIXOS: EI, C e MVA PONTO ESCOLHIDO: Situação atípica em que o contribuinte efetua Compras durante o exercício, e não efetua Vendas, indo todas as Compras para o Estoque Final, V=0. EI C V=0 EF = EI + C (4.17) MVA Y = (V-C)/Cx100 = (0,00 C)/Cx100 = -C/Cx100 = (4.18) Y = -100 X = (EF-EI)/EIx100 = (EI+C-EI)/EIx100 = C/EIx100 = 100C/EI (4.19) X = 100.C/EI PONTO DETERMINADO: P2 ( 100C/EI, -100) (4.20) DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE ANGULAR DA RETA: P1 ( 0,00; MVA) P2 (100C/EI; -100) a = (Y2-Y1)/(X2-X1) a = ( -100 MVA)/(100C/EI 0,00) a = - EI. (MVA+ 100)/100C (4.21) EQUAÇÃO DA RETA: Y = a. X + b Y = - EI. (MVA+ 100)/100C. X + MVA (4.22) INTERPRETAÇÃO DO GRÁFICO FORMADO PELAS VARIÁVEIS (V-C)/C % E (EF-EI)/EI %. 7

8 Para facilitar a interpretação do gráfico, dividi-se o mesmo em cinco (05) áreas, áreas essas explicadas abaixo: Gráfico 4.2 ÁREA 1 - Pontos da curva à esquerda do eixo das ordenadas (vertical). Gráfico 4.3 Nestes pontos da curva a variação de estoques é negativa, ou seja, o Estoque Final é menor do que o Estoque Inicial. Isso implica em dizer que durante o exercício, para um mesmo nível de vendas mantido, houve um decréscimo no nível de compras, com mercadorias existentes no estoque inicial sendo vendidas. Se essa situação persistir por um longo tempo, chegará a um momento em que não existirá estoque de mercadorias para ser vendido e a empresa encerrará suas atividades. Nestes pontos a variação (V-C)/C é superior à MVA 8

9 Gráfico da curva de Vendas e da curva de Compras ao longo do tempo para uma variação negativa de estoque. Gráfico 4.4 VENDAS X COMPRAS C O M P R A S V E ND A S VALOR J F M A M J J A S O N D T E M P O ÁREA 2 - Ponto da curva que intercepta o eixo das ordenadas (vertical). Gráfico 4.5 AREA 2. reta (V-C)/C % (EF-EI)/EI=0 V=C (EF-EI)/EI % Neste ponto, a variação de estoques é ZERO, ou seja, o Estoque Final é igual ao Estoque Inicial, sendo a variação (V-C)/C igual à MVA. Em outras palavras, a melhor performance fiscal de funcionamento de uma empresa é em torno desse ponto. Gráfico da curva de Vendas e da curva de Compras ao longo do tempo para uma variação de estoque igual a zero. Obs.: A curva de vendas está bem afastada da curva de compras. Gráfico 4.6 VENDAS X COMPRAS COMPRAS VENDAS VALOR J F M A M J J A S O N D TEMPO 9

10 ÁREA 3 Pontos da curva entre o eixo das ordenadas (vertical) e o ponto de interseção da curva com o eixo das abcissas (horizontal). Gráfico 4.7 AREA 3. reta (V-C)/C % (EF-EI)/EI=0 V=C (EF-EI)/EI % Nestes pontos são positivas tanto a variação de estoques (EF-EI)/EI como a variação de Vendas X Compras (V-C)/C, porém, à medida que nos deslocamos na curva, no sentido descendente, do eixo das ordenadas (vertical) em direção ao eixo das abcissas (horizontal), a variação de Vendas X Compras (V-C)/C vai diminuindo, ou seja, o VALOR ADICIONADO percentual vai diminuindo, e conseqüentemente a SONEGAÇÃO vai aumentando. Em outras palavras, quanto maior for a variação (V-C)/C, maior será a arrecadação e menor será a sonegação, e quanto menor for a variação (V-C)/C, menor será a arrecadação e maior será a sonegação. Gráfico da curva de Vendas e da curva de Compras ao longo do tempo. Obs.: À medida que nos deslocamos na curva do gráfico anterior no sentido descendente, a curva de vendas vai se aproximando da curva de compras. Gráfico 4.8 VENDAS X COMPRAS C OMPRA S V END AS VALOR J F M A M J J A S O N D TE M P O ÁREA 4 - Ponto da curva que intercepta o eixo das abcissas (horizontal). 10

11 Gráfico 4.9 Neste ponto, a variação (V-C)/C é ZERO, ou seja, as VENDAS se igualam às COMPRAS. Em outras palavras, esse ponto corresponde ao marco divisor do início da insuficiência de caixa a ser apresentada pela empresa. Gráfico da curva de Vendas e da curva de Compras ao longo do tempo. Obs.: A curva de vendas sobrepõe a curva de compras. Gráfico 4.10 VENDAS X COMPRAS VALOR C O M P R A S V E NDAS J F M A M J J A S O N D T E M P O ÁREA 5 - Pontos da curva abaixo do eixo das abcissas (horizontal). Gráfico AREA 5 reta (V-C)/C % (EF-EI)/EI=0 V=C 11 (EF-EI)/EI %

12 Nestes pontos da curva, a variação (V-C)/C é negativa, ou seja, as VENDAS são inferiores às COMPRAS. Isso implica em sérios problemas de fluxo de caixa na empresa, com prováveis práticas de omissão de receita através de vendas de mercadorias sem Notas Fiscais ou vendas de mercadorias sub faturadas. Em outras palavras, essa é a região da sonegação fiscal. Gráfico da curva de Vendas e da curva de Compras ao longo do tempo para variação (V-C)/C negativa. Obs.: A curva de vendas fica abaixo da curva de compras. Gráfico 4.12 VENDAS X COMPRAS C OMP RAS VENDAS VALOR J F M A M J J A S O N D T E M PO 5. MONITORAMENTO ELETRÔNICO Tal monitoramento consiste em, a partir dos valores contidos nas DMAs consolidadas das empresas, avaliar o desempenho fiscal das mesmas e classificá-las segundo a ordem de prioridade para a FISCALIZAÇÃO. Para auxiliar na definição da prioridade para a fiscalização, surge a necessidade da criação de um fator de desempenho que corresponderá a relação [(V-C)/C]/[MVA seg.] %, que também poderá ser chamado de Índice de Rigidez. fator de desempenho = [(V-C)/C]/[MVA seg.] % (5.1) Quanto mais próxima estiver a variação de vendas e compras da MVA do segmento (ponto ótimo), menor será a prioridade para a fiscalização. Com base na interpretação do gráfico (V-C)/C e (EF-EI)/EI explanada no tópico anterior, e para melhor avaliar a empresa, surge a necessidade de comparar: - a MVA calculada com a MVA padrão do segmento; e - a variação (V-C)/C com a MVA padrão do segmento. Desta comparação, surgem cinco (05) situações de desempenho, sendo quatro situações típicas e uma situação atípica. Chama-se de típica a situação que é representada pelo modelo matemático proposto, ou seja, os pontos determinados formam a reta. E é chamada de atípica a situação que não é representada pelo modelo matemático proposto, ou seja, os pontos determinados não formam a reta. 12

13 1 a SITUAÇÃO (típica) Tanto a Margem de Valor Agregado calculada quanto a variação de Vendas/Compras superem a Margem de Valor Agregado do segmento econômico. MVA calc. > MVA seg. (V-C)/C > MVA seg. Gráfico 5.1 MVA X ESTOQUES X VENDAS E COMPRAS (v-c)/c reta MVA seg. (V-C)/C % (EF-EI)/EI % Interpretação: Empresa funcionando dentro das expectativas fiscais. Prioridade para a Fiscalização: 3 (mínima), verde. Obs.: As prioridades para a fiscalização foram convencionadas em 1 (máxima), 2 (média) e 3 (mínima). 2 a SITUAÇÃO (típica) A margem de valor agregado calculada está abaixo da MVA do segmento e a variação de (vendas compras)/vendas supera a MVA do segmento. MVA calc. < MVA seg. (V-C)/C > MVA seg. (5.2) 13

14 Gráfico 5.2 MVA X ESTOQUES X VENDAS E COMPRAS (v-c)/c reta MVA seg. (V-C)/C % (EF-EI)/EI % Interpretação: Situação correspondente à ÁREA 1 da interpretação do gráfico, em que há a ocorrência da queima de estoques da empresa, ou seja, o estoque final torna-se inferior ao estoque inicial. Nessa situação os índices de arrecadação atingem os melhores níveis, sendo uma situação excelente em termos de arrecadação para o Estado, porém, péssima para o contribuinte, pois mostra que o contribuinte está passando por dificuldades. Prioridade para a Fiscalização: 3 (mínima). 3 a SITUAÇÃO (típica) A margem de valor agregado calculada supera a MVA do segmento e variação (Vendas Compras)/Compras abaixo da MVA do segmento econômico. MVA calc. > MVA seg. (V-C)/C < MVA seg. (EF-EI)/EI % elevada (5.3) 14

15 Gráfico 5.3 MVA X ESTOQUES X VENDAS E COMPRAS (v-c)/c reta MVA seg. (V-C)/C % (EF-EI)/EI % Interpretação: Situação que indica sonegação fiscal quando o fator de desempenho for baixo. Essa sonegação surge principalmente pela venda de mercadorias sem a emissão de Notas Fiscais, porém, com o uso do artifício de manter as mercadorias vendidas sem Notas no estoque final, o que faz a variação (EF-EI)/EI % ser elevada. A manutenção das mercadorias vendidas sem Notas Fiscais no estoque final tem o intuito de prejudicar a auditoria de estoque fechado. As ações fiscais sugeridas são as auditoria de caixa ou passivo e, subsidiariamente, estoque aberto. Prioridade para a fiscalização: Nesse caso, a prioridade para a fiscalização dependerá da proximidade, ou não, em que a variação (V-C)/C estiver da MVA seg., e para isso iremos lançar mão do fator de desempenho o qual corresponde a [(V-C)/C]/[MVA seg.]%. fator de desempenho < 50% a prioridade é 1 (alta). fator de desempenho > 50% e < 80% a prioridade é 2 (média). fator de desempenho > 80% a prioridade é 3 (baixa). Obs.: O fator de desempenho é inversamente proporcional à variação de estoques, ou seja, fator de desempenho baixo corresponde a variações de estoques elevadas, e fator de desempenho elevado corresponde a variações de estoques baixas. 4 a SITUAÇÃO (típica) - Tanto a margem de valor agregado calculada quanto à variação de (Vendas Compras)/Compras são inferiores a MVA do segmento econômico. MVA calc. < MVA seg. (V-C)/C < MVA seg. (5.4) 15

16 Gráfico 5.4 MVA X ESTOQUES X VENDAS E COMPRAS (v-c)/c reta MVA seg. (V-C)/C % (EF-EI)/EI % Interpretação: Situação que indica sonegação fiscal quando o fator de desempenho for baixo. Se a variação (EF-EI)/EI % for baixa, o indício de sonegação poderá ser por subfaturamento ou vendas de mercadorias sem a emissão de Notas Fiscais. Se a variação (EF-EI)/EI % for elevada, o indício de sonegação poderá ser pela venda de mercadorias sem a emissão de Notas Fiscais, porém, com o uso do artifício de manter as mercadorias vendidas sem Notas no estoque final, o que faz a variação (EF-EI)/EI % tornar-se elevada. A manutenção das mercadorias vendidas sem Notas Fiscais no estoque final tem o intuito de prejudicar a auditoria de estoque fechado. As ações fiscais sugeridas são: - Se a variação (EF-EI)/EI % for elevada, realizar caixa ou passivo e, subsidiariamente, estoque aberto; - se a variação (EF-EI)/EI % for baixa, no caso de subfaturamento realizar caixa ou passivo, e no caso de vendas sem a emissão de Notas Fiscais realizar caixa, passivo ou estoque fechado. Prioridade para a fiscalização: Nesse caso, a prioridade para a fiscalização também dependerá da proximidade, ou não, em que a variação (V-C)/C estiver da MVA seg., da mesma forma explanada na situação anterior. fator de desempenho < 50% a prioridade é 1 (alta). fator de desempenho > 50% e < 80% a prioridade é 2 (média). fator de desempenho > 80% a prioridade é 3 (baixa) 5 a SITUAÇÃO (atípica) Não representada pelo modelo matemático proposto. CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS < ZERO, ou LUCRO BRUTO < ZERO Interpretação: CMV negativo significa omissão de entrada, e, Lucro Bruto negativo significa forte indício de sonegação. O modelo proposto nesse trabalho não representa essa situação, pois os pontos formados estão totalmente fora da curva (reta). 16

17 Prioridade para a Fiscalização: 1 ( a máxima). Por convenção, relacionamos a prioridade de fiscalização da empresa com uma cor, com o objetivo de facilitar a visualização: PRIORIDADE COR 1 (alta) VERMELHA 2 (média) AMARELA 3 (baixa) VERDE Daí, elaborada a planilha de monitoramento eletrônico, que, a partir dos dados contidos na DMA consolidada de uma empresa, mostra-nos o desempenho da mesma e a prioridade para sujeição a fiscalização. Obs.: Cada empresa deverá ser analisada de acordo com as suas peculiaridades. 17

18 6. FLUXOGRAMA DA APLICAÇÃO DOS PARÂMETROS DE ENTRADA, PROCESSAMENTO E SAÍDA DOS DADOS INÍCIO QUA LIFICA R A EMPRESA: RA Z Ã O SOCIAL INSC ESTA DUA L EXERCÍCIO Obter os dados ao lado na DMA consolidada do exercício, ou na DME, no caso de empres a do SIMBAHIA. ENTRA R COM OS DADOS: V ENDA S COMPRA S ESTOQUE INICIA L ESTOQUE FINA L ENTRA R COM OS DADOS: MVA seg Fator de Desempenho Superior-FDS Fator de Desempenho Inferior-FDI O bs.: MVAseg = MVA ótima CÁ LCULOS EFETUADOS: CMV =EI+C-EF LB = V-CMV MV A c alc. = LB/CMV x 100 (V -C)/C % (EF-EI)/EI % FD = ((V-C)/C)/MVAotima % S IM CM V < Z E R O OU L B < Z E R O S ITUA ÇÃ O A TÍP ICA NÃ O M VA calc > M VAs eg E (V-C)/C > M VAs eg S IM S ITUA ÇÃ O 1 NÃ O M VA calc < M VAs eg E (V-C)/C > M VAs eg S IM S ITUA ÇÃ O 2 NÃ O M VA calc > M VAs eg E (V-C)/C < M VAs eg S IM S ITUA ÇÃ O 3 NÃ O NÃ O M VA calc < M VAs eg E (V-C)/C < M VAs eg S IM S ITUA ÇÃ O

19 6. FLUXOGRAMA DA APLICAÇÃO DOS PARÂMETROS DE ENTRADA, PROCESSAMENTO E SAÍDA DOS DADOS - CONTINUAÇÃO 1 LB < Z E R O OU CMV < Z E R O SIM F D < F DI SIM PRIORIDADE 1 VERMELHO F D > F DI E F D < F DS SIM PRIORIDADE 2 AMARELO NÃO FD > FDS PRIORIDADE 3 VERDE TÉRMINO Fluxograma 6.1 Fluxograma de entrada, processamento e saída de dados do programa de monitoramento eletrônico de contribuintes do ICMS. 19

20 7. MODELO PROPOSTO Após análise dos resultados históricos obtidos pelas INFAZ, Alagoinhas, Feira de Santana, Paulo Afonso, Valença e outras, concluímos que seria imprescindível o desenvolvimento de uma nova ferramenta de gestão, cujas técnicas e ações utilizam o potencial tecnológico da SEFAZ e se fundam nas seguintes premissas: - a análise permanente das operações realizadas pelos contribuintes do ICMS, propondo ações, técnicas e estratégias no âmbito das Inspetorias Fazendárias para correção das distorções diagnosticadas, através de dados constantes das Declarações de Apuração Mensal DMA, disponíveis no Sistema de Informações do Contribuinte INC, da Secretaria da Fazenda; - a melhoria da eficiência tributária nos segmentos econômicos através de elementos alavancadores de receita e comparação com a MVA de cada segmento econômico; - a comprovação cientifica da sonegação do ICMS, através de formulas matemáticas que relaciona diversas variáveis a exemplo das Compras, Vendas, Estoques e MVA, realizadas pelos contribuintes do ICMS; - a valorização dos funcionários da SEFAZ, tornando-os um instrumento de interação entre a organização e o contribuinte, onde o sistema operacional será uma ferramenta a serviço do profissional; - o resgate do compromisso do preposto fiscal com os objetivos da SEFAZ, tornando-o responsável pelo acompanhamento analítico dos contribuintes. Para finalizar, considera-se que, ao contrário da situação atual, onde o planejamento da fiscalização não envolve parâmetros matemáticos para identificação dos possíveis indícios de sonegação e o monitoramento se concentra mais em confirmar a regularidade dos recolhimentos do ICMS, o modelo apresentado prima pela análise científica dos dados fornecidos pelos contribuintes através das DMAs Demonstrativos de Movimentação Econômica, disponíveis nos sistemas corporativos da Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia. Além de não importar em novas despesas, uma vez que o monitoramento já se constitui uma prática no dia-a-dia dos Auditores Fiscais do Estado o modelo de Monitoramento Eletrônico se traduz numa expressiva redução de custos, ao evitar a realização de roteiros de auditorias fiscais em estabelecimentos que não apresentam indícios de sonegação fiscal e só resultam em pura homologação dos lançamentos tributários efetuados pelo contribuinte ao longo de cada exercício fiscal. 8. ESTUDO DE CASOS Entre os casos estudados, através dos dados constantes da DMA Demonstrativo de Movimentação Econômica de cada empresa em análise, selecionamos 04(quatro) estabelecimentos, desenvolvidos neste trabalho, onde foi possível detectar as situações previstas nas hipóteses elencadas no presente estudo. No primeiro caso, explicitado na Figura 8.1 ocorre a situação 04, a MVA margem de valor agregado calculada está tecnicamente igual a MVA do segmento econômico, neste caso está sendo trabalhado um contribuinte do ramo de supermercados, com um fator de desempenho de 98,36%, bem próximo do índice de rigidez ideal de 100%, portanto prioridade para fiscalização é 3, mínima, cor verde, cuja avaliação indica que o contribuinte trabalha na normalidade e arrecada o esperado pelo Estado. Quanto as ações sugeridas fica prejudicado, tendo em vista que, a princípio, não está havendo sonegação do ICMS, no entanto, deve-se auditar peculiaridades legais para evitar possíveis evasões fiscais camufladas de elisões. 20

21 Este tipo de empresa é a ideal para a Secretaria da Fazenda, recolhe seus tributos na normalidade da lei, administra bem o seu fluxo de mercadorias, como se pode verificar os estoques, inicial e final, são parecidos em volume de recursos aplicados, revelando um giro muito bom, além do valor agregado ou lucro bruto está nas expectativas do segmento econômico. No segundo caso, explicitado na figura 8.2 ocorre a situação 4, devido a MVA margem de valor agregado não ficar muito distante da MVA do segmento econômico, porém o fator de desempenho de 8,32% (índice de rigidez) revela uma situação desfavorável para a Secretaria da Fazenda, isto é, fortes indícios de sonegação fiscal, por isso a prioridade de fiscalização ser 1 vermelha. Avalia-se, portanto, que o contribuinte está vendendo sem emissão de notas ou cupons fiscais, com as mercadorias permanecendo no estoque, apenas de forma escritural estoque final maior que estoque inicial e as vendas menores que as compras. A sugestão de ação fiscal sugerida é auditoria de caixa/passivo fictício por tratar-se de supermercado. Este tipo de empresa não se enquadra em boa parceira para a Secretaria da Fazenda pelo elevado nível de sonegação fiscal, deve ser fiscalizada e monitora constantemente. No terceiro caso, explicitado na figura 8.3, ocorre a situação 1: a empresa apresenta Margem de Valor Agregado maior que a MVA do segmento (materiais de construção) e Variação de (Vendas Compras) / Compras inferior à MVA - Margem de Valor Agregado do segmento econômico. Verifica-se um equilíbrio no nível de aquisições, vendas e administração de estoques (elevados em 10,75 %). O fator de desempenho apresenta um índice de rigidez de 94,26 %, muito próximo do ideal. Esse tipo de empresa se enquadra como parceira ideal para a Secretaria da Fazenda, devendo ser monitorada para acompanhamento e manutenção dos índices ora apresentados. Em termos de fiscalização: prioridade 3 (cor verde). No quarto caso, explicitado na figura 8.4, ocorre a situação 3: A MVA calculada é maior que a MVA - Margem de Valor Agregado do segmento econômico (supermercados) e a Variação (Vendas Compras) / Compras menor que a MVA do segmento. Constata-se uma excessiva variação de estoques - 197,44 %, o que pode caracterizar indício de vendas com emissão parcial de documentos fiscais. Diante da provável omissão de saídas, essa empresa deixa de recolher o imposto sobre o volume de suas vendas, gerando prejuízos ao Fisco Estadual. Além do monitoramento constante, deve ser fiscalizada, com prioridade 2 (cor amarela), com especial atenção para auditoria de caixa, do passivo e da antecipação tributária. No quinto caso, explicitado na figura 8.5, ocorre situação 2: a MVA Margem de Valor Agregado calculada é menor que a MVA do segmento econômico e a variação (Vendas Compras)/compras é maior que a MVA do segmento. Constata-se uma situação de queima de estoques por parte do contribuinte com vantagem para a Secretaria da Fazenda, pois seu recolhimento está muito bom. O Fator de Desempenho está acima do máximo, indicando uma prioridade 3 verde que não inspira nenhuma ação fiscal, a não ser acompanhar se existe omissão de recolhimentos. 21

22 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA FAZENDA MONITORAMENTO ELETRÔNICO EMPRESA: ESTUDO DE CASO 01 INSC. EST.: 0 EXERCÍCIO: 2001 EI CMV EF LB C MVA calc. % 19,53 V (V-C)/C % 19,67 (EF-EI)/EI % -1,61 MVA seg % 20,00 MVA calc 19,53 MVA seg 20,00 (V-C)/C % 19,67 MVA seg 20,00 SITUAÇÃO : 04 MVA calc. < MVA seg. e (V-C)/C < MVA seg. FATOR DE DESEMPENHO : 98,36 ( Índice de Rigidez) VERDE PRIORIDADE/COR : 3 VERDE VERDE AVALIAÇÃO : Indício de sonegação - se (EF-EI)/EI for baixa ->subfaturamento ou vendas sem NFs; AÇÃO SUGERIDA : - se (EF-EI)/EI for alta -> falta de emissão de NFs, com as merc. permanecendo nos estoques Y = - EI. (MVA+ 100)/100C. X + MVA X=(EF-EI)/EI Y=(V-C)/C X Y -1,61 19,67-1,07 19,63-0,54 19,58 0,00 19,53 0,54 19,49 1,07 19,44 1,61 19,40 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00-20,00 MVA X E S T OQUE S X VE NDAS E COMPRAS -114,22 0,00 114,22 228,45 342,67 456,89-10,00 (EF-EI)/EI=0 V=C (v-c)/c r eta MVA s eg. -30,00 (E F -E I)/E I % Figura 8.1 Resultado do Estudo de caso 01 Monitoramento eletrônico do ICMS 22

23 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA FAZENDA MONITORAMENTO ELETRÔNICO EMPRESA: ESTUDO DE CASO 02 INSC. EST.: 0 EXERCÍCIO: 2001 EI CMV EF LB C MVA calc. % 15,66 V (V-C)/C % -1,66 (EF-EI)/EI % 18,53 MVA seg % 20,00 MVA calc 15,66 MVA seg 20,00 (V-C)/C % -1,66 MVA seg 20,00 SITUAÇÃO : 04 MVA calc. < MVA seg. e (V-C)/C < MVA seg. FATOR DE DESEMPENHO : -8,32 ( Índice de Rigidez) VERMELHA PRIORIDADE/COR : 1 VERMELHA VERMELHA AVALIAÇÃO : Indício de sonegação - se (EF-EI)/EI for baixa ->subfaturamento ou vendas sem NFs; - se (EF-EI)/EI for alta -> falta de emissão de NFs, com as merc. permanecendo nos estoques AÇÃO SUGERIDA : se (EF-EI)/EI for baixa -> audit. de caixa/passivo no caso de subfaturamento; Y = - EI. (MVA+ 100)/100C. X + MVA X=(EF-EI)/EI Y=(V-C)/C X Y 18,53-1,66 12,36 4,11 6,18 9,88 0,00 15,66-6,18 21,43-12,36 27,20-18,53 32,98 se (EF-EI)/EI for baixa -> audit. de caixa/passivo/est. fechado no caso de vendas sem NFs; se (EF-EI)/EI for alta -> audit. de caixa/passivo ou estoque aberto. 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 MVA X ESTOQUES X VE NDAS E COMPRAS 5,00 0,00-8,38-5,00 0,00 8,38 16,75 25,13 33,51-10,00-15,00 (EF-EI)/EI=0 V=C -20,00 (E F -E I)/E I % (v-c)/c r eta MVA s eg. Figura 8.2 Resultado do estudo de caso 02 Monitoramento eletrônico de contribuinte do ICMS 23

24 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA FAZENDA MONITORAMENTO ELETRÔNICO EMPRESA: ESTUDO DE CASO Nº 03 INSC. EST.: EXERCÍCIO: 1998 EI CMV EF LB C MVA calc. % 22,46 V (V-C)/C % 18,85 (EF-EI)/EI % 10,75 MVA seg % 20,00 MVA calc 22,46 MVA seg 20,00 (V-C)/C % 18,85 MVA seg 20,00 SITUAÇÃO : 03 MVA calc. > MVA seg. e (V-C)/C < MVA seg. FATOR DE DESEMPENHO : 94,26 ( Índice de Rigidez) VERDE PRIORIDADE/COR : 3 VERDE VERDE AVALIAÇÃO : Indício de sonegação - se (EF-EI)/EI for alta ->falta de emissão de NF, com as mercadorias AÇÃO SUGERIDA : permanecendo nos estoques; - se (EF-EI)/EI for baixa -> não há forte indício de sonegação. Y = - EI. (MVA+ 100)/100C. X + MVA X=(EF-EI)/EI Y=(V-C)/C X Y 10,75 18,85 7,17 20,05 3,58 21,25 0,00 22,46-3,58 23,66-7,17 24,86-10,75 26,06 (V-C)/C % 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00-20,00 MVA X ESTOQUES X VENDAS E COMPRAS -33,50-10,00 0,00 33,50 67,00 100,51 134,01 (EF-EI)/EI=0 V=C (v-c)/c r eta MVA s eg. -30,00 (EF-EI)/EI % Figura 8.3 Resultado do estudo de caso 03 Monitoramento eletrônico de contribuintes do ICMS 24

25 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA FAZENDA MONITORAMENTO ELETRÔNICO EMPRESA: ESTUDO DE CASO Nº 04 INSC. EST.: EXERCÍCIO: 1998 EI CMV EF LB C MVA calc. % 19,35 V (V-C)/C % 10,89 (EF-EI)/EI % 198,79 MVA seg % 20,00 MVA calc 19,35 MVA seg 20,00 (V-C)/C % 10,89 MVA seg 20,00 SITUAÇÃO : 04 MVA calc. < MVA seg. e (V-C)/C < MVA seg. FATOR DE DESEMPENHO : 54,45 ( Índice de Rigidez) AMARELA PRIORIDADE/COR : 2 AMARELA AMARELA AVALIAÇÃO : Indício de sonegação - se (EF-EI)/EI for baixa ->subfaturamento ou vendas sem NFs; - se (EF-EI)/EI for alta -> falta de emissão de NFs, com as merc. permanecendo nos estoques AÇÃO SUGERIDA : se (EF-EI)/EI for baixa -> audit. de caixa/passivo no caso de subfaturamento; Y = - EI. (MVA+ 100)/100C. X + MVA X=(EF-EI)/EI Y=(V-C)/C X Y 198,79 10,89 132,52 13,71 66,26 16,53 0,00 19,35-66,26 22,17-132,52 24,99-198,79 27,81 se (EF-EI)/EI for baixa -> audit. de caixa/passivo/est. fechado no caso de vendas sem NFs; se (EF-EI)/EI for alta -> audit. de caixa/passivo ou estoque aberto. 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00-20,00 MVA X ESTOQUES X VE NDAS E COMPRAS -227,34 0,00 227,34 454,69 682,03 909,37-10,00 (EF-EI)/EI=0 V=C (v-c)/c reta MVA seg. -30,00 (E F -E I)/E I % Figura 8.4 Resultado do estudo de caso 04 Monitoramento eletrônico de contribuintes do ICMS 25

26 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA FAZENDA MONITORAMENTO ELETRÔNICO EMPRESA: ESTUDO DE CASO 05 INSC. EST.: NO EXERCÍCIO: 1997 EI CMV EF LB C MVA calc. % 43,62 V (V-C)/C % 58,82 (EF-EI)/EI % -16,36 MVA seg % 50,00 MVA calc 43,62 MVA seg 50,00 (V-C)/C % 58,82 MVA seg 50,00 SITUAÇÃO : 02 MVA calc. < MVA seg. e (V-C)/C > MVA seg. FATOR DE DESEMPENHO : 117,65 ( Índice de Rigidez) VERDE PRIORIDADE/COR : 3 VERDE VERDE AVALIAÇÃO : OK - ocorrência de queima de estoque por parte do contribuinte AÇÃO SUGERIDA : Y = - EI. (MVA+ 100)/100C. X + MVA X=(EF-EI)/EI Y=(V-C)/C X Y -16,36 58,82-10,91 53,75-5,45 48,69 0,00 43,62 5,45 38,55 10,91 33,48 16,36 28,41 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00-23,47 0,00-20,00 (EF -EI)/EI=0-40,00 M VA X E S T OQUES X VE NDAS E COMPRAS 23,47 46,94 V=C (v-c)/c r eta MVA s eg. 70,40 93,87-60,00 (E F -E I)/E I % Figura 8.5 Resultado do estudo de caso 05 Monitoramento eletrônico de contribuintes do ICMS 26

27 BIBLIOGRAFIA: - Referências Bibliográficas: SANTOS, Luiz Cesar Oliveira. Tratamento Matemático das Variáveis Vendas/Compras X Estoque Inicial/Estoque Final para Aplicação na Avaliação de Empresas. Alagoinhas-BA, Infaz Alagoinhas, ARRUDA., José Jobson e TENGARRINHA, José Manuel. Historiografia Luso-Brasileira Contemporânea. Bauru/SP, EDUSC, P LE GOFF, Jacques. História, in Enciclopédia Einaudi. LOPES, Eliane Marta Teixeira. Perspectivas históricas da educação. São Paulo, Ática,

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

TRABALHANDO COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

TRABALHANDO COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA TRABALHANDO COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1 Entendendo o Negócio: Substituição Tributária (ST) é um tributo criado e implementado pelas Unidades da Federação antes do advento da atual Constituição Federal,

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

Ressarcimento de ICMS-ST

Ressarcimento de ICMS-ST Ressarcimento de ICMS-ST Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Planilha de Ressarcimento... 4 Relacionar Nota Fiscal de Entrada...

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO

INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO Authors: LEONARDO OLIVEIRA MENESES Auditor Fiscal da Receita Estadual Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás Realization:

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1. OPERAÇÕES INTERNAS 1.1-BASE DE CÁLCULO - OPERAÇÃO INTERNA No RICMS/SP temos as hipóteses de definição da base de cálculo do ICMS-ST

Leia mais

Av. Santos Dumont, 505 - Sala 203 Londrina-PR CEP 86039-090 Tel.: 43 3029 4544 e-mail: comercial@arandusistemas.com.br Site:

Av. Santos Dumont, 505 - Sala 203 Londrina-PR CEP 86039-090 Tel.: 43 3029 4544 e-mail: comercial@arandusistemas.com.br Site: ARANDU SISTEMAS O objetivo principal da Arandu é oferecer ferramentas que facilitem a GESTÃO EMPRESARIAL, que sejam inteligentes, viáveis e rápidos, procurando sempre a plena satisfação do Cliente. As

Leia mais

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE Resumo: NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO E OS PRAZOS DE ROTAÇÃO Samuel Leite Castelo Universidade Estadual do Ceará - UECE O artigo trata sobre a estratégia financeira de curto prazo (a necessidade de capital

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 21/10/2015 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7 1.1.2. Crédito Presumido...7 1.2. Saída Interestadual...8

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1426/2012 Regulamenta a entrega da Declaração Mensal de Serviços Eletrônica por prestadores e tomadores de serviços e dá outras

Leia mais

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos CGF - Custo Gerencial com Financeiro

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos CGF - Custo Gerencial com Financeiro 3. Custo Gerencial com Financeiro O que é, Como Funciona e como Implementar? 3.1. O que é e como funciona? Conceito: É o custo calculado pelo método de avaliação das mercadorias em estoque (saldo pertencente

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015)

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015) (atualizado até 28.04.2015) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO... 4 1.1. SAÍDA INTERNA... 4 1.1.1. Isenção... 4 1.1.2. Crédito Presumido... 4 1.2. SAÍDA INTERESTADUAL...

Leia mais

http://www.fazenda.gov.br/confaz/ escolha opção resolução Senado Federal 13/2012

http://www.fazenda.gov.br/confaz/ escolha opção resolução Senado Federal 13/2012 Prezado cliente, As constantes mudanças na legislação fiscal têm afetado muito as empresas, os sistemas e as empresas de contabilidade, que precisam estar preparadas para atender as obrigatoriedades legais.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Palestra no SINCOPEÇAS-RS 22 de maio de 2014 www.alfredo.com.br PREÇO DE VENDA E MARGEM DE LUCRO 2 GOVERNO CONCORRENTES FORNECEDOR EMPRESA CLIENTES PREÇO DE

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO ICMS ANTECIPADO - OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO para recolhimento pelos optantes do Simples Nacional? Na unificação das seguintes modalidades

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE À EVASÃO FISCAL. Comissão criada pela Portaria nº 027/SUGP/SEFAZ de 04/05/04

PROPOSTAS PARA O COMBATE À EVASÃO FISCAL. Comissão criada pela Portaria nº 027/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 S PARA O COMBATE À EVASÃO FISCAL. Comissão criada pela Portaria nº 027/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA: ATENDIDO PTA RP 2004 ATENDIDO PTA RP 2005 NÃO PREVISTO PTA RP 1. SINTEGRA UNIDADE RESPONSÁVEL OBSERVAÇÃO

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PONTOS POLÊMICOS DO ICMS. José Roberto Rosa

PONTOS POLÊMICOS DO ICMS. José Roberto Rosa PONTOS POLÊMICOS DO ICMS José Roberto Rosa Uma nova realidade : A prioridade para o CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES Operação Cartão Vermelho Autuações por falta de registro de notas fiscais de compras Diferença

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria Tópico 6: Testes e Procedimentos básicos de auditoria Prof. Marcelo Aragão Testes de auditoria 1. TESTES DE OBSERVÂNCIA (DE CONTROLES, DE ADERÊNCIA OU DE PROCEDIMENTOS) Visam à obtenção de razoável segurança

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

CALCULADORA DE IR F E R R AM E N TA C A L C U L A D O R A D E I R

CALCULADORA DE IR F E R R AM E N TA C A L C U L A D O R A D E I R F E R R AM E N TA C A L C U L A D O R A D E I R R E S U M O 2 PASSO A PASSO PASSO 1 PASSO 2 PASSO 3 PENDÊNCIA A REGULARIZAR? NÃO Acessar Menu Relatórios AÇÃO Integrar o Saldo Inicial da posição em custódia.

Leia mais

Boletim Informativo Técnico BIT 004 08/2014

Boletim Informativo Técnico BIT 004 08/2014 PROCESSO DE CONTAGEM DE INVENTÁRIO FÍSICO Para um resultado satisfatório na execução da contagem do inventário físico é importante que os preparativos tenham início 30 dias antes da data programada para

Leia mais

Copyright 2004/2014 - VLC

Copyright 2004/2014 - VLC Escrituração Fiscal Manual do Usuário Versão 7.2 Copyright 2004/2014 - VLC As informações contidas neste manual são de propriedade da VLC Soluções Empresariais Ltda., e não poderão ser usadas, reproduzidas

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

1 Regime de Inventário Permanente

1 Regime de Inventário Permanente 1 Regime de Inventário Permanente... 1 1.1 Primeiro que entra primeiro que sai (PEPS FIFO)... 5 1.2 Média ponderada móvel (Média)... 6 1.3 Último que entra último que sai (UEPS LIFO)... 9 1 Regime de Inventário

Leia mais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais

Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais Gestão do Malha Fina GMF - Procedimentos Gerais O sistema eletrônico de cruzamento de dados, denominado Gestão do Malha Fina foi instituído, no âmbito da Secretaria da Fazenda, considerando a necessidade

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Murillo Lo Visco. Novatec

Murillo Lo Visco. Novatec Murillo Lo Visco Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins

Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins Manual De Sped Fiscal E Sped Pis / Cofins 29/05/2012 1 O Sped fiscal e Pis/Confins é uma arquivo gerado através do sistema da SD Informática, onde este arquivo contem todos os dados de entrada e saída

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

Manual para Transportadoras

Manual para Transportadoras Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Compras... 4 5 Acessando o Pedido... 5 6 Digitando o Espelho de Nota Fiscal... 7 6.1

Leia mais

ROTEIRO SOBRE NOTAS DE IMPORTAÇÃO CONTROLLER

ROTEIRO SOBRE NOTAS DE IMPORTAÇÃO CONTROLLER Inicialmente, o mais importante O objetivo deste material é apresentar como deve-se proceder em todas as fases, o cadastramento de uma Nota de Importação no Controller. Este material abordará os tópicos

Leia mais

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget)

COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO (Moving Budget) COMO ELABORAR UM ORÇAMENTO CONTÍNUO! O que é Orçamento Contínuo?! Qual a periodicidade normal para um Orçamento Contínuo?! Como podemos estruturá-lo?! O que é mais importante para um Orçamento Contínuo?!

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

ABERTURA E ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO

ABERTURA E ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO Atualização: Novembro de 2012 Página: 1 SIA 7.5 - Sistema Integrado de Arrecadação ABERTURA E ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO FIORILLI SOC CIVIL LTDA.-SOFTWARE SIA 7.5 - Sistema Integrado de Arrecadação Atualização:

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

www.analise-grafica.com SIMULAÇÃO DE VIABILIDADE DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

www.analise-grafica.com SIMULAÇÃO DE VIABILIDADE DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 Olá! Tudo Bem? JOSÉ CARLOS GONÇALVES falando! Muito Obrigado por ter comprado este infoproduto! Espero que você tenha lido o e-book GERIR CUSTOS & FORMAR PREÇOS que disponibilizei

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias BIG AUTOMAÇÃO Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5 Imposto... 5 Taxa... 5 Contribuição... 5 Tributos... 5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Proporcionalidade do Crédito de PIS e COFINS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Proporcionalidade do Crédito de PIS e COFINS 02/04/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Proporcionalidade do Crédito... 3 3.2 Parecer Consultoria

Leia mais

Boletim Técnico. DIA Declaração Ingressos Amazonas. Procedimento para Implementação

Boletim Técnico. DIA Declaração Ingressos Amazonas. Procedimento para Implementação DIA Declaração Ingressos Amazonas Produto : TOTVS 11 Obrigações Fiscais (MOF) Chamado : THRDV3 Data da criação : 17/04/2014 Data da revisão : 13/05/14 País : Brasil Bancos de Dados : Progress/Oracle/SQL

Leia mais

Descubra aqui os benefícios de possuir um sistema de NF-e integrado com o software de gestão de empresas da Indústria da Construção.

Descubra aqui os benefícios de possuir um sistema de NF-e integrado com o software de gestão de empresas da Indústria da Construção. Descubra aqui os benefícios de possuir um sistema de NF-e integrado com o software de gestão de empresas da Indústria da Construção. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 OS IMPACTOS GERADOS COM A IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO

Manual de orientação Versão II APRESENTAÇÃO Documento de Utilização de Benefício Fiscal APRESENTAÇÃO Prezado Contribuinte, Instituído pela Resolução SEFAZ nº 180 de 05 de dezembro de 2008, o DUB-ICMS (Documento de Utilização de Benefício) é uma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

PORTARIA Nº 135/GSER

PORTARIA Nº 135/GSER PORTARIA Nº 135/GSER João Pessoa, 9 de junho de 2015. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA RECEITA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 3º, inciso VIII, alíneas a e g, da Lei nº 8.186, de 16 de março de

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA SPED FISCAL REGRAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA SPED FISCAL REGRAS GERAIS Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS

AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS E CONTÁBEIS VOCÊ JÁ TEM POUCO TEMPO. UTILIZE ESSE TEMPO PARA RESOLVER OUTROS PROBLEMAS. ACHAR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS TRIBUTÁRIOS E NO SPED FAZ PARTE DAS NOSSAS ESPECIALIDADES. AUDITORIA ELETRÔNICA EM ARQUIVOS FISCAIS

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil PRÁTICA 1) TÍTULO Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Auditoria Interna

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária

Parecer Consultoria Tributária Questão O cliente, no ramo de atividade industrial no segmento de produtos elétricos para profissionais de beleza, sediado em São Paulo, informa que na emissão da nota fiscal complementar de ICMS em sua

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA GERAL DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA GERAL DA RECEITA ESTADUAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 011/2008/GAB/CRE Porto Velho, 28 de outubro de 2008. PUBLICADA NO DOE Nº1149, DE 22.12.08 CONSOLIDADA ALTERADA PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA: Nº 009, de 30.03.09 DOE Nº 1217, de 03.04.09

Leia mais

Consulta de Produtos - Completa

Consulta de Produtos - Completa PROD1010 Consulta de Produtos - Completa Este programa é utilizado para consultar informação dos produtos de estoque ( cmprodut ), estejam eles em estoque ou não. A partir do Código ou da Descrição do

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo)

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Data D.O.: 01/03/2013 Disciplina os procedimentos administrativos necessários à liquidação de débitos fiscais do Imposto sobre Operações

Leia mais